Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Anais do XX Congresso Brasileiro de Automática Belo Horizonte, MG, 20 a 24 de Setembro de 2014"

Transcrição

1 ANÁLISE DE MÉDIA-VARIÂNCIA PARA O ERRO DE RASTREAMENTO DE CARTEIRAS COM RESTRIÇÕES DE LIQUIDEZ Oswaldo Luiz do Valle Costa Estela Mara de Oliveira Departamento de Engenharia de Telecomunicações e Controle Escola Politécnica da Universidade de São Paulo CEP: São Paulo Brasil s: Abstract Tracking error models are strategies used by portfolio investment managers that aim at obtaining a portfolio that will follow some benchmark portfolio The so-called tracking error is the difference between the portfolio s return and the benchmark portfolio s return Previous work on minimizing the tracking error variance (TEV with a fixed expected excess return considered the same assets for the portfolio and the benchmark portfolio (see eg (Roll 992; Alexander and Baptista 200 However in many situations it is desirable to use only those assets that have greater liquidity in the benchmark portfolio The objective of this work is to obtain an analytical formula of the portfolio that minimizes TEV for a fixed expected excess of return considering for this only the assets with more liquidity among the assets comprising the benchmark portfolio In this way the obtained results generalize the results in (Roll 992 It is shown that in the particular case in which the assets comprising the portfolio are the same as the benchmark portfolio our results reproduce those obtained in (Roll 992 Keywords tracking error minimizing variance portfolio optimization Resumo Modelos de erro de rastreamento são estratégias utilizadas pelos administradores de carteiras de investimento que visam montar portfólios para seguir algum índice de referência (benchmark Denomina-se nesses casos de erro de rastreamento a diferença entre o retorno da carteira que se deseja montar e o retorno da carteira de referência Trabalhos anteriores sobre a minimização da variância do erro de rastreamento (TEV para um excesso de retorno esperado fixado consideraram os mesmos ativos tanto na carteira que se deseja montar quanto na carteira de referência (veja por exemplo (Roll 992; Alexander and Baptista 200 Entretanto em muitas situações deseja-se utilizar apenas os ativos que possuem maior liquidez e que compõem a carteira de referência O objetivo deste trabalho é obter uma fórmula analítica da carteira que minimiza a TEV para um excesso de retorno esperado fixado considerando para isso apenas os ativos de maior liquidez que compõem a carteira de referência Obtém-se dessa forma uma generalização dos resultados obtidos em (Roll 992 Mostrase que no caso particular em que os ativos que compõem a carteira são os mesmos que compõem a carteira de referência nossos resultados reproduzem os resultados obtidos em (Roll 992 Keywords erro de rastreamento minimização de variância otimização de carteiras Introdução O conceito de otimização por média-variância introduzido por H Markowitz em (Markowitz 959b; Markowitz 959a tem sido intensamente utilizado para alocação de capital em modelos financeiros e hoje já conta com uma vasta literatura sobre o assunto (veja por exemplo (Campbell et al 997; Elton and Gruber 995; Jorion 992; Costa and Assunção 2005 Mais recentemente este conceito foi estendido em diversas direções para incluir os casos de otimização robusta custos de transação e rastreamento de carteiras (veja por exemplo (Roll 992; Alexander and Baptista 200; Rustem et al 995; Costa and Paiva 2002; Costa and Nabholz 2002; Duarte Jr 999; Fabozzi et al 200; Howe and Rustem 997; Hanza and Janssen 998; Rudolf et al 999; Ling et al 204; Chen and Kwon 202 No caso de rastreamento de carteiras o problema de decisão consiste em montar uma carteira que rastreie uma carteira de referência (carteira de benchmark geralmente um índice amplamente diversificado de ativos Denomina-se como erro de rastreamento a diferença entre o retorno da carteira que se deseja montar e o retorno da carteira de referência O problema de minimização da variância do erro de rastreamento (TEV pode ser colocado como sendo o de encontrar uma carteira que minimiza a variância do erro de rastreamento fixando-se uma expectativa de ganho determinado pelo excesso de retorno esperado (ou seja a diferença entre o valor esperado do retorno da carteira e o valor esperado do retorno da carteira de referência Em (Roll 992 (Alexander and Baptista 200 problemas desse tipo foram considerados assumindo que a carteira que se deseja montar poderia ser formada com os mesmos ativos que compõem a carteira de referência Nesse caso é claro que se o excesso de retorno esperado é zero a solução seria apenas replicar a carteira de referência fazendo com isso que o erro de rastreamento seja zero O objetivo deste trabalho é obter uma fórmula analítica da carteira que minimiza a variância do erro de rastreamento (TEV para um excesso de retorno esperado fixado considerando para isso apenas os ativos de maior liquidez que compõem a carteira de referência Obtém-se dessa forma uma generalização dos resultados obtidos em (Roll 992 Mostra-se que no caso particular em que os ativos que compõem a carteira são os 423

2 mesmos que compõem a carteira de referência nossos resultados reproduzem os resultados obtidos em (Roll 992 O trabalho está organizado da seguinte forma Na seção 2 é apresentada a formulação do problema de minimização da variância do erro de rastreamento fixando-se um determinado valor para o excesso de retorno esperado e assumindo as restrições de liquidez para a montagem da carteira O principal resultado deste trabalho é apresentado na seção 3 Teorema 3 que estabelece uma fórmula analítica para a composição da carteira ótima e a equação no plano riscoretorno das carteiras com mínimo TEV Na seção 4 apresenta-se um exemplo numérico baseado nas ações que compõem o IBOVESPA Foram considerados sete ativos com boa liquidez e de setores diferentes a saber: Petrobras (PetroléoGás e Biocombustíveis; Vale do Rio Doce (Mineração; Bradesco (Práticas de operações bancárias em geral; Goll (Transporte áreo e construção; Embraer (Material aeronáutico;usiminas (Siderúrgia; PDG Realt (Setor imobiliário - Construção O artigo é finalizado com alguns comentários finais na seção 5 2 Formulação do Problema Seguindo a notação adotada em (Costa and Assunção 2005 considere uma carteira com retorno P composta por n ativos com retornos R R n retorno esperado r r n e matriz covariância Σ > 0 Investe-se uma proporção ω i no ativo com retorno R i de modo que P n n ω i R i ω i i i Note que como usual para a obtenção de uma solução analítica para os problemas de otimização relacionados à média-variância de carteiras são permitidas posições a descoberto ou seja ω i negativos Utiliza-se a seguinte notação vetorial ω r ω ω n r r n R R R n E(R e E(R E(R n Σ cov(r E((R r(r r Segue que a média do retorno P denotada por µ é dada por µ E(P E(ω R ω E(R ω r e a variância de P denotada por σ 2 é dada por σ 2 E((P µ 2 ω E((R r(r r ω ω Σω ( Resumindo tem-se que P ω R µ ω r σ 2 ω Σω ω e Considere também uma carteira de referência (benchmark ω B com retorno P B retorno esperado µ B e variância σb 2 que se deseja rastrear com uma expectativa de ganho representado pelo excesso de retorno esperado µ e Define-se o erro de rastreamento como P e P P B (ω ω B R (2 que representa o erro entre o retorno da carteira e o retorno da carteira de referência Denota-se por σ 2 e a variância do erro de rastreamento Segue que µ e µ µ B (ω ω B r (3 σ 2 e E((P e µ e 2 (ω ω B E((R r(r r (ω ω B (ω ω B Σ(ω ω B (4 O problema resolvido analiticamente em (Roll 992 também analisado por (Alexander and Baptista 200 pode ser escrito da seguinte forma: min 2 (ω ω B Σ(ω ω B (5 sujeito a ω r µ B µ e ω e ω R n Note que no problema (5 ω tem a mesma dimensão n que a carteira de referência ou seja a carteira de rastreamento pode incluir todos os ativos que fazem parte da carteira de referência ω B (logicamente se µ e 0 a solução ótima do problema (5 seria ω ω B Introduzimos agora as restrições de liquidez Dessa forma a carteira que se deseja montar utiliza apenas os p n ativos da carteira de referencia ou seja ω i 0 para i p+ n Essa restrição pode ser vista como sendo uma restrição de liquidez onde se considera apenas os p ativos mais líquidos da carteira de referência Deve-se notar que o caso p n corresponde ao problema considerando em (5 Denotaremos por ω como sendo o vetor com os p pesos dessa carteira e e como sendo o vetor formado por s mas agora p dimensional Denotaremos o vetor aleatório p-dimensional com os retornos dos ativos que se deseja utilizar na carteira como sendo R seu valor esperado por r sua matriz de covariância por Σ > 0 (p p e a matriz de covariância entre R e R por Σ (p n isto é ω ω ω p e R R R p r r r p Σ cov(r Σ cov(r R E((R r(r r 424

3 Utilizando a notação acima e de (3 (4 segue que µ e ω r µ B (6 σ 2 e ω Σω 2ω ΣωB + σ 2 B (7 onde σb 2 representa a variância da carteira de referência O problema da minimização da variância do erro de rastreamento (TEV para um excesso de retorno esperado fixado µ e com restrições de liquidez é definido da seguinte forma: min 2 ω Σω ω ΣωB sujeito a ω r µ B µ e ω e ω R p (8 Na próxima seção será apresenta a solução analítica desse problema 3 Carteira de Mínimo TEV com Restrições de Liquidez Como veremos a seguir a solução do problema (8 será obtida em termos dos seguintes dados de entrada: r Σ µ B e Ψ B cov(r P B E((R r(p B µ B E((R r(r r ω B Σω B (9 Antes de apresentarmos a solução do problema (8 necessitamos das seguintes definições: Temos o seguinte resultado (Costa and Assunção 2005: α e Σ e (0 γ r Σ r ( ψ e Σ r (2 αγ ψ 2 (3 demonstrado em Proposição 3 Para as constantes α γ ψ e definidas em (0 ( (2 e (3 tem-se que: > 0 e p α λ max (Σ p ] λ min (Σ γ r 2 λ max (Σ r 2 λ min (Σ ψ < r p λ min (Σ onde λ min e λ max representam os autovalores mínimos e máximos da matriz Σ De maneira similar a (Merton 972; Roll 992; Alexander and Baptista 200 a representação da carteira ótima solução do problema (8 ] será obtida a partir da combinação de 3 carteiras ω g ω a ω B definidas a seguir: ω g α Σ e (4 ω a ψ Σ r (5 ω B Σ Ψ B + ψ Σ r + γ ] Σ e (6 onde e Σ Ψ B (7 Deve-se notar que ω g corresponde à carteira com mínima variância global entre as carteiras obtidas a partir de R e que ω a corresponde à carteira na fronteira eficiente (entre as carteiras obtidas a partir de R com retorno esperado Note que µ a γ ψ (assumindo ψ > 0 (8 µ g ω gr ψ (9 α de modo que ψα > 0 Tem-se também que e σ 2 g α (20 σ 2 a γ ψ 2 (2 (veja por exemplo (Merton 972 Observação Com relação à ω B deve-se notar que para o caso em que p n (sem restrição de liquidez tem-se que Σ Σ Σ Σ de modo que Σ Ψ B Σ Σω B ω B e e Σ Ψ B e ω B ou seja 0 Dessa maneira temos que ω B ω B para o caso em que p n A seguir apresentamos a solução do problema (8 e o gráfico da fronteira eficiente Teorema 3 A solução do problema (8 é dada por ω ω B + T (µ (ω a ω g (22 onde µ µ e + µ B T (µ µ r Σ Ψ B (23 Mais ainda a curva relacionado risco e retorno na fronteira de mínimo TEV é dada por ( σ 2 σ B 2 T (µ 2(σ 2 + µ a µ a σg 2 g ( T (µσ 2 ( g µb + 2 (24 µ g onde σ 2 B ω BΣ ω B (25 µ B ω Br r Σ Ψ B (26 425

4 Demonstração: Considere o lagrangiano do problema (8 onde lembramos de (9 que Ψ B Σω B : L(ω λ ω Σω ω Ψ B + λ (µ e ω r + µ B + λ 2 ( ω e (27 Derivando e igualando a zero e chamando de ω o vetor ω que satisfaz essas condições obtêm-se as condições necessárias de a ordem: Segue que Σω Ψ B λ r λ 2 ē 0 r ω µ e + µ B ē ω (28 ω Σ (Ψ B + λ r + λ 2 ē (29 e portanto de (28 e (29 { r ( Σ (Ψ B + λ r + λ 2 ē µ e + µ B e ( Σ (Ψ B + λ r + λ 2 ē ou seja ( r Σ r ē Σ r r Σ ē ē Σ ē ( ( λ µe + µ B r Σ Ψ B λ 2 ē Σ Ψ B ( T (µ Utilizando os parâmetros definidos em (0-(3 decorre que ( ( γ ψ λ ψ α λ 2 ( T (µ e de acordo com a Proposição 3 ( γ ψ > 0 ψ α Lembrando que para uma matriz 2 por 2 simétrica com determinante diferente de zero vale que ( ( a b c b b c a c b 2 b a tem-se que ou seja ( λ λ 2 ( ( α ψ T (µ ψ γ { λ (αt (µ ψ λ 2 ( ψt (µ + γ (30 Substituindo (30 em (29 tem-se de (4 (5 (6 que ω Σ (Ψ B + λ r + λ 2 ē Σ Ψ B + ( αt (µ ψ Σ r + ( Σ ē ψt (µ + γ Σ ( Ψ B + ψ Σ r + γ Σ ē ( α + Σ r ψ Σ ē T (µ ω B + T ( (µ γ ψ ψ ψ Σ r α Σ e α ω B + T (µ (ω a ω g Aplicando as condições de 2 a ordem obtém-se que a derivada 2 a do lagrangeano (27 em relação a ω denotada por L( ω é L( ω Σ > 0 e portanto a solução encontrada realmente corresponde a um ponto de mínimo local Como a função objetivo é convexa e o conjunto de soluções factíveis é um conjunto convexo o ponto de mínimo obtido é global provando a otimalidade de (22 Deve-se notar também que de (0-(3 e (6 segue que r ω B r Σ Ψ B + r Σ Ψ B + r Σ Ψ B ψ r Σ r + γ ] r Σ ē ψ γ + γ ψ ] o que mostra a segunda igualdade em (26 A variância da carteira obtida de (22 é dada por σ 2 (ω Σ(ω e portanto de (22 segue que σ 2 ω B Σ ω B + 2 T (µ (ω a ω g Σ ωb ( T (µ 2(ωa + ω g Σ(ωa ω g (3 Conforme mostrado na equação (46 em (Costa and Assunção 2005 (ω a ω g Σ(ωa ω g ( σa 2 σg 2 (32 Tem-se também de (4 (5 (6 e (25 e lembrando que ē ω B que ( (ω a ω g Σ ωb ψ αē r ( ωb ψ µ B α α( α ( ψ µ B σg 2 µb µ g (33 já que σg 2 α e µ g ψ α Combinando (26 (3 (32 (33 obtém-se (24 completando a prova do resultado 426

5 Observação 2 Para o caso em que p n o resultado do Teorema 3 coincide com os resultados obtidos em (Roll 992 Realmente neste caso temos que como visto na Observação Σ Ψ B ω B e ω B ω B e portanto T (µ µ µ B Desse modo temos que (22 e (24 coincidem com os resultados em (Roll 992 Em particular para µ µ B segue que ω ω B e σ 2 σb 2 Note que para o caso p < n esse resultado não é em geral válido retorno esperado média variância TEV rl TEV 4 Exemplo numérico Nesta seção é apresentado um exemplo numérico da aplicação do modelo de rastreamento com restrição de liquidez definido no problema (8 Esse modelo que denotaremos a partir de agora como modelo T EV rl é comparado com o modelo tradicional de média-variância (MV de Markowitz e com o modelo de erro de rastreamento denominado tracking error variance (TEV apresentado em (Roll 992 Para o modelo de média-variância e T EV consideram-se os mesmos ativos que compõem da carteira de rastreamento do modelo T EV rl Serão traçadas as curvas de risco versus retorno esperado dos três modelos bem como será realizado um back test do T EV rl e do modelo de média-variância Para isto toma-se uma série histórica de dados no período de 2008 a 203 de ações negociadas na BOVESPA Estes dados são referentes a sete ativos com boa liquidez que compõem o IBOVESPA sendo este utilizado como a carteira de referência Conforme mencionado na introdução os sete ativos são: Petro3 Vale3 BBDC4 USIM5 EMBR3 Goll4 PDGR3 Com esses dados de entrada (série histórica foram calculadas as estimativas dos retornos esperados (r a matriz de covariância dos ativos considerados (Σ o vetor de covariância entre os ativos e o IBOVESPA (Ψ B o retorno esperado (µ B e a variância do IBOVESPA (σb 2 A partir destes obtêm-se as equações risco versus retorno dos modelos T EV rl média-variância (MV e T EV e as fronteiras eficientes Na figura encontram-se as três curvas risco versus retorno Nota-se neste caso que a carteira de mínima variância global possui um retorno esperado negativo Como era de se esperar as fronteiras eficientes para os modelos T EV rl e T EV são dominadas pela fronteira eficiente do modelo de médiavariância uma vez que os 3 modelos consideram os mesmos sete ativos e conforme mostrado em (Roll 992 se a carteira aproximada de referência ω B não for eficiente (que é o caso a solução do problema (8 sempre levará a uma carteira não-eficiente e a curva no plano risco-retorno estará sempre distante da fronteira eficiente por um valor constante (ou seja a ineficiência se mantém constante A figura ilustra essa última risco Figura : Fronteira eficiente situação No entanto nota-se pela figura que a carteira T EV r l apresenta um resultado melhor que a carteira T EV Consideramos agora um back test para a análise do desempenho da carteira T EV rl comparada com a carteira de média-variância O período testado corresponde aos meses de janeiro a dezembro de 203 e considerou-se o retorno e covariâncias estimadas a partir dos 2 meses anteriores ao mês considerado para o back test Por exemplo para o mês de janeiro de 203 considerou-se para o cálculo das médias e covariâncias os 2 retornos mensais observados no banco de dados Com isso calculou-se as carteiras correspondentes aos modelos T EV rl (dada pela equação (22 e ao modelo de média-variância (dada pela equação ω ( χ(µω g + χ(µω a onde χ(µ µ µg µ a µ g que seriam utilizadas no início do mês de janeiro de 203 Ao final do mês de janeiro de 203 calcula-se a diferença entre as rentabilidades da carteira do modelo T EV rl e a rentabilidade mensal de janeiro de 203 do índice IBOVESPA e da mesma maneira a rentabilidade da carteira de média-variância e a rentabilidade mensal de janeiro de 203 do índice IBOVESPA O primeiro valor na figura 2 corresponde ao módulo dessas diferenças Continuando com esse procedimento os módulos dos erros de rastreamento dos modelos T EV rl e do modelo de médiavariância em relação à rentabilidade mensal do IBOVESPA de janeiro/203 a dezembro/203 são apresentados na figura 2 Como parâmetro de entrada considerou-se µ 2% para os dois modelos (ou seja deseja-se uma rentabilidade esperada de 2% no final de cada mês que corresponde a uma rentabilidade anual de 26 82% Observa-se na figura 2 que o modelo T EV rl teve um erro de rastreamento menor que o modelo de média-variância no primeiro e segundo mês e do quarto até o décimo segundo mês Na tabela apresenta-se a soma dos erros quadráti- 427

6 02 0 ErroMarkowitz Erro TEV rl 66 x ModeloMeVariancia ModeloTEV rl IBOVESPA erro de rastreamento períodos mensais períodos mensais Figura 2: Norma do erro entre o retorno mensal do IBOVESPA e as carteiras T EV rl e médiavariância cos do modelo T EV rl e do modelo de médiavariância Pode-se verificar que nesse período o modelo T EV rl que teve um erro quadrático de seguiu melhor o IBOVESPA que o modelo de média-variância que teve um erro quadrático de 007 Tabela : Erros Quadráticos Período ErroQuadratico ErroQuadratico Modelo MV Modelo TEVrl jan/ fev/ mar/ abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ Soma Erros Soma Erros Na figura 3 apresenta-se o gráfico do retorno mensal observado nos 2 meses de 203 do IBOVESPA e das carteiras T EV rl e médiavariância Pode-se verificar que a carteira T EV rl acompanhou melhor as oscilações do IBOVESPA que a carteira de média-variância 5 Conclusões O objetivo deste trabalho foi obter uma fórmula analítica da carteira que minimiza a variância do erro de rastreamento (TEV para um excesso de retorno esperado fixado considerando para isso apenas alguns ativos com boa liquidez que compõem a carteira de referência O Teorema 3 es- Figura 3: Retorno mensal do IBOVESPA carteira T EV rl e carteira de média-variância tabelece uma fórmula analítica para a composição da carteira ótima e a equação no plano riscoretorno das carteiras com mínimo TEV Obtevese dessa forma uma generalização dos resultados obtidos em (Roll 992 em que o problema de minimização do TEV é considerado com a carteira que se deseja montar podendo ser formada com os mesmos ativos que compõem a carteira de referência Mostra-se que no caso particular em que os ativos que compõem a carteira são os mesmos que compõem a carteira de referência nossos resultados reproduzem os resultados obtidos em (Roll 992 Na seção 4 apresenta-se um exemplo numérico baseado nas ações que compõem o IBOVESPA Como trabalhos futuros pretende-se analisar uma versão robusta do problema de rastreamento considerando incertezas nas matrizes de covariância dos ativos da carteira seus retornos no vetor de covariância entre os ativos da carteira e a carteira de mercado e nos retornos e variâncias da carteria de referência através de uma abordagem similar à que foi adotada em (Costa and Paiva 2002 Agradecimentos O primeiro autor contou com o apoio financeiro da FAPESP e do CNPq auxílio 30067/09-0 Referências Alexander G J and Baptista A M (200 Active portfolio management with benchmarking: A frontier based on alpha The Journal of Banking and Finance 34: Campbell J Y Lo A W and MacKinlay A C (997 The Econometrics of Financial Markets Princenton Princenton University Press 428

7 Chen C and Kwon R H (202 Robust portfolio selection for index tracking Computers & Operations Research 39(4: Costa O L V and Assunção H G V (2005 Análise de Risco e Retorno em Investimentos Financeiros Manole Costa O L V and Nabholz R B (2002 A linear matrix inequalities approach to robust mean-semivariance portfolio optimization in E J Kontoghiorghes B Rustem and S Siokos (eds Computational Methods in Decision-Making Economics and Finance Boston Kluwer pp Roll R (992 A mean/variance analysis of tracking error The Journal of Portfolio Management 8: 3 22 Rudolf M Wolter H J and Zimmermann H (999 A linear model for tracking error minimization The Journal of Banking and Finance 23: Rustem B Becker R G and Marty W (995 Robust min-max portfolio strategies for rival forecast and risk scenarios Journal of Economic Dynamics and Control 24: Costa O L V and Paiva A C (2002 Robust portfolio selection using linear matrix inequalities Journal of Economic Dynamics and Control 26: Duarte Jr A M (999 Fast computation of efficient portfolios The Journal of Risk 4: 7 94 Elton E J and Gruber M J (995 Modern Portfolio Theory and Investment Analysis Nova York Wiley Fabozzi F J Huang D and Zhou G (200 Robust portfolios: contributions from operations research and finance Ann Oper Res 76: Hanza F and Janssen J (998 The meansemivariances approach to realistic portfolio optimization subject to transactions costs Applied Stochastics Models and Data Analysis 4: Howe M A and Rustem B (997 A robust hedging algorithm Journal of Economic Dynamics and Control 2: Jorion P (992 Portfolio optimization in practice Financial Analysts Journal (January- February : Ling A Sun J and Yang X (204 Robust tracking error portfolio selection with worstcase downside risk measures Journal of Economic Dynamics and Control 39: Markowitz H (959a Portfolio Selection: Efficient Diversification of Investments John Wiley New York Markowitz H M (959b Portfolio Selection: Efficient Diversification of Investments Nova York John Wiley Merton R C (972 An analytic derivation of the efficient portfolio frontier The Journal of Financial and Quantitative Analysis 4:

2. Otimização de Portfolio

2. Otimização de Portfolio 2. Otimização de Portfolio 2.1. Análise de Média-Variância Portfolio (carteira, em português) é uma combinação de ativos, tais como investimentos, ações, obrigações, commodities, imóveis, entre outros.

Leia mais

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO

Artigo Técnico. ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO i ROBERTO CARLINE + 55.11.235.9809 5900.analise@bradesco.com.br APRESENTAÇÃO A moderna teoria de administração de portfolios vem procurando apresentar mecanismos para a obtenção da uma relação ótima entre

Leia mais

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO

APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE RISCO E RETORNO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MBA EM FINANÇAS E GESTÃO DE RISCO APLICAÇÃO DO MODELO DE MARKOWITZ NA SELEÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES: UMA ANÁLISE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA A GEOMETRIA DO VaR: (Value at risk) Aplicações computacionais AUTOR: RODOLFO VENDRASCO TACIN PROFESSOR

Leia mais

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO

CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E GESTÃO CÁLCULO DA COMPOSIÇÃO DE UMA CARTEIRA DE AÇÕES QUE MINIMIZA O RISCO PARA UM RETORNO ESPECIFICADO Mário Henrique da F. Oliveira

Leia mais

Retorno e risco de carteiras de investimento

Retorno e risco de carteiras de investimento Retorno e risco de carteiras de investimento 1 OBJETIVOS DA UNIDADE DE ESTUDO Compreender o processo de avaliação do risco de uma carteira. Definir e mensurar a covariancia entre duas variáveis Definir

Leia mais

Otimização de portfólio de contratos para empresas de geração de energia elétrica Laura Keiko Gunn 1 Elisa Bastos Silva 2 Paulo de Barros Correia 3

Otimização de portfólio de contratos para empresas de geração de energia elétrica Laura Keiko Gunn 1 Elisa Bastos Silva 2 Paulo de Barros Correia 3 Energia 2030: Desafios para uma nova Matriz Energética 08 a 10 de setembro de 2010 São Paulo - SP Otimização de portfólio de contratos para empresas de geração de energia elétrica Laura Keiko Gunn 1 Elisa

Leia mais

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS).

SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). SELEÇÃO DE CARTEIRAS ATRAVÉS DO MODELO DE MARKOWITZ PARA PEQUENOS INVESTIDORES (COM O USO DE PLANILHAS ELETRÔNICAS). Cleber Gonçalves Junior Mestrando Engenharia de Produção EFEI clebergoncalves@hotmail.com

Leia mais

INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. RESUMO

INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. RESUMO INVESTINDO EM AÇÕES, REDUZINDO O RISCO E AUMENTANDO O POTENCIAL DE RETORNO COM O AUXÍLIO DA ESTATÍSTICA. ABREU, Edgar Gomes de UNISINOS RESUMO Com a queda nas taxas de juros, a rentabilidade das aplicações

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Financial Management - CFM Carolina Yumi Marutaka A escolha de um plano ótimo para garantir uma aposentadoria tranquila São Paulo 2012 Carolina Yumi

Leia mais

TEORIA DOS JOGOS E SELEÇÃO DE PORTFÓLIO: UMA PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO AO MODELO MINIMAX E APLICAÇÃO AO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO 1

TEORIA DOS JOGOS E SELEÇÃO DE PORTFÓLIO: UMA PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO AO MODELO MINIMAX E APLICAÇÃO AO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO 1 Christiano Alves Farias, Wilson da Cruz Vieira & Maurinho Luiz ISSN dos Santos 1679-1614 TEORIA DOS JOGOS E SELEÇÃO DE PORTFÓLIO: UMA PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO AO MODELO MINIMAX E APLICAÇÃO AO MERCADO ACIONÁRIO

Leia mais

Notas de aula número 1: Otimização *

Notas de aula número 1: Otimização * UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DISCIPLINA: TEORIA MICROECONÔMICA II Primeiro Semestre/2001 Professor: Sabino da Silva Porto Júnior

Leia mais

ALOCAÇÃO DE ATIVOS NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SEGUNDO O CONCEITO DE DOWNSIDE RISK

ALOCAÇÃO DE ATIVOS NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SEGUNDO O CONCEITO DE DOWNSIDE RISK ALOCAÇÃO DE ATIVOS NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO SEGUNDO O CONCEITO DE DOWNSIDE RISK ARTIGO FINANÇAS Fabio Wendling Muniz de Andrade Doutor em Administração de Empresas pela EAESP-FGV Professor Doutor

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 1.000.000 Período: Jan/08 - Jul/14 950.000 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000 650.000 600.000 550.000 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA PÓS-GRADUAÇÃO TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº01/2010 ESTRATÉGIAS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ A PARTIR

Leia mais

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência

Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos de Sobrevivência TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 7, No. 1 (2006), 91-100. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Uma Avaliação do Uso de um Modelo Contínuo na Análise de Dados Discretos

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção

Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção Introdução - Sistema de PCP - Previsão da demanda - Planejamento da produção Gerência de Estoques - Lote Econômico - Plano de Produção Gerência de Projetos - CPM - PERT

Leia mais

Análise de componentes principais (PCA)

Análise de componentes principais (PCA) Análise de componentes principais (PCA) Redução de dados Sumarizar os dados que contém muitas variáveis (p) por um conjunto menor de (k) variáveis compostas derivadas a partir do conjunto original. p k

Leia mais

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS

OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO DE CARTEIRA DE INVESTIMENTOS Anais do 14 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 20 a 23 2008. OTIMIZAÇÃO MULTICRITÉRIO

Leia mais

Uma aplicação dos modelos de fronteira estocástica utilizando a abordagem Bayesiana

Uma aplicação dos modelos de fronteira estocástica utilizando a abordagem Bayesiana Uma aplicação dos modelos de fronteira estocástica utilizando a abordagem Bayesiana Bruna Cristina Braga 1 2 Juliana Garcia Cespedes 1 1 Introdução Os cursos de pós-graduação do Brasil são avaliados pela

Leia mais

8 Referências Bibliográficas

8 Referências Bibliográficas 8 Referências Bibliográficas ARTZNER, P. et al. Coherent measures of risk. Mathematical finance, v. 9, n. 3, p. 203-228, 1999. BRADLEY, S. P.; CRANE, D. B. A dynamic model for bond portfolio management.

Leia mais

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DO PERFIL DE UM CALL CENTER VISANDO O AJUSTE DE UM MODELO DE FILAS

LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DO PERFIL DE UM CALL CENTER VISANDO O AJUSTE DE UM MODELO DE FILAS SPOLM 06 ISSN 1806-3632 Rio de Janeiro, Brasil, 15 e 16 de de 06 LEVANTAMENTO ESTATÍSTICO DO PERFIL DE UM CALL CENTER VISANDO O AJUSTE DE UM MODELO DE FILAS Helinton A. L. Barbosa Departamento de Estatística

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos dos Planos: PPC, FIPECqPREV e PGA

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos dos Planos: PPC, FIPECqPREV e PGA Evolução Mensal da Carteira de Investimentos dos Planos: PPC, FIPECqPREV e PGA (R$ Mil) 1.050.000 Período: Jan/08 - Dez/14 1.000.000 950.000 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000 650.000 600.000 550.000

Leia mais

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003

Felipe Lopes Meira Alves Matrícula nº: 121003 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MBA EM FINANÇAS EMPRESARIAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Fronteira eficiente: Uma aplicação ao mercado brasileiro em 2012 Felipe Lopes Meira

Leia mais

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade

5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade 5 Estudo de caso: índice de cobrabilidade Neste capítulo, as metodologias abordadas nos capítulos 3 e 4 serão adaptadas e aplicadas ao contexto descrito no capítulo 1 (mensurar as variáveis que compõem

Leia mais

Mestrado em Economia Monetária e

Mestrado em Economia Monetária e Mestrado em Economia Monetária e Financeira Ficha de Unidade Curricular Nome da Unidade Curricular (NUC) Departamento Área Científica Activa nos Planos Curriculares Estado Código da disciplina Nome (pt)

Leia mais

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português

Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Contrastação empírica do modelo CAPM aplicada ao mercado bolsista português Tânia Cristina Simões de Matos dos Santos Instituto Politécnico de Leiria 2012 Working paper nº 83/2012 globadvantage Center

Leia mais

Plano de Gestão Administrativa - PGA

Plano de Gestão Administrativa - PGA Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Período: Jan/09 - Mai/15 (R$ Mil) 43.000 42.000 41.000 40.000 39.000 38.000 37.000 36.000 35.000 34.000 33.000 32.000 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09

Leia mais

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03

Curso on-line BACEN Analista Finanças. Prova Resolvida Áreas 02 e 03 FINANÇAS ANALISTA ÁREA 02 BACEN 2009 PROVA RESOLVIDA 38 Quando um investidor faz uma venda de um título a descoberto, isso significa que (A) comprou anteriormente a descoberto. (B) comprou e depois vendeu

Leia mais

I INTRODUÇÃO... 7 II - MODELO DE SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS MACROECONÔMICOS... 12 III - MODELO DE SIMULAÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA... 23

I INTRODUÇÃO... 7 II - MODELO DE SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS MACROECONÔMICOS... 12 III - MODELO DE SIMULAÇÃO DA DÍVIDA PÚBLICA... 23 4 ÍNDICE ANALÍTICO I INTRODUÇÃO... 7 I.1 MOTIVAÇÃO E OBJETIVOS...7 I.2 METODOLOGIA...9 I.3 EM PERSPECTIVA...10 II - MODELO DE SIMULAÇÃO DE CENÁRIOS MACROECONÔMICOS... 12 II.1 - MODELO MONTE CARLO ESTRUTURADO...12

Leia mais

Rodrigo Lage d Azevedo Carneiro* Heloísa Azevedo Drumond** Robert Aldo Iquiapaza***

Rodrigo Lage d Azevedo Carneiro* Heloísa Azevedo Drumond** Robert Aldo Iquiapaza*** Tracking Error nos Fundos Passivos Indexados ao Ibovespa: Uma Análise do Impacto da Volatilidade Rodrigo Lage d Azevedo Carneiro* Heloísa Azevedo Drumond** Robert Aldo Iquiapaza*** Resumo O objetivo deste

Leia mais

Seleção de um Portfólio Eficiente Através da Diversificação de Ativos Financeiros.

Seleção de um Portfólio Eficiente Através da Diversificação de Ativos Financeiros. Seleção de um Portfólio Eficiente Através da Diversificação de Ativos Financeiros. Vinícius Zago Cantú (UFSC) Emílio Araújo Menezes (UFSC) Resumo O processo de seleção de uma carteira de ativos pode ser

Leia mais

TEORIA DO PORTFÓLIO: COMPARAÇÕES ENTRE MODELOS ALTERNATIVOS PARA ALOCAÇÃO DE RECURSOS EM ATIVOS DE RISCO

TEORIA DO PORTFÓLIO: COMPARAÇÕES ENTRE MODELOS ALTERNATIVOS PARA ALOCAÇÃO DE RECURSOS EM ATIVOS DE RISCO TEORIA DO PORTFÓLIO: COMPARAÇÕES ENTRE MODELOS ALTERNATIVOS PARA ALOCAÇÃO DE RECURSOS EM ATIVOS DE RISCO RESUMO Autoria: Alcides Carlos de Araujo, Alessandra de Ávila Montini O trabalho de Markowitz (1952)

Leia mais

PPS MSDPREV PORTFOLIO PERFORMANCE

PPS MSDPREV PORTFOLIO PERFORMANCE 1 MSDPREV ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS ABR.15 RENDA FIXA MSDPREV RF (WESTERN) CLASSIFICAÇÃO: CLUSTER RENDA FIXA ÍNDICES - MODERADO Maio/14 a Abril/15 A atuação do gestor no segmento

Leia mais

Os fundos de ações e a alocação ótima de ativos proposta por Markowitz

Os fundos de ações e a alocação ótima de ativos proposta por Markowitz Os fundos de ações e a alocação ótima de ativos proposta por Markowitz Luiz Carlos Pereira Antonio Carlos Magalhães da Silva Universidade Estácio de Sá - UESA Octavio Manuel Bessada Lion Alfredo Maciel

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado

Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado Metodologia de Gerenciamento de Risco de Mercado O Gerenciamento de Risco de Mercado das Carteiras geridas pela Rio Verde Investimentos é efetuado pela Administradora dos Fundos, no caso BNY Mellon Serviços

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 980.000 Período: Jan/08 - Mar/14 940.000 900.000 860.000 820.000 780.000 740.000 700.000 660.000 620.000 580.000 540.000 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Outubro de 2014 Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria

Leia mais

Revista Hispeci & Lema On Line ano III n.3 nov. 2012 ISSN 1980-2536 unifafibe.com.br/hispecielemaonline Centro Universitário UNIFAFIBE Bebedouro-SP

Revista Hispeci & Lema On Line ano III n.3 nov. 2012 ISSN 1980-2536 unifafibe.com.br/hispecielemaonline Centro Universitário UNIFAFIBE Bebedouro-SP Reconhecimento de face utilizando banco de imagens monocromáticas e coloridas através dos métodos da análise do componente principal (PCA) e da Rede Neural Artificial (RNA) [Recognition to face using the

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011

Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Retorno dos Investimentos 1º semestre 2011 Cesar Soares Barbosa Diretor de Previdência É responsável também pela gestão dos recursos garantidores dos planos de benefícios administrados pela Sabesprev,

Leia mais

PPS PORTFOLIO PERFORMANCE MSDPREV

PPS PORTFOLIO PERFORMANCE MSDPREV 1 MSDPREV ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS OUT.14 RENDA FIXA MSDPREV RF (WESTERN) CLASSIFICAÇÃO: CLUSTER RENDA FIXA ÍNDICES - MODERADO Novembro/13 a Outubro/14 Nos últimos doze meses,

Leia mais

WEALTH MANAGEMENT E ESTRUTURAÇÃO DE ASSET ALLOCATION NO MERCADO LOCAL

WEALTH MANAGEMENT E ESTRUTURAÇÃO DE ASSET ALLOCATION NO MERCADO LOCAL WEALTH MANAGEMENT E ESTRUTURAÇÃO DE ASSET ALLOCATION NO MERCADO LOCAL Ney Roberto Ottoni de Brito Andréa Alexander de Brito* Novembro 2004 * Sócios-Diretores da Ney O. Brito & Associados, podendo ser contactados

Leia mais

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires

Mercados e Investimentos Financeiros. Cesaltina Pacheco Pires Mercados e Investimentos Financeiros Cesaltina Pacheco Pires iv Índice Prefácio xiii 1 Introdução 1 1.1 Activos reais e activos financeiros...................... 1 1.2 Escolhaintertemporaletaxadejuro...

Leia mais

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido

2. A Teoria Clássica. 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido 2. A Teoria Clássica 2. A Teoria Clássica 2.1 A Concepção da Teoria do Valor Presente Líquido Os mercados financeiros desempenham o papel de permitir que indivíduos e corporações transfiram dinheiro intertemporalmente.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MERCADOS FINANCEIROS Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular MERCADOS FINANCEIROS Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular MERCADOS FINANCEIROS Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Economia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Artigo Técnico ROBERTO CARLINE. 5900.analise@bradesco.com.br. Equity Research 1/6

Artigo Técnico ROBERTO CARLINE. 5900.analise@bradesco.com.br. Equity Research 1/6 i ROBERTO CARLINE 5900.analise@bradesco.com.br INTRODUÇÃO Por meio da utilização restrita do conceito Put/Call Parity procura-se: 1. Solucionar o problema relativo a utilização de uma taxa livre de risco

Leia mais

UM MODELO PARA GESTÃO DE RISCO DE COMMODITIES

UM MODELO PARA GESTÃO DE RISCO DE COMMODITIES WU JUN MING UM MODELO PARA GESTÃO DE RISCO DE COMMODITIES São Paulo 2011 WU JUN MING UM MODELO PARA GESTÃO DE RISCO DE COMMODITIES Projeto de Formatura apresentado à Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA E FUNDAMENTALISTA: DIVERGÊNCIAS, SIMILARIDADES E COMPLEMENTARIEDADES (1)

ANÁLISE TÉCNICA E FUNDAMENTALISTA: DIVERGÊNCIAS, SIMILARIDADES E COMPLEMENTARIEDADES (1) ANÁLISE TÉCNICA E FUNDAMENTALISTA: DIVERGÊNCIAS, SIMILARIDADES E COMPLEMENTARIEDADES (1) Daniel Augusto Tucci Chaves (2) Prof. Dr. Keyler Carvalho Rocha (3) Resumo Tema de grandes discussões entre os participantes

Leia mais

6 Referências Bibliográficas [1] L. Bachelier, Theorie de la Especulation, Ann. Sci. Ecole. Sup. 17, 21 (1900) [2] M. Osborne, Oper. Res.

6 Referências Bibliográficas [1] L. Bachelier, Theorie de la Especulation, Ann. Sci. Ecole. Sup. 17, 21 (1900) [2] M. Osborne, Oper. Res. 98 6 Referências Bibliográficas [1] L. Bachelier, Theorie de la Especulation, Ann. Sci. Ecole. Sup. 17, 21 (1900) [2] M. Osborne, Oper. Res. 7, 145 (1959) [3] C.W. Gardner, Handbook of Stochastic Methods:

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO. Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC

CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO. Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODOS DE DECISÃO MULTICRITÉRIO Roterdan Moura da Silva, Mischel Carmen Neyra Belderrain, IC Instituto Tecnológico de Aeronáutica / Divisão de Engenharia Mecânica-Aeronáutica, roterdan05@hotmail.com;

Leia mais

ESTIMATIVA DO RISCO E RETORNO DE UMA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS FINANCEIROS A PARTIR DE PLANILHA ELETRÔNICA

ESTIMATIVA DO RISCO E RETORNO DE UMA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS FINANCEIROS A PARTIR DE PLANILHA ELETRÔNICA ARTIGO ESTIMATIVA DO RISCO E RETORNO DE UMA CARTEIRA DE INVESTIMENTOS FINANCEIROS A PARTIR DE PLANILHA ELETRÔNICA Eduardo A. Predebon Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Administração - UFPR edebon@terra.com.br

Leia mais

Adriano Leal Bruni (*) Rubens Famá (**)

Adriano Leal Bruni (*) Rubens Famá (**) III SEMEAD LIQUIDEZ E AVALIAÇÃO DE ATIVOS FINANCEIROS Adriano Leal Bruni (*) Rubens Famá (**) RESUMO Liquidez e custos de transação são alguns dos principais atributos da análise de investimentos e de

Leia mais

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema

OTIMIZAÇÃO VETORIAL. Formulação do Problema OTIMIZAÇÃO VETORIAL Formulação do Problema Otimização Multiobjetivo (também chamada otimização multicritério ou otimização vetorial) pode ser definida como o problema de encontrar: um vetor de variáveis

Leia mais

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES

Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Investigação Operacional- 2009/10 - Programas Lineares 3 PROGRAMAS LINEARES Formulação A programação linear lida com problemas nos quais uma função objectivo linear deve ser optimizada (maximizada ou minimizada)

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - MODERADA MIX 20 BENCHMARK RF:80.00% ( 100.00%CDI ) + RV:20.00% ( 100.00%IBRX 100 ) Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética

Leia mais

MATEMÁTICA I AULA 07: TESTES PARA EXTREMOS LOCAIS, CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO TÓPICO 02: CONVEXIDADE, CONCAVIDADE E GRÁFICO Este tópico tem o objetivo de mostrar como a derivada pode ser usada

Leia mais

PPS MSDPREV PORTFOLIO PERFORMANCE

PPS MSDPREV PORTFOLIO PERFORMANCE 1 MSDPREV ANÁLISE DE DESEMPENHO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTOS JAN.15 RENDA FIXA MSDPREV RF (WESTERN) CLASSIFICAÇÃO: CLUSTER RENDA FIXA ÍNDICES - MODERADO Fevereiro/14 a Janeiro/15 O histórico dos últimos

Leia mais

CAPM: TESTES EMPÍRICOS PARA O MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES

CAPM: TESTES EMPÍRICOS PARA O MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES CAPM: TESTES EMPÍRICOS PARA O MERCADO BRASILEIRO DE AÇÕES André Assis de Salles Depto. de Engenharia Industrial Escola Politécnica / UFRJ e-mail: asalles@ind.ufrj.br The Brazilian stock market has experienced

Leia mais

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos

Evolução Mensal da Carteira de Investimentos Evolução Mensal da Carteira de Investimentos (R$ Mil) 950.000 Período: Jan/07 - Ago/12 900.000 850.000 800.000 750.000 700.000 650.000 600.000 550.000 fev/07 abr/07 jun/07 ago/07 out/07 dez/07 fev/08 abr/08

Leia mais

w i p i ex-post portfolio portfolio portfolio portfolio Tabela 7: Coeficiente de Correlação entre o retorno do Ibovespa e a média dos retornos as ações da amostra e Coeficiente de Correlação entre

Leia mais

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX

Posição e Desempenho da Carteira - Resumo HSBC INSTITUIDOR FUNDO MULTIPLO - CONSERVADORA FIX BENCHMARK 100.00%CDI Relatório Gerencial Consolidado - Período de 01/04/2015 Posição e Desempenho da Carteira - Resumo a 30/04/2015 pg. 1 Posição Sintética dos Ativos em 30/04/2015 Financeiro % PL FUNDOS

Leia mais

ROBUST, FRAGILE OR OPTIMAL? REVISITADO: UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A FRAGILIDADE DE CONTROLADORES. Marcos V. Moreira, João C.

ROBUST, FRAGILE OR OPTIMAL? REVISITADO: UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A FRAGILIDADE DE CONTROLADORES. Marcos V. Moreira, João C. ROBUST, FRAGILE OR OPTIMAL? REVISITADO: UMA CONDIÇÃO NECESSÁRIA E SUFICIENTE PARA A FRAGILIDADE DE CONTROLADORES Marcos V. Moreira, João C. Basilio, Universidade Federal do Rio de Janeiro COPPE - Programa

Leia mais

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos

Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos 2010 Seleção e Monitoramento de Fundos de Investimentos Nota Técnica 02 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 NOTA TÉCNICA 02 1 - Introdução Esta nota técnica, desenvolvida pela Equipe da, tem por

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS

INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS Capítulo II INTRODUÇÃO AOS MÉTODOS FACTORIAIS A Análise Factorial de Correspondências é uma técnica simples do ponto de vista matemático e computacional. Porém, devido ao elevado suporte geométrico desta

Leia mais

SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS

SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS V I I S E M E A D T R A B A L H O C I E N T Í F I C O F I N A N Ç A S SELEÇÃO DE PORTFÓLIOS COM FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTIMERCADOS Roerto Frota Decourt Mestrando em Administração UNIFECAP Rua Taapuã,

Leia mais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais

Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Uma Ferramenta para otimização em Engenharia Mecânica e aplicações na Fundição Eletromagnética de Metais Departamento de Engenharia Mecânica COPPE UFRJ STIC-AMSUD, Novembro de 2009 Conteúdo Preliminares

Leia mais

CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ COMO ALTERNATIVA PARA DIMINUIR O RISCO DE UMA CARTEIRA (1)

CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ COMO ALTERNATIVA PARA DIMINUIR O RISCO DE UMA CARTEIRA (1) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO CONTRATOS FUTUROS DE CAFÉ COMO ALTERNATIVA PARA DIMINUIR O RISCO DE UMA CARTEIRA (1) Fernando

Leia mais

ELEMENTOS DE FORMAÇÃO E ANÁLISE DE UMA CARTEIRA EFICIENTE

ELEMENTOS DE FORMAÇÃO E ANÁLISE DE UMA CARTEIRA EFICIENTE FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FATECS CURSO: ADMINISTRAÇÃO LINHA DE PESQUISA: GOVERNANÇA CORPORATIVA ÁREA: FINANÇAS EMPRESARIAIS GABRIEL RENATO ESTELLITA LINS COSTA DA SILVA 2080041/9

Leia mais

Síntese de set/out/nov-2014

Síntese de set/out/nov-2014 Síntese de set/out/nov-2014 23 de dezembro de 2014 Análise de Cenário O que está ruim pode piorar um pouco mais... Embora a nomeação da equipe econômica e seus primeiros discursos tenham agradado aos mercados,

Leia mais

COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE

COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE COMPARAÇÃO DE CARTEIRAS NA FRONTEIRA EFICIENTE UTILIZANDO MULTIPLICADORES DE LAGRANGE CATHARINA PIRES MINOZZO EMILIO ARAUJO MENEZES JAILON ROGÉRIO GIACOMELLI Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis/SC

Leia mais

TÓPICO 2 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE

TÓPICO 2 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE TÓPICO 2 APROXIMAÇÕES DA IDENTIDADE EMANUEL CARNEIRO 1. O operador de convolução Sejam f e g funções mensuráveis em. A convolução de f e g é a função f g definida por f g(x) = f(y) g(x y) dy. De modo geral,

Leia mais

Otimização de Blue Chips com Small Caps na Formação de Carteiras Utilizando a Teoria de Markowitz e o Modelo Capm

Otimização de Blue Chips com Small Caps na Formação de Carteiras Utilizando a Teoria de Markowitz e o Modelo Capm Otimização de Blue Chips com Small Caps na Formação de Carteiras Utilizando a Teoria de Markowitz e o Modelo Capm Guilherme Camargo de Andrade guilherme.camargoa@gmail.com FATEC - Bragança Pau Alexandre

Leia mais

Cálculo de VaR para uma carteira de ações: Sistema informatizado para ações negociadas na Bovespa

Cálculo de VaR para uma carteira de ações: Sistema informatizado para ações negociadas na Bovespa UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE ECONOMIA MBA EM FINANÇAS E GESTÃO DE RISCO TRABALHO DE CONCLUSÃO Cálculo de VaR para uma carteira de ações: Sistema informatizado para ações negociadas

Leia mais

Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos

Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos EA044 - Planejamento e Análise de Sistemas de Produção Resolução da Lista 2 - Modelos determinísticos Exercício 1 a) x ij são as variáveis de decisão apropriadas para o problemas pois devemos indicar quantos

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de Juros Reais e Expectativas de Mercado A taxa Selic efetiva totalizou 8,2% em 213 e a taxa Selic real acumulada no ano, deflacionada pelo IPCA, atingiu 2,2%.

Leia mais

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL

PARTE 2 FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL PARTE FUNÇÕES VETORIAIS DE UMA VARIÁVEL REAL.1 Funções Vetoriais de Uma Variável Real Vamos agora tratar de um caso particular de funções vetoriais F : Dom(f R n R m, que são as funções vetoriais de uma

Leia mais

ANÁLISE DO CAPM PARA O CASO BRASILEIRO: HOUVE MUDANÇA DE RISCO COM A CRISE DO SUBPRIME?

ANÁLISE DO CAPM PARA O CASO BRASILEIRO: HOUVE MUDANÇA DE RISCO COM A CRISE DO SUBPRIME? UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE CIÊNCIAS ECONÔMICAS JÉSSICA PORTAL MAIA ANÁLISE DO CAPM PARA O CASO BRASILEIRO: HOUVE MUDANÇA DE RISCO COM A CRISE DO SUBPRIME?

Leia mais

APLICAÇÃO DA TEORIA DE CONTROLE NA GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS SUJEITOS A PICOS DE DEMANDA

APLICAÇÃO DA TEORIA DE CONTROLE NA GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS SUJEITOS A PICOS DE DEMANDA APLICAÇÃO DA TEORIA DE CONTROLE NA GESTÃO DE ESTOQUES DE PRODUTOS SUJEITOS A PICOS DE DEMANDA Ricardo Ferrari Pacheco Pontifícia Universidade Católica do Paraná Programa de Pós Graduação em Engenharia

Leia mais

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS

Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Estudo de Macro-Alocação de Ativos FUNDAÇÃO CIBRIUS Esse documento apresenta as hipóteses, premissas e resultados do estudo de macro-alocação de ativos, conduzido pela ADITUS Consultoria Financeira, com

Leia mais

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL

ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL ESTUDO DA DINÂMICA POPULACIONAL DE UM VÍRUS COMPUTACIONAL Aluno: João Henrique Carneiro Orientador: Carlos Frederico Palmeira Introdução Foi feito um estudo sobre dinâmica populacional a fim de buscar

Leia mais

ETF s Ferramentas de Gestão. Luiz Felipe P. Andrade BLACKROCK - Maio de 2011

ETF s Ferramentas de Gestão. Luiz Felipe P. Andrade BLACKROCK - Maio de 2011 ETF s Ferramentas de Gestão Luiz Felipe P. Andrade BLACKROCK - Maio de 2011 Como funcionam os ETFs? ETFs são Fundos negociados em Bolsa que seguem índices de mercado Os ETFs ishares reúnem o melhor de

Leia mais

Uma Análise Sobre Reversão de Ranking no Método PROMETHEE II

Uma Análise Sobre Reversão de Ranking no Método PROMETHEE II Uma Análise Sobre Reversão de Ranking no Método PROMETHEE II Renan Felinto de Farias Aires Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGA, UFRN Avenida Senador Salgado Filho, 3000, Lagoa Nova, Natal-RN

Leia mais

A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS

A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS UMA SOLUÇÃO DO PROBLEMA DAS N RAINHAS ATRAVÉS DE ALGORITMOS GENÉTICOS A SOLUTION OF N-QUEENS PROBLEM BY GENETIC ALGORITHMS Eliane Vendramini de Oliveira Mestre em Engenharia Elétrica UNESP/ Ilha Solteira

Leia mais

Um Laboratório Virtual para Modelagem de Séries Financeiras e Gerenciamento de Risco

Um Laboratório Virtual para Modelagem de Séries Financeiras e Gerenciamento de Risco Um Laboratório Virtual para Modelagem de Séries Financeiras e Gerenciamento de Risco Autores: Isadora Rossetti Toledo, Marcos Antônio da Cunha Santos isadorar@hotmail.com, msantos@est.ufmg.br Departamento

Leia mais

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos

Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Otimização Aplicada à Engenharia de Processos Aula 1: Introdução Felipe Campelo http://www.cpdee.ufmg.br/~fcampelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Belo Horizonte Março de 2013 Antes de

Leia mais

MINIMIZANDO O NÚMERO DE DIFERENTES PADRÕES DE CORTE - UMA ABORDAGEM DE CAMINHO MÍNIMO

MINIMIZANDO O NÚMERO DE DIFERENTES PADRÕES DE CORTE - UMA ABORDAGEM DE CAMINHO MÍNIMO A pesquisa Operacional e os Recursos Renováveis 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN MINIMIZANDO O NÚMERO DE DIFERENTES PADRÕES DE CORTE - UMA ABORDAGEM DE CAMINHO MÍNIMO Maria Cristina N. Gramani Universidade

Leia mais

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br

Faculdades Adamantinenses Integradas (FAI) www.fai.com.br Faculdades Adamantinenses Integradas FAI www.fai.com.br SOUZA, Simone Silva Frutuoso; LIMA, Fernando Parra Anjos; ROMERO, Rubén; MINUSSI, Carlos Roberto. Resolução de problemas de programação não linear

Leia mais

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico

Introdução ao Método de Galerkin Estocástico Introdução ao Método de Galerkin Estocástico Americo Barbosa da Cunha Junior Departamento de Engenharia Mecânica Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro 1 Introdução A dinâmica de um sistema

Leia mais

4 Análise de Risco no Mercado de Energia Elétrica 4.1. Introdução

4 Análise de Risco no Mercado de Energia Elétrica 4.1. Introdução 4 Análise de Risco no Mercado de Energia Elétrica 4.1. Introdução Nos capítulos anteriores, procurou-se descrever os mercados de eletricidade e a formação do preço spot de energia. No presente capítulo

Leia mais

Análise de Componente Principais (PCA) Wagner Oliveira de Araujo

Análise de Componente Principais (PCA) Wagner Oliveira de Araujo Análise de Componente Principais (PCA) Wagner Oliveira de Araujo Technical Report - RT-MSTMA_003-09 - Relatório Técnico May - 2009 - Maio The contents of this document are the sole responsibility of the

Leia mais

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril

Dificuldades de Modelos de PNL. Onde está a solução ótima? Outro exemplo: Condição ótima Local vs. Global. 15.053 Quinta-feira, 25 de abril 15.053 Quinta-feira, 25 de abril Teoria de Programação Não-Linear Programação Separável Dificuldades de Modelos de PNL Programa Linear: Apostilas: Notas de Aula Programas Não-Lineares 1 2 Análise gráfica

Leia mais

CSHG Unique Comentário do Gestor

CSHG Unique Comentário do Gestor CSHG Unique Comentário do Gestor Outubro 2010 Para nós, essa é uma carta muito especial. Na busca por oferecer a melhor prateleira possível de produtos para nossos clientes, lançamos em 24 de setembro

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA/UFRGS. Leonardo Riegel Sant Anna

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA/UFRGS. Leonardo Riegel Sant Anna UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PPGA/UFRGS Leonardo Riegel Sant Anna Index Tracking com Controle do Número de Ativos e Aplicação

Leia mais

Comparação entre Diferentes Modelos de Precificação de Ativos com Risco: CAPM e Variantes

Comparação entre Diferentes Modelos de Precificação de Ativos com Risco: CAPM e Variantes Comparação entre Diferentes Modelos de Precificação de Ativos com Risco: CAPM e Variantes Sabrina Soares da SILVA UFLA German Torres SALAZAR UFLA Cristina Lélis Leal CALEGÁRIO UFLA Resumo Os modelos de

Leia mais

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle

Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Representação de Modelos Dinâmicos em Espaço de Estados Graus de Liberdade para Controle Espaço de Estados (CP1 www.professores.deq.ufscar.br/ronaldo/cp1 DEQ/UFSCar 1 / 69 Roteiro 1 Modelo Não-Linear Modelo

Leia mais

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico

106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico 106 BANCO DE PORTUGAL Boletim Estatístico B.7.1.1 Taxas de juro sobre novas operações de empréstimos (1) concedidos por instituições financeiras monetárias a residentes na área do euro (a) Interest rates

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL

RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL 2015 RELATÓRIO DE GESTÃO ECONÔMICA E FINANCEIRA ABRIL Expectativas de Mercado BACEN (15/05/2015) Pág. 2 maio de 2015 CARTEIRA DE INVESTIMENTO ATIVOS % MARÇO ABRIL DISTRIBUIÇÃO POR INSTITUIÇÃO FINANCEIRA

Leia mais