Este Relatório e Contas foi impresso em papel 100% reciclado. Seja responsável, proteja o Meio Ambiente.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Este Relatório e Contas foi impresso em papel 100% reciclado. Seja responsável, proteja o Meio Ambiente."

Transcrição

1 R E L A T Ó R I O E C O N T A S

2

3 Este Relatório e Contas foi impresso em papel 100% reciclado. Seja responsável, proteja o Meio Ambiente. 01

4 02

5 Índice Organograma 04 Relatório e Contas 2009 Contas Consolidadas - Derovo SGPS, S.A. Relatório do Conselho de Administração Balanço Consolidado 10 e 11 Demonstração Consolidada dos Resultados por Naturezas 12 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Consolidados 13 a 17 Certificação Legal de Contas Consolidadas 18 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal às Contas Consolidadas 19 Derovo SGPS, S.A. Balanço 22 e 23 Demonstração dos Resultados por Naturezas 24 Demonstração de Fluxos de Caixa - Método Directo 25 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados 26 Nota 10 - Activo Bruto 27 Nota 10 - Amortizações e Ajustamentos 27 Nota 40 - Capitais Próprios 28 Nota 41 - Demonstração do Custo das Mercadorias Vendidas e Matérias Consumidas 28 Nota 42 - Variação Produção 28 Nota 45 - Demonstração de Resultados Financeiros 29 Nota 46 - Demonstração de Resultados Extraordinários 29 Certificação Legal de Contas 30 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 31 Derovo - derivados de ovos, S.A. Relatório do Conselho de Administração 34 e 35 Balanço 36 e 37 Demonstração dos Resultados por Naturezas 38 Demonstração de Fluxos de Caixa - Método Directo 39 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados 40 e 41 Nota 10 - Activo Bruto 42 Nota 10 - Amortizações e Ajustamentos 42 Nota 21 - Ajustamentos 43 Nota 40 - Capitais Próprios 43 Nota 41 - Demonstração do Custo das Mercadorias Vendidas e Matérias Consumidas 44 Nota 42 - Variação Produção 44 Nota 45 - Demonstração de Resultados Financeiros 44 Nota 46 - Demonstração de Resultados Extraordinários 44 DDO - derivados de ovos, Lda. Relatório do Conselho de Administração 46 Balanço 47 e 48 Demonstração dos Resultados por Naturezas 49 Demonstração de Fluxos de Caixa - Método Directo 50 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados 51 Nota 10 - Activo Bruto 52 Nota 10 - Amortizações e Ajustamentos 52 Nota 21 - Ajustamentos 53 Nota 40 - Capitais Próprios 53 Nota 41 - Demonstração do Custo das Mercadorias Vendidas e Matérias Consumidas 54 Nota 45 - Demonstração de Resultados Financeiros 54 Nota 46 - Demonstração de Resultados Extraordinários 54 Gemadouro - Produtores de Ovos, S.A. Relatório do Conselho de Administração 56 Balanço 57 e 58 Demonstração dos Resultados por Naturezas 59 Demonstração de Fluxos de Caixa - Método Directo 60 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados 61 Nota 10 - Activo Bruto 62 Nota 10 - Amortizações e Ajustamentos 62 Nota 21 - Ajustamentos 63 Nota 40 - Capitais Próprios 63 Nota 41 - Demonstração do Custo das Mercadorias Vendidas e Matérias Consumidas 64 Nota 42 - Variação Produção 64 Nota 45 - Demonstração de Resultados Financeiros 64 Nota 46 - Demonstração de Resultados Extraordinários 64 03

6 Produção de ovoprodutos. Pombal - Portugal Produção de ovoprodutos. Oviedo - Astúrias - Espanha DDO - Derivados de Ovos, Lda. Comercialização de ovoprodutos em Portugal e na Europa. Pombal - Portugal Classificação e Comercialização de Ovos. Pombal - Portugal Produção e Classificação de Ovos. Prença-a-Nova - Portugal Produção de sobremesas. Pombal - Portugal Produção de ovoprodutos. Madrid - Espanha Comercialização de ovoprodutos, e outros produtos. Barcelona - Espanha Comercialização de produtos para a indústria agropecuária e agroalimentar. Pombal - Portugal 04 Gestão de capitais mútuos e garantias. Portugal

7 C O N T A S C O N S O L I D A D A S

8 Caros Accionistas: Nos termos da lei e dos estatutos, submetemos à apreciação dos senhores Accionistas o Relatório de Gestão, Balanço e Contas Consolidadas do Exercício do ano de Dois Mil e Nove para apreciação, discussão e aprovação. Relatório do Conselho de Administração Neste exercício desenvolvemos intensa actividade no apoio às nossas participadas, nomeadamente nas operações da Ovofoods, criando as condições adequadas para uma boa condução dos trabalhos de conclusão da unidade industrial de Oviedo. Foi igualmente intensa a actividade desenvolvida na Eggmax, de forma a ser possível o seu encerramento no primeiro quadrimestre de 2010 e a respectiva transferência de toda a produção para a Ovofoods. Foi definido como fundamental para uma boa condução de todas as operações ibéricas resultantes do movimento de expansão do grupo uma criteriosa selecção da equipa de gestão, tendo-se seleccionado um elemento sénior para reforço da equipa e futuro administrador do grupo. Mantivemos ainda em 2009 o processo de Assessoria Financeira e Operacional com o apoio de reputada empresa de consultadoria. Constituímos a DOCEREINA, LDA, uma Joint Venture com a Espanhola Postres & Dulces Reina, líder ibérico na produção de sobremesas e maior consumidor ibérico de ovoprodutos. Recebemos aprovação do projecto PIR apresentado pela Derovo 2 ao PRODER, tendo merecido um apoio a fundo perdido de ,51. Estabelecemos ao longo do ano importantes negociações com vista à entrada no capital da sociedade uma Capital de Risco, que juntamente com o reforço dos capitais pelos accionistas, venha reforçar a capacidade financeira do grupo para fazer face aos importantes investimentos em curso. Ao nível operacional a SGPS recebeu todo o apoio administrativo, contabilístico e financeiro por partes das suas participadas Derovo-Derivados de Ovos, S.A e Gemadouro- Produtores de Ovos, S.A.. O volume de Negócios consolidado do Grupo foi de ,10, o que representa um aumento de 15,9%, relativamente ao exercício anterior. ACTIVIDADE ECONÓMICA A nossa sociedade, na sua actividade corrente, teve encargos com Pessoal de ,82 e Proveitos Suplementares de ,69. Os resultados líquidos foram de ,38. Da actividade das participadas em dois mil e nove, que se apresenta em anexo, é de salientar que se registou uma performance que consideramos muito interessante, tendo em consideração a conjuntura muito difícil que o sector atravessou, nomeadamente pelos preços muito elevados das matérias-primas (ovos), que em condições normais e históricas não teriam sido possíveis, não fosse todo o movimento de expansão concretizado e que nos permitiu repercutir com muito maior rapidez e impacto o aumento do preço médio de compra. A DEROVO SGPS concretizou a aquisição de 64,29% na empresa Ovofoods, SA, e assegurou a gestão da Eggmax, SL e concretizou a operação de controlo das operações da companhia de capital Dinamarquês - Dervo, SL.. Análise das empresas incluídas na consolidação: Derovo - Derivados de Ovos, S.A. Principais indicadores Volume Negócios ,90e ,92e ,40e ,43 Custo Merc. Vend. Mat. Cons ,18e ,05e ,68e ,51e Margem Bruta ,72e ,87e ,72e ,92e Margem Bruta (%) 18% 10,0% 21,0% 15,5% Fornecim. e Serviços Exter ,04e ,32e ,42e ,93e Contas Consolidadas 06 Pessoal ,93e ,09e ,74e ,02e Amortizações e Ajustamentos ,29e ,42e ,04e ,56e Cash-Flow Operacional (EBITDA) ,29e ,20e ,17e ,11e Resultado Operacional (EBIT) ,00e ,22e ,13e ,23e Resultados Financeiros ,53e ,85e ,52e ,81e Resultado Líquido ,66e ,95e ,43e ,54e Autonomia Financeira 32% 22% 24% 18% Em 2009 o Volume de vendas de ,43, corresponde a um aumento na ordem de 12% face ao volume do ano anterior. Em termos de margem bruta obteve-se uma redução face a 2008, justificada pelo importante aumento do preço médio de compra das matérias primas, ainda assim bastante positiva, quando comparado com o histórico da sociedade em situações análogas. O mercado nacional representa 88,7%, tendo em conta que a maioria da comercialização é feita pela DDO e o mercado externo representa 11,3% do volume total de negócios, que são as vendas para a DOUTEC, SL.. O EBITDA foi de ,11 em 2009, que representa uma redução de ,06 face ao ano de 2008.

9 Os investimentos totais realizados em 2009 ascenderam a ,48 e as amortizações foram ,58. Este valor diz respeito essencialmente a investimentos na unidade industrial. O quadro de pessoal é de 55 colaboradores. A Derovo, S.A financiou a Derovo, SGPS no montante de ,59 para concretização das operações internacionais Os resultados líquidos da empresa em 2009 foram positivos no valor de ,54. A nível ambiental, a Derovo S.A. tem vindo a implementar medidas de controlo de resíduos e de racionalização de consumos energéticos, bem como a monitorização da eficiência energética na Empresa. Tem em curso a certificação ambiental pela norma ISSO Perante todo o movimento de expansão e diversificação concretizado em 2009 e a equipa de gestão que se está a constituir, bem como todas as ferramentas de gestão e modelo de governação em implementação, estamos seguros que estão criadas as condições para atingir o desiderato a que nos propomos e os objectivos definidos no plano DDO - Derivados de Ovos, Lda. Principais indicadores Volume Negócios ,52e ,83e ,14e ,85e Custo Merc. Vend. Mat. Cons ,24e ,37e ,89e ,47e Margem Bruta ,28e ,46e ,25e ,38e Margem Bruta (%) 8% 8% 9,6% 9,1% Fornecim. e Serviços Exter ,48e ,06e ,78e ,29e Pessoal ,45e ,31e ,07e ,00e Amortizações e Ajustamentos ,10e ,46e ,26e ,34e Cash-Flow Operacional (EBITDA) ,13e ,56e ,40e ,02e Resultado Operacional (EBIT) ,03e ,10e ,14e ,97e Resultados Financeiros ,37e ,14e ,09e ,08e Resultado Líquido ,65e ,81e ,14e ,90 e Autonomia Financeira 7% 6% 7% 6% Em 2009 o volume de vendas teve um incremento de 7,5% para os ,85. O mercado nacional representa 69,22% e o mercado externo representa 30,78% do volume total de negócios. Os FSE aumentaram 5,5%. O quadro de pessoal é de 37 colaboradores. Obteve-se um resultado líquido de ,90. Contas Consolidadas 07

10 Relatório do Conselho de Administração Gemadouro - Produtores de Ovos, S.A. Principais indicadores Volume Negócios ,26e ,20e ,68e ,56e Custo Merc. Vend. Mat. Cons ,93e ,40e ,63e ,14e Margem Bruta ,33e ,80e ,05e ,42e Margem Bruta (%) 13% 4% 17% 8% Fornecim. e Serviços Exter ,40e ,92e ,76e ,85e Pessoal ,86e ,43e ,04e ,92e Amortizações e Ajustamentos ,27e ,57e ,36e ,94e Cash-Flow Operacional (EBITDA) ,92e ,35e ,77e ,27 e Resultado Operacional (EBIT) ,65e ,92e ,59e ,24e Resultados Financeiros ,33e ,67e ,00e ,46e Resultado Líquido ,10e ,92e ,18e ,28e Autonomia Financeira 26% 24% 18% 10% É de referir uma manutenção do volume de vendas, pelo facto da conjuntura do sector não ter permitido uma melhor evolução e pelas imposições que a ASAE colocou, não permitindo dar continuidade ao plano de integração na Derovo, o que exigiu uma alteração do plano de acção no último trimestre e que em 2010 terá continuidade, na medida em que a Gemadouro será o braço comercial do grupo em termos ib_ricos para a compra de ovos. Os custos financeiros foram de ,35, o que representa um aumento de 64,10% face a O Quadro de pessoal em 31 de Dezembro era de 7 pessoas. A redução da actividade, resultado da política de integração com a Derovo S.A permitiu importantes ajustamentos, mantendo-se ainda. O resultado líquido do exercício foi negativo em ,28, exigindo uma tomada de decisões e um plano de viabilidade por parte da Administração. DOUTEC - D Ou i Tecnologia, S.L. Principais indicadores Volume Negócios ,71e ,29 Custo Merc. Vend. Mat. Cons ,05e ,38e Margem Bruta ,66e ,91e Margem Bruta (%) 9% 3% Fornecim. e Serviços Exter ,01e ,08e Contas Consolidadas Pessoal ,69e ,51e Amortizações e Ajustamentos - 187,50e Cash-Flow Operacional (EBITDA) ,96e ,68e Resultado Operacional (EBIT) ,96e ,18e Resultados Financeiros ,15e ,50e Resultados Extraordinários 88,67e 11,10e Resultado Líquido ,78e ,58e O exercício económico foi fortemente condicionado pela conjuntura do sector, não se tendo conseguido repercutir os preços médios de compra. 08

11 Ovofoods, S.A. Principais indicadores Volume Negócios ,40e Custo Merc. Vend. Mat. Cons ,00e Margem Bruta 0,00e 1.240,40e Margem Bruta (%) 0% 0% Fornecim. e Serviços Exter ,04e ,54e Pessoal ,66e ,09e Amortizações e Ajustamentos - 322,73e Cash-Flow Operacional (EBITDA) ,70e ,90e Resultado Operacional (EBIT) ,70e ,17e Resultados Financeiros ,60e ,37e Resultados Extraordinários 3.700,08e ,32e Resultado Líquido ,67e ,60e O exercício de 2009 é caracterizado por forte actividade ao nível da construção da unidade industrial de Mieres - Oviedo (Asturias), estando criadas condições para iniciar testes industriais em Janeiro e o arranque da pordução em Março de 2010, numa primeira fase a linha de ovo cozido, durante o mês de Abril e Maio a linha de ovo líquido e em Junho a unidade de ovo cozido. No final do ano iniciámos a transferência de alguns clientes da Induovo, passando a facturação a ser assumida pela Ovofoods. Contratámos um elemento para a área de compras que será responsável pela relação com os produtores espanhóis. Definimos o mês de Maio para a Inauguração oficial da unidade industrial. INFORMAÇÕES LEGAIS De harmonia com a Lei, declara-se que a Empresa não tem dúvidas em mora à Segurança Social e ao Fisco. EVOLUÇÃO GLOBAL Estamos certos de que o caminho traçado para a empresa nos dois últimos exercícios, vai traduzir-se numa evolução positiva já em 2009 e anos seguintes, apesar da crise económica e financeira, sem precedentes que afecta a economia mundial. A nossa empresa vai continuar a reforçar as suas competências técnicas podendo assim apoiar o previsível crescimento do Grupo e nomeadamente na integração com as restantes participadas da DEROVO SGPS, com quem mantemos estreita cooperação. RESULTADOS /PROPOSTA Como resultados da actividade das suas participadas o exercício fiscal de 2009 apresenta: Resultados Líquidos da DEROVO SGPS, S.A: ,45 Resultados Líquidos Consolidados da DEROVO SGPS, SA: ,38 Propomos que os resultados do exercício passem para Resultados Transitados. AGRADECIMENTOS : Aos accionistas que nos deram o seu apoio e confiança para darmos continuidade ao processo de expansão do grupo, o nosso muito obrigado. Ao Conselho Fiscal e ao Revisor Oficial de Contas queremos também agradecer todo o apoio concedido. Pombal, 30 de Abril de 2010 O Conselho de Administração Presidente: José António Baptista Leitão Amaro Administradores: Manuel da Silva Ferreira; Vitor Manuel Mateus Mendes; Jorge José Rodrigues Fernandes; Manuel Sobreiro Ferreira; Manuel Mendes Duarte. Contas Consolidadas 09

12 Balanço Contas Consolidadas 10 ACTIVO EXERCÍCIOS Cód. das Contas CEE POC AB AA AL AL C Imobilizado I Imobilizações incorpóreas Despesas de instalação , , , , Despesas de investigação e desenvolvimento , , , Propriedade industrial e outros direitos , , , , Trespasses 0,00 0,00 0,00 0, /6 Imobilizações em curso 0,00 0,00 0, , Adiant. por conta de imob. incorpóreas ,00 0, , ,63 Diferenças de Consolidação ,48 0, , , , , , ,67 II Imobilizações Corpóreas Terrenos e recursos naturais , , , , Edifícios e outras construções , , , , Equipamento básico , , , , Equipamento de transporte , , , , Ferramentas e utensílios , , , , Equipamento administrativo , , , , Taras e vasilhame , , , , Outras imobilizações corpóreas , , , , /6 Imobilizações em curso 0,00 0,00 0, , Adiant. por conta de imob. corpóreas ,27 0, ,27 0, , , , ,23 III Investimentos Financeiros Partes de capital em Empresas do grupo ,40 0, , , Empréstimos a Empresas do grupo 0,00 0,00 0,00 0, Partes de capital Empresas associadas ,00 0, , , Empréstimos a Empresas associadas 0,00 0,00 0,00 0, Títulos e outras aplicações financeiras ,18 0, , , Outros empréstimos concedidos 0,00 0,00 0,00 0, /6 Imobilizações em curso 0,00 0,00 0,00 0, Adiant. por conta de invest. financeiros ,07 0, ,07 0, ,65 0, , ,76 TOTAL DO ACTIVO IMOBILIZADO , , , ,66 D I II II III Circulante Existências 1 36 Matérias-primas, subsidiárias e de consumo ,13 0, , , Produtos e trabalhos em curso 0,00 0,00 0,00 0, Subprodutos, desperdícios, resíduos e refugos 0,00 0,00 0,00 0, Produtos acabados e intermédios ,48 0, , , Mercadorias ,51 0, , , Adiantamentos por conta de compras 0,00 0,00 0,00 0, ,12 0, , ,74 Dívidas de terceiros - médio e longo prazo Clientes - Títulos a receber 0,00 0,00 0,00 0,00 Clientes - Cheques pré-datados 0,00 0,00 0,00 0,00 Clientes - Cheques devolvidos 0,00 0,00 0,00 0,00 Clientes de cobrança duvidosa 0,00 0,00 0,00 0,00 Empresas do grupo 0,00 0,00 0,00 0,00 Outras empresas participantes e participadas 0,00 0,00 0,00 0,00 (Restantes) accionistas (sócios) 0,00 0,00 0,00 0,00 Adiantamentos a fornecedores de imobilizado 0,00 0,00 0,00 0,00 Estado e outros entes públicos 0,00 0,00 0,00 0,00 Outros devedores 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Dív. de terceiros - curto prazo Clientes, c/c ,65 0, , , Clientes - Títulos a receber ,85 0, , , Clientes - Cheques pré-datados 0,00 0,00 0,00 0, Clientes - Cheques devolvidos 0,00 0,00 0,00 0, Clientes de cobrança duvidosa , , , , Empresas do grupo 0,00 0,00 0,00 0, Outras empresas participantes e participadas 0,00 0,00 0,00 0, (Restantes) accionistas (sócios) 0,00 0,00 0,00 0, Adiantamentos a fornecedores 0,00 0,00 0,00 0, Adiantamentos a fornecedores de imobilizado 8.040,00 0, , , Estado e outros entes públicos ,92 0, , , /6/7/8+221 Outros devedores ,87 0, , , Subscritores de capital 3.820,00 0, , , , , , ,09 Títulos negociáveis Acções em empresas do grupo 0,00 0,00 0,00 0, Obrigações e títulos de part. em emp. do grupo 0,00 0,00 0,00 0, Acções em empresas associadas 0,00 0,00 0,00 0, Obrigações e títulos de partic. em emp. assoc. 0,00 0,00 0,00 0, Outros títulos negociáveis 0,00 0,00 0,00 0, Outras aplicações de tesouraria 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 IV Depósitos bancários e caixa Depósitos bancários ,88 0, , ,66 11 Caixa ,94 0, , , ,82 0, , ,16 TOTAL DO ACTIVO CIRCULANTE , , , ,98 E Acréscimos e Diferimentos 271 Acréscimo de proveitos 0,00 0,00 0, , Custos diferidos ,94 0, , , Activos por impostos Diferidos ,73 0, , , ,67 0, , ,67 Total de Amortizações ,35 Total de Ajustamentos ,66 TOTAL DO ACTIVO , , , ,31 Manuel Mendes Duarte

13 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO Cód. das Contas EXERCÍCIOS CEE POC A CAPITAL PRÓPRIO: I 51 Capital , , Acções (quotas) próprias - Valor nominal , , Acções (quotas) próprias - Descontos e prémios 0,00 0,00 53 Prestações suplementares ,26 0,00 II 54 Prémios de emissão de acções (quotas) 0,00 0,00 III 55 Ajustam. de partes de cap. em filiais e associadas 1.505, ,78 56 Reservas de reavaliação 0,00 0,00 IV Reservas 0,00 0,00 1/ 571 Reservas legais 0, , Reservas estatutárias 0,00 0, Reservas contratuais 0,00 0, a 579 Outras Reservas , ,62 V 59 Resultados transitados , ,68 Subtotal , ,91 VI 88 Resultado Líquido , ,48 89 Dividendos antecipados 0,00 0,00 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO , ,38 Interesses minoritários , ,05 B C PASSIVO Provisões para riscos e encargos Provisões para Pensões 0,00 0, Provisões para Impostos 0,00 0, /8 Outras provisões para riscos e encargos 0,00 0,00 0,00 0,00 Dívidas a terceiros - médio e longo prazo Empréstimos por obrigações: 0,00 0,00 Convertíveis 0,00 0,00 Não convertíveis 0,00 0,00 Empréstimos por títulos de participação 0,00 0,00 Dívidas a instituições de crédito , ,65 Fornecedores - Títulos a pagar 0,00 0,00 Fornecedores de imobilizado - Títulos a pagar 0,00 0,00 Empresas do grupo 0,00 0,00 Outras empresas participantes ou participadas 0,00 0,00 (Restantes) accionistas (sócios) 0,00 0,00 Outros empréstimos obtidos , ,93 Fornecedores de imobilizados, c/c , ,05 Estado e outros entes públicos 0,00 0,00 Outros credores 0,00 0, , ,63 C Dívidas a terceiros - curto prazo 1 Empréstimos por obrigações 0,00 0, Convertíveis 0,00 0, Não convertíveis 0,00 0, Empréstimos por títulos de participação 0,00 0, Dívidas a instituições de crédito , , Adiantamentos por conta de vendas 0,00 0, Fornecedores, c/c , , Fornecedores - Facturas em recepção e conferência 0,00 0, Fornecedores - Títulos a pagar , , Fornecedores de imobilizado - Títulos a pagar 0,00 0, Empresas do grupo ,24 0, Outras empresas participantes e participadas 0,00 0, (Restantes) accionistas (sócios) 0,00 0, Adiantamentos de clientes 0,00 0, Outros empréstimos obtidos 0,00 0, Fornecedores de imobilizado, c/c , , Estado e outros entes públicos , , Outros credores , , , ,71 C ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS 273 Acréscimos de custos , , Proveitos diferidos , , Proveitos por impostos diferidos ,83 0, , ,54 TOTAL DO PASSIVO , ,88 TOTAL DO CAPITAL PRÓPRIO + INTERESSES MINORITÁRIOS + PASSIVO , ,31 (a) Em conformidade com o artigo 9º da 4ª Directiva da CEE Abreviaturas: AB - Activo Bruto AP - Amortizações e Provisões acumuladas AL - Activo Líquido Manuel Mendes Duarte Contas Consolidadas 11

14 Demonstração Consolidada dos Resultados por Naturezas CUSTOS E PERDAS POC / EXERCÍCIOS Custo das merc. vendidas e das mat. consumidas: Mercadorias , ,43 Matérias , , , ,64 Fornecimentos e serviços externos , ,08 Custos com o pessoal: Remunerações , ,61 Encargos sociais: Pensões - - Outros , , , ,42 Amortizações imobilizado corp. e incorp , ,45 Ajustamentos , ,24 Provisões , ,69 Impostos , ,32 Outros custos e perdas operacionais 9.330, , , ,42 (A) , ,24 Perdas em empresas do grupo e associadas ,09 - Amortizações e ajust. de aplicações e invest. financ. - - Juros e custos similares: Relativos a empresas do grupo Outros , , , ,73 (C) , ,97 Custos e perdas extraordinários , ,16 (E) , ,13 Interesses Minoritários , ,72 Impostos sobre o rendimento do exercício , ,08 (G) , ,93 Resultado Consolidado líquido do exercício , , , ,41 PROVEITOS E GANHOS EXERCÍCIOS Vendas: Mercadorias , ,60 Produtos , ,89 Prestação de serviços , , , ,29 Variação da produção , ,80 Trabalhos para a própria empresa ,00 - Proveitos suplementares e outros , ,33 Subsídios à exploração , ,31 Outros proveitos e ganhos operacionais Reversões de amortizações e ajustamentos , , , ,99 (B) , ,48 Ganhos em empresas do grupo e associadas Rendimentos de participações de capital Rendimentos de títulos negociáveis e outras aplicações financeiras Relativos a empresas do grupo Outros Outros juros e proveitos similares: Relativos a empresas do grupo Outros , , , ,29 (D) , ,77 Proveitos e ganhos extraordinários , ,64 (F) , ,41 Contas Consolidadas 12 RESUMO Resultados Operacionais: (B) - (A) , ,24 Resultados Financeiros: (D-B) - (C-A) , ,44 Resultados Correntes: (D) - (C) , ,80 Resultados Antes de Impostos: (F - E) , ,28 Resultado Consolidado com os interesses minoritários do exercício: (F) - (G) , ,48 Manuel Mendes Duarte

15 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Consolidados Exercício de 2009 I - Informações Relativas às Empresas Incluídas na Consolidação Nota 1 Empresas Incluídas na Consolidação Percentagem Capital Detido Condições Sede Firma de inclusão Social Directo Total Directo Total Derovo-SGPS, S.A. Mãe Pombal Mãe Mãe Mãe Mãe Derovo-Derivados de Ovos, S.A. a) Pombal 98,90% 98,90% 97,12% 97,12% Gemadouro-Produtores de Ovos, S.A. a) Pombal 98,76% 98,76% 98,76% 98,76% DDO-Derivados de Ovos, Lda. a) Pombal 0,00% 98,89% 0,00% 97,20% Ovofoods, S.A. a) Oviedo - Astúrias 60,70% 60,70% 0,00% 0,00% Doutec-D ou I Tecnologia, S.L. b) Terragona (Espanha) 50,00% 50,00% 50,00% 50,00% Egg Max b) Segóvia (Espanha) 50,00% 50,00% 50,00% 50,00% a) alínea a, nº 1 do Decreto de Lei nº 238/91 b) alínea b, nº 1 do Decreto de Lei nº 238/91 Nota 2 Empresas Excluídas da Consolidação Nota 3 Empresas Associadas Contabilizadas pelo Método da Equivalência Patrimonial Nota 4 Empresas Associadas Não Contabilizadas pelo Método da Equivalência Patrimonial Percentagem Capital Detido Condições Sede Firma de exclusão Social Directo Total Directo Total Solgipombal-Preparados de Ovos, Lda. a) Pombal 27% 27% 27% 27% Ovo Alimentar, S.L. a) Sevilla (Espanha) 51% 51% 51% 51% a) Estas Associadas encontram-se registadas pelo custo de aquisição. Exclusão por imaterialidade - nº 1 do Artº 4º do Decreto-Lei 238/91. Nota 5 Empresas Contabilizadas pelo Método Proporcional Nota 6 Empresas Participadas Percentagem Capital Detido Sede Firma Social Inogen-Inovação e Soluções Veterinárias Pombal 12,5% 12,5% Agrogarante Pombal 3,69% 3,69% Nota 7 Trabalhadores ao Serviço O número médio de trabalhadores ao serviço, durante o exercício das empresas incluídas na consolidação, pode ser analisado como se segue: Sector/Empresa DDO Derovo Gemadouro Doutec Derovo SGPS Ovofoods Eggmax Total Director Geral Administrativo Comercial Distribuição C. Qualidade Producção Total Manuel Mendes Duarte Contas Consolidadas 13

16 Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Consolidados Exercício de 2009 II - Informações Relativas à Imagem Verdadeira e Apropriada Nota 8 Nota 9 III - Informações Relativas aos Procedimentos de Consolidação Nota 10 Diferenças de Consolidação Valor Participação Valor Capital Próprio INTERESSES INTERESSES INTERESSES INTERESSES Diferenças Derovo SGPS inicio período inicio período MAIORITÁRIOS MINORlTÁRIOS MAIORITÁRIOS MINORlTÁRIOS Consolidação Derovo, S.A , ,94 97,12% 2,88% , , ,48 Gemadouro, S.A , ,88 98,76% 1,24% , , ,92 DDO, LDA , ,11 97,20% 2,80% , , ,19 Ovofoods, S.A , ,60 64,70% 35,30% , , , , , , , ,48 Nota 11 Disposições do POC Derrogadas no Exercício Nota 12 Nota 13 Nota 14 Nota 15 Nota 16 Nota 17 De acordo com a IFRS 3- Concentrações de Actividades Empresariais, o Grupo adoptou a política de não amortização das diferenças de consolidação, tendo por base uma análise de imparidade do seu valor líquido, processo que se repetirá numa base anual. Nota 18 Contabilização das Participações em Associadas O conjunto das empresas incluídas na consolidação contabilizaram as participações em associadas de acordo com a alínea a) do nº do anexo II do Plano Oficial de Contabilidade (Custo de Aquisição). Nota 19 Nota 20 IV - Informações Relativas a Compromissos Nota 21 Contas Consolidadas 14 Nota 22 Manuel Mendes Duarte

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO

PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO PLC - CORRETORES DE SEGUROS, S.A. EXERCÍCIO DE 2007 RELATÓRIO DE GESTÃO De acordo com as disposições legais e estatuárias venho submeter á apreciação dos senhores accionistas o Relatório de Gestão e as

Leia mais

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado:

PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 BALANÇO ANALÍTICO. Exercícios ACTIVO AB AA AL AL. Imobilizado: PLC Corretores Seguros SA Pág. 1 de 4 Imobilizado: ACTIVO AB AA AL AL Imobilizações incorpóreas: Despesas de Instalação... 770,64 770,64 Despesas de investigação e de desenvolvimento... Propriedade industrial

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Código das contas POCMS Imobilizado ACTIVO Exercícios AB AP AL AL Bens de domínio público: 451 Terrenos e Recursos naturais 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

Informação Financeira

Informação Financeira Informação Financeira Balanço Polis Litoral Ria Aveiro das ACTIVO BALANÇO ANALÍTICO Dezembro 09 Dezembro 08 ACTIVO BRUTO AMORT. E AJUST. ACTIVO LIQUIDO ACTIVO LIQUIDO IMOBILIZADO Imobilizações Incorpóreas

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I)

CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR. Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) CÂMARA MUNICIPAL DE GONDOMAR Mapas da Prestação de Contas (Anexo I) Ano de 2007 CC ÂÂMM AARR AA MM UU NN I IICC IIPP I AALL DD EE GG OONN DD OOMM AARR R EE LL AA TT ÓÓ RR II IOO EE C OO NN TT AA SS / 22

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Nota Introdutória A Manuel Rodrigues Gouveia, S.A. ( MRG ou Empresa ) tem sede em Seia, foi constituída em 1977 e tem como actividade principal a Construção Civil

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS As Demonstrações Financeiras anexas foram elaboradas de acordo com os princípios contabilísticos definidos pelo Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO

ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Imobilizado ACTIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Ano de 2006 CAPITAL PRÓPRIO E PASSIVO 31-12-2009 2008 VARIAÇÃO Capital Próprio Imobilizações Incorpóreas 0,00 Capital 49.879,79 49.879,79 0,00 Imobilizações

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015

RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório de gestão do ano de 2015 1 RELATÓRIO FIM DE ATIVIDADE e CONTAS 2015 Relatório Fim de Atividade e Contas 2015 ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Recursos Humanos 5 3. Análise Económica e Financeira

Leia mais

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1

AMADORA - MUNICIPIO DA AMADORA MOEDA EUR DATA 2015/04/10 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 A DEZEMBRO - 2014/12/01 a 2014/12/31 PAG. 1 Imobilizado: Bens de domínio público 451 Terrenos e recursos naturais 1.437.193,54 1.437.193,54 1.424.390,02 452 Edifícios 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012

AB AP AL AL 2013 2013 2013 2012 Balanço - Activo Dados atuais 23.04.2014 13:48:11 Organismo: 1012 ADSE Página: 1 Exercício:2013 Emissão:23.04.2014 13:48:17 Balanço - Activo Activo Imobilizado Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos

Leia mais

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A.

Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Interhotel Sociedade Internacional de Hotéis, S.A. Sociedade Aberta Rua Misericórdia, 12 a 20, Piso 3, Esc. 7 1200-273 Lisboa Capital Social: 34.719.990,86 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde

Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde Ministério da Saúde IGIF Instituto de Gestão Informática e Financeira da Saúde ! " # $ % & '(# ) * + (, -& -*.- & - (+ * - ) /////////////////////////////////////////////////////////////////////// 01.")

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA 31. A DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA A demonstração de fluxos de caixa é um mapa de fluxos que releva a entradas e as saídas de caixa, durante um exercício. A Demonstração de fluxos de caixa é estruturada

Leia mais

ANEXO AO BALANÄO E Å DEMONSTRAÄÇO DE RESULTADOS REFERENTE AO EXERCÉCIO DE 2009

ANEXO AO BALANÄO E Å DEMONSTRAÄÇO DE RESULTADOS REFERENTE AO EXERCÉCIO DE 2009 ANEXO AO BALANÄO E Å DEMONSTRAÄÇO DE RESULTADOS REFERENTE AO EXERCÉCIO DE 2009 1. IndicaÑÖo e justificañöo das disposiñües do P.O.C. que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ACTIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA E ENTIDADES NÃO RESIDENTES COM ESTABELECIMENTO

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

1192 Diário da República, 1. a série N. o 34 16 de Fevereiro de 2007 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO

1192 Diário da República, 1. a série N. o 34 16 de Fevereiro de 2007 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO 9 Diário da República a série N o 34 6 de Fevereiro de 007 MINISTÉRIOS DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO Portaria n o 07/007 de 6 de Fevereiro O Decreto-Lei n o 550/99 de 5 de Dezembro

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS MUNICIPIO DE ALMEIDA CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS DO ANO ECONÓMICO DE 2010 APROVAÇÕES CÂMARA ASSEMBLEIA MUNICIPAL Em / / 2011 Em / / 2011 M U N I C Í P I O D E A L M E I DA 6350-130 Almeida Tef: 271570020 /

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014

ANEXO. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 ANEXO Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais Para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1 - Identificação de entidade: 1.1- Designação da entidade: GATO - Grupo de Ajuda a Toxicodependentes

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Fluxos de Caixa Instituto de Higiene e Medicina Tropical - Universidade Nova de Lisboa Gerência de 01-01-2012 a 31-12-2012 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior Execução orçamental -

Leia mais

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas

Município de Alcácer do Sal Relatório de prestação de contas consolidadas 1- INTRODUÇÃO A lei das Finanças Locais (Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiros) veio determinar a obrigatoriedade da consolidação de contas para os Municípios que detenham serviços municipalizados e/ou a totalidade

Leia mais

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras

MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF. 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras MODELOS DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBSERVAÇÕES E LIGAÇÃO ÀS NCRF 1. Conjunto completo de demonstrações financeiras Nos termos do previsto no ponto 2.1.4. das Bases para a Apresentação das Demonstrações

Leia mais

Existências. Provisões para cobrança duvidosa

Existências. Provisões para cobrança duvidosa 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR NATUREZA As demonstrações financeiras anexas foram preparadas com base nos livros e registos contabilísticos da ESHTE mantidos em conformidade com

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1

C N C. Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 Indice 11 - CÓDIGO DE CONTAS... 1 CLASSE 1 - DISPONIBILIDADES... 1 CLASSE 2 - TERCEIROS*... 2 CLASSE 3 - EXISTÊNCIAS*... 4 CLASSE 4 - IMOBILIZAÇÕES*... 5 CLASSE 5 - CAPITAL, RESERVAS E RESULTADOS TRANSITADOS...

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 6148 Diário da República, 1.ª série N.º 175 9 de Setembro de 2009 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n.º 1011/2009 de 9 de Setembro O Decreto -Lei n.º 158/2009, de 13 de Julho,

Leia mais

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA

ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS GOTE - SOCIEDADE DE MEDIAÇÃO DE SEGUROS, LDA ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2010 ÍNDICE 1 - Identificação da entidade 1.1 Dados de identificação 2 - Referencial contabilístico de preparação das demonstrações financeiras 2.1 Referencial

Leia mais

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012

MUNICÍPIO DE MÊDA Plano de Contas Consolidado para o Ano Económico de 2012 Plano de s Consolidado para o Ano Económico de 2012 1 Disponibilidades 11 Caixa 111 Caixa Principal 118 Fundo Maneio 119 Transferências de caixa 12 Depósitos em instituições financeiras 1201 Caixa Geral

Leia mais

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA

IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA IES DECLARAÇÃO ANUAL IES - INFORMAÇÃO EMPRESARIAL SIMPLIFICADA (ENTIDADES RESIDENTES QUE EXERCEM, A TÍTULO PRINCIPAL, ATIVIDADE COMERCIAL, INDUSTRIAL OU AGRÍCOLA E ENTI- DADES NÃO RESIDENTES COM ESTABELECIMENTO

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009

Folha de cálculo para Plano de Negócios. 7 de Novembro 2009 Folha de cálculo para Plano de Negócios 7 de Novembro 2009 9 de Novembro de 2009 Modelo 9 de Novembro de 2009 2 Objectivos ferramenta Disponibilizar uma ferramenta que possibilite a um empreendedor efectuar

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira

Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra. Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira Oficinas E2 Poliempreende Instituto Politécnico de Coimbra Introdução ao Modelo de Análise Económico-Financeira 18 de Maio de 2011 1 Modelo de análise económico-financeira 2 Modelo de análise económico-financeira

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TÉNIS DE MESA ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EXERCÍCIO 2010 Introdução As Notas que se seguem respeitam a numeração definida no Plano Oficial de Contabilidade para as Federações Desportivas, Associações

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração de Resultados 1. Relativo às contas individuais do exercício de dois mil e sete, do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO

CLASSIFICAÇÃO ORÇAMENTAL E PATRIMONIAL DO POCAL, APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 54-A/99, DE 22 DE FEVEREIRO Classe 0 Contas do controlo orçamental e de ordem* 01 Orçamento Exercício corrente* 02 Despesas 021 Dotações iniciais* 022 Modificações orçamentais* 0221 Transferências de dotações 02211 Reforços* 02212

Leia mais

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 2 REFERENCIAL CONTABILÍSTICO DE PREPARAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ASSOCIAÇÃO POPULAR DE PAÇO DE ARCOS Rua Carlos Bonvalot, Nº 4 Paço de Arcos Contribuinte nº 501 238 840 NOTAS ANEXAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE:

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS As notas apresentadas neste documento, estão conforme o preconizado no art.º 46º da Lei n.º 2/2007, de 15 de janeiro,

Leia mais

Balanço e análise setorial

Balanço e análise setorial Balanço e análise setorial Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28 3º, 4º E 5º,

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31-12-2011 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da entidade A (FPPM), fundada em 19 de Dezembro de 1949, é uma pessoa colectiva de direito privado,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO. Durante o exercício de 2014 não existem cotas da empresa que possam ter sido alienadas ou adquiridas pela sociedade.

RELATÓRIO DE GESTÃO. Durante o exercício de 2014 não existem cotas da empresa que possam ter sido alienadas ou adquiridas pela sociedade. RELATÓRIO DE GESTÃO No cumprimento das obrigações legais, vem a gerência, através do presente relatório de gestão, dar conhecimento aos sócios e terceiros, que com a empresa têm relações, de alguns aspectos

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015

RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014. Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2014 Reunião de Câmara Municipal de 12/06/2015 Sessão da Assembleia Municipal de 22/06/2015 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 5 2. PERÍMETRO DE CONSOLIDAÇÃO... 6 3. MÉTODO DE CONSOLIDAÇÃO...

Leia mais

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO

MUNICÍPIO DO PORTO SANTO MUNICÍPIO DO PORTO SANTO Ponto 8 do POCAL ANEXOS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS As notas apresenta neste documento correspondem à numeração no POCAL. Aquelas cuja numeração se omite, não são aplicáveis ao

Leia mais

!"#!$%& '(!)*+,*!-!.& / ##0*+(#0*+1#0*& 2 *-!)$%3!4!'!& 5 %0'#3!3& 6!%-!'4! 0-!*-!!#!'!& #$!#! *!& / *-!)*-!!*& /1 " / 89 /'*!(!):* / 0**;0%!

!#!$%& '(!)*+,*!-!.& / ##0*+(#0*+1#0*& 2 *-!)$%3!4!'!& 5 %0'#3!3& 6!%-!'4! 0-!*-!!#!'!& #$!#! *!& / *-!)*-!!*& /1  / 89 /'*!(!):* / 0**;0%! !"#!$% '(!)*+,*!-!. / ##0*+(#0*+1#0* 2 *-!)$%3!4!'! 5 %0'#3!3 6!%-!'4! 0-!*-!!#!'! 7 '3-#!*03 #$!#! *! / *-!)*-!!* /1 " / 89 /'*!(!):* / 0**;0%!'* //*#$0(=!)>? @7" ! " # $! % " ' "

Leia mais

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES

ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 NATUREZA DA DESPESA SUPORTE DESPESAS CORRENTES ANEXO 4 Tabela de Rubricas Orçamentais 1 CODIGO DESPESAS CORRENTES 010101 TITULARES DE ORGÃOS DE SOBERANIA E MEMBROS DE ORGÃOS AUTÁRQUICOS Corrente DL 26/2002 010102 ORGÃOS SOCIAIS Corrente DL 26/2002

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 31 de Dezembro de 2006 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados

Contabilidade II. I. Demonstração dos resultados. Tipos de demonstrações de resultados Contabilidade II I. Demonstração dos resultados Demonstração dos resultados A demonstração dos resultados tem como objectivo evidenciar os resultados (lucros ou prejuízos) obtidos na actividade desenvolvida

Leia mais

Ano financeiro de 2014

Ano financeiro de 2014 9. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 9.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística Sistema de Normalização Contabilística A MUDANÇA PARA UM NOVO AMBIENTE CONTABILISTICO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 2009 1 Sistema de Normalização Contabilística Trata-se de uma mudança de grande

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados e sem prejuízo do legalmente estabelecido,

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011

BALANÇO INDIVIDUAL. Dezembro 2011 BALANÇO INDIVIDUAL ACTIVO Activo não corrente: Activos fixos tangíveis... 5 52.063,72 63.250,06 Propriedades de investimento... Goodwill... Activos intangíveis. Activos biológicos.. Participações financeiras

Leia mais

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal.

1.5. Sede da entidade-mãe Largo Cónego José Maria Gomes 4800-419 Guimarães Portugal. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PERÍODO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 (Montantes expressos em euros) 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1. Designação da Entidade Casfig Coordenação de âmbito social

Leia mais

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO

GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO GUIÃO PARA AVALIAÇÃO DA EMPRESA/EMPRESÁRIO/PROJECTO PORTOS DE PESCA, LOCAIS DE DESEMBARQUE E DE ABRIGO I - CARACTERIZAÇÃO DA ACTIVIDADE DA EMPRESA/EMPRESÁRIO a) 1.1. Breve resumo da actividade da Empresa/Empresário

Leia mais

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Nota introdutória As demonstrações financeiras relativas ao exercício, foram preparadas de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites previstos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2012 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2012 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS

PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS PLANO DE CONTAS PARA AS EMPRESAS DE SEGUROS Índice 1. Introdução 2. Considerações sobre as opções tomadas 3. Disposições gerais 4. Quadro de contas 5. Lista e âmbito das contas 6. Tabelas 7. Contas individuais

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados Município da Lourinhã 2. Notas ao Balanço e Demonstrações de Resultados 2.1 - As contas do município derrogaram o ponto 2.8.3 do POCAL que institui a obrigatoriedade da utilização da contabilidade de custos. Tal facto ficou

Leia mais

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento...

SPMS, E.P.E. Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 2012 Orçamento Índice 1. Enquadramento... 2 2. Orçamento de Exploração... 3 3. Orçamento de Tesouraria... 8 4. Orçamento de Investimento... 8 1 Plano Estratégico 2011-2013 1. Enquadramento O presente documento

Leia mais

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas

MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA EXERCICIOS 2009 2008. Custos e perdas MAPAS FISCAIS DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANALÍTICA Contas POC Descricao Custos e perdas EXERCICIOS 2009 2008 Custo mercadorias vendidas mater.consu 611+612 Mercadorias 62,08 31,56 616a619 Materias 62,08

Leia mais

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução

I B 1:) CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS. Introdução Relatório e Contas do Exercício de 2013 10, I B 1:) Te[: +351 217 990 420 Av. da República, 50-1Q Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www. bdo. pt CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS Introdução 1. Examinámos

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

Balanço e demonstração de resultados Plus

Balanço e demonstração de resultados Plus Balanço e demonstração de resultados Plus Data 2-3-215 Utilizador Utilizador exemplo N.º 51871 Referência Relatório de exemplo SOCIEDADE EXEMPLO, LDA NIF 123456789 DUNS 45339494 RUA BARATA SALGUEIRO, 28

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435

Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 Diário da República, 1.ª série N.º 51 14 de Março de 2011 1435 quer sejam de sua propriedade, quer estejam em regime de locação financeira. Compreende os investimentos financeiros, as propriedades de investimento,

Leia mais

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro

- Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL. Por incorporação de Reservas. Por entrada de Dinheiro AULA 10 Capital Próprio Aumentos de capital Demonstração de fluxos de caixa Construção da DFC - Contabilidade Financeira II 2007/ 2008 2º Semestre 1 AUMENTOS DE CAPITAL Por incorporação de Reservas Por

Leia mais

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras.

Índice. 02 Relatório de Gestão. 02 Considerações Gerais. 03 Situação Económico-Financeira. 09 Demonstrações Financeiras. 1º Semestre de Relatório e Contas 2008 Índice 02 Relatório de Gestão 02 Considerações Gerais 03 Situação Económico-Financeira 09 Demonstrações Financeiras 10 Balanço 12 Demonstração de Resultados por Natureza

Leia mais

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8

Relatório de Gestão 2. Balanço 5. Demonstração de Resultados por Naturezas 7. Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 ÍNDICE Relatório de Gestão 2 Balanço 5 Demonstração de Resultados por Naturezas 7 Anexo ao Balanço e Demonstração de Resultados 8 Relatório e Parecer do Conselho Fiscal 20 Certificação Legal das Contas

Leia mais

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015

Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira Anexo 13 de Março de 2015 1 Identificação da Entidade A Centro Social Cultural Recreativo de Amoreira é uma instituição sem fins lucrativos, constituída sob

Leia mais

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA N. o 14 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA 1 Introdução: A adaptação do Plano Oficial de Contabilidade à Directiva n. o 78/660/CEE (4. a Directiva do Conselho, de 25-7-78), consubstanciada

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais