Fim do IVA sobre ISV vai aumentar custos de renovação de frota das rent-a-car

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fim do IVA sobre ISV vai aumentar custos de renovação de frota das rent-a-car"

Transcrição

1 FROTAS ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1341, DE 9 AbRIl DE 2010, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Fim do IVA sobre ISV vai aumentar custos de renovação de frota das rent-a-car Pág. 9 RENAULT Baixa média de emissões de CO2 aumenta competitividade frotista LEASEPLAN Meta para 2010 é continuar a ganhar quota no renting nacional Presidente da ALF sobre o aluguer operacional português Vemos este ano com muito bons olhos O presidente da Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF), Beja Amaro, está esperançado num 2010 melhor do que o ano passado para o aluguer operacional luso. O dirigente associativo sustenta, em entrevista à Vida Económica, a confiança no facto de as empresas de gestão de frotas portuguesas estarem mais fortes. Segundo o presidente da ALF, prova disso é que Portugal, apesar de ter acusado uma quebra nos resultados, conseguiu ficar entre os países com melhores resultados, como a Bélgica, a Grã-Bretanha, a Itália, a Noruega ou a Polónia. Vemos este ano com muito bons olhos e acreditamos que o pior terá mesmo passado, remata Beja Amaro. Pág. 6 O SEU SITE DE VENDAS ONLINE DE VIATURAS USADAS EXCLUSIVO PARA PROFISSIONAIS 24H POR DIA, 7 DIAS POR SEMANA CONSULTE O NOSSO STOCK DE VIATURAS USADAS INSCRIÇÃO GRATUITA em ou pelo

2 2 sexta-feira, 9 Abril de 2010 frotas Renting português longe da maturidade É sabido que a mobilidade dos colaboradores é um dos maiores fardos no orçamento da maioria das empresas. Assim, impõe-se que haja uma decisão criteriosa pela melhor a forma de renovação do parque automóvel. Neste capítulo, o aluguer operacional de viaturas (AOV) tem ganho, desde a década passada, uma importância acrescida, face à aquisição ou ao leasing. De acordo com o Bárometro Corporate Vehicle Observatory 2009 (CVO), um estudo anual pan-europeu que a gestora de frota Arval leva a cabo, a performance do renting em Portugal tem sido positiva, atingindo uma média anual de crescimento na ordem dos 7,5%. Tem estado em contra-ciclo com os restantes métodos [de renovação de frotas], tais como aquisição própria, leasing financeiro e crédito, disse à Vida Económica o administrador-delegado da Arval Portugal. Stephan Beck conclui, aliás, que o mercado de AOV ainda não atingiu um ponto de maturidade entre nós. A taxa de penetração do renting ainda não ultrapassa os 4%. O método de financiamento mais utilizado pelas empresas portuguesas ainda é o leasing financeiro, com 47%, recorda. De acordo com o mesmo estudo, o AOV representa em Portugal cerca de 115 mil contratos, sendo ao parque automóvel de cerca de 5,5 milhões de veículos. Numa análise por dimensão de empresa, a penetração renting atinge os 40% nas grandes empresas ao invés das micro-empresas, típicas no tecido empresarial português, com 4%. Desta forma, é notória a adopção deste método de financiamento quanto maior é o nível de maturidade da empresa. Face à média europeia, verificamos igualmente que existe margem para que este serviço incremente a sua penetração, sendo este comportamento transversal a todas as dimensões das empresas, defende o administrador-delegado da Arval Portugal. Em relação aos particulares, o potencial está lá, mas o caminho a percorrer é mais longo. O parque automóvel dos particulares no nosso país representa mais de 80% do total de veículos existentes. Actualmente, as empresas de AOV já efectuam operações B2C [ao consumidor] no que à venda de veículos usados diz respeito. Está estabelecido, então, o primeiro passo para praticar renting no canal particulares, afirma Stephan Beck. ALD com serviços agregados O AOV já não é um conceito desconhecido do público. Porém, ainda deixa muitas dúvidas. O aluguer operacional é isso mesmo, um aluguer e não um produto financeiro, porque nos contratos não está prevista a passagem de propriedade ao cliente, em que o locatário paga uma renda mensal durante o período de tempo entre um e cinco anos. Esta renda, paga numa única factura, inclui as revisões, o seguro contra danos próprios e as reparações. No caso do cliente querer, o contrato pode mesmo contemplar a gestão dos pneus e, até, dos combustíveis. Trata-se, portanto, de um ALD, ao qual são acrescentados serviços. As empresas que se dedicam à actividade utilizam todo o tipo de veículos, embora os pesados com mais de seis toneladas de peso bruto sejam raros, devido aos entraves colocados pela legislação em vigor. As vantagens do aluguer operacional são muitas, mas resumem-se numa expressão cada vez mais utilizada: outsourcing. Os preços das rendas conseguem tornar-se atractivos, porque as gestoras de frota têm um poder negocial para compra e manutenção que, regra geral, as empresas não possuem de forma isolada. No que se refere ao balanço da empresa, há a vantagem de os veículos em questão não entrarem no balanço desta. No que se refere aos seguros, o aluguer operacional apresenta ainda o benefício de não se verificarem agravamentos. A natural concorrência na economia levou a que as empresas tomassem consciência das vantagens financeiras e físicas, bem como da simplificação da gestão de frota que o aluguer operacional oferece, pelo que começaram a utilizá-lo. Aquiles Pinto OpçãO aluguer OperaciOnal Simplifica todas as tarefas de gestão da frota das empresas, que é entregue a especialistas com serviços adicionais diversos. Utilização de imobilizado de terceiros, em termos jurídicos e económicos. Vantagens Acompanhamento informático por parte da empresa de aluguer operacional: gestão de facturas, de combustível, do número de dias utilizando viatura de substituição, etc. A quilometragem anual tem implicações no que respeita aos encargos de manutenção com o veículo, devendo o locatário pagar uma verba adicional, caso exceda a quantidade de km previamente contratada. compra integral (pronto pagamento) Possibilidade de negociação do preço do veículo, dependendo do poder negocial do comprador. Utilização de recursos financeiros da empresa para compra de veículos, em detrimento da sua aplicação em investimentos no negócio central. Vantagens Utilização de fundos próprios da empresa ou negociação de empréstimos, eventualmente com taxas favoráveis. Desvantagens O facto de ser um activo na empresa, pelo que pode ser tributado. A performance do renting em Portugal tem sido positiva, atingindo uma média anual de crescimento na ordem dos 7,5%. Disponibilidade do veículo para venda em qualquer altura, já que é um activo da empresa. Implementação de um serviço interno de gestão da frota com menor poder negocial que as empresas de aluguer operacional. Desvantagens O locatário apenas tem que pagar as rendas: a locadora avisa nas alturas de manutenção. O mais interessante é que, feitas bem as contas, o contrato de aluguer operacional acaba por fazer com que a mobilidade se torne mais barata que em caso de compra, acrescida das manutenções, seguro, etc. Caso o prazo do contrato seja abreviado por rescisão da empresa cliente, há lugar a uma penalização, que varia, consoante a locadora. locação financeira ( leasing ) A locação financeira oferece uma garantia de cash-flow através da sequência fixa das rendas mensais ao longo do período do contrato. Esta opção liberta as empresas locatárias de pressões de crédito com outras instituições. Na hipótese de o contrato não ser totalmente cumprido, há uma cláusula penal por rescisão antecipada. Vantagens Desvantagens Outras desvantagens foram já indicadas na aquisição a crédito ou a pronto e que também aqui se aplicam. Possibilidade de aquisição do bem no fim do contrato. Embora a empresa cliente não seja proprietária do automóvel, é totalmente responsável pela sua danificação.

3

4 4 sexta-feira, 9 Abril de 2010 frotas Simulação da LeasePlan Os custos de uma frota em AOV O aluguer operacional de viaturas (AOV) tem, como se pode ler neste dossier, ganho preponderância no mercado nacional. Importa, porém, saber quais os custos mensais associados a uma frota neste regime. Para saber quanto custa uma frota em AOV, a Vida Económica recorreu à LeasePlan, empresa líder do sector em Portugal, para obter uma proposta, mesmo que meramente indicativa. Os nossos contratos têm 48 meses de duração com uma quilometragem contratada de 120 mil km (30 mil por ano) e incluem, além da manutenção programada e correctiva, a substituição de quatro pneus, viatura de substituição e seguro com danos próprios, com franquia de 2%. O IVA está incluído à taxa em vigor e os modelos de passageiros têm pintura metalizada. Os modelos escolhidos são, no total, seis. Quatro de passageiros dos segmentos B, C, D e E e dois comerciais. No segmento B, a escolha recaiu sobre o Ford Fiesta 1.4 TDCi Trend. O modelo tem um preço de venda de euros, sendo a renda mensal proposta de 409,86 euros. Outro modelo que serve de exemplo para estas simulações é, no caso do segmento C, o Opel Astra Enjoy 1.3 CDTI com 95 cv. Proposto em Portugal por um preço de 23 mil euros, o modelo tem uma renda em renting de 533,31 euros. A terceira possibilidade de carros de passageiros é a Volkswagen Passat Variant 1.6 TDI 105 Bluemotion. Com um PVP de euros, o modelo tem um custo mensal em AOV de 700,52. O último modelo de passageiros é o BMW 525d 3.0 com 204 cv, cujo preço em novo é de euros. A renda da Lease- Plan é de 1294,54 euros. Nos veículos comerciais, uma das possibilidades é o Opel Combo Van 1.3 CDTI com 75 cv. Custa euros e tem um preço mensal em renting de 374,75 euros. A outra escolha de comerciais é a pick-up Toyota Hilux 2.5 com 144 cv. Com um valor a rondar os 27 mil euros, o modelo tem uma renda de 638, 85 euros. Aquiles Pinto Ford Fiesta 1.4 tdci trend Preço J Renda mensal J409,86 (c/iva) opel Astra enjoy 1.3 CDti 95 cv Preço J Renda mensal J533,31 (c/iva) VW Passat Variant 1.6 tdi Bluemotion Preço J Renda mensal J700,52 (c/iva) seis opções BMW 525d cv Preço J Renda mensal J1394,54 (c/iva) opel Combo Van 1.3 CDti com 75 cv Preço J Renda mensal J374,75 (c/iva) toyota Hilux 2.5 4X4 144 cv Preço J Renda mensal J638,85 (c/iva) De acordo com o estudo TCO Analysis, da FleetData Volkswagen Golf vence destacado corrida do melhor custo de utilização euros), o Peugeot HDi 110 (23,09 euros), o Ford Focus 1.6 TDCi 109 (23,16 euros) e o Opel Astra Cosmo 1.7 CDTi (23,28 euros). De referir que o TCO, em ambos os segmentos, foi calculado pela FleetData com um prazo de 36 meses, pressupondo uma quilometragem de 90 mil km (30 mil por ano) e inclui a substituição de oito pneus. Para o cálculo do custo de combustível, foi utilizado o consumo misto indicado por cada marca. De referir que a empresa valorizou apenas com os equipamentos de série. Quanto é que vai custar a utilização de determinada viatura por um período de tempo? Esta é a questão financeira fulcral no que respeita à decisão de compra de um veículo que a FleetData procura responder com a ferramenta TCO Analysis. Utilizando o conceito do TCO, é, segundo a empresa, possível a um potencial comprador avaliar financeiramente a decisão de compra de um veículo e efectuar uma análise correcta do impacto dessa opção de investimento. Modelo alemão destaca-se do pelotão O Volkswagen Golf volta a ter a melhor performance no segmento C diesel. O Volkswagen 1.6 TDI 105 é o modelo a diesel com o TCO (custo total de propriedade, do inglês total cost of ownership ) mais baixo do segmento C, de acordo com a análise da empresa especialista FleetData, a que a Vida Económica teve acesso. Com um TCO por 100 km de 20,88 euros por cada 100 km, o modelo alemão lidera, destacado, a tabela. Com efeito, o Golf deixa os restantes corredores bem longe. Curiosamente, e mantendo a analogia à competição automóvel, pode-se dizer que os restantes cinco modelos avaliados pelo TCO Analysis da FleetData chegaram, longe do líder, em pelotão. Assim, seguiu-se o Toyota Auris 1.4 D4D (TCO a 100 km de 23,04 euros), o Renault Mégane 1.5 dci 110 (23,06 Segmento C 36 meses/ km Modelo PVP %VR Depreciação Manutenção Pneus Combustível tco tco (100km) Ford Focus 1.6 TDCi % ,16 Titanium Opel Astra Cosmo % ,28 CDTi Peugeot HDi % ,09 Executive Renault Mégane % ,06 Dynamique S 1.5 dci 110 Toyota Auris 1.4 D4D Sol % ,04 VW Golf 1.6 TFI % ,88 Confortline MÉDIA % ,75 Obs.: Valores em euros Fonte: FleetData

5 NOVO RENAULT LAGUNA. A REINVENÇÃO DA RODA. Ao design e equipamento de excepção, adicionámos um sistema inovador de 4 rodas direccionais 4Control. Venha conhecê-lo, o resultado é uma revelação. Por apenas 210/mês, aproveite e descubra também a nova Série Especial Renault Laguna Black Line, agora ainda mais desportiva. Exemplo Laguna Break Black Line 1.5 dci 110cv, contrato de AOV - Renault Business Finance, a 36 meses, com entrada de 9.000, inclui manutenção para km, sem opção de compra cliente. Válido para encomendas até 30/06/2010 e sujeito a aprovação. Imagem não contratual. Emissões de CO2 (g/km) de 125 a 194. Consumo em ciclo misto (l/100km) de 4,8 a 8,2. *Conduza a mudança.

6 6 sexta-feira, 9 Abril de 2010 frotas Indica o presidente da ALF, Beja Amaro, em entrevista Descida do valor dos usados atrapalhou contas das gestoras de frota no ano passado Os valores residuais foram o calcanhar de Aquiles do renting português em 2009, de acordo com o presidente da ALF Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting. Se tiver que indicar o factor que terá afectado mais este sector, apontaria para a quebra acentuada dos valores praticados no mercado de usados, dificultando o escoamento das viaturas que se encontram em fim de vida contratual, refere, em entrevista à Vida Económica, o presidente da entidade, Beja Amaro. Leasing e renting português resistem à tendência de queda na europa O leasing e o renting português foram dos que menor quebra apresentaram na Europa no primeiro semestre de Os dados, divulgados pela Leaseurope, mostram que a redução de 30%, face aos valores alcançados em 2008 em Portugal, ficou longe de quebras de 80%, em países como a Estónia, a Letónia, a Rússia e a Ucrânia, e de 60% em Espanha, Irlanda, Finlândia, Bulgária, República Checa e Hungria. Portugal conseguiu, assim, ficar no grupo de países com menor quebra, como a Bélgica, a Grã-Bretanha, a Itália, a Noruega ou a Polónia. A ALF recorda que a produção agregada das empresas de leasing e renting portuguesas atingiram os 2262 milhões de euros nos primeiros seis meses de Os valores, provisórios, para todo o ano passado são de 4757 milhões de euros. Já estávamos à espera que o desempenho do leasing europeu ficasse aquém dos resultados obtidos em 2008, refere José Beja Amaro, relembrando que a crise económica começou a ter mais relevo nos finais de 2008, pelo que é natural que os primeiros reflexos desta ocorressem no primeiro semestre do ano seguinte. O presidente da ALF acredita, apesar disso, que as empresas nacionais souberam reagir com prontidão à nova dinâmica que se sentia em Portugal, aliás, em todo o Mundo, e conseguiram conter bem os efeitos mais negativos. Estamos agora a finalizar a análise de todos os dados das nossas associadas referentes ao ano de 2009 e acredito que os esforços empreendidos pelo sector português darão mostra de que conseguiram conter os efeitos que esta crise provocou na economia do país, salienta ainda o presidente da ALF. Vida Económica- Como foi 2009 para o renting em Portugal? Beja Amaro - Quando iniciámos 2009, tínhamos consciência dos desafios que a nova conjuntura económica nos iria trazer. Mas a crise também trouxe uma preocupação acrescida na procura de alternativas consistentes para assegurar a rentabilidade dos negócios e ajudar os clientes com os custos das suas frotas. Aqui, o renting consolidou a sua posição como uma boa opção para as grandes e médias empresas, pela poupança que oferece em termos de tesouraria e custos administrativos, e os resultados finais do ano traduziram-se numa quebra que pode ser considerada ligeira, especialmente tendo em conta o panorama do sector automóvel em geral e os níveis de investimento nacional. Se tiver que indicar o factor que terá afectado mais este sector, apontaria para a quebra acentuada dos valores praticados no mercado de usados, dificultando o escoamento das viaturas que se encontram em fim de vida contratual. Mas as gestoras de frota não se entregaram ao clima de pessimismo e recessão que assolou o país e procuraram dinamizar a sua actividade, nomeadamente, através da oferta de novos serviços mais atractivos para o cliente. VE - Quais os objectivos para 2010 nesta actividade? BA - Para 2010 vamos continuar a trabalhar no sentido de colmatar as consequências negativas que o último ano trouxe para o negócio. As empresas de gestão de frotas portuguesas estão mais fortes e sólidas e prova disso é que Portugal, apesar de ter acusado uma quebra nos resultados, conseguiu ficar entre os países com melhores resultados, como foi o caso da Bélgica, Grã-Bretanha, Itália, Noruega ou Polónia. Por isso, vemos este ano com muito bons olhos e acreditamos que o pior terá mesmo passado. O renting está pronto para continuar a acompanhar e responder às necessidades dos clientes e, inclusivamente, caso pretendam recorrer a viaturas eléctricas. VE - Uma possível alteração, preconizada pelo Governo, na tributação de IVA sobre ISV poderá influenciar a actividade das empresas associadas não apenas a gestoras de frotas, mas também as empresas As empresas de gestão de frotas portuguesas estão mais fortes, salienta Beja Amaro. de leasing da Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF)? BA - Existindo apenas uma autorização legislativa, julgamos ser prematuro estar a falar deste assunto detalhadamente, uma vez que as especificidades de como esta alteração, caso venha a ter lugar, se irá suceder são bastante importantes. A ALF está atenta a esta situação e tentará trabalhar/está disposta a trabalhar com o Governo no sentido de tornar esta possível alteração verdadeiramente neutra do ponto de vista fiscal, sem prejudicar os consumidores finais. VE - A ALF iniciou 2010 com um reforço no conjunto das suas associadas, afirmando representar 90% dos sectores do leasing, factoring e renting. Que balanço fazem dos últimos meses? BA - A entrada, no início deste ano, de duas novas associadas da área do leasing e do factoring é, para nós, um importante reconhecimento do dinamismo e trabalho que temos desenvolvido na defesa dos interesses destes três sectores, quer perante o Estado, quer junto das entidades privadas como do público em geral. O início de 2010 vem ainda dar seguimento ao trabalho já desenvolvido em 2009, ano em que entraram na ALF uma nova associada de renting e duas novas associadas no factoring. Hoje, a nossa associação representa um total de 46 actividades de empresas nos sectores do leasing (22), do factoring (14) e do renting (10) em Portugal. VE - Quais os objectivos para 2010 neste capítulo? BA - É objectivo permanente da ALF prestar o melhor serviço às suas associadas e criar um fórum para discutir as oportunidades e problemas comuns dos sectores. Neste âmbito, a ALF continua preparada para acolher as poucas empresas que ainda não aderiram, estando cientes da qualidade dos serviços que lhes poderemos disponibilizar. AQUILES PInto Indica estudo da FleetData Valor dos usados com sinais de recuperação O valor comercial dos usados mostrou recuperação no último trimestre de 2009, de acordo com o estudo UCBook MarketIndex, da empresa especializada em informações automóveis FleetData, a que a Vida Económica teve acesso. O barómetro indica que os preços do mercado total de veículos usados registam um crescimento no valor dos usados no quarto face ao terceiro trimestre (de 9,5%), bem como ao período homólogo de 2008 (de 22,5%). Outra conclusão do estudo é que, talvez fruto da conjuntura económica, são mais velhas e apresentam menos quilometragem na altura da negociação. Em relação à idade média, regista um aumento face ao período homólogo de 4,7%, para 45 meses, apesar de, na comparação com o trimestre anterior, diminuir (era 47 meses). A quilometragem baixa, por seu turno, 2,7% face a igual período de 2008 e 8,3% em relação ao trimestre anterior, para km. Por fim, uma referência à dieselização do mercado, efeito que se mantém, mas que abrandou no quarto trimestre de [É] mais acentuado no mercado total (menos 2,6%). O mercado de gestoras de frotas também baixou, mas apenas 1,8%, informa a FleetData.

7 Frotas sexta-feira, 9 Abril de Quidgest garante poupar 30% nos custos da frota A solução de gestão integrada da frota da Quidgest permite, segundo os responsáveis pela empresa, uma redução de 30% nos custos. A maioria das organizações de hoje já percebeu a importância que sistemas como a gestão integrada de frota da Quidgest têm na rentabilização de todos os processos referentes a veículos, desde a sua entrada ao serviço até ao final da sua vida útil. Por isso, estimamos que o nosso sistema permite reduzir os custos operacionais em cerca de 30%, através do recurso a novas técnicas de gestão e do melhor controlo das operações, disse à VE o coordenador do departamento de aprovisionamento, logística e gestão patrimonial da empresa, Álvaro Damas. A Quidgest tem 30 clientes na área da gestão de frotas o total de clientes, em todas as áreas da TI em que a empresa actua, ascende à centena, com destaque para a Câmara Municipal de Lisboa, o Instituto do Cinema e do Audiovisual e a Direcção-Geral dos Impostos. Além de Portugal, tem pólos de desenvolvimento, fora da área das frotas, em Inglaterra, Moçambique, Espanha e Timor-Leste, contanto ainda uma parceria na Lituânia. No ano passado, a empresa teve uma facturação na ordem dos três milhões de euros, sendo o objectivo para 2010, de acordo com Álvaro Damas, chegar aos cinco milhões de euros. Na área da gestão de frotas, as metas da Quidgest passam por entrar no sector dos transportes e implementar os sistemas de gestão de frotas no plano internacional, começando por Angola e Moçambique. Agravamento do ISV vai aumentar preço do renting O agravamento do ISV em 20% com o eventual fim da dupla tributação de IVA sobre aquele imposto vai aumentar as rendas do aluguer operacional de viaturas. Podemos estimar um impacto negativo sobre todas as actividades que incluem nos seus factores de competitividade a dedução do IVA, uma vez que o valor de investimento de cada veículo terá um agravamento de 20% do ISV que lhe seria aplicável, explicou à Vida Económica o director comercial corporate da ALD Automotive. Nuno Jacinto acrescenta, assim, que o efeito esperado é um aumento do valor das rendas, uma vez que desta alteração da composição do imposto não resulta nenhuma valorização do valor estimado de venda no final do contrato. A ALD Automotive Portugal gere hoje uma frota com mais de 10 mil veículos, distribuídos por cerca de 1300 clientes, um crescimento superior a 30% nos últimos cinco anos. Este ano, a filial da gestora de frota conta crescer, não obstante a conjuntura. Teremos um mercado expectante em relação às consequências das alterações registadas ao nível da fiscalidade e de outras que poderão constituir um desafio a nível contabilístico, mas cujo crescimento sustentado deverá prosseguir sem dificuldades, afirma Nuno Jacinto. Arval vê vantagens no prolongamento do renting Stephan Beck sobre os prolongamentos: Tem vantagens evidentes para o cliente, com poupanças na ordem dos 5% na factura mensal, e para as gestoras de frota. Os prolongamentos de contratos de aluguer operacional de viaturas (AOV) foram uma realidade no ano passado. Em 2010 esta tendência vai, segundo disse à Vida Económica o administrador-delegado da Arval Portugal, Stephan Beck, manter-se. De uma forma geral, todas as empresas de AOV estão a efectuar prolongamentos aos contratos actuais. Tem vantagens evidentes para o cliente, com poupanças na ordem dos 5% na factura mensal, e para as gestoras de frota. Em 2010, as empresas de AOV A empresa líder europeia especializada em gestão de viaturas usadas, AutoContact, indica o acompanhamento de todo o ciclo de vida útil de um automóvel como o grande trunfo concorrencial. É a nossa grande vantagem face aos nossos concorrentes. Não existe, a nível europeu, nenhuma outra empresa que preste o mesmo tipo de serviços que nós, temos vários concorrentes para diferentes áreas, mas não temos um único concorrente para o leque de prestações que oferecemos aos nossos clientes. É esta abrangência que permite gerar valor para os nossos clientes, afirmou à Vida Económica o director-geral da filial portuguesa da empresa, Sérgio Vitorino. A intervenção da AutoContact começa no planeamento e definição da estratégia, dos volumes a realizar, em função das vendas previstas, dos canais de venda que melhor permitem rentabilizar as vendas. De seguida, acompanha o ciclo de vida da viatura desde a sua colocação em frota à sua restituição, com a entrada das viaturas em parque, o levantamento de danos das viaturas, o controlo buy back, a recuperação dos elementos administrativos, a gestão dos documentos e a disponibilização das viaturas para venda. irão continuar a efectuar o prolongamento dos contratos tendo, obviamente, em consideração o binómio, valor residual e risco de manutenção, defende Beck. O executivo afirma que os resultado de Janeiro deste ano confirmaram a sua tese, com as empresas a apresentarem performances negativas por oposição ao ligeiro incremento no volume das frotas em gestão. O barómetro CVO 2009 [estudo anual pan-europeu que a Arval realiza] atesta que os responsáveis de frota em Portugal entendem que esta atitude é mais correcta como reacção face à conjuntura económico-financeira, acrescenta Stephan Beck. Presente em Portugal há 10 anos, a gestora de frota do BNP Paribas gere um parque de cerca de nove milhares de viaturas em solo luso. Fiscalidade nacional eleva custos com mobilidade Uma vertente vital do negócio de AOV é o escoamento das viaturas provenientes de contratos. [A Arval] adoptou uma filosofia muito própria no escoamento das viaturas provenientes dos fins de contrato, podendo ser concretizada por três canais de distribuição: condutores, leilões e Internet. Desenvolveu duas plataformas especializadas na comercialização de veículos usados, a saber, Arval Caroption dedicada a comerciantes do ramo automóvel (www.arvalcaroption. com.pt) e o Stock2c.com (www.stock2c. com), o primeiro leilão on-line destinado ao mercado particulares no nosso país. Estes sites contam actualmente com mais de AutoContact aponta abrangência como grande trunfo concorrencial Após a disponibilização das viaturas para venda, as mesmas são alocadas aos canais de venda predefinidos, sendo que a Internet é cada vez mais importante. A AutoContact acabou de lançar um site próprio de vendas online exclusivo para profissionais, denominado AutoContact Business, que pretende ser mais uma solução para ajudar os seus clientes a escoar viaturas, via AutoContact. Este site permite efectuar leilões online, exclusivos para os nossos clientes, ou leilões gerais e disponibiliza um stock permanente para compras regulares, refere Sérgio Vitorino. Aliado a outro site denominado Eurolinea, a AutoContact propõe uma solução mais global, que permite seleccionar e distribuir as vendas por canal: profissional ou particular e vender as viaturas através destas ferramentas. A AutoContact dispõe ainda de serviços de consultoria e software de usados que acompanham os distribuidores na gestão e dinamização da actividade de usados. Realiza, igualmente, vários estudos de mercado, na área do CRM, tais como inquéritos de satisfação, acções de cliente mistério, auditorias, etc., acrescenta Sérgio Vitorino. cinco mil utilizadores registados, com uma média de sete mil visitantes únicos todos os meses, explica o administrador-delegado da Arval Portugal. Questionado sobre a fiscalidade automóvel portuguesa, Stephan Beck não escondeu que a considera exagerada. O nosso país está no top três dos países com os custos de mobilidade mais elevados em toda a Europa. Porquê? Essencialmente pela carga fiscal associada. Até quando é que a economia nacional vai suportar este esforço? Desta forma, a abordagem da Arval, tendo em vista a procura da redução do TCO [custo total de utilização], vai no sentido de recomendar veículos alternativos, downgrade de motores e eficiência tecnológica, defende o entrevistado. Os automóveis eléctricos, que vão começar a chegar ao mercado nos próximos meses, poderão ser rentáveis em AOV, de acordo com Beck. Além disso, os responsáveis de frota em Portugal estão bastante receptivos à introdução de modelos verdes nos seus parques. Se, não vejamos, oito em cada 10 empresas nacionais referem que irá adoptar pelo menos um veículo verde na sua frota até Verificamos, igualmente, que três em cada 10 responsáveis de frota já estão na disposição de incorporar nas suas frotas veículos eléctricos. Para que tal se concretize, é necessário que o TCO das frotas seja positivamente impactado pelo introdução dos novos modelos, explica o administrador-delegado da Arval Portugal. Crescimento em 2009 Sem detalhar números concretos, o director-geral da AutoContact Portugal afirma que, à semelhança dos anos anteriores, a empresa continuou a crescer em 2009, com dois dígitos. A conjuntura de crise trouxe mais clientes interessados em reduzir os seus custos e em ter um parceiro que lhes apresente um verdadeiro retorno em termos de resultados e de redução de custos. Em termos de facturação, foi o melhor ano da AutoContact, afirma. Em relação a 2010, a empresa estima continuar a crescer. Sabemos que 2010 será o ano mais difícil para nós desde o início da crise, pelo impacto que as reduções de frotas dos vários operadores, efectuadas o ano passado, com efeitos em 2010, têm na nossa actividade, reconhece, ainda assim, Sérgio Vitorino. Mas o lançamento do AutoContact Business e a dinamização do Eurolinea vão-nos permitir continuar a crescer, acrescenta.

8 8 sexta-feira, 9 Abril de 2010 frotas Adianta o director comercial da gestora da frota, José Pedro Campos Pereira LeasePlan Portugal quer continuar a crescer mais do que o mercado A LeasePlan Portugal fechou 2009 com uma frota de 59 mil viaturas em gestão e facturou 167,7 milhões de euros. Em 2010, a empresa espera continuar a crescer a um ritmo superior ao do mercado, como tem vindo a fazer nos últimos anos, segundo afirma, em entrevista à Vida Económica, o seu director comercial, José Pedro Campos Pereira. Vida Económica- A eventual alteração, prevista pelo Governo, na tributação de IVA sobre ISV poderá influenciar a actividade da LeasePlan? José Pedro Campos Pereira - O fim da tributação de IVA sobre o ISV poderá trazer aumentos ao nível do imposto sobre a compra de automóvel. A verificar-se este aumento, uma alteração anula a outra, pelo que não se deverão verificar mudanças significativas na actividade da LeasePlan. VE - Com que frota e volume de negócios fechou a LeasePlan Portugal 2009? JPCP - No final de 2009, a LeasePlan Portugal mantinha uma frota superior a 59 mil veículos sob gestão e apresentava um volume de negócios superior a 167,7 milhões de euros. O grupo LeasePlan registou lucros de 165 milhões de euros e mantinha uma frota global superior a 1,3 milhões de veículos sob gestão. VE - Qual a meta para este ano? JPCP - Em 2010, a empresa espera continuar a crescer a um ritmo superior ao do mercado, como tem vindo a fazer nos últimos anos. Vamos também lançar vários serviços em duas vertentes: numa primeira vertente, estamos a falar de serviços que garantem menor risco para os clientes e, numa segunda vertente, de serviços de valor acrescentado para ajudar os nossos clientes a gerir a frota de forma mais eficiente e reduzir custos. VE - O escoamento das viaturas provenientes de contratos é essencial ao negócio das gestoras de frota. Como o fazem? JPCP - A LeasePlan utiliza três canais para escoar os veículos no termo dos contratos de AOV [aluguer operacional de viaturas]: os leilões cujos clientes tradicionais são os stands, a CarNext, uma plataforma on-line própria (www.carnext.pt), e ainda a possibilidade da revenda aos próprios utilizadores, no final do contrato. Avisam responsáveis pela Locarent VE - A LeasePlan tem as emissões em conta nas propostas que faz? JPCP - A LeasePlan procura identificar oportunidades para diminuir as emissões, propondo alternativas que melhoram a eficiência dos veículos e reduzem os consumos de combustível. Neste sentido, dispõe do GreenPlan, um serviço inovador que possibilita uma gestão de frotas mais rentável e económica para as empresas e condutores, mas, sobretudo, mais amiga do ambiente, que assenta em cinco princípios fundamentais: compensação de CO2 emitido pelos automóveis através de um programa de reflorestação, melhoria da eficiência e consumos de combustível dos veículos, cuidados a ter com o veículo, educação e formação do condutor e planeamento mais eficiente de rotas e viagens. Associada a este serviço, a utilização do FleetReporting (uma aplicação on-line), permite ao cliente obter, em tempo real, relatórios com a informação detalhada sobre o consumo de combustível, o estado da viatura, a quilometragem, o tipo de condução efectuada e as emissões de CO2, entre outros dados úteis para rentabilidade definida pelo GreenPlan. VE - Os automóveis eléctricos vão começar a chegar este ano. Estes modelos poderão ser rentáveis em AOV? JPCP - A introdução dos veículos ecológicos como os carros eléctricos pode trazer vantagens económicas ao mercado nacional, além das ambientais, pois são viaturas sujeitas a um imposto menor, mais competitivas e representativas de uma boa mensagem de marketing. Apesar de estes veículos permanecerem uma fracção residual das frotas das empresas de AOV, a LeasePlan estará atenta às novas tendências de mercado, procurando corresponder com a sua oferta à mudança de mentalidades dos consumidores e às suas crescentes preocupações ambientais. VE - Quando poderá chegar a tão falada maturidade do mercado nacional de renting? Fim da dupla tributação pode trazer discriminação do renting face ao crédito A possível alteração, preconizada pelo Governo, na dupla tributação de IVA sobre ISV nos automóveis novos poderá representar uma discriminação do aluguer operacional de viaturas (AOV) face ao crédito. A alteração que se perfilha sobre a tributação de IVA/ISV trará, a verificar-se, uma diferenciação clara no tratamento contabilístico e fiscal do renting por comparação com o financiamento em crédito automóvel, disse à Vida Económica Maurício Marques, que, a par de José António Português, lidera o marketing da Locarent. Com efeito, o valor financiado através do AOV ficará onerado pelo facto de o ISV aumentar por compensação ao decréscimo do IVA e essa alteração acarreta impactos na contabilização e nos limites fiscais do renting, acrescenta José António Português. Não somente a Locarent, mas todo o sector está a analisar em profundidade esta situação e estará atento caso esta medida seja aplicada sem nenhum factor de correcção que mitigue o efeito descrito, afirma a mesma fonte. Maurício Marques e José António Português sublinham, ainda assim, que estão de acordo com a alteração à incidência de IVA sobre ISV. É necessária e exigida, pelo que configura uma evolução importante, nomeadamente quanto à eliminação da dupla tributação verificada no passado, defende Maurício Marques. A gestora de frota do BES e da Caixa Geral de Depósitos cresceu no ano passado. Não obstante a quebra significativa nas vendas de 2009 no sector automóvel e de renting, fruto da conjuntura económica global, a Locarent concluiu o ano com viaturas, mais 8,2% do que no ano anterior, indica Maurício Marques. Os 125 mil veículos sob aluguer [operacional] em Portugal reflectem um mercado a caminho da maturidade, afirma Campos Pereira. JPCP - Os 125 mil veículos sob aluguer em Portugal reflectem um mercado a caminho da maturidade, com clientes mais exigentes face aos serviços prestados. O AOV é adoptado, sobretudo, por médias e grandes empresas, embora esteja a aumentar a procura por parte das pequenas empresas e dos particulares. VE - Com a crise económica, a adesão dos particulares ao AOV fica mais longe? JPCP- Não. Embora este ainda seja um mercado de clientes empresariais, julgamos que a difícil conjuntura económica poderá reforçar a tendência dos particulares para recorrer ao AOV, a qual, aliás, já vinha a crescer. Para os particulares, sobretudo para aqueles que trocam de carro de três em três ou quatro em quatro anos, o AOV representa a possibilidade de trocar de veículo por um valor mais económico. AQuILES PIntO Boxer satisfeita com ano de arranque A empresa de consultoria Boxer, entre as quais em gestão de frota, faz um balanço positivo de 2009, o ano de arranque. Superámos os resultados previstos, não só no volume de negócios como também no números de clientes conquistados, referiu-nos Rui Pinto, director-geral da empresa. Depois de, no ano passado, ter registado um volume de negócios de 630 mil euros, a empresa prevê mais do que duplicar esse valor em 2010, para 1,5 milhões de euros. O ano está a começar muito bem nas duas áreas. No servicing, para além do reforço da actividade da prestação de serviços relacionados com a frota automóvel dos nossos clientes, adquirimos à Masterlease a sua carteira de contratos de manutenção e de extensão de garantia das marcas Opel e Chevrolet. Na área de consulting, fechámos um contrato muito significativo com uma instituição bancária, onde iremos fornecer serviços de apoio à introdução de novos processos, transversais a todas as áreas do banco, afirma Rui Pinto.

9 frotas sexta-feira, 9 Abril de Inexistência de IVA sobre ISV vai diminuir valor da dedutibilidade para o sector Fim da dupla tributação vai aumentar custos de renovação de frota das rent-a-car O fim da dupla tributação de IVA sobre ISV previsto pelo Orçamento de Estado para 2010, se e quando acontecer, vai tornar mais cara a renovação das frotas para as empresas de rent-a-car, o que, em última análise, pode aumentar os preços a praticar pelo sector. A razão para isso prende-se com o facto de o sector deduzir a totalidade do IVA pago, valor esse que vai diminuir 20% com o fim da dupla tributação. A acontecer a situação de acabar com a dupla tributação de IVA sobre ISV sem haver compensações, seja em sede de IVA, seja em sede ISV, o sector será prejudicado, referiu à Vida Económica o secretário-geral da Associação dos Industriais de Aluguer de Automóveis Sem Condutor (ARAC), Joaquim Robalo de Almeida. Além do aumento directo dos custos, devido à redução da dedutibilidade, o gerente da Sixt Portugal, João Pedro Oliveira, disse-nos ser importante ter em atenção a recolocação das viaturas no mercado. Depois temos de ver o comportamento do mercado dos usados com estas alterações no que diz respeito aos valores residuais, salienta. O director-geral da Europcar RentabIlIdade dos eléctricos Só mais tarde Os automóveis eléctricos vão começar a chegar ao mercado automóvel este ano. Se, numa primeira fase, terão a vantagem de potenciar a imagem de marca das renta-car que as adquiram, já a rentabilidade à exploração só será possível posteriormente, de acordo com o secretáriogeral da ARAC. No princípio, não vão ter grande rentabilidade. Será antes um investimento numa solução que poderá ter futuro, defende Joaquim Robalo de Almeida. Joaquim Robalo de Almeida defende uma redução de ISV igual à dos táxis. Portugal, Paulo Moura, defende que o Governo deve aumentar o regime de redução de 50% de ISV que o sector tem. Ao transferir a componente do IVA que até aqui incidia sobre o ISV para o próprio ISV, o montante a deduzir diminui e consequentemente aumentam os nossos custos. Seria desejável que o Governo corrigisse para o sector a isenção do ISV de 50% para 100% durante o período em que estão afectos à actividade de RAC, à semelhança do que acontece na vizinha Espanha, mercado que concorre directamente connosco nesta actividade, disse-nos. Abílio Lobato dos Santos, administrador da Turiscar, também equipara ao regime espanhol. A anunciada alteração vem agravar as condições de preço na aquisição das viaturas para as nossas frotas, prejudicando fortemente as condições de concorrência com empresas do país vizinho, especialmente nas zonas de fronteira, defende. Sector defende reformulação à redução de ISV A ARAC reclama um aumento mínimo da redução de ISV para 70% no sentido de, além de obter compensação do agravamento do imposto, equiparar as rent-a-car a outro tipo de alugueres de viaturas. Uma vez que a redução do imposto está consagrada no artigo 53 do código do ISV, onde estão também os veículos de aluguer com condutor, nomeadamente táxis, por que razão é que o renta-car não tem a mesma redução?, questiona Robalo de Almeida, antes de recordar que a ARAC já apresentou essa proposta de equiparação à Comissão de Orçamento e Finanças e ao Grupo de Trabalho de Economia da Assembleia da República, bem como aos vários partidos. O dirigente associativo afirma que, mesmo havendo um aumento da redução do ISV para 70% para o sector, as rent-a-car poderão ser muito prejudicadas pelo fim da dupla tributação de IVA sobre o imposto de matrícula. A razão para isso é, adianta Robalo de Almeida, o facto de nem sempre as empresas do sector recorrerem a este apoio, o que reduz a base de dedutibilidade de IVA que, no momento, incide sobre o ISV. O secretário-geral da ARAC aponta vários motivos para as renta-car não recorrerem ao apoio. Um é o facto de as viaturas compradas ao abrigo da legislação só poderem ser alugadas, no máximo, por três meses, no mesmo ano civil, à mesma entidade. É um facto que o turismo representa quase 60% do negócio de rent-a-car, mas temos também uma fatia importante de aluguer a empresas. Um exemplo são as empresas de construção, em que o aluguer começa com uma duração de três meses, mas, por vezes, ao fim de dois anos o carro ainda está em aluguer, porque as obras vão-se prolongando e o contrato vai sendo renovado, sublinha. Joaquim Robalo de Almeida alega ainda que os métodos de financiamento que permitem o acesso à redução de ISV são limitados, ao excluir o recurso ao ALD. Já há dois anos, que a associação apresenta propostas nesse sentido, mas não houve andamento para a questão, lamenta. Uma terceira limitação da medida é, de acordo com o secretáriogeral da ARAC, a obrigatoriedade de permanência da viatura na frota da empresa por um prazo mínimo de cinco anos. É demasiado tempo para uma rent-a-car, é demasiado tempo, o carro não aguenta tanto tempo em uso. Se queremos oferecer um serviço com um mínimo de qualidade, não é com carros com essa idade que o conseguimos, já que tem uma quilometragem elevadíssima. Esse facto faz, além disso, com que os custos de manutenção a suportar pela rent-a-car sejam elevadíssimos, defende Robalo de Almeida. A ARAC defende que a redução do ISV seja de 70% nos casos em que o veículo fique cinco anos na frota da alugadora, mas que haja, ainda assim, uma redução do imposto de 50% quando a viatura fique na frota três anos. Isso permitiria às empresas renovarem a sua frota com uma periodicidade ARAC espera leve recuperação este ano Este está a ser, segundo Joaquim Robalo de Almeida um ano de algum crescimento na actividade, depois de um 2009 de retracção. A ocupação está melhor e a frota está mais ajustada à procura, afirma o secretário-geral da ARAC. Com base no desempenho do sector em Portugal no primeiro trimestre de 2010, a nossa fonte prevê um leve incremento na actividade. [Afirmo-o] a fazer fé quer nas informações de reservas que já temos, quer nos dados da Organização Mundial de Turismo, que apontam para um ligeiro crescimento do turismo em Portugal, sobretudo britânico. Curiosamente, há três ou quatros meses, as previsões eram diferentes e apontavam para uma quebra, mas agora prevêem um ligeiro crescimento, o que é bom. Por isso, o rent-a-car português terá, provavelmente, um 2010 um pouco melhor do que o 2009, afirma o secretário-geral da ARAC. Embora sublinhe que a frota de pico deverá ser igual à do ano passado, Robalo de Almeida reconhece que as renta-car lusas estão, em 2010, a comprar viaturas, depois de em 2009 terem adiado o processo. É do conhecimento que, no ano passado, as frotas tiveram carros mais antigos, que este ano, forçosamente, vão ter que ser renovados. O que significa que o sector vai comprar mais carros, mas não quer dizer, repito, que a oferta vá subir, vai ser sensivelmente a mesma, informa o dirigente associativo. menor. E três anos até já é um prazo elevado, advoga a nossa fonte. De notar que o director-geral da Europcar é, também, favorável a um aumento do limite máximo de 140 g/km de emissões de CO2 das viaturas que podem beneficiar desta isenção. Aquiles Pinto Sixt prevê crescimento ligeiro em 2010 A rent-a-car Sixt Portugal prognostica um 2010 de ligeira melhoria. O Inverno vai ter taxas de ocupação boas e melhores tarifas do que Depois, os sinais da banca são também melhores no que diz respeito ao financiamento de frota, o que nos poderá permitir ter frota nova. Poderá ser um ano de viragem para resultados positivos, caso estas condições se cumpram, prevê, em declarações à Vida Económica, o gerente da Sixt Rent-a-Car Portugal. Em relação à frota, João Pedro Oliveira recorda que há necessidade em grande escala para a renovação. Mas não serão ainda atingidos os volumes de 2008, avisa. Quanto ao balanço de 2009 para a Sixt Portugal, o gerente da empresa divide o ano em duas partes. Até Abril, foi péssimo, com quebras de quase 40% no turismo e com preços e taxas de ocupação muito baixos. Depois, tendencialmente com taxas de ocupação boas, mas porque a nossa frota não cresceu como nos anos anteriores, devido à escassez de crédito, e tarifas melhores, explica. Globalmente foi um ano mau, resume João Pedro Oliveira. Questionado sobre o potencial dos automóveis eléctricos, o responsável pela Sixt em Portugal apenas vê oportunidades em alguns clientes empresariais. Numa primeira fase, somente em contratos específicos com os nossos clientes do mercado nacional (empresas). No turismo, a logística associada aos carros eléctricos será, para já, de muito difícil prática, defende.

10 10 sexta-feira, 9 Abril de 2010 frotas Frotas representam metade das vendas da Toyota Caetano Portugal Responsável da Renault sublinha poupança Emissões de CO2 com impacto crescente no processo de renovação de frotas De acordo com Nuno Braga, a meta do departamento de frotas em termos de vendas este ano é obter um crescimento controlado. As empresas representam cerca de metade das vendas da Toyota e da Lexus no nosso país, o que no ano passado representou um volume entre seis mil e sete mil unidades. No departamento de frotas temos duas vertentes. Uma são as vendas directas, que fazemos apenas para as rent-a-car e a grandes empresas, com mais de 65 automóveis em frota e, sobretudo, localizadas em Lisboa. A outra vertente é prestar o apoio aos concessionários nas vendas a clientes frotistas, desde uma a 64 unidades. Ou seja, consideramos um negócio de frotas tudo o que não é uma venda a particular, disse à Vida Económica o director do departamento de frotas da Toyota Caetano Portugal, Nuno Braga. A mesma fonte refere que a quebra do mercado frotista foi semelhante à do global do mercado automóvel, apesar de admitir dificuldades na análise estatística dos dados. Temos alguma dificuldade em definir, estatisticamente, as vendas a frotas. Basta, por exemplo, que haja uma venda a renta-car que não seja contabilizada dessa forma nas vendas da AC [Associação Automóvel de Portugal], para haver uma discrepância entre os dados da ARAC [Associação dos Industriais de Aluguer de Automóveis Sem Condutor] e os da AC. Mas, apesar disso, estamos convictos de que o mercado de frotas andou em linha com a generalidade do mercado, até porque muitas empresas prolongaram os contratos no ano passado, explica. As rent-a-car estão, segundo Nuno Braga, a comprar mais automóveis em 2009 do que no ano passado. Efectivamente, está a acontecer isso e estimamos que o mercado nacional de rent-a-car vá ser superior ao de 2009, devendo chegar perto das 20 mil unidades, informa. Também o mercado de gestoras de frota e empresas clientes, devido ao já adiamento no ano passado, está a conhecer algum crescimento este ano, de acordo com o responsável pelo departamento de frotas da Toyota Caetano Portugal: Também notámos que, nos primeiros dois meses do ano, houve um aumento nestas vendas. Crescimento controlado das vendas frotistas este ano A meta do departamento em termos de vendas este ano é, assim, crescer, mas de forma controlada. O nosso objectivo é manter os níveis de representatividade nas vendas a frotas que tivemos no ano passado, embora, nos dois primeiros meses de 2010, tenhamos sentido que o segmento de frotas está mais activo do que o dos particulares. O nosso objectivo não é que as vendas a frotas cresçam muito, até porque isso pode ter reflexos futuros ao nível dos valores residuais dos usados, defende Nuno Braga. Assim, as vendas frotistas da Toyota e da Lexus em Portugal em 2010 deverão, segundo o entrevistado, rondar as sete mil a 7500 unidades, 2500 directas. O crescimento controlado das vendas prende-se com o risco que os negócios mal calculados com empresas de rent-a-car podem encerrar, já que estes podem ser sinónimo de uma compra de quota por parte das marcas. É um facto que houve casos com um crescimento artificial, com negócios, por exemplo, a quatro meses. No nosso caso, não só fazemos negócios com períodos de permanência em frota mais prolongados, como também temos a preocupação de ter um volume definido de acordo com a capacidade posterior de venda de viaturas seminovas. Ou seja, temos bem estudado o histórico de vendas de seminovos da nossa rede e fazemos os negócios tendo isso em conta, até porque fechamos todos os negócios com retorno a casa, afirma. Nuno Braga explica que a mesma filosofia é seguida, também, no aluguer operacional de viaturas. Sabemos que esses carros acabarão, passados três ou quatro anos em leilões, e, por isso, temos que ter em atenção o número de viaturas que fazemos [em renting], para não inundarmos o mercado e, com isso, destruirmos o valor residual e o valor intrínseco que a Toyota tem face às restantes marcas, explica a nossa fonte. Confiança portuguesa na Toyota mantém-se A mediatização, sobretudo nos Estados Unidos, das chamadas de alguns modelos da Toyota às oficinas para verificação técnica não está, segundo o entrevistado, a ter impacto junto do mercado frotista português. Os clientes acabam por perguntar-nos o que se passa. Contudo, se me permite dar a minha opinião pessoal, acho que, nos Estados Unidos, poderá haver, também, política e algum sensacionalismo mediático na questão, refere Nuno Braga. O director do departamento de frotas da Toyota Caetano Portugal considera, aliás, que o capital de confiança do mercado luso no construtor japonês se mantém. Continua, tanto que o nosso recall está a ser monitorizado diariamente e o feedback que temos é positivo, explica a mesma fonte. Aquiles Pinto Como a redução dos níveis de emissões estão associados consumos menores, há influência nas renovações de frotas. A tendência de cortes nas emissões de CO2 da indústria automóvel, numa altura que os construtores se preparam para lançar veículos eléctricos, está a alterar o processo de renovação de frotas no nosso país, de acordo com o director de vendas a frotas da Renault Portugal. Miguel Oliveira recorda, em declarações à Vida Económica, a redução de custos associada. Em relação aos veículos eléctricos, temos tido já bastantes contactos que, nesta fase, ainda são, sobretudo, exploratórios e que não estão a condicionar a actual necessidade de renovação de frotas a curto e médio prazos. Uma outra realidade tem sido, nos últimos anos, a progressiva, e acelerada, redução das emissões de CO2 na generalidade dos modelos. À redução dos níveis de emissões está normalmente associada uma redução dos consumos e, logo, do custo total de utilização, pelo que este efeito tem, claro, impacto nos critérios de escolha, afirma. No caso específico da Renault, os níveis de emissões de CO2 da generalidade dos nossos modelos permitem-nos assegurar um desempenho muito competitivo a este nível, acrescenta a mesma fonte. Rent-a-car e gestoras de frota incontornáveis As empresas clientes são o principal mercado frotista da Renault Portugal, mas os canais renting e rent-a-car são, também, preponderantes. Com efeito, quanto questionado sobre a crescente importância das empresas de aluguer operacional nas vendas de automóveis em Portugal, Miguel Oliveira afirma que são um actor incontornável no mercado nacional. No caso da Renault, pretendemos que as empresas de aluguer operacional sejam parceiras de negócio, o que vai muito para além da mera relação fornecedor-cliente, sublinha o director de vendas a frotas da filial lusa da marca francesa. As vendas a rent-a-car podem, segundo alguns especialistas, encerrar alguns problemas para as marcas, dado que permitem ganhar quota de mercado, mas que esta pode ser mantida de forma artificial, já que muitas vezes estes negócios têm margens muito baixas e pressupõem a recompra poucos meses depois. O entrevistado explica que, se o trabalho da marca for bem feito, esse perigo não existe. O canal rent-a-car, tendo em conta a sua dimensão relativa face à dimensão total do mercado automóvel em Portugal, é um mercado muito importante, começa por defender Miguel Oliveira, acrescentando que a questão da rentabilidade neste mercado prende-se, por um lado, com o mix de vendas e, por outro, com a capacidade de colocar no mercado de seminovos as unidades vendidas com acordo de recompra. Estes são dois pontos a que prestamos sempre uma particular atenção e que são indispensáveis para que a venda através deste canal seja possível. A nossa organização integra, aliás, na mesma estrutura, a vertente a montante, a venda ou aluguer ao rent-a-car e a jusante, a equipa destinada à venda dos buy back, de forma a que o negócio seja perfeitamente verticalizado, informa o director de vendas a frotas da Renault Portugal. Cumpridos estes dois pontos, a venda ao rent-a-car não é de todo uma faca de dois gumes, mas antes a forma de garantir a presença num canal de grande volume, vinca Miguel Oliveira.

11 frotas sexta-feira, 9 Abril de Mercados internacionais em crescendo na FleetData Os mercados internacionais já representam 50% do volume de negócios, que no ano passado rondou os dois milhões de euros, da FleetData. A empresa especializada em informações automóveis está presente em 12 países de três continentes. Com escritórios em Portugal, Espanha, Alemanha e Reino Unido, a FleetData opera também na Finlândia, Croácia, Eslovénia, Itália, Grécia, Brasil, Venezuela e Índia, mercados para os quais disponibiliza informação detalhada (dados de preços e especificações) dos veículos novos em comercialização. Aliás, a partir de 2011, segundo adiantou à Vida Económica o presidente-executivo da empresa, Rui Nascimento, os mercados internacionais deverão ser mais representativos do que Portugal no volume de negócios desta. Em 2010, o objectivo é au- Empresa de recémlicenciados fornece Vodafone A empresa portuense fundada por recém-licenciados Gisgeo Information Systems desenvolveu uma aplicação de gestão de frota que é utilizada pela Vodafone Portugal. Com base em tecnologia web aplicada a Sistemas de Informação Geográfica (SIG) que georreferencia as viaturas providas de um equipamento receptor de GPS. A primeira destas aplicações, disponibilizada no início de 2010, conta com um único cliente, a Ampliretorno, com direito exclusivo de fornecimento à Vodafone Portugal, mas este ano contamos com o crescimento da nossa carteira de clientes, através do alargamento do nosso leque de ofertas em software SIG, disse à Vida Económica Delfim Pereira, um dos fundadores da Gisgeo. Fundada em 2009, a empresa tem como principal objectivo para este ano fazer crescer rapidamente a oferta de soluções em software web SIG. Se na gestão de frotas o único cliente é, como já foi referido, a Vodafone, já na revenda de equipamentos de localização, a carteira é maior. Enquanto revendedores de equipamentos de localização, listamos como alguns dos clientes de maior destaque a Fnac Portugal, a PT Contact ou, mesmo, um regimento de artilharia do exército português, informa a nossa fonte. mentar as vendas em 30%, para cerca de 2,6 milhões de euros, e, de acordo com a nossa fonte, obter a consolidação do negócio nos países onde está presente na Europa, disponibilizando toda a sua carteira de soluções de dados e aplicações a todos os intervenientes do sector automóvel. Crise beneficiou empresa O entrevistado defende, de resto, que a crise por que a economia e, em particular, o sector automóvel passaram em 2009 acabou por trazer alguns benefícios para a empresa. Foi um ano difícil para a FleetData como para todo o sector. No entanto, foi igualmente positivo, no sentido em que, devido as grandes indefinições quanto à evolução do sector, os diversos intervenientes do sector automóvel em toda a Europa, de uma forma relativamente generalizada, começaram a ter uma maior necessidade de obter informação especializada que lhe permita tomar decisões mais sustentadas, recorrendo para isso a empresas como a FleetData, que disponibiliza aos diferentes segmentos do sector automóvel análises, informação e aplicações especializadas, explica a nossa fonte.

12

Fim do IVA sobre ISV vai aumentar custos de renovação de frota das rent-a-car

Fim do IVA sobre ISV vai aumentar custos de renovação de frota das rent-a-car FROTAS ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1341, DE 9 Abril de 2010, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Fim do IVA sobre ISV vai aumentar custos de renovação de frota das rent-a-car

Leia mais

FROTAS. Operadores aplaudem novas regras de renovação do parque de viaturas do Estado. Saiba os custos mensais de uma frota em aluguer operacional

FROTAS. Operadores aplaudem novas regras de renovação do parque de viaturas do Estado. Saiba os custos mensais de uma frota em aluguer operacional FROTAS ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1292, DE 09 DE ABRIL DE 2009, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE LEASEPLAN quer continuar a crescer acima do mercado este ano FINLOG Fortalecida

Leia mais

AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING

AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING 7 dicas para otimizar o Aluguer Operacional de Veículos www.gestao-frotas.com AUMENTE A POUPANÇA E RENTABILIDADE NO SEU CONTRATO DE RENTING

Leia mais

A ALD Automotive no mundo

A ALD Automotive no mundo DOSSIER DE IMPRENSA A ALD Automotive no mundo A ALD Automotive é uma empresa de Aluguer Operacional e Gestão de Frotas que integra o Grupo Société Générale, um dos grupos líderes em serviços financeiros

Leia mais

GESTÃO DE FROTAS. Amobilidade está a tornar-se cada vez

GESTÃO DE FROTAS. Amobilidade está a tornar-se cada vez especial ID: 58204143 01-03-2015 Pág: 16 Área: 21,53 x 25,90 cm² Corte: 1 de 5 GESTÃO DE FROTAS photo: Arsel - Fotolia.com Partilha de veículos chega às empresas. Partilha e flexibilidade. Estas são as

Leia mais

Portugal será o 3º país da UE com tributação automóvel mais elevada

Portugal será o 3º país da UE com tributação automóvel mais elevada Portugal será o 3º país da UE com tributação automóvel mais elevada O Automóvel Club de Portugal propõe: Que não limite o incentivo ao abate na aquisição de carros novos que emitam mais 140 g/km. Que não

Leia mais

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES

Inovação TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES Inovação EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MOTORIZAÇÕES DOSSIER 13 JORGE LIZARDO NEVES O futuro é sem dúvida eléctrico Vem aí a Era de motores menos poluentes e mais eficientes. Quem o diz é o Jorge Lizardo Neves,

Leia mais

BARÓMETRO 2005-2015. Evolução da gestão de frotas nos últimos 10 anos

BARÓMETRO 2005-2015. Evolução da gestão de frotas nos últimos 10 anos BARÓMETRO 2005-2015. Evolução da gestão de frotas nos últimos 10 anos O Corporate Vehicle Observatory (CVO) tem por missão a produção e divulgação de informação relevante e neutra sobre as tendências da

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting ÍNDICE 1. Introdução 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional 3. Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro 9 (NCRF 9) 4. Regime Contabilístico Locatário 5. Regime Fiscal - Locatário 6. Quadro

Leia mais

LeasePlan Consultancy Services ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS. Com o apoio:

LeasePlan Consultancy Services ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS. Com o apoio: LeasePlan Consultancy Services ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS Com o apoio: ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS Index 1. Introdução

Leia mais

A ALD Automotive no mundo. 917.000 Veículos

A ALD Automotive no mundo. 917.000 Veículos DOSSIER DE IMPRENSA 2012 A ALD Automotive no mundo A ALD Automotive é uma empresa de Aluguer Operacional e Gestão de Frotas que integra o Grupo Société Générale, um dos grupos líderes em serviços financeiros

Leia mais

Apresentação de Resultados 2008

Apresentação de Resultados 2008 Apresentação de Resultados 2008 Agenda Destaques 2008 Áreas de Negócio / Mercados Relevantes Comércio Automóvel Portugal Serviços Automóvel Europa Serviços Automóvel Brasil Resultados Consolidados Notas

Leia mais

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal

Publicado na revista TOC. Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal Publicado na revista TOC Fiscalidade no imobiliário Contrato de locação financeira imobiliária Enquadramento fiscal O regime jurídico do contrato de locação financeira, vem consagrado no DL nº 149/95,

Leia mais

VERSÃO PUBLICA. AC I Ccent. 24/2008 Salvador Caetano-Auto/ Choice Car. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência

VERSÃO PUBLICA. AC I Ccent. 24/2008 Salvador Caetano-Auto/ Choice Car. Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência VERSÃO PUBLICA AC I Ccent. 24/2008 Salvador Caetano-Auto/ Choice Car Decisão de Não Oposição Da Autoridade da Concorrência (alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho) 05/06/2008

Leia mais

A 4 FLEET DISPONIBILIZA

A 4 FLEET DISPONIBILIZA A 4 FLEET DISPONIBILIZA LINHAS DE NEGÓCIO COMPLEMENTARES para satisfazer as necessidades do mercado automóvel Market Intelligence Outsourcing Consulting E-trading E-TRADING 1Link Service Network Operador

Leia mais

FROTAS. Págs. II e V. Pág. XII. Págs. XVI e XIV

FROTAS. Págs. II e V. Pág. XII. Págs. XVI e XIV FROTAS ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1390, DE 8 ABRIL DE 2011, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Págs. II e V Pág. XII Págs. XVI e XIV II sexta-feira, 8 Abril de 2011 FROTAS

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA OPERAÇÃO DE CONCENTRAÇÃO Nº 2/2004 AQUISIÇÃO DO CONTROLO CONJUNTO DA LOCARENT-COMPANHIA PORTUGUESA DE ALUGUER DE VIATURAS, S.A, PELO BANCO ESPÍRITO SANTO,

Leia mais

FROTAS. MERCADO PORTUGUÊS DE ALUGUER OPERACIONAL VAI VOLTAR AO CRESCIMENTO EM 2010 Págs. 2 e 4. SIMULAÇÕES Saiba os custos de uma frota em renting

FROTAS. MERCADO PORTUGUÊS DE ALUGUER OPERACIONAL VAI VOLTAR AO CRESCIMENTO EM 2010 Págs. 2 e 4. SIMULAÇÕES Saiba os custos de uma frota em renting FROTAS ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1370, DE 12 NOVEMBRO DE 2010, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE SIMULAÇÕES Saiba os custos de uma frota em renting LEASEPLAN Tenciona

Leia mais

LeasePlan Consultancy Services ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS. Com o apoio:

LeasePlan Consultancy Services ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS. Com o apoio: LeasePlan Consultancy Services ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS Com o apoio: ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2014 E OS IMPOSTOS SOBRE VEÍCULOS EMPRESARIAIS INDEX 1. Introdução

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DO RENTING VANTAGENS FISCAIS O RENTING REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO

Leia mais

ALD Automotive João Gomes O mercado dos usados é imprevisível como o das acções

ALD Automotive João Gomes O mercado dos usados é imprevisível como o das acções intra Empresa 39 ALD Automotive João Gomes O mercado dos usados é imprevisível como o das acções Entrevista de José Branco Do ponto de vista de João Gomes, Director de Manutenção & Remarketing da ALD Automotive

Leia mais

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas

Aluguer Operacional e Gestão de Frotas the world leading fleet and vehicle management company LeasePlan Portugal Lagoas Park - Edifício 6-2740-244 Porto Salvo Ed. Cristal Douro - R. do Campo Alegre, nº 830 - sala 35-4150-171 Porto Tel.: 707

Leia mais

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA

ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA ALD PROFLEET2 SOLUÇÕES AVANÇADAS DE TELEMÁTICA O que é o ALD ProFleet2? É um serviço de dados que utiliza um sistema telemático avançado de gestão de frotas e que lhe permite administrar, localizar em

Leia mais

Bluefleet. Bem vindo a um futuro mais azul! Veículos eléctricos!

Bluefleet. Bem vindo a um futuro mais azul! Veículos eléctricos! Bem vindo a um futuro mais azul! Veículos eléctricos! ALD Automotive Mobilidade sustentável As Nações Unidas prevêm que em 2050 dois terços da população viverá nas cidades, ou seja cerca de 6 biliões de

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007

Conferência. Reforma da Fiscalidade Automóvel. Lisboa, 6 de Junho de 2007 Conferência Reforma da Fiscalidade Automóvel 1 Lisboa, 6 de Junho de 2007 2 Proposta de Directiva da União Europeia Aponta para a transferência global da carga fiscal, nos automóveis, do momento da compra

Leia mais

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS

SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS SALÃO AUTOMÓVEL AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2009 1 MERCADO AUTOMÓVEL 1. Vendas de ligeiros de passageiros novos na Europa Tendo como fonte o Comunicado de 16 de Janeiro de 2009 divulgado pela ACAP,

Leia mais

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO

28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO 28 DOSSIER MODELO DE NEGÓCIO PERSPECTIVAS DE GESTÃO NO APÓS-VENDA DOSSIER 29 JORGE ZÓZIMO DA FONSECA Se fosse um concessionário, o meu negócio era o após-venda Ao longo das duas últimas décadas o mercado

Leia mais

12 ANOS CONSECUTIVOS DE LIDERANÇA RENAULT AINDA MAIS LÍDER DO MERCADO PORTUGUÊS

12 ANOS CONSECUTIVOS DE LIDERANÇA RENAULT AINDA MAIS LÍDER DO MERCADO PORTUGUÊS COMUNICADO DE IMPRENSA 15 de Janeiro 2009 12 ANOS CONSECUTIVOS DE LIDERANÇA RENAULT AINDA MAIS LÍDER DO MERCADO PORTUGUÊS Com uma quota de mercado de 11,9% (Veículos de Passageiros + Comerciais Ligeiros)

Leia mais

REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007

REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007 REFORMA DA FISCALIDADE AUTOMÓVEL Auditório da ACAP 6 de Junho 2007 lano Geral da Exposição 1. Aspectos estruturantes da reforma (Gonçalo Falcão) 2. Novo regime de tributação automóvel (Gonçalo Falcão)

Leia mais

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS

CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS News Release DATA: 30 de Janeiro CARROS A GASÓLEO JÁ REPRESENTAM MAIS DE 60% DO MERCADO PORTUGUÊS As vendas dos carros novos a gasóleo na Europa continuam a aumentar à medida que os consumidores trocam

Leia mais

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT Nº 38/2005- LEASE PLAN *UNIRENT

DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT Nº 38/2005- LEASE PLAN *UNIRENT DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA CCENT Nº 38/2005- LEASE PLAN *UNIRENT I - INTRODUÇÃO 1. Em 1 de Junho de 2005, a Autoridade da Concorrência recebeu uma notificação relativa a um projecto

Leia mais

Gestores mais otimistas porém cautelosos. Redução de custos lidera prioridades

Gestores mais otimistas porém cautelosos. Redução de custos lidera prioridades 24 quinta-feira 22 de outubro de 2015 www.oje.pt EDITADO POR SÓNIA BEXIGA BARÓMETRO CORPORATE VEHICLE OBSERVATORY 2015 Gestores mais otimistas porém cautelosos. Redução de custos lidera prioridades Numa

Leia mais

ALD SHARING. HÁ NOVAS FORMAS DE MOBILIDADE NAS CIDADES CHEGOU O ALD SHARING! O primeiro sistema de partilha de veículos e mobilidade para empresas

ALD SHARING. HÁ NOVAS FORMAS DE MOBILIDADE NAS CIDADES CHEGOU O ALD SHARING! O primeiro sistema de partilha de veículos e mobilidade para empresas ALD SHARING HÁ NOVAS FORMAS DE MOBILIDADE NAS CIDADES CHEGOU O ALD SHARING! O primeiro sistema de partilha de veículos e mobilidade para empresas SOLUCÕES INOVADORAS Uma das grandes prioridades para a

Leia mais

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco

II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões. Lisboa, 7 de Março de 2007. Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco II Fórum do sector segurador e de fundos de pensões Lisboa, 7 de Março de 2007 Novas regras de solvência Implementação e gestão de risco Foi com todo o gosto, e também com enorme interesse, que aceitei

Leia mais

Impostos sobre Veículos

Impostos sobre Veículos Impostos sobre Veículos Além dos encargos com a sua aquisição, os proprietários de veículos motores, sejam pessoas singulares ou coletivas, têm obrigações fiscais a cumprir anualmente. A aquisição de veículos

Leia mais

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015

Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente. 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Gás Natural Veicular alternativa para uma mobilidade mais inteligente 9º Encontro Transportes em Revista Lisboa, 25 Junho 2015 Índice 1. Grupo Dourogás 2. O Gás Natural 3. UE: mobilidade sustentável 4.

Leia mais

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015

2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra. Lisboa, 13 de Junho de 2015 2ª Reunião do National Supporting Group (NSG) - Projecto Ele.C.Tra Lisboa, 13 de Junho de 2015 EMEL EMEL Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa, E.M. S.A., tem como objecto a gestão

Leia mais

Esta apresentação é composta por 4 partes

Esta apresentação é composta por 4 partes Projecto Toureg Esta apresentação é composta por 4 partes 1 Breve apresentação 2 Instalações de atendimento 3 Parques de estacionamento 4 Lavagens auto 5 Frota Breve apresentação Sixt Portugal A actual

Leia mais

Oportunidade a não perder

Oportunidade a não perder Rent-a-Car Oportunidade a não perder As vendas de rent-a-car pelos agentes de viagens, e sobretudo através dos GDS, não páram de aumentar. No entanto, a necessidade de crescimento não se está a esgotar

Leia mais

FROTAS. Capital de consultoria ameniza efeitos da crise para renting automóvel. Renting continuará a aumentar o seu peso no setor automóvel em 2012

FROTAS. Capital de consultoria ameniza efeitos da crise para renting automóvel. Renting continuará a aumentar o seu peso no setor automóvel em 2012 FROTAS ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1440, DE 13 ABRIL DE 2012, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Pequeno-almoço/debate da Vida Económica reúne principais operadores do setor

Leia mais

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008

MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 MEIOSTEC, S.A. RELATÓRIO E CONTAS 2008 ÍNDICE 01 Relatório de Gestão... 1 02 Conjuntura Económica... 2 03 A Empresa... 3 04 Análise Financeira... 9 1 MEIOSTEC S.A.

Leia mais

RENAULT: A MARCA LÍDER DO MERCADO HÁ 16 ANOS DACIA: A MARCA COM O MELHOR DESEMPENHO DO TOP 20

RENAULT: A MARCA LÍDER DO MERCADO HÁ 16 ANOS DACIA: A MARCA COM O MELHOR DESEMPENHO DO TOP 20 COMUNICADO DE IMPRENSA 8 de Janeiro de 2014 RENAULT: A MARCA LÍDER DO MERCADO HÁ 16 ANOS DACIA: A MARCA COM O MELHOR DESEMPENHO DO TOP 20 Com uma quota de mercado de 12,9% (Veículos de Passageiros + Comerciais

Leia mais

Marcas esperam travagem mais suave nas empresas do que nos particulares em 2012

Marcas esperam travagem mais suave nas empresas do que nos particulares em 2012 FROTAS ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DA VIDA ECONÓMICA Nº 1419, DE 11 NOVEMBRO DE 2011, E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Pequeno-almoço/debate da Vida Económica com responsáveis pelos departamentos

Leia mais

Car Policy Benchmark

Car Policy Benchmark Car Policy Benchmark LeasePlan Consultancy Services André Freire 30 de Setembro 2015 LeasePlan Consultancy Services Serviços de Consultoria Em Portugal a LeasePlan iniciou a sua aposta nos serviços de

Leia mais

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Senhores Accionistas, De acordo com o disposto na Lei e nos Estatutos, vem o Conselho de Administração apresentar o seu Relatório de Gestão, o Balanço e Contas, bem

Leia mais

Nota: As informações confidenciais serão assinaladas por [ ] ou por [Confidencial] ao longo do texto da versão pública da presente Decisão.

Nota: As informações confidenciais serão assinaladas por [ ] ou por [Confidencial] ao longo do texto da versão pública da presente Decisão. DECISÃO DO CONSELHO DA AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA Ccent. 52/2005 GUÉRIN-RENT-A-CAR (DOIS)/GLOBALRENT I. INTRODUÇÃO 1. Em 18 de Agosto de 2005, foi notificada à Autoridade da Concorrência, nos termos dos

Leia mais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais

Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais Impostos e taxas com relevância ambiental 2013 31 de outubro de 2014 Impostos com relevância ambiental em 2013 representaram 7,7% do total das receitas de impostos e contribuições sociais O valor dos Impostos

Leia mais

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel.

A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. A certificação de Qualidade para a Reparação Automóvel. Projecto A Oficina+ ANECRA é uma iniciativa criada em 1996, no âmbito da Padronização de Oficinas ANECRA. Este projecto visa reconhecer a qualidade

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DA LOCAÇÃO VANTAGENS FISCAIS A LOCAÇÃO REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO A 100% SEM ENTRADA INICIAL EVITA REDUZIR O CUSTO

Leia mais

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes

Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Eficiência Energética e Mercados de Carbono Sector dos Transportes Lisboa, 20 de Novembro 2009 Cláudio Casimiro claudio.casimiro@ceeeta.pt tel. +351 213 103 510 fax +351 213 104 411 Rua Dr. António Cândido,

Leia mais

TTULO. Seminário sobre Financiamento

TTULO. Seminário sobre Financiamento TTULO bjectivo / Compromisso: Dar a conhecer o Renting e a sua importância na gestão de Empresas aos associados da 2 Definição / Âmbito Diferenciação Impactos e Vantagens Processo de Negócio TODAS AS VANTAGENS

Leia mais

CONHEÇA OS INCENTIVOS DA LEI DA FISCALIDADE VERDE

CONHEÇA OS INCENTIVOS DA LEI DA FISCALIDADE VERDE Pág: 14 EM CARGA INCENTIVOS PARA VE S Corte: 1 de 8 100% 1000 DEDUÇÃO DE IVA PARA EMPRESAS DESCONTO NA AQUISIÇÃO DE QUADRICICLO PESADO CONHEÇA OS INCENTIVOS DA LEI DA FISCALIDADE VERDE O Orçamento de Estado

Leia mais

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites.

Vodafone Negócios. Red é todas as coisas boas para o seu negócio. Sem preocupações, sem limites. Vodafone Negócios Red é todas as coisas boas para o seu negócio Sem preocupações, sem limites. Vodafone Red Pro Chamadas e SMS para todas as redes Número fixo no telemóvel com funcionalidades One Net

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Parque informático: como rentabilizar?

Parque informático: como rentabilizar? intra 02 Dossier Parque informático: como rentabilizar? 23 Aluguer operacional Ter sem comprar Texto por Nuno Fragoso A rapidez da evolução tecnológica e do negócio, assim como a necessidade de apresentar

Leia mais

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente

Grupo Pestana. suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O Cliente Grupo Pestana suporta crescimento da área de venda directa no CRM. O trabalho de consolidação de informação permitiu desde logo abrir novas possibilidades de segmentação, com base num melhor conhecimento

Leia mais

O controlo sobre os custos e utilizadores da frota

O controlo sobre os custos e utilizadores da frota PHC Frota CS O controlo sobre os custos e utilizadores da frota A solução para o controlo total sobre os custos e utilizadores da frota, a sua manutenção e o seu estado. BUSINESS AT SPEED Visite www.phc.pt

Leia mais

RECONDICIONAMENTOS. Perguntas mais frequentes. Itśeasiertoleaseplan

RECONDICIONAMENTOS. Perguntas mais frequentes. Itśeasiertoleaseplan RECONDICIONAMENTOS Perguntas mais frequentes Itśeasiertoleaseplan RECONDICIONAMENTOS CAROGESTORDEFROTA, No momento da troca do veículo usado pelo veículo novo, surgem por vezes dúvidas relacionadas com

Leia mais

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL

Índice de Risco de 2011 PORTUGAL Índice de Risco de PORTUGAL Índice de Pagamentos Índice de Risco Explicação dos valores do Índice de Risco 190 180 170 160 150 140 130 120 110 100 2004 2005 2006 2007 2008 100 Nenhuns riscos de pagamento,

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda a Europa.

BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda a Europa. BMW Motorrad Após-Venda Serviços Móveis BMW Motorrad Após-Venda Pelo prazer de conduzir Serviços Móveis BMW Motorrad Mobile Care. BMW Motorrad Mobile Care. A Garantia de Mobilidade BMW Motorrad em toda

Leia mais

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES

2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES 2.4. EXECUÇÃO FÍSICA E FINANCEIRA E PROCESSO DE APROVAÇÕES Aceleração da execução A execução do QCAIII atingia, no final do 1.º semestre de 2001, uma taxa de execução acumulada de cerca de 29% face ao

Leia mais

Premier. Quando os últimos são os Primeiros

Premier. Quando os últimos são os Primeiros Premier Quando os últimos são os Primeiros Fundada em 1997 Especializada no desenvolvimento de soluções informáticas de apoio à Gestão e consultoria em Tecnologias de Informação. C3im tem como principais

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

Consultoria de Gestão Sistemas Integrados de Gestão Contabilidade e Fiscalidade Recursos Humanos Marketing e Comunicação Consultoria Financeira JOPAC SOLUÇÕES GLOBAIS de GESTÃO jopac.pt «A mudança é a

Leia mais

Enquadramento e Experiência Internacional Leasing

Enquadramento e Experiência Internacional Leasing 1 Enquadramento e Experiência Internacional Leasing Leasing como factor de Crescimento Económico Importância Leasing no Mundo Factores de sucesso Vantagens utilização Sector Público 2 O Mercado Leasing

Leia mais

FAQ s GENÉRICO. 1. O que é o Renting/AOV?

FAQ s GENÉRICO. 1. O que é o Renting/AOV? FAQ s GENÉRICO 1. O que é o Renting/AOV? "Renting" é uma palavra de origem inglesa que significa "Aluguer a Longo Prazo". O Renting ou Aluguer Operacional de Viaturas (AOV) é uma solução de financiamento

Leia mais

DE PRONTIDÃO 1. Tenho sempre a viatura disponível? 2. Como proceder para requerer a viatura de substituição?

DE PRONTIDÃO 1. Tenho sempre a viatura disponível? 2. Como proceder para requerer a viatura de substituição? Perguntas e Respostas F.A.Q. s GENÉRICO 1. O que é o Renting/AOV? 2. Qual a diferença entre um Renting/AOV e os outros tipos de financiamento? 3. O que é necessário para obter uma operação em Renting/AOV?

Leia mais

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor:

MANUAL DA QUALIDADE. Pág. 1 de 15. Actuar. Verifica r. Data: 09/05/2011 Edição: 01 Revisão: 00 Entrada em vigor: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 1 de 15 Planear Realizar Actuar Verifica r Rubrica: Rubrica: MANUAL DA QUALIDADE Pág. 2 de 15 INDICE: CAP. 1 - MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE 1.1. - Objectivo 1.2. - Âmbito e exclusões

Leia mais

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto

Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos. Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa. Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhor Presidente do Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres Senhor Vereador da Câmara Municipal de Lisboa Senhor Vereador da Câmara Municipal do Porto Senhores representantes das associações

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade. Das Welt Auto. 24 horas

Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade. Das Welt Auto. 24 horas Usados de Confiança. Garantidamente. Serviço Mobilidade Das Welt Auto 24 horas Serviço Mobilidade Das Welt Auto 24 horas * Nos termos da lei nº 67/98, de 26.10, a base de dados com todos os clientes desta

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento

Luís Magalhães Presidente, UMIC - Agência para a Sociedade do Conhecimento A Internet,os computadores, os telefones móveis, a TV digital estão a transformar profundamente a maneira como as pessoas vivem - como aprendem, trabalham, ocupam os tempos livres e interagem, tanto nas

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho

ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho ITIL v3 melhora Gestão de Serviço de TI no CHVNG/Espinho Sumário País Portugal Sector Saúde Perfil do Cliente O Centro Hospitalar Vila Nova de Gaia/Espinho envolve

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO

FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL A. ELEMENTOS DE IDENTIFICAÇÃO 1. Identificação da instituição de crédito 1.1. Denominação Banco BPI, Sociedade

Leia mais

Gestão de Frota. Engº Luís Prazeres Brisa Auto-estradas de Portugal

Gestão de Frota. Engº Luís Prazeres Brisa Auto-estradas de Portugal Gestão de Frota Engº Luís Prazeres Brisa Auto-estradas de Portugal Frota Grupo Brisa Índice 1 2 3 Diferentes modelos de gestão segundo a dimensão e diversidade da frota. Politica de combustiveis aplicada

Leia mais

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA

SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA SERVIÇO DA MERCAL CONSULTING GROUP PARA VENDA OU ASSOCIAÇÃO ( JOINT VENTURE OU MERGER ) DA SUA EMPRESA O primeiro requisito para venda de uma empresa, total ou parcialmente, é apresentá-la de forma atraente,

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

APRESENTAÇÃO 16 de Dezembro de 2008 1

APRESENTAÇÃO 16 de Dezembro de 2008 1 APRESENTAÇÃO 16 de Dezembro de 2008 1 INDICE 1. Identificação 2. Organograma 3. Contactos 4. Localização 5. Após-Venda 6. Comercial 7. Condições comerciais Anexos 2 1. Identificação A Automeclis é um dos

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44

2. Emissão de. Outros Titulares. seguintes. 1.º ano. Anos. cartão. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44. Grátis 28,85 -- -- -- 19,23 26,44 11.1. Cartões de crédito Designação do Redes onde o é aceite 1.º Titular Outros Titulares de (5) (1) 5. Recuperação de valores em divida (6) Millennium bcp Business Silver 28,85 19,23 26,44 Millennium

Leia mais

29082012_WF_reporting_bro_PT. www.tomtom.com/telematics

29082012_WF_reporting_bro_PT. www.tomtom.com/telematics 29082012_WF_reporting_bro_PT www.tomtom.com/telematics T E L E M AT I C S Relatórios WEBFLEET Let s drive business Relatórios WEBFLEET As decisões de trabalho mais difíceis ficam muito mais simples com

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Contabilidade Financeira I INVESTIMENTOS É constituído pelos recursos que a empresa detém com carácter de continuidade, não se destinando a ser vendidos ou transformados no decorrer das suas actividades

Leia mais

GESTÃO. de Frotas PUB. Valentin Flauraud / Bloomberg

GESTÃO. de Frotas PUB. Valentin Flauraud / Bloomberg ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5637 DE 21 DE MARÇO DE 2013 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE GESTÃO de Frotas Valentin Flauraud / Bloomberg Conheça as melhores soluções

Leia mais

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens

Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15. Agências de Viagens Barómetro de Conjuntura inverno 2014/15 Agências de Viagens ÍNDICE Sumário Executivo 3 da procura - inverno 2014/15 Portugal - NUTS II Portugal - Principais NUTS II Principais 4 5 6 da procura - verão

Leia mais