Rastreamento da mutação 419 C>T (A140V) no gene MECP2, um regulador transcricional, em portadores de disfunções neurológicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rastreamento da mutação 419 C>T (A140V) no gene MECP2, um regulador transcricional, em portadores de disfunções neurológicas"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOPATOLOGIA CLÍNICA E EXPERIMENTAL (CLINEX) Rastreamento da mutação 419 C>T (A140V) no gene MECP2, um regulador transcricional, em portadores de disfunções neurológicas Jussara Mendonça dos Santos Rio de Janeiro 2004

2 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOPATOLOGIA CLÍNICA E EXPERIMENTAL (CLINEX) Rastreamento da mutação 419 C>T (A140V) no gene MECP2, um regulador transcricional, em portadores de disfunções neurológicas Jussara Mendonça dos Santos Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Fisiopatologia Clínica e Experimental da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) visando a obtenção do título de Mestre em Ciências - Fisiopatologia Clínica e Experimental. Rio de Janeiro 2004

3 FICHA CATALOGRÁFICA Santos, Jussara Mendonça Rastreamento da mutação 419 C>T (A140V) no gene MECP2, um regulador transcricional, em portadores de disfunções neurológicas / Jussara Mendonça dos Santos. Rio de Janeiro, UERJ, Centro Biomédico, Faculdade de Ciências Médicas, xiii, 85 p., il. Orientadoras: Márcia Mattos Gonçalves Pimentel Cíntia Barros Santos Dissertação (Mestrado) Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ, Centro Biomédico, Faculdades de Ciências Médicas. 1. MECP2. 2. Retardo Mental. 3. Remodelagem da cromatina. 4. Metilação do DNA. I. Márcia Mattos Gonçalves Pimentel / Cíntia Barros Santos. II. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Centro Biomédico. Faculdade de Ciências Médicas. III. Título.

4 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO BIOMÉDICO FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS PÓS-GRADUAÇÃO EM FISIOPATOLOGIA CLÍNICA E EXPERIMENTAL (CLINEX) Rastreamento da mutação 419 C>T (A140V) no gene MECP2, um regulador transcricional, em portadores de disfunções neurológicas Jussara Mendonça dos Santos Orientadoras: Prof. Drª Márcia Mattos Gonçalves Pimentel Prof. Drª Cíntia Barros Santos Aprovada em de de 2004 pela banca examinadora: Prof. Drª Teresa de Souza Fernandez Prof. Drª Jacyara Maria Brito Macedo Prof. Dr Jerson Laks Rio de Janeiro 2004

5 Senhor Deus, muito obrigado por existir em minha vida.

6 AGRADECIMENTOS A Deus, por me conceder sempre um novo dia para repensar os meus erros e tentar melhorar. Aos meus pais e familiares pelo carinho, apoio e compreensão pelas minhas constantes ausências em suas vidas. À Juciara pelo carinho e ajuda inestimável no cuidado com o Tonho, me aliviando de várias tarefas domésticas e me ajudando nos momentos difíceis. As minhas orientadoras Drª Márcia Pimentel e Drª Cíntia Barros Santos pela amizade, total confiança e oportunidade de realizar este trabalho. Agradeço muito pela generosidade com que se dispuseram do tempo de vocês, compartilhando comigo seus vastos conhecimentos científicos e profissionais. A minha tia Melli, exemplo de dedicação e paciência, pelo incentivo e carinho incondicional. Ao Temperini pelo carinho, companheirismo e paciência que só os grandes amigos possuem. Ao amigo Marcos Aurelio que mesmo com seu jeito de fera indomável é uma pessoa especial. Ao Victor Paulo, pela amizade e ajuda pessoal. Sua competência e profissionalismo são fontes inspiradoras. Aos pacientes e seus responsáveis, que foram essenciais para a realização deste trabalho. A Drª Sabine Klauck por ter gentilmente nos enviado uma amostra de um paciente com a mutação A140V para uso como controle positivo em nossos experimentos. Aos companheiros Cláudia e Mário pelos momentos de descontração e grande ajuda na parte experimental deste trabalho. Aos colegas de trabalho do Laboratório de Genética: Karla, Raquel, Stênio, Andrícia e Aline pelo período de convivência. À Lúcia Helena, pela amizade e por estar sempre disposta a ajudar. À Socorro, pelo incentivo e amizade. As amigas Andréia, Cristiane e Ana Paula pelas horas descontraídas que passamos juntas durante o curso. À Dra. Teresa de Souza Fernandez pela revisão deste trabalho. Aos professores, funcionários e alunos do Departamento de Biologia Celular e Genética pelo incentivo e convivência. E a todos que direta ou indiretamente tenham colaborado para a realização deste trabalho.

7 vi LISTA DE QUADROS, TABELAS E ANEXOS Quadro 1: Genes ligados ao X associados ao retardo mental sindrômico. Quadro 2: Genes ligados ao X associados ao retardo mental não sindrômico. Quadro 3: Genes ligados ao X associados tanto às formas sindrômicas quanto nãosindrômicas de retardo mental. Quadro 4: Oligonucleotídeos utilizados para o rastreamento da mutação 419C>T (A140V). Quadro 5: Freqüência da mutação A140V no gene MECP2 em diferentes estudos populacionais. Tabela 1: Localização de mutações no gene MECP2 identificadas em indivíduos do sexo masculino e fenótipos associados. Anexo 1: Carta de aprovação do projeto junto ao Comitê de Ética do Hospital Universitário Pedro Ernesto. Anexo 2: Termo de consentimento informado. Anexo 3a: Dados referentes aos indivíduos portadores de RM sindrômico. Anexo 3b: Dados referentes aos indivíduos portadores de RM não-sindrômico. Anexo 3c: Dados referentes aos indivíduos portadores de RM que não foram classificados clinicamente quanto à forma de RM. Anexo 4: Manuscrito submetido à revista Neuroscience Letters.

8 vii LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Famílias de proteínas com domínios de ligação a regiões metiladas (MBD). Figura 2: Participação da proteína MeCP2 na remodelagem da cromatina. Figura 3: Esquema do gene MECP2. Figura 4: Esquema mostrando a técnica de PCR-RFLP para a análise da mutação 419 C>T. Figura 5: Dispersão das idades apresentadas pelos pacientes avaliados neste estudo. Figura 6: Classificação do RM presente nos indivíduos analisados em casos isolados e familiares. Figura 7: Representação gráfica do percentual de pacientes com RM associado ou não a distúrbios psiquiátricos. Figura 8: Eletroforese em gel de poliacrilamida utilizado na análise da mutação 419 C>T (A140V), após digestão dos fragmentos amplificados com a enzima AccI.

9 viii LISTAS DE SIGLAS E ABREVIATURAS A - adenina Acc1 enzima de restrição Acinetobacter calcoaceticus APS persulfato de amônio ARX gene homeobox associado a malformações cerebrais e diversos tipos de câncer. ATRX gene relacionado à síndrome ATRX (α-talassemia) quando mutado BSA- albumina de soro bovino C- citosina datp 2 desoxiadenosina 5 - trifosfato dctp - 2 desoxicitidina 5 - trifosfato dgtp - 2 desoxiguanosina 5 - trifosfato dttp - 2 desoxitimidina 5 - trifosfato DNA ácido desoxirribonucléico DNMT1 enzima DNA metiltransferase 1 DNMT3A - enzima DNA metiltransferase 3A DNMT3B - enzima DNA metiltransferase 3B dntps - desoxirribonucleotídeos EDTA ácido etileno-diamino-tetracético FMR1 Fragile Mental Retardation 1 FMR2 Fragile Mental Retardation 2 g - grama G - guanina HAT- histona acetil transferase HDAC- complexo de histona desacetilase ICF síndrome relacionada à imunodeficiência de instabilidade da heterocromatina pericentromérica e anomalias faciais. Ilha CpG região rica em dinucleotídeos citosina e guanina, ligados covalentemente

10 ix Kb quilobase KDa quilodalton M- molar MBD domínio de ligação ao DNA metilado MBD1 Methyl binding domain protein 1 MBD2a Methyl binding domain protein 2a MBD2b - Methyl binding domain protein 2b MBD3 Methyl binding domain protein 3 MBD4 - Methyl binding domain protein 4 mc citosinas metiladas MeCP1 - Methyl-cytosine binding protein 1 MeCP2 Methyl-cytosine binding protein 2 MECP2 gene da Methyl-cytosine binding protein 2 mg - miligrama ml - mililitro mm - milimolar MTHFR gene da metilenotetraidrofolato redutase pb pares de bases PCR reação em cadeia da polimerase ph potencial hidrogeniônico pmol picomol PPM X síndrome caracterizada por RM, psicose maníaco-depressiva, sinais piramidais e macroorquidismo q braço longo de um cromossomo QI coeficiente de inteligência RFLP polimorfismo de comprimento de fragmento de restrição RM retardo mental RMLX retardo mental ligado ao cromossomo X

11 x RMXS retardo mental ligado a X sindrômico RMX - retardo mental ligado a X inespecífico RNA ácido ribonucléico RNAm ácido ribonucléico mensageiro rpm rotações por minuto SDS dodecil sulfato de sódio SERVGEN Serviço de Genética Humana da UERJ Sin3a complexo co-repressor que atua no domínio TRD SSC solução salina-citrato de sódio T - timina Taq Thermus aquaticus TBE tampão tris-borato-edta TEMED - N N N N tetrametiletilenodiamina TRD domínio de repressão transcricional Tris trihidroximetil aminometano U unidades UTR região não traduzida do gene V volts μg micrograma μm - micromolar μl - microlitros ηg - nanograma

12 xi SUMÁRIO LISTA DE QUADROS E TABELAS LISTA DE ILUSTRAÇÃO LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS RESUMO ABSTRACT Página vi vii viii xii xiii 1- INTRODUÇÃO Regulação da Expressão Gênica e seu papel na Remodelagem da Cromatina Metilação do DNA A acetilação e desacetilação de histonas A proteína MeCP O gene MECP Mutações no gene MECP Mutação 419C>T (A140V) Retardo Mental OBJETIVOS METODOLOGIA Pacientes investigados Coleta de material Extração de DNA Quantificação do DNA Triagem da mutação A140V no gene MECP Reação em Cadeia da Polimerase Preparo do Gel de Poliacrilamida 5% Coloração utilizando nitrato de prata Digestão com endonuclease de restrição e análise de RFLPs RESULTADOS DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS 58

13 xii RESUMO Em mamíferos, a metilação dos dinucleotídeos CpG é um mecanismo natural que está associado a vários processos epigenéticos e é essencial para o controle da transcrição gênica. A descoberta de um grande número de genes relacionados a desordens reforça o papel da conformação da cromatina na doença humana. Várias patologias comportamentais e neurológicas têm sido associadas em mutações no gene MECP2 (OMIM ), localizado em Xq28. Este gene pertence a uma nova classe de genes envolvidos no remodelamento da cromatina e codifica a proteína MeCP2, uma reguladora importante da expressão gênica em humanos. A transição C>T na posição 419 (A140V), situada no éxon 4, representa a mais freqüente mutação MECP2 identificada em pacientes do sexo masculino e está associada com diferentes fenótipos, que incluem retardo mental e alterações psiquiátricas. Neste estudo, amostras de DNA de 366 indivíduos portadores de retardo mental sindrômico e não-sindrômico e outros distúrbios psiquiátricos foram triados para a mutação A140V (419C>T) no gene MECP2. O rastreamento molecular foi realizado através da metodologia de PCR-RFLP. Os produtos de PCR foram digeridos com a endonuclease de restrição Acc1 e analisados por eletroforese em gel de poliacrilamida 6%, corado com nitrato de prata. Nenhuma mutação 419 C>T foi encontrada, sugerindo que a mutação A140V no gene MECP2 não é uma causa etiológica comum de retardo mental em homens. Estes resultados são similares aos de outro estudo previamente publicado. Recentemente, foi descrita uma nova e abundante isoforma da proteína MeCP2, a qual possui uma extremidade N-terminal diferencial traduzida a partir do éxon 1, anteriormente reconhecido como uma região não-codificante e, que por isso, tem sido excluído de muitos programas de triagem mutacional, bem como as regiões não-traduzidas 3 e 5. Consideramos essencial proceder uma triagem em toda a extensão do gene MECP2, utilizando uma amostra bem documentada de maior tamanho para assegurarmos a real contribuição do gene MECP2 para o retardo mental.

14 xiii ABSTRACT In mammals, methylation at CpG dinucleotides is a natural mechanism associated to several epigenetics process, which is essential for the control of gene transcription. The discovery of a large number of disorders related genes reinforces the role of chromatin conformation in human disease. Several neurological and behavioral pathologies have been related to mutations in the MECP2 gene (OMIM ), located at Xq28. This gene belongs to a new class of genes involved in the chromatin remodelling and codifies the methyl-cpg binding protein 2, an important regulator of the gene expression in humans. The C T transition at position 419 (A140V), located at exon 4, represents the most frequent MECP2 mutation identified in male patients and it is associated to different phenotypes including mental retardation and psychiatric alterations. In this study, DNA samples from 366 individuals with syndromic and non syndromic mental retardation and other psychiatric diseases were screened for A140V (419C>T) mutation in the MECP2 gene. The molecular screening was performed by the PCR-RFLP assay. The amplicons were digested with the AccI restriction enzyme and analysed by electrophoresis in 6% polyacrilamide gel stained by silver nitrate. No mutation at 419C>T was found, suggesting that the A140V mutation in the MECP2 gene is not a common etiological cause of mental retardation in males. These results are similar to another study previously published. Recently, a new and abundant isoform of MeCP2 was described, which has an alternative N-terminus, translated from exon 1, that was previously thought to be non-coding and has been excluded from many mutational screening, as well, the 5 and 3 UTR regions. We consider essential proceeding further screening in the whole extension of the MECP2 gene using clinically well-documented and larger sized sample to assure the overall contribution of MECP2 to mental retardation.

15 1- INTRODUÇÃO

16 Regulação da Expressão Gênica e seu papel na Remodelagem da Cromatina A cromatina é o elemento central de controle funcional do genoma dos eucariotos (Urnov, 2003). O empacotamento da cromatina desempenha um papel dinâmico na regulação da expressão gênica, a qual se dá através da alteração da estrutura do nucleossomo, envolvendo diversos mecanismos bioquímicos, como a metilação do DNA, a acetilação e desacetilação das histonas e o reposicionamento dos octâmeros dependente da hidrólise de ATP (Huang et al., 2003). Desta maneira, a transcrição gênica é, em parte, controlada pela forma através da qual o DNA está acessível à maquinaria transcricional. Conhecer quais fatores regulam o empacotamento da cromatina é revelar como a expressão gênica é controlada. Atualmente, sabe-se que, além dos fatores genéticos, outros fatores estão associados, afetando a expressão do gene ou as propriedades de seu produto. Estas variações adicionais podem atuar sobre a regulação de um gene alvo e não estão relacionadas com mudanças na seqüência do DNA, mas influenciam o padrão de replicação do DNA e são transmitidos da célula mãe para as células filhas (Russo et al., 1996). Os processos que produzem essas variações deixam o código genético intacto e são freqüentemente reversíveis. Estas marcas são denominadas como memória epigenética. Os recentes relatos sobre processos epigenéticos associados com doenças humanas reforçam a importância da estrutura da cromatina no controle da regulação gênica (Huang et al., 2003). Por esta razão, existe grande interesse na caracterização de proteínas que atuam direta ou indiretamente na remodelagem da cromatina e, conseqüentemente, influenciam muitos passos bioquímicos, incluindo o controle de genes envolvidos no desenvolvimento do sistema nervoso central (SNC). Mutações que interferem na remodelagem da cromatina, em geral, afetam a

17 3 expressão de inúmeros genes causando diversas patologias as chamadas doenças da cromatina (Hendrich & Bickmore, 2001) Metilação do DNA A metilação do DNA é uma modificação epigenética que exerce um papel essencial no controle da expressão gênica em mamíferos, e ocorre pela adição enzimática de um grupo metil ao carbono 5 da citosina pelas DNA metiltransferases, originando a 5-metilcitosina, que é quimicamente instável e pode sofrer desaminação espontânea, dando origem à timina (Strachan & Read, 2002). Os grupos metil (CH 3 ) são fornecidos através de uma via metabólica complexa a partir da ingestão do ácido fólico (folato). Nesta via estarão participando produtos de vários genes, dentre estes, o MTHFR, que atua como um doador, fornecendo os radicais metil para várias reações celulares, como a síntese das bases purinas e pirimidinas, o reparo do DNA e a apoptose (Choi & Mason, 1998; Green & Miller, 1999; Duthie, 1999; Fenech, 2001). Em células de mamíferos foram caracterizadas três DNA metil transferases: DNMT1, DNMT3A e a DNMT3B (Bestor et al., 1988; Okano et al., 1998; Okano et al., 1999). A DNMT1 é expressa amplamente nos tecidos somáticos e é responsável pela metilação de novo, enquanto que a DNMT3A e a DNMT3B estão envolvidas no processo de manutenção da metilação (Costello & Plass, 2001). Em geral, os genomas de vertebrados são metilados e a maioria das 5- metilcitosinas do DNA está presente dentro de ilhas CpGs, que consistem em regiões ricas em dinucleotídeos CG ligados covalentemente (Riggs & Jones, 1983). Aproximadamente, 50-60% de todos os genes humanos transcritos pela RNA polimerase II contêm uma ilha CpG (Bird et al., 1985; Bird, 1992),

18 4 mostrando que os padrões de metilação dividem o genoma em regiões funcionalmente ativas e inativas (Antequara & Bird, 1993; Costelo & Plass, 2001; Jones & Takai, 2001). O Projeto Genoma Humano identificou cerca de ilhas CpGs (Venter et al., 2001). Genes associados a ilhas CpG incluem todos os genes de manutenção, que são amplamente expressos e cerca de 40% dos genes que possuem uma expressão tecido-específica (Larsen et al., 1992). Em mamíferos, o mecanismo de metilação dos dinucleotídeos CpG é necessário para o desenvolvimento embrionário normal (Bird, 1999; Robertson & Wolffe, 2000), pois quando padrões de metilação não são apropriadamente estabelecidos ou mantidos, doenças tão diversas como retardo mental (RM), deficiência imune e tumores herdados ou esporádicos podem surgir (Costello & Plass, 2001). O mecanismo de metilação do DNA está associado aos processos de: inativação do cromossomo X (Lyon, 1999), imprinting parental (Nicholls et al., 1998), controle da expressão gênica tecido específica (Bird & Wolffe,1999), proteção contra o ataque de parasitas (Bestor, 1998) e manutenção da integridade cromossômica (Costelo & Plass, 2001). A importância dos padrões de metilação do DNA para a saúde humana foi marcada pela recente identificação de mutações em genes envolvidos com a metilação, os quais estão associados a doenças. Mutações no gene da metiltransferase (DNMT3B) foram encontradas em pacientes com a síndrome ICF (OMIM ), na qual ocorre imunodeficiência associada com instabilidade da heterocromatina pericentromérica e anomalias faciais (Xu et al., 1999), enquanto que mutações em genes imprintados foram relacionadas às síndromes de Beckwith-Wiedemann (OMIM ), de Angelman (OMIM ) e de Prader- Willi (OMIM ).

19 A acetilação e desacetilação de histonas A acetilação de histonas é um processo que está diretamente ligado a mudanças na conformação da cromatina, e consiste na adição de grupamentos acetil (CH 3 CO) aos resíduos de lisina próximos à região N-terminal das histonas por enzimas acetiltransferases (HAT) específicas. Como as histonas acetiladas possuem uma afinidade menor pelo DNA do que, uma pela outra, a cromatina sofre uma descondensação parcial, facilitando a transcrição (Tse et al., 1998). Em oposição, a desacetilação de histonas consiste na retirada dos grupamentos acetil por enzimas desacetilases (HDAC), promovendo a repressão da expressão gênica. Recentemente, o processo de metilação do DNA e o de desacetilação de histonas mostraram estar associados (Newell-Price et al., 2000). Sabemos que a atividade transcricional está relacionada com o grau de compactação da cromatina e, portanto, a alteração de sua estrutura prejudica o acesso da maquinaria transcricional ao DNA (Otten & Tapscoot, 1995). Dois mecanismos têm sido propostos para explicar de que maneira a metilação bloqueia a transcrição (Nan et al., 1998; Johnson, 2000). O primeiro deles se refere à inibição da ligação de determinados fatores de transcrição às ilhas CpGs, que contêm sítios de reconhecimento. O segundo mecanismo envolve proteínas ou complexos protéicos que se ligam especificamente aos CpGs metilados e podem, indiretamente, limitar o acesso dos fatores de transcrição aos elementos reguladores. Estas proteínas fazem parte de uma família de proteínas nucleares (MeCP1, MeCP2, MBD1, MBD2a, MBD2b, MBD3 e MBD4) (Meechan et al., 1989; Lewis et al., 1992; Hendrich & Bird, 1998; Newell-Price et al., 2000), denominadas proteínas com domínios de ligação à metilcitosina (MBD), os quais são altamente conservados entre várias espécies desde Xenopus laevis até o homem (Amir et al., 1999) (Figura 1).

20 6 Colled coil Colled coil * a Colled coil b glicosilase Figura 1 - Famílias de proteínas com domínios de ligação a regiões metiladas (MBD). *Repressores transcricionais associados à desacetilases de histonas (presença de domínios TRD ou colled coil). Dois ou três domínios CXXC ocorrem na MBD1. O (GR) n do MBD2a refere-se a tratos de glicina-arginina. MBD4 exibe uma glicosilase de timina A proteína MeCP2 Mesmo tendo sido caracterizado após a identificação da MeCP1, o repressor transcricional MeCP2 (Methyl-CpG binding protein 2) foi considerado a primeira proteína identificada como um membro verdadeiro da família MBD, por ser o primeiro a manter uma ligação estável com o DNA metilado, ao contrário da MeCP1, que possui essa habilidade, porém sua ligação com o DNA é do tipo transitória. A MeCP2 é um polipeptídeo de ligação cromossômica abundante, amplamente expresso no cérebro, principalmente nos neurônios (Coy et al., 1999; Akbarian et al., 2001; Shahbazian et al., 2002) e apresenta peso molecular de 52 kda e 486 aminoácidos de extensão (Nan et al., 1998). Ele é codificado pelo gene MECP2 e possui três domínios funcionais: um domínio de ligação ao DNA metilado (MBD) com 85 aminoácidos (Amir et al., 1999); um domínio de interação com repressores de transcrição (TRD) com 104 aminoácidos de comprimento

21 7 (Jones et al., 1998) e um domínio carboxi-terminal (Miltenberger-Miltenyi & Laccone, 2003). Esta proteína possui duas isoformas resultantes do encadeamento alternativo de seu RNAm. A isoforma MeCP2A ou simplesmente MeCP2 é resultante da união dos éxons 3, 4 e parte do 2, enquanto que a isoforma MeCP2B resulta da união dos éxons 1, 3 e 4. Esta última é mais abundante do que a isoforma MeCP2A e possui na sua região N- terminal tratos de polialanina e poliglicina (Kriaucionis & Bird, 2004; Mnatzakanian et al., 2004). A capacidade da MeCP2 reprimir a expressão gênica envolve um complexo de desacetilação de histonas (Ng & Bird, 1999). Quando a MeCP2 se liga a seqüências promotoras CpG metiladas, seu domínio de repressão transcricional (TRD) recruta um complexo co-repressor constituído pelo fator Sin3A e desacetilases de histonas (HDAC); as histonas H3 e H4 nos nucleossomos são desacetiladas pelas HDACs (Jones et al., 1998; Nan et al., 1998; Ng & Bird, 1999). Estas últimas removem o grupamento acetil das histonas, alterando a conformação da cromatina, tornando-a compactada e inacessível aos ativadores transcricionais, resultando na repressão estável dos genes alvos (Jones et al., 1998; Ng & Bird, 1999; Bird & Wolffe, 1999). Na ausência da MeCP2, a cromatina pode ser capaz de adotar uma estrutura mais aberta, mais adequada à transcrição gênica (Ng & Bird, 1999; Nakao et al., 2001) (Figura 2).

22 8 (A) (B) Figura 2: Participação da proteína MeCP2 na remodelagem da cromatina. (A) função normal do gene MECP2. A proteína MeCP2 se liga aos resíduos de citosina metilados (mc, em vermelho) nas ilhas CpGs e recruta o fator Sin3A (em amarelo) e desacetilases de histonas (HDAC, em verde). A desacetilação das histonas compacta a cromatina (em preto) e silencia a transcrição. (B) função anormal do gene MECP2 devido a mutações. A proteína MeCP2 mutada não consegue se ligar aos resíduos de citosina metilados ou recrutar o fator Sin3A e desacetilases de histonas, levando à perda parcial ou total da repressão da transcrição O gene MECP2 O gene MECP2 (OMIM ) localiza-se em Xq28 (Figura 3), região rica em genes envolvidos com o retardo mental (D Espósito et al., 1996; Vilain et al., 1996). Trata-se de um gene altamente conservado entre as espécies, que é expresso durante a embriogênese (Coy et al., 1999). Este gene possui 76 kb de peso molecular, sendo composto por quatro éxons, com uma seqüência codificante de nucleotídeos, que compreende os éxons 1, 2, 3 e 4 (Dragich et al., 2000; Reichwald et al., 2000; Kriaucionis & Bird, 2004; Mnatzakanian et al., 2004). A seqüência que codifica o domínio MBD está localizada nos éxons 3 e 4, e a seqüência codificante do domínio TRD situa-se no éxon 4. Este quarto éxon contém uma grande região 3 UTR que possui 8,5 kb de comprimento e sítios de poliadenilação alternativos, os quais originam um transcrito maior de 10 kb, amplamente expresso no cérebro fetal, e um transcrito de 5 kb, expresso

23 9 no cérebro adulto (Coy et al., 1999). O gene MECP2 juntamente com os genes ATRX (Gibbons et al., 1995), RSK2 (Trivier et al., 1996) e ARX (Strömme et al., 2002) pertencem a uma nova categoria de genes relacionados aos processos de remodelagem da cromatina. (a) Cromossomo X (b) gene MECP2 (c) proteína MeCP2 Xq28 Figura 3: Esquema do gene MECP2 e sua proteína MeCP2: (a) localização do gene; (b) estrutura dos éxons e íntrons que o compõem; (c) MeCP2 e seus domínios Mutações no gene MECP2 Mutações no gene MECP2 podem causar mudanças na estrutura e conformação da proteína, incapacitando-a de atuar como uma repressora da transcrição. As primeiras alterações no gene MECP2 foram descritas na síndrome de Rett (OMIM ), uma desordem severa do neurodesenvolvimento, que afeta quase exclusivamente meninas, com uma incidência de 1 em nascimentos (Kozinetz et al., 1993; Hagberg et al., 2002) e representa uma das causas genéticas mais freqüentes de retardo mental (RM) grave em meninas.

24 10 Pacientes com a síndrome de Rett clássica se desenvolvem normalmente até os 6-18 meses de idade, quando se inicia uma regressão no neurodesenvolvimento, perdendo gradualmente a fala e as habilidades manuais. Elas desenvolvem microcefalia, RM severo, características autísticas, ataxia, alterações respiratórias e movimentos estereotipados das mãos (Hagberg et al, 1983; Obata et al., 2000; van den Veyer & Zoghbi, 2001; Bienvenu et al., 2000; Couvert et al., 2001). Depois desta fase de regressão inicial, a doença se estabiliza e as pacientes, geralmente, sobrevivem até a idade adulta. Em cerca de 99% dos casos, as mutações ocorrem de novo, refletindo a hipermutabilidade deste gene (Zoghbi, 1988; Engerstrom & Forslund, 1992). Devido a sua ocorrência em meninas, foi proposto que a síndrome de Rett seria causada por uma mutação dominante com letalidade em meninos, hemizigotos para genes localizados no cromossomo X (Wan et al., 1999). Atualmente, sabemos que as mutações no gene MECP2 não são, necessariamente, letais em meninos. Mutações neste gene foram descritas em indivíduos do sexo masculino com os seguintes quadros clínicos: RM severo (Clayton-Smith et al., 2000; Meloni et al., 2000; Willard & Hendrich, 2000), encefalopatia não progressiva (Imessaoudene et al., 2001), fenótipo semelhante ao da síndrome de Angelman (OMIM ) (Watson et al., 2001), RM ligado ao X não-sindrômico (RMX) (Orrico et al., 2000; Couvert et al., 2001), síndrome PPM-X (OMIM ) (Klauck et al., 2002) e esquizofrenia (Cohen et al., 2002). A reunião destes achados sugere, fortemente, que o gene MECP2 é um candidato em potencial para o estudo do RM sindrômico e não-sindrômico em meninos. A maioria das mutações no gene MECP2 em homens situa-se nos domínios MBD ou TRD (Tabela 1). As transições C>T no gene MECP2 representam a maioria das substituições de bases, ocorrendo em hotspots (Webb & Latif, 2001). Até o momento, 23 mutações MECP2 diferentes foram identificadas em 53 indivíduos

25 11 do sexo masculino com diferentes graus de RM associado ou não a outras características neurológicas (Moog et al., 2003; Miltenberger-Miltennyi & Laccone, 2003). Estas mutações distribuem-se em toda a extensão do gene. Todas as mutações MECP2 encontradas em homens com deficiência mental, com exceção da mutação T158M, não foram descritas em meninas com a síndrome de Rett, o que sugere que estas mutações possam ter efeitos deletérios menores no complexo de repressão/transcrição, no qual o gene MECP2 esteja envolvido (Couvert et al., 2001).

26 Tabela 1: Localização de mutações no gene MECP2 identificadas em indivíduos do sexo masculino e fenótipos associados. Domínio Mutação Nucleotídeo Fenótipos Casos Familiar (F) Referência (N) /Isolado (I) T158M 473 C>T Encefalopatia congênita severa, síndrome de Rett clássica e XXY 3 F Villard et al., 2000; Hoffbuhr et al., 2001; Leonard et al., 2001 P56fsX del2 Encefalopatia e síndrome de 2 NI Clayton-Smith et al., Angelman 2000; Watson et al., 2001 A140V 419 C>T RM severo, tremores e desordem de movimentos 4 F Orrico et al., 2000; Dotti et al., 2002 A140V 419 C>T RM não-específico moderado 2 I Couvert et al., 2001 A140V 419 C>T Síndrome PPM-X (RM moderado, 5 F Klauck et al., 2002 MBD psicose, sinais piramidais e macroorquidismo) A140V 419 C>T Desordem de linguagem, psicose 1 I Cohen et al., 2002 e esquizofrenia A140V 419 C>T RM inespecífico 2 F Winnepenninckx et al., 2002 E137G 410 A>G RM não-específico leve a severo 7 F Couvert et al., 2001 R133H 398 G>A Rett clássica e RM 2 I Monrós et al., 2001; Armstrong et al., MBD- TRD Y141X 423 C>G Rett clássica e síndrome de 1 I Schwartzman et al., Klinefelter 2001 G163fs del2 RM e encefalopatia congênita 1 F Geerdink et al., 2002 R167W 499 C>T RM não-específico moderado, 4 F Couvert et al., 2001 obesidade, tremores

27 13 continuação Domínio Mutação Nucleotídeo Fenótipos Casos Familiar(F) Referência (N) /Isolado(I) E258X RM 1 NI Zeev et al., ins C 2002 TRD C terminal G252fs RM 1 I Milunsky et insg al., 2001 R270X 808 C >T Síndrome de Rett 1 I Topcu et al., 2001 R268 fs 806 delg Encefalopatia congênita 1 F Wan et al., X G273fs dup Fenótipo semelhante à síndrome de Rett 1 F Ravn et al., X332 AAAGCCG 2003 K284E 850 A>G RM 1 I Couvert et al., 2001 P387Md RM inespecífico ligado a X 3 F Yntema et al., el80 del b Q406X 1216 C>T RM inespecífico ligado a X 2 F Meloni et al., 2000 R344W 1030 C>T Fenótipo semelhante à síndrome de Rett 1 F Laccone et al., 2002 R471fs RM moderado, dismorfias brandas, 1 I Kleefstra et del2 hipotonia, ginecomastia, obesidade, fenótipo al., 2002 P385fs del32 semelhante à síndrome de Prader-Willi RM e síndrome de Rett e encefalopatia congênita 1 F Hoffbuhr et al., 2001

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 2- Organização do Genoma

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 2- Organização do Genoma Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 2- Organização do Genoma Estrutura dos Ácidos Nucleicos- Nucleotídeos Cinco tipos: Adenina, Guanina, Citosina, Timina e Uracila.

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

Regulação Epigenética. Paulo Thiago e Juliana Couto Programa de Carcinogênese Molecular

Regulação Epigenética. Paulo Thiago e Juliana Couto Programa de Carcinogênese Molecular Regulação Epigenética Paulo Thiago e Juliana Couto Programa de Carcinogênese Molecular Definição atual: O termo epigenética é usado para descrever os processos moleculares herdáveis que afetam a expressão

Leia mais

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR Linha de reagentes fabricados dentro de restritos controles de qualidade. Testados para assegurar os melhores resultados nas técnicas de pesquisa em Biologia

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B.

Do Corpo Humano ao DNA. Noções de Biologia Molecular. Nucleotídeos - DNA RNA. Dogma central. Prof a. Dr a. Mônica B. Do Corpo Humano ao DNA Noções de Biologia Molecular Prof a. Dr a. Mônica B. Melo FCM - SCSP - Estrutura dos ácidos nucléicos (DNA, RNA) - Replicação - Transcrição - Processamento - Tradução -Mutações -

Leia mais

Epigenética e Memória Celular

Epigenética e Memória Celular Epigenética e Memória Celular Por Marcelo Fantappié Fonte www.revistacarbono.com A epigenética é definida como modificações do genoma que são herdadas pelas próximas gerações, mas que não alteram a sequência

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA

ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA ELETROFORESE APLICADA À ANÁLISE DE DNA Eletroforese Separação de moléculas carregadas em um campo elétrico. As moléculas em uma mistura são separadas umas das outras conforme o tamanho ou a carga Eletroforese

Leia mais

Controle da expressão gênica

Controle da expressão gênica Programa de Biologia Celular V Curso de Verão Controle da expressão gênica Renata Ramalho Oliveira roliveira@inca.gov.br Desenvolvimento e fenótipos explicados pela modulação da expressão gênica Lehninger.

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

Biologia Molecular. Técnicas Moleculares. Lucas Brandão

Biologia Molecular. Técnicas Moleculares. Lucas Brandão Biologia Molecular Técnicas Moleculares Lucas Brandão CONCEITOS BÁSICOS Núcleo - Célula Humana DENTRO DO DNA SE ENCONTRAM OS GENE Definição de Genes Estrutura Gênica n=23, X ou Y 5 UTR 1 Pai Introns 2

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos

Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA DEPARTAMENTO DE BIOQUÍMICA QBQ0313 Estrutura e Função de Ácidos Nucléicos Flavia Carla Meotti Os Ácidos Nucléicos Função: armazenamento e transmissão da informação

Leia mais

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas

Os primeiros indícios de que o DNA era o material hereditário surgiram de experiências realizadas com bactérias, sendo estas indicações estendidas GENERALIDADES Todo ser vivo consiste de células, nas quais está situado o material hereditário. O número de células de um organismo pode variar de uma a muitos milhões. Estas células podem apresentar-se

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 2: Breve revisão estrutura do DNA Prof. Carlos Castilho de Barros Prof. Augusto Schneider Quando se estuda metabolismo você certamente vai se deparar com termos de genéyca!

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com O NÚCLEO E A SÍNTESE PROTEÍCA O núcleo celular, descoberto em 1833 pelo pesquisador escocês Robert Brown, é uma estrutura

Leia mais

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar 7. ELETROFORESE DE ÁCIDOS NUCLÉICOS João José de Simoni Gouveia Luciana Correia de Almeida Regitano A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar moléculas carregadas (como

Leia mais

EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas

EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas EPIGENÉTICA Estudo da variação herdável que ocorre sem mudança na sequência do DNA Mudanças de longo

Leia mais

Polymerase Chain Reaction

Polymerase Chain Reaction Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Laboratório de Virologia Polymerase Chain Reaction Equipe de Virologia UFRGS & IPVDF www.ufrgs.br/labvir PCR Desenvolvida

Leia mais

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe!

Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Aula: 2 Temática: Ácidos Nucléicos Hoje estudaremos a bioquímica dos ácidos nucléicos. Acompanhe! Introdução: Os ácidos nucléicos são as moléculas com a função de armazenamento e expressão da informação

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 8 nº 12 2013. Síndrome do X Frágil Cadernos de Informação Científica Ano 8 nº 12 2013 Síndrome do X Frágil C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a definição e causas A síndrome do X frágil (SXF), também conhecida como

Leia mais

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho

Genética Bacteriana. Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Universidade Federal de Juiz de Fora Departamento de Microbiologia, Parasitologia e Imunologia Genética Bacteriana Prof (a) Dra. Luciana Debortoli de Carvalho Introdução O DNA existe como uma hélice de

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO

ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO SUPRAMOLECULAR DO MATERIAL GENÉTICO ORGANIZAÇÃO DO MATERIAL GENÉTICO CELULAR Massa compacta, ocupando um volume limitado As suas variadas actividades, tal como replicação e transcrição, têm

Leia mais

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause

Núcleo Celular. Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Biomedicina primeiro semestre de 2012 Profa. Luciana Fontanari Krause Núcleo Celular Eucarioto: núcleo delimitado por membrana nuclear (carioteca) Portador dos fatores hereditários e controlador

Leia mais

Mecanismos de Herança

Mecanismos de Herança Mecanismos de Herança Andréa Trevas Maciel Guerra Depto. De Genética Médica FCM - UNICAMP Mecanismo de Herança Conceitos básicos Herança Monogênica Herança mitocondrial Imprinting Autossomos (1 a 22) Autossomos

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA

COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA COMUNICAÇÃO DA INFORMAÇÃO NAS MOLÉCULAS DE DNA E RNA Andréia Cristina Hypólito José 11075810 Fernando Caldas Oliveira 11085410 Giovana Zaninelli 11017210 Renato Fernandes Sartori 11061110 Rodrigo de Mello

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Genética Bacteriana Disciplina: Microbiologia Geral e Aplicada à Enfermagem Professora:Luciana Debortoli de

Leia mais

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA Danos ao DNA (tipos, locais e frequência) Dano ao DNA -> mutação -> doença Mutação em regiões controladoras e codificantes Mecanismos de Reparo Fita simples

Leia mais

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

BIOLOGIA MOLECULAR. Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR Prof. Dr. José Luis da C. Silva BIOLOGIA MOLECULAR A Biologia Molecular é o estudo da Biologia em nível molecular, com especial foco no estudo da estrutura e função do material genético

Leia mais

Sequenciamento de DNA

Sequenciamento de DNA Sequenciamento de DNA Figure 8-50a Molecular Biology of the Cell ( Garland Science 2008) Método de Sanger Reação de síntese de DNA por uma DNA polimerase A incorporação de um dideoxinucleotídeo interrompe

Leia mais

Mestrado em Genética Molecular

Mestrado em Genética Molecular Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2000/2001, edição 2000-2002 Biologia Molecular Expressão génica (RT-PCR) Protocolo das sessões práticas Braga, 2000 Rui Pedro Soares de Oliveira Mestrado em

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

O TIPO DE MUTAÇÃO NO GENE MECP2 ESTÁ ASSOCIADO COM A SEVERIDADE DO QUADRO CLÍNCO DA SÍNDROME DE RETT

O TIPO DE MUTAÇÃO NO GENE MECP2 ESTÁ ASSOCIADO COM A SEVERIDADE DO QUADRO CLÍNCO DA SÍNDROME DE RETT O TIPO DE MUTAÇÃO NO GENE MECP2 ESTÁ ASSOCIADO COM A SEVERIDADE DO QUADRO CLÍNCO DA SÍNDROME DE RETT Este material se refere a uma tradução sintética e adaptada do artigo publicado no Journal of Medical

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes

Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Organização do Material Genético nos Procariontes e Eucariontes Procariontes Eucariontes Localização Organização Forma Disperso no citoplasma

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ Departamento de Biologia Celular e Genética Biologia Molecular Tópicos de estudo Prof a Dr a Maria Aparecida Fernandez 2003 1 Unidade I Estrutura dos Ácidos Nucléicos Estrutura

Leia mais

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas

Southern blotting análise de DNA. Northern blotting análise de RNA. Western blotting análise de proteínas Southern blotting análise de DNA Northern blotting análise de RNA Western blotting análise de proteínas Southern blotting Hibridação DNA-DNA em membrana Southern blot Digestão enzimática Eletroforese em

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com

Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com Criado e Desenvolvido por: RONNIELLE CABRAL ROLIM Todos os direitos são reservados 2015. www.tioronni.com ÁCIDOS NUCLEICOS ÁCIDOS NUCLÉICOS: são substâncias formadoras de genes, constituídas por um grande

Leia mais

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br

Bioinformática. Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular. Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Bioinformática Conceitos Fundamentais de Biologia Molecular Paulo Henrique Ribeiro Gabriel phrg@ufu.br Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia 24 de agosto de 2015 Paulo H. R. Gabriel

Leia mais

O processo fisiológico que está representado no gráfico é

O processo fisiológico que está representado no gráfico é Questão 01) Analise o gráfico a seguir. Disponível em: . Acesso em: 22 set. 2014. O processo fisiológico que está representado no gráfico é a) o efeito do aumento

Leia mais

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA

MUTAÇÃO E REPARO DO DNA MUTAÇÃO E REPARO DO DNA Aula 8 META Discutir os principais mecanismos geradores de mutação e suas conseqüências, assim como o papel dos mecanismos de reparo do DNA na manutenção da estabilidade e sobrevivência

Leia mais

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO

ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO ÁCIDOS NUCLEICOS DNA - ÁCIDO DESOXIRRIBONUCLEICO RNA - ÁCIDO RIBONUCLEICO 1 Funções dos ácidos nucleicos Armazenar e expressar a informação genética Replicação Cópia da mensagem contida no DNA, que será

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA

TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA TRANSCRICAO E PROCESSAMENTO DE RNA Número de genes para RNA RNA ribossômico - rrna Os rrnas correspondem a 85 % do RNA total da célula, e são encontrados nos ribossomos (local onde ocorre a síntese proteíca).

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE MATRIZES DE

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

MÓDULO III AULA 2: CONTROLE DA EXPRESSÃO GÊNICA EM EUCARIOTOS

MÓDULO III AULA 2: CONTROLE DA EXPRESSÃO GÊNICA EM EUCARIOTOS BIOLOGIA MOLECULAR BÁSICA MÓDULO III Olá! Chegamos ao último módulo do curso! Antes do início das aulas, gostaria de ressaltar que este módulo está repleto de dicas de animações. Dê uma olhada nas animações

Leia mais

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges

Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA. Profa Francis Moreira Borges Fundamentos de GENÉTICA BACTERIANA Profa Francis Moreira Borges As bactérias possuem material genético, o qual é transmitido aos descendentes no momento da divisão celular. Este material genético não está

Leia mais

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes)

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes) PT Instruções de utilização CYCLER CHECK Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores pronto a usar, pré-aliquotado REF 7104 (10 testes) REF 71044 (4 testes) Índice 1.

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

Aula 2 Organização gênica em eucariotos

Aula 2 Organização gênica em eucariotos Biologia Molecular Básica Módulo II Intermediário Aula 2 Organização gênica em eucariotos Os eucariotos, células nucleadas e com organelas, teriam surgido de eventos de endossimbiose (simbiogênese) entre

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

34 CIÊNCIA HOJE vol. 29 nº 171

34 CIÊNCIA HOJE vol. 29 nº 171 É sabido que o DNA contém as informações necessárias para o funcionamento dos organismos. Esse manual de instruções, porém, precisa ser interpretado pelas células, através de um mecanismo que envolve diversas

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Código genético Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Código genético Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Moléculas, células e tecidos - Código genético Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Código Genético O núcleo é de fundamental importância para grande parte

Leia mais

MUTAÇÕES TIPOS DE MUTAÇÃO GÊNICA

MUTAÇÕES TIPOS DE MUTAÇÃO GÊNICA MUTAÇÕES Eduardo Dias Embora um dos mais importantes requisitos do material genético seja a sua estabilidade, a capacidade de mudança também é necessária. As mutações gênicas são importantes para a evolução

Leia mais

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes.

> ESTUDO DO RNA. (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. Biologia > Citologia > Sintese Protéica > Alunos Prof. Zell (biologia) (C) O ácido nucléico I é DNA e o II, RNA. (D) O ácido nucléico I é RNA e o II, DNA. (E) I é exclusivo dos seres procariontes. > ESTUDO

Leia mais

Bases Moleculares da Hereditariedade

Bases Moleculares da Hereditariedade UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PROG. DE PÓS GRAD. EM GENET. E MELHORAMENTO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GENET. E MELHORAMENTO Bases Moleculares da Hereditariedade Ministrante: João Paulo

Leia mais

PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR

PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CAMPUS DE PARNAÍBA Mestrado em Biotecnologia Semestre 2011.2 PREPARO DE SOLUÇÕES EM BIOLOGIA MOLECULAR DATA: AULA PRÁTICA 2: preparo de soluções em biologia molecular. I.

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 1 - PCR: Princípios e tipos de Reação Breve Histórico Desenvolvida

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

Técnicas moleculares

Técnicas moleculares Técnicas moleculares PCR Reação em Cadeia da Polimerase Inventada em 1983 por Kary Mullis é uma das técnicas mais comuns utilizadas em laboratórios de pesquisas médicas e biológicas Kary Mullis ganhou

Leia mais

Mutações. Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano)

Mutações. Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano) Disciplina: Fundamentos de Genética e Biologia Molecular Turma: Fisioterapia (1 o Ano) Mutações Docente: Profa. Dra. Marilanda Ferreira Bellini E-mail: marilanda_bellini@yahoo.com Blog: http://marilandabellini.wordpress.com

Leia mais

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético.

MUTAÇÃO. O que é mutação? - Alteração no material genético. Universidade Federal do Piauí Núcleo de Estudos em Genética e Melhoramento (GEM) CNPJ: 12.597.925/0001-40 Rua Dirce de Oliveira,3597- Socopo/Teresina-PI Mutação MARIANE DE MORAES COSTA Teresina, 01 de

Leia mais

Citogenética. Material genético no ciclo celular 6/2/2010. Prof: Márcia Amorim. Cromatina e a expressão gênica. Cromossomo eucariótico

Citogenética. Material genético no ciclo celular 6/2/2010. Prof: Márcia Amorim. Cromatina e a expressão gênica. Cromossomo eucariótico Citogenética Estudo dos cromossomos, estrutura e herança 1959 Síndrome de Down Prof: Márcia Amorim Anomalias cromossômicas são responsáveis por defeitos congênitos, retardo mental e cerca de 50% dos abortos

Leia mais

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Genética

V e t e r i n a r i a n D o c s www.veterinariandocs.com.br. Genética V e t e r i n a r i a n D o c s Genética Introdução Conceitos Gene: segmento de DNA que é expresso para produzir um produto funcional, o que pode ser RNA ou polipeptídeo. 3 partes: seqüência reguladora,

Leia mais

Controle da expressão gênica. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

Controle da expressão gênica. Prof. Dr. José Luis da C. Silva Controle da expressão gênica Prof. Dr. José Luis da C. Silva Controle da Expressão gênica Procariotos Princípios da regulação gênica Organismos procariontes e eucariontes são sensíveis à pequenas variações

Leia mais

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA?

DO GENE À PROTEÍNA ALGUNS CONCEITOS BASICOS COMO SE ORGANIZAM OS NUCLEÓTIDOS PARA FORMAR O DNA? DO GENE À PROTEÍNA O processo de formação das proteínas no ser humano pode ser difícil de compreender e inclui palavras e conceitos que possivelmente nos são desconhecidos. Assim, vamos tentar explicar

Leia mais

Resposta: Interbits SuperPro Web

Resposta: Interbits SuperPro Web 1. (Fuvest 2012) Uma mutação, responsável por uma doença sanguínea, foi identificada numa família. Abaixo estão representadas sequências de bases nitrogenadas, normal e mutante; nelas estão destacados

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

A MUSICOTERAPIA COMO CANAL DE COMUNICAÇÃO NA SÍNDROME DE RETT

A MUSICOTERAPIA COMO CANAL DE COMUNICAÇÃO NA SÍNDROME DE RETT UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PRÓ REITORIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DIRETORIA DE PROJETOS ESPECIAIS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATU SENSU ARTETERAPIA EM EDUCAÇÃO E SAÚDE A MUSICOTERAPIA COMO CANAL DE

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

Química do material genético

Química do material genético 1 O NÚCLEO No núcleo estão os cromossomos, onde estão "armazenadas" as informações genéticas de cada espécie. Os seguintes componentes constituem o núcleo celular: Membrana Nuclear: também chamada de carioteca

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE SETOR DE BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR DISCIPLINA: BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR ESTUDO DIRIGIDO FLUXO DA INFORMAÇÃO GÊNICA págs:

Leia mais

PCR. Transiluminador * Características

PCR. Transiluminador * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 10- Mutações, Polimorfismos e Variação no Número de Cópias

Curso - Psicologia. Disciplina: Genética Humana e Evolução. Resumo Aula 10- Mutações, Polimorfismos e Variação no Número de Cópias Curso - Psicologia Disciplina: Genética Humana e Evolução Resumo Aula 10- Mutações, Polimorfismos e Variação no Número de Cópias Mutações somáticas x Mutações germinativas Tipos de mutações MUTAÇÃO GENÔMICA:

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Genes. Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA.

Genes. Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA. Genes Menor porção do DNA capaz de produzir um efeito que pode ser detectado no organismo. Região do DNA que pode ser transcrita em moléculas de RNA. Ácidos nucleicos Os ácidos nucléicos são macromoléculas

Leia mais

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada

Ácidos nucléicos. São polímeros compostos por nucleotídeos. Açúcar - pentose. Grupo fosfato. Nucleotídeo. Base nitrogenada ÁCIDOS NUCLÉICOS Ácidos nucléicos São polímeros compostos por nucleotídeos Açúcar - pentose Nucleotídeo Grupo fosfato Base nitrogenada Composição dos Ácidos nucléicos pentoses: numeração da pentose: pentose

Leia mais

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL

O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL O SISTEMA GENÉTICO E AS LEIS DE MENDEL Profa. Dra. Juliana Garcia de Oliveira Disciplina: Biologia Celular e Molecular Curso: Enfermagem, Nutrição e TO Conceitos Básicos Conceitos Básicos Conceitos Básicos

Leia mais

ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA ATIVIDADE BIOLÓGICA

ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA ATIVIDADE BIOLÓGICA ESTRUTURA DO DNA E ORGANIZAÇAO DA CROMATINA ATIVIDADE BIOLÓGICA 1 Qual é a natureza química da molécula responsável por estocar a informação genética??? CARACTERÍSTICAS 1. Estocar a informação e transmitir

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br São macromoléculas gigantescas, com massa molecular maior que 100 milhões. Os ácidos nucléicos foram isolados pela primeira vez a partir do núcleo

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 08 RIBOSSOMOS E SÍNTESE PROTEICA Fixação 1) (UNICAMP) Considere um fragmento de DNA com a seguinte sequência de bases: GTA GCC TAG E responda: a) Qual será a sequência

Leia mais