Importância do Rastreamento e Diagnóstico do Diabetes Gestacional

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Importância do Rastreamento e Diagnóstico do Diabetes Gestacional"

Transcrição

1 Page 1 of 8 Importância do Rastreamento e Diagnóstico do Diabetes Gestacional Vera Aleta de Rooij Mansur* Ingeborg Christa Laun** Maria Lucia Fleiuss Farias* *Serviço de Endocrinologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho - UFRJ **Setor de Endocrinologia do Hospital dos Servidores do Estado - RJI Disciplina de Endocrinologia e Metabolismo do curso de Medicina da Universidade Severino Sombra - RJ Introdução O obstetra que acompanha a gestante no pré natal tem papel fundamental no rastreamento e no diagnóstico do diabetes gestacional. A detecção precoce das alterações metabólicas através do conhecimento dos fatores de risco do desenvolvimento desta patologia e da interpretação dos critérios bioquímicos de diagnóstico, mediante a glicemia de jejum e o teste oral de tolerância à glicose, visa a instituição imediata do tratamento, minimizando a morbidade e mortalidade materno- fetal. Definição Os diabetes gestacionais são definido como into lerância aos hidratos de carbono, de grau variado de intensidade, diagnosticada ou reconhecida pela primeira vez durante a gestação, podendo ou não persistir após o parto. Este conceito é bem amplo porque inclui tanto o diabetes gestacional propriamente dito, quanto os variados graus de intolerância gestacional à glicose (IGG). Em termos fisiológicos convém lembrar que as gestantes apresentam glicemia de jejum menor e glicemia pós sobrecarga maior que as não grávidas. Assim, é de extrema importância que não se valorize somente a glicemia de jejum; a glicemia pós sobrecarga de glicose faz parte da investigação diagnóstica. Prevalência A prevalência do DG é de 0,3% a 4%, variando de acordo com os critérios de diagnóstico adotados em cada serviço. dá, a prevalência da IGG é bem maior ocorrendo em 7,3% a 15% do total das gestações. Em 1989, sob os auspícios do Ministério da Saúde, teve início o Estudo Brasileiro de Diabetes Gestacional através do Programa Nacional de Educação e Controle de Diabetes que utilizou o critério adotado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para rastreamento e diagnóstico. O censo realizado em 6 capitais brasileiras compreendeu um total de gestantes revelando uma prevalência de 0,3% de DG e de 7,3% de IGG. No município do Rio de Janeiro foram estudadas 501 gestantes e os

2 Page 2 of 8 No município do Rio de Janeiro foram estudadas 501 gestantes e os resultados foram de 0, 4 % de DG e 1 1,6 % de IGG. Fatores de Risco É de extrema importância uma anamnese bem elaborada e dirigida visando o reconhecimento dos fatores de risco do desenvolvimento do DG, uma vez que as gestantes que apresentam dois ou mais fatores de risco têm maior probabilidade de apresentar esta entidade. Estes fatores são os seguintes: idade> 25anos obesidade: IMC (índice de massa corpórea) pré gravídico >27 cálculo IMC: peso(kg)/altura(m) deposição central excessiva de gordura corporal baixa estatura história familiar de diabetes em parentes do 1º grau história obstétrica pregressa (DG, hipertensão arterial, doença hipertensiva específica da gestação, abortamentos, fetos natimortos, macrossomia fetal) uso de medicamentos com ação hiperglicemiante (corticóides) ganho acentuado de peso durante a gestação atual crescimento, fetal exagerado, polihidrâmnio, hipertensão arterial, doença hipertensiva específica da gestação na gravidez atual. Estudos que analisaram minuciosamente a anamnese de pacientes com diagnóstico de DG revelaram porcentagem de 47% a 56% de gestantes com fatores de risco positivos. Complicações Maternas e Fetais As principais complicações maternas decorrentes do DG são: a descompensação metabólica (que pode eventualmente evoluir para um quadro de cetoacidose diabética), as infecções urinarias de repetição (levando ao quadro de pielonefrite aguda) e a doença hipertensiva específica da gravidez (DHEG). Durante a evolução da gestação pode haver rutura precoce da bolsa, abortamentos e polihidrâmnio levando a partos prematuros e cesáreos. Os recém nascidos de mães com DG possuem maior risco de apresentarem diversas complicações, muitas das quais relacionadas à macrossomia fetal, o que leva à taxa elevada de partos cesáreos, traumas no nascimento e aumento da mortalidade neonatal. Além disso, desenvolvem diversas complicações tais como síndrome de angústia respiratória do recém nascido, icterícia neonatal, alterações eletrolíticas e hipoglicemia. Há descrição também de malformações congênitas. Laun, em 1992, avaliou 53 gestantes encaminhadas ao ambulatório de diabetes mellitus do Hospital dos Servidores do Estado- RJ, e analisou-as conforme os critérios da OMS: 23 tinham DG (52,2%), e as outras 30

3 Page 3 of 8 conforme os critérios da OMS: 23 tinham DG (52,2%), e as outras 30 tinham IGG (56,7%); 13 pacientes tinham hipertensão arterial: 6 DG e 7 IGG; considerou-se haver doença hipertensiva específica da gestação em 3 DG e 2 IGG; houve 1 caso de cetoacidose diabética e 10 de polihidrâminio: 5 DG e 5 IGG; houve 40 partos cesáreos e 4 recém nascidos apresentaram malformações congênitas, tais como: meningocele e hidrocefalia; agenesia dos olhos e malformações cefálicas múltiplas, onfalocele e comunicação intra atrial. Posteriormente, Laun et ai referiram outros 4 casos de cetoacidose diabética em pacientes com DG. Rastreamento e Diagnóstico - Histórico casos e ana sa os,. r e a observaram um episódio de cetoacidose diabética. Nagy et al relataram o mesmo achado em uma casuística de 150 pacientes com DG. Em 1946, Miller et al relataram uma taxa de mortalidade perinatal de 8% em recém natos de gestantes que posteriormente desenvolveram diabetes mellitus, ao contrário da taxa de 2% em pacientes controles. Jaekson et al, em 1952, observaram prevalência semelhante. Hoet & Lukens, em 1954, foram os primeiros a estabelecer o conceito de DG. Em 1964 O'Sullivan e Mahan estudaram 2 grupos de pacientes: o primeiro constava de 752 pacientes não selecionadas acompanhadas durante a gestação, e outro grupo de gestantes estudadas durante a gestação e acompanhadas durante 5 a 1 O anos após o parto. Todas realizaram o teste oral de tolerância à glicose (TOTG) após sobrecarga de IOOG de glicose com dosagem da glicemias em jejum, lh, 2h e 3h realizadas no sangue venoso total (sv-t) pela técriica de Somogyi Nelson, sendo estipulados os valores: basal: 90mg/dl, lh: 165mg/dl, 2h: 145mg/dl e 3h: 125mg/dl. O diagnóstico de DG era feito quando 2 ou mais pontos da curva eram iguais ou superiores a estes valores. Em 1979, com a mudança da técnica de dosagem da glicemia para métodos enzimáticos plasmáticos pela ortotoluidina, o NDDG (National Dia~ betes Data Group) modificou os limites da TOTG aumentando em 15% os valores do svt e estes permaceram como é aceito até hoje: basal: 105mg/ dl, lh: 190mg/dl, 2h: 165mg/dl e 3h: 145mg/dl. Nos anos de 1979, 1984, 1990 e 1997 foram realizados respectivamente os li', 2Q, 3L' e 42 Workshop-Conference on Gestational Diabetes com a finalidade de estipular um consenso sobre a de~ finição, os fatores de risco, os critérios de rastreamento e diagnóstico, e o tratamento do DG. No 1 2 Workshop o DG foi definido como uma intolerância à glicose reconhecida pela primeira vez durante a gestação. O rastreamento e diagnóstico eram realizados em todas as mulheres entre a 244 e a 281 semanas de gestação utilizando os critérios de O'Sullivan e Mahan. O 22 Workshop estipulou o rastreamento com a dosagem de glicemia 1 hora

4 Page 4 of 8 Workshop estipulou o rastreamento com a dosagem de glicemia 1 hora após a sobrecarga de 50g de glicose, em qualquer horário do dia, utilizando o corte de 140mg/dl; pacientes que apresentavam níveis de glicemia iguais ou superiores a este valor passavam para a fase de diagnóstico seguindo os critérios de O'Sullivan e Mahan. O 32 Workshop não alterou os critérios anteriores. No 42 Workshop propõe-se modificação dos valores da TOTG estipulados por O'Sullivan e Mahan, visando atualizar os valores com as modernas técnicas enzimáticas para dosagem de glicemia, atualmente utilizadas. Neste evento Carpenter e Coustan estabeleceram os seguintes valores: Jejum: 95mg/dl; lh: 180mg/dl; 2h: 155mg/dl; 3h: 140mg/dl. Desde 1986, a ADA (American Diabetes Association), recomenda este critério; nos EUA este é o mais difundido. O valor de corte de 140mg/dl após sobrecarga de 50g de glicose para o teste de rastreamento apresenta sensibilidade de 79% e especificidade de 87%, Ievando em tomo de 6% das gestantes à fase de diagnóstico. Alguns autores preconizam o valor de corte do rastreamento de 130mg/dI, o que muda a sensibilidade para 100% e a especificidade para 78%; esse novo ponto de corte leva em tomo de 15% a 20% das gestantes à segunda fase de diagnóstico, o que pode onerar o serviço de saúde. Outros autores preferem o valor de corte de 135mg/dl com sensibilidade de 98% e especificidade de 80%. Por outro lado, desde 1980, a Organização Mundial de Saúde adota, para o diagnóstico de DG os mesmos critérios utilizados para pacientes não grávidas: glicemia de jejum >140mg/dl e glicemia duas horas após sobrecarga de 75g de glicose >200mg/dl. Posteriormente, em 1998, o valor da glicemia de jejum foi modificado para 126mg/dl. Segundo a OMS valores em jejum inferiores a 1 IOmg/dl e os de 2h inferiores a 140mg/dl afastam DG. Valores intermediários (glicemia em jejum entre 1 10 a 126mg/dl e 2h após sobrecarga entre 140mg/dl e 200mg/dl caracterizam intolerância à glicose. O Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Diabetes também adotam o mesmo critério da OMS. Outros critérios de diagnóstico do DG surgiram na literatura. O estudo europeu (Te Multicenter European Study by the Diabetic Pregnancy Study Group), em 199 1, utilizando a mesma sobrecarga oral de glicose da OMS, refere que 10% das gestantes européias apresentam glicemia de jejum >1 14mg/dl-, a partir dos resultados deste trabalho, os autores adotam mudança no valor de corte da glicemia na segunda hora pós sobrecarga para >162mg/dl. Pettit et al, em 1994, avaliaram 127 índias Pima grávidas sem diagnóstico prévio de Diabetes Mellitus e compararam os critérios da ADA com os da OMS; eles verificaram maior associação de macrossomia fetal e partos cesáreos com os critérios estabelecidos pela OMS. Em 1995, após acompanhar gestantes, utilizando a mesma

5 Page 5 of 8 Em 1995, após acompanhar gestantes, utilizando a mesma sobrecarga oral de 75g glicose, Sacks et al su eriram alterar os valores de corte glicemia de jejum >95mg/ dl; glicemia após 2 horas >155mg/dl e acrescentaram o valor de 1 hora na curva >180mg/d1. Critérios Atuais de Rastreamento e Diagnóstico Até hoje há muitas controvérsias em relação aos critérios de rastreamento e diagnóstico do DG. Nogueira AI et al levantam as seguintes questões: quais gestantes devem ser rastreadas: todas ou só aquelas que apresentam fatores de risco? quais os valores de corte do rastreamento? qual a época de realização do rastreamento? o rastreamento pode ser utilizado como diagnóstico? quais os valores limítrofes da curva? como realizar a curva? Ainda existem dúvidas sobre que critérios se deve adotar em função do custo-beneficio. O rastreamento pode ser universal ou seletivo. O rastreamento universal é realizado em todas as gestantes independente da presença dos fatores de risco de desenvolvimento de DG. O rastreamento seletivo só é feito nas pacientes que apresentem dois ou mais fatores de risco. O rastreamento e o diagnóstico de DG devem ser feitos na 2ª metade da gestação, entre a 24ª e a 28,2 semanas, porque este é o período de maior aumento dos hormônios placentários, principalmente o hormônio lactogênio placentário (HPL) que tem ação hiperglicemiante. Nesta fase, observa-se aumento da secreção de insulina pelas células beta das ilhotas pancreáticas (mecanismo compensatório). Se a reserva pancreática de insulina da gestante estiver no limiar, sua produção de insulina endógena poderá ser inadequada e a intolerância à glicose surgirá. Pacientes que apresentam hiperglicemia de jejum ou intolerância à glicose no 12º trimestre da gestação provavelmente já eram diabéticas previamente e devem ser tratadas como tal. Em relação à idade, Coustan et al acompanharam gestantes, utilizando os critérios do NDDG e reconheceram 0,5 % de DG em pacientes com idade inferior a 20 anos e 4% em pacientes com idade entre 35 a 39 anos. Com estes resultados os preconizam que se faça o rastreamento universal em todas as gestantes com idade superior a 24 anos e o rastreamento seletivo nas pacientes com idade inferior a 24 anos. Atualmente há dois critérios mundialmente aceitos para o rastreamento e o diagnóstico de DG, já citados anteriormente. A ADA (Amertcan Dtabetes Associatton) e o ACOG (American College of Obstetricians and Gynecologtsts) adotam os critérios do NDDG e realizam o rastreamento entre a 24ª e 28ª semana de s- tação com glicemia 60 minutos após sobrecarga de 50 g de glicose anidra em qualquer horário do dia, independente da última refeição. Gestantes com valores iguais ou

6 Page 6 of 8 dia, independente da última refeição. Gestantes com valores iguais ou superiores a 140mg/dl passam para a fase diagnostica, que adota o TOTG com os critérios de O'Sullivan e Mahan (com a ressalva de manter jejum de 8 a 14hs, e dieta d" pelo menos 150g de hidratos de carbono nos últimos três dias); os valores de corte são: glicemia dejejum 105mg/dl; lh: 190mg/dl; 2h: 165mg/dl e 3h: 145mg/dl ou os valores atualizados pelo Workshop de acordo com Carpenter e Coustan: glicemia de jejum: 95mg/dl; lh: 180mg/dl; 2h: 155mg/dl e 3h: 140mg/dl. Considerase diagnóstico de DG dois ou mais pontos da curva com valores iguais ou superiores a estes níveis. Um ponto alterado é diagnóstico de IGG. No XI Congresso Brasileiro de Diabetes, em 1997, formou-se um grupo de trabalho em Diabetes e Gravidez que elaborou normas e diretrizes para tentar padronizar critérios de rastreamento e diagnóstico desta entidade, posteriormente publicados como o Consenso Brasileiro sobre Diabetes Gestacional. De acordo com este estudo, adota-se o rastreamento seletivo, iniciando-se com glicemia em jejum na 1 R consulta do acompanhamento pré natal. O ponto de corte é de 85msf/dl a 90mg/dl dependendo de cada serviço de saúde. Considera-se rastreamentó negativo valores inferiores a estes limites. Se a paciente apresentar dois ou mais fatores de risco repetese a glicemia de jejum 1 mês após ou na 204 semana de gestação. Pacientes com níveis superiores a estes valores, independente da presença de fatores de risco, passam para a fase de diagnóstico adotado pela OMS que é o teste oral de tolerância à glicose com 75g de glicose anidra. Valores iguais ou superiores a 1 10 mg/dl necessitam de uma repetição para a confirmação. Caso a glicemia mantenha-se acima de 1 1 Omg / dl fazse o diagnóstico de DG. Se o resultado da glicemia não reproduzir o da primeira, passa-se para a fase de diagnóstico. Considerações Finais O profissional envolvido na assistência à gestante deve estar atento para o diagnósiicó do DG, uma vez que o tratamento adequado evita as complicações maternas e minimiza a morbidade e mortalidade perinatais. O rastreamento universal é dispendioso, mas pode ser substituído pelo seletivo, levando em consideração a existência dos fatores de risco e a relação custo/beneí-icio de cada serviço de saúde. Leituras Suplementares 1. Carpenter MW, Coustan DR, Criteria for screening tests for gestational diabetes. Am J Obstet Gynecol 1982; 144: Carr, S R. Screening for gestational diabetes mellitus. Diabetes Care 1998; 21 (suppl 2): B14- B Coustan, DR e Carpenter MW, The diagnosis of gestational diabetes. Diabetes Care 1998; 21 (supll 2): B5- B8.

7 Page 7 of 8 4. Dias, EP. Consenso sobre Diabetes Gestacional, Arq Bras Endocrinol Metab. 1999; 43 (2): Kilvert JÁ, Nicholson HD, Wright AD. Ketoacidosis in diabetic pregnancy. Diabet Med 1993; 10: Laun IC. Diabetes Gestacional. Tese de mestrado da UFRJ 1992; Laun, IC, Pereira TM, Machado C, et al. Cetoacidose diabética (DKA), complicação rara e grave do diabetes gestacional. 9º congresso da ALAD e 10º Congresso Brasileiro de Diabetes. 11 a 15 de novembro de 1995, Foz do Iguaçú/ Paraná. 8. Lavin JP et al. Screening of high risk for gestational diabetes - clinical application and cost analysis. Diabetes 1985; 34 (suppl 2): Lind T, Phfilips PR. The loireilirelíw of pregnaney on the multicenter study. Di Carpenter MW, Coustan DR. Criteria for sereening tests for gestational diabetes. Am J Obstet 10. Metzger BE, Gynecol 1982; 144: Committee). Summa 2. Carr, S R. Sereening for gestational diabetes mellitus. The Fourth Internati on Gestational Diabel Diabetes Care 1998; 21 (suppl 2): B14- B ; 2 (suppl.2): B 3. Coustan, DR e Carpenter MW. The diagnosis of 1 1. Nogueira, AI, Fontenell gestational diabetes. Diabetes Care 1998; 21 Gestacional: persist (supll 2): B5- BS. 1 Bras Endocrinol Me 4. Dias, EP. Consenso sobre Diabetes Gestacional. 12. O"Sullivan JB et ai. Sei Arq Bras Endocrinol Metab. 1999; 43 (2): 148~ gestational diabetic 150. Gynecol 1973; 116: 5. Kilvert JÁ, Nicholson HD, Wright AD. Ketoacidosis 13. Pettit DJ et al ' Comp,9 in diabetie pregnaney. Diabet Med 1993; 10: :)PSG of EASD, influene 75g OGTT: a prospectiv betes 1993; 40 (suppl 2) ri DR (The OrLçanizin r, and Recomendations o nal Workshop-conferene s Mellitus. Diabetes Car 61-B 167. AS, Aguiar, RA. Diabete m as controvérsias. Ar ELb 1999; 43 (2): ,ening criteria fo high ris patients. Am J lsion of WHO and NDD procedures to detee abnormalities of glucos 278. tolerance during preg ancy. Diabetes Care Laun IC. Diabetes Gestacional. Tese de mestrado 17: da UFRJ 1992; 1~ Sacks DA, Greenspan Abu-Fadfi S, Henry HM 7. Laun, IC, Pereira TM, Machado C, et ai. Cetoacidose Wodetsadick G, Ya JFF. Toward universa diabética (DKA), complicação rara e grave do criteria for gestationa

8 Page 8 of 8 diabética (DKA), complicação rara e grave do criteria for gestationa diabetes: 75 gram glucos diabetes gestacional. 911 congresso da ALAD e tolerance test in p egnaney. Am J Obste 102 Congresso Brasileiro de Diabetes. 11 a Gynecol 1995; 172: ; de novembro de 1995, Foz do Iguaçú/Paraná. 15. Schmidt, MI, Reichelt, Á J, pelo grupo de Trabalh 8. Lavin JP et ai. Sercening of high risk for gestational em Diabetes e Gr videz. Consenso sobr diabetes ~ clinical application and cost analysis. Diabetes Gestaci nal e Diabetes Pr Diabetes 1985; 34 (suppl 2): Gestacional. Arq Bra Endocrinol Metab (1): Artigo transcrito da revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. (FEBRASGO) mês abril 2001, vol 29, nº 3, págs. 143 a 147.

classificado como a sexta causa de morte no Brasil. O diabetes e a hipertensão arterial, associados, aumentam consideravelmente o risco de doenças

classificado como a sexta causa de morte no Brasil. O diabetes e a hipertensão arterial, associados, aumentam consideravelmente o risco de doenças 7 1. INTRODUÇÃO O diabetes mellitus é responsável por cerca de 25 mil óbitos anuais, sendo classificado como a sexta causa de morte no Brasil. O diabetes e a hipertensão arterial, associados, aumentam

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais

Programa de Atendimento Especial à Gestante com Diabetes do Hospital Universitário da Universidade Federal da Paraíba (PAGU- UFPB)

Programa de Atendimento Especial à Gestante com Diabetes do Hospital Universitário da Universidade Federal da Paraíba (PAGU- UFPB) Programa de Atendimento Especial à Gestante com Diabetes do Hospital Universitário da Universidade Federal da Paraíba (PAGU- UFPB) FILIZOLA 1, Rosália Gouveia MENDONÇA 2, Roberta A. S. Pereira MOREIRA

Leia mais

DIABETES E GESTAÇÃO RESIDÊNCIA MÉDICA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. R 2: Ana Helena Bittencourt Alamy

DIABETES E GESTAÇÃO RESIDÊNCIA MÉDICA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA. R 2: Ana Helena Bittencourt Alamy DIABETES E GESTAÇÃO RESIDÊNCIA MÉDICA DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA R 2: Ana Helena Bittencourt Alamy Diabetes e Gestação O diabetes mellitus é uma doença metabólica crônica caracterizada por hiperglicemia.

Leia mais

Diabetes e Gravidez. Profª. Keyla Ruzi

Diabetes e Gravidez. Profª. Keyla Ruzi Profª. Keyla Ruzi Bibliografia: Obstetrícia Fundamental Rezende 12ª.ed Ginecologia e Obstetrícia SOGIMIG 3ª ed. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP Zugaib Obstetrícia 2ª edição. Programa

Leia mais

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA

DIABETES MELLITUS OBSTETRÍCIA DIABETES MELLITUS Rotinas Assistenciais da Maternidade-Escola da Universidade Federal do Rio de Janeiro OBSTETRÍCIA É definido como a intolerância a carboidratos, de gravidade variável, com início ou primeiro

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DIABETES GESTACIONAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DIABETES GESTACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DIABETES GESTACIONAL Profa. Danielle Góes da Silva Disciplina Nutrição Materno-Infantil DIABETES GESTACIONAL Definição: É a intolerância glicose, em variados graus de intensidade,

Leia mais

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Síndrome caracterizada pela gestação associada à hiperglicemia, devido a um defeito absoluto ou relativo na secreção de insulina ou um defeito

Leia mais

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO

PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO PROTOCOLO DE CONDUTA DO DIABETES E GESTAÇÃO Rosy Ane de Jesus Barros SISTEMATIZAÇÃO PARA O RASTREAMENTO DO DIABETES GESTACIONAL - para todas as gestantes, na primeira consulta de pré-natal: glicemia plasmática

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL Agenda aberta à qualquer hora, para atendimento pré-natal por médico ou enfermeiro treinado, ou para atividades em grupo, ampliando-se as possibilidades de recepção e ingresso da

Leia mais

DIABETES MELLITUS NA GESTAÇÃO (DMG) Compilado pela profa. Flora Maria B. da Silva. Glossário

DIABETES MELLITUS NA GESTAÇÃO (DMG) Compilado pela profa. Flora Maria B. da Silva. Glossário 1 DIABETES MELLITUS NA GESTAÇÃO (DMG) Compilado pela profa. Flora Maria B. da Silva Glossário Abortamento: É a expulsão ou extração de um embrião ou feto pesando menos de 500g (aproximadamente 20-22 semanas

Leia mais

Diabetes Mellitus Gestacional em mulheres de baixa renda de uma região da bacia amazônica

Diabetes Mellitus Gestacional em mulheres de baixa renda de uma região da bacia amazônica Diabetes Mellitus Gestacional em mulheres de baixa renda de uma região da bacia amazônica Autor(es): Júlia Maria Martins Vieira 1 ; Kessila Nayane Costa Cruz 1 ; Pâmella Ferreira Rodrigues 1,2 ; Tutor:

Leia mais

Jean Carl Silva. Declaração de conflito de interesse

Jean Carl Silva. Declaração de conflito de interesse Jean Carl Silva Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico ou

Leia mais

A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM DIABETES MELLITUS GESTACIONAL

A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM DIABETES MELLITUS GESTACIONAL A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM DIABETES MELLITUS GESTACIONAL Kelly Cristinna de Sousa Mota 12, Kelle de Lima Rodrigues 1, Gleyciane Leandro Silveira 1, Ruth Nobre de Brito 1, Nathália Catarina

Leia mais

Rastreio do Diabetes Gestacional. José Pereira Guará jogua@hotmail.com

Rastreio do Diabetes Gestacional. José Pereira Guará jogua@hotmail.com Rastreio do Diabetes Gestacional José Pereira Guará jogua@hotmail.com Intolerância a carboidratos resultando em hiperglicemia de severidade variável cujo início e/ou diagnóstico ocorrem durante a gravidez.

Leia mais

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA À GESTANTE DIABÉTICA: PERFIL DE MULHERES ATENDIDAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS

PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA À GESTANTE DIABÉTICA: PERFIL DE MULHERES ATENDIDAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA SISTEMATIZADA À GESTANTE DIABÉTICA: PERFIL DE MULHERES ATENDIDAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS SYSTEMATIC ASSISTANCE PROGRAM DURING DIABETIC PREGNANCY:

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE :.:4:. GP-RI-2007/14 Senhor Presidente, J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER S a, 22 de dezembro de 2014. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE Em ate 'ã ao requerimento n 2070/2014, de autoria do Vereador FERNANDO L S

Leia mais

Diabetes gestacional e prévia

Diabetes gestacional e prévia 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez Diabetes gestacional e prévia Ricardo Rangel Números Nos EUA 1.3% gravidezes DG -88% Tipo 1-7% Tipo 2-5% Índia 17%... Exposição à hiperglicémia. No

Leia mais

Simplificando o teste de tolerância à glicose com 75g na gravidez: um estudo de validação

Simplificando o teste de tolerância à glicose com 75g na gravidez: um estudo de validação UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA Simplificando o teste de tolerância à glicose com 75g na gravidez: um estudo de validação DISSERTAÇÃO

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Monitoração. Testes para Avaliar o Controle Glicêmico. Mostram a Glicemia MÉDIA Pregressa dos Últimos 2 a 3 Meses

Monitoração. Testes para Avaliar o Controle Glicêmico. Mostram a Glicemia MÉDIA Pregressa dos Últimos 2 a 3 Meses Monitoração Testes para Avaliar o Controle Glicêmico Testes de Glicemia Testes de A1c Mostram o Nível Glicêmico Instantâneo no Momento do Teste Mostram a Glicemia MÉDIA Pregressa dos Últimos 2 a 3 Meses

Leia mais

Pós-graduandos do Departamento de Obstetrícia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp São Paulo (SP), Brasil 3

Pós-graduandos do Departamento de Obstetrícia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp São Paulo (SP), Brasil 3 revisão Como deve ser o rastreamento e o diagnóstico do diabetes mellitus gestacional? What should be the screening and diagnostic strategies for gestational diabetes? Rosiane Mattar 1 Ana Cristina Perez

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20

Diabetes na gravidez. 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional. 1 Introdução CAPÍTULO 20 CAPÍTULO 20 Diabetes na gravidez 1 Introdução 2 Aconselhamento e avaliação pré-gestacional 3 Atenção geral durante a gravidez 4 Controle do diabetes 5 Atenção obstétrica 6 Atenção no trabalho de parto

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus Cadernos de Informação Científica Ano 7 nº 11 2012 Diabetes Mellitus C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a introdução O diabetes mellitus é um problema de importância crescente em

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Gravidez e Doença Tiroideia

Gravidez e Doença Tiroideia Gravidez e Doença Tiroideia Hipotiroidismo Teresa Dias Assistente Hospitalar Graduada em Endocrinologia HSM Assistente Livre FML Caso Clínico 26 anos, gravidez 6 semanas G2, P0; 1 aborto espontâneo Não

Leia mais

Glicemia de jejum do primeiro trimestre e fatores de risco de gestantes com diagnóstico de diabetes melito gestacional

Glicemia de jejum do primeiro trimestre e fatores de risco de gestantes com diagnóstico de diabetes melito gestacional Cláudia Yrlanda Simon 1 Marcelo Costa Cronemberger Marques 2 Helena Letayf Farhat 3 Glicemia de jejum do primeiro trimestre e fatores de risco de gestantes com diagnóstico de diabetes melito gestacional

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

Endocrinopatias na gravidez perspetiva da Endocrinologia Maria Lopes Pereira. Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga

Endocrinopatias na gravidez perspetiva da Endocrinologia Maria Lopes Pereira. Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga Endocrinopatias na gravidez perspetiva da Endocrinologia Maria Lopes Pereira Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga Introdução As doenças endócrinas mais frequentes na gravidez são a diabetes (gestacional

Leia mais

TÍTULO: DIABETES E GRAVIDEZ

TÍTULO: DIABETES E GRAVIDEZ PROTOCOLO - OBS 035 DATA: 30/03/2006 PÁG: 1 / 6 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pósprandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial da Diabetes Gestacional

Diagnóstico Laboratorial da Diabetes Gestacional Diagnóstico Laboratorial da Diabetes Gestacional Ivone Mirpuri Médica Patologista Clínica Especialista pela Carreira Hospitalar e Ordem dos Médicos DEFINIÇÃO GDM Intolerância à glicose identificada pela

Leia mais

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013

Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 Vitamina D: é preciso dosar e repor no pré-natal? Angélica Amorim Amato 2013 É preciso dosar e repor vitamina D no pré-natal? A dosagem de vitamina D pelos métodos mais amplamente disponíveis é confiável?

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

Tendências do Diabete Melito

Tendências do Diabete Melito Tendências do Diabete Melito Francine Leite Carina Martins Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo Apresentação Este texto apresenta a evolução das taxas de mortalidade e morbidade por Diabete

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB. 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB. 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatóri 1a) Diabetes Mellitus Tip 1, Tip 2, Gestacinal (DMG) Outrs tips específics de diabetes,

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Hipotiroidismo na Grávida

Hipotiroidismo na Grávida 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 ENDOCRINOLOGIA CLÍNICA Hipotiroidismo na Grávida TERESA DIAS Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Luso, Junho de 2010 Hipotiroidismo e Gravidez Prevalência Hipotiroidismo

Leia mais

Orientação Farmacêutica voltada ao Diabetes Mellitus Gestacional

Orientação Farmacêutica voltada ao Diabetes Mellitus Gestacional 1 Orientação Farmacêutica voltada ao Diabetes Mellitus Gestacional RESUMO Carla de Lima Medeiros carlalm2004@yahoo.com.br Atenção Farmacêutica e Farmacoterapia Clínica Instituto de Pós-Graduação - IPOG

Leia mais

CAPÍTULO 56. Marcela Alencar Francisco Edson de Lucena Feitosa

CAPÍTULO 56. Marcela Alencar Francisco Edson de Lucena Feitosa CAPÍTULO 56 Diabetes Mellitus Marcela Alencar Francisco Edson de Lucena Feitosa Diabetes Mellitus (DM) é doença sistêmica caracterizada, principalmente, por hiperglicemia. Tem caráter progressivo, podendo

Leia mais

Diabetes Gestacional e Hemoglobina A1c Diabetes in pregnancy and Hemoglobin A1c

Diabetes Gestacional e Hemoglobina A1c Diabetes in pregnancy and Hemoglobin A1c REVISTA PORTUGUESA DE ENDOCRINOLOGIA, DIABETES E METABOLISMO 2012 01 15... 20 Artigos Originais Diabetes Gestacional e Hemoglobina A1c Diabetes in pregnancy and Hemoglobin A1c Ana Carocha 1, Cláudia Rijo

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

Cartilha. Gravidez Mais Segura

Cartilha. Gravidez Mais Segura Cartilha Gravidez Mais Segura Cuidados, alertas e um universo de segurança durante o período gestacional. Pré-natal: o primeiro passo O pré-natal é uma das formas mais seguras de garantir uma gestação

Leia mais

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser

DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DIABETES MELLITUS (DM) Professora Melissa Kayser DM: Conceitos Doença causada pela falta, absoluta ou relativa, de insulina no organismo. Insulina: é um hormônio, responsável pelo controle do açúcar no

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA RECOMENDAÇÃO 001/2012. As mortes maternas e perinatais podem ser evitadas com adoção de medidas

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA RECOMENDAÇÃO 001/2012. As mortes maternas e perinatais podem ser evitadas com adoção de medidas EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS DA RECOMENDAÇÃO 001/2012 As mortes maternas e perinatais podem ser evitadas com adoção de medidas no âmbito da prevenção e da atenção. Infelizmente, ambas essas situações não configuram

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL

ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL ASSISTÊNCIA PROTOCOLO DE PACTUAÇÃO TÉCNICA Rotinas e padronizações são importantes desde que possam fornecer as informações necessárias para cada nível de decisão, facilitando a tomada de decisões. Da

Leia mais

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?...

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Nathan et al. (2005) American Diabetes Association, (2005) 12% da população

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Consenso Sobre Diabetes Gestacional e Diabetes Pré-Gestacional. consenso. Maria I. Schmidt Angela J. Reichelt,

Consenso Sobre Diabetes Gestacional e Diabetes Pré-Gestacional. consenso. Maria I. Schmidt Angela J. Reichelt, consenso Consenso Sobre Diabetes Gestacional e Diabetes Pré-Gestacional Maria I. Schmidt Angela J. Reichelt, pelo Grupo de Trabalho em Diabetes e Gravidez RESUMO O Grupo de Trabalho em Diabetes e Gravidez,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA GLICEMIA CAPILAR APÓS TESTE DE SOBRECARGA COM 50g DE GLICOSE NA AVALIAÇÃO DA MACROSSOMIA FETAL

IMPORTÂNCIA DA GLICEMIA CAPILAR APÓS TESTE DE SOBRECARGA COM 50g DE GLICOSE NA AVALIAÇÃO DA MACROSSOMIA FETAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE MEDICINA DEPARTAMENTO DE GINECOLOGIA & OBSTETRÍCIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO SAÚDE DA MULHER Projeto de Dissertação de Mestrado IMPORTÂNCIA DA GLICEMIA

Leia mais

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA.

AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. AVALIAÇÃO PRÉ-CONCEPCIONAL DE MULHERES COM IDADE FÉRTIL EM MUNICÍPIOS NO VALE PARAÍBA. Mirielle Ravache Machado Dias; Vanessa Felix Da Hora ; Maria Conceição Furtado Lancia Faculdade de Ciências da Saúde

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL

A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL A IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL Programa BemVindo - www.bemvindo.org.br A OMS - Organização Mundial da Saúde diz que "Pré-Natal" é conjunto de cuidados médicos, nutricionais, psicológicos e sociais, destinados

Leia mais

DIABETES MELLITUS E GESTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO. Protocolo Assistencial do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO ASSISTENCIAL CLÍNICO

DIABETES MELLITUS E GESTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO. Protocolo Assistencial do Hospital Universitário de Santa Maria PROTOCOLO ASSISTENCIAL CLÍNICO PROTOCOLO ASSISTENCIAL CLÍNICO DIABETES MELLITUS E GESTAÇÃO Especialidade: Gineco-Obstetrícia Responsável: Cristine Kolling Konopka; Nilton Gomes Bertold; Walter Dos Santos Neme; Paulo Afonso Beltrame;

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009

Gestações Múltiplas. André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas. Secretaria Estadual da Saúde RS. 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas André Campos da Cunha Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Secretaria Estadual da Saúde RS 17 de julho de 2009 Gestações Múltiplas Definição Gestação com presença de dois ou

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

Critérios diagnósticos e prevalência de Diabetes Mellitus Gestacional em um hospital do sul de Santa Catarina

Critérios diagnósticos e prevalência de Diabetes Mellitus Gestacional em um hospital do sul de Santa Catarina ARTIGO ORIGINAL Critérios diagnósticos e prevalência de Diabetes Mellitus Gestacional em um hospital do sul de Santa Catarina Diagnostic criteria and prevalence of gestational diabetes mellitus in a hospital

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

Diabetes Gestacional e o Impacto do Actual Rastreio

Diabetes Gestacional e o Impacto do Actual Rastreio Diabetes Gestacional e o Impacto do Actual Rastreio Gestational Diabetes and the New Screening Test s Impact Ana Catarina MASSA 1, Ricardo RANGEL 2, Manuela CARDOSO 3, Ana CAMPOS 1 Acta Med Port 2015 xxx-xxx;28(x):xxx-xxx

Leia mais

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes?

Quais são os sintomas? O sucesso no controle do diabetes depende de quais fatores? O que é monitorização da glicemia? O que é diabetes? Quais são os sintomas? Muita sede, muita fome, muita urina, desânimo e perda de peso. Esses sintomas podem ser observados antes do diagnóstico ou quando o controle glicêmico está inadequado. O aluno com

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Morais Romero, Helizandra; Miron Castelo Branco, Danielle; Benguella Bueno,

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com Enfermagem em Clínica Médica Diabetes Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com É um grupo de doenças metabólicas, com etiologias diversas, caracterizado por hiperglicemia que resulta de

Leia mais

A MACROSSOMIA FETAL E OS NÍVEIS DE GLICEMIA PLASMÁTICA NO TOTG COM 75G EM GESTANTES OBSERVAÇÃO DO ESTUDO BRASILEIRO DE DIABETES GESTACIONAL.

A MACROSSOMIA FETAL E OS NÍVEIS DE GLICEMIA PLASMÁTICA NO TOTG COM 75G EM GESTANTES OBSERVAÇÃO DO ESTUDO BRASILEIRO DE DIABETES GESTACIONAL. UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC FACULDADE DE MEDICINA PRO-REITORIA DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE SAÚDE COMUNITÁRIA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA A MACROSSOMIA FETAL E OS NÍVEIS DE GLICEMIA

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Social Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia.

Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Social Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. Universidade Federal de Pelotas Faculdade de Medicina Departamento de Medicina Social Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia Tese Diabetes Mellitus Gestacional: prevalência, fatores associados e efeito

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

Diabetes gestacional: uma doença, duas gerações, vários problemas

Diabetes gestacional: uma doença, duas gerações, vários problemas REVISTA PORTUGUESA DE ENDOCRINOLOGIA, DIABETES E METABOLISMO 2006 02 19 24 Artigos Breves Diabetes gestacional: uma doença, duas gerações, vários problemas Joana Queirós 1, Ângela Magalhães 2, José Luís

Leia mais

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. )

e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Simpósio Diagnóstico de Risco no Pré-natal e Conduta Imediata CRESCIMENTO INTRA-UTERINO RESTRITO ( C.I.U.R. ) Rosilene da Silveira Betat Hospital Materno Infantil Presidente Vargas Medicina Fetal Gestaçã

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

12. Diabetes a. Introdução

12. Diabetes a. Introdução 12. Diabetes a Introdução As doenças cardiovasculares e o diabetes contribuem com substancial parcela dos óbitos e da morbidade por doenças crônicas entre adultos e idosos no Brasil. O diabetes mellitus

Leia mais

Recomendações da 2 a. Reunião do Grupo de Trabalho em Diabetes e Gravidez

Recomendações da 2 a. Reunião do Grupo de Trabalho em Diabetes e Gravidez perspectivas Recomendações da 2 a. Reunião do Grupo de Trabalho em Diabetes e Gravidez Angela J. Reichelt Maria Lúcia R. Oppermann Maria Inês Schmidt pelo Grupo de Trabalho em Diabetes e Gravidez. RESUMO

Leia mais

Associação glicemia de jejum e fatores de risco como teste para rastreamento do diabete gestacional

Associação glicemia de jejum e fatores de risco como teste para rastreamento do diabete gestacional ARTIGOS ORIGINAIS / ORIGINAL ARTICLES Associação glicemia de jejum e fatores de risco como teste para rastreamento do diabete gestacional Wilson Ayach 1 Iracema de Mattos Paranhos Calderon 2 Marilza Vieira

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL SOCIOECONÔMICO E ESTADO NUTRICIONAL PRÉ-GESTACIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS POR ACADÊMICOS DE NUTRIÇÃO

CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL SOCIOECONÔMICO E ESTADO NUTRICIONAL PRÉ-GESTACIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS POR ACADÊMICOS DE NUTRIÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO PERFIL SOCIOECONÔMICO E ESTADO NUTRICIONAL PRÉ-GESTACIONAL DE GESTANTES ATENDIDAS POR ACADÊMICOS DE NUTRIÇÃO Acadêmicos do Quarto Período de Nutrição Noturno¹* Márcia Fernandes Nishiyama²

Leia mais

Unidade Coordenadora Funcional Materno-Neonatal da Figueira da Foz. Para a determinação e / ou confirmação ecográfica da idade gestacional, deve ser

Unidade Coordenadora Funcional Materno-Neonatal da Figueira da Foz. Para a determinação e / ou confirmação ecográfica da idade gestacional, deve ser III Encontro da SUCFCA FF Protocolos de Atuação Para a determinação e / ou confirmação ecográfica da idade gestacional, deve ser marcada logo que possível uma ecografia no HDFF. Para tal, deve a equipa

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. 0,97UI/kg/dia, com um excelente resultado perinatal. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. 0,97UI/kg/dia, com um excelente resultado perinatal. Resumo 76 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 37, n o. 4, de 2008 1806-4280/08/37-04/76 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAL Diabete Melito Gestacional: dose ideal de insulina utilizada durante

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

AVALIAÇÃO MATERNO-FETAL EM GESTAÇÕES APÓS CIRURGIA BARIÁTRICA NO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - BRASILIA - DF.

AVALIAÇÃO MATERNO-FETAL EM GESTAÇÕES APÓS CIRURGIA BARIÁTRICA NO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - BRASILIA - DF. AVALIAÇÃO MATERNO-FETAL EM GESTAÇÕES APÓS CIRURGIA BARIÁTRICA NO HOSPITAL REGIONAL DA ASA NORTE - BRASILIA - DF. Márcia Maria Holanda Rodrigues Marcelo Costa Cronemberger Marques Obesidade Obesidade mórbida:

Leia mais

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com:

A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L. O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: A S S I S T Ê N C I A P R É - N A T A L 3.1. Diagnóstico da Gravidez O diagnóstico da gravidez pode ser feito pelo médico ou pelo enfermeiro da unidade básica, de acordo com: Após confirmação da gravidez

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

NOVE MESES EMOCIONANTES, VOCÊ E SEU BEBÊ. Maria da Graça Guidotti dos Santos Ginecologia e Obstetrícia

NOVE MESES EMOCIONANTES, VOCÊ E SEU BEBÊ. Maria da Graça Guidotti dos Santos Ginecologia e Obstetrícia NOVE MESES EMOCIONANTES, VOCÊ E SEU BEBÊ Maria da Graça Guidotti dos Santos Ginecologia e Obstetrícia ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL O que é? É uma das aquisições mais valiosas da medicina preventiva que visa,

Leia mais