Delivering audit quality

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Delivering audit quality"

Transcrição

1 Delivering audit quality Relatório de transparência Exercício 2012

2 Índice Introdução 3 Ligação com uma rede 5 Estrutura de governação 6 Sistema interno de controlo de qualidade 8 Políticas e práticas de independência 11 Políticas e práticas de formação contínua dos partners e colaboradores Informação financeira 13 Bases de remuneração dos partners 13 Anexo I - Lista de entidades de interesse público

3 Introdução Este relatório é emitido em cumprimento com o disposto no artigo 62-A do Decreto-Lei 224/2008, de 20 de novembro. Estrutura jurídica e propriedade A PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. (daqui em diante designada abreviadamente por PwC-SROC ) é uma sociedade civil sob a forma comercial de sociedade por quotas. O capital social da PwC-SROC, em 31 de dezembro de 2012, ascendia a euros, detido em 80,9% por 15 sócios ROC e cerca de 19,10% por 4 sócios não-roc, os quais se encontram identificados abaixo. Os direitos de voto são proporcionais ao valor nominal das quotas. Sócios ROC a) ROC nº 711 José Pereira Alves. b) ROC nº 712 Hermínio António Paulos Afonso. b) ROC nº 715 José Manuel de Oliveira Vitorino. b) ROC nº 740 César Abel Rodrigues Gonçalves. b) ROC nº 815 António Alberto Henriques Assis. b) ROC nº 847 Jorge Manuel Santos Costa. b) ROC nº 902 Ana Maria Ávila de Oliveira Lopes Bertão. b) ROC nº 903 José Manuel Henriques Bernardo. b) ROC nº 958 Abdul Nasser Abdul Sattar. b) ROC nº 1074 Aurélio Adriano Rangel Amado. b) ROC nº 1076 António Joaquim Brochado Correia. c) ROC nº 1138 Carlos Manuel Sim Sim Maia. c) ROC nº 1271 José Miguel Dantas Maio Marques. c) ROC nº 1333 João Rui Fernandes Ramos. c) ROC nº 1427 Paulo Alexandre Martins Quintas Paixão. Sócios não-roc d) António Jaime Carvalho Esteves. d) Jorge Manuel Sancho Figueiredo. d) Leendert Verschoor. d) Maria Antónia Leite da Silva Torres Gonçalves. De acordo com a prática do setor, os sócios são habitualmente designados como partners. A esta data, a PwC-SROC tem ainda ao seu serviço 32 outros Revisores Oficiais de Contas, com quem celebrou contratos de prestação de serviços, ao abrigo da alínea c) do nº 1 do artigo 49 do Decreto- Lei nº 487/99, de 16 de novembro, com a redação que lhe foi dada pelo Dec-Lei nº 224/2008, de 20 de novembro. a) titular de quatro quotas, duas no valor nominal de euros cada, uma no valor nominal de euros e outra no valor nominal de euros. b) titular de uma quota no valor nominal de euros. c) titular de uma quota no valor nominal de euros. d) cada um titular de uma quota no valor nominal de euros. 3

4 A nossa missão "Fazer negócios com integridade. Preservar a nossa reputação e a do cliente. Respeitar as pessoas e o ambiente. Ser socialmente responsável. Trabalhar em conjunto e pensar sobre a maneira como trabalhamos. Considerar as dimensões éticas das nossas ações." 4

5 Ligação com a rede A PwC-SROC é membro da rede mundial de firmas da PwC, sendo que cada firma opera de forma separada e independente. Todas as firmas que integram a rede PwC são membros da PricewaterhouseCoopers International Limited (PwCIL), uma entidade inglesa (private company limited by guarantee). Para além de independentes entre si, cada firma-membro é igualmente independente da PwCIL, não partilhando entre si os resultados nem estando sujeita a propriedade ou gestão comum, designando cada firma os seus próprios órgãos sociais. Ao aderir à PwCIL, a firma-membro obtém o direito ao uso da marca PwC, acedendo também à utilização de recursos, metodologias e experiência comum acumulada. Em contrapartida, cada firma-membro compromete-se a aceitar os padrões e políticas da rede PwC. A PwCIL não presta serviços a clientes, os quais são exclusivamente prestados pelas firmas-membros, em nome e por conta própria. As principais atividades da PwCIL são: identificar o espectro de oportunidades de mercado e desenvolver as correspondentes estratégias; fortalecer a malha de serviços prestados, assim como as competências e o conhecimento acumulado; promover a marca PwC; e desenvolver as atividades necessárias para suportar a aplicação consistente de critérios de qualidade e de gestão do risco, incluindo as vertentes do cumprimento das exigências legais regulatórias e de independência. Desde outubro de 2008, a rede mundial da PwC está basicamente organizada em três agregados (clusters): Leste, liderado pela China; Central, liderado pelo Reino Unido; Oeste, liderado pelos Estados Unidos. A estrutura de cada um destes agregados não comporta órgãos de gestão ou qualquer esquema de subordinação. A sua função é o estreitamento da cooperação entre firmas-membro, por forma a facilitar a prestação de serviços integrados e o alinhamento de estratégias, contribuindo assim para um aumento da eficiência em toda a rede. Cada firma membro continua a ser detida e gerida pelos respetivos partners locais. A PwC-SROC integra o cluster Central, no qual se integra a Europa Continental, incluindo a Europa Central e de Leste, o Reino Unido, o Médio-Oriente, Índia, Paquistão, Sri Lanka e África. O cluster Leste inclui a China, Austrália, Nova Zelândia, Japão, Coreia do Sul, e várias outras firmas do Sudoeste Asiático e da Oceânia. O cluster Oeste inclui os Estados Unidos da América, Canadá, México e América Central e do Sul. Como estamos organizados? Três clusters: oeste, central e leste. Oeste liderado pelos EUA Central liderado pelo Reino Unido Leste liderado pela China 5

6 Em Portugal, para além da PwC- SROC, operam ainda duas outras firmas-membro da rede PwC, designadamente: PricewaterhouseCoopers /AG - Assessoria de Gestão, Lda (PwC/ /AG); PricewaterhouseCoopers / MFAS Management, Finance & Accounting Services, Lda (PwC/ MFAS). O objeto social de cada uma destas sociedades apenas lhes permite a prestação de serviços que, não sendo exclusivos de Revisores Oficiais de Contas, lhes sejam permitidos. Assim, a PwC/AG dedica-se essencialmente à prestação de serviços de consultoria financeira e de gestão e a PwC/MFAS à prestação de serviços de assessoria contabilística. A PwC-SROC detém participações financeiras e direitos de voto equivalentes a 17,3% do capital social da PwC/AG e a 8% do capital social da PwC / MFAS Management, Finance & Accounting Services, Lda. O restante capital é detido maioritariamente por partners individuais da PwC-SROC. As três sociedades partilham certas infraestruturas (instalações, dados e comunicações), bem como diversos serviços de apoio e, em menor escala, recursos técnicos. A PwC Portugal tem ainda uma joint venture com a PwC África Central, para o desenvolvimento da sua atividade em Angola, nomeadamente na área de assessoria de gestão e no setor financeiro. Estrutura de governação Em termos estatutários, o órgão máximo de cada uma das Sociedades é a respetiva Assembleia Geral de sócios. No caso específico da PwC-SROC, cada sócio tem estatuto de gerente e vincula a Sociedade, com as alterações do regime próprio para assinatura dos documentos técnicos, prevista no Estatuto da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas. A coordenação das atividades das entidades nacionais que integram a rede PwC é assegurada através dos seguintes órgãos: Territory Leadership Team ( TLT ) Compete ao TLT desenvolver e implementar as políticas e estratégias da PwC em Portugal, assim como a responsabilidade geral pela gestão. É composto por um Territory Senior Partner ( TSP ), eleito pelo plenário dos partners e por três outros partners por ele designados, com mandatos de 4 anos. O atual TLT encontra-se em funções desde 1 de julho de 2011, sendo composto por: José Pereira Alves Territory Senior Partner; António Brochado Correia - Deputy Senior Partner Abdul Nasser Abdul Sattar ; José Manuel Henriques Bernardo. Governance and Supervisory Board Compete-lhe supervisionar as atividades do TLT, assegurando que as suas decisões são tomadas em benefício dos interesses coletivos dos partners. É integralmente eleito pelos partners, para o efeito segmentados por idade, de forma a assegurar o equilíbrio geracional, não sendo o seu mandato coincidente com o do TSP. Nesta data é composto por: César Abel Rodrigues Gonçalves - Chairman; António de Sousa Rodrigues; Jorge Manuel Sancho Figueiredo. Linhas de Serviço Estando a atividade dividida em três linhas de serviço (Assurance, Assessoria Fiscal e Consultoria de Gestão), a gestão operacional é conduzida pelos respetivos responsáveis, nomeados pelo TSP após audição aos partners com atividade na respetiva área. Em 31 de dezembro de 2012 a liderança das Linhas de Serviço estava atribuída aos seguintes partners: Assurance Jorge Manuel Santos Costa; Assessoria Fiscal e Contabilistica António Jaime Carvalho Esteves; Consultoria de Gestão - António Brochado Correia. Adicionalmente, a PwC em Portugal tem um departamento destinado à formação de executivos nas áreas de IFRS e SNC, Fiscalidade, Finanças, Gestão de Risco, Marketing e Soft Skills. Esta área designa-se por PwC s Academy, sendo César Abel Rodrigues Gonçalves o partner responsável. 6

7 Os nossos valores Outras funções As restantes funções de gestão das diversas áreas operacionais da empresa estão atribuídas aos seguintes partners: Finanças & Operações José Manuel Henriques Bernardo; Independência & Gestão de Risco Patrique Berdion da Cunha Fernandes; Regulação Jorge Manuel Santos Costa; Ética António Alberto Henriques Assis; Capital Humano José Pereira Alves; Mercados António Joaquim Brochado Correia; Marca & Comunicação José Pereira Alves; Coordenação das atividades nos PALOP Abdul Nasser Abdul Sattar; Escritório do Porto António Joaquim Brochado Correia; Escritório de Cabo Verde Hermínio Afonso. Independência e Gestão do Risco Pela sua importância e natureza, as áreas da Independência e Gestão de Risco exigem uma elevada coordenação, assumindo o Partner Patrique Berdion Cunha Fernandes essa função para todo o território, por designação do TSP. Trabalho de Equipa Partilha Respeito Relacionamento Excelência Inovação Formação Agilidade Alcançar a excelência Entregamos o que prometemos e acrescentamos valor para exceder as expectativas. Alcançamos a excelência através da inovação, aprendizagem e agilidade. Desenvolver trabalho em equipa As melhores soluções surgem do trabalho conjunto com colegas e clientes. Para ser eficaz, o trabalho de equipa exige relacionamento, respeito e partilha. Liderança como inspiração Liderança com os clientes, liderança com o pessoal e liderança de pensamento ( thought leadership ). A liderança requer coragem, visão, e integridade. Liderança Coragem Visão Integridade 7

8 Sistema interno do controlo de qualidade Manter um elevado nível de qualidade nos serviços que prestamos e na forma como trabalhamos é uma das preocupações constantes da PwC-SROC. A qualidade é uma responsabilidade de todos os que trabalham na empresa. Assumimos o compromisso de manter elevados padrões de qualidade em todas as fases dos serviços que prestamos, desde o momento inicial em que avaliamos a aceitação ou retenção do cliente, durante toda a fase de execução do trabalho e até ao momento em que são emitidos os relatórios que refletem as conclusões do trabalho realizado. A PwC-SROC, como membro da rede PwC, adota em Portugal as políticas de qualidade e de gestão de risco estabelecidas internacionalmente, as quais são adaptadas de forma a cumprir com os requisitos legais e normativos aplicáveis no nosso país. O nosso sistema interno do controlo de qualidade para a atividade de auditoria foi desenhado de forma a dar cumprimento à Norma Internacional Sobre Controlo de Qualidade (ISQC 1) Controlo de Qualidade para Firmas que Executem Auditorias e Revisões de Demonstrações Financeiras e Outros Trabalhos de Garantia de Fiabilidade e Serviços Relacionados, emitida pelo International Auditing and Assurance Standard Board (IASB) da International Federation of Accountants (IFAC). O objetivo do ISQC1 é o de que as empresas que prestam serviços de auditoria estabeleçam e mantenham um sistema de controlo de qualidade que garanta: que os seus colaboradores cumprem as normas aplicáveis à profissão e os requisitos legais aplicáveis; que os pareceres emitidos pela empresa são apropriados às circunstâncias. O sistema interno do controlo de qualidade assenta em seis pilares que estruturam o dia a dia dos nossos profissionais: responsabilidade da liderança pela qualidade; requisitos éticos e de conduta; procedimentos de aceitação e retenção de clientes e de cada trabalho proposto; gestão do capital humano; nível de desempenho na prestação de serviços; monitorização. Responsabilidade da liderança pela qualidade O foco da liderança na qualidade é um fator crítico para garantir a realização de trabalho com elevados padrões de qualidade. Por esta razão, é ao Territory Senior Partner que cabe a responsabilidade última pela qualidade na PwC-SROC, sendo também da sua responsabilidade a passagem de uma mensagem consistente e contínua sobre a importância de prestarmos um serviço de elevada qualidade promovendo valores como os da integridade, independência, ética e competência profissional. A implementação do sistema de controlo de qualidade e a monitorização do seu funcionamento é da responsabilidade do líder do Assurance, Jorge Costa, sendo cada sócio o primeiro responsável pela qualidade dos serviços prestados nos seus clientes. A qualidade do trabalho desenvolvido, nas suas várias componentes, e o cumprimento dos procedimentos instituídos são componentes críticas no processo de avaliação dos sócios e colaboradores, existindo um Accountability Framework que é aplicável a todos os sócios, ao líder do Assurance e aos membros do Territory Leadership Team, incluindo o próprio Territory Senior Partner. Requisitos éticos e de conduta A nossa atividade é desenvolvida de acordo com o estabelecido nas normas profissionais aplicáveis, legislação, regulamentos e políticas internas instituídas. No entanto, porque estamos cientes de que essas normas, leis, regulamentos e políticas não conseguem cobrir todos os tipos de comportamentos, a rede PwC desenvolveu um Código de Conduta que é utilizado pelas empresas da rede PwC, em Portugal. Este Código estabelece um conjunto de princípios que nos devem guiar no desenvolvimento da nossa atividade, bem como ajudar a garantir que a cultura de ética e integridade da rede PwC é consistente em todo o mundo. O sócio responsável pela área de Ética e Business Conduct, António Assis, é responsável por garantir que as empresas e os seus colaborados seguem adequadamente os princípios estabelecidos, pela realização de formações nesta área e pela manutenção de canais de comunicação, incluindo um canal de comunicação que permite a manutenção do anonimato, e outros canais que permitem o relato de violações (ou suspeitas de violação) dos princípios enunciados no Código de Conduta da PwC-SROC ou outros comportamentos inadequados. 8

9 Ética e Conduta Aquando da publicação e divulgação do nosso Código de Conduta expressámos, clara e sucintamente, quais os nossos valores, aquilo que somos e o que se pode esperar da nossa organização. A adoção dos valores e princípios expressos no Código de Conduta não é uma opção e deve ser seguida entre nós sem exceções com vista a tomarmos em cada momento as opções mais corretas. Procedimentos de aceitação e retenção de clientes e de cada trabalho proposto Antes de aceitar um novo cliente é desenvolvido um conjunto de procedimentos de avaliação de risco, do cliente e do trabalho em causa, seja nas vertentes da independência, seja na análise de eventuais conflitos de interesses e/ou da existência de recursos qualificados em volume suficiente para a sua execução. Entre as análises efetuadas inclui-se também a realização de um conjunto de procedimentos no âmbito do exigido pela Lei nº 25/2008, de 5 de junho, de combate ao branqueamento de vantagens de proveniência ilícita e ao financiamento do terrorismo. A realização dos procedimentos de aceitação e retenção de clientes e de cada trabalho é apoiada por um conjunto de ferramentas informáticas desenvolvidas especificamente para o efeito, tais como: (i) um sistema em que estão registadas todas as entidades relativamente às quais a rede PwC tem de manter independência e que alimenta, simultaneamente, o sistema onde se encontram registados os interesses financeiros dos sócios e colaboradores mais experientes e o sistema de obtenção de aprovação pelo sócio responsável para a prestação de outros serviços em clientes restritos; (ii) o sistema onde é formalizada a análise das características do potencial cliente ou trabalho a realizar e onde é formalizada e aprovada a decisão tomada de aceitação/retenção do cliente ou trabalho; ou (iii) o sistema em que está documentado o dever de identificação requerido pela Lei nº 25/2008, de 5 de junho. Gestão do capital humano As políticas da empresa para o seu capital humano têm por objetivo recrutar, formar e reter as melhores pessoas, empenhadas na prestação de serviços de elevada qualidade, com as competências adequadas e motivadas. Neste âmbito, especial ênfase é colocada na formação e desenvolvimento de partners e colaboradores, com a programação de formação que garanta a sua atualização permanente, quer em matérias técnicas quer em matérias relativas às normas de qualidade, independência e ética. A avaliação de desempenho dos nossos sócios e colaboradores é iniciada com a definição de um conjunto de objetivos, quantitativos e qualitativos, cobrindo diversas vertentes da atividade, os quais vão sendo acompanhados ao longo do ano face ao desempenho efetivo de cada uma das pessoas. São efetuadas avaliações de desempenho para cada trabalho realizado, as quais constituem parte integrante da informação analisada no processo final de avaliação de desempenho dos colaboradores. Avaliamos as nossas pessoas tendo por base a competência demonstrada. 9

10 Monitorização É efetuada uma monitorização sistemática dos aspetos fundamentais relativos a independência, gestão do risco e qualidade. Nível de desempenho na prestação de serviços De forma a promover a consistência nos serviços prestados, a rede PwC desenvolveu uma metodologia de trabalho que é adotada a nível mundial, bem como uma ferramenta informática ( Aura ) desenvolvida especificamente com o objetivo de permitir a documentação do trabalho efetuado. A metodologia global, que cumpre os requisitos das Normas Internacionais de Auditoria, é complementada com os procedimentos específicos requeridos pelos normativos nacionais As metodologias de trabalho utilizadas pela PwC SROC, embora não afetando a independência profissional de cada partner, identificam situações em que se torna obrigatória a consulta interpares ou o recurso a painéis técnicos específicos, nacionais ou internacionais. Na auditoria de empresas com títulos cotados ou com condições específicas, é política da empresa nomear um partner experiente como Quality Review Partner (QRP) do trabalho. Este partner irá atuar como um revisor independente em termos de conceção de uma estratégia definida pela equipa, analisando a independência da firma perante o cliente, discutindo os riscos identificados pela equipa e a resposta de auditoria dada a esses riscos e revendo os aspetos críticos do trabalho em termos contabilísticos ou de auditoria. A monitorização do cumprimento das políticas e procedimentos definidos é feita através de revisões realizadas; (i) numa primeira fase, por equipas multidisciplinares intra-território, mas independentes das equipas responsáveis pelas áreas funcionais ou trabalhos analisados e, (ii) numa segunda fase, com a intervenção de equipas formadas por elementos de outras firmas que integram a rede PwC. Estas revisões, realizadas intra território ou por colaboradores e sócios de outras firmas membros da rede PwC, são efetuadas todos os anos e têm dois objetivos distintos: (i) a análise dos procedimentos da firma e a sua adequação em termos de desenho e de implementação face ao que se encontra estabelecido no ISQC1 e (ii) a análise de uma amostra de trabalhos de Assurance em que é avaliada a qualidade da sua execução, documentação e cumprimento das normas instituídas. O TLT procedeu à revisão da eficácia do sistema interno do controlo de qualidade em operação em 2012, incluindo a análise das conclusões obtidas nas revisões pelas equipas intra território e pelas equipas internacionais, e confirma não ter detetado deficiências fundamentais, tendo já sido tomadas ou estando em curso as ações certificativas apropriadas para a correção das deficiências e/ou oportunidades de melhoria notadas. A mais recente ação de Controlo de Qualidade realizada pela OROC, nos termos do artigo 68º do Estatuto da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, decorreu do sorteio público realizado em 5 de julho de 2012, não tendo as respetivas conclusões sido ainda homologadas pelo Conselho Diretivo da OROC. 10

11 Políticas e práticas de independência Independência é a qualidade ou capacidade de estar ou agir livre da autoridade, do controle, ou da influência de terceiros. Agir de forma independente significa conduzir a nossa atividade sem interesses financeiros, relacionamentos pessoais ou de negócio com os clientes de auditoria e as entidades com eles relacionadas. A independência é um dos pilares fundamentais da PwC. Cada uma das firmas-membro da rede PwC adota políticas e procedimentos definidos em conformidade com normas internacionais e nacionais que permitam o seu integral cumprimento. Cada uma das firmas-membro da PwC dispõe de recursos globais para ajudar todos os sócios e colaboradores a manterem a sua independência. A manutenção da independência constitui um compromisso pessoal que requer a participação ativa e empenhada de cada colaborador. A monitorização da aderência a essas políticas e normas é feita de modo contínuo, por equipas especializadas. São alguns pilares fundamentais: Cultura enfatização da independência como um elemento chave da cultura PwC; Compromisso cada colaborador assume individualmente o compromisso de respeito e cumprimento das regras de independência. Anualmente é feita a confirmação escrita da manutenção de independência de cada colaborador; Informação existência de normas escritas detalhadas, de acesso a qualquer colaborador de uma firma-membro da PwC, incluindo os procedimentos necessários à correta operacionalização e cumprimento daquelas normas; Formação formação contínua de todos os colaboradores em matéria de independência; Sistemas manutenção de controlos apropriados das relações de negócio de todas as firmasmembro da PwC, incluindo um sistema de autorização prévia de prestação de serviços a clientes de auditoria; um registo global de entidades que, em virtude da prestação de serviços de auditoria, devem ser consideradas restritas; um sistema de registo global dos interesses financeiros de managers e partners da PwC; Controlo responsabilidade pelo cumprimento dos requisitos de independência e pelo sistema de monitorização atribuída a uma equipa especializada, liderada na PwC Portugal pelo Partner Patrique Fernandes, existindo mecanismos apropriados de clarificação de quaisquer situações que possam ser consideradas potenciais violações de independência, bem como uma política de atuação disciplinar quando indicado; Rotação de partners - controlo anual dos requisitos de rotação do partner responsável por trabalhos de auditoria. Com base na evidência obtida através do sistema interno do controlo de qualidade, podemos confirmar que as políticas e regras de independência se encontram adequadamente implementadas, sendo adotadas medidas corretivas adequadas para quaisquer exceções identificadas. Políticas e práticas de formação contínua dos partners e colaboradores A formação profissional contínua dos colaboradores da PwC SROC faz parte da estratégia da firma e é uma componente fundamental para a aquisição de conhecimentos e boas práticas que asseguram a prestação de um serviço de qualidade. O plano de formação dos partners e dos colaboradores envolvidos em trabalhos de auditoria é constituído por programas nas áreas técnicas, comportamentais e de liderança e por ações relacionadas com conduta, ética e independência que se desenvolvem em função das necessidades individuais, categoria e especificidade dos vários setores. Os nossos cursos de formação na vertente técnica são, na sua maioria, realizados por formadores internos pois entendemos que os nossos profissionais mais seniores têm os conhecimentos, a experiência e a prática para facilitarem a aprendizagem e acrescentarem valor ao processo formativo. Integrante fundamental da cultura da PwC SROC, as políticas de formação e desenvolvimento incluem ainda o modelo de aprendizagem que privilegia 11

12 a formação em posto de trabalho (on the job training), o apoio contínuo dos colaboradores mais experientes aos colegas com menor experiência, bem como a contínua mobilização de diferentes técnicas e metodologias que apoiem a aprendizagem, seja pela participação em ações de formação em sala ou pelo recurso a formação à distância (elearnings e virtual classroom). Os nossos planos de formação acompanham os nossos colaboradores ao longo da sua carreira e traduzem-se no seguinte: Formação inicial (onboarding) - Todos os novos colaboradores técnicos possuem pelo menos o grau de licenciatura e recebem uma formação inicial de acolhimento na firma, indicador para o desenvolvimento de algumas competências comportamentais e pela aquisição de competências técnicas relacionadas com o exercício da função: matérias contabilísticas, de auditoria, regulatórias e de legislação, bem como metodologias e boas práticas. A firma subsidia o prosseguimento dos estudos (mestrados, pósgraduações e cursos de preparação para ROC) e estimula o intercâmbio com outras entidades da rede mundial da PwC, apropriadas para o desenvolvimento pessoal e profissional dos colaboradores. Nos primeiros seis anos de atividade, os profissionais têm cursos sobre as matérias core da profissão, bem como outros que incidem sobre matérias específicas e/ou de especialização, tanto em Portugal como no estrangeiro. Em resposta às alterações nas normas contabilísticas, regulamentares e de independência bem como a questões emergentes, são desenvolvidos programas de formação. Os nossos cursos e programas de aprendizagem são sujeitos a uma avaliação para medir a eficácia da formação e a qualidade dos conteúdos, formadores e recursos envolvidos. Para além deste processo, anualmente são realizados surveys anónimos, internos e externos, cujo objetivo é medir o grau de satisfação dos colaboradores, bem como identificar as críticas e/ou sugestões não capturadas pelos demais processos. Acrescem a estes programas, ações de mentoring e counselling para apoio e definição de objetivos de desenvolvimento pessoal e profissional. O plano individual dos Revisores Oficiais de Contas engloba ainda um conjunto de ações para o seu desenvolvimento e valorização, as quais contribuem para o cumprimento do disposto no Regulamento de Formação Profissional dos Revisores Oficiais de Contas. Este plano é objeto de uma monitorização contínua para garantir o cumprimento dos requisitos mínimos de créditos de formação profissional, ao abrigo do referido regulamento. Dependendo das necessidades das diferentes categorias e tendo em conta a progressão na carreira, cada profissional tem um plano de formação sendo que o número médio de horas de formação da PwC-SROC em 2012 foi de 60 horas por colaborador. 12

13 Informação financeira Análise do volume de negócios em 2012 (valores em milhares de Euros): PwC SROC PwC AG Consultop Totais Auditoria e outros serviços de garantia de fiabilidade Assessoria fiscal Outros Os valores dos serviços prestados indicados acima incluem as despesas faturadas a clientes, mas estão expurgados da faturação entre as sociedades que constituem a rede em Portugal. Bases de remuneração dos partners Os partners são remunerados em função dos resultados apurados. A determinação dos valores finais é feita pelo TLT, uma vez encerradas as contas e concluído o processo de avaliação do desempenho individual. Todo o processo é sujeito a revisão pelo Governance and Supervisory Board. As remunerações individuais são compostas por três componentes: uma componente correspondente ao grau de responsabilidade das funções atribuídas; uma segunda componente relativa à avaliação do desempenho anual; finalmente, uma terceira componente, que reflete o grau de rentabilidade da firma. A avaliação do desempenho depende do grau de cumprimento de objetivos, qualitativos e quantitativos, variáveis em função da tarefa desempenhada. Os principais fatores avaliados incluem a qualidade dos serviços prestados, a adesão aos princípios éticos e de conduta e às regras de independência da firma e o contributo para o desenvolvimento dos colaboradores. A avaliação dos partners responsáveis pela condução de trabalhos de auditoria exclui a apreciação de eventuais prestações de outros serviços aos seus clientes de auditoria. Cada partner tem o direito de aceder à informação relativa à remuneração dos demais partners. Lisboa, 31 de março de 2013 PricewaterhouseCoopers & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda. representada por José Pereira Alves 13

14 Anexo I Lista de entidades de interesse público Entidades de interesse público relativamente às quais foram emitidas Certificações Legais de Contas e/ou Relatórios de Auditoria em 2010 sem restrições quanto à sua distribuição: Administração do Porto da Figueira da Foz, SA Administração do Porto de Aveiro, SA Administração do Porto de Lisboa, SA Administração do Porto de Viana do Castelo, SA Administração dos Portos do Douro e Leixões, SA Administração Porto de Sines, SA ADP - Águas de Portugal, SGPS, S.A Amorim Holding II, S.G.P.S., SA ANA - Aeroportos de Portugal, SA Axa Portugal - Companhia de Seguros de Vida, SA Axa Portugal - Companhia de Seguros, SA Banco Bai Europa, SA Banco Credibom, SA Banco Finantia, SA Banco Itau Europa, S.A Banco Popular Portugal, SA Banco de Portugal Banco Português de Gestão, SA Barclays Gestão Dinâmica Fundo Especial de Investimento Barclays Gestão Dinâmica Fundo Especial de Investimento Barclays Global Conservador - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Fundos Misto Barclays Global Defensivo - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Fundos Misto Barclays Global Moderado - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Fundos Misto Barclays Obrigações Taxa Variável Euro - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações de Taxa Variável Barclays Premier Obrigações Euro - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Obrigações de Taxa Fixa Barclays Premier Tesouraria - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Tesouraria Barclays Tesouraria Plus - Fundo de Investimento Mobiliário Aberto de Tesouraria CA Seguros - Companhia de Seguros de Ramos Reais, SA Caixa de Crédito Agrícola Mútuo da Costa Azul CRL Caixa Económica da Misericórdia de Angra do Heroísmo Capital Criativo Sociedade Capital Risco Corticeira Amorim SGPS Crédito Agrícola Vida - Companhia de Seguros, SA CTT- Correios de Portugal, SA EDA - Eletricidade dos Açores, SA EP - Estradas de Portugal, SA Europ Assistance - Companhia Portuguesa de Seguros de Assistência, SA Eurovida Companhia de Seguros de Vida, SA Finantipar - SGPS, SA 14

Delivering audit quality Relatório de Transparência

Delivering audit quality Relatório de Transparência www.pwc.com/pt Delivering audit quality Relatório de Transparência Exercício de 2010 Índice Introdução 2 Estrutura jurídica e propriedade 2 Ligação com uma rede 4 Estrutura de Governação 6 Sistema interno

Leia mais

Delivering audit quality Relatório de transparência

Delivering audit quality Relatório de transparência www.pwc.pt Delivering audit quality Relatório de transparência Exercício 2013 Índice Estrutura jurídica e propriedade 3 Ligação com uma rede 5 Estrutura de governação 6 Sistema interno do controlo de qualidade

Leia mais

Delivering audit quality Relatório de transparência

Delivering audit quality Relatório de transparência www.pwc.pt Delivering audit quality Relatório de transparência Exercício 2014 Índice Introdução 3 Estrutura jurídica e propriedade 5 Ligação com uma rede 6 Estrutura de governação 7 Sistema interno do

Leia mais

Delivering audit quality

Delivering audit quality www.pwc.pt Delivering audit quality Relatório de transparência Exercício 2015 Índice 1. Introdução p3 2. Estrutura jurídica e propriedade p4 3. Ligação com uma rede p5 4. Estrutura de governação p6 5.

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 10 de Abril de 2013 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS

ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 10 de Abril de 2013 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS ASSEMBLEIA GERAL DA MARTIFER - SGPS, S.A. 10 de Abril de 2013 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7 DA ORDEM DE TRABALHOS (Apreciar sobre a renúncia do Revisor Oficial de Contas e deliberar sobre a eleição do Revisor

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência Exercício de 2013 Relatório de Transparência 1. Introdução Em cumprimento do disposto no art. 62-A do Dec Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro, vem esta sociedade apresentar o seu

Leia mais

REVISOR OFICIAL DE CONTAS

REVISOR OFICIAL DE CONTAS REVISOR OFICIAL DE CONTAS (Representantes da Sociedade de Revisores Oficiais de Contas PricewaterhouseCoopers & Associados, SROC, L.da e respectivo Suplente) José Pereira Alves Licenciado em Economia pela

Leia mais

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia S.G.F.T.C., S.A. Rua General Firmino Miguel, nº 5 1º 1600-100 Lisboa Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e Pessoa Colectiva nº

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

IFRS Update Newsletter

IFRS Update Newsletter www.pwc.pt Newsletter 9ª Edição 2º semestre 2015 César A. R. Gonçalves Presidente do Comité Técnico da PwC Portugal Após três exercícios em que a entrada em vigor de novas normas e alterações às existentes

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países

MGI Internacional. Presença em mais de 80 países MGI Internacional Presença em mais de 80 países Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores associações internacionais de empresas independentes

Leia mais

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC.

SNC Casos Práticos. Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC. www.pwc.pt/academy SNC Casos Práticos Lisboa, 11, 18 e 25 de outubro,6 outubro, de novembro Porto, 22 e 30 novembro, 6 e 13 de dezembro Academia da PwC 6ªEdição Lideres na formação de executivos no SNC,

Leia mais

! "" #!$" % &' ( ) *"""*""" + & )+ &, - &. ) & ' /. / ). 0)+ 1 ) 23 1 &) "$ "$ 4-5% 6-7 5 8 8 %79 9! 95 95:5 ;- 95 "!!

!  #!$ % &' ( ) ** + & )+ &, - &. ) & ' /. / ). 0)+ 1 ) 23 1 &) $ $ 4-5% 6-7 5 8 8 %79 9! 95 95:5 ;- 95 !! Certificação Legal das Contas Consolidadas Introdução 1 Examinámos as demonstrações financeiras consolidadas da RASO, S.G.P.S., S.A., as quais compreendem a Demonstração consolidada da posição financeira

Leia mais

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Training Manager Certificação PwC 7, 14 e 21 de março Academia da PwC As empresas líderes analisam quais as competências necessárias para o desempenho dos seus colaboradores, implementam

Leia mais

RELATÓRIO DE TRANSPARÊNCIA

RELATÓRIO DE TRANSPARÊNCIA RELATÓRIO DE TRANSPARÊNCIA 2013 INTRODUÇÃO Estamos a assistir a um processo de transformação da economia global e de toda a sociedade. Como parte desse processo, no nosso âmbito de atuação, ocorrem dois

Leia mais

Relatório de Transparência

Relatório de Transparência Relatório de Transparência ISABEL PAIVA, MIGUEL GALVÃO & ASSOCIADOS - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, Lda Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2014 Índice: 1. Introdução 2. Estrutura Jurídica

Leia mais

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Gestão de Equipas. Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Gestão de Equipas Lisboa, 11 e 18 de abril de 2013 Academia da PwC O sucesso das organizações depende cada vez mais de equipas de alto desempenho. Venha conhecer connosco as melhores

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DA PORTUCEL, S.A. 29 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7. DA ORDEM DE TRABALHOS

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DA PORTUCEL, S.A. 29 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7. DA ORDEM DE TRABALHOS ASSEMBLEIA GERAL ANUAL DA PORTUCEL, S.A. 29 DE ABRIL DE 2015 PROPOSTA RELATIVA AO PONTO 7. DA ORDEM DE TRABALHOS Exmo. Senhor Presidente da Mesa da Assembleia Geral PORTUCEL, S.A. Mitrena, Freguesia do

Leia mais

Advanced Leadership! Um percurso de transformação para melhor liderar pessoas, equipas e organizações. www.pwc.pt/academy

Advanced Leadership! Um percurso de transformação para melhor liderar pessoas, equipas e organizações. www.pwc.pt/academy www.pwc.pt/academy Advanced! Um percurso de transformação para melhor liderar pessoas, equipas e organizações. PwC s Academy Aceite o desafio e empreenda uma transformação de relevo nas suas competências

Leia mais

Sistema de Normalização Contabilística

Sistema de Normalização Contabilística www.pwcacademy.pt Sistema de Normalização Contabilística Sector da Construção Academia da PwC Oportunidade para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística bem como os

Leia mais

www.pwc.pt/academy Gestão de cobranças PwC s Academy Técnicas e ferramentas para uma gestão eficaz das suas cobranças!

www.pwc.pt/academy Gestão de cobranças PwC s Academy Técnicas e ferramentas para uma gestão eficaz das suas cobranças! www.pwc.pt/academy Gestão de cobranças PwC s Academy Técnicas e ferramentas para uma gestão eficaz das suas cobranças! Como gerir cobranças? Destinatários prioritários Esta ação de formação é prioritária

Leia mais

Sociedade I BE c: Tel: - +351 217 990 420 Av. da República, 50 100 Fax: +351 217990439 1069-211 Lisboa www.bdo.pt RELATÓRIO DE AUDITORIA Introdução 1. Nos termos do disposto na alínea c) do n i do artigo

Leia mais

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA

Mudanças a fundo Directiva dos GFIA www.pwc.com/pt/tax/ma Mudanças a fundo Directiva dos GFIA O que vai mudar nos Fundos de Investimento Alternativos? Junho 2011 Introdução A Proposta de Directiva o que é? Em resposta à crise que afectou

Leia mais

Consolidação de Contas

Consolidação de Contas www.pwc.pt/academy Consolidação de Contas 5ª Edição Lisboa, 9 e 16 de novembro Porto, 21 e 26 de novembro Academia da PwC 5ª Edição Esta formação reúne condições para a atribuição de créditos, nos termos

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I.

REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DOS CTT-CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. Âmbito e Objetivo A Comissão de Auditoria ( CAUD ) no exercício das

Leia mais

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy

IT Governance. Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! www.pwc.pt/academy www.pwc.pt/academy IT Governance Alinhar as Tecnologias de Informação (TI s) com o negócio! PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais IT Governance Alinhar as TI s com o negócio Os projetos

Leia mais

DADOS PESSOAIS MIGUEL EIRÓ. Miguel Camargo de Sousa Eiró, nascido em 30 de Junho de 1949, em Lisboa, casado,

DADOS PESSOAIS MIGUEL EIRÓ. Miguel Camargo de Sousa Eiró, nascido em 30 de Junho de 1949, em Lisboa, casado, CONSELHO FISCAL DADOS PESSOAIS MIGUEL EIRÓ Miguel Camargo de Sousa Eiró, nascido em 30 de Junho de 1949, em Lisboa, casado, com domicílio profissional na Av. Fontes Pereira de Melo, n.º 15 7º, 1050-115

Leia mais

Manager Survival Workshop

Manager Survival Workshop www.pwcacademy.pt Manager Survival Workshop 19 e 20 de Dezembro de 2011 Programa especial da Academia da PwC para quadros médios e superiores, líderes de equipas e responsáveis de departamentos que irá

Leia mais

Relatório de Transparência KPMG 2015. KPMG Portugal

Relatório de Transparência KPMG 2015. KPMG Portugal Relatório de Transparência KPMG 2015 KPMG Portugal Relatório de Transparência 2015 2 O Relatório de Transparência de 2015 apresenta os procedimentos adoptados pela KPMG & Associados, Sociedade de Revisores

Leia mais

A nova Diretiva Comunitária sobre auditoria: implicações e perspectivas

A nova Diretiva Comunitária sobre auditoria: implicações e perspectivas www.pwc.com A nova Diretiva Comunitária sobre auditoria: implicações e perspectivas 7 de outubro de 2015 Alterações legislativas sobre a atividade de auditoria Início do processo com o Livro Verde da Comissão

Leia mais

Calendário fiscal 2014

Calendário fiscal 2014 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

Os valores inseparáveis da profissão:

Os valores inseparáveis da profissão: Os valores inseparáveis da profissão: Ética e Qualidade da Auditoria Ética Óscar Figueiredo membro do conselho diretivo (Tradução livre da comunicação feita pelo Membro do Conselho Diretivo Óscar Figueiredo

Leia mais

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance

HR Scorecard Linking Strategy, People and Performance www.pwc.pt/academy Linking Strategy, People and Performance Lisboa, 8 e 9 de abril de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer as tendências e melhores práticas de alinhamento da estratégia com

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

DADOS PESSOAIS MIGUEL EIRÓ. Miguel Camargo de Sousa Eiró, nascido em 30 de Junho de 1949, em Lisboa, casado,

DADOS PESSOAIS MIGUEL EIRÓ. Miguel Camargo de Sousa Eiró, nascido em 30 de Junho de 1949, em Lisboa, casado, DADOS PESSOAIS MIGUEL EIRÓ Miguel Camargo de Sousa Eiró, nascido em 30 de Junho de 1949, em Lisboa, casado, BI n.º 312401, emitido em 27/02/08 por Lisboa, NIF 116203072, com domicílio profissional na Av.

Leia mais

Calendário fiscal 2015

Calendário fiscal 2015 www.pwc.pt/tax Uma compilação das principais obrigações fiscais e parafiscais de periodicidade regular das pessoas coletivas e das pessoas singulares A PwC Os conteúdos aqui apresentados são de natureza

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004

RELATÓRIO E CONTAS GAN PORTUGAL SEGUROS 2004 Relatório sobre a Fiscalização Exmos. Senhores, Introdução 1 O presente Relatório é emitido nos termos do nº 2 do artº 451º do Código das Sociedades Comerciais e da alínea a) do nº 1 do artº 52º do Decreto-Lei

Leia mais

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP

Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP Conselho Geral e de Supervisão REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL DE CONTAS E PELO AUDITOR EXTERNO DA EDP 16.12.2010 REGULAMENTO SOBRE A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELO REVISOR OFICIAL

Leia mais

VALORES DE FUTURO INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO FISCALIDADE PROGRAMAS EXECUTIVOS

VALORES DE FUTURO INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO FISCALIDADE PROGRAMAS EXECUTIVOS VALORES DE FUTURO INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMAS EXECUTIVOS UM COMPROMISSO DE DUAS INSTITUIÇÕES Bem-vindo aos Programas Executivos do ISAG e da IFACC. A união de sinergias

Leia mais

Novo Modelo Contabilístico

Novo Modelo Contabilístico www.pwcacademy.pt Novo Modelo Contabilístico Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Academia da PwC Oportunidade única para apreender os principais aspectos do novo modelo de normalização contabilística.

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 3/05/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA

APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA APROVADO POR DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE 15 DE SETEMBRO DE 2015 REGULAMENTO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA SONAE SGPS, SA ARTIGO 1.º COMPOSIÇÃO DO CONSELHO E COMISSÕES 1. O Conselho de

Leia mais

Os novos desafios do secretariado profissional

Os novos desafios do secretariado profissional www.pwc.pt/academy Os novos desafios do secretariado profissional Lisboa, 19 e 26 de fevereiro de 2013 Academia da PwC Um programa que mobiliza competências de eficiência pessoal e profissional apoiando

Leia mais

Consolidação de Contas

Consolidação de Contas www.pwc.pt/academy Consolidação de Contas 6ª Edição Lisboa, 12 e 16 de abril 2013 Academia da PwC Esta formação reúne condições para a atribuição de créditos, nos termos previstos no Regulamento de Atribuição

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA Horwath & Associados, SROC, Lda. Member Crowe Horwath International Edifício Scala Rua de Vilar, 235 2º andar 4050-626 Porto, PORTUGAL +351 22 605 17 80 Tel +351 22 605 17 89 Fax

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

Como delegar eficazmente?

Como delegar eficazmente? www.pwc.pt/academy Como delegar eficazmente? How to improve your skills? 21 e 22 de maio de 2013 Academia da PwC Delegar é um conceito aparentemente claro, mas que na prática, nem todos aplicam. A base

Leia mais

Recomendações. www.bportugal.pt

Recomendações. www.bportugal.pt Comunicado do Banco de Portugal: Recomendações do Grupo de Trabalho sobre os Modelos e as Práticas de Governo, de Controlo e de Auditoria das Instituições Financeiras Na sequência do processo que conduziu

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho

Receita do Network PwC cresce 6% e atinge US$ 34 bilhões no ano fiscal encerrado em junho Press release Data Contato EMBARGO 00h01min (horário Brasília) Terça-feira, 7 de outubro de 2014 Márcia Avruch Tel: +55 11 3674 3760 Email: marcia.avruch@br.pwc.com Pages 4 Receita do Network PwC cresce

Leia mais

IFRS Update Newsletter

IFRS Update Newsletter www.pwc.pt Newsletter 10ª Edição dezembro 2015 César A. R. Gonçalves Presidente do Comité Técnico da PwC Portugal Quando olhamos em retrospetiva, não é possível definir o ano de 2014 como um ano plácido,

Leia mais

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009

Serviços Financeiros. Créditos Incobráveis. Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Serviços Financeiros Créditos Incobráveis Recuperação do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Outubro de 2009 Sabia que 25% das falências são resultado de créditos incobráveis? Intrum Justitia Os créditos

Leia mais

Identificação da empresa. Missão

Identificação da empresa. Missão Identificação da empresa SPMS - Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, EPE, pessoa coletiva de direito público de natureza empresarial, titular do número único de matrícula e de pessoa coletiva 509

Leia mais

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO

O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO 10 O CONTROLO DA QUALIDADE NAS FIRMAS DE AUDITORIA NO ACTUAL CONTEXTO ECONÓMICO E SITUAÇÃO DA PROFISSÃO António Gonçalves REVISOR OFICIAL DE CONTAS 1. Introdução O presente artigo procura reflectir o entendimento

Leia mais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais

Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais www.pwc.com/pt Investimento português em Moçambique - Aspectos fiscais 13 de Março de 2012 Miguel Garoupa Puim AERLIS Agenda Tributação em Moçambique Aspectos fiscais do investimento português em Moçambique

Leia mais

Newsletter Janeiro 2010

Newsletter Janeiro 2010 Newsletter Janeiro 2010 É com enorme gosto que lhe damos a conhecer a primeira edição da newsletter PwC ACADEMY em 2010, na qual poderá encontrar informações e detalhes sobre o nosso calendário formativo,

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

A. NOMES COMPLETOS DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

A. NOMES COMPLETOS DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO E DA MESA DA ASSEMBLEIA GERAL JERÓNIMO MARTINS, SGPS, Sociedade Aberta Rua Tierno Galvan, Torre 3 9º J, Lisboa Capital Social de Euro 629.293.220,00 Matricula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e NIPC: 500 100 144 A. NOMES

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores

Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República Regulamento da CMVM n.º 6/2000 Auditores A informação de natureza económico-financeira exige o controlo e apreciação por parte de entidades

Leia mais

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano ####

MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Anexo I MODELO DE RELATÓRIO DE GOVERNO SOCIETÁRIO Ano #### Identificação da sociedade Advertências: - Salvo indicação em contrário ou quando do contexto resulte diferentemente, as informações solicitadas

Leia mais

Editorial. O financiamento das economias modernas é hoje feito de uma forma totalmente distinta

Editorial. O financiamento das economias modernas é hoje feito de uma forma totalmente distinta A arte da liderança Editorial Manuel Alves Monteiro Presidente do Júri, IRG Awards Junho de 2015 Nunca como hoje Portugal esteve tão exposto ao exterior, seja por se encontrar crescentemente dependente

Leia mais

REVISOR OFICIAL DE CONTAS

REVISOR OFICIAL DE CONTAS REVISOR OFICIAL DE CONTAS Sonae Capital, S.G.P.S, S.A. Lugar de Espido Via Norte Apartado 3053 4471-907 Maia Porto, 26 de fevereiro de 2015 Exmos. Senhores, Para os efeitos previstos na alínea d) do número

Leia mais

Managing Team Performance

Managing Team Performance www.pwc.pt/academy Managing Team Performance Helping you push harder Lisboa, 22 e 24 de abril Academia da PwC Um curso onde irá conhecer as melhores práticas de gestão contínua de performance e de resultados

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

Comunicação e Feedback

Comunicação e Feedback www.pwc.pt/academy Comunicação e Feedback How to communicate with impact? Lisboa, 5 e 12 de novembro Academia da PwC Participe nesta formação, saiba qual a sua forma de comunicar e dar feedback e melhore

Leia mais

Gestão do Risco Operacional

Gestão do Risco Operacional www.pwc.pt/academia Gestão do Risco Operacional 2ª Edição Lisboa, 13 e 14 de março de 2013 Academia da PwC Considerando que existe um conjunto de factores na questão da gestão de risco operacional, é importante

Leia mais

Relatório de Transparência KPMG 2013

Relatório de Transparência KPMG 2013 Relatório de Transparência 2013 1 Relatório de Transparência KPMG 2013 kpmg.pt KPMG EM PORTUGAL Relatório de Transparência 2013 2 Como Firma de prestação de serviços de auditoria às contas das Entidades

Leia mais

EuraAudif'nternaíional

EuraAudif'nternaíional EuraAudif'nternaíional RELATÓRIO ANUAL DE TRANSPARÊNCIA Exercício findo em 31 de Dezembro de 2011 1. Introdução Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 62. 0 A - do Decreto-Lei n.? 487/99, de

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.

Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n. Regulamento da CMVM n.º X/2015 Capital de Risco, Empreendedorismo Social e Investimento Especializado (Revoga o regulamento da CMVM n.º 1/2008) [Preâmbulo] Assim, ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo

Leia mais

HR Strategic Delivery Model HR as a strategic partner

HR Strategic Delivery Model HR as a strategic partner www.pwc.pt/academy HR Strategic Delivery Model HR as a strategic partner Lisboa, 21 e 22 de março de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer os desafios da função de RH e como se posicionar como

Leia mais

Inovação Empresarial e Empreendedorismo

Inovação Empresarial e Empreendedorismo Inovação Empresarial e Empreendedorismo Portugal 2020 Programa Operacional INFEIRA GABINETE DE CONSULTADORIA, LDA. RUA DO MURADO, 535, 4536-902, MOZELOS 227 419 350 INFEIRA.PT 0 Tipologia de Projetos Na

Leia mais

Leader Coach. Creating high performance teams. Lisboa, 25 e 26 de junho de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Leader Coach. Creating high performance teams. Lisboa, 25 e 26 de junho de 2013. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Creating high performance teams Lisboa, 25 e 26 de junho de 2013 Academia da PwC Um curso onde irá conhecer as melhores práticas de gestão e desenvolvimento e equipas. Creating high

Leia mais

Organização Perry Johnson Registrars, Inc.

Organização Perry Johnson Registrars, Inc. 1 Organização A (PJR), é uma empresa norte-americana de certificação, que atua de acordo com as normas Internacionais da Qualidade. Fundada por Perry L. Johnson em 1994, a (PJR), é especialista na área

Leia mais

Escolhendo a melhor opção para sua empresa

Escolhendo a melhor opção para sua empresa www.pwc.com.br Escolhendo a melhor opção para sua empresa Auditoria Interna Auditoria Interna - Co-sourcing atende/supera as expectativas da alta administração? A função de Auditoria Interna compreende

Leia mais

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários

Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Conferência do IPCG 25 de Janeiro de 2011 Boas Práticas Remuneratórias dos Órgãos Societários Notas 1. Portugal tem uma estrutura legal e regulatória muito evoluída, apesar da reduzida dimensão do seu

Leia mais

RELATÓRIO DE TRANSPARÊNCIA RELATIVO AO ANO FINDO EM 31 DEZ 08

RELATÓRIO DE TRANSPARÊNCIA RELATIVO AO ANO FINDO EM 31 DEZ 08 RELATÓRIO DE TRANSPARÊNCIA RELATIVO AO ANO FINDO EM 31 DEZ 08 1. Introdução Nos termos do nº 1 do artigo 62º-A do Decreto-Lei 224/2008, de 20 Nov, os Revisores Oficiais de Contas e as Sociedades de Revisores

Leia mais

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio

Advisory Human Capital & Tax Services Family Business. Pensar a Família, Pensar o Negócio Advisory Human Capital & Tax Services Family Business Pensar a Família, Pensar o Negócio Realidade das Empresas Familiares Na PricewaterhouseCoopers há muito que reconhecemos nas empresas familiares um

Leia mais

Comunicação e Feedback

Comunicação e Feedback www.pwc.pt/academy Comunicação e Feedback How to communicate with impact? Academia da PwC Participe nesta formação, saiba qual a sua forma de comunicar e dar feedback e melhore o seu desempenho! Comunicação

Leia mais

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO

O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO O COMPROMISSO DE UMA INSTITUIÇÃO Bem-vindo aos Programas Executivos do ISAG. A experiência adquirida ao longo dos anos e a atualização de conceitos, permitiu ao ISAG European Business School desenvolver

Leia mais

CORPORATE GOVERNANCE 19 e 20 de março de 2014

CORPORATE GOVERNANCE 19 e 20 de março de 2014 CORPORATE GOVERNANCE 19 e 20 de março de 2014 Programa Sociedades Comerciais Tipos de Sociedades Conceitos Fundamentais Introdução ao O Que É o Funções Evolução Âmbito de Aplicação: A Que Sociedades se

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO

REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO REGULAMENTO DO SISTEMA PARA A VALORIZAÇÃO DE PRODUTOS E SERVIÇOS TURÍSTICOS DA ROTA DO ROMÂNICO Objetivo Artigo 1.º 1. Este regulamento tem como objetivo estabelecer condições e normas para a obtenção

Leia mais

Learning Designers Calendário 2015-2016

Learning Designers Calendário 2015-2016 www.pwc.pt/academy Learning Designers 2015-2016 C PwC s Academy Setembro 2015 a junho 2016 Conheça a nossa oferta! Novas tendências no relato de sustentabilidade: GRI G4 e relatório integrado Materialidade

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

www.pwc.pt/academy Workshop Guias de Transporte: implicações no Inventário Permanente

www.pwc.pt/academy Workshop Guias de Transporte: implicações no Inventário Permanente www.pwc.pt/academy Workshop Guias de Transporte: implicações no Inventário Permanente PwC s Academy 2013 Enquadramento No passado dia 1 de Julho entraram em vigor as novas regras para a emissão e comunicação

Leia mais

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E.

Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. Estatutos da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, E. P. E. DIPLOMA / ATO : Decreto-Lei n.º 229/2012 NÚMERO : 208 SÉRIE I EMISSOR: Ministério dos Negócios Estrangeiros SUMÁRIO: Aprova

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971

ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ELEKEIROZ S.A. CNPJ 13.788.120/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300323971 ATA SUMÁRIA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 7 DE FEVEREIRO DE 2014 DATA, HORA E LOCAL: Em 7 de fevereiro de

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

ACORDO DE REGULAÇÃO 1 MILLION FUND PROJECT PWC STARTUP PORTUGAL

ACORDO DE REGULAÇÃO 1 MILLION FUND PROJECT PWC STARTUP PORTUGAL ACORDO DE REGULAÇÃO 1 MILLION FUND PROJECT PWC STARTUP PORTUGAL ACORDO DE REGULAÇÃO 1 MILLION FUND PROJECT PWC STARTUP PORTUGAL Considerando que: O empreendedorismo combina a inovação, financiamento, visão

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS PARA AS SOCIEDADES DE ADVOGADOS LISBOA, 5 DE MARÇO DE 2013 Página 1 de 15 ÍNDICE 1. Preâmbulo 2. Princípios Gerais do Código de Boas Práticas 3. Gestão de Risco 4. Conflitos de

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE TRANSPARÊNCIA

RELATÓRIO ANUAL DE TRANSPARÊNCIA NORAS SIl~ &YlARRO DO VALE SOCIEDADE DE REVISORES OFICIAIS DE CONTAS RELATÓRIO ANUAL DE TRANSPARÊNCIA NO EXERCíCIOFINDO EM 31 DE DEZEMBRODE 2012 lo INTRODUÇÃO Nos termos e para os efeitos do disposto no

Leia mais

Neves & Freitas Consultores, Lda.

Neves & Freitas Consultores, Lda. A gerência: Cristian Paiva Índice 1. Introdução... 3 2. Apresentação... 4 2.2 Missão:... 4 2.3 Segmento Alvo... 4 2.4 Objectivos... 5 2.5 Parceiros... 5 2.6 Organização... 5 3. Organigrama da empresa...

Leia mais

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de

GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P. Manual de Manual de GUIA PRÁTICO CONDIÇÃO DE RECURSOS NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE AGOSTO DE 2010 INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/14 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014

newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 newsletter Nº 85 FEVEREIRO / 2014 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Janeiro de 2014 2 IFRS 10 Demonstrações Financeiras Consolidadas 3 Revisores e Auditores 6 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL Presidência

Leia mais