DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIFERENÇA DE POTENCIAL. d figura 1"

Transcrição

1 DIFERENÇ DE POTENCIL 1. Trabalho realizao por uma força. Consieremos uma força ue atua sobre um objeto em repouso sobre uma superfície horizontal como mostrao na figura 1. kx Esta força esloca o objeto o ponto ao ponto e izemos portanto, ue a força F realiza um trabalho sobre o objeto ue é ao por: W = F cosθ (1) O trabalho é uma graneza escalar ue epene a intensiae a força ue atua sobre o objeto, o eslocamento ue ele provoca e a ireção ue ela faz com o eslocamento. ssim, se o ângulo R WUDEDOKR VHUá igual a W = F (2) já ue o cos0 0 = 1. 6H R WUDEDOKR será igual a zero, uma vez ue o cos90 0 = 0 Quano a força varia com a posição como no caso e uma força ue uma mola exerce sobre uma objeto, o trabalho realizao por esta força já não poe ser calculaa utilizano a euação (1). Nesta situação precisamos saber como a força varia com a posição a partícula e calcular o trabalho como: x W = F( x) x (3) x Isto significa ue se conhecemos F(x), poemos eterminar o trabalho realizao por este força calculano a área sob a curva no gráfico e F(x) versus x. Por exemplo, a força ue um mola exerce sobre um objeto uano ela comprimia ou estenia tem móulo igual a F(x) 0 figura 2 x x m θ F figura 1 F () x = kx (4) one k é constante elástica a mola. Como poemos ver a euação (4), o gráfico e F(x) versus x, é o mostrao na figura 2. O trabalho é igual a área o triângulo hachurao ue é igual a: 1 kx 2 Este mesmo raciocínio vale uano temos uma força elétrica atuano sobre uma partícula carregaa colocaa em um campo elétrico e uma eterminaa istribuição e cargas. W = 2 (5) 2. Forças conservativas e issipativas. força elástica e uma mola, assim como a força e atração gravitacional (o peso e um corpo) e a força elétrica, são exemplo e forças conservativas. Isto significa izer ue se um objeto sofre a ação e uma essas forças, o trabalho ue elas realizam para levar o objeto e uma posição inicial a uma posição final, inepene a trajetória. Em aição, o trabalho feito por uma força conservativa é igual a zero uano um corpo movenose em uma trajetória fechaa retorna à sua posição inicial. s forças não conservativas (issipativas) são auelas para as uais o trabalho realizao para

2 mover uma partícula entre ois pontos epene o caminho. lém isso, o trabalho realizao por uma força não conservativa sobre uma trajetória fechaa não é igual a zero. 3. Energia potencial. É possível efinir uma função energia potencial associaa a uma força conservativa tal ue o trabalho feito por uma força conservativa é igual ao negativo a muança na energia potencial associaa com a força. W = E (6) Fconservativa P 4. Potencial. O ue é voltagem? figura 3 F Uma carga e prova é colocaa em um ponto one existe um campo elétrico evio a um objeto também positivamente carregao. força elétrica F ue atua sobre a carga a esloca para um ponto e, conseüentemente realiza um trabalho sobre a carga. Denominano e W, o trabalho realizao pela força F, efinimos a iferença e potencial entre estes ois pontos como: W V = V V = (7) Uniae e iferença e potencia (..p) No sistema internacional SI, a uniae e iferença e potencial é aa por: 1J U( V ) = = 1Volt = 1V (8) C É comum no nosso ia a ia falarmos ue a voltagem e eterminao euipamento é e 220 V ou 110 V, epeneno a região em ue nos encontramos. O termo na realiae vem o fato e uano meimos a iferença e potencial (p) e eterminao euipamento elétrico ou eletrônico, a expressamos em Volts. Daí o termo passou a ser mais conhecio por voltagem. No sul, sueste e em Salvaor, a voltagem é e 110 V. No norte e noreste, a voltagem é e 220 V. O sentio o movimento e uma carga uma carga positiva abanonaa em um campo elétrico tene a se eslocar e pontos one o potencial é maior para pontos one o potencial é menor. Uma carga negativa tenerá a se mover em sentio contrário, isto é, os pontos one o potencial é menor para pontos one o potencial é maior. 1. Consiere uma lâmpaa ligaa à tomaa elétrica e uma resiência. Verificase ue um trabalho e 44 J é realizao sobre uma carga e 0,20 C ue passa, através a lâmpaa, e um terminal a outro a tomaa. Qual a iferença e potencial entre os terminais a tomaa? (b) Um aparelho é ligao à tomaa urante um certo tempo recebeno 1100 J e energia as cargas elétricas ue passam através ele. Qual é o valor a carga total? 2. (a) Quano uma carga é eslocaa e para ao longo a trajetória I mostraa na figura 4 abaixo, o campo elétrico realiza um trabalho sobre ela e 1,5x10 3 J. Se esta carga se esloca e para ao longo a trajetória II, o trabalho realizao pelo campo elétrico sobre ela será maior, menor ou igual a 1,5x10 3 J? (b) Se a carga fosse transportaa, ao longo a trajetória III, ual o trabalho realizao sobre ela pelo campo elétrico? (c) Então, ual é o trabalho ue o campo elétrico realiza sobre uma carga ue sai e um certo

3 ponto e volta novamente a ele após percorrer uma trajetória fechaa ualuer? II I III figura 4 3. Consiere os pontos e no campo elétrico criao por um corpo eletrizao negativamente, como mostrao na figura 5. (a) Uma carga positiva é abanonaa em um ponto situao entre e. Sob a ação a carga criaora o campo, a carga tene a se eslocar para ou para? (b) Então poemos concluir ue o potencial e é maior ou menor o ue o e? Expliue. (c) mitino ue a carga abanonaa entre e seja negativa, ela se eslocará para ou para? figura 5 () neste caso a carga estará se eslocano para pontos one o potencial é maior ou menor? E figura 6 5. iferença e potencial em um campo uniforme cálculo e V em um campo uniforme. figura 6 mostra uas placas paralelas, separaas por uma istância e eletrizaas com cargas iguais e sinais contrários. O campo elétrico entre elas tem a ireção e o sentio inicaos na figura. Uma carga e prova colocaa entre as placas sofre a ação o campo elétrico ficano submetia à força F = E (9) Como poemos ver a euação (9), a força ue o campo exerce sobre a carga é constante e moo ue o trabalho realizao pela força elétrica para levar a carga a placa até a placa, será: W = F = E (10) Mas e (7), a p entre os pontos e é, por efinição igual a: W E V = = V = E (11) euação (11) nos permite calcular a iferença e potencial entre ois pontos uaisuer e um campo elétrico uniforme. Devemos observar, entretanto, ue a istância entre os ois pontos eve ser tomaa na ireção paralela ao vetor E. 6. Potencial em um ponto até agora só falamos em como calcular a iferença e potencial entre ois pontos em um campo elétrico. Contuo, costumamos falar no potencial em um ponto. Devemos lembrar ue o potencial em um ponto naa mais é ue p entre o ponto no ual

4 estamos eterminano a iferença e potencial e um outro, tomao como referência ao ual evemos atribuir o valor zero. M ateria 12 V figura 7 N 4. Liganose os pólos e uma bateria a uas placas metálicas paralelas M e N, como mostrao na figura 7, ficará estabelecia entre estas placas, uma voltagem V MN = 12 V. Supono ue a istância entre as placas é e 2,0 mm, calcule a intensiae o campo elétrico existente entre elas. 5. Verificase ue, aumentanose a istância entre uas placas (e tal moo ue o valor permaneça peuena em relação ao tamanho as placas), o campo elétrico entre as placas não se altera. Entretanto a relação V = E nos mostra ue V cresce a meia ue aumenta. Na tabela seguinte são apresentaos os valores e V meia em um laboratório, enuanto a istância entre as placas era aumentaa. (mm) 2,0 4,0 6,0 V (V) (a) Com os aos a tabela construa o gráfico V x. O aspecto o gráfico ue você obteve era o esperao? (b) Que graneza é representaa pela inclinação este gráfico. 6. Os pontos,, C e P mostraos na figura 8 encontramse numa região one existe um campo elétrico. Consierano o nível e potencial em P, sabese ue os potenciais os emais pontos são V = 120 V, V = 150 V, V C = 80 V. (a) Determine os valores as iferenças e potencial V V e V V C. C (b) Consierano, agora, ue o nível e potencial passe a ser o ponto C, iga uais são os valores e V, V e V C em relação a este nível? P (c) ina com o nível em C, iga ual é o potencial, V P, o figura 8 ponto P. () Quanto vale V V em relação ao ponto P e relação ao ponto C. (e) Com base nos resultaos encontraos nos itens anteriores respona: o valor o potencial em um ponto epene o nível escolhio por referência? iferença e potencial entre ois pontos epene o nível e potencial escolhio? 6. Capacitores O ue é um capacitor é um ispositivo bastante utilizao em circuito elétricos e ue armazena a energia e um campo elétrico. É constituío por ois conutores separaos por um isolante, one os conutores são enominaos e placas (ou armauras) o capacitor e o isolante é o ielétrico o capacitor. Nos iagramas e circuitos elétricos é representao e maneira mostraa na figura 9. capacitância e um capacitor Verificase experimentalmente ue a razão entre a carga e a iferença e potencial para um ao capacitor permanece constante e moo ue se por exemplo obrarmos a iferença e potencial entre as placa e um capacitor metálico como o a figura 7, a sua carga também aumentará e moo ue a capacitância permanecerá constante. ssim temos ue:

5 Q C = (12) V uniae e capacitância No SI a uniae e meia e C é o fara, ou seja 1 F = 1C V Que fatores influenciam na capacitância e um capacitor? pesar e ser uma constante característica os capacitor, a capacitância epene e certos fatores próprios como a área a armaura, a espessura o ielétrico existente entre as armauras. ssim, experimentalmente vêse ue a capacitância é proporcional a área as armauras e inversamente proporcional à istância entre as placas (espessura o ielétrico), ou seja: C 1 (13) C capacitância também epene a natureza o ielétrico: seno C 0 a capacitância e um capacitor sem ielétrico, uano introuzimos entre as armauras um isolante e constante ielétrica K sua capacitância passa ser: C = KC 0 (14) 7. s armauras e um capacitor possuem uma carga Q = 1,5x10 4 C. Nestas conições, a iferença e potencial entre elas é 50 V. etermine a capacitância este capacitor em fara e em µf. 8. Liganose o capacitor o exercício anterior a uma bateria, cuja voltagem entre os pólos é V = 250 V, respona: (a) Qual é a capacitância o capacitor (b) Qual o valor a carga existente nas armauras? 9. Um capacitor plano é carregao liganose suas armauras aos pólos e uma bateria. Mantenose a ligação com esta bateria e reuzinose a istância entre as placas, respona: (a) voltagem entre as armauras aumenta, iminui ou não se altera? (b) capacitância aumenta iminui ou não se altera? carga nas armauras aumenta, iminui ou não se altera. 10. Um capacitor plano, com ar entre as placas possui uma capacitância C = 2,5 µf. Quano a carga nas placas é Q = 4,0 x 10 4 C, existe entre elas uma voltagem V = 160 V e um campo elétrico E = N/C. Suponose ue o capacitor não esteja ligao a nenhuma bateria e introuzinose entre as armauras um ielétrico e constante K = 5,0, eterminar uais serão os novos valores (a) Da capacitância o capacitor. (b) Da carga em suas armauras (c) Da voltagem entre as armauras. () Do campo elétrico entre as armauras.

O trabalho realizado pela força elétrica corresponde a energia recebida pelo elétron. 15 4

O trabalho realizado pela força elétrica corresponde a energia recebida pelo elétron. 15 4 Aprimorano os Conhecimentos e Eletriciae ista 4 Potencial Elétrico Energia Potencial Elétrica Euilíbrio Elétrico os Conutores Prof.: Célio Normano. (.C.SA-BA) Num tubo e TV, os elétrons são aceleraos em

Leia mais

que Q = 10-6 C e d = 0,3m. O meio é o vácuo. É 9.10 9 2

que Q = 10-6 C e d = 0,3m. O meio é o vácuo. É 9.10 9 2 FÍSI - ELETRIIDDE - TRLH E PTENIL S RESPSTS ESTÃ N FINL DS EXERÍIS. 1. Uma carga elétrica puntiforme = 1µ é transportaa e um ponto até um ponto e um nos casos a e b inicaos. mita, em caa caso, 6. Determine

Leia mais

Física. Resolução: E = 4 x 10 7 N/C como Q > 0 o campo elétrico será de afastamento e horizontal. Resolução:

Física. Resolução: E = 4 x 10 7 N/C como Q > 0 o campo elétrico será de afastamento e horizontal. Resolução: letrostática 01. Determine a intensiae, a ireção e o sentio o campo elétrico ( ) gerao pela carga fixa (Q = +4µc) num ponto x o espaço, istante 3cm esta (conforme a figura). k = 9 x 10 9 N. m /C x Q -

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos P.44 Daos: 5 6 C; $ B 4 J Da expressão o trabalho a força elétrica: $ B ( B ) 4 5 6 ( B ) B 5 4 6 Esse resultao inica ue B. B P.45 Se os potenciais e e B valem, respectivamente, 5 e, em relação a um certo

Leia mais

Exercícios propostos

Exercícios propostos Os funamentos a Física Volume 3 1 Capítulo 3 Trabalho e potencial elétrico P.44 Daos: 5 1 6 C; $ B 1 4 J Da expressão o trabalho a força elétrica: $ B (V V B ) 1 4 5 1 6 (V V B ) V V B 1 5 1 4 6 Esse resultao

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES (2) 2 ANO 40 questões

CADERNO DE QUESTÕES (2) 2 ANO 40 questões DATA: 04 / 04 / 016 PARTE 1: CAMPO EÉTRICO CADERNO DE UESTÕES () ANO 40 questões FÍSICA Professor: XERXES 01) (FAC. SANTA MARCEINA/14) Duas cargas puntiformes negativas, A e B, estão fixaas a certa istância

Leia mais

Trabalho de uma carga elétrica 2017

Trabalho de uma carga elétrica 2017 Trabalho e uma carga elétrica 017 1. (Uem 016) Uma molécula é formaa por ois íons, um positivo e outro negativo, separaos 10 por uma istância e 3,00 10 m. Os móulos a carga elétrica o íon positivo e o

Leia mais

Capacitor: dispositivo que armazena energia potencial elétrica num circuito. Também chamado condensador.

Capacitor: dispositivo que armazena energia potencial elétrica num circuito. Também chamado condensador. Universiae Feeral o Paraná Setor e Ciências Exatas Departamento e Física Física III Prof. Dr. icaro Luiz iana eferências bibliográficas: H. 7-, 7-3, 7-5 S. 5-, 5-4 T. -, -, -4 Aula 8: Capacitância Garrafa

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos os funamentos a física 3 Uniae Resoluções os testes propostos 1 T.1 Resposta: a viro e lã algoão e enxofre algoão e lã Trecho a série triboelétrica com os materiais aos: viro; lã; algoão; enxofre ortanto,

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos os funamentos a física 3 Uniae A Resoluções os testes propostos 1 T.56 Resposta: a I. Correta. A força elétrica tem a ireção o vetor campo elétrico, que é tangente à linha e força no ponto consierao. II.

Leia mais

SIMULADO. Física. 1 (Uespi-PI) 2 (Uespi-PI)

SIMULADO. Física. 1 (Uespi-PI) 2 (Uespi-PI) (Uespi-PI) (Uespi-PI) Três esferas metálicas, apoiaas em suportes isolantes, são colocaas próimas, como no esenho abaio, porém sem se tocarem. Um bastão carregao positivamente é aproimao a primeira esfera.

Leia mais

Projeto 3. 8 de abril de y max y min. Figura 1: Diagrama de um cabo suspenso.

Projeto 3. 8 de abril de y max y min. Figura 1: Diagrama de um cabo suspenso. Cabos suspensos Projeto 3 8 e abril e 009 A curva escrita por um cabo suspenso pelas suas etremiaes é enominaa curva catenária. y ma y min 0 Figura 1: Diagrama e um cabo suspenso. A equação que escreve

Leia mais

Física C Semiextensivo V. 1

Física C Semiextensivo V. 1 ísica C Semiextensivo V 1 xercícios 01) Veraeira Veraeira Veraeira N o e prótons N o e elétrons Veraeira alsa ornecer elétrons Veraeira alsa ossui, porém, a mesma quantiae e cargas positivas e negativas

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR

EDITORIAL MODULO - WLADIMIR 1. Um os granes problemas ambientais ecorrentes o aumento a proução inustrial munial é o aumento a poluição atmosférica. A fumaça, resultante a queima e combustíveis fósseis como carvão ou óleo, carrega

Leia mais

Física Fascículo 07 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 07 Eliana S. de Souza Braga Física Fascículo 7 Eliana S e Souza raga Ínice Eletrostática Resumo Teórico 1 Eercícios Gabarito4 Eletrostática Resumo Teórico Força eletrostática lei e oulomb F K Q = Q 1 Vácuo: 1 K K = = 9 1 N m 4 πε

Leia mais

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças

III Corpos rígidos e sistemas equivalentes de forças III Corpos rígios e sistemas equivalentes e forças Nem sempre é possível consierar toos os corpos como partículas. Em muitos casos, as imensões os corpos influenciam os resultaos e everão ser tias em conta.

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA 81 1 SOLENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOLENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores, ou por uma única espira são, para efeitos práticos, bastante fracos. Uma forma e se prouzir campos magnéticos

Leia mais

CURSO APOIO FÍSICA RESOLUÇÃO 20 /

CURSO APOIO FÍSICA RESOLUÇÃO 20 / FÍSICA CURSO APOIO 0. Um veículo trafega por uma avenia retilínea e o gráfico mostra a variação o móulo e sua velociae, em função o tempo, em três trechos. Os intervalos e tempo ecorrios em caa um os trechos

Leia mais

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica.

FÍSICA II. Princípios da Eletrostática ASSUNTOS ABORDADOS. Eletrostática. Carga Elétrica e Estrutura Atômica. Quantização da Carga Elétrica. ÍSIA II Aula 1 Eletrostática clauios@pitagoras.com.br IÊNIA DA OMPUTAÇÃO ASSUNTOS ABORDADOS arga Elétrica e Estrutura Atômica uantização a arga Elétrica Princípios a Eletrostática onutores e Isolantes

Leia mais

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física. Referências bibliográficas: H S T.

Universidade Federal do Paraná Setor de Ciências Exatas Departamento de Física. Referências bibliográficas: H S T. Universiae eeral o Paraná Setor e Ciências Eatas Departamento e ísica ísica III Prof. Dr. Ricaro Luiz Viana Referências bibliográficas: H. -4 S. -5 T. 18- Aula Lei e Coulomb Charles Augustin e Coulomb

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

Força elétrica e campo elétrico Prof. Caio

Força elétrica e campo elétrico Prof. Caio 1. (Fuvest) Os centros e quatro esferas iênticas, I, II, III e IV, com istribuições uniformes e carga, formam um quarao. Um feixe e elétrons penetra na região elimitaa por esse quarao, pelo ponto equiistante

Leia mais

= K F G. g = G. Resposta: e. 3 E.R. Uma região isolada da ação de cargas elétricas recebe. Resolução:

= K F G. g = G. Resposta: e. 3 E.R. Uma região isolada da ação de cargas elétricas recebe. Resolução: Tópico 3 Potencial elétrico 53 Tópico 3 xamine as af irmativas a seguir: I. Se F é a intensiae a força eletrostática que atua sobre uma carga q colocaa em certo ponto, o prouto F q representa a intensiae

Leia mais

3. (Mackenzie 2015) Uma esfera metálica A, eletrizada com carga elétrica igual a 20,0 μc,

3. (Mackenzie 2015) Uma esfera metálica A, eletrizada com carga elétrica igual a 20,0 μc, 1. (Epcar (Afa) 015) Uma peuenina esfera vazaa, no ar, com carga elétrica igual a 1μ C e massa 10 g, é perpassaa por um aro semicircular isolante, e extremiaes A e B, situao num plano vertical. Uma partícula

Leia mais

Específica de Férias Prof. Walfredo

Específica de Férias Prof. Walfredo Específica e Férias Prof. Walfreo 01 Aluno(a): /07/01 1. (Unicamp 01) Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas

Leia mais

Módulo V Força e Campo Elétrico

Módulo V Força e Campo Elétrico Móulo V Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo V orça e Campo létrico orça létrica: As interações, e atração ou e repulsão, entre corpos carregaos positiva ou negativamente são forças e natureza elétrica

Leia mais

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico

Módulo III Carga Elétrica, Força e Campo Elétrico Móulo III Clauia Regina Campos e Carvalho Móulo III Carga létrica, orça e Campo létrico Carga létrica: Denomina-se carga elétrica a proprieae inerente a eterminaas partículas elementares, que proporciona

Leia mais

Questão 46 Questão 47

Questão 46 Questão 47 Questão 46 Questão 47 Num trecho retilíneo e estraa, a partir o instante t0 = 0, a velociae escalar e um automóvel permanece constante urante,00 minutos. Logo em seguia, o veículo é acelerao constantemente,

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

A Regra da Cadeia Continuação das notas de aula do mês 11/03 Versão de 20 de Novembro de 2003

A Regra da Cadeia Continuação das notas de aula do mês 11/03 Versão de 20 de Novembro de 2003 A Regra a Caeia Continuação as notas e aula o mês /03 Versão e 20 e Novembro e 2003 Agora queremos entener o que acontece com a erivaa e uma composição e funções. Antes e mais naa, lembremos a notação

Leia mais

Exercícios Segunda Lei OHM

Exercícios Segunda Lei OHM Prof. Fernano Buglia Exercícios Seguna Lei OHM. (Ufpr) Um engenheiro eletricista, ao projetar a instalação elétrica e uma eificação, eve levar em conta vários fatores, e moo a garantir principalmente a

Leia mais

EQUILÍBRIO DA ALAVANCA

EQUILÍBRIO DA ALAVANCA EQUILÍBRIO DA ALAVANCA INTRODUÇÃO A Alavanca é uma as máquinas mais simples estuaas na Grécia antiga. Ela consiste e uma barra rígia que gira em torno e um ponto fixo enominao fulcro. A balança e ois braços

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Regras de Derivação. Objetivos da Aula. Aula n o 12: Regras de Derivação. Apresentar e aplicar as regras operacionais de derivação;

CÁLCULO I. 1 Regras de Derivação. Objetivos da Aula. Aula n o 12: Regras de Derivação. Apresentar e aplicar as regras operacionais de derivação; CÁLCULO I Prof. Marcos Diniz Prof. Anré Almeia Prof. Eilson Neri Júnior Aula n o 2: Regras e Derivação Objetivos a Aula Apresentar e aplicar as regras operacionais e erivação; Derivar funções utilizano

Leia mais

Física A figura mostra um gráfico da velocidade em função do tempo para um veículo

Física A figura mostra um gráfico da velocidade em função do tempo para um veículo Física 1 Valores e algumas granezas físicas Aceleração a graviae: 10 m/s 2 Densiae a água: 1,0 g/cm 3 k = 1/4πε 0 = 9,0 10 9 N.m 2 /c 2 1 atm = 1,0 x 10 5 N/m 2 sen = 0,5 01. A figura mostra um gráfico

Leia mais

c a) Atração; 0,2 N. 4. A tabela a seguir mostra a série triboelétrica.

c a) Atração; 0,2 N. 4. A tabela a seguir mostra a série triboelétrica. 1. Duas cargas são colocaas em uma região one há interação elétrica entre elas. Quano separaas por uma istância, a força e interação elétrica entre elas tem móulo igual a F. Triplicano-se a istância entre

Leia mais

Aula 05. Me. Leandro B. Holanda, Capítulo 7 (continuação)

Aula 05. Me. Leandro B. Holanda,   Capítulo 7 (continuação) Aula 05 Capítulo 7 (continuação) Trabalho realizao pela força gravitacional O trabalho realizao pela força peso g (ou força gravitacional) para pequenas variações na alturas sobre um objeto (semelhante

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

TD DE FÍSICA 2 Resolucões das Questões de Potencial elétrico e Trabalho da Força Elétrica PROF.: João Vitor

TD DE FÍSICA 2 Resolucões das Questões de Potencial elétrico e Trabalho da Força Elétrica PROF.: João Vitor TD DE ÍSICA 2 esolucões as Questões e Potencial elétrico e Trabalho a orça Elétrica PO.: João Vitor esposta a questão 1: [I] Correta. Se não fosse uma superfície equipotencial, haveria movimento e cargas,

Leia mais

CONDENSADOR. Capacidade eléctrica O potencial eléctrico de um condutor esférico de raio R, e carga eléctrica Q:

CONDENSADOR. Capacidade eléctrica O potencial eléctrico de um condutor esférico de raio R, e carga eléctrica Q: CONDENSADOR Capaciae eléctrica O potencial eléctrico e um conutor esférico e raio R, e carga eléctrica : 1 4 R cont. 4 R te C A carga e o potencial são granezas irectamente proporcionais. C epene apenas

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

Capacitores. Figura 7.1

Capacitores. Figura 7.1 Capítulo 7 Capacitores 7.1 Introução Capacitor é um ispositivo que armazena energia potencial. Capacitores variam em forma e tamanho, mas a configuração básica consiste e ois conutores e cargas opostas.

Leia mais

Aprimorando os Conhecimentos de Eletricidade Lista 2 Processos de Eletrização III - Força Elétrica I

Aprimorando os Conhecimentos de Eletricidade Lista 2 Processos de Eletrização III - Força Elétrica I Aprimorano os Conhecimentos e Eletriciae Lista Processos e Eletrização III - Força Elétrica I. (UFPA) Um corpo A, eletricamente positivo, eletriza um corpo B que inicialmente estava eletricamente neutro,

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis Lei Coulomb

Exercícios de Aprofundamento 2015 Fis Lei Coulomb Exercícios e Aprofunamento 015 Fis Lei Coulomb 1. (Unesp 015) Em um experimento e eletrostática, um estuante ispunha e três esferas metálicas iênticas, A, B e C, eletrizaas, no ar, com cargas elétricas

Leia mais

Aula 02. Assunto: Vetores Hidrostática Dilatação Térmica Força Elétrica

Aula 02. Assunto: Vetores Hidrostática Dilatação Térmica Força Elétrica Aula 0 Assunto: Vetores Hirostática Dilatação Térmica orça Elétrica 1. (UC-96) As figuras a e b, abaixo, inicam, caa uma elas, uas caminhaas sucessivas e 0m e comprimento, realizaas sobre uma superfície

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS DE MECÂNICA

QUESTÕES COMENTADAS DE MECÂNICA QUESTÕES COMENTDS DE MECÂNIC Prof. Inácio Benvegnú Morsch CEMCOM Depto. Eng. Civil UFGS ) Calcule as reações em para a viga isostática representaa na figura () kn/m,5 m Solução: Este cálculo fica simplificao

Leia mais

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura

ESPELHO PLANO C centro de curvatura V vértice do espelho R raio de curvatura Óptica Princípios a Óptica Geométrica ) Princípio a propagação retilínea a luz: nos meios homogêneos e transparentes a luz se propaga em linha reta. Natureza e Velociae a Luz A luz apresenta comportamento

Leia mais

UNIFEI-Campus Itabira Eletromagnetismo Lista de Exercicios #1

UNIFEI-Campus Itabira Eletromagnetismo Lista de Exercicios #1 UNIFEICampus Itabira Eletromagnetismo Lista e Eercicios #1 ** rof. Dr. Miguel Tafur ** Livro e referencia: Física III: Eletromagnetismo. R. Resnick e D. Halliay 1 Carga Elétrica e Lei e Coulomb Questão

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Upf 014) Durante uma experiência em um laboratório e física, um balão (esses usaos em festas e aniversário) cheio e ar, e massa total m = 1 g, carregao eletricamente com uma carga q negativa, flutua

Leia mais

Questão 1. Questão 2. alternativa D

Questão 1. Questão 2. alternativa D Questão Sabe-se que o momento angular e uma massa pontual é ao pelo prouto vetorial o vetor posição essa massa pelo seu momento linear. Então, em termos as imensões e comprimento (L), e massa (M), e e

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

FÍSICA Professor: João Macedo

FÍSICA Professor: João Macedo FÍSICA Professor: João Maceo Aluno(a): 0 08/08/014 01. Duas esferas metálicas iguais, A e B, estão carregaas com cargas QA = + 76μC e QB = + 8μC, respectivamente. Inicialmente, a esfera A é conectaa momentaneamente

Leia mais

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s

FÍSICA. a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s d) 77 s e) 1300 s Resolução V = t = 3,9. 10 8 3,0. 10 8. t = t = 1,3 s 46 b FÍSICA A istância méia a Terra à Lua é 3,9.10 8 m. Seno a velociae a luz no vácuo igual a 3,0.10 5 km/s, o tempo méio gasto por ela para percorrer essa istância é e: a) 0,77 s b) 1,3 s c) 13 s ) 77

Leia mais

Dielétrico (ou isolante): material que não conduz corrente elétrica mobilidade baixíssima dos portadores de carga

Dielétrico (ou isolante): material que não conduz corrente elétrica mobilidade baixíssima dos portadores de carga Universiae Feeral o Paraná Setor e iências Exatas Departamento e Física Física III Prof. Dr. Ricaro Luiz Viana Referências bibliográficas: H. 7-4, 7-6, 7-7 S. 5-3, 5-5, 5-6 T. -3, -5 ula 8: Dielétricos

Leia mais

EXERCÍCIOS PROPOSTOS. ( ) ( ) j 150N. GRUPO 1: Nível Básico

EXERCÍCIOS PROPOSTOS. ( ) ( ) j 150N. GRUPO 1: Nível Básico EXERCÍCIOS PROPOSTOS GRUPO 1: Nível Básico 1. Uma caixa e 6 kg é elevaa e uma istância e m a partir o repouso por uma força e 80 N aplicaa na vertical. Determine (a) o trabalho realizao pela força, (b)

Leia mais

Mais derivadas. g(x)f (x) f(x)g (x) g(x) 2 cf(x), com c R cf (x) x r, com r R. rx r 1

Mais derivadas. g(x)f (x) f(x)g (x) g(x) 2 cf(x), com c R cf (x) x r, com r R. rx r 1 Universiae e Brasília Departamento e Matemática Cálculo 1 Mais erivaas Neste teto vamos apresentar mais alguns eemplos importantes e funções eriváveis. Até o momento, temos a seguinte tabela e erivaas:

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery) Controle Estatístico e Qualiae Capítulo 4 (montgomery) Amostragem e Aceitação Lote a Lote para Atributos Introução A Amostragem poe ser efinia como a técnica estatística usaa para o cálculo e estimativas

Leia mais

50 10 F 0,15 V 7,5 10 C

50 10 F 0,15 V 7,5 10 C Prof. Anerson oser Gauio Depto. Física UFES RESNIK, HALLIDAY, KRANE, FÍSIA, 4.ED., LT, RIO DE JANEIRO, 1996. FÍSIA APÍTULO 1 APAITORES E DIELÉTRIOS 1. Um eletrômetro é um aparelho usao para meir cargas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE FÍSICA 1º/2012. QUESTÃO 1 Valor: 1,0 ponto Nota obtida nesta questão:

AVALIAÇÃO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE FÍSICA 1º/2012. QUESTÃO 1 Valor: 1,0 ponto Nota obtida nesta questão: EDUCAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL DO COMÉRCIO EDUSESC Área Especial 2/3 Lote B Norte Taguatinga DF Proessores: Demetrius Leão (Fís.1) e Diones Charles (Fís. 2) Ano Letivo: 2012 Segmento: Ensino Méio Disciplina:

Leia mais

Resoluções dos testes propostos

Resoluções dos testes propostos os funamentos a física Uniae A Capítulo Campo elétrico Resoluções os testes propostos 1 T.5 Resposta: Daos: F e 10 N; q 50 mc 50 10 C A carga q é negativa. ntão a força elétrica F e e o vetor campo elétrico

Leia mais

FÍSICA. Resposta: 80. Justificativa: As equações horárias são: x A = ½ a A t 2 e x B = ½ a B t 2. No encontro x A = x B.

FÍSICA. Resposta: 80. Justificativa: As equações horárias são: x A = ½ a A t 2 e x B = ½ a B t 2. No encontro x A = x B. FÍSICA Daos: Aceleração a graviae: 1 m/s Densiae o mercúrio: 13,6 g/cm 3 Pressão atmosférica: 1,x1 5 N/m Constante eletrostática: k = 1/4 = 9,x1 9 N.m /C 1. Dois veículos partem simultaneamente o repouso

Leia mais

= Resposta: 3,6 m/s 2. 4 No instante t 0. Resolução: + α t v = 20 2t (SI) b) 0 = 20 2t t = 10 s. Resposta: a) v = 20 2t (SI); b) 10 s

= Resposta: 3,6 m/s 2. 4 No instante t 0. Resolução: + α t v = 20 2t (SI) b) 0 = 20 2t t = 10 s. Resposta: a) v = 20 2t (SI); b) 10 s UFRJ Equipe UFRJ Olimpíaa Brasileira e Física Lista Aula 3C Física Jorão 1 É aa a seguinte função horária a velociae escalar e uma partícula em movimento uniformemente variao: v = 15 + t (SI) Determine:

Leia mais

RESUMO DE ELETRICIDADE

RESUMO DE ELETRICIDADE FÍSIA OFSSO DA TMA: WLADIMI SMO D LTIIDAD LI D OLOM AGAS LÉTIAS DO MSMO SINAL - LM-S AGAS LÉTIAS D SINAIS ONTÁIOS ATAM-S Intensiae a força eletrostática K é a constante eletrostática. F K. AMO LÉTIO orpo

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

AS RESPOSTAS ESTÃO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS.

AS RESPOSTAS ESTÃO NO FINAL DOS EXERCÍCIOS. AS RESPOSTAS ESTÃO NO INAL DOS EXERÍIOS. 1. Atrita-se uma barra e viro com um pano e lã, inicialmente neutros, e faz-se a lã entrar em contato com uma bolinha e cortiça, também inicialmente neutra, suspensa

Leia mais

CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida

CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida CÁLCULO I Prof. Eilson Neri Júnior Prof. Anré Almeia Aula n o 0: Derivaas e Orem Superior e Regra a Caeia Objetivos a Aula Definir e eterminar as erivaas e orem superior; Conhecer e aplicar a regra a caeia;

Leia mais

Escola Politécnica FGE GABARITO DA PR 27 de julho de 2007

Escola Politécnica FGE GABARITO DA PR 27 de julho de 2007 PR Física III Escola Politécnica - 2007 FGE 2203 - GABARITO DA PR 27 e julho e 2007 Questão 1 Uma casca esférica isolante e raio interno a e raio externo tem uma ensiae volumétrica e carga igual a ρ, conforme

Leia mais

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica António Pestana Elementos e Topografia v1.0 Junho e 006 5 Meição e istâncias e áreas na planta topográfica 5.1 Meição e istâncias na planta topográfica Como as plantas topográficas são projecções horizontais,

Leia mais

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL

Parte V ANÁLISE DIMENSIONAL 78 PARTE V ANÁISE DIMENSIONA Parte V ANÁISE DIMENSIONA [R] [p] [V] [n] [τ] l 3 θ [R] θ Resposta: [R] θ Uma as principais equações a Mecânica quântica permite calcular a energia E associaa a um fóton e

Leia mais

CAPÍTULO 31: Física de Partículas As Forças Fundamentais na Natureza Mésons e o início da Física de Partículas Classificação das Partículas Quarks

CAPÍTULO 31: Física de Partículas As Forças Fundamentais na Natureza Mésons e o início da Física de Partículas Classificação das Partículas Quarks CAPÍTULO 31: Física e Partículas As Forças Funamentais na Natureza Pósitrons e outras anti-partículas Mésons e o início a Física e Partículas Classificação as Partículas Leis e Conservação Partículas Estranhas

Leia mais

Introdução à Termologia

Introdução à Termologia Introução à Termoloia Termoloia é a parte a Física que estua a eneria térmica. Definições importantes: Eneria interna: É a soma as enerias cinéticas as moléculas e um corpo. Calor (eneria térmica: É a

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos os funamentos a física 3 Uniae A Capítulo Campo elétrico Resoluções os exercícios propostos.3 Daos: q 0 C; 0 N (vertical, escenente); a) Intensiae: 0 q 0 07 N/C Direção: vertical (a mesma e ) Sentio: escenente

Leia mais

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES

ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES ONDULATÓRIA - EXERCÍCIOS E TESTES DE VESTIBULARES 1. (FELA - 96) Uma ona é estaelecia numa cora, fazeno-se o ponto A oscilar com uma freqüência igual a 1 x 103 Hertz, conforme a figur Consiere as afirmativas:

Leia mais

APLICAÇÕES DA TRIGONOMETRIA ESFÉRICA NA CARTOGRAFIA E NA ASTRONOMIA

APLICAÇÕES DA TRIGONOMETRIA ESFÉRICA NA CARTOGRAFIA E NA ASTRONOMIA APLICAÇÕES DA TRIGONOMETRIA ESFÉRICA NA CARTOGRAFIA E NA ASTRONOMIA Aplica-se a trigonometria esférica na resolução e muitos problemas e cartografia, principalmente naqueles em que a forma a Terra é consieraa

Leia mais

CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida

CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeida CÁLCULO I Prof. Eilson Neri Júnior Prof. Anré Almeia Aula n o 08: Regra a Caeia. Derivação Implícita. Derivaa a Função Inversa. Objetivos a Aula Conhecer e aplicar a regra a caeia; Utilizar a notação e

Leia mais

a) Sabendo que o carro A faz 6 km por litro de combustível no circuito, quantos litros esse carro gastará durante o percurso total?

a) Sabendo que o carro A faz 6 km por litro de combustível no circuito, quantos litros esse carro gastará durante o percurso total? UFJF MÓDULO I DO PISM TRIÊNIO 013-015 REFERÊNCIA DE CORREÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA Questão 1 Um circuito e teste para carros é constituío e uas pistas circulares e raios 10 km e 5 km, que se intersectam

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE ENGENHARIA - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA ELETROTÉCNICA UNIVERIDADE ETADUAL AULITA JÚLIO DE MEUITA FILHO FAULDADE DE ENGENHARIA - DEARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRIA ELETROTÉNIA Experiência 01: Meição a potência e correção o fator e potência em circuitos monofásicos

Leia mais

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ LISTA e ELETROSTÁTICA PROFESSOR ANDRÉ 1. (Unicamp 013)Em 01 foi comemorao o centenário a escoberta os raios cósmicos, que são partículas provenientes o espaço. a) Os neutrinos são partículas que atingem

Leia mais

Modulo 5 Lei de Stevin

Modulo 5 Lei de Stevin Moulo 5 Lei e Stevin Simon Stevin foi um físico e matemático belga que concentrou suas pesquisas nos campos a estática e a hirostática, no final o século 16, e esenvolveu estuos também no campo a geometria

Leia mais

4 No ponto A da f igura, existe um campo elétrico orientado para. Resolução: Resposta: a

4 No ponto A da f igura, existe um campo elétrico orientado para. Resolução: Resposta: a Tópico ampo elétrico 3 Tópico F 1 onsiere as af irmativas a seguir: I. ireção o vetor campo elétrico, em eterminao ponto o espaço, coincie sempre com a ireção a força ue atua sobre uma carga e prova colocaa

Leia mais

Transmissão em Corrente Contínua

Transmissão em Corrente Contínua Transmissão em Corrente Contínua CONTROLE PARA SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CC Prof. Júlio Borges e Souza CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA REAL DE CONTROLE Os controlaores as pontes conversoras são responsáveis

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DAS ARMADURAS LONGITUDINAIS DE VIGAS DE SEÇÃO RETANGULAR

DIMENSIONAMENTO DAS ARMADURAS LONGITUDINAIS DE VIGAS DE SEÇÃO RETANGULAR DIMENSIONAMENTO DAS ARMADURAS LONGITUDINAIS DE VIGAS DE SEÇÃO RETANGULAR Prof. Henrique Innecco Longo e-mail longohenrique@gmail.com LN ε cu l α c f c C h M A S ε s b T Departamento e Estruturas Escola

Leia mais

Mecânica Analítica REVISÃO

Mecânica Analítica REVISÃO Mecânica Analítica REVISÃO Prof. Nelson Luiz Reyes Marques Vínculos São limitações às possíveis posições e velociaes as partículas e um sistema mecânico, restringino a priori o seu movimento. É importante

Leia mais

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas

Alocação Ótima de Banco de Capacitores em Redes de Distribuição Radiais para Minimização das Perdas Elétricas > REVISTA DE INTELIGÊNCIA COMPUTACIONAL APLICADA (ISSN: XXXXXXX), Vol. X, No. Y, pp. 1-10 1 Alocação Ótima e Banco e Capacitores em Rees e Distribuição Raiais para Minimização as Peras Elétricas A. C.

Leia mais

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga

Física Fascículo 03 Eliana S. de Souza Braga ísica ascículo 03 Eliana S. e Souza Braga Ínice Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico... Exercícios... Gabarito...4 Dinâmica - Trabalho, Energia e Potência Resumo Teórico Trabalho e uma

Leia mais

Resoluções dos exercícios propostos

Resoluções dos exercícios propostos a física Uniae Capítulo 7 Gravitação Universal esoluções os exercícios propostos.0 a) velociae orbital o planeta aumenta à meia que ele se aproxima o ol e iminui à meia que se afasta, e acoro com a seguna

Leia mais

FIG. 16 Esforços de tração na madeira. Fonte: RITTER (1990) apud CALIL JÚNIOR & BARALDI (1998)

FIG. 16 Esforços de tração na madeira. Fonte: RITTER (1990) apud CALIL JÚNIOR & BARALDI (1998) 3. TRÇÃO 3.1. ITRODUÇÃO Conorme a ireção e aplicação o esorço e tração, em relação às ibras a maeira, poe-se ter a maeira submetia à tração paralela ou à tração normal, como se apresenta na igura 16. Do

Leia mais

Na sala e computaores Preparação Divia os alunos em uplas e se achar pertinente, peça para levar lápis e papel para anotações. Requerimentos técnicos

Na sala e computaores Preparação Divia os alunos em uplas e se achar pertinente, peça para levar lápis e papel para anotações. Requerimentos técnicos Guia o Professor Móulo IV Ativiae - Fazeno um Plano e Vôo Apresentação: Nesta ativiae será proposto que o aluno faça um plano e vôo observano certas regras. Para isso, será preciso calcular a istância

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Questões e rovas e Testes (Deformações na Flexão) UNIVERSIDDE FEDERL FLUMINENSE DERTMENTO DE ENGENHRI IVIL RESISTÊNI DOS MTERIIS XI - Engenharia Mecânica rof. amplona 2004-01 e L w (1) 1 a. Questão - ara

Leia mais

CAPÍTULO 05: Dimensionamento: Estados Limites Últimos

CAPÍTULO 05: Dimensionamento: Estados Limites Últimos Capítulo 5 - Dimensionamento: Estaos Limites Últimos 81 CAPÍTULO 05: Dimensionamento: Estaos Limites Últimos Seguno a NBR 7190/97, cujas prescrições estão embasaas no Métoo os Estaos Limites, para que

Leia mais

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012

FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 Seu Pé Direito nas Melhores Faculaes FUVEST Prova A 10/janeiro/2012 física 01. A energia que um atleta gasta poe ser eterminaa pelo volume e oxigênio por ele consumio na respiração. Abaixo está apresentao

Leia mais

4/10/2015. Física Geral III

4/10/2015. Física Geral III 4/1/15 Física Geral III ula Teórica 11 (ap. 7 parte /): 1) Energia armazenaa num campo elétrico ) Densiae e energia 3) apacitor com um ielétrico 4) Visão atômica e ielétricos 5) Os ielétricos e a Lei e

Leia mais

AULA 2. Equilíbrio Químico

AULA 2. Equilíbrio Químico AULA 2 Equilíbrio Químico Objetivos Definir reações reversíveis. Definir equilíbrio químico. Escrever as expressões as constantes e equilíbrio. Conhecer os fatores que afetam o equilíbrio químico. Introução

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Enem 013) A Lei a Gravitação Universal, e Isaac Newton, estabelece a intensiae a força e atração entre uas massas. Ela é representaa pela expressão: F G m m = 1 one m 1 e m corresponem às massas os

Leia mais

1ª LISTA DE FÍSICA 1º BIMESTRE

1ª LISTA DE FÍSICA 1º BIMESTRE Professor (a): PAULO Disciplina FÍSICA Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015 1ª LISTA DE FÍSICA 1º BIMESTRE 1) Uma descarga elétrica ocorre entre uma nuvem que está a 2.000 m de altura do solo. Isso acontece

Leia mais

FÍSICA - I. Objetivos. Introdução. Energia Cinética e Trabalho 2ª. Parte

FÍSICA - I. Objetivos. Introdução. Energia Cinética e Trabalho 2ª. Parte FÍSICA - I Energia Cinética e Trabalho ª. Parte Prof. M.Sc. Lúcio P. Patrocínio Objetivos Determinar o trabalho realizado pela força gravitacional, forças elásticas e forças variáveis. Identificar o papel

Leia mais

CURSO DE CÁLCULO I PROF. MARCUS V. S. RODRIGUES

CURSO DE CÁLCULO I PROF. MARCUS V. S. RODRIGUES CURSO DE CÁLCULO I PROF. MARCUS V. S. RODRIGUES FORTALEZA - 009 Curso e Cálculo I Capítulo SUMÁRIO Capítulo Limite e continuiae.. Limites: Um conceito intuitivo.. Limites: Técnicas para calcular 9.. Limites:

Leia mais