Relatório e contas 2010

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Relatório e contas 2010"

Transcrição

1 Relatório e contas 2010 BANCO PRIVADO ATLANTICO 1 Relatório Anual 2010

2 Índice Mensagem do CEO Órgãos Sociais Estrutura Organizacional Missão, Visão e Valores Conquistas 2010 e Compromissos 2011 Gestão de Risco Marca ATLANTICO Capital Humano Banca Relacional Banca de Investimento Compliance Tecnologias Mecenato Social e Corporativo Enquadramento da Actividade Dados macroeconómicos Principais Indicadores & Resultados Resultados Financeiros Demonstrações Financeira e Notas Demonstrações Financeiras Notas às Contas Anexos Relatório Anual 2010

3

4 mensagem do ceo Prezados Stakeholders do Banco Privado Atlântico, Os Resultados O ano de 2010 marca o início de um novo ciclo para o Grupo Atlântico. Concluídos quatro anos desde a abertura do Banco Privado Atlântico em Angola, os Accionistas do Atlântico aprovaram o Programa Estratégia Atlântico 20.15, que está assente num forte compromisso de excelência e rigor para com os nossos Accionistas, com o Banco Central, com os nossos Colaboradores, com a Comunidade e naturalmente os nossos Clientes. Prezados stakeholders, Esta renovação de compromisso e ambição visa assegurar que esta Casa Bancária antecipe e se prepare para o novo paradigma de desenvolvimento económico mundial, composto por factores de instabilidade e de incerteza sobre a evolução económica das principais economias mundiais. Observamos progressivos riscos de regressão nas economias desenvolvidas, com impactos na nossa economia, pela incerteza sobre o preço dos principais produtos exportadores. Este ambiente de instabilidade afecta os mercados onde operamos, afecta os nossos clientes e consequentemente, afecta a nossa Casa Bancária. O Programa ATLANTICO permitirá reforçar a resiliência e a preparação do Atlântico para estes novos desafios. Entre outras acções em curso, destacamos que: - Estamos a alargar os horizontes de actuação no território nacional (investindo na expansão da rede de centros de negócio para 2012) e internacionalmente (prosseguimos no processo de presença multigeográfica). - Continuamos a inovar e alargar as fontes de proveitos (através da construção de novas fábricas de produtos tais como os fundos de investimento, como fontes alternativas de poupança, o canal de banca por telefone para chegar a mais clientes, soluções de desconto tipo factoring para as empresas, entre outras). No ano de 2010, o Atlântico obteve resultados líquidos de 43 milhões de Dólares Americanos, um crescimento de 13% face ao ano anterior e uma rentabilidade dos capitais próprios de 24,4%. O volume de negócios no final de 2010, situou-se próximo dos 2 mil milhões de dólares. O ano caracterizou-se por uma situação de redução da liquidez, com impacto na cedência de crédito à economia real. Ainda assim, o Banco Atlântico aumentou o seu compromisso com o financiamento da economia, tendo crescido acima da média nacional de 40%. Salientamos o compromisso dos nossos Accionistas perante o Mercado, a quem deixamos uma nota especial de agradecimento, pelo facto de que, desde a origem do Atlântico, terem decidido reinvestir os resultados no aumento dos fundos próprios, colocandoos à disposição do financiamento da economia nacional. Deixamos também uma nota especial aos nossos profissionais por terem assumido para si, o espírito 20.15, assumindo uma cultura de permanente inquietude, traduzida diariamente no empenho em gerar valor adicional para os nossos clientes, em contribuir para a melhoria continua da eficiência da nossa actividade. Acreditamos que os desafios de 2010 se manterão em Com a implementação do em curso, enfrentaremos este ambiente de complexidade ainda com mais resiliência, com espírito positivo, construindo as oportunidades de geração de valor para o nosso Banco, as Famílias e as Empresas que servimos. Às autoridades Governamentais e de Supervisão, o Conselho de Administração expressa o seu agradecimento pelo fortalecimento das condições legais e de confiança que permitem operar de forma estável e segura na geração de valor. Muito Obrigado a todos os Stakeholders, pela confiança, pela inspiração, pela referência. Continuaremos a trabalhar para a Honrar com as Vossas Expectativas e Exigências. - Continuamos o processo de investir na intercepção empresarial geradora de valor acrescentado para a economia, através do reforço das sinergias entre geografias onde operámos e através do fomento aos projectos empresariais de referência nas área da indústria, requalificação urbana e da produção de energia. Carlos José Da Silva Presidente CEO 4 Relatório Anual 2010

5

6 Orgãos Sociais Conselho de Administração Presidente Carlos José da Silva Vice-Presidente Não Executivo Baptista Muhongo Sumbe Administradores Paulo Manuel da Conceição Marques Mário Jorge de Carvalho Almeida Mário Jorge Faria de Cruz Isménio Macedo Administrador Não Executivo António Victor Martins Monteiro Mesa da Assembleia Geral Presidente António João Assis de Almeida Vice-Presidente Augusto Costa Ramiro Baptista Secretário Legal Rui Ferreira Conselho Fiscal Presidente José Maria Francisco Wanassi Vogais Efectivos João Manuel Pedro Deloitte Portugal Vogais Suplentes Deloitte Angola Assessores do Conselho Moacir Daniel Carrolo Araújo Compliance Officer Rui Ferreira 6 Relatório Anual 2010

7

8 estrutura organizacional Gabinetes e Direcções Gabinete Jurídico Gabinete de Negócio Institucional Gabinete de Organização, Métodos e Projectos Gabinete Estratégico de Negócio Gabinete do Presidente do Conselho de Administração Direcção da Banca de Empresas Direcção da Banca Transaccional Direcção da Banca de Investimento Direcção de Capital Humano Direcção de Contabilidade & Controlo de Gestão Direcção de Rede de Centros Direcção de Crédito Direcção de Auditoria Direcção de Middle Office Direcção de Marca e Comunicação Direcção de Mercados Financeiros Direcção de Património e Logística Direcção de Private Banking Direcção de Mecenato Social e Corporativo Direcção de Tecnologias Risk Office Compliance Office Secretariado 8 Relatório Anual 2010

9

10 missão visão e valores Uma referência em Angola, respeitados no mundo O BANCO PRIVADO ATLANTICO assume o compromisso de ser uma instituição de referência no sistema financeiro angolano, respeitada no mundo pela excelência do serviço aos clientes, pela criação de valor para os seus accionistas, pela atitude perante a vida e as carreiras dos seus colaboradores e pelo sentido de responsabilidade social corporativa, comprometido com o desenvolvimento económico sustentado, em ordem à criação de riqueza interna. A Visão do BANCO PRIVADO ATLANTICO é a de Ser o melhor banco de relação privada em Angola, Ser o melhor Banco de Investimento de Angola no Mundo e Ser no Mundo o Banco de Investimento que melhor conhece Angola, tendo sempre por base os valores fundacionais da marca: segurança nas operações, rigor, sigilo e inovação. 10 Relatório Anual 2010

11

12 Conquistas 2010 e Compromissos 2011 Conquistas 2010 Em consequência do compromisso de mensurar e avaliar as metas, desafios e resultados da nossa casa bancária, o exercício 2010 ficou marcado pela divisa medir eficiência e gerar valor. Durante o referido período o ATLANTICO estabeleceu e alcançou as seguintes metas: - Inauguramos uma sede à dimensão dos desafios do novo decénio - Prosseguimos uma estratégia, iniciada em 2009, de expansão multigeográfica através da consolidação da presença em Portugal e do estudo e análise de cenários prospectivos de expansão em geografias relacionadas com os principais fluxos de negócios da economia angolana - Definimos e desenhámos o ATLANTICO 20.15, um plano estratégico de desenvolvimento e expansão do nosso negócio bancário a 5 anos - Desenvolvemos e implementamos um modelo de avaliação de desempenho transversal à área financeira do Grupo - Iniciámos programas individuais de desenvolvimento de líderes: PDI - Programa de Desenvolvimento Individual, convencidos do papel do conhecimento no desenvolvimento e sucesso da gestão - Desenvolvemos vários programas de formação de equipas, com destaque para as equipas comerciais - Implementámos uma Direcção de Risco (Risk Office) com responsabilidades em sede de aferição dos riscos globais de crédito, de liquidez, de mercado e operacional. - Estabelecemos e afirmámos um Gabinete de Organização e Métodos - Redefinimos a função da Direcção de Mecenato e Responsabilidade Social, como ferramenta destinada a criar hábitos e dar critérios às crianças e aos jovens - Criámos o ATLANTICO Research Center, entidade responsável pela pesquisa e investigação das economias dos mercados onde o Banco opera levando-o a definir a sua estratégia em conformidade com tal análise - Participámos no processo de constituição da Academia Millennium - Alcançámos um resultado líquido de 42,6 milhões de dólares 12 Relatório Anual 2010

13 Compromissos 2011 O crescimento que o Banco Privado Atlântico registou nos últimos quatro anos, em geral, e no ultimo exercício em especial, o prestígio e respeitabilidade granjeados no mercado angolano e perante parceiros internacionais, impõe-nos o desafio e a responsabilidade de, por um lado, estar a altura das expectativas geradas, superar as metas anteriormente alcançadas e, por outro lado, reforçar o carácter do ATLANTICO como máquina capaz de fazer face às mudanças que nos impõe o incremento do índice de competitividade do mercado em virtude da entrada de novos players e do aumento do nível de sofisticação e exigência dos clientes. - Concluir o processo de criação de uma plataforma inovadora de criação de produtos e serviços, bem como de uma área de research do grupo - Estar presentes nos principais projectos de investimento à economia angolana - Conquistar mais de seis mil clientes até 31 de Dezembro de 2011 tendo em vista a meta de 50 mil clientes a 31 de Dezembro de 2015 Deste modo, para o exercício de 2011 o ATLANTICO definiu os seguintes compromissos: - Crescer os resultados 20% face aos resultados alcançados em Consolidar a posição estratégica do Banco como entidade de matriz mista: de banca relacional e banca de investimento, reforçando e aprimorando as competências na componente diferenciadora do seu modelo - a banca de investimento - Prosseguir o processo de expansão multigeográfica, assumindo uma posição de relevo no continente e no Mundo baseado naquilo que convencionamos designar a estratégia do losango, contribuindo deste modo para o crescimento de Angola por via da iniciativa privada - Contribuir para o processo de bancarização da economia angolana através do crescimento dos seus canais de distribuição - os Centros ATLANTICO tendo em vista a cobertura geográfica de parte significativa de Angola até Aperfeiçoar os mecanismos de planeamento e monitorização das actividades dos diferentes pelouros - Melhorar a comunicação entre áreas e entre as diferentes unidades do grupo. Aprimorar o modelo de governação corporativa - Diversificar os meios de captação e alocação de recursos, através da criação de uma sociedade gestora de fundos - Constituir sociedades de leasing e factoring com vista a oferecer meios alternativos de crédito e de gestão de tesouraria das empresas - Conferir ao ATLANTICO a dimensão de Banco nacional com presença multigeográfica, posicionando-se nas geografias com relação comercial e financeira com Angola 13 Relatório Anual 2010

14

15 Gestão de risco A função de risco, ajustada à visão e estratégia do ATLANTICO, procura de forma transversal, identificar, avaliar, acompanhar e controlar todos os riscos com impacto materialmente relevante à actividade do Banco, nomeadamente o risco de crédito, de mercado e o risco operacional. Um sistema adequado de controlo e monitorização dos riscos a que o Banco está exposto permite proteger e criar valor para a Instituição, assim como apoiar a gestão e cumprir com a regulação em vigor. Nesse sentido foi criado o Risk Office (RO), elemento chave no sistema de controlo interno do Banco e facilitador do processo de decisão. O RO tem como funções primordiais assegurar a aplicação das políticas e respectivos procedimentos, produção de informação atempada para um controlo e acompanhamento integrado e correcto dos riscos, bem como um reporte e aconselhamento regular ao Conselho de Administração. Este órgão desempenha o seu papel de forma independente face às áreas funcionais, salvaguardando a sua isenção e abstenção de qualquer conflito de interesses no exercício da sua função. O ano de 2010 marcou um reforço muito significativo da função de gestão de risco no ATLANTICO, materializado nas alterações ao nível da estrutura interna que fortaleceram o governance do Banco e no conjunto alargado de melhorias processuais que foram introduzidas no âmbito dos mecanismos de controlo da actividade e do reporte ao Conselho de Administração. Como principais desenvolvimentos durante o ano de 2010, destacam-se os seguintes: - Criação de uma Direcção, o Risk Office, com responsabilidade de gestão do risco global - Criação da Direcção de Crédito e Rating, permitindo a autonomização do processo de análise na concessão de crédito - Redefinição do perfil de risco da instituição, fixando os princípios gerais de gestão e controlo dos riscos, reflectindo os objectivos definidos no âmbito da refundação - Reformulação do comité ALCO (Assets and Liabilities Committee) que visa reunir mensalmente, com a presença dos membros do Conselho de Administração, objectivando o controlo e a gestão do risco global da Instituição - Implementação de um conjunto de melhorias ao modelo de reporte interno por forma a melhorar a informação de suporte à tomada de decisão do Conselho de Administração - Adopção de um sistema operativo para congregação da informação a ser reportada à Central de Risco de Crédito do BNA - Criação de Fichas de reporte de ocorrências do Risco Operacional 15 Relatório Anual 2010

16

17 marca atlantico O uso dos dois hemisférios do cérebro Verticalidade Ética Equilibrio Segurança we you rigor razão sigilo método análise emoção afecto visão inovação síntese Valor Relação Global Conhecimento Isto é PHI 2010 foi para o Banco Privado Atlântico um ano da mudança. O Mundo Mudou, os Mercados Mudaram, As Certezas Mudaram, As Exigências Mudaram e, consequentemente, o preparou-se para responder a esta nova realidade do Mercado e do Mundo. Para o Banco Privado Atlântico, a sua Marca sintetiza a Sua Cara, a Sua Cultura, os Seus Valores os Seus Compromissos perante o Mercado. A marca ATLANTICO distingue-se pelo modelo de negócio inovador, pela ética e profissionalismo das pessoas, pela segurança das operações e pela capacidade de concretizar o sonho. Um sonho de desenvolvimento para Angola e também para os empreendedores de todo o mundo interessados em investir em Angola, um sonho de crescimento sustentado, baseado nos factores decisivos como o trabalho, a vontade, a integridade, o conhecimento e a persistência. A marca ATLANTICO é, acima de tudo, uma marca que é feita de relações. De relações de confiança e afinidade, de relações sólidas e transparentes. Ser é ser PHI, símbolo de valores, de relação e de conhecimento global. ATLANTICO é o nosso nome. 17 Relatório Anual 2010

18

19 capital humano 2010 representou um ano em que as políticas de Capital Humano ganharam maior profundidade, ao mesmo tempo que a dimensão da Equipa acompanhou e sustentou o crescimento do ATLANTICO, contribuindo para a criação e reforço de uma Equipa sólida, alinhada com os objectivos estratégicos da Instituição e fortemente envolvida na cultura ATLANTICO. Face a 2009, a Equipa ATLANTICO registou um crescimento de 47%, passando de 178 para 263 Colaboradores. Este foi o maior crescimento que o ATLANTICO registou desde o início de actividade, em O ATLANTICO acredita desde o primeiro momento que a Feminino Masculino diferença está nas Pessoas, pelo que aposta fortemente no desenvolvimento das suas Equipas, investindo em formação, identificando, reconhecendo e retendo Colaboradores com um elevado potencial. Só com uma Equipa com as elevadas competências, altamente motivada e envolvida podemos dar corpo às nossas ambições e aos nossos objectivos corporativos. No ATLANTICO estimulamos a criação de conhecimento, como tal, o desenvolvimento profissional, a mobilidade entre Equipas e a promoção das competências representa uma forte aposta Em 2010 foram promovidas aproximadamente horas de formação, realizadas a nível nacional e internacional, representando um investimento aproximado de USD. Em média, o ATLANTICO formou 1 Colaborador por dia. O ATLANTICO comple tou 4 anos de actividade e a antiguidade média dos Colaboradores é de 3 anos. Em 2010, 20% dos Colaboradores foram envolvidos em 0 Número de Colaboradores processos de mobilidade e de promoção. Estes indicadores significam o nosso empenho em fazer crescer as nossas Pessoas, o nosso contributo activo para o desenvolvimento de quadros técnicos e de líderes angolanos. No estudo de clima organizacional promovido em 2010, o índice de satisfação global foi de 80%, de onde destacamos que o trabalho em equipa e a missão e valores como os aspectos que mais se destacam. Em 4 anos de actividade somos já uma Equipa sólida e comprometida com os valores, os princípios e a cultura ATLANTI- CO. No entanto, a nossa ambição e a nossa inquietude leva-nos a estabelecer objectivos cada vez mais exigentes. 19 Relatório Anual 2010

20

21 banca relacional Segmento Private Segmento ATLANTICO A diferenciação do segmento PRIVATE no ATLANTICO faz-se pela excelência no serviço, garantindo um elevado nível de segurança, com confidencialidade e sofisticação técnica. Efectuamos uma abordagem integrada das diferentes necessidades patrimoniais do nosso Cliente, com o acompanhamento personalizado da Sua Carteira, apresentando soluções e propostas específicas de investimento, inovadoras e criativas, especializadas ao seu perfil. No PRIVATE disponibilizamos serviços financeiros e de investimento exclusivos e especializados que têm como objectivo potenciar ao máximo o valor patrimonial, mobiliário e imobiliário, nacional e internacionalmente, dos nossos Clientes, criando soluções à medida das suas necessidades, em Angola e nas geografias em que o ATLANTICO actua: pensamos global, actuando localmente. De igual modo, temos a capacidade técnica de estruturação financeira para assessorar os nossos Clientes em Projectos de Investimento, em estreita coordenação com a Banca de Investimento, a Sala de Mercados e o segmento CORPORATE. A nossa Missão é a de consolidar a nossa presença no sentido do termo privado, que alude ao sigilo bancário, maximização da rentabilização da Carteira de Activos, através da alocação cuidadosa dos recursos ou bens, através da excelência no serviço, garantindo um elevado nível de segurança, com confidencialidade e sofisticação técnica. O Segmento ATLANTICO direcciona-se para clientes que valorizam a personalização do atendimento por um gestor de cliente. Cada cliente tem ao seu dispor um serviço personalizado e exclusivo, que identifica e propõe soluções tailor made, numa actuação assente em critérios de proximidade e proactividade, geradoras de relações sólidas. O atendimento é realizado nos nossos Centros ATLANTICO, onde privilegiamos a discrição, o conforto e a confiança. O nosso modelo de Banca Relacional assegura a diferenciação também pela oferta de produtos e serviços inovadores, nomeadamente na gestão do quotidiano, soluções de poupança e investimento, operações de financiamento, bem como soluções de protecção e segurança dos seus bens. Com o objectivo de reforçar o compromisso com os nossos clientes, apostamos na criação de ofertas que melhor se adequam aos empreendedores, executivos assim como os mais jovens em início de carreira. Mantendo o princípio de prestar um serviço de excelência em Angola e no Mundo, investimos num plano de formação multidisciplinar, para toda a Rede. Em linha com a estratégia de valorização das necessidades dos nossos clientes e com o processo de desenvolvimento de Angola e seus agentes económicos. O ATLANTICO tem em curso um plano de expansão que visa a cobertura geográfica de todo país, promovendo a aproximação do serviço ao cliente. 21 Relatório Anual 2010

22 Segmento Banca de Empresas Em 2010, por sermos um banco de relação ajustámos o nosso modelo comercial no segmento empresas. Fizemos uma análise pormenorizada da nossa carteira de clientes empresa separando-a em dois grandes grupos: Pequenas empresas e Médias e Grandes empresas. O primeiro grupo passou a ser exclusivamente gerido nos Centros ATLANTICO por gestores dedicados, enquanto o segundo passou a ser acompanhado pela Direcção da Banca de Empresas cuja estratégia comercial assenta em dois conceitos base: análise pormenorizada do cliente e aumento do envolvimento e rentabilidade por cliente. O acompanhamento comercial diferenciado permitiu-nos delinear estratégias por tipologia de empresa e responder com mais eficácia. Passámos a oferecer uma variedade de produtos financeiros, desde os mais simples aos mais estruturados, criando internamente uma dinâmica de criação de produtos adaptados às necessidades das médias e grandes empresas angolanas e internacionais que são clientes do ATLANTICO. 22 Relatório Anual 2010

23

24 Banca de Investimento O ATLANTICO tem como Visão ser o melhor Banco de Investimento de Angola no Mundo bem como ser, no mundo, o Banco de Investimento que melhor conhece Angola. Para tal, buscamos a excelência em todos os projectos em que participamos, posicionando-nos como um verdadeiro parceiro dos nossos clientes, partilhando riscos e sucessos. No desenvolvimento da nossa actividade, a Banca de Investimento tem focado a sua energia na diversificação do tecido económico num conjunto alargado de sectores e de serviços. Actuamos num leque alargado de sectores considerados estratégicos, tais como Energia, Infra-estruturas, Indústria Transformadora e Imobiliário, assessorando empresas, empreendedores, entidades governamentais e Instituições Financeiras, oferecendo serviços de Corporate Finance, Project Finance, Structured Finance e Private Equity. O ambiente de recuperação ocorrido em 2010 traduziu-se num aumento da actividade económica e num aumento de novos projectos. A Banca de Investimento assessorou e financiou um conjunto alargado de projectos em diversos sectores levando a um acréscimo de receita e alargando o portfólio de clientes e sectores onde actua. Os projectos que assessorámos e financiámos, levarão a uma maior diversificação da economia, gerará emprego e crescimento económico e desenvolvimento social. Antevemos para 2011 uma continuidade da dinâmica de crescimento económico de Angola que irá ter reflexo na actividade da Banca de Investimento. Mantemos o compromisso de busca de excelência no nível e qualidade de serviços prestados pelas nossas equipas especializadas no acompanhamento aos nossos clientes, assegurando o rigor e a discrição. 24 Relatório Anual 2010

25

26 Compliance 2010 foi um ano rico em matéria de Compliance para o sector financeiro angolano e para o nosso País em geral. Com efeito a Assembleia Nacional aprovou a Lei expressamente consagrada ao tema da prevenção e combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo. De igual modo o País ratificou a Convenção das Nações Unidas Sobre o Crime Organizado Transnacional. Tais medidas foram bem recebidas a nível internacional, especialmente ao nível do Grupo de Acção Financeira Internacional (GAFI) que encorajou o prosseguimento dos esforços encetados e recomendou a sua continuação através da criminalização adequada do branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo; o estabelecimento de uma Unidade de Inteligência Financeira - já efectivada -; o estabelecimento e implementação de quadro legal adequado para a identificação, perseguição e congelamento de activos associados ao terrorismo; e a ratificação da Convenção das Nações Unidas sobre a Supressão do Financiamento ao Terrorismo. A nível interno o ATLANTICO prosseguiu a sua missão, iniciada em 2007 com a criação do primeiro Gabinete de Compliance num Banco angolano, reforçando, face ao nível de crescimento da organização, o seu zelo no cumprimento da lei e de todas as normas e regulamentos internos e externos, por parte das estruturas funcionais e de todos os colaboradores do Banco, tendo em conta o disposto na nova Lei 10/12 de 9 de Julho e na obrigação imposta pelo BNA às instituições financeiras de criar mecanismos de controlo interno e controlo do Branqueamento de Capitais, preconizado no Aviso do Banco Nacional de Angola n.º 1/98 e na Lei 12/10 de 09 de Julho. Nos termos do referido enquadramento legislativo, foi continuada a missão iniciada em 2009, tendo em vista a implementação no Banco Privado Atlântico de um sistema de controlo interno e combate ao branqueamento de capitais e financiamento do terrorismo, em consonância com as recomendações internacionais, nomeadamente do Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission (COSO), do Comité de Supervisão Bancária de Basileia e do GAFI. Pretende-se, com este processo, que o sistema de controlo interno implementado seja um instrumento de apoio à gestão, incorporando uma cultura de Compliance, alargada a todos os colaboradores, de forma a ser garantido que cada colaborador do Banco cumpre adequada e eficazmente todas as obrigações legais e comportamentais, nomeadamente no que respeita à gestão dos riscos implícitos ao desenvolvimento da sua actividade e tendo como objectivo final de desempenho a materialização de ganhos reputacionais de eficiência e eficácia. 26 Relatório Anual 2010

27

28 Tecnologias Durante o exercício de 2010 o ATLANTICO reforçou a sua contínua aposta nas tecnologias de informação de maneira a aumentar a proposta de valor aos nossos clientes e a reforçar o rigor da segurança operacional. O ano de 2010 foi marcado fundamentalmente pela crescente inovação do Banco Central com a introdução do novo plano de Contas CONTIF, que levou à materialização de um conjunto de desenvolvimentos informáticos ao nível do Sistema Central do Banco, e pelo lançamento do projecto da nova Central de Risco de Crédito, projecto informático que o ATLANTICO encara como prioritário face aos benefícios inequívocos que trará ao Sistema Financeiro como um todo. No final de 2010 foram lançadas também as bases de um conjunto de projectos informáticos que se materializarão durante 2011 e que têm como principal objectivo elevar a qualidade de atendimento aos nossos clientes nos canais não presenciais bem como continuar a imprimir eficiência e segurança operacional ao banco na sua transversalidade. 28 Relatório Anual 2010

29

30 Mecenato Social Corporativo A Responsabilidade Social é, no ATLANTICO, um tema de extrema importância porque é o nosso compromisso de sempre com a comunidade. Envolve todos, desde o Conselho de Administração a todos os colaboradores das geografias onde estamos presentes (Angola e Portugal). O ATLANTICO está permanentemente interessado na criação de valores para os seus colaboradores, clientes e comunidade. A responsabilidade social do ATLANTICO abrange várias áreas, designadamente a educação, o desporto, a cultura, a saúde e o meio ambiente. Para tangibilizar e melhor levar a cabo as acções de responsabilidade social, o ATLANTICO implementou em 2008 o projecto LOGOS (Luanda Organizing Game On The Street), que tem como propósito principal contribuir para a criação de valor junto das comunidades através do desporto, possibilitando a que jovens de famílias mais desfavorecidas possam fazer escolhas positivas para as suas vidas. Para facilitar a interacção com as comunidades, o ATLANTICO criou três centros, através de parcerias, onde os jovens participam e interagem. No ano de 2010 trabalhamos na continuidade da consolidação do projecto LOGOS, que é a evidência do compromisso assumido pelo ATLANTICO com as comunidades. O projecto LOGOS contou com jovens que no dia-adia, receberam valores transmitidos por 36 Monitores e Líderes Comunitários que colaboram directamente com o projecto. Estes valores foram transmitidos através da prática de diversas modalidades desportivas, nomeadamente, o futebol, basquetebol, andebol, futsal, karaté e actividades culturais (dança, música e teatro). Através do projecto LOGOS, o ATLANTICO contribui para a formação de homens e mulheres, promovendo nos jovens a construção da boa relação, o espírito de equipa, a liderança, a proximidade, a paixão, a competitividade, a solidariedade e a vida saudável. A visão de responsabilidade social no ATLANTICO é transversal. A sustentabilidade ambiental é um tema que nos preocupa. Por isso, numa acção de voluntariado, envolvemos os nossos colaboradores numa actividade que resultou na plantação de 320 árvores no município do Cazenga, província de Luanda. O grande ganho desta acção foi o facto dos nossos colaboradores perceberem o contributo que deram para a melhoria do paisagismo daquela comunidade, mas, acima de tudo, para a preservação e equilíbrio do meio ambiente. A solidariedade também está presente no seio do ATLANTI- CO. Neste âmbito, concedemos apoio ao INTASA, instituição que promove nas crianças o hábito pela leitura. Traduzindo-se em acções de voluntariado, todos os finais de semana (sábados), dois colaboradores do ATLANTICO, deslocaram-se a biblioteca do INTASA, para interagirem com as crianças, ensinando-os a ler e contar-lhes histórias. Esta acção reforça a responsabilidade social do ATLANTICO na vertente da educação. A responsabilidade social é um compromisso que estará sempre presente no ATLANTICO, por ser um dos seus pilares estratégicos de actuação. Mas, acima de tudo, pela sua grande preocupação em criar valores tangíveis junto das comunidades mais desfavorecidas. Queremos participar de forma activa no processo da formação dos jovens angolanos, contribuir para a melhoria da sua vida e facilitar a sua inserção social. 30 Relatório Anual 2010

31

32 Enquadramento da Actividade Dados macroeconómicos Economia Internacional Após uma profunda recessão de 18 meses que só terminou em Junho de 2009, a economia mundial foi marcada em 2010 por três grandes acontecimentos, nomeadamente, a retoma da economia mundial, a crise da dívida soberana na Europa e o surgimento de inflação nas economias emergentes. A retoma económica, que ocorreu de forma generalizada, foi acompanhada por uma atenuação dos receios deflacionistas patentes desde o início da crise. De facto, já no final do ano, e após vários meses de enormes aumentos nos preços das matérias-primas, as preocupações dos investidores e autoridades monetárias passaram muito rapidamente da deflação para a inflação, especialmente nas economias emergentes, menos abaladas pela crise e no meio de um período de crescimento económico robusto. Evolução do PIB Fonte: FMI, Bloomberg, MinFin 15% 10% 5% 0% -5% 2,9% Global EUA Zona Euro Angola Portugal 0,0% -2,1% 13,9% 0,0% -0,5% -2,1% -2,6% Nos EUA, onde a crise do subprime teve início, a Reserva Federal norte-americana (FED) manteve os esforços de estímulo da economia através de políticas monetárias acomodatícias como o Quantitative Easing 1, por intermédio das quais o governo interveio no mercado, comprando vários tipos de instrumentos de dívida de médio e longo prazo. Estes programas foram concebidos com o objectivo não declarado de combate ao desemprego perto dos dois dígitos - e à deflação. Outras medidas de estímulo da 1) Programa de injecção de liquidez no sistema financeiro, actividade económica e financeira passaram pelo lançamento de um novo pro- com vista a normalizar a situação financeira dos bancos e estimular a concessão de crédito à economia. grama de aquisição de dívida soberana e de títulos de dívida hipotecária de longo 2,4% -2,5% 5% 4,5% 2,9% 2,0% 1,4% prazo (datado de Novembro de 2010, por um montante de USD 600 mil milhões e visando essencialmente manter reduzidas as taxas de juro de longo prazo) e pelo prolongamento do programa de estímulos fiscais do Governo Bush, num montante superior a USD 800 mil milhões. Esta actuação passou ao mercado a mensagem de que as autoridades iriam levar a cabo as acções necessárias para ultrapassar a crise e suportar a sua economia. O contexto macroeconómico foi melhorando ao longo do ano, com destaque para a componente produtiva e para o consumo privado (que representa cerca de 65% da economia). A produção industrial cresceu 6,8% no ano e o consumo privado recuperou 4,0%, suportado pelo aumento de 3,9% do rendimento disponível e pela redução do endividamento das famílias. O mercado imobiliário foi um dos únicos sectores da economia norte-americana que até ao fim do ano não mostrou sinais de recuperação sustentada, embora com sinais aparentes de estabilização, na medida em que deixou de contribuir negativamente para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). Esta recuperação quase não foi acompanhada por uma melhoria a nível do mercado de trabalho, com a taxa de desemprego a manter-se nos 9,4% (muito próxima dos máximos de 10,1% atingidos no pico da crise). Não obstante este facto, o PIB norte-americano registou um crescimento de 2,9% e superou finalmente os níveis registados antes da crise. Tal recuperação económica reflectiu-se nos lucros das empresas, que cresceram ao ritmo mais elevado das últimas décadas, sem terem, porém, ultrapassado os máximos atingidos em 2006 para as empresas do S&P500. No entanto, esta clara melhoria do contexto económico e financeiro permitiu uma importante recuperação do crédito às empresas no final do ano, suportada por uma maior disponibilidade dos bancos para o financiamento deste sector. O ano de 2010 foi também marcado pela crise de crédito em vários países da periferia da Zona Euro. Esta crise teve início na Grécia em resultado do forte desequilíbrio nas contas públicas e dos elevados níveis de endividamento externo, e rapidamente alastrou-se à Irlanda, cujo sector financeiro atravessava uma grave crise devido às práticas de crédito excessivas dos últimos anos. O sector financeiro desta economia ganhou um peso demasiado grande em relação ao PIB irlandês e o governo foi forçado a intervir, cedendo liquidez e nacionalizando os principais bancos. A Grécia foi o primeiro país a recorrer à assistência financeira da União Europeia (UE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI), sendo seguida pela Irlanda. Apesar do apoio financeiro a estas duas economias, o clima de incerteza e o receio de contágio a outros países, nomeadamente Portugal e Espanha mantiveram-se, penalizando as condições de financiamento dos restantes países. Apesar da volatilidade e da reduzida visibilidade nos mercados, 2010 foi um ano de recuperação económica para a Zona Euro, 32 Relatório Anual 2010

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL

FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL FUNDO MONETÁRIO INTERNACIONAL DEPARTAMENTO DE COMUNICAÇÃO Comunicado de Imprensa n.º 14/110 Fundo Monetário Internacional PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA 700 19 th Street, NW 19 de Março de 2014 Washington, D.C.

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO

ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1 Abrandamento da atividade económica mundial ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1.1. Evolução da conjuntura internacional A atividade económica mundial manteve o abrandamento

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013

III Fórum Banca Expansão. João Fonseca Luanda, 4 de Julho de 2013 Novo Regime Cambial para o Sector Petrolífero (NRCSP) Impacto na economia Desdolarização, desenvolvimento do mercado cambial e da economia não petrolífera. III Fórum Banca Expansão João Fonseca Luanda,

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE

O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE 64 CAPA ENTREVISTA AMÍLCAR SILVA, PRESIDENTE, E NÍRIA ORAMALU, COORDENADORA DO NÚCLEO DE ESTUDOS E ESTATÍSTICAS DA ABANC O RISCO SEMPRE EXISTIU E ESTAMOS TODOS SUJEITOS A ELE Na sede da Associação Angolana

Leia mais

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem.

Os riscos do DUETO, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Advertências ao Investidor Os riscos do, produto financeiro complexo, dependem dos riscos individuais associados a cada um dos produtos que o compõem. Risco de perda total ou parcial do capital investido

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS

COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS COMENTÁRIOS DA CIP À PROPOSTA DE ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2015 E ÀS REFORMAS FISCAIS A CIP lamenta que a dificuldade em reduzir sustentadamente a despesa pública tenha impedido que o Orçamento do Estado

Leia mais

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3

A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 1 / 1 A Fazer Crescer o Nosso Futuro 2 / 3 ... os recursos petrolíferos devem ser alocados à constituição de reservas financeiras do Estado que possam ser utilizadas, de forma igualitária e equitativa,

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

Contexto económico internacional

Contexto económico internacional 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO 1 ENQUADRAMento MACroeConóMICO Contexto económico internacional O ano de 21 ficou marcado pela crise do risco soberano na Zona Euro e pela necessidade de ajuda externa à

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

MASTER EM DIRECÇÃO DE COMÉRCIO INTERNACIONAL E DE MARKETING OBJECTIVOS DO PROGRAMA A Escola de Negócios EUDEM apresenta o seu programa MCIM - Master em Direcção de Comércio Internacional e de Marketing,

Leia mais

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015.

Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, 2015. CTA-CONFEDERAÇÃO DASASSOCIAÇÕES ECONÓMICAS DE MOÇAMBIQUE Reflexão depreciação do Metical em relação ao Dólar Norte- Americano, Eduardo Sengo Julho 2015 Uma depreciação do Metical, torna os bens e serviços

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO

COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO COMUNICADO ASSUNTO: MEDIDAS DE AFROUXAMENTO MONETÁRIO 1. A economia cabo-verdiana é fortemente influenciada pela dinâmica da economia internacional, mormente da Zona Euro. 2. Neste contexto, a persistente

Leia mais

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011

O incumprimento entre empresas aumenta, em comparação com 2011 Lisboa, 29 de Maio de 2013 Estudo revela que os atrasos nos pagamentos entre empresas na região da Ásia - Pacífico se agravaram em 2012 - As empresas estão menos optimistas relativamente à recuperação

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management

Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015. Turim Family Office & Investment Management Relatório Econômico Mensal Agosto de 2015 Turim Family Office & Investment Management ESTADOS UNIDOS TÓPICOS ECONOMIA GLOBAL Economia Global: EUA: PIB e Juros... Pág.3 Europa: Recuperação e Grécia... Pág.4

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore

O PAPEL DA AGRICULTURA. Affonso Celso Pastore O PAPEL DA AGRICULTURA Affonso Celso Pastore 1 1 Uma fotografia do setor agrícola tirada em torno de 195/196 Entre 195 e 196 o Brasil era um exportador de produtos agrícolas com concentração em algumas

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD

Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD 1 16 de Março de 2015 Euro em valor mínimo dos últimos 12 anos face ao USD O Euro transaccionou a 1,0696 USD, o nível mais baixo dos últimos 12 anos, e só em 2015 acumula uma depreciação de cerca de 12.

Leia mais

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD

Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD 1 9 de Fevereiro de 2015 Petróleo: Preços de referência atingiram os 50 USD Os preços de referência do crude (WTI e Brent) estão a transaccionar acima dos 50 USD, o que poderá representar um momento de

Leia mais

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011

Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Relatório Econômico Mensal Agosto 2011 Tópicos Economia Americana: Confiança em baixa Pág.3 EUA X Japão Pág. 4 Mercados Emergentes: China segue apertando as condições monetárias Pág.5 Economia Brasileira:

Leia mais

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS

Relatório Mensal. 2015 Março. Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Relatório Mensal 2015 Março Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro - PREVI-RIO DIRETORIA DE INVESTIMENTOS Composição da Carteira Ativos Mobiliários, Imobiliários e Recebíveis

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE)

Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Xai-Xai, 28 de Agosto de 2009 Rogério P. Ossemane (IESE) Países em recessão oficial (dois trimestres consecutivos) Países em recessão não-oficial (um trimestre) Países com desaceleração econômica de mais

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco,

Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças. Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Nota de abertura - Fórum de Economia e Finanças Exmo. Senhor Amilcar Silva Presidente da Associação Angolana de Banco, Exmos. Senhores Presidentes e demais membros dos Conselhos de Administração e das

Leia mais

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada

No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada Angola Setembro 2009 No rescaldo da crise, fase mais difícil parece ultrapassada I.- Evolução recente das reservas cambiais 1. O dado mais relevante a assinalar na evolução da conjuntura económica e financeira

Leia mais

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro

Raul Marques. Poupança: Onde colocar o meu dinheiro Raul Marques 27 de Novembro de 2010 Sociedade de consumo Evolução do consumo privado (%PIB) Portugal vs Alemanha Fonte: Banco de Portugal, Eurostat 27 de Novembro de 2010 2. Aumento do endividamento das

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013

RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 RELATÓRIO DE GESTÃO 2013 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2014 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Resultados Consolidados. Exercício de 2007

Resultados Consolidados. Exercício de 2007 Resultados Consolidados Exercício de 2007 21 de Abril de 2008 Sumário Overview 2007 Highlights Resultados Consolidados Evolução por Área de Negócio 21 de Abril de 2008 2 Overview 2007 Decréscimo do crescimento

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 dezembro de 2015 2015-11-25 Pág. 1 I. Introdução II. Plano Estratégico - Linhas Gerais de Orientação Estratégica

Leia mais

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA página 3.1. Indicadores Gerais 40 3.1.1. Volume de Negócios 40 3.1.2. Valor Acrescentado Bruto 40 3.2. Capitais Próprios 41 3.3. Indicadores de Rendibilidade

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal

INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO. Janeiro de 2009. Resultados para Portugal INQUÉRITO AOS BANCOS SOBRE O MERCADO DE CRÉDITO Janeiro de 2009 Resultados para Portugal I. Apreciação Geral De acordo com os resultados do inquérito realizado em Janeiro de 2009, os cinco grupos bancários

Leia mais

Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos

Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos 1 10 de Março de 2015 Taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro angolanos em máximos dos últimos 4 anos As taxas de juro dos Bilhetes do Tesouro (BT) angolano, títulos de dívida de curto prazo (inferior a

Leia mais

Angola Boletim Económico - Junho 2009

Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola Boletim Económico - Junho 2009 Angola retira pé do acelerador na economia Tem sido notícia nas últimas semanas em Portugal uma mudança de clima em relação à economia angolana: de um ambiente de

Leia mais

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS

II.1.1. Síntese PRINCIPAIS INDICADORES ECONÓMICOS Angola Capítulo II II.1.1. Síntese 25 revelou-se como um ano de referência no comportamento da economia angolana: o produto interno bruto registou um crescimento real superior a 2% (um dos mais elevados

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Relatório & C o n t a s de

Relatório & C o n t a s de Relatório & C o n t a s de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos

Leia mais

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES

INVESTIMENTO ACTIVO MAIS OBRIGAÇÕES Breve Descrição do Produto O é um produto financeiro complexo composto por 50% do investimento num Depósito a Prazo a 180 dias, não renovável, com uma taxa de juro de 4% (TANB Taxa Anual Nominal Bruta),

Leia mais

Evolução da venda de divisas do Banco Nacional de Angola

Evolução da venda de divisas do Banco Nacional de Angola 29 de Setembro de 214 Evolução da venda de divisas do Banco Nacional de Angola Nos primeiros oito meses de 214, o Banco Nacional de Angola (BNA) vendeu divisas num montante de 13,398 mil milhões de USD,

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Enquadramento Macroeconómico

Enquadramento Macroeconómico Enquadramento Macroeconómico 26 A evolução da economia e do sector financeiro foi, em 2009, profundamente afectada pelo impacto da crise internacional que eclodiu há mais de dois anos com origem no segmento

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

A queda das bolsas chinesas e o seu impacto

A queda das bolsas chinesas e o seu impacto A queda das bolsas chinesas e o seu impacto 31 Agosto de 215 No dia 24 de Agosto a bolsa de Shangai registou a maior queda dos últimos 8 anos, ganhando rótulo de black monday. O índice composto de Shangai

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 12% no primeiro semestre de 2011 Proveitos Operacionais de 55,8 milhões EBITDA de 3,1 milhões Margem EBITDA de 5,6% EBIT de 0,54 milhões Resultado Líquido negativo

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica?

2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica? 1 26 de Janeiro de 2015 2015: Mais austeridade ou início de prosperidade económica? A actual conjectura económica torna inevitável a seguinte questão: 2015, será um ano de mais medidas de austeridade ou

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais