3.2 Companhias de seguros

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.2 Companhias de seguros"

Transcrição

1 como, por exemplo, do investimento em infra-estruturas de grande envergadura, do papel da RAEM como plataforma de serviços entre o Interior da China e os países de língua portuguesa, assim como da estratégia de desenvolvimento mais equilibrada e sustentável por parte do Governo Central e do Governo da RAEM. No entanto, incertezas como o impacto das medidas de saída tomadas pelos bancos centrais ainda podem provocar alguma volatilidade no mercado financeiro. Os bancos devem desenvolver esforços no sentido de melhorar os respectivos processos de gestão do risco e os controlos internos, de modo a poderem lidar com o ambiente operacional em mudança, bem como para estarem melhor preparados para enfrentar as oportunidades e desafios no futuro. 3.2 Companhias de seguros A actividade seguradora na RAEM, até ao final de 2009, era exercida por 23 seguradoras, dedicando-se 11 ao ramo vida que, cumulativamente, proporcionam serviços de gestão aos fundos privados de pensões e as restantes 12 à exploração dos ramos gerais. Em relação a 2008 verificou-se a redução de uma seguradora dos ramos gerais, devido à conclusão do processo de running-off, tendo a respectiva autorização sido revogada em Novembro do ano em análise. No que respeita à localização da respectiva sede social, as seguradoras autorizadas a exercer a actividade são maioritariamente sucursais de seguradoras com sede no exterior, representando interesses de 6 países e, ainda, a RAEHK, sendo 8 seguradoras constituídas localmente. O sector segurador, em finais de Dezembro de 2009, empregava 407 trabalhadores, o que equivalia a um decréscimo anual de 2,6%. Quanto à colaboração indirecta, estavam registados mediadores de seguros, dos quais 72,7% eram agentes individuais, 24,4% como angariadores de seguros e os restantes eram agentes em nome colectivo (2,1%) e corretores (0,8%). Em termos do número de licenças concedidas aos mediadores de seguros acima referenciados, representavam na globalidade autorizações, sendo licenças para mediação de seguros do ramo vida e para os ramos gerais. Em 2009, o sector segurador comercializou produtos que geraram uma receita de MOP3.260,4 milhões, ou seja, 5,4% inferior QUADRO II.17 EVOLUÇÃO DOS PRÉMIOS BRUTOS, (10 3 Patacas) Valor % Valor % Valor % Vida , , ,5 Ramos gerais , , ,4 Total , , ,4 Nota: Valores provisórios para

2 2 ao volume da produção bruta do ano anterior, revelando a repercussão da crise financeira mundial. Como aspectos mais salientes da evolução global do sector no ano de 2009 deve-se destacar o sector do ramo vida local que, contrariamente aos anos anteriores, registou taxa de crescimento negativa, com 8,5%. No que se refere ao sector dos ramos gerais, apesar do abrandamento da economia da RAEM, devido à suspensão das obras de construção do sector imobiliário, registou, no ano em apreço, um acréscimo de 3,4% contra o -7,6% do ano precedente. A produção bruta do ramo vida, atingiu MOP2.332,0 milhões, correspondendo a 71,5% do total da facturação do mercado segurador, tendo os ramos gerais arrecadado uma quota de 28,5%, traduzido em termos absolutos MOP928,4 milhões. o maior incremento com uma taxa de 7,1%, a que correspondia 27,1% do total de prémios deste sector. O ramo acidentes de trabalho registou uma taxa de crescimento de 3,5%, com MOP194,9 milhões de produção, representando uma quota de 21,0%, idêntica à do ano anterior, situando- -se na terceira posição, logo seguido pelo ramo automóvel, com MOP132,5 milhões alcançados, mantendo-se na quarta posição, com uma quota ligeiramente superior à do ano transacto, ou seja, 14,3% contra 14,1%. Finalmente, o ramo marítimo-carga, a componente menos relevante no contexto da carteira de prémios do mercado segurador de Macau, em termos de evolução registou um decréscimo de -21,1%, sendo a sua quota de apenas 1,2%, equivalente a MOP11,0 milhões, contra os 1,5% em Analisando a produção bruta dos ramos gerais, à excepção do ramo marítimo- -carga, verificou-se que quase todas as modalidades de seguro tiveram taxas de crescimento positivas, embora na classe das unidades, traduzindo, desta forma, a recuperação da evolução deste sector. Em termos de evolução, o ramo diversos com uma produção de MOP337,8 milhões contra MOP333,9 milhões do ano anterior, registou um acréscimo de 1,2% em relação a 2008, continuando ainda, em termos de posicionamento, na liderança, com a quota de 36,4%, quando, em 2008, era de 37,2%. Seguia-se o ramo incêndio, com MOP252,2 milhões, o qual foi o ramo com Em 2009, as indemnizações brutas do sector segurador atingiram o total de MOP1.645,0 milhões, quando, em 2008, foram de MOP1.563,2 milhões. Desse montante global cerca de 79,6% foram suportados pelo ramo vida, ou seja, MOP1.309,0 milhões e os remanescentes, contabilizados em MOP336,0 milhões, a pertenceram aos ramos gerais. Comparando com o ano precedente, as indemnizações, na sua globalidade, revelaram melhorias ao registar, em 2009, 5,2% contra 44,2% em 2008, sendo de destacar os ramos gerais que, para além de terem melhorado na evolução dos prémios brutos, por outro lado, teve comportamento favorável ao conseguir registar, no ano em apreço, um

3 decréscimo de 17,0% contra 14,1% de 2008, no que respeita às indemnizações brutas. Como resultado dessa evolução global, a taxa de sinistralidade do sector segurador situou-se em 50,5% contra 45,4% do ano anterior, ou seja, um acréscimo de 5,1 pontos percentuais. A evolução do sector dos ramos gerais registou uma evolução mais propícia, em relação ao ano transacto, tendo o ramo acidentes de trabalho arrecadado a fatia de MOP120,9 milhões, uma quota de 36,0% do total das indemnizações processadas pelos ramos gerais, logo seguido pelo ramo diversos, com 35,6%, traduzindo um valor de MOP119,8 milhões. Contudo, o ramo automóvel, tradicionalmente o mais gravoso, registou, no ano em apreço, uma quota de 27,3%, correspondendo a MOP91,6 milhões, tendo-se posicionado no terceiro lugar, enquanto que o ramo incêndio situou-se no quarto lugar com apenas MOP4,2 milhões e um peso de 1,2%. Por último, o ramo marítimo-carga registou um balanço negativo de MOP0,5 milhão. Em termos de resultados finais do sector, em 2009 totalizaram MOP422,6 milhões, representando um acréscimo de 339,9% em relação ao ano anterior. Apesar de se ter constatado uma fraca performance na evolução dos prémios brutos, a actividade seguradora alcançou, mais uma vez, um resultado de exploração negativo de 140,1%, no entanto, graças aos proveitos diversos (líquido) que contabilizava MOP827,5 milhões, se tiveram um comportamento muito favorável, quando comparado com o ano anterior, conseguiu superar o resultado negativo de exploração. 101

4 2 GRÁFICO II.23 COMPOSIÇÃO DOS PRÉMIOS BRUTOS (RAMOS GERAIS) (%) Number of autonomous units Acidentes de trabalho Incêndio Automóvel Marítimo-carga Diversos GRÁFICO II.24 COMPOSIÇÃO DOS INDEMNIZAÇÕES BRUTAS (RAMOS GERAIS) (%) Number of autonomous units Acidentes de trabalho Incêndio Automóvel Marítimo-carga Diversos 102

5 QUADRO II.18 EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS DO SECTOR SEGURADOR, Valor Variação % Valor Variação % Valor Variação % (10 3 Patacas) Prémios brutos , , ,4 Proveitos de serviços prestados , , ,0 Custos técnicos , , ,3 Resultado de reeseguro cedido , , ,6 Resultado técnico , Encargos de gestão , , ,7 Resultado de exploração , , ,1 Proveitos diversos (líquido) , , ,6 Resultado do exercício , , ,9 Nota: Valores provisórios para

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO 1.º SEMESTRE 215 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE SEGURADORA ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 215 I. Produção e custos

Leia mais

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS

FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS FIMAP AEP / GABINETE DE ESTUDOS MARÇO DE 2010 1. Variáveis das empresas A fabricação de máquinas para trabalhar madeira insere-se na CAE 294 Fabricação de máquinas ferramentas, que, por sua vez, está contemplada

Leia mais

RELATÓRIO DA ATIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DA ATIVIDADE SEGURADORA RELATÓRIO DA ATIVIDADE SEGURADORA JUNHO 2015 Departamento de Supervisão das Instituições Financeiras Avenida Amílcar Cabral Caixa Postal 101 Telefone (+238) 2607000 Fax (+238) 2607000 Praia CABO VERDE

Leia mais

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III)

ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III) Informação à Comunicação Social 16 de Outubro de 2 ESTATÍSTICAS DO EMPREGO Região Norte (NUTS III) 2º Trimestre de 2 No segundo trimestre de 2, a taxa de desemprego na região Norte cifrou-se em 4,1%, registando

Leia mais

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA

BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA BOLETIM ANUAL DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2006 Banco de Cabo Verde INDICE 1. Enquadramento..3/28 2. Caracterização do sector 7/28 3. Aspectos técnicos e financeiros.. 8/28 3.1. Resseguro Cedido 9/28 3.2.

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ATIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO No primeiro trimestre de a produção de seguro direto, relativa à atividade em Portugal, das empresas de seguros sob a supervisão do ISP observou-se, em termos globais, uma quebra de 11,5% face

Leia mais

Divulgação dos resultados 1º trimestre de (não auditado) 80 ANOS A investir na indústria

Divulgação dos resultados 1º trimestre de (não auditado) 80 ANOS A investir na indústria Divulgação dos resultados 1º trimestre de 2017 (não auditado) 80 ANOS A investir na indústria GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL A F. Ramada Investimentos é a sociedade-mãe de um conjunto de empresas (Grupo

Leia mais

Relatório & C o n t a s 2010

Relatório & C o n t a s 2010 Relatório & Contas de 2010 Garantia Seguros Relatório & Contas de 2010 2 RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 GARANTIA SEGUROS - RELATÓRIO & CONTAS DE 2010 3 Senhores Accionistas, No cumprimento dos preceitos legais

Leia mais

Comentário de desempenho 3T15

Comentário de desempenho 3T15 Comentário de desempenho 3T15 04/11/2015 1 Comentário de desempenho Senhoras e Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras da FPC Par Corretora de Seguros S.A.,

Leia mais

REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS. do dia 17 de Junho de 2011

REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS. do dia 17 de Junho de 2011 REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS do dia 17 de Junho de 2011 O Conselho Nacional de Supervisores Financeiros (CNSF) reuniu no dia 17 de Junho de 2011, sob a presidência do Governador

Leia mais

COMUNICADO. Resultados do Exercício 2013/14

COMUNICADO. Resultados do Exercício 2013/14 SPORTING CLUBE DE PORTUGAL FUTEBOL, SAD Sociedade Aberta Capital Social: 39 000 000 euros Capital Próprio: (119 409 000) euros aprovado em Assembleia Geral de 30 de Setembro de 2013 Sede Social: Estádio

Leia mais

Capítulo 2 Supervisão e Estabilidade do Sistema Financeiro

Capítulo 2 Supervisão e Estabilidade do Sistema Financeiro Capítulo 2 Supervisão e Estabilidade do Sistema Financeiro 1. Estabilidade do Sistema Financeiro De conformidade com o estabelecido na sua Lei Orgânica, compete ao BCV velar pela estabilidade da moeda

Leia mais

Estatísticas do Turismo 2001

Estatísticas do Turismo 2001 Informação à Comunicação Social 29 de Agosto de 22 Estatísticas do Turismo 21 Estando disponível na Internet a publicação Estatísticas do Turismo 21, o INE apresenta os principais resultados referentes

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA SUMÁRIO Em termos acumulados, a produção de seguro directo das empresas de seguros sob supervisão do ISP verificou um aumento de 13,7% face a 2009, praticamente explicado pelo ramo Vida. O ramo Automóvel

Leia mais

SECTOR AGRO-ALIMENTAR

SECTOR AGRO-ALIMENTAR SECTOR AGRO-ALIMENTAR AEP / Gabinete de Estudos Março de 2007 A indústria alimentar e das bebidas ( 15 1 ) é um sector com forte expressividade na economia nacional, o que não é de estranhar dada a sua

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus atingem 10,2 milhões de euros no 1º trimestre de 2017

Proveitos Operacionais da Reditus atingem 10,2 milhões de euros no 1º trimestre de 2017 Proveitos Operacionais da Reditus atingem 10,2 milhões de euros no 1º trimestre de 2017 Proveitos Operacionais de 10,2 milhões de euros (vs. 12,1 milhões de euros) EBITDA de 1,3 milhões de euros (vs. 2,0

Leia mais

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo

ARTIGOS GPEARI-MFAP. Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000 2001. Clara Synek * Resumo ARTIGOS GPEARI-MFAP Abril, ART/ Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e Clara Synek * Resumo O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso

Leia mais

AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 1. Sectores a montante da indústria agroalimentar Os sectores a montante da indústria agroalimentar

Leia mais

Período de referência: Início: º Trimestre 3º Trimestre 5º Trimestre (1) Fim:

Período de referência: Início: º Trimestre 3º Trimestre 5º Trimestre (1) Fim: Empresa: Modelo Continente, Sociedade Gestora de Participações Sociais, SA Sede: Rua João Mendonça, 529-4464-501 Senhora da Hora NIPC: 501 532 927 Período de referência: Início: 01.01.2001 1º Trimestre

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS RESULTADOS PROVISÓRIOS 1 ANO 2014

COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS RESULTADOS PROVISÓRIOS 1 ANO 2014 30 de outubro de 2015 COMÉRCIO INTERNACIONAL DE BENS RESULTADOS PROVISÓRIOS 1 ANO 2014 De acordo com os dados provisórios de 2014 relativos ao Comércio Internacional de bens, aquele ano fica assinalado

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 115.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta COFINA, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto Pessoa Colectiva Número 502 293 225 Capital Social: 25.641.459 Euros Informação financeira do terceiro trimestre

Leia mais

Taxa de. Montante milhares de euros. cedência Ramo Vida ,3% ,6% ,7% cedência

Taxa de. Montante milhares de euros. cedência Ramo Vida ,3% ,6% ,7% cedência 4 RESSEGURO 4. RESSEGURO Volume de negócios O recurso a mecanismos de dispersão e cobertura do risco assume uma importância fundamental na gestão do negócio das empresas de seguros. Embora o co-seguro

Leia mais

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014

Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Receitas Internacionais da Reditus aumentam 22,4% em 2014 Proveitos Operacionais de 120 milhões de euros (+ 6,4%) EBITDA de 11,5 milhões de euros (vs. 11,7 milhões de euros) Margem EBITDA 9,5% (vs. 10,4%)

Leia mais

Síntese Mensal da Contratação Pública

Síntese Mensal da Contratação Pública SUMÁRIO EXECUTIVO Nº de anúncios de concursos publicados em Diário da República e de contratos publicados no portal BASE aumenta em Maio Em maio de 217 foram publicados mais 335 anúncios que no mês anterior,

Leia mais

Standard Bank, SARL Relatório do Conselho de Administração sobre os Resultados Financeiros à data de 31 de Dezembro de 2006

Standard Bank, SARL Relatório do Conselho de Administração sobre os Resultados Financeiros à data de 31 de Dezembro de 2006 Gestão do capital Adequação dos capitais próprios Dez-06 Dez-05 Tier I 9,3% 13,5% Tier II 0,1% 0,1% Tier III - - Total 9,4% 13,6% O mínimo exigido pelo Banco de Moçambique é 8% O rácio de adequação dos

Leia mais

BA Balanço Social 2014

BA Balanço Social 2014 BA Balanço Social 204 D I R E Ç Ã O - G E R A L D A Q U A L I F I C A Ç Ã O D O S T R A B A L H A D O R E S E M F U N Ç Õ E S P Ú B L I C A, I N A Índice. Introdução... 2 2. Aspetos a salientar... 2 3.

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

INFORMAÇÃO PRIVILEGIADA

INFORMAÇÃO PRIVILEGIADA INFORMAÇÃO PRIVILEGIADA Evolução da actividade, aspectos mais relevantes e resultados obtidos pelo Banif-Grupo Financeiro no exercício de 2010 Sumário Os resultados líquidos consolidados da Banif SGPS,

Leia mais

1. POPULAÇÃO RESIDENTE

1. POPULAÇÃO RESIDENTE 1. POPULAÇÃO RESIDENTE No fim do ano de 2007 a estimativa da população residente de Macau era de 538 0, tendo-se verificado um aumento de 24 700 pessoas em comparação com o número estimado no fim do ano

Leia mais

VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em 2014

VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em 2014 Empresas em Portugal 2010-28 de setembro de 2015 VAB das empresas não financeiras aumenta 3,7%, em termos nominais, em Os dados preliminares de das estatísticas das empresas reforçam os sinais positivos

Leia mais

Empresários mais confiantes no futuro da Construção

Empresários mais confiantes no futuro da Construção FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013

Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013 Contas Nacionais Trimestrais Por Sector Institucional (Base 2006) 1º Trimestre de 2013 28 de junho de 2013 Capacidade de financiamento da Economia portuguesa aumenta No ano acabado no 1º trimestre de 2013,

Leia mais

ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta. Informação financeira anual

ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta. Informação financeira anual ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 507 172 086 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira anual A Altri é um produtor europeu de referência

Leia mais

SETEMBRO 2015 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES 2014 / 2015 SEGUROS EM PORTUGAL PANORAMA DO MERCADO SEGURADOR 14/15

SETEMBRO 2015 ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE SEGURADORES 2014 / 2015 SEGUROS EM PORTUGAL PANORAMA DO MERCADO SEGURADOR 14/15 2014 / 2015 SETEMBRO 2015 SEGUROS EM PANORAMA DO MERCADO SEGURADOR 14/15 02 03 Rua Rodrigo da Fonseca, 41 1250-190 Lisboa Portugal T. 213 848 100 F. 213 831 422 /04 SEGUROS E A SOCIEDADE /08 MERCADO SEGURADOR

Leia mais

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2000

RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2000 RELATÓRIO DA ACTIVIDADE SEGURADORA 2000 1 2 I. CARACTERIZAÇÃO DO MERCADO SEGURADOR A actividade seguradora na RAEM, à data de 31 de Dezembro de 2000, era exercida por 24 seguradoras, dedicando-se 15 à

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 2012

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 2012 Em Percentagem (%) RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DO INVESTIMETO INTERNATIONAL DE 212 I. Balança de Pagamentos 1. A Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AGRICULTURA, PECUÁRIA E INDÚSTRIA TRANSFORMADORA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho 2007 1 1. Sectores a montante da indústria agroalimentar De acordo com as Contas Económicas da Agricultura

Leia mais

SERVIÇOS E EQUIPAMENTO DE ESCRITÓRIO RELATÓRIO DE CONJUNTURA

SERVIÇOS E EQUIPAMENTO DE ESCRITÓRIO RELATÓRIO DE CONJUNTURA SERVIÇOS E EQUIPAMENTO DE ESCRITÓRIO RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Novembro de 2006 O sector da fabricação de máquinas de escritório e de equipamento para o tratamento automático de

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE SANTA CRUZ - ANO ECONÓMICO DE 2015-

RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE SANTA CRUZ - ANO ECONÓMICO DE 2015- RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE SANTA CRUZ - ANO ECONÓMICO DE 2015- ANÁLISE FINAL DO EXERCÍCIO ORÇAMENTAL Ano Económico de 2015 ANÁLISE AOS MAPAS DE CONTROLO ORÇAMENTAL Controlo Orçamental Despesa Procedeu-se

Leia mais

Telefone Fixo. Serviço Móvel. Acesso à Internet

Telefone Fixo. Serviço Móvel. Acesso à Internet Telefone Fixo Serviço Móvel Acesso à Internet I ÍNDICE I - INTRODUÇÃO...1 II SERVIÇO TELEFONE FIXO...2 2.1- Operadores no mercado...2 2.2- Parque cliente activo...2 2.3- Taxa de penetração telefonia fixa...3

Leia mais

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2016

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2016 Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 216 A AECOPS divulga a sua análise do comportamento do mercado imobiliário residencial em 216, detalhando a evolução das vendas de alojamentos novos e em

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE GINETES - ANO ECONÓMICO DE 2014-

RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE GINETES - ANO ECONÓMICO DE 2014- RELATÓRIO DE GESTÃO FREGUESIA DE GINETES - ANO ECONÓMICO DE 2014- ANÁLISE FINAL DO EXERCÍCIO ORÇAMENTAL Ano Económico de 2014 ANÁLISE AOS MAPAS DE CONTROLO ORÇAMENTAL Controlo Orçamental Despesa Procedeu-se

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 3º TRIMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

Acidentes de trabalho: número e taxa de incidência

Acidentes de trabalho: número e taxa de incidência ESTATÍSTICAS DO TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO: 2000-2013 síntese estatística Breve nota: os indicadores relativos aos acidentes de trabalho, resultam do tratamento estatístico dos dados administrativos,

Leia mais

Conta Satélite da Saúde

Conta Satélite da Saúde 3 de Setembro de 2007 Conta Satélite da Saúde 2000 2005 O RITMO DE CRESCIMENTO REAL DA DESPESA CORRENTE EM SAÚDE ABRANDOU EM 2005 Em 2004 e 2005, o total da despesa corrente em cresceu, em volume, respectivamente,

Leia mais

DORMIDAS NOS ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS E VIAGENS TURÍSTICAS DOS RESIDENTES EXIBIRAM QUEBRAS EM 2002

DORMIDAS NOS ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS E VIAGENS TURÍSTICAS DOS RESIDENTES EXIBIRAM QUEBRAS EM 2002 ESTATÍSTICAS DO TURISMO 22 29 de Janeiro de 24 DORMIDAS NOS ESTABELECIMENTOS HOTELEIROS E VIAGENS TURÍSTICAS DOS RESIDENTES EXIBIRAM QUEBRAS EM 22 As dormidas nos estabelecimentos hoteleiros, em 22, sofreram

Leia mais

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos

Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos Atividade Turística Junho 2013 14 de agosto de 2013 Hotelaria com aumentos nas dormidas e proveitos A hotelaria registou 4,4 milhões de dormidas em junho de 2013, mais 8,6% do que em junho de 2012. Para

Leia mais

Banco Nacional de Angola

Banco Nacional de Angola Banco Nacional de Angola RELATÓRIO 3º TRIMESTRE DE. Introdução: Em, entrou em vigor o novo plano de conta das instituições financeiras - CONTIF, tendo-se fixado o mês de Março como o período de reporte

Leia mais

Construção com menos 74 mil empregos num ano

Construção com menos 74 mil empregos num ano Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 69 Maio

Leia mais

Relatório EXECUÇÃO ORÇAMENTAL

Relatório EXECUÇÃO ORÇAMENTAL Relatório EXECUÇÃO ORÇAMENTAL JANEIRO 2016 ÍNDICE Análise Orçamental Global 5 Receita 7 Receitas Correntes 10 Receitas de Capital 16 Despesa 20 Alterações e Revisões Orçamentais 23 Despesas Correntes 24

Leia mais

Resultados anuais 2002 Inapa melhora resultados em 8,6 milhões

Resultados anuais 2002 Inapa melhora resultados em 8,6 milhões INAPA INVESTIMENTOS, PARTICIPAÇÕES E GESTÃO, SA ( sociedade aberta ) Sede: Rua do Salitre, 142, freguesia de São Mamede, Lisboa Capital Social: 150 000 000 NIPC: 500 137 994 Matrícula n.º 36 338 da Conservatória

Leia mais

OURIVESARIA RELOJOARIA

OURIVESARIA RELOJOARIA OURIVESARIA RELOJOARIA AEP / GABINETE DE ESTUDOS JULHO DE 2005 CAE 362 Fabricação de joalharia, ourivesaria e artigos similares O tecido empresarial da CAE 362 é caracterizado pelo predomínio de unidades

Leia mais

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 11,0% no 1º semestre de 2012

Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 11,0% no 1º semestre de 2012 Proveitos Operacionais da Reditus aumentam 11,0% no 1º semestre de 2012 Proveitos Operacionais de 61,9 milhões (+ 11,0%) EBITDA de 6,1 milhões (+ 95,8%) Margem EBITDA de 9,8% (vs. 5,6%) Resultado Líquido

Leia mais

Síntese Mensal da Contratação Pública

Síntese Mensal da Contratação Pública SUMÁRIO EXECUTIVO Nº de anúncios de concursos publicados em Diário da República e de contratos publicados no portal BASE continua a aumentar em Março Em termos homólogos, em março de 217 foram publicados

Leia mais

Imposto Industrial Lei n.º 19/14 de 22 de Outubro

Imposto Industrial Lei n.º 19/14 de 22 de Outubro Imposto Industrial A) Regime Transitório Taxa de II de 30% aplicável já ao exercício de 2014; Obrigatoriedade de todas as empresas terem contabilidade organizada a partir do exercício de 2017; Tributações

Leia mais

BEING GLOBAL RESULTADOS 1.º SEMESTRE 2013 AGOSTO DE 2013

BEING GLOBAL RESULTADOS 1.º SEMESTRE 2013 AGOSTO DE 2013 BEING GLOBAL RESULTADOS 1.º SEMESTRE 2013 AGOSTO DE 2013 ANÁLISE DE RESULTADOS ANEXOS DESTAQUES página 3 Proveitos Operacionais de 289 M, a registar uma subida de 18,5 % quando comparado com o ano anterior,

Leia mais

No que respeita à informação apresentada no presente Relatório Anual de Disciplina de Mercado, o Conselho de Administração da Fincor, declara:

No que respeita à informação apresentada no presente Relatório Anual de Disciplina de Mercado, o Conselho de Administração da Fincor, declara: Enquadramento Em cumprimento do Aviso 10/2010, do Banco de Portugal, pretende o presente documento prestar informação sobre a actividade da Fincor - Sociedade Corretora, S.A. ( Fincor ou Sociedade ) no

Leia mais

BRISA Concessão Rodoviária, S.A.

BRISA Concessão Rodoviária, S.A. BRISA Concessão Rodoviária, S.A. Sede: Quinta da Torre da Aguilha, Edifício BRISA, São Domingos de Rana Capital social: EUR 75 000 000, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Cascais, sob

Leia mais

Síntese Mensal da Contratação Pública

Síntese Mensal da Contratação Pública SUMÁRIO EXECUTIVO Nº de anúncios de concursos publicados em Diário da República e de contratos publicados no Portal BASE aumentam em Janeiro Em janeiro de 217 foram publicados 924 anúncios, o que representou

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Fevereiro de 2011 Banco de Portugal divulga as Estatísticas da Balança de Pagamentos e da Posição de Investimento Internacional referentes a 2010 O Banco de

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Abril de 2009) Solução MultiFundos Zurich, constituído em 29 de Dezembro de 2003

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Abril de 2009) Solução MultiFundos Zurich, constituído em 29 de Dezembro de 2003 Zurich Companhia de Seguros Vida, S.A. PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 07 de Abril de 2009) Solução MultiFundos Zurich, constituído em 29 de Dezembro de 2003 Empresa de Seguros Entidades Comercializadoras

Leia mais

ANÚNCIO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS EM 2003

ANÚNCIO DOS RESULTADOS CONSOLIDADOS EM 2003 CIMPOR-CIMENTOS DE PORTUGAL, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Alexandre Herculano, 35 1250-009 LISBOA Capital Social: 672.000.000 Euros Registada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, sob

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de outubro de 2013 Nota de Informação Estatística Lisboa, 1 de outubro de 13 Novas estatísticas das não financeiras da Central de Balanços O Banco de Portugal passa a divulgar no Boletim Estatístico (secção A.19 e Capítulo

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2015 09 de junho de 2015 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2015 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

Parques de Campismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura

Parques de Campismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura Parques de Campismo em Portugal Caracterização da oferta e da procura ÍNDICE Sumário Executivo 03 Portugal Continental - Caracterização da oferta - Parques e Áreas - Capacidades - Caracterização da procura

Leia mais

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015

Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Estatísticas do Turismo 2015 28 de julho de 2016 Atividade Turística manteve resultados positivos em 2015 Segundo os dados mais recentes publicados pela Organização Mundial de Turismo, as chegadas de turistas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO

ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE SANTA MARINHA DO ZÊZERE (FUNDADA EM 20 DE OUTUBRO DE 1988) APARTADO 11 4640 SANTA MARINHA DO ZÊZERE RELATÓRIO E CONTAS No cumprimento das disposições

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º SEMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS)

APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º SEMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS 1º SEMESTRE 2009 (NÃO AUDITADOS) Finibanco-Holding, SGPS S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua Júlio Dinis, 157 Porto Capital Social: EUR 175.000.000 Matriculado na Conservatória

Leia mais

I SÉRIE BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU SUMÁRIO. Número 26. Segunda-feira, 27 de Junho de 2016

I SÉRIE BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU SUMÁRIO. Número 26. Segunda-feira, 27 de Junho de 2016 26 Número 26 I SÉRIE do Boletim Oficial da Região Administrativa Especial de Macau, constituído pelas séries I e II Segunda-feira, 27 de Junho de 2016 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL

Leia mais

GRUPO BANCO ESPIRITO SANTO

GRUPO BANCO ESPIRITO SANTO BANCO ESPÍRITO SANTO, S.A. Sociedade Aberta Sede: Avenida da Liberdade, 195 1250-142 LISBOA Capital Social: 1.000.000.000 Euros Matriculado na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa sob o nº 1 607

Leia mais

Divulgação dos resultados (não auditado) 80 ANOS A investir na indústria

Divulgação dos resultados (não auditado) 80 ANOS A investir na indústria Divulgação dos resultados 2016 (não auditado) 80 ANOS A investir na indústria GRUPO RAMADA PERFIL EMPRESARIAL A F. Ramada Investimentos é a sociedade-mãe de um conjunto de empresas (Grupo F. Ramada) que,

Leia mais

Jovens Agricultores #82 COMERCIALIZAR NO SECTOR AGRÍCOLA

Jovens Agricultores #82 COMERCIALIZAR NO SECTOR AGRÍCOLA Jovens Agricultores #82 COMERCIALIZAR NO SECTOR AGRÍCOLA Com o apoio º Beneficiário Jovens Agricultores Agricultores cuja actividade agrícola se desenvolva em Zonas Vulneráveis Agricultores

Leia mais

Resultados do 1º Semestre de 2015

Resultados do 1º Semestre de 2015 COMUNICADO Ílhavo, 31 de Agosto de 2015 Resultados do 1º Semestre de 2015 Destaques»» As vendas consolidadas do Grupo VAA cresceram 24% face ao período homólogo atingindo os 33,8 milhões de euros;»» EBITDA

Leia mais

Sonae Sierra regista um resultado líquido. de 12,6 milhões no 1º trimestre de 2015

Sonae Sierra regista um resultado líquido. de 12,6 milhões no 1º trimestre de 2015 Maia, Portugal 6 de maio de 2015 Sonae Sierra regista um resultado líquido de 12,6 milhões no 1º trimestre de 2015 Vendas dos lojistas mantêm tendência de crescimento Resultado direto de 14,5 milhões EBITDA

Leia mais

ATIVIDADE DO JOGO ONLINE EM PORTUGAL 3º TRIMESTRE DE Relatório 3º Trimestre

ATIVIDADE DO JOGO ONLINE EM PORTUGAL 3º TRIMESTRE DE Relatório 3º Trimestre Relatório 3º Trimestre Atividade do Jogo Online em Portugal 3º Trimestre de 2017 ÍNDICE GERAL 1. ANÁLISE GLOBAL... 4 2. ANÁLISE DA ATIVIDADE POR CATEGORIA DE JOGOS E APOSTAS ONLINE... 5 2.1. Apostas Desportivas

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2008

EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2008 EVOLUÇÃO DOS RESULTADOS PRIMEIRO TRIMESTRE DE Os resultados líquidos consolidados ascendem a 119 milhões de euros O Exploração (EBITDA) recorrente ascendeu a 259 milhões de euros. O Resultado Líquido recorrente

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Título: Contratação Pública em Portugal Autoria: Cláudia Roriz Pedro Ministro

FICHA TÉCNICA. Título: Contratação Pública em Portugal Autoria: Cláudia Roriz Pedro Ministro 2014 FICHA TÉCNICA Título: Contratação Pública em Portugal 2014 Autoria: Cláudia Roriz Pedro Ministro Direção Financeira, de Estudos e de Estratégia Instituto dos Mercados Públicos, do Imobiliário e da

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO 1.º SEMESTRE 2015 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DOS FUNDOS DE PENSÕES ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Relatório de evolução dos fundos de pensões 1.º Semestre 2015 SUMÁRIO 1. Evolução

Leia mais

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015

Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015 Os números do Mercado Imobiliário Residencial em 2015 A AECOPS divulga a sua análise do comportamento do mercado imobiliário residencial em 2015, detalhando a evolução das vendas de alojamentos novos e

Leia mais

01-03-2015. Relatório de Contas 2014 Câmara Municipal do Fundão. Departamento de Administração e Finanças

01-03-2015. Relatório de Contas 2014 Câmara Municipal do Fundão. Departamento de Administração e Finanças 01-03-2015 Relatório de Contas 2014 Câmara Municipal do Fundão Departamento de Administração e Finanças Relatório de Contas 2014 Câmara Municipal do Fundão Indíce Conteúdo Indíce... 1 Execução Orçamental...

Leia mais

Pressupostos Como pressupostos gerais para a elaboração do orçamento para 2015 e nomeadamente no que se refere aos custos foi considerado por um lado

Pressupostos Como pressupostos gerais para a elaboração do orçamento para 2015 e nomeadamente no que se refere aos custos foi considerado por um lado ORÇAMENTO PARA O ANO 2015 Contexto Atual São conhecidas as dificuldades que a economia atualmente atravessa, as empresas e as famílias têm, forçosamente, de definir constantemente as suas prioridades em

Leia mais

Apresentação de Resultados do 3º Trimestre de 2007 Novembro 2007

Apresentação de Resultados do 3º Trimestre de 2007 Novembro 2007 Apresentação de Resultados do 3º Trimestre de 2007 Novembro 2007 Destaques Resultados Consolidados Áreas de Negócio Construções Metálicas Equipamentos para Energia Geração Eléctrica - Eviva Biocombustíveis

Leia mais

Informação financeira 2012

Informação financeira 2012 Informação financeira 2012 ALTRI, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Rua do General Norton de Matos, 68, r/c Porto NIF 507 172 086 Capital social: 25.641.459 Euros Informação financeira do ano de 2015 (não

Leia mais

BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial. BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em:

BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial. BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em: BOLETIM MENSAL JANEIRO DE 2017 Situação Monetária e Cambial BANCO CENTRAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Disponível em: www.bcstp.st/publicações Banco Central de S. Tomé e Príncipe Índice 1. SITUAÇÃO MONETÁRIA

Leia mais

Capacidade de financiamento da economia atingiu de 2,0% do PIB no 1º trimestre de 2015

Capacidade de financiamento da economia atingiu de 2,0% do PIB no 1º trimestre de 2015 Contas Nacionais Trimestrais Por Setor Institucional (Base 2011) 1º Trimestre de 2015 24 de junho de 2015 Capacidade de financiamento da economia atingiu de 2,0% do PIB no 1º trimestre de 2015 A economia

Leia mais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais

7.1 Investimento e Despesa Pública em Planeamento, Ordenamento e Instalações Ambientais 7. Gestão Ambiental Para além da liderança do Governo, a protecção ambiental é, também, da responsabilidade de toda a população, sendo necessária a participação de toda a sociedade, quer das empresas quer

Leia mais

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos

Mercados. informação estatística. Mercado Alemanha. Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercados informação estatística Empresas Portuguesas Exportadoras de Bens Análise de Exposição a Mercados Externos Mercado Alemanha Janeiro de 2016 Índice 1. Evolução das trocas comerciais de bens de Portugal

Leia mais

IRC opção pelo regime simplificado

IRC opção pelo regime simplificado IRC opção pelo regime simplificado Está em curso durante o presente mês de fevereiro o prazo concedido aos sujeitos passivos de IRC para procederem à opção pelo regime simplificado de determinação da matéria

Leia mais

Capacidade de financiamento da Economia portuguesa manteve-se em crescimento

Capacidade de financiamento da Economia portuguesa manteve-se em crescimento Contas Nacionais Trimestrais por Setor Institucional (Base 2006) 3º Trimestre de 2013 27 de dezembro de 2013 Capacidade de financiamento da Economia portuguesa manteve-se em crescimento No ano acabado

Leia mais

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas

Economia do País. Análise de conjuntura económica trimestral. Produto Interno Bruto. Variações trimestrais homólogas Produto Interno Bruto Variações trimestrais homólogas Mediante reformas introduzidas na economia portuguesa, entre 2011 e 2015, nomeadamente quanto á competitividade das empresas, foi possível estimular

Leia mais

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - BNDES RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO 31 DE DEZEMBRO DE 2004 I. A EMPRESA O BNDES foi criado em 20 de junho de 1952, pela Lei n.º 1.628, como Autarquia

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 3º trimestre 2016

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 3º trimestre 2016 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 3º trimestre 216 Apreciação Global No 3º trimestre de 216 os diversos indicadores do setor da construção voltaram a apresentar um comportamento misto, depois

Leia mais

FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO

FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO FABRICAÇÃO DE MOBILIÁRIO AEP / GABINETE DE ESTUDOS JANEIRO DE 2004 1. Panorama Mundial O sector do mobiliário tem registado uma evolução bastante positiva, designadamente ao nível do processo produtivo,

Leia mais

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro

Portaria n.º 1458/2009. de 31 de Dezembro Portaria n.º 1458/2009 de 31 de Dezembro O Governo suspendeu, durante o ano de 2010, o mecanismo de actualização do indexante dos apoios sociais (IAS), das prestações sociais e da revalorização das remunerações

Leia mais

PO FACTORES DE COMPETITIVIDADE PO REGIONAL DO NORTE PO REGIONAL DO CENTRO PO REGIONAL DO ALENTEJO PO REGIONAL DO ALGARVE

PO FACTORES DE COMPETITIVIDADE PO REGIONAL DO NORTE PO REGIONAL DO CENTRO PO REGIONAL DO ALENTEJO PO REGIONAL DO ALGARVE PERGUNTAS & RESPOSTAS AAC Nº 04/SI/2010 (SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA) AAC Nº 05/SI/2010 (SI INOVAÇÃO EMPREENDEDORISMO) AAC Nº 07/SI/2010 (SI QUALIFICAÇÃO PME) Página 1 de 7 A. Volume de negócios internacional

Leia mais

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados!

Política Fiscal CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA. Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal 2 CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA Consultoria Desenvolvendo soluções, alavancando resultados! Política Fiscal Neste Sumário serão analisados os principais indicadores de Política Fiscal.

Leia mais

AS INDÚSTRIAS TÊXTIL, VESTUÁRIO E CALÇADO DA REGIÃO NORTE NOS ANOS 80. 1

AS INDÚSTRIAS TÊXTIL, VESTUÁRIO E CALÇADO DA REGIÃO NORTE NOS ANOS 80. 1 AS INDÚSTRIAS TÊXTIL, VESTUÁRIO E CALÇADO DA REGIÃO NORTE NOS ANOS 80. 1 ANA PAULA AFRICANO* A década de 80 foi marcada pela estabilização do processo político em Portugal bem como pela adesão de Portugal

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 RELATÓRIO PRESTAÇÃO DE CONTAS DO 1º SEMESTRE/2016

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DO RIO GRANDE DO SUL Autarquia Federal Lei n 5.905/73 RELATÓRIO PRESTAÇÃO DE CONTAS DO 1º SEMESTRE/2016 RELATÓRIO PRESTAÇÃO DE CONTAS DO 1º SEMESTRE/2016 CONTROLADORIA COREN-RS Ementa: Análise das Demonstrações Contábeis do COREN-RS referente ao primeiro trimestre de 2016. BALANÇO PATRIMONIAL 1. No período

Leia mais