CÂNCER DO COLO UTERINO: PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO CERVICAL CANCER: PREVENTION AND DIAGNOSIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂNCER DO COLO UTERINO: PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO CERVICAL CANCER: PREVENTION AND DIAGNOSIS"

Transcrição

1 Sociedade Universitária Redentor aculdade Redentor Pós-Graduação Lato-Sensu em Saúde Coletiva CÂNCER DO COLO UTERINO: PREVENÇÃO E DIAGNÓSTICO CERVICAL CANCER: PREVENTION AND DIAGNOSIS Everton Elias Silva Enfermeiro - asar Pós Graduado em Urgência e Emergência - acredentor Praça Henrique Penido, S/N Carijós Belo Vale/MG Tel: (3) Gisele Simas dos Santos, M.Sc Orientadora Enfermeira U Pós Graduada em Terapia Intensiva e Educação UJ Pós Graduada em ormação Pedagógica em Educação Profissional na Área de Saúde - ENSP/IOCRUZ/U Mestre em Ciências da Saúde UNIPLI Rodovia BR 356, Nº 25, Cidade Nova, Itaperuna-RJ, 283- Tel: RESUMO A enfermagem contemporânea vem abrangendo cada vez mais conhecimento teórico-prático sobre a prevenção do câncer de colo uterino, conhecimento este, pautado em um rigor científico e um trabalho diferenciado através de ações educativas. Como o câncer uterino é uma doença de evolução lenta e progressiva com etapas definitivas, permitindo diante de um diagnóstico precoce, tratamento oportuno e cura, o presente estudo objetivou conhecer a atuação do enfermeiro do Programa Saúde da amília na prevenção e detecção precoce do câncer de colo uterino, principalmente no que concerne às atividades de educação em saúde. Tratou-se de uma pesquisa de campo, descritiva e abordagem quantitativa, referente à realização dos exames citopatológicos pelos profissionais de saúde das ES, para detecção, prevenção e diagnóstico do câncer de colo do útero. izeram parte da pesquisa 23 profissionais, através da autorização do termo de consentimento livre e esclarecido e que posteriormente responderam o questionário. Observou-se que os profissionais estão graduados a quatro anos ou mais, e desses a maioria possuem especialização específica na área e trabalham na ES a mais de quatro anos. Com relação à educação em saúde, nota-se que esta vem sendo realizada pelos profissionais de enfermagem individualmente no ato da coleta, pela falta de adesão da comunidade feminina as palestras coletivas. Dos profissionais pesquisados, relatam realizar o exame preventivo. Quanto ao protocolo/técnica, relatam seguir o protocolo proposto pelo Ministério da saúde. No período de julho de 2 a julho de 2 foram detectadas 25 células atípicas, 52 NIC I e 27 NIC II e NIC III neste município. Sugerem-se para uma melhor assistência desses profissionais,

2 2 treinamentos periódicos, capacitações constantes, e aprovação do protocolo municipal para que haja padronização nos exames preventivos. Palavras chaves: educação em saúde, câncer de colo de útero, enfermeiro, atenção primária. SUMMARY The cancer of the uterine lap is known all over the world as one of the most frequent causes of death in the feminine population: they are dear 5. new cases of the disease a year. Epidemic studies have been showing strong association among the infection for the human papilomavirus (HPV), disease viral sexually transmissible more common, and the cancer of uterine lap. Types of HPV of low risk are the agents causes of the genital warts, while the types of high risk are directly linked to the cancer. Recent progresses have been taking to a better understanding of like HPV it causes cancer at molecular level and of the immunological answer to the virus. In this literature revision, the prevention aspects, diagnosis and treatment of the cancer of uterus lap are discussed, such as the infection with types oncogenics of HPV, new rastreament strategies using molecular tests and other methods as adjuvants to the cytology, as well as the development of vaccines profilatics and therapeutics as an alternative in the prevention of the cervical carcinoma and their precursory lesions. Keywords: Cancer of the uterine lap; Prevention; Diagnosis; Treatment INTRODUÇÃO O câncer do colo uterino é conhecido como uma das causas mais frequentes de óbito na população feminina em todo o mundo: são estimados 5. novos casos da doença por ano, dos quais 79% ocorrem nos países em desenvolvimento (BRASIL, 26). O objetivo deste estudo foi analisar aspectos de prevenção e diagnóstico do câncer de colo de útero na atenção básica de saúde de um município do interior de Minas Gerais; Identificar as estratégias para a prevenção e detecção precoce do câncer de colo uterino; Verificar a assistência de enfermagem prestada a paciente em relação ao exame citopatológico; Correlacionar as atitudes dos profissionais de saúde com o protocolo proposto pelo ministério da saúde. No Brasil, a estimativa em 26 foi de 9.26 novos casos de câncer do colo do útero. Sem considerar os tumores de pele não-melanomas, sendo o câncer do colo uterino o mais incidente na região Norte, o segundo tumor mais incidente nas regiões Sul, Centro-Oeste e Nordeste e o terceiro mais freqüente na região Sudeste (INCA, 26).

3 3 Estudos epidemiológicos têm mostrado forte associação entre a infecção pelo papilomavírus humano (HPV) e o câncer do colo uterino. O HPV está implicado em 99,7% dos casos de carcinoma cervical no mundo, podendo ser diagnosticado precocemente pelo exame citopatológico (INCA, 26). Tipos de HPV de baixo risco são os agentes causadores das verrugas genitais, enquanto que os tipos de alto risco estão diretamente ligados ao câncer. Mais de 2 tipos de HPV foram identificados através da análise da sequência de DNA, e 85 genótipos do HPV foram bem caracterizados até agora. Estes diferentes tipos virais variam no seu tropismo tecidual, associações com diferentes lesões e potencial oncogênico (LIMA; GEBRIM e OLIVEIRA, 25). Cerca de 35 tipos diferentes de HPV infectam o trato genital, e, pelo menos, 2 desses estão associados ao câncer de colo do útero (BRASIL, 26). Os HPVs genitais podem infectar o epitélio escamoso e as membranas mucosas da cérvice, da vagina, da vulva, do pênis e da região perianal, podendo induzir ao aparecimento de verrugas anogenitais (condiloma acuminado), lesões intra-epiteliais escamosas pré-cancerosas ou cânceres (SILVA ILHO e LONGATTO ILHO, 26). Dentre todos os tipos de cânceres, o câncer do colo do útero é o que apresenta um dos mais altos potenciais de prevenção e cura, chegando perto de %, quando diagnosticado precocemente. Seu pico de incidência situa-se entre 4 e 6 anos de idade e apenas uma pequena porcentagem ocorre abaixo dos 3 anos (INCA, 26). O câncer de colo uterino ainda é um problema de saúde pública nos países em desenvolvimento, pois apresenta altas taxas de prevalência e mortalidade em mulheres de nível social e econômico baixo e em fase produtiva de suas vidas. Essas mulheres, uma vez doentes, ocupam leitos hospitalares, o que compromete seu papel no mercado de trabalho, privando-as do convívio familiar e acarretando um prejuízo social considerável. Esse quadro pode ser prevenido ou diagnosticado precocemente através do exame citopatológico de Papanicolau, que tem sido recomendado como método de rastreamento de grandes populações, a fim de detectar lesões pré-malignas e malignas (KURMAN e SOLOMON, 23). Embora o exame citopatológico seja reconhecido como a razão primária para a drástica redução do câncer cervical, ele apresenta limitações com relação à

4 4 sensibilidade para a detecção das lesões pré-malignas. Além disso, a grande maioria das infecções por HPV genital é assintomática e autolimitada (SOLOMON e NAYAR, 25). Somente a 2% das mulheres HPV-positivas apresentam anormalidades citológicas. Atualmente, existe grande preocupação com a melhoria do diagnóstico das infecções por HPV, visto que, em países em desenvolvimento, a triagem citológica vem falhando em promover a redução na incidência de câncer cervical (COLLAÇO, 26). Considerando as evidências do aumento de casos da doença no Brasil, e por essa ser uma das patologias que atualmente mais se leva o óbito, chama a atenção para o rastreamento feito pela equipe de saúde, na atenção primária através do exame preventivo. Nesse sentido, o profissional da enfermagem representa um papel importante para a identificação precoce e prevenção do câncer do colo do útero na rede básica, ou seja, dentro da Estratégia da Saúde da amília (ES). Embora sendo o exame preventivo reconhecido como razão primária para a drástica redução do câncer cervical, é preciso que os profissionais de enfermagem estejam suficientemente capacitados para a realização do exame preventivo e apto para orientar a paciente e a comunidade quanto à prevenção, promovendo uma educação continuada em saúde. No entanto, outras infecções ginecológicas como o HPV estão associadas com o desenvolvimento do câncer de colo uterino detectável pelo exame preventivo, este estudo propõe analisar a atuação do enfermeiro na ES verificando a assistência prestada em relação à prevenção e diagnóstico do câncer do colo do útero. 2 MATERIAIS E MÉTODOS Tratou-se de uma pesquisa de campo, descritiva e abordagem quantitativa, referente à realização dos exames citopatológicos pelos profissionais de saúde das ES, para detecção, prevenção e diagnóstico do câncer de colo do útero de um município do interior de Minas Gerais. Além de identificar as estratégias para este fim, verificou a assistência de enfermagem prestada a paciente com alterações citopatológicas de acordo com o protocolo proposto pelo ministério da saúde.

5 5 O estudo foi desenvolvido nas 24 ES e no Centro de Promoção a Saúde de uma cidade do interior de Minas Gerais. A população do estudo foi constituída por enfermeiros que atuam nas ES e no Centro de Promoção a Saúde. A escolha desses profissionais deve-se ao fato de estarem diretamente envolvidos na realização do exame citopatológico, que é primordial para a detecção e prevenção do câncer do colo uterino, bem como de promover uma assistência de qualidade as pacientes, utilizando a educação continuada em saúde através de palestras educativas, consultas de enfermagem e treinamento dos ACS, para conscientizar a população da importância da realização anual do exame citopatológico. A coleta de dados ocorreu mediante agendamento prévio com os enfermeiros das ES e do Centro de Promoção a Saúde. Os questionários foram aplicados pelo próprio pesquisador após apresentação do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (APÊNDICE I) e autorização do participante da ES. oi utilizado um questionário semi-estruturado na coleta de dados para os enfermeiros das ES (APÊNDICE II), voltadas para dados demográficos como: tempo de formação profissional, tempo que trabalha na ES e se possui alguma especialização no mesmo, e dados relacionados ao atendimento do profissional quanto a realização do exame citopatológico como orientações de prevenção se faz palestras educativas para sua comunidade. No Centro de Promoção a Saúde, foram pesquisados dados sobre alterações citopatológicas e a procedência relacionada à ES no segundo período de julho de 2 a julho de 2. Após a coleta dos dados, esses foram codificados e digitados, utilizando o programa Microsoft Office Excel 7.. Posteriormente os dados foram analisados e correlacionados com as preconizações do Manual Técnico: Prevenção do Câncer do Colo do Útero, Organizando a Assistência do Ministério da Saúde, 22 (Anexo I). 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO Este estudo apresentou como sujeito 9 (83%) enfermeiras e 4 (7%) enfermeiros, que compõem as equipes da ES nas unidades pesquisadas. Em um estudo realizado no estado do Mato Grosso, ao traçar o perfil dos profissionais, destacou-se o predomínio do sexo feminino (59%), trabalhando nas

6 6 unidades básicas de saúde, confirmando a tendência nacional da feminilização da força de trabalho na enfermagem (CONESQUI e SPPNELLI, 26). Como objeto deste estudo, foram selecionados as 24 ES desse município, sendo excluído desta pesquisa apenas um profissional, pois ele encontrava-se de férias. Na ES, a principal estratégia de prevenção está na educação em saúde que é fundamentada pelo Ministério da Saúde (999), ressaltando a importância do profissional de enfermagem nos programas junto à população, não só como técnico, mas, sobretudo, como educador e conselheiro, apresentando-nos a campanha de combate ao câncer de colo uterino realizada pelo Ministério da Saúde em 998. Esta campanha contou com a participação efetiva do enfermeiro, e, ao ser avaliado pelo próprio Ministério, foi considerada uma de suas melhores campanhas, tendo em vista que suas metas foram alcançadas, a prevenção e combate ao câncer de colo uterino (DIÓGENES; REZENDE e PASSOS, 2). No que concerne ao tempo de graduação, categorizou-se de um a dois anos (9%) dois a quatro anos (26%) quatro anos ou mais (65%). 65% Um a dois anos Dois a quatro anos 26% Quatro anos ou mais 9% Gráfico - Distribuição da frequência do tempo de formação dos profissionais das ES do município de Conselheiro Lafaiete, 22. Destes 74% são especialistas em Saúde da amília, e os 26% demais têm o curso de especialização em andamento, demonstrando, assim, a preocupação do profissional em respaldar-se cientificamente, para uma qualificação específica no desempenho de suas atividades.

7 7 26% Possui Não possui 74% Gráfico 2 Distribuição da freqüência em especialização na área específica dos profisssionais das ES do município de Conselheiro Lafaiete, 22. De acordo com Melo (28), A qualificação dos profissionais através de cursos de pós-graduação em especial na área da saúde da família é uma forma de trazer conhecimentos não obtidos na graduação e que vão contribuir para qualificar a prática profissional. O investimento em educação continuada da equipe de saúde e em informação em saúde destinado para população, tem surtido efeitos positivos no que se refere à qualidade da prática assistencial e à adoção de hábitos e comportamentos mais saudáveis por parte da população (SOUSA, 2). Estes têm buscado cada vez mais se especializarem em saúde pública ou coletiva, ao longo de sua atuação na ES (GIL, 25). Assim posto, analisam-se algumas características sobre a preocupação dos profissionais em envolver-se em treinamentos, cursos de formação adicionais e reciclagens para a melhoria de seu conhecimento e serviço prestado à comunidade com a qual trabalham. Os profissionais pesquisados demonstraram também esta preocupação devido à maioria (74%) terem se especializado na área específica de atuação. De acordo com os dados obtidos observa-se que 6% dos pesquisados trabalham a mais de quatro anos na ES, sendo que outros 26% estão na área a dois ou quatro anos e 3% entre um a dois anos de atuação.

8 8 6% 26% Mais de quatro anos Dois a quatro anos Um a dois anos 3% Gráfico 3 Distribuição da frequência do tempo de trabalho dos profissionais das ES do municipio de Conselheiro. Lafaiete, 22. Dados encontrados em um estudo revelam profissionais com até 5 anos de formados, inseridos nas equipes de saúde da família (GIL, 25). Outra preocupação está nas ações realizadas pelos enfermeiros do Programa Saúde da amília, no que concerne à prevenção e detecção precoce do câncer de colo do útero. A maioria dos enfermeiros (96%), informaram realizar a ação preventiva do câncer de colo de útero, com exceção de um profissional que trabalha em uma das unidades, onde existe a rotina da coleta de material preventivo sendo esta delegada para o técnico de enfermagem. As atividades da coleta do material cervical e confecção do esfregaço em mulheres sem queixas ou doença ginecológica e pela realização das ações educativas conforme a lei nº. 7498/86, pode e deve ser do profissional de enfermagem. Já o auxiliar ou o técnico de enfermagem só poderá realizar o exame de papanicolau se estiver devidamente capacitado e supervisionado pelo enfermeiro (BRASIL, 25). Conforme Merighi, Hoga e Praça (997), vêm reforçar esta premissa dizendo que o êxito da prática do exame de prevenção do câncer cérvico-uterino está embasado na característica dos profissionais que o realizam, os quais devem possuir atributos como empatia, calor humano, simplicidade, além de ser capaz de transmitir confiança e segurança à mulher. Diante do exposto, questiona-se a delegação desse procedimento em uma das unidades pesquisadas, no que se refere à realização do exame preventivo, uma vez que não se sabe, se ele fora treinado e supervisionado para tal fim.

9 9 Além da coleta do material, a consulta ginecológica é o momento devido e oportuno para o enfermeiro identificar alterações teciduais mais visíveis do colo do útero; DST e encaminhá-los a consulta médica, ou exames laboratoriais, interferindo diretamente no índice de detecção precoce (DIÓGENES; REZENDE e PASSOS, 2). Estas atividades encontram barreiras nas atitudes das mulheres brasileiras quanto à prevenção, e o não atendimento aos programas de captação, mostram que as principais causas de resistência estariam ligadas às questões culturais, tais como, medo de doer, vergonha, religião, desconhecimento do exame e onde realizá-lo e o parceiro que não permite que a mulher realize o exame preventivo (GAMARRA; PAZ e GRIEP, 25). O medo pode estar também relacionado com a possibilidade do resultado ser positivo para câncer. Nesses casos, a mulher realiza o exame e não retorna para saber do resultado. Outro ponto dificultador está na submissão aos maridos reprimindo a formação de uma atitude adequada em relação ao preventivo. Nesse sentido, as atividades educativas da equipe de saúde devem ser ampliadas aos casais com o objetivo de conscientizar os parceiros para a estimulação e facilitação das mulheres a atitudes femininas favoráveis ao exame. De acordo com o TABELA, observar-se a variação do número de mulheres atendidas semanalmente para realização do exame preventivo. Percebe-se que o profissional do sexo masculino não influencia na baixa adesão das mulheres para a realização do exame preventivo. Em relação ao tempo de formação profissional com o tempo de trabalho na ES nota-se que esta questão não interferiu nos resultados. Todavia, os enfermeiros devem compreender que isto envolve mudança em hábitos, crenças e valores arraigados durante toda a vida, exigindo desta forma que o enfermeiro trabalhe mais de forma dinâmica, criativa, interativa, para assim convencer as mulheres sobre a importância da realização do exame preventivo. Essas atitudes necessitam de uma intervenção maior pelos enfermeiros nas ES I, IV, V, VI, VIII, IX, XI, XIV, XVI, XIX e XXII, pois realizam menos de 2 exames citopatológicos/mês, diferenciando dos demais que conseguem mais de 2 exames/mês.

10 ES I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII *XIV XV XVI XVII XVIII XIX XX XXI XXII XXIII Tempo de formação profissional 2 a 4 anos 2 a 4 anos a 2 anos 2 a 4 anos 2 a 4 anos a 2 anos 2 a 4 anos 2 a 4 anos Tempo que trabalha no ES a dois anos 2 a 4 anos 2 a 4 anos a 2 anos 2 a 4 anos 2 a 4 anos a 2 anos 2 a 4 anos 2 a 4 anos Sexo do profissional M M M M Quantidade de exames/ mês 5 a 2 Mais de 2 Mais de 2 5 a 2 5 a 2 5 a 2 Mais de 2 5 a 2 5 a 2 Mais de 2 a 5 Mais de 2 Mais de 2 5 a 2 Mais de 2 5 a 2 Mais de 2 Mais de 2 5 a 2 Mais de 2 Mais de 2 5 a 2 Mais de 2 * ES onde o exame preventivo é delegado para o técnico de enfermagem Tabela : Distribuição do número de exames encaminhados ao mês de cada ES onte: ES do município De acordo com o grupo de enfermeiros pesquisados, ainda existe pouco interesse das mulheres no que diz respeito à importância do exame de prevenção enquanto primórdio para o controle do câncer de colo uterino, sendo que essa doença vem alarmando o mundo com um número cada vez maior de vítimas. Sabe-se que não pode responsabilizar apenas as mulheres por essa falta ou pouco interesse na participação de grupos. A equipe de saúde e suas formas/estratégias de aproximação com os usuários também merecem ser analisadas. É sabido que quanto mais efetivas essas estratégias, maior participação acontece. Com esse intuito a enfermagem desde a década de 8, vem atuando mais intensamente na área ginecológica e embora sejam notáveis seus feitos, muito ainda se tem a realizar, pois, a essa profissão cabe toda uma amplitude de deveres seja realizando a coleta do material citopatológico, ou seja, orientando a clientela sobre a necessidade de efetuar tal exame, ou ainda, contemplando juntamente com a população requisitos básicos para que haja uma comunicação eficaz com

11 assimilação de ensinamentos e habilidades inerentes ao auto-cuidado pelas clientes (BRASIL, 2). Sassaki e rechi (999) colocam inclusos como principal requisitos, entrar em contato com a cliente, considerando seu referencial, suas reais necessidades, ou seja, realizar a busca ativa. Repensar as formas de conhecer, sondar e agir, significa sermos sensíveis à dimensão social do humano, para que através destas condutas consigamos considerar as crenças presentes. No entanto, deve-se desmistificar no momento e de maneira apropriada para que não haja divergências entre as práticas familiares populacionais e as recomendações feitas por profissionais de saúde, trabalhando assim, a mentalidade preventiva da nossa população. A pouca conscientização das clientes contribui para fazer com que estas só procurem o serviço de saúde quando já apresentam alguma sintomatologia. Ilich (98 apud SOUSA, 2), alerta que o modelo biomédico que ainda predomina em nossa sociedade gera a ilusão ao indivíduo que ele tem a sua disposição um serviço assistencial com poderes de curá-lo de qualquer doença ou mesmo salvá-lo da morte. As pessoas ainda não estão prontas para proverem a autopromoção de sua saúde precisando assim de profissionais que construam junto com elas outro paradigma. Para Smeltzer e Bare (999) o exame preventivo, é um dos maiores aliados dos profissionais de saúde na prevenção do câncer colo uterino, tendo em vista que sua eficácia é confiável e seu custo financeiro é baixo, tornando-se o método de escolha para a detecção precoce do câncer de colo uterino nas mulheres de todo país. No Sistema Único de Saúde (SUS), o preventivo é oferecido gratuitamente a todas as mulheres, que têm ou já teve atividade sexual, estão na faixa etária entre os 25 a 59 anos de idade e também para todas as mulheres que desejam realizar o exame preventivo, bastando apenas agendar o exame em sua área de abrangência. Para que esse exame seja padronizado deve existir um protocolo/técnica para realização da coleta do material citopatológico. No atual estudo, 65% responderam seguir o protocolo do Ministério da Saúde, outros 35% relatam não seguir protocolo ou técnica alguma, pelo fato de estarem aguardando o protocolo municipal que ainda está em andamento, sendo sua referência o aprendizado oferecido na graduação durante os estágios curriculares.

12 2 35% 65% Segue Não segue Gráfico 4 Distribuição da frequência dos profissionais das ES que seguem algum protocolo ou técnica do município de Conselheiro Lafaiete, 22. Uma pesquisa recente revelou que em relação ao protocolo municipal da saúde da mulher, existe um pequeno descontentamento dos profissionais em relação às limitações, como prescrição de enfermagem para o correto tratamento entre outras impostas pelo mesmo (PRIMO e BOM, 28). Sobre os pesquisados, 9% tiveram algum tipo de treinamento para realização do exame preventivo, enquanto 9% dos entrevistados relatam não terem recebido treinamento algum, o que leva a questionar o fato da grande maioria (9%) dizer ter recebido treinamento para o exame preventivo, o que contradiz o que foi referido anteriormente pelos entrevistados, onde 65% não seguem protocolo/técnica alguma. Nota-se que não existe padronização ou orientação para realização do exame preventivo nas ES desse município. 9% Sim Não 9% Gráfico 5 Distribuição da frequência dos profissionais das ES que tiveram algum treinamento para realizar exame preventivo e orientação do câncer de colo de útero do município Conselheiro Lafaiete, 22 Mendes, Silveira e Paredes (24) apontam ainda que deve ser uma preocupação permanente a qualidade da coleta do material cérvico-vaginal e, para tanto, os autores sugerem que os profissionais envolvidos nesse processo mantenham-se constantemente em treinamento, tanto para a descrição das informações pertinentes quanto para a devida coleta e fixação do material.

13 3 Acredita-se que seja de interesse profissional e municipal a capacitação e reciclagem desses profissionais periodicamente, a fim de que se possa reavaliar sempre a realidade da assistência à saúde da mulher que vem sendo oferecida, no que se refere ao exame de prevenção do câncer de colo uterino, o que possibilitaria inclusive propor medidas assistenciais cada vez mais efetivas. Todos os entrevistados dizem fazer orientações ao paciente ao perceber alterações no ato da coleta preventivo ou após o resultado do exame. Afirmam ainda realizar as ações de controle, prevenção e detecção precoce que são de suas competências, discriminadas pelo Ministério da Saúde; como consulta clínico ginecológica, coleta do material para esfregaço cérvico-uterino (exame preventivo), tratamento de alguns processos inflamatórios, esclarecimentos de dúvidas individuais durante a consulta e encaminhamentos para a referência, de acordo com a rotina estabelecidas nestas unidades. O Ministério da Saúde preconiza nesses casos, marcar consulta com especialista para essa paciente e encaminhá-la para o local de referência do município, para confirmação das lesões. Sobre os pesquisadores que ministram palestras 96%, educação continuada com frequência para a comunidade sobre a prevenção, mas percebe-se pela amostra que outros 4% não realizam nenhuma ação preventiva. 96% Sim Não 4% Gráfico 6 Distribuição da freqüência em relação a palestras ou educação em saúde dos profissionais das ES do município de Conselheiro Lafaiete, 22 Segundo relatos dos profissionais, palestras coletivas não surgem efeitos, pelo fato da não participação da comunidade, esses então fazem suas orientações de prevenção individualmente no ato da coleta, na consulta de enfermagem, e na entrega dos resultados.

14 4 Observa-se que faltam iniciativas dos enfermeiros das unidades que não realizam atividade alguma para conscientizar a comunidade da importância da realização do exame preventivo, sendo que todas as unidades devem buscar alternativas de educação em saúde, para abranger não somente as mulheres que realizam o exame preventivo regularmente, mas também aquelas que não têm conhecimento do exame e sua importância. Assim, segundo as preconizações, nenhuma ação de controle do câncer do colo uterino avançará sem a participação do componente educativo que atinja a população de mulheres e os profissionais de saúde. Essas ações devem ser oferecidas a todas as mulheres que buscam os serviços de saúde, por qualquer motivo, ações educativas individuais ou em grupos de reflexão sobre os benefícios que decorrem destas atividades (BRASIL, 22). Segundo o estudo de Rosso e Collet (999) se compreendemos que saúde não é simplesmente a ausência de doença, e que novas concepções do processo saúde-doença norteiam muitas das ações educativas, essas deveriam ser contempladas ao invés da realização de práticas educativas obsoletas. az-se necessário um saber mais sistematizado sobre educação em saúde, vislumbrando práticas que incluam o cidadão no processo enquanto ator social, reflexivo e instrumentalizado com seu saber, para contribuir no processo de mudança social. Não bastam informações. É preciso compreender a comunidade como unidade, criando, no coletivo, propostas capazes de atingir cada um de seus segmentos, segundo suas naturezas e carências. A importância fundamental de educação em saúde na prevenção do câncer do colo uterino pode ser explicitada por dados de uma pesquisa realizada por Lopes e Sousa (996) sobre o comportamento da população feminina brasileira em relação ao câncer do colo uterino em que detectaram que das mulheres entrevistadas, 76% já tinham algum conhecimento acerca do exame preventivo, todavia 6% destas, mesmo conhecendo o teste, nunca se submeteram ao exame. A frequência das palestras e educação continuada em saúde são bastante variadas, sendo que 9% dos profissionais o realizam semanalmente, 59% os realizam mensalmente, 5% trimestralmente, 8% semestralmente, e os outros 9%, até mais de seis meses.

15 5 59% 8% Semanal Mensal Trimestral Semestral Ou mais 9% 5% 9% Gráfico 7 Distribuição da freqüência que são realizadas palestras ou educação em saúde pelos profissionais das ES do município Conselheiro Lafaiete, 22 Portanto, os profissionais de saúde que realizam o exame preventivo, ao atenderem as mulheres, deveriam ir ao encontro do que elas pensam e esperam da realização desse exame, buscando alcançar medidas preventivas, baseadas no desenvolvimento de uma consciência crítica, com vistas a mudanças no quadro epidemiológico de morbimortalidade feminina. O presente estudo possibilitou à enfermagem o poder de vislumbrar uma ampla atuação nesta área, a partir do desenvolvimento de ações que levem em consideração as necessidades das mulheres, criando condições para que estas possam repensar os significados que atribuem ao seu corpo e aos seus direitos e deveres com relação a sua saúde. O exame citopatológico para prevenção do câncer de colo de útero e de outras patologias deve ser valorizado pelos profissionais de saúde, priorizando ações que levem em consideração as necessidades das mulheres, considerando-as ativas e responsáveis pelo cuidado com sua saúde, com vistas ao desenvolvimento de uma consciência crítica a respeito da relevância de se realizar efetivamente a prevenção (BRITO, NERY e TORRES, 27). Mesmo com os esforços e empreendimentos desenvolvidos pelos profissionais preocupados com a saúde da mulher, o câncer do colo uterino constitui-se ainda, um grande desafio para a saúde pública, tendo em vista que a sua prevenção e cura dependem de inúmeros fatores como: serviços assistenciais adequados; recursos humanos treinados; e a participação da comunidade de forma consciente, na aplicação de medidas que elevem a atual qualidade de vida. A tabela 2 foi categorizada de acordo com as alterações celulares registradas no Centro de Promoção a Saúde, que é o local de referência para alterações dos

16 6 exames citopatológicos do município. Tendo como alterações, células atípicas, NIC I, NIC II e NIC III. Sugere-se que nas ES II, V, XIV e XXIV, onde ocorreram maior número de alterações do tipo NIC II e NIC III, seja necessário maior intervenção do enfermeiro para uma prevenção mais eficaz, alertando as mulheres sobre a importância e regularidade do exame preventivo, evitando assim, que elas somente procurem a unidade de saúde quando já apresentam sinais e sintomas da doença. Acredita-se que seja interessante a aplicação periódica deste estudo, a fim de que se possa reavaliar sempre a realidade da assistência à saúde da mulher que vem sendo oferecida, no que se refere ao exame de prevenção do câncer de colo uterino, o que possibilitaria inclusive propor medidas assistenciais cada vez mais efetivas. ES Células atípicas NIC I NIC II e III I II III IV V VI VII VIII IX X XI XII XIII XIV XV XVI XVII XVIII XIX XX XXI XXII XXIII XXIV Total 25 62% 52 25% 27 3% Tabela 2: Distribuição das alterações citopatológicas onte: ES do Município Dessa forma, as análises dos exames de prevenção realizadas neste estudo, permitiram sugerir algumas propostas de melhoria da assistência à saúde da mulher nas ES estudados. Dentre eles, o planejamento de ações que estimulem as mulheres a realizarem com regularidade o exame de prevenção do câncer de colo do útero, e a promoção de palestras para a comunidade para adesão e

17 7 conhecimento coletivo da importância da realização desse exame. Haja visto, esta preocupação faz-se necessário devido a população feminina constituir o grupo de maior risco para esse tipo de neoplasia, (BRASIL, 25; BRASIL, 24; DAVIM, 25). Isso também está referenciado pelo Ministério da Saúde quando aponta que a prevenção, o diagnóstico precoce e o tratamento do câncer ginecológico requerem a implantação articulada de medidas como sensibilização e mobilização da população feminina (BRASIL, 24). 4 CONSIDERAÇÕES INAIS Com a realização do presente estudo, foi possível conhecer as ações de prevenção e detecção nas unidades pesquisadas, principalmente no que concerne as atividades de educação em saúde realizadas pelas ES como estratégias utilizadas para rastreamento do câncer uterino. Com isso, os profissionais estão se especializando, buscando conhecimentos não aprendidos na graduação que os embasam para um melhor atendimento nas ações de prevenção, promoção e tratamento da saúde da mulher. oi possível também identificar como principais estratégias na prevenção do câncer de colo de útero o exame preventivo e educação em saúde, que deveriam ser realizados coletivamente e individuais, mas infere-se a falta de adesão das usuárias nas palestras ou uma deficiência na atuação direta do profissional de enfermagem, com isso essas atividades tornam-se prejudicadas. Reflete-se portanto, sobre o papel do enfermeiro na execução das ações em saúde, com o protocolo proposto pelo Ministério da Saúde. Neste sentido nota -se que as atitudes dos profissionais pesquisados estão de acordo com o que é proposto, sendo necessário proporcionar melhores condições de trabalho para os referidos profissionais, bem como treinamentos, protocolo municipal e capacitações constantes. Em relação à assistência prestada as pacientes, durante o exame preventivo, nota-se que o atendimento é humanizado, promove laços de confiança e acolhimento, contemplando as orientações que norteiam a intimidade da mulher, bem como encaminhando-as ao centro de referência para confirmação diagnóstica e posterior tratamento.

18 8 Com relação às alterações citopatológicas encontradas nas ES do município, sugerem-se pesquisas minuciosas a fim de esclarecer a alta prevalência de NIC I detectada nas ES do município estudado. Espero que o presente trabalho possa promover uma nova consciência entre as pessoas e como resultado, em médio prazo, sensibilizar aos profissionais de saúde e o município sobre a importância do seu trabalho na prevenção do câncer do colo de útero. REERÊNCIAS BIBLIOGRÁICAS BRASIL, Ministério da Saúde. Ações de Enfermagem para o controle do câncer, v 85, nº6, p 22-23, 996. Ministério da Saúde INCA. Coordenação de Programas de Controle de Câncer Pró-Onco: O problema de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: Secretaria de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer - INCA. Estimativas da Incidência e Mortalidade por Câncer. Rio de Janeiro: INCA, 22..Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Coordenação de Prevenção e Vigilância. A situação do câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 22..Secretaria de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer - INCA, alando sobre Tabagismo. 3. ed., 24..Instituto Nacional de Câncer/undação Getúlio Vargas. Cigarro Brasileiro. Análises e Propostas para Redução do Consumo. Rio de Janeiro, 26. BRITO, Cleidiane Maria Sales; NERY, Inez Sampaio; TORRES, Leydiana Costa. Sentimentos e expectativas das mulheres acerca da Citologia Oncótica. Rev. bras. enferm. v 6 n 4 Brasília July/Aug. 27. COLLAÇO, L. M. Correlação cito - histológica em 326 pacientes submetidas à cirurgia de alta freqüência (CA) no Programa de Câncer Ginecológico do Estado de Minas Gerais. Jornal Brasileiro de Patologia, vol. 36, nº. 3, 9-7, 26.

19 9 CONESQUI, Ana Maria; SPPNELLI, Maria Angélica. Saúde da amília no Estado do Mato Grosso, Brasil Perfis e Julgamento dos Médicos e enfermeiros. Cad. Saúde Publica. vol. 22 N. 9 Rio de Janeiro, Set, 26. CONTROLE DO CÂNCER: uma proposta de integração ensino-serviço. Rio de Janeiro: Pro-Onco. 23. DAVIM, R. M. B. Conhecimento de mulheres de uma unidade básica de saúde da cidade de Natal/RN sobre o exame de Papanicolaou. Rev. da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v 39, n 3, p , 25. DIÓGENES, M.A.R.; REZENDE, M.D.S; PASSOS, N.M.G. Prevenção do Câncer: Atuação do enfermeiro na consulta de enfermagem ginecológica: aspectos éticos e legais da profissão. ortaleza: Pauchaim Ramos, 2. GAMARRA CJ; PAZ, Epa; GRIEP, Rh. Conhecimento, atitudes e prática do exame de papanicolaou entre mulheres argentinas. Rev. Saúde Pública. 25. GIL, Célia Regina Rodrigues. ormação de recursos humanos em saúde da família: Paradoxos e perspectivas. Cd. Saúde Publica v 2. n. 2 Rio de Janeiro. Mar/Abri, 25. ILICH, I. A expropriação da saúde. Nêmesis da medicina. 4 ed. Rio de Janeiro: Nova ronteira, 98: In KAWAMOTTO, E.E. SANTOS, M.C., MATTOS, T.M. de. Enfermagem Consultoria. São Paulo: EPU, 2. INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER; MINISTÉRIO DA SAÚDE. Nomenclatura brasileira para laudos cervicais e condutas preconizadas recomendações para profissionais de saúde 26. Rev. Bras. Cancerologia, v 52, n 3, p , 26. INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER (Brasil). Recomendações básicas para o controle do câncer do colo do útero no Brasil: normas e recomendações do INCA. Rev. Bras Cancerol v 46 n p INCA - INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. SITE: <<http://www.incagov.br>> - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Acesso 22/5/22 INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER. Divisão de Informação. Atlas de mortalidade por câncer no Brasil: Brasília: INCA; 22.

20 2 KURMAN, R. J.; SOLOMON, D. O. Sistema Bethesda para o relato de diagnóstico citolóico cervicovaginal. Rio de Janeiro: Revinter, 23. LIMA, G. R.; GEBRIM, L. H.; OLIVEIRA, V. C. et al. Ginecologia oncológica. São Paulo: Atheneu, p , 25. LOPES, L.R.M. SOUSA, L.E.O. Prevenção do câncer cérvico-uterino: desafio para todos. eminina, v 23 n 5 p , jun MELO, Elza Machado; PAIVA, Lúcia; ÁLVARES, Juliana; LECHA, André Luiz Dumont. A Organização da Atenção Básica em municípios integrantes do projeto de expansão e consolidação da Saúde da amília em Mato Grosso. Cad. Saúde Pública, v 24 n, Rio de Janeiro, 28. MENDES, J. C.; SILVEIRA, L. M. S.; PAREDES, A. O. Lesão intra-epitelial cervical: existe correlação entre o tempo de realização do exame de Papanicolaou e o aspecto do colo uterino para o aparecimento da lesão. Revista Brasileira de Análises Clínicas, Rio de Janeiro, v 36 n 4, p. 9-96, 24. MERIGHI, M.A.B; HOGA, L.A.K.; PRAÇA, N.S. Detecção precoce do câncer cérvicouterino em uma unidade básica de saúde: uma estratégia de ensino. Rev. o Mundo da Saúde, São Paulo, v 2 n 5, set/out PRIMO, Cândida Canaçali; BOM, Maraíza; SILVA, Pablo Cordeiro. Atuação do Enfermeiro no Atendimento a Mulher no Programa Saúde da amília. Rev. de enfermagem UERJ, v 6 n Jan./Mar, 28. ROSSO, C..W; COLLET, N. Os enfermeiros e a prática de educação em saúde em município do interior paranaense. Rev. Eletrônica de Enfermagem (on-line), Goiânia, v, n, Out./Dez Disponível: <<http://www.revistas.ufg.br/index.php/fen/index>>, acesso dia 22/5/22 as 4: SASSAKI, T.H. RESCHI, S.A. Educação em Saúde: a questão da relação médico-paciente. In: NOBREZA,.J.; LEONI, C. Assistência Primária em pediatria. São Paulo: Artes Médicas. cap. 9, p SILVA ILHO, A. M.; LONGATTO ILHO, A. Colo uterino e vagina: processos inflamatórios aspectos histológicos e citológicos. Rio de Janeiro: Revinter, 26. SMETZER, C.S.; BARE, B.G. Tratado de Enfermagem Médico-Cirúrgica. Trad. Brunner Studdarth. 8. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, vol

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR

Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR Pesquisa epidemiológica retrospectiva no programa de prevenção de câncer cérvico-uterino no município de Sarandi -PR ADRIANA DE SANT ANA GASQUEZ (UNINGÁ)¹ EVERTON FERNANDO ALVES (G-UNINGÁ)² RESUMO Este

Leia mais

ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E RALAÇÕES COM HPV.

ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E RALAÇÕES COM HPV. ANÁLISE DE PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DE MULHERES QUE FAZEM EXAME PAPANICOLAU EM UNIDADE DE SAÚDE EM CAJAZEIRAS-PB E Saúde e Educação Janiele Maria Vasconcelos Mota RALAÇÕES COM HPV Áreas Temáticas Autora Instituição

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE DA MULHER EM UMA UNIDADE DE SAÚDE DA FAMÍLIA E INTERVENÇÕES SOBRE O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DIAGNÓSTICO SOBRE A SAÚDE

Leia mais

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE

EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE EXAME CITOPATOLÓGICO: A NÃO ADESÃO E A OCORRÊNCIA DE CÂNCER DE COLO UTERINO ENTRE AS MULHERES PERTENCENTES À TERCEIRA IDADE Lizandra de Farias Rodrigues Queiroz; Juliana Meira de Vasconcelos Xavier Universidade

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 09 /2014 - CESAU Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Índice de seguimento / levantamento de doenças intra-epiteliais previsto para 2013 no município de Salvador e ações

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução

PALAVRAS-CHAVE Sintoma. Neoplasias do Colo. Enfermagem. Introdução 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB Fernanda Laísy Pereira de Sousa Graduanda do curso de Enfermagem; Bolsista do Programa de Educação pelo Trabalho

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Profissionais de Saúde Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação No Brasil existem cerca de seis milhões de mulheres entre 35 a 49 anos que nunca

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL DAS

Leia mais

Marisa Cristina Preifz 1 Eliane Pinto de Góes 2

Marisa Cristina Preifz 1 Eliane Pinto de Góes 2 ANÁLISE DOS RESULTADOS DE EXAMES COLPOCITOLÓGICOS REALIZADOS EM MULHERES COM IDADE ENTRE 20 E 60 ANOS NO PERÍODO DE 2006 E 2007, EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DO PARANÁ Marisa Cristina Preifz 1 Eliane Pinto

Leia mais

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios PREVENÇÃO DE LESÕES EPITELIAIS DE COLO UTERINO EM GESTANTES ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA Área Temática: Saúde Thissiane de Lima Gonçalves 1 Leidiane de Lucca 2, Leiticia B. Jantsch³,

Leia mais

PERFIL DAS IDOSAS RASTREADAS PARA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO EM CRUZ ALTA, RS

PERFIL DAS IDOSAS RASTREADAS PARA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO EM CRUZ ALTA, RS PERFIL DAS IDOSAS RASTREADAS PARA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO EM CRUZ ALTA, RS CERBARO, Kamila 1 ; GARCES, Solange Beatriz Billig 2 ; HANSEN, Dinara 2 ; ROSA, Carolina Böettge 2 ; BRUNELLI, Ângela Vieira

Leia mais

FATORES RELACIONADOS A NÃO REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO DE PAPANICOLAOU EM MULHERES NA FAIXA-ETÁRIA DE 25 A 60 ANOS.

FATORES RELACIONADOS A NÃO REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO DE PAPANICOLAOU EM MULHERES NA FAIXA-ETÁRIA DE 25 A 60 ANOS. FATORES RELACIONADOS A NÃO REALIZAÇÃO DO EXAME PREVENTIVO DE PAPANICOLAOU EM MULHERES NA FAIXA-ETÁRIA DE 25 A 60 ANOS. Ana Maria de Araújo Dias Delcilene de Freitas Teles Kárita Tuanny Coêlho Castro Leonardo

Leia mais

PERFIL GINECOLÓGICO DAS MULHERES ATENDIDAS PELO PROJETO PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO NA ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER: COLETA DE EXAME PAPANICOLAU

PERFIL GINECOLÓGICO DAS MULHERES ATENDIDAS PELO PROJETO PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO NA ATENÇÃO A SAÚDE DA MULHER: COLETA DE EXAME PAPANICOLAU 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERFIL GINECOLÓGICO DAS MULHERES

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde da Mulher Professor: Renata Fernandes do Nascimento Pré-requisito(s): ------ Carga

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA FRENTE AO CONTROLE DO CÂNCER UTERINO: revisão de literatura

ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA FRENTE AO CONTROLE DO CÂNCER UTERINO: revisão de literatura ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO DA ATENÇÃO BÁSICA FRENTE AO CONTROLE DO CÂNCER UTERINO: revisão de literatura Camila Gomes de Paula 1 Luciene Barra Ribeiro 2 Maíra Cardoso Pereira 3 Tatiana Bedran 4 RESUMO: A incidência

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 6CCSDEMCAMT01-P CONHECIMENTO E PRÁTICA DOS DISCENTES DO QUARTO PERÍODO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM SOBRE O AUTO-EXAME DAS MAMAS Ericka Vilar Brandão (1) ; Cleide Rejane Damaso de Araújo (3) Centro de Ciências

Leia mais

Cancer de Colo do Útero

Cancer de Colo do Útero Cancer de Colo do Útero Câncer de colo do útero são alterações celulares que tem uma progressão gradativa e é por isto que esta é uma doença curável quando descoberta no início. Esta é a razão do exame

Leia mais

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE

MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE MODELO PROJETO: PRÊMIO POR INOVAÇÃO E QUALIDADE 1 Identificação Título Câncer de Colo de útero: a importância de diagnostico precoce. Área temática Comunicação, Promoção e Educação em Saúde Lotação Boninal

Leia mais

CANCÊR DE COLO UTERINO: FATORES ASSOCIADOS EM MULHERES ACOMETIDAS NO NOROESTE PARANAENSE

CANCÊR DE COLO UTERINO: FATORES ASSOCIADOS EM MULHERES ACOMETIDAS NO NOROESTE PARANAENSE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CANCÊR DE COLO UTERINO: FATORES ASSOCIADOS EM MULHERES ACOMETIDAS NO NOROESTE PARANAENSE Willian Augusto de Melo 1 ; Márcia Glaciela da Cruz Scardoelli

Leia mais

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA

Prevenção em dobro. Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel CAPA Prevenção em dobro Eixo de Prevenção do Câncer ganha segunda Unidade Móvel O eixo de Prevenção do Câncer do Programa Cuide-se+ acaba de ganhar um importante reforço no atendimento aos trabalhadores das

Leia mais

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA

PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA PROGRAMA DE RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA EM MULHERES DA REGIÃO DO CARIRI OCIDENTAL, ESTADO DA PARAÍBA Eulina Helena Ramalho de Souza 1 Telma Ribeiro Garcia 2 INTRODUÇÃO O câncer de mama é uma neoplasia

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora?

O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? O primeiro passo para evitar o câncer do colo do útero é se informar. Que tal começar agora? Folheto Consumidora 9x15cm.indd 1 7/21/08 6:07:48 PM A cada ano, 500.000 mulheres no mundo têm câncer do colo

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N.º,DE 2011

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N.º,DE 2011 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO N.º,DE 2011 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Requer informações ao Senhor Ministro de Estado da Saúde a respeito das estimativas das despesas orçamentárias para o qüinqüênio

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 001/2015 CT PRCI n 99329 e Ticket n 278.867 Revisão e atualização Janeiro 2015

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO. PARECER COREN-SP 001/2015 CT PRCI n 99329 e Ticket n 278.867 Revisão e atualização Janeiro 2015 PARECER COREN-SP 001/2015 CT PRCI n 99329 e Ticket n 278.867 Revisão e atualização Janeiro 2015 Ementa: Cauterização de Condilomas por Enfermeiro. 1. Do fato Trata-se de uma revisão do parecer COREN-SP

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei nº 5.905/73 PARECER CTSAB Nº 02/2013 Porto Alegre, 08 de julho de 2013. Aplicação de nitrogênio líquido em lesões genitais a partir de prescrição médica por profissional enfermeiro. I - Relatório Trata-se de um Parecer

Leia mais

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB.

NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. NÍVEL DE CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS SOBRE A SAÚDE DO HOMEM NO MUNICÍPIO DE CAJAZEIRAS-PB. Antonio José Barbosa Neto (ajbneto_@hotmail.com) 1 Ceciliana Araújo Leite (cecidemais@hotmail.com)

Leia mais

PREVALÊNCIA DE CARCINOMA IN SITU EM MULHERES COM NEOPLASIA CERVICAL INTRA-EPITELIAL ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO DE CACOAL RO

PREVALÊNCIA DE CARCINOMA IN SITU EM MULHERES COM NEOPLASIA CERVICAL INTRA-EPITELIAL ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO DE CACOAL RO 344 Revista Eletrônica da Facimed, v.3,n.3, p.344-352, jan/jul.2011 ISSN 1982-5285 - ARTIGO ORIGINAL PREVALÊNCIA DE CARCINOMA IN SITU EM MULHERES COM NEOPLASIA CERVICAL INTRA-EPITELIAL ASSISTIDAS NO MUNICÍPIO

Leia mais

PROJETO DE LEI No, DE 2009

PROJETO DE LEI No, DE 2009 PROJETO DE LEI No, DE 2009 (DO SR. CAPITÃO ASSUMÇÃO) Dispõe sobre a imunização de mulheres com a vacina contra o papilomavírus humano (HPV), na rede pública do Sistema Único de Saúde de todos os estados

Leia mais

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe

Saúde Informa Nº 02 Distrito Sanitário Centro DSCe Saúde Informa Nº 2 Distrito Sanitário Centro DSCe Agosto/211 Apresentação Esta é a segunda edição do informativo do DSCe e o dedicamos a discussão das atividades de educação permanente, ao monitoramento

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Saúde da mulher. Prevenção. Neoplasia. Atenção Primária de Saúde.

PALAVRAS-CHAVE Saúde da mulher. Prevenção. Neoplasia. Atenção Primária de Saúde. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores.

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Joyce Santiago Ferreira Orientador: Profa. Dra. Claci Fátima Weirich Faculdade de Enfermagem, Goiânia-GO,

Leia mais

TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

TÍTULO: SE TOCA MULHER CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA TÍTULO: "SE TOCA MULHER" CONHECIMENTO DAS UNIVERSITÁRIAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO

Leia mais

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MORBIDADE E MORTALIDADE POR NEOPLASIAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO Edmilson Cursino dos Santos Junior (1); Renato Filipe de Andrade (2); Bianca Alves Vieira Bianco (3). 1Fisioterapeuta. Residente em Saúde

Leia mais

III Princípios Gerais da Formação Médica

III Princípios Gerais da Formação Médica I Motivação Aprovação da Lei 12.871 de 22/10/2013; Necessidade de ter diretrizes curriculares em sintonia com o programa Mais Médicos; A oportunidade de atualizar e aprimorar as diretrizes de 2001; Acompanhar

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

POLÍTICA DE SAÚDE PÚBLICA E PREVENÇÃO DE CÂNCER CÉRVICO- UTERINO NA REDE BÁSICA DE SAÚDE DE SÃO LUÍS

POLÍTICA DE SAÚDE PÚBLICA E PREVENÇÃO DE CÂNCER CÉRVICO- UTERINO NA REDE BÁSICA DE SAÚDE DE SÃO LUÍS 1 POLÍTICA DE SAÚDE PÚBLICA E PREVENÇÃO DE CÂNCER CÉRVICO- UTERINO NA REDE BÁSICA DE SAÚDE DE SÃO LUÍS Aline Sharlon Maciel Batista Ramos * Cláudia Varão da Cunha Elba Gomide Mochel ** Sergiane Maia Maciel

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VÁRZEA GRANDE

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VÁRZEA GRANDE TÍTULO: RASTREAMENTO DE CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES COM ALTERAÇÕES CITOLÓGICAS DIAGNOSTICADAS NO CENTRO INTEGRADO DA MULHER EM VÁRZEA GRANDE- MT CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E

Leia mais

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria

HPV. Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais. G u i a d e P ediatria HPV Câncer do Colo do Útero Verrugas Genitais G u i a d e P ediatria Você tenta fazer tudo que é possível para proteger sua filha, para garantir que tudo dê certo hoje e amanhã. Ela confia em você. Essa

Leia mais

Percepção de um grupo de mulheres em relação à coleta de preventivo realizada pelo enfermeiro

Percepção de um grupo de mulheres em relação à coleta de preventivo realizada pelo enfermeiro DOI: https://dx.doi.org/10.5935/2447-7826.20150008 ARTIGO ORIGINAL Percepção de um grupo de mulheres em relação à coleta de preventivo realizada pelo enfermeiro Costa SR 1,*, Marques CJR 2, Cabral NH 3

Leia mais

PREVALÊNCIA DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO EM MULHERES INDÍGENAS ATENDIDAS PELA CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO DE PORTO VELHO (RO), BRASIL

PREVALÊNCIA DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO EM MULHERES INDÍGENAS ATENDIDAS PELA CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO DE PORTO VELHO (RO), BRASIL PREVALÊNCIA DO CÂNCER CÉRVICO-UTERINO EM MULHERES INDÍGENAS ATENDIDAS PELA CASA DE SAÚDE DO ÍNDIO DE PORTO VELHO (RO), BRASIL CERVICAL CANCER IN BRAZILIAN INDIGENOUS WOMEN AT PORTO VELHO, RONDÔNIA, BRAZIL

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo:

Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Registro Hospitalar de Câncer de São Paulo: Análise dos dados e indicadores de qualidade 1. Análise dos dados (jan ( janeiro eiro/2000 a setembro/201 /2015) Apresenta-se aqui uma visão global sobre a base

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Adenocarcinoma. Neoplasia do Colo do Útero. Qualidade de Assistência à Saúde.

PALAVRAS-CHAVE Adenocarcinoma. Neoplasia do Colo do Útero. Qualidade de Assistência à Saúde. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

O desafio feminino do câncer

O desafio feminino do câncer Tumores de mama e colo de útero contam com a oportunidade de rastreamento e têm altas chances de sucesso no tratamento O desafio feminino do câncer O controle dos cânceres de mama e de colo do útero é

Leia mais

TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE DE LINS SP

TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE DE LINS SP Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: DADOS EPIDEMIOLÓGICOS OBRE CÂNCER DE MAMA E COLO UTERINO ENTRE MULHERES DE BAIXA RENDA DA CIDADE

Leia mais

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina.

Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Projeto: Triagem das Principais Causas de Cegueira em uma Unidade de Atenção Básica de Saúde de Goiânia através da Telemedicina. Título do Plano de Trabalho: Avaliação das Percepções de Pacientes

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 *

Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Mortalidade e morbidade por câncer de mama feminino na região Sudeste do Brasil (segundo UF s): uma análise para 1998 e 2003 * Maria Elizete Gonçalves Alexandar de Brito Barbosa Palavras-chave: mortalidade;

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM MULHERES INDÍGENAS.

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM MULHERES INDÍGENAS. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS FATORES DE RISCO DE NEOPLASIA MAMÁRIA EM MULHERES INDÍGENAS. Franciéle Marabotti Costa Leite emaildafran@ig.com.br Laysa Pignaton

Leia mais

HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À MULHER COM CÂNCER. Enfª Rosenice Perkins D S Clemente Enfermagem oncológica

HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À MULHER COM CÂNCER. Enfª Rosenice Perkins D S Clemente Enfermagem oncológica HUMANIZAÇÃO NO ATENDIMENTO À MULHER COM CÂNCER Enfª Rosenice Perkins D S Clemente Enfermagem oncológica 12 de julho de 2013 Cena 1 Joana - casada, dois filhos pequenos, do lar, evangélica, desinteressada

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 43/2014. VACINA HPV em paciente com diagnóstico de HPV+ (neoplasia + intraepitelial grau I)

RESPOSTA RÁPIDA 43/2014. VACINA HPV em paciente com diagnóstico de HPV+ (neoplasia + intraepitelial grau I) RESPOSTA RÁPIDA 43/2014 VACINA HPV em paciente com diagnóstico de HPV+ (neoplasia + intraepitelial grau I) SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito da Comarca de

Leia mais

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3.

Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. CONHECIMENTO ESPECÍFICO SOBRE O CÂNCER NÃO AUMENTA CONSCIENTIZAÇÃO. Pollyanna Pereira Nascimento 1, 3 ; Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3. 1 Voluntária Iniciação Científica PVIC/UEG 2 Pesquisadora Orientadora

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Segundo recente relatório da Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC) /OMS (World Cancer Report 2008), o impacto global do câncer mais que dobrou em 30 anos. Estimou-se que, no ano de 2008,

Leia mais

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL

BUSCA ATIVA DE POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS EM PROJETO EXTENSIONISTA E SEU PERFIL 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Tratamento do câncer no SUS

Tratamento do câncer no SUS 94 Tratamento do câncer no SUS A abordagem integrada das modalidades terapêuticas aumenta a possibilidade de cura e a de preservação dos órgãos. O passo fundamental para o tratamento adequado do câncer

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER II JORNADA DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO INCA Práticas do Técnico de Enfermagem no Atendimento ao Paciente Oncológico Tratamento Cirúrgico - Ginecologia Téc. de Enfermagem Juliana

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Abril a Junho/ 2010/ n 2 MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES DO COLO DO ÚTERO E DE MAMA Apresentação Neste segundo boletim de 2010, são apresentados os dados parciais para acompanhamento dos

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (*) CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 5, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Nutrição. O Presidente

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGFRAL À SAÚDE Gerência de Saúde da Mulher, Criança e Adolescente

SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGFRAL À SAÚDE Gerência de Saúde da Mulher, Criança e Adolescente SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGFRAL À SAÚDE Gerência de Saúde da Mulher, Criança e Adolescente Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Dr. Claudio Gonzaga Amorim Área Técnica do

Leia mais

QUAIS OS TIPOS DE HPV MAIS COMUNS QUE PODEM CAUSAR CÂNCER?

QUAIS OS TIPOS DE HPV MAIS COMUNS QUE PODEM CAUSAR CÂNCER? O QUE É O HPV? Sigla para Papilomavírus Humano, são vírus capazes de infectar a pele ou a mucosa. Existem mais de 150 tipos diferentes de HPV, dos quais 40 podem infectar o trato genital e, destes, 12

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica

Capacitação de Profissionais em Prevenção, Controle e Assistência Oncológica Programa 0011 PREVENÇÃO E CONTROLE DO CÂNCER E ASSISTÊNCIA ONCOLÓGICA Objetivo Indicador(es) Promover a prevenção, a detecção precoce dos tipos de câncer prevalentes e a assistência à população para reduzir

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES Boletim ano 6, n.1 janeiro/abril de 2015 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/Ministério da Saúde MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DOS CÂNCERES do colo do útero e de mama Apresentação

Leia mais

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES

DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES DIFICULDADES PARA FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DA COMISSÃO DE ÉTICA DE ENFERMAGEM NAS ORGANIZAÇÕES HOSPITALARES Julianny de Vasconcelos Coutinho Universidade Federal da Paraíba; email: juliannyvc@hotmail.com Zirleide

Leia mais

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE COLO DE UTERO O câncer de colo uterino é o câncer mais comum entre as mulheres no Brasil, correspondendo a, aproximadamente,

Leia mais

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA

Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA Instituto Nacional de Câncer Fisioterapia HCII/INCA QUALIFICAÇÃO DO FISIOTERAPEUTA NOS SERVIÇOS ASSISTENCIAIS DO SUS PARA CÂNCER DE MAMA E CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Fátima Bussinger Chefe da Fisioterapia

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C 1 Vieira, E. S.; 2 Cardoso E. M.; 3 Souza, J. R.; 4 Filipini. S. M., 5 Giaretta, V. M. A Faculdade de Ciências da Saúde, Curso de

Leia mais

Papiloma Vírus Humano

Papiloma Vírus Humano Papiloma Vírus Humano Grupo: Helder Freitas N 9 João Marcos Borges N 12 Luca Najan N 18 Matheus Pestana N 22 Rafael Cardoso N 28 Raphael Barros N 29 Thiago Glauber N33 Turma: 12 Professor: César Fragoso

Leia mais

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30

Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção. Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 Superando o tabu da doença: controle do câncer ganha destaque na mídia com campanhas de prevenção Ano V - nº 18 - Rio Pesquisa 30 31 Rio Pesquisa - nº 18 - Ano V SAÚDE Conhecer o passado para cuidar do

Leia mais

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS

MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 7 nº 1 Março 2006 MORTALIDADE POR CÂNCER COLORRETAL NO ESTADO: 2º ENTRE AS MULHERES E 4º ENTRE OS HOMENS Com o aumento da expectativa de vida,

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Programa Institucional de Bolsas de Integração PIBIN 2012/2013 ANEXO II Título:

Leia mais

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA

CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA CONHECIMENTO DE IDOSOS SOBRE O CÂNCER DE PRÓSTATA 1. Renata Emanuela de Queiroz Rêgo. Faculdade Santa Maria/FSM. Email: renata-emanuela@hotmail.com 2. Ankilma do Nascimento Andrade. Faculdade Santa Maria/FSM.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE 1º período Saúde, Trabalho e Meio- Ambiente I 150 10 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE ENFERMAGEM PRÓ-SAUDE Identificação da relação entre os modos de viver e o processo

Leia mais

Vamos falar sobre câncer?

Vamos falar sobre câncer? Vamos falar sobre câncer? O SIEMACO sempre está ao lado dos trabalhadores, seja na luta por melhores condições de trabalho, lazer e educação ou na manutenção da saúde, visando a promoção e ascensão social.

Leia mais

VACINA CONTRA PAPILOMAVÍRUS HUMANO HPV

VACINA CONTRA PAPILOMAVÍRUS HUMANO HPV 1º Trimestre 2007 VACINA CONTRA PAPILOMAVÍRUS HUMANO HPV Em junho de 2006, foi aprovada pela FDA (Food And Drug Administration) dos Estados Unidos (EUA) uma vacina recombinante quadrivalente contra papilomavírus

Leia mais

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO QUESTIONÁRIO SOBRE CONTROLE DO CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Denise Silveira, Anaclaudia Gastal Fassa, Maria Elizabeth Gastal Fassa, Elaine Tomasi, Luiz Augusto Facchini BLOCO A - IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE BÁSICA

Leia mais

Vacinação contra o HPV

Vacinação contra o HPV Vacinação contra o HPV Meleiro, março de 2014 Enfermeira Cristiane Sec Mun Saúde de Meleiro. ESF Papiloma Vírus Humano - HPV O HPV é um vírus (papilomavírus humano) transmitido pelo contato direto com

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA O CURRÍCULO DA FAMEMA (2012) Os currículos dos Cursos de Enfermagem e Medicina da Faculdade de Medicina de Marília (Famema) estão em permanente transformação por entendermos que esse processo permite uma

Leia mais

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem

Palavras- chave: Vigilância epidemiológica, Dengue, Enfermagem ANÁLISE DAS NOTIFICAÇÕES DE DENGUE APÓS ATUAÇÃO DO SERVIÇO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA HOSPITALAR INTRODUÇÃO: A Dengue é uma doença infecciosa febril aguda de amplo espectro clínico e de grande importância

Leia mais

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI

Centro Universitário de Brusque - UNIFEBE Conselho Universitário - CONSUNI REGULAMENTO DA CLÍNICA ESCOLA E SERVIÇOS DE PSICOLOGIA - CESP Aprovado pela Resolução CONSUNI nº 11/15 de 08/04/15. CAPÍTULO I DO OBJETIVO DO REGULAMENTO Art. 1º A Clínica Escola de Psicologia é o ambiente

Leia mais

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer

Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer Dr. Cid Buarque de Gusmão Diretor Presidente Centro de Combate ao Câncer 31 de Agosto de 2010 Centro de Combate ao Câncer QUEM SOMOS Centro de Combate ao Câncer NOSSAS DIRETRIZES Nossa Visão - O que buscamos

Leia mais