DIRETRIZES DE CÂNCER DE PROSTATA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETRIZES DE CÂNCER DE PROSTATA"

Transcrição

1 1

2

3 DIRETRIZES DE CÂNCER DE PROSTATA Rio de Janeiro 2011

4 Ficha Catalográfica de acordo com o AACCR2 por Anamaria Macedo da Silva (CRB7-5133) D598 Diretrizes de Cancêr de Próstata/ Marco F. Dall Oglio (Coord.); Alexandre Crippa, Eliney Ferreira Faria, Gustavo Franco Cavalhal, et al. - Rio de Janeiro : SBU - Sociedade Brasileira de Urologia, p.; 18x25cm. 1- Neoplasias da Próstata. I. Dall Oglio, Marco F. II. Crippa, Alexandre. III. Faria, Eliney Ferreira. IV. Carvalhal, Gustavo Franco. CDD Capa: Bruno Nogueira Diagramação: Bruno Nogueira e Ricardo de Morais Revisão: Anamaria Macedo da Silva

5 Coordenador Marcos Francisco Dall Oglio Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Chefe do Setor de Uro-Oncologia do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo e da Divisão de Clínica Urológica do Hospital das Clínicas - HCFMUSP

6

7 Membros participantes Alexandre Crippa Doutorado em Medicina (Urologia) pela Universidade Federal de São Paulo. Uro- -Oncologista da divisão de Urologia do HC- -FMUSP E ICESP. Eliney Ferreira Faria Doutorado em Oncologia- USP / São Paulo. Chefe do Departamento de Uro-oncologia do Hospital de Câncer de Barretos. Gustavo Franco Carvalhal Doutorado em Urologia pela Universidade de São Paulo. Fellow em Uro-oncologia pela Washington University School of Medicine. José Cosisfran Milfont Membro do departamento de Urologia da SBU, Professor de pós-graduação da PUC RJ e diretor do Instituto de Urologia do Rio de Janeiro. José Pontes Jr Doutorado em Urologia pela Universidade de São Paulo. Uro-Oncologista da divisão de Urologia do HC-FMUSP E ICESP. Katia Ramos Moreira Leite Professora Livre Docente do Departamento de Cirurgia, Disciplina de Urologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Chefe do Laboratório de Investigação Médica da Disciplina de Urologia da Faculdade de Medicina da USP - LIM55. Leonardo Oliveira Reis Professor Assistente, Mestre e Doutor da Divisão de Urologia Oncológica da Faculdade de Ciências Médias da Universidade de Campinas (Unicamp), SP. Lúcio Flávio Gonzaga Silva Professor adjunto do Departamento de Cirurgia da Universidade Federal do Ceará. Professor do Programa de Pós- -graduação de Cirurgia da Universidade Federal do Ceará e de Oncologia Cirúrgica da Escola Cearense de Oncologia do Instituto do Câncer do Ceará. Milton Berger Chefe do Serviço de Urologia do Hospital das Clínicas de Porto Alegre, Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Chefe do Departamento de Cirurgia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Renato Prado Costa Médico Urologista e Chefe do Serviço da Fundação e Hospital Amaral Carvalho, Jaú, SP. Thiago Fagundes Nunes Membro do Departamento de Uro- -Oncologia da Sociedade Brasileira de Urologia, Titular da Sociedade Brasileira de Urologia, Urologista do Hospital Vera Cruz, Campinas SP.

8

9 Sumário Rastreamento do câncer de próstata 11 Indicações da biópsia de próstata 19 Patologia do câncer de próstata 25 Estadiamento do câncer de próstata 33 Tratamento do Câncer de Próstata Localizado 41 Tratamento das sequelas do tratamento (cirurgia e radioterapia) Incontinência Urinária e Disfunção erétil 49 Cancer de prostata localmente avançado 57 Tratamento de resgate após cirurgia e radioterapia 63 Observação Vigilante 71 Tratamento do câncer de próstata metastático 75 Prevenção do câncer de próstata 85

10

11 Descrição da Metodologia A revisão bibliográfica de artigos científicos dessa diretriz Laser e Hiperplasia Benigna da Próstata (HBP) foi realizada com a base de dados PubMed. A busca de recomendação de trabalhos clínicos utilizou os critérios do Centro de Medicina Baseada em Evidências de Oxford Inglaterra, selecionando descritores (MeSH terms) agrupados de acordo com os temas interessados em diferentes combinações: Palavras-chaves: câncer de próstata/patologia; disfunção erétil; câncer de próstata/radioterapia; braquiterapia; câncer de próstata/quimioterapia; estadiamento de neoplasias; prostatectomia; ressecção transuretral da próstata; biópsia; antígeno prostático específico; rastreamento Grau de Recomendação: Foram utilizados os seguintes critérios: A Estudos experimentais ou observacionais de melhor consistência B Estudos experimentais ou observacionais de menor consistência C Relatos de casos (estudos não controlados). D Opinião desprovida de avaliação crítica, baseada em consensos, estudos fisiológicos ou modelos animais. Objetivo Propor um documento atualizado sobre o câncer de próstata e suas implicações clínicas que proporcione aos urologistas, instituições de saúde e médicos em geral fácil acesso à informações científicas para tomada de decisões. CONFLITO DE INTERESSE: não houve

12

13 Rastreamento do câncer de próstata Introdução O uso disseminado do toque retal (TR) e do antígeno prostático específico (PSA) ocasionou um aumento na incidência do câncer de próstata (CaP). Entretanto um dos maiores desafios com relação à sua detecção é a imprevisível história natural, que pode incluir desde tumores indolentes até outros extremamente agressivos, gerando controvérsias com relação a: como e quando diagnosticar e tratar os portadores de CaP 1. Um estudo baseado em autópsias mostrou que aproximadamente, um em três homens após 50 anos tem evidência histológica de CaP, com até 80% destes tumores clinicamente insignificantes em grau e tamanho 2 (NE 2C GR B). Mesmo quando diagnosticado clinicamente, o CaP ainda é a neoplasia mais comum em homens (excluindo o câncer de pele não-melanoma) correspondendo a mais de casos novos esperados em 2010 nos Estados Unidos (EUA), significando 25% de todos os tumores malignos diagnosticados no sexo masculino, e mais de indivíduos morrerão em decorrência da doença 3. Em torno de 16% dos homens nascidos hoje nos EUA tem probabilidade de desenvolver CaP no decorrer da vida, ou seja, aproximadamente 1 em cada 6 terão esta neoplasia 4. No Brasil, segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), espera-se mais de 52 mil casos novos de CaP em O dever de informar e compartilhar a decisão de rastrear o CaP Enquanto persistirem as dúvidas e controvérsias sobre o rastreamento de CaP, é ético envolver os homens na tomada desta decisão, informando-os sobre os aspectos básicos do rastreamento, riscos e potenciais benefícios. Devem ainda sentir-se confortáveis com sua opção de se rastrear ou não 5 (NE 5 GR D). Aspectos emocionais do rastreamento do CaP Avaliações gerais de ansiedade e stress têm sido descritas para o rastreamento de CaP, o que também poderia ser aplicado em qualquer outra doença. Após várias formas de avaliação (questionários, escalas, medidas de cortisol, etc). Um estudo mostrou aumento de ansiedade/stress (aumento de cortisol) em homens rastreados 6 (NE 2C GR B), enquanto outros não associaram o 11

14 rastreamento à ansiedade 7-10 (NE 2A GR B). Nota-se que existem poucas evidências de que o rastreamento do CaP aumente significativamente os níveis de ansiedade em relação à população geral, no entanto, quando o PSA se torna elevado os níveis de ansiedade dos rastreados tornam-se mais elevados 11. Faixa etária para rastreamento do CaP A American Cancer Society recomenda que homens recebam as informações sobre rastreamento e tomem a decisão de fazê-lo sempre que apresentarem uma expectativa de vida de pelo menos 10 anos, iniciando a partir dos 50 anos 12, exceto em homens da raça negra ou com parentes de primeiro grau (pai ou irmão) diagnosticados com CaP, os quais deveriam começar aos 45 anos 13 (NE 5 GR D). A American Urological Association e a National Comprehensive Cancer Network indicam o início do rastreamento a partir dos 40 anos de idade para homens motivados 14,15 (NE 5 GR D). Faria et al 16 (NE 2C GR B) encontraram apenas 0,6% dos casos de CaP do estudo na faixa etária entre 45 e 49 anos. Indivíduos da raça negra apresentam maior risco de desenvolverem câncer de próstata, tumores mais agressivos e mais precoces 3,17 (NE 3B GR B). Embora a maioria dos casos de câncer de próstata sejam esporádicos, a presença de neoplasia familiar pode incorrer em doença mais agressiva e em um maior risco de mortalidade, e alguns consensos levam isto em consideração 18 (NE 5 GR D). Algumas entidades como U.S. Preventive Task Force não recomendam o rastreamento após 75 anos 19 (NE 5 GR D). Quando não se faz rastreamento de CaP após 75 anos, reduz-se o número de superdiagnóstico e super tratamento. Acima desta idade, se o homem não tiver no mínimo 10 anos de expectativa de vida haveria baixo potencial de beneficio com o rastreamento (NE 5 GR D) 20. O papel do toque retal (TR) O TR pode ser considerado desconfortável e uma barreira pela população, mas ainda tem importância no rastreamento e no estadiamento, apesar de ser subjetivo e com variabilidade interpessoal entre examinadores 21. (NE 2C GR B). Faria et al. mostraram na população brasileira, com mais de homens rastreados, valor preditivo positivo (VPP) do TR de 21% em homens com PSA< 4,0ng/ml 16. (NE 2C GR B). Estes dados demonstram que apesar de haver dúvidas sobre o real papel do TR no rastreamento de CaP, este exame pode aumentar a detecção de tumores em homens com PSA baixo. Valor de corte do PSA O PSA não é câncer-específico, e pode elevar-se em outras doenças da próstata como, por exemplo, hiperplasia prostática benigna (HPB), prostatites, isquemia e infarto prostáticos, etc 22. Na faixa etária do rastreamento para CaP, em torno de 20% dos pacientes com HPB têm PSA acima de 4 ng/ml 23 (NE 3 GR B). Desde que o PSA emergiu como teste de rastreamento o valor abaixo de 4,0 ng/ ml foi aceito como normal 24. (NE 2B GR B). O estabelecimento de valor de corte para o PSA significa a tentativa de garantir a maior acurácia diagnóstica 25.Entretanto, dados da literatura mostraram que tumores de alto grau podem ser encontrados em pacientes que fizeram biópsia de próstata mesmo com PSA < 4,0 ng/ml e que tumores diagnosticados com PSA entre 2,5 e 4,0 ng/ ml podem ser comparáveis aos detectados 12

15 com valor deste teste entre 4 e 10 ng/ml 26, (NE 2A GR B), o que levou à redução do valor de corte do PSA para 2,5 ng/ml em alguns guidelines principalmente para homens mais jovens 15 abaixo de 60 anos 27. (NE 2C GR B). Alguns autores sugeriram pontos de corte mais baixos para indivíduos da raça negra, mas tais condutas não foram adotadas pela maioria dos consensos de especialidades 28. Em resumo, cabe ao médico avaliar o valor de corte do PSA para cada homem individualmente. A fim de manter o diagnóstico de tumores agressivos sem aumentar demais o diagnóstico de tumores indolentes. Para melhorar a especificidade do PSA, pode-se utilizar alguns artifícios como: a velocidade e a densidade do PSA, e a relação entre PSA livre e total (rpsal/t). Velocidade do PSA A cinética do PSA tem sido muito valorizada nos últimos anos para aumentar a especificidade deste teste. O aumento de PSA acima de 0,75 ng/ml por ano parece estar associado ao alto risco de CaP em homens com PSA inicial entre 4 e 10 ng/ml. Porém, valores da velocidade de elevação do PSA de 0,4 ng/ml por ano podem ser usados com PSA inicial abaixo de 4,0 ng/ml, principalmente em homens mais jovens 29 (NE 2C GR B). Densidade do PSA A relação entre valor do PSA e o tamanho da próstata também pode ser usada para melhorar a especificidade do teste. Gustafsson et al. observaram que o valor preditivo positivo (VPP) para densidade do PSA foi 14% e 22% quando este índice foi maior que 0,15 e 0,20, respectivamente 30 (NE 2C GR B). Por outro lado, Lujan et al. evidenciaram que quando um valor de corte para a densidade de 0,15 foi considerado houve perda em torno de 30% dos casos de CaP, e não recomendam o uso deste parâmetro para rastreamento 31 (NE 2C GR B). Relação PSA Livre/Total A relação percentual entre PSA livre e PSA total (rpsal/t), é geralmente menor em pacientes com CaP do que em pacientes com HPB e prostatite 32. Dessa forma, a rpsal/t pode ser aplicada para melhorar a especificidade do PSA. Aqueles homens com rpsal/t 15% tem maior detecção de CaP em relação aqueles com valores > 15%, e com diferença estatisticamente significante 32 (NE 2C GR B). A utilização da rpsal/t em níveis de PSA entre 4,0 e 10,0 ng/ml melhora significativamente a especificidade do PSA em torno de 20% comparado com o uso somente do PSA total, e é um preditor independente para detecção de CaP na biópsia inicial 33 (NE 2C GR B) Faria et al mostraram que a percentagem de biópsias positivas para homens com PSA 4,0 ng/ml foi de 38,6% e 52,7%, para valores de rpsal/t acima e abaixo de 15%, respectivamente 16 (NE 2C GR B). Intervalo ideal para o rastreamento Apesar de existirem relatos de intervalo anual ou bianual de rastreamento, o intervalo ideal para realização do rastreamento não esta claro. Há evidencias de que homens com PSA inicial muito baixo (ex. <1,0 ng/ml) raramente apresentarão indicação de biópsia prostática em dois ou quatro anos. No entanto, os tumores diagnosticados com aumento rápido de PSA costumam estar associados a uma maior taxa de mortalidade e podem ter sua chance de cura comprometida em intervalos de seguimento mais longos A National Comprehensive Cancer Network norte-americana sugere 13

16 que os indivíduos de descendência Afro- -Americana, com história familiar de câncer de próstata ou com PSA inicial >1,0 ng/ ml devem seguir realizando PSA e toque retal anualmente 36 (NE 5 GR D). A periodicidade do teste com PSA e toque retal é motivo de discussão, mas a maioria dos consensos sugere testes anuais após certa idade. No entanto, deve-se levar em consideração vários fatores de risco, como faixa etária, raça, história familiar, níveis iniciais de PSA, velocidade do PSA, entre outros fatores 37 (NE 5 GR D). Outros marcadores Com os avanços nas pesquisas em biologia molecular nos últimos anos, houve um aumento no número de marcadores para potencializar o rastreamento para CaP. Existem muitos estudos analisando diferentes marcadores tanto séricos quanto urinários 38. Marcadores de DNA, RNA e proteínas coletados na urina (ex. PCA3) poderão no futuro melhorar a acurácia de detecção do CaP evitando biópsias desnecessárias e identificando melhor os candidatos ao tratamento curativo 39. Qual o impacto do rastreamento de CaP sobre mortalidade? O estudo de Etzioni et al. verificou, através de modelo matemático observacional, o declínio na incidência de metástases à distância e a redução de mortalidade após início da era do PSA 40. Bartsch et al. notaram uma diminuição da mortalidade específica por CaP após rastreamento populacional baseado em PSA no estado austríaco do Tirol, com a política de disponibilidade sem custo deste exame em comparação com outras regiões da Áustria onde o rastreamento não era disponível 41. Para determinar a eficácia do rastreamento de CaP são necessárias evidências de grandes trabalhos randomizados e controlados e dentre estes os mais importantes na literatura são o estudo europeu (European Randomized Study of Screening for Prostate Cancer ERSPC) e o estudo norte- -americano (Prostate, Lung, Colorectal, and Ovarian Cancer Screening PLCO). O resultado do ERSPC com seguimento médio de nove anos verificou redução relativa de 20% na mortalidade específica por CaP 42, porém quando o mesmo estudo fez o ajuste por contaminação (homens que já tinham feito o PSA antes de entrar no estudo) e por homens que não atenderam a convocação, a estimativa da redução de mortalidade aumentou para 31% 43. O PLCO, com seguimento médio de 11,5 anos mostrou que apesar do aumentado de 22% no número de diagnósticos de CaP em relação ao grupo controle, não houve redução no índice de mortalidade câncer específica. Porém, várias críticas como a alta taxa de contaminação (44% para PSA e 53% para TR), o curto tempo de seguimento e o nível mais elevado do valor de corte do PSA (4.0 ng/ml) em relação ao estudo europeu são pertinentes. A contaminação no estudo europeu foi variável nos diferentes países (de 6,7% a 36,7%), e teve índices menores que o estudo norte-americano 44. Faria et al. mostraram que no Brasil, o perfil populacional dos homens que já haviam feito rastreamento de CaP prévio em 6 estados foi em torno de 30%, mais aproximada aos índices do estudo europeu 16. Em longo prazo de seguimento, os resultados de mortalidade deste estudo poderiam se assemelhar ao estudo realizado na Europa. Apesar de o rastreamento proporcionar o aumento de diagnóstico de tumores em estadio mais inicial, reduzir incidência 14

17 de metástase e melhorar as chances de cura, ainda não está claro o seu impacto na redução de sobrevida geral e sobrevida específica da doença 45 (NE 1A GR A), então aguardamos maior tempo de seguimento dos estudos randomizados ainda em andamento. Superdiagnóstico e Supertratamento O rastreamento de CaP proporciona aumento no número casos diagnosticados em relação ao grupo controle, porém a mortalidade de grande parte destes homens se deve a causas não oncológicas 45. Alguns tumores descobertos pelo rastreamento com baixo potencial de agressividade são chamados de tumores indolentes ou insignificantes, mostrando-se como tumores de muito baixo volume pelos critérios de Epstein 46. A ocorrência de tumores insignificantes varia na literatura, de 9% a 25% dependendo da definição e do estudo em questão. Por exemplo, incidências de 12% foram notadas pelo estudo da Washington University, 25% pelo de Baylor e 24% pela Johns Hopkins 47. (NE 2A GR B). Faria et al. encontraram uma incidência de 13,5% de tumores indolentes em rastreamento brasileiro 16. Embora a possibilidade de super- -diagnóstico e super-tratamento seja real para qualquer doença descoberta através de rastreamento, cabe aos médicos, em especial aos urologistas a responsabilidade de aplicar os critérios de baixa agressividade em cada câncer detectado, a fim de categorizar e discutir com o paciente a melhor terapêutica. Recomendações É ético informar sobre os aspectos básicos do rastreamento: riscos e potenciais benefícios. É recomendada em homens com expectativa de vida mínima de 10 anos, iniciando aos 50 anos. Homens da raça negra ou com parentes de primeiro grau (pai ou irmão) com CaP, devem começar aos 45 anos. Acima de 75 anos, se o homem não tiver no mínimo 10 anos de expectativa de vida, haverá baixo potencial de beneficio com o rastreamento. O toque retal ainda tem importância no rastreamento e no estadiamento, apesar de ser subjetivo e com variabilidade interpessoal entre examinadores. NE 5 - GR D NE 2A - GR B NE 5 - GR D NE 2C - GR B A literatura aponta o valor de corte de PSA de 4,0 ng/ml. Porém, tumores de alto grau podem ser encontrados com PSA < 4,0 ng/ml. O corte do PSA pode ser reduzido para 2,5 ng/ml em homens abaixo de 60 anos. E cabe ao médico avaliar o valor de corte do PSA para cada homem individualmente. NE 2C - GR B O aumento de PSA acima de 0,75 ng/ml/ano está associado ao risco de CaP, e valores da velocidade do PSA de 0,4 ng/ml/ano podem ser usados em homens mais jovens. NE 2C - GR B 15

18 Homens com PSA inicial muito baixo raramente apresentarão indicação de biópsia prostática em dois ou quatro anos. Indivíduos de descendência Afro-Americana, com história familiar de câncer de próstata ou com PSA inicial >1,0 ng/ml devem seguir realizando PSA e toque retal anualmente NE 5 - GR D Apesar de o rastreamento proporcionar o aumento de diagnóstico de tumores em estadio mais inicial, reduzir incidência de metástase e melhorar as chances de cura, ainda não está claro o seu impacto na redução de sobrevida geral e sobrevida específica da doença. NE 1A GR A Referências 1. Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer. Estimativa de câncer no Brasil [acesso dez. 2010] Disponível em: estimativa/2010/estimativa pdf. 2. Yatani R, Chigusa I, Akazaki K, Stemmermann GN, Welsh RA, Correa P. Geographic pathology of latent prostatic carcinoma. Int J Cancer. 1982;29: Jemal A, Siegel R, Xu J, Ward E. Cancer statistics, CA Cancer J Clin. 2010;60: Jemal A, Siegel R, Ward E, Hao Y, Xu J, Murray T, et al. Cancer statistics, CA Cancer J Clin. 2008;58: Briss P, Rimer B, Reilley B, Coates RC, Lee NC, Mullen P, et al. Promoting informed decisions about cancer screening in communities and healthcare systems. Am J Prev Med. 2004;26: Gustafsson O, Theorell T, Norming U, Perski A, Ohstrom M, Nyman CR. Psychological reactions in men screened for prostate cancer. Br J Urol. 1995;75: Essink-Bot ML, de Koning HJ, Nijs HG, Kirkels WJ, van der Maas PJ, Schroder FH. Short-term effects of populationbased screening for prostate cancer on health-related quality of life. J Natl Cancer Inst. 1998;90: Steginga SK, Occhipinti S, McCaffrey J, Dunn J. Men s attitudes toward prostate cancer and seeking prostate-specific antigen testing. J Cancer Educ. 2001;16: Brindle LA, Oliver SE, Dedman D, Donovan JL, Neal DE, Hamdy FC, et al. Measuring the psychosocial impact of population-based prostate-specific antigen testing for prostate cancer in the UK. BJU Int. 2006;98: Carlsson S, Aus G, Wessman C, Hugosson J. Anxiety associated with prostate cancer screening with special reference to men with a positive screening test (elevated PSA) Results from a prospective, population-based, randomised study. Eur J Cancer. 2007;43: Wolf AM, Wender RC, Etzioni RB, Thompson IM, D Amico AV, Volk RJ, et al. American Cancer Society guideline for the early detection of prostate cancer: update CA Cancer J Clin. 2010;60: Smith RA, Cokkinides V, Brawley OW. Cancer screening in the United States, 2009: a review of current American Cancer Society guidelines and issues in cancer screening. CA Cancer J Clin. 2009;59: Makinen T, Tammela TL, Stenman UH, Maattanen L, Rannikko S, Aro J, et al. Family history and prostate cancer screening with prostate-specific antigen. J Clin Oncol. 2002;20:

19 14. American Urological Association. Prostate-specific antigen Best Practice Statement: 2009 Update [citado nov 2010]. Disponível em: auanet.org/content/ media/psa09.pdf 15. Mohler J, Bahnson RR, Boston B, Busby JE, D Amico A, Eastham JA, et al. NCCN clinical practice guidelines in oncology: prostate cancer. J Natl Compr Canc Netw. 2010;8: Faria EF, Carvalhal GF, Vieira RA, Silva TB, Mauad EC, Carvalho AL. Program for prostate cancer screening using a mobile unit: results from Brazil. Urology. 2010; 76(5): Smith DS, Carvalhal GF, Mager DE, Bullock AD, Catalona WJ. Use of lower prostate specific antigen cutoffs for prostate cancer screening in black and white men. J Urol. 1998;160: Klein EA, Kupelian PA, Witte JS. Does a family history of prostate cancer result in more aggressive disease? Prostate Cancer Prostatic Dis. 1998;1: U.S. Preventive Services Task Force. Screening for prostate cancer: U.S. Preventive Services Task Force recommendation statement. Ann Intern Med. 2008;149: Hoffman KE, Nguyen PL, Ng AK, D Amico AV. Prostate cancer screening in men 75 years old or older: an assessment of self-reported health status and life expectancy. J Urol. 2010;183: Schroder FH, van der Maas P, Beemsterboer P, Kruger AB, Hoedemaeker R, Rietbergen J, et al. Evaluation of the digital rectal examination as a screening test for prostate cancer. Rotterdam section of the European Randomized Study of Screening for Prostate Cancer. J Natl Cancer Inst. 1998;90: Sociedade Brasileira de Urologia. Diretrizes em Uro-oncologia Stamey TA, Chen Z. Prestigiacomo A. Serum prostate specific antigen binding alpha 1-antichymotrypsin: influence of cancer volume, location and therapeutic selection of resistant clones. J Urol. 1994;152: Catalona WJ, Smith DS, Ratliff TL, Dodds KM, Coplen DE, Yuan JJ, et al. Measurement of prostate-specific antigen in serum as a screening test for prostate cancer. N Engl J Med. 1991;324: Brawer MK. How to use prostatespecific antigen in the early detection or screening for prostatic carcinoma. CA Cancer J Clin. 1995;45: Horninger W, Berger AP, Rogatsch H, Gschwendtner A, Steiner H, Niescher M, et al. Characteristics of prostate cancers detected at low PSA levels. Prostate. 2004;58: Nadler RB, Loeb S, Roehl KA, Antenor JA, Eggener S, Catalona WJ. Use of 2.6 ng/ml prostate specific antigen prompt for biopsy in men older than 60 years. J Urol. 2005;174: Moul JW. Targeted screening for prostate cancer in African-American men. Prostate Cancer Prostatic Dis. 2000;3: Moul JW, Sun L, Hotaling JM, Fitzsimons NJ, Polascik TJ, Robertson CN, et al. Age adjusted prostate specific antigen and prostate specific antigen velocity cut points in prostate cancer screening. J Urol. 2007;177: Gustafsson O, Mansour E, Norming U, Carlsson A, Tornblom M, Nyman CR. Prostate-specific antigen (PSA), PSA density and age-adjusted PSA reference values in screening for prostate cancer: a study of a randomly selected population of 2,400 men. Scand J Urol Nephrol. 1998;32: Lujan M, Paez A, Llanes L, Miravalles E, Berenguer A. Prostate specific antigen density. Is there a role for this parameter when screening for prostate cancer? Prostate Cancer Prostatic Dis. 2001;4: Pelzer AE, Volgger H, Bektic J, Berger AP, Rehder P, Bartsch G, et al. The effect of 17

20 percentage free prostate-specific antigen (PSA) level on the prostate cancer detection rate in a screening population with low PSA levels. BJU Int. 2005;96: Haese A, Dworschack RT, Partin AW. Percent free prostate specific antigen in the total prostate specific antigen 2 to 4 ng./ml. range does not substantially increase the number of biopsies needed to detect clinically significant prostate cancer compared to the 4 to 10 ng./ ml. range. J Urol. 2002;168: Grubb RL 3rd, Pinsky PF, Greenlee RT, Izmirlian G, Miller AB, Hickey TP, et al. Prostate cancer screening in the Prostate, Lung, Colorectal and Ovarian cancer screening trial: update on findings from the initial four rounds of screening in a randomized trial. BJU Int. 2008;102: D Amico AV, Chen MH, Roehl KA, Catalona WJ. Preoperative PSA velocity and the risk of death from prostate cancer after radical prostatectomy. N Engl J Med. 2004;351: Kawachi MH, Bahnson RR, Barry M, Busby JE, Carroll PR, Carter HB, et al. NCCN clinical practice guidelines in oncology: prostate cancer early detection. J Natl Compr Canc Netw. 2010;8: Kawachi MH, Bahnson RR, Barry M, Busby JE, Carroll PR, Carter HB, et al. NCCN clinical practice guidelines in oncology: prostate cancer early detection. J Natl Compr Canc Netw. 2010;8: Muller H, Brenner H. Urine markers as possible tools for prostate cancer screening: review of performance characteristics and practicality. Clin Chem. 2006;52: Downes MR, Byrne JC, Pennington SR, Dunn MJ, Fitzpatrick JM, Watson RW. Urinary markers for prostate cancer. BJU Int. 2007;99: Etzioni R, Tsodikov A, Mariotto A, Szabo A, Falcon S, Wegelin J, et al. Quantifying the role of PSA screening in the US prostate cancer mortality decline. Cancer Causes Control. 2008;19: Bartsch G, Horninger W, Klocker H, Reissigl A, Oberaigner W, Schonitzer D, et al. Prostate cancer mortality after introduction of prostate-specific antigen mass screening in the Federal State of Tyrol, Austria. Urology. 2001;58: Schröder FH, Hugosson J, Roobol MJ, Tammela TL, Ciatto S, Nelen V, et al. Screening and Prostate-Cancer Mortality in a Randomized European Study. N Engl J Med. 2009;360: Roobol MJ, Kerkhof M, Schröder FH, Cuzick J, Sasieni P, Hakama M, et al. Prostate Cancer Mortality Reduction by Prostate-Specific Antigen-Based Screening Adjusted for Nonattendance and Contamination in the European Randomised Study of Screening for Prostate Cancer (ERSPC). Eur Urol. 2009;56: Ciatto S, Zappa M, Villers A, Paez A, Otto SJ, Auvinen A. Contamination by opportunistic screening in the European Randomized Study of Prostate Cancer Screening. BJU Int. 2003;92(Suppl 2): Djulbegovic M, Beyth RJ, Neuberger MM, Stoffs TL, Vieweg J, Djulbegovic B, et al. Screening for prostate cancer: systematic review and meta-analysis of randomised controlled trials. BMJ. 2010;341:c Epstein JI, Walsh PC, Carmichael M, Brendler CB. Pathologic and clinical findings to predict tumor extent of nonpalpable (stage T1c) prostate cancer. JAMA. 1994;271: Singh H, Canto EI, Shariat SF, Kadmon D, Miles BJ, Wheeler TM, et al. Improved detection of clinically significant, curable prostate cancer with systematic 12- core biopsy. J Urol. 2004;171:

21 Indicações da biópsia de próstata Introdução O diagnóstico do câncer de próstata (CaP) era feito inicialmente através da biópsia de próstata realizada com agulha de Vim Silvermann digitalmente dirigida ao nódulo prostático. Com o advento do ultrassom (US) e seu emprego transretal em 1981, os nódulos não palpáveis puderam ser biopsiados com agulhas apropriadas. Entretanto, o estudo propondo a biópsia com seis punções na linha para-sagital, sistemática, revolucionou a técnica de biópsia para o diagnóstico do CaP. Esta técnica ficou conhecida como biópsia sextante 1 (NE 4 GR C). A necessidade de biópsia da próstata deve ser determinada baseada no nível do antígeno prostático específico (PSA) e/ou suspeita pelo toque retal. A idade biológica do paciente, comorbidades, história familiar e as consequências terapêuticas também devem ser consideradas na indicação da biópsia. Toque Retal A maioria dos tumores da próstata são localizados na zona periférica e podem ser detectados através do toque retal quando o volume tumoral é maior ou igual a 0.2 ml. Um toque retal suspeito é indicação absoluta para a biópsia. Em 18% dos pacientes o diagnóstico é feito somente com alteração ao toque 2 (NE 1A GR A). Além disso, o valor preditivo positivo de um toque retal suspeito varia conforme o valor do PSA sendo 5, 14 e 30% em homens com PSA entre 0 a 1.0, 1.1 a 2.5 e 2.6 a 4.0 ng./ml, respectivamente 3 (NE 1B GR A). Nódulo detectado através do US transretal (USTR) não deve ser considerado isoladamente como indicação de biópsia. Antígeno prostático Específico PSA As elevações nos níveis de PSA como variável independente são o melhor preditor de câncer quando comparamos com o toque retal e o USTR 4 (NE 1A GR A). Até 45% dos diagnósticos são feitos somente com alterações no PSA 2. Existem diferentes kits comercialmente disponíveis para medir o PSA e existem diferenças entre eles e por isso é importante que sua calibragem seja conforme os padrões da OMS 5 (NE 3A GR B). O PSA deve ser colhido de preferência com 4 horas de jejum, na ausência de infecção do trato urinário e evitando na 19

Revisão das evidências Dr. Luiz Flávio Coutinho

Revisão das evidências Dr. Luiz Flávio Coutinho RASTREAMENTO DO CÂNCER DE PRÓSTATA EM 2014 Revisão das evidências Dr. Luiz Flávio Coutinho Índice Contexto Ferramentas para o rastreamento Um pouco de estatística Melhores evidências Riscos Recomendações

Leia mais

Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano

Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano 1 Núcleo Regional de Especialidades de Vitória CRE Metropolitano PROPOSTA DE PROTOCOLO E FLUXO ASSISTENCIAL PARA CÂNCER DE PRÓSTATA Autor: Paulo Roberto F. de Oliveira, Rodrigo Alves Tristão e Wilson Alvarenga

Leia mais

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro

Prostatectomia para doença localmente avançada. José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Prostatectomia para doença localmente avançada José Milfont Instituto de Urologia do Rio de Janeiro Apesar dos esforços para detecção precoce do câncer de próstata: 10% dos homens ainda são diagnosticados

Leia mais

III Congresso Internacional de Uro- Oncologia

III Congresso Internacional de Uro- Oncologia III Congresso Internacional de Uro- Oncologia Como interpretar o ASAP e o PIN? Qual o valor do Gleason Terciário na biópsia? Qual a acurácia do tumor de baixo risco na biópsia ser de baixo risco na Prostatectomia

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Câncer de próstata. O que você deve saber. Marco A. Fortes HNMD

Câncer de próstata. O que você deve saber. Marco A. Fortes HNMD Câncer de próstata O que você deve saber Marco A. Fortes HNMD Incidência do câncer em homens no Brasil em 1999 Localização Homens % Pele 19500 15,0 Pulmão 14800 11,6 Próstata 14500 11,4 Estômago 13600

Leia mais

Câncer de Próstata Localmente Avançado

Câncer de Próstata Localmente Avançado Urologia Fundamental CAPÍTULO Câncer de Próstata Localmente Avançado Marcos Francisco Dall Oglio Alexandre Crippa UROLOGIA FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO Apesar dos esforços para detecção precoce do câncer de

Leia mais

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia

Linfadenectomia em câncer de próstata. Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Linfadenectomia em câncer de próstata Marcos Tobias Machado Setor de Uro-oncologia Diagnóstico do acometimento linfonodal em câncer de próstata Tomografia VPP:50% e VPN: 33% Ressonância magnética = TC

Leia mais

Antígeno Prostático Específico (PSA)

Antígeno Prostático Específico (PSA) Urologia Fundamental CAPÍTULO 21 Antígeno Prostático Específico (PSA) Rodolfo Borges dos Reis Marcelo Ferreira Cassini UROLOGIA FUNDAMENTAL INTRODUÇÃO Antígeno prostático específico (PSA) é uma protease

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS HOMENS QUE REALIZAM O EXAME DE DOSAGEM DO ANTÍGENO PROSTÁTICO ESPECÍFICO (PSA) NO MUNÍCIPIO DE MARINGÁ-PR

CARACTERIZAÇÃO DOS HOMENS QUE REALIZAM O EXAME DE DOSAGEM DO ANTÍGENO PROSTÁTICO ESPECÍFICO (PSA) NO MUNÍCIPIO DE MARINGÁ-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERIZAÇÃO DOS HOMENS QUE REALIZAM O EXAME DE DOSAGEM DO ANTÍGENO PROSTÁTICO ESPECÍFICO (PSA) NO MUNÍCIPIO DE MARINGÁ-PR Priscila Canno 1 ; Mauricio

Leia mais

Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr

Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr Devemos fazer a triagem de Câncer de Próstata em pacientes com menos de 70 anos? Wilson Busato Jr American Urological Association (guideline 2013) 1. Nunca rastrear < 40 anos 2. Não rastrear de rotina

Leia mais

Aspectos anatomopatológicos da biópsia prostática de agulha: O que todo urologista deve saber

Aspectos anatomopatológicos da biópsia prostática de agulha: O que todo urologista deve saber Aspectos AnAtomopAtológicos da biópsia prostática de AgulhA: o que todo urologista deve saber AthAnAse billis www.urologiaessencial.org.br MULtIdISCIpLINARIdAdE ATHANASE BILLIS Professor Titular do Dep.

Leia mais

PSA no rastreamento do Câncer de Próstata

PSA no rastreamento do Câncer de Próstata PSA no rastreamento do Câncer de Próstata Sessões Clínicas em Rede nº 06 15/10/2012 1. Introdução 2. Fatores de risco 3. Diagnóstico 4. Conclusão 5. Bibliografia Introdução O câncer de próstata (CP) é

Leia mais

QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA

QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA QUANDO SOLICITAR A RM DE PRÓSTATA COMO PARTE DO DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO? DR.PÚBLIO VIANA RM NO CA PROSTÁTICO Estadiamento loco-regional Detecção tumoral Pesquisa de recidiva local pósprostatectomia

Leia mais

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Rastreamento do Câncer de Próstata Novembro de 2013

INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Rastreamento do Câncer de Próstata Novembro de 2013 INSTITUTO NACIONAL DE CÂNCER Rastreamento do Câncer de Próstata Novembro de 2013 O rastreamento do câncer de próstata, como qualquer intervenção em saúde, pode trazer benefícios e malefícios/riscos que

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

CAPÍTULO Câncer de Próstata

CAPÍTULO Câncer de Próstata CAPÍTULO Câncer de Próstata 6 Ricardo de Almeida Jr. Leandro Koifman Antonio Augusto Ornellas Marcos Tobias-Machado EPIDEMIOLOGIA Ocâncerdepróstata(CP)éaneoplasiamaiscomumemhomens(excluindo o câncer de

Leia mais

Fernando Ferrito, Andrea Furtado Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca E.P.E Eduardo Carrasquinho Hospital Divino Espírito Santo, Évora E.P.

Fernando Ferrito, Andrea Furtado Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca E.P.E Eduardo Carrasquinho Hospital Divino Espírito Santo, Évora E.P. Fernando Ferrito, Andrea Furtado Hospital Prof. Dr. Fernando Fonseca E.P.E Eduardo Carrasquinho Hospital Divino Espírito Santo, Évora E.P.E XVII Workshop de Urologia Oncológica Braga, April,13 th CaP é

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins

DOENÇAS DA PRÓSTATA. P/ Edison Flávio Martins DOENÇAS DA PRÓSTATA P/ Edison Flávio Martins PRÓSTATA NORMAL Peso: 15 a 20 gr Localização: Abaixo da bexiga Atravessada pela uretra Função: Reprodutiva DOENÇAS DA PRÓSTATA Infecção: Prostatite aguda e

Leia mais

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta

Saúde da Próstata. XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo. Claudio B. Murta Divisão de Clínica Urológica Saúde da Próstata XXX Ciclo de Debate Município Saudável Envelhecimento Ativo Claudio B. Murta Médico Urologista Coordenador do Centro de Referência do Homem Hospital de Transplantes

Leia mais

ESTUDO DESCRITIVO DE ADENOCARCINOMAS DE PRÓSTATA DIAGNOSTICADOS NO LABORATÓRIO ALVARENGA DE GOVERNADOR VALADARES MG NO PERÍODO DE 2006 A 2011

ESTUDO DESCRITIVO DE ADENOCARCINOMAS DE PRÓSTATA DIAGNOSTICADOS NO LABORATÓRIO ALVARENGA DE GOVERNADOR VALADARES MG NO PERÍODO DE 2006 A 2011 UNIVERSIDADE VALE DO RIO DOCE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE - FACS CURSO DE FARMÁCIA Fernanda Mourão Vieira Isabela Moreira Ribeiro Olga Kenã Nunes Coelho ESTUDO DESCRITIVO DE ADENOCARCINOMAS DE PRÓSTATA

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE

TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE TUDO O QUE SEMPRE QUIS SABER SOBRE Quais as principais doenças da próstata? Que tratamentos existem para estas doenças? Qual o melhor tratamento para o cancro da próstata? Esclareça todas as suas dúvidas

Leia mais

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER

CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER CPMG- SGT NADER ALVES DOS SANTOS CÂNCER DE PRÓSTATA PROF.WEBER Próstata Sobre o Câncer Sintomas Diagnóstico e exame Tratamento Recomendações O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho

Leia mais

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI

II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI II ENCONTRO DE UROLOGIA DO SUDESTE CÂNCER DE BEXIGA QUANDO INDICAR UMA TERAPIA MAIS AGRESSIVA NO T1 DE ALTO GRAU? CARLOS CORRADI T1 ALTO GRAU DOENCA AGRESSIVA 4ª Causa de Óbito oncológico Pouca melhora

Leia mais

DIRETRIZES PARA O CÂNCER DE PRÓSTATA

DIRETRIZES PARA O CÂNCER DE PRÓSTATA DIRETRIZES PR O ÂNER DE PRÓSTT (Texto atualizado em Fevereiro de 2012). Heidenreich (presidente), P.J. astian, J. ellmunt, M. olla, S. Joniau, T.H. van der Kwast, M.D. Mason, V. Matveev, N. Mottet, T.

Leia mais

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil.

André Salazar e Marcelo Mamede CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY. Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. F-FDG PET/CT AS A PREDICTOR OF INVASIVENESS IN PENILE CANCER PATIENTS: CORRELATION WITH PATHOLOGY André Salazar e Marcelo Mamede Instituto Mário Penna e HC-UFMG. Belo Horizonte-MG, Brasil. 2014 CÂNCER

Leia mais

Ultrassonografia terapêutica (HIFU) para o câncer da próstata

Ultrassonografia terapêutica (HIFU) para o câncer da próstata IMAGEM EM UROLOGIA www.urologiaessencial.org.br Marcelo L. Bendhack Professor da Pós-Graduação Universidades PUC-PR e Positivo Presidente da Sociedade de Oncologia Urológica Seção Latino América - UROLA

Leia mais

Rastreio do cancro prostático: o actual paradigma da medicina centrada na pessoa

Rastreio do cancro prostático: o actual paradigma da medicina centrada na pessoa 122 opiniãoedebate Rastreio do cancro prostático: o actual paradigma da medicina centrada na pessoa José Agostinho Santos* RE SU MO Desde há alguns anos que o rastreio do cancro prostático através do Antigénio

Leia mais

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata

PATOLOGIAS DA PRÓSTATA. Prostata AULA PREPARADA POR: PATOLOGIAS DA PRÓSTATA Prostata A próstata é um órgão interno que só o homem possui; tem a forma de uma maçã muito pequena, e fica logo abaixo da bexiga. ANATOMIA Tem o tamanho aproximado

Leia mais

Dra Adriana de Freitas Torres

Dra Adriana de Freitas Torres Dra Adriana de Freitas Torres 2020 15 milhões de novos casos 12 milhões de mortes 2002 10 milhões de casos novos 6 milhões de mortes Mundo cerca 1 milhão de novos casos de CM Fonte: União Internacional

Leia mais

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES

RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO EM CÂNCER CRITÉRIOS EPIDEMIOLÓGICOS E IMPLICAÇÕES RASTREAMENTO (SCREENING) Identificação presuntiva de doença em indivíduos assintomáticos, por teste/exame clínico de aplicação rápida Objetivo:

Leia mais

Rastreamento do câncer de pulmão

Rastreamento do câncer de pulmão Rastreamento do câncer de pulmão Arthur Soares Souza Jr. Professor livre docente da FAMERP Membro do Ultra X Diagnóstico por Imagem São José do Rio Preto - SP Rastreamento do câncer de pulmão Estamos familiarizados

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CANCRO DA PRÓSTATA

ORIENTAÇÕES SOBRE CANCRO DA PRÓSTATA ORIENTAÇÕES SOBRE CANCRO DA PRÓSTATA (Texto actualizado em Março de 2005: está prevista a publicação de uma actualização em 2010. Aconselha-se os leitores a consultar o texto impresso completo de 2009

Leia mais

Câncer de Próstata Localizado Riscos Baixo e Intermediário: Lucas Nogueira Coordenador Grupo de Uro Oncologia HC / UFMG Departamento de Uro Oncologia

Câncer de Próstata Localizado Riscos Baixo e Intermediário: Lucas Nogueira Coordenador Grupo de Uro Oncologia HC / UFMG Departamento de Uro Oncologia Câncer de Próstata Localizado Riscos Baixo e Intermediário: Eu NÃO escolho vigilância ativa Lucas Nogueira Coordenador Grupo de Uro Oncologia HC / UFMG Departamento de Uro Oncologia SBU EUA A cada 2 minutos

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

FATORES DEMOGRÁFICOS ASSOCIADOS À REALIZAÇÃO DO ANTÍGENO PROSTÁTICO ESPECÍFICO (PSA) EM MUNICÍPIO SUL BRASILEIRO

FATORES DEMOGRÁFICOS ASSOCIADOS À REALIZAÇÃO DO ANTÍGENO PROSTÁTICO ESPECÍFICO (PSA) EM MUNICÍPIO SUL BRASILEIRO FATORES DEMOGRÁFICOS ASSOCIADOS À REALIZAÇÃO DO ANTÍGENO PROSTÁTICO ESPECÍFICO (PSA) EM MUNICÍPIO SUL BRASILEIRO Autores: Willian Augusto de Melo Enfermeiro. Mestre em Enfermagem. Docente do Centro Universitário

Leia mais

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata

O Câncer de Próstata. O que é a Próstata O Câncer de Próstata O câncer de próstata é o segundo tumor mais comum no sexo masculino, acometendo um em cada seis homens. Se descoberto no início, as chances de cura são de 95%. O que é a Próstata A

Leia mais

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO

CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CENAP CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL CURSO TÉCNICO EM RADIOLOGIA DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO RASTREAMENTO MAMOGRÁFICO CASCAVEL 2010 2 DANIELE MÜLLER BISINELA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO

Leia mais

Devemos fazer triagem de Câncer de próstata em pacientes com menos de 70. Dr. Aguinaldo César Nardi

Devemos fazer triagem de Câncer de próstata em pacientes com menos de 70. Dr. Aguinaldo César Nardi Devemos fazer triagem de Câncer de próstata em pacientes com menos de 70 anos? NÃO Dr. Aguinaldo César Nardi Caso Conceito GHB, 54a PSA com aumento progressivo 2009 = 2,4 2011 = 3,2 2012 = 3,6 2013 = 4,0

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata

Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata Terapia hormonal prévia e adjuvante à radioterapia externa no tratamento do câncer de próstata N o 145 Março/2015 2015 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que

Leia mais

RESULTS OF SCREENING FOR PROSTATE CANCER IN A COMMUNITY HOSPITAL

RESULTS OF SCREENING FOR PROSTATE CANCER IN A COMMUNITY HOSPITAL Clinical Urology Brazilian Journal of Urology Official Journal of the Brazilian Society of Urology Vol. 27 (3): 235-243, May - June, 2001 RESULTS OF SCREENING FOR PROSTATE CANCER IN A COMMUNITY HOSPITAL

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA

Câncer do pâncreas. Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Câncer do pâncreas Orlando Jorge Martins Torres Professor Livre-Docente UFMA Diagnóstico A tomografia helicoidal com dupla fase é o melhor exame de imagem para diagnosticar e estadiar uma suspeita de carcinoma

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto

TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto TRATAMENTO PÓS OPERATÓRIO NO SEMINOMA E NÃO SEMINOMA DE ESTÁGIO I DE ALTO RISCO Daniel Fernandes Saragiotto Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP) FMUSP Médico Titular

Leia mais

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê

Neoplasias Gástricas. Pedro Vale Bedê Neoplasias Gástricas Pedro Vale Bedê Introdução 95% dos tumores gástricos são malignos 95% dos tumores malignos são adenocarcinomas Em segundo lugar ficam os linfomas e em terceiro os leiomiosarcomas Ate

Leia mais

Diagnóstico de Carcinoma da Próstata. - Valor do PSA

Diagnóstico de Carcinoma da Próstata. - Valor do PSA Diagnóstico de Carcinoma da Próstata - Valor do PSA Mestrado Integrado em Medicina -Artigo de investigação médica Junho 2009- Autor: José Luís Pinto da Silva de Carvalho Orientador: Dr. Nuno Rossano Monteiro

Leia mais

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação?

16/04/2015 CÂNCER DE PULMÃO. Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Rastreamento do Câncer de Pulmão: Solução ou Complicação? Bruno Hochhegger MD, PhD Médico Radiologista do Pavilhão Pereira Filho e Hospital Dom Vicente Scherer Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

A. Heidenreich(presidente), J. Bellmunt, M.Bolla, S. Joniau,T.H. van der Kwast, M.D. Mason, V.Matveev, N.Mottet, H-P. Schmid,T. Wiegel, F.

A. Heidenreich(presidente), J. Bellmunt, M.Bolla, S. Joniau,T.H. van der Kwast, M.D. Mason, V.Matveev, N.Mottet, H-P. Schmid,T. Wiegel, F. DIRETRIZES SORE ÂNER DA PRÓSTATA (Texto atualizado em março de 2011) A. Heidenreich(presidente), J. ellmunt, M.olla, S. Joniau,T.H. van der Kwast, M.D. Mason, V.Matveev, N.Mottet, H-P. Schmid,T. Wiegel,

Leia mais

Software desenvolvido a partir de um Modelo Matemático Fuzzy para predizer o estágio patológico do

Software desenvolvido a partir de um Modelo Matemático Fuzzy para predizer o estágio patológico do Biomatemática 18 (2008), 27 36 ISSN 1679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Software desenvolvido a partir de um Modelo Matemático Fuzzy para predizer o estágio patológico do Câncer

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão?

NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? NLST: estamos prontos para o rastreamento do câncer de pulmão? Vladmir Cláudio Cordeiro de Lima, MD, PhD Hospital A.C. Camargo São Paulo - Brasil Rastreamento do Câncer de Pulmão Fonte: World Health Organization.

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA José Luís Esteves Francisco Comissão Nacional de Mamografia SBM CBR FEBRASGO Ruffo de Freitas Júnior Presidente Nacional da Soc. Bras. De Mastologia Rede Goiana de Pesquisa

Leia mais

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07

Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Parecer do Grupo de Avaliação de Tecnologias em Saúde GATS 25/07 Tema: Linfonodo sentinela no câncer de mama I Data: 27/09/2007 II Grupo de Estudo: Izabel Cristina Alves Mendonça; Célia Maria da Silva;

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário

Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário VIII Congresso de Pneumologia e Tisiologia do Estado do Rio de Janeiro Manuseio do Nódulo Pulmonar Solitário Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Ciências Médicas Hospital Universitário

Leia mais

Novos marcadores diagnósticos e prognósticos do câncer da próstata. Mônica Stiepcich Anatomia Patológica Fleury Centro de Medicina Diagnóstica

Novos marcadores diagnósticos e prognósticos do câncer da próstata. Mônica Stiepcich Anatomia Patológica Fleury Centro de Medicina Diagnóstica Novos marcadores diagnósticos e prognósticos do câncer da próstata Mônica Stiepcich Anatomia Patológica Fleury Centro de Medicina Diagnóstica ! SV média 5a: 64% (PD) 41% (PED) 58% (média mundial) Câncer

Leia mais

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP,, Brasil)

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP,, Brasil) 1 Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP,, Brasil) Atualização em PSA: melhores evidências para a decisão clínica / CoBEU-Cômitê Brasileiro de Estudos em

Leia mais

Papel atual do PSA no rastreio do cancro da próstata

Papel atual do PSA no rastreio do cancro da próstata Papel atual do PSA no rastreio do cancro da próstata The current role of PSA in prostate cancer screening Autores: Claudia Febra, Ana Macedo Instituições: KeyPoint, Consultoria Científica Lda. Correspondência:

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

RM MAMÁRIA: quando indicar?

RM MAMÁRIA: quando indicar? RM MAMÁRIA: quando indicar? Lucio De Carli Serviço de Diagnóstico por Imagem da Mama Hospital Mãe de Deus SSMD Porto Alegre/RS e-mail: luciodc@terra.com.br RM MAMÁRIA - indicações - Incoerência EF x MG

Leia mais

RESULTS OF PROSTATE CANCER SCREENING IN NON-SYMPTOMATIC MEN

RESULTS OF PROSTATE CANCER SCREENING IN NON-SYMPTOMATIC MEN Clinical Urology Brazilian Journal of Urology Official Journal of the Brazilian Society of Urology RESULTS OF PROSTATE CANCER SCREENING Vol. 27 (3): 227-234, May - June, 2001 RESULTS OF PROSTATE CANCER

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA

DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA RESSONÂNCIA NUCLEAR MAGNÉTICA DAS MAMAS DETECÇÃO, DIAGNÓSTICO E ESTADIAMENTO DO CÂNCER DE MAMA A crescente experiência com a Ressonância Nuclear Magnética (RNM) vem trazendo dúvidas pertinentes quanto

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER

EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER EPIDEMIOLOGIA DO CÂNCER Distribuição das neoplasias em populações humanas Etiologia/Fatores de risco Prevenção/Detecção precoce Prognóstico Tratamento IMPORTÂNCIA DAS NEOPLASIAS

Leia mais

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem

Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem Porque se cuidar é coisa de homem. Saúde do homem SAÚDE DO HOMEM Por preconceito, muitos homens ainda resistem em procurar orientação médica ou submeter-se a exames preventivos, principalmente os de

Leia mais

URO-RESUMOS. Brasil Silva Neto. Emanuel Burck dos Santos

URO-RESUMOS. Brasil Silva Neto. Emanuel Burck dos Santos URO-RESUMOS Brasil Silva Neto Doutor em Medicina: Ciências Cirúrgicas Serviço de Urologia Hospital de Clínicas de Porto Alegre Universidade Federal do Rio Grande do Sul Emanuel Burck dos Santos Mestre

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA

TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA TRATAMENTO DAS DOENÇAS DA PRÓSTATA.com.br Dr. Miguel Srougi é médico, professor de Urologia na Universidade Federal de São Paulo e autor do livro Próstata: Isso É Com Você..com.br Drauzio Varella Vamos

Leia mais

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DE PRÓSTATA

MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DE PRÓSTATA Boletim ano 5, n. 2 maio/ agosto 214 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/Ministério da Saúde MONITORAMENTO DAS AÇÕES DE CONTROLE DO CÂNCER DE PRÓSTATA Apresentação O Informativo Detecção

Leia mais

Prognóstico de Câncer de Próstata: Probabilidade e Possibilidade

Prognóstico de Câncer de Próstata: Probabilidade e Possibilidade TEMA Tend. Mat. Apl. Comput., 8, No. 3 (2007), 371-379. c Uma Publicação da Sociedade Brasileira de Matemática Aplicada e Computacional. Prognóstico de Câncer de Próstata: Probabilidade e Possibilidade

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

FRAÇÕES DO PSA IMUNO-DETERMINÁVEIS:

FRAÇÕES DO PSA IMUNO-DETERMINÁVEIS: PSA - LIVRE E TOTAL PSA - COMPLEXADO CBHPM 4.07.12.14-1 AMB 28.06.251-5/99 CBHPM 4.07.12.15-0 Sinonímia: tpsa. PSA total. PSA EQM. PSA Equimolar. PSA total imunologicamente detectável. fpsa. PSA livre.

Leia mais

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE

CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE CÂNCER GÁSTRICO PRECOCE Hospital Municipal Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Chefe do serviço: Dr. Nelson Medina Coeli Expositor: Dra. Ana Carolina Assaf 16/09/04 René Lambert DEFINIÇÃO Carcinoma

Leia mais

Anatomia e Histologia

Anatomia e Histologia Anatomia e Histologia - Órgão retroperitoneal - Pesa 20 g - Conjunto de glândulas tubuloalveolares - Dividido em 4 zonas: Periférica Central Transicional Estroma fibromuscular anterior Anatomia e Histologia

Leia mais

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA

CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA IVX CONGRESSO PAULISTA DE GINECOLOGIA E OBSTETRICIA CONDUTA APÓS CITOLOGIA LESÃO INTRA-EPITELIAL DE ALTO GRAU MARIA INES DE MIRANDA LIMA Lesão intra-epitelial de alto grau:hsil: Qual o significado? NIC

Leia mais

GLEASON SCORE. COMPARATIVE STUDY BETWEEN TRANSRECTAL PROSTATE BIOPSY AND RADICAL PROSTATECTOMY SPECIMEN

GLEASON SCORE. COMPARATIVE STUDY BETWEEN TRANSRECTAL PROSTATE BIOPSY AND RADICAL PROSTATECTOMY SPECIMEN Original Article Brazilian Journal of Urology Official Journal of the Brazilian Society of Urology Vol. 26 (6): 609-613, November - December, 2000 GLEASON SCORE. COMPARATIVE STUDY BETWEEN TRANSRECTAL PROSTATE

Leia mais

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE

DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS: Abordagem inicial DR OMAR REDA EL HAYEK Docente Setor de Uro-oncologia do HCFMUSP Coordenador do Foro de Urologia HIAE TUMOR DE PÊNIS Epidemiologia Distribuição geográfica EUA 0,2 / 100.000

Leia mais

Avaliação comparativa dos valores de PSA total, PSA livre/psa total e PSA complexado na detecção do cancro da próstata

Avaliação comparativa dos valores de PSA total, PSA livre/psa total e PSA complexado na detecção do cancro da próstata 39 Artigos Originais Avaliação comparativa dos valores de PSA total, PSA livre/psa total e PSA complexado na detecção do cancro da próstata 1 1 1 2 Nuno Louro, Rui Borges, Pedro Massó, Maria Fernanda Silva,

Leia mais

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu

TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva. Pedro Eufrásio. Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu TUMORES DO PÉNIS: Cirurgia Minimamente Invasiva Pedro Eufrásio Serviço de Urologia Centro Hospitalar Tondela-Viseu INTRODUÇÃO Tumor do pénis é raro. Variabilidade geográfica. 95% são carcinomas espinho-celulares.

Leia mais

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA

HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA HISTÓRIA NATURAL DOS TIPOS RAROS DE CÂNCER DE MAMA Carcinomas Profª. Dra. Maria do Carmo Assunção Carcinoma tipo basal Grau 3 CK14 & CK5 = Positivo P63 pode ser positivo (mioepitelial) Triplo negativo

Leia mais

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou?

Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Câncer de Pulmão Estadiamento: o que mudou? Ilka Lopes Santoro EPM - Unifesp Conflito de Interesse Nada a declarar For myself I am an optimist it does not seem to be much use being anything else. Sir Winston

Leia mais

Câncer de bexiga músculo-invasivo. Limírio Leal da Fonseca Filho

Câncer de bexiga músculo-invasivo. Limírio Leal da Fonseca Filho Câncer de bexiga músculo-invasivo Limírio Leal da Fonseca Filho HSPE-SP HIAE Cistectomia radical + linfadenectomia pelvica é padrão ouro no tratamento dos tumores infiltrativos da bexiga Sobrevida 10 anos

Leia mais

Impacto da adoção do PSA no rastreio do câncer de próstata sobre mortalidade e estadiamento

Impacto da adoção do PSA no rastreio do câncer de próstata sobre mortalidade e estadiamento I UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE MEDICINA DA BAHIA Fundada em 18 de fevereiro de 1808 Monografia Impacto da adoção do PSA no rastreio do câncer de próstata sobre mortalidade e estadiamento

Leia mais

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes

CIRURGIA CITORREDUTORA E NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL. Ademar Lopes CIRURGIA CITORREDUTORA E QUIMIOTERAPIA INTRAPERITONEAL HIPERTÉRMICA NO TRATAMENTO DA CARCINOMATOSE PERITONEAL Ademar Lopes CÂNCER COLORRETAL SOB mediana em doença avançada versus tratamento sistêmico Meyerhardt

Leia mais

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE

MARCADORES TUMORAIS EM DESTAQUE Adriana Helena Sedrez Farmacêutica Bioquímica Especialista em Microbiologia Clínica pela PUC-PR Coordenadora do setor de Hematologia Clínica, responsável pelo Atendimento ao Cliente e gerente de Recursos

Leia mais

EXAUSTIVIDADE DO ESTADIAMENTO CLÍNICO DO CÂNCER DE ESÔFAGO EM UM REGISTRO DE CÂNCER BASE POPULACIONAL

EXAUSTIVIDADE DO ESTADIAMENTO CLÍNICO DO CÂNCER DE ESÔFAGO EM UM REGISTRO DE CÂNCER BASE POPULACIONAL EXAUSTIVIDADE DO ESTADIAMENTO CLÍNICO DO CÂNCER DE ESÔFAGO EM UM REGISTRO DE CÂNCER BASE POPULACIONAL Diego Rodrigues Mendonça e SILVA; Maria Paula CURADO; José Carlos de OLIVEIRA; Anderson Gomes de OLIVEIRA;

Leia mais