RELATÓRIO DE GESTÃO E CONTAS ANO 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO DE GESTÃO E CONTAS ANO 2012"

Transcrição

1 RELATÓRIO DE GESTÃO E CONTAS ANO 2012 Município de Celorico de Basto Abril de 2013

2 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO NOTA PRÉVIA ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO PRINCIPAIS RESULTADOS...5 II PRINCIPAIS INVESTIMENTOS E ATIVIDADES...8 III RELATÓRIO FINANCEIRO...16 ANÁLISE ORÇAMENTAL EXECUÇÃO ORÇAMENTAL EQUILÍBRIO ORÇAMENTAL EVOLUÇÃO GLOBAL DAS RECEITAS E DESPESAS ANÁLISE DA RECEITA Execução Orçamental das Rubricas da Receita Evolução das Rubricas da Receita ANÁLISE DA DESPESA Execução Orçamental das Rubricas da Despesa Evolução das Rubricas da Despesa MOVIMENTOS DE TESOURARIA...25 ANÁLISE DA SITUAÇÃO ECONÓMICO - FINANCEIRA ANÁLISE DO BALANÇO ANÁLISE DA DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANÁLISE AO CUMPRIMENTO DOS ENCARGOS COM PESSOAL DÍVIDA Dívida global Capacidade de Endividamento PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS...33 IV DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

3 ÍNDICE DE QUADROS Q 1 Execução Orçamental da Receita...16 Q 2 Execução Orçamental da Despesa...16 Q 3 Evolução da Execução Orçamental...18 Q 4 Execução Orçamental da Receita por Rubricas...19 Q 5 Evolução da Execução Orçamental da Receita...21 Q 6 Execução Orçamental da Despesa por Rubricas...23 Q 7 Evolução da Execução Orçamental da Despesa...24 Q 8 Resumo da Conta de Gerência do Ano de Q 9 Balanço Sintético...26 Q 10 Demonstração de Resultados por Natureza...28 Q 11 Apuramento Limite Custos com Pessoal...29 Q 12 Dívida Global...30 Q 13 Limites de Endividamento Líquido Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

4 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO INTRODUÇÃO 3 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

5 I - INTRODUÇÃO 1. Nota Prévia O presente Relatório traduz a Execução do Orçamento do Município de Celorico de Basto para 2012, foi elaborado nos termos do Decreto-Lei n.º 54-A/99, de 22 de Fevereiro, cumprindo o preceituado no nº 13 do POCAL, e apresenta em documento autónomo os mapas de Prestação de Contas. As contas do Município foram auditadas e certificadas por um Revisor Oficial de Contas. No cumprimento do preceito legal, apresenta-se o Relatório de Gestão, para que, dentro dos prazos previstos pela Lei n.º 169/99 de 18 de Setembro, com as alterações que lhe foram introduzidas pela Lei n.º 5-A/2002 de 11 de Janeiro e pela Lei n.º 67/2007 de 31 de Dezembro, o mesmo seja submetido a apreciação da Câmara Municipal e da Assembleia Municipal até ao fim de Abril. 2. Enquadramento Macroeconómico Na economia Portuguesa verificou-se nos últimos anos ou um crescimento reduzido ou mesmo recessão, com o PIB em decrescimento. Os efeitos da crise financeira na deterioração do mercado de trabalho e a implementação de políticas orçamentais mais restritivas, no sentido de corrigir os elevados défices públicos atingidos condicionaram, em parte, o crescimento económico. De acordo com a estimativa preliminar do Eurostat, em termos médios anuais, em 2012, a economia da zona euro contraiu 0,6% e na UE (27 países) contraiu 0,3% 1. Já em Portugal prevê-se uma contração do PIB de 3,2% em 2012, tendo ocorrido uma contração em 2011 de 1,6% 2. 1 Eurostat, Noticia sobre o PIB na Zona Euro e na EU27, 06 de março de INE, Síntese Económica de Conjuntura - Janeiro de Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

6 Conforme dados divulgados pelo INE, em 13 de fevereiro de 2013, para o 4º trimestre de 2012 a taxa de desemprego estimada é de 16,9%. A taxa de desemprego média anual de 2012 fixou-se nos 15,7%, aumentando face ao ano de 2011, cuja taxa média anual foi de 12,7%. Em termos médios anuais, o Índice de Preços ao Consumidor em Portugal diminuiu de 3,6% em 2011 para 2,8% em Durante o ano de 2012 o BCE alterou uma vez, a taxa de juro diretora, Taxa Refi, em 5 de julho, em que a desceu de 1% para 0,75%. As taxas interbancárias, tal como os juros Euribor, reagem de maneira bastante forte a modificações nos juros referenciais. Verificou-se de facto que a evolução da Euribor acompanhou a Taxa Refi, no entanto, o acesso ao crédito, por parte dos municípios, empresas e particulares, manteve-se difícil ao longo de 2012 e com Spread elevados. Segundo dados do Banco de Portugal 4, o défice orçamental em percentagem do PIB ficou em 2010 em 9,8% e em 2011 de 4,4%. Já para o ano de 2012, a meta estabelecida pelo Governo e Troika foi de 5%, e que é esperado cumprir-se, embora ainda existam riscos devido à classificação da operação de concessão da ANA em contas nacionais pelo Eurostat, mas também outros ajustamentos de contabilidade que possam ocorrer. Segundo o Eurostat a dívida Portuguesa atingiu no final do terceiro trimestre de 2012 o montante de 201 mil milhões de euros, representando agora 120,3% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. A dívida pública da zona euro, no mesmo período, foi 90% do PIB e da EU (27 países) de 85,1%. 3. Principais Resultados O Município de Celorico de Basto apresentou, em termos sintéticos, os seguintes resultados: 3 INE, Síntese Económica de Conjuntura - Janeiro de Banco de Portugal, Boletim de fevereiro de Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

7 A taxa de execução total da receita foi de 74,2%, sendo da receita corrente de 85,3%, de capital de 64,3%; O decréscimo da receita corrente de 1,52%, ou seja, no montante de euros, face ao ano de Houve um acréscimo nas receitas com impostos, taxas e rendimentos de propriedade e um decréscimo das transferências correntes, vendas de bens e serviços e outras receitas correntes; A redução da despesa corrente foi de 10,9%, no montante de euros, face ao ano de Verificou-se uma redução em todas as rubricas da despesa corrente, com exceção dos subsídios e outras despesas correntes. De notar que a inflação média em Portugal em 2012 foi de 2,8%. Durante o ano de 2012 verificou-se uma amortização nos empréstimos de médio e longo prazo no montante de euros, e uma amortização nos contratos de locação financeira de euros; O endividamento da autarquia reduziu-se, em 2012, no montante de ,20 euros; O Resultado Liquido do Exercício em 2012 foi positivo, no montante de ,89 euros. De notar que para este resultado contribuiu o custo das amortizações ao investimento do exercício, no montante de ,86 euros; O prazo médio de pagamento a fornecedores em 2012 foi de 26 dias, de acordo com informação da DGAL; O Município cumpriu com os limites ao endividamento líquido; O saldo da gerência de 2012, a transitar para o ano de 2013, foi de ,60 euros. 6 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

8 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO PRINCIPAIS INVESTIMENTOS E ACTIVIDADES 7 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

9 II PRINCIPAIS INVESTIMENTOS E ATIVIDADES As prioridades do Município, em 2012, continuaram a manter-se fiéis ao programa eleitoral sufragado pelos munícipes em 2009 e agregam-se em grandes objetivos: a educação, a ação social, o fomento do emprego e o reforço da qualidade de vida das pessoas. Como grandes obras executadas em 2012 tivemos o Parque Lúdico de Boques e Arruamentos de Acesso ao Centro Escolar da Vila de Celorico de Basto; o Pavilhão Desportivo da Mota e a construção do Centro Escolar da Vila de Gandarela. Também se concluiu a instalação dos reguladores de fluxo luminoso. Neste ano deu-se continuidade à construção da Ecopista. Também se deu início à recuperação do edifício da Estação da Vila de Celorico de Basto e respetivos arranjos exteriores, carruagem e casas de banho. Ainda se iniciou os arranjos exteriores da Estação localizada em Veade (Estação de Mondim de Basto) e a realização do novo arruamento da Gandarela, que permite a ligação ao Centro Escolar, Extensão de Saúde e outros equipamentos, bem como irá expandir uma nova frente urbana da Vila da Gandarela. Também se deu continuidade à implementação de dois planos na vertente humana, o Plano Municipal para a Promoção da Acessibilidade, no sentido de se criar melhores condições de mobilidade para pessoas com deficiência física ou sensorial e idosas, e o Plano para a Igualdade. O Município, no ano de 2012, teve aprovada uma candidatura no âmbito do POPH Programa Operacional do Potencial Humano, a qual começou a ser implementada no final do ano, para ser ministradas várias ações de formação, a fim de se verem melhoradas as competências profissionais dos recursos humanos da autarquia. O ano de 2012, em continuidade dos anos anteriores, foi um ano de grande investimento na vertente humana e social. 8 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

10 Assim, tivemos em funcionamento, a Unidade Móvel de Saúde, estrutura que visa levar mais próximo do Munícipe um conjunto de serviços de carácter social e de intervenção na área da saúde. Esta unidade funciona em parceria com o Centro de Saúde, efetuandose diversos serviços, entre eles, a medição da tensão arterial, diabetes e colesterol, controlo de medicação, marcação de consultas e cuidados de enfermagem, tais como curativos. A Unidade Móvel de Saúde apoiou a campanha de vacinação aos grupos de risco, contra a gripe sazonal, realizou campanhas de sensibilização da diabetes e colesterol. Ainda no âmbito social a Câmara Municipal deu continuidade ao projeto, cada vez mais solicitado, de prestação de serviços de apoio domiciliário em pequenas reparações domésticas, a idosos, pessoas com deficiência e carenciadas, através da Oficina Móvel Municipal. Através do programa Celorico a Mexer foi proporcionado aos mais idosos uma aula de ginástica semanal, realizada nas freguesias, com o acompanhamento de um professor de educação física. Também é facultado aos utentes do programa Celorico a Mexer uma aula de hidroginástica por semana, realizada na Piscina Municipal de Celorico de Basto. Foram organizadas as marchas populares, com a participação dos utentes do Celorico a Mexer, das 22 freguesias, que interpretaram 15 temas diferentes. Também foram organizados outros eventos, com a participação dos idosos e pessoas portadoras de deficiência, tais como a realização de um baile de carnaval; a recriação da Via-Sacra; um lanche convívio no Parque Lúdico de Freixieiro, uma festa que marca o encerramento das atividades, para férias de verão; comemoração do Dia Internacional do Idoso ; comemoração do S. Martinho, com a realização de um magusto; e a realização da festa de Natal. 9 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

11 O programa Celorico a Mexer é um investimento nos mais idosos, que é importante, pois permite-lhes maior saúde, quer pela prática de exercício físico, devidamente acompanhada por professores de educação física, quer por lhes proporcionar a possibilidade de sair de casa e conviver, contribuindo-se dessa forma para evitar uma das doenças do século, que é a depressão. A complementar as atividades desportivas, o Município disponibiliza Técnicos que se dedicam à animação dos idosos, com a recuperação de diversas atividades tradicionais e implementação de outras novas, realizadas uma vez por semana nas freguesias. Durante o ano funcionou o projeto do Banco Local de Voluntariado (BLV) de Celorico de Basto, a fim de apoiar as necessidades básicas das famílias mais carenciadas do concelho, através de verbas e bens doados por empresas ou particulares. O BLV realizou uma campanha de angariação de fundos para a aquisição de vários equipamentos sociais, tais como cadeiras de rodas, gruas elétricas, andarilhos entre outros e participou em várias campanhas de recolha de alimentos. Manteve-se em funcionamento a Loja Social, que tem por missão apoiar as famílias que mais precisam, complementando outros equipamentos e atividades de cariz social. Conta-se com o apoio de voluntários, com espírito de solidariedade, para o sucesso do funcionamento deste equipamento. Neste ano deu-se continuidade ao apoio do funcionamento da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, disponibilizando Técnicos, instalações, transportes, alimentos e outros bens de primeira necessidade às crianças mais carenciadas. O Município também tem um gabinete, nas suas instalações, para apoio ao emigrante, cujo objetivo é um maior acolhimento e integração dos cidadãos que decidem regressar ao seu país de origem, bem como na prestação de informação àqueles que pretendem agora emigrar. 10 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

12 No ano de 2012 manteve-se em funcionamento o Gabinete de Informação e de Proteção para Pessoas em Risco. Este gabinete tem como objetivo o atendimento e encaminhamento de vítimas de violência doméstica e proteção de pessoas idosas. Neste ano encontrou-se em funções a Comissão para a Qualificação de Celorico de Basto, que visa essencialmente concertar as ações voltadas para a qualificação dos indivíduos, direcionando as ações de formação para as áreas de desenvolvimento económico do concelho, de acordo com o trabalho a ser desenvolvido na CIM Tâmega e Vale do Sousa na Agenda para a Empregabilidade. O programa de Solidariedade e Recuperação da Habitação (SOLARH) é um programa que permite a concessão de empréstimos sem juros pelo Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana, dirigido a agregados familiares que apresentem fracos recursos económicos, para a realização de obras nas habitações de que são proprietários e que constitui a sua residência permanente. A Câmara Municipal é mediadora de todos os processos, sendo a responsável pela formalização da candidatura e pela fiscalização da obra. A Câmara também atribuiu subsídios a Entidades Sociais e Humanitárias, sem fins lucrativos, tais como à Casa do Povo de Fervença (Centro Comunitário Bento XVI), Associação de Solidariedade de S.to André de Codessoso, Centro Social e Paroquial Divino Salvador de Ribas, Bombeiros Voluntários, Santa Casa da Misericórdia de S. Bento de Arnoia e Centro Social Paroquial de Molares. Em 2012 a Câmara efetuou a entrega, a título de transferências de capital, para efeitos de realização de obras e aquisição de equipamentos, no montante de euros. Em termos desportivos, o Município organizou diversos eventos e apoiou outros, no sentido da sua promoção no concelho, quer junto dos jovens quer das pessoas de mais idade, pois a prática de desporto proporciona maior saúde e qualidade de vida. 11 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

13 No Hipódromo Municipal, na freguesia de Carvalho, no dia 5 de agosto, decorreram as provas, com as modalidades de Trote Atrelado e a Galope, a contar para o campeonato nacional, com a participação de equipas muito fortes. Esta competição, que atraiu milhares de pessoas do concelho e de todo o país, teve o apoio do Município. O programa Celorico a Mexer nas Férias contou com a participação de cerca de 100 crianças, dos 6 aos 14 anos, durante a segunda quinzena do mês de julho, durante os quais realizaram jogos tradicionais, modalidades desportivas, jogos de memória, leitura, multimédia entre outros, com o acompanhamento de técnico credenciados. No ano de 2012 o Município deu continuidade ao apoio na sexta edição das Ligas de Futsal Celoricenses (Liga Masculina, Liga Feminina e Liga Juvenil), que tal como nos anos anteriores, envolveram centenas de participantes, numa disputa saudável interfreguesias, durante quatro meses. Ainda em termos de desporto, a Câmara forneceu o transporte a todas as crianças e jovens do concelho, que praticam as modalidades de futebol, basket, andebol, natação, atletismo ou futsal. Em termos de obras, no setor desportivo, o Município efetuou um investimento significativo na requalificação do Parque de Jogos do Campo da Rasa em Fermil de Basto, cuja inauguração decorreu no dia 2 de setembro. Quanto ao setor da educação, o Município efetua o fornecimento do material de escritório, informático, didático, de limpeza entre outros. Também efetua a manutenção dos equipamentos e edifícios e fornece o aquecimento. De notar que autarquia fornece o transporte gratuito ao ensino pré-escolar, 1º, 2º e 3º ciclo (ensino básico) e alunos com necessidades educativas especiais e paga 50% do custo aos alunos do ensino secundário. Com a implementação da Carta Educativa a Câmara teve que alargar os sistemas de transporte, com encargos acrescidos. 12 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

14 A verba que a Autarquia recebe do Estado Central, para comparticipação dos transportes é bastante inferior aos custos. Também se comparticipam as refeições do pré-escolar e 1º ciclo, de acordo com os escalões definidos para cada agregado familiar. Tal como ocorre já há vários anos, o Município disponibiliza às crianças do 1º ciclo as Atividades de Enriquecimento Curricular, através da contratação de professores de diversas áreas, do fornecimento de transportes, materiais didáticos, equipamentos desportivos, tais como a piscina municipal, grande campo de jogos, polidesportivos, pavilhões e outros. Ainda no setor da educação, a Câmara ofereceu os manuais escolares para o ano letivo 2012/2013, aos alunos do 1º Ciclo, pertencentes ao escalão A e comparticipou em 50% os do escalão B. A Autarquia também proporciona às crianças do pré-escolar o prolongamento de horário, sempre que a organização da vida das famílias o justifique, nomeadamente devido à dificuldade de conciliação entre os horários de trabalho dos pais e os horários dos estabelecimentos de educação. Tal como aconteceu em anos letivos anteriores, o Município mais um ano aderiu ao regime da fruta escolar, em que fornece aos alunos do 1º ciclo duas peças por semana, cujo intuito também é de incutir hábitos de vida saudáveis. A área da cultura também se considera fundamental para o desenvolvimento da população do concelho. Assim, existe uma aposta na manutenção das festas e feiras tradicionais. Organizou-se a feira anual do artesanato e gastronomia, que decorreu de 9 a 12 de Agosto de 2012, na qual participaram cerca de 150 expositores de artesanato e atividades económicas de vários pontos do país, com mostra de vinhos verdes da região, 13 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

15 restaurantes e tasquinhas de comida típica, doçaria regional aos quais o Município deu todo o apoio logístico. Também se apoiou as Festas do concelho, tais como o tradicional cortejo etnográfico, no qual participam as freguesias do concelho; organizou-se a Feira de Santa Catarina; organizou-se o concurso Vamos Cantar as Janeiras ; incentivaram-se exposições de pintura e outras na Biblioteca Municipal; apoiou-se a organização da festa internacional das camélias; organizou-se a feira do livro; realizaram-se as comemorações do 25 de Abril e proporcionaram-se nas festas de Verão concertos de música. O Município também apoiou Associações que desenvolveram atividades culturais e desportivas, quer com transportes, quer com subsídios. Temos como exemplo os ranchos folclóricos, as camadas jovens do Clube Desportivo Celoricense, Sport Clube Fermilense e Futebol Clube de Gandarela, a Associação de Futsal e de Basket, o Clube Atlético de Codessoso, CBCN - Celorico de Basto Clube de Natação, entre outros. No setor da caça, no seguimento do que se tem feito em anos anteriores, repovoou-se a zona de caça com coelhos e perdizes. Também se deu lugar a atividades tais como a batida à raposa. A rede de abastecimento de água e saneamento também necessitam de permanente manutenção e conservação e de pequenos prolongamentos a locais onde ainda não existem. Em termos de obras, também foi efetuada parte da manutenção e limpeza da rede viária, muros e parques do concelho, executando-se algumas obras novas, mas tendo-se apostado mais na conservação e manutenção das obras existentes. No ano de 2012, em termos de aquisição de terrenos efetuaram-se pagamentos no montante de ,12 euros, de investimentos em construção e reabilitação de edifícios pagou-se a quantia de ,95 euros e em construções diversas ,92 euros. 14 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

16 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO RELATÓRIO FINANCEIRO 15 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

17 III RELATÓRIO FINANCEIRO ANÁLISE ORÇAMENTAL 1. Execução Orçamental Q 1 Execução Orçamental da Receita RECEITAS ORÇ. INICIAL (1) ORÇ. CORRIGIDO (2) ORÇ. EXECUTADO (3) % EXECUÇÃO (3)/(2) CORRENTES , , ,27 85,28% CAPITAL , , ,56 64,26% TOTAL , , ,83 74,17% Q 2 Execução Orçamental da Despesa DESPESAS ORÇ. INICIAL (1) ORÇ. CORRIGIDO (2) ORÇ. EXECUTADO (3) % EXECUÇÃO (3)/(2) CORRENTES , , ,70 85,08% CAPITAL , , ,53 59,23% TOTAL , , ,23 71,41% Podemos constatar que, no ano 2012, a autarquia de Celorico de Basto, teve uma execução global das receitas de 74,17% e das despesas de 71,41%. No que respeita às receitas correntes a execução foi de 85,28% e às despesas correntes de 85,08%. Quanto às receitas de capital a execução foi de 64,26% e a execução das despesas de capital de 59,23%. O desvio na execução, em termos de capital, deveu-se essencialmente à concretização nas transferências do estado, cuja execução ficou em 67,7%. Relativamente ao QREN, após a realização do investimento efetua-se o pedido de pagamento das verbas comparticipadas. Existe um certo período de tempo que medeia entre a elaboração desse 16 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

18 MUNICÍPIO DE CELORICO DE BASTO pedido de pagamento e a receção da verba pelo Município, dado o pedido ido ter que passar pela validação de mais que uma entidade, e existir um prazo para cada uma se pronunciar ou transferir a verba verba. Também, contribuiu para uma redução na taxa de execução orçamental, quer do lado da receita, quer do lado da despesa, o facto de se ter previsto a contração de um empréstimo de curto prazo no montante de ,00 euros, o qual não chegou a ser contraído. 2. Equilíbrio Orçamental Equilíbrio da Execução Orçamental: Receitas/ Despesas RECEITAS DESPESAS 0 CORRENTES CAPITAL Neste ano foi cumprido o princípio do equilíbrio orçamental,, de acordo com o estabelecido na alínea nea e), do ponto Princípios orçamentais, do POCAL, do Decreto-lei n.º 54-A/89 A/89 de 22 de ffevereiro. As verbas incluídas nas rubricas outras receitas foram utilizadas para a execução de despesa corrente, de acordo com a elaboração do orçamento, amento, revisão orçamental e legislação (POCAL). 17 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

19 3. Evolução Global das Receitas e Despesas Q 3 Evolução da Execução Orçamental RECEITAS Evolução (2011)/(2010) Evolução (2012)/(2011) CORRENTES , , ,27 4,91% -1,52% CAPITAL , , ,56 21,79% -44,55% TOTAL , , ,83 14,43% -27,34% Empréstimo Saneamento Financeiro , ,13 0,00 Receitas Deduzidas do Empréstimo de Saneamento Financeiro , , ,83 5,85% -0,11% DESPESAS Evolução (2011)/(2010) Evolução (2012)/(2011) CORRENTES , , ,70 2,25% -10,90% CAPITAL , , ,53 26,75% -45,01% TOTAL , , ,23 14,63% -29,95% Relativamente às receitas correntes houve uma evolução positiva em 2011, em relação a 2010, de 4,91%, devido essencialmente ao aumento das receitas provenientes de impostos, rendimentos de propriedade e vendas de bens e prestação de serviços. As despesas correntes também sofreram um aumento de 2,25%. De 2011 para 2012 verificou-se uma evolução negativa nas receitas correntes de 1,52%, enquanto as despesas correntes tiveram uma redução mais elevada, a qual foi de 10,90%. 18 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

20 Quanto às receitas e despesas de capital verificou-se uma evolução positiva de 2010 para Em 2012 as receitas de capital diminuíram 44,55% e as despesas de capital 45,01%. Esta redução em 2012 deveu-se ao facto de em 2010 e 2011 se ter auferido a receita proveniente do empréstimo de saneamento financeiro. 4. Análise da Receita 4.1 Execução Orçamental das Rubricas da Receita Q 4 Execução Orçamental da Receita por Rubricas CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA RECEITAS CORRENTES ORÇ. CORRIGIDO ORÇ. EXECUTADO GRAU EXECUÇÃO 01-Impostos Diretos , ,17 125,4% 02-Impostos Indiretos , ,57 115,3% 04-Taxas, Multas outras Penalidades , ,31 97,1% 05-Rendimentos de Propriedade , ,83 139,8% 06-Transferências Correntes , ,29 74,5% 07-Venda de Bens e Prest. Serviços , ,43 86,2% 08-Outras Receitas Correntes , ,92 169,5% Total de Receitas Correntes , ,52 85,2% RECEITAS DE CAPITAL 09-Venda de Bens de Investimento , ,83 70,5% 10-Transferências de Capital , ,52 67,7% 11-Activos Financeiros 2.500, ,91 194,4% 12-Passivos Financeiros ,00 0,0% 13-Outras Receitas de Capital 4.000, , ,7% Total de Receitas de Capital , ,56 64,3% 15-Reposições não Abatidas nos Pag , ,70 100,3% 16- Saldo da Gerência Anterior , ,05 100,0% Total de Outras Receitas , ,75 100,0% TOTAL DAS RECEITAS , ,83 74,2% 19 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

21 A taxa de execução do orçamento da receita de 2012 foi de 74,2%. Os valores cobrados atingiram os 85,2% dos valores previstos em orçamento, no que respeita às receitas correntes. Para as receitas de capital, a execução foi de 64,3% e para as outras receitas de 100,0%. De referir que a arrecadação dos impostos superou os valores previstos em orçamento, tal como os rendimentos de propriedade e de outras receitas correntes. As taxas ficaram aquém do previsto, em parte devido à diminuição da entrada de processos de licenciamento de obras, tal como as vendas de bens e serviços e transferências correntes. Quanto às receitas de capital ficaram aquém do previsto. A grave crise financeira verificada ao longo de 2012 condicionou a venda de bens de investimento, tendo-se mesmo assim verificado uma execução de 70,5%. A rubrica com o grau de cumprimento mais baixo, com 67,7%, foi as Transferências de Capital, principalmente ao nível das transferências do QREN. Após a realização do investimento efetua-se o pedido de pagamento das verbas comparticipadas. Existe um certo período de tempo que medeia entre a elaboração desse pedido de pagamento e a receção da verba pelo Município, dado o pedido ter que passar pela validação de mais que uma entidade, e existir um prazo para cada uma se pronunciar até à transferência da verba. Os passivos financeiros tiveram uma execução de 0%, pela não utilização, neste ano, do valor previsto para o empréstimo de curto prazo, no montante de ,00 euros. 20 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

22 4.2 Evolução das Rubricas da Receita Q 5 Evolução da Execução Orçamental da Receita CLASSIFICAÇÃO ECONÓMICA Evolução (2011)/(2010) Evolução (2012)/(2011) RECEITAS CORRENTES 01-Impostos Diretos , , ,17 27,69% 12,08% 02-Impostos Indiretos , , ,57-45,00% 77,67% 04-Taxas, Multas outras Penalidades , , ,31-6,05% 4,90% 05-Rendimentos de Propriedade , , ,83 2,36% 38,90% 06-Transferências Correntes , , ,29-2,51% -5,62% 07-Venda de Bens e Prest. Serviços , , ,43 18,76% -14,75% 08-Outras Receitas Correntes , , ,92 289,95% -32,32% Total de Receitas Correntes , , ,52 4,91% -2,53% RECEITAS DE CAPITAL 09-Venda de Bens de Investimento , , ,83-4,29% -49,74% 10-Transferências de Capital , , ,52 36,14% 5,89% 11-Activos Financeiros 2.125, , ,91 13,04% 102,37% 12-Passivos Financeiros , ,00 0,00 12,08% -100,00% 13-Outras Receitas de Capital 7.000, , ,30 100,00% 819,19% Total de Receitas de Capital , , ,56 21,84% -44,55% 15-Reposições não Abatidas nos Pag ,70 0,00% 100,00% 16- Saldo da Gerência Anterior 5.292, ,05-100,00% 100,00% Total de Outras Receitas 5.292,26 0, ,75-100,00% 100,00% TOTAL DAS RECEITAS , , ,83 14,43% -27,34% Empréstimo Saneamento Financeiro , ,13 0,00 Receitas Deduzidas do Empréstimo de Saneamento Financeiro , , ,83 5,85% -0,11% 21 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

23 Em termos de receita corrente pode-se verificar que de 2010 para 2011 houve um aumento de 4,91% e de 2011 para 2012 houve uma redução de 2,53%. Pode-se observar que as transferências correntes têm vindo a cair ao longo do período em análise, devido à redução do FEF e de outras transferências do Estado. A rubrica das taxas teve um decréscimo de 6,05% em 2011 e um crescimento de 4,90% em A venda de bens e prestação de serviços teve um aumento de 18,76% de 2010 para 2011 e uma redução de 14,75% de 2011 para Os impostos e rendimentos de propriedade têm vindo a ter um crescimento ao longo do período em análise. Quanto à receita de capital verificou-se um aumento de 21,84% de 2010 para 2011 e uma redução de 44,55% de 2011 para Nos anos de 2010 e 2011 houve a entrada de verba respeitante à contração do empréstimo de saneamento financeiro, o que conduziu a receitas excecionais, na rubrica referente a passivos financeiros, nestes anos, o que não se veio a verificar em Se não se tiver em consideração o empréstimo de saneamento em financeiro, em 2011 haveria um aumento da receita de 5,85% e em 2012 uma redução de apenas 0,11%. 22 Relatório de Gestão do Município de Celorico de Basto do ano de 2012

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição:

Em 31 de Dezembro do ano de 2011 e 31 de Dezembro de 2012, estas rubricas tinham a seguinte composição: 8.2 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados As demonstrações financeiras relativas ao exercício de 2012, foram preparadas de acordo com os princípios contabilístico fundamentais previstos no POCAL

Leia mais

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014

Valores estimados PAF. Justificação em PAF (acumulado) 2011 2012 total 2013 2014 QUADRO I: SÍNTESE DA SITUAÇÃO FINANCEIRA ATUAL E PREVISÕES DE EVOLUÇÃO Município: Miranda do Douro 31-12-214 estimados estimados / Apurados / Apurados 213 212 (acumulado) 211 212 total 213 214 Apurados

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO Ponto 8 do POCAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As notas apresenta neste documento correspondem à numeração no POCAL. Aquelas cuja numeração se omite, não são aplicáveis ao

Leia mais

Município de Mesão Frio

Município de Mesão Frio Relatório Anual 2014 Execução do Plano de Saneamento Financeiro (n.º7, do artigo 40.º, da Lei das Finanças Locais) ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 3 2 EMPRÉSTIMO A MÉDIO E LONGO PRAZO 4 3 ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014

DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 DOCUMENTOS Prestação de Contas 2014 VIZELA Câmara Municipal VIZELA INDÍCE MENSAGEM DO PRESIDENTE 1 BALANÇO (PONTO 5 DO POCAL) - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Leia mais

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS

5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 5 Análise Orçamental RELATÓRIO E CONTAS 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2010 2011 RECEITA Crescimento da Receita Total 19,8 3,7 Receitas Correntes / Receita Total 61 67,2 Crescimento das

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL

RELATÓRIO E CONTAS 2010 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 5 ANÁLISE ORÇAMENTAL 1 PRINCIPAIS DESTAQUES [Indicadores] Indicadores 2009 RECEITA Crescimento da Receita Total -18,8 19,8 Receitas Correntes / Receitas Totais 76,1 61 Crescimento das Receitas Correntes

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE ALMEIDA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS DO ANO ECONÓMICO DE 2010 APROVAÇÕES CÂMARA ASSEMBLEIA MUNICIPAL Em / / 2011 Em / / 2011 M U N I C Í P I O D E A L M E I DA 6350-130 Almeida Tef: 271570020 /

Leia mais

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Nota introdutória As demonstrações financeiras relativas ao exercício, foram preparadas de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites previstos

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014 Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 Sessão da Assembleia Municipal de 22/06/2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO... 6 3. MÉTODO DE CONSOLIDAÇÃO...

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados (ponto 8.2 e 8.3 do Dec-Lei 54-A/99 de 22 de fevereiro) 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais e devidamente fundamentados

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS As notas apresentadas neste documento, estão conforme o preconizado no art.º 46º da Lei n.º 2/2007, de 15 de janeiro,

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8

R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 R E L A T Ó R I O E C O N T A D E G E R Ê N C I A 2 0 0 8 índice Índice (numeração conforme a indicação no POCAL) índice... 2 5 - Balanço... 3 6 Demonstração de Resultados... 9 7 Mapas de Execução Orçamental...

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. (Ponto 8.2. do POCAL)

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados. (Ponto 8.2. do POCAL) Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados (Ponto 8.2. do POCAL) 1. O Balanço e a Demonstração de Resultados foram elaborados de acordo com os Princípios Contabilísticos definidos no Plano Oficial

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Conforme preceitua o Decreto Lei n.º 54-A/99 de 22 de Fevereiro, com as devidas alterações, os anexos às Demonstrações Financeiras visam facultar aos órgãos autárquicos

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã 2. Notas ao Balanço e Demonstrações de Resultados 2.1 - As contas do município derrogaram o ponto 2.8.3 do POCAL que institui a obrigatoriedade da utilização da contabilidade de custos. Tal facto ficou

Leia mais

DIVISÃO DE GESTÃO FINANCEIRA E PATRIMONIAL ORÇAMENTO. (Transposto 2014)

DIVISÃO DE GESTÃO FINANCEIRA E PATRIMONIAL ORÇAMENTO. (Transposto 2014) ORÇAMENTO 2015 (Transposto 2014) A presente proposta de Orçamento foi elaborada no respeito pelas regras previsionais constantes no ponto 3.3 do POCAL (Plano Oficial das Autarquias Locais), aprovado pelo

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados

13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados 13 Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Câmara Municipal de Cascais 31-12-2011 Divisão de Contabilidade e Gestão de Disponibilidades DMAS/DGF Cascais, Fevereiro de 2012 Nota Introdutória As

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE MUNICÍPIO DE GUIMARÃES GERÊNCIA 1 DE JANEIRO A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados

8.2.1 Disposições do POCAL derrogadas e seus efeitos no Balanço e Demonstração de Resultados 8.2 O Balanço e a Demonstração de Resultados encontram-se elaborados de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL) e demais legislação

Leia mais

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2. NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos

Leia mais

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção.

O Activo Imobilizado e aumentos patrimoniais contabilizados no exercício de 2012 foram valorizados ao custo de aquisição ou produção. 8 ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS (Mapa n.º 13 do Tribunal de Contas Código Pocal 8.2) 82.1 Indicação e justificação de disposições do POCAL derrogadas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães

Freguesia de Tabuadelo e São Faustino. Concelho de Guimarães Freguesia de Tabuadelo e São Faustino Concelho de Guimarães Relatório de Gerência de Contas e Relatório de Actividades Ano de 2013 Índice: Introdução:... 3 Analise Económica e Financeira... 5 Execução

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução

1. Do Plano Plurianual de Investimentos. 1.1.- Introdução Página 1 de 16 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1.- Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de Gerência relativa ao ano de 2006, elaborada

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS MANUAL DE APOIO AOS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS A prestação de contas é matéria que deve respeitar o quadro normativo em vigor actualmente (consultar nota final deste manual). No POCAL Simplificado,

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 7.946.571,02 Execução Orçamental 5.519.930,76 Operações de Tesouraria 2.426.640,26 das Receitas Orçamentais 58.322.634,95 Receitas Correntes 55.610.658,97 01 Impostos

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

Quadro 1. Execução do Plano

Quadro 1. Execução do Plano Município de Condeixa-a-Nova - Relatório de Gestão 2008 1. Do Plano Plurianual de Investimentos 1.1. Introdução Pretende-se com o presente relatório complementar os documentos que constituem a Conta de

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

Ano financeiro de 2014

Ano financeiro de 2014 9. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 9.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais

Síntese Execução Orçamental

Síntese Execução Orçamental 2013 janeiro Síntese Execução Orçamental Glossário Ministério das Finanças Glossário A Ativos financeiros (receita) Receitas provenientes da venda e amortização de títulos de crédito, designadamente obrigações

Leia mais

Relatório Semestral de Acompanhamento do Plano Financeiro

Relatório Semestral de Acompanhamento do Plano Financeiro Relatório Semestral de Acompanhamento do 2º Semestre 2010 Índice 1. Introdução 3 2. Plano de Pagamentos 4 3. Receita 5 4. Despesa 6 5. Endividamento Líquido e Endividamento de Médio e Longo Prazo 7 7.

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo;

PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 O Órgão Executivo; O Órgão Deliberativo; PRESTAÇÃO DE CONTAS 2007 Junto se remetem os Documentos de Prestação de Contas referentes à Gerência de 2007, organizados em conformidade com o POCAL e de acordo com a Resolução n.º 04/2001 2.ª Secção,

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE

DESIGNAÇÃO DA ENTIDADE ANEXO 1 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Nº DESIGNAÇÃO CÓDIGO POCAL 1 Balanço 5 2 Demonstração de resultados 6 3 Plano plurianual de investimentos - aprovado por deliberação de 3/12/2009 7.1 4 Orçamento

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010 Introdução As Notas que se seguem respeitam a numeração definida no Plano Oficial de Contabilidade para as Federações Desportivas, Associações

Leia mais

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS

RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS 2014 1 Nome: SEDE: Rua Infante D. Henrique - Beja NIF: 500875030 Instituição Particular de Solidariedade Social RELATÓRIO DA GESTÃO, BALANÇO E CONTAS Índice RELATÓRIO DE GESTÃO... 3 2 BALANÇO EM 31 DE

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

I - Considerações Gerais

I - Considerações Gerais I - Considerações Gerais Os documentos de prestação de contas relativos ao ano de 2013 foram elaborados de harmonia com o preceituado na Lei, sujeitos a processos de certificação por parte do Revisor Oficial

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS

MUNICÍPIO DE MATOSINHOS 1. INTRODUÇÃO Nos últimos anos tem-se assistido, em Portugal, a uma alteração de paradigma ao nível do desenvolvimento das atribuições e competências dos municípios, que, numa lógica de grupo municipal,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS Introdução Os Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa são uma associação de direito privado, sem fins lucrativos, constituída por escritura pública

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS

FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADOS CÂMARA MUNICIPAL DO / SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE TRANSPORTES COLECTIVOS DO RECEBIMENTOS Saldo da gerência anterior 2.363.424,49 Execução Orçamental 1.404.990,71 Operações de Tesouraria 958.433,78 Total

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANO : 2012 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S

F L U X O S D E C A I X A ANO 2013 ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S ENTIDADE MVN MUNICIPIO DE VENDAS NOVAS Pág. 1 PERÍODO JANEIRO A DEZEMBRO - 2013/12/31 R E C E B I M E N T O S SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR... 213.697,03 EXECUÇÃO ORÇAMENTAL... 67.235,92 OPERAÇÕES DE TESOURARIA...

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

Orçamento 2010. Município de Murça

Orçamento 2010. Município de Murça Orçamento 2010 Município de Murça ÍNDICE DOCUMENTOS PREVISIONAIS 4 INTRODUÇÃO 5 1- ORÇAMENTO DE 2010 6 2- RECEITA 7 2.1- RECEITA CORRENTE 8 2.2- RECEITA DE CAPITAL 9 3- DESPESA 9 3.1- DESPESA CORRENTE

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Relatório de Inventário & Cadastro Patrimonial

Relatório de Inventário & Cadastro Patrimonial Relatório de Inventário & Cadastro Patrimonial Exercício 2 0 1 3 Uma adequada gestão do património municipal é o ponto de partida para que de forma clara se providencie e planeie, sustentadamente, as atividades

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da entidade A (FPPM), fundada em 19 de Dezembro de 1949, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I e principais demonstrações financeiras A Contabilidade Noção e objecto Relembremos a noção de contabilidade anteriormente apresentada: Reconhecimento ou Expressão Mensuração

Leia mais

Fluxos de Caixa. Recebimentos

Fluxos de Caixa. Recebimentos Recebimentos Saldo da Gerência Anterior 1.348.952,41 Total das Receitas Orçamentais Execução Orçamental 1.034.500,26 Operações de Tesouraria 314.452,15 16.035.427,63 Receitas Correntes 11.478.511,35 01

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO

Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários da Batalha Relatório e Contas 2013 ANEXO ANEXO 13 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Concelho da Batalha, PCUP 1.2 Sede: Batalha 2440-117 Batalha 1.3 - Natureza da actividade:

Leia mais

08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 1 RELATÓRIO DE GESTÃO 08.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As notas que se seguem respeitam a numeração sequencial definida no POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais.

Leia mais

MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013

MUNICÍPIO DE VISEU. Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013 MUNICÍPIO DE VISEU Prestação de Contas Consolidadas 31 de Dezembro de 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO O Município de Viseu apresenta as demonstrações financeiras consolidadas,

Leia mais

6 RELATÓRIO E CONTAS 2012 7 10 11 12 13 14 15 16 17 18 Nº Mulheres 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 N = 53 Masculino Feminino 29 A SITUAÇÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA ANOS PROCURA INTERNA 1 EXPORTAÇÕES (FOB)

Leia mais