Uma história de crescimento sustentado. junho 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma história de crescimento sustentado. junho 2014"

Transcrição

1 Apresentação do Grupo BES Uma história de crescimento sustentado junho 2014

2 Índice I. Origem e Estrutura Acionista II. III. IV. Visão Global Atuais Desafios e Principais Indicadores Conclusão 1

3 As origens do BES remontam ao século XIX. Ao longo dos seus 145 anos de história, o BES sempre teve um papel relevante em Portugal Após a criação do nome Banco Espírito Santo, em 1920, dá-se a fusão com o Banco Comercial de Lisboa, dando origem ao BESCL (1937) O Grupo Espírito Santo regressa a Portugal fundando o BIC (Banco Internacional de Crédito) em parceria com o Crédit Agricole e com a ESSI (1986) Os anos de 2000 e 2001 marcam o início da aposta no triângulo estratégico com o reforço da posição em Espanha, a parceria com o Banco Bradesco e a criação do BES Angola s 80 s 00 s o novo milénio O Início 145 anos a criar valor para os acionistas, clientes e empregados Hoje 70 s 90 s O BESCL é O Grupo Espírito Santo nacionalizado após recupera o controlo do a Revolução de BESCL durante o processo A família de reprivatização ( ). Espírito Santo Nos anos seguintes, o Banco refaz os seus consolida a atividade id d em interesses Portugal e dá inicio a um financeiros no processo de exterior e cria o Internacionalização para Grupo Espírito Espanha (BES Espanha, 1992) Santo (GES) e Macau (BESOR, 1995) O BES reforça presença em África: aquisição de uma part. de 40% do Aman Bank (Líbia) e de uma part. direta de 25.1% no Moza Banco, em Moçambique (reforçada para 49% em 2013). O BES estabelece uma parceria para uma empresa de leasing na Argélia; fundação do BES Cabo Verde (BESCV) Maior Banco nacional por capitalização bolsista e ativo líquido em Portugal com 19.7% de quota de mercado doméstico complementada com uma estratégia focada de expansão internacional (presente em 25 países e 4 continentes) I Guerra Mundial Grande Depressão II Guerra Mundial Crise na América Latina Crise na Rússia 11 de Setembro Nacionalizações Privatizações Bolha das Dot.com Crise Subprime Crise da Dívida Soberana Europeia 2

4 O BES é um caso ímpar de crescimento orgânico no mercado português, inserido num setor bancário em processo de consolidação desde a década de BES BIC Fusão do BIC com o BES CGD BNU Grupo CGD BPSM BPA SFP UBP BCP Grupo José de Mello compra a SFP Alteração para Banco Mello Grupo Champalimaud compra o BPSM BCP compra o BPA Banco Mello BCP compra o BPSM BCP compra o Banco Mello BTA CPP BCI Santander Compra o BCI Banesto Compra O BTA Grupo Champalimaud compra o BTA e o CPP Santander Compra o BTA e o CPP BPI BFN BFB Alteração para BFE BPI compra o BFB BPI compra o BBI e o BFE 3

5 A evolução do BES tem três fases distintas: durante a década de 90, o principal enfoque foi o mercado domestico ; na década seguinte o BES dedicou-se à expansão internacional i e mais recentemente t o Banco tem procurado reforçar o Balanço A Estratégia do BES cronologia Anos 90: Atividade Domestica Liberalização do mercado (ex. crédito à habitação) Contexto favorável (redução das taxas de juro, crescimento do PIB, CEE / EU) Fusões e Aquisições Rebranching do sistema bancário em Portugal, sustentado por um forte crescimentos do mercado Crescimento Orgânico Crescimento da carteira de crédito Leverage Acesso aos mercados Expansão Internacional Em Portugal o mercado atinge a maturidade Oportunidades no estrangeiro Definição de estratégia de internacionalização ( triangulo estratégico ) Espanha: expansão da atividade de corporate banking Angola: fundação do BESA Brasli: parceria com Bradesco e BESI Diversificação das fontes de resultados e lucros sustentados Gestão do Balanço e reforço da atividade internacional Contexto adverso: Macro Regulamentar Mercado Recuperação económica suportada pelo crescimento das exportações Deleverage ee eage Reforço dos níveis de capital Resultados sob pressão Reforço da estratégia de internacionalização Exports takes off Imagens da revista The Economist 4

6 O BES tem vindo a construir uma marca forte e consistente, que se mantém em expansão Nº de Balcões Nº de Empregados balcões Int Int Dom Dom Nº de Clientes Quota de Mercado (mercado doméstico) (milhões) (%) + 800,000 clientes +2.3x Segmento Empresas: 25.5% 5% % 19.7% % Dados da Atividade internacional Dados da Atividade Doméstica 5

7 A marca forte do BES, desenvolvida desde a reprivatização, tem sido o fator chave para o reforço do posicionamento no Sistema Bancário Português Ativo Líquido (milhões de euros) Crédito Bruto (milhões de euros) Depósitos (milhões de euros) TCCA 92/12: 20.0% Abs. : + Eur 78.9mM 80,608 TCCA 92/12: 22.1%% Abs. : + Eur 49.0mM 49,722 TCCA 92/12: 18.6% Abs. : + Eur 35.4mM 33,936 21,789 16,160 36,831 1, , º maior Banco cotado em Portugal em termos de Ativos líquidos O BES mantém o apoio à economia, de forma equilibrada O crescimento dos depósitos revela a confiança dos clientes no BES 6

8 Uma estrutura acionista sólida tem sido fundamental para a implementação de uma estratégia consistente de longo prazo, tanto a nível doméstico, como a nível internacional BES main shareholders Pró-forma após a conclusão do aumento de capital Espírito Santo Financial Group 25.1% 14.6% Crédit Agricole Bradesco 3.9% 2.1% PT 4.7% 4.2% 5.1% (1) Silchester Capital Research BlackRock Free float do BES após o aumento de capital é de 54% (1) A participação da BlackRock é anterior ao aumento de capital Notas: Silcester é uma Sociedade gestora de investimentos com sede no Reino Unido, com mais de 15 mil milhões de ativos sob gestão (maioritariamente de clientes institucionais americanos) Capital Research and Management Company é uma sociedade gestora de fundos com sede nos Estados Unidos, responsável pela gestão de fundos americanos BlackRock, Inc. gestora de fundos multinacional, com sede em Nova Iorque,E.U.A. É uma das maiores gestoras de ativos a nível mundial com Ativos sob Gestão de USD 3670 mil milhões 7

9 Índice I. Origem e Estrutura Acionista II. III. IV. Visão Global Atuais Desafios e Principais Indicadores Conclusão 8

10 O BES é o banco Português com maior capitalização bolsista. O forte posicionamento no mercado doméstico, complementado pela expansão internacional, são o resultado de uma gestão tradicionalmente conservadora e de criação de valor a longo prazo Capitalização Bolsista Maior banco nacional por capitalização bolsista (1) e por Ativos Líquidos Posicionamento doméstico Maior instituição financeira privada em Portugal em termos de Ativos líquidos (82,8 mil milhões de euros em 31 de março de 2014); Cap. Bolsista: Ativo Líquido: Eur 5.4mM Eur 82.8mM Bank1 Eur 3.8mM Eur 82.3mM Bank2 Eur 2.3mM Eur 42.0mM Quota média de mercado de 19.7% no mercado bancário português (25.5% no segmento de empresas) 2.2 milhões de clientes em toda a presença do BES Rácios de Solvabilidade Presença Internacional (CRD IV / CRR) 9.8% +1.6% 11.4% 8.0% +1.6% +0.9%* 10.5% 7% (limite mínimo regulementar) Mar.14 Aum. Capital Pro Forma Mar.14 Mar.14 Aum. Capital Cred. Fiscais Pro Forma Mar.14 Phased in Fully implemented 24 países e 4 continentes t (1) 17 de junho de 2014 * Impacto estimado da conversão de impostos diferidos em créditos fiscais 9

11 O BES é um banco de referência em Portugal com forte presença internacional Modelo de Negócio Sólido e Consistente Atividade Comercial Distribuição Geográfica Banca Comercial Doméstica Private Banking Atividade Doméstica Modelo de negócio bem definido e com uma quota de mercado em crescimento Banca de Empresas e Institucionais Gestão de Ativos Atividade Internacional Banca de Investimento Banca Comercial Internacional Enfoque no Triângulo Estratégico composto por África (especialmente Angola e Moçambique), Brasil e Espanha Diferenciação estratégica e excelência na permanente orientação para as necessidades de cada cliente 10

12 Com uma abordagem bem delineada a cada um dos segmentos de atividade, o BES tornou-se um banco de referência no mercado doméstico Banca Comercial 643 balcões em Portugal Oferta diversificada e distintiva, de acordo com as necessidades financeiras dos clientes Níveis elevados de aquisição de clientes Atividade Do oméstica Private Banking Banca de Empresas e Institucionais Gestão de Ativos Banca de Investimento Líder no Private Banking em Portugal 22 Centros de Private Banking em Portugal Oferta diversificada e especializada de acordo com as necessidades dos clientes liderança do segmento de Empresas, com quota de mercado de 25.5% 78% das grandes empresas e 67% das PMEs são clientes BES 23 centros de empresas em Portugal e 7 em Espanha Enfoque no apoio a empresas com atividade internacional Levada a cabo pela ESAF Espírito Santo Ativos Financeiros Prestação de serviços de gestão discricionária e de carteiras Oferta diversificada de produtos, que engloba fundos mobiliários, imobiliários e de pensões Desenvolvida pelo Espírito Santo Investment Bank Prestação de um alargado leque de serviços a PMEs, grandes empresas e clientes Institucionais Assessoria em M&A, acesso a transações em mercados de capitais (ações e dívida), corretagem e de gestão de carteiras, project finance, acquisition finance... 11

13 A quota média de mercado do BES em Portugal mais do que duplicou entre 1992 e No segmento de empresas o BES mantém-se na liderança com uma quota média demercadode255% 25,5% Quota de Mercado Média Quota de Mercado por Produto (%) 2,3x Segmento Empresas: 25.5% Empresa as Trade Finance 32.1% POSs 28.8% Crédito a Empresas 25.9% Factoring 21.5% 19.7% Leasing 17.2% 16,1% Rec. Balanço 16.7% 8,5 % rticulares Pa Outros Créd. Part. Gestão de Activos PPR's Banca Seguros Vida 19.1% 18.7% 18.6% 18.1% Crédito Habitação 15.5% Fonte: APB; BdP; APFIPP; ISP; ASP; APLEASE; APEF; Euronext; SIBS; SWIFT; CMVM; BES 12

14 A experiência e liderança no mercado doméstico conferem ao BES um posicionamento único para beneficiar de oportunidades de negócio Oferta Especializada Exportação do expertise e competências do grupo no mercado doméstico Research aplicado à Internacionalização Apoio à internacionalização da base de clientes Gestores de Negócio Internacional especializados por geografia Ligação entre o as atividades nacional e internacional Internaciona al Atividade I Presença Internacional Direcionada Expansão Bem sucedida Presença em mercados com fortes afinidades económicas e culturais com Portugal Exposição a economias emergentes com elevado potencial de crescimento Triângulo Estratégico: composto por África (especialmente Angola e Moçambique), Brasil e Espanha Consolidação da atividade internacional com a abertura de 2 sucursais na Venezuela e no Luxemburgo, países com importante comunidade Portuguesa Banco mais internacional de Portugal com presença em 24 países (para além de Portugal) 3º Banco mais internacionalizado da Península Ibérica Prémio The Best Trade Finance Bank em Portugal pelo 7º ano consecutivo O BES distingue as empresas que mais se destacam na Internacionalização e na dinamização das suas Exportações A estratégia bem sucedida de expansão internacional do BES tem sido um fator chave para ultrapassar os desafios no mercado doméstico 13

15 A expansão internacional do BES assenta na premissa de orientação para mercados com afinidades económicas e culturais com Portugal e com elevado potencial de crescimento Presença Internacional do BES Espanha: Sucursal Reino Unido: Sucursal BES e BESI França: Subsidiária BES Vénétie Luxemburgo: Sucursal Itália: Banco delle Tre Venezie Polónia: Subsidiária BESI Triângulo Estratégico: África-Brasil Península Ibérica E.U.A Nova Iorque: Sucursal BES e BESI Miami: Subsidiária ES Bank of Florida, México: Escritório de representação BES e BESI Venezuela: Sucursal China: Escritório de representação Hong Kong: Subsidiária BESI Macau: Subsidiária BES Oriente Bombaim: BESI Brasil: Subsidiária BESI Cabo Verde: BES Cabo Marrocos: Banque Argélia: ILA-Ijar Líbia: Subsidiária África do Sul: Escritório de Angola: Subsidiária Verde Marocaine du Leasing Aman Bank representação BES Commerce BES Angola Extérieur Moçambique: Moza Banco O Triângulo Estratégico composto por África (especialmente Angola e Moçambique), Brasil e Espanha é a base da presença internacional do BES 14

16 O crescimento financeiro é equilibrado com o crescimento sustentável: o BES é inovador em sustentabilidade e vê reconhecido, de forma independente, o seu modelo de gestão assente em critérios sustentáveis A estratégia do Grupo BES assenta em seis dimensões: Governance e Ética Valores e deveres fundamentais à actividade desenvolvida pela Instituição 1 Identidade Corporativa 2 Inovação e Empreendedorismo 3 Inclusão Financeira 4 Biodiversidade e Alterações Climáticas 5 Cidadania Responsável 6 Fomentar a cultura Grupo BES entre Colaboradores, Parceiros, Clientes, Acionistas e Fornecedores. Identificar e incentivar soluções inovadoras, promovendo novos negócios, novas soluções e novos empreendedores. Desenvolver produtos e soluções financeiras para segmentos sociais e profissionais com necessidades específicas. Contribuir para a proteção da Biodiversidade e reagir às alterações climáticas, através da actividade financeira e do envolvimento com a sociedade. Ser um parceiro ativo na sociedade, através do apoio a iniciativas de cariz cultural, social e educacional. A sustentabilidade faz parte do ADN do Grupo BES. 15

17 A sustentabilidade tem sido conseguida, essencialmente, pela adoção de um conjunto de medidas, comportamentos e criação de produtos inovadores que contribuem de forma positiva para o desenvolvimento do Banco e das comunidades em que se insere e influencia. Sustentabilida de no Core Business Financiar o Desenvolvimento Sustentável (Project finance, Apoio e Estimulo à inovação empresarial, Fundos Éticos, Por um Mercado Mais Abrangente (Microcrédtio, Economia Social; Fundo de Apoio à Micro E Pequenas Empresas) Impactos Ambientais Sustentabilidade na Comunidade Literacia Financeira Mecenato Cultural Solidariedade Único banco Português cotado no DJWSI A sustentabilidade faz parte do ADN do Grupo BES. 16

18 Índice I. Origem e Estrutura Acionista II. III. IV. Visão Global Atuais Desafios e Principais Indicadores Conclusão 17

19 Nos últimos 3 anos, não só o Setor Financeiro Português, como também o país, depararam-se com vários desafios resultantes da crise da dívida soberana Europeia, e do difícil contexto macroeconómico nacional. No entanto, estão já a verificar-se sinais de retoma, que se podem materializar em 2014 Desafios Difícil Contexto Macroeconómico Contexto macroeconómico recessivo em Portugal (com o PIB a contrair há 3 anos consecutivos. Para 2014 as previsões apontam para um crescimento de 1.1% do PIB) tem como consequência um aumento das provisões para fazer face à esperada quebra na qualidade dos Ativos Contexto recessivo na Zona Euro em 2012 e As previsões* apontam para um crescimento de 1% no PIB da Zona Euro em 2014 O programa de ajustamento económico e financeiro assinado entre Governo Português e a CE/BCE/FMI estabelece medidas específicas para o sector financeiro: Requisitos Regulamentares Rácios de Solvabilidade: CTI de 9% em Dez.11 e 10% em Dez.12 Deleverage: rácio de transformação recomendado para 2014 de 120% Rácio de Financiamento Estável Líquido (net stable funding ratio) de 100% em 2014 A Autoridade Bancária Europeia estabeleceu, para os Bancos Europeus, um valor mínimo para o rácio CTI de 9%, incluindo um buffer para a exposição a dívida soberana europeia A partir de 2014 o Bancos devem cumprir com as regaras de Basileia III (7%). Em 2014 irão decorrer o exercício de revisão da qualidade dos ativos dos bancos (AQR), e os testes de stress realizados pelo BCE, que serão publicados no final do ano Restrições de Mercado Escassez no nível de liquidez dos mercados de dívida: os Bancos Portugueses enfrentaram desde Abril 2010, uma forte restrição de acesso à liquidez. Em Nov.12 o BES regressou aos mercados com uma emissão de dívida sénior não garantida. A República Portuguesa regressou ao mercado de dívida com duas emissões em Jan.13 Sucessivos downgrades aos ratings dos bancos, na sequência das revisões em baixa às dívidas soberanas * Previsões da ES Research 18

20 Com base numa gestão conservadora e prudente, o BES tem conseguido ultrapassar com sucesso os atuais desafios que se têm colocado. O Banco encontra-se na linha da frente para apoiar e beneficiar o relançamento do crescimento económico em Portugal Gestão do Balanço 1T14 Resultados e Qualidade do Ativo Solvabilidade: Os rácios de solvabilidade têm sido uma prioridade do BES. O aumento de capital recentemente concluído coloca o Banco entre os mais bem capitalizados na Europa. O rácio pró-forma Common Equity Tier 1, fully implemented, considerando o aumento de capital e o impacto da implementação do regime especial aplicável aos ativos por impostos diferidos, situa-se em10.5%. Funding e Liquidez: Posição de liquidez confortável, com os recursos totais de clientes a representarem 66% do total da estrutura de funding, e com um nível de liquidez suficiente para fazer face às necessidades de financiamento dos próximos 5 anos O BES mantém um acesso contínuo ao mercado de dívida: em 2014 o Banco efetuou duas emissões de dívida sénior com forte procura de investidores institucionais e yields inferiores Resultado operacional com melhorias graduais: No Resultado Financeiro recuperou do mínimo atingido no 1T13, apresentando uma tendência positiva (+21% crescimento anual), impulsionado por uma diminuição do custo de funding. Custos estão sob controlo, e em linha com o plano de controlo de custos O BES mantém uma política conservadora de gestão de risco, reforçando os níveis de cobertura. As provisões de Balanço ascendem a Eur 3.7mM, ou 7.2% do crédito bruto, e 64% do crédito em risco. O BES apresenta um dos níveis mais elevados de cobertura do sistema bancário Português. Em Portugal, as novas entradas de crédito em risco em Portugal apresentam uma tendência de queda, com o rácio de crédito vencido no 1T14 a apresentar um crescimento inferior ao verificado no 1T13. Os resultados do1t14 (Eur -89.1mM) continuam a ter o impacto negativo do elevado esforço de provisionamento 19

21 Principais Indicadores (milhões de euros) T14 Rácio Crédito /Depósitos (1) 141% 137% 121% 129% Funding e Liquidez Recursos Totais de Clientes (milhões de euros) ,204 Crédito a Clientes (milhões de euros) (2) ,001 Depósitos de Clientes (milhões de euros) ,242 Financiamento líquido do BCE (milhões de euros) ,346 Crédito em Risco /Crédito Total (3) 6,59% 9,44% 10,56% 11.14% Provisões para Crédito/Crédito em Risco 64,2% 56,6% 64,5% 64.2% Sinistralidade Crédito Vencido >90 dias/crédito a Clientes (bruto) 2,74% 3,90% 5,68% 6.01% Provisões para Crédito/Crédito Vencido > 90 dias 154,5% 136,9% 119,9% 119.0% Core Tier I BdP 9,2% 10,5% 10,6% 10.2% Solvabilidade Core Tier I - EBA - 9,9% 9,8% 9.8% Core Tier I CRD IV / CRR (phasing in) ,1% 8.0% (1) Calculado de acordo com a definição para efeitos do objetivo fixado pelo BdP para este indicador no Funding & Capital Plan (2) Bruto (3) De acordo com a definição constante da Instrução nº23/2011 do Banco de Portugal 20

22 Principais Indicadores (milhões de euros) T14 Produto Bancário 1 950, , , Doméstico 1 211, , , Internacional 738,4 723,5 619, Resultado Bruto 821, ,0 762, Rendibilidade e Eficiência Doméstico 418, ,6 529, Internacional 402,7 356,4 233, Resultado Líquido -108,8 96,1-517, Doméstico -269,6 8,5-539, Internacional 160,8 87,6 21, Cost to Income 57.9% 44.6% 59,8% 49.7% Cost to Income, com mercados 57.3% 57.2% 65,8% 67.9% ROE -0,1% 1,2% -6,9% -5.8% (3) ROA 000% 0,00% 012% 0,12% -0,62% 062% -0.3% 03% (3) Ativos Totais (1) ,150 Outros Indicadores Ativo ,817 Ratings S&P Moody s DBRS Dagong BB/B Ba2/NP BBB/R2H - BB-/B Ba3/NP BBBL/R2M - BB-/B Ba3/NP BBBL/R2M BB/B BB-/B Ba3/NP BBBL/R2M BB/B (1) Ativo Líquido + Asset Management + Outra Desintermediação Passiva + Crédito Securitizado não consolidado (2) Cálculo com resultado anualizado (3) Dados anualizados 21

23 Índice I. Origem e Estrutura Acionista II. III. IV. Visão Global Atuais Desafios e Principais Indicadores Conclusão 22

24 Ao longo dos seus 145 anos de História, o BES fortaleceu a sua presença em Portugal, tendo ainda desenvolvido uma sólida estratégia de expansão internacional. Uma gestão conservadora e prudente têm permitido ultrapassar com sucesso os atuais desafios Sólida presença doméstica Clara estratégia internacional Gestão conservadora e prudente Estratégia consistente, com uma base acionista e uma Equipa de Gestão estáveis Forte posicionamento doméstico, tanto no segmento de Particulares como nas Empresas: quota de mercado média de 19,7% em Portugal, com uma quota de mercado de 25,5% no segmento de Empresas. Liderança no Trade Finance (quota de mercado de 32,1%) Ampla presença internacional, em 24 países e 4 continentes, orientada para geografias com fortes ligações económicas e culturais com Portugal, como Angola, Brasil e Espanha Exportação do know-how adquirido e reconhecido no mercado doméstico nas áreas de Private Banking, Corporate Banking, Banca de Investimento e Trade Finance para o desenvolvimento da atividade internacional Uma das principais prioridades do BES é a manutenção de e elevados níveis de capital. Em jun.14 o BES concluiu, com sucesso, um aumento de capital, recorrendo exclusivamente a soluções de mercado, que o coloca na lista de banco mais bem capitalizados da Europa Os níveis sólidos de capital do BES representam uma vantagem competitiva para o Banco, no âmbito da recuperação da economia Portuguesa e da sua expansão internacional. Do mesmo modo conferem ao BES buffers de capital adicionais, importantes para fazer face às novas exigências regulamentares, e es, nomeadamente e o AQR eosst stress tests conduzidos dos pelo BCE Para manter os elevados níveis de eficiência, o BES implementou um plano de corte de custos no montante de cerca de Eur 100M entre Nos últimos 3 anos verificou-se uma melhoria do perfil de liquidez do BES, com os recursos totais de clientes (depósitos e produtos de bancassurance) a representarem 66% da estrutura de funding O programa de deleverage implementado em jun.10 conduziu a uma redução do rácio Crédito / Depósitos para 129% em mar.14,. Esta evolução foi principalmente sustentada por um forte aumento da base de depósitos de 39% (ou Eur 10.2mM), beneficiando do forte reconhecimento comercial do Banco O BES recuperou o acesso ao mercado de dívida (sénior e subordinada). Em 2014 o BES colocou e emissões de dívida sénior, com forte procura de investidores institucionais e com yields inferiores 23

25 Índice I. Origem e Estrutura Acionista II. III. IV. Visão Global Atuais Desafios e Principais Indicadores Conclusão Anexo: Detalhes da Atividade Internacional 24

26 Fundado em 2001, O BES Angola disponibiliza atualmente um leque de produtos e serviços inovadores e de elevada qualidade Estratégia Estrutura Acionista Presença numa economia com uma das mais elevadas taxas de crescimento a nível mundial, com fortes ligações a Portugal e à Europa Possibilidade de expansão de projetos para países geograficamente próximos BES Angola tem uma equipa especializada em banca de empresas GENI 19.0% Portmill 24.0% Outros 1.3% BES 55.7% OBES detém 55.7% do BES Angola. Os restantes 44.3% são detidos por parceiros locais Prioridades Estratégicas Áreas de Negócio Nº de empresas Portuguesas exportadoras para Angola Corporate Banking Affluent e Private Banking Banca de Investimento Expansão da actividade por forma a estabelecer um modelo multiespecialista de abordagem ao mercado Enfoque em canais de distribuição alternativos, nomeadamente telemóvel Trade Finance (Empresas Portuguesas e Brasileiras presentes em Angola) Portugal: elo de ligação entre Europa e África 25

27 Em Moçambique, o BES pretende potenciar o seu expertise e know-how Em 2010 o BES comprou uma participação de 25,1% no Moza Banco. Em junho de 2013 o BES aumentou a sua participação no Moza Banco para 49%, tendo sido celebrado um acordo com a Moçambique Capitais (participação de 2 Tete 51% no Moza Banco), para a implementação de um plano estratégico com enfoque: i) No desenvolvimento e expansão da atividade Manica Sofala comercial do Moza Banco, 1 1 ii) Na implementação de novas linhas de negócio orientadas para a Gestão de Ativos e Banca de Inhambane 1 Investimento Gaza 1 5ª maior rede em Moçambique, com quota de mercado de55%emjun13(+17pp 5.5% em Jun.13 (+1.7p.p. de38%emdez12) 3.8% em Dez.12) 13 Maputo Niassa Zambézia 1 Cabo Delgado Nampula 2 # 1 Presença Atual Número de Balcões Rede de 23 agências e 6 centros de negócios (22 balcões, 10 centros de empresas e 4 unidades de Private banking) Nº de empresas Portuguesas exportadoras para Moçambique

28 Em Cabo Verde, o BES tem um compromisso com o desenvolvimento do país, nomeadamente através da capacidade de atrair empresas que pretendam explorar o potencial da África Ocidental Linha de Trade Finance BES CV compromisso com o desenvolvimento local Conhecimento do mercado e agentes locais Forte posicionamento no segmento de Empresas e Institucionais 1. OBESC Cabo Verde promove a actividade id d internacional através de linhas específicas de trade finance: BESCV abre de LC s BESCV confirma LC s 2. O BES Cabo Verde oferece serviços que permitem às empresas antecipar as receitas de exportação: LC s Discount. Sede do BES CV na Cidade de Praia, na ilha de Santiago e balcão na ilha do Sal Equipa especializada e inteiramente dedicada a empresas que pretendam desenvolver a sua actividade me Cabo Verde Apoiar o número cada vez maior de empresas interessadas em exportar para Cabo Verde Forte ligação com a diáspora Cabo-verdiana, sedeada em Portugal, EUA e Angola 27

29 No Norte de África o BES desenvolveu parcerias na Argélia e em Marrocos Argélia O BES tem uma parceria com o Banque Exterieure d Algérie (BEA) O BEA é o maior banco na Argélia e o 6º maior em África. É um banco público, especializado em trade finance Os dois bancos mantêm uma intensa relação comercial e institucional Constituição de uma Empresa de Leasing: ILA -Ijar Leasing O BES entrou no capital da ILA - Ijar Leasing, uma empresa de leasing Argelina, de modo a facilitar às PME s portuguesas o acesso ao mercado Argelino, ao mesmo tempo que cria condições para o desenvolvimento de PME s no país O BES detém uma participação de 35% na ILA - Ijar Leasing. Os restantes 65% são detidos pelo BEA O BES partilha o seu know-how na área de leasing A ILA ljar Leasing iniciou actividade no 1T12 Marrocos O BES tem uma parceria com o Banque Marocaine du Commerce Exterieur (BMCE) O BMCE é o 3º maior banco marroquino (com um número alargado de agências) e é especializado em trade finance O BMCE também é especializado na atividade de leasing e factoring internacional Este banco usufrui também do acesso a uma rede africana alargada de Bancos, através das participações de capital que tem em várias sucursais do Bank of Africa Esta parceria é estratégica para o apoio à base de clientes de ambos os bancos 28

30 e na Líbia enquanto acionista com controlo de gestão do Aman Bank Acionista com controlo de gestão do Aman Bank for Commerce and Investment O Aman Bank é um banco comercial moderno, fundado em 2003 por investidores privados. Integra o Grupo Banco Espirito Santo desde Abril de 2010 (o BES detém o controlo de gestão). A maioria dos membros do Conselho de Administração são nomeados pelo BES (4 em 7) e é o BES que elege a Comissão Executiva sexto maior banco na Líbia com um capital de100 milhões de LYD, totalmente t t subscrito por investidores privados: BES (40%) e empresários privados locais (60%)... um banco com uma estrutura comercial segmentada com 23 balcões e 7 unidades móveis líder de mercado na área de pagamentos eletrónicos, com 120 ATMs (60% quota de mercado) e cerca de 300 POSs (90% quota de mercado). um banco com um forte posicionamento i na área de Banca de Empresas e com equipas especializadas em Trade Finance e Garantias único Banco na Líbia que não sofreu sanções da ONU, U.E. e EUA durante os conflitos no país 29

31 O BES está no Brasil desde 1976, um dos mercados mais importantes para o Banco Brasil O BES e o Bradesco reforçaram a sua parceria em 2000 com a fundação do BESI Brasil - BESI (80%) and Bradesco (20%) Banco local com experiência internacional e uma base de clientes composta por Empresas e Institucionais actividade orientada para o mercado de capitais, gestão de risco, proprietary trading, project finance, distribuição de produtos de dívida, private equity e corporate finance Em Dez. 11 as actividades do BES no Brasil e nos EUA são reconhecidas pelo BACCF através do prémio Excellence Award (atribuído pela Brazilian-American Chamber of Commerce da Flórida) recebido pelo CEO do BES Racional Economia emergente em forte expansão, com elevado potencial de crescimento e com fortes afinidades com Portugal Áreas de Negócio Banca de Investimento e to A actividade de asset management está a cargo da BESAF A actividade de corretagem pertence à BES Securities A actividade de wealth management está a cargo da BES DTMV A actividade de Private Equity é conduzida pela 2bcapital Indicadores Chave (1T14) Res. Liq.: EUR 1,8M Crédito: EUR 665M Ativos Totais: EUR 2,3mM Nº Empresas Portuguesas exportadoras para o Brasil

32 Em Espanha, o BES é especialista em Private Banking, Banca de Empresas e Banca de Investimento, facilitando e promovendo as exportações e o investimento direto das empresas portuguesas para este país e das empresas espanholas para Portugal A presença do BES em Espanha Racional Expansão natural. Portugal é o principal parceiro comercial. Aposta na actividade transfronteiriça dando apoio às PME s Áreas de Negócio Banca de Investimento Enfoque em Consultoria e Mercado de Capitais 11º lugar na Bolsa de Madrid com uma quota de mercado de 3,2% (1T14) BES tem 30 balcões em Espanha, dos quais 7 são Centros de Empresas Banca de Empresas Private Banking Banca de Investimento Indicadores d Chave (1T14) Res. Líquido: EUR 14,5M Crédito: EUR 3,3mM Balcões Total Ativos: EUR 6,4mM Centros de Empresa Regionais Centro de Empresas Nº Empresas Portuguesas exportadoras para Espanha # 2 no mercado ibérico de Fusões & Aquisições em 2013 ( número e valor de operações concluídas) Forte especialização sectorial com destaque para o sector de energia Foco em mandatos cross-border, tirando partido da presença internacional, sobretudo na América Latina 31

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas

Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos. 31 de março de 2015 Contas não auditadas Atividade Consolidada Grupo Caixa Geral de Depósitos 31 de março de 2015 Contas não auditadas Agenda Resultados Balanço Liquidez Solvência Conclusões NOTA: Os valores relativos a março de 2014 são reexpressos

Leia mais

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA

Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA Espírito Santo Investment Bank Overview FIT FOR A NEW ERA December 2011 Espírito Santo Investment Bank Somos: A unidade de Banca de Investimento do Grupo Banco Espírito Santo O Banco de Investimento de

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS ANUAL 2015 FEVEREIRO 2016 Conferência de imprensa Disclaimer A informação constante neste documento foi preparada de acordo com as normas internacionais de relato financeiro

Leia mais

Apoio à Internacionalização das Empresas

Apoio à Internacionalização das Empresas Apoio à Internacionalização das Empresas 26 de Novembro de 2009 Apoio à internacionalização das empresas Moçambique: Dados Gerais O Sector Financeiro em Moçambique O Grupo Caixa Geral de Depósitos Soluções

Leia mais

Apresentação de Resultados 1º Semestre de 2010. (Valores Não Auditados)

Apresentação de Resultados 1º Semestre de 2010. (Valores Não Auditados) (Valores Não Auditados) AGENDA 1 2 3 4 5 6 : Aspectos Mais Relevantes Resultados Consolidados do Actividade Doméstica e Internacional Solvabilidade, Liquidez e Principais Exposições Accionistas Responsabilidade

Leia mais

Relatório e Contas 2012 Grupo Banco Espírito Santo

Relatório e Contas 2012 Grupo Banco Espírito Santo Relatório e Contas 2012 Grupo Banco Espírito Santo I 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Relatório de Gestão Mensagem Conjunta do Presidente do Conselho de Administração e do Presidente da Comissão Executiva O Grupo BES

Leia mais

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada.

Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS. Informação não auditada. Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2015 1S2015 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 7 de Agosto de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

27 maio 2016. Informação financeira não auditada

27 maio 2016. Informação financeira não auditada Apresentação de Resultados 1T2016 27 maio 2016 Informação financeira não auditada Agenda 1. Destaques 2. Funding e Liquidez 3. Qualidade dos Ativos 4. Capital 5. Resultados 6. Side Bank 7. Sumário Apêndice:

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

Resultados consolidados do Millennium bcp no primeiro semestre de 2004

Resultados consolidados do Millennium bcp no primeiro semestre de 2004 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, 4000-434 Porto Capital Social: 3.257.400.827 euros Matriculada na C.R.C. do Porto sob o nº 40.043 Pessoa Colectiva nº 501.525.882

Leia mais

2013 Relatório e Contas

2013 Relatório e Contas 2013 Relatório e Contas 2013 Relatório e Contas Índice Relatório e Contas 2013 Grupo Banco Espírito Santo I 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Relatório de Gestão Mensagem Conjunta do Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

DESEMPENHO E RESULTADOS

DESEMPENHO E RESULTADOS BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015

COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 COMUNICADO RESULTADOS TRIMESTRAIS (Não auditados) 28 de Maio de 2015 Sociedade Comercial Orey Antunes, S.A. Sociedade Aberta Rua Carlos Alberto da Mota Pinto, nº 17 6A, 1070-313 Lisboa Portugal Capital

Leia mais

O Millenniumbcp e O Novo Mundo em que estamos

O Millenniumbcp e O Novo Mundo em que estamos O Millenniumbcp e O Novo Mundo em que estamos 1985- Desde a fundação 2005 2010 1985-1995 Crescimento orgânico para alcançar posição relevante 1995-2000 Consolidação para atingir dimensão crítica 2000-2004

Leia mais

DESEMPENHO E RESULTADOS

DESEMPENHO E RESULTADOS BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas)

COMUNICADO 9M 2015 COMUNICADO 9M 2015. (Contas não auditadas) COMUNICADO 9M 2015 (Contas não auditadas) 30 novembro 2015 1 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial e as

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 9M 2015 NOVEMBRO 2015 Disclaimer A informação constante neste documento foi preparada de acordo com as normas internacionais de relato financeiro ( IFRS ) do Grupo BCP no âmbito

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Dezembro 2015

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. Dezembro 2015 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Dezembro 2015 Disclaimer Este documento não representa uma oferta de valores mobiliários para venda nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Japão ou em qualquer outra jurisdição.

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico

Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico Os bancos angolanos no estrangeiro e os bancos estrangeiros em Angola II Fórum Banca Expansão Diário Económico João Fonseca Luanda, EPIC Sana 2 de Junho de 212 Agenda 1. Investimento estrangeiro de bancos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS

APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS 3M 2015 MAIO 2015 Disclaimer Este documento não representa uma oferta de valores mobiliários para venda nos Estados Unidos, Canadá, Austrália, Japão ou em qualquer outra jurisdição.

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI ENTRE JANEIRO E SETEMBRO DE 2014

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI ENTRE JANEIRO E SETEMBRO DE 2014 BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012

O Sector Bancário Angolano. Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 O Sector Bancário Angolano Fernando Costa Lima Luanda, 3 de Julho de 2012 1 Julho de 2012 The big picture... 23 (2011) 47% (Abril 2012) 7 Bancos (#) Quota depósitos a ordem 21% Bancos Angolanos no Top

Leia mais

2013 Relatório e Contas

2013 Relatório e Contas 2013 Relatório e Contas 2013 Relatório e Contas Índice Relatório e Contas 2013 Grupo Banco Espírito Santo I 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Relatório de Gestão Mensagem Conjunta do Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Apresentação dos Resultados Click to edit Master title style

Apresentação dos Resultados Click to edit Master title style Apresentação dos Resultados Click to edit Master title style Seminário de Exportação para o Brasil Serviços Bancários à Exportação CGD Nuno Marques Direção Internacional de Negócio Lisboa, 21 Janeiro 2014

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

O Papel da Banca no Contexto da Internacionalização. Roadmap para a Internacionalização Castelo Branco 19.fevereiro.2015

O Papel da Banca no Contexto da Internacionalização. Roadmap para a Internacionalização Castelo Branco 19.fevereiro.2015 O Papel da Banca no Contexto da Internacionalização Roadmap para a Internacionalização Castelo Branco 19.fevereiro.2015 2 Desafios da internacionalização Desafios Língua e Cultura Hábitos e crenças diferentes

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI EM 2014

RESULTADOS CONSOLIDADOS DO BANCO BPI EM 2014 BANCO BPI, S.A. Sociedade aberta Capital Social: 1 293 063 324.98 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede: Rua Tenente

Leia mais

tem Soares dos Santos mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos - P3O

tem Soares dos Santos mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos - P3O tem Soares dos Santos mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos - P3O Soares dos Santos tem mais dinheiro na bolsa que China e Angola juntos A subida das acções da Jerónimo Martins levou a família

Leia mais

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS SECTOR BANCÁRIO PORTUGUÊS (I/II) Principais Indicadores a Março de 2015 69 Instituições de crédito EUR 465,2 mil milhões em activos Rácio de Transformação (Dez 14):

Leia mais

As nossas acções Sonaecom

As nossas acções Sonaecom 3.0 As nossas acções Em 2009, as acções da Sonaecom registaram o segundo melhor desempenho do PSI-20, valorizando cerca de 92,2 %, o que constitui uma prova clara da nossa resiliência e um voto de confiança

Leia mais

Jornadas de Diplomacia Económica. Humberto Casanova Direção Internacional de Negócio

Jornadas de Diplomacia Económica. Humberto Casanova Direção Internacional de Negócio Jornadas de Diplomacia Económica Humberto Casanova Direção Internacional de Negócio ISEG, 5 de Dezembro de 2012 1 Índice I. Estratégia e Presença Internacional II. Apoio financeiro à Internacionalização

Leia mais

SOLUÇÕES IBÉRICAS PARA EMPRESAS MARÇO 2014

SOLUÇÕES IBÉRICAS PARA EMPRESAS MARÇO 2014 MARÇO 2014 EM ESPANHA, COMO EM PORTUGAL BPI e CaixaBank desenvolveram, em parceria, as Soluções Ibéricas para Empresas, uma oferta inovadora de produtos e serviços para apoiar as empresas que operam no

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005

COMUNICADO. Bank Millennium na Polónia apresenta Resultados de 2005 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.588.331.338 Euros COMUNICADO Bank Millennium na

Leia mais

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011

Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses 15 Julho 2011 Exercício de stress test Europeu: Resultados principais dos bancos portugueses Julho Esta nota resume as principais características e resultados do exercício de stress test realizado ao nível da União

Leia mais

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS

OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS OVERVIEW DO SISTEMA BANCÁRIO PORTUGUÊS ÍNDICE I. Importância do Sector Bancário na Economia II. III. Actividade de Crédito Financiamento IV. Solvabilidade V. Regimes de Recapitalização Pública e de Concessão

Leia mais

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001

BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 BANCO ESPIRITO SANTO RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 2 RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2001 ASPECTOS MAIS RELEVANTES: SIGNIFICATIVO CRESCIMENTO DA ACTIVIDADE DESIGNADAMENTE A CAPTAÇÃO DE RECURSOS

Leia mais

SEMINÁRIO Exportar para o México

SEMINÁRIO Exportar para o México SEMINÁRIO Exportar para o México Gonçalo Gaspar Diretor Direção Internacional de Negócio da CGD Porto, 26 de Setembro de 2012 1 Índice México: relacionamento comercial com Portugal Grupo CGD: Presença

Leia mais

Fórum Exportador do CEDRAC O Montepio e a atividade exportadora. Roadmap para a Internacionalização Guimarães 12.junho.2015

Fórum Exportador do CEDRAC O Montepio e a atividade exportadora. Roadmap para a Internacionalização Guimarães 12.junho.2015 Fórum Exportador do CEDRAC O Montepio e a atividade exportadora Roadmap para a Internacionalização Guimarães 12.junho.2015 2 Montepio Parceiro no apoio à expansão do negócio das empresas Grupo Montepio

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011

Resultados consolidados do Banco BPI no 1.º semestre de 2011 www.ir.bpi.pt BANCO BPI, S.A. - Sociedade aberta Capital Social: 990 000 000 euros; Pessoa Colectiva n.º 501 214 534 Matrícula na Conservatória do Registo Comercial do Porto, sob o n.º 501 214 534 Sede:

Leia mais

Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas

Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas Recapitalizar as Pequenas e Médias Empresas Portuguesas Apresentação na 1ª Reunião do Fórum CMVM/PME para o Mercado de Capitais Carlos Tavares 27 Março 2012 1 Redução dos desequilíbrios externos da Economia

Leia mais

X FÓRUM DA BANCA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA

X FÓRUM DA BANCA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA ÍNDICE I. Evolução da banca na última década II. Efeitos da crise financeira 2008-2010 III. Situação actual IV. Financiamento à economia V. Principais desafios

Leia mais

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização

BANCO POPULAR. Parceiro na Internacionalização BANCO POPULAR Parceiro na Internacionalização Um Banco Ibérico com Presença Internacional Escritórios de representação Banco Popular Genebra Milão Munique Santiago do Chile Xangai Banco Pastor Buenos Aires

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos

MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos WWW.FORUMCOMPETITIVIDADE.ORG MERCADO DE CAPITAIS PORTUGUÊS: Enquadramento, Visão das Empresas e Tópicos para Reflexão Dezembro 215 Apoio Contextoe objetivos desta reflexão O Forum para a Competitividade

Leia mais

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas)

COMUNICADO 1S 2015. COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) COMUNICADO 1S 2015 (Contas não auditadas) 31 agosto 2015 1. EVOLUÇÃO DOS NEGÓCIOS 1.1. ÁREA FINANCEIRA A Área Financeira do Grupo concentra as atividades financeiras, incluindo a Orey Financial, e as suas

Leia mais

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007

Comunicado Reuters>bcp.Is Exchange>MCP Bloomberg>bcp pl ISIN PTBCP0AM00007 26 de Outubro de 2010 Actividade do Bank Millennium (Polónia) no 3º Trimestre de 2010 O Banco Comercial Português, S.A. informa que o Bank Millennium S.A. com sede em Varsóvia, Polónia, entidade na qual

Leia mais

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO BANCO ESPÍRITO SANTO, S.A. Sociedade Aberta Pessoa Colectiva N.º 500 852 367 Sede: Av. da Liberdade, n.º 195, 1250 142 Lisboa Mat. N.º 1607 Conservatória Registo Comercial Lisboa Capital Social: 1.500.000.000,00

Leia mais

Antonio Vieira Monteiro Chefe do País, Portugal

Antonio Vieira Monteiro Chefe do País, Portugal Antonio Vieira Monteiro Chefe do País, Portugal O Banco Santander Totta, S.A. ("Santander Totta") e o Banco Santander, S.A. ( Santander ) advertem que esta apresentação contém declarações sobre o futuro.

Leia mais

A gestão dos ativos imobiliários da banca na sequência da crise. Patrimónios imobiliários da Banca e suas implicações

A gestão dos ativos imobiliários da banca na sequência da crise. Patrimónios imobiliários da Banca e suas implicações www.pwc.com/pt A gestão dos ativos imobiliários da banca na sequência da crise Patrimónios imobiliários da Banca e suas implicações 27 fevereiro 2013 Patrimónios imobiliários da Banca e suas implicações

Leia mais

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP

Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP Perspetivas de colaboração Portugal China, Apoios à internacionalização e o papel da AICEP AIMINHO Braga, 24 de Outubro, 2014 1 P a g e Distintas Entidades aqui presentes, Senhores Empresários, Minhas

Leia mais

COMUNICADO. O Santander Totta alcançou 271,1 milhões de euros de Resultado Líquido no final do primeiro semestre de 2007, uma subida de 28,1%.

COMUNICADO. O Santander Totta alcançou 271,1 milhões de euros de Resultado Líquido no final do primeiro semestre de 2007, uma subida de 28,1%. Santander Totta, SGPS, SA Sede: Rua do Ouro, 88 1100-061 Lisboa Capital Social: 1.508.794.421,25 Matriculado na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Sob o n.º 14.901 Pessoa Colectiva n.º 507 096

Leia mais

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO

BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta COMUNICADO BANCO BPI, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Tenente Valadim, 284, Porto Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Porto sob o número único de matrícula e identificação fiscal 501 214 534 Capital

Leia mais

Sociedade Lusa de Negócios

Sociedade Lusa de Negócios Sociedade Lusa de Negócios Estrutura do Grupo: Estrutura Acionária: A SLN, holding do grupo, detém 100% do Grupo BPN. Os acionistas diretos e indiretos da SLN, os quais totalizam 500, não possuem participação

Leia mais

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015

APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015 Grupo Caixa Económica Montepio Geral APRESENTAÇÃO RESULTADOS 1º Trimestre 2015 Atividade Consolidada (Informação financeira não auditada) 12 de maio 2015 CAIXA ECONÓMICA MONTEPIO GERAL A CEMG NO PERÍODO

Leia mais

DEPÓSITO INDEXADO CARREGOSA CABAZ BANCA ZONA EURO PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPECTO INFORMATIVO

DEPÓSITO INDEXADO CARREGOSA CABAZ BANCA ZONA EURO PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO PROSPECTO INFORMATIVO DEPÓSITO INDEXADO CARREGOSA CABAZ BANCA ZONA EURO PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Designação Classificação Caracterização do Produto Garantia de capital Garantia de remuneração Factores de risco Instrumentos

Leia mais

Plano de Recapitalização - Lei n.º 63-A/2008 -

Plano de Recapitalização - Lei n.º 63-A/2008 - Plano de Recapitalização - Lei n.º 63-A/2008-4 de junho de 2012 Índice Nota Prévia 4 Sumário Executivo 6 1. Caracterização da instituição requerente 12 1.1. Informação geral 12 a. Introdução 12 b. Contexto

Leia mais

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique

Missão Empresarial a Moçambique. O financiamento para as empresas em Moçambique Missão Empresarial a Moçambique O financiamento para as empresas em Moçambique Maio de 2013 Enquadramento Macroeconómico Financiamento Bancário: - Tipos de Crédito; - Riscos de Crédito Água: Tipos de negócio

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

A atual oferta de financiamento

A atual oferta de financiamento Ciclo de Conferências CIP Crescimento Económico: Diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Nuno Amado 28.nov.14 Centro de Congressos de Lisboa 5 Mitos sobre o financiamento

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO

EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO L2 0 0 6 R E L AT Ó R I O A N U A EMPRESAS BRADESCO SEGUROS, PREVIDÊNCIA E CAPITALIZAÇÃO Prêmio de Seguros Participação no Mercado (em %) Mercado 74,2% Fonte: Susep e ANS Base: Nov/2006 Bradesco 25,8%

Leia mais

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades

Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Alentejo no horizonte 2020 Desafios e Oportunidades Vendas Novas - 02 de julho de 2013 aicep Portugal Global é uma agência pública de natureza empresarial, cuja missão é: Atrair investimento estrangeiro

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO E INDIVIDUAL

RELATÓRIO E CONTAS CONSOLIDADO E INDIVIDUAL BANCO ESPÍRITO SANTO, S.A. Sociedade Aberta Sede: Avenida da Liberdade, n.º 195, 1250 142 Lisboa - Portugal Nº de Mat. na Conservatória Registo Comercial Lisboa e de Pessoa Coletiva 500 852 367 Capital

Leia mais

www.bpnbrasil.com.br O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Abril/2011

www.bpnbrasil.com.br O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Abril/2011 www.bpnbrasil.com.br O S E U B A N C O D E N E G Ó C I O S Abril/2011 1 Perfil & Produtos Banco Múltiplo com foco em empresas de médio e grande porte, com atuação nas principais cidades do país. Produtos

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS Reuters: BANIF.LS Bloomberg: BANIF PL ISIN: PTBAF0AM0002 www.banif.pt/investidores 2014 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 28 de Fevereiro de 2015 Informação não auditada. RESULTADOS CONSOLIDADOS: Janeiro

Leia mais

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO

SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO Maia, 11 de março de 2015 Reforço de posições de liderança em Portugal, internacionalização e compromisso com famílias em 2014 SONAE REFORÇA VENDAS E INTERNACIONALIZAÇÃO 1. PRINCIPAIS DESTAQUES DE 2014:

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro

SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR. Viana do Castelo, 11de Fevereiro SEMINÁRIO EXPORTAR, EXPORTAR, EXPORTAR Viana do Castelo, 11de Fevereiro www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida em resumo

Leia mais

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

Banco Santander (Brasil) S.A.

Banco Santander (Brasil) S.A. Banco Santander (Brasil) S.A. Resultados em BR GAAP 4T14 3 de Fevereiro de 2015 INFORMAÇÃO 2 Esta apresentação pode conter certas declarações prospectivas e informações relativas ao Banco Santander (Brasil)

Leia mais

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO

SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO SETOR FINANCEIRO 2014 SETOR FINANCEIRO BRASIL MOÇAMBIQUE UM LONGO HISTORIAL DE EMPREENDEDORISMO Tendo reestruturado recentemente o seu portefólio no setor financeiro, o Grupo Américo Amorim concentra

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

FINANCIAMENTO A PME S

FINANCIAMENTO A PME S FINANCIAMENTO A PME S Mbim - Visão e Oferta Maputo, 18 de Abril de 2013 1 Conteúdos FINANCIAMENTO A PME S 1. Fundamentos e Racional ao Financiamento 2. Tipologia Desafios e Oportunidades 3. Financiamento

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A.

EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. De acordo com o disposto no artigo 8º do Regulamento n.º 11/2000 da CMVM transcreve-se a EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE NO 1º TRIMESTRE DE 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João

Leia mais

BES Soluções Micro Poupança

BES Soluções Micro Poupança BES Soluções Micro Poupança 1 BES Soluções Micro Poupança De acordo com o Inquérito à literacia financeira da população portuguesa 2010 do Banco de Portugal, 48% da população portuguesa não faz poupanças.

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS

RESULTADOS CONSOLIDADOS 2012 RESULTADOS CONSOLIDADOS Lisboa, 8 de Fevereiro de 2013 A presente informação anual não foi sujeita a auditoria. Processo de Recapitalização A 31 de Dezembro de 2012 foi anunciada a aprovação por parte

Leia mais

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência

Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA. Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência Ccent. 17/2012 BES / BES-VIDA Decisão de Não Oposição da Autoridade da Concorrência [alínea b) do n.º 1 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de Junho] 3/05/2012 DECISÃO DE NÃO OPOSIÇÃO DA AUTORIDADE

Leia mais

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento

Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Crescimento Económico: diversificar o modelo de financiamento das PME A atual oferta de financiamento Eduardo Stock da Cunha CEO Novo Banco Novembro de 2014 Novembro 2014 Depois de um período de contração,

Leia mais

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO

GRUPO BANCO ESPÍRITO SANTO BANCO ESPÍRITO SANTO, S.A. Sociedade Aberta Pessoa Colectiva N.º 500 852 367 Sede: Av. da Liberdade, n.º 195, 1250 142 Lisboa Mat. N.º 1607 Conservatória Registo Comercial Lisboa Capital Social: 1.500.000.000,00

Leia mais

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização

1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização 1ª Semana Europeia das PME Workshop Internacionalização Faro, 7 de Maio de 2009 Índice Posicionamento AICEP AICEP - Produtos e Serviços Apoios à Internacionalização Posicionamento AICEP Posicionamento

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

ATIVIDADE CONSOLIDADA DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS. em 31 de março de 2015 Contas não auditadas

ATIVIDADE CONSOLIDADA DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS. em 31 de março de 2015 Contas não auditadas ATIVIDADE CONSOLIDADA DA CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS em 31 de março de 2015 Contas não auditadas 2 ATIVIDADE CONSOLIDADA EM 31 DE MARÇO DE 2015 CGD 2013 CGD ATIVIDADE CONSOLIDADA EM 31 DE MARÇO DE 2015 3

Leia mais

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015

Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Divulgação de Resultados Segundo Trimestre de 2015 Apresentação da Teleconferência 06 de agosto de 2015 Para informações adicionais, favor ler cuidadosamente o aviso ao final desta apresentação. Divulgação

Leia mais

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão

Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros. Lara Simone Beirão Pelouro de Supervisão Bancária e de Seguros Lara Simone Beirão Dezembro de 2014 1 Introdução Outline 2 Carteira de Activos 3 4 Evolução do Passivo Alguns Indicadores 5 Síntese 6 Desafios do Sistema Financeiro

Leia mais

/ Warrants: uma definição /

/ Warrants: uma definição / Warrants www.warrants.commerzbank.com Warrants: uma definição Os warrants são valores mobiliários associados a activos como acções, índices ou taxas de câmbio que amplificam os movimentos DE preço dos

Leia mais

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO

A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO A ADESÃO DE PORTUGAL E AS IMPLICAÇÕES NO SECTOR FINANCEIRO 1. Breve panorama da evolução histórica Em 1 de Janeiro de 1986, quando Portugal entra na então Comunidade Económica Europeia (CEE), o sector

Leia mais

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002

A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 A INDÚSTRIA DA GESTÃO DE ACTIVOS 2002 ÍNDICE 1. Caracterização da Indústria de Gestão de Activos...pág. 01 2. Evolução da Indústria de Gestão de Activos...pág. 04 2.1 A Gestão Colectiva de Activos...pág.

Leia mais

Portugal Telecom. Zeinal Bava CFO do Grupo Portugal Telecom. Governo das Sociedades e a Transparência das Empresas Cotadas

Portugal Telecom. Zeinal Bava CFO do Grupo Portugal Telecom. Governo das Sociedades e a Transparência das Empresas Cotadas Portugal Telecom Governo das Sociedades e a Transparência das Empresas Cotadas Zeinal Bava CFO do Grupo Portugal Telecom Lisboa, 12 de Dezembro de 2002 Estrutura do Grupo PT Comunicações PT Móveis PT Prime

Leia mais

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt

CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt CRESCER COM SEGURANÇA. CÁ DENTRO E LÁ FORA. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos, S.A. 2014 Índice Sobre a COSEC Porquê a COSEC Seguro de Créditos Soluções à medida 2 Sobre a COSEC Quem somos

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

1.2. MENSAGEM DO PRESIDENTE

1.2. MENSAGEM DO PRESIDENTE 1.2. MENSAGEM DO PRESIDENTE 1. O ano de 2010, que coincide com o final do mandato do actual Conselho de Administração da CGD, foi profundamente marcado pela crise financeira iniciada no segundo semestre

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais