RELATÓRIO E CONTAS 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO E CONTAS 2010"

Transcrição

1

2

3

4 21 RELATÓRIO E CONTAS

5

6 ÍNDICE 1. MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA ÓRGÃOS SOCIAIS QUADROS DIRECTIVOS 2. PRINCIPAIS INDICADORES DE ACTIVIDADE E RESULTADOS 3. AMBIENTE MACROECONÓMICO 3.1 ECONOMIA MUNDIAL 3.2 ECONOMIA NACIONAL 3.3 PERSPECTIVA PARA MODELO DE GOVERNAÇÃO E FISCALIZAÇÃO SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL, AMBIENTAL E CULTURAL RECONHECIMENTO INTERNACIONAL 6. LINHAS ESTRATÉGICAS DE ACTUAÇÃO DO BESA 6.1 EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE 6.2 BASE DE ACTUAÇÃO COMERCIAL 6.3 ACTIVIDADES DE CONTROLO INTERNO DA GESTÃO E MITIGAÇÃO DE RISCO 6.4 OUTRAS ACTIVIDADES DE GESTÃO 6.5 ACTIVIDADE E RESULTADOS DO BESA 6.6 NÍVEIS DE FUNCIONAMENTO 6.7 PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS 7. APROVAÇÃO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO 8. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS BALANÇO PATRIMONIAL À DATA DE 31 DE DEZEMBRO DE 21 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 21 DEMONSTRAÇÃO DE MUTAÇÃO DE FUNDOS PRÓPRIOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 21 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 21 ANEXO ÀS CONTAS NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL RELATIVO AO ANO DE

7 21RELATÓRIO E CONTAS

8 1 MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA

9

10 ÁLVARO SOBRINHO 1 MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA robustez da procura interna, por contrapartida da degradação dos principais mercados de exportação, e (ii) as potências ocidentais, encabeçadas pelos Estados Unidos da América (USA) e União Europeia (EU), cujas economias são essencialmente de mercado, com forte exposição aos mercados internacionais e com um elevado grau de dependência destes, que viveram impactos económicos e sociais adversos e devastadores resultantes da crise mundial, colocando em causa o próprio modelo económico em que estas economias assentavam. A intervenção do Estado foi, nestes casos, crítica para evitar descalabros ainda maiores, tendose assistido a medidas inéditas como resgates e nacionalizações de grandes instituições financeiras. Senhores Accionistas, O ano de 21 foi de recuperação da economia mundial, depois dos dois últimos anos terem sido marcados por uma depressão económica sem precedentes. Assistiuse a um empenhamento à escala mundial na busca de soluções para a crise, que nalguns casos, desencadearam uma intervenção massiva de carácter fiscal e monetário nas respectivas economias, com o objectivo de alavancar o crescimento e restaurar a confiança dos mercados. A forma como as economias estavam estruturadas, e o seu grau de exposição aos mercados internacionais, foram determinantes no combate à crise financeira, económica, de confiança, de liquidez e orçamental (crise mundial), cujos impactos se fizeram sentir diferenciadamente de país para país. Podese assim dizer que o crescimento da economia global em 21 foi feito a dois ritmos, (i) para as potências emergentes, tais como China, Índia e Brasil, os efeitos da crise mundial foram limitados, com a actividade económica a ser suportada por uma Nos países periféricos da Zona Euro, Grécia, Irlanda, Espanha e Portugal, assistiuse a uma grande instabilidade financeira derivada da subida generalizada dos défices orçamentais em 21. O risco de incumprimento da dívida soberana destes países agravouse consideravelmente, o que levou a sucessivas reduções dos ratings dos respectivos países e sistemas financeiros. Neste ambiente extremamente adverso, a cedência de liquidez por parte do Banco Central Europeu foi fundamental para colmatar a inacessibilidade dos bancos dos países periféricos da Zona Euro aos mercados de dívida. Em Angola, o ano de 21 iniciouse sob um clima de grande incerteza quanto à capacidade de retoma dos níveis de crescimento sustentado, após o ano de forte desaceleração de crescimento do PIB que se viveu em 29, devido à ainda grande dependência do país, como economia importadora e monoexportadora que Angola é, dos mercados internacionais das commodities, nomeadamente do preço do petróleo, uma vez que as contas públicas estão ainda muito condicionadas pelo nível de receitas fiscais oriundas do mesmo. Adicionalmente, o Estado angolano, principal gerador de liquidez na economia, firmou um Stand BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 9

11 1MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 1 By Agreement com o Fundo Monetário Internacional, cujas contrapartidas incluíram um conjunto de objectivos macroeconómicos e administrativos, que visam, entre outros, o decréscimo da taxa de inflação, a estabilização do kwanza face ao dólar norteamericano, o aumento das Reservas internacionais líquidas e a implementação de ferramentas e boas práticas na gestão de dívida pública. A retoma e aceleração do crescimento do PIB em cerca de 5%, que a economia doméstica registou durante 21, permitiu mitigar parcialmente o liquidity squeeze vivido em 29. Durante o mês de Maio de 21, a República de Angola submeteuse ao processo de rating por parte das três principais agências internacionais, tendo obtido uma notação de B+ com outlook positivo por parte da Standard & Poor s e da Fitch e uma notação de B1, também com outlook positivo, por parte da Moody s. Foi nesta conjuntura que o BESA completou os seus nove anos de actuação no sector financeiro angolano, onde sempre se posicionou e destacou como um Banco universal prestador de serviços de excelência a segmentos target específicos, sendo de destacar a actividade de trade finance na área corporate e a de private banking na área de afluentes/particulares. Este posicionamento faz parte de uma estratégia, previamente definida e que tem vindo a ser consistentemente seguida, com alguns ajustamentos derivados de factores exógenos, como sejam as diferentes conjunturas macroeconómicas, e que tem permitido ao Banco conseguir uma posição de relevo no sistema financeiro angolano apesar de ter uma das menores redes comerciais e uma relativa pequena base de clientes, quando comparado com os outros principais bancos a actuar em Angola. Assim, em 21, o BESA continuou a sua trajectória empreendedora e inovadora no sistema financeiro angolano, e deu importantes passos de consolidação da sua estratégia de expansão para outras áreas de negócio, o que lhe permitirá afirmarse como Grupo Financeiro multiespecialista, alargando a sua oferta de produtos. As BESAACTIF Sociedade Gestora de Fundos de Investimento e de Fundos de Pensões, participadas do BESA, têm já em comercialização dois fundos, o BESA Património Fundo de Investimento Imobiliário e o BESA Opções de Reforma Fundo de Pensões, respectivamente. Adicionalmente, para além de um segundo Fundo Imobiliário em constituição, estão em processo de licenciamento um banco de investimento, uma sociedade de leasing, uma sociedade de factoring e uma sociedade corretora. O ano de 21 ficará ainda marcado pela primeira publicação do Relatório de Sustentabilidade do Banco, relativo ao trabalho desenvolvido até 29 nessa área e que será continuado e expandido no futuro. O BESA registou em 21, a sua melhor performance de sempre desde o arranque da sua actividade, há quase uma década, num ambiente de retoma nacional e de condições muito adversas a nível internacional. Assim, entre todos os bancos a operar em Angola, o BESA atingiu agora o segundo lugar em termos de volume de activos sob gestão (USD milhões, representando um crescimento homólogo de 23%) e o primeiro lugar em termos de resultado líquido do exercício (USD 331 milhões, representando um crescimento homólogo de 57%). Ainda em 21, o BESA apoiou fortemente os agentes económicos, nomeadamente os que fazem parte da base de clientes e/ou estão abrangidos pelo seu target, tendo o crédito concedido ascendido a USD milhões, representando um acréscimo de 55% em termos homólogos. Num contexto de fraca liquidez no mercado nacional, a Gestão do Banco diversificou as fontes de funding, tendo alavancado o balanço em 131%, representando um acréscimo de 36% em termos homólogos. Adicionalmente, em 21 o Banco melhorou significativamente o seu rácio de eficiência que se situou em 21%, representando uma melhoria

12 de 6 pontos percentuais na performance. 1 MENSAGEM DO PRESIDENTE DA COMISSÃO EXECUTIVA Em 211, independentemente da evolução da situação económica internacional e do respectivo impacto na economia Angolana, o BESA manterseá fiel à estratégia delineada e princípios fundamentais, continuando a promover o desenvolvimento de relações comerciais de mútuo valor acrescentado e contribuindo para a reconstrução nacional em curso. O BESA cria valor há quase uma década e o compromisso de toda a equipa é o de continuar a trabalhar com a mesma determinação, seriedade e empenhamento no futuro. Gostaríamos de deixar, em meu nome e em nome de toda a Comissão Executiva, uma palavra especial de agradecimento aos Colaboradores, pelo empenho, esforço e dedicação manifestados em mais um ano de actividade desenvolvida em condições especialmente adversas. Aos Accionistas e Clientes, agradecemos a confiança manifestada. Para terminar, agradecemos a confiança e manifestamos o nosso reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pelas Autoridades Monetárias, de Supervisão e pelo Conselho Fiscal. Álvaro Sobrinho BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 11

13 SOCIAIS 1ÓRGÃOS Órgãos Sociais Os Órgãos Sociais do BESA, tendo em conta o seu estatuto de Sociedade Anónima, são eleitos em Assembleia Geral e desenvolvem a sua actividade na Sede Social do Banco. A sua composição é a seguinte: tendo posteriormente feito uma PósGraduação em Ciências Actuariais. A sua entrada no mercado de trabalho foi na Seguradora Mundial Confiança. Mais tarde integrou o Grupo Banco Espírito Santo onde está há já 2 anos. Exerce o cargo de CEO do BESA desde a data da sua constituição. Administradores Executivos BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 12 ASSEMBLEIA GERAL Presidente Domingos António Monteiro VicePresidente Helder Nuno da Costa Fernandes Secretário Nuno Maria Spencer Araújo Moura Coutinho CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente Ricardo Abecassis Espírito Santo Silva VicePresidente Álvaro de Oliveira Madaleno Sobrinho Vogais Hélder José Bataglia dos Santos Ilídio Domingos das Matas Santos José Octávio Serra VanDúnem Zandre Eudénio de Campos Finda Pedro Ferreira Neto Rui Manuel Fernandes Pires Guerra COMISSÃO EXECUTIVA Presidente Álvaro de Oliveira Madaleno Sobrinho Nascido em 19 de Junho de 1962, é natural de Luanda, tendo feito o seu percurso académico superior em Portugal, onde se licenciou em Matemática na Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade Nova de Lisboa, Hélder José Bataglia dos Santos Nascido em 25 de Janeiro de 1947, iniciou a sua actividade profissional em Angola, onde viveu parte significativa da sua vida. Juntouse ao Grupo Espírito Santo em 1992 onde criou a ESCOM, empresa inicialmente vocacionada para os mercados emergentes em países africanos e do leste europeu, que se veio a tornar no maior investidor de Portugal em Angola. Sócio fundador da ONG Apoiar África, membro do American Club of Lisbon e da Direcção da ELO (Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Económico e Cooperação). É Comendador de Portugal e Oficial da República do Congo, tendo sido condecorado com a Ordem do Infante D. Henrique e com a Ordem de Mérito da República do Congo, respectivamente. É Administrador Executivo do BESA desde a data de início da sua actividade. Ilídio Domingos das Matas Santos Nascido em 27 de Fevereiro de 1954, é natural dos Açores, tendo feito parte significativa da sua formação académica em Portugal, nomeadamente na Universidade dos Açores, onde concluiu a licenciatura em Organização e Gestão de Empresas. Efectuou ainda uma Pós Graduação em Gestão Bancária no ISEG, em Lisboa. A sua entrada no mercado de trabalho foi no Banco Comercial de Angola em 1975, tendo integrado mais tarde o Espírito Santo

14 Financial Group, onde a sua ligação conta já com 2 anos. Actualmente exerce o cargo de Administrador Executivo do BESA, posição que ocupa desde ÓRGÃOS SOCIAIS José Octávio Serra VanDúnem Nascido em 3 de Agosto de 1962 em Luanda, é licenciado em Filosofia (1988), com uma PósGraduação em Ciências da Educação pela Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa (UCP) (1989) e outra em Alta Direcção de Empresas (PADE) pela Escola de Direcção e Negócios (AESE). Mestre (1998) e Doutor em Ciências Humanas: Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ) (23). Professor e Pesquisador Sénior da Universidade Agostinho Neto e da Universidade Católica de Angola, Professor e Pesquisador convidado de várias Universidades estrangeiras nomeadamente em Portugal, Brasil e França. Consultor de Empresas para as áreas de Recursos Humanos e Responsabilidade Social. CONSELHO FISCAL Presidente Carlos dos Santos Moita Vogal Francisco Machado da Cruz Suplente KPMG Angola Audit, Tax, Advisory, SA BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 13

15 DIRECTIVOS 1QUADROS BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 14 Quadros Directivos DIRECÇÃO DE APROVISIONAMENTOS E INSTALAÇÕES DIRECTOR COORDENADOR Paulo Silveira SUBDIRECTORES Ânia Rosa Artur Figueiredo DIRECÇÃO DE AUDITORIA INTERNA DIRECTOR Luís Farófia SUBDIRECTOR Manuel Patrício Silvestre DIRECÇÃO DE CONTABILIDADE E CONTROLO ORÇAMENTAL DIRECTOR COORDENADOR Luís Silva DIRECTORA ADJUNTA Denise Henriques DIRECÇÃO COMERCIAL REDES DIRECTORA COORDENADORA Lígia Madaleno DIRECTORA ADJUNTA Anabela Teixeira SUBDIRECTORES Anselmo Lisboa Elisa Baptista DIRECÇÃO COMERCIAL EMPRESAS DIRECTOR Manuel Matias SUBDIRECTOR João Pedro de Sousa DIRECÇÃO COMERCIAL GRUPO BES DIRECTOR ADJUNTO Carlos Colaço DIRECÇÃO DE CONTROLO INTERNO ASSESSOR DA ADMINISTRAÇÃO Henrique Resina GABINETE DE COMPLIANCE CHIEF COMPLIANCE OFFICER Henrique Resina DIRECÇÃO FINANCEIRA E DE MERCADOS DIRECTOR ADJUNTO Daniel Katata DIRECÇÃO DE INFORMÁTICA DIRECTOR COORDENADOR Aires Trindade SUBDIRECTORES Luis Bragança Paulo Daniel DIRECÇÃO JURÍDICA DIRECTOR COORDENADOR António Monteiro SUBDIRECTOR Helder Fernandes DIRECÇÃO DE MARKETING E COMUNICAÇÃO DIRECTORA COORDENADORA Leonor de Sá Machado DIRECTOR ADJUNTO Tiago Pereira DIRECÇÃO DE CARTÕES E CANAIS DIRECTOS DIRECTORA COORDENADORA Leonor de Sá Machado SUBDIRECTORA Silvia Fraga

16 DIRECÇÃO DE ORGANIZAÇÃO DIRECTOR COORDENADOR Luís Victor SUBDIRECTOR Nuno Santos 1 QUADROS DIRECTIVOS DIRECÇÃO DE OPERAÇÕES DIRECTORA COORDENADORA Katila Santos DIRECTORAS ADJUNTAS Deolinda Morais Júlia Couchinho SUBDIRECTORA Diana Cunha DIRECÇÃO DE RECURSOS HUMANOS DIRECTORA COORDENADORA Senda Ramos SUBDIRECTORES Ana Paula Bessa Artur Santos DIRECÇÃO DE SEGURANÇA DIRECTOR António Pereira DIRECÇÃO DE RISCO E CONTROLO DE CRÉDITO GROUP CHIEF RISK OFFICER João Moita SUBDIRECTOR Cláudio Madaleno GABINETE DE BANCA DE INVESTIMENTO DIRECTOR Manuel da Silva Reis SUBDIRECTORA Alice Martins de Figueiredo Isaura Pinto BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 15

17 21RELATÓRIO E CONTAS

18 2 PRINCIPAIS INDICADORES DE ACTIVIDADE E RESULTADOS

19

20 Actividade 2 PRINCIPAIS INDICADORES DE ACTIVIDADE E RESULTADOS em milhares de USD, excepto quando indicado Variação Activo líquido Activo líquido médio (i) Activos financeiros Crédito a clientes Bruto Provisões Títulos e valores mobiliários Passivos financeiros Depósitos de clientes Fundos próprios % 25% 6% 54% 55% 95% 6% 19% 14% 79% Produto bancário Custos operativos Resultado líquido Fluxos de caixa % 14% 57% 215% Rácio de transformação 131,2% 96,6% 36% Funcionamento Activo por colaborador Produto bancário por colaborador Número de agências/postos Número de colaboradores Número de colaboradores por agência/postos Produtividade Costtoincome Rendibilidade Resultado líquido/capitais próprios (ROE) (sobre valores médios) (i) Resultado líquido/activo líquido (ROA) (sobre valores médios) (i) Solvabilidade Rácio de solvabilidade (TIER I) (ii) Rácio de solvabilidade (TIER I + II) (ii) ,2% 88,1% 4,9% 15,4% 16,8% ,9% 86,9% 3,9% 12,% 13,2% (i) devido à alteração do referencial de preparação de contas, não há séries históricas que permitam calcular estes indicadores. Assim, os valores apresentados foram calculados com os dados das contas preparadas para efeitos de consolidação no Grupo BES (IAS), que não diferem significativamente das contas preparadas em conformidade com o CONTIF. Os Fundos próprios e o resultado líquido do exercício são iguais em ambos os frameworks de preparação de contas. (ii) à data do Balanço ainda não estão publicadas as alterações das normas de apuramento do rácio de solvabilidade decorrentes da entrada em vigor do CONTIF. Assim, os valores da exposição utilizados para o cálculo foram apurados segundo as regras Basileia II e os Fundos próprios elegíveis estão reconciliados entre as regras IAS e as regras Basileia II. 9% 29% 16% 13% 3% 21% 1% 25% 28% 28% BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 19

21 21RELATÓRIO E CONTAS

22 3 AMBIENTE MACROECONÓMICO

23

24 Economia Mundial O ano de 21 foi de recuperação da economia mundial, depois dos dois últimos anos terem sido marcados por uma depressão económica sem precedentes. Assistiuse a um engajamento das nações à escala mundial na busca de soluções para a crise, desencadeando uma intervenção massiva dos governos e de entidades supranacionais, adoptando medidas de carácter fiscal e monetário, que visavam alavancar o crescimento e restaurar a confiança dos mercados. As principais potências económicas mundiais viramse obrigadas a injectar um considerável volume de liquidez no mercado e assumir uma política fiscal expansionista para atingir tal propósito. A forma como as economias estavam estruturadas e o seu grau de exposição aos mercados internacionais, têm sido determinantes no combate à crise financeira, económica, de confiança, de liquidez e orçamental (crise mundial), cujos impactos se fizeram sentir diferenciadamente de país para país. A capacidade de adaptação de cada uma das economias a uma nova realidade financeira internacional tem sido um factor crítico para a recuperação económica, assegurando a capacidade de geração de riqueza de forma sustentada. As potências ocidentais, encabeçadas pelos Estados Unidos da América (USA) e União Europeia (EU), cujas economias são essencialmente de mercado, com forte exposição aos mercados internacionais e com um elevado grau de dependência destes, tiveram efeitos económicos e sociais devastadores resultantes da crise mundial, colocando em causa o próprio modelo económico em que estas economias assentavam. A intervenção do Estado foi, nestes casos, crítica para evitar descalabros ainda maiores, tendose assistido a medidas inéditas como resgates e nacionalizações de grandes instituições financeiras. 3 AMBIENTE MACROECONÓMICO De uma maneira geral, o combate à crise mundial iniciada em 27/8 teve por base a intervenção e concertação dos Estados nas respectivas economias à dimensão global, o que culminou num esforço financeiro excepcional que em muitos casos condicionou a própria capacidade de endividamento. Este esforço financeiro foi repartido por despesas de consumo corrente e para propósitos de responsabilidade social, de forma a estimular consumo público e privado, e para investimento púbico, numa lógica keynesiana de fomento da economia através da dinamização da procura, facto que agravou o défice público e o nível de endividamento. Por outro lado, no que respeita às potências emergentes, tais como China, Índia e Brasil, os efeitos da crise mundial foram limitados, com a actividade económica a ser suportada por uma robustez da procura interna, por contrapartida da degradação dos principais mercados de exportação. As elevadas taxas de poupança contribuíram também para combater os desequilíbrios nas suas economias com menos sobrecarga para a máquina fiscal. Dado este enquadramento, 21 revelouse um ano em que o crescimento da economia global foi feito a dois ritmos: as economias desenvolvidas apresentaram um crescimento marcadamente mais lento, resultado dos desequilíbrios estruturais que têm condicionado a sua performance. Os USA têm privilegiado medidas que possibilitem um crescimento robusto que possa atenuar o crescimento do desemprego e revitalize o sector imobiliário que tarda a recuperar. Apesar do elevado nível de endividamento público, aquele país tem tido uma maior folga para manter programas de estímulo ao crescimento adoptados no auge da crise. Já os países da UE optaram por uma alteração do sentido da sua política económica para combater os excessivos défices públicos. Apesar da Alemanha, enquanto motor da economia europeia, estar já a apre BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 23

25 MACROECONÓMICO 3AMBIENTE BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 24 sentar uma trajectória positiva de crescimento em 21, o grande esforço financeiro despendido no combate à crise mundial, em especial pelos países da chamada Zona Euro, tem revelado fragilidades como consequência do agravamento da crise orçamental e de endividamento. A dificuldade na captação de financiamento externo por parte destas economias levou em 21 à adopção de rigorosos planos de austeridade e, nos casos mais extremos, ao recurso a ajuda externa através do Fundo Europeu de Estabilização Financeira e do Fundo Monetário Europeu casos da Grécia e da Irlanda. A denominada crise dos soberanos, que se faz sentir com forte impacto nas economias periféricas da EU, poderão conduzir a ajustamentos que se traduzirão em fortes condicionalismos no crescimento da actividade económica desses países nos próximos anos. no que respeita às economias emergentes, estas apresentaram em 21 um nível de crescimento robusto, atraindo consideráveis fluxos de capital que resultaram do clima de crescente confiança no desempenho destas economias, assumindose como alternativa às debilidades e fraco crescimento das economias mais desenvolvidas. No entanto, em países como a China e Brasil, poderá aumentar o risco de sobreaquecimento e inflação, o que justifica a adopção da opção de políticas monetárias restritivas. A actividade económica global cresceu a uma taxa de 5% em 21, consolidando a performance económica trazida da segunda metade de 29, período a partir do qual os sinais de recuperação, essencialmente resultantes das medidas excepcionais fiscais e monetárias se reflectiram na melhoria do nível de confiança dos agentes económicos, num cenário de crescimento em que as economias emergentes mantiveram a sua performance, tendo contribuído com 7,1% do crescimento da economia global, contra os 3% de crescimento alcançados pelas economias desenvolvidas. GLOBAL Crescimento Real do PIB (economia global) (%) P Econ. Avançadas Econ. Emergentes 5,2 3, 8,2 5,3 2,7 8,7 Neste conjunto dos emergentes continua a destacar se a China e a Índia com um crescimento do PIB de 1,3% e 9,7% em 21, respectivamente, dissipando todas as dúvidas quanto à sua liderança no processo de recuperação global. Os USA, depois de um período de recessão que atingiu um decréscimo do PIB de 2,6% em 29, têm revelado um progresso notável ao nível da sua economia, evidenciado pelos indicadores de actividade económica trimestrais ao longo de 21, e culminou num crescimento anual do produto que atingiu os 2,8%. Já os países da Zona Euro tiveram um desempenho menos vigoroso quando comparado com outros poderosos blocos económicos, mas que mesmo assim não deixa de ser positivo face ao moderado desempenho esperado, condicionado por um nível elevado de desemprego e a crise de endividamento que gera constantemente um stress financeiro nos países chamados periféricos da Zona Euro, e que por isso geram inquietação no seio dos mercados quanto a sustentabilidade da dívida pública e a solvabilidade do sistema bancário. Mesmo assim, o maior bloco de integração económica registou em 21 um crescimento do PIB de 1,8%, contra os 4,1% registados em 29, tendo a Alemanha e a França contribuído com crescimentos de 3,6% e 1,6%, respectivamente. 2,8,2 6,,6 3,4 2,6 5, 3, 7,1 4,4 2,5 6,5 Fonte: FMI

26 Crescimento Real do PIB nas Principais Economias (%) P 3 AMBIENTE MACROECONÓMICO, EUA Zona Euro Reino Unido China India Brasil 9,6 1,3 9,2 9,6 9,7 8,4 7,3 7,5 5,7 5,2 2,8 3,1 1,7 1,6 1,7 2,,4,7,6 2,6 4,1 4,9 4,5 Fonte: Bloomberg (28); FMI (29 a 211) Os factores de pressão sobre os preços fizeram se sentir com maior intensidade em 21 quando comparados a 29, como resultado da evolução positiva do clima económico. A recuperação das principais potências económicas do mundo e a boa performance das economias emergentes aumentou Taxa Média Anual de Inflação nas Principais Economias 6, 4,5 3, 1,5 1,5 Fonte: Bloomberg (24 a 211) a pressão sobre os preços das commodities que por sua vez influenciaram o nível geral de preços nas economias, renovando as preocupações dos responsáveis de política monetária quanto aos efeitos adversos duma política monetária expansionista sobre a estabilidade dos preços. EUA Zona Euro China Reino Unido Pr BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 25

27 MACROECONÓMICO 3AMBIENTE BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 26 Os países responderam de forma diferente ao cenário de subida de inflação vivido em 21, não só em função da conjuntura de preços das respectivas economias mas essencialmente como resultado da performance do crescimento desses países. Nas economias ocidentais, foi preciso garantir o necessário equilíbrio entre o arrefecimento dos preços e a frágil recuperação dessas economias. O Banco Central Europeu (BCE) e a Reserva Federal NorteAmericana (Fed) mantiveram posturas diferentes na condução da sua política monetária e na abordagem dos seus problemas financeiros e monetários. O Fed, gozando de uma maior autonomia, direccionou os seus instrumentos monetários no sentido de garantir a continuidade dos programas de estímulo à economia, incluindo a assistência de liquidez ao mercado através do sistema bancário. O BCE, muito dependente da correlação de força dos Estados Membros da Zona Euro, concentrou grande parte dos seus esforços no sentido de garantir a sobrevivência e a solvabilidade do sistema financeiro europeu. O BCE intensificou os programas de facilidade de liquidez aos bancos europeus e tem contribuído, não só para o esforço Taxas de Juro dos Bancos Centrais (%) 8, 6, 4, 2, de recuperação do sistema monetário europeu, mas também para garantir a necessária liquidez aos países de periferia que têm encontrado fortes dificuldades em se financiar nos mercados internacionais. Tanto o Fed como o BCE apostaram na manutenção das taxas de juro de referência ao nível mais baixo de sempre, isto é 1% para o BCE e um intervalo entre e,25% para o Fed, tendência trazida de 29, dando primazia ao crescimento económico e à criação de emprego. No que toca às economias emergentes, foi mais visível a postura de maior contracção relativa em termos de política monetária, pelo que se assistiu já a uma tendência de subida das taxas centrais. Por exemplo, o Banco Central da China (PBC), ao longo de 21, aumentou o rácio das reservas obrigatórias em 5pb, fixandoo em 19% para os maiores bancos comerciais, o nível mais alto de sempre, além de adoptar várias medidas discricionárias contra práticas especulativas no mercado imobiliário. E, o mais importante, pelo menos em duas ocasiões, subiu as principais taxas de juro em 25 pontos base, isto é, a taxa de remuneração dos depósitos e dos empréstimos praticada pelo PBC, fechando o ano com 2,75% e 5,81% respectivamente. EUA Zona Euro China Reino Unido Fonte: Bloomberg (24 a 211)

28 Em termos globais, o desempenho dos mercados accionistas foi condicionado, não só pela performance dos resultados das empresas, mas essencialmente pela conjuntura económica das principais economias. Neste contexto, o clima de tensão financeira que acompanhou a UE em 21, associado à crise de endividamento, condicionou significativamente a maioria dos investidores, colocandose inclusivamente o cenário de dissolução do Euro. A grave situação financeira atravessada pela Grécia e Irlanda agravaram ainda mais a volatilidade deste mercado. Todo o destaque vai para as bolsas americanas que, face ao clima de optimismo progressivo que se assistia na economia, lideraram os ganhos em 21, quando comparadas com as restantes praças. O NASDAQ registou os maiores ganhos, tendo valorizado aproximadamente 16,9% contra os 12,8% do S&P 5 e 11% do Dow Jones. Na Europa, o DAX de Frankfurt liderou os ganhos com 16%, seguido pelo FTSE 1 com ganhos de 9%. Na restante Europa, os mercados reflectiram o clima de tensão vivido ao longo do ano, com Lisboa (PSI2) e Madrid (IBEX 35) a somarem os maiores prejuízos do ano com 1,3% e 17,4%, respectivamente. Evolução dos Principais Mercados Accionistas Fonte: Reuters PSI 2 FTSE 1 NASDAQ DAX Jan29 Abr29 Jul29 Out29 Jan21 Abr21 Jul21 Out21 Jan211 3 AMBIENTE MACROECONÓMICO BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 27

29 MACROECONÓMICO 3AMBIENTE Na Ásia, apesar do bom desempenho das economias da região, a mudança de rumo no plano monetário, para uma política monetária restritiva teve reflexos no desempenho medíocre dos mercados bolsistas, com destaque para o Shangai Composite, que acumulou perdas de 14,3%, e Tóquio (Nikkei 225) com perdas de 3%. No mercado cambial, a tendência de valorização do euro foi invertida no último trimestre de 29, levando a sua congénere americana a encetar uma recuperação, não só face ao Euro, mas também face às restantes moedas. O dólar americano (USD) tem beneficiado sobretudo das incertezas que pairam sobre a economia da Zona Euro, no que diz respeito à sustentabilidade das finanças públicas de alguns EstadosMembros, tendo registado uma valorização acumulada de quase 7% ao longo de 21. Por outro lado, os sinais consistentes de recuperação registados na maior economia do mundo, devolveram confiança ao USD, aumentando a apetência dos investidores por esta moeda. No entanto, algumas incertezas sobre o crescimento da dívida norteamericana poderão ter impactos de sinal contrário, sendo este um factor a seguir com atenção pelos investidores ao longo de 211. Evolução da Taxa de Câmbio EUR/USD 1,6 1,45 BANCO ESPÍRITO SANTO ANGOLA I RELATÓRIO E CONTAS 21 I 28 1,3 1,15 1, Jan29 Abr29 Jul29 Out29 Jan21 Abr21 Jul21 Out21 Dez21 Fonte: Reuters

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências:

A Comissão de Auditoria e Controlo tem entre outras as seguintes competências: RELATÓRIO DAS ACTIVIDADES DA COMISSÃO DE AUDITORIA E CONTROLO DESENVOLVIDAS NO EXERCÍCIO DE 2011 I Introdução O âmbito de actuação da Comissão de Auditoria e Controlo da EDP Renováveis, SA, como Comissão

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

Angola Breve Caracterização. Julho 2007

Angola Breve Caracterização. Julho 2007 Breve Caracterização Julho 2007 I. Actividade e Preços. Após o final da guerra civil em 2002, e num contexto de relativa estabilidade política, tornou-se numa das economias de mais elevado crescimento

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei 17/92

Assembleia Nacional. Lei 17/92 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Nacional Lei 17/92 A Assembleia Nacional, no uso das faculdades que lhe são conferidas pela alínea g) do artigo 86.º da Constituição Política, para

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco,

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Exmos. Senhores Presidentes e demais membros dos Conselhos de Administração e das

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL

POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL POLÍTICA DE REVISÕES DAS ESTATÍSTICAS DO BANCO DE PORTUGAL Departamento de Estatística do Banco de Portugal 2013 I INTRODUÇÃO Os principais referenciais sobre a qualidade estatística 1 identificam a importância

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal

Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal Perspectiva de um Emitente Soberano República de Portugal 31 de Janeiro de 2011 Alberto Soares IDENTIDADE FUNDAMENTAL DA MACROECONOMIA ECONOMIA ABERTA Poupança Interna + Poupança Externa Captada = Investimento

Leia mais

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015

EconoWeek Relatório Semanal. EconoWeek 18/05/2015 18/05/2015 EconoWeek DESTAQUE INTERNACIONAL Semana bastante volátil de mercado, com uma agenda mais restrita em termos de indicadores macroeconômicos. Entre os principais destaques, os resultados de Produto

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL DOS AÇORES SESSÃO PLENÁRIA DE 11 a 13 NOVEMBRO DE 2002 Intervenção do Deputado Cabral Vieira O Plano e o Orçamento constituem documentos de grande importância para a economia

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE RELATÓRIO ACTIVIDADE SEGURADORA ANO-2008 BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ÍNDICE GERAL BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE ASSUNTO PÁGINA EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA EM STP 1. ENQUADRAMENTO

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Julho de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Julho de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: Inflação e Salários...Pág.3 Europa: Grexit foi Evitado,

Leia mais

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes

O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO. J. Silva Lopes O PROBLEMA DO ENDIVIDAMENTO DE PORTUGAL PERANTE O EXTERIOR E O AUXÍLIO EXTERNO NECESSÁRIO J. Silva Lopes IDEFF, 31 de Janeiro de 2011 1 O ENDIVIDAMENTO PERANTE O EXTERIOR Posições financeiras perante o

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico

Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico Síntese da Conjuntura do Sector Elétrico e Eletrónico 2º Trimestre de 2015 Recuperação sustentada do crescimento 1. Conjuntura Sectorial Nota: Os índices que se seguem resultam da média aritmética das

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE Decreto n.º 24/98 Acordo de Cooperação Cambial entre a República Portuguesa e a República de Cabo Verde e o Protocolo para o Estabelecimento da Comissão do Acordo de Cooperação Cambial Nos termos da alínea

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento

Relatório Semanal de Estratégia de Investimento 12 de janeiro de 2015 Relatório Semanal de Estratégia de Investimento Destaques da Semana Economia internacional: Deflação na Europa reforça crença no QE (22/11); Pacote de U$1 trilhão em infraestrutura

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO INTERNO COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE Aprovado em 18 de Junho de 2015 REGULAMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE GOVERNO SOCIETÁRIO E SUSTENTABILIDADE

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014

Boletim de Janeiro Atractividade. Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 Boletim de Janeiro Atractividade Na competição global pela atracção de capital Janeiro 2014 13 de Fevereiro de 2014 A missãocrescimento As entidades promotoras: O Conselho Geral: Esmeralda DOURADO Rui

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015

Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Prospecto Informativo Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Junho de 2015 Designação: Invest Sectores Essenciais Junho 2015 Classificação: Caracterização do Depósito: Produto financeiro complexo Depósito

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

A Supervisão do Sistema Financeiro

A Supervisão do Sistema Financeiro A Supervisão do Sistema Financeiro Prestam, por isso, um importante contributo para a integridade e a transparência dos mercados de capitais. Amadeu Ferreira OROC 21 de Outubro de 2010 A EFICIÊNCIA DOS

Leia mais

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012

X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA. BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 X SEMINÁRIO SUL BRASILEIRO DE PREVIDÊNCIA PÚBLICA BENTO GONÇALVES / RS / Maio 2012 CENÁRIO INTERNACIONAL ESTADOS UNIDOS Ø Abrandamento da política monetária para promover o crescimento sustentável. Ø Sinais

Leia mais

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE

IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE IDEFF/OTOC 4.julho.2011 Cristina Sofia Dias Adida Financeira, Representação Permanente de Portugal Junto da UE A crise financeira: causas, respostas e os planos de assistência financeira Índice 1. Da crise

Leia mais

Exmos. Senhores Accionistas da BES VIDA, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.,

Exmos. Senhores Accionistas da BES VIDA, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A., RELATÓRIIO E PARECER DO CONSELHO FIISCAL DA BES VIIDA,, COMPANHIIA DE SEGUROS,, S..A.. Exmos. Senhores Accionistas da BES VIDA, COMPANHIA DE SEGUROS, S.A., Nos termos da lei e do contrato de sociedade,

Leia mais

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO DOCUMENTO INFORMATIVO (RECTIFICAÇÃO) BES CRESCIMENTO OUTUBRO 2009 PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Advertências ao investidor: 100% do capital investido garantido na maturidade Remuneração não garantida Possibilidade

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012

ASSEMBLEIA GERAL DE ACCIONISTAS DE 17 DE ABRIL DE 2012 PONTO UM DA ORDEM DE TRABALHOS: O Conselho de Administração propõe aos Senhores Accionistas: Apreciar, discutir e votar o Relatório de Gestão, o Balanço, as Demonstrações de Resultados, a Demonstração

Leia mais

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia S.G.F.T.C., S.A. Rua General Firmino Miguel, nº 5 1º 1600-100 Lisboa Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e Pessoa Colectiva nº

Leia mais

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial

Relatório de Gestão. Enquadramento Macroeconómico / Setorial Relato Financeiro Intercalar 1º trimestre de 2014 = Contas Consolidadas = (Não Auditadas) Elaboradas nos termos do Regulamento da CMVM nº 5/2008 e de acordo com a IAS34 Relatório de Gestão Enquadramento

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito

B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões. 1. Introdução. 2. Âmbito B. Qualidade de Crédito dos Investimentos das Empresas de Seguros e dos Fundos de Pensões 1. Introdução A mensuração, mitigação e controlo do nível de risco assumido pelos investidores institucionais (e

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro Raul Marques 27 de Novembro de 2010 Sociedade de consumo Evolução do consumo privado (%PIB) Portugal vs Alemanha Fonte: Banco de Portugal, Eurostat 27 de Novembro de 2010 2. Aumento do endividamento das

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais