PROCESSO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE"

Transcrição

1 PROCESSO DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE

2 O que é Doação de Órgãos e Tecidos? É um ato pelo qual uma pessoa manifesta a vontade de que, a partir do momento de sua morte, uma ou mais partes do seu corpo (órgãos ou tecidos), em condições de serem aproveitadas, possam ajudar outras pessoas

3 SNT CNCDO CNCDO Centrais de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos Centrais de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos CIHDOTT OPO/OPC Comissões Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Organização de Procura de Órgãos/Tecidos CIHDOTT Comissões Intra-Hospitalares de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

4 Divisão das Organizações de Procura de Órgãos e Tecidos (O.P.O / S.P.O.T.) Regional I Capital São Paulo

5 Quais são os Tipos de Doadores Doadores vivos Um dos rins Parte do fígado Medula óssea Doadores não vivos são aqueles em que se constatam a morte encefálica Doador cadáver Falecidos por PCR Doadores com coração parado

6 Órgãos e Tecidos que Podem ser Doados após a Morte Coração Pulmões Fígado Pâncreas Rins Intestino Vasos Valvas Córneas Pele Ossos Músculos

7 Processo de Doação Transplante 9º Liberação do corpo para a família 10º Transplante / Acompanhamento dos resultados 1º Identificar o Possível Doador 8º Extração dos Órgãos Extremamente Complexo 2º Diagnóstico de ME 7º Distribuição da CNCDO 3º Notificação à CNCDO 6º Entrevista familiar 5º Manutenção Do PD 4º Avaliação do PD

8 Novo Ciclo Vital Sociedade Seguimento Atitude Social Transplante Doação Distribuição Doadores Efetivos Extração

9 Morte Encefálica

10 Morte Encefálica Potencial Doador Paciente

11 O Que é a Morte? Dicionário: Morte, ato de morrer; fim da vida; destruição; Morto, que morre; defunto; extinto; desvanecido; acabado; esquecido... Wikipédia: A morte (do latim mors), o óbito (do latim obitu), falecimento (falecer+mento) ou passamento (passar+mento), ou ainda desencarne (deixar a carne) é o cessamento permanente das atividades biológicas necessárias à manutenção da vida de um organismo, como ao estado desse mesmo após o evento. Considerado cientificamente como o fim da consciência. O Dia da Morte; pintura de William- Adolphe Bouguereau ( )

12 Morte Encefálica Conflito: O médico, por julgar inconveniente aos familiares e ao serviço médico, decide não realizar a notificação de morte encefálica. Que tipos de conflito de interesses podem ser gerados por essa atitude? Uma pessoa ocupando leito útil cobrando por diária de UTI Oferta x demanda por leitos Impossibilitar entrevista familiar Impossibilitar doação efetiva Inviabilizar transplantes Aumentar mortalidade em lista Encarecer o Sistema de Saúde Responsabilidade ética e legal

13 Notificação para CNCDO

14 Notificação para CNCDO Lei 9.434/97 Art É obrigatório, para todos os estabelecimentos de saúde, notificar às Centrais de Notificação, Captação e Distribuição de Órgãos da Unidade Federada, onde ocorrer o diagnóstico de ME feito em pacientes por eles atendidos. Após abertura do protocolo de ME Profissional responsável notifica A família deve saber somente da abertura do protocolo de ME

15 Manutenção do Potencial Doador

16 Notificação do Potencial Doador O que é? Aplicação de suporte vital avançado para manter o PD estável, garantindo a viabilidade dos órgãos Porque? Período de grande instabilidade clínica Melhora o prognóstico Quando? Imediatamente após o diagnóstico de morte encefálica Por quanto tempo? Até obtenção do consentimento familiar e extração dos órgãos

17 Manutenção do Potencial Doador MORTE ENCEFÁLICA MORTE SOMÁTICA MANUTENÇÃO COM O DOADOR DOAÇÃO DE ÓRGÃOS

18 Principais Alterações Sistêmicas ALTERAÇÕES Perda do controle hemodinâmico e da pressão arterial Perda da respiração espontânea Perda do controle do balanço hidroeletrolítico e do metabolismo da glicose Perda do controle da temperatura Perda do equilíbrio hormonal VIABILIDADE DO DOADOR UTILIZAÇÃO DOS ÓRGÃOS PROGNÓSTICO ENXERTO PROGNÓSTICO RECEPTOR

19 Entrevista Familiar

20 Quem Pode Doar? Avós Pais Filhos Netos 2º grau 1º grau 1º grau 2º grau Doador 2º grau Irmãos Comprovar a relação Cônjuge / Companheiro(a)

21 Entrevista Familiar Características da entrevista: Semi-estruturada Direção Conteúdo Situação Familiar: Família com ente querido hospitalizado Morte súbita: AVC, TCE, FAF, Neoplasia SNC Esperança em recuperação Grande temor: a morte

22 Entrevista Familiar O homem sempre abominou a morte, pois em nosso inconsciente, a morte nunca é possível quando se trata de nós mesmos. É inconcebível para o inconsciente imaginar um fim real para nossa vida na terra... (KÜBLER-ROSS, 1969)

23 Entrevista Familiar Contexto Familiar e Luto: Negação Revolta Barganha Depressão Aceitação (Elisabeth Kübler-Ross)

24 Entrevista Familiar Quando? Após a realização dos exames neurológicos Avaliar a condição emocional da família Onde? Local privativo Ambiente tranqüilo - fora da UTI, PS, recepção Por quem? Membro da CIHDOTT / OPO / SPOT Perfil do profissional Com quem? Parentes de 1º e 2º grau

25 Como? Diagnóstico de morte encefálica é esclarecido pela equipe médica Conhecer o que o médico do paciente disse à família, e o que esta compreendeu Conhecer as condições do paciente e as circunstâncias que cercaram a sua morte Não dizer o que eles devem fazer Não esperar que a família tenha reações lógicas ou seja objetiva Lembrar que a família encontra-se em estado de choque e despreparada para aceitar a morte A família necessita de tempo para aceitar a perda e para considerar a opção de doação A família deve entender que morte encefálica é morte

26 Como? Ser honesto e não prometer o que não se pode cumprir Permitir que a família permaneça o maior tempo possível com seu ente querido Aceitar e apoiar a decisão da família Não ter medo de demonstrar suas emoções Responder as questões formuladas pelos familiares Estabelecer formas de contato entre a família e a CIHDOTT e vice-versa Não deixar de estar por perto após a entrevista sobre doação

27 Questões Os órgãos e tecidos doados serão utilizados? Haverá desfiguração do corpo? Será um procedimento longo? Haverá alguma despesa para a família? Haverá alguma dor? Qual será a sequência dos eventos? Será dito quem serão os receptores?

28 A Recusa Familiar no Processo de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Relatando a Internação do familiar Vivenciando a perda do familiar Recebendo a informação da ME e a solicitação da doação Sofrendo com a perda do familiar Decidindo pela recusa da doação Conversando sobre doação Respeitando a decisão tomada Apresentando os motivos de recusa da doação A crença religiosa A não compreensão do diagnóstico de ME e a crença na reversão do quadro O medo da reação da família A desconfiança na assistência e o medo do comércio de órgãos O desejo do paciente falecido, em vida, de não ser um doador de órgãos A espera de um milagre A não aceitação da manipulação do corpo A inadequação da informação e a ausência de confirmação de ME A inadequação no processo de doação O medo da perda do ente querido

29 Desconexão? O médico que cuida do paciente deve propor aos familiares do morto a desconexão do respirador em caso de negativa familiar? Propor a desconexão pode parecer uma medida agressiva e desconcertante ao médico. Melhor dizer que o médico deve informar sobre essa possibilidade Caso ele se omita, pode gerar um conflito de interesses uma vez que se mantém um morto em leito nobre de área hospitalar (UTI) Lembrar que desconectar o paciente tem respaldo legal e não significa eutanásia, uma vez que trata-se de um indivíduo morto

30 Extração de Órgãos e Tecidos

31 Tempo Útil para Retirada e Transplante Órgão/Tecido Tempo/Retirada Tempo/TX Coração antes da PC 4-6 h Pulmões antes da PC 4-6 h Fígado antes da PC 6 12 h Pâncreas antes da PC h Rins até 30 min após PC até 48 h Córneas até 6 h após PC 7 a 14 dias Ossos até 6 h após PC até 5 anos Pele até 6 h após PC até 2 anos

32 Liberação do Corpo Para a Família Reconstituição condigna do corpo Serviço funerário Encaminhar para SVO/IML/Necrotério Roupa do funeral Documentação Benefício funerário Órgãos retirados Estar a disposição até o final do processo

33 Reconstituição Condigna do Corpo

34 Acompanhamento dos Resultados

35 CIHDOTT Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

36 Principais Atividades Detectar e avaliar potenciais doadores de órgãos e tecidos Garantir a manutenção hemodinâmica adequada dos potenciais doadores Realizar a entrevista familiar Viabilizar o processo de doação de órgãos e tecidos Promover e organizar o acolhimento às famílias dos doadores antes, durante e após a finalização do processo de doação Organizar atividades de educação e conscientização sobre o processo doação de órgãos e tecidos

37 Fluxogramas Córneas (Parada Cardíaca) Logo após óbitos de pacientes com idade entre 2 anos e 80 anos, notificar profissional da CIHDOTT Múltiplos Órgãos (Morte Encefálica) Notificar profissional da CIHDOTT quando há suspeita de morte encefálica

38 OBRIGADA!

PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006

PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006 PORTARIA MS Nº 1.262, DE 16 DE JUNHO DE 2006 - DOU 19.06.2006 Aprova o Regulamento Técnico para estabelecer as atribuições, deveres e indicadores de eficiência e do potencial de doação de órgãos e tecidos

Leia mais

RESOLUÇÃO SES N 1442 DE 26 DE SETEMBRO DE O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE, no exercício de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO SES N 1442 DE 26 DE SETEMBRO DE O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE, no exercício de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO SES N 1442 DE 26 DE SETEMBRO DE 2016 INSTITUI O IET - INCENTIVO ESTADUAL AO TRANSPLANTE. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE, no exercício de suas atribuições legais, CONSIDERANDO: - a Lei Federal

Leia mais

CONSIDERANDO a Constituição da República Federativa do Brasil, nos artigos 197 e 199;

CONSIDERANDO a Constituição da República Federativa do Brasil, nos artigos 197 e 199; Resolução COFEN 292 / 2004 O Conselho Federal de Enfermagem, no uso de suas atribuições a que alude a Lei nº 5.905/73 e a Lei 7.498/86, e tendo em vista deliberação do Plenário em sua reunião ordinária

Leia mais

ABORDAGEM FAMILIAR. Leonardo Borges de Barros e Silva Médico-coordenador da Organização de Procura de Órgãos do HCFMUSP

ABORDAGEM FAMILIAR. Leonardo Borges de Barros e Silva Médico-coordenador da Organização de Procura de Órgãos do HCFMUSP ABORDAGEM FAMILIAR Leonardo Borges de Barros e Silva Médico-coordenador da Organização de Procura de Órgãos do HCFMUSP Hospital das Clínicas da FMUSP Organização de Procura de Órgãos OPO-HCFMUSP Entrevista

Leia mais

Política pública para transplantes de órgãos e tecidos: estudo comparativo entre Brasil e Uruguai

Política pública para transplantes de órgãos e tecidos: estudo comparativo entre Brasil e Uruguai 10.09 Política pública para transplantes de órgãos e tecidos: estudo comparativo entre Brasil e Uruguai Public Policy for organ and tissue transplantations: a comparative study between Brazil and Uruguay

Leia mais

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES A Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes-CIHDOTT tem por objetivo a organizar todo o processo

Leia mais

Palavras-chave: novo regulamento; transplante; doação; diálogo.

Palavras-chave: novo regulamento; transplante; doação; diálogo. Opinião e conhecimento dos acadêmicos de nutrição da cidade de Foz do Iguaçu sobre doação e transplante de órgãos Carline Achtenberg 1 Edinara Colle¹ Juliana Kienen Hirai¹ Vanessa Nandi Fabiana Moya 2

Leia mais

APAR e CNCDO-SC. Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina Março - 2015

APAR e CNCDO-SC. Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina Março - 2015 APAR e CNCDO-SC Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina Março - 215 Notificações ME ME e e Doações em em SC SC / 26 Março até / JULHO 215 215 Nro. De Notificações

Leia mais

Portaria nº 294 de 15 de julho de O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, e:

Portaria nº 294 de 15 de julho de O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, e: MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE Portaria nº 294 de 15 de julho de 1999 O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, e: Considerando as disposições da Lei

Leia mais

Fluxo dos pacientes potenciais doadores de órgãos e tecidos no Hospital de Pronto Socorro de POA CIHDOTT-HPS/POA. 6/8/2015 Zoraide Immich Wagner 1

Fluxo dos pacientes potenciais doadores de órgãos e tecidos no Hospital de Pronto Socorro de POA CIHDOTT-HPS/POA. 6/8/2015 Zoraide Immich Wagner 1 Fluxo dos pacientes potenciais doadores de órgãos e tecidos no Hospital de Pronto Socorro de POA CIHDOTT-HPS/POA 6/8/2015 Zoraide Immich Wagner 1 Legislação 1. Lei nº 9.434 de 04/02/1997 Lei dos transplantes.

Leia mais

ENSINO E SENSIBILIZAÇÃO PARA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS: NOTA PRÉVIA

ENSINO E SENSIBILIZAÇÃO PARA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS: NOTA PRÉVIA ENSINO E SENSIBILIZAÇÃO PARA DOAÇÃO DE ÓRGÃOS: NOTA PRÉVIA Simone Lysakowski 1 Rita Catalina Caregnato 2 Aline Sudbrack 3 RESUMO Atualmente existe um percentual de 49% de negativa familiar para a doação

Leia mais

COMISSÃO DE FUNDO, ORÇAMENTO E RECURSOS PÚBLICOS. 28 ª Reunião Ordinária 13/08/2015

COMISSÃO DE FUNDO, ORÇAMENTO E RECURSOS PÚBLICOS. 28 ª Reunião Ordinária 13/08/2015 COMISSÃO DE FUNDO, ORÇAMENTO E RECURSOS PÚBLICOS 28 ª Reunião Ordinária 13/08/2015 Pauta: Execução dos recursos do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Belo Horizonte FMDCA/BH. Fundo

Leia mais

TRANSPLANTE RENAL. Quem pode fazer transplante renal?

TRANSPLANTE RENAL. Quem pode fazer transplante renal? TRANSPLANTE RENAL O transplante é a substituição dos rins doentes por um rim saudável de um doador. É o método mais efetivo e de menor custo para a reabilitação de um paciente com insuficiência renal crônica

Leia mais

DO FIM AO RENASCIMENTO

DO FIM AO RENASCIMENTO Foto: Arquivo Sistema de Procura de Órgãos e Tecidos do Hospital das Clínicas (SPOT-HC) DO FIM AO RENASCIMENTO A MORTE DE UNS PODE SALVAR A VIDA DE OUTROS QUE ESTÃO EM RISCO 6 Não há lado bom quando uma

Leia mais

Dificuldades no atendimento aos casos de violência e estratégias de prevenção

Dificuldades no atendimento aos casos de violência e estratégias de prevenção Dificuldades no atendimento aos casos de violência e estratégias de prevenção Gilka Jorge Figaro Gattás Professora Livre-Docente da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, Departamento de Medicina

Leia mais

Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Transplantes

Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Transplantes Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde Transplantes Gerência de Assistência à Saúde (GEAS) Gerencial Geral de Regulação Assistencial (GGRAS) Diretoria de Normas e Habilitação dos Produtos (DIPRO) 13 de

Leia mais

RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 2012/2013 CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS

RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 2012/2013 CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS RESULTADOS DA DOAÇÃO E TRANSPLANTE NO RS 2012/2013 CENTRAL DE TRANSPLANTES DO RS Fontes: Central de Transplantes do RS/Secretaria Estadual da Saúde Sistema de Informações Gerenciais - Sistema Nacional

Leia mais

Transplante capilar Introdução

Transplante capilar Introdução Transplante Capilar Perda de cabelo e calvície são, muitas vezes, uma parte inesperada e indesejada da vida. Felizmente, com os recentes avanços na tecnologia, a perda de cabelo pode ser diminuída ou interrompida

Leia mais

TÍTULO: A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA IDENTIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR DE ÓRGÃOS E TECIDOS QUE ESTEJA SOB CUIDADOS INTENSIVOS

TÍTULO: A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA IDENTIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR DE ÓRGÃOS E TECIDOS QUE ESTEJA SOB CUIDADOS INTENSIVOS 16 TÍTULO: A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA IDENTIFICAÇÃO E MANUTENÇÃO DO POTENCIAL DOADOR DE ÓRGÃOS E TECIDOS QUE ESTEJA SOB CUIDADOS INTENSIVOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa

Métodos de Estudo & Investigação Científica. Elaborando um projeto de pesquisa Elaborando um projeto de pesquisa A pesquisa é a realização concreta de uma investigação planeada, desenvolvido e redigida de acordo com as normas das metodologias consagradas pela ciência; Requerida quando

Leia mais

APAR e CNCDO-SC. Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina - 2006

APAR e CNCDO-SC. Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina - 2006 APAR e CNCDO-SC Estatísticas de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Santa Catarina - 26 Notificações Notificações ME e ME Doações e Doações em SC em / 26 SC / até 26 JULHO 26 Nro. De Notificações

Leia mais

Original. Margarida Perpetuo da Silva Conceição 1 Antônio Jorge Barbosa de Oliveira 2 Roberto Waldesmand Farias Pontes 3 Nathalya Botelho Brito 4 ;

Original. Margarida Perpetuo da Silva Conceição 1 Antônio Jorge Barbosa de Oliveira 2 Roberto Waldesmand Farias Pontes 3 Nathalya Botelho Brito 4 ; 118 Análise dos motivos para não doação de órgãos em hospital de referência na Amazônia Analysis of reasons for denial for organ donation in a referral hospital in the Amazon region Margarida Perpetuo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 4.069, DE 1988 (Apensos os PLs nºs 4.092/98; 4.123/98; 4.125/98; 4.241/98; 4.239/98; 4.322/98; 1.225/99, 4.394/04; 4.535/04 e 4.582/04.)

Leia mais

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UECEVEST. PROPOSTAS DE REDAÇÃO MÊS: agosto/2015. Professoras: Mônica Albuquerque e Lúcia Helena. Proposta 01

CURSO PRÉ-VESTIBULAR UECEVEST. PROPOSTAS DE REDAÇÃO MÊS: agosto/2015. Professoras: Mônica Albuquerque e Lúcia Helena. Proposta 01 CURSO PRÉ-VESTIBULAR UECEVEST PROPOSTAS DE REDAÇÃO MÊS: agosto/2015 Professoras: Mônica Albuquerque e Lúcia Helena Proposta 01 A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos

Leia mais

INCLUI E ALTERA PROCEDIMENTOS NA TABELA DE HABILITAÇÕES DO SCNES E NA TABELA DE MEDICAMENTOS DE OPM DO SUS

INCLUI E ALTERA PROCEDIMENTOS NA TABELA DE HABILITAÇÕES DO SCNES E NA TABELA DE MEDICAMENTOS DE OPM DO SUS Circular 446/2009 São Paulo, 02 de dezembro de 2009. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) INCLUI E ALTERA PROCEDIMENTOS NA TABELA DE HABILITAÇÕES DO SCNES E NA TABELA DE MEDICAMENTOS DE OPM DO SUS Diário oficial

Leia mais

Doença com grande impacto no sistema de saúde

Doença com grande impacto no sistema de saúde Por quê abordar a Doença Renal Crônica Cô? PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA Doença com grande impacto no sistema de saúde Acomete muitas pessoas Vem aumentando nos últimos anos Provavelmente continuará a aumentar

Leia mais

O que é a VIDA? Até então, identificamos onde está, mas não sabemos o que é. Problemas na identificação do inicio da vida e final da vida.

O que é a VIDA? Até então, identificamos onde está, mas não sabemos o que é. Problemas na identificação do inicio da vida e final da vida. HISTÓRIA DA MEDICINA OCIDENTAL - SÉC. XVII Anatomia: medicina bio-médica Visão analítica-mecanicista do corpo Célula: Microscópio: Células Corpo Humano - mais conhecido MEDICINA: SÉCULO XX DNA - base científica

Leia mais

www.transplante.rj.gov.br

www.transplante.rj.gov.br f AMOR E DOAÇÃO DE ÓRGÃOS S A N D R O M O N T E Z A N O 2 5 / 1 0 / 1 4 O que é transplante? O transplante é um procedimento cirúrgico que consiste na troca de um órgão (coração, rins, pulmão, e outros)

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES )

ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES ) ATRIBUIÇÕES DO PESSOAL NA SALA DE OBSERVAÇÃO ( AMARELOS E VERDES ) DO SERVIÇO MÉDICO da emergência: Receber o paciente na sala de observação ( amarelos e verdes ), priorizando-o em relação aos consultórios

Leia mais

Dra. Bartira de Aguiar Roza. Enfª Master do Transplante do Hospital I. Albert Einstein

Dra. Bartira de Aguiar Roza. Enfª Master do Transplante do Hospital I. Albert Einstein Entrevista Familiar Dra. Bartira de Aguiar Roza Enfª Master do Transplante do Hospital I. Albert Einstein Legislação dos transplantes - Brasil 1968 1988 1991 1992 1997 1998 2000 Lei 5479 Constituição proibição

Leia mais

PORTARIA Nº 3.193/GM DE 24 DEZEMBRO DE 2008.

PORTARIA Nº 3.193/GM DE 24 DEZEMBRO DE 2008. PORTARIA Nº 3.193/GM DE 24 DEZEMBRO DE 2008. Altera a Tabela de s, Medicamentos, Órteses/Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde SUS. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a)

, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao (à) médico(a) TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia;

Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE. 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; Lição 06 HEMORRAGIAS E CHOQUE OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar 5 sinais ou sintomas indicativos de uma hemorragia; 2. Citar e demonstrar 3 diferentes técnicas

Leia mais

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas.

Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Como inovar transformando velhos dilemas em novas práticas. Letícia Andrade Assistente Social HC-FMUSP: Ambulatório de Cuidados Paliativos e Núcleo de Assistência Domiciliar Interdisciplinar Cuidados Paliativos:

Leia mais

Doação Renal em Vida 90% 81% O que é a doação renal em vida? Quais são as vantagens da doação renal em vida?

Doação Renal em Vida 90% 81% O que é a doação renal em vida? Quais são as vantagens da doação renal em vida? Pág. 1/5 Doação Renal em Vida i Traduzido e adaptado com a autorização da O que é a doação renal em vida? O transplante renal é uma modalidade de tratamento para a doença renal terminal, também chamada

Leia mais

Comunicação, liderança e coordenação de transplantes

Comunicação, liderança e coordenação de transplantes Comunicação, liderança e coordenação de transplantes XVII Curso estadual de formação de coordenadores de transplantes de Santa Catarina 2016 Selma Loch selmaloch@gmail.com O macro processo da CNCDO Captação

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM EM PESSOA EM SITUAÇÃO CRÍTICA APROVADO POR UNANIMIDADE EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Regimento Interno da URPA (Unidade de Recuperação Pós- Anestésica)

Regimento Interno da URPA (Unidade de Recuperação Pós- Anestésica) 1 de 5 335547035 5 RESULTADO ESPERADO: Proporcionar cuidados ao paciente durante os estágios de regressão da anestesia. 335547035 PROCESSOS RELACIONADOS: Atendimento Cirúrgico Diretoria Enfermagem OBJETIVOS

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/pt/intro Esclerodermia Versão de 2016 2. DIFERENTES TIPOS DE ESCLERODERMIA 2.1 Esclerodermia localizada 2.1.1 Como é diagnosticada a esclerodermia localizada? O aspeto

Leia mais

FMUSP CREMESP rayer@usp.br

FMUSP CREMESP rayer@usp.br FMUSP CREMESP rayer@usp.br Para Iniciar o Protocolo Necessários três pré-requisitos A - Coma com causa conhecida e irreversível (Causa deve estar comprovada por TC/RM ou LCR); B Ausência de hipotermia,

Leia mais

INTERAÇÃO DE ACADÊMICOS DE MEDICINA COM AS CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

INTERAÇÃO DE ACADÊMICOS DE MEDICINA COM AS CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA INTERAÇÃO DE ACADÊMICOS DE MEDICINA COM AS CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Lucas Garcez Novaes Piccinato 1 ; Renan Rocha Cabrera 2 ; Willian Augusto de Melo 3 RESUMO: O presente

Leia mais

PORTARIA Nº 2.600/GM DE 21 DE OUTUBRO DE 2009.

PORTARIA Nº 2.600/GM DE 21 DE OUTUBRO DE 2009. PORTARIA Nº 2.600/GM DE 21 DE OUTUBRO DE 2009. Aprova o Regulamento Técnico do Sistema Nacional de Transplantes. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições previstas no inciso II do art.

Leia mais

Características da Política de Alocação de Rim e Fígado no Brasil

Características da Política de Alocação de Rim e Fígado no Brasil Características da Política de Alocação de Rim e Fígado no Brasil Maria Gerbase de Lima Instituto de Imunogenética - IGEN Associação Fundo de Incentivo à Pesquisa - AFIP São Paulo, SP, Brasil Brasil: Extensão

Leia mais

PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA INTENSIVA BASEADO EM COMPETÊNCIAS. CoBaTrICE AMIB

PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA INTENSIVA BASEADO EM COMPETÊNCIAS. CoBaTrICE AMIB PROGRAMA DE ESPECIALIZAÇÃO EM TERAPIA INTENSIVA BASEADO EM COMPETÊNCIAS CoBaTrICE AMIB ÁREAS DE DOMÍNIO 1-Ressuscitação e controle inicial do paciente agudamente enfermo 2-Diagnóstico: avaliação, investigação,

Leia mais

Percepção de estudantes de enfermagem sobre a doação de órgãos

Percepção de estudantes de enfermagem sobre a doação de órgãos PESQUISA Percepção de estudantes de enfermagem sobre a doação de órgãos Mariana Lara dos Reis Aluna do Curso de Graduação em Enfermagem. Débora Cristina Silva Popov Docente do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

Definição de Morte Encefálica

Definição de Morte Encefálica Definição de Morte Encefálica Perda irreversível de todas as funções encefálicas, tanto dos hemisférios cerebrais quanto do tronco cerebral, manifestada por coma aperceptivo, ausência dos reflexos de tronco

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável Painel Santa Casa SUStentável Em 11 de dezembro de 2013 foi realizado o lançamento do Programa de auxílio às Santas Casas e hospitais filantrópicos do Estado de São Paulo. O projeto, conhecido como Santa

Leia mais

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado RBT Registro Brasileiro de Transplantes Veículo Oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos Ano XVIII Nº 4 Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado (2005-2012) A doação

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS POTENCIAIS DOADORES DE ÓRGAOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE DE UM HOSPITAL DA FOZ DO RIO IGUAÇÚ NO ANO DE 2008

CARACTERIZAÇÃO DOS POTENCIAIS DOADORES DE ÓRGAOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE DE UM HOSPITAL DA FOZ DO RIO IGUAÇÚ NO ANO DE 2008 CARACTERIZAÇÃO DOS POTENCIAIS DOADORES DE ÓRGAOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTE DE UM HOSPITAL DA FOZ DO RIO IGUAÇÚ NO ANO DE 28 Lourenai Pereira dos Santos Alves¹*, Silmara da Costa Maia²[ orientadora] 1

Leia mais

Cuidados aos doadores intrafamiliares

Cuidados aos doadores intrafamiliares Cuidados aos doadores intrafamiliares 1. Dados sobre vossa experiencia profissional : 1. Numero CIC : 2. Nome de vossa Instituiçao :. 3. Cidade de vossa Instituiçao :. 4. Pais :... 5. Vossas coordenadas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2005 (Do Sr. Dr. HELENO)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2005 (Do Sr. Dr. HELENO) PROJETO DE LEI N.º, DE 2005 (Do Sr. Dr. HELENO) Institui o direito de opção de tratamento de saúde alternativo a todos os pacientes passíveis do uso de transfusão sangüínea. ' O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014

DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 DECISÃO COREN-MA Nº 09/2014 Define as Atribuições do Enfermeiro Responsável Técnico no âmbito do Estado do Maranhão. O Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão Coren/MA, em observância aos dispositivos

Leia mais

T E R M O D E C O N S E N T I M E N T O E S C L A R E C I D O RIM RECEPTOR

T E R M O D E C O N S E N T I M E N T O E S C L A R E C I D O RIM RECEPTOR Clínica/Setor: Unidade de Transplante Considerando o artigo 22 do Código de Ética Médica (Resolução CFM 1931/2009) e os artigos 6 III e 39 VI da Lei 8.078/90 (Código de Defesa do Consumidor), que garantem

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 032/2010

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 032/2010 PARECER COREN-SP CAT Nº 032/2010 Assunto: Lavagem Intestinal 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a competência dos membros da equipe de enfermagem para realização da lavagem intestinal e

Leia mais

Nota Técnica Conjunta n.º 001/2016 CGSNT/GGMED/GGMON

Nota Técnica Conjunta n.º 001/2016 CGSNT/GGMED/GGMON Assunto: Critérios técnicos para o gerenciamento do risco sanitário de células, tecidos e órgãos humanos para uso terapêutico e pesquisa clínica frente aos casos de infecção por vírus Zika, no Brasil.

Leia mais

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante

Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplante POR QUE CRIAR CIHDOTTs? 6294 hospitais no país Necessidade de descentralização Equipes localizadas dentro do hospital notificante

Leia mais

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado RBT Registro Brasileiro de Transplantes Veículo Oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos 2016 Ano XXII Nº 4 Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado (2009-2016) A doação

Leia mais

REDAÇÃO O dilema da doação de órgãos no Brasil

REDAÇÃO O dilema da doação de órgãos no Brasil REDAÇÃO O dilema da doação de órgãos no Brasil INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija texto dissertativo-argumentativo

Leia mais

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013):

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): I - promover a integração operacional e assistencial dos serviços de saúde vinculados ao Ministério

Leia mais

Governador Sérgio Cabral. Vice-Governador e Coordenador Executivo de Infraestrutura do Estado Luiz Fernando Pezão

Governador Sérgio Cabral. Vice-Governador e Coordenador Executivo de Infraestrutura do Estado Luiz Fernando Pezão Governador Sérgio Cabral Vice-Governador e Coordenador Executivo de Infraestrutura do Estado Luiz Fernando Pezão Secretário de Estado de Saúde Marcos Esner Muzafir Chefe de Gabinete Rodrigo Silva Ferreira

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS ACIDENTE DE TRABALHO:

PERGUNTAS E RESPOSTAS ACIDENTE DE TRABALHO: PERGUNTAS E RESPOSTAS ACIDENTE DE TRABALHO: 1- Como se dá o Acidente de Trabalho? R- Trata-se, evidentemente, de um acidente ocorrido em razão do trabalho exercido pelo trabalhador, que pode causar uma

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições. Câmara Técnica 3ª reunião

REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições. Câmara Técnica 3ª reunião REGULAMENTAÇÃO DO PEDIDO DE CANCELAMENTO OU EXCLUSÃO DE BENEFICIÁRIOS DE PLANOS DE SAÚDE Principais Contribuições Câmara Técnica 3ª reunião PRINCIPAIS CONTRIBUIÇÕES Entidades que enviaram contribuições

Leia mais

LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001.

LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001. LEI N 2908 DE 21 DE DEZEMBRO DE 2001. CRIA CARGOS DE PROVIMENTO EFETIVO NO PLANO DE CARREIRA DA SECRETARIA DE SAÚDE, LEI N 1811 DE 18 DE OUTUBRO DE 1994, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. GLAUCO SCHERER, PREFEITO

Leia mais

SUPORTE FAMILIAR DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS

SUPORTE FAMILIAR DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS 2º Encontro Interdisciplinar em Cuidados Paliativos Da Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros DETALHES EM PALIATIVOS Enfº. Paulo Ramires Enfª. Vanda Almeida UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS CHBM,

Leia mais

PROVA EsFCEx 2016/2017 ENFERMAGEM. Prof.ª Enf.ª Cintia Lobo

PROVA EsFCEx 2016/2017 ENFERMAGEM. Prof.ª Enf.ª Cintia Lobo PROVA EsFCEx 2016/2017 ENFERMAGEM Prof.ª Enf.ª Cintia Lobo Em relação à Política de Atenção Integral aos Usuários de Álcool e outras drogas assinale a alternativa que completa adequadamente a lacuna abaixo.

Leia mais

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga

Manutenção do Potencial Doador. Dra. Viviane Cordeiro Veiga Manutenção do Potencial Doador Dra. Viviane Cordeiro Veiga 2009 Fila de Transplantes São Paulo 13.244 pacientes 9.911 - rim 2.556 fígado 391 pâncreas/rim 114 coração 80 pulmão 56 - pâncreas TRANSPLANTES:

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE PROCURA DE ÓRGÃOS DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO OPO-HCFMUSP

ORGANIZAÇÃO DE PROCURA DE ÓRGÃOS DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO OPO-HCFMUSP ORGANIZAÇÃO DE PROCURA DE ÓRGÃOS DO HOSPITAL DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO OPO-HC MANUAL DE ROTINAS Introdução A OPO é o órgão executivo da Comissão de Transplantes de Órgãos e

Leia mais

A APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO NA ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR. Unidade de Serviço Social. Celina Rezende

A APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO NA ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR. Unidade de Serviço Social. Celina Rezende A APLICAÇÃO DAS FERRAMENTAS DE GESTÃO NA ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR. Unidade de Serviço Social Celina Rezende O ASSISTENTE SOCIAL COMO PROFISSIONAL DA SAÚDE Constituição de 1988, o Assistente Social passa

Leia mais

Parto Normal. A importância de conhecer as vantagens.

Parto Normal. A importância de conhecer as vantagens. Parto Normal A importância de conhecer as vantagens. PARTO NORMAL Ser mãe é ter o prazer de se sentir especial não só durante os nove meses de gestação, mas pelo resto da vida. O momento do nascimento

Leia mais

ANEXO I FICHA DE INVESTIGAÇÃO DO ÓBITO INFANTIL E FETAL - SÍNTESE, CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

ANEXO I FICHA DE INVESTIGAÇÃO DO ÓBITO INFANTIL E FETAL - SÍNTESE, CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES ANEXO I FICHA DE INVESTIGAÇÃO DO ÓBITO INFANTIL E FETAL - SÍNTESE, CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES Formulário padrão com a síntese da investigação de óbito infantil e fetal a ser adotado obrigatoriamente como

Leia mais

Projeto NCAP. Relatório. Semestral -

Projeto NCAP. Relatório. Semestral - Relatório 2015 Semestral - Projeto NCAP Relatório de atividades relacionadas ao Projeto NCAP, pertencente ao Projeto de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS PROADISUS. Os dados apresentados neste

Leia mais

Logística da Captação de Múltiplos Órgãos

Logística da Captação de Múltiplos Órgãos Logística da Captação de Múltiplos Órgãos Introdução O Sistema Nacional de Transplante (SNT) adotado no Brasil tem a concepção de fila única de transplante com o propósito de garantir o acesso universal,

Leia mais

Normatização da Junta Médica no Intercâmbio Nacional. Dr. Adolfo Orsi Parenzi

Normatização da Junta Médica no Intercâmbio Nacional. Dr. Adolfo Orsi Parenzi Normatização da Junta Médica no Intercâmbio Nacional Dr. Adolfo Orsi Parenzi Resolução CONSU n 8, de 03.11.98 (mecanismos de regulação) Art. 4 As operadoras de planos ou seguros privados de assistência

Leia mais

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado

Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado RBT Registro Brasileiro de Transplantes Veículo Oficial da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos 2015 Ano XXI Nº 4 Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado (2008-2015) A doação

Leia mais

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13.

Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. Edição Número 2 de 02/01/2004, páginas 12 e 13. PORTARIA Nº 2.458, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2003 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso de suas atribuições, e Considerando a necessidade de criar mecanismos

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS

Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS VI CONGRESSO DE BIOÉTICA DE RIBEIRÃO PRETO Mesa redonda: TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS E TECIDOS Maria Cristina Komatsu Braga Massarollo Escola de Enfermagem- USP massaro@usp.br TRANSPLANTE DE ÓRGÃOS Modalidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DO SISTEMA NACIONAL DE TRANSPLANTES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DO SISTEMA NACIONAL DE TRANSPLANTES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO ESPECIALIZADA COORDENAÇÃO GERAL DO SISTEMA NACIONAL DE TRANSPLANTES DE ACORDO COM O ESTABELECIDO PELA PORTARIA Nº 2600/GM/MS, DE

Leia mais

Contratar um plano de saúde é uma decisão que vai além da pesquisa de preços. Antes de

Contratar um plano de saúde é uma decisão que vai além da pesquisa de preços. Antes de Planos de saúde: Sete perguntas para fazer antes de contratar Antes de aderir a um plano de saúde, o consumidor precisa se informar sobre todas as condições do contrato, para não correr o risco de ser

Leia mais

Juliana Araújo Torres. Enfermeira do Serviço de Epidemiologia

Juliana Araújo Torres. Enfermeira do Serviço de Epidemiologia Indicadores da Qualidade e Segurança do Protocolo Juliana Araújo Torres Enfermeira do Serviço de Epidemiologia Hospital Nove de Julho Estrutura 315 leitos 1600 colaboradores 4.000 médicos cadastrados no

Leia mais

PARECER SETOR FISCAL Nº 35/2015. Assunto: Parecer Técnico sobre coleta de sangue arterial para fim de realização de gasometria arterial.

PARECER SETOR FISCAL Nº 35/2015. Assunto: Parecer Técnico sobre coleta de sangue arterial para fim de realização de gasometria arterial. PARECER SETOR FISCAL Nº 35/2015 Assunto: Parecer Técnico sobre coleta de sangue arterial para fim de realização de gasometria arterial. 1-Do Fato: Venho por meio deste solicitar um parecer do Coren/CE

Leia mais

Sinais da. Boa Nutrição. Alice Silveira Granado. CRN 3 : 17638 Nutricionista

Sinais da. Boa Nutrição. Alice Silveira Granado. CRN 3 : 17638 Nutricionista ç Sinais da ç Boa Nutrição Alice Silveira Granado CRN 3 : 17638 Nutricionista Crescimento Adequado Funcionamento Regular do Intestino Dentes Fortes e Saudáveis Bom Apetite Boa Imunidade Peso Adequado Pele

Leia mais

LABIRIN. dicloridrato de betaistina

LABIRIN. dicloridrato de betaistina LABIRIN dicloridrato de betaistina APRESENTAÇÃO Comprimidos de 24 mg. Caixa com 30 e 60 comprimidos. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido contém: dicloridrato de betaistina... 24 mg Excipientes

Leia mais

hospitais equipes de saúde pacientes /familiares doadores / familiares sistema de saúde população judiciário mídia

hospitais equipes de saúde pacientes /familiares doadores / familiares sistema de saúde população judiciário mídia hospitais equipes de saúde pacientes /familiares doadores / familiares sistema de saúde população judiciário mídia indicações de de transplante diagnóstico de de morte encefálica formas de de consentimento

Leia mais

PROGRAMA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM TERAPIA SEMI INTENSIVA: ESTRATÉGIAS DE ENFERMEIRAS EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA

PROGRAMA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM TERAPIA SEMI INTENSIVA: ESTRATÉGIAS DE ENFERMEIRAS EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA FACULDADE MARIA MILZA BACHARELADO EM ENFERMAGEM PROGRAMA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM TERAPIA SEMI INTENSIVA: ESTRATÉGIAS DE ENFERMEIRAS EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA Maria do Espírito Santo da Silva¹ Adriana

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O(A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização ao

Leia mais

I CIHDOTT Curso para Implantação de Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes. Central de Transplantes de Goiás

I CIHDOTT Curso para Implantação de Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes. Central de Transplantes de Goiás I CIHDOTT Curso para Implantação de Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes Central de Transplantes de Goiás Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Sistema

Leia mais

Três vezes por semana o biomédico Antonio Carlos Ribeiro se submete a

Três vezes por semana o biomédico Antonio Carlos Ribeiro se submete a Doação de órgãos A Enfermagem entre a morte e a vida Da entrevista à família do potencial doador até o transplante dos órgãos, a enfermagem protagoniza um complexo e cativante processo que exige cautela,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA

REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE PROTEÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS DE FRONTEIRA Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1º 1. A Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo, nº 147/99, de 1 de Setembro, regula

Leia mais

Gestão à Vista: Indicadores como Instrumento de Gestão

Gestão à Vista: Indicadores como Instrumento de Gestão Gestão à Vista: Indicadores como Instrumento de Gestão Jacqueline Canuto Gerente de Qualidade e Risco - Hospital São Rafael Consultora da Qualidade Hospital do Subúrbio jaccanuto@gmail.com São Paulo, 22/05/2013

Leia mais

ADMISSÃO DA PACIENTE NA EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA

ADMISSÃO DA PACIENTE NA EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA ADMISSÃO DA PACIENTE NA ENFERMAGEM EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro ADMISSÃO DA PACIENTE NA EMERGÊNCIA OBSTÉTRICA É o atendimento

Leia mais

CICLOMIDRIN BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. tropicamida 10 mg/ml

CICLOMIDRIN BULA PARA O PACIENTE LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril. tropicamida 10 mg/ml CICLOMIDRIN LATINOFARMA INDÚSTRIAS FARMACÊUTICAS LTDA. Solução Oftálmica Estéril tropicamida 10 mg/ml BULA PARA O PACIENTE COLÍRIO CICLOMIDRIN tropicamida 1% MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEc Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança. Habilitação Profissional: Técnico de enfermagem Qualificação:

Leia mais

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E ESCLARECIDO O (A) paciente, ou seu responsável, declara, para todos os fins legais, especialmente do disposto no artigo 39, VI, da Lei, 8.078/90 que dá plena autorização

Leia mais