Determinação do padrão esquelético vertical da face

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Determinação do padrão esquelético vertical da face"

Transcrição

1 Benedicto EN et al. ARTIGO DE REVISÃO Determinação do padrão esquelético vertical da face Determination of the vertical skeletal facial pattern Eduardo de Novaes Benedicto 1, Silvana Allegrini Kairalla 2, Armando Koichiro Kaieda 2, Sergio Luís de Miranda 3, Fernando César Torres 4, Luiz Renato Paranhos 4 RESUMO Introdução: A construção de um diagnóstico ortodôntico tem como base a correta determinação do padrão esquelético vertical da face do paciente. Objetivo: Rever a literatura para identificar os principais métodos de determinação do padrão esquelético facial. Resultados: A literatura apresentou diversas maneiras de se determinar o padrão esquelético vertical de um indivíduo para auxiliar o profissional no diagnóstico final do padrão facial. Conclusões: Existem diversas análises disponíveis para determinar o padrão esquelético vertical da face de um indivíduo e muitas dessas análises apresentam divergências entre si quanto ao resultado final. Descritores: Ortodontia. Ossos Faciais. Diagnóstico. Ortodontia Interceptora. abstract Introduction: The development of an orthodontic diagnosis is based on the correct determination of the vertical facial skeletal pattern of the patient. Objective: Review the literature to identify the main methods for determining the facial skeletal pattern. Results: The literature provided several ways to determine the vertical facial skeletal pattern of an individual to assist the professional in the final diagnosis of the facial pattern. Conclusions: There are several methods available to determine the vertical facial skeletal pattern of an individual, and many of the assessments differ among themselves as to the final result. Key words: Orthodontics. Facial Bones. Diagnosis. Orthodontics, Interceptive. 1. Mestrando em Biologia Buco-dental área de concentração em Odontologia Legal pela FOP/UNICAMP. Especialista em Ortodontia pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP)/São Bernardo do Campo, São Bernardo do Campo, SP, Brasil. 2. Aluno do Programa de Pós-Graduação em Odontologia, área de concentração em Ortodontia da UMESP/São Bernardo do Campo, São Bernardo do Campo, SP, Brasil. 3. Cirurgião Dentista; Médico; Chefe do setor Craniomaxilofacial do Hospital Albert Einstein, São Paulo, SP, Brasil. 4. Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Odontologia, área de concentração em Ortodontia da UMESP/São Bernardo do Campo, São Bernardo do Campo, SP, Brasil. Correspondência: Luiz Renato Paranhos Rua Padre Roque, 958 Centro Mogi Mirim, SP, Brasil CEP:

2 Determinação do padrão esquelético vertical da face INTRODUÇÃO Uma informação primordial para a construção de um diagnóstico ortodôntico é o padrão esquelético vertical da face de um paciente. O incorreto diagnóstico deste pode influenciar o plano de tratamento, causando alterações nas características faciais, interferindo na estética e na estabilidade dos resultados. Os métodos para definição do padrão normalmente utilizam radiografias ou fotografias, das quais são obtidas medidas angulares, lineares ou, ainda, proporcionais. Ricketts et al. 1, em 1983, classificaram o padrão em: dolicofacial (face longa e estreita), braquifacial (face curta e larga) e um tipo intermediário, o mesofacial. Ao longo dos anos, surgiram vários autores que desenvolveram análises com o objetivo de determinar o padrão esquelético vertical dos pacientes para desenvolverem um diagnóstico preciso. Em 1957, foi afirmado que, dentro do complexo temporomandibular, o diagnóstico pode ser confundido devido à grande variedade de padrões esqueléticos verticais 2. O crescimento e o desenvolvimento da cabeça da mandíbula em quantidade e direção são fundamentais para se entender a constituição morfológica da face, pois quando o crescimento da cabeça da mandíbula se faz para cima e para frente com o aumento da profundidade facial, observa-se uma tendência braquicefálica. Por outro lado, quando o crescimento condilar ocorre para cima e para trás, observa-se um aumento consistente do comprimento facial, caracterizando uma tendência dolicocefálica. Desta forma, e, em virtude da quantidade e divergência nas análises, este estudo objetivou revisar a literatura sobre as medidas utilizadas para a determinação do padrão esquelético vertical da face. REVISÃO DA LITERATURA Em 1937, foi realizado um estudo radiográfico longitudinal que avaliou o padrão de crescimento facial de crianças, dos 12 meses aos 24 anos de idade, concluindo que a dentição decídua, quando finalizada, coincide com a definição do padrão morfológico da face 3. Posteriormente, os padrões faciais não se modificariam. Utilizando uma amostra com indivíduos entre 5 a 25 anos de idade, os quais foram divididos em três grupos de acordo com os padrões faciais longos, medianos e curtos, baseado na proporção da altura facial posterior sobre a altura facial anterior (S-Go/N-Me), Bishara & Jakobsen 4 constataram que não há influência quanto à classificação dos padrões faciais, seja por variação anatômica, ou por orientação inexata da cabeça. Os resultados da pesquisa revelaram que 77% dos indivíduos mantiveram o mesmo padrão facial dos 5 aos 25 anos de idade. Em 23% dos indivíduos, houve mudanças em relação aos padrões faciais avaliados. Com base nesses resultados, foi afirmado que os indivíduos com discrepâncias mais significativas (faces anormalmente longas ou curtas) apresentam morfologia facial mais acentuada, facilitando a descrição do padrão. Em 2000, foi realizado um estudo revisando dados longitudinais a respeito do crescimento facial de indivíduos com idades de 4 a 18 anos, aos 25 anos e aos 45 anos de idade 5. Os resultados demonstram que há mudanças significativas nos períodos entre 5-10 e anos e que estas ocorrem mais cedo nas mulheres que nos homens; as mudanças nas diferentes partes da face não são necessariamente semelhantes em época ou magnitude; a época de mudança entre medidas lineares e angulares das estruturas não ocorre ao mesmo tempo ou na mesma direção; há mudanças significavas entre anos em alguns parâmetros faciais, especificamente na altura facial, convexidade do tecido mole e ângulo ANB. Também foi avaliada a relação dos vários tipos faciais (braqui, meso e dolicofacial) com a idade, e, foi constatado que a maioria das pessoas tinha o mesmo tipo facial aos 5 e aos 25 anos de idade, o que indica que há uma forte tendência em se manter o padrão facial. Com relação aos métodos pesquisados, chegouse à conclusão que nenhum deles representa precisamente as mudanças que ocorrem na maioria dos parâmetros faciais. Estas mudanças são complexas e altamente variáveis. Para se compreender as diferenças entre os tipos faciais, foi afirmado que não seria suficiente o estudo de uma simples variável, mas sim conhecer o papel de cada variável e sua integração na morfologia facial 6. Também afirmou que nenhuma característica poderia ser julgada normal ou anormal, harmoniosa ou não harmoniosa, sem apreciação do que esta representa no total do complexo facial. No estudo 7 em que avaliaram radiograficamente a extensão das modificações ortodôntico/ortopédicas e suas influências no padrão facial de 32 pacientes portadores de má oclusão de Classe II divisão 1 de Angle, tratados durante a fase de dentição mista, de ambos os sexos, leucodermas, entre 7 e 14 anos de idade, os autores concluíram que, do início ao término do tratamento, a mandíbula mostrou padrão de crescimento proporcional em suas relações craniofaciais e o perfil dos tecidos moles beneficiou-se com o tratamento. Nesse estudo, não houve diferença estatisticamente significante em relação à frequência dos tipos faciais do início ao término do tratamento. Tendo como base a idade média de nove anos, foram determinados padrões de normalidade e desvios clínicos para crianças com crescimento normal na dentição mista 8. Foram estabelecidos valores médios de mudança anual decorrentes do crescimento, levando em conta a idade do paciente (considerando os valores médios de mudanças pré-estabelecidas por Ricketts et al. 1 ), a partir do que se propôs a seguinte classificação: dolicofacial suave (menor ou igual a 0,5º), dolicofacial médio (menor ou igual a 1,0º), dolicofacial severo (menor ou igual a 2,0º), braquifacial suave (maior ou igual a +0,5º), braquifacial médio (maior ou igual a +1,0º), braquifacial severo (maior ou igual a +2,0º), mesofacial (entre 0,5º e +0,5º). Entre suas conclusões, afirmou-se que as diferenças encontradas demonstraram um aumento significante no comprimento dos maxilares se dispondo no sentido ântero-posterior, de acordo com os objetivos ortopédicos do tratamento com movimento posterior da maxila decorrente da força extrabucal. A mandíbula apresentou um padrão de crescimento proporcional em relação ao complexo craniofacial. Não houve diferença estatisticamente significante quanto à frequência dos tipos faciais do início ao término do tratamento. Em 2002, um estudo procurou correlacionar a análise do padrão esquelético vertical da face de Ricketts (índice VERT) com a análise Siriwat & Jarabak, no qual também foi verificada a prevalência dos padrões faciais 9. Para isso, foram selecionados 32 pacientes portadores de classe II divisão 1 (24 do sexo feminino e 8 do sexo masculino), com idade média 45

3 Benedicto EN et al. de 10 anos e 3 meses. Foi encontrada distribuição uniforme dos padrões para a análise de Ricketts, enquanto na análise de Siriwat & Jarabak houve um predomínio do tipo braquifacial ou hipodivergente. Observou-se ausência de correlação entre as classificações do padrão esquelético vertical facial proposto pelas análises empregadas. Os estudos para os padrões realizados no início do surto de crescimento puberal (S.C.P.) revelaram não haver diferença estatisticamente significante, embora o tipo dolicofacial tenha sido apresentado com uma ligeira precocidade em relação ao tipo braquifacial para o sexo masculino e o tipo braquifacial, para o sexo feminino 10. No estudo de Fields et al. 11, foi demonstrado que os padrões verticais em crianças e adultos com faces longas e normais poderiam ser identificados clinicamente e documentados morfologicamente por meio de estudo cefalométrico radiográfico. O resultado foi de que, na identificação da altura facial total, do ângulo do plano mandibular, do ângulo goníaco e do ângulo formado pelos planos mandibular e palatino, tanto crianças como adultos com face longa apresentaram valores maiores que a norma. É importante uma visualização conjunta das diferentes medidas craniométricas na análise cefalométrica, relacionandoa ao padrão do paciente. A confirmação do padrão esquelético vertical da face do indivíduo e o diagnóstico preciso de quais estruturas faciais poderiam, eventualmente, estar em desarmonia com ele, é de suma importância para o plano de tratamento a ser executado. A confrontação pura e simples das medidas cefalométricas de um paciente com as médias estatísticas de grupos controle, sem considerar o padrão facial do indivíduo, traz limitações ao diagnóstico 12. As análises de determinação do padrão esquelético vertical da face Downs 13 foi o pioneiro no uso da análise cefalométrica aplicada ao diagnóstico ortodôntico. Em 1948, foi realizado um estudo com uma amostra de 20 pacientes, portadores de oclusão ideal, na faixa etária entre 12 e 17 anos, no qual se determinou os padrões esqueléticos em norma lateral e a relação entre os dentes e o processo alveolar com o esqueleto facial. O padrão esquelético foi em seguida observado em telerradiografias em norma lateral, por meio de um polígono formado pelos seguintes planos: ângulo facial, ângulo da convexidade, relação ântero-posterior da base dental, ângulo do plano mandibular e eixo Y. Os resultados permitiram ao autor chegar às seguintes conclusões: 1. existe um padrão facial que representa a média dos indivíduos que possuem oclusões ideais; 2. dentro deste padrão facial encontrado existe um desvio-padrão, mas estes valores ainda mantêm harmonia na face; 3. desvios excessivos da norma remetem indivíduos com desarmonias em certas áreas; 4. a relação entre os dentes e base óssea pode levar ao diagnóstico correto, localizando a etiologia e indicando o sentido em que os dentes devem ser movimentados no tratamento. Com o intuito de ajudar no diagnóstico e no planejamento dos casos ortodônticos, foi idealizada uma análise cefalométrica, a qual adaptou o eixo Y de crescimento de Downs 13 o qual utilizava o plano de Frankfurt para a determinação do tipo facial, e o trocou pelo plano SN, definindo assim a resultante vetorial de crescimento anterior e inferior da mandíbula 14. Os indivíduos que apresentarem o ângulo entre 64 e 70 deveriam ser considerados mesofaciais, os casos abaixo de 64, braquifaciais e, se acima de 70, dolicofaciais. Para o autor, o maior valor da cefalometria se refere à possibilidade de realização de estudos comparativos. Comparações estas que muitas vezes demonstram mudanças ocorridas ao longo do crescimento e do tratamento ortodôntico ou, fornecendo subsídios para a avaliação da efetividade ou deficiências dos mesmos. Um estudo cefalométrico realizado em 1964 verificou a relação entre a altura facial posterior e a altura facial anterior 15. Foram registradas algumas mudanças no crescimento e tentouse determinar quais os relacionamentos faciais seriam básicos e mais importantes para o ortodontista, a fim de verificar o mecanismo de crescimento dos maxilares, e demonstrar como estes produziriam a má oclusão. O autor afirmou que o eixo Y de crescimento é uma referência inadequada para expressar o padrão esquelético vertical da face. Variações nas dimensões verticais seriam mais significantes na identificação de padrões faciais em relação a dimensões ântero-posteriores. O termo divergência facial foi introduzido e os termos hiperdivergente e hipodivergente sugeriram os extremos da divergência facial. O ângulo SN-NP seria a medida utilizada para mensurar a divergência facial. Em 1946, o autor estudou 16 o ângulo formado pelo plano de Frankfurt e plano mandibular (FMA), e, baseando-se neste ângulo, apresentou um método para o prognóstico do tratamento ortodôntico. Quando este ângulo apresenta valores entre 16 e 28, o prognóstico variaria de excelente para os valores próximos a 16, e extremamente bons, próximos a 28. Os casos entre 28 e 32 seriam considerados de bom a regular. De 32 a 35 eles seriam considerados como regulares a desfavorável. Valores acima de 35 determinariam um tratamento limitado e de difícil alcance dos objetivos desejados em relação ao padrão facial do indivíduo. O FMPA (Frankfurt Mandibular Plane Angle), atualmente conhecido como FMA (Frankfurt Mandibular Angle), deveria apresentar valores entre 20 a Em 1952, foi apresentado outro método de classificação do tipo facial, baseado na análise do ângulo formado pelos planos SN e GoGn 18. Segundo o autor, o ângulo classificaria os indivíduos em mesofaciais se estes estivessem entre 27 e 37. Para os indivíduos com valores abaixo de 27, o padrão seria considerado como braquifacial, e, acima de 37, como dolicofacial. Anos mais tarde, em 1975, alguns autores 19 utilizaram valores médios para predizer as direções e as velocidades de crescimento da face, em uma amostra de 200 indivíduos. Afirmaram que o crescimento craniofacial poderia ser dividido em três categorias, de acordo com sua direção: no sentido horário, direto para baixo e em sentido anti-horário. A altura facial posterior seria curta em relação à anterior, no crescimento em sentido horário. No crescimento em sentido anti-horário, a altura posterior estaria aumentada em relação à altura anterior. No crescimento em sentido horário, significaria que a parte anterior da face estaria crescendo para baixo e para frente ou para baixo e para trás, numa velocidade maior que a altura posterior da face. Em uma face que estivesse crescendo em sentido anti-horário, a altura facial posterior e a profundidade facial estariam crescendo para baixo e para frente ou para baixo e para trás, com uma velocidade maior que a parte anterior da face. Neste tipo de crescimento, a proporção da altura da face corresponde de 65% a 80%. 46

4 Determinação do padrão esquelético vertical da face Em 1985, Siriwat e Jarabak 20 buscaram as associações entre morfologia facial e más oclusões. A análise cefalométrica foi baseada principalmente em grandezas sugeridas por seus estudos de 1975, observando a existência de dimorfismo sexual em cada relacionamento. Classificou-se a morfologia facial baseada em três distintos padrões definidos pela razão da Altura Facial ou Quociente de Jarabak (FHR), isto é, a razão da Altura Facial Posterior (S.Go) pela Altura Facial Anterior (N-Me). Estes padrões foram os seguintes: 1. Padrão de crescimento hiperdivergente, com FHR menor que 59% e a rotação da face com crescimento para baixo e posterior. A altura facial anterior aumentaria mais rapidamente do que a Altura Facial Posterior e o eixo Y de Downs tenderia a abrir; 2. Padrão de crescimento neutro, com FHR de 59% a 63%, seria o de maior prevalência. A direção de crescimento seria para baixo e para frente, com o eixo Y de Downs mostrando aproximadamente o mesmo desenvolvimento anterior e posterior, sem mudanças progressivas na maioria dos relacionamentos angulares; 3. Padrão de crescimento hipodivergente, com crescimento horizontal predominante e FHR maior que 63%. O padrão facial é um importante fator na predição do crescimento e no planejamento ortodôntico 1. O primeiro passo a ser seguido durante a elaboração do diagnóstico de um caso ortodôntico seria a sua classificação. Para a determinação desses padrões, os autores apresentaram três tipos faciais básicos: dolicofacial (crescimento vertical), mesofacial (crescimento equilibrado) e braquifacial (crescimento horizontal). Foram utilizadas cinco variáveis angulares de sua análise cefalométrica para a determinação dos tipos faciais (índice VERT): Ângulo do eixo facial (N-Ba).(Pt-Gn): Ângulo formado pela linha básio-násio com a linha que parte do ponto pterigoide até o gnátio cefalométrico, medido na parte posterior do ângulo. A norma é de 90, com desvio padrão de +3, permanecendo constante com a idade; Ângulo facial ou profundidade facial (Po-Or).(N-Pog): Ângulo formado pelo plano de Frankfurt e pelo plano facial. O valor normal é de 87, diminuindo 0,3 por ano; Ângulo do plano mandibular (Go-Me).(Po-Or): Formado pelo plano horizozntal de Frankfurt e pelo plano mandibular; Altura do terço inferior da face (Xi-ENA). (Xi-Pm): Ângulo formado pelos planos Xi-ENA e Xi-PM. A norma é de 47 com desvio padrão de +4, permanecendo constante com a idade; Arco mandibular (Dc-Xi).(Xi-Pm): Ângulo formado pelo eixo do corpo mandibular e pelo eixo condilar. A norma é de 26, aumentando 0,5 a cada ano de vida. Os tipos faciais dos pacientes foram determinados pelo valor das médias aritméticas dos desvios-padrão encontrados para estes fatores. Com isso foi possível, baseado nos objetivos visuais do tratamento (VTO Visual Treatment Objectives), elaborar a previsão de crescimento facial e a planificação do tratamento ortodôntico. Obtidos os valores dos ângulos do paciente pode-se calcular o VERT, calculando a norma individualizada para cada ângulo. Depois de estabelecida a diferença entre o valor encontrado e a norma individualizada, divide-se o valor encontrado pelo desvio clínico (que varia de acordo com o ângulo). O resultado é colocado na curva de Gauss e é atribuído um sinal positivo quando o valor indicar uma tendência braquifacial de crescimento, ou negativo quando o valor encontrado indicar uma tendência dolicofacial 1. Estudos entre as análises Os estudos radiográficos que abordaram as possíveis correlações existentes entre as análises para a definição do padrão esquelético vertical da face de acordo com Ricketts, modificado por Albuquerque, com a análise de Siriwat & Jarabak não apresentaram nenhuma equivalência entre os métodos, pois resultados diferentes foram fornecidos de cada análise, o que possibilitou a afirmação pelos autores de que é importante uma avaliação criteriosa do profissional para o adequado diagnóstico 21. Em 2004, em estudo que abordou as possíveis correlações existentes entre as análises de Ricketts e Siriwat & Jarabak para a definição do padrão esquelético vertical 22, foi descoberta uma concordância relativa entre as classificações de Ricketts e Siriwat & Jarabak, e foi verificada uma concordância de 66,67% (20 indivíduos) entre as duas classificações, estatisticamente significante, porém de maneira moderada. Outros estudos 23 compararam os achados cefalométricos com os antropométricos, além dos da análise facial para a classificação do tipo de face, segundo o sexo. Utilizando a análise de Ricketts, foram classificados com relação ao tipo de face em dolicofacial, mesofacial e braquifacial. Os achados cefalométricos foram comparados a sete medidas antropométricas faciais diretas, três índices e três proporções faciais, e também comparados à classificação da face em longa, média ou curta, realizada a partir da análise clínica por meio da observação de duas fotografias (uma da face frontal sem sorriso e outra de perfil direito), realizada por três fonoaudiólogos especialistas em motricidade orofacial. A partir dos achados cefalométricos, o tipo facial mais frequente foi o braquifacial (n=41; 39,1%) e o menos frequente, o dolicofacial (n=27; 25,7%). A população estudada foi, em sua maioria, composta de mulheres (67,6%). Os padrões esqueléticos verticais da face classificados, por meio da cefalometria, apresentaram diferenças estatisticamente significativas para os valores médios de oito variáveis antropométricas do sexo masculino (quatro medidas, dois índices e uma proporção facial) e seis do sexo feminino (cinco medidas e uma proporção facial). Os índices e proporções antropométricas faciais promoveram dados confiáveis para a determinação de face longa, em homens; e face longa e curta, em mulheres. A análise facial para identificação do tipo facial realizada por meio de fotografias padronizadas não foi considerada confiável se utilizada isoladamente, ao se comparar à classificação do tipo de face obtido a partir da análise cefalométrica. Nos estudos 24 com indivíduos que possuem má oclusão classe II divisão 1 de Angle tratados com ortodontia (aparelho fixo associado à ancoragem extrabucal) e ortopedia funcional dos maxilares (Bionator de Balters), com o objetivo de verificar se os métodos de Ricketts e de Siriwat & Jarabak (Quociente de Proporcionalidade) seriam coincidentes quanto à classificação dos padrões faciais; se após o tratamento houve migração de um para outro padrão facial e se foram, neste caso, coincidentes ou não; e se o método empregado de tratamento (ortodontia ou ortopedia) provocaria alguma influência no padrão facial ao final do tratamento. Com os resultados, afirmou-se que a classificação do tipo facial, tanto no início, como no final do tratamento, pelas análises de Siriwat & Jarabak e de Ricketts, apresentaram 47

5 Benedicto EN et al. estatisticamente tendência de concordância nos padrões considerados, ou seja, houve tendência a ser classificado como dolicofacial, segundo Ricketts, quando um paciente foi classificado como horário, segundo Siriwat & Jarabak. O anti-horário, da mesma forma, relaciona-se com o braquifacial, e o neutro, com o mesofacial. Outra afirmação foi que a proporção de migração de um nível para o outro, em ambos os métodos, foi similar. Como resultado não houve diferença significativa na migração para os dois métodos. Para finalizar, o tipo de tratamento empregado (ortodontia ou ortopedia) não teve influência significativa em alterar o padrão facial ao final do tratamento. Outro estudo 25 avaliou as mudanças ocorridas após os tratamentos ortodônticos nos diferentes padrões faciais, procurando verificar se as mudanças pós-tratamento diferiram nos três padrões faciais: curto, médio e longo. Os três padrões faciais não demonstraram diferenças significantes após o tratamento. Os resultados permitiram afirmar que os diferentes padrões faciais não requerem atenção especial, com respeito à fase de contenção, embora os pacientes do sexo masculino tenham apresentado maiores alterações, tanto em medidas lineares quanto em altura da face. DISCUSSÃO O prognóstico de um paciente muitas vezes está sujeito a alterações indesejadas, que podem ocorrer sempre que o padrão esquelético vertical da face de um indivíduo não é levado em conta no momento da planificação e no planejamento dos tratamentos ortodônticos. O fato de existirem diversas análises, que apresentam diferentes prevalências nos padrões, reforça a afirmação de que uma simples variável não é suficiente para se compreender as diferenças entre os tipos faciais 6. Seguindo essa filosofia, ressalta-se a importância de uma visualização conjunta das diferentes medidas craniométricas na análise cefalométrica, relacionando-a ao padrão do paciente 12. Os diferentes padrões esqueléticos verticais da face já apresentaram diversas nomenclaturas. A mais clássica entre elas é a preconizada por Ricketts et al. 1, que separaram os padrões em três tipos faciais básicos: dolicofacial (crescimento vertical), mesofacial (crescimento equilibrado) e braquifacial (crescimento horizontal). Há autores 3,5 concordando que o padrão facial é definido na infância, próximo ao final da dentição decídua, e, que há uma forte tendência em se manter o padrão facial após essa idade. Tendência essa, comprovada por Bishara & Jakobsen 4, que encontraram uma média 77% dos indivíduos que mantiveram o mesmo padrão facial dos 5 aos 25 anos de idade, enquanto 23% dos indivíduos apresentaram mudança. No início do surto de crescimento puberal, não há diferença estatisticamente significante entre os padrões esqueléticos verticais faciais, embora o tipo dolicofacial tenha uma ligeira precocidade em relação ao tipo braquifacial para o sexo masculino e o tipo braquifacial, para o sexo feminino 10. Uma importante informação relatada é que não há influência da variação anatômica, ou da orientação inexata da cabeça quanto à classificação dos padrões faciais, o que oferece maior segurança no momento do diagnóstico do padrão facial 4. Foi afirmado que os indivíduos com discrepâncias mais importantes (faces anormalmente longas ou curtas) apresentam morfologia facial mais acentuada, facilitando a descrição do padrão. A mandíbula apresenta um padrão de crescimento proporcional em relação ao complexo craniofacial 7,8. Não há diferença estatisticamente significante quanto à frequência dos tipos faciais no início e ao término do tratamento. A confirmação do padrão esquelético vertical da face do indivíduo e o diagnóstico preciso de quais estruturas faciais poderiam eventualmente estar em desarmonia com o referido tipo facial seria de suma importância no plano de tratamento a ser executado. A confrontação pura e simples das medidas cefalométricas de um paciente com as médias estatísticas de grupos controle, sem considerar o padrão facial do indivíduo, traz limitações no diagnóstico 12. As análises de Ricketts e de Siriwat & Jarabak, não apresentam nenhuma equivalência entre os métodos 9,21 devido aos resultados diferentes apresentados em cada análise de pacientes com diversas mal oclusões, o que possibilitou a afirmação pelos autores de que é importante uma avaliação criteriosa do profissional para o adequado diagnóstico 21. Outro estudo de correlações envolvendo as mesmas análises, mas que apenas contou com pacientes com mal oclusões de Angle classe I e II encontrou concordância relativa entre estas classificações estatisticamente significante, porém de maneira moderada 22. Com respeito à fase de contenção, os padrões faciais não demonstram diferenças significantes após o tratamento, o que levou a afirmar que os padrões faciais não necessitam de atenção especial nesta fase 23. Estudos confirmaram ainda uma tendência dos padrões se manterem constantes tanto no início, como no final do tratamento 24. Quando utilizarmos a análise facial, devemos estar atentos, pois esta não é considerada uma fonte confiável se utilizada isoladamente, ao se comparar à classificação do tipo de face obtido a partir da análise cefalométrica 20. Segundo as análises de Ricketts e Siriwat & Jarabak, o tipo facial mais prevalente é o braquifacial 9,24, seguido do mesofacial, englobando juntos, praticamente a totalidade das amostras (91,6% e 98,3%). O que contradiz com outros estudos dos tipos faciais 20,25, que afirmam ser mais prevalente o tipo mesofacial. Os distintos resultados obtidos podem ter origem nas diferentes metodologias empregadas no que se refere ao tipo de método de determinação do tipo facial. CONCLUSÃO Existem diversas análises disponíveis para se chegar ao padrão esquelético vertical da face de um indivíduo, e, muitas dessas análises apresentam divergências entre si, sugerindo que uma única variável não é suficiente para se compreender as diferenças entre os tipos faciais, devendo-se considerar o conjunto de características cefalométricas associadas à avaliação da morfologia facial observada clinicamente. REFERÊNCIAS 1. Ricketts RM, Bench RW, Gugino CF, Hilgers JJ, Schulho RJ. Técnica bioprogresiva de Ricketts. Buenos Aires:Panamericana; Ricketts RM. Planning treatment on the basis of the facial pattern and an estimate of its growth. Am J Orthod. 1957;27(1):

6 Determinação do padrão esquelético vertical da face 3. Broadbent BH. The face of the normal child. Angle Orthod. 1937;7(4): Bishara SE, Jakobsen JE. Longitudinal changes in three normal facial types. Am J Orthod. 1985;88(6): Bishara SE. Facial and dental changes in adolescents and their clinical implications. Angle Orthod. 2000;70(6): Coben SE. The integration of facial skeletal variants. Am J Orthod. 1955;41(6): Albuquerque CM, Vigorito JW. Estudo cefalométrico radiográfico empregando a análise de Ricketts na avaliação dos padrões dento-faciais de pacientes portadores de maloclusão de Classe II, Divisão 1, tratados durante a fase de dentição mista. Ortodontia. 1990;23(2): Albuquerque CM. Estudo cefalométrico radiográfico empregando a análise de Ricketts na avaliação dos padrões dento-faciais de pacientes portadores de maloclusão de Classe II, Divisão 1, tratados durante a fase de dentição mista [Dissertação de Mestrado]. São Bernardo do Campo: Faculdade de Saúde, Universidade Metodista de São Paulo UMESP; p. 9. Moresca R, Reis SAB, Vigorito JW, Scanavini MA. Estudo comparativo cefalométrico-radiográfico do padrão facial na má oclusão de Classe II, 1 de Angle, empregando as análises cefalométricas de Ricketts e Siriwat & Jarabak. J Bras Ortodon Ortop Facial. 2002;7(42): Poubel D, Urbano AL, Maltagliati LA, Scanavini MA. A relação entre os tipos faciais e o surto de crescimento puberal. Rev Goiana Ortod ;7(2): Fields HW, Proffit WR, Nixon WL, Phillips C, Stanek E. Facial pattern differences in long-faced children and adults. Am J Orthod. 1984;85(3): Rodrigues HVH. Como tornar o diagnóstico cefalométrico mais preciso, respeitando a harmonia facial individual do paciente. Ortodontia. 1991;24(1): Downs WB. Variations in facial relationship; their significance in treatment and prognosis. Am J Orthod. 1948;34(10): Steiner CC. Cephalometrics in clinical practice. Angle Orthod. 1959;29(1): Schudy FF. Vertical growth versus anteroposterior growth as related to function and treatment. Angle Orthod. 1964;34(2): Tweed CH. The Frankfort-mandibular plane angle in orthodontic diagnosis, classification, treatment planning, and prognosis. Am J Orthod Oral Surg. 1946;32: Tweed CH. Evolutionary trends in orthodontics, past, present and future. Am J Orthod. 1953;39(2): Riedel RA. The relation of maxillary structures to cranium in malocclusion and in normal oclusion. Angle Orthod. 1952;22(3): Jarabak JR, Fizzell JA. Aparatologia del arco de canto com alambres delgados Técnica y tratamento. Buenos Aires:Mundi;1975. p Siriwat PP, Jarabak JR. Malocclusion and facial morphology is there a relationship? An epidemiologic study. Angle Orthod. 1985;55(2): Scanavini C, Vigorito JW. Estudo cefalométrica-radiográfico das possíveis correlações existentes entre as analises de Vigoritto, Ricketts e Siriwat & Jaraback na definição dos tipos faciais, em indivíduos leucodermas. Ortodontia. 2001;34(3): Yamaguto OT, Urbano AL, Vasconcelos MHF. Correlação entre os métodos de determinação do tipo facial preconizado por Ricketts e Siriwat; Jarabak. Odonto. 2004;23(12): Silva M, Ramires R. Determinação do tipo facial: cefalometria, antropometria e análise facial. In: Anais do 16º Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia. Campos do Jordão, São Paulo, Fono; Saito CH. Comparação entre algumas medidas cefalométricas das análises de Ricketts (índice de VERT) e de Jarabak (Quociente de Jarabak) em pacientes portadores de Classe II, divisão 1 de Angle tratados com ortodontia e ortopedia funcional dos maxilares. Rev Straight Wire. 1995;7(7): Zaher AR, Bishara SE, Jakobsen JR. Post treatment changes in different facial types. Angle Orthod. 1994;64(6): Trabalho realizado na Universidade Metodista de São Paulo (UMESP/São Bernardo do Campo), São Bernardo do Campo, SP, Brasil. Artigo recebido: 8/1/2011 Artigo aceito: 15/2/

PALAVRAS-CHAVE: Padrão facial; Cefalometria; Estudo comparativo.

PALAVRAS-CHAVE: Padrão facial; Cefalometria; Estudo comparativo. REVISÃO DA LITERATURA Estudo Comparativo Cefalométrico- Radiográfico do Padrão Facial na Má-Oclusão de Classe II, 1 de Angle, Empregando as Análises Cefalométricas de Ricketts e Siriwat & Jarabak A Comparative

Leia mais

Determinação do tipo facial: cefalometria, antropometria e análise facial

Determinação do tipo facial: cefalometria, antropometria e análise facial Determinação do tipo facial: cefalometria, antropometria e análise facial Palavras-chave: Face; Cefalometria; Antropometria. Introdução A face humana com suas estruturas ósseas e musculares apresenta características

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E COMPORTAMENTO

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E COMPORTAMENTO UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA AVALIAÇÃO DA ESTABILIDADE E COMPORTAMENTO PÓS-TRATAMENTO DA CLASSE II MANDIBULAR TRATADA COM BIONATOR DE BALTERS Dissertação apresentada ao

Leia mais

Estudo da inclinação do plano palatino em relação à base posterior do crânio em indivíduos portadores de oclusão normal

Estudo da inclinação do plano palatino em relação à base posterior do crânio em indivíduos portadores de oclusão normal A r t i g o I n é d i t o Estudo da inclinação do plano palatino em relação à base posterior do crânio em indivíduos portadores de oclusão normal Cássia T. Lopes de Alcântara Gil*, Fernando Penteado Lopes

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO PADRÃO ESQUELÉTICO SAGITAL NA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO ESQUELÉTICO VERTICAL DA FACE

A INFLUÊNCIA DO PADRÃO ESQUELÉTICO SAGITAL NA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO ESQUELÉTICO VERTICAL DA FACE UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA ORTODONTIA A INFLUÊNCIA DO PADRÃO ESQUELÉTICO SAGITAL NA DETERMINAÇÃO DO PADRÃO ESQUELÉTICO VERTICAL DA FACE TIAGO MONTEIRO BRANDO

Leia mais

Jones Jig e Barra Transpalatina - Tratamento Alternativo na Correção Unilateral da Má Oclusão Classe II, Divisão 2, Subdivisão

Jones Jig e Barra Transpalatina - Tratamento Alternativo na Correção Unilateral da Má Oclusão Classe II, Divisão 2, Subdivisão rtigo de Divulgação Jones Jig e arra Transpalatina - Tratamento lternativo na Correção Unilateral da Má Oclusão Classe II, Divisão 2, Subdivisão Jones Jig and the Palatal ar - lternative Treatment in the

Leia mais

Análise da deflexão, do comprimento anterior e posterior da base do crânio, em indivíduos dolicofaciais, com má oclusão de Classe III esquelética

Análise da deflexão, do comprimento anterior e posterior da base do crânio, em indivíduos dolicofaciais, com má oclusão de Classe III esquelética A r t i g o I n é d i t o Análise da deflexão, do comprimento anterior e posterior da base do crânio, em indivíduos dolicofaciais, com má oclusão de Classe III esquelética Fernando Antonio Gonçalves*,

Leia mais

Molares Decíduos Decíduos

Molares Decíduos Decíduos Ô Ô Ô Ô Osso Frontal e Ossos Próprios do Nariz. Ô Osso Frontal e Ossos Próprios do Nariz. Ossos Esfenóide e Occipital. Ô Osso Frontal e Ossos Próprios do Nariz. Ossos Esfenóide e Occipital. Meato Acústico

Leia mais

Estudo comparativo cefalométrico dos padrões dentofaciais de indivíduos portadores de oclusão normal e de más oclusões de Angle

Estudo comparativo cefalométrico dos padrões dentofaciais de indivíduos portadores de oclusão normal e de más oclusões de Angle A r t i g o I n é d i t o Estudo comparativo cefalométrico dos padrões dentofaciais de indivíduos portadores de oclusão normal e de más oclusões de Angle Julio César Mota Pereira*, Henrique Manoel Lederman**,

Leia mais

Estudo comparativo entre a Análise Facial Subjetiva e a Análise Cefalométrica de Tecidos Moles no diagnóstico ortodôntico

Estudo comparativo entre a Análise Facial Subjetiva e a Análise Cefalométrica de Tecidos Moles no diagnóstico ortodôntico A r t i g o In é d i t o Estudo comparativo entre a Análise Facial Subjetiva e a Análise Cefalométrica de Tecidos Moles no diagnóstico ortodôntico Renata Feres*, Maria Helena Ferreira Vasconcelos** Resumo

Leia mais

TRATAMENTO INTERCEPTATIVO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR E MORDIDA CRUZADA POSTERIOR: RELATO DE CASO CLÍNICO

TRATAMENTO INTERCEPTATIVO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR E MORDIDA CRUZADA POSTERIOR: RELATO DE CASO CLÍNICO TRATAMENTO INTERCEPTATIVO DA MORDIDA ABERTA ANTERIOR E MORDIDA CRUZADA POSTERIOR: RELATO DE CASO CLÍNICO INTERCEPTATIVE TREATMENT OF THE ANTERIOR OPEN BITE AND POSTERIOR CROSSBITE: DESCRIPTION OF A CLINICAL

Leia mais

ANÁLISE DA PROPORÇÃO ÁUREA EM INDIVÍDUOS DOLICO, BRAQUI E MESOFACIAIS, POR MEIO DE RADIOGRAFIAS CEFALOMÉTRICAS LATERAIS

ANÁLISE DA PROPORÇÃO ÁUREA EM INDIVÍDUOS DOLICO, BRAQUI E MESOFACIAIS, POR MEIO DE RADIOGRAFIAS CEFALOMÉTRICAS LATERAIS ARTIGO ANÁLISE DA PROPORÇÃO ÁUREA EM INDIVÍDUOS DOLICO, BRAQUI E MESOFACIAIS, POR MEIO DE RADIOGRAFIAS CEFALOMÉTRICAS LATERAIS ASSESSMENT OF THE GOLDEN PROPORTION OF BRACHYFACIAL, DOLICOFACIAL AND MESOFACIAL

Leia mais

LUCIANA DORIA RAMOS MARIANA CARDOZO SEVERO

LUCIANA DORIA RAMOS MARIANA CARDOZO SEVERO LUCIANA DORIA RAMOS MARIANA CARDOZO SEVERO AVALIAÇÃO DA PREVALÊNCIA DO TIPO DE CRESCIMENTO CRÂNIO FACIAL NAS DIFERENTES MÁS OCLUSÕES, DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO DE ANGLE 2011 LUCIANA DORIA RAMOS MARIANA

Leia mais

Características cefalométricas dos indivíduos Padrão I

Características cefalométricas dos indivíduos Padrão I A r t i g o I n é d i t o Características cefalométricas dos indivíduos Padrão I Sílvia Augusta Braga Reis*, Leopoldino Capelozza Filho **, Maurício de Almeida Cardoso***, Marco Antônio Scanavini**** Resumo

Leia mais

O CIOF é uma clínica de odontologia especializada que há mais de 13 anos é comprometida com saúde bucal e o bem estar de seus clientes.

O CIOF é uma clínica de odontologia especializada que há mais de 13 anos é comprometida com saúde bucal e o bem estar de seus clientes. A Clínica O CIOF é uma clínica de odontologia especializada que há mais de 13 anos é comprometida com saúde bucal e o bem estar de seus clientes. Localizada nas cidades de Fortaleza, Itapipoca e Pentecoste,

Leia mais

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil

Revista CEFAC ISSN: Instituto Cefac Brasil Revista CEFAC ISSN: 1516-1846 revistacefac@cefac.br Instituto Cefac Brasil Siqueira Brandão Canuto, Marisa; Sousa Assis, Rosiane; Paiva Gouveia, Patrícia Martins; Nemr, Katia ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE PAULISTA PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE PAULISTA PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA COMPARAÇÃO DOS VALORES CEFALOMÉTRICOS PROPOSTOS POR McNAMARA JR. COM OS OBTIDOS EM UMA AMOSTRA DE BRASILEIROS, DE ACORDO COM OS TIPOS FACIAIS Dissertação

Leia mais

SPLINTER DE THUROW MODIFICADO NO TRATAMENTO DA CLASSE II, DIVISÃO I - RELATO DE CASO CLÍNICO

SPLINTER DE THUROW MODIFICADO NO TRATAMENTO DA CLASSE II, DIVISÃO I - RELATO DE CASO CLÍNICO 1 SPLINTER DE THUROW MODIFICADO NO TRATAMENTO DA CLASSE II, DIVISÃO I - RELATO DE CASO CLÍNICO Nosé, Carla Cristina; Lopes-Marotti, Noely Regina; Filizzola, Leonardo Bandle; Rossetto, Shirley Márcia; Murata,

Leia mais

Nely Rocha de Figueiredo. 63a 11m. Atendimento: 2/5/2014. Dr Sergio Pinho

Nely Rocha de Figueiredo. 63a 11m. Atendimento: 2/5/2014. Dr Sergio Pinho Dr Sergio Pinho Nely Rocha de Figueiredo 63a 11m Atendimento: 2/5/2014 Planos de Referência Avaliar a relação dos planos de referência com o esqueleto facial do paciente, em especial a condição de simetria

Leia mais

Variações cefalométricas e sua correlação com o vedamento labial Interface Fonoaudiologia e Ortodontia

Variações cefalométricas e sua correlação com o vedamento labial Interface Fonoaudiologia e Ortodontia Variações cefalométricas e sua correlação com o vedamento labial Interface Fonoaudiologia e Ortodontia Palavras chave: Pesquisa interdisciplinar, Cefalometria, Sistema Estomatognático. INTRODUÇÃO A Fonoaudiologia

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA

PROGRAMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA PROGRAMA DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA OBJETIVO: Preparar cirurgiões dentistas clínicos para o atendimento ortodôntico dentro de uma técnica moderna, completa e mundialmente reconhecida. O programa

Leia mais

ConScientiae Saúde ISSN: Universidade Nove de Julho Brasil

ConScientiae Saúde ISSN: Universidade Nove de Julho Brasil ConScientiae Saúde ISSN: 1677-1028 conscientiaesaude@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Maia de Oliveira Junior, Wilson; Silva Cunha, Eudes Francisco da; Rebelo Passos, Fabricio Determinação

Leia mais

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto

COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto 1 COMPARAÇÃO DO DIAGNÓSTICO RADIOGRÁFICO DE ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS DISTINTAS *Luciano Sampaio Marques; **Luiz Fernando Eto Resumo da monografia apresentada no curso de especilização em Ortodontia da Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA E ORTOPEDIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA E ORTOPEDIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ODONTOLOGIA DEPARTAMENTO DE CIRURGIA E ORTOPEDIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA Linha de pesquisa: Biomateriais e técnicas terapêuticas em

Leia mais

A RTIGO I NÉDITO. Resumo

A RTIGO I NÉDITO. Resumo A RTIGO I NÉDITO Análise cefalométrica comparativa das alturas faciais, anterior e posterior, em jovens brasileiros, descendentes de xantodermas e leucodermas, com oclusão normal Ricardo Takahashi*, Arnaldo

Leia mais

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente

Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente T ÓPICO ESPECIAL Padrões cefalométricos de Ricketts aplicados a indivíduos brasileiros com oclusão excelente Masato Nobuyasu**, Minol Myahara***, Tieo Takahashi****, Adélqui Attizzani****, Hiroshi Maruo*****,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Maloclusão de Angle Classe ll; Ortodontia corretiva; Aparelhos ortodônticos funcionais.

PALAVRAS-CHAVE: Maloclusão de Angle Classe ll; Ortodontia corretiva; Aparelhos ortodônticos funcionais. CASO CLÍNICO Tratamento da Má-oclusão de Classe II, Divisão 1 a, com Aparelho Ortopédico Funcional de Avanço Mandibular e Aparelho Ortodôntico Fixo: Relato de Caso Clínico Class II, Division 1 Malocclusion,

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA - INNOVARE

ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA - INNOVARE ESPECIALIZAÇÃO EM ORTODONTIA - INNOVARE DISCIPLINAS DO CURSO, CARGA HORÁRIA E PROFESSOR RESPONSÁVEL 1º SEMESTRE: Total = 348h Disciplina Carga Horária Créditos Docente Responsável Ortodontia Básica 48h

Leia mais

BRUNO NEHME BARBO MODELOS DIGITAIS: COMPARAÇÃO DO ESCANEAMENTO EM DIFERENTES ANGULAÇÕES E DE 4 MÉTODOS DE SOBREPOSIÇÃO

BRUNO NEHME BARBO MODELOS DIGITAIS: COMPARAÇÃO DO ESCANEAMENTO EM DIFERENTES ANGULAÇÕES E DE 4 MÉTODOS DE SOBREPOSIÇÃO BRUNO NEHME BARBO MODELOS DIGITAIS: COMPARAÇÃO DO ESCANEAMENTO EM DIFERENTES ANGULAÇÕES E DE 4 MÉTODOS DE SOBREPOSIÇÃO Dissertação apresentada como parte dos requisitos obrigatórios para obtenção de grau

Leia mais

Análise do Perfil Facial*. Parte 2

Análise do Perfil Facial*. Parte 2 Análise do Perfil Facial*. Parte 2 Analysis of the Facial Profile. Part 2 Leandro Caldeira Pereira ** Luiz Fernando Eto *** Resumo: O artigo pretende abordar diversas análises do perfil facial existentes,

Leia mais

MORDIDAS CRUZADAS. Etiologia

MORDIDAS CRUZADAS. Etiologia MORDIDAS CRUZADAS Mordida Cruzada é uma alteração da oclusão dentária normal, no sentido ântero-posterior para os dentes anteriores, ou no sentido transversal para os dentes posteriores. Etiologia Baseia-se

Leia mais

da cefalometria em 1931 por Broadbent longitudinalmente procurado estruturas referência longitudinal se tornasse

da cefalometria em 1931 por Broadbent longitudinalmente procurado estruturas referência longitudinal se tornasse SOREPOSIÇÃO CEFALOMÉTRICA Desde a introdução da cefalometria em 1931 por roadbent os pequisadores e ortodontistas clínicos que estudam o desenvolvimento craniofacial longitudinalmente têm procurado estruturas

Leia mais

IV Curso Especialização em Ortodontia Clínica

IV Curso Especialização em Ortodontia Clínica IV Curso Especialização em Ortodontia Clínica Outubro 2017 Quinta-feira 12 1.Apresentação do programa/material/regras nas aulas teóricas/práticas / 2.Avaliação 3.Evolução da ortodontia 1.Terminologia em

Leia mais

O presente estudo remete-nos para as causas de extração e perda dentária na dentição permanente, durante um período de 12 meses. Neste estudo foram incluídos todos os pacientes atendidos na clínica de

Leia mais

Desempenho de um Posicionador Ortodôntico em três casos distintos

Desempenho de um Posicionador Ortodôntico em três casos distintos Relato de Caso Clínico Desempenho de um Posicionador Ortodôntico em três casos distintos Eider Barreto de Oliveira Junior * Paulo Roberto Aranha Nouer ** Resumo Foi introduzido recentemente no Brasil um

Leia mais

Modificações no pogônio e no nariz de acordo com o modo respiratório

Modificações no pogônio e no nariz de acordo com o modo respiratório A r t i g o I n é d i t o Modificações no pogônio e no nariz de acordo com o modo respiratório Orlando Tanaka*, Suelem Tisiane Fabianski**, Lílian Mary Karakida**, Luégya Amorin Henriques Knop***, Luciana

Leia mais

JULIO CESAR MOTA PEREIRA ESTUDO CEFALOMÉTRICO COMPARATIVO DOS PADRÕES DENTO ESQUELÉTICOS FACIAIS EM INDIVÍDUOS COM OCLUSÃO

JULIO CESAR MOTA PEREIRA ESTUDO CEFALOMÉTRICO COMPARATIVO DOS PADRÕES DENTO ESQUELÉTICOS FACIAIS EM INDIVÍDUOS COM OCLUSÃO JULIO CESAR MOTA PEREIRA ESTUDO CEFALOMÉTRICO COMPARATIVO DOS PADRÕES DENTO ESQUELÉTICOS FACIAIS EM INDIVÍDUOS COM OCLUSÃO NORMAL E MÁ OCLUSÃO DE ANGLE Tese apresentada à Universidade Federal de São Paulo

Leia mais

Estudo comparativo das proporções faciais entre jovens melanodermas e leucodermas dos 8 aos 10 anos de idade*

Estudo comparativo das proporções faciais entre jovens melanodermas e leucodermas dos 8 aos 10 anos de idade* A r t i g o I n é d i t o Estudo comparativo das proporções faciais entre jovens melanodermas e leucodermas dos 8 aos 10 anos de idade* Cassio Rocha Sobreira**, Gisele Naback Lemes Vilani**, Vania Célia

Leia mais

4. MATERIAL E MÉTODO

4. MATERIAL E MÉTODO Material e Método 28 4. MATERIAL E MÉTODO 4.1 Amostra Este estudo foi realizado a partir de uma amostra composta por 240 telerradiografias padronizadas em norma lateral direita do arquivo do Curso de Pós-

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS VIII PROFESSORA MARIA DA PENHA ARARUNA CENTRO DE CIÊNCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS VIII PROFESSORA MARIA DA PENHA ARARUNA CENTRO DE CIÊNCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS VIII PROFESSORA MARIA DA PENHA ARARUNA CENTRO DE CIÊNCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA KIZZY EMANUELLE LUCAS MARTINS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O ÂNGULO

Leia mais

CASO 2. SNA = 85 o - maxila moderadamente protruída em relação à base do crânio. Po SNA

CASO 2. SNA = 85 o - maxila moderadamente protruída em relação à base do crânio. Po SNA 1 - - Interseção das linhas e. Determina uma medida angular que mostra o posicionamento ântero-posterior da maxila em relação à base do crânio. Valor padrão de normalidade = 82 o na dentadura permanente

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE

UNIVERSIDADE PAULISTA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE UNIVERSIDADE PAULISTA FACULDADE DE ODONTOLOGIA DE Brasilia UNIP Prof. Dr. Ricardo F. Paulin ANÁLISE FACIAL ð Interdependência Beleza Facial x Oclusão ð Inadequação do padrão dento-esquelético na avaliação

Leia mais

REVISÃO DA LITERATURA

REVISÃO DA LITERATURA Estimate of Bone Development Through Hassel and Farman s Method and Assessment of Maxilary Growth Estimativa de Desenvolvimento Ósseo Pelo Método Hassel e Farman e Avaliação do Crescimento dos Maxilares

Leia mais

(038) Pós-Graduandos em Ortodontia pela UNINGÁ- Varginha- MG 3 Professor Mestre da UNINGÁ- Varginha-MG R E V I S T A U N I N G Á

(038) Pós-Graduandos em Ortodontia pela UNINGÁ- Varginha- MG 3 Professor Mestre da UNINGÁ- Varginha-MG R E V I S T A U N I N G Á Estudo longitudinal das alterações cefalométricas transversais e altura nasal, em crianças portadoras de oclusão normal Longitudial study of transversal cephalometric alteration and nasal height in carrying

Leia mais

Estudo Comparativo dos Padrões Cefalométricos Preconizados por Steiner com Indivíduos Brasileiros Portadores de Oclusão Excelente 1

Estudo Comparativo dos Padrões Cefalométricos Preconizados por Steiner com Indivíduos Brasileiros Portadores de Oclusão Excelente 1 TRABALHO DE PESQUISA Estudo Comparativo dos Padrões Cefalométricos Preconizados por Steiner com Indivíduos Brasileiros Portadores de 1 Comparison between Steiner s Cephalometric Standards and Brazilian

Leia mais

Avaliação da atresia maxilar associada ao tipo facial

Avaliação da atresia maxilar associada ao tipo facial A r t i g o I n é d i t o Avaliação da atresia maxilar associada ao tipo facial Marina Gomes Pedreira*, Maria Helena Castro de Almeida**, Katia de Jesus Novello Ferrer***, Renato Castro de Almeida****

Leia mais

ANÁLISE CEFALOMÉTRICA E DE TECIDOS MOLES DE ARNETT & McLAUGHLIN (ACTM) APLICADA EM INDIVÍDUOS SUL-BRASILEIROS MESOFACIAIS PORTADORES DE NORMO-OCLUSÃO

ANÁLISE CEFALOMÉTRICA E DE TECIDOS MOLES DE ARNETT & McLAUGHLIN (ACTM) APLICADA EM INDIVÍDUOS SUL-BRASILEIROS MESOFACIAIS PORTADORES DE NORMO-OCLUSÃO 1 ALEX RESTEL TRENNEPOHL ANÁLISE CEFALOMÉTRICA E DE TECIDOS MOLES DE ARNETT & McLAUGHLIN (ACTM) APLICADA EM INDIVÍDUOS SUL-BRASILEIROS MESOFACIAIS PORTADORES DE NORMO-OCLUSÃO CURITIBA 2017 2 ALEX RESTEL

Leia mais

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA RELAÇÃO ENTRE TRANSTORNOS DE HÁBITOS ORAIS COM AS MALOCLUSÃO DE ANGLE E

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA RELAÇÃO ENTRE TRANSTORNOS DE HÁBITOS ORAIS COM AS MALOCLUSÃO DE ANGLE E UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO FACULDADE DA SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA RELAÇÃO ENTRE TRANSTORNOS DE HÁBITOS ORAIS COM AS MALOCLUSÃO DE ANGLE E TIPOS FACIAIS NELSON JOSE CARRIERI ROSSI São Bernardo

Leia mais

REVISÃO DA LITERATURA

REVISÃO DA LITERATURA REVISÃO DA LITERATURA Articulação Temporomandibular. Padrões Faciais Básicos e Suas Correlações com o Comportamento do Crescimento Mandibular e Respectivas Cabeças da Mandíbula Temporomanbular Joint. Basic

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE PAULISTA PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA UNIVERSIDADE PAULISTA PROGRAMA DE MESTRADO EM ODONTOLOGIA ESTUDO COMPARATIVO DA ANÁLISE CLÍNICA DE ANDREWS COM AS ANÁLISES CEFALOMÉTRICAS EM PACIENTES SUBMETIDOS AO TRATAMENTO CIRÚRGICO Dissertação apresentada

Leia mais

CONSIDERAÇÕES GERAIS

CONSIDERAÇÕES GERAIS BIOTIPOS FACIAIS E SUAS CARACTERÍSTICAS MORFODIFERENCIAIS CONSIDERAÇÕES GERAIS As miscigenações étnico-raciais ocorrem em larga escala, e proporciona diferentes matizes biotipológicas entre os seres humanos.

Leia mais

Estudo das alterações do ponto B durante o tratamento ortodôntico*

Estudo das alterações do ponto B durante o tratamento ortodôntico* A r t i g o In é d i t o Estudo das alterações do ponto B durante o tratamento ortodôntico* José Soares Marques**, Vania Célia Vieira de Siqueira*** Resumo Objetivo: os autores desse trabalho estudaram

Leia mais

Má oclusão Classe II, 2ª Divisão de Angle, com sobremordida acentuada

Má oclusão Classe II, 2ª Divisão de Angle, com sobremordida acentuada C a s o C l í n i c o B B O Má oclusão Classe II, 2ª Divisão de Angle, com sobremordida acentuada Paulo Renato Carvalho Ribeiro* Resumo Este relato de caso descreve o tratamento ortodôntico de uma paciente

Leia mais

Construção e aplicação da análise de movimentação dentária (VTO) no auxílio à montagem de planos de tratamentos - parte 1.

Construção e aplicação da análise de movimentação dentária (VTO) no auxílio à montagem de planos de tratamentos - parte 1. 480Como se faz Orthodontic Science and Practice. 2012; 5(20):476. André Trevisi Zanelato Ms. em Ortodontia pela Universidade Metodista de São Paulo. Prof. do Curso de Esp. de Ortodontia da Escola de Odontologia

Leia mais

A r t i g o I n é d i t o

A r t i g o I n é d i t o A r t i g o I n é d i t o Avaliação cefalométrica das alterações verticais e ântero-posteriores em pacientes Classe II esquelética, tratados com aparelho extrabucal de tração cervical ou combinada Márlio

Leia mais

REALIZADA COM APARELHO FIXO, EXTRAÇÃO DOS PRIMEIROS PRÉ-MOLARES E ANCORAGEM EXTRABUCAL CERVICAL. PAULO EDUARDO GUEDES CARVALHO

REALIZADA COM APARELHO FIXO, EXTRAÇÃO DOS PRIMEIROS PRÉ-MOLARES E ANCORAGEM EXTRABUCAL CERVICAL. PAULO EDUARDO GUEDES CARVALHO A INFLUÊNCIA DO PADRÃO DE CRESCIMENTO FACIAL ANTERIOR NA CORREÇÃO DA MÁ OCLUSÃO DE CLASSE II, 1 a DIVISÃO, REALIZADA COM APARELHO FIXO, EXTRAÇÃO DOS PRIMEIROS PRÉ-MOLARES E ANCORAGEM EXTRABUCAL CERVICAL.

Leia mais

Estudo da previsibilidade das medidas P-NB e 1-NB na elaboração da análise cefalométrica de Steiner*

Estudo da previsibilidade das medidas P-NB e 1-NB na elaboração da análise cefalométrica de Steiner* A r t i g o In é d i t o Estudo da previsibilidade das medidas P-NB e 1-NB na elaboração da análise cefalométrica de Steiner* Célia Regina Maio PINZAN**, Arnaldo PINZAN***, Marcos Roberto de FREITAS****,

Leia mais

Padrão facial na dentadura decídua: estudo epidemiológico

Padrão facial na dentadura decídua: estudo epidemiológico Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Departamento de Odontopediatria, Ortodontia e Saúde Coletiva - FOB/BAO Artigos e Materiais de Revistas Científicas - FOB/BAO

Leia mais

Má oclusão Classe II de Angle tratada sem extrações e com controle de crescimento*

Má oclusão Classe II de Angle tratada sem extrações e com controle de crescimento* C a s o Cl í n i c o BBO Má oclusão Classe II de Angle tratada sem extrações e com controle de crescimento* Flávia Artese** Resumo A má oclusão Classe II de Angle é caracterizada por uma discrepância dentária

Leia mais

Estudo cefalométrico individualizado do posicionamento da maxila em indivíduos com equilíbrio facial e oclusão normal*

Estudo cefalométrico individualizado do posicionamento da maxila em indivíduos com equilíbrio facial e oclusão normal* A r t i g o In é d i t o Estudo cefalométrico individualizado do posicionamento da maxila em indivíduos com equilíbrio facial e oclusão normal* Fernando Penteado Lopes da Silva**, Cássia Teresinha Lopes

Leia mais

Características oclusais de pacientes com. Classe II, divisão 1, tratados sem e com extrações de dois pré-molares superiores.

Características oclusais de pacientes com. Classe II, divisão 1, tratados sem e com extrações de dois pré-molares superiores. A r t i g o I n é d i t o Características oclusais de pacientes com Classe II, divisão 1, tratados sem e com extrações de dois pré-molares superiores* João Tadeu Amin Graciano**, Guilherme Janson***, Marcos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ÂNGULO "Z" DE MERRIFIELD NA FASE DE DENTIÇÃO MISTA. Evaluation of the Merrifield s "Z" angle in the mixed dentition

AVALIAÇÃO DO ÂNGULO Z DE MERRIFIELD NA FASE DE DENTIÇÃO MISTA. Evaluation of the Merrifield s Z angle in the mixed dentition AVALIAÇÃO DO ÂNGULO "Z" DE MERRIFIELD NA FASE DE DENTIÇÃO MISTA Evaluation of the Merrifield s "Z" angle in the mixed dentition Alexei Leichsenring 1 Sabrina Invernici 2 Ivan Toshio Maruo 2 Hiroshi Maruo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Ortodontia, Análise Facial, Estética.

PALAVRAS-CHAVE: Ortodontia, Análise Facial, Estética. 657 UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA REALIZAÇÃO DE ANÁLISE FACIAL Raphael Silva Marques¹; Michele Fúlvia Angelo² 1. Bolsita PIBIC/CNPq, Graduando em Engenharia de Computação, Universidade Estadual de

Leia mais

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior

Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior A r t i g o d e Di v u l g a ç ã o Tratamento de Classe II, Divisão 1, com ausência congênita de incisivo lateral superior Roberto M. A. Lima Filho*, Anna Carolina Lima**, José H. G. de Oliveira***, Antonio

Leia mais

A r t i g o I n é d i t o

A r t i g o I n é d i t o A r t i g o I n é d i t o Estudo cefalométrico das alturas faciais anterior e posterior, em crianças brasileiras, portadoras de má oclusão Classe I de Angle, na fase de dentadura mista Arno Locks*, Tatsuko

Leia mais

Correlação entre padrão facial e relação sagital entre os arcos dentários no estágio de dentadura decídua: considerações epidemiológicas

Correlação entre padrão facial e relação sagital entre os arcos dentários no estágio de dentadura decídua: considerações epidemiológicas Universidade de São Paulo Biblioteca Digital da Produção Intelectual - BDPI Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais - HRAC Artigos e Materiais de Revistas Científicas - HRAC 2008 Correlação

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE CEFALOMETRIA E ANÁLISE FACIAL NA DETERMINAÇÃO DO TIPO DE FACE

RELAÇÃO ENTRE CEFALOMETRIA E ANÁLISE FACIAL NA DETERMINAÇÃO DO TIPO DE FACE 349 RELAÇÃO ENTRE CEFALOMETRIA E ANÁLISE FACIAL NA DETERMINAÇÃO DO TIPO DE FACE Relation between cephalometry and facial analysis on the facial type determination Rossana Ribeiro Ramires (1), Léslie Piccolotto

Leia mais

Avaliação do ângulo nasolabial após o tratamento ortodôntico com e sem extração dos primeiros pré-molares

Avaliação do ângulo nasolabial após o tratamento ortodôntico com e sem extração dos primeiros pré-molares A r t i g o In é d i t o Avaliação do ângulo após o tratamento ortodôntico com e sem extração dos primeiros pré-molares Flávio Marcos de Almeida*, Iara Souza Neves**, Tarcísio Junqueira Pereira***, Vânia

Leia mais

Efeitos cefalométricos do Aparelho Bimetric de Wilson na correção da Classe II de Angle

Efeitos cefalométricos do Aparelho Bimetric de Wilson na correção da Classe II de Angle ARTIGO CIENTÍFICO Efeitos cefalométricos do Aparelho Bimetric de Wilson na correção da Classe II de Angle Cephalometric effects of Bimetric Wilson`s appliance for correction of Angle Class II RESUMO Objetivo:

Leia mais

Previsibilidade das medidas ANB e 1-NA da análise cefalométrica de Steiner*

Previsibilidade das medidas ANB e 1-NA da análise cefalométrica de Steiner* A RTIGO I NÉDITO Previsibilidade das medidas e -NA da análise cefalométrica de Steiner* Maria Fernanda Martins-Ortiz**, Arnaldo Pinzan***, Célia Pinzan****, Décio Rodrigues Martins***** Resumo Objetivou-se,

Leia mais

Alterações dentoesqueléticas da má oclusão de classe II, 1ª divisão

Alterações dentoesqueléticas da má oclusão de classe II, 1ª divisão ORIGINAL ORIGINAL Alterações dentoesqueléticas da má oclusão de classe II, 1ª divisão Dental and skeletal disturbances of class ii-division i malocclusion José Eduardo ACQUARO 1 Silvia Amélia Scudeler

Leia mais

AVALIAÇÃO RADIOGRÁFICA PERIAPICAL DOS NÍVEIS DE REABSORÇÃO RADICULAR DE INCISIVOS SUPERIORES APÓS TRATAMENTO ORTODÔNTICO

AVALIAÇÃO RADIOGRÁFICA PERIAPICAL DOS NÍVEIS DE REABSORÇÃO RADICULAR DE INCISIVOS SUPERIORES APÓS TRATAMENTO ORTODÔNTICO AVALIAÇÃO RADIOGRÁFICA PERIAPICAL DOS NÍVEIS DE REABSORÇÃO RADICULAR DE INCISIVOS SUPERIORES APÓS TRATAMENTO ORTODÔNTICO PERIAPICAL RADIOGRAPHICAL ASSESSMENT OF SUPERI- OR INCISORS ROOT REABSORPTION LEVELS

Leia mais

TRATAMENTO DA CLASSE II COM ATIVADOR: RELATO DE CASO CLÍNICO

TRATAMENTO DA CLASSE II COM ATIVADOR: RELATO DE CASO CLÍNICO Vol.15,n.1,pp.60-69 (Jun Ago 2016) Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - BJSCR TRATAMENTO DA CLASSE II COM ATIVADOR: RELATO DE CASO CLÍNICO CLASS II TREATMENT WITH ACTIVATOR: CLINICAL CASE

Leia mais

TRATAMENTO PRECOCE DA CLASSE II: RELATO DE CASO

TRATAMENTO PRECOCE DA CLASSE II: RELATO DE CASO TRATAMENTO PRECOCE DA CLASSE II: RELATO DE CASO Login: rtarruda Senha: 123654 Rafael Tibaldi de ARRUDA 1 Carolina Mattar CRUZ 2 Marcus Vinicius CREPALDI 3 Ana Paula de SANTANA 4 Carlos Henrique GUIMARAES

Leia mais

GILBERTO VILANOVA QUEIROZ

GILBERTO VILANOVA QUEIROZ GILBERTO VILANOVA QUEIROZ ESTUDO COMPARATIVO DA MORFOLOGIA CRANIOFACIAL ENTRE CRIANÇAS LEUCODERMAS BRASILEIRAS, COM OCLUSÃO NORMAL, PORTADORAS DE PERFIL FACIAL TEGUMENTAR EQUILIBRADO, COM TENDÊNCIA RETA

Leia mais

MARIO VEDOVELLO FILHO E COLABORADORES. Cefalometria. Técnicas de Diagnóstico e Procedimentos. 2ª Edição

MARIO VEDOVELLO FILHO E COLABORADORES. Cefalometria. Técnicas de Diagnóstico e Procedimentos. 2ª Edição MARIO VEDOVELLO FILHO E COLABORADORES Cefalometria Técnicas de Diagnóstico e Procedimentos 2ª Edição 01 014 HISTÓRIA DA CEFALOMETRIA Mario Vedovello Filho CEFALOMETRIA RADIOGRÁFICA EM ORTODONTIA Carlos

Leia mais

oclusão normal, com boa estética facial e que nunca foram submetidos a tratamento ortodôntico.

oclusão normal, com boa estética facial e que nunca foram submetidos a tratamento ortodôntico. Rev Inst Ciênc Saúde 2009;27(4):405-12 Avaliação cefalométrica de proporções divinas relacionadas a posição vertical do plano oclusal funcional em indivíduos com dentição permanente e portadores de normoclusão

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO APARELHO (FIG. 1) a) base acrílica b) mola coffin c) arco vestibular d) alças bucinadoras FIGURA 5 FIGURA 6

APRESENTAÇÃO DO APARELHO (FIG. 1) a) base acrílica b) mola coffin c) arco vestibular d) alças bucinadoras FIGURA 5 FIGURA 6 Série Aparelhos Ortodônticos BIONATOR INTRODUÇÃO As más oclusões de Classe II apresentam etiologias distintas, de natureza esquelética, dentária ou a combinação de ambas. O diagnóstico diferencial é de

Leia mais

Estudo cefalométrico da correlação da anatomia da base craniana com o padrão facial e as bases apicais

Estudo cefalométrico da correlação da anatomia da base craniana com o padrão facial e as bases apicais A RTIGO I NÉDITO Estudo cefalométrico da correlação da anatomia da base craniana com o padrão facial e as bases apicais Marcelo Calvo de Araújo*, Ana Carla Raphaelli Nahás**, Flavio Augusto Cotrim-Ferreira***,

Leia mais

TÍTULO: MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS FACIAIS EM CRIANÇAS ASMÁTICAS

TÍTULO: MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS FACIAIS EM CRIANÇAS ASMÁTICAS TÍTULO: MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS FACIAIS EM CRIANÇAS ASMÁTICAS INTRODUÇÃO Algumas doenças crônicas, especialmente a asma, têm sido implicadas como causa de alterações nutricionais, por ser uma doença inflamatória

Leia mais

Cephalometric Assessment of Skeletal and Dentofacial Changes in Class I and II Subjects Treated With Extraction of Four First Premolars.

Cephalometric Assessment of Skeletal and Dentofacial Changes in Class I and II Subjects Treated With Extraction of Four First Premolars. Artigo Original / Original Article Avaliação Cefalométrica das Alterações Dentoesqueléticas de Jovens com Má Oclusão de Classe I e II, Tratados Ortodonticamente com Extração de Cephalometric Assessment

Leia mais

Apresentação de uma abordagem corretiva não-convencional da má oclusão de Classe II, divisão 2, em adulto

Apresentação de uma abordagem corretiva não-convencional da má oclusão de Classe II, divisão 2, em adulto Caso clínico 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 Ronis rev. 1 Apresentação de uma abordagem corretiva

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS VIII PROFESSORA MARIA DA PENHA ARARUNA CENTRO DE CIENCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS VIII PROFESSORA MARIA DA PENHA ARARUNA CENTRO DE CIENCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CAMPUS VIII PROFESSORA MARIA DA PENHA ARARUNA CENTRO DE CIENCIAS, TECNOLOGIA E SAÚDE CURSO DE ODONTOLOGIA EMILY SALDANHA PESSOA PREVALÊNCIA DE MÁ OCLUSÃO EM PACIENTES

Leia mais

A r t i g o I n é d i t o

A r t i g o I n é d i t o A r t i g o I n é d i t o Avaliação cefalométrica dos efeitos do aparelho de protração mandibular (APM) associado à aparatologia fixa em relação às estruturas esqueléticas em pacientes portadores de má

Leia mais

dentes de homens e mulheres, havendo uma tendência dos homens apresentarem dentes maiores no sentido mésio-distal do que as mulheres

dentes de homens e mulheres, havendo uma tendência dos homens apresentarem dentes maiores no sentido mésio-distal do que as mulheres Análise da discrepância de tamanho dentário em pacientes da Clínica de Ortodontia da FO/UERJ 94 96 porcentagem 92 90 88 86 84 82 80 78 RT - Bolton Razão total Razão anterior Error Bars show 95,0% C I of

Leia mais

ESTABILIDADE DAS ALTERAÇÕES TEGUMENTARES PROMOVIDAS

ESTABILIDADE DAS ALTERAÇÕES TEGUMENTARES PROMOVIDAS Trabalho original ESTABILIDADE DAS ALTERAÇÕES TEGUMENTARES PROMOVIDAS PELO APARELHO REGULADOR DE FUNÇÃO FRÄNKEL 2 (RF-2) ORTOPESQUISA SOFT TISSUE STABILITY VARIATIONS PROMOTED BY FUNCTIONAL REGULATOR APPLIANCE

Leia mais

Estudo cefalométrico comparativo do crescimento mandibular em indivíduos portadores de Classe I e Classe II esquelética mandibular não tratados*

Estudo cefalométrico comparativo do crescimento mandibular em indivíduos portadores de Classe I e Classe II esquelética mandibular não tratados* Rev Inst Ciênc Saúde 2008;26(3):340-6 Estudo cefalométrico comparativo do crescimento mandibular em indivíduos portadores de Classe I e Classe II esquelética mandibular não tratados* Comparative cephalometric

Leia mais

Má oclusão Classe III de Angle, subdivisão direita, tratada sem exodontias e com controle de crescimento*

Má oclusão Classe III de Angle, subdivisão direita, tratada sem exodontias e com controle de crescimento* C a s o C l í n i c o B B O Má oclusão Classe III de Angle, subdivisão direita, tratada sem exodontias e com controle de crescimento* Sérgio Henrique Casarim Fernandes** Resumo A Classe III de Angle é

Leia mais

CONCORDÂNCIA ENTRE MÉTODO ANTROPOMÉTRICO E CEFALOMÉTRICO NA CLASSIFICAÇÃO DO TIPO FACIAL

CONCORDÂNCIA ENTRE MÉTODO ANTROPOMÉTRICO E CEFALOMÉTRICO NA CLASSIFICAÇÃO DO TIPO FACIAL 222 CONCORDÂNCIA ENTRE MÉTODO ANTROPOMÉTRICO E CEFALOMÉTRICO NA CLASSIFICAÇÃO DO TIPO FACIAL Agreement between Anthropometry and cephalometry methods in classification of the facial type Geovana de Paula

Leia mais

AVALIAÇÃO RADIOGRÁFICA DOS EFEITOS DO APARELHO JONES JIG NAS DISTALIZAÇÕES INTRA-BUCAIS: um estudo piloto

AVALIAÇÃO RADIOGRÁFICA DOS EFEITOS DO APARELHO JONES JIG NAS DISTALIZAÇÕES INTRA-BUCAIS: um estudo piloto AVALIAÇÃO RADIOGRÁFICA DOS EFEITOS DO APARELHO JONES JIG NAS DISTALIZAÇÕES INTRA-BUCAIS: um estudo piloto *Juliana Maria Monteiro de Oliveira; **Luiz Fernando Eto *Juliana Maria Monteiro de Oliveira: Especialista

Leia mais

Estudo comparativo da discrepância nas dimensões dentárias em pacientes portadores de diferentes deformidades esqueléticas

Estudo comparativo da discrepância nas dimensões dentárias em pacientes portadores de diferentes deformidades esqueléticas Revista de Odontologia da UNESP. 2005; 34(4): 149-154 2005 - ISSN 1807-2577 Estudo comparativo da discrepância nas dimensões dentárias em pacientes portadores de diferentes deformidades esqueléticas Karina

Leia mais

Bráquetesq. metálicos cerâmicos plásticos. corpo; base (superfície de contato). fio). aletas; fixação.

Bráquetesq. metálicos cerâmicos plásticos. corpo; base (superfície de contato). fio). aletas; fixação. Bráquetesq metálicos cerâmicos plásticos Composição i ã : corpo; encaixe ou slot (abriga o fio). aletas; fixação. base (superfície de contato). Bráquetes á t simples e duplo. Bráquetes á t para colagem

Leia mais

TRATAMENTO DE MORDIDA CRUZADA ANTERIOR: RELATO DE CASO CLÍNICO

TRATAMENTO DE MORDIDA CRUZADA ANTERIOR: RELATO DE CASO CLÍNICO TRATAMENTO DE MORDIDA CRUZADA ANTERIOR: RELATO DE CASO CLÍNICO Autor apresentador : Islana Cléia Carvalho VIEIRA¹ Autor: Thatiana Fernandes SANTOS¹ Autor: Milena CARVALHO Autor: Anne Maria Guimarães LESSA

Leia mais

as principais características dos idosos brasileiros e a atual condição de saúde bucal desse coletivo.

as principais características dos idosos brasileiros e a atual condição de saúde bucal desse coletivo. 296 Koch HR Filho, Koch LFA, Bisinelli JC, Kusma SZ, Alanis LRA, Moysés ST. gico adequado a essa parcela da população ainda parece inadequada. O acesso aos serviços de qualidade apresenta uma série de

Leia mais

Análise do ângulo nasolabial, em pacientes tratados ortodonticamente, com ou sem extrações dos pré-molares RESUMO UNITERMOS ABSTRAT

Análise do ângulo nasolabial, em pacientes tratados ortodonticamente, com ou sem extrações dos pré-molares RESUMO UNITERMOS ABSTRAT Análise do ângulo nasolabial, em pacientes tratados ortodonticamente, com ou sem extrações dos pré-molares LUIZ CESAR DE MORAES * ; JOSÉ ANTONIO PEREIRA SALGADO ** ; JÚLIO CEZAR DE MELO CASTILHO * ; MARI

Leia mais

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1)

Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Artigo de Divulgação Tratamento Ortodôntico da Classe III, Subdivisão: Apresentação de um Caso Clínico (Parte 1) Treatment of a Class III, Subdivision Malocclusion: A Case Report (Part 1) Guilherme R.

Leia mais

Classificação de Angle: A Oclusão Normal; B Maloclusão Classe I; C Maloclusão Classe II; D Maloclusão Classe III

Classificação de Angle: A Oclusão Normal; B Maloclusão Classe I; C Maloclusão Classe II; D Maloclusão Classe III CLASSIFICAÇÃO DE ANGLE Edward Harthey Angle (Dental Cosmos, 1899), baseando-se nas relações ântero-posteriores, classificou as maloclusões de acordo com os primeiros molares permanentes, pois eles são

Leia mais

Departamento de Odontologia, Universidade Metodista de São Paulo São Bernardo do Campo SP Brasil.

Departamento de Odontologia, Universidade Metodista de São Paulo São Bernardo do Campo SP Brasil. ISSN: Versão impressa: 1806-7727 Versão eletrônica: 1984-5685 Rev Sul-Bras Odontol. 2010 Jul-Sep;7(3):303-11 Artigo Original de Pesquisa Original Research Article Avaliação do espaço disponível para erupção

Leia mais

Rev. Cient. In FOC v.1 n RELATO DE CASO CLÍNICO

Rev. Cient. In FOC v.1 n RELATO DE CASO CLÍNICO CLÍNICO RETRAÇÃO EM MASSA UTILIZANDO ANCORAGEM ABSOLUTA: Apresentação de um caso clínico com miniimplantes para ancoragem direta Mass retraction using absolute anchorage: A case report with miniscrews

Leia mais