PhD em Economia pela Universidade de Illinois, Diretor-Geral do IPECE e Professor do CAEN/UFC. E- mail: 2

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PhD em Economia pela Universidade de Illinois, Diretor-Geral do IPECE e Professor do CAEN/UFC. E- mail: holanda@ipece.ce.gov.br. 2"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO Nº 4 EXISTIRIA UM TAMANHO IDEAL DE ESCOLA? Marcos Costa Holanda 1 Francs Carlo Pettern Marcelo Ponte Barbosa 3 Fortaleza-CE Dezembro/006 1 PhD em Economa pela Unversdade de Illnos, Dretor-Geral do IPECE e Professor do CAEN/UFC. E- mal: Mestre em Economa pelo CAEN/UFC e Analsta de Polítcas Públcas do IPECE. E-mal: 3 Mestre em Economa pelo CAEN/UFC e Analsta de Polítcas Públcas do IPECE. E-mal: Nota: Os autores agradecem a colaboração de Eloísa Maa Vdal e sua equpe, da Secretara de Educação Básca do Ceará, e de Sandra de Holanda Martns e Kelly Crstna Barbosa, da Secretara da Controladora do Ceará.

2 Textos para Dscussão do Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Lúco Gonçalo de Alcântara Governador SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO (SEPLAN) Vcente Cavalcante Falho Secretáro INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) Marcos Costa Holanda Dretor Geral Jar do Amaral Flho Dretor de Estudos Setoras Antôno Lsboa Teles da Rosa Dretor de Estudos Socas A Sére Textos para Dscussão do Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE), tem como objetvo a dvulgação de trabalhos elaborados pelos servdores do órgão, que possam contrbur para a dscussão de dversos temas de nteresse do Estado do Ceará. Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) End.: Centro Admnstratvo do Estado Governador Vrgílo Távora Av.: General Afonso Albuquerque Lma, S/N Ed.: SEPLAN º andar Fortaleza-CE Telefones: (85) / Fax: (85)

3 RESUMO Este trabalho tem como objetvo estmar o tamanho deal da escola públca. Para tanto, foram usadas bases de dados de escolas públcas do Ceará e do Paraná. Dscute-se um possível trade-off entre tamanho deal para mnmzar custos e o tamanho deal para maxmzar o desempenho escolar, meddo pelas notas dos alunos em exames de profcênca. Verfca-se que estas duas varáves possuem pouca dependênca e que, possvelmente, o background famlar seja o prncpal componente do desempenho escolar. Conseqüentemente, o tamanho que mnmza custos pode ser consderado como o tamanho deal da escola, já que não há comprometmento da qualdade. Palavras-chave: tamanho da escola, custos da educação, qualdade do ensno.

4 ABSTRACT In ths paper we estmate the optmal sze for a publc school. For ths, we use databases from publc schools of Ceara and Parana. We dscuss the possble tradeoff between the school sze that mnmze costs and the school sze that maxmze pupl s performance, whch s measured by the average grades n profcency exams. We verfy that these two varables are not strongly correlated and that famly background seems to be the man factor that determnes school performance. Consequently, we can consder the sze that mnmzes costs as the deal sze of a publc school, snce t does not compromse qualty. Keywords: school sze, educatonal costs, qualty of educaton.

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 7 ASPECTOS TEÓRICOS, 8 3 O CASO DO CEARÁ, 9 4 O CASO DO PARANÁ, 16 5 TAMANHO DA ESCOLA E DESEMPENHO ESCOLAR, 0 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS, 3 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS, 4 ANEXOS, 5

6

7 IPECE/Texto para Dscussão nº INTRODUÇÃO Pela ótca dos custos, qual sera o tamanho deal da escola? Além dsso, este tamanho afetara a profcênca dos alunos? Exstra um trade-off entre tamanho deal na ótca dos custos e tamanho deal sob o aspecto do desempenho dos alunos? Na busca de respostas para esses questonamentos, estudaram-se duas bases de dados escolares: uma para o Ceará e outra para o Paraná (ambas apresentadas em anexo). A base do Ceará dspõe os custos de 9 escolas da rede estadual, para 004 e 005. Nela, são apresentados város componentes da função custo das escolas, classfcando as observações pelo local (Interor ou Regão Metropoltana de Fortaleza (RMF) e pelo tpo de ensno (fundamental, médo ou médo/fundamental). Algumas nformações qualtatvas também estão dsponíves. A base do Paraná dspõe os custos de 13 escolas das redes estadual, muncpal e federal, para 003. Esta base também apresenta componentes da função custo da escola, podendo-se controlar as observações pela localzação (Urbana e Rural) e pelo tpo de ensno (fundamental, médo ou médo e fundamental). Todava, estes dados não apresentam varáves qualtatvas adconas. Uma dferença mportante entre as duas bases de dados é que a amostra do Ceará apresenta escolas com performance educaconal abaxo e acma da méda estadual (medda por testes de profcênca aplcados aos alunos da escola), enquanto que no Paraná coletaram-se apenas nformações de escolas com performance acma da méda. Para além desta ntrodução, o trabalho está estruturado da segunte forma: na seção II é feta uma breve revsão dos aspectos teórcos que envolvem os custos; na seção III faz-se uma nferênca do tamanho deal da escola, na ótca dos custos, usando-se a base de dados do Ceará; na seção IV exploram-se os dados do Paraná; na seção V aborda-se a questão do possível trade-off entre tamanho deal na ótca dos custos e tamanho deal sob o aspecto do desempenho da escola; e, por fm, na seção VI, apresentam-se as consderações fnas.

8 8 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 ASPECTOS TEÓRICOS Esta seção objetva contextualzar a questão dos custos dentro da teora econômca 4. Assm, começa-se por admtr que uma escola públca possua n fatores de produção de matrículas, e então se pergunta: se e o preço de cada fator é w, qual o meo mas barato de produzr as Y matrículas demandadas pela comundade? Pela teora econômca, sendo Y uma função dos n fatores de produção (x), deve-se resolver o problema de mnmzação exposto em [1]. n mn. w x tal que f ( x1, x,..., xn ) = Y x1, x,..., x n = 1 (1) A resolução do problema (1) mplca numa combnação ótma dos fatores que, dada a tecnologa usada pela escola, geram as Y matrículas ao menor custo possível. Sob o pressuposto de que uma escola combna os fatores de modo mnmzar seus custos, pode-se consderar que ela possu uma função custo (relaconada ao preço dos fatores de produção e a Y) que fornece o menor gasto possível para cada demanda de Y matrículas, uma C=C(Y), chamada aqu de curva de custo-aluno. Teorcamente esta curva terá um formato de U, e exstrá um tamanho de escola (Y*) que gera o menor custo-aluno possível (C*), como lustrado na Fgura 1. Fgura 1 Curva de custo-aluno da escola custo-aluno C = C(Y) C* Y* Y 4 Este texto está fundamentado nos capítulos 0 e 1 de Varan (000), que tratam da teora dos custos.

9 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 9 Suponha agora que se observam o custo-aluno e o número de matrículas de três escolas em três comundades dferentes, CA, CB B e CC (Fgura ). Fgura Dspersão do custo-aluno e das matrículas (Y) das escolas A, B e C custo-aluno CA CC CB Y Com base na teora econômca, para cada uma das três observações anterores pode ser dto que a escola segue um dos três padrões abaxo: I. Mnmza custos (está sobre a curva de custo-aluno ); II. Além de mnmzar custos, ela opera na escala de menor custo-aluno; III. Não mnmza custos. Para responder à questão pela ótca dos custos, qual sera o tamanho deal da escola?, com base (apenas) nas observações das escolas A, B e C, pelo menos três análses podem ser fetas: Análse 1 - Smplesmente observar a escola com menor custo-aluno e respectvo número de matrículas, admtndo que este número é o deal, pos fo o menor observado; Análse - Admtr que todas as escolas estejam sobre a mesma curva de custoaluno (por ser mnmzadoras de custos, possuem a mesma tecnologa e compram fatores pelos mesmos preços), assm, ao observar a curva envoltóra sobre estes pontos (ou seja, a própra curva de custo-aluno ), se verfcara o tamanho que gera o menor custo-aluno possível; Análse 3 - Ou então, pode-se estmar uma curva de custo-aluno medante dados observados para cada escola, e, admtndo que exstam escolas nas três stuações

10 10 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 acma e escolas que são outlers 5, se construra a curva de custo-aluno de uma escola magnára, onde seu ponto mínmo ndcara um tamanho deal de escola. Cada uma das análses acma possu pontos postvos e negatvos. Todava, por uma questão de aplcabldade aos dados utlzados neste trabalho, optou-se pela tercera análse, estmando-se a curva de custo-aluno de uma escola representatva a partr de mínmos quadrados ordnáros 6. 3 O CASO DO CEARÁ A amostra do Ceará é composta por 9 escolas da rede estadual 7, cujos custos foram observados em 004 e 005. Os dados foram dvddos em cnco categoras: ) despesas com pessoal docente; ) despesas com pessoal não docente; ) despesas com pessoal tercerzado; v) despesas de custeo e manutenção; e v) despesas com materal permanente e outras despesas. A Fgura 3 lustra a composção méda destes custos no custo total das escolas da amostra. Fgura 3 Composção méda dos custos das escolas do Ceará Materal Permanente e Outras Despesas 1,6% Custeo e Manutenção 9,0% Pessoal Docente 6,3% Pessoal Tercerzado 5,6% Pessoal Não Docente 1,5% 5 Para o mesmo número de matrículas (Y) a escola outler obtém um custo-aluno menor que o da escola representatva. 6 Esta estratéga é brevemente dscutda em Wonnacott e Wonnacott (1978), na págna 8. 7 Levantamento feto pela Secretara da Educação Básca (SEDUC). Os custos apontados são todas as despesas pagas pela escola com os recursos transferdos pela Secretara, assm como despesas da escola que foram pagas dretamente pela Secretara.

11 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 11 Há de se tecer dos comentáros sobre a composção dos custos dessa amostra. O prmero é que o levantamento dos custos está subestmado, porque não contablza as despesas da escola pagas pelo Mnstéro da Educação (com lvros ddátcos, computadores e outros materas) e também não contablza outras despesas pagas pela própra comundade. Estes montantes varam muto entre as escolas e, segundo entrevstas nformas com educadores, eles podem atngr até 0% da despesa total. O segundo comentáro é acerca da elevada despesa com pessoal. Mas de 80% dos gastos observados são alocados para o pagamento de pessoal (professores, funconáros e profssonas contratados). Até certo ponto, este é um resultado esperado, pos 69% das escolas da amostra possuem nível fundamental, e pela Le nº 9.44/96 8 devem gastar pelo menos 60% de suas recetas com o magstéro. Ao consderar o custo total da escola no ano dvddo pelo número de matrículas, chega-se ao custo-aluno (custo médo). A Fgura 4 apresenta um gráfco da dspersão entre as observações de custo-aluno e matrículas, onde se pode vslumbrar a forma de um U, coerente com a teora econômca. Fgura 4 Dspersão entre o custo-aluno (custo médo) e o número de matrículas Ceará Custo-aluno (R$/Aluno) Número de Matrículas (Y) Le que dspõe sobre o Fundo de Manutenção e Desenvolvmento do Ensno Fundamental e Valorzação do Magstéro (FUNDEF).

12 1 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 Os valores apresentados no gráfco de dspersão estão a preços correntes. Como as escolas observadas não estão no mesmo muncípo e não compram necessaramente dos mesmos fornecedores, julgou-se pouco convenente uma correção de nflação. Os dados da amostra também podem ser controlados pela localzação (Interor e Regão Metropoltana de Fortaleza RMF) e pelo o tpo de ensno (fundamental, médo ou médo/fundamental). A Tabela 1 apresenta a méda do custo-aluno da amostra por ano, tpo e local. Nela pode-se observar que, por exemplo, na méda se gasta mas com um aluno do ensno fundamental do que com um aluno dos outros níves de ensno. Tabela 1 Méda do custo-aluno da amostra do Ceará por ano, tpo e local (R$/Aluno) Ano Tpo e Local RMF Interor Estado RMF Interor Estado F M M&F Todos Obs.: F são escolas de nível fundamental, M de nível médo e M&F de níves médo e fundamental. Como a estratéga de análse será estmar a curva de custo médo da escola representatva, é mportante testar as dferenças de méda da varável dependente, controlando-se por ano, tpo e local. Se as dferenças forem estatstcamente sgnfcantes, será necessáro acrescentar os respectvos controles na análse de regressão 9. O prmero controle testado fo o ano. Formulou-se a hpótese nula de que a dferença entre o custo-aluno médo de 005 e 004 era maor que zero, contra a hpótese alternatva do caso contráro. Com um teste de estatístca t, acetou-se que a dferença de R$ é maor que zero (a estatístca de teste fo.7 e o valor tabelado é 1.68, com sgnfcânca de 0.10). As outras possbldades de controle também foram testadas, todava, a únca dferença que se mostrou sgnfcante fo a do gasto no nível fundamental em relação aos outros níves. Para 004, a dferença de R$ 18.1 fo estatstcamente 9 Uma referênca para os testes de dferença de méda é Hoffman (1978), na págna 176.

13 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 13 sgnfcante (a estatístca de teste fo 1.86 e o valor tabelado é 1.70, com sgnfcânca de 0.10). Mas para 005, a dferença de R$ não fo estatstcamente sgnfcante (a estatístca de teste fo 1.41 e o valor tabelado é 1.70, com sgnfcânca de 0.10). Dada a stuação, optou-se por acrescentar um controle de nível de ensno na análse de regressão. Com base na dscussão teórca da seção II e nos testes de dferença de méda acma, a estratéga de estmação da curva de custo-aluno da escola representatva consderará a forma funconal exposta em []. Trata-se de um polnômo de segunda ordem acrescentado de varáves de controle. C, t = α 0 + α1 Y, t + α Y, t + β1 DTt + β DF + ε, t () Em (), tem-se que C é o custo-aluno (da escola no ano t), α s e β s são parâmetros, Y é o número de matrículas, DT é uma dummy (1 para 005, 0 no caso contráro), DF é outra dummy (1 para escolas de nível fundamental, 0 no caso contráro) e ε é o termo resdual. Para condzer com a dscussão teórca da seção II, espera-se que o α1 estmado seja negatvo, que o α estmado seja postvo e que ambos sejam estatstcamente sgnfcantes. Um ponto sobre a formulação () que merece comentáro é que, na condção de função custo total médo, ela está órfã da parcela do custo fxo médo. Exstem três razões para sto: ) parcmôna; ) problemas de multcolneardade; e ) o custo fxo da escola públca representatva é ntangível. A prmera razão deve-se ao pequeno número de observações e a smplcdade de dervação de um ponto mínmo, e a segunda razão fo observada nas prmeras tentatvas de estmação. Já tercera razão parte do pressuposto que o únco custo fxo de uma escola públca é o custo de oportundade (fnancero e socal) de não usar um prédo públco e suas nstalações. Se o prédo não estver sendo utlzado, consdera-se que não haverá uma taxa fxa de água, luz ou telefone, e os professores e funconáros serão alocados para outras funções. Dada a problemátca, optou-se por smplesmente desconsderar a parcela de custo fxo.

14 14 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 Em (3) é apresentada a curva de custo-aluno estmada para a escola representatva, onde os valores entre parênteses são estatístcas t assocadas aos parâmetros estmados. C ˆ, t = Y, t Y t DT t DF ( 9. 73) (-3.14) (.65), (3.00) (1.63) [3] As estatístcas do conjunto da regressão (3), para as 58 observações utlzadas, são: R = 0.344; Log-lkelhood = ; e estatístca F = O ajustamento da regressão aparenta boa qualdade, além de todos os snas dos parâmetros estmados estarem coerentes com o esperado e de apresentarem sgnfcânca estatístca (a pelo menos 90% de confança). As estmatvas de mínmos quadrados são consstentes na presença de heterocedastcdade, todava, as estatístcas t assocadas aos parâmetros estmados não são váldas (o que podera comprometer a nterpretação dos resultados encontrados). Assm, para se testar a exstênca de heterocedastcdade no modelo, usou-se o Teste de Whte 10, cuja hpótese nula é os resíduos são homocedastcos e a hpótese alternatva é o caso contráro. A estatístca de teste (w) é computada numa regressão auxlar, cuja varável dependente é o quadrado dos resíduos (da regressão orgnal) contra o produto cruzado das varáves explcatvas (da regressão orgnal) 11. Assntótcamente, a estatístca w, que é o produto do número de observações com o R da segunda regressão, terá uma dstrbução χ com graus de lberdade guas a p-1 parâmetros da segunda regressão. Como w fo computado em 1.71 e o valor crítco tabelado da χ com 5 graus de lberdade é 11.07, com sgnfcânca de 0.05, se aceta a hpótese de homocedastcdade. Para valdar a especfcação do modelo, aplcou-se o Teste de Ramsey 1. Este teste parte do segunte prncípo: o efeto de um erro de especfcação pode ser aproxmado por uma função da varável dependente estmada. Assm, o teste se dá pela análse dos parâmetros de uma segunda regressão, cuja forma funconal é gual a da prmera acrescentada de uma função da varável dependente 10 Para detalhes sobre o teste, pode-se consultar Patterson (000), na págna 161. ˆ ε = λ + λ + λ + λ + λ + λ +, t Y, t Y, t 3 Y, t 4 DTt 5 DF u, t 11 A regressão usada fo:. 1 Para detalhes sobre o teste, pode-se consultar Vasconcellos e Alves (000), na págna 19.

15 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 15 estmada (na prmera regressão). A hpótese nula do teste é os parâmetros assocados a função da varável dependente estmada são guas a zero (boa especfcação) e a hpótese alternatva é o caso contráro. A estatístca de teste (r) é computada numa fórmula que envolve os resíduos da prmera e da segunda regressão. A estatístca r terá uma dstrbução F com l graus de lberdade no numerador (o número de novas varáves explcatvas acrescentadas) e n-k-l-1 graus de lberdade no denomnador (observações, varáves explcatvas orgnas e novas, respectvamente). Como r fo computado em 1.8 (para l=) e o valor tabelado da respectva dstrbução F é 3.18, com sgnfcânca de 0.05, se aceta a hpótese da boa especfcação. Consderando os aspectos dscutdos até aqu, acetou-se a forma funconal descrta por (3) como a curva de custo-aluno da escola representatva. Assm sendo, para chegar ao tamanho ótmo desta escola é necessáro calcular a prmera dervada (parcal) de C em relação a Y e gualar o resultado a zero 13, como é feto em (4). C Y = Y = 0 Y* = 1,510 (4) O resultado exposto em (4), e que responde a questão de qual sera o tamanho deal da escola?, aponta o número de 1,510 matrículas 14 para a amostra do Ceará. Dado o resultado exposto em (4), a pergunta dreta que se faz é: qual o perfl de uma escola com 1,510 matrículas? Para responder esta questão, apresenta-se na Tabela o perfl de matrículas das escolas da amostra, controlando por tpo e local. Tabela Méda do número de matrículas da amostra do Ceará por ano, tpo e local Ano Tpo e Local RMF Interor Estado RMF Interor Estado F M 1, ,111 1,561 1,091 1,47 M&F 1,394 1,084 1,39 1,445 1,090 1,67 Todos 1, ,064 1,67 1,00 1,11 Obs.: F são escolas de nível fundamental, M de nível médo e M&F de níves médo e fundamental. 13 Dada a smplcdade da função, as condções de segunda ordem foram dspensadas de comentáros. 14 Este número fo obtdo usando todas as casas decmas dos programas de computador. Consderando apenas os quatro dígtos aqu apresentados o resultado sera de 1,38 matrículas.

16 16 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 Observa-se que as escolas de ensno médo e médo e fundamental da Regão Metropoltana de Fortaleza (RMF) se encaxam melhor no perfl (observações sublnhadas na Tabela ). A prncípo, três razões foram magnadas: ) escolas da RMF possuem dretores melhor preparados, capazes de promoverem gestões mas efcentes; ) escolas da RMF possuem maores demandas por matrículas, podendo economzar na escala; e ) deve exstr alguma economa de escopo ao se promover ensno médo e fundamental na mesma escola O CASO DO PARANÁ A amostra para o Paraná 16 é composta por 13 escolas das redes estadual, muncpal e federal, cujos custos foram observados apenas em 003. As observações foram dvddas em cnco categoras: ) despesas com pessoal docente; ) despesas com pessoal não docente; ) despesas de materal de consumo da escola; v) despesas com materal permanente; e v) outras despesas da escola (a Fgura 5 lustra a composção méda destes custos no custo total das escolas da amostra). Fgura 5 Composção méda dos custos da amostra do Paraná Outras Despesas 3,6% Pessoal Docente 61,0% Materal Permanente 3,3% Materal de Consumo 10,1% Pessoal Não Docente,0% 15 No contexto do ensno superor, Cruz, Daz e Luque (004) evdencam uma sére de economas de escala e de escopo verfcadas na Unversdade de São Paulo. Num contexto geral, este texto lustra a snerga exstente entre váras modaldades de ensno em uma mesma nsttução. 16 Os dados e o texto do estudo orgnal, feto pela Unversdade Federal do Paraná, podem ser obtdos no ste: (para a confecção deste trabalho, o acesso fo realzado em março de 006).

17 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 17 Dos comentáros devem ser fetos sobre a amostra do Paraná. O prmero é que, assm como no Ceará, para a amostra do Paraná mas de 80% da despesa méda é feta com pessoal. Além dsso, nota-se que o pessoal docente consume uma parcela muto semelhante da despesa total: 6.3% no Ceará e 61.0% no Paraná. O segundo ponto é que, dferentemente da subestmação conscente dos custos das escolas cearenses, os custos do Paraná foram levantados com a maor precsão possível. Isto é, os pesqusadores também contablzaram os custos pagos pelas entdades relaconadas às escolas, e não apenas os pagos com recursos da própra escola ou da Secretara de Educação (como fo o caso do Ceará). Este é um mportante fator para se esperar um custo-aluno maor no Paraná, além do fato de o Paraná ser um estado com mas recursos fnanceros e, conseqüentemente, com mas recursos para se aplcar em educação. Ao consderar o custo total em 003 dvddo pelo número de matrículas, chega-se ao custo-aluno (custo médo). Para a amostra do Paraná, a Fgura 6 apresenta um gráfco da dspersão entre as observações tomando as duas varáves. Fgura 6 - Dspersão entre o custo-aluno (custo médo) e o número de matrículas Paraná Custo-aluno (R$/Aluno) Número de Matrículas (Y) Dferentemente do caso do Ceará, o gráfco de entre o custo-aluno e o número de matrículas no Paraná não apresenta um claro formato de U (conforme a teora econômca). Todava, o gráfco mostra claramente que o custo médo é reduzdo à medda que se aumenta a escala.

18 18 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 Os dados do Paraná também podem ser controlados pela localzação da escola (Rural e Urbana), pelo tpo de ensno (fundamental, médo ou médo e fundamental) e pela rede de ensno (estadual, muncpal e federal). A Tabela 3 apresenta a méda do custo-aluno da amostra segundo esses controles. Tabela 3 Méda do custo-aluno da amostra do Paraná (R$/Aluno 003) Tpo e Rede Rural Urbana Todo o Muncpal Estadual Muncpal Federal Estado Estado F 1.788,84.760,99.368, ,5.391, M , , ,56 M&F - 814, ,10 814,10 Todos 1.788, , ,56.106,08.081,68 Obs.: F são escolas de nível fundamental, M de nível médo e M&F de níves médo e fundamental. Uma observação nteressante a ser feta aqu é a segunte: o custo-aluno médo da amostra do Paraná fo de R$.081,68 (em 003), e da amostra do Ceará fo de R$ 646,69 (em 004). Abstrando-se do fato de os custos para o Ceará estarem subestmados, pode-se dzer, grosseramente, que o Paraná nveste cerca de três vezes o que o Ceará nveste. Obvamente, o montante de gastos não são um bom ndcador de ensno de qualdade, devendo-se evtar maores conclusões a respeto. Segundo a estratéga de estmar a curva de custo médo da escola representatva, testaram-se as dferenças de méda da varável dependente a partr dos controles. Neste processo apenas a dferença de méda entre as escolas de ensno médo e fundamental e as outras categoras de ensno se mostrou sgnfcante. Todava, o valor da estatístca t, neste caso fo de 1.81, e o valor crítco fo de 1.80 (com sgnfcânca de 0.10). No entanto, dado o pequeno número de observações, optou-se por não utlzar este controle na análse de regressão. Com base na dscussão teórca da seção II, a estratéga de estmação da curva de custo-aluno (da escola representatva do Paraná) consderou a mesma forma funconal exposta em () (sem acréscmo de varáves de controle). O resultado é apresentado pela expressão (5) (as estatístcas t para os parâmetros estmados estão entre parênteses). Cˆ = 3, Y Y (6.9) (.95) (.14) (5)

19 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 19 As estatístcas do conjunto da regressão (5), para as 13 observações utlzadas, são: R = 0.548; Log-lkelhood = ; e estatístca F = O ajustamento da regressão aparenta boa qualdade, além de todos os snas dos parâmetros estmados estarem coerentes com o esperado e apresentarem sgnfcânca estatístca (com pelo menos 90% de confança). A estatístca do Teste de Whte (w) para os resultados expostos em (5) fo computada em 1.67, e o valor tabelado da χ com 3 graus de lberdade é 7.8, com sgnfcânca de Assm, aceta-se a hpótese de homocedastcdade. A estatístca do Teste de Ramsey (r) para os resultados expostos em (5) fo computada em 1.55 (para l=1) e o valor tabelado da respectva dstrbução F é 5.1, com sgnfcânca de Assm, se aceta a hpótese boa especfcação. Segundo a mesma lógca apresentada na expressão (4), conclu-se que o tamanho deal da escola paranaense é de aproxmadamente,03 alunos 17. Mas qual perfl de escola apresenta este tamanho deal? A Tabela 4 mostra a méda de matrículas das escolas da amostra, controlando por tpo e local. Tabela 4 Méda do número de matrículas da amostra do Paraná Tpo Rural Urbana e Rede Muncpal Estadual Muncpal Federal Estado Todo o Estado F M ,000 1,000 1,000 M&F - 1, ,671 1,671 Todos 517 1, , Obs.: F são escolas de nível fundamental, M de nível médo e M&F de níves médo e fundamental. Observa-se que as escolas de ensno médo e fundamental são as que mas se encaxam melhor no perfl (números sublnhados na Tabela 4). Assm como no caso do Ceará, magna-se que exstem economas de escopo ao se promover ensno médo e fundamental numa mesma escola. 17 Este número fo obtdo usando todas as casas decmas dos programas de computador. Consderando apenas os dígtos aqu apresentados o resultado sera de 1,836 matrículas.

20 0 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 5 TAMANHO DA ESCOLA E DESEMPENHO ESCOLAR Tendo encontrado estmatvas para o tamanho deal da escola, cabe agora perguntar: como este tamanho afetara a profcênca dos alunos? Exstra um trade-off entre tamanho deal para os custos e tamanho deal na ótca da qualdade? Exstra um tamanho deal de escola que maxmzasse a performance dos alunos? Na busca de respostas para estas questões, a lteratura consultada 18 apontou para o trabalho de Hanushek (1979), o qual relacona o desempenho escolar dos estudantes a três conjuntos de nsumos educaconas: ) o background famlar e as característcas cogntvas; ) as característcas da comundade onde o aluno está nserdo; e, ) as característcas físcas da escola e a ddátca dos professores. Consderando-se o últmo conjunto de nsumos, uma prmera déa que podera surgr é a de que o tamanho da escola podera afetar negatvamente a qualdade do ensno, o que prejudcara o desempenho escolar. Segundo esta lnha de pensamento, uma escola de maor porte apresentara problemas como uma menor atenção dos professores, fruto do aumento no número de alunos/turma. Sem dúvda que, tudo o mas constante, um menor número de alunos por turma é preferível a uma maor turma, já que permte aos professores dar maor atenção aos alunos. Por outro lado, segundo Hanushek (1998) a redução do número de alunos por turma pode ser uma dos nvestmentos educaconas menos efetvos. A lteratura também se refere ao chamado Relatóro Coleman, cujos resultados apontam que o background famlar podera explcar mas de ¾ da profcênca de um aluno 19. Assm, de acordo com as evdêncas da lteratura acerca da performance dos estudantes, o tamanho da turma parece não ser um ponto tão relevante. Verfca-se, portanto, que a dscussão sobre a qualdade do ensno não é algo trval, e conclusões sobre o que precsamente afeta a profcênca dos alunos podem varar muto dependendo do contexto analsado. O própro fato de se usar uma medda de profcênca para quantfcar a qualdade do ensno pode ser questonado. 18 Barros et. al. (001) e Felíco e Fernandes (005) são dos trabalhos que tratam do assunto no contexto braslero. 19 Ver, por exemplo, Hægeland et. al. (004).

21 IPECE/Texto para Dscussão nº 4 1 Os dados dsponíves neste trabalho possbltam algumas análses envolvendo tamanho e qualdade da escola. Além de custos e matrículas, a base de dados do Ceará para 004 dspõe das seguntes varáves: ) méda da relação alunos por turma na escola; e ) méda das notas dos alunos da escola em exames de profcênca 0 de português e matemátca, por nível educaconal (fundamental ou médo) 1, cuja aplcação é feta pelo governo estadual (a prncípo, a escola não pode vesar os resultados). Assm, para determnar se o tamanho da escola afeta a qualdade da escola, formularam-se as seguntes hpóteses para teste: Hpótese : Escola maor mplca mas alunos por sala de aula; Hpótese : Escola maor mplca menor profcênca méda por aluno; Hpótese : Custo-aluno maor mplca maor profcênca méda por aluno; Hpótese v: Custo-aluno maor mplca menos alunos por sala de aula. Para testar as hpóteses formuladas, refletndo as expectatvas sobre a relação entre custos, matrículas e profcênca, usou-se análse de regressão lnear (mínmos quadrados). Os resultados estmados são apresentados a segur. Para testar a Hpótese fo usada uma regressão do número de alunos por turma contra o número de alunos matrculados na escola (Y). Os resultados são apresentados em (6). aluno E turma = Y [6] (13.97) (.5) As estatístcas do conjunto da regressão (6), para as 9 observações utlzadas, são: R = 0.190; Log-lkelhood = ; e estatístca F = Como o parâmetro estmado para a varável do número de alunos matrculados é sgnfcante (com 95% de confança), se aceta a hpótese de que, na méda, escolas maores possuem mas alunos por turma. Para testar a Hpótese fo usada uma regressão da nota méda dos alunos (N, dos ensnos fundamental e médo) em exames de profcênca (português e 0 Este exame é o SPAECE (Sstema de Avalação da Educação do Ceará), uma prova únca elaborada por educadores e aplcada em todas as escolas públcas do Ceará, sua escala va de 0 a Méda das notas dos alunos do últmo ano de cada nível de ensno na escola (fundamental e médo).

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Variáveis dummy: especificações de modelos com parâmetros variáveis

Variáveis dummy: especificações de modelos com parâmetros variáveis Varáves dummy: especfcações de modelos com parâmetros varáves Fabríco Msso, Lucane Flores Jacob Curso de Cêncas Econômcas/Unversdade Estadual de Mato Grosso do Sul E-mal: fabrcomsso@gmal.com Departamento

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE

SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE SALÁRIO DE RESERVA E DURAÇÃO DO DESEMPREGO NO BRASIL: UMA ANÁLISE COM DADOS DA PESQUISA DE PADRÃO DE VIDA DO IBGE Vctor Hugo de Olvera José Ramundo Carvalho Resumo O objetvo do presente estudo é o de analsar

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira Índce de Oportundades da Educação Braslera Centro de Lderança Públca - CLP Produto 2 METAS 13 de agosto de 2015 Sumáro Sumáro... 2 1. Introdução... 4 O Sstema de Educação Básca no Brasl... 4 2. Especfcação

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 7 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR Cesar Augusto Taconel Curtba-PR . INTRODUÇÃO Taconel, C.A. Análse de Regressão Lnear Ao se tratar da relação

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasl, 1 a 4 de out de 003 Uso dos gráfcos de controle da regressão no processo de polução em uma nterseção snalzada Luz Delca Castllo Vllalobos

Leia mais

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil

A mobilidade ocupacional das trabalhadoras domésticas no Brasil A mobldade ocupaconal das trabalhadoras doméstcas no Brasl Resumo Kata Sato Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo Vargas EESP-FGV André Portela Souza Escola de Economa de São Paulo Fundação Getúlo

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS CCE DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Curso de Especalzação Lato Sensu em Estatístca ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS Professor: Dr. Waldr Medr medr@uel.br Londrna/Pr Março de 011 ÍNDICE

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Título: A Geografia do Voto no Brasil nas Eleições Municipais de 2008: Uma Análise Com Efeito Threshold.

Título: A Geografia do Voto no Brasil nas Eleições Municipais de 2008: Uma Análise Com Efeito Threshold. Título: A Geografa do Voto no Brasl nas Eleções Muncpas de 2008: Uma Análse Com Efeto Threshold. Pablo Urano de Carvalho Castelar Professor da Unversdade Federal do Ceará Campus Sobral e-mal: pcastelar@ufc.br

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Unversdade do Estado do Ro de Janero Insttuto de Matemátca e Estatístca Econometra Revsão de modelos de regressão lnear Prof. José Francsco Morera Pessanha professorjfmp@hotmal.com Regressão Objetvo: Estabelecer

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA*

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Artgos Prmavera 2007 EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Manuel Coutnho Perera** Sara Morera** 1. INTRODUÇÃO As classfcações obtdas pelos estudantes

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecapereira@gmail.

AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecapereira@gmail. AVALIAÇÃO DOS RETORNOS AOS INVESTIMENTOS EM EDUCAÇÃO PARA TRABALHADORES DO SEXO MASCULINO NO BRASIL vanessadafonsecaperera@gmal.com Apresentação Oral-Desenvolvmento Rural, Terrtoral e regonal VANESSA DA

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências

Governança Corporativa e Estrutura de Propriedade no Brasil: Causas e Conseqüências Governança Corporatva e Estrutura de Propredade no Brasl: Causas e Conseqüêncas Anaméla Borges Tannús Dam (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Pablo Rogers (UFU - Unversdade Federal de Uberlânda) Kárem

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade Modelo de dstrbução de recursos para o transporte escolar rural a partr dos prncípos da gualdade e da equdade Alan Rcardo da Slva 1 ; Yaeko Yamashta 2 Resumo: O transporte escolar rural consttu um mportante

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP º. Autor Patríca Lopes Rosado: Economsta, Mestre em Economa Rural e Doutoranda em Economa Aplcada pelo Departamento

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

AVALIAÇÃO DO VALOR DE IMÓVEIS POR ANALISE DE REGRESSÃO: UM ESTUDO DE CASO PARA A CIDADE DE JUIZ DE FORA. Túlio Alves Matta

AVALIAÇÃO DO VALOR DE IMÓVEIS POR ANALISE DE REGRESSÃO: UM ESTUDO DE CASO PARA A CIDADE DE JUIZ DE FORA. Túlio Alves Matta AVALIAÇÃO DO VALOR DE IMÓVEIS POR ANALISE DE REGRESSÃO: UM ESTUDO DE CASO PARA A CIDADE DE JUIZ DE FORA Túlo Alves Matta MONOGRAFIA SUBMETIDA À COORDENAÇÃO DE CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS

WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Unversdade Federal de Vçosa Departamento de Economa Rural WORKING PAPERS IN APPLIED ECONOMICS Efetos redstrbutvos e determnantes de recebmento do ICMS Ecológco pelos muncípos mneros Lucany L. Fernandes,

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira?

Decisão de Recompra de Ações: Intenção de Blindagem em Período de Turbulência Financeira? Decsão de Recompra de Ações: Intenção de Blndagem em Período de Turbulênca Fnancera? Resumo Autora: Llam Sanchez Carrete Este trabalho tem como objetvo avalar se o anúnco de programas de recompra de ações

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

Avaliação de imóveis: a importância dos vizinhos

Avaliação de imóveis: a importância dos vizinhos Avalação de móves: a mportânca dos vznhos no caso de Recfe* Rubens Alves Dantas André Matos Magalhães José Ramundo de Olvera Vergolno Resumo Tradconalmente, na avalação de móves, admte-se que as observações

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários

Programa de reforma agrária Cédula da Terra: medindo a eficiência dos beneficiários Programa de reforma agrára Cédula da Terra: medndo a efcênca dos benefcáros RESUMO Hldo Merelles de Souza Flho Mguel Rocha de Sousa Antôno Márco Buanan José Mara Slvera Marcelo Marques Magalhães Esse artgo

Leia mais

CURRICULUM VITAE - RESUMIDO

CURRICULUM VITAE - RESUMIDO A estatístca tem uma partculardade: pesqusamos para dzer algo sgnfcatvo sobre o unverso que elegemos, porém a pesqusa só será sgnfcatva se conhecermos sufcentemente o unverso para escolhermos adequadamente

Leia mais