CONTEÚDO 1. A BAC. 2. A Metodologia de trabalho. 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTEÚDO 1. A BAC. 2. A Metodologia de trabalho. 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto"

Transcrição

1

2 CONTEÚDO 1. A BAC 2. A Metodologia de trabalho 3. Novas disciplinas / técnicas de construção nas estruturas e seus benefícios no projeto 4. O uso do BIM

3 1. APRESENTAÇÃO DA BAC Empresa Catalana com 40 anos de experiência no setor da engenharia. Atividade em engenharia de edificação, projetos de infraestrutura, laboratórios próprios de controle de materiais e pesquisa e desenvolvimento. Projetos em mais de 50 países e sedes em: Espanha (sede central), Brasil, Colômbia, Peru, Chile, Costa Rica, Armênia, Qatar e Argélia. BAC se encontra implantada no Brasil através da sua filial BAC Brasil, tendo uma estrutura totalmente operativa na área de projetos de edifícios e infraestrutura urbana.

4 1. APRESENTAÇÃO DA BAC

5 1. APRESENTAÇÃO DA BAC

6 1. APRESENTAÇÃO DA BAC

7 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento e cronograma como documento de projeto. Este documento deve ser atualizado e detalhado em cada fase do projeto. Estudo preliminar Viabilidade Projeto básico Projeto executivo

8 1. A METODOLOGIA DE Orçamento de estudo preliminar TRABALHO Objetivo: Tomar decisões estratégicas do empreendimento. Processo de trabalho: A partir da documentação entregada pelo cliente (Croquis, viabilidade, anteprojeto) é realizando uma reunião com o arquiteto do projeto para definir às qualidades do empreendimento, dividimos o projeto em unidades complexas, realizando a medição real de cada uma de elas e aplicamos preços de mercado atualizados a cada unidade. Assim obtemos um preço total do projeto o qual organizamos por centros de inversão (zona técnica, zona de escritórios, habitações de hotel, vivendas, etc.) conseguindo o custo total o por m2 de cada um destes centros de inversão. Se trabalha sem pre-dimensionados de complementares. Documentos entregados: O estudo de viabilidade estará composto pelos seguintes documentos: o o o o o Documentação utilizada para o estudo Estudo das áreas do projeto Memoria descritiva das qualidades do projeto Orçamento com unidades complexas da obra Resumo dos custos totais e por m2 dividido por zonas do projeto

9 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento de estudo preliminar

10 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento de estudo preliminar

11 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento de estudo preliminar

12 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento de projeto básico Objetivo: Neste documento se atualiza a informação do estudo de viabilidade com os primeiros cálculos (estruturas e instalações) e os desenhos de arquitetura para a prefeitura. Em caso de encontrar-se algum desvio se verificarão as causas e se fazem propostas para diminuir o desvio. Processo de trabalho: Conjuntamente com o cliente e a equipe de projeto, se verificam as suposições realizadas no estudo de viabilidade para identificar possíveis mudanças importantes tanto no projeto de arquitetura quanto em outros projetos complementares. Com estes dados se atualiza o estudo de viabilidade e se estudam alternativas em caso de ter desvios importantes. Documento entregado: A documentação entregada é similar a do estúdio de viabilidade, detalhando melhor aquelas unidades de obra já definidas nesta fase.

13 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento de projeto executivo Objetivo: Com o projeto executivo em fase final se realiza o orçamento definitivo do projeto com três objetivos fundamentais: conhecer o custo final da obra, melhorar o processo de licitação e ter um documento na obra que permita verificar as medições das empreiteiras. Processo de trabalho: Na fase final do projeto executivo se realizam medições de todas as unidades de obra, fazendo para cada unidade uma descrição detalhada tanto da qualidade do material quanto da forma de medir essa unidade na obra. Uma vez definidas todas as unidades de obra do projeto se determinam os preços, detalhando o custo tanto da mão de obra quanto do material e meios auxiliares. Os preços se podem trabalhar com bases próprias ou com as bases do nosso cliente.

14 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento de projeto executivo Documento entregado: O Orçamento do projeto executivo é um documento onde tudo se encontra justificado. O documento final está composto por: Resumo do orçamento Orçamento detalhado com todas as unidades de obra (com descrição completa das unidades). Justificação da medição de cada unidade de obra Preço descomposto de cada unidade de obra (mão de obra, material, meios auxiliares) Preços simples utilizados De forma alternativa, a partir do orçamento de projeto executivo podemos realizar o cronograma físico financeiro da obra.

15 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento de projeto executivo

16 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento de projeto executivo

17 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento de projeto executivo

18 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento e cronograma como documento de projeto. Este documento deve ser atualizado e detalhado em cada fase do projeto. O valor do projeto No projeto se encontram as grandes decisões que impactam no custo e prazo das obras.

19 1. A METODOLOGIA DE TRABALHO Orçamento e cronograma como documento de projeto. Este documento deve ser atualizado e detalhado em cada fase do projeto. O valor do projeto No projeto se encontram as grandes decisões que impactam no custo e prazo das obras. Organização do projeto Projeto único. Equipe de projeto com conhecimento de obra. Sistema de contratação planificado e adaptado ao nível de desenvolvimento do projeto.

20 2. NOVAS DISCIPLINAS / TÉCNICAS DE CONSTRUÇÃO Caso 1: Sustentabilidade Estruturas ativas Caso 2: Estudos de fogo Outros casos

21 Caso 1. Sustentabilidade Estruturas ativas O conceito Estruturas Ativas, fundamenta-se na inercia térmica das estruturas de concreto. A base do sistema e o Esfriamento da estrutura a noite para que ao longo do dia possa absorver o calor e manter uma temperatura mais estável e confortável no interior dos edifícios, diminuindo o uso de sistemas de climatização.

22 Caso 1. Sustentabilidade Estruturas ativas Em função das características do projeto e da economia energética requerida, se utilizam diferentes soluções para o esfriamento da estrutura do edifício: Aumento da superfície de contato da estrutura, mediante instalação de uma eggform acima das formas. Esfriamento da estrutura, instalando tubos no interior para passo de um fluido frio : o Esfriamento noturno com o aire frio da noite Free Cooling. o Esfriamento noturno com agua fria, esfriada com sistemas eficientes Geotermia. Sistemas de suporte para a climatização: diminuição da umidade do ar, ar condicionado de menor capacidade que o projeto original.

23 Caso 1. Sustentabilidade Estruturas ativas

24 Caso 1. Sustentabilidade Estruturas ativas A utilização de ferramentas de simulação nos permite conhecer a temperatura hora a hora nos 365 dias do ano.

25 Caso 1. Sustentabilidade Estruturas ativas Projeto Sistema activo Concreto (m3/m2) H da Laje (cm) Aço (kg/m2) Aço Cabos (kg/m2) Consumo de energia* ICTA - Universidade Autonoma de Barcelona (construido) Ar - Free Cooling + Agua 0, Kw / m2 / ano (62 % menos) Nobelia Tower. Kigali (Rwanda) (En construcción) Projeto corporativo em Madri (confidencial) Ar - Free Cooling 0, Kw / m2 / ano (95 % menos) Agua 0, Kw / m2 / ano (58 % menos) *Estimado em projeto

26 Caso 2. Estudos de fogo

27 Outros Casos Forma Túnel

28 Outros Casos Ponte Inflável

29 O USO DO BIM Sem duvida a ferramenta BIM ajuda na otimização do projeto. Os benefícios vão além da execução do projeto. E deve contemplar todo o ciclo de vida do projeto. Antes de começar um projeto em BIM é importante conhecer qual é o objetivo do uso desta ferramenta. O uso do BIM implica uma mudança no conceito de projeto. Todos trabalhamos num mesmo modelo. Piscinas cobertas 6,530 m 2

30 O USO DO BIM Navisworks AutoCAD ASD AS Revit Revit Structure Revit MEP TRNSYS Robot Structural Analysis ETABS ANSYS AGE DIALux HAP

31 OBRIGADO! ENGINEERING CONSULTANCY GROUP B A R C E L O N A - M A D R I D - B I L B A O ARGEL - BOGOTÁ - DOHA EREVAN LIMA SANTIAGO DE CHILE - SAN JOSÉ - SAO PAULO Resmundo Manga Conte Rua Araguari, 817 Conjunto 61 CEP São Paulo Telefone: (11)

Avaliação da metodologia BIM através de um estudo de caso

Avaliação da metodologia BIM através de um estudo de caso Avaliação da metodologia BIM através de um estudo de caso Nicolas Alexandros Papadopoulos Departamento de Engenharia Civil PUC-Rio Rua Marquês de São Vicente, 225 Prédio Cardeal Leme - 3º andar Gávea Rio

Leia mais

FORMA DE AVALIAÇÃO: 27/08/2013. Carga Horária : 60 horas Dias: Terça e Quinta Horário: 13:30 15:30 13:30 15:30

FORMA DE AVALIAÇÃO: 27/08/2013. Carga Horária : 60 horas Dias: Terça e Quinta Horário: 13:30 15:30 13:30 15:30 www.dcc.ufpr.br Carga Horária : 60 horas Dias: Terça e Quinta Horário: 13:30 15:30 13:30 15:30 2 Professora: Helena Fernanda Graf sala PF15 Com 20 minutos de intervalo conforme necessidade (no meio, no

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS_ESTRUTUR A Eng.Leonardo Braga Passos, Msc Sócio/Diretor PI-Engenharia e Consultoria Diretor Regional BH-ABECE (2015/2016) INTRODUÇÃO / OBJETIVO O Manual para Contratação

Leia mais

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico

Projetos na construção civil. Projetos na construção civil. Projeto Arquitetônico. Projeto Arquitetônico Planta Baixa. Projeto Arquitetônico Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos constitutivos de um projeto interpretação, exame e análise Projeto

Leia mais

TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA

TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA TR ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO LTDA www.trconstrucao.eng.br Somos uma empresa de consultoria que atua no segmento de orçamento e planejamento para a construção civil. Atuamos no mercado de incorporação, arquitetura,

Leia mais

BIM Estágio Atual e Perspectivas: Projeto Estrutural TQS BIM. Estágio Atual e Perspectivas: Projeto Estrutural TQS. Abram Belk -

BIM Estágio Atual e Perspectivas: Projeto Estrutural TQS BIM. Estágio Atual e Perspectivas: Projeto Estrutural TQS. Abram Belk - BIM Estágio Atual e Perspectivas: Projeto Estrutural Abram Belk - abram@tqs.com.br TQS BIM O BIM do ponto de vista do projeto estrutural O BIM do ponto de vista de um fornecedor de software de projeto

Leia mais

VALORIZE SEU MOMENTO DE LAZER. AQUECIMENTO DE ÁGUA. O novo grau de conforto. LINHA BOMBA DE CALOR PARA PISCINA

VALORIZE SEU MOMENTO DE LAZER. AQUECIMENTO DE ÁGUA. O novo grau de conforto. LINHA BOMBA DE CALOR PARA PISCINA TO EN M A Ç N LA VALORIZE SEU MOMENTO DE LAZER. AQUECIMENTO DE ÁGUA LINHA BOMBA DE CALOR PARA PISCINA 00487mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:33:35 EFICIÊNCIA COMPROVADA, SATISFAÇÃO GARANTIDA.

Leia mais

DESENHO DE ESTRUTURAS AULA 1. Profª. Angela A. de Souza

DESENHO DE ESTRUTURAS AULA 1. Profª. Angela A. de Souza AULA 1 A CONCEPÇÃO ESTRUTURAL DE EDIFICIOS Etapas de um Projeto de Edificação A idealização de um projeto parte do princípio que devemos procurar ajuda de um profissional especializado, que irá nos ajudar

Leia mais

BONS SELOS REDUZEM CUSTOS SIGNIFICATIVOS. Daniel Barbosa: Eng. Comercial - Densit do Brasil Ltda

BONS SELOS REDUZEM CUSTOS SIGNIFICATIVOS. Daniel Barbosa: Eng. Comercial - Densit do Brasil Ltda BONS SELOS REDUZEM CUSTOS SIGNIFICATIVOS Daniel Barbosa: Daniel@densit.com.br Eng. Comercial - Densit do Brasil Ltda SEMTEC - Curitiba, 18 de Maio de 2017 Consequências de um selo deficiente no Forno SELO

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE CAMPO GRANDE

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE CAMPO GRANDE PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA DE CAMPO GRANDE DIVULGAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DRENAGEM Relatório R12 Dezembro de 2009 CONSÓRCIO RES Planejamento em Drenagem Urbana Consultoria Ambiental PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS

SITUAÇÃO FÍSICA PARA CONCESSÃO DE ESPAÇOS COMERCIAIS 1 ANEXO I ITUAÇÃO FÍICA PARA CONCEÃO DE EPAÇO COMERCIAI Instruções de preenchimento: Para preenchimento desta ficha sugere-se a participação das equipes Comercial, Manutenção, TI, Meio ambiente, Operações

Leia mais

Cursos 2016. 06 de Setembro 2016 13 de Outubro 2016. Inscreva-se aqui

Cursos 2016. 06 de Setembro 2016 13 de Outubro 2016. Inscreva-se aqui Cursos 2016 06 de Setembro 2016 13 de Outubro 2016 Inscreva-se aqui FORMAÇÃO UPONOR CURSO: Curso em Montagem do Sistema de Autofixação por Chão Radiante Curso específico baseado no Sistema de Autofixação

Leia mais

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico

Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico Monitoramento e assessoria técnica para ações de saneamento básico EIXO3: Desenvolvimento de Projeto Executivo dos sistemas de esgotamento sanitário dos Povoados de Chapada e Manchão do Meio em Xambioá/TO

Leia mais

APÊNDICE 01 PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DAS OBRAS PARQUE DE INFRA-ESTRUTURA DA FASE ZERO DO SAPIENS

APÊNDICE 01 PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DAS OBRAS PARQUE DE INFRA-ESTRUTURA DA FASE ZERO DO SAPIENS APÊNDICE 01 PROJETOS EXECUTIVOS DE ENGENHARIA DAS OBRAS DE INFRA-ESTRUTURA DA FASE ZERO DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 Objetivo... 3 2 Características Principais... 4 2.1 Área de Intervenção... 4 2.2 Projetos

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL DO AMAZONAS TERMO DE REFERÊNCIA

SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL DO AMAZONAS TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO DEPARTAMENTO REGIONAL DO AMAZONAS TERMO DE REFERÊNCIA Termo de referência para contratação de projeto de pavimentação, drenagem superficial e profunda no ramal de acesso ao Hotel

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 1 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÃO 2 ÍNDICE Lista de Abreviaturas 03 Introdução 04 Parte I 05 Instruções Gerais 05 Modelo de Selo Padrão 07 Parte II Instruções Específicas

Leia mais

Projeto de Estrutura em Betão com Arktec Tricalc (sobre DWG) Arktec Portugal Lda

Projeto de Estrutura em Betão com Arktec Tricalc (sobre DWG) Arktec Portugal Lda Bem-vindos ao Webinário com Arktec Tricalc (sobre DWG) Arktec Portugal Lda A Arktec iniciou nas últimas semanas um conjunto de Webinários que visam dar a conhecer, de uma forma prática e objetiva, as características

Leia mais

COMPATIBILIZAÇÃO E COLABORAÇÃO DE PROJETOS BIM. Rodolfo Feitosa / Especialista Técnico

COMPATIBILIZAÇÃO E COLABORAÇÃO DE PROJETOS BIM. Rodolfo Feitosa / Especialista Técnico COMPATIBILIZAÇÃO E COLABORAÇÃO DE PROJETOS BIM Rodolfo Feitosa / Especialista Técnico rodolfo.feitosa@frazillioferroni.com.br AGENDA Institucional Frazillio Ferroni Introdução ao BIM Colaboração e Compatibilização

Leia mais

Santa Clara Empreendimentos

Santa Clara Empreendimentos Santa Clara Empreendimentos Uma empresa com processo de projeto BIM Link para vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=mldmnkbhg1e Um empresa nova, com processos novos. A empreendimentos Santa Clara é um

Leia mais

Índice. Intro. Projetos nos Estados Unidos e América Latina Comparação dos Estados Unidos vs América Latina Conclusões

Índice. Intro. Projetos nos Estados Unidos e América Latina Comparação dos Estados Unidos vs América Latina Conclusões Índice Intro Atualmente o que o Mercado solicita Nosso Processo Compatibilização 3D 6D BIM para Manutenção Predial Projetos nos Estados Unidos e América Latina Comparação dos Estados Unidos vs América

Leia mais

Learning Objectives. Description. Speaker(s) AU-013 Projeto Estrutural no Robot Um caso real. Gustavo Vasconcellos FG Consultoria

Learning Objectives. Description. Speaker(s) AU-013 Projeto Estrutural no Robot Um caso real. Gustavo Vasconcellos FG Consultoria AU-013 Projeto Estrutural no Robot Um caso real Gustavo Vasconcellos FG Consultoria Learning Objectives Mostrar que é possível desenvolver um Projeto estrutural completo usando o Autodesk Robot : o Modelar

Leia mais

Uili Rocha dos Santos [arquiteto]

Uili Rocha dos Santos [arquiteto] Uili Rocha dos Santos [arquiteto] Uili Rocha dos Santos. 29 de agosto de 1983 CAU: A53627-0 R. Rego Freitas 424 ap 22 - São Paulo SP 11 3214 5730 11 96119 0127 arq.uilisantos@gmail.com linkedin.com/in/uilisantos

Leia mais

DIREX Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação

DIREX Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação Elaboração de Orçamentos sob a Égide da Lei 8666/1993 e do Regime Diferenciado de Contratação Coordenação-Geral de Custos de Infraestrutura de Transportes Diretoria Executiva Legislação Aplicada Lei 12.462,

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

Contier Arquitetura. Contier Arquitetura

Contier Arquitetura. Contier Arquitetura Apresentação Contier Arquitetura Contier Arquitetura É uma empresa de Arquitetura e Urbanismo que atua em âmbito nacional; É uma empresa capaz de criar e implementar projetos afinados com o mercado, duradouros

Leia mais

Relatório Corporativo

Relatório Corporativo Relatório Corporativo Heller Energy International Visão: A energia é um vetor crítico para o crescimento económico das nações e para o bem-estar das pessoas. Por outro lado, no século XXI, a humanidade

Leia mais

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor

Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor Lista de Exercícios Aula 04 Propagação do Calor 1. (Halliday) Suponha que a barra da figura seja de cobre e que L = 25 cm e A = 1,0 cm 2. Após ter sido alcançado o regime estacionário, T2 = 125 0 C e T1

Leia mais

O uso do BIM em projetos de estações ferroviárias Experiência na prática - CPTM

O uso do BIM em projetos de estações ferroviárias Experiência na prática - CPTM O uso do BIM em projetos de estações ferroviárias Experiência na prática - CPTM Daniela Doval Santos Luiza Orsini Cavalcanti 23ª Semana de Tecnologia Metroferroviária SOBRE AS AUTORAS Daniela Doval Santos

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES METODOLOGIA BIM CONSTRUÇÃO CIVIL

CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES METODOLOGIA BIM CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE EDIFICAÇÕES METODOLOGIA BIM CONSTRUÇÃO CIVIL HISTÓRICO 2013 outubro: Atualização do Plano Curso e ampliação da carga horária do Técnico de Edificações. novembro: Missão Empresarial no

Leia mais

Currículo. Jéssica Passarini Angeleli INFORMÁTICA OBJETIVO QUALIFICAÇÕES CURSO TÉCNICO CURSO COMPLEMENTAR FORMAÇÃO ACADÊMICA

Currículo. Jéssica Passarini Angeleli INFORMÁTICA OBJETIVO QUALIFICAÇÕES CURSO TÉCNICO CURSO COMPLEMENTAR FORMAÇÃO ACADÊMICA portfólio Currículo Jéssica Passarini Angeleli Jéssica Passarini Angeleli CAU: 156599-0 Brasileira, 23 anos, solteira. Avenida Barão de Serra Negra, 702. Piracicaba - SP Fones: (19) 98141-0327 E-mail:

Leia mais

BIM Gerenciamento de Projetos Construção Enxuta

BIM Gerenciamento de Projetos Construção Enxuta BIM Gerenciamento de Projetos Construção Enxuta FASES DE UM EMPREENDIMENTO PROJETOS PLANEJAMENTO CONSTRUÇÃO BIM GP LEAN FASES DE UM EMPREENDIMENTO PROJETOS Evolução dos Sistemas de TI Antes dos anos 80

Leia mais

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições:

Para efeito desta Instrução Técnica são adotadas as seguintes definições: IT 1814 R.5 - INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA APRESENTAÇÃO DE ANTEPROJETOS DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS MULTIFAMILIARES (PERMANENTES OU TRANSITÓRIAS) GRUPAMENTOS DE EDIFICAÇÕES E CLUBES Notas: Aprovada pela Deliberação

Leia mais

Cálculo dos requisitos de arrefecimento para centros de dados

Cálculo dos requisitos de arrefecimento para centros de dados Cálculo dos requisitos de arrefecimento para centros de dados Por Neil Rasmussen Aplicação Técnica Nº 25 Revisão 1 Sumário executivo Este documento descreve como estimar o calor dissipado pelos equipamentos

Leia mais

1º Seminário da Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial PPGS

1º Seminário da Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial PPGS 1º Seminário da Plataforma Portuguesa de Geotermia Superficial PPGS Edificios ejecutados en Portugal con alta eficiencia energética. Geotermia superficial, geotermia por aire, recuperación de energía de

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA - PROJETO ARQUITETÔNICO

DESENHO DE ARQUITETURA - PROJETO ARQUITETÔNICO DESENHO DE ARQUITETURA - PROJETO ARQUITETÔNICO O projeto arquitetônico faz parte do conjunto de estudos, desenhos e especificações que definem uma edificação. Além da parte de arquitetura, a edificação

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ELABORAÇÃO DE PROJETOS COMPLEMENTARES DE ENGENHARIA PARA O HOSPITAL INFANTIL DR. JESER AMARANTE FARIA.

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ELABORAÇÃO DE PROJETOS COMPLEMENTARES DE ENGENHARIA PARA O HOSPITAL INFANTIL DR. JESER AMARANTE FARIA. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ELABORAÇÃO DE PROJETOS COMPLEMENTARES DE ENGENHARIA PARA O HOSPITAL INFANTIL DR. JESER AMARANTE FARIA. 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa de Engenharia para prestação de

Leia mais

Cidades Sustentaveis. O caso da cidade de Masdar. Jacinto Estima I Seminário Internacional Palmas Solar Palmas, Tocantins, Brasil 29 de Junho de 2015

Cidades Sustentaveis. O caso da cidade de Masdar. Jacinto Estima I Seminário Internacional Palmas Solar Palmas, Tocantins, Brasil 29 de Junho de 2015 Cidades Sustentaveis O caso da cidade de Masdar Jacinto Estima I Seminário Internacional Palmas Solar Palmas, Tocantins, Brasil 29 de Junho de 2015 A iniciativa de Masdar Orientada pela Visão Económica

Leia mais

MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG

MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG MUNICÍPIO DE ARAGUARI MG SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO VOLUME I - PROJETO CIVIL / HIDRÁULICO TOMO III DESENHOS 1/62 A 30/62 ABRIL / 2015 1 APRESENTAÇÃO Em conformidade com o contrato firmado entre a

Leia mais

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Necessidades identificadas para atender a NBR Marcelo Nogueira

18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP. Necessidades identificadas para atender a NBR Marcelo Nogueira 18/junho/2015 Caesar Business Faria Lima São Paulo, SP Necessidades identificadas para atender a NBR 15.575 Marcelo Nogueira Produtos Fornecedores Projetistas FOCO = Cliente Laboratórios Construtores 1ª

Leia mais

DIDIER ARANCIBIA ALVAREZ, PMP

DIDIER ARANCIBIA ALVAREZ, PMP DIDIER ARANCIBIA ALVAREZ, PMP Arquiteta e Urbanista formada pela PUC PR, com especialização em Gerenciamento de Obras pela UFTPR e cursando Gestão Estratégica na UFPR. Possui certificação PMP Atua no mercado

Leia mais

CASE ROCHAVERÁ CORPORATE TOWER

CASE ROCHAVERÁ CORPORATE TOWER CASE ROCHAVERÁ CORPORATE TOWER ROCHAVERÁ CORPORATE TOWERS SP CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDIMENTO Solução desenvolvida na Fase de Projeto; Implantação em 2 fases, iniciando a 1ª fase em 2008 e a 2º fase em

Leia mais

A NORMA DE DESEMPENHO E O BIM EM PROJETOS DE INSTALAÇÕES

A NORMA DE DESEMPENHO E O BIM EM PROJETOS DE INSTALAÇÕES A NORMA DE DESEMPENHO E O BIM EM PROJETOS DE INSTALAÇÕES 1 2 Clientes: ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA 3 CONSTRUTORAS E INCORPORADORAS 4 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES 5 6 7 Três anos depois de entrar em vigor, a

Leia mais

Tecnologia BIM: Do Projeto à Construção

Tecnologia BIM: Do Projeto à Construção Joyce Delatorre Método Engenharia CR4740-V O uso da tecnologia BIM tem avançado no mercado brasileiro. Construtoras buscam utilizá-la nas etapas de préconstrução e construção para aprimorar o processo

Leia mais

Blumenau Engenharia Civil

Blumenau Engenharia Civil Blumenau Engenharia Civil Disciplina TOPOGRAFIA E GEODÉSIA I Aula 4: Normalização Professor: Eng. Daniel Funchal, Esp. ESCALAS NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho A escala de um desenho

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO RAP 1 - INTRODUÇÃO O objetivo deste TERMO DE REFERÊNCIA é orientar a elaboração mais eficiente do RELATÓRIO AMBIENTAL PRÉVIO - RAP definido

Leia mais

ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN

ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN ANEXO III DA RESOLUÇÃO 009/09/DPR GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DE EXPANSÃO - GPLAN 1.0 Objetivo Promover o planejamento físico-financeiro, acompanhamento e controle das ações de implantação, ampliação e melhoria

Leia mais

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT TO EN M A Ç N LA CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM HARMONIA COM SEU AMBIENTE. QUALIDADE E AR CONDICIONADO LINHA SPLIT 00485mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:20:24 Cassete Apresentação

Leia mais

Desenho Técnico. Introdução. Prof. João Paulo Barbosa

Desenho Técnico. Introdução. Prof. João Paulo Barbosa Desenho Técnico Introdução Prof. João Paulo Barbosa Introdução O desenho técnico é uma forma de expressão gráfica que visa a representação de forma, dimensão e posição de objetos de acordo com as diferentes

Leia mais

Comunicação + Informações + Workflow Adequado = Qualidade e Eficiência

Comunicação + Informações + Workflow Adequado = Qualidade e Eficiência Marcos Luiz Del Carlo MHA Engenharia Guilherme Augusto Brito Neves Comunicação + Informações + Workflow Adequado = Qualidade e Eficiência Objetivo de aprendizado Ao final desta palestra você terá condições

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DA OBRA DE CONTENÇÃO DA BORDA DO LAGO DO SAPIENS PARQUE

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DA OBRA DE CONTENÇÃO DA BORDA DO LAGO DO SAPIENS PARQUE ANEXO I PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DA OBRA DE CONTENÇÃO DA BORDA DO LAGO DO SAPIENS PARQUE Sumário 1 1 Objetivo... 3 2 Características Principais... 3 2.1 Área de Intervenção... 3 2.2 Projeto Executivo

Leia mais

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento do Escopo do Projeto (PMBoK 5ª ed.) De acordo com o PMBok 5ª ed., o escopo é a soma dos produtos, serviços e resultados a serem fornecidos na forma de projeto. Sendo ele referindo-se a: Escopo

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA. Freguesia ALVALADE Válido até 15/10/2024 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA RIO DE JANEIRO, 38, 3º ESQ. Localidade LISBOA Freguesia ALVALADE Concelho LISBOA GPS 38.754048, -9.138450 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL Conservatória

Leia mais

Aula 1 Filosofia de Projeto

Aula 1 Filosofia de Projeto Aula 1 Filosofia de Projeto PESQUISA Quantidade de disjuntores Ponto de aterramento Instalação monofásica, bifásica ou trifásica (potência) Metodologia de divisão dos circuitos 1 Um projeto é a apresentação

Leia mais

C on strução e De cora ç ão

C on strução e De cora ç ão C on strução e De cora ç ão Volume V De s cora ç ão um Guia de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Tecnico não pode ser reproduzido ou distribuido sem a expressa autorizacao de. 2 Índice

Leia mais

A base do BIM para engenharia estrutural. Autodesk Revit. Structure 2010

A base do BIM para engenharia estrutural. Autodesk Revit. Structure 2010 A base do BIM para engenharia estrutural. Autodesk Revit Structure 2010 Melhore a Eficácia, a Precisão e a Coordenação O software Autodesk Revit Structure oferece modelagem simultânea para projeto estrutural,

Leia mais

Sistemas de Refrigeração Parte I

Sistemas de Refrigeração Parte I Sistemas de Refrigeração Parte I 1 Tópicos da Aula de Hoje Introdução / definições sobre sistemas de refrigeração Ciclo de refrigeração por compressão Fatores que influenciam o desempenho do sistema de

Leia mais

MATRIZ DE MACRO-ATIVIDADES DE ACE (PMO rev3)

MATRIZ DE MACRO-ATIVIDADES DE ACE (PMO rev3) PROCEDIMENTOS DE ATIVIDADES DE ANÁLISE CRÍTICA DE ESCOPO 1 REUNIÃO DE KICK-OFF- Análise dos Requerimentos do Empreendimento pelo CLIENTE Requisito Termos de Confidencialidade Requisito Recebimento de Documentação

Leia mais

Seminário. Projeto Básico e Executivo nas Contratações Públicas

Seminário. Projeto Básico e Executivo nas Contratações Públicas Seminário Projeto Básico e Executivo nas Contratações Públicas Objetivo Verificar os entendimentos entre contratantes e contratados na Administração Pública sobre questões que envolvem projeto básico e

Leia mais

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO

Certificado Energético Edifício de Habitação IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO Válido até 05/02/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada AVENIDA BRASILIA, 46, 3º ESQ Localidade APELAÇÃO Freguesia CAMARATE, UNHOS E APELAÇÃO Concelho LOURES GPS 38.816247, -9.130431 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 11 USO RACIONAL DA ENERGIA Identificar onde, na edificação, ocorrem os maiores gastos. Geralmente consegue-se reduzir o gasto energético reduzindo

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

Planta Produção de Tijolos em Terra Crua

Planta Produção de Tijolos em Terra Crua Planta Produção de Tijolos em Terra Crua Terra em material de construção do futuro Vincitech srl 2013 info@vincitech.it 1 O TIJOLO NA TERRA CRU Em muitos países da terra crua em desenvolvimento éo material

Leia mais

ANEXO III. RELATÓRIO ASSUNTO ALIMENTAÇÃO DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO DA FACHADA LESTE RELATOR Engenheiro Paulo George

ANEXO III. RELATÓRIO ASSUNTO ALIMENTAÇÃO DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO DA FACHADA LESTE RELATOR Engenheiro Paulo George FOX Engenharia & Consultoria Ltda. DATA : 02/02/07 FOLHA: 1 INTRODUÇÃO O presente estudo técnico objetiva apresentar dados e parâmetros para proposta de instalação de aparelhos de Ar Condicionados na Fachada

Leia mais

Redução de espaço e alta eficiência. COOL MAX MAIS COM MENOS. SERPENTINA EM G Alta eficiência na troca térmica.

Redução de espaço e alta eficiência. COOL MAX MAIS COM MENOS. SERPENTINA EM G Alta eficiência na troca térmica. Redução de espaço e alta eficiência. O VRV INOVA é a mais recente novidade da Daikin, que mais uma vez provou ao mundo que sabe como transformar seus produtos e proporcionar muito mais vantagens para seus

Leia mais

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis

Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis Plano Estratégico Sectorial de Energias Renováveis A nossa visão para o Sector Energético Abastecimento seguro das populações Garantia da qualidade de vida Desenvolvimento empresarial Construir um sector

Leia mais

A profundidade do oceano é de 3794 m (em média), mais de cinco vezes a altura média dos continentes.

A profundidade do oceano é de 3794 m (em média), mais de cinco vezes a altura média dos continentes. Hidrosfera Compreende todos os rios, lagos,lagoas e mares e todas as águas subterrâneas, bem como as águas marinhas e salobras, águas glaciais e lençóis de gelo, vapor de água, as quais correspondem a

Leia mais

PROJETO ARQUITETÔNICO

PROJETO ARQUITETÔNICO PROJETO ARQUITETÔNICO CEG218 Desenho arquitetônico I Prof. Márcio Carboni UFPR - DEGRAF - CEG218 DESENHO ARQUITETÔNICO I - Prof. Márcio Carboni 1 ORGANIZAÇÃO DA AULA Etapas de projeto arquitetônico Elementos

Leia mais

1.1 Indústria da Construção Civil É UMA INDÚSTRIA? 1.1 Indústria da Construção Civil. 1.1 Indústria da Construção Civil

1.1 Indústria da Construção Civil É UMA INDÚSTRIA? 1.1 Indústria da Construção Civil. 1.1 Indústria da Construção Civil 1.1 Indústria da Construção Civil Disciplina: Planejamento e Controle de Obras Aula 01 Introdução ao Planejamento de Obras Professora: Engª Civil Moema Castro, MSc. É UMA INDÚSTRIA? Indústria: toda atividade

Leia mais

Cafeteria Passo a Passo - 7ª Edição janeiro.2016 MANUAL COMO MONTAR UMA CAFETERIA PASSO A PASSO

Cafeteria Passo a Passo - 7ª Edição janeiro.2016 MANUAL COMO MONTAR UMA CAFETERIA PASSO A PASSO MANUAL COMO MONTAR UMA CAFETERIA PASSO A PASSO Esse manual foi elaborado visando auxiliá-lo com maior praticidade possível na montagem de uma cafeteria, e os assuntos, são abordados de forma objetiva,

Leia mais

Atividades de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Software. Especificação de Requisitos. Atividades de Desenvolvimento. Especificação de Requisitos

Atividades de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Software. Especificação de Requisitos. Atividades de Desenvolvimento. Especificação de Requisitos DCC / ICEx / UFMG Desenvolvimento de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo Especificação de Requisitos Um sistema de software deve satisfazer as necessidades de seus usuários Tais

Leia mais

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV

Estudo Prévio de Impacto de Vizinhança EIV Prévio EIV ESTUDOS PARA A REGULAMENTAÇÃO DO EIV NO MUNICÍPIO DE CURITIBA APRESENTAÇÃO AO CONCITIBA 31.05.2012 Coordenação de Uso do Solo IPPUC Prévio Regulamentação IPPUC CONCITIBA 31.05.2012 SUMÁRIO O

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS

ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS ESPECIFICAÇÕES DE DESEMPENHO EM EMPREENDIMENTOS DE HIS 2.1 Diretrizes gerais de projeto para atender aos requisitos de desempenho 2.1.1 Segurança no uso e operação 2.1.2 Segurança contra

Leia mais

PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil?

PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil? PALESTRA: Como o BIM contribui para o crescimento de empresas no Brasil? A AUTODESK possui parceiros denominados CSI Consulting System Integrator para ampliar o valor das suas soluções, sendo uma consultoria

Leia mais

Catálogo de Luminárias LED. Iluminação eficiente

Catálogo de Luminárias LED. Iluminação eficiente Catálogo de Luminárias LED Iluminação eficiente W2 2015 Introdução Fundada em 2005 e listada na Bolsa de Valores de Nova York desde 2008 (NYSE: SOL), a ReneSola é uma líder global provedora de tecnologia

Leia mais

Planejamento integrado em 4D. Metodologia BIM de planejamento e controle de obras, com integração através do REVIT, PRIMAVERA e NAVISWORKS

Planejamento integrado em 4D. Metodologia BIM de planejamento e controle de obras, com integração através do REVIT, PRIMAVERA e NAVISWORKS Planejamento integrado em 4D Metodologia BIM de planejamento e controle de obras, com integração através do REVIT, PRIMAVERA e NAVISWORKS A GDP Gerenciamento e Desenvolvimento de Projetos nasceu da convicção

Leia mais

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo

Portas Automáticas. Resistentes ao Fogo Portas Automáticas Resistentes ao Fogo 1 Criada em 1966, a Manusa é uma empresa líder no mercado das portas automáticas graças ao desenvolvimento de uma tecnologia própria e a uma equipa de profissionais

Leia mais

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci

GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA. Marco Antônio Vecci GESTÃO DO PROCESSO DE PROJETOS ACÚSTICA Marco Antônio Vecci Local: EXPOMINAS BH Data: 08/08/2016 FASE A CONCEPÇÃO DO PRODUTO ESTUDO PRELIMINAR Consultoria e Ensaios Consultoria: Análise preliminar entre

Leia mais

o sistema solar para todo o ano DEPÓSITO SOLAR DE CAPAS SEM PRESSÃO ANTI LIGIONELA DE ALTO RENDIMENTO

o sistema solar para todo o ano DEPÓSITO SOLAR DE CAPAS SEM PRESSÃO ANTI LIGIONELA DE ALTO RENDIMENTO o sistema solar para todo o ano DEPÓSITO SOLAR DE CAPAS SEM PRESSÃO ANTI LIGIONELA DE ALTO RENDIMENTO Todos os novos depósito têm: Isolamento de alta qualidade (PUR) para um melhor rendimento Recipiente

Leia mais

Conjuntos Inversores de Potência

Conjuntos Inversores de Potência A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

Desenho Auxiliado por Computador Aula 2. Professora: Priscila Medeiro

Desenho Auxiliado por Computador Aula 2. Professora: Priscila Medeiro Desenho Auxiliado por Computador Aula 2 Professora: Priscila Medeiro O que é CAD? Desenho auxiliado por computador Sistema baseado em desenho Facilita o Projeto e Desenhos Técnicos Utilizados pela geologia,

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Etapas de projeto e documentações

PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Etapas de projeto e documentações PLANEJAMENTO E CONTROLE DE OBRAS Etapas de projeto e documentações Professora: Eng. Civil Mayara Custódio, Msc. Pesquisa de mercado Planejamento e projeto conceitual Aquisição do terreno Elaboração do

Leia mais

Como o BIM transforma projetos e a prática da arquitetura

Como o BIM transforma projetos e a prática da arquitetura Como o BIM transforma projetos e a prática da arquitetura para EENAR 2017 Passo Fundo RS / Brasil Palestrante: Julio Cesar Farias Arquiteto e Bim Manager A Integração das metodologias adotadas ao logo

Leia mais

Diário Oficial do. Prefeitura Municipal de Bonito. terça-feira, 17 de janeiro de 2017 Ano IV - Edição nº Caderno 1

Diário Oficial do. Prefeitura Municipal de Bonito. terça-feira, 17 de janeiro de 2017 Ano IV - Edição nº Caderno 1 Diário Oficial do Município terça-feira, 17 de janeiro de 2017 Ano IV - Edição nº 00508 Caderno 1 Prefeitura Municipal de Bonito publica A6709BC70A023CE4A8A44731F284C480 terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Leia mais

REDES DE SENSORES PARA A MONITORAÇÃO E ALERTA DE CHUVAS BASEADO NO ALGORITMO DE FUSÃO DE DADOS FUZZY RESUMO

REDES DE SENSORES PARA A MONITORAÇÃO E ALERTA DE CHUVAS BASEADO NO ALGORITMO DE FUSÃO DE DADOS FUZZY RESUMO REDES DE SENSORES PARA A MONITORAÇÃO E ALERTA DE CHUVAS BASEADO NO ALGORITMO DE FUSÃO DE DADOS FUZZY BRASIL,Joabe GUIMARÃES, Auritonio NOGUEIRA, Elder VILLANUEVA 4, Juan Moises Mauricio Centro de Energias

Leia mais

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico

Aquecimento de Água. Linha Bomba de Calor para Piscina. Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecimento de Água Linha Bomba de Calor para Piscina Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecedor de Água Apresentação Este modelo de bomba de calor para piscina é fabricado pela Rheem nos Estados

Leia mais

Projetos de Engenharia e Arquitetura

Projetos de Engenharia e Arquitetura Projetos de Engenharia e Arquitetura Mudança de Paradigma No passado Projetos Centralizados Foco nas Tarefas Individuais Foco na Lucratividade Profissional Mono Tarefa Concorrência Local Foco no Documento

Leia mais

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas

ANEXO 3. Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas ANEXO 3 DADOS RELATIVOS À EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Considerações para Eficiência Energética no projeto de Edificações Comerciais, de Serviço e Públicas 1. Considerações gerais As edificações comerciais apresentam

Leia mais

PASSOS. Combinando as regras Levantando as necessidades Projetando: como trabalha o arquiteto

PASSOS. Combinando as regras Levantando as necessidades Projetando: como trabalha o arquiteto 12 PASSOS O QUE VOCÊ DEVE SABER QUANDO CONTRATAR OS SERVIÇOS DE UM ARQUITETO VOLUME I - EDIFICAÇÕES Combinando as regras Levantando as necessidades Projetando: como trabalha o arquiteto Capítulo 1 COMBINANDO

Leia mais

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO

REVISÃO DATA DISCRIMINAÇÃO TÍTULO PROJETO DE RQUITETUR ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Instrução. Projeto. rquitetura. INSTRUÇÃO DE PROJETO ago/2005 1 de 11 PROVÇÃO PROCESSO PR 007476/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI OBSERVÇÕES

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CARTA CONVITE MTC 43/2015 PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA UNIDADE MII

EDITAL DE LICITAÇÃO CARTA CONVITE MTC 43/2015 PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA UNIDADE MII EDITAL DE LICITAÇÃO CARTA CONVITE MTC 43/2015 PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA UNIDADE MII Outubro/ 2015 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. OBJETIVO DESTA LICITAÇÃO... 3 3. OBJETO... 3 4. FONECIMENTOS...

Leia mais

Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade. João Carlos Mello A&C

Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade. João Carlos Mello A&C Eficiência Energética - Desafios na Busca da Sustentabilidade João Carlos Mello A&C A APINE 55 associados Geradores privados e concessionárias de geração PCHs e hidráulicas de médio e grande porte Térmicas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. O projeto deverá seguir os critérios do projeto básico estabelecido pela Comissão Especial de Obras do CAU/AL (arquivo básico).

TERMO DE REFERÊNCIA. O projeto deverá seguir os critérios do projeto básico estabelecido pela Comissão Especial de Obras do CAU/AL (arquivo básico). 1. OBJETO E JUSTIFICATIVA. TERMO DE REFERÊNCIA Este termo de referência visa estabelecer os critérios mínimos para contratação de profissional e/ou empresa especializada e habilitada para apresentação

Leia mais

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano

Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano Reciclar, Transformar, Valorizar Lixo Urbano 10-08-2009 Apresentação da Empresa O Grupo KÜTTNER se desenvolveu a partir de uma empresa de engenharia, fundada em Essen/Alemanha no ano de 1949 pelo Engenheiro

Leia mais

João Batista Rodrigues da Silva Engenheiro Civil Diretor do IBTS - Instituto Brasileiro de Telas Soldadas

João Batista Rodrigues da Silva Engenheiro Civil Diretor do IBTS - Instituto Brasileiro de Telas Soldadas S João Batista Rodrigues da Silva Engenheiro Civil Diretor do IBTS - Instituto Brasileiro de Telas Soldadas PAREDE DE CONCRETO Angola Índia Argentina Iraque Aruba Jamaica Bolívia Japão Brasil Malásia Canadá

Leia mais

5º Concurso Nacional de Paisagismo Urbano ANP. Edição 2017

5º Concurso Nacional de Paisagismo Urbano ANP. Edição 2017 Gestão 2016/17 5º Concurso Nacional de Paisagismo Urbano ANP. Edição 2017 Regulamento Art. 1 O Concurso Nacional de Paisagismo Urbano ANP foi instituído com a finalidade de promover o paisagismo e planejamento

Leia mais

Projeto Norma Técnica Sabesp NTS 286

Projeto Norma Técnica Sabesp NTS 286 Projeto Norma Técnica Sabesp NTS 286 Desenhos padrão para minimização de espaços confinados em poços de visita nos sistemas de água Especificação São Paulo Março - 2013 NTS 286: 2013 Norma Técnica Sabesp

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS. Disciplina: Atividades Complementares (Cód. 501926) C. H.: 34

EMENTAS DAS DISCIPLINAS. Disciplina: Atividades Complementares (Cód. 501926) C. H.: 34 EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ARQUITETURA E URBANISMO Disciplina: Atividades Complementares (Cód. 501926) C. H.: 34 Ementa: Prestação de serviços à comunidade. Participação de eventos em

Leia mais

DATA: 01/08/2011 VEÍCULO: Infra Facility Property CHAMADA: Península Corporate Na Mídia Com identidade bem definida e tecnologias prediais que favorecem alta performance operacional, edifício corporativo

Leia mais

A Gestão do Custo de Edificações

A Gestão do Custo de Edificações A Gestão do Custo de Edificações O custo da construção no negócio imobiliário A problemática da orçamentação práticas tradicionais A gestão de custos como processo Método de orçamentação por parametrização

Leia mais