A EXPERIÊNCIA DE AUTORREGULAÇÃO DA ANBIMA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A EXPERIÊNCIA DE AUTORREGULAÇÃO DA ANBIMA"

Transcrição

1 A EXPERIÊNCIA DE AUTORREGULAÇÃO DA ANBIMA

2 O que é? A ANBIMA A ANBIMA Associação Brasileiras das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais é uma associação civil, sem finalidade econômica, resultado da fusão de associações existentes desde O que faz? A atividade da ANBIMA se divide em 4 compromissos: Representar, Autorregular, Informar e Educar; Para isso, mantêm índices, promove cursos, oferece certificados e determina melhores práticas para a indústria. Qual a natureza de sua Autorregulação? É uma autorregulação de base contratual, que decorre da iniciativa exclusiva e espontânea dos particulares, que aderem às regras voluntariamente; Reside na esfera de autonomia privada das partes, age em âmbitos não regulados pelas lei, mas sem contrariar as normas cogentes.

3 Início das discussões sobre o tema; Histórico da Autorregulação Publicação do Código de Ofertas Públicas; Publicação do Código de Fundos de Investimento; Publicação dos Códigos de Certificação (2002), Serviços Qualificados (2004) e Private Banking (2006); Publicação do Código de Processos; Assinatura de convênios com a CVM para registro simplificado de ofertas e aplicação de sanções; Publicação do Código ANBIMA/ABVCAP de FIP e FIEE; Publicação dos Códigos de Gestão de Patrimônio (2011), Novo Mercado e Renda Fixa (2011), Distribuição no Varejo (2012), Negociação de Instrumentos Financeiros (2013) e Atividades Conveniadas (2015).

4 Panorama 11 CÓDIGOS DE AUTORREGULAÇÃO 9 CONSELHOS DECISÓRIOS 1 CÓDIGO DE PROCESSOS 980 FORTALECER A OPONIBILIDADE INSTITUIÇÕES PARTICIPANTES

5 OS ASSOCIADOS DEFINEM AS REGRAS Através dos Comitês de Representação, da Diretoria e de audiências públicas, os Códigos são elaborados e revistos continuamente. As regras sujeitam todos associados e qualquer instituição que voluntariamente queira aderir a elas. A ÁREA TÉCNICA SUPERVISIONA A Área de Supervisão da ANBIMA, dotada de 42 profissionais, é a responsável por acompanhar o mercado, supervisionando o cumprimento das regras pelas instituições participantes. Lógica UMA COMISSÃO ESPECIALIZADA ACOMPANHA Cada Código possui uma Comissão de Acompanhamento, composta por pessoas de mercado com grande conhecimento técnico acerca da temática. Com esse conhecimento, as Comissões Comissão orientam os trabalhos da Área de Supervisão. UM CONSELHO INDEPENDENTE JULGA Cada Código possui um Conselho misto, composto em sua minoria por profissionais ligados à associados e, em sua maioria, por profissionais indicados por instituições de mercado externas à ANBIMA. Esse Conselho é soberano na apreciação dos casos da autorregulação.

6 SUPERVISÃO PROCEDIMENTO DE APURAÇÃO DE IRREGULARIDADES - PAI PROCESSO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS Verificação de irregularidade Denúncia Abertura do PAI Notificação de abertura do PAI Requerimentos Resposta Relatório PAI Comissão de Acompanhamento Notificação de encaminhamento ao Conselho Manifestação prévia Conselho de RMP Notificação de instauração do Processo Defesa Relatório processo Julgamento Acórdão O Processo

7 Resultados Cartas de Orientação (Supervisão) Multas Objetivas (Supervisão) PAI ( Procedimento de Apuração de Irregularidades) Cartas de Recomendação Processos Administrativos Instaurados Termos de Compromisso Condenações

8 Entidade Natureza regulatória autorregulação de base contratual Período analisado Valor médio dos TC's Comparativo Número TC's no período Maior valor pago em TC * R$ 125,3 mil 45 R$ 800 mil autorregulação de base legal p/ PJ s R$ 120 mil 19 R$ 450 mil autorregulação de base legal R$ 29 mil 12 R$ 50 mil regulação estatal R$ 148 mil 160 R$ 4 milhões

9 Régua mais elevada Atrativos para investidores Historicamente a ANBIMA atua na vanguarda da regulação, trazendo exigências que não raro passam a constar da regulação estatal anos depois; O potencial dano a investidores é sempre levado em conta como agravante na apreciação dos casos. Transparência Apesar da confidencialidade dos processos, os resultados são divulgados bimestralmente; Os Conselhos de Autorregulação são compostos por pessoas ligadas a outras associações de mercado, inclusive de investidores. Supervisão ativa e especializada A atividade de supervisão é intensa e bastante técnica, contando com o amparo de especialistas do mercado; Sempre atenta às notícias do mercado, além das supervisões periódicas, diversas supervisões temáticas são conduzidas com base em informações que chegam ao conhecimento da área técnica.

10 Lições da nossa experiência A REGULAÇÃO É INERENTEMENTE DINÂMICA É PRECISO AGIR COM BASE NAS SUAS VANTAGENS COMPARATIVAS CREDIBILIDADE INSPIRA INSTITUIÇÕES RESPEITO PARTICIPANTES

Modelo de Autorregulação, Supervisão e Enforcement Educação de Investidores

Modelo de Autorregulação, Supervisão e Enforcement Educação de Investidores Modelo de Autorregulação, Supervisão e Enforcement Educação de Investidores Tendências internacionais na proteção do investidor Participação no Estudo da IIMV - Proteção do Investidor na Região Ibero-americana

Leia mais

21º Congresso APIMEC: O Papel do Mercado de Capitais em um Mundo Sustentável. Autorregulação e a Atividade do Profissional de Investimento

21º Congresso APIMEC: O Papel do Mercado de Capitais em um Mundo Sustentável. Autorregulação e a Atividade do Profissional de Investimento 21º Congresso APIMEC: O Papel do Mercado de Capitais em um Mundo Sustentável Autorregulação e a Atividade do Profissional de Investimento Marcelo Giufrida - Presidente da ANBIMA Agosto/2010 REPRESENTA

Leia mais

Sistema de Supervisão de Mercados 17.06.2015

Sistema de Supervisão de Mercados 17.06.2015 Sistema de Supervisão de Mercados 7.06.205 AGENDA Modelo de Autorregulação da ANBIMA Descrição da ferramenta e seus principais módulos Módulo I Cadastro de Usuários Módulo II Solicitação de Informações

Leia mais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais

A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A CVM e a Autorregulação no Mercado de Capitais A Lei nº 6.385/76 define os mandatos legais da CVM: Desenvolvimento do Mercado (art 4º. Incisos I e II); Eficiência e Funcionamento do Mercado (art. 4º,

Leia mais

Supervisão de Mercados Penalidades e Termos de Compromisso

Supervisão de Mercados Penalidades e Termos de Compromisso Supervisão de Mercados Penalidades e Termos de Compromisso FUNDOS DE INVESTIMENTO MULTAS POR DESCUMPRIMENTO OBJETIVO DISPOSITIVOS DO CÓDIGO Registro de Fundos Atraso no Registro de Documentação de Fundo

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil

La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil La supervisión de las actividades comercializadoras de los intermediarios financieros en Brasil Roberto Mendonça Pereira CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil Alerta As opiniões aqui expostas são

Leia mais

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona

Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Página 1 de 5 Proposta da CVM pode reduzir acesso a investimentos isentos de IR; mercado questiona Associações pedem à CVM que seja menos rigorosa em norma que deve aumentar limite para que investidores

Leia mais

Certificado de Operações Estruturadas (COE)

Certificado de Operações Estruturadas (COE) Certificado de Operações Estruturadas (COE) Sergio Odilon dos Anjos Departamento de Regulação do Sistema Financeiro São Paulo, 15 de maio 2014 Agenda 1. Linha do tempo e status atual 2. Base legal 3. Contexto

Leia mais

Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento. Marcelo Trindade mtrindade@trindadeadv.com.br Rio de Janeiro, 15.03.

Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento. Marcelo Trindade mtrindade@trindadeadv.com.br Rio de Janeiro, 15.03. Desafios Estratégicos para a Indústria de Fundos de Investimento Marcelo Trindade mtrindade@trindadeadv.com.br Rio de Janeiro, 15.03.2012 Arcabouço Regulatório da Indústria de Fundos de Investimento Sumário

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código ) é estabelecer

Leia mais

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira

Comitê Consultivo de Educação Programa TOP XIV. Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Dia 28 de julho de 2014 segunda-feira Local:, Rua XV de Novembro, 275 - Centro 1º andar 08h40 09h00 Credenciamento 09h00 09h15 Abertura: Comitê Consultivo de Educação 09h15 10h30 A Comissão de Valores

Leia mais

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O presente Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para as Atividades Conveniadas ( Código ) estabelece normas relativas à atuação da ANBIMA Associação

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

NOVOS TIPOS DE INVESTIDORES E A REGULAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

NOVOS TIPOS DE INVESTIDORES E A REGULAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO NOVOS TIPOS DE INVESTIDORES E A REGULAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO Daniel Sposito Pastore Membro do Comitê de Assuntos Jurídicos da ANBIMA. I Estrutura Normativa CVM Contexto Regulatório Brasileiro Atual

Leia mais

Lâmina Bimestral: Cartas de Orientação, Penalidades e Termos de Compromisso

Lâmina Bimestral: Cartas de Orientação, Penalidades e Termos de Compromisso Lâmina Bimestral: Cartas de Orientação, Penalidades e Termos de Compromisso Relatório 4º bimestre de 2014 Página 1 de 15 APRESENTAÇÃO A ANBIMA possui um modelo de autorregulação voluntária, privada e independente

Leia mais

REGULAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO

REGULAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG REGULAÇÃO E AUTORREGULAÇÃO Adriano Ferraz Graduado e Mestre em Direito Empresarial pela UFMG. Fundador e Conselheiro do Grupo

Leia mais

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 66

CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 66 CONSELHO DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO DELIBERAÇÃO Nº 66 O Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento, no exercício das atribuições a ele conferidas

Leia mais

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC)

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) 14 DE MARÇO DE 2014 LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) FABIO VALGAS Chefe Regional Controladoria Regional da União no Estado do Rio de Janeiro Lei 12.846/2013 Lei Anticorrupção - LAC A Lei n.º 12.846/13

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR NO ÂMBITO DA SUSEP

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR NO ÂMBITO DA SUSEP SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E PROCESSO ADMINISTRATIVO SANCIONADOR NO ÂMBITO DA SUSEP MARÇO 2011 DE Sanções Administrativas e PAS O Poder de Polícia do Estado (Regulação e Supervisão) O Processo Administrativo

Leia mais

Esta apresentação foi preparada pela CFA-M Consultoria. e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida,

Esta apresentação foi preparada pela CFA-M Consultoria. e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida, Esta apresentação foi preparada pela CFA-M Consultoria. e o seu conteúdo é estritamente confidencial. Essa apresentação não poderá ser reproduzida, distribuída ou publicada pelo seu destinatário para qualquer

Leia mais

As entidades locais no apoio às empresas regionais na retomada dos investimentos e experiência do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais

As entidades locais no apoio às empresas regionais na retomada dos investimentos e experiência do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais A retomada dos investimentos e o Mercado de Capitais Agosto de 2015 As entidades locais no apoio às empresas regionais na retomada dos investimentos e experiência do Instituto Mineiro de Mercado de Capitais

Leia mais

Metodologia para envio de Estatísticas de Private

Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia Definição A atividade de Private Banking exerce um importante papel na distribuição de valores mobiliários, especialmente fundos de investimento,

Leia mais

Prezado (a) Associado (a),

Prezado (a) Associado (a), Prezado (a) Associado (a), Seguem abaixo os itens do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico que estão em Audiência Pública

Leia mais

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO

TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO TRANSPARÊNCIA E RIGOR NA NOVA LEI DE LICITAÇÕES DA PUBLICIDADE DE ÓRGÃO PÚBLICO Por João Luiz Faria Netto A nova lei conta com normas principais e obrigatórias para a contratação de agências de publicidade

Leia mais

4 4 Ter uma educação básica de qualidade faz toda a diferença para o pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. Para contribuir com essa

Leia mais

Workshop Supervisão de Certificação ANBIMA

Workshop Supervisão de Certificação ANBIMA Workshop Supervisão de Certificação ANBIMA 1 PAINEL I ABERTURA Sérgio Cutolo Vice Presidente da ANBIMA e Presidente do Conselho de Regulação e Melhores Práticas de Certificação 27 de novembro de 2012 2

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para os fins deste Código de Regulação e Melhores

Leia mais

Código ANBIMA de. Regulação e Melhores Práticas. para o Programa de Certificação Continuada

Código ANBIMA de. Regulação e Melhores Práticas. para o Programa de Certificação Continuada Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Programa de Certificação Continuada CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1. O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA;

Auditorias operacionais. o enquadramento de requisitos financeiros e patrimoniais exigidos dos Participantes da BM&FBOVESPA; Relatório do 2º Trimestre de 2012 Auditoria Programa de Auditoria Operacional A BSM é responsável por realizar a supervisão e fiscalização dos Participantes da BM&FBOVESPA. Isso é feito por meio de auditorias,

Leia mais

8º CONGRESSO ANBIMA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO - 20/05/15

8º CONGRESSO ANBIMA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO - 20/05/15 8º CONGRESSO ANBIMA DE FUNDOS DE INVESTIMENTO - 20/05/15 Bom dia a todos! Primeiramente, gostaria de agradecer à ANBIMA, na pessoa de sua presidente Denise Pavarina, e a Diretoria da ANBIMA pelo convite

Leia mais

Metodologia para envio de Estatísticas de Private

Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia para envio de Estatísticas de Private Metodologia Definição A atividade de Private Banking exerce um importante papel na distribuição de valores mobiliários, especialmente fundos de investimento,

Leia mais

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS

INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE REGISTO DA ATIVIDADE DE GESTÃO DE ORGANISMOS DE INVESTIMENTO EM ATIVOS NÃO FINANCEIROS Legenda: CVM = Código dos Valores Mobiliários EG = entidade gestora de organismos de investimento

Leia mais

Práticas Corporativas

Práticas Corporativas Práticas Corporativas Nível 1 de Governança Corporativa Fontes: Estatuto Social Código de Conduta Relatório de Sustentabilidade Formulário de Referência Política de divulgação e negociação Atualizado em

Leia mais

PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998

PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998 PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições e tendo em vista o que consta no Programa Tecnológico, que integra o Plano

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 E Solange Honorato Facilitadora Certificação Profissional ANBIMA - CPA-10 Destina-se aos profissionais que desempenham

Leia mais

19 e 20 de maio de 2015 - Sheraton WTC Hotel, São Paulo. 08/05 é o último dia de inscrição! www.congressoanbimadefundos.com.br

19 e 20 de maio de 2015 - Sheraton WTC Hotel, São Paulo. 08/05 é o último dia de inscrição! www.congressoanbimadefundos.com.br 19 e 20 de maio de 2015 - Sheraton WTC Hotel, São Paulo 08/05 é o último dia de inscrição! www.congressoanbimadefundos.com.br Autorregulação e Supervisão na Distribuição de Produtos no Varejo Supervisão

Leia mais

CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA ANBID PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CONTINUADA

CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA ANBID PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CONTINUADA CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO DA ANBID PARA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO CONTINUADA CAPÍTULO I DO OBJETIVO E DA ABRANGÊNCIA Art. 1º- O objetivo do presente Código de Auto-Regulação é estabelecer princípios e

Leia mais

RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO 033 DO CONSELHO SUPERIOR DO IFMG, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 REGIMENTO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS EM PESQUISA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Gestão de Patrimônio Financeiro no Mercado Doméstico CAPÍTULO I - DEFINIÇÕES Art. 1º. Para os fins deste Código de Regulação e Melhores

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1 - O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores Práticas para o Programa de Certificação Continuada ( Código ) é estabelecer princípios e regras que deverão

Leia mais

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015

LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS. Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 LANÇAMENTO PROGRAMA DE GOVERNANÇA DE ESTATAIS Discurso do Presidente Leonardo Pereira em 02/04/2015 Antes de começar, ressalto apenas que as opiniões que estarei expressando aqui hoje refletem a minha

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União São Paulo, 07 de maio de 2015 LEI Nº 12.846/2013 Esta Lei dispõe sobre a responsabilização

Leia mais

Roberto Mendonça Pereira. CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil

Roberto Mendonça Pereira. CVM - Comissão de Valores Mobiliários Brasil Clasificaciones de productos financieros por riesgo y diferenciación de los inversores. Diferentes niveles de protección y obligaciones que se derivan para las entidades. Roberto Mendonça Pereira CVM -

Leia mais

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011

Prevenção à Lavagem de Dinheiro. Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Prevenção à Lavagem de Dinheiro Paula Lima Vanessa Anselmo Setembro/2011 Agenda A BSM Procedimentos de Análise Cases Comunicações à CVM Pontos de Atenção Arcabouço normativo da autorregulação Instrução

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para a Atividade de Private Banking no Mercado Doméstico CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL

MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL MEMORANDO DE ENTENDIMENTO ENTRE A AUSTRALIAN SECURITIES COMMISSION E A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DO BRASIL INTRODUÇÃO 1. A Australian Securities Commission e a Comissão de Valores Mobiliários, reconhecendo

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1. Este Código de Ética foi concebido pelo Conselho de Administração da Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil (BLL) e é parte integrante do conceito operacional

Leia mais

1.4. Seu conteúdo e aprovação são de responsabilidade da Comissão de Certificação de Correspondentes do Instituto Totum.

1.4. Seu conteúdo e aprovação são de responsabilidade da Comissão de Certificação de Correspondentes do Instituto Totum. 1. 1.1. O referente à Certificação de Correspondentes no País Modalidade Transacional (chamado a partir de agora de ), tem por base a legislação que rege a atuação dos correspondentes no País, pela atuação

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 08/13 Prazo: 25 de setembro de 2013

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 08/13 Prazo: 25 de setembro de 2013 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 08/13 Prazo: 25 de setembro de 2013 Assunto: Alteração da Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002, e da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 Divulgação

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS Versão: Setembro/2014 1 - Introdução e Objetivo A MV Capital adere ao Código de Regulação e Melhores Práticas de Fundos de Investimento da ANBIMA,

Leia mais

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal

Discurso 04/12/2003. Dr. Alfredo Setubal Discurso 04/12/2003 Dr. Alfredo Setubal Presidente do Conselho de Administração do IBRI - Instituto Brasileiro de Relações com Investidores Boa Noite! Esta cerimônia de final de ano é a minha última à

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

Manual para Reclassificação de Fundos. ANBIMA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais Data: 13/04/2015

Manual para Reclassificação de Fundos. ANBIMA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais Data: 13/04/2015 1 Manual para Reclassificação de Fundos ANBIMA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais Data: 13/04/2015 Índice INTRODUÇÃO... 3 1. INVESTIDOR QUALIFICADO... 4 2. STATUS...

Leia mais

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54

FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES BANRISUL MERCADO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA LONGO PRAZO CNPJ/MF 15.283.719/0001-54 ESTE FORMULÁRIO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO

Leia mais

A Importância do Mercado Secundário

A Importância do Mercado Secundário A Importância do Mercado Secundário Apresentação ao Conselho Superior de Estudos Avançados CONSEA da FIESP Agosto / 2015 Agosto/2015 Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 Sobre a BM&FBOVESPA

Leia mais

Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas

Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas Palestra: Monitoramento de operações realizadas em Bolsas 4º Congresso de Combate e Prevenção à Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo Marcos José Rodrigues Torres Diretor de Autorregulação

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto;

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto; Política de Exercício de Direito de Voto em assembleias gerais de fundos de investimento e companhias emissoras de valores mobiliários que integrem as carteiras dos fundos de investimento geridos pela

Leia mais

Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) Henrique de Campos Meirelles

Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) Henrique de Campos Meirelles Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) Henrique de Campos Meirelles Novembro de 2010 1 Síntese da Apresentação Papel do Banco Central na Supervisão Bancária Papel

Leia mais

Mercado de Títulos Ligados ao Setor Imobiliário para Fundos de Pensão

Mercado de Títulos Ligados ao Setor Imobiliário para Fundos de Pensão Mercado de Títulos Ligados ao Setor Imobiliário para Fundos de Pensão Marielle Brugnari dos Santos Gerência de Produtos Imobiliários Junho/20111 Desenvolvimento do Mercado Imobiliário Cédula de Crédito

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundos de Investimento Difusão de Fundos de Investimento BB DTVM e FGV 17/05/2013 Programa. A ANBIMA. O que são Fundos de Investimento. Como se constituem. Governança. Operação. A indústria Brasileira

Leia mais

Manual para Preenchimento do Arquivo de Informações de Gestores de Patrimônio. Versão 1.1

Manual para Preenchimento do Arquivo de Informações de Gestores de Patrimônio. Versão 1.1 Manual para Preenchimento do Arquivo de Informações de Gestores de Patrimônio Versão 1.1 1 SUMÁRIO 1. ESTATÍSTICA DE GESTORES DE PATRIMÔNIO... 3 2. OBJETIVO DO MANUAL... 3 3. ARQUIVO E REGRAS DE PREENCHIMENTO...

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

Metodologia de Aplicação de Multas para Cadastro de Fundos de Investimento

Metodologia de Aplicação de Multas para Cadastro de Fundos de Investimento Metodologia de Aplicação de Multas para Cadastro de Fundos de Investimento ANBIMA Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais Outubro/2015 Sumário Introdução...3 1. s do Cadastro...4

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários MERCADO DE CAPITAIS 01/04/2015 CVM edita a Instrução nº 558/15, que regula a atividade de administração de carteiras de valores mobiliários A Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) divulgou, em 26 de

Leia mais

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA

CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA CAPÍTULO I - PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo do presente Código de Regulação e Melhores Práticas ( Código ) é estabelecer, para as Instituições Participantes abaixo definidas, os parâmetros

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Setembro de 2012 Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 50 13º andar 04543-000 Itaim Bibi - São Paulo - SP Tel 55 11 3318-9400 - Fax 55 11 3318 9403 Esta Política estabelece

Leia mais

BB-BANCO DE INVESTIMENTO S.A. Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa

BB-BANCO DE INVESTIMENTO S.A. Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa BB-BANCO DE INVESTIMENTO S.A. Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa 1. Natureza e Abrangência dos Procedimentos 1.1. Os Procedimentos Específicos à Atividade de Pesquisa ( Procedimentos ) constituem

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE AUDITORIA Art. 1º. O Comitê de Auditoria ( Comitê ) é órgão estatutário de assessoramento vinculado diretamente ao Conselho de Administração, de caráter permanente, regido

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA

FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS E COMUNICAÇÃO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DESIGN DE MODA 1. Atividades Complementares Atividades Complementares são atividades desenvolvidas

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado

INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado INTEGRAÇÃO DAS CÂMARAS DA BM&FBOVESPA Apresentação para mercado CLASSIFICAÇÃO DA INFORMAÇÃO (MARQUE COM UM X ): CONFIDENCIAL RESTRITA CONFIDENCIAL USO INTERNO X PÚBLICO AGENDA AMBIENTE DE PÓS-NEGOCIAÇÃO

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO

O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE GESTÃO FINANCEIRA I CICLO DE APERFEIÇOAMENTO EM GESTÃO FINANCEIRA O PAPEL DO CONTROLE EXTERNO Prof. Ariel Lopes Torres E-mail: ariel@unemat.br CÁCERES

Leia mais

B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l X Semana de Contabilidade

B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l X Semana de Contabilidade 1 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l X Semana de Contabilidade A A CVM E A ATIVIDADE DE AUDITORIA INDEPENDENTE: a regulaçã ção como instrumento de melhoria da qualidade da informaçã ção. 2 CONSIDERAÇÕES

Leia mais

Código de Conduta. Agentes Autônomos

Código de Conduta. Agentes Autônomos Código de Conduta Agentes Autônomos Introdução e Aplicabilidade Este Código de Conduta ( Código ) estabelece diretrizes com relação à atuação dos Agentes Autônomos de Investimento ( Agentes Autônomos )

Leia mais

Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015

Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 Desafios da Governança Corporativa 2015 SANDRA GUERRA PRSIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO SÃO PAULO, 25 DE AGOSTO DE 2015 CONVERGÊNCIA INTERNACIONAL Princípios de Governança TRANSPARÊNCIA EQUIDADE PRESTAÇÃO

Leia mais

A estrutura de gerenciamento do risco de mercado das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma:

A estrutura de gerenciamento do risco de mercado das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: 1. Sistema Sicoob A estrutura de gerenciamento do risco de mercado das cooperativas do Sicoob é composta da seguinte forma: A adoção do modelo de estrutura de gerenciamento do risco de mercado apresentada

Leia mais

SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA (SARB)

SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA (SARB) SISTEMA DE AUTORREGULAÇÃO BANCÁRIA (SARB) Índice Sistema de Autorregulação Bancária (SARB)- Apresentação Participantes Evolução Evolução Normativa Evolução do Monitoramento Evolução do Canal Conte Aqui

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Coordenação do Curso Superior de Química: Bacharelado em Química Industrial e Licenciatura em Química REGULAMENTO DAS

Leia mais

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012

DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 DECISÃO COREN/RJ N.º 1821/2012 Dispõe sobre a criação de Comissão de Ética de Enfermagem Institucional. CONSIDERANDO o disposto no artigo 8º, I, da Lei 5.905/73, que possibilita ao COFEN aprovar seu regimento

Leia mais

B - Programa de Inclusão, Capacitação para Filhos, Dependentes Legais e Estudantes

B - Programa de Inclusão, Capacitação para Filhos, Dependentes Legais e Estudantes Bolsas de estudo A - Programa de Capacitação do PROFESSOR/AUXILIAR Todo PROFESSOR/AUXILIAR tem direito a bolsa de estudo integral, incluindo matrícula, em cursos de graduação, sequenciais e pós-graduação

Leia mais

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO

NORMATIVO SARB 009/2013, de 27 de junho de 2013. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. DO OBJETIVO O Conselho de Autorregulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Autorregulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da autorregulação

Leia mais

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL

TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL TERCEIRO SETOR, CULTURA E RESPONSABILIDADE SOCIAL 12/08/2014 Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019, de 31 de julho de 2014 No dia 31 de julho de 2014, foi sancionado, com

Leia mais

Comitê de Aquisições e Fusões

Comitê de Aquisições e Fusões Comitê de Aquisições e Fusões O maior salto qualitativo do mercado de capitais brasileiro em matéria de governança e de tratamento equitativo entre acionistas depois do Novo Mercado Setembro de 2013 A

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 1. Objetivo 1.1. Formalização de uma Política de Negociação de Ações das empresas METALÚRGICA GERDAU S.A. e GERDAU S.A. (conjuntamente com coligadas e controladas diretas ou indiretas, doravante referidas

Leia mais

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA

REGRAS APLICÁVEIS AOS AGENTES AUTONOMOS DE INVESTIMENTOS NA LEROSA Este documento vem em atendimento a Instrução CVM 497, de 03 de junho de 2011 e tem a finalidade de regular as atividades entre os agentes autônomos de investimentos e a LEROSA (ESCRITÓRIO LEROSA S/A CORRETORES

Leia mais

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010

8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária. Rio de Janeiro Agosto - 2010 Normas Internacionais de Supervisão 8º Congresso Brasileiro & Pan-Americano de Atuária Rio de Janeiro Agosto - 2010 Sumário: 1. Solvência II 2. International Association of Insurance Supervisors IAIS 3.

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Versão 1 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO...3 2. EXCLUSÕES... 3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. POTENCIAIS SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSE...3 5. DA POLÍTICA DE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Análise de Investimento Bradesco Corretora e Ágora

MANUAL DE PROCEDIMENTOS Análise de Investimento Bradesco Corretora e Ágora MANUAL DE PROCEDIMENTOS Análise de Investimento Bradesco Corretora e Ágora Índice 1. Finalidade:... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. COMPROMISSO de Cumprir Leis e Normas... 1 3.1. Da Comissão de Valores

Leia mais

ILHABELA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES INVESTIDOR PROFISSIONAL. CNPJ/MF n 08.515.219/0001-35 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DE 04.04.

ILHABELA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES INVESTIDOR PROFISSIONAL. CNPJ/MF n 08.515.219/0001-35 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DE 04.04. ILHABELA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES INVESTIDOR PROFISSIONAL CNPJ/MF n 08.515.219/0001-35 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES DE 04.04.2016 1- PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA

Leia mais