Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar?"

Transcrição

1 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? XVI WORKSHOP INTERNACIONAL DE HEPATITES VIRAIS DE PERNAMBUCO, 2012 Marcos Caseiro Médico Infectologista IIER-II Santos SP Centro de Referência em AIDS de Santos SP

2 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Aspectos Gerais da Co-infecção HIV/HBV Epidemiologia da Co-Infecção HIV/HBV Os diferentes consensos no Mundo O consenso Brasileiro O resumo da Opera Quando e como Tratar?

3 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Aspectos Gerais da Co-infecção HIV/HBV Epidemiologia da Co-Infecção HIV/HBV Os diferentes consensos no Mundo O consenso Brasileiro O resumo da Opera Quando e como Tratar?

4 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Hepatite B é a principal causa doença hepática terminal no mundo A prevalência de HBV em pacientes HIV/Aids varia em torno de 4 75% Em infecção aguda pelo HBV uma efetiva e multifocal resposta pelos Linfócitos T leva a controle da viremia e desenvolvimento de anticorpos protetores Em contrataste uma resposta fraca dos linfócitos T leva a infecção crônica pelo HBV

5 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Na infecção crônica a resposta imune que iniciou o controle da viremia, causa a subsequente destruição dos hepatócitos Indivíduos HIV/AIDS tem um comprometimento do sistema imune, e desta forma menos inflamação menor níveis de (ALT) Paradoxalmente, co-infectados tem mais cirrose e maior mortalidade relacionada ao figado. Thio et al. Lancet, 2002

6 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? HBV (HBsAg+), em pacientes HIV/Aids, tem mortalidade 8 vezes maior daqueles HIV ou HBV isoladamente. Maior severidade de doença em pacientes com baixo CD4 Uma hipótese é que baixo CD4 altera citocinas intrahepáticas e incrementa resposta Th2, levando a maior lesão fibrótica Thio et al. Lancet, 2002

7 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Reduzida taxa de clareamneto do HBsAg Elevada taxa de replicação do HBV 3 4 vezes incremento de hepatotoxicidade relacionada a HAART. Elevado risco de reativação da Hepatite B, incluindo aqueles com Anti-HBs Menor taxa de soroconversão em indivíduos vacinados para hepatite B Thio et al. Lancet, 2002

8 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Aspectos Gerais da Co-infecção HIV/HBV Epidemiologia da Co-Infecção HIV/HBV Os diferentes consensos no Mundo O consenso Brasileiro O resumo da Opera Quando e como Tratar?

9 Infecção pelo VHB Concentração do VHB ALTA MODERADA BAIXA sangue exsudatos sêmen fluido vaginal saliva urina fezes suor lágrimas leite materno

10 Hepatite B Problema de Saúde Global USA 3-4 M 30% HIV+* milhões de portadores 10 milhões HIV coinfectados* Americas M W. Europe 5 M 30-50% HIV+* Africa M E. Europe 10 M HIV 40 M HCV M HBV 350 M Far East 60 M South East Asia M Australia 0.2 M WHO

11 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Co-infecção HIV/HBV A prevalência desta confecção no Brasil e variável conforme a região e população estudadas. As taxas de prevalência da confecção, obtidas de amostras proveniente de serviços de saude, situam-se entre 5,3 a 24,3%. No Brasil, os genótipos A, D e F do HBV são os mais prevalentes tanto entre co-infectados como nos demais. Indivíduos infectados pelo HIV, que desenvolvem hepatite aguda pelo HBV, tem risco cinco a seis vezes maior de se tornarem portadores crônicos do HBV, quando comparados a pessoas soronegativas para HIV.

12 Prevalência de marcadores sorológicos para hepatite B, hepatite C, sífilis e HHV-8 no CRAIDS, Santos 1997/1998 Marcador Sorológico n n Reagente (%) HBsAg (28.1) Anti-HBc (46.7) Anti-HCV (37.0) Anti-Treponema (12.9) Anti-HHV (13.9) Etzel, A., 2004.

13 FREQÜÊNCIA DE MARCADORES SOROLÓGICOS DOS VÍRUS A, B e C DAS HEPATITES, CRAIDS, SANTOS /2005 Marcador Sorológico n n Reagente % Reagente anti-hav Total HBsAg anti-hbs anti-hbc Total anti-hcv

14 IMPACTO DAS HEPATITES B / C SOBRE A INFECÇÃO PELO HIV

15 ESTIMATIVA DE SOBREVIDA DE PACIENTES CO-INFECTADOS HIV / Anti-Hbc; MÉTODO DE KAPLAN-MEIER, CRAIDS, SANTOS ,00 0,95 0,90 0,85 0,80 0,75 0,70 Anti-HBc Sim 0,65 Não 0, tempo (meses) Etzel, A., 2004.

16 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL DO HBV Testes Sorológicos

17 Marcadores sorológicos e eventos clínicos em um caso de HVB aguda ictérica P.I. Fase aguda (ictérica) Fase pós-ictérica 4-26 sem pródromos 1 a 2 sem icterícia 2 a 12 sem 2 a 18 sem Sintomas HBsAg anti-hbc HBeAg IgM anti-hbc Tempo

18 Marcadores sorológicos e eventos clínicos em um caso de HVB em evolução para cura Fase pós-ictérica 2 a 18 sem anti-hbc IgM anti-hbc Tempo

19 Marcadores sorológicos e eventos clínicos em um caso de HVB curada Fase de convalescença anos anti-hbc anti-hbs anti-hbe Tempo

20 Marcadores sorológicos em paciente vacinada contra a HVB anos anti-hbs Tempo

21 Padrão Sorológico Típico da Infecção Oculta pelo VHB Título HBsA g anti- HBc Tempo

22 Interpretação dos Testes Diagnósticos para o HBV Aguda Exposição Passada Prévia Teste Hepatitis B (Imunidade) Imunização HBsAg + anti-hbs + + HBeAg + anti-hbe +/ anti-hbc + + IgM anti-hbc + * DNA VHB + ALT Elevada Normal Normal *Por ensaio convencional. Baixos níveis de viremia podem ser detectados por outros testes mais sensíveis como PCR. Shetty K and Younossi ZM. Practical Gastroenterology 1998;22(5):39-47.

23 Interpretação dos Testes Diagnósticos para o VHB Hepatitis B Pre-core Portador Teste Crônica Crônico inativo HBsAg anti-hbs HBeAg + anti-hbe + + anti-hbc IgM anti-hbc * DNA VHB +/- +/- ALT Elevada Elevada Normal * Por ensaios convencionais. Baixos níveis de viremia podem ser detectdos por outros testes mais sensíveis como PCR. Shetty K and Younossi ZM. Practical Gastroenterology 1998;22(5):39-47.

24 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Aspectos Gerais da Co-infecção HIV/HBV Epidemiologia da Co-Infecção HIV/HBV Os diferentes consensos no Mundo O consenso Brasileiro O resumo da Opera Quando e como Tratar?

25 Guidelines for the Use of Antiretroviral Agents in HIV- 1-Infected Adults and Adolescents January 10, 2011

26 Guidelines for the Use of Antiretroviral Agents in HIV-1-Infected Adults and Adolescents January 10, 2011

27

28

29

30 Co-infecção HIV/HBV. Quando e como tratar? Aspectos Gerais da Co-infecção HIV/HBV Epidemiologia da Co-Infecção HIV/HBV Os diferentes consensos no Mundo O consenso Brasileiro O resumo da Opera Quando e como Tratar?

31

32 Tratamento em pacientes assintomáticos coinfectados HIV/HBV e contagem de linfócitos CD4+ > 500 céls/mm

33 Tratamento em pacientes assintomáticos coinfectados HIV/HBV e contagem de linfócitos CD4+ entre 350 e 500 céls/mm

34 Tratamento em pacientes assintomáticos coinfectados HIV/HBV e contagem de linfócitos CD4+ < 350 céls./mm3

35

36 A VACINA PARA HBV NA CO-INFECÇÃO

37

38 % PORCENTAGEM DE SOROCONVERSÃO EM HIV+ E CONTROLES < >500 controles Grupos

39 anti HBs( UI/L) TÍTULOS DE ANTI-HBS EM PACIENTES HIV+ E CONTROLES basal 30 dias 180 dias > 220 dias tempo Controles > <200

40 Obrigado

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES REGIONAIS DE HEPATITES VIRAIS Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 CADEIA DE TRANSMISSÃO DOS VÍRUS Depende:

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DOS MARCADORES SOROLÓGICOS DAS HEPATITES VIRAIS

INTERPRETAÇÃO DOS MARCADORES SOROLÓGICOS DAS HEPATITES VIRAIS INTERPRETAÇÃO DOS MARCADORES SOROLÓGICOS DAS HEPATITES VIRAIS Francisco José Dutra Souto Hospital Universitário Júlio Müller Universidade Federal de Mato Grosso 31 de agosto de 2016 UFMT HEPATITES VIRAIS

Leia mais

HEPATITE B - Anti HBs

HEPATITE B - Anti HBs HEPATITE B - Anti HBs Material: soro Sinônimo: Anti -HBsAg Volume: 1,0 ml Método: Eletroquimioluminescência - ECLIA Volume Lab.: 1,0 ml Rotina: Diária Temperatura: Refrigerado Coleta: Jejum recomendado,

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO CID-10: Z20.9 Elaboração: equipe técnica Camila Seixas - Médica - Vigilância em Saúde do Trabalhador Frederico Leão - Médico - Vigilância em Saúde

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO

INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO INSUFICIÊNCIA RENAL NO TRATAMENTO DAS HEPATITES B e C CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO HEPATITE B em portadores de IRC Prevalência de HBsAg (+) em pacientes

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Conferência Latino Americana de Saúde no Trabalho São Paulo, 10 a 12 de Outubro

Leia mais

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação

Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação III WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA Diagnóstico e Tratamento das Hepatites Agudas na Gestação CLÁUDIO G. DE FIGUEIREDO MENDES SERVIÇO DE HEPATOLOGIA SANTA CASA DO RIO DE JANEIRO Hepatites

Leia mais

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico.

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. PERFIL HEPATITE Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. TLA - Total Lab Automation Agilidade e Confiança TAT (Turn Around Time) de produção de 2 horas. Quatro linhas de produção totalmente

Leia mais

Hepatites Virais. Prof. Claudia L. Vitral

Hepatites Virais. Prof. Claudia L. Vitral Hepatites Virais Prof. Claudia L. Vitral HEPATITES VIRAIS DE TRANSMISSÃO PARENTERAL Hepatite B Duas bilhões de pessoas infectadas pelo HBV 350 milhões de portadores crônicos Infecção pelo HBV: possibilidades

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia

Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia Alexandre Naime Barbosa MD, PhD Professor Doutor - Infectologia Encontro de Ligas de Infectologia/SP Associação Paulista de Medicina - APM Mai/2016 - São Paulo - SP - Brasil O material que se segue faz

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Considerações sobre o diagnóstico de doenças transmitidas pelo sangue Ms. Paulo Germano de Carvalho O sangue é uma porta de entrada para

Leia mais

MONITORAMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO. Alcyone Artioli Machado 14º Congresso Brasileiro de Infectologia

MONITORAMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO. Alcyone Artioli Machado 14º Congresso Brasileiro de Infectologia MONITORAMENTO DE ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Alcyone Artioli Machado 14º Congresso Brasileiro de Infectologia Acidente Estresse Vírus Doença Letal TRANQUILIZAR O TRABALHADOR Subnotificação

Leia mais

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br

Hepatites Virais. Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Hepatites Virais Carmen Regina Nery e Silva agosto 2011 Regina.nery@aids.gov.br Definição Hepatite viral: Doença causada exclusivamente por vírus hepatotrópico. Diagnóstico Diferencial: CMV, mononucleose

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS?

O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? HEPATITES ABORDAGEM PRÁTICA O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? SINTOMAS Variáveis Ictericia fraqueza Cansaço NA MAIORIA DAS VEZES NADA HISTÓRIA NATURAL DA HEPATITE HEPATITE A Transmissao fecal-oral Mais

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA. CONSENSO SOBRE CONDUTAS NAS HEPATITES VIRAIS B e C HOTEL PESTANA, SÃO PAULO - SP 26 E 27 DE AGOSTO DE 2005

SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA. CONSENSO SOBRE CONDUTAS NAS HEPATITES VIRAIS B e C HOTEL PESTANA, SÃO PAULO - SP 26 E 27 DE AGOSTO DE 2005 SOCIEDADE BRASILEIRA DE HEPATOLOGIA CONSENSO SOBRE CONDUTAS NAS HEPATITES VIRAIS B e C HOTEL PESTANA, SÃO PAULO - SP 26 E 27 DE AGOSTO DE 2005 HEPATITE B Relatores dos Temas: Esther Dantas Correa, João

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Gerusa Maria Figueiredo gerusa.figueiredo@saude.gov.br I CONGRESSO BRASILEIRO

Leia mais

Hepatites. Inflamação do fígado. Alteração em enzimas hepáticas (alaminotransferase aspartatoaminotransferase e gamaglutamiltransferase ALT AST e GGT

Hepatites. Inflamação do fígado. Alteração em enzimas hepáticas (alaminotransferase aspartatoaminotransferase e gamaglutamiltransferase ALT AST e GGT Hepatites Virais Hepatites Inflamação do fígado Alteração em enzimas hepáticas (alaminotransferase aspartatoaminotransferase e gamaglutamiltransferase ALT AST e GGT Sinais clínicos: Náuseas, dor abdominal,

Leia mais

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO?

Suspeita clínic a de doença celíaca. + IgA sérica POSITIVO 3? Anti-gliadina IgG POSITIVO? DOENÇA CELÍACA Suspeita clínic a de doença celíaca ttg 1 IgA ou Antiendomísio (AEM) IgA 2 + IgA sérica 3? Probabilidade de doença celíaca é baixa Probabilidade de doença celíaca é alta Deficiência de IgA?

Leia mais

HEPATITES VIRAIS CID 10: B15 (Hepatite A); B16 (Hepatite B); B17.1 (Hepatite C); B17.8 (Hepatite D); B17.2 (Hepatite E)

HEPATITES VIRAIS CID 10: B15 (Hepatite A); B16 (Hepatite B); B17.1 (Hepatite C); B17.8 (Hepatite D); B17.2 (Hepatite E) HEPATITES VIRAIS CID 10: B15 (Hepatite A); B16 (Hepatite B); B17.1 (Hepatite C); B17.8 (Hepatite D); B17.2 (Hepatite E) CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO As Hepatites Virais são doenças infecciosas sistêmicas

Leia mais

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde

Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Secretaria de Vigilância em

Leia mais

Hepatites virais e profissionais de saúde

Hepatites virais e profissionais de saúde Hepatites virais e profissionais de saúde Prof. Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. Faculdade de Medicina da Unifenas-BH Pós-graduação em Medicina Tropical e Infectologia da Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

I Encontro da rede Mãe Paranaense

I Encontro da rede Mãe Paranaense I Encontro da rede Infecções e Gestação : Atenção ao Filho de Mãe com Hepatite B e C Andrea Maciel de Oliverira Rossoni Serviço de Infectologia Pediátrica Atenção ao Filho de Mãe com Hepatite B e C Agenda

Leia mais

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE

HIV + sint. C.V. (> 1500 cópias/ml) PPE EXPANDIDO PPE PPE AVALIAÇÃO DO STATUS SOROLÓGICO Conhecida Solicitar consentimento para a realização dos seguintes exames: HBs Ag, Anti-HBc IgM+IgG, Anti-HCV e Anti-HIV (teste rápido para HIV*) Desconhecida Material de

Leia mais

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO

ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO ENSAIOS IMUNOLÓGICOS NAS ENFERMIDADES VIRAIS I - INTRODUÇÃO *NOVAS TECNOLOGIAS ANTICORPOS MONOCLONAIS GENÉTICA MOLECULAR CITOMETRIA DE FLUXO *DECISÃO DIAGNÓSTICA CONFIRMAÇÃO TRATAMENTO MONITORAMENTO PREVENÇÃO

Leia mais

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos.

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos. Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 08/06 Tema: Testes sorológicos de triagem para doenças infecciosas em doadores de sangue I Data: 13/03/2006 II Grupo de Estudo: Dra. Célia Maria da Silva

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE HEPATITE

VAMOS FALAR SOBRE HEPATITE VAMOS FALAR SOBRE HEPATITE HEPATITE É uma inflamação do fígado provocada, na maioria das vezes, por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar a doença, que se caracteriza por febre, icterícia

Leia mais

Melhoria da qualidade da informação dos dados nacionais de Hepatites Virais do Brasil

Melhoria da qualidade da informação dos dados nacionais de Hepatites Virais do Brasil Melhoria da qualidade da informação dos dados nacionais de Ronaldo de Almeida Coelho Silvano Barbosa de Oliveira Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais OBJETIVO Melhoria da qualidade da informação

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Curso Hepatites Virais e HIV Área Odontológica

Curso Hepatites Virais e HIV Área Odontológica Seja bem Vindo! Curso Hepatites Virais e HIV Área Odontológica CursosOnlineSP.com.br Carga horária: 60hs Conteúdo Programático: Hepatites Virais Classificação etiológica e mecanismos de Medidas de prevenção

Leia mais

Prof. Dennis Armando Bertolini Universidade Estadual de Maringá UEM

Prof. Dennis Armando Bertolini Universidade Estadual de Maringá UEM Diagnóstico Laboratorial do HIV, HBV e HCV Prof. Dennis Armando Bertolini Universidade Estadual de Maringá UEM 1981 uma nova síndrome descrita pelo Dr Kaposi-sarcoma (KS) Michael Gottlieb Gottlieb M.S.,

Leia mais

PROTOCOLO DE ABORDAGEM DO PACIENTE COM HEPATITE VIRAL NA ATENÇÃO BÁSICA

PROTOCOLO DE ABORDAGEM DO PACIENTE COM HEPATITE VIRAL NA ATENÇÃO BÁSICA PROTOCOLO DE ABORDAGEM DO PACIENTE COM HEPATITE VIRAL NA ATENÇÃO BÁSICA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DE BELO HORIZONTE ÍNDICE I INTRODUÇÃO ---------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Quando parar o tratamento da hepatite B nos cirróticos e não-cirróticos? Deborah Crespo

Quando parar o tratamento da hepatite B nos cirróticos e não-cirróticos? Deborah Crespo Quando parar o tratamento da hepatite B nos cirróticos e não-cirróticos? Deborah Crespo Metas de tratamento da hepatite B crônica Melhora na qualidade de vida e sobrevida Evitando a progressão da doença

Leia mais

O fundamental é saber fazer o diagnóstico das hepatites: é B crônica? É C aguda? É A curado? Entender a sorologia é muito importante.

O fundamental é saber fazer o diagnóstico das hepatites: é B crônica? É C aguda? É A curado? Entender a sorologia é muito importante. 29 de Maio de 2009. Hepatites virais O fundamental é saber fazer o diagnóstico das hepatites: é B crônica? É C aguda? É A curado? Entender a sorologia é muito importante. Aguda x Crônica x Fulminante Aguda:

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

COINFECÇÃO HEPATITE-HIV: DA EPIDEMIOLOGIA AO TRATAMENTO

COINFECÇÃO HEPATITE-HIV: DA EPIDEMIOLOGIA AO TRATAMENTO COINFECÇÃO HEPATITE-HIV: DA EPIDEMIOLOGIA AO TRATAMENTO Murilo Masanobu Tomiyoshi 1 ; Lucas Yuji Igarashi 2 ; Simone Martins Bonafé 3 RESUMO: Este resumo tem o objetivo de informar, atualizar e melhorar

Leia mais

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil.

A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Aula 3 Base racional da portaria 29 de 17/12/2013 SVS/MS A portaria 29, de 17 de dezembro de 2013 SVS/MS, regulamenta o diagnóstico da infecção pelo HIV, no Brasil. Ao se elaborar uma portaria para normatizar

Leia mais

HEPATITE A. Doença viral aguda. Manifestações clínicas variadas. Fulminante (menos 10% casos) Piora clínica de acordo com idade

HEPATITE A. Doença viral aguda. Manifestações clínicas variadas. Fulminante (menos 10% casos) Piora clínica de acordo com idade HEPATITES HEPATITE A Doença viral aguda Manifestações clínicas variadas Fulminante (menos 10% casos) Piora clínica de acordo com idade Transcurso da doença apresenta períodos distintos! HEPATITE A Incubação

Leia mais

Vírus Hepatotrópicos A B C D E G TT SEN V -

Vírus Hepatotrópicos A B C D E G TT SEN V - HEPATITES VIRAIS Vírus Hepatotrópicos A B C D E G TT SEN V - PERSPECTIVA HISTÓRICA Infecciosa Hepatites virais Sangue A NANB B D E C Transmissão entérica Transmissão parenteral Hipócrates hepatite infecciosa

Leia mais

Diagnóstico Laboratorial na Doença de Chagas

Diagnóstico Laboratorial na Doença de Chagas Diagnóstico Laboratorial na Doença de Chagas Silvana Maria Eloi Santos Departamento de Propedêutica Complementar Faculdade de Medicina - UFMG Laboratório de Doença de Chagas CPqRR - FIOCRUZ Ministério

Leia mais

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? Hepatopatias Hepatites Virais Doença hepática alcoólica Hepatopatias criptogênicas Hepatites tóxicas Hepatopatias auto-imunes Hepatopatias

Leia mais

CENTRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO PIAUÍ HEMOPI

CENTRO DE HEMATOLOGIA E HEMOTERAPIA DO PIAUÍ HEMOPI FICHA DE INVESTIGAÇÃO DE REAÇÕES TRANSFUSIONAIS PAG: 1/6 REGISTRO NOTIVISA (N O ): DADOS DO PACIENTE: Nome do Paciente: Nome da Mãe: C.N.S: Sexo: ( ) Fem ( ) Masc D.N: Hospital/Clínica: Enfermaria/Apto:

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS HEPATITES VIRAIS NO ESTADO DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 2002 A 2006

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DAS HEPATITES VIRAIS NO ESTADO DE PERNAMBUCO NO PERÍODO DE 2002 A 2006 FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ CENTRO DE PESQUISAS AGGEU MAGALHÃES DEPARTAMENTO DE SAÚDE COLETIVA Especialização em Gestão de Sistemas e Serviços de Saúde ADRIANA CAVALCANTI ARAUJO ANDREA MAYVANE ISABELA CRISTINA

Leia mais

Curso Preparatório para Residência em Enfermagem Hepatites Virais. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc

Curso Preparatório para Residência em Enfermagem Hepatites Virais. Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Curso Preparatório para Residência em Enfermagem-2012 Hepatites Virais Prof. Fernando Ramos Gonçalves -Msc Hepatite = distúrbio inflamatório do fígado Fonte: www.gastroalgarve.com Hepatites Infecciosas

Leia mais

TESTES RÁPIDOS PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV E PARA A TRIAGEM DAS HEPATITES B E C E DA SÍFILIS. Florianópolis (SC), 10/08/2015

TESTES RÁPIDOS PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV E PARA A TRIAGEM DAS HEPATITES B E C E DA SÍFILIS. Florianópolis (SC), 10/08/2015 TESTES RÁPIDOS PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV E PARA A TRIAGEM DAS HEPATITES B E C E DA SÍFILIS Florianópolis (SC), 10/08/2015 Os Testes Rápidos O que são testes rápidos? São testes que tem por

Leia mais

Hepatites Virais A, B e C em crianças e adolescentes

Hepatites Virais A, B e C em crianças e adolescentes ARTIGO DE REVISÃO Hepatites Virais A, B e C em crianças e adolescentes Viral Hepatitis A, B, and C in children and adolescents Alexandre Rodrigues Ferreira 1, Eleonora Druve Tavares Fagundes 2, Thais Costa

Leia mais

HEPATITE B e HEPATITE C

HEPATITE B e HEPATITE C Trabalho de Biologia HEPATITE B e HEPATITE C Grupo de Trabalho T.13 : Arthur Zanatta Nº: 06 Guilherme Ramos Nº: 11 Gustavo Duarte Nº: 12 Matheus Georges Nº: 22 Pedro Aguiar Nº: 28 Ricardo Mello Nº: 32

Leia mais

Diagnóstico Imunológico das Hepatites Virais

Diagnóstico Imunológico das Hepatites Virais Diagnóstico Imunológico das Hepatites Virais O Fígado Limpa o sangue Regula os hormônios Ajuda na coagulação sanguínea Produz bile Produz proteínas importantes Mantém o nível de açúcar sanguíneo Etc O

Leia mais

Diagnóstico laboratorial das infecções por HBV e HCV

Diagnóstico laboratorial das infecções por HBV e HCV Curso de Formação Doenças Infecciosas Víricas! Porto, 4 de Outubro de 2014 Diagnóstico laboratorial das infecções por HBV e HCV José Miguel Azevedo Pereira!! Professor Auxiliar, Faculdade de Farmácia,

Leia mais

ISBN 978-85-334-1648-8 MINISTÉRIO DA SAÚDE 9 7 8 8 5 3 3 4 1 6 4 8 8

ISBN 978-85-334-1648-8 MINISTÉRIO DA SAÚDE 9 7 8 8 5 3 3 4 1 6 4 8 8 MINISTÉRIO DA SAÚDE MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais A B C D E DO DIAGNÓSTICO PARA AS HEPATITES VIRAIS Série A. Normas e Manuais Técnicos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS. Adriéli Wendlant UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS HEPATITES VIRAIS Adriéli Wendlant Hepatites virais Grave problema de saúde pública No Brasil, as hepatites virais

Leia mais

Caio Werneck nº 04 Gabriel Schmidt nº 13 Gabriel Lira nº 14 George Peter nº 15 Lucas Begni nº 23 Rafael Gonçalves nº 31 Paulo Tiago nº 28

Caio Werneck nº 04 Gabriel Schmidt nº 13 Gabriel Lira nº 14 George Peter nº 15 Lucas Begni nº 23 Rafael Gonçalves nº 31 Paulo Tiago nº 28 Caio Werneck nº 04 Gabriel Schmidt nº 13 Gabriel Lira nº 14 George Peter nº 15 Lucas Begni nº 23 Rafael Gonçalves nº 31 Paulo Tiago nº 28 A hepatite B é uma doença infecciosa frequentemente crônica causada

Leia mais

Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais do Estado do Paraná

Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais do Estado do Paraná Boletim Epidemiológico de Hepatites Virais do Estado do Paraná 1º Semestre 2015 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE Michele Caputo Neto SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE Sezifredo Paz DIRETOR GERAL Eliane Chomatas

Leia mais

1 INTRODUÇÃO... 2 2 EPIDEMIOLOGIA... 2 3 QUADRO CLÍNICO... 4 4 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL... 4 5 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL... 5

1 INTRODUÇÃO... 2 2 EPIDEMIOLOGIA... 2 3 QUADRO CLÍNICO... 4 4 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL... 4 5 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL... 5 HEPATITES VIRAIS SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 EPIDEMIOLOGIA... 2 3 QUADRO CLÍNICO... 4 4 DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL... 4 5 DIAGNÓSTICO LABORATORIAL... 5 6 ABORDAGEM SINDRÔMICA... 7 6.1 Hepatites virais agudas...

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Febre pelo vírus ZIKA / Microcefalia

Febre pelo vírus ZIKA / Microcefalia Febre pelo vírus ZIKA / Microcefalia 17 de Maio de 2016 SCIH HIAE Conteúdo Zika vírus Epidemiologia Definição de caso Manifestação clínica Diagnóstico diferencial Diagnóstico laboratorial Tratamento Prevenção

Leia mais

Suely Gonçalves Cordeiro da Silva - Bióloga Laboratório de Sorologia e NAT Serviço de Hemoterapia INCA Hospital do Câncer I Rio de Janeiro

Suely Gonçalves Cordeiro da Silva - Bióloga Laboratório de Sorologia e NAT Serviço de Hemoterapia INCA Hospital do Câncer I Rio de Janeiro NAT Testes de Ácidos Nucléicos Suely Gonçalves Cordeiro da Silva - Bióloga Laboratório de Sorologia e NAT Serviço de Hemoterapia INCA Hospital do Câncer I Rio de Janeiro Épossível diminuir os riscos de

Leia mais

HEPATITE B EM POPULAÇÕES ESPECIAIS

HEPATITE B EM POPULAÇÕES ESPECIAIS HEPATITE B EM POPULAÇÕES VII WORKSHOP INTERNACIONAL DE ATUALIZAÇÃO EM HEPATOLOGIA Curitiba, 29 a 30 Agosto de 2014 Leila MM Beltrão Pereira MD PhD Prof. Titular de Gastroenterologia FCM Chefe do Serviço

Leia mais

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa

O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa O MAIOR RISCO É... ACHARMOS QUE NÃO CORREMOS RISCOS! Tiemi Arakawa Enfermeira, Doutora em Ciências Membro do GEOTB e do GEO-HIV/aids Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Quais imagens temos do HIV? O

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

vacina hepatite B (recombinante)

vacina hepatite B (recombinante) vacina hepatite B (recombinante) FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES Suspensão injetável - Cartucho contendo 1 frasco-ampola com 1 dose de 0,5mL; - Cartucho contendo 20 frascos-ampola com 1 dose de 0,5mL;

Leia mais

Hepatite na Gravidez. Resumo. Introdução. Hepatitis in the Pregnancy. José Eduardo Chufalo* Patrícia Ramos Borges ** Sidinéa P.

Hepatite na Gravidez. Resumo. Introdução. Hepatitis in the Pregnancy. José Eduardo Chufalo* Patrícia Ramos Borges ** Sidinéa P. ATUALIZAÇÃO Hepatite na Gravidez Hepatitis in the Pregnancy José Eduardo Chufalo* Patrícia Ramos Borges ** Sidinéa P. de Almeida** * Curso de Medicina da UNAERP ** Curso de Graduação em Medicina da UNAERP,

Leia mais

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg)

HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) HBsAg Quantitativo Sistema ARCHITECT / Abbott (Clareamento do HBsAg) USO PRETENDIDO O ensaio HBsAg é um imunoensaio de micropartículas por quimioluminescência (CMIA) para a determinação quantitativa do

Leia mais

1º e 4ºcapa.pdf 7/10/2008 16:06:56 CMY

1º e 4ºcapa.pdf 7/10/2008 16:06:56 CMY 1º e 4ºcapa.pdf 7/10/2008 16:06:56 C M Y CM MY CY CMY K Sumário 05 - Apresentação 07 - Introdução 14 - Transmissão Vírus da Hepatite B (VHB) 16 - Diagnóstico Vírus da Hepatite C (VHC) Diagnóstico laboratorial

Leia mais

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C HEPATITE B PAPEL DA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE FILIPE DE BARROS PERINI Assessor Técnico GEDST-DIVE-SES Infectologista Policlínica Municipal do Continente SMS-PMF Assessor Técnico

Leia mais

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS

INFECÇÃO PELO HIV E AIDS INFECÇÃO PELO HIV E AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

HEPATITES VIRAIS. Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS

HEPATITES VIRAIS. Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS HEPATITES VIRAIS Prof. Orlando Antônio Pereira Pediatria e Puericultura FCM - UNIFENAS HEPATITES VIRAIS 400 a.c. Hipócrates: icterícia epidêmica 1.885 Transmissão via parenteral Lurman (Bremen Alemanha)

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

REDE LABORATORIAL DE DENGUE

REDE LABORATORIAL DE DENGUE Capacitação em Eventos REDE LABORATORIAL Área de Produção Editorial e Gráfica Núcleo de Comunicação Secretaria de Vigilância em Saúde DE DENGUE 23 e 24 de junho de 2010 CGLAB/SVS/MS Vanessa.porto@saude.gov.br

Leia mais

PORTARIA Nº 3.193/GM DE 24 DEZEMBRO DE 2008.

PORTARIA Nº 3.193/GM DE 24 DEZEMBRO DE 2008. PORTARIA Nº 3.193/GM DE 24 DEZEMBRO DE 2008. Altera a Tabela de s, Medicamentos, Órteses/Próteses e Materiais Especiais do Sistema Único de Saúde SUS. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

PAINEL SOROLÓGICO DOS MARCADORES VIRAIS DA HEPATITE B NUMA POPULAÇÃO DE UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE DA UEPG

PAINEL SOROLÓGICO DOS MARCADORES VIRAIS DA HEPATITE B NUMA POPULAÇÃO DE UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PAINEL SOROLÓGICO DOS MARCADORES VIRAIS DA HEPATITE B NUMA POPULAÇÃO DE UNIVERSITÁRIOS DA ÁREA DE SAÚDE DA UEPG Apresentador 1 SCHUNEMANN,

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

RASTREAMENTO/ PREVENÇÃO

RASTREAMENTO/ PREVENÇÃO GESTAÇÃO PROLONGADA Estima-se que cerca de 4% das gestações apresentem complicações relacionadas à pós-maturidade, sendo que se observa tendência destas taxas serem superdimensionadas em vista das dificuldades

Leia mais

2.1- Roteiro de investigação

2.1- Roteiro de investigação CID-10:» B15 (Hepatite A)» B16.2 e B 16.9 (Hepatite aguda B)» B18.1 (Hepatite crônica B)» B17.1 (Hepatite aguda C)» B18.2 (Hepatite cronica C)» B16.0 e B16.1 (Hepatite aguda D)» B18.0 (Hepatite cronica

Leia mais

ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO NO GHC

ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO NO GHC ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO NO GHC Atualizado em outubro de 2014. ROTINA DE ATENDIMENTO E ACOMPANHAMENTO AOS ACIDENTADOS NO TRABALHO

Leia mais

Tratamento da co-infecção HIV-HVC Fernando L Gonçales Jr Disciplina de Infectologia-FCM-UNICAMP

Tratamento da co-infecção HIV-HVC Fernando L Gonçales Jr Disciplina de Infectologia-FCM-UNICAMP Tratamento da co-infecção HIV-HVC Fernando L Gonçales Jr Disciplina de Infectologia-FCM-UNICAMP Prevalência da HVC entre pacientes HIV(+) Published or presented 1990-2001 Canada: 69% Germany: 13.8 52%

Leia mais

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain

Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain 67 4.2 Estudo II Heterologous antibodies to evaluate the kinetics of the humoral immune response in dogs experimentally infected with Toxoplasma gondii RH strain Enquanto anticorpos anti-t. gondii são

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS LESÕES ESPECÍFICAS DO HIV NO FÍGADO E VIAS BILIARES

DIAGNÓSTICO DAS LESÕES ESPECÍFICAS DO HIV NO FÍGADO E VIAS BILIARES III Workshop Internacional de Atualização em Hepatologia DIAGNÓSTICO DAS LESÕES ESPECÍFICAS DO HIV NO FÍGADO E VIAS BILIARES MÁRIO REIS ÁLVARES-DA-SILVA Prof. Adj. Dep to MEI Hepatologia Universidade Federal

Leia mais

Diagnóstico molecular das Hepatites

Diagnóstico molecular das Hepatites Diagnóstico molecular das Hepatites B e C : novos algoritmos Dra REGINA CÉLIA MOREIRA Pesquisadora Científica VI - Instituto Adolfo Lutz SP regina.moreira7@gmail.com Vírus da hepatite B Partícula viral

Leia mais

HEPATITES VIRAIS Miquéias Manoel de Vasconcelos S6

HEPATITES VIRAIS Miquéias Manoel de Vasconcelos S6 HEPATITES VIRAIS Miquéias Manoel de Vasconcelos S6 Hepatite Viral Definida como o processo de injúria dos hepatócitos causada por infecção de vírus hepatotróficos. Principalmente HAV, HBV,HCV, HDV e HEV.

Leia mais

I CONSENSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA PARA O MANUSEIO E TERAPIA DA HEPATITE B

I CONSENSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA PARA O MANUSEIO E TERAPIA DA HEPATITE B 1 I CONSENSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE INFECTOLOGIA PARA O MANUSEIO E TERAPIA DA HEPATITE B A Sociedade Brasileira de Infectologia, por meio de seu Comitê de Hepatites, apresenta o seu I Consenso para

Leia mais

SAÚDE RISCO DE HEPATITE B NOS PACIENTES QUE RECORREM AOS HOSPITAIS DO HUAMBO. Analdina M.D. Mundombe, Hélder da Silva, Nilton Lialunga

SAÚDE RISCO DE HEPATITE B NOS PACIENTES QUE RECORREM AOS HOSPITAIS DO HUAMBO. Analdina M.D. Mundombe, Hélder da Silva, Nilton Lialunga SAÚDE RISCO DE HEPATITE B NOS PACIENTES QUE RECORREM AOS HOSPITAIS DO HUAMBO Analdina M.D. Mundombe, Hélder da Silva, Nilton Lialunga Orientadores: Marcelino Chipa 78, Elsa Mbala marcelino.chipa@ispsn.org

Leia mais

HBV from screening to prevention in Latin America

HBV from screening to prevention in Latin America HBV from screening to prevention in Latin America Prof. Henrique Sérgio Moraes Coelho 2nd Latin American Meeting on Treatment of Viral Hepatitis 2013 HEPATITE B INTRODUÇÃO 400 milhões de portadores de

Leia mais

Cartilha de Biossegurança e Quimioprofilaxia da Exposição Ocupacional ao HIV.

Cartilha de Biossegurança e Quimioprofilaxia da Exposição Ocupacional ao HIV. Cartilha de Biossegurança e Quimioprofilaxia da Exposição Ocupacional ao HIV. APRESEN- TAÇÃO Nos últimos anos, a AIDS, como problema de Saúde Publica, vem levantando várias situações de risco relacionadas

Leia mais

Hepatite B. Riscos, prevenção e tratamento. Prof. Dr. Stefan Zeuzem, médico. European Liver Patients Association

Hepatite B. Riscos, prevenção e tratamento. Prof. Dr. Stefan Zeuzem, médico. European Liver Patients Association Prof. Dr. Stefan Zeuzem, médico Hepatite B Riscos, prevenção e tratamento European Liver Patients Association F. De Renesselaan, 57 B - 3800 Sint-Truiden, Belgium email: contact@elpa-info.org Caro paciente,

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DA SAÚDE

A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DA SAÚDE A SEGURANÇA DO PROFISSIONAL DA SAÚDE 1º CASO REPORTADO DE PROFISSIONAL DA SAÚDE INFECTADO POR HIV, ATRAVÉS DE PICADA DE AGULHA Estimasse que a cada ano, os profissionais da saúde, sofram aproximadamente

Leia mais

Curso: Marcadores Moleculares aplicados a organismos de interesse epidemiológico

Curso: Marcadores Moleculares aplicados a organismos de interesse epidemiológico Curso: Marcadores Moleculares aplicados a organismos de interesse epidemiológico SUCEN Superintendência de Controle de Endemias São Paulo 17 a 22 de agosto de 2009 Aula : PCR EM TEMPO REAL José Eduardo

Leia mais

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MARCADORES

Leia mais

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO

FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO 1 FLUXOGRAMA DO ACIDENTE BIOLÓGICO FLUXOGRAMA DAS MEDIDAS A SEREM ADOTADAS APÓS O ACIDENTE BIOLÓGICO E OS CUIDADOS COM O ACIDENTADO: 1) PACIENTE FONTE ASSINA TERMO DE CONSENTIMENTO (pág 2); 2) COLHER EXAMES

Leia mais

Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica

Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica INDICAÇÃO DE BIÓPSIA HEPÁTICA (Na era dos exames não invasivos) Helma Pinchemel Cotrim Prof. Associada- Doutora- Faculdade Medicina Universidade Federal da Bahia

Leia mais

Trabalho de biologia

Trabalho de biologia Trabalho de biologia Grupo: Kaio Moraes(20) Leonardo Silveira(21) Matheus Ramôa(23) Paulo Reis(25) Pedro Guido(26) Pedro Neves(27) Raphael Barbosa(30) Índice : Histórico da doença Agente causador Ciclo

Leia mais

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 09 Dezembro de 2004

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 09 Dezembro de 2004 Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia Relatório Global AEQ 09 Dezembro de 2004 Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. José Serra. Ministro de Estado da Saúde. João Yunes. Secretário de Políticas de Saúde. Pedro Chequer

MINISTÉRIO DA SAÚDE. José Serra. Ministro de Estado da Saúde. João Yunes. Secretário de Políticas de Saúde. Pedro Chequer MINISTÉRIO DA SAÚDE José Serra Ministro de Estado da Saúde João Yunes Secretário de Políticas de Saúde Pedro Chequer Coordenador Nacional de DST e Aids Hélio Moraes de Souza Coordenador Nacional de Sangue

Leia mais

006 ESTABELECIDO EM 03/12/2005

006 ESTABELECIDO EM 03/12/2005 Acompanhamento Ambulatorial do Paciente com HIV/AIS 006 ESTABELECIO EM 03/12/2005 ÚLTIMA REVISÃO EM 31/08/2009 NOME O TEMA \\ Acompanhamento Ambulatorial do Paciente com HIV/AIS RESPONSÁVEIS UNIAE \\ ra.

Leia mais

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 10 Junho de 2005

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 10 Junho de 2005 Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia Relatório Global AEQ 10 Junho de 2005 Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO

Leia mais