A Aceitação do Leasing Como Alternativa de Financiamento das Empresas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Aceitação do Leasing Como Alternativa de Financiamento das Empresas"

Transcrição

1 Marco Alírio Pinto Correia e Silva A Aceitação do Leasing Como Alternativa de Financiamento das Empresas Universidade Jean Piaget de Cabo Verde Campus Universitário da Cidade da Praia Caixa Postal 775, Palmarejo Grande Cidade da Praia, Santiago Cabo Verde

2

3 Marco Alírio Pinto Correia e Silva A Aceitação do Leasing Como Alternativa de Financiamento das Empresas Universidade Jean Piaget de Cabo Verde Campus Universitário da Cidade da Praia Caixa Postal 775, Palmarejo Grande Cidade da Praia, Santiago Cabo Verde

4 Marco Alírio Pinto Correia e Silva, autor da monografia intitulada A Aceitação do Leasing como Alternativa de Financiamento das Empresas, declaro que, salvo fontes devidamente citadas e referidas, o presente documento é fruto do meu trabalho pessoal, individual e original. Cidade da Praia ao 31 de Março de 2015 Marco Alírio Pinto Correia e Silva Memória Monográfica apresentada à Universidade Jean Piaget de Cabo Verde como parte dos requisitos para a obtenção do grau de Licenciatura em Economia e Gestão, variante Administração e Controlo financeiro.

5 Sumário O trabalho monográfico hora apresentado, pretende incidir sobre a aceitação do Leasing como um produto financeiro alternativo de financiamento para as empresas, realçando o seu contributo para o crescimento económico do pais, principalmente para o empresariado nacional. Os investidores recorrem a créditos bancários em regra para acederem a capitais necessários para financiamento de investimento que conduzam ao seu crescimento com o objetivo de sobreviverem a um meio ambiente em mutação cada vez mais rápido e particularmente cada vez mais competitivo. O financiamento dos ativos constitui uma das maiores preocupações e necessidades para todas as empresas que querem competir num mercado globalizado e em constante transformação, porém, existe uma dificuldade na obtenção dos mesmos uma vez que este setor tende em recusar os projetos de investimentos elevados por aversão ao risco que estes representam. O trabalho tem como principal objetivo analisar a aceitação do Leasing como financiamento dos ativos das empresas. Nesse sentido estabeleceu-se alguns objetivos específicos tais como: analisar os mecanismos de financiamento dos ativos; perceber a sensibilidade das empresas relativamente à introdução no mercado do produto Leasing e apontar ganhos para o sistema financeiro Cabo-verdiano com a introdução desse produto. O procedimento metodológico a ser adotado para a realização deste trabalho sedimentou-se num proceder guiado por um enfoque quantitativo na relação, organização e análise dos dados, complementada por consultas de literaturas específicas e fornecimento de dados do Instituto Nacional de Estatística de modo a ter um largo campo de conhecimento acerca da matéria em estudo, permitindo assim a elaboração de um questionário em que os dados obtidos no final foram analisados e cruzados com recurso aos programas informáticos Excel (2010) e SPSS statistics O Leasing constitui uma das formas de eleição de financiamento, para além das taxas de juros serem em regra mais baixos que um empréstimo bancário clássico, a entidade locadora poderá no final do contrato, devolver o bem ao locatário ou optar pela sua compra. O estudo prévio

6 sugere que o financiamento através do Leasing tem diversas vantagens para o desempenho económico-financeiro e algumas desvantagens associados. Os resultados alcançados apontam para um interesse a nível global das empresas em aderir ao Leasing. Palavras-chave: Leasing, Financiamento de Ativos

7 Conteúdo Introdução Enquadramento do Tema Contextualização e Problemática Importância do Trabalho Pergunta de Partida Hipótese de Trabalho Objetivos do Trabalho Objetivo Geral Objetivos Específicos Estrutura do Trabalho...12 Capítulo 1: Abordagem Teórica Apresentação de Conceitos / Contexto Histórico da Desintermediação Financeira Modalidades e Alternativas Financiamento Leasing Como Opção de Financiamento Características do Leasing Categorias Leasing Principais Vantagens e Desvantagens do Leasing Leasing Financeiro, Leasing Operacional e o Leasing Back...31 Figura 1 - Relacionamento dos Intervenientes...31 Capítulo 2: Metodologia de Trabalho População e amostra Variáveis consideradas Desenho dos instrumentos Validação dos instrumentos...38 Capítulo 3: Apresentação e Analise de Resultados Caracterização da Situação Atual A Desintermediação no Contexto de Cabo Verde Surgimento e Regulamentação do Leasing em Cabo Verde Surgimento do Leasing em Cabo Verde Regulamentação do Leasing em Cabo Verde Caso Pratico (Pré disposição de adesão ao Leasing) Análise de Resultados de Pré-disposição de adesão ao Leasing como Financiamento de Ativos Variáveis de estudo Analise...44 Capítulo 4: Discussão de Resultados Conclusão Bibliografia Sitografia Anexo /71

8 Figuras Figura 1 - Relacionamento dos Intervenientes Quadros Quadro 1- Caracterização dos inquiridos Tabelas Tabela 1 Opinião sobre o Leasing Tabela 2 Preferência para Instituição de Gestão do Leasing Tabela 3 Meios que as empresas gostariam de receber informações sobre este produto Tabela 4 - Interesse em aderir ao produto Tabela 5 - Ativos a financiar através do Leasing Tabela 6 - Conforto ao escolher entre produtos semelhantes Tabela 7 - Importância do preço Tabela 8 - Impressão geral da utilização do produto (caso utente) Tabela 9 - Recomendação do produto Gráficos Gráfico 1 - Opinião sobre o Leasing Gráfico 2 - Preferência para Instituição de Gestão do Leasing Gráfico 3 - Meios que as empresas gostariam de receber informações sobre este produto Gráfico 4 - Interesse em aderir ao produto Gráfico 5 - Ativos a financiar através do Leasing Gráfico 6 - Conforto ao escolher entre produtos semelhantes Gráfico 7 - Importância do preço Gráfico 8 - Impressão geral da utilização do produto (caso utente) Gráfico 9 - Recomendação do produto /71

9 Abreviaturas e Siglas EUA- Estados Unidos da América ILFC-International Leasing Finance Corporation ISGB-Instituto Superior Gestão Bancária OMA Organização Mundial Das Alfandegas SA- Sociedade Anónima TACV-Transportes Aéreos de Cabo Verde IMB-Internacional Business Machines 8/71

10 Introdução 1 Enquadramento do Tema Os produtos financeiros constituem hoje, em todo mundo, importantes elos de ligação entre os agentes económicos, ou seja, aforradores e investidores. Representam a forma de resposta às diferentes necessidades dos agentes económicos, bem como das economias dos países no geral. Cabo verde enquanto país onde predomina o setor terciário, o sector bancário tem vindo a apresentar produtos e serviços como forma de respostas às necessidades dos diferentes agentes económicos. Contudo, segundo os dados referente ao Doing Business (2014), boa parte dos agentes económicos fica de fora desse processo, não podendo assim, aceder a produtos e serviços que são fundamentais para o desenvolvimento das suas atividades. Essa limitação acarreta consigo impactos negativos tanto para o empresariado nacional, bem como para a economia do país. Essa restrição só pode ser colmatada com a melhoria e a diversificação da oferta dos produtos e serviços financeiros por parte dos agentes do mercado financeiro. O estudo vai incidir-se sobre a aceitação de um novo produto financeiro, supondo que a sua introdução seja benéfica 9/71

11 para os agentes económicos e para economia Cabo-verdiana no geral, e nesta prespetiva foi escolhido o Leasing. 2 Contextualização e Problemática Os investidores recorrem a créditos bancários em regra para acederem a capitais necessários para financiamento de projetos de investimento que conduzam ao seu crescimento com o objetivo de sobreviverem a um meio ambiente em mutação cada vez mais rápido e, em particular, cada vez mais competitivo, adaptando as suas estruturas, a métodos e tecnologias modernas. Segundo o Instituto Superior Gestão Bancária (2002) as decisões financeiras devem estabelecer a atratividade económica da empresa promovendo a sua continuidade e valorização. O retorno dos investimentos realizados deve, no mínimo satisfazer as expectativas de remuneração dos proprietários de capital (credores e acionista) de maneira a viabilizar economicamente a empresa. A escolha da melhor opção de financiamento está relacionada com as atividades específicas de cada empresa. O Leasing constitui uma das formas de eleição de financiamento, para além das taxas de juros, praticados pelas instituições vocacionadas na oferta desse serviço serem em regra mais baixos que um empréstimo bancário clássico, entidade locadora poderá no final do contrato, devolver o bem ao locatário ou optar pela sua compra. O financiamento dos ativos constitui uma das maiores preocupações e necessidades para todas as empresas que querem competir num mercado globalizado e em constante transformações tecnológicas. Neste sentido a sustentabilidade da empresa passa também por decisões financeiras, na escolha da melhor opção de financiamento dos ativos, aquela que garante vantagens competitivas e melhores resultados, contribuindo para a sobrevivência da empresa. O estudo prévio sugere que o financiamento através do Leasing tem diversas vantagens para o desempenho económico-financeiro e algumas desvantagens associadas. 10/71

12 3 Importância do Trabalho A Aceitação do Leasing como Alternativa de Financiamento das Empresas A dificuldade de acesso ao crédito constitui um dos principais entraves ao crescimento das empresas e consequentemente do crescimento económico do país. Fato esse que, carece de análise e busca de soluções, a fim de permitir o fortalecimento e o crescimento sustentado do empresariado nacional, bem como da economia do país. Sendo assim, a introdução do Leasing no mercado é encarada como uma forma de minimizar esse problema. 4 Pergunta de Partida Dada a dificuldade das empresas em obter financiamento a nível do crédito bancário devido ao recuo deste sector por causa dos investimentos considerados de alto risco, coloca-se a seguinte pergunta de partida: O Leasing pode ser aceite como alternativa de financiamento do ativo das empresas? 5 Hipótese de Trabalho Com base na pergunta de partida, formula-se a seguinte hipótese: H: O Leasing pode ser um importante meio de financiamento de ativos das empresas alavancando o crescimento do empresariado nacional bem como a economia do país. 6 Objetivos do Trabalho 6.1 Objetivo Geral Constitui-se o objetivo geral, deste projeto, o seguinte: Analisar a aceitação do Leasing como financiamento dos Ativos das Empresas. 6.2 Objetivos Específicos O presente projeto visa alcançar, entre outros, os seguintes objetivos específicos: 11/71

13 Analisar os mecanismos de financiamento dos ativos; Perceber a sensibilidade das empresas relativamente à introdução no mercado do produto financeiro Leasing; e Apontar ganhos para o sistema financeiro Cabo-verdiano com a introdução desse produto. 7 Estrutura do Trabalho Para que a monografia tenha uma sequência lógica, para além das partes pré-textuais e póstextuais, de introdução e da conclusão, será estruturada em 4 (quatro) capítulos: Capítulo 1: Abordagem teórica; Neste capitulo é feita uma apresentação de conceitos, nomeadamente o contexto histórico da desintermediação financeira, em seguida e de modo a que se possa servir de base para introdução do tema do trabalho, falar-se-á das modalidades e alternativas de financiamento possíveis no mercado. Feito isso, abordar-se-á o Leasing como opção de financiamento, as suas características, categorias, as suas principais vantagens e desvantagens e por fim os tipos de Leasing existentes. Capítulo 2: Metodologia; O capítulo da metodologia do trabalho será composta pela população e amostra no âmbito da realização do inquérito destinado as empresas por forma a comprovar a hipótese previamente fixada, onde serão definidas as variáveis consideradas, o desenho do inquérito e a sua validação. Capítulo 3: Apresentação e Análise dos Resultados; No capítulo três será apresentado os resultados do inquérito bem como a sua análise. Previamente será feita uma caracterização da situação atual do Leasing em Cabo Verde, um apanhado geral sobre a desintermediação no contexto de Cabo Verde e ver-se-á o surgimento e regulamentação do Leasing em Cabo Verde. Capitulo 4: Discussão de Resultados; 12/71

14 Capítulo 1: Abordagem Teórica 1.1 Apresentação de Conceitos / Contexto Histórico da Desintermediação Financeira Com o início da desintermediação financeira no século XX e a entrada de instituições não financeiras nos mercados, utilizando novos títulos e instrumentos financeiros, como os commercial paper, os certificados de depósitos e a crescente securitização da dívida pública, permitiu-se aumentar espetacularmente a circulação de títulos de capital e financiar seus défices públicos, especialmente os Estados Unidos da América, tendo-se beneficiado, a partir daí, de uma longa fase de prosperidade económica (Carcanholo Marcelo Dias, 1990). Segundo o mesmo autor, a abertura externa à livre mobilidade dos capitais permitiu a canalização de poupanças externas para os países com insuficiência de capital, ajudando também no financiamento compensatório de choques externos e, portanto, na estabilização do gasto interno mas também, ampliou o campo para a especulação financeira, que poderá ser um fator potenciador de graves crises económicas e financeiras. Carcanholo Marcelo Dias (1990), ainda refere que o surgimento da desintermediação financeira como uma consequência da exacerbação da capacidade inovadora do sistema financeiro internacional e a consequente alteração da política económica americana, que levou a grandes oscilações nas taxas de juros e de câmbio. Pois, anteriormente, o sistema americano 13/71

15 era caracterizado por uma forte regulamentação, iniciada durante a década de 30, para controlar as crises bancárias ocorridas nessa época. A estrutura reguladora do sistema financeiro americano tinha como princípios a segmentação, isto é, a especialização das instituições por tipo de serviço, a transparência, e a supervisão das instituições financeiras pela autoridade central ou por instituições paralelas. Os principais regulamentos, definidos nos Banking Acts de 1933 e 1935, garantiam que os bancos não podiam negociar ações e seguros, que os bancos comerciais não podiam pagar juros sobre depósitos à vista. Estabeleciam um teto para as taxas de juros (estes dois últimos incluídos na Regulation Q), restrições para ampliação e criação de redes interestaduais, limitação da concessão de empréstimos e a redução do grau de alavancagem. Frisou um aspeto positivo subjacente à mesma regulamentação, fornecia estabilidade ao sistema na medida em que produzia o casamento entre os perfis de ativos e passivos das instituições. O processo de desregulamentação desse sistema, a partir do final da década de 60, teve como modificações mais relevantes: a revogação da proibição dos bancos comerciais pagarem juros sobre depósitos à vista, a autorização de criação de um mercado off-shore dentro dos EUA e a permissão do lançamento de ADR s 1, ou títulos junto a investidores institucionais qualificados. Carcanholo Marcelo Dias (1990), destaca também, como parte do processo de desregulamentação, e já como elemento da internacionalização financeira, o facto de filiais bancárias americanas na Europa começarem a emitir certificados de depósitos bancários. De entre as razões para o referido processo de desregulamentação destacou a volatilidade das taxas de juros americanas no período, a crise do endividamento que levou à queda da lucratividade do sector bancário, e a criação de novos produtos financeiros, provocada pela renhida concorrência interbancária. Estes elementos permitiram entender o processo de desregulamentação do sistema financeiro americano como uma resposta do mercado à excessiva regulamentação anterior (Carcanholo Marcelo Dias, 1990). 1 American Depository Receipt emitidos por banco americano como contrapartida de ações de não-residentes (Chesnais, 1996). 14/71

16 Esse processo foi-se ampliando para outros países, chegando, por exemplo, à Grã-Bretanha, por intermédio do governo Thatcher e ao Japão, no início dos anos 80, preponderantemente por causa da pressão americana. Além da desregulamentação, um outro processo importante, que compõe as alterações do sistema financeiro internacional, é o de desintermediação. Estritamente, o termo desintermediação significaria a abolição da intermediação, bancária ou não-bancária, nas operações de crédito. Tratar-se-ia de uma operação direta de crédito entre o aplicador e o tomador, que seria efetuada através da negociação de títulos ou ações (processo de securitização), (Carcanholo Marcelo Dias, 1990). Entretanto, o que se observou no desenvolvimento do sistema financeiro internacional é que as transações financeiras continuaram tendo a participação dos intermediários 2. Mesmo assim, passo a citar,... a transformação dos ativos financeiros em títulos que podem ser negociados nos mercados de capitais domésticos e internacionais representou uma alteração substancial nos sistemas financeiros privados, modificando-se o papel tradicional dos bancos e aumentando-se a importância dos intermediários financeiros não-bancários (Chesnais, 1996). Como os principais títulos negociados nesses mercados referiam-se à dívida pública de países avançados, principalmente os EUA, o crescimento dessas dívidas sustentou a elevação das operações internacionais com securities. Os EUA, por exemplo, que em 1993 possuíam uma dívida pública para títulos acima de um ano de USD 544,7 bilhões, teve uma taxa de crescimento dessa dívida, no período 80-93, de 311,4%. No mesmo período, o Japão, a Alemanha e a Grã-Bretanha tiveram, respetivamente, crescimento de suas dívidas públicas de 649,2%, 743,48% e 150,14% consequentemente (Chesnais, 1996). A ampliação do processo de desregulamentação pelos países industrializados, e por todos os mercados emergentes, e a interpenetração dos vários mercados nacionais, propiciada pela 2 A securitização... Implica relações de débito-crédito diretas entre tomador e aplicador de recursos, envolvendo os intermediários financeiros na organização das operações, subscrição, guarda e comercialização de títulos, e não mais na intermediação de seus próprios títulos (Canuto & Laplane, 1995). 15/71

17 liberalização dos fluxos internacionais de capitais 3, levou à exacerbação do processo de internacionalização financeira, o que ficou conhecido como globalização financeira. Chesnais (199 6) prefere chamar este último aspeto das alterações do sistema financeiro internacional de mundialização financeira, definindo três etapas de seu processo. A primeira etapa, que compreende o período 60-79, foi chamada pelo autor de internacionalização financeira direta. O mesmo autor refere que os sistemas monetários e financeiros teriam iniciado essa etapa compartimentada e a internacionalização teria sido limitada, destacando-se o surgimento e o desenvolvimento do mercado de eurodólares 4. É nesse período que culmina a queda do sistema de Bretton Woods com o fim do padrão euro-dólar e do sistema de taxas de câmbio fixas. Este último facto fez com que o mercado cambial, a partir de então, extremamente volátil, fosse o primeiro compartimento a entrar na mundialização financeira contemporânea. Isto se deu através do surgimento do mercado de derivativos sobre moedas, com o objetivo de realizar a cobertura cambial sobre a volatilidade das cotações, mecanismo que também se desenvolveu para as taxas de juros. É nesta primeira etapa também que ocorre a acelerada expansão internacional dos bancos americanos, fruto da desregulamentação naquele país. A segunda etapa é a da desregulamentação e liberalização financeira, abrangendo o período É iniciada com as medidas dos governos americano e britânico, que originaram o atual sistema financeiro liberalizado. As principais características desta etapa são a liberalização, tanto para entrada como para saída dos movimentos de capitais e a securitização das dívidas públicas. Como alterações institucionais devem ser destacados os mercados financeiros e instituições não-bancárias como instituições dominantes ao invés de serem unicamente os bancos como na etapa anterior, e o crescimento da participação de fundos de pensão e fundos mútuos (Chesnais, 1996). 3 A defesa da abertura externa das economias, composta pela abertura comercial, liberalização na conta de transações correntes (dada pela facilidade de remessa de lucros e dividendos), e pela liberalização da conta de capital, faz parte da política deliberada da diplomacia do dólar, que obrigou a economia mundial a financiar os défices gémeos americanos (Tavares & Melin, 1997). 4 Os euromercados são locais onde ocorrem as transações financeiras internacionais, que são realizadas com moedas que não a do país em que se localiza o agente financeiro. 16/71

18 A generalização da arbitragem e a incorporação dos mercados emergentes formam a terceira etapa (86-95). Ela se caracterizou pela abertura e a desregulamentação dos mercados de ações 5, pela incorporação dos mercados emergentes dentro da circulação internacional do capital e pelos choques financeiros e cambiais de maior intensidade. Nesta etapa é que ocorre também o surpreendente crescimento dos derivativos (Chesnais, 1996). Os produtos financeiros derivados fazem parte das inovações financeiras criadas pelos mercados, para atenderem a necessidades internas dos agentes do sistema, capitalização dos bancos, por exemplo, e a necessidades externas, como a cobertura da volatilidade de taxas de juros e de câmbio. De entre esses novos produtos, podem ser citados: as Floating Rate Notes (FRNs), que são eurobonds (títulos de longo prazo negociados nos euromercados), com taxas de juros flutuantes, definidas por um spread sobre a Taxa do Mercado Interbancário Londrino (Libor); as Note Issurance Facilities (NIFs), que são papéis de curto/médio prazos, emitidos pelo próprio tomador, mas com a subscrição do intermediário financeiro, que se compromete a comprar a diferença (caso haja) entre o total emitido e o total colocado e/ou conceder um crédito equivalente a esta diferença (Chesnais, 1996); e os commercial papers, que começaram a ser emitidos largamente a partir de 1984 e, embora possuam características semelhantes às NIFs, não têm o compromisso de concessão de crédito especial, nem tão pouco o intermediário subscreve as emissões. Entretanto, os derivativos contratos vinculados a títulos que podem ser negociados em mercados próprios são novos produtos financeiros, que ganharam maior destaque, não só por seu crescimento exponencial, mas também porque eles alteraram profundamente a estrutura financeira e a interação entre os mercados (Chesnais, 1996). O mesmo autor argumenta ainda que o principal papel dos derivativos é o de funcionarem como instrumento e técnicas de hedging, que significa uma estratégia de cobertura de risco de perda de valor de um determinado ativo, permitindo aos agentes alterarem as características de um ativo (moeda de denominação, tipo de taxa de juros, composição de riscos). 5 Embora, ainda hoje, a interligação entre os mercados acionários seja menos extremada do que a dos mercados de câmbio e de títulos (Chesnais, 1996). 17/71

19 De entre os principais derivativos, destacam-se os financial futures (futuros), que são contratos de compra/venda, a preços e datas futuras estipuladas; os swaps, que são operações de balcão (não constituem um mercado organizado com padronização das operações e câmaras de compensação), constituídas de uma compra (venda), casada a uma venda (compra), de forma a trocar-se um risco por outro; e as opções, que são contratos em que o comprador obtém do vendedor a concessão do direito de exercer a opção (compra ou venda) em um determinado instante do tempo, não existindo a obrigatoriedade de ser exercida (Chesnais, 1996). Essas inovações financeiras têm como função a administração e/ou cobertura de riscos financeiros. Estes riscos podem ser: de inadimplência (crédito), dado pela incapacidade do devedor em cumprir as obrigações; de mercado, definido pelo risco de perda de capital, seja por alterações cambiais (risco cambial) seja na taxa de juros; de liquidez (possibilidade de faltarem recursos para saldar as transações); e pelo risco de liquidação, isto é, pelo descompasso temporal entre operações de crédito e débito 6. O desenvolvimento dos novos produtos deu-se como forma de cobrir os riscos. Entretanto, com eles não ocorre a eliminação do risco total, mas sim, a reestruturação dos riscos individuais (por agente) e a transferência para terceiros. Dessa forma, o próprio desenvolvimento dos mercados financeiros, ao criar formas (inovações) de proteção contra riscos, leva ao aumento da instabilidade financeira. Por isso, trata-se de uma instabilidade estrutural e não meramente conjuntural (Chesnais, 1996). 1.2 Modalidades e Alternativas Financiamento Segundo Saias L. et al. (1996 p. 293) 7, a sobrevivência e crescimento das empresas exige uma constante evolução e adaptação das suas estruturas, métodos e tecnologias a um meio ambiente em mutação, cada vez mais rápido e, em particular, cada vez mais competitivo. 6 Existe ainda o risco sistémico dado pela possibilidade de paralisação do sistema financeiro internacional como um todo, por causa de algum choque desestabilizador. Esse risco sistémico pode ser originado também pela própria instabilidade provocada pela interação entre os diferentes tipos de risco financeiros citados. 7 Na obra conjunta com Rui de Carvalho; Maria do Céu e Armaral entitulada Instrumentos Fundamentais de Gestão Financeira (1996) 18/71

20 Essa evolução e adaptação envolvem normalmente investimentos vultosos quer em meios físicos de produção, do controle de qualidade e melhoria tecnológica, quer, cada vez mais, em meios e reorganização vocacionadas para funções de marketing. Acontece que, normalmente, as empresas não geram internamente fundos suficientes para financiar os investimentos pelo que recorrem a fontes externas de financiamento. As formas de acesso às fontes externas de financiamento de capital que as empresas habitualmente recorrem são: Através de recurso direto ao mercado de capitais, isto é, captar diretamente junto dos aforadores, famílias, investidores institucionais e outros; e Através de recurso a intermediários financeiros, Bancos, e outros, que disponibilizam as empresas os capitais necessários, mediante contrapartidas, nomeadamente juros dos empréstimos Crédito Bancário Uma operação de crédito bancário se traduz na realização de uma prestação de capital pelo mutuante e numa contraprestação (única ou múltipla) deferida no tempo, pelo m utuário, envolvendo a assunção de riscos pelo mutuante que espera obter no futuro o reembolso do capital mutuado (Saias L. et al, 1996). As empresas utilizam os créditos bancários para acederem a capitais necessários para financiamento e crescimento da sua atividade com o objetivo de satisfazer as suas necessidades de tesouraria decorrentes do curso normal do negócio, recorrendo a crédito a curto prazo. Para satisfazer as necessidades de financiamento de projetos de investimento recorrem a crédito de médio ou longo prazo com o objetivo do seu crescimento (Idem p.294). 19/71

21 Qualquer operação de crédito pode dar ou não lugar ao pagamento de juros, contratualizado para a operação. Trata-se de um componente fundamental, já que os juros constituem fonte de rendimento fundamental na atividade bancária (Saias L. et al, 1996) Crédito Bancário a Curto Prazo O crédito bancário de curto prazo está vocacionado para satisfazer as necessidades pontuais de tesouraria, apresentando muito flexível e menos exigente no que respeita às garantias. Como os prazos são curtos os riscos de incumprimento são em princípio menores (Saias L. et al, 1996 p.296). Os objetivos são: Créditos de Campanha: quando o financiamento destina-se a uma atividade que varia de acordo com um determinado tempo; Créditos à Exportação: quando o financiamento destina-se a financiar o fabricante ou exportador pelo prazo que medeia entre a receção da encomenda firme ou o seu embarque e o seu pagamento; e Créditos a Tesouraria: quando financiam necessidades temporais de tesouraria resultantes de situações como atrasos nas cobranças e sazonalidade nas vendas Modalidades do Crédito a Curto Prazo São diversas as formas utilizadas pelos bancos, variam de acordo com as necessidades específicas de cada um dos clientes, o seu perfil, do risco e o tipo de garantia que os bancos exigem. Destacam-se as seguintes: Desconto bancário de papel comercial, o cliente endossa ao banco um título de crédito, recebendo em simultâneo o seu valor nominal deduzido do valor do desconto bancário ou prémio de desconto que inclui o juro praticado neste tipo de operação de crédito e ainda outros encargos para o Banco e para o Estado. Os títulos de crédito são letras, os 20/71

22 extratos de faturas, as warrants ou cautelas de penhor mercantil, e os títulos de crédito documentário de exportação; Desconto de livranças, também uma forma de crédito titulado e submetida a desconto bancário, arrecadando todos os custos e apresentando as vantagens e desvantagens referidas aquelas, não há terceiros envolvidos, sacador é o banco e o sacado é o cliente; Conta empréstimo, consiste na abertura de uma conta específica para esse fim distinta da conta de depósito a ordem do cliente. Para o mutuário apresenta a vantagem de segurança em que o banco pode cancelar a operação até o momento formal da assinatura do contrato, a outra vantagem é o custo, isto é os juros são calculados sobre o saldo da conta empréstimo iniciando-se portanto a obrigação do seu pagamento quando esta é debitada na conta de depósito ordem; Conta corrente, consiste na abertura de uma conta específica para o efeito, movimentada pelo banco e não pelo cliente. É sobre o saldo dessa conta que são calculados os juros a pagar. Apresenta vantagem de segurança pois a partir do momento que o contrato é assinado até ao limite da sua vigência, a empresa estará segura de obter os capitais a mutuar quando necessitar, pois, o banco está obrigado a pô-los a disposição. A outra vantagem até o custo que depende de instruções da empresa ao banco, a movimentação da conta, que cobrará uma taxa sobre o montante. O reembolso pode ser feito a medida dos interesses do cliente; e Descoberto em conta, consiste na possibilidade do cliente do banco aceder ao crédito, até um determinado limite estabelecido, o plafonts, diretamente através do saque de cheques sobre a sua própria conta de depósitos a ordem. Fica estabelecido por contrato entre o banco e o cliente o limite de crédito, o prazo, ou os momentos que o crédito deve estar saldado (Saias L. et al, 1996). 21/71

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA

MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA MERCADO DE CAPITAIS E A ECONOMIA Conceito e Características. O mercado de capitais pode ser definido como um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com títulos e valores mobiliários, objetivando

Leia mais

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior*

PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* Publicado em 2 de março de 2007 PROVA SIMULADA Conhecimentos Bancários Elaborada pelo professor Carlos Arthur Newlands Junior* 1. Sabemos que o Banco Central exige que os bancos mantenham um nível mínimo

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO E CONTRATOS

FONTES DE FINANCIAMENTO E CONTRATOS FONTES DE FINANCIAMENTO E CONTRATOS COMO SE ENQUADRA A FUNÇÃO FINANCEIRA NA EMPRESA? A função financeira abrange as tarefas relacionadas com a gestão dos recursos financeiros, nomeadamente, a obtenção

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Curso Profissional Técnicas de Secretariado. Ano Lectivo: 2009/10. Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano Lectivo: 2009/10 Disciplina: Técnicas de Secretariado Professora: Adelina Silva Novembro de 2009 Trabalho realizado por: Sara Gonçalves n.º16 12ºS. Meios de Pagamento utilizados no Comércio Internacional

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários -CRI- vem caminhando

Leia mais

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI

CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI CERTIFICADO DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS CRI Diversos veículos podem ser utilizados para securitizar recebíveis imobiliários, entretanto o uso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários CRI vem caminhando

Leia mais

Financiamento. Financiamento

Financiamento. Financiamento É preciso ter em conta o valor de: Imobilizações corpóreas Imobilizações incorpóreas Juros durante a fase de investimento Capital circulante permanente 1 O capital circulante tem que financiar o ciclo

Leia mais

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor

5º Workshop da Plataforma do Empreendedor 5º Workshop da Plataforma do Empreendedor Lisboa, AIP-CE 27 de Maio de 2010 EMPREENDEDORISMO Da ideia à actividade. O Montepio apoia a criação de negócios independentemente da sua dimensão e está disponível

Leia mais

LEASING! Leasing operacional e financeiro! Cálculo do custo de uma operação de leasing

LEASING! Leasing operacional e financeiro! Cálculo do custo de uma operação de leasing UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 38 LEASING! Leasing operacional e financeiro! Cálculo do custo de uma operação de leasing Adriano Blatt (adriano@blatt.com.br) Engenheiro formado pela Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres.

Os valores mobiliários que fazem parte de uma mesma emissão conferem aos seus titulares os mesmos direitos e deveres. VALORES MOBILIÁRIOS O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos e deveres, podendo ser comprados

Leia mais

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO

LEASING UMA OPÇÃO DE FINANCIAMENTO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS

AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS AUDITORIA GERAL DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2. VALORES MOBILIÁRIOS Banco de Cabo Verde O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades,

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários

Mercado de capitais. Mercado Financeiro - Prof. Marco Arbex. Mercado de capitais. Comissão de Valores Mobiliários. Comissão de Valores Mobiliários Mercado de capitais Mercado de capitais Prof. Ms. Marco A. Arbex marco.arbex@live.estacio.br www.marcoarbex.wordpress.com O mercado de capitais está estruturado para suprir as necessidades de investimento

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Introdução às Finanças

Introdução às Finanças Introdução às Finanças Aula Teórica 3 Esta informação é restrita ou confidencial, não podendo ser duplicada, publicada ou fornecida total ou parcialmente a terceiros sem o prévio consentimento dos autores.

Leia mais

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) SUPERVISÃO Supervisão Comportamental INSTRUÇÃO N.º 44/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ASSUNTO: Comunicação de informação relativa a contratos de crédito abrangidos pelos procedimentos previstos no

Leia mais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais

Relações Internacionais. Finanças Internacionais Relações Internacionais Finanças Internacionais Prof. Dr. Eduardo Senra Coutinho Tópico 1: Sistema Financeiro Nacional ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8ª. Ed. São Paulo: Atlas, 2008. Capítulo 3 (até

Leia mais

Securitização De Créditos Imobiliários

Securitização De Créditos Imobiliários Securitização De Créditos Imobiliários Operações Imobiliárias A 1. O que é securitização de créditos imobiliários? Securitização é um processo estruturado, coordenado por uma instituição especializada

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA 16/04/2013. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 Obs.: Para aprofundar os conhecimentos no Sistema Financeiro Nacional, consultar o livro: ASSAF NETO, Alexandre.

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em CFDs

Conceitos básicos de negociação em CFDs Conceitos básicos de negociação em CFDs N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar a perda

Leia mais

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2

Direito Empresarial II. Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Direito Empresarial II Foed Saliba Smaka Jr. Curso de Direito ISEPE Guaratuba 2015/2 Contratos Aula 18 Contratos: Teoria Geral; Classificação; Requisitos; Objetos; Elementos; Contratos em Espécie: Compra

Leia mais

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015

Guia dos Emitentes. Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria. Data: 17/12/2015 Guia dos Emitentes Departamento de Supervisão de Emitentes e Auditoria Data: 17/12/2015 Agenda Objectivos do Guia dos Emitentes Admissão de Valores Mobiliários nos Mercados Regulamentados Alternativas

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo

A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas. 3 de Abril de 2013 São Paulo A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas 3 de Abril de 2013 São Paulo CESCE Presença Internacional A Gestão dos Riscos de Crédito no apoio à internacionalização das empresas

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Estudo das garantias nos contratos mercantis internacionais Vanessa Rugai* Por várias razões, nem sempre os compradores conseguem crédito junto aos seus fornecedores. Uma forma de

Leia mais

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 O que são obrigações As obrigações são instrumentos financeiros que representam um empréstimo contraído junto dos investidores pela entidade

Leia mais

PROVA TÉCNICAS BANCÁRIAS BANCO DO BRASIL 2007

PROVA TÉCNICAS BANCÁRIAS BANCO DO BRASIL 2007 PROVA TÉCNICAS BANCÁRIAS BANCO DO BRASIL 2007 RESOLUÇÃO DE QUESTÕES PARTE 05 (ÚLTIMA) FONTE: http://www.cespe.unb.br/concursos/bb12007/ E-BOOK SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Este e-book é recomendado para

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo.

Imposto do Selo. O imposto do selo é devido pela prática de determinados atos previstos numa Tabela Geral, anexa ao Código do Imposto do Selo. Imposto do Selo O imposto do selo incide sobre determinados atos e contratos, sendo cobrado um valor fixo ou aplicada uma taxa ao valor do ato ou contrato. O campo de aplicação deste imposto tem vindo

Leia mais

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito

ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE. Parte 1 Valor Recuperável do Crédito ANEXO III EXPOSIÇÕES ANALISADAS INDIVIDUALMENTE Parte 1 Valor Recuperável do Crédito O cálculo do valor recuperável do crédito deverá atender aos aspectos que caracterizam cada exposição creditícia e/ou

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Copyright Pereira, F. I. Prof.

Leia mais

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro

O que é o Mercado de Capitais. A importância do Mercado de Capitais para a Economia. A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro 1 2 O que é o Mercado de Capitais A importância do Mercado de Capitais para a Economia A Estrutura do Mercado de Capitais Brasileiro O que é Conselho Monetário Nacional (CNM) O que é Banco Central (BC)

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN)

QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) QUESTÕES PARA A PROVA ESPECÍFICA PARA ATUAÇÃO NA ÁREA DE AUDITORIA NAS INSTITUIÇÕES REGULADAS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL (BACEN) 1. As normas e os procedimentos, bem como as Demonstrações Contábeis padronizadas

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora

Cálculo Financeiro. . Casos Reais Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-234-7 Escolar Editora . Teoria e Prática 1ª edição (2004) ISBN 978-972-592-176-3 2ª edição (2007) ISBN 978-972-592-210-1 3ª edição (2009) ISBN 978-972-592-243-9. Exercícios Resolvidos e Explicados (2008) ISBN 978-972-592-233-0.

Leia mais

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 76, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 76, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 76, DE 2014 Altera a Lei nº 8.894, de 21 de junho de 1994, para isentar de IOF as operações de câmbio efetuadas por bolsistas brasileiros em estudo no exterior. O CONGRESSO

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

CARTA-CIRCULAR - N 1177

CARTA-CIRCULAR - N 1177 CARTA-CIRCULAR - N 1177 Documento normativo revogado pela Carta-Circular 2.823, de 13/11/1998. Em decorrência do disposto nas Resoluções n 83, de 03.01.68, e 613, de 08.05.80, nas Circulares n 180, de

Leia mais

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos Novembro de 2013 Índice Seguro de Créditos à Exportação de Médio e Longo Prazo com a Garantia do Estado 03 Seguro de Créditos Financeiros

Leia mais

7. Mercado Financeiro

7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro 7. Mercado Financeiro Mercado Financeiro O processo onde os recursos excedentes da economia (poupança) são direcionados para o financiamento de empresas (tomadores de crédito). Investidor

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

Módulo 11 Corretora de Seguros

Módulo 11 Corretora de Seguros Módulo 11 Corretora de Seguros São pessoas físicas ou jurídicas, que se dedicam a angariar e promover contratos entre as Sociedades Seguradoras e seus clientes. A habilitação e o registro do corretor se

Leia mais

Crédito e Produtos duas formas capitais próprios capitais de terceiros Capitais Próprios Capitais de Terceiros

Crédito e Produtos duas formas capitais próprios capitais de terceiros Capitais Próprios Capitais de Terceiros Crédito e Produtos O mercado possui duas formas de financiamento: através de capitais próprios ou capitais de terceiros. Capitais Próprios: são aqueles que não têm qualquer contrapartida fixa de remuneração,

Leia mais

VANTAGENS, BOAS PRÁTICAS E ROBUSTEZ DA APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO LEASING. Setembro de 2014 - Moove Consulting Francisco Fonseca da Silva

VANTAGENS, BOAS PRÁTICAS E ROBUSTEZ DA APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO LEASING. Setembro de 2014 - Moove Consulting Francisco Fonseca da Silva VANTAGENS, BOAS PRÁTICAS E ROBUSTEZ DA APLICAÇÃO DO INSTRUMENTO LEASING Setembro de 2014 - Moove Consulting Francisco Fonseca da Silva LEASING è Contrato pelo qual uma pessoa jurídica ou física Cliente

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 5: Sociedades de crédito ao microempreendedor As sociedades de crédito ao microempreendedor, criadas pela Lei 10.194, de 14 de fevereiro de 2001, são entidades que têm por

Leia mais

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas.

Mercado de Câmbio. Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. Definição: Mercado de Câmbio Mercado de câmbio é a denominação para o mercado de troca de moedas. O mercado de Câmbio de TAXAS LIVRES opera com o dólar comercial. TAXAS FLUENTES opera com o dólar flutuante

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013 8 ANOS 5.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2013

Leia mais

Contratos financeiros

Contratos financeiros Contratos financeiros Dos vários contratos financeiros existentes, dois merecem especial destaque: o leasing e o factoring. LEASING OU LOCAÇÃO FINANCEIRA O leasing, ou a locação financeira, é o contrato

Leia mais

Ficha de Informação Geral

Ficha de Informação Geral Objectivo da Ficha de Informação Geral Oferecer aos Clientes informação de carácter geral sobre o crédito à habitação, o mais transparente, sistemático e rigorosamente possível, antes da formalização de

Leia mais

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento;

III - royalties, serviços técnicos e assemelhados, arrendamento mercantil operacional externo, aluguel e afretamento; RESOLUCAO 3.844 --------------- Dispõe sobre o capital estrangeiro no País e seu registro no Banco Central do Brasil, e dá outras providências. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.

UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail. UNIVERSIDADE DE SANTO AMARO MERCADO DE CAPITAIS PRINCIPAIS PRODUTOS BANCARIOS Prof. Esp. Tomás de Aquino Salomão e-mail tomassalomao@gmail.com Caderneta de Poupança A caderneta de poupança foi criada em

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

O CUSTO DO FINANCIAMENTO E A SAÚDE DAS EMPRESAS BRASILEIRAS

O CUSTO DO FINANCIAMENTO E A SAÚDE DAS EMPRESAS BRASILEIRAS O CUSTO DO FINANCIAMENTO E A SAÚDE DAS EMPRESAS BRASILEIRAS Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo mostra que o relacionamento das empresas com o mercado financeiro e acionário tem profunda

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen.

RESOLUÇÃO Nº 351. Paulo H. Pereira Lira Presidente. Este texto não substitui o publicado no DOU e no Sisbacen. RESOLUÇÃO Nº 351 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 12 de novembro de 1975,

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2004 Autoriza o Poder Executivo a criar a Poupança Emigrante e o Fundo de Financiamento ao Emigrante Empreendedor (FEE), com vistas a incrementar a entrada de divisas no

Leia mais

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI)

Material Explicativo sobre Certificado de Recebíveis Imobiliários (CRI) Material Explicativo sobre (CRI) 1. Definições Gerais Os Certificados de Recebíveis são títulos lastreados em créditos imobiliários, representativos de parcelas de um direito creditório. O ativo permite

Leia mais

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * *

* * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Escola Profissional de Agentes de Serviço e Apoio Social Curso de Animador Social/Assistente Familiar Área Científica - ECONOMIA * * * T R A N S P A R Ê N C I A S * * * Módulo 4: MOEDA E MERCADO FINANCEIRO

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A. - Sede Social: 1099-090 Lisboa - Portugal - CRCL / Pes. Col. 504 917 692 Capital Social 7.500.000 Euro Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO

Leia mais

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado 2013 2013 Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado de Títulos do Tesouro, nomeadamente, as características

Leia mais

Simulação de Crédito Pessoal

Simulação de Crédito Pessoal Simulação de Crédito Pessoal Data de Impressão: 22-10-2013 13:38 Número de Simulação: 13901487 Resumo Multifinalidades Prestação Comissão de Processamento (mensal) (Acresce Imposto do Selo à Taxa em vigor)

Leia mais

sobre Instrumentos Financeiros

sobre Instrumentos Financeiros A Informação que deve ser Prestada pelos Intermediários Financeiros sobre Instrumentos Financeiros CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A Informação que deve ser prestada pelos

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO)

SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014 10 ANOS 2.ª SÉRIE (NÃO NORMALIZADO) Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. SEGURO MILLENNIUM TRIMESTRAL 2014

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE INVESTIMENTO DIRETO Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual

Leia mais

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE 1 SUMÁRIO 1. O sistema financeiro em geral 2. O sistema financeiro de Moçambique 2.1 Termo comparativo (Moçambique/Portugal) 3. Os Fundos de Investimento em geral 3.1 Esboço

Leia mais

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde

CRÉDITO À HABITAÇÃO. Banco de Cabo Verde S DO BANCO DE CABO VERDE CRÉDITO À HABITAÇÃO Banco de Cabo Verde Banco de Cabo Verde Crédito à Habitação Banco de Cabo Verde Cidade da Praia 013 Ficha Técnica Título: Crédito à Habitação Autor: Banco de

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA OBRIGAÇÕES COLEP / 2014 2017 FICHA TÉCNICA Emitente: Colep Portugal, S.A. Modalidade: Emissão de obrigações a taxa variável por oferta particular e direta. Moeda: Euro ( ). Montante

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Medidas de política econômica

Medidas de política econômica Medidas de política econômica Medidas relacionadas ao sistema financeiro e ao mercado de crédito Resolução nº 2.673, de 21.12.1999 - Estabeleceu novas características das Notas do Banco Central do Brasil

Leia mais

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983.

Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. 1 RESOLUÇÃO Nº 519 Documento normativo revogado pela Resolução 790, de 11/01/1983. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL,

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. TODOS OS INVESTIMENTOS TÊM RISCO

Leia mais

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo

Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo Capítulo 10: GREMAUD, TONETO JR. E VASCONCELLOS (2002) Setor Externo BALANÇO DE PAGAMENTOS: É o registro sistemático das transações entre residentes e não-residentes de um país durante determinado período

Leia mais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais

Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Estrutura do Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Paulo Berger SIMULADO ATIVOS FINANCEIROS E ATIVOS REAIS. Ativo real, é algo que satisfaz uma necessidade ou desejo, sendo em geral fruto de trabalho

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais