Curso: Novas Perspectivas de Recuperação do Crédito Imobiliário Data: 14/2/2011 a 17/2/ horário: 18:00 às 22:00...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso: Novas Perspectivas de Recuperação do Crédito Imobiliário Data: 14/2/2011 a 17/2/2011 - horário: 18:00 às 22:00..."

Transcrição

1 Usuário, você está recebendo as novidades da ABECIP Quarta-Feira, 9 de Fevereiro de 2011 Curso: Novas Perspectivas de Recuperação do Crédito Imobiliário Data: 14/2/2011 a 17/2/ horário: 18:00 às 22:00... Home, sweet home (Valor Econômico pág D1 09/02/2011) Muito sol, belas palmeiras à beira das avenidas, praia com areias claras, condomínios luxuosos e o espanhol praticamente como língua oficial. Atraída pelo clima e paisagem da Flórida, a empresária carioca V.M. e seu marido tomaram uma decisão há cerca de seis meses: em vez de comprar uma casa de veraneio no Brasil, resolveram aproveitar os preços mais baixos dos imóveis da cidade de Boca Raton, nos EUA. A casa, de 130 m2, fica num condomínio com piscina, academia, lagos, banheira de hidromassagem e outros atrativos. Mas o melhor foi o preço: US$ 250 mil (o equivalente a R$ 420 mil). "Aqui está tudo muito caro", diz. "E esse é um imóvel que já chegou a valer US$ 370 mil", conta a empresária. A casa estava no processo chamado de "foreclosure", equivalente ao nosso despejo. Nesses casos, o proprietário não consegue pagar o imóvel e, para não entregá-lo ao banco, vende-o para um terceiro com um bom desconto. O condomínio que o casal paga na casa de lá é de US$ 300,00, ou R$ 503. "Aqui, no meu apartamento na Barra, pago R$ 1.600,00." A combinação real forte e imóveis ainda com preços baixos tem sustentado o interesse de muitos brasileiros por comprar uma casa ou apartamento nos Estados Unidos. Muitos têm optado, inclusive, por vender suas casas de veraneio aqui e buscar outra lá. O destino mais procurado é a Flórida, com suas lindas praias e famosos centros de compras, além, é claro, dos imensos parques de diversão, como a Disney. E a preferência dos brasileiros recai sobre Miami e Miami Beach. Normalmente, a procura é por casas ou apartamentos com valor médio de US$ 300 mil a US$ 400 mil, conta Aloysio Vasconcellos, presidente da Westchester Financial Group, consultoria americana que atua nas áreas de proteção de ativos, planejamento sucessório e tributário internacional. Ele, que fica nos Estados Unidos, conta que, por esse valor, é possível comprar uma casa de três dormitórios em um bom condomínio. Dados da National Association of Realtors (NAR) mostram que, em Miami, 80% das propriedades vendidas atualmente são para estrangeiros. "E, desse percentual, pode-se dizer que metade é formada por brasileiros", afirma Cristiano Piquet, dono da Piquet Realty, especializada em representar e assessorar brasileiros que querem comprar imóveis em Miami. Segundo o relatório da NAR, a Flórida é de longe a região mais popular entre os compradores estrangeiros, com 22% das vendas. Em seguida aparece a Califórnia, com 12%, e Arizona, com 11%. O Texas tem 7%. No cômputo geral de imóveis vendidos nos Estados Unidos, os canadenses são maioria entre os compradores, com 23%, seguidos pelos mexicanos, com 10%. Os brasileiros e argentinos juntos representam 2% das aquisições no país. Vários brasileiros estão fazendo de Miami a sua primeira opção para uma casa na praia, conta Piquet, sobrinho do tricampeão de Fórmula 1 Nelson Piquet. "Muitos estão vendendo imóveis no litoral paulista ou mesmo em Angra dos Reis e procurando algo por aqui", diz. "Com a facilidade dos voos diretos, em sete horas os brasileiros já estão em Miami." Alguns especialistas acreditam que o momento pode ser interessante para investir em imóveis nos Estados Unidos, pois são maiores as chances de a economia americana se recuperar mais rápido do que o inicialmente estimado e, com isso, os preços de casas e apartamentos subirem. De acordo com o executivo da Piquet Realty, na crise, os preços dos imóveis chegaram a cair 50%. Depois, o mercado reagiu um pouco, com uma alta de 10%. "Os indicadores mostram que os valores caíram entre 2008 e 2010, mas ainda no fim do ano passado começaram a se estabilizar", diz. "Agora, a tendência é de alta." Segundo Piquet, é possível encontrar apartamentos de dois ou três dormitórios, na praia, em prédios novos com preços entre US$ 450 mil e US$ 500 mil.

2 Os números mostram que preços dos imóveis dos estados mais atingidos pela crise nos EUA - Flórida, Nevada e Arizona - realmente ainda não se recuperaram em relação aos valores de antes da crise, quando o mercado estava superaquecido. Em Miami, por exemplo, os preços dos imóveis ainda estão 50% abaixo do pico de "Os preços no mercado imobiliário de Miami ainda devem continuar estáveis por mais dois anos", afirma Marco Fonseca, presidente de relações para o Brasil da NAR e corretor de imóveis. Com o dólar desvalorizado e o aumento dos preços dos imóveis no Brasil, cresceu a procura de brasileiros por propriedades em Miami tanto para investimento como para segunda residência. Além de Miami Beach e Miami, são muito procurados também os imóveis de veraneio em Sunny Isles e Bal Harbour. Um apartamento no edifício Trump Towers, por exemplo, em Sunny Isles, de dois quartos e dois banheiros e área de 155 m2 a 160 m2, estava à venda por um valor a partir de US$ 570 mil. "Pelo preço que esses apartamentos estão sendo vendidos, não era possível nem reconstruir o edifício", diz Fonseca. Muitos também estão aproveitando os preços em baixa para comprar imóveis para investimento. Residências em regiões centrais valorizadas, próximasàs escolas mais disputadas, com cerca de 100 m2 estão sendo vendidas a partir de US$ 130 mil a US$ 150 mil. Já o mesmo imóvel nas áreas próximas às praias pode ser encontrado a partir de US$ 200 mil a US$ 235 mil. "Os brasileiros têm preferido comprar apartamentos por ser mais fácil a manutenção", afirma Fonseca. Há casos de brasileiros que compram mais de um imóvel com o objetivo de alugar, mas a maioria é para uso próprio, afirma Vasconcellos, da Westchester. Para os animados em comprar uma casa lá fora, no entanto, é preciso ficar atento: diferentemente do que ocorre no Brasil quando se aluga um apartamento, o pagamento do condomínio é de responsabilidade do proprietário, assim como do IPTU e de outros encargos. E, no caso de um de apartamento de US$ 150 mil, isso pode representar um custo de US$ 550 a US$ 600 por mês, estima Fonseca, da NRA. Na aquisição, é preciso ser bem assessorado e, como todo imóvel, o proprietário tem de se preocupar com a manutenção. "Alguns edifícios dispõem de equipe que cuida do imóvel, mas não são todos", ressalta Vasconcellos. Por isso, a grande maioria dos que compram imóveis nos Estados Unidos acaba contratando uma empresa para administrar o bem. Isso representa de 8% a 10% sobre o aluguel cobrado pelo proprietário ou um valor estipulado para aqueles que não pretendem locar. Além da preocupação com o condomínio e manutenção, é necessário também avaliar a parte jurídica americana e brasileira. Caso a compra seja feita em nome da pessoa física, em caso de morte, o imposto de sucessão é de até 47% do valor de mercado do imóvel, explica Roberto Justo, sócio do escritório Choaib Paiva e Justo Advogados. Comprar imóvel em nome de empresa é mais vantajoso (Valor Econômico pág D2 09/02/2011) Comprar um imóvel no exterior é perfeitamente legal, segundo a legislação brasileira. A operação é feita por escritórios especializados, que cuidam da remessa dos dólares para o pagamento. Ao adquirir um imóvel no exterior, no entanto, o investidor brasileiro deve estar atento também às regras de tributação daqui e do exterior. Nem sempre os recursos desembolsados com impostos lá fora podem ser compensados no Brasil, ressalta Roberto Justo, sócio do Choaib Paiva e Justo Advogados. Por isso, a maioria dos brasileiros é orientado a adquirir o bem em nome de uma pessoa jurídica. Isso porque a compra em nome da pessoa física leva ao pagamento de imposto de sucessão em caso de morte do proprietário. E esse tributo é bem salgado: de até 47% do valor de mercado do imóvel. A maioria opta por abrir uma empresa no exterior e fazer a aquisição em nome dela. A pessoa cria uma companhia num paraíso fiscal e, em seguida, monta uma LLC nos EUA, um tipo de empresa considerada transparente para a legislação americana. "É essa empresa que comprará o imóvel e, como uma empresa não morre, não há imposto sobre sucessão", diz Justo, ressaltando que o investidor deve fazer um seguro lá fora, com valor limitado ao capital da empresa. "Se houver um vazamento no seu apartamento e molhar uma obra de arte do vizinho, você estará coberto." Quem compra o imóvel no nome de uma pessoa jurídica deve declarar apenas a empresa que possui. Se, mais tarde, a casa for vendida, o imposto de renda pago nos EUA sobre ganho de capital será de 20%. Na hora de fazer a declaração de imposto de renda, a pessoa deve declarar o bem usando o valor em reais. Por exemplo: alguém compra um imóvel no valor de US$ 1 milhão e, naquele dia, o dólar estava a R$ 1,60. Deve-se, então, colocar na discriminação a compra da casa o valor do dólar na ocasião, totalizando R$ 1,6 milhão. "E não se deve alterar mais", diz Justo. "Quando vender, deve recolher 15% de imposto de renda no Brasil, considerando a variação cambial." Se a pessoa comprou uma casa nos EUA por US$ 1 milhão e vendeu-a também por US$ 1 milhão, não há ganho de capital. Portanto, não tem de pagar imposto no exterior. Mas se,

3 nesse mesmo caso, o dólar no momento da compra estava em R$ 1,60 e, na venda, a R$ 2,00, haverá uma diferença de R$ 400 mil e o contribuinte terá de pagar 15% sobre esse valor para o fisco brasileiro. É preciso também fazer a Declaração de Capitais Brasileiros no Exterior no Banco Central (BC). A obrigação deve ser cumprida até 28 de fevereiro por toda pessoa física ou jurídica residente no país que tinha ativos de valor igual ou superior a US$ 100 mil no exterior, no dia 31 de dezembro do ano anterior. NOTICIÁRIO DE IMPRENSA NACIONAL Compulsório bancário dobra e vai a R$ 400 bi (Valor Econômico pág C14 09/02/2011) A eficácia do aperto monetário deflagrado pelo Banco Central (BC) em dezembro poderá ser melhor avaliada amanhã, quando o diretor de Política Econômica, Carlos Hamilton Araújo, divulgar o Boletim Regional da instituição. A apresentação do documento, focado em dados e indicadores regionais, atualizará informações sobre operações de crédito a nível nacional. Novos dados sobre o crédito, possivelmente fechando o mês de janeiro, poderão quantificar os efeitos do aumento de requisição de capital imposto aos bancos para operações junto a pessoas físicas com prazo superior a 24 meses. Essa medida foi anunciada no início de dezembro, quando o BC também elevou as alíquotas de recolhimento compulsório bancário que está chegando a um novo patamar. Falta pouco para que a soma dos recursos mantidos pelas instituições no BC alcance R$ 400 bilhões. Esse saldo é praticamente o dobro do total registrado no final de Dois meses antes, portanto, de o BC avançar na reversão das medidas adotadas após a crise financeira global de 2008 e que foram responsáveis pela liberação de aproximadamente R$ 100 bilhões que ajudaram a evitar o estrangulamento do crédito no país em reais. Uma ideia do efeito contracionista do compulsório ampliado é dada pela evolução dos depósitos, num ritmo bastante inferior ao do saldo dos compulsórios. De dezembro de 2009 a dezembro de 2010, os depósitos à vista nos bancos cresceram 9,4%; os depósitos a prazo, 14,3%; e os depósitos em poupança, 18,5%. Há um ano, o BC iniciou o processo de recomposição das alíquotas dos compulsórios. Em junho passado, o BC compatibilizou o compulsório sobre depósitos à vista às regras de direcionamento do crédito rural. Ao estabelecer a redução gradual dos recursos direcionados ao crédito rural, o BC definiu um cronograma de elevação das alíquotas de recolhimento sobre depósitos à vista. A alíquota que passou de 42% para 43% em julho do ano passado, subirá a 44% em julho de 2012 e a 45% em julho de Essa programação foi definida há meses. Mas agora o mercado reflete sobre a possibilidade de o BC promover novos ajustes nos compulsórios, como uma forma de restringir ainda mais a disponibilidade de dinheiro em circulação e, por tabela, desaquecer o consumo. Tudo isso, mirando a convergência da inflação para o centro da meta. (Ler mais sobre expectativas na coluna Por Dentro do Mercado na página C2) José Francisco de Lima Gonçalves, professor da FEA/USP e economista-chefe do Banco Fator, não vê, de pronto, novos ajustes nos compulsórios. "Em tese, o requerimento de capital [para o crédito de longo prazo para pessoas físicas] é mais eficaz porque mexe direto no capital do acionista. Isso significa, na veia, alteração na relação retorno sobre o patrimônio das instituições financeiras. Aquelas que não pretendem ampliar o capital tendem a reduzir os prazos das operações. Dessa forma esfriando o crédito que é o grande objetivo do BC, quando busca a convergência da inflação para a meta. É difícil quantificar o impacto do requerimento de capital, mas é possível afirmar que a combinação de maior compulsório com maior requerimento de capital leva à seguinte equação: mais dinheiro saiu do mercado de um lado e, de outro, mais dinheiro deixou de entrar no mercado, com os bancos diminuindo o poder multiplicador das operações", explica. De novembro para dezembro do ano passado, o compulsório bancário total cresceu quase R$ 82 bilhões e atingiu R$ 395,28 bilhões. No final de janeiro, o saldo era bem semelhante, de R$ 395,37 bilhões. Mas durante o mês esse montante chegou a superar R$ 414 bilhões. Do final de novembro para cá, a taxa Selic subiu 0,50 ponto percentual, para 11,25% ao ano. A intensidade da atuação do Comitê de Política Monetária (Copom) nas próximas reuniões - a partir de março, porque em fevereiro o comitê não se reúne - dependerá da combinação de recolhimento compulsório maior e requerimento também maior de capital para o crédito mais longo e, adicionalmente, do corte no Orçamento esperado pelo mercado para os próximos dias - expectativa que já está fazendo preço no mercado futuro de juros, incentivando uma redução de prêmios na BM&F. Os dados parciais das operações de crédito dos primeiros 12 dias de janeiro, divulgados no final do mês passado pelo BC, já mostravam queda de 8% na média diária das concessões para a

4 parcela do crédito livre usado como referencial para a taxa de juros. As liberações para o consumo recuaram 3,5%, enquanto para as empresas a retração atingiu 11,3%, sendo que, nesse caso, a queda típica de início de ano foi mais forte. Outra consequência direta das medidas do BC foi a elevação dos juros. A taxa total subiu 2,9 pontos percentuais. Para o consumo, houve avanço de 4,5 pontos percentuais e, para o crédito produtivo, 1,5 ponto no crédito livre. Em pouco mais de um mês, desde o anúncio das medidas macroprudenciais pelo BC em dezembro até meados de janeiro, a indicação era de que a média das concessões de crédito para aquisição de veículos caiu pela metade, passando de R$ 600 milhões ao dia para R$ 300 milhões - excluindo operações contratadas pelos bancos das montadoras. No mesmo período, o juro para a aquisição de veículos aumentou consideravelmente, de 23% para 27% ao ano. Os prazos das transações encolheram sensivelmente. Mais de 15%, recuando de dias, ou 3,6 anos, para dias, ou cerca de 3 anos. O custo de captação dos bancos também teve alta significativa do final de novembro até a segunda-feira desta semana. O juro pago no CDI over passou de 10,64% para 11,14%; o juro do CDB prefixado de 30 dias passou de 10,66% para 11,14% ao ano também; e do CDB pré de 60 dias, de 10,80% para 11,40% ao ano. CVM muda prazo para pedido de termo de compromisso (Valor Econômico pág D4 09/02/2011) A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) alterou as regras para que acusados em processos administrativos fechem acordos com a autarquia e evitem que o caso vá a julgamento. Passa a ser permitido, em casos excepcionais, pedir um termo de compromisso fora do prazo estabelecido, de até 60 dias após a acusação. Além disso, a CVM desistiu de unificar os prazos para a apresentação da defesa e do termo de compromisso, conforme proposta que foi levada pela autarquia à audiência pública. Atualmente, após a abertura de um processo, o acusado tem 30 dias para apresentar sua defesa e, passado esse prazo, tem mais um mês para propor um termo de compromisso. De acordo com o superintendente-geral da CVM, Roberto Tadeu Antunes Fernandes, a lei que criou o termo de compromisso, de número 6.385, estabelece que o acordo pode ser oferecido a qualquer tempo do processo, ou seja, até a sessão de julgamento. "Mas como é de interesse dos dois lados que o processo se encerre o mais rapidamente possível, a CVM pediu que fosse feita a apresentação da proposta no início da defesa. Em 99% dos casos, os proponentes apresentam a proposta nessa fase. A nova regra é para a exceção", disse. O novo texto da CVM estabelece que, fora do prazo pré-determinado, serão aceitos apenas pedidos de acordo nos casos em que houver algum interesse público, isto é, em que houver outras pessoas que tenham sido lesadas, que precisem ser indenizadas, ou em questões que envolvam várias pessoas em um mesmo episódio. "Há casos em que o termo de compromisso não causa lesão a ninguém. Num caso desses, se o colegiado receber o pedido de acordo após o período de defesa, não vai aceitar", explicou. Sobre a audiência pública que tentava unificar os prazos para a defesa e o acordo em apenas 30 dias, a CVM decidiu não alterar as regras que já estão em vigor por acreditar que a economia de tempo em um primeiro momento poderia levar a um gasto maior no final. Segundo Antunes, percebeu-se que essa mudança criava o risco de perda na qualidade das propostas apresentadas para termos de compromisso. Quando um acusado oferece um acordo, ele pode ser aceito de cara, recusado ou levado a negociação. Nesse caso, a CVM tem de 10 a 15 dias para ofertar uma contraproposta. "Percebemos que havia o risco de ganhar tempo no início, mas depois acabaríamos precisando de mais tempo na análise e na negociação das propostas se não fossem bem feitas", disse. Investimentos: Aplicações de alta renda somaram R$ 370 bi em 2010 (Folha de S.Paulo 09/02/2011)

5 DE SÃO PAULO - Investidores de alta renda (pelo menos R$ 1 milhão para aplicar) movimentaram no Brasil R$ 370 bilhões em aplicações em 2010, segundo a Anbima, que representa a indústria de gestores de investimentos. A cifra é 23% superior ao valor de Cerca de 50% desse montante foi aplicado diretamente em títulos de renda fixa e variável (como ações), e 44%, em fundos de investimentos. Uma fatia de R$ 2,4 bilhões dos recursos movimentados em 2010 foi deixada na caderneta de poupança. A clientela de "private banking" -com mais de R$ 1 milhão para aplicar- cresceu de cerca de 57 mil em 2009 para no ano passado, segundo a associação. Setor de private banking cresce 23% em 2010 (Valor Econômico pág D2 09/02/2011) O setor de private banking, área dos bancos voltada para o atendimento de clientes milionários, encerrou o ano passado com R$ 371,2 bilhões em ativos sob gestão. Isso representa um crescimento de 23% em relação ao ano anterior, segundo levantamento da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Cabe lembrar que esse valor inclui a rentabilidade dos ativos sob gestão no período. O avanço do patrimônio gerido pelo setor foi reflexo do aumento do número de clientes, que passou de 57 mil em 2009 para pouco mais de 63 mil. A Anbima considera como private aqueles investidores com aplicação mínima de R$ 1 milhão, embora muitas instituições financeiras já exijam valores superiores, como R$ 3 milhões ou até R$ 5 milhões. De acordo com Celso Portásio, presidente do comitê de private banking da Anbima, o aumento da riqueza está ligado ao crescimento da economia e, principalmente, à forte entrada de recursos externos e à elevação da liquidez por meio de operações realizadas no mercado de capitais. "Aqui no Brasil, IPOs (ofertas iniciais de ações, na sigla em inglês), fusões e aquisições acabam gerando uma riqueza na economia e isso amplia a base de clientes private", explica Portásio. Para este ano, que começou com grande número de ofertas públicas de ações, a previsão da entidade é de que a taxa de crescimento continue na casa de dois dígitos. Portásio estima que o mercado potencial de clientes private no país seja de cerca de 150 mil investidores. Ele acredita que um crescimento mais moderado da economia do país em 2011 não atrapalhará o ritmo de expansão desse setor. "O Brasil continua sendo um pólo muito atraente para o capital estrangeiro entre os emergentes", avalia. Do total de ativos sob gestão, os fundos de investimento são a opção preferida desses investidores milionários, respondendo por 43,7% do volume. Em seguida, estão os ativos de renda fixa (32%) e renda variável (18,4%). Os outros 6% estão direcionados para poupança e previdência aberta. Na análise por categoria, o destaque fica por conta dos fundos multimercado, com 50,7% de participação. Isso mostra que o apetite desses investidores por risco é maior do que o da média do mercado, já que, no setor como um todo, esses fundos - que aplicam em ações, renda fixa, câmbio e derivativos - representam apenas 28%. Grande parte dos clientes ainda estão concentrados em São Paulo (55%), mas o Estado do Rio de Janeiro registrou aumento de 28% em recursos sob gestão no último ano, conquistando uma participação de 18%. O volume de crédito concedido pelas instituições financeiras aos clientes private somou R$ 4,3 bilhões, um avanço de 25% em relação ao ano anterior. Os créditos estão concentrados na modalidade fiança, que corresponde a R$ 2,3 bilhões. "Quem acha que esses clientes não precisam de crédito precisa entender que não é bem assim", afirma Portásio. "Na maior parte das vezes, o crédito é utilizado para alavancar alguma operação", acrescenta. Para acompanhar o crescimento do setor de private banking, foram contratados 234 profissionais no ano passado, totalizando empregados. Do total dos "bankers" - aqueles que se relacionam diretamente com os investidores - 22% possuem certificação. A meta da Anbima é que pelo menos metade tenha o CFP (Certified Financial Planner) até NOTICIÁRIO DE IMPRENSA REGIONAL Caixa ultrapassa os R$ 2 bi em depósitos

6 (Todo Dia 09/02/2011) A Superintendência Regional da Caixa Econômica Federal em Campinas encerrou janeiro de 2011 com a marca de R$ 2,18 bilhões em saldo de poupança (estoque total), valor 17% maior que o registrado no mesmo período de 2010 (R$ 1,86 bilhão). O volume do mês passado representou a 1,7% de todo o saldo nacional em poupança da Caixa. A captação líquida (diferença entre depósitos e saques) da poupança regional da instituição ficou em R$ 17 milhões em janeiro de 2011, volume 40% maior que o de 2010, quando foram contabilizados R$ 12,1 milhões. A Superintendência Regional da CEF atende os municípios da RMC (Região Metropolitana de Campinas), com exceção de Itatiba, e mais as cidades de Elias Fausto, Capivari, Mombuca, Rafard e Rio das Pedras. No mês passado, pessoas procuraram por uma agência da Caixa na região de Campinas para abrir um conta poupança ante os moradores que buscaram pelo mesmo serviço na instituição financeira no mesmo período de A Caixa conta hoje contas ativas, 5,3% a mais que em janeiro do ano passado, quando registrou poupanças. "Os números são muito bons na nossa região. Dão uma média de 10 contas sendo abertas, por dia, por agência, cerca de 300 contas/dia, em janeiro, na RMC. Atribuo este crescimento na captação em janeiro a melhora de índices de emprego e renda da nossa região", disse a gerente regional Cecília Helena Bomfim, por meio de assessoria de imprensa. Cecília lembrou que os recursos da poupança formam o funding (consolidação financeira das dívidas de curto prazo num prazo adequado à maturação do investimento e sua amortização) para habitação, por isso a importância desse tipo de investimento. "Existem outras facilidades no dia-a-dia que agregam valor a caderneta de poupança. Por exemplo, o trabalhador pode ter o crédito do rendimento do PIS (Programa de Integração Social) feito numa conta poupança, sem precisa aguardar calendário ou precisar se dirigir a uma agência ou casa lotérica. Secovi-SP analisa novos valores dos financiamentos (DCI 09/02/2011) SÃO PAULO - O Conselho Curador do FGTS decidiu na quarta-feira passada, dia 2, ampliar para até R$ 170 mil o valor dos financiamentos imobiliários com recursos do FGTS para famílias de baixa renda, que integram o programa "Minha Casa, Minha Vida". Porém, a renda familiar máxima para enquadramento nos financiamentos continua em R$ 4,9 mil para regiões metropolitanas e municípios com população igual ou superior a 250 mil habitantes, e R$ 3,9 mil para as demais regiões. O novo teto atenderá as regiões metropolitanas dos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Nas demais capitais e municípios com mais de um milhão de habitantes o valor passa a até R$ 150 mil; nos municípios com mais de 250 mil habitantes ou inseridos em regiões metropolitanas passa para R$ 130 mil; naqueles com mais de 50 mil habitantes será de R$ 100 mil; e R$ 80 mil para as demais cidades do País. Na avaliação de João Crestana, presidente do Sindicato da Habitação (Secovi-SP), a resolução atende parcialmente os pleitos dos empresários do setor, que há meses negociam algumas mudanças estruturais no programa Minha Casa, Minha Vida. "É muito positiva essa readequação, mas esperávamos um significativo realinhamento das rendas das famílias, que permanecerão as mesmas", comentou. Segundo Crestana, tanto empresários e bancos quanto governo acompanharão o comportamento do mercado com essas alterações, através deste reajuste as famílias terão mais unidades disponíveis para a venda no mercado. A resolução do Conselho entra em vigor a partir da sua publicação, quando a Caixa começa a operar com os novos valores. POUPANÇA Poupança diária

7 Clique aqui para visualizar o saldo diário CURSOS Inscrições abertas para o curso: Matemática Financeira Aplicada ao Financiamento Imobiliário Dias: 21/2/2011 e 24/2/2011 Horário: 18:00 à 22:00 [+] Inscreva-se Inscrições abertas para o curso: Novas Perspectivas de Recuperação do Crédito Imobiliário Dias: 14/2/2011 e 17/2/2011 Horário: 18:00 à 22:00 [+] Inscreva-se TODOS OS DIREITOS RESERVADOS ABECIP - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS ENTIDADES DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO E POUPANÇA Av. Brigadeiro Faria Lima, 1485, 13º andar Torre Norte Cep São Paulo SP (011)

Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: 01 Assunto: Retorno imobiliário

Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: 01 Assunto: Retorno imobiliário Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: 01 Assunto: Retorno imobiliário Veículo: Valor Econômico Data: 11/05/2015 Seção: Finanças Pág.: http://zip.net/bfrdry Assunto: Retorno imobiliário

Leia mais

Private Banking. Segmento private cresce 9,5% e atinge R$ 577,2 bilhões. Destaque do Mês. Evolução das aplicações em Títulos Privados (R$ Bilhões)

Private Banking. Segmento private cresce 9,5% e atinge R$ 577,2 bilhões. Destaque do Mês. Evolução das aplicações em Títulos Privados (R$ Bilhões) Private Banking Ano IV Nº 5 Fevereiro/214 Segmento private cresce 9,5% e atinge R$ 577,2 bilhões Em 213, o patrimônio do segmento de Private Banking atingiu R$ 577,2 bilhões, volume 9,5% superior ao de

Leia mais

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar.

Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. FUNDO REFERENCIADO DI Os fundos referenciados identificam em seu nome o indicador de desempenho que sua carteira tem por objetivo acompanhar. Para tal, investem no mínimo 80% em títulos públicos federais

Leia mais

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros!

Consórcio. Imobiliário. na prática. Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! Consórcio Imobiliário na prática Por que o consórcio é muito mais interessante do que o financiamento? Livre-se dos Juros! 1 Sobre a empresa A A+ Consórcios iniciou suas atividades com o objetivo de gerir

Leia mais

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA

5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA 5 ECONOMIA MONETÁRIA E FINANCEIRA Os sinais de redução de riscos inflacionários já haviam sido descritos na última Carta de Conjuntura, o que fez com que o Comitê de Política Monetária (Copom) decidisse

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação

Semana Nacional de Educação Financeira Tema. Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Tema Opções de investimentos em um cenário de juros em elevação Apresentação JOCELI DA SILVA SILVA Analista Administrativo/Gestão Pública Lotado na Assessoria de Coordenação 3ª CCR Especialização UNB Clube

Leia mais

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras

Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veículo: Estadão Data: 26.11.13 Com tendência de alta do juro, renda fixa volta a brilhar nas carteiras Veja qual produto é mais adequado ao seu bolso: até R$ 10 mil, de R$ 10 mil a R$ 100 mil e acima

Leia mais

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID

A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil. Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A Indústria de Fundos de Investimento no Brasil Luiz Calado Gerente de Certificação da ANBID A ANBID A ANBID Associação Nacional dos Bancos de Investimentos Criada em 1967, é a maior representante das

Leia mais

Copom. seu dinheiro #136. Poupança perde em rentabilidade para fundos de investimento. Copa paralela Ingressos no mercado negro custam fortunas

Copom. seu dinheiro #136. Poupança perde em rentabilidade para fundos de investimento. Copa paralela Ingressos no mercado negro custam fortunas #136 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Efeito Copom Poupança perde em rentabilidade para fundos de investimento oferecimento: Em dia com o Leão Procura é recorde por software do IR. Saiba

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte:

Conhecimentos Bancários. Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos 2ª parte: Conhecimentos Bancários Item 2.1.4- Fundos de Investimentos: São condomínios, que reúnem aplicações de vários indivíduos para investimento

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP Ritmo da atividade econômica e mudança nas regras da poupança Grupo de Economia / Fundap Introdução A frustração com o ritmo de crescimento da economia brasileira é evidente. A produção industrial permaneceu,

Leia mais

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Página 1 de 5 Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Associações pedem à CVM que seja menos rigorosa em norma que deve aumentar limite para que investidores

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

Private Banking. Volume de ativos sob gestão no segmento Private atinge R$ 527 bi. Destaque do Ano. Private Banking no Brasil - Dez/12

Private Banking. Volume de ativos sob gestão no segmento Private atinge R$ 527 bi. Destaque do Ano. Private Banking no Brasil - Dez/12 Private Banking Boletim Ano III Nº 4 Fevereiro/212 Volume de ativos sob gestão no segmento Private atinge R$ 527 bi Private Banking no Brasil - Dez/12 POSIÇÃO DE AuM R$ 527,3 bi Var % no Ano 21,4% FUNDOS

Leia mais

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015

Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015. Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 Os fatos atropelam os prognósticos. O difícil ano de 2015 Reunião CIC FIEMG Econ. Ieda Vasconcelos Fevereiro/2015 O cenário econômico nacional em 2014 A inflação foi superior ao centro da meta pelo quinto

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julho 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking

Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Cleber Rentroia MBA em Finanças e Banking 1. Quando o IPCA tende a subir além das metas de inflação, qual medida deve ser tomada pelo COPOM: a) Abaixar o compulsório b) Reduzir taxa do redesconto c) Aumentar o crédito d) Elevar a taxa de juros

Leia mais

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar

ponto Frio Ponto Frio (GLOB3 e GLOB4) faz parte do Grupo Pão de Açúcar desde 2009. Saiba qual é o futuro da empresa e se suas ações podem se valorizar pág. 08 DOUGLAS DUEK COMO AS EMPRESAS PODEM CHEGAR À BOLSA? pág. 12 TRENDS O QUE PODE ATRAPALHAR A BOLSA EM 2011 A REVISTA DO INVESTIDOR NA BOLSA ANO 3 MAR 11 #36 R$ 12,00 9 771982 835003 0 3 0 3 6 EXEMPLAR

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS

FUNDOS DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG S IMOBILIÁRIOS Luis Fellipe Maia Advogado Formado pela UFMG Sócio da Vivá Capital Membro do Conselho Diretor da Júnior Achievement/MG

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Aplicação de recursos

Aplicação de recursos Aplicação de recursos São 3 os pilares de qualquer investimento Segurança Liquidez Rentabilidade Volatilidade - mede o risco que um fundo ou um título apresenta - maior a volatilidade, maior o risco; Aplicação

Leia mais

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira

Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira Crise Financeira Internacional Atuação do governo brasileiro no fornecimento de liquidez em moeda estrangeira O agravamento da crise financeira internacional decorrente da falência do banco Lehman Brothers,

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Oper. Crédito do Sistema Financeiro Nacional (SFN) em julho/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,11 trilhões em julho/15, após alta de 0,3% no

Leia mais

Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos

Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos Riscos nas aplicações financeiras e os Fundos de Investimentos A premissa básica em investimentos afirma que não há retorno sem risco. A busca por um ganho em rentabilidade é sempre acompanhada por uma

Leia mais

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL?

EM PAUTA O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? O QUE É PRECISO FAZER PARA VIABILIZAR O ACESSO DE PEQUENAS & MÉDIAS EMPRESAS AO MERCADO DE CAPITAIS NO BRASIL? 8 REVISTA RI Setembro 2013 É o mercado de capitais brasileiro que precisa das pequenas e médias

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Julho 2015 CADERNETAS DE POUPANÇA E O FINANCIAMENTO IMOBILIÁRIO José Aguiar Superintendente Técnico da ABECIP Nos últimos meses, os depósitos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO

BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO BANCO DO BRASIL ESCRITURÁRIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS 1. O Sistema Financeiro Nacional (SFN) é constituído por todas as instituições financeiras públicas ou privadas existentes no país e seu órgão normativo

Leia mais

Versão atualizada em março de 2011

Versão atualizada em março de 2011 Versão atualizada em março de 2011 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano previdenciário,

Leia mais

Depósitos Compulsórios

Depósitos Compulsórios Diretoria de Política Econômica Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais Depósitos Compulsórios com informações até março de 2015 S é r i e Perguntas Mais Frequentes Depósitos

Leia mais

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013

Relatório de Estabilidade Financeira. Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Relatório de Estabilidade Financeira Banco Central do Brasil Setembro de 2013 Pontos abordados para o Sistema Bancário* Base: 1º semestre de 2013 Risco de liquidez Captações Risco de crédito Portabilidade

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013

Veja na tabela a seguir as performances de cada aplicação em setembro e no acumulado do ano. Desempenho em setembro. Ibovespa 4,84% -17,96% 30/09/2013 Veículo: Exame.com Os melhores e os piores investimentos de setembro Ibovespa fecha o mês com a maior alta, seguido pelos fundos de ações small caps; na renda fixa, a LTN, título do Tesouro prefixado,

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junho 2012 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015

Carteira Recomendada RENDA FIXA segunda-feira, 1 de junho de 2015 1. Alocação recomendada para Junho de 2015 Classe de Ativo Carteira Conservadora* Carteira Moderada* Carteira Agressiva* Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Curto Prazo Longo Prazo Pós-Fixado

Leia mais

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br

Juros Simples. www.siteadministravel.com.br Juros Simples Juros simples é o acréscimo percentual que normalmente é cobrado quando uma dívida não foi pago na data do vencimento. Financiamento de casa própria A casa própria é o sonho de muitas famílias,

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA. Junho CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS RELATÓRIO CEMEC MENSAL DE DESEMPENHO DA POUPANÇA FINANCEIRA Junho 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 2. Modelo

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro

CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA. Outubro CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS CEMEC CENTRO DE ESTUDOS DE MERCADO DE CAPITAIS INFORMATIVO CEMEC MENSAL - POUPANÇA FINANCEIRA Outubro 2011 ÍNDICE 1. Objetivo do Relatório... 3 1. Análise da Poupança

Leia mais

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras

Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Impactos do Plano Verão para as instituições financeiras Roberto Luis Troster* São Paulo, novembro de 2008 *Roberto Luis Troster é economista e doutor em economia pela USP Universidade de São Paulo e pósgraduado

Leia mais

Metodologia para envio de Estatísticas de Private

Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia Definição A atividade de Private Banking exerce um importante papel na distribuição de valores mobiliários, especialmente fundos de investimento,

Leia mais

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 1 NÚMERO 07 MAIO 2012 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 Considerações Iniciais A combinação juros, inflação e câmbio tem tomado maior tempo das análises e preocupações do governo

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional em fev/2015 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3,03 trilhões em fev/15, após alta de 0,5% no mês

Leia mais

Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP

Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP Filipe F. Pontual Diretor Executivo - ABECIP Fortaleza CE, Brasil 4 de outubro de 2013 Pauta Descolamento recente: Renda X Preço dos Imóveis Uma Breve História o Pré estabilização o Pós estabilização Crédito

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão

Introdução. PIB varia 0,4% em relação ao 1º trimestre e chega a R$ 1,10 trilhão 16 a 31 de agosto de 2012 As principais informações da economia mundial, brasileira e baiana Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia Diretoria de Indicadores e Estatísticas Coordenação

Leia mais

Indicadores da Semana

Indicadores da Semana Indicadores da Semana O saldo total das operações de crédito do Sistema Financeiro Nacional atingiu 54,5% do PIB, com aproximadamente 53% do total do saldo destinado a atividades econômicas. A carteira

Leia mais

Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento

Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento Veículo: Bebê.com.br Data: 03/02/10 Poupe pelo futuro do seu filho Especialistas ensinam como é possível arcar com as despesas escolares da criança sem causar grandes estragos no orçamento Assim que a

Leia mais

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo I Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2013, em cumprimento

Leia mais

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana

Dólar sem freios. seu dinheiro #100. Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana #100 seu dinheiro a sua revista de finanças pessoais Dólar sem freios Nem intervenções do BC têm sido capazes de deter a moeda americana Festa no exterior Brasileiros continuam gastando cada vez mais fora

Leia mais

Considerações Iniciais

Considerações Iniciais ANO 2 NÚMERO 6 ABRIL 212 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO RABELO Considerações Iniciais Neste primeiro trimestre de 212 a economia brasileira apresenta índices econômicos preocupantes

Leia mais

Aprenda a fazer uma pequena quantia de sua renda crescer

Aprenda a fazer uma pequena quantia de sua renda crescer Veículo: Diário do Comércio Data: 24/10/15 Aprenda a fazer uma pequena quantia de sua renda crescer Para obter um retorno próximo (ou superior) aos 14,25% da Selic, o investidor deve descobrir o prazo

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento

Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Sistema Financeiro e os Fundamentos para o Crescimento Henrique de Campos Meirelles Novembro de 20 1 Fundamentos macroeconômicos sólidos e medidas anti-crise 2 % a.a. Inflação na meta 8 6 metas cumpridas

Leia mais

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança?

Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança. 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Perguntas e Respostas Alteração no rendimento da caderneta de poupança Novas regras 1) Por que o governo decidiu mudar as regras da caderneta de poupança? Por ter parte de sua remuneração (chamada de adicional)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012

plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 plano Taesaprev Editada em fevereiro de 2012 Apresentação Ativo, rentabilidade, renda fixa, perfil de investimento... Se você tem o hábito de se informar sobre como anda o dinheiro investido no seu plano

Leia mais

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras

Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras Evolução Recente das Principais Aplicações Financeiras As principais modalidades de aplicação financeira disponíveis no mercado doméstico caderneta de poupança, fundos de investimento e depósitos a prazo

Leia mais

2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento

2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento 2º Panorama Anual da Indústria Brasileira de Fundos de Investimento Abril de 2007 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS 2º PANORAMA ANUAL DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Evolução dos fundos

Leia mais

Perfis de Investimento. GEBSA Prev

Perfis de Investimento. GEBSA Prev Perfis de Investimento GEBSA Prev 2 GEBSA-PREV INTRODUÇÃO Esta cartilha reúne as principais informações relacionadas aos Perfis de Investimento da GEBSA PREV e vai lhe ajudar a identificar alguns aspectos

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

Abertura de conta bancária nos Estados Unidos. Remessa de Divisas Brasil - Estados Unidos. Declaração de Imposto de Renda nos Estados Unidos

Abertura de conta bancária nos Estados Unidos. Remessa de Divisas Brasil - Estados Unidos. Declaração de Imposto de Renda nos Estados Unidos Manual do Comprador Abertura de conta bancária nos Estados Unidos É obrigatória a abertura de conta, caso haja interesse em comprar imóveis nos Estados Unidos. As principais vantagens em ter uma conta

Leia mais

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1

Sciesp. Clipping 17.06. A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 Sciesp Clipping 17.06 A s s e s s o r i a d e I m p r e n s a i m p r e n s a @ s c i e s p. c o m. b r ( 1 1 ) 3 8 8 9-5 8 9 9 Página 1 DESTAK FGTS amplia teto da renda para imóvel com juro menor Famílias

Leia mais

Princípios de Investimento

Princípios de Investimento Princípios de Investimento Rentabilidade Rentabilidade é o grau de rendimento proporcionado por um investimento pela valorização do capital ao longo do tempo. Liquidez Liquidez é a rapidez com que se consegue

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Risco nas Aplicações Financeiras e os Fundos de Investimento

Risco nas Aplicações Financeiras e os Fundos de Investimento Risco nas Aplicações Financeiras e os Fundos de Investimento Risco nas Aplicações Financeiras e os Fundos de Investimento Prof. William Eid Junior Professor Titular Coordenador do GV CEF Centro de Estudos

Leia mais

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA**

inflação de 2001. Supera a Meta 15 C ONJUNTURA FLÁVIA SANTOS DA SILVA* LUIZ ALBERTO PETITINGA** 15 C ONJUNTURA Inflação de 2001 Supera a Meta A inflação em 2001, medida pelo IPCA, atingiu o patamar de 7,67%, superando a meta de 6% estabelecida pelo Banco Central. Choques internos e externos à economia

Leia mais

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil Guia Declaração Imposto de Renda 2013 Investimentos Março de 2013 Brasil Guia de Declaração IR 2013 -Investimentos 2 O dia 30/04/2013 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2013

Leia mais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais

Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Fonte: O Globo Data: 16/09/2015 Seção: Economia Versão: Impresso (página 25) e Online Medidas anunciadas pelo governo afetam mercado imobiliário, cursinhos e servidores públicos federais Retomada de cobrança

Leia mais

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic

Mercado Financeiro e de Capitais. Taxas de juros reais e expectativas de mercado. Gráfico 3.1 Taxa over/selic III Mercado Financeiro e de Capitais Taxas de juros reais e expectativas de mercado A meta para a taxa Selic foi mantida durante o primeiro trimestre de 21 em 8,75% a.a. Em resposta a pressões inflacionárias

Leia mais

Operações Crédito do SFN

Operações Crédito do SFN Operações de Crédito do Sistema Financeiro Nacional Dez/14 e 2014 O crédito total do SFN incluindo as operações com recursos livres e direcionados somou R$ 3.022 bilhões em dezembro de 2014, após expansão

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

RENDA FIXA? Fuja do seu banco!

RENDA FIXA? Fuja do seu banco! RENDA FIXA? Fuja do seu banco! Janeiro 2014 COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? COMO INVESTIR EM RENDA FIXA! COMO FUNCIONA A RENDA FIXA? Renda Fixa = Emprestar Dinheiro Tipos de Investimentos em Renda Fixa: CDB

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DE FUNDOS IMOBILIÁRIOS NO BRASIL Valdery Albuquerque 2ª Conferência Internacional de Crédito Imobiliário De 17 a 19 de março de 2010 Índice 1. Conceitos e Características

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

INVESTIMENTOS CONSERVADORES

INVESTIMENTOS CONSERVADORES OS 4 INVESTIMENTOS CONSERVADORES QUE RENDEM MAIS QUE A POUPANÇA 2 Edição Olá, Investidor. Esse projeto foi criado por Bruno Lacerda e Rafael Cabral para te ajudar a alcançar mais rapidamente seus objetivos

Leia mais

HSBC Smart Juros Aproveite o atual cenário de queda de juros e diversifique seus investimentos

HSBC Smart Juros Aproveite o atual cenário de queda de juros e diversifique seus investimentos HSBC Smart Juros Aproveite o atual cenário de queda de juros e diversifique seus investimentos Diante do atual cenário doméstico e internacional, os especialistas da HSBC Global Asset Management acreditam

Leia mais

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo VI Objetivos das Políticas Monetária, Creditícia e Cambial (Art. 4 o, 4 o, da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo à Mensagem da Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2015, em cumprimento

Leia mais

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras

Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Administração Financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras Prof. Onivaldo Izidoro Pereira Finanças Corporativas Ambiente Econômico Em suas atividades uma empresa relacionase com: Clientes

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII

CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CSHG RECEBIVEIS IMOBILIARIOS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FII CNPJ 11.160.521/0001-22 Administradora: Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S.A. CNPJ: 61.809.182/0001-30 I. Objeto do Fundo

Leia mais

Segue abaixo demonstrativo gráfico da evolução dos recursos já integralizados, e do patrimônio imobiliário sob gestão da TRX Realty:

Segue abaixo demonstrativo gráfico da evolução dos recursos já integralizados, e do patrimônio imobiliário sob gestão da TRX Realty: Comentários Iniciais Passado o primeiro semestre do ano, é o momento para realizarmos um balanço dos principais acontecimentos deste período e apresentar nossas expectativas para o 2º semestre. Nas sessões

Leia mais

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII

FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO COM FOCO EM TÍTULOS DE CRÉDITO IMOBILIÁRIO ESTRUTURADO REIT RIVIERA FII Crédito lastreado em imóveis, alta rentabilidade e fluxo de caixa constante, com a solidez do concreto.

Leia mais

Metodologia para envio de Estatísticas de Private

Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia Definição A atividade de Private Banking exerce um importante papel na distribuição de valores mobiliários, especialmente fundos de investimento,

Leia mais

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1

BAN CO DO BRASIL. Atualizada 19/01/2011 Neste curso os melhores alunos estão sendo preparados pelos melhores Professores 1 41. (CAIXA/2010) Compete à Comissão de Valores Mobiliários CVM disciplinar as seguintes matérias: I. registro de companhias abertas. II. execução da política monetária. III. registro e fiscalização de

Leia mais

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil Guia de Declaração IR 2014 Investimentos Março de 2014 Brasil Guia de Declaração IR 2014 - Investimentos O prazo de entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 tem início no dia 6 de março e o

Leia mais

Uma febre para suprir a falta de IPOs

Uma febre para suprir a falta de IPOs http://www.valor.com.br/financas/3072838/mercado-vive-inicio-de-febre-com-os-fundosimobiliarios 04/04/2013-00:00 Mercado vive início de febre com os fundos imobiliários Uma febre para suprir a falta de

Leia mais

Perfis de Investimento

Perfis de Investimento Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Manual Perfis de Investimento Índice Objetivo... 3 Introdução... 3 Falando sobre sua escolha e seu plano... 3 Perfis de Investimento... 5 Principais

Leia mais

HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais

HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais HSBC Strategy S&P Diversifique seus investimentos com ativos internacionais Avaliando oportunidades de sucesso através de um

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar

Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Revista EXAME: As 10 armadilhas da Previdência Complementar Os fundos de previdência privada, sejam fechados ou abertos, têm características próprias e vantagens tributárias em relação aos investimentos

Leia mais