MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU"

Transcrição

1 MERCADOS, INSTRUMENTOS E INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS ANÁLISE INSTITUCIONAL DO MERCADO DE TÍTULOS 1 ENQUADRAMENTO DO MERCADO DE TÍTULOS 2 ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU CEE TRATADO DE ROMA (1957) UNIÃO ADUANEIRA LIVRE CIRCULAÇÃO BENS/SERVIÇOS PESSOAS CAPITAIS PORTUGAL APÓS S 1973/74 CRISES ECONÓMICAS POLÍTICAS MONETÁRIAS RESTRITIVAS PROTECCIONISMO POLÍTICA CAMBIAL 3 1

2 ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU PORTUGAL NA DÉCADA D DE 80 REDUÇÃO DO DESEQUILÍBRIO DAS CONTAS EXTERNAS INFLAÇÃO ADESÃO DE PORTUGAL À CEE 1986 SME MARÇO O 1979 (ADESÃO DE PORTUGAL 1992) MOEDA-CABAZ CABAZ: : ECU MECANISMO DAS TAXAS DE CÂMBIO (MARGEM DE FLUTUAÇÃO) CONJUNTO DE APOIOS FINANCEIROS 4 ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU ACTO ÚNICO EUROPEU (1987) RETOMA DO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO MERCADO ÚNICO OBJECTIVO: UNIÃO ECONÓMICA E MONETÁRIA UEM CIMEIRA DE MAASTRICHT (1992) LIVRE CIRCULAÇÃO BENS/SERVIÇOS PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS FINANCEIROS UNIÃO MONETÁRIA MOEDA ÚNICA (EURO) POLÍTICA MONETÁRIA COMUM 5 ESPAÇO O FINANCEIRO EUROPEU BANCO CENTRAL EUROPEU + BANCOS CENTRAIS NACIONAIS SISTEMA EUROPEU DE BANCOS CENTRAIS (SEBC) GARANTIR A ESTABILIDADE DOS PREÇOS APOIAR AS POLÍTICAS ECONÓMICAS GERAIS DA UE DEFINIR E EXECUTAR A POLÍTICA MONETÁRIA COMUM REALIZAR OPERAÇÕES CAMBIAS ELIMINAÇÃO DA POLÍTICA CAMBIAL ENTRE ESTADOS MEMBROS DETER E GERIR PARTE DAS RESERVAS CAMBIAIS OFICIAIS DOS ESTADO MEMBROS ELIMINAR POLÍTICAS RESTRITIVAS CONFERIR ESTABILIDADE ÀS S MOEDAS 6 2

3 BANCO DE PORTUGAL MISSÃO PRINCIPAL: GARANTIR A ESTABILIDADE DOS PREÇOS CONDIÇÃO NECESSÁRIA AO CRESCIMENTO SUSTENTADO E DURADOURO CONDUÇÃO DA POLÍTICA MONETÁRIA E CAMBIAL SUPERVISÃO DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS RESPONSABILIDADE PELO SISTEMA DE PAGAMENTOS (EMISSÃO DE NOTAS; COMPENSAÇÃO) ESTATÍSTICAS STICAS (MONETÁRIAS, FINANCEIRAS, CAMBIAIS E BALANÇA A DE PAGAMENTOS) 7 INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E SOCIEDADES FINANCEIRAS (REGIME GERAL DEC-LEI 298/92) INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO - IC (art 2º) EMPRESAS CUJA ACTIVIDADE CONSISTE EM RECEBER DO PÚBLICO P DEPÓSITOS OU OUTROS FUNDOS REEMBOLSÁVEIS, A FIM DE OS APLICAREM POR CONTA PRÓPRIA PRIA MEDIANTE CONCESSÃO DE CRÉDITO DITO EMPRESAS QUE TENHAM POR OBJECTO A EMISSÃO DE MEIOS DE PAGAMENTO SOB A FORMA DE MOEDA ELECTRÓNICA NICA ACTIVIDADES DAS IC (art( 4º) (PAG 17) 8 INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E SOCIEDADES FINANCEIRAS (REGIME GERAL DEC-LEI 298/92) ESPÉCIES DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO (art 3º) BANCOS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS DE CRÉDITO (ART 13º,, nº4) n SOCIEDADES DE INVESTIMENTO SOCIEDADES DE LOCAÇÃO FINANCEIRA SOCIEDADES DE FACTORING SOCIEDADES FINANCEIRAS DE AQUISIÇÕES A CRÉDITO SOCIEDADES DE GARANTIA MÚTUAM INSTITUIÇÕES DE MOEDA ELECTRÓNICA OUTRAS 9 3

4 INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E SOCIEDADES FINANCEIRAS (REGIME GERAL DEC-LEI 298/92) SOCIEDADES FINANCEIRAS - SF SF (art 5º) AS EMPRESAS QUE NÃO SEJAM INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E CUJA ACTIVIDADE PRINCIPAL CONSISTA EM EXERCER UMA OU MAIS DAS ACTIVIDADES REFERIDAS NAS ALÍNEAS b) A i) DO ARTIGO ANTERIOR, EXCEPTO LOCAÇÃO FINANCEIRA E FACTORING ACTIVIDADE DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS (art 7º) AS SOCIEDADES FINANCEIRAS SÓS PODEM EFECTUAR AS OPERAÇÕES PERMITIDAS PELAS NORMAS LEGAIS E REGULAMENTARES QUE REGEM A RESPECTIVA ACTIVIDADE. 10 INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E SOCIEDADES FINANCEIRAS (REGIME GERAL DEC-LEI 298/92) ESPÉCIES DE SF SF DE CORRETAGEM SOC CORRETORAS SOC MEDIADORAS DOS MERCADOS MONETÁRIOS E DE CÂMBIOS SOC GESTORAS DE FI SOC EMITENTES OU GESTORAS DE CARTÕES DE CRÉDITO SOC GESTORAS DE PATRIMÓNIOS SOC DESENVOLVIMENTO REGIONAL AGÊNCIAS DE CÂMBIOS SOC GESTORAS DE FUNDOS DE TITULARIZAÇÃO DE CRÉDITOS OUTRAS 11 CAPACIDADE DE CRIAÇÃO DE MOEDA INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO M = C + DT M = MASSA MONETÁRIA C = CIRCULAÇÃO MONETÁRIA DT = MOEDA ESCRITURAL (DO + DP) CRÉDITO DO M 12 4

5 INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA, NO CONTEXTO DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA PNB = C + G + I + (E-M) POUPANÇA A (S) = PNB (C+G) S - I = E - M S I INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA 13 MERCADOS MONETÁRIOS MERCADO MONETÁRIO INTERBANCÁRIO RIO (MMI) INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO, SUJEITAS AO REGIME DE RESERVAS MÍNIMAS M (2%) VISA CONTRIBUIR PARA EQUILIBRAR OS EXCEDENTES E AS NECESSIDADES DE MOEDA PRIMÁRIA RIA 14 MERCADOS MONETÁRIOS MERCADO MONETÁRIO INTERBANCÁRIO RIO (MMI) OPERAÇÕES SEM GARANTIA NEGOCIAÇÃO: LIVRE ENTRE IC MONTANTE: MÚLTIPLOS M DE MILHAR EUROS TAXA: CENTÉSIMOS DE PONTO PERCENTUAL PRAZO: 1dia a 1 ano DATA-VALOR: ATÉ 2º DIA ÚTIL COMUNICAÇÃO AO BP LIQUIDAÇÃO DAS CONTAS E DOS JUROS 15 5

6 MERCADOS MONETÁRIOS MERCADO MONETÁRIO INTERBANCÁRIO RIO (MMI) OPERAÇÕES COM GARANTIA TRANSACÇÕES DEFINITIVAS OU COM ACORDO DE RECOMPRA TÍTULOS TULOS REGISTADOS TÍTULOS TULOS DE DEPÓSITO (BP) TESOURO (BT S) CERTIFICADOS DE DÍVIDA D (BCE) OUTROS, RECONHECIDOS 16 MERCADOS MONETÁRIOS OPERAÇÕES DE MERCADO ABERTO (BCE) ORIENTAR AS TAXAS DE JURO GERIR A LIQUIDEZ DO MERCADO SINALIZAR A ORIENTAÇÃO DE POLÍTICA MONETÁRIA 17 MERCADOS MONETÁRIOS OPERAÇÕES DE MERCADO ABERTO (BCE) OPERAÇÕES REVERSÍVEIS VEIS DE CEDÊNCIA DE LIQUIDEZ (MAIS IMPORTANTES) FREQUÊNCIA: SEMANAL PRAZO: DUAS SEMANAS LEILÕES NORMAIS OBJECTIVO: ENVIAR SINAIS AO MERCADO OPERAÇÕES DE REFINANCIAMENTO DE PRAZO ALARGADO OPERAÇÕES REVERSÍVEIS VEIS DE CEDÊNCIA DE LIQUIDEZ FREQUÊNCIA: MENSAL PRAZO: TRÊS MESES LEILÕES NORMAIS OBJECTIVO: TOMADOR DE TAXA 18 6

7 MERCADOS MONETÁRIOS OPERAÇÕES DE MERCADO ABERTO (BCE) OPERAÇÕES OCASIONAIS DE REGULARIZAÇÃO (FINE-TUNING) BASE AH-HOC HOC OBJECTIVO: GERIR LIQUIDEZ ORIENTAR TAXAS DE JURO LEILÕES RÁPIDOS R OU PROCEDIMENTOS BILATERAIS CERTIFICADOS DE DIVIDA OPERAÇÕES ESTRUTURAIS OBJECTIVO: ALTERAR A POSIÇÃO ESTRUTURAL DO SEBC REVERSÍVEIS VEIS (LEILÕES NORMAIS) OU TRANSACÇÕES DEFINITIVAS (PROCEDIMENTOS BILATERAIS) 19 ANÁLISE INSTITUCIONAL DO MERCADO DE TÍTULOS OU DE CAPITAIS 20 MERCADO DE TÍTULOST TULOS FUNÇÕES PRINCIPAIS FACILITAR A TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS E A CONVERSÃO DE ACTIVOS LÍQUIDOS EM INVESTIMENTO CANALIZAÇÃO DAS POUPANÇAS AS PARA INVESTIMENTO PRODUTIVO VANTAGEM: NÃO GERA MASSA MONETÁRIA 21 7

8 MERCADO DE TÍTULOST TULOS SEGMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO QUE TRABALHA, SOBRETUDO, COM INSTRUMENTOS DE MLP É UM MERCADO DE VALORES (VM) 22 MONTAGEM DE UMA OPERAÇÃO PREPARAÇÃO E COLOCAÇÃO DA EMISSÃO JUNTO DOS INVESTIDORES, PELA ENTIDADE EMITENTE OU CONTRATO COM OS INTERMEDIÁRIOS RIOS FINANCEIROS TOMADA FIRME GARANTIA TOTAL OU PARCIAL DE COLOCAÇÃO TOMADA DOS TÍTULOS T TULOS QUE NÃO FOREM SUBSCRITOS PELOS INVESTIDORES MERA COLOCAÇÃO 23 MONTAGEM DE UMA OPERAÇÃO SINDICAÇÃO DA TOMADA FIRME E COLOCAÇÃO CONSÓRCIO DE INTERMEDIÁRIOS RIOS FINANCEIROS LÍDER OU LÍDERES L DO CONSÓRCIO DIREITOS E OBRIGAÇÕES DE CADA PARTICIPANTE REGRAS DE FUNCIONAMENTO RELAÇÕES COM A ENTIDADE EMITENTE RELAÇÕES COM A CMVM 24 8

9 SUBSCRIÇÃO DIRECTA OFERTA DOS VALORES DIRECTAMENTE PELA EMPRESA EMITENTE, COM OU SEM APOIO DE INTERMEDIÁRIOS RIOS FINANCEIROS SUBSCRIÇÃO INDIRECTA TOMADA POR UM OU MAIS INTERMEDIÁRIOS RIOS FINANCEIROS, COM A OBRIGAÇÃO DE A OFERECEREM AOS INVESTIDORES, NAS CONDIÇÕES ACORDADAS COM A ENTIDADE EMITENTE 25 ENQUADRAMENTO LEGAL CÓDIGO DOS VALORES (www.cmvm.pt) DEC LEI nº n 486/99 de 13 de Novembro TÍTULO TULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO TULO II VALORES TÍTULO TULO III OFERTAS PÚBLICASP TÍTULO TULO IV - MERCADOS TÍTULO TULO V SISTEMAS DE LIQUIDAÇÃO TÍTULO TULO VI - INTERMEDIAÇÃO TÍTULO TULO VII SUPERVISÃO E REGULAÇÃO TÍTULO TULO VIII CRIMES E ILÍCITOS DE MERA ORDENAÇÃO SOCIAL 26 CÓDIGO DOS VALORES VALORES (VM( VM) ) (art( 1º) a) ACÇÕES b) OBRIGAÇÕES c) TÍTULOS TULOS DE PARTICIPAÇÃO d) UNIDADES DE PARTICIPAÇÃO e) WARRANTS AUTÓNOMOS f) DIREITOS AUTÓNOMOS, PREVISTOS NA EMISSÃO 27 9

10 CÓDIGO DOS VALORES REGISTO DE EMISSÃO (art( 43º e segs) a) IDENTIFICAÇÃO DO EMITENTE b) CARACTERÍSTICAS DO VM c) QUANTIDADE DA EMISSÃO d) MONTANTE, DATA DOS PAGAMENTOS e) ALTERAÇÕES POSTERIORES f) DATA DA PRIMEIRA INSCRIÇÃO g) NÚMERO DE ORDEM DOS VM 28 CÓDIGO DOS VALORES FORMAS DE REPRESENTAÇÃO (art 46º) ESCRITURAIS REPRESENTADOS POR REGISTOS EM CONTA TITULADOS (TÍTULOS) TULOS) REPRESENTADOS POR DOCUMENTOS EM PAPEL VM NOMINATIVO OU AO PORTADOR (art 52º) NOMINATIVOS (POR DEFEITO): FACULDADE DE CONHECER SEMPRE A IDENTIDADE DOS TITULARES 29 CÓDIGO DOS VALORES PRINCIPAIS TIPOS DE EMISSÕES OFERTA PÚBLICA P - OP (art 109º) COMERCIALIZAÇÃO AO PÚBLICO P EM GERAL NÃO EXISTE PREVIA IDENTIFICAÇÃO DOS SUBSCRITORES DIRIGIDA A PESSOAS OFERTA PRIVADA OU PARTICULAR (ART( 110º) SE OS TÍTULOS T TULOS SE DESTINAM EXCLUSIVAMENTE A SER ADQUIRIDOS POR UM NÚMERO N PRÉ- DETERMINADO DE PESSOAS, SINGULARES OU COLECTIVAS (EX( EX: : INSTITUCIONAIS, SOCIEDADES COM CAPITAL FECHADO) 30 10

11 CÓDIGO DOS VALORES AS OP ESTÃO SUJEITAS: INTERMEDIAÇÃO OBRIGATÓRIA RIA (art( 113º) A REGISTO PRÉVIO NA CMVM (art 114º e 115º) PUBLICIDADE (art( 121º) ANÚNCIO NCIO DE LANÇAMENTO AMENTO (art( 123º) PROSPECTO (art( 134 e segs) TIPOS DE OP DE SUBSCRIÇÃO, PARA CONSTITUIÇÃO DE SOCIEDADE DE VENDA DE AQUISIÇÃO DE TROCA 31 CÓDIGO DOS VALORES MERCADO DE VM (art 198º) QUALQUER ESPAÇO O OU ORGANIZAÇÃO EM QUE ADMITE A NEGOCIAÇÃO DE VM POR UM CONJUNTO INDETERMINADO DE PESSOAS ACTUANDO POR CONTA PRÓPRIA PRIA OU ATRAVÉS S DE MANDATÁRIO RIO MERCADOS PERMITIDOS (art( 199º) MERCADOS DE BOLSA OUTROS MERCADOS REGULAMENTADOS (art( 200º) MERCADOS ORGANIZADOS COM REGRAS LIVREMENTE ESTABELECIDAS PELA RESPECTIVA ENTIDADE GESTORA 32 CÓDIGO DOS VALORES OBJECTO DAS OPERAÇÕES (art( 204º) VM FUNGÍVEIS LIVREMENTE TRANSMISSÍVEIS INTEGRALMENTE LIBERADOS SEM ONÚS INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVADOS ADMISSÃO À NEGOCIAÇÃO (art( 205º) 33 11

12 CÓDIGO DOS VALORES MERCADOS DE BOLSA (art( 213º) MERCADOS REGULAMENTADOS EM QUE A EMISSÃO DAS OFERTAS E A CONCLUSÃO DAS OPERAÇÕES SÃO CENTRALIZADAS NUM SÓS ESPAÇO O OU SISTEMA DE NEGOCIAÇÃO ÃO 34 MERCADOS DE BOLSA FORMAÇÃO DOS PREÇOS DOS VM CANALIZAÇÃO DA POUPANÇA PARA O MERCADO PRIMÁRIO RIO AVALIAÇÃO DOS VM ASSEGURAR E PROPORCIONAR LIQUIDEZ DOS TÍTULOST TULOS 35 12

Organização do Mercado de Capitais Português

Organização do Mercado de Capitais Português Instituto Superior de Economia e Gestão Organização do Mercado de Capitais Português Docente: Discentes : Prof. Dra. Raquel Gaspar Inês Santos João Encarnação Raquel Dias Ricardo Andrade Temas a abordar

Leia mais

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS)

GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) GESTÃO BANCÁRIA (NOTAS DAS AULAS) ANEXO 3 E S DAS SOCIEDADES FINANCEIRAS Fernando Félix Cardoso Ano Lectivo 2004-05 SOCIEDADES CORRETORAS E FINANCEIRAS DE CORRETAGEM Compra e venda de valores mobiliários

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE. GESTÃO BANCÁRIA Anexo 5

UNIVERSIDADE DO ALGARVE. GESTÃO BANCÁRIA Anexo 5 UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE ECONOMIA GESTÃO BANCÁRIA Anexo 5 Fernando Félix Cardoso Outubro 2004 1 Mercado Monetário 2 Mercado Monetário O Mercado Monetário é o segmento do mercado financeiro

Leia mais

ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA

ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA ANTE-PROPOSTA DE DECRETO-LEI VALORES MOBILIÁRIOS DE ESTRUTURA DERIVADA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei aplica-se aos seguintes valores mobiliários de estrutura derivada:

Leia mais

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto

Portaria nº 913-I/2003, de 30 de Agosto Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto * Na sequência do Decreto-Lei n.º 183/2003, de 19 de Agosto, que alterou o Estatuto da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

A POLÍTICA MONETÁRIA ÚNICA NA TERCEIRA FASE. Documentação geral sobre os instrumentos e procedimentos de política monetária do SEBC

A POLÍTICA MONETÁRIA ÚNICA NA TERCEIRA FASE. Documentação geral sobre os instrumentos e procedimentos de política monetária do SEBC BANCO CENTRAL EUROPEU MONETARY POLICY SUB-COMMITTEE A POLÍTICA MONETÁRIA ÚNICA NA TERCEIRA FASE Documentação geral sobre os instrumentos e procedimentos de política monetária do SEBC Setembro de 1998 Banco

Leia mais

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos.

Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS

A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS A QUEM PODE DAR ORDENS PARA INVESTIMENTO COMO E ONDE SÃO EXECUTADAS NOVEMBRO DE 2007 CMVM A 1 de Novembro de 2007 o

Leia mais

Instrução DGT nº. 2/2013 EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO

Instrução DGT nº. 2/2013 EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO Instrução DGT nº. 2/2013 EMISSÃO DE OBRIGAÇÕES DO TESOURO Ao abrigo do número 1, do artigo 11º, do Decreto-Lei nº 60/2009 de 14 de Dezembro, que estabelece o regime Jurídico das Obrigações do Tesouro (OT),

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO

FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO FACULDADE DE ECONOMIA DO PORTO Pós Graduação em Análise Financeira Instituições, Regulação e Ética Fernando Teixeira dos Santos 12-Nov-04 Pós Graduação em Análise Financeira Institutições, Regulação e

Leia mais

Mercados Financeiros. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Definição e Classificação. Ricardo Diz

Mercados Financeiros. i ve seen, learnt and done things i can t forget. Definição e Classificação. Ricardo Diz Mercados Financeiros Definição e Classificação Ricardo Diz i ve seen, learnt and done things i can t forget Conteúdo Mercado Financeiro Classificação do Mercado Financeiro 2 Mercado Financeiro O Mercado

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS

DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE QUE FORMA OS CONHECIMENTOS E A EXPERIÊNCIA DOS INVESTIDORES DETERMINAM O MODO COMO SÃO TRATADOS PELOS INTERMEDIÁRIOS

Leia mais

Mercado de Operações de Intervenção (MOI)

Mercado de Operações de Intervenção (MOI) Mercado de Operações de Intervenção (MOI) CAPÍTULO I. DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES CAPÍTULO III. OPERAÇÕES DE MERCADO ABERTO III.1. MODALIDADES DE EXECUÇÃO DAS OPERAÇÕES III.1.1.

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações FC PORTO SAD 2014-2017

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações FC PORTO SAD 2014-2017 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações FC PORTO SAD 2014-2017 4 de Junho de 2014 Não dispensa a consulta do prospecto e respectiva

Leia mais

Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março

Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março Decreto-Lei nº 70/2004, de 25 de Março O Decreto-Lei nº 172/99, de 20 de Maio, reconheceu no ordenamento nacional os warrants autónomos qualificando-os como valores mobiliários. Em decorrência de normas

Leia mais

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito.

O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. INFORMAÇÕES GERAIS. O investimento em instrumentos financeiros tem sempre associado uma rendibilidade potencial e um risco implícito. A rendibilidade é a taxa de rendimento gerado pelo investimento durante

Leia mais

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39

GLOSSÁRIO. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários 39 GLOSSÁRIO Activo subjacente: activo que serve de base a outros instrumentos financeiros, como sejam os futuros, as opções e os warrants autónomos. Assembleia geral: órgão das sociedades anónimas em que

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto

Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Portaria n.º 913-I/2003 de 30 de Agosto (com as alterações introduzidas pela Portaria nº 1018/2004 (2ª Série), de 17 de Setembro e pela

Leia mais

AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março

AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março AVISO Nº 01/2009 de 24 de Março Considerando a necessidade de se regulamentarem as "câmaras de compensação" e os "subsistemas de compensação e liquidação" do- Sistema de Pagamentos de Angola (SPA) visando

Leia mais

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1

Obrigações CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 O que são obrigações As obrigações são instrumentos financeiros que representam um empréstimo contraído junto dos investidores pela entidade

Leia mais

1. Aproximação descritiva ao sistema mobiliário

1. Aproximação descritiva ao sistema mobiliário Mestrado: Forense Disciplina: Mercado de Capitais Docente: Fátima Gomes Ano lectivo: 2009-2010 Semestre: 1º semestre (1ª parte) 1. Programa da disciplina: 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE CAPITAIS E O DIREITO

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária I

Administração Financeira e Orçamentária I Administração Financeira e Orçamentária I Sistema Financeiro Brasileiro AFO 1 Conteúdo Instituições e Mercados Financeiros Principais Mercados Financeiros Sistema Financeiro Nacional Ações e Debêntures

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 09/2003 De 11 de Julho. ASSUNTO: TÍTULOS DA DÍVIDA PÚBLICA DIRECTA Obrigações do Tesouro e Bilhetes do Tesouro

INSTRUTIVO N.º 09/2003 De 11 de Julho. ASSUNTO: TÍTULOS DA DÍVIDA PÚBLICA DIRECTA Obrigações do Tesouro e Bilhetes do Tesouro INSTRUTIVO N.º 09/2003 De 11 de Julho ASSUNTO: TÍTULOS DA DÍVIDA PÚBLICA DIRECTA Obrigações do Tesouro e Bilhetes do Tesouro Os Decretos n.º 51/03 e n.º 52/03, ambos de 8 de Julho, que criam os títulos

Leia mais

ASSUNTO: Mercado Monetário Interbancário (MMI) ÍNDICE CAPÍTULO IV. PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES

ASSUNTO: Mercado Monetário Interbancário (MMI) ÍNDICE CAPÍTULO IV. PROCEDIMENTOS RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES ASSUNTO: Mercado Monetário Interbancário (MMI) ÍNDICE CAPÍTULO I. DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II. INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES CAPÍTULO III. OPERAÇÕES DE PERMUTA DE LIQUIDEZ CAPÍTULO IV. PROCEDIMENTOS RELATIVOS

Leia mais

Apresentação de contas de 2011. 02 de Maio de 2012

Apresentação de contas de 2011. 02 de Maio de 2012 Apresentação de contas de 02 de Maio de 2012 Balanço balanço simplificado Milhões de euros 2010 (Reexpresso) Variação Valor % Ouro 14 964 12 979 1 985 15,29% Activos de Gestão Activos de Política Monetária

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros

As Novas Formas Organizadas de Negociação de Instrumentos Financeiros Comissão do Mercado de Valores Mobiliários Consulta Pública sobre os Anteprojectos de Transposição da Directiva dos Mercados de Instrumentos Financeiros (DMIF) As Novas Formas Organizadas de Negociação

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Aplica-se o preçário do ponto 1.1. Aplica-se o preçário do ponto 1.

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Aplica-se o preçário do ponto 1.1. Aplica-se o preçário do ponto 1. Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a

Leia mais

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA

SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES. Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL INSTITUIÇÕES Lei 4.595/64 FINANCEIRAS COLETA INTERMEDIAÇÃO APLICAÇÃO CUSTÓDIA INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA JUROS PAGOS PELOS TOMADORES - REMUNERAÇÃO PAGA AOS POUPADORES SPREAD

Leia mais

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS

DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS DECRETO PRESIDENCIAL TAXAS (ANTE- PROJECTO) Considerando que no âmbito do Programa de Modernização das Finanças Públicas foi aprovada o código dos Valores Amovíbil PROJRELATÓRIO DE FUNDAMENTAÇÃO I. INTRODUÇÃO

Leia mais

Introdução: Mercado Financeiro

Introdução: Mercado Financeiro Introdução: Mercado Financeiro Prof. Nilton TÓPICOS Sistema Financeiro Nacional Ativos Financeiros Mercado de Ações 1 Sistema Financeiro Brasileiro Intervém e distribui recursos no mercado Advindos de

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004)

Regulamento da CMVM n.º 2/2014. Papel comercial. (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) Regulamento da CMVM n.º 2/2014 Papel comercial (Revogação do Regulamento da CMVM n.º 1/2004) As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 52/2006, de 15 de março, e pelo Decreto-Lei n.º 29/2014, de

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- --

Balcão. 0,58% 0,58% -- -- Mínimo / Máximo 36,23/-- 36,23/-- -- -- Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos totais previsíveis do investimento a

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas

VALORES MOBILIÁRIOS. Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015. Clientes Particulares e Empresas Data de Entrada em vigor: 09-Mar-2015 VALORES MOBILIÁRIOS Clientes Particulares e Empresas 21 FUNDOS DE INVESTIMENTO 21.1. Fundos Banif 21.2. Fundos de Terceiros Internacionais 22 TÍTULOS 22.1. Transacção

Leia mais

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários;

O QUE É A CVM? II - a negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; O QUE É A CVM? A CVM - Comissão de Valores Mobiliários é uma entidade autárquica em regime especial, vinculada ao Ministério da Fazenda, com personalidade jurídica e patrimônio próprios, dotada de autoridade

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO

INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE SUMÁRIO INVESTIMENTO EM MOÇAMBIQUE 1 SUMÁRIO 1. O sistema financeiro em geral 2. O sistema financeiro de Moçambique 2.1 Termo comparativo (Moçambique/Portugal) 3. Os Fundos de Investimento em geral 3.1 Esboço

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

SACYR VALLEHERMOSO, S.A.

SACYR VALLEHERMOSO, S.A. SACYR VALLEHERMOSO, S.A. Sede: Paseo de la Castellana, 83-85, Madrid Capital Social: EUR 259.661.799 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Madrid sob a referência: Tomo 1.884, Folha 219,

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 10/98 Operações de Reporte e de Empréstimo de Valores Efectuadas por Conta de Fundos de Investimento Mobiliário

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2014 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 4 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, no último trimestre de 3, os critérios e condições de aprovação de crédito a

Leia mais

Entidades de Interesse Público (artº 2º do Decreto Lei nº225/2008, de 20 de Novembro

Entidades de Interesse Público (artº 2º do Decreto Lei nº225/2008, de 20 de Novembro Entidades de Interesse Público (artº 2º do Decreto Lei nº225/2008, de 20 de Novembro Para efeitos do disposto no Decreto Lei nº 225/2008 e do disposto no Estatuto da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas,

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações SPORTING SAD 2015-2018

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações SPORTING SAD 2015-2018 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das Obrigações SPORTING SAD 2015-2018 21 de Maio de 2015 Não dispensa a consulta do prospecto 1. ENTIDADE

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 1 de Julho de 2015

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. 1 de Julho de 2015 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados de: - Oferta Pública de Subscrição de Obrigações ME Fev-2020 - Oferta Pública de Troca de Obrigações ME Mar-2016 1 de Julho de 2015 Não

Leia mais

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado

Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado 2013 2013 Nota: O presente instrumento, representa uma importante fonte de informação para o investidor onde, oferece-lhe orientações relativamente ao Mercado de Títulos do Tesouro, nomeadamente, as características

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 2011O0014 PT 03.01.2013 001.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B ORIENTAÇÃO DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 20 de Setembro de 2011 relativa aos instrumentos

Leia mais

Sistema Financeiro Nacional 3. Sistema Financeiro Nacional 3.1 Conceito 3.2 Subsistema de Supervisão 3.3 Subsistema Operativo 6/7/2006 2 3.1 - Conceito de Sistema Financeiro Conjunto de instituições financeiras

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

O Sistema Financeiro Nacional

O Sistema Financeiro Nacional O Sistema Financeiro Nacional 1 O Sistema Financeiro Nacional Foi constituído com base nas leis: 4595 de 31-12-64 Estrutura o Sistema Financeiro Nacional 4728 de 14-7- 65 Lei do Mercado de Capitais O Sistema

Leia mais

2. CAPITAL SOCIAL. Contabilidade das Sociedades 2009/2010 1

2. CAPITAL SOCIAL. Contabilidade das Sociedades 2009/2010 1 2. CAPITAL SOCIAL 1 Índice Conceitos 3 Referências normativas 4 Sociedade por quotas 6 10 2 Conceitos Sociedades SUBSCRIÇÃO Acto pelo qual os sócios formalizam a sua obrigação de entrada. REALIZAÇÃO ou

Leia mais

A PRESENTE OFERTA PÚBLICA DE SUBSCRIÇÃO FOI OBJECTO DE REGISTO NA COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS ( CMVM ) SOB O Nº 9109

A PRESENTE OFERTA PÚBLICA DE SUBSCRIÇÃO FOI OBJECTO DE REGISTO NA COMISSÃO DO MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS ( CMVM ) SOB O Nº 9109 SPORTING SOCIEDADE DESPORTIVA DE FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Sede Social: Estádio José de Alvalade, Rua Professor Fernando Fonseca - Lisboa, Pessoa Colectiva n.º 503 994 499 Capital Social: 42.000.000

Leia mais

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector

Apenas para referência CEPA. Sector ou. 7. Actividade Financeira. Subsector CEPA B. Actividade bancária e outros serviços financeiros [excluindo actividade seguradora e serviços de compra e venda de títulos financeiros (securities)] a. Aceitação de depósitos e outros fundos reembolsáveis

Leia mais

A ADEQUAÇÃO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO AO PERFIL DO INVESTIDOR

A ADEQUAÇÃO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO AO PERFIL DO INVESTIDOR A ADEQUAÇÃO DO INSTRUMENTO FINANCEIRO AO PERFIL DO INVESTIDOR CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 1 A adequação do Instrumento Financeiro ao Perfil do Investidor nota Os intermediários

Leia mais

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro

Regime Jurídico dos Certificados de Aforro Regime Jurídico dos Certificados de Aforro (Decreto-Lei nº 122/2002 de 4 de Maio) A reforma dos certificados de aforro levada a cabo em 1986 com a publicação do Decreto-Lei n.º 172-B/86, de 30 de Junho,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services

BANCO NACIONAL DE ANGOLA. Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA. Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services BANCO NACIONAL DE ANGOLA Workshop sobre EDUCAÇÃO FINANCEIRA Tema: Consumer Protection and Financial Literacy in the provision of payment services Orador: Ramos da Cruz Lisboa, Centro Cultural de Belém,

Leia mais

. FUNDOS DE INVESTIMENTO

. FUNDOS DE INVESTIMENTO . FUNDOS 7.. F DE INVESTIMENTO 7. Fundos de Investimento O QUE É UM FUNDO DE INVESTIMENTO? Um fundo de investimento é um património que pertence a várias pessoas, destinado ao investimento em determinados

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CAPITAIS Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br MERCADO DE CAPITAIS É um sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o propósito

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Através da sua rede de Balcões do Banco Espírito Santo, S.A.. Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 91-60 Informação actualizada a: 19/04/2011 Designação Comercial: Operação de Capitalização T- 1ª Série (ICAE- Não Normalizado) Período de Comercialização: de17/12/2008 a 17/12/20 Empresa de

Leia mais

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 ÍNDICE 1. Caracterização da Indústria de Gestão de Activos...pág. 01 2. Evolução da Indústria de Gestão de Activos...pág. 04 2.1 A Gestão Colectiva de Activos...pág.

Leia mais

Informação Importante

Informação Importante Informação Importante Independentemente das condições de prestação de serviços bancários, de investimento, de recepção e transmissão de ordens por conta de outrem, cujos termos se encontram expressos nas

Leia mais

Relatório Estatístico Mensal

Relatório Estatístico Mensal Relatório Estatístico Mensal Fundos de Investimento Mobiliário Julho 2013 Sede: Rua Castilho, 44-2º 1250-071 Lisboa Telefone: 21 799 48 40 Fax: 21 799 48 42 e.mail: info@apfipp.pt home page: www.apfipp.pt

Leia mais

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013

Como funciona o Sistema Financeiro Nacional. José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 José Reynaldo de Almeida Furlani Junho de 2013 Segmentação do Mercado MERCADO MONETÁRIO MERCADO DE CRÉDITO MERCADO FINANCEIRO MERCADO DE CAPITAIS MERCADO CAMBIAL Conceito de Sistema Financeiro Conjunto

Leia mais

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A.

ANÚNCIO DE LANÇAMENTO PELA TEIXEIRA DUARTE, S.A. DE OFERTA PÚBLICA GERAL DE AQUISIÇÃO DE ACÇÕES DA TEIXEIRA DUARTE ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES, S.A. TEIXEIRA DUARTE, S.A. Sede: Lagoas Park, Edifício 2, Porto Salvo, Oeiras Capital social: 287.880.799,00 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais sob o n.º único de matrícula e pessoa

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Outubro de 2013 RESULTADOS PARA PORTUGAL INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Outubro de 3 RESULTADOS PARA PORTUGAL I. Apreciação Geral De um modo geral, os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas aos empréstimos

Leia mais

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Instituto de Seguros de Portugal e Comissão do Mercado de Valores Mobiliários. Mod. Versão 65.01 Informação actualizada a: 04/04/2011 Designação Comercial: Fidelity Poupança Data de início de Comercialização: 01/02/2007 Empresa de Seguros Entidade Comercializadora Autoridades de

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas.

O investidor deve assumir um papel activo na recolha de informação que lhe permita tomar decisões de investimento fundamentadas. O presente documento visa fornecer-lhe informações simples e práticas sobre como deve investir de forma responsável. Independentemente da protecção conferida pela legislação aos investidores não profissionais,

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

3. A Moeda e a Inflação no Longo prazo

3. A Moeda e a Inflação no Longo prazo 3. A Moeda e a Inflação no Longo prazo Apresentação do papel do sistema monetário no comportamento do nível de preços, da taxa de inflação e de outras variáveis nominais Introdução Inflação é o crescimento

Leia mais

Julho/2008. O Que São Debêntures

Julho/2008. O Que São Debêntures Julho/2008 O Que São Debêntures As debêntures são títulos que se ajustam perfeitamente às necessidades de captação das empresas. Graças a sua flexibilidade, transformaram-se no mais importante instrumento

Leia mais

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber?

a) Quanto, quando e a que título o investidor paga ou pode pagar? b) Quanto, quando e a que título o investidor recebe ou pode receber? Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las PFC Valorização Retalho Entidade

Leia mais

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos Definição Pode ser definido como sendo um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com titulos e valores mobiliarios, tendo como objetivo a canalização de recursos de agentes compradores

Leia mais

TÍTULOS. Entrada em vigor: 29-julho-2015

TÍTULOS. Entrada em vigor: 29-julho-2015 TÍTULOS Entrada em vigor: 29-julho-2015 Na contratação de serviços de investimento em valores mobiliários, os investidores não qualificados devem analisar atentamente o preçário para calcular os encargos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 15/83/M. de 26 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 15/83/M de 26 de Fevereiro O Decreto-Lei n.º 35/82/M, de 3 de Agosto, ao regular o sistema de crédito e a estrutura financeira do Território, introduziu modificações importantes na organização

Leia mais

ANEXO. Procedimentos para o exercício das opções de compra

ANEXO. Procedimentos para o exercício das opções de compra ANEXO Procedimentos para o exercício das opções de compra I. Enquadramento 1. Operação O presente documento é relativo aos procedimentos estabelecidos para o segundo período de exercício da faculdade de

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES PROGRESSO. no montante total de até

FUNDO DE INVESTIMENTO EM PARTICIPAÇÕES PROGRESSO. no montante total de até UBS PACTUAL SERVIÇOS FINANCEIROS S.A. DTVM comunica o início da distribuição, de até 240 (duzentas e quarenta) cotas, escriturais, com valor inicial de R$1.000.000,00 (um milhão de reais), de emissão do

Leia mais

Portugal Enquadramento Económico

Portugal Enquadramento Económico Portugal Enquadramento Económico Fonte: INE PIB e Procura Interna em Volume (Tvh) em % do PIB 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Formação bruta de capital fixo (total economia) FBCF excepto Construção FBCF Construção

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das OBRIGAÇÕES TAXA FIXA MOTA-ENGIL 2013/2016

REGULAMENTADO SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO. Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das OBRIGAÇÕES TAXA FIXA MOTA-ENGIL 2013/2016 SESSÃO ESPECIAL DE MERCADO REGULAMENTADO Apuramento dos Resultados da Oferta Pública de Subscrição das OBRIGAÇÕES TAXA FIXA MOTA-ENGIL 2013/2016 14 de Março de 2013 ENTIDADE OFERENTE OFERTA PÚBLICA DE

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Atualidades do Mercado Financeiro

Atualidades do Mercado Financeiro Atualidades do Mercado Financeiro Sistema Financeiro Nacional Dinâmica do Mercado Mercado Bancário Conteúdo 1 Sistema Financeiro Nacional A estrutura funcional do Sistema Financeiro Nacional (SFN) é composta

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 140, DE 2004. Dispõe sobre as instituições de mercado de capitais, e dá outras providências. AUTOR: Deputado EDUARDO VALVERDE RELATOR:

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994).

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994). 1 RESOLUÇÃO Nº 1.120 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista as disposições

Leia mais