V - quando a citação for por edital, finda a dilação assinada pelo juiz. (Redação dada pela Lei nº 8.710, de )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "V - quando a citação for por edital, finda a dilação assinada pelo juiz. (Redação dada pela Lei nº 8.710, de 24.9.1993)"

Transcrição

1 Material disponibilizado pelo Professor: 1.2 intimação O CPC no artigo 234 conceitua intimação como ato pela qual se dá ciência a alguém dos atos e termo do processo, para que faça ou deixa de fazer alguma coisa. A intimação é feita quase sempre na pessoa do advogado, salvo nos casos de andamento do feito em 48 horas, quando então será pessoal. A intimação via de regra será pela imprensa (falar de vários advogados intimados apenas um e dos recortes), salvo se não tiver imprensa oficial, quando então serão intimados pelo correio. Caso não dê certo, por mandado e se não der certo, por edital. - A intimação do MP será sempre pessoal - A intimação somente será por oficial se frustrada a intimação pelo correio Art Começa a correr o prazo: (Redação dada pela Lei nº 8.710, de ) I - quando a citação ou intimação for pelo correio, da data de juntada aos autos do aviso de recebimento; (Redação dada pela Lei nº 8.710, de ) II - quando a citação ou intimação for por oficial de justiça, da data de juntada aos autos do mandado cumprido; (Redação dada pela Lei nº 8.710, de ) III - quando houver vários réus, da data de juntada aos autos do último aviso de recebimento ou mandado citatório cumprido; (Redação dada pela Lei nº 8.710, de ) IV - quando o ato se realizar em cumprimento de carta de ordem, precatória ou rogatória, da data de sua juntada aos autos devidamente cumprida; (Redação dada pela Lei nº 8.710, de ) V - quando a citação for por edital, finda a dilação assinada pelo juiz. (Redação dada pela Lei nº 8.710, de ) IMPEDIMENTO E SUSPEIÇÃO Conforme majoritário entendimento da doutrina, a atividade jurisdicional é eminentemente substitutiva. Detendo o Estado, praticamente, o monopólio dos conflitos de interesses, deve realizar a função de dirimir conflitos, por meio de pessoas físicas que são agentes de seus órgãos. Mais do que autonomia e independência desponta a imparcialidade como condição indispensável para o correto desempenho da função judicante. A imparcialidade é atributo essencial para que o magistrado possa julgar sendo manifestação do Estado Democrático de Direito, bem como um dos elementos integradores do princípio do juiz natural. Mesmo premido por pressões da própria sociedade (notadamente pela coletividade local) o juiz, diante de situações concretas, especialmente as de elevada complexidade social (principalmente aquelas que envolvem a - 1

2 formação da opinião pública), deve julgar com base única e exclusivamente, de critérios de racionalidade, divorciada do calor das paixões. Assim, sem se deixar levar pelas coações da sociedade deve o julgador encontrar uma forma serena de julgar o processo de forma neutra e imparcial, fundamentando seus critérios com base na lei ou nas demais fontes formais de direito. O impedimento e a suspeição representam situações distintas, geradoras de conseqüências igualmente distintas. A primeira representa uma verdadeira proibição imposta ao juiz sempre que presentes uma das hipóteses do artigo 134, a segunda impõe-lhe o dever de se afastar da presidência do processo sempre que se revelem em concreto, os casos do artigo 135. Assim, a conotação parcialidade não se apresenta como a mais adequada para afastar o juiz do julgamento de um dado processo (até mesmo porque, no mais das vezes, ele sequer foi julgado). É desta forma que o legislador criou situações de direito material (e.g. parentesco) e processual (e.g quando foi advogado no processo) para que ele fique obstado de julgar a causa. O critério não pode ser tomado subjetivamente da qual a doutrina chama de parcialidade pois contrário ao principal fundamento pela qual a jurisdição foi concebida: a eqüidistância das partes. Deve ser tomado, portanto objetivamente, ou seja, se o juiz recair numa das hipóteses enumeradas pelo legislador deve ser proibido de julgar a causa, independentemente de se perquirir se há o interesse no litígio ou não (até mesmo porque, para que se possa atingir com sucesso tal empreitada descobrir a parcialidade subjetiva - seria necessária a utilização de meios meta jurídicos, o que o nosso sistema veda expressamente). Processualmente falando o impedimento se difere da suspeição, pois as causas ali enumeradas são mais próximas e mais factíveis do juiz se inclinar a um dos lados. A prova se faz de plano e o sistema trata como verdadeira objeção processual e produz seus efeitos de forma diversa no mundo processo como se verá. Já a suspeição depende de uma análise mais acurada dos fatos. Já que é difícil chegar ao conceito (e deste conceito a sua relevância para o processo), do amigo intimo, o inimigo capital, o interesse no julgamento favorável para uma das partes. A legislação não possui condições de enumerar todas as hipóteses em que pode ocorrer o que se denomina vício de capacidade subjetiva do julgador, mas procura estabelecer um padrão de conduta com base em artigos diversos preconizados no CPC. Estes padrões de conduta têm por base a relação que ostenta o julgador com as pessoas do processo ou do objeto da causa. - 2

3 Art É defeso ao juiz exercer as suas funções no processo contencioso ou voluntário: I - de que for parte; II - em que interveio como mandatário da parte, oficiou como perito, funcionou como órgão do Ministério Público, ou prestou depoimento como testemunha; III - que conheceu em primeiro grau de jurisdição, tendo-lhe proferido sentença ou decisão; IV - quando nele estiver postulando, como advogado da parte, o seu cônjuge ou qualquer parente seu, consangüíneo ou afim, em linha reta; ou na linha colateral até o segundo grau; V - quando cônjuge, parente, consangüíneo ou afim, de alguma das partes, em linha reta ou, na colateral, até o terceiro grau; VI - quando for órgão de direção ou de administração de pessoa jurídica, parte na causa. Parágrafo único. No caso do n o IV, o impedimento só se verifica quando o advogado já estava exercendo o patrocínio da causa; é, porém, vedado ao advogado pleitear no processo, a fim de criar o impedimento do juiz. Art Reputa-se fundada a suspeição de parcialidade do juiz, quando: I - amigo íntimo ou inimigo capital de qualquer das partes; II - alguma das partes for credora ou devedora do juiz, de seu cônjuge ou de parentes destes, em linha reta ou na colateral até o terceiro grau; III - herdeiro presuntivo 1, donatário ou empregador de alguma das partes; IV - receber dádivas antes ou depois de iniciado o processo; aconselhar alguma das partes acerca do objeto da causa, ou subministrar meios para atender às despesas do litígio; V - interessado no julgamento da causa em favor de uma das partes. Parágrafo único. Poderá ainda o juiz declarar-se suspeito por motivo íntimo. Exceção de impedimento e suspeição As definições de impedimento e suspeição (respectivamente catalogadas nos artigos 134 e 135 do CPC) foram devidamente enfrentadas acima. 1 Herdeiro presuntivo é aquele que normalmente deve herdar da outra. - 3

4 Nas exceções de impedimento e suspeição ambas as partes têm legitimidade para ofertá-la. E isso porque o juiz poderá ser impedido ou suspeito para qualquer uma delas, não sendo possível ao autor, quando da distribuição, saber qual o juiz que a causa foi apresentada e, portanto a ele assiste, outrossim, o interesse de agir para opor o incidente. Importante que se diga que nas exceções da qual estamos falando, o excepto é o juiz e não a outra parte. A petição deve estar instruída com os documentos que comprovem as alegações deduzidas e rol de testemunhas (art. 312 CPC). Já está sedimentado pelo Superior Tribunal de Justiça que o advogado poderá opor exceção com simples procuração ad judicia (CPC, art. 38), não sendo necessário poderes espaciais para tanto. Recebida a exceção o juiz poderá reconhecer seu impedimento ou suspeição e remeter os autos, em decisão irrecorrível, ao seu substituto legal. Contrariu sensu poderá, em não concordando, apresentar suas razões em dez dias (nos mesmos moldes do artigo 312 CPC) sendo endereçada a superior instância para julgamento. Em sendo parte (e não juiz), não poderá indeferir a exceção seja por inadequação, seja por extemporaneidade (prerrogativa esta afeta ao tribunal competente). Em sendo procedente a exceção no tribunal, haverá deliberação sobre quais atos do processo serão invalidados, bem como determinará as custas processuais a serem pagas pelo juiz substituído. Ao juiz é vedado recorrer desta decisão. Todavia caberão recursos para o STJ e STF da decisão que julgar a exceção improcedente, desde que, evidentemente, preenchidos os pressupostos de sua admissibilidade. O impedimento poderá ser argüido após o trânsito em julgado por meio de ação rescisória (art. 485, II, CPC). DOS AUXILIARES DA JUSTIÇA Para que o juízo possa ter condições de atuação, não se pode contar apenas com o juiz. É necessária a existência de auxiliares que o auxiliem e cumpram os atos por ele determinados. A lei ao disciplinar a matéria considerou como auxiliar da justiça além de outros previstos nas leis de organização judiciária (art. 139, CPC): Escrivão Oficial de justiça Perito Depositário Administrador Intérprete São também serventuários da justiça o partidor, o avaliador, o tesoureiro, dentre outros. - 4

5 Os serventuários da justiça exercerão suas atribuições dentro do ofício conforme disposição da organização judiciária. (à exceção de alguns como o perito, que poderão trabalhar em mais de um ofício, simultaneamente). Para entender a nomenclatura ofício é preciso entender a expressão juízo. Juízo é a célula mínima de jurisdição que, no organograma do Estado, permite o exercício do Poder Jurisdicional. Na justiça estadual e federal o juízo corresponde à vara. A cada juízo corresponde no mínimo um ofício de justiça. Escrivão a lei coloca no artigo 140 sob a rubrica do serventuário e do oficial de justiça. O escrivão é o chefe de secretária do ofício. Não se justifica (e os motivos são desconhecidos) do por que se separar o oficial da categoria dos serventuários já que o oficial pertence a esta categoria. Serventuários são todos aqueles que ocupam cargo efetivo no juízo ou comarca com uma atuação determinada. O artigo 141 explicita as atribuições do escrivão: Art Incumbe ao escrivão: I - redigir, em forma legal, os ofícios, mandados, cartas precatórias e mais atos que pertencem ao seu ofício; II - executar as ordens judiciais, promovendo citações e intimações, bem como praticando todos os demais atos, que Ihe forem atribuídos pelas normas de organização judiciária; III - comparecer às audiências, ou, não podendo fazê-lo, designar para substituí-lo escrevente juramentado, de preferência datilógrafo ou taquígrafo; IV - ter, sob sua guarda e responsabilidade, os autos, não permitindo que saiam de cartório, exceto: a) quando tenham de subir à conclusão do juiz; b) com vista aos procuradores, ao Ministério Público ou à Fazenda Pública; c) quando devam ser remetidos ao contador ou ao partidor; d) quando, modificando-se a competência, forem transferidos a outro juízo; V - dar, independentemente de despacho, certidão de qualquer ato ou termo do processo, observado o disposto no art Impedimento do escrivão: o artigo 142 assevera que no impedimento do escrivão o juiz lhe nomeará um substituto e na falta de um pessoa idônea para o ato. - 5

6 O termo impedimento quer significar tanto a parcialidade (aquela verificada nos artigo 134 e 135 do CPC), como também a ausência ou falta do escrivão, como por exemplo, na audiência. Assim se for impedido por imparcialidade, não poderá mais funcionar nos autos. E pelo impedimento ou pela ausência o juiz nomeará um substituto de acordo com a lei de organização judiciária respectiva. De acordo com o artigo 144, o escrivão será civilmente responsável quando: a) imotivadamente, não cumprir no prazo, os atos que lhe competem determinados pela lei ou pelo juiz; b) praticar ato nulo com dolo ou culpa 2. Oficial de justiça oficial de justiça é o auxiliar imediato e permanente do juízo devendo cumprir o mandado judicial e colaborar com o juiz na manutenção da ordem nas audiências. Suas funções vêm previstas no artigo 143 conforme segue: Art Incumbe ao oficial de justiça: I - fazer pessoalmente as citações, prisões, penhoras, arrestos e mais diligências próprias do seu ofício, certificando no mandado o ocorrido, com menção de lugar, dia e hora. A diligência, sempre que possível, realizar-se-á na presença de duas testemunhas; II - executar as ordens do juiz a que estiver subordinado; III - entregar, em cartório, o mandado, logo depois de cumprido; IV - estar presente às audiências e coadjuvar o juiz na manutenção da ordem. V - efetuar avaliações É importante frisar que o inciso V veio com a reforma da lei de execução (primeiramente no 475-J e após na Lei /06) permitindo que o oficial, igualmente do que ocorria na esfera trabalhista, pudesse fazer avaliação sobre os bens constritados. O oficial deve atribuir valor com base na natural experiência do seu ofício, com valor aproximado daquilo que seja o correto. Evidente que determinados bens, dada a sua peculiaridade, deverão ser avaliados por profissional capacitado (obras de arte, maquinários de grande porte, etc.). A regra da responsabilidade atribuída ao escrivão também se aplica ao oficial de justiça. Perito perito é um profissional detentor de conhecimento técnico em determinada área da ciência que será necessária a elucidar determinados fatos dentro do processo. 2 Com base no art. 37 6º da CF, o prejudicado poderá tanto acionar o Poder Público como o causador do dano, sem prejuízo da instauração de processo por falta administrativa (CPC, ). - 6

7 A lei determina no artigo 145 que se a prova do fato depender de conhecimento técnico ou científico, o juiz será assistido por um perito. E isso porque o juiz possui conhecimentos jurídicos. Mas será fisicamente impossível deter conhecimento em todas as áreas da ciência. Algumas questões importantes: 1. Os peritos serão escolhidos entre profissionais de nível universitário, devidamente inscritos no órgão de classe competente. 2. Os peritos comprovarão sua especialidade na matéria sobre que deverão opinar, mediante certidão do órgão profissional em que estiverem inscritos. 3. Nas localidades onde não houver profissionais qualificados que preencham os requisitos dos parágrafos anteriores, a indicação dos peritos será de livre escolha do juiz. 4. o perito tem o dever de cumprir seus atos no prazo assinalado por lei (art. 146) 5. poderá se escusar do cargo por justo motivo, apresentada cinco dias contadas da intimação ou do impedimento superveniente sob pena de preclusão (renuncia ao direito - art. 423). 6. se prestar, por dolo ou culpa, informações inverídicas: a) responderá pelos prejuízos que causa à parte; b) ficará inabilitado para proceder perícias por dois anos; c) incorrerá nas sanções que a lei estabelecer (crime de falsa perícia, CP 342). Vejamos algumas diferenças entre o perito e o assistente técnico: PERITO Auxiliar da justiça Nomeado pelo juiz com base em exigências legais Deve ser imparcial (submete-se à suspeição e ao impedimento Obrigatória a participação Deve emitir juízos técnicos e científicos sobre a questão em exame Produz laudo pericial ASSISTENTE TÉCNICO Auxiliar das partes Livre indicação das partes É parcial, ajuda a parte Opcional, a critério das partes Deve fiscalizar o trabalho do perito e emitir parecer criticando ou apoiando o laudo Produz parecer técnico - 7

8 Do depositário e do administrador o artigo 148 explicita bem a função de ambos: Art A guarda e conservação de bens penhorados, arrestados, seqüestrados ou arrecadados serão confiadas a depositário ou a administrador, não dispondo a lei de outro modo. Assim o depositário e o administrador especificamente exercerão a função de guarda dos bens aprendidos por decisão judicial. Ainda existe a prisão civil por dívida do depositário infiel. E isso porque o Pacto San Jose da qual o Brasil é signatário não possui no nosso ordenamento status de emenda (exigência da EC 45), já que não foi deliberada por quorum qualificado. Desta feita, apenas uma emenda poderia desconstituir o preceito constitucional. O depositário ou administrador receberá remuneração atendendo a situação dos bens, tempo de serviço e dificuldade na execução. Se agir com dolo ou culpa causando prejuízo à parte perderá sua remuneração. Intérprete A finalidade do intérprete é fazer com que o juiz compreenda o sentido da comunicação das partes, testemunhas ou documentos redigidos em língua diversa da nacional. Não confundir com tradutor. Aquele é auxiliar do juiz, este é profissional contratado pela parte para proceder a tradução de determinado texto que será juntado aos autos. Conforme dispõe o artigo 151 do CPC: Art O juiz nomeará intérprete toda vez que o repute necessário para: I - analisar documento de entendimento duvidoso, redigido em língua estrangeira; II - verter em português as declarações das partes e das testemunhas que não conhecerem o idioma nacional; III - traduzir a linguagem mímica dos surdos-mudos, que não puderem transmitir a sua vontade por escrito Art Não pode ser intérprete quem: I - não tiver a livre administração dos seus bens; II - for arrolado como testemunha ou serve como perito no processo; - 8

9 III - estiver inabilitado ao exercício da profissão por sentença penal condenatória, enquanto durar o seu efeito. Assim como o perito, o interprete pode recusar seu encargo por justo motivo. - 9

Aula 1. Sumário. Do impedimento do juiz 2. Da suspeição do juiz 4. Do escrivão 8. Do oficial de justiça 9. Questões 11

Aula 1. Sumário. Do impedimento do juiz 2. Da suspeição do juiz 4. Do escrivão 8. Do oficial de justiça 9. Questões 11 Aula 1 Sumário Conteúdo Página Do impedimento do juiz 2 Da suspeição do juiz 4 Arguição de impedimento e suspeição 7 Do escrivão 8 Do oficial de justiça 9 Questões 11 Dos Impedimentos do Juiz São situações

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL I. Impedimentos e Auxiliares da Justiça (arts. 134 a 144)... 002 II. Dos Atos Processuais. (arts. 154 a 242)... 005 III. Do Processo e Procedimento (arts. 270 a 475)... 050 IV.

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV PRÁTICA TRABALHISTA. Respostas do Réu - Contestação

ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV PRÁTICA TRABALHISTA. Respostas do Réu - Contestação ESTÁGIO SUPERVISIONADO IV PRÁTICA TRABALHISTA 1 Respostas do Réu - Contestação INTRODUÇÃO - Princípio da bilateralidade: AÇÃO E REAÇÃO - juiz só pode decidir nos autos após ter ouvido as duas partes, a

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA DENÚNCIA FORMULADA CONTRA MÉDICO INTEGRANTE DE CONSELHO REGIONAL. IMPEDIMENTO E SUSPEIÇÃO. DESAFORAMENTO. EXPEDIENTE CFM Nº 002714, DE 10/06/96 REQUERENTE: CRM REQUERIDO :

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

1) Com relação aos Atos do Escrivão ou do Chefe de Secretaria é INCORRETO afirmar que :

1) Com relação aos Atos do Escrivão ou do Chefe de Secretaria é INCORRETO afirmar que : 1 1) Com relação aos Atos do Escrivão ou do Chefe de Secretaria é INCORRETO afirmar que : a) Os atos e termos do processo serão datilografados ou escritos com tinta escura indelével, assinado-os as pessoas

Leia mais

IMPEDIMENTO, SUSPEIÇÃO E CADASTRO DE PERITOS

IMPEDIMENTO, SUSPEIÇÃO E CADASTRO DE PERITOS IMPEDIMENTO, SUSPEIÇÃO E CADASTRO DE PERITOS CPC - 1973 CPC 2015 Art. 134. É defeso ao juiz exercer as suas funções no processo contencioso ou voluntário: I - de que for parte; II - em que interveio como

Leia mais

Impedimentos e suspeições do Juiz no novo CPC

Impedimentos e suspeições do Juiz no novo CPC Impedimentos e suspeições do Juiz no novo CPC José Herval Sampaio Júnior 1 O tema em desate é muito importante e está intimamente ligado ao próprio exercício da prestação jurisdicional e o novo CPC ampliou

Leia mais

Súmula: Modifica as leis 16023/2008 e 16748/2010 no tocante aos cargos de Oficial de Justiça.

Súmula: Modifica as leis 16023/2008 e 16748/2010 no tocante aos cargos de Oficial de Justiça. PROJETO DE LEI DE INICIATIVA DO PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARANÁ. Súmula: Modifica as leis 16023/2008 e 16748/2010 no tocante aos cargos de Oficial de Justiça. Artigo 1º. O caput do artigo 21

Leia mais

TJ-SP. Escrevente Técnico Judiciário. Prof. Guilherme Rittel

TJ-SP. Escrevente Técnico Judiciário. Prof. Guilherme Rittel TJ-SP Escrevente Técnico Judiciário Prof. Guilherme Rittel EDITAL DIREITO PROCESSUAL PENAL: Código de Processo Penal - com as alterações vigentes até a publicação do Edital - artigos 251 a 258; 261 a 267;

Leia mais

HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: ART. 483 1 CPC. ART. 15 2 LINDB (onde está escrito STF leia-se STJ); ART. 35 3, LEI 9307/96; ART. 105 4 CF/88.

HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: ART. 483 1 CPC. ART. 15 2 LINDB (onde está escrito STF leia-se STJ); ART. 35 3, LEI 9307/96; ART. 105 4 CF/88. DIREITO INTERNACIONAL PÚBLICO DIREITO INTERNACIONAL PONTO 1: HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA PONTO 2: REQUISITOS; PROCEDIMENTO PONTO 3: CARTA ROGATÓRIA HOMOLOGAÇÃO DE SENTENÇA ESTRANGEIRA: ART. 483

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO I. RELATÓRIO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9ª REGIÃO I. RELATÓRIO SE EMENTA AGRAVO DE PETIÇÃO, provenientes da ARAUCÁRIA - PR, sendo Agravante LTDA. e Agravados CARVALHO DE OLIVEIRA. RESPONSABILIDADE SUBSIDIÁRIA - BENEFÍCIO DE ORDEM EM RELAÇÃO AOS SÓCIOS DO DEVEDOR PRINCIPAL

Leia mais

Artigo publicado na REVISTA ABRACICON SABER. Nov/Dez/14 e Jan/15. 10ª edição. ISSN 2357/7428, p 34-37

Artigo publicado na REVISTA ABRACICON SABER. Nov/Dez/14 e Jan/15. 10ª edição. ISSN 2357/7428, p 34-37 Artigo publicado na REVISTA ABRACICON SABER Nov/Dez/14 e Jan/15 10ª edição ISSN 2357/7428, p 34-37 Ética na Perícia Judicial Os profissionais contadores a serviço da Justiça, na função de peritos do juízo,

Leia mais

DOS ÓRGÃOS AUXILIARES DO PODER JUDICIÁRIO TRABALHISTA:

DOS ÓRGÃOS AUXILIARES DO PODER JUDICIÁRIO TRABALHISTA: DOS ÓRGÃOS AUXILIARES DO PODER JUDICIÁRIO TRABALHISTA: São também denominados de órgãos auxiliares do juiz e servem para dar sustentação a todos os órgãos judiciais. Amauri Mascaro Nascimento conclui:

Leia mais

Direito Processual Civil

Direito Processual Civil Direito Processual Civil Dos Impedimentos e da Suspeição Professor Giuliano Tamagno www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Civil DOS IMPEDIMENTOS E DA SUSPEIÇÃO Comentário geral A Imparcialidade

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 Aprova Regimento da Assessoria Jurídica da FUNREI ASJUR O Presidente do Conselho Deliberativo Superior da Fundação de Ensino Superior de São João del-rei FUNREI,

Leia mais

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL. Proposta de programa a desenvolver em sumários:

CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL. Proposta de programa a desenvolver em sumários: CNEF FASE DE FORMAÇÃO INICIAL SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL PENAL Proposta de programa a desenvolver em sumários: I Do inicio do processo o crime e sua natureza. - Crimes públicos, semi-públicos e particulares;

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA FEDERAL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, serviço público independente, dotada de personalidade

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Sujeitos Processuais Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal SUJEITOS PROCESSUAIS TÍTULO VIII Do Juiz, Do Ministério Público, Do Acusado

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL O USO DA CONTABILIDADE NA PERÍCIA JUDICIAL

PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL O USO DA CONTABILIDADE NA PERÍCIA JUDICIAL PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL O USO DA CONTABILIDADE NA PERÍCIA JUDICIAL 1 PERÍCIA CONTÁBIL FALÊNCIA E CONCORDATA FAMÍLIA ÁREAS JURÍDICAS CÍVIL TRABALHISTA 2 NA ROMA ANTIGA O TERMO PERITIA SIGNIFICAVA: CONHECIMENTO,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 2º BIMESTRE 1º SEMESTRE - 1º A/B LINGUAGEM JURÍDICA I - PROF.

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 2º BIMESTRE 1º SEMESTRE - 1º A/B LINGUAGEM JURÍDICA I - PROF. CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CURSO DE DIREITO 2º BIMESTRE 1º SEMESTRE - 1º A/B LINGUAGEM JURÍDICA I - PROF. OSVALDO ESTUDO DE PEÇAS JURÍDICAS PROCURAÇÃO AD JUDICIA JUÍZO. PROCURAÇÃO

Leia mais

José Aparecido dos Santos Juiz titular da 17ª Vara do Trabalho de Curitiba 21/10/2015

José Aparecido dos Santos Juiz titular da 17ª Vara do Trabalho de Curitiba 21/10/2015 José Aparecido dos Santos Juiz titular da 17ª Vara do Trabalho de Curitiba 21/10/2015 1. Para que servem os cálculos trabalhistas? O objetivo é liquidar a sentença Sentença líquida e sentença ilíquida

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO 1 Nomeação à autoria arts. 62 a 69, CPC. Intervenção de terceiros Mecanismo de correção do polo passivo Dever do réu, vide art. 69, CPC. 1.1 - A nomeação

Leia mais

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE

ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Princípios Gerais Artigo 1º Funções O Provedor do Cliente é um órgão independente da APAVT, que tem por função principal a defesa e promoção dos direitos e interesses legítimos

Leia mais

Comunicações Processuais Prof. Gladson Miranda

Comunicações Processuais Prof. Gladson Miranda Comunicações Processuais Prof. Gladson Miranda CITAÇÃO, INTIMAÇÃO E NOTIFICAÇÃO (Arts. 351 ao 372) CITAÇÃO Conceito Finalidade da Citação art. 396 do CPP FORMAS DE CITAÇÃO 1) Citação real realizada por

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. Aula 11: 20/03/2015.

DIREITO EMPRESARIAL I. Foed Saliba Smaka Jr. Aula 11: 20/03/2015. DIREITO EMPRESARIAL I Foed Saliba Smaka Jr. Aula 11: 20/03/2015. Regras Gerais do Direito Empresarial. REGISTRO DO EMPRESÁRIO. Obrigatoriedade. Art. 967. É obrigatória a inscrição do empresário no Registro

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 875, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007.

RESOLUÇÃO Nº 875, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007. RESOLUÇÃO Nº 875, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2007. Aprova o Código de Processo Ético-Profissional no âmbito do Sistema CFMV/CRMVs. O CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA CFMV -, no uso das atribuições definidas

Leia mais

AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE (com pedido de liminar)

AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE (com pedido de liminar) EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) DOUTOR(A) JUIZ(A) FEDERAL DA VARA DA SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO PAULO-SP: A FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE FUNASA -, pessoa jurídica de direito público interno, neste ato representada

Leia mais

RESPOSTAS ÀS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NA IMPLANTAÇÃO DO BANCO NACIONAL DE DEVEDORES TRABALHISTAS

RESPOSTAS ÀS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NA IMPLANTAÇÃO DO BANCO NACIONAL DE DEVEDORES TRABALHISTAS RESPOSTAS ÀS DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NA IMPLANTAÇÃO DO BANCO NACIONAL DE DEVEDORES TRABALHISTAS As respostas não têm caráter de posicionamento oficial do TST, mas refletem a opinião pessoal da Presidência.

Leia mais

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ

Escola de Ciências Jurídicas-ECJ Posição legal Momento processual Necessidade, finalidade, objeto e limites Natureza jurídica Liquidação na pendência de recurso Liquidação concomitante com execução Modalidades Liquidação de sentença Sumário

Leia mais

Stell Comércio e Soluções em T elecomunicações L tda e outro CONCLUSÃO

Stell Comércio e Soluções em T elecomunicações L tda e outro CONCLUSÃO fls. 435 D E C ISÃ O Processo Digital nº: 1066745-48.2014.8.26.0100 Classe - Assunto Recuperação Judicial - Recuperação judicial e Falência Requerente: Stell Comércio e Soluções em T elecomunicações L

Leia mais

Habilitação e Nomeação de Perito 18/04/16

Habilitação e Nomeação de Perito 18/04/16 Habilitação e Nomeação de Perito 18/04/16 PERITO De acordo com o 1º do artigo 156 do novo CPC, "os peritos serão nomeados entre os profissionais legalmente habilitados e os órgãos técnicos ou científicos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MENSAGEM Nº 59, DE 9 DE JANEIRO DE 2005.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MENSAGEM Nº 59, DE 9 DE JANEIRO DE 2005. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MENSAGEM Nº 59, DE 9 DE JANEIRO DE 2005. Senhor Presidente do Senado Federal, Comunico a Vossa Excelência que, nos termos do 1 o do

Leia mais

CONTROLE DE CONTEÚDO EXAME DE ORDEM OAB 1ª FASE

CONTROLE DE CONTEÚDO EXAME DE ORDEM OAB 1ª FASE 1 Teoria Geral da Constituição / Separação de Poderes 2 Direitos e deveres individuais e coletivos 3 Nacionalidade 4 Direitos políticos/ Partidos Políticos 5 Organização Político-Administrativa 6 Poder

Leia mais

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Administrador Judicial na Falência e na Recuperação de Empresas Administrador Judicial O administrador judicial será profissional idôneo, preferencialmente advogado, economista, administrador de empresas

Leia mais

A Perícia no Novo Código de Processo Civil. Paulo Cordeiro de Mello Fabio Pereira da Silva

A Perícia no Novo Código de Processo Civil. Paulo Cordeiro de Mello Fabio Pereira da Silva A Perícia no Novo Código de Processo Civil Paulo Cordeiro de Mello Fabio Pereira da Silva HONORÁRIOS DO PERITO E DO ASSISTENTE TÉCNICO HONORÁRIOS DO PERITO E DO ASSISTENTE TÉCNICO - Atual CPC, em vigor

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Vigésima Câmara Cível

Poder Judiciário Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro Vigésima Câmara Cível EMBARGOS DE DECLARAÇÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO 0046297-12.2013.8.19.0000 PARTE EMBARGANTE: CONMEDH CONVÊNIOS MÉDICOS HOSPITALARES LTDA. PARTE EMBARGADA: CLÁUDIA COUTINHO GUIMARÃES MANES RELATOR: DES. MARCO

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE MATO GROSSO 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 PARECER CRM-MT Nº 15/2013 INTERESSADA: Dra. A. M.de S. N. L. CONSELHEIRO PARECERISTA: Dr. Gabriel Felsky dos Anjos ASSUNTO: Médico plantonista tem obrigação de realizar exames de

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 PEÇA 2 Luís Mata prestou serviços como motorista na empresa Vai Já Ltda no período de 02 de agosto de 2013 a 03 de novembro de 2015, com salário mensal de R$ 2.200,00,

Leia mais

O Princípio do Non Bis In Idem no Âmbito do Processo Administrativo Sancionador

O Princípio do Non Bis In Idem no Âmbito do Processo Administrativo Sancionador Parte Geral - Doutrina O Princípio do Non Bis In Idem no Âmbito do Processo Administrativo Sancionador LUIZ EDUARDO DINIZ ARAÚJO Procurador Federal RAÍSSA ROESE DA ROSA Estudante de Direito da Universidade

Leia mais

CONTEÚDO / ATIVIDADES Data CH

CONTEÚDO / ATIVIDADES Data CH 1 SOPECE-FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE PERNAMBUCO-PINTO FERREIRA CURSO DE DIREITO-Ética Geral e Profissional-2º Ano-Manhã-2016 Professora: Sueli Gonçalves de Almeida Site: www.loveira.adv.br/material

Leia mais

JÚLIO CESAR LOPES SERPA

JÚLIO CESAR LOPES SERPA JÚLIO CESAR LOPES SERPA Advogado e Perito Contador Doutor em Ciências Jurídicas Esp. em Direito Tributário; Esp. em Perícia Contábil e Auditoria Sócio do DI LORENZO SERPA Advogados Associados Procurador

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2012.0000586909 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Mandado de Segurança nº 0215852-03.2011.8.26.0000, da Comarca de, em que é impetrante ARMANDO PETRELLA NETO, é impetrado

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Comunicação dos Atos Processuais. Professor Rafael Menezes

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Comunicação dos Atos Processuais. Professor Rafael Menezes DIREITO PROCESSUAL CIVIL Comunicação dos Atos Processuais Professor Rafael Menezes Citações Intimações Cartas Tentativa Conceitual a) o ato pelo qual se chama a juízo o réu ou o interessado a fim de se

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Sujeitos Processuais. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Sujeitos Processuais Gustavo Badaró aula de 11.10.2016 1. Noções Gerais 2. Juiz PLANO DA AULA Peritos, interpretes e auxiliares da justiça 3. Ministério

Leia mais

A perícia no projeto do novo CPC. Francisco Maia Neto Advogado/Engenheiro

A perícia no projeto do novo CPC. Francisco Maia Neto Advogado/Engenheiro A perícia no projeto do novo CPC Francisco Maia Neto Advogado/Engenheiro A perícia no projeto do novo CPC Honorários periciais Do perito Da prova documental Da prova pericial Honorários periciais Perícias

Leia mais

A PERÍCIA JUDICIAL NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

A PERÍCIA JUDICIAL NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL A PERÍCIA JUDICIAL NO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Palestrante: Paulo Cordeiro de Mello Perito Judicial Contador Moderador: Nelson Juliano Schaefer Martins Desembargador CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Código

Leia mais

D A N I E L L E T O S T E 3 A N W W W. D A N I T O S T E. C O M

D A N I E L L E T O S T E 3 A N W W W. D A N I T O S T E. C O M 1. Quando se considera inepta a petição inicial? A petição é considerada inepta quando: A) Lhe faltar pedido ou causa de pedir; B) Da narração dos fatos não decorrer logicamente a conclusão; C) O pedido

Leia mais

COMUNICAÇÃO DOS ATOS PROCESSUAIS

COMUNICAÇÃO DOS ATOS PROCESSUAIS COMUNICAÇÃO DOS ATOS PROCESSUAIS (I) Previsão jurídica: CPC, arts. 200 a 240. Para fins do presente estudo, adota-se o gênero comunicação dos atos processuais da qual temos como espécies as cartas (de

Leia mais

NORMAS DE ATUAÇÃO PARA A PERÍCIA E A AUDITORIA MÉDICA

NORMAS DE ATUAÇÃO PARA A PERÍCIA E A AUDITORIA MÉDICA R E S O L U Ç Ã O C R E M A L N 206195, de 15 de dezembro de 1995 Aprova as normas de atuação para a perícia e a auditoria médica. 0 Conselho Regional de Medicina do Estado de Alagoas, no uso de suas atribuições

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga)

PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) *C0059067A* C0059067A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.840, DE 2016 (Do Sr. Alberto Fraga) Estabelece normas de atuação dos advogados das instituições de ensino superior que mantenham atendimento

Leia mais

COMENTÁRIO A ACÓRDÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA SOBRE NULIDADE, SUSPEIÇÃO E PERITO

COMENTÁRIO A ACÓRDÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA SOBRE NULIDADE, SUSPEIÇÃO E PERITO COMENTÁRIO A ACÓRDÃO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA SOBRE NULIDADE, SUSPEIÇÃO E PERITO Brasília-DF, 19 de outubro de 2014 Universidade de Brasília-UnB Faculdade de Direito - FD Disciplina: Teoria Geral

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES CEP/HUOL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA

Leia mais

O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.050/05 Aprova a NBC P 2.3 Impedimento e Suspeição O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas Brasileiras de

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da

Leia mais

Colégio de Procuradores de Justiça

Colégio de Procuradores de Justiça RESOLUÇÃO nº 003/2009/CPJ Colégio de Procuradores de Justiça Institui e regulamenta o serviço de voluntários no âmbito do Ministério Público do Estado do Tocantins. O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA,

Leia mais

NÃO HÁ INFLUÊNCIA DO LAUDO JUDICIAL NA DECISÃO DA JUSTIÇA COM FULCRO NO NOVO CÓDIGO PROCESSO CIVIL DE 2015.

NÃO HÁ INFLUÊNCIA DO LAUDO JUDICIAL NA DECISÃO DA JUSTIÇA COM FULCRO NO NOVO CÓDIGO PROCESSO CIVIL DE 2015. NÃO HÁ INFLUÊNCIA DO LAUDO JUDICIAL NA DECISÃO DA JUSTIÇA COM FULCRO NO NOVO CÓDIGO PROCESSO CIVIL DE 2015. Os peritos em alguns casos de ações judiciais, em razão da matéria, se fazem necessários as atuações

Leia mais

NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 4ª PARTE

NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 4ª PARTE NOÇÕES PRELIMINARES SOBRE O PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO DECORRENTE DE LANÇAMENTO DE OFÍCIO NO ESTADO DE SÃO PAULO 4ª PARTE Alencar Frederico Mestre em Direito pela Universidade Metodista de Piracicaba;

Leia mais

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Texto Aprovado CONSU Nº 2009-14 - Data: 03/09/09 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Conforme Regimento do UNASP Artigo

Leia mais

PERÍCIAS JUDICIAIS NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Lei n /15. Angelo Maraninchi Giannakos Advogado OAB/RS

PERÍCIAS JUDICIAIS NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Lei n /15. Angelo Maraninchi Giannakos Advogado OAB/RS PERÍCIAS JUDICIAIS NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL Lei n. 13.105/15 Angelo Maraninchi Giannakos Advogado OAB/RS 16.622 O que é perícia judicial cível? - Meio de prova, consistente em exame, vistoria e avaliação,

Leia mais

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS. Curso Agora eu passo (www.cursoagoraeupasso.com.br)

CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS. Curso Agora eu passo (www.cursoagoraeupasso.com.br) CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 4 JUIZ E AUXILIARES DO JUÍZO Professora: Janaína Noleto Curso Agora eu passo () Olá, pessoal! Chegamos ao nosso quarto

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS. Direitos Políticos Negativos

DIREITOS POLÍTICOS. Direitos Políticos Negativos Direitos Políticos Negativos São as restrições, em maior ou menor extensão, ao exercício dos direitos políticos (ativos e passivos) O art. 15 da Constituição Federal disciplina as hipóteses de perda e

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

CONTRATO N. 020/2013 02 DO OBJETO

CONTRATO N. 020/2013 02 DO OBJETO Estado de Mato Grosso CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS CNPJ. 00.177.279/0001-83 INSTRUMENTO CONTRATUAL de prestação de serviços de interprete de libras na Termo de Dispensa nº 03/2013. CONTRATO N. 020/2013

Leia mais

DECISÃO (Fundamentação legal: artigo 557, caput, do CPC)

DECISÃO (Fundamentação legal: artigo 557, caput, do CPC) TRIBUNAL DE JUSTIÇA DÉCIMA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0016014-69.2014.8.19.0000 Agravantes: MARIO JUSTO LOPES e JANETE MUNIZ LOPES (herdeiros) Relatora: Desembargadora PATRICIA RIBEIRO SERRA

Leia mais

Conflitos entre o Processo do

Conflitos entre o Processo do Conflitos entre o Processo do Trabalho e o Novo CPC Jordão Medeiros Jurídico Ambev AmBev Conflito x Impactos CLT Art. 769 - Nos casos omissos, o direito processual comum será fonte subsidiária do direito

Leia mais

O ISS E AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE

O ISS E AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE O ISS E AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE Controvérsias Jurídicas da Incidência Tributária Sandro Roberto dos Santos Advogado e Gerente Jurídico da CASSI Maio de 2016 Constituição Federal de 1988 Sistema

Leia mais

CIMAESP. Câmara Intercontinental de Mediação e Arbitragem de São Paulo CÓDIGO DE ÉTICA

CIMAESP. Câmara Intercontinental de Mediação e Arbitragem de São Paulo CÓDIGO DE ÉTICA CIMAESP Câmara Intercontinental de Mediação e Arbitragem de São Paulo CÓDIGO DE ÉTICA TÍTULO I INTRODUÇÃO Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º. A CIMAESP Câmara Intercontinental de Mediação e Arbitragem

Leia mais

As estruturas judiciárias em contraste I (Brasil) Tinka Reichmann

As estruturas judiciárias em contraste I (Brasil) Tinka Reichmann As estruturas judiciárias em contraste I (Brasil) Tinka Reichmann reichmann@usp.br Sistemas jurídicos Sistemas nacionais Portugal Brasil Comparação dos sistemas jurídicos e dos termos jurídicos Organização

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA 1 ~~1 1111~111~11~2~.. 41~4., ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DECISÃO AGRAVO N. 200.2002.361426-2 / 001 - CAPITAL RELATOR : Dr. Josivaldo Félix de Oliveira Juiz Convocado AGRAVANTE

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO PROCESSUAL CIVIL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) TÉCNICO TRT s 07 PROVAS 34 QUESTÕES (2012 2010) A apostila contém provas de Direito Processual Civil de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DA FORMAÇÃO, SUSPENSÃO E EXTINÇÃO DO PROCESSO Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Formação do processo ETAPAS DA ESTABILIZAÇÃO DO PROCESSO DA FORMAÇÃO DO PROCESSO Art. 262. O processo civil começa por

Leia mais

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO N.º 06/2014

EDITAL DE TOMADA DE PREÇO N.º 06/2014 EDITAL DE TOMADA DE PREÇO N.º 06/2014 O Município de Quatro Irmãos - RS, em conformidade com a Lei Federal n.º 8.666/93 e suas alterações, torna público para conhecimento dos interessados a abertura de

Leia mais

Questão 1 (FCC TJ-PE - Técnico Judiciário - Área Judiciária - e Administrativa)

Questão 1 (FCC TJ-PE - Técnico Judiciário - Área Judiciária - e Administrativa) CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 10 RECURSOS. Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo módulo. No módulo

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 33, DE 2011

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 33, DE 2011 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº 33, DE 2011 Altera a quantidade mínima de votos de membros de tribunais para declaração de inconstitucionalidade de

Leia mais

CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO DO TRIBUNAL

CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO DO TRIBUNAL CAPÍTULO I DA COMPOSIÇÃO DO TRIBUNAL Art. 1º - O Tribunal de Ética e Disciplina (TED), órgão do Conselho Seccional do Estado de Rondônia, da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), compõe-se de 11 (Onze)

Leia mais

Direito Processual Penal

Direito Processual Penal Direito Processual Penal Citação e Intimação Professor Joerberth Nunes www.acasadoconcurseiro.com.br Direito Processual Penal CITAÇÃO E INTIMAÇÃO TÍTULO X Das Citações e Intimações CAPÍTULO I DAS CITAÇÕES

Leia mais

ABRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA. 1 O contrato de experiência deve ser anotado na CTPS do funcionário?

ABRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA. 1 O contrato de experiência deve ser anotado na CTPS do funcionário? ABRO ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA 1 O contrato de experiência deve ser anotado na CTPS do funcionário? R: O Contrato de Experiência está previsto no Parágrafo Único do artigo 445 CLT

Leia mais

Processo do Trabalho I Simulados_Corrigidos_UNESA

Processo do Trabalho I Simulados_Corrigidos_UNESA Processo do Trabalho I Simulados_Corrigidos_UNESA SIMULADO 1: 1a Questão: A Consolidação das Leis do Trabalho autoriza que o Direito Processual Comum seja aplicado subsidiariamente ao Direito Processual

Leia mais

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS

---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO E OS ADVOGADOS ORDEM DOS ADVOGADOS DELEGAÇÃO DE BARCELOS DIA DO ADVOGADO 19 DE MAIO DE 2010 ---------------------------------------------------------------------------------------------- O ESTADO DE DIREITO DEMOCRÁTICO

Leia mais

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva.

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo. No módulo 10, tratamos dos recursos. Agora veremos algumas questões sobre a fase executiva. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 11 EXECUÇÃO Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos ao nosso décimo primeiro módulo.

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DEFENSORES PÚBLICOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS ADEP MG ANÁLISE PRELIMINAR DO ANTEPROJETO DE REFORMA DO CPC

ASSOCIAÇÃO DOS DEFENSORES PÚBLICOS DO ESTADO DE MINAS GERAIS ADEP MG ANÁLISE PRELIMINAR DO ANTEPROJETO DE REFORMA DO CPC Nº Aspectos Positivos 1 Capítulo IV, Seção III - Da Defensoria Pública (havia a previsão específica de uma seção para tratar apenas da Defensoria Pública) Há o reconhecimento da instituição como essencial

Leia mais

Regras de Arbitragem aplicáveis à Divisão Antidoping do CAS

Regras de Arbitragem aplicáveis à Divisão Antidoping do CAS Regras de Arbitragem aplicáveis à Divisão Antidoping do CAS Preâmbulo CONSIDERANDO que o Conselho Executivo do Comitê Olímpico Internacional (doravante COI ) delegou seu poder de decisão quanto a qualquer

Leia mais

Petição Inicial II. Professor Zulmar Duarte

Petição Inicial II. Professor Zulmar Duarte Petição Inicial II Professor Zulmar Duarte Petição Inicial Controle de Admissibilidade pelo Juiz (arts. 321, 330, 332 e 334) Petição Inicial Emenda da Inicial Juízo de Admissibilidade Improcedência Liminar

Leia mais

RECURSOS NOÇÕES GERAIS

RECURSOS NOÇÕES GERAIS RECURSOS NOÇÕES GERAIS Rosinete Cavalcante da costa Mestre em Direito: Relações Privadas e Constituição Profa. da Faculdade de Direito de Linhares (FACELI) Profa. da Faculdade Batista de Vitória (FABAVI)

Leia mais

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público - OSCIP CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS LEGENDA Texto em NEGRITO: Claúsulas que devem necessariamente constar do Estatuto, por força da Lei nº 9.790/99. Texto em Itálico: observações pertinentes ESTATUTO Modelo de Organização da Sociedade Civil

Leia mais

Rodada #1 Direito Processual Civil

Rodada #1 Direito Processual Civil Rodada #1 Direito Processual Civil Professora Elisa Pinheiro Assuntos da Rodada DIREITO PROCESSUAL CIVIL: Código de Processo Civil - com as alterações vigentes até a publicação do Edital - artigos 144

Leia mais

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO

CLÁUSULA PRIMEIRA DO OBJETO CONTRATO ADMINISTRATIVO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA CONSTRUÇÃO DE ALAMBRADO NO ASILO BETEL, QUE ENTRE SI FAZEM O MUNICÍPIO DE CASTILHO e a empresa A. a Z. COMÉRCIO, REPRESENTAÇÃO E SERVIÇOS

Leia mais

OFICIAL JUDICIÁRIO/OFICIAL DE JUSTIÇA - CLASSE D

OFICIAL JUDICIÁRIO/OFICIAL DE JUSTIÇA - CLASSE D OFICIAL JUDICIÁRIO/OFICIAL DE JUSTIÇA - CLASSE D Provimento: Concurso Público NOVAS ATRIBUIÇÕES PROPOSTAS PELO TJMG * QUALIFICAÇÃO EXIGIDA: Nível Médio de Escolaridade * QUALIFICAÇÃO EXIGIDA: Nível Médio

Leia mais

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO I. Constituição Federal... 002 II. Dos Direitos e Garantias Fundamentais... 009 III. Da Organização Político-Administrativa... 053 IV. Organização dos

Leia mais

CONGRESSO PAULISTA DE MEDICINA DO TRABALHO 2012 A PRÁTICA DA MEDICINA DO TRABALHO COMO É VISTA PELAS ASSOCIAÇÕES: SIMESP, APM E CREMESP.

CONGRESSO PAULISTA DE MEDICINA DO TRABALHO 2012 A PRÁTICA DA MEDICINA DO TRABALHO COMO É VISTA PELAS ASSOCIAÇÕES: SIMESP, APM E CREMESP. CONGRESSO PAULISTA DE MEDICINA DO TRABALHO 2012 A PRÁTICA DA MEDICINA DO TRABALHO COMO É VISTA PELAS ASSOCIAÇÕES: SIMESP, APM E CREMESP. Algumas dúvidas que sempre nos cercam: 1) Quais as atribuições das

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA O Tribunal de Relação de Lisboa, remeteu a este Conselho uma cópia do ofício n.º 48486, de 20-04-04, da ADSE, referente à deliberação da Junta Médica, a que tinha sido submetido o DR. (...). É do seguinte

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Parentesco de magistrados entre instâncias: impedimento ou suspeição? Cláudio Louzeiro Gonçalves de Oliveira* Em caso de decisão proferida por magistrado de primeira instância, e

Leia mais

Resolução 008/2016 Coren-RS

Resolução 008/2016 Coren-RS Resolução 008/2016 Coren-RS Resolução 008/2016 Coren-RS DECISÃO COREN-RS Nº 008/2016 Veda a dispensação de medicamentos por Profissionais de Enfermagem e dá outras providências. O CONSELHO REGIONAL DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM SERES HUMANOS DA FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS CEPh/FACTO A FACTO, em cumprimento a Resolução nº. 196, do Conselho Nacional de Saúde (CNS/MS), expedida

Leia mais

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TRE/AP 4º Simulado de Direito Eleitoral p/ TRE-AMAPÁ! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS:

PONTO DOS CONCURSOS CURSO DE DIREITO ELEITORAL TRE/AP 4º Simulado de Direito Eleitoral p/ TRE-AMAPÁ! PROFESSOR: RICARDO GOMES AVISOS: AVISOS: Estamos ministrando os seguintes CURSOS: DIREITO ELEITORAL P/ O TSE - ANALISTA JUDICIÁRIO ÁREA JUDICIÁRIA (TEORIA E EXERCÍCIOS) DIREITO ELEITORAL P/ O TSE - ANALISTA E TÉCNICO ÁREA ADMINISTRATIVA

Leia mais

Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 15ª.. Região

Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 15ª.. Região Escola da Magistratura da Justiça do Trabalho da 15ª.. Região DA PROVA PERICIAL Desempenho das Funções de Perito Judicial MédicoM Alessandro Tristão - Outubro de 2009 Objetivos Promover a discussão de

Leia mais

ÍNDICE VOLUME 1. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos; emprego de tempos e modos dos verbos em português...

ÍNDICE VOLUME 1. Semântica: sentido e emprego dos vocábulos; campos semânticos; emprego de tempos e modos dos verbos em português... Tribunal de Justiça do Estado de Rondônia TJ/RO Técnico Judiciário ÍNDICE VOLUME 1 CONHECIMENTOS BÁSICOS LÍNGUA PORTUGUESA Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário e não

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 10 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 9 Data 18 de março de 2013 Origem COCAJ ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA FÍSICA IRPF RENDIMENTOS COM EXIGIBILIDADE SUSPENSA.

Leia mais