SISTEMA AUTOMÁTICO DE ILUMINAÇÃO E ALARME

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA AUTOMÁTICO DE ILUMINAÇÃO E ALARME"

Transcrição

1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA -UniCEUB CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Roberta Neder de Araujo SISTEMA AUTOMÁTICO DE ILUMINAÇÃO E ALARME Orientador: Maria Marony Sousa Farias BRASÍLIA / DF 1º SEMESTRE DE 2011

2 II ROBERTA NEDER DE ARAÚJO SISTEMA AUTOMÁTICO DE ILUMINAÇÃO E ALARME Monografia apresentada ao Curso de Engenharia da Computação, como requisito parcial para obtenção do grau de Engenheiro de Computação. Orientador: Maria Marony Sousa Farias BRASÍLIA / DF 1º SEMESTRE DE 2011

3 III Roberta Neder de Araujo SISTEMA AUTOMÁTICO DE ILUMINAÇÃO E ALARME Trabalho apresentado ao Centro Universitário de Brasília (UniCEUB) como pré-requisito para a obtenção de Certificado de Conclusão de Curso de Engenharia de Computação. Orientador: Maria Marony Sousa Farias Este Trabalho foi julgado adequado para a obtenção do Título de Engenheiro de Computação, e aprovado em sua forma final pela Faculdade de Tecnologia e Ciências Sociais Aplicadas -FATECS. Prof. Abiezer Amarilia Fernandez Coordenador do Curso Banca Examinadora: Prof. Maria Marony Sousa Farias, M.C. Engenharia Elétrica Orientador Prof. Luis Cláudio Lopes de Araujo, Mestre em matemática. Instituição Prof. José Julimá Bezerra Junior, M.C. Engenharia. Instituição

4 IV

5 V Resumo O presente trabalho mostra a solução que foi adotada para automação dos sistemas de iluminação e alarme de um ambiente comercial. O foco foi desenvolver um modelo, software e hardware, onde as lâmpadas deste ambiente acendem e apagam automaticamente na hora programada e o acionamento do alarme envia um de alerta para a caixa de entrada cadastrada. O modelo foi constituído por um hardware que simula num ambiente comercial o sistema de iluminação e alarme, e um software que acende ou apaga as luzes do recinto e recebe as informações do sensor do alarme para envio do . A comunicação entre o software e o hardware é feita via porta paralela. Como esperado, o protótipo obtido demonstrou ser um sistema simples, que permite, de forma automática ou programada, acionar e desligar as luzes do ambiente e enviar de alerta. Palavras-Chave: Iluminação, alarme, porta paralela.

6 VI Abstract This study shows witch solution was adopted for the automation of lighting systems and alarm of a commercial environment. The focus was to develop a model, software and hardware, where the lamps of this place turn on and off automatically at scheduled time and the activation of the alarm sends an alert to registered mailbox. The model consisted of simulating a hardware system in a commercial lighting and alarm systems and a software that turns on and off the lights in the room and receives information from the alarm sensor to send the . The communication between software and hardware is done via the parallel port. As expected, the prototype obtained proved to be a simple system that allows an automated or scheduled, and throw off the room lights and alert. Keywords: lighting, alarm, parallel port.

7 II Dedico esta monografia ao meu marido, Sócrates Barbosa Alves, por todo o amor e dedicação para comigo e por ser parte fundamental para que eu tenha me tornado a pessoa que sou hoje. E à minha mãe, Marcia Regina Neder de Araujo, pelo carinho e apoio dispensados em todos os momentos que precisei.

8 III Agradecimentos A Deus por ter me dado forças e iluminando meu caminho para que pudesse concluir mais uma etapa da minha vida; Aos meus filhos, Maria Luiza e João Pedro, por serem muito mais do que sonhei e pedi a Deus; À minha irmã, Paula Neder, pelo amor incondicional e apoio sempre demonstrado; Ao meu amigo Daniel Neto e sua esposa, Priscila, que me que me deram todo o suporte que precisei para terminar meu curso.

9 IV Sumário 1 INTRODUÇÃO Contextualização do Trabalho Objetivo Proposto Resultados Esperados Estrutura do Trabalho APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA Iluminação Importância de uma boa iluminação Como a iluminação reflete nas vendas Objetivos de uma boa iluminação Alarme Sensoreamento BASE METODOLÓGICAS PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA DESCRIÇÃO DO HARDWARE Porta Paralela Relé Reguladores de Tensão Capacitores Opto acoplador SOFTWARE Tecnologia Utilizada Fluxograma Funcionamento MODELO PROPOSTO Descrição do Modelo Montagem da placa Função dos conectores Esquema elétrico do hardware Descrição da Implementação APLICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DO MODELO PROPOSTO Apresentação da área de Aplicação do modelo Descrição da Aplicação do Modelo... 45

10 V 5.3 Avaliação Global do Modelo CONCLUSÃO Conclusões Sugestões para Trabalhos Futuros REFERÊNCIAS ANEXOS ANEXO I DATASHEET RELE ANEXO II DATASHEET OPTACOPLADOR ANEXO III DATASHEET REGULADOR DE TENSÃO APÊNDICES CÓDIGO FONTE DO SOFTWARE... 75

11 VI Índice de Figuras Figura 2.1 Vitrine iluminada Figura 2.2 Corredores iluminados Figura 2.3 Manequins iluminados Figura 3.4 Transmissão paralela Figura 3.5 Transmissão em série Figura 3.6 Conector DB25 macho e fêmea Figura 3.7 Conector DB25 identificação dos pinos Figura 3.8 Circuito do relé Figura 3.9 Diagrama do LM Figura 3.10 Diagrama do LM Figura 3.11 Diagrama de bloco Opto acoplador Figura 3.15 Fluxograma da Lâmpada Figura 3.16 Fluxograma do Alarme Figura 4.17 Circuito impresso da placa Figura 4.18 Placa de fenolite limpa Figura 4.19 Placa do modelo proposto pronta Figura 4.20 Cabo de porta paralela adaptado Figura 4.21 Fonte de 12V Figura 4.22 Protótipo do modelo proposto Figura 4.23 Conector para o alarme Figura 4.24 Conector para a lâmpada Figura 4.25 Esquema elétrico do hardware completo Figura 4.26 Interface do software Figura 4.27 LED da lâmpada aceso Figura 4.28 Lâmpada virtual acesa Figura 4.29 LED da lâmpada apagado Figura 4.30 Lâmpada virtual apagada Figura 5.31 Sensor infravermelho Passivo Figura 5.32 Sensor infravermelho Ativo Figura Sensor Magnético com fio Figura Sensor Magnético sem fio

12 VII Figura 5.35 Demonstrativo de um sensor de Vibração Figura 5.36 Detector de fumaça fotoelétrico... 50

13 VIII Índice de Tabelas Tabela 3.1 Pinagem do conector DB

14 9 1 INTRODUÇÃO 1.1 Contextualização do Trabalho Um dos principais fatores para o sucesso de uma instalação comercial é a iluminação. Em qualquer loja, seja qual for a atividade, a iluminação vai determinar o ambiente, os destaques, as cores e os pontos de maior interesse. Uma das idéias desse projeto é sistematizar o acendimento e o desligamento da iluminação de um ambiente comercial através de um timer. Um ambiente comercial deve possuir sistema de alarme a fim de dar segurança e tranqüilidade aos proprietários do estabelecimento. A outra idéia deste projeto é simular um alarme, que quando acionado, emite um de alerta. O sistema de iluminação de um ambiente comercial, normalmente se faz de forma manual, com intervenção totalmente humana. Muitas vezes essa ação humana falha e este projeto veio com a intenção de automatizar os processos e facilitar o cotidiano. Será montado um protótipo simulando um sistema de iluminação que estará conectado a uma porta paralela que fará integração com um timer a ser desenvolvido em Delphi. O sistema de alarme normalmente emite sinal sonoro ou luminoso, porém não avisa ao responsável da necessidade de intervenção. O levantamento da necessidade de eventual interferência humana fez com que fosse inserido no projeto uma comunicação do sistema de alarme já existente com o dono do estabelecimento. Para isso, caso o sistema identifique invasão, será encaminhado e- mail para a caixa de entrada com o intuito de estabelecer contato com o responsável.

15 Objetivo Proposto O principal objetivo deste projeto é desenvolver protótipo, com a implementação de hardware e software, que tem como desígnio automatizar o acendimento/desligamento de uma lâmpada e emitir um de alerta quando recebido o sinal do alarme. O modelo desenvolvido possibilita ainda: O controle do horário de acendimento e desligamento das luzes do ambiente comercial, protegendo o meio ambiente e reduzindo os custos; A iluminação correta da loja, iluminando no momento certo os pontos que devem ser destacados com o intuito de melhorar as vendas; A utilização de tecnologias a favor do homem como um facilitador do trabalho; O aumento da segurança da loja e tranqüilidade do proprietário. 1.3 Resultados Esperados Desenvolvimento de protótipo com interface de porta paralela contendo uma saída em relê acionado por software desenvolvido em delphi 5 com função de timer para ligar e desligar uma lâmpada e uma entrada para sensor do tipo contato seco com função de alarme e emissão de por software. O projeto contempla a montagem de protótipo funcional do circuito feito a mão, interface de porta paralela e software para interação com o usuário. 1.4 Estrutura do Trabalho Além deste capítulo introdutório e da conclusão, o trabalho está estruturado em mais quatro capítulos, a seguir descritos:

16 11 No capítulo 2 Apresentação do Problema é explicitado a necessidade da aplicação de técnicas de iluminação para melhoramento das vendas em um ambiente comercial e da necessidade de um alarme com interação online. No capítulo 3 Bases metodológicas para resolução do problema - são descritos os componentes eletrônicos utilizados e a tecnologia utilizada. No capítulo 4 Modelo proposto são apresentados a descrição do modelo proposto e a descrição das etapas de construção do modelo e da implementação. No capítulo 5 Aplicação e implementação do modelo proposto são descritas as áreas de aplicação do modelo e feita a avaliação geral do projeto.

17 12 2 APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA Os principais problemas a serem abordados neste trabalho referem-se à falta que faz uma boa iluminação associada à questão da falta de segurança em ambientes comerciais. A seguir serão expostos vários aspectos sobre segurança, problemas e impactos, tecnologia e o que está sendo mais utilizado atualmente. 2.1 Iluminação A iluminação tem muita importância em uma instalação comercial, tornandose um dos principais fatores para o sucesso do negócio. Em qualquer loja, independentemente da atividade, a iluminação determina o ambiente, dando destaque aos objetos, às cores e aos pontos de maior interesse, fazendo com que seu produto não seja depreciado por falta de boa iluminação Importância de uma boa iluminação Quando usamos a iluminação de forma racional, ela nos apresenta uma série de benefícios, entre os quais podemos citar: proteção à visão humana e influências benéficas sobre o sistema nervoso vegetativo, que comanda o metabolismo e as funções do corpo. Dessa forma, uma boa iluminação faz com que se eleve o rendimento do trabalho na qual se realiza e a diminuição dos erros e acidentes, contribuindo para maior conforto, bem-estar e segurança. Uma boa iluminação comercial deve atender as seguintes necessidades: Chamar a atenção; Gerar interesse; Criar uma atmosfera agradável; Integrar-se a arquitetura e identidade da loja; Ser flexível.

18 13 O tipo de iluminação provoca sensações no usuário do ambiente, mesmo que inconscientes; por exemplo, as redes de fast-foods costumam ter uma iluminação "mais fria", o que faz com que o público faça refeições mais rapidamente, o que já não ocorre em restaurantes convencionais. A palavra chave quando se fala de iluminação externa para ambientes comerciais é Realçar (a iluminação tem função de realçar os produtos do interior da edificação para que se tornem visíveis aos que se encontram na rua, ou no corredor, enfim, fora do estabelecimento), como por exemplo na figura 2.1, que mostra um vitrine iluminada. Figura 2.1 Vitrine iluminada. Revitalizar, criar novos ambientes, cenários, contrastes... Enfim, efeitos de luz. A iluminação deve ainda informar, demarcar caminhos, delimitar espaços do público e dos funcionários, ambientes de permanência longa ou de passagem. Como na figura 2.2, que demarca os corredores iluminando-os. A luz num ambiente comercial, em especial a iluminação externa está intimamente ligada à imagem de conservação do ambiente e também a segurança do mesmo.

19 14 Figura 2.2 Corredores iluminados Como a iluminação reflete nas vendas A iluminação de uma loja influencia nas vendas tanto quanto as promoções, a sinalização e os vendedores. Bem integrada à estratégia do lojista, a iluminação se torna uma poderosa e indispensável ferramenta de mercadologia, seja numa seção convidativa de padaria, seja em um supermercado ou numa elegante e exclusiva seção de roupa de noite em uma loja de departamento. Uma boa iluminação ajuda a atrair os olhares dos clientes para uma mercadoria, e oferece um clima confortável para a realização da compra, podendo conduzir os clientes pela loja, para as exibições programadas e para os caixas. Pode ser visualizado na figura 2.3, chamando a atenção para a vitrine com manequins iluminados.

20 15 Figura 2.3 Manequins iluminados. A iluminação de uma loja deve estar diretamente relacionada à sua arquitetura e à estratégia de vendas. Sem a iluminação correta, a mercadoria não ganha a atenção, desperta pouco interesse e simplesmente não vende. Com uma boa iluminação, a mercadoria se torna mais desejável e vende com maior facilidade, sendo assim, a iluminação é um fator fundamental na comercialização. A iluminação também é um artefato indispensável como fator de diferenciação perante a concorrência Objetivos de uma boa iluminação Chamar a atenção dos clientes Uma mercadoria deve se destacar entre uma multidão de imagens em ruas ou shoppings. A vitrine e o interior da loja devem distinguir e destacar sua mercadoria diante da concorrência. Gerar interesse

21 16 A vitrine e o interior da loja devem exibir a mercadoria de forma que os potenciais compradores parem, olhem e entrem na loja. Criar uma atmosfera agradável O ambiente geral da loja influencia o comportamento do comprador, que deve se sentir à vontade e confortável para realizar a compra. Integrar-se à arquitetura e à identidade da loja É essencial entender a estratégia de vendas. A identidade de uma loja é o que a diferencia de sua concorrência e atrai o consumidor com o perfil desejado. Tudo na loja deve refletir esta identidade, principalmente a iluminação. Ser flexível As estratégias e tendências mudam rapidamente. O projeto, portanto deve possibilitar uma rápida e prática adequação da iluminação. Por verificar a necessidade da iluminação em uma loja e a necessidade da diminuição da interferência humana para o acendimento das luzes, será desenvolvido neste projeto um modelo inteligente, com a implementação de hardware e software, com vistas a automatizar os procedimentos para iluminação de ambientes comerciais. Hoje em dia, o acendimento das luzes em um ambiente comercial de pequeno porte, na maioria das vezes, é feito por alguma pessoa, ou seja, depende da perceptividade de algum funcionário em notar a necessidade da iluminação do local. Quando a loja não se encontra dentro de um shopping ou ambiente fechado, algumas luzes só serão acesas no entardecer do dia, e se a perceptividade do funcionário não tiver vindo à tona, e as luzes não tiverem sido acessas no momento necessário, isso poderá acarretar na queda das vendas.

22 17 Como esse assunto provoca um forte interesse em utilizar os conhecimentos e a tecnologia para se produzir um sistema prático, automatizado, de fácil utilização, de baixo custo, que possa ser adotado em um sistema de iluminação de ambientes comerciais, este projeto vem para minimizar os problemas que temos hoje em lojas no que diz respeito à falta de iluminação por não acendimento das luzes do local. O modelo produzido poderá ser aplicável e útil para milhares de pessoas que necessitam e usam algum sistema de iluminação de pequeno porte, trazendo melhorias no que diz respeito à necessidade da iluminação em horários específicos. A sustentabilidade tem se tornado muito visada em qualquer projeto de iluminação. Não se pode mais ignorar a necessidade de reduzir o consumo de luz, seja em projetos residenciais ou comerciais. Analisando também a necessidade de desligamento das luzes deste ambiente comercial, o modelo proposto também tem a função de apagar tudo no momento do fechamento da loja. 2.2 Alarme Os estabelecimentos comerciais e lojas esperam que a segurança pública cumpra seu papel, mas hoje este item deixa muito a desejar. Obviamente, que a aplicação da tecnologia torna-se necessária na vigilância continua de ambientes internos e externos. O que observamos cada vez mais é a procura dos donos de lojas e estabelecimentos comerciais por soluções particulares, personalizadas, que atendam o mínimo de segurança para seus negócios. Em uma sociedade que a cada dia tem mais medo de seus próprios membros e se enclausura em carros blindados, casas gradeadas, cercas elétricas e tantos outros itens de segurança, faz-se imprescindível a utilização de sistemas cada vez mais sofisticados e funcionais de alarmes e segurança pessoal.

23 18 Tendo em vista essa necessidade, este trabalho também propõe um sistema de alarme de baixo custo, simples utilização ou funcional. Hoje em dia existe uma grande variedade de sistemas de alarme no mercado, que se diferenciam pela sofisticação e preço. É possível optar por modelos simples que podem ser encontrados em hipermercados, ou por sistemas que oferecem monitoramento 24 horas, mais caros, oferecidos por empresas especializadas. A maioria dos alarmes existentes no mercado tem as seguintes funcionalidades: Várias zonas programáveis; Informação visual por Display; Sirene auto-alimentada; Possibilidade de ligação de Controles Remotos; Comunicação telefônica; Sistemas de anti-violação. Estes sistemas não são monitorados por empresas especializadas. No caso da comunicação telefônica, alguns utilizam a rede de telefonia fixa existente (sem custo adicional), outros utilizam uma linha GSM dedicada, o que os torna imunes ao corte das linhas do telefone fixo, mas também os torna mais caros na medida em que representam um custo mensal ao cliente. Outros sistemas mais sofisticados, muito utilizados em condomínios residenciais, edifícios comerciais e bancos oferecem o sistema de câmeras, que tanto podem gravar um período de algumas horas em um computador local, como também podem enviar as imagens diretamente a uma central de monitoramento 24 horas. Algumas dessas centrais, além de ativar o policiamento local no caso de algum sinistro, também possuem veículos com seguranças armados prontos para atuar em caso de emergência. Neste caso, quanto maior o grau de segurança e sofisticação, maior será o valor pago mensalmente pelo serviço.

24 19 Havendo ou não o monitoramento via câmeras, existe uma central de monitoramento (muito utilizado em pontos comerciais), que verifica o horário de trabalho normal do estabelecimento. Caso haja a abertura do local - mesmo por senha - fora do horário usual, sem o aviso prévio do gerente ou dono, a polícia também será acionada. Esse tipo de serviço é utilizado para o caso de seqüestro. Em muitos casos, a central propriamente dita fica em algum local bem escondido, somente a interface é instalada em local de fácil acesso Sensoreamento Os sensores mais utilizados atualmente em residências e estabelecimentos comerciais são: Sensores Infravermelhos Ativos e Passivos; Sensores Magnéticos; Sensores de Impacto; Sensores Capacitivos. Para demonstrar a função de alarme neste projeto, temos uma entrada para sensor do tipo contato seco, onde na estrutura real, pode ser acoplado qualquer um desses tipos de sensores mencionados acima. Como ambientes comerciais nem sempre possuem monitoramento durante as 24 horas do dia, quando do acionamento do alarme, o software implementado enviará um de alerta para um endereço eletrônico cadastrado. No próximo capítulo serão apresentados mais detalhes sobre tecnologia e componentes que serão utilizados no projeto.

25 20 3 BASE METODOLÓGICAS PARA RESOLUÇÃO DO PROBLEMA Neste capítulo são descritos os componentes eletrônicos utilizados e suas características e como cada um deles é utilizado dentro do modelo proposto, e da tecnologia do software de controle, bem como o funcionamento do modelo proposto. 3.1 DESCRIÇÃO DO HARDWARE São utilizados para a construção desse projeto os seguintes componentes: porta paralela, relé, regulador de tensão, resistores, capacitores, circuitos integrados, opto acoplador, diodos e LED s Porta Paralela A porta paralela é uma interface presente nos computadores. Sua utilização permite realizar a comunicação entre o computador e outros periféricos. A porta paralela adota o padrão Transistor Transistor Logic (TTL) nos seus pinos, de forma que um pino esteja em nível lógico baixo (0) quando sua tensão elétrica estiver entre 0 e 0,4 V ou esteja em nível lógico alto (1) quando a tensão estiver entre 3,1 e 5 V. Neste projeto, a porta paralela faz a comunicação entre o hardware simulador de um ambiente comercial com o computador. A seguir são tratados aspectos relativos a transmissão paralela de dados, conector DB25, inerentes ao funcionamento da porta paralela Transmissão Paralela A transmissão em paralelo, ao contrário da transmissão em série, precisa de vários fios para transportar a informação. Esta informação pode ser enviada em palavras de 4, 8, 16, 32 ou 64 bits simultaneamente ao receptor por várias vias, entre as quais pinos, fios ou outros meios físicos.

26 21 Neste tipo de transmissão, a grande vantagem é a sua velocidade de transmissão. Em vez de enviar bit a bit os dados, transmite-se uma quantidade de bits ao mesmo tempo, como na figura 3.4 a seguir. Figura 3.4 Transmissão paralela. A figura 3.5 mostra a transmissão em série para comparação com a transmissão em paralelo. Figura 3.5 Transmissão em série.

27 Conector DB25 A conexão de qualquer equipamento à porta paralela é feita através do Conector DB25. Esse conector é universal e contém 25 pinos. É através desse conector que se estabelece a comunicação da porta paralela com interfaces ligadas a ela. Na figura 3.6 estão apresentados os ditos conectores (em cima o macho e em baixo o lado fêmea). Figura 3.6 Conector DB25 macho e fêmea Tal como se vê pela figura 3.7, a porta paralela é formada por 17 linhas de comunicação e 8 linhas que se ligam à massa. Figura 3.7 Conector DB25 identificação dos pinos

28 23 paralela. Os pinos 2 a 9, são pinos de DADOS. Sua função é enviar os dados via porta Os pinos 10,11,12,13 e 15 são pinos de STATUS. São responsáveis pela troca de mensagens fornecendo o respectivo status. Os pinos 1,14,16 e 17 são pinos de CONTROLE. São usados para fazer a interface e a troca de mensagens entre o computador e o dispositivo ligado a porta paralela. Os pinos 18 a 25 são pinos usados para o aterramento. É de notar que existem pinos na Porta Paralela que trabalham com lógica invertida. Ou seja, para ativar estes pinos é preciso enviar um sinal lógico 0 e para desativar, mandar um sinal lógico 1. O quadro a seguir apresenta de forma resumida as funções de cada pino em conjunto com o que foi dito. Tabela 3.1 Pinagem do conector DB25 Pin Nº (DB25) Nome I/O Tipo Registro Invertido? 1 Strobe Out Controlo-0 Sim 2 Data0 In/Out Data-0 Não 3 Data1 In/Out Data-1 Não 4 Data2 In/Out Data-2 Não 5 Data3 In/Out Data-3 Não 6 Data4 In/Out Data-4 Não 7 Data5 In/Out Data-5 Não 8 Data6 In/Out Data-6 Não 9 Data7 In/Out Data-7 Não 10 Ack In Status-6 Não

29 24 11 Busy In Status-7 Sim 12 Paper-Out In Status-5 Não 13 Select In Status-4 Não 14 Linefeed Out Controlo-1 Sim 15 Error In Status-3 Não 16 Initialize Out Controlo-2 Não 17 Select-Printer Out Controlo-3 Sim Ground Fonte: A porta paralela tem 3 endereços que são normalmente usados como endereço Base. Sendo que um é usado para portas paralelas incorporadas em placas de vídeo mais antigas, e os outros dois nem sempre se aplicam, podendo muitas vezes estar noutras posições, dependendo das especificações do fabricante. A primeira versão da porta paralela não era bidirecional, apresentando apenas 3 grupos de registros: o registro de Dados, o registro de Status e o registro de Controle. Dados: Estando este registro situado no endereço base, é utilizado normalmente para enviar um byte para os pinos 2 a 9 da porta série. Normalmente se ler desta localização o valor obtido é igual ao último valor escrito, no entanto, se a porta for bidirecional também é possível receber dados através deste endereço. Status: O Status é um registro do qual apenas se pode ler. Quaisquer dados escritos neste endereço são ignorados. A porta de Status é composta por 5 linhas de input vindas do exterior (pinos 10,11,12,13 e 15), um Bit de IRQ e dois bits reservados. O bit 7 desta porta é invertido por hardware, isto significa que se este bit estiver a low é porque o pino correspondente na porta está a high. Para a utilização deste registo são geralmente usados os 4 bits mais significativos, embora seja possível utilizar o quinto.

30 25 Controle: Este registro está situado no endereço base + 2, sendo limitado a escrita. São usados 4 bits menos significativos do registro é necessário o valor de 3 destes para que o output seja o esperado. Com o passar do tempo tornou-se necessário que a porta paralela tivesse outras funcionalidades, como a bidirecionalidade, e a capacidade de enviar dados com 16 ou 32 bits. Foi assim criada a EPP (Extended Parallel Port). Esta apresenta para além dos 3 registros iniciais, que são comuns à SPP (Standard Parallel Port), mais 5 endereços: endereço, dados 2, transferência de 16/32 bits e dois de transferência de 32 bits. Endereço: Este registro está especializado no envio de endereços, usa os mesmos pinos que os registros de Dados. Caso seja usado este registro, o dispositivo irá encarregar-se de gerir a transferência de dados. Usando para isso os pinos de Write, Address Strobe, Wait e Data. Dados 2: Este registro bidirecional foi acrescentado com a EPP de modo a que fosse possível ler dados usando os pinos 2 a 9 da porta paralela. Para controlar a bidirecionalidade deste registro deve-se fazer Set, ou Reset ao Bit 2 do registro de Controlo (Por exemplo, deve ser colocado no registro de Controlo XXXX0100 para inicialização). Transferências: Os registros com o endereço base + 5, base +6 e base +7 servem para enviar blocos de dados de 16 ou 32 bits. O hardware divide estes bits em blocos com o tamanho de um byte, e envia-os usando um protocolo de transferência de dados Relé Trata-se de um interruptor que possui um circuito interno que quando acionado um eletroímã (a) por uma corrente (b), altera a posição do par de contatos (c) ligados a outro circuito, deixando fluir a corrente elétrica (d), funcionando assim como ponte entre circuitos muito diferentes.

31 26 Figura 3.8 Circuito do relé. No projeto, o relé foi responsável pela ação de ligar e desligar a lâmpada conectada ao hardware desenvolvido Reguladores de Tensão São dispositivos formados por semicondutores e circuitos integrados reguladores de tensão. Sua função principal é manter uma tensão constante na saída (5V) ao se ter uma tensão maior de entrada (12V). Figura 3.9 Diagrama do LM No projeto, esse componente foi utilizado para reduzir a tensão de entrada de 12 volts entregando 5 volts para o circuito impresso Capacitores São componentes eletrônicos que acumulam e armazenam cargas elétricas quando ligados a uma tensão. Podem ser utilizados para muitas finalidades na eletrônica, porém uma característica principal á a filtragem.

32 27 Figura 3.10 Diagrama do LM No projeto, utilizou-se esse componente para diminuir a interferência no circuito impresso diminuindo o ruído causado pela corrente elétrica Opto acoplador Um componente muito utilizado em circuitos de acionamento e controle é o opto acoplador. O componente é composto basicamente de uma fonte emissora de luz (um led) e uma fonte receptora de luz (um foto transistor) em um invólucro hermético ou não. O esquema abaixo ilustra o circuito de um opto acoplador. Figura 3.11 Diagrama de bloco Opto acoplador. O funcionamento desse dispositivo é muito simples: - Quando o LED é polarizado e emite luz, o transistor, que tem sua pastilha exposta ao LED, recebe a energia luminosa fornecida e passa a conduzir quando polarizado convenientemente, operando como uma chave. Esse tipo de circuito é muito utilizado quando se deseja um isolamento elétrico entre duas partes de um

33 28 circuito (no caso dos opto acopladores fechados), ou como um detector no sensoriamento de objetos móveis que possam se colocar entre o feixe luminoso do LED e o transistor (no caso dos opto acopladores abertos). No projeto, este componente foi utilizado para transportar o sinal elétrico através da luz, provendo segurança ao circuito eletrônico e sendo responsável pelo isolamento físico de sinais elétricos, ou seja, realiza uma interface óptica de sinais. 3.2 SOFTWARE Neste tópico são descritos o funcionamento do software, bem como a tecnologia utilizada para o seu desenvolvimento Tecnologia Utilizada Para este trabalho é utilizado o produto Delphi 5 como plataforma de desenvolvimento. O Delphi é um ambiente de desenvolvimento de softwares que possui algumas particularidades, como a orientação a objeto e a compilação que aceleram tanto o desenvolvimento com a execução dos aplicativos Fluxograma Fluxograma é a representação gráfica que permite esquematizar e visualizar os sistemas de forma racional, clara e concisa facilitando o seu entendimento geral por todos os envolvidos. Um fluxograma representa com racionalidade, lógica, clareza e síntese rotina ou procedimentos que estejam envolvidas informações processadas e recebidas, bem como seus respectivos responsáveis. Ele representa através de símbolos previamente definidos o fluxo ou a seqüência normal de trabalho.

MÓDULOS GAVETEIROS MGI-20/MGI-40 AC MGI 2000 AC. Manual de Instruções

MÓDULOS GAVETEIROS MGI-20/MGI-40 AC MGI 2000 AC. Manual de Instruções MÓDULOS GAVETEIROS MGI-20/MGI-40 AC MGI 2000 AC Manual de Instruções Leia com Atenção Cód. Menno: 833020001 Rev.: 7 1. Apresentação A linha tradicional de módulos gaveteiros da MENNO sempre foi direcionada

Leia mais

Apostila Básica sobre Alarmes Residenciais

Apostila Básica sobre Alarmes Residenciais Apostila Básica sobre Alarmes Residenciais Luiz Bertini - 1 - - 2 - Apostila Básica sobre Alarmes Residenciais O objetivo desta apostila é apresentar alguns conhecimentos para quem já conhece um pouco

Leia mais

PAINEL DE ALARME GUIA DE INSTALAÇÃO

PAINEL DE ALARME GUIA DE INSTALAÇÃO PAINEL DE ALARME GUIA DE INSTALAÇÃO Active 20 GPRS Rev00 23/04/2009 1- CARACTERÍSTICAS GERAIS 8 Zonas duplas programáveis, mais 1 zona por teclado; 4 Teclados endereçáveis com programações independentes;

Leia mais

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela

Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Desenvolvimento de Módulo Wireless para Acionamento de Cargas via Porta Paralela Pedro H. M. Araújo 1, Renan P. Figueiredo 1, Douglas L. Dias 1, Sandro C. S. Jucá 1 1 Área da Telemática Instituto Federal

Leia mais

MÓDULO DE CONTROLE REMOTO

MÓDULO DE CONTROLE REMOTO Hamtronix MCR400 Manual de Instalação e Operação Software A/B/C Hardware Rev. B ÍNDICE Suporte Online... 02 Termo de Garantia... 02 Descrição do Produto... 03 Versões do Software... 03 Funcionamento das

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA CELL 804

CENTRAL DE ALARME BRISA CELL 804 CENTRAL DE ALARME - PAINEL FRONTAL Led REDE: Indica que o aparelho está sendo alimentado pela rede AC. Led BATERIA: Indica que o aparelho está sendo alimentado pela bateria. Led ARMADO: Aceso indica que

Leia mais

Controle de acesso FINGER

Controle de acesso FINGER Controle de acesso FINGER MANUAL DE INSTRUÇÕES Sobre esse Guia Esse guia fornece somente instruções de instalação. Para obter informações sobre instruções de uso, favor ler o Manual do usuário.. ÍNDICE

Leia mais

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação TOUCH SCREEN Comando de Automação Central de Cenário 54 ÍNDICE DE SEÇÃO 56 A casa como você quer 62 As vantagens de 66 Dispositivos BUS 68 Integração das funções My Home 70 Vantagens da instalação BUS

Leia mais

CONTROLE REMOTO VEICULAR

CONTROLE REMOTO VEICULAR Hamtronix MCR300EA Manual de Instalação e Operação Software A Hardware Revisão E ÍNDICE Índice... 02 Suporte Online... 02 Termo de Garantia... 02 COMO FUNCIONA Funcionamento das saídas... 03 Funcionamento

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

Manual de Operação REV 2.2 MMD1 Virtual Sistema Inteligente (VSI) VERSÃO 2.7 OPERAÇÃO

Manual de Operação REV 2.2 MMD1 Virtual Sistema Inteligente (VSI) VERSÃO 2.7 OPERAÇÃO Manual de Operação REV 2.2 MMD1 Virtual Sistema Inteligente (VSI) VERSÃO 2.7 OPERAÇÃO Parabéns! Você acaba de adquirir um produto de alta confiabilidade, projetado e construído dentro dos mais rígidos

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA-4

CENTRAL DE ALARME BRISA-4 CENTRAL DE ALARME BRISA-4 PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS -4 zonas mistas programáveis -disca para até 4 telefones -pânico pelo controle remoto -dupla tecnologia hopping code e rolling code em 4,9mhz -indica

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias Urbanismo e Arquitetura Curso de Engenharia Elétrica/Eletrônica JANELA SENSORIAL

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias Urbanismo e Arquitetura Curso de Engenharia Elétrica/Eletrônica JANELA SENSORIAL 1 Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Engenharias Urbanismo e Arquitetura Curso de Engenharia Elétrica/Eletrônica JANELA SENSORIAL BRUNO AUGUSTO CAETANO FERNANDO ALMEIDA SALGADO Relatório do Trabalho

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA 4 PLUS

CENTRAL DE ALARME BRISA 4 PLUS CENTRAL DE ALARME BRISA 4 PLUS Parabéns, Você acaba de adquirir uma central de alarme modelo Brisa 4 Plus produzida no Brasil com a mais alta tecnologia de fabricação. - PAINEL FRONTAL Led REDE: Indica

Leia mais

Entradas Digitais. PdP. Autores: Luís Fernando Patsko e Tiago Lone Nível: Intermediário Criação: 27/12/2005 Última versão: 18/12/2006

Entradas Digitais. PdP. Autores: Luís Fernando Patsko e Tiago Lone Nível: Intermediário Criação: 27/12/2005 Última versão: 18/12/2006 TUTORIAL Entradas Digitais Autores: Luís Fernando Patsko e Tiago Lone Nível: Intermediário Criação: 27/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação

ST 160 ST 160 0 # Manual de Referência e Instalação ST 160 ST 160 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # Manual de Referência e Instalação Descrições 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 0 # 3 2 Número Descrição 1 Indicador de modo 2 Antena 3 Matriz do Teclado 4 Parafuso Especificações

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

LENDO SINAIS. O computador poderá tomar uma ou várias decisões ao mesmo tempo, conforme o dado lido através de sensores específicos.

LENDO SINAIS. O computador poderá tomar uma ou várias decisões ao mesmo tempo, conforme o dado lido através de sensores específicos. LENDO SINAIS Poderemos desenvolver interfaces de diversos tipos, e conectá-las à Porta Paralela para adquirirmos dados do mudo real, onde poderemos processá-los, armazená-los e depois converte-los em informações

Leia mais

PAINEL DE ALARME VERSÃO 01

PAINEL DE ALARME VERSÃO 01 PAINEL DE ALARME VERSÃO 01 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS 8 Zonas duplas programáveis, mais 1 zona por teclado; 4 Teclados endereçáveis com programações independentes; 95 usuários, 3 usuários temporários, além

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

VEÍCULO BV 1. Figura 01 BV 1 construído com material de baixo custo

VEÍCULO BV 1. Figura 01 BV 1 construído com material de baixo custo VEÍCULO BV 1 Resumo Este trabalho apresenta um tutorial ("How To") para a construção de um robô simples controlado por um PC através da porta paralela. A construção deste robô tem como objetivo introduzir

Leia mais

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL

CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CENTRAL DE ALARME BRISA 8 VOZ / BRISA 8 SINAL CARACTERÍSTICAS BÁSICAS 8 Zonas programáveis sendo 4 mistas, ou seja, com fio e sem fio e 4 com fio; 1 senha mestre; 1 senha de usuário; Entrada para teclado

Leia mais

Tutorial de Computação PWM v2010.08

Tutorial de Computação PWM v2010.08 Tutorial de Computação PWM v2010.08 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br 1 Introdução

Leia mais

GT COFRE VIA GSM GT COFRE VIA SATÉLITE ABERTURA E TRAVAMENTO DE PORTAS E COFRES

GT COFRE VIA GSM GT COFRE VIA SATÉLITE ABERTURA E TRAVAMENTO DE PORTAS E COFRES GT COFRE VIA GSM GT COFRE VIA SATÉLITE ABERTURA E TRAVAMENTO DE PORTAS E COFRES O GT COFRE é um equipamento wireless com transmissão via satélite e GSM, que executa a função de recepção e transmissão de

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

Compacta e de fácil programação possuindo:

Compacta e de fácil programação possuindo: '(6&5,d (6*(5$,66/$; Sua central de alarme 6/ ± $;, é microcontrolada, com quatro setores independentes, com fios ou sem fios (dependendo dos opcionais instalados), controle remoto e discador telefônico,

Leia mais

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br

DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO. www.decibel.com.br DECIBEL Indústria e Comércio Ltda RELÉ DE SEGURANÇA D 195 MANUAL DO USUÁRIO www.decibel.com.br ATENÇÃO É de fundamental importância a leitura completa deste manual antes de ser iniciada qualquer atividade

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B

Hamtronix CONTROLE REMOTO DTMF. CRD200 - Manual de Instalação e Operação. Software V 2.0 Hardware Revisão B Hamtronix CRD200 - Manual de Instalação e Operação Software V 2.0 Hardware Revisão B INTRODUÇÃO Índice...01 Suporte On-line...01 Termo de Garantia...01 Em Caso de Problemas (RESET)...01 Descrição do Produto...02

Leia mais

CENTRAL DE ALARME ASD-600 SINAL E VOZ

CENTRAL DE ALARME ASD-600 SINAL E VOZ CENTRAL DE ALARME ASD-6 SINAL E VOZ Parabéns, Você acaba de adquirir uma central de alarme modelo ASD-6 produzida no Brasil com a mais alta tecnologia de fabricação. 1- PAINEL FRONTAL Led REDE: Indica

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

Características. São Paulo: (11) 4063-5544 Campinas: (19) 4062-9211 Campo Grande: (67) 4062-7122 Cuiabá: (65) 4052-9722. MPEBrasil

Características. São Paulo: (11) 4063-5544 Campinas: (19) 4062-9211 Campo Grande: (67) 4062-7122 Cuiabá: (65) 4052-9722. MPEBrasil Características - Único com este conceito no mercado e com preços atraentes; Iluminação frontal, com chave liga/desliga, em quatro opções de cores (azul, verde, vermelho e amarelo); - Possui sistema de

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

AUXILIAR AUXILIAR AUXILIAR. Depende onde o fio cinza estiver ligado, pode abrir porta malas, baixar vidros, fechar retrovisores...

AUXILIAR AUXILIAR AUXILIAR. Depende onde o fio cinza estiver ligado, pode abrir porta malas, baixar vidros, fechar retrovisores... AUXILIAR ** AUXILIAR AUXILIAR ** AUXILIAR por 3 s Ativa a saída auxiliar Depende onde o fio cinza estiver ligado, pode abrir porta malas, baixar vidros, fechar retrovisores...* AUXILIAR ** Quando estiver

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIENCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO ADRIANNO ESNARRIAGA SERENO GUSTAVO HENRIQUE FURLAN HENRIQUE GONÇALVES DE PADUA REIS SMART BLIND

Leia mais

Teclados 624 e 640 Manual do Usuário

Teclados 624 e 640 Manual do Usuário Teclados 624 e 640 624 640 Manual do Usuário Sumário 1. Operação Básica... 2 2. Códigos de Acesso... 4 3. Armando e Desarmando...5 4. Zonas de Pânico... 10 5. Programação com Tecla de Acesso...11 6. Características

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

DIGIPROX SA200 VERSÃO DO MANUAL. 2.1 de 09/09/2014

DIGIPROX SA200 VERSÃO DO MANUAL. 2.1 de 09/09/2014 DIGIPROX SA200 VERSÃO DO MANUAL 6282 2.1 de 09/09/2014 Sumário 1. Apresentação... 4 2. Itens que Acompanham... 4 3. Especificações Técnicas... 4 4. Características Gerais... 5 5. Visão geral do Equipamento...

Leia mais

www.n7tecnologia.com.br e-mail: comercial@n7tecnologia.com.br

www.n7tecnologia.com.br e-mail: comercial@n7tecnologia.com.br SAFECELL INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO Antes da instalação do equipamento, é importante que: 1) Seja verificado se o SIM CARD que será usado está habilitado e permite a realização de chamadas e também o envio

Leia mais

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321

CENTRAL DE ALARME SEM FIO AS-321 CENTRAL DE E SEM FIO AS- CARACTERÍSTICAS DO APARELHO - Central de alarme sem fio com setor misto ( com e/ou sem fio ); - Caixa plástica com alojamento para bateria selada de 7 A/H; - Carregador de bateria

Leia mais

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA

TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA TECNOLOGIA EM SEGURANÇA SOLUÇÕES EM ELETRÔNICA 3. CARACTERÍSTICAS 3.1 Central de alarme microprocessada com 4 setores expansível para 8 ou 12 setores; 3.2 Acompanha dois transmissores (mod. TSN); 3.3 Acionamento

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Sistema de Alarme Sem Fios por GSM

Sistema de Alarme Sem Fios por GSM Sistema de Alarme Sem Fios por GSM MANUAL DE INSTRUÇÕES v1.1 Sistema de Alarme Sem Fios por GSM - MANUAL DE INSTRUÇÕES 1 ÍNDICE 1. Introdução e Descrição 3 2. Características 5 3. Especificações Técnicas

Leia mais

Módulo de Acesso com Teclado 1. Manual do Usuário. Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações

Módulo de Acesso com Teclado 1. Manual do Usuário. Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações Módulo de Acesso com Teclado 1 Manual do Usuário Apresentação Instalação Codificação dos Receptores Programações Operações 2 Manual do Usuário Módulo de Acesso com Teclado 3 ÍNDICE CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO...07

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO CENTRAL INTELBRÁS

GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO CENTRAL INTELBRÁS Especificações técnicas GUIA RÁPIDO DE PROGRAMAÇÃO CENTRAL INTELBRÁS Características Alimentação AC 90 a 265 V Suporte a 2 chips (cartões SIM) de celular (somente AMT 2018 EG). Alimentação DC Bateria de

Leia mais

Controle remoto por Bluetooth

Controle remoto por Bluetooth Controle remoto por Bluetooth Introdução Esse tutorial tem como objetivo, facilitar a montagem do controle e drive de potência voltado a modalidades que necessitam de controle remoto, seja robô sumo de

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A CRIAÇÃO DE PLACA IHL (INTERFACE DE HARDWARE LIVRE) ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 1º SEMESTRE

RELATÓRIO SOBRE A CRIAÇÃO DE PLACA IHL (INTERFACE DE HARDWARE LIVRE) ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 1º SEMESTRE RELATÓRIO SOBRE A CRIAÇÃO DE PLACA IHL (INTERFACE DE HARDWARE LIVRE) ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO 1º SEMESTRE Albert Cruz Loyanne Lemos Matheus Carvalho Pricilla Brandão Salvador Dezembro - 2010 Albert Cruz,

Leia mais

SENHA LIGHT VERSÃO DO MANUAL

SENHA LIGHT VERSÃO DO MANUAL SENHA LIGHT VERSÃO DO MANUAL 1.2. de 05/02/2013 7767 2 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Itens que Acompanham... 5 3. Especificações Técnicas... 5 4. Características Gerais... 6 5. Visão geral do Equipamento...

Leia mais

Global Security Network GSN Brasil. 1

Global Security Network GSN Brasil. 1 Global Security Network GSN Brasil. 1 Operação Básica O teclado Spectra 1689 e o Teclado 1641 (cristal liquido) funcionam da mesma maneira, Mas não oferecem a mesma visualização. Nesta seção veremos suas

Leia mais

DESCRIÇÕES GERAIS SL A X 4 - MT

DESCRIÇÕES GERAIS SL A X 4 - MT DESCRIÇÕES GERAIS SL A X 4 - MT Sua central de alarme SL AX4 - MT, é microcontrolada, com quatro setores independentes, com fios ou sem fios (dependendo dos opcionais instalados), com opções monitoráveis

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Gás Multigás (GLP / GN / Gás de Carvão / Álcool) + Módulo Endereçável Código: AFDG2-E O Detector de Gás, código AFDG2 é um equipamento que deve ser instalado na parede de cozinhas,

Leia mais

http://www.nibtec.com.br Manual do Usuário NibProx Light

http://www.nibtec.com.br Manual do Usuário NibProx Light http:// Manual do Usuário NibProx Light INTRODUÇÃO Independente do porte de sua empresa, residência ou condomínio, os controladores de acesso NibAccess atendem na medida certa. Compactos e com design arrojado,

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e Uso

Manual de Instalação, Configuração e Uso Manual de Instalação, Configuração e Uso Classic RDM8-AC RDM8-DC 127 V e 220 V 2008 Índice 1 Manual de Utilização... 2 1.1 Apresentação do Painel e identificação das teclas... 2 1.2 Modos de operação do

Leia mais

R2M CARACTERÍSTICAS. Aplicação - Usada como central de alarme residencial, comercial ou industrial. APRESENTAÇÃO DA PLACA. Buzzer. Placa de RF Antena

R2M CARACTERÍSTICAS. Aplicação - Usada como central de alarme residencial, comercial ou industrial. APRESENTAÇÃO DA PLACA. Buzzer. Placa de RF Antena 38 R2M CENTRAL DE ALARME 2 SETORES MICROPROCESSADA Aplicação - Usada como central de alarme residencial, comercial ou industrial. APRESENTAÇÃO DA PLACA Led - setor 2 Buzzer Placa de RF Antena Led - setor

Leia mais

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia.

Prime IHC. Intelligent Home Control. Automação residencial com estilo, segurança e economia de energia. Intelligent Home Control com estilo, segurança e economia de energia. Projetos inteligentes exigem um sistema de automação completo. Funcionamento do sistema. O funciona com entradas e saídas, controlando

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário

Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas. CANespecial 1 SCA06. Manual do Usuário Motores I Automação I Energia I Transmissão & Distribuição I Tintas CANespecial 1 SCA06 Manual do Usuário Manual do Usuário CANespecial 1 Série: SCA06 Idioma: Português N º do Documento: 10002922105 /

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

Central de Alarme de Oito Zonas

Central de Alarme de Oito Zonas Central de Alarme de Oito Zonas R02 ÍNDICE CARACTERÍSTICAS GERAIS:... 3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS:... 3 CONHECENDO A CENTRAL:... 4 COMO A CENTRAL FUNCIONA:... 4 COMO APAGAR A MEMÓRIA DA CENTRAL:... 4 COMO

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...8 2 APRESENTAÇÃO: O SS300 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações

1 Introdução. 2 REDES sem fio de comunicações 1 Introdução Neste manual serão apresentados os procedimentos de instalação e configuração do sistema de detecção e prevenção de incêndio GALBA V251, além de dicas que certamente agilizarão os trabalhos

Leia mais

DIGIPROX SA202 VERSÃO DO MANUAL

DIGIPROX SA202 VERSÃO DO MANUAL DIGIPROX SA202 VERSÃO DO MANUAL 1.0 de 01/04/02013 8672 2 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Itens que Acompanham... 5 3. Especificações Técnicas... 5 4. Características Gerais... 6 5. Visão Geral do Equipamento...

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL

MANUAL DO PRODUTO MANUAL DO PRODUTO MODELO DFOL DETECTOR DE FUMAÇA ÓTICO LINEAR MODELO DFOL PARA MÉDIOS E GRANDES SISTEMAS IDEAL PARA GALPÕES ALCANCE DE 20 A 100 METROS ÁREA DE COBERTURA MÁXIMA 14x100M² ECONOMIA NA INSTALAÇÃO EM GRANDES ÁREAS ONDE SE

Leia mais

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico Desenvolvimento Software CLP - Básico Lista de exercícios utilizados nas vídeo aulas e manual de referência das instruções utilizadas em cada aula. Setor de capacitação técnica Branqs Automação Santos

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Exclusivo sistema de hibernação quando o equipamento encontra-se sem energia vinda da rede elétrica, o

Leia mais

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre ACENDENDO AS LUZES Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre Projeto 1 LED piscante Neste capitulo, todos os projetos utilizam luzes LED s de diversas formas. Em relação ao hardware,

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais: 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais (opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Os dados são gravados em um cartucho USB. Este modo de gravação oferece total proteção contra a perda

Leia mais

A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D

A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D COMPATEC A L A R M E S P A R A S U A S E G U R A N Ç A MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA AP2/AP2D ÍNDICE Apresentação...3 Conheçendo a central...3 Características Gerais...4

Leia mais

AP4/AP4D CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compatec Sistemas Eletrônicos Ltda Indústria Brasileira www.compatec.com.

AP4/AP4D CENTRAL DE ALARME PARTICIONADA MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO. Compatec Sistemas Eletrônicos Ltda Indústria Brasileira www.compatec.com. SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE COMPATEC ALARMES PARA SUA SEGURANÇA MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO suporte@compatec.com.br fone:(54)4009 4711 Compatec Sistemas Eletrônicos Ltda Indústria Brasileira

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

MANUAL SENHA DIGITAL SUMÁRIO:

MANUAL SENHA DIGITAL SUMÁRIO: SUMÁRIO: APRESENTAÇÃO... 02 1- RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES... 02 2- DESEMBALANDO O CONTROLE DE ACESSO... 02 3- ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 02 4- COMO INSTALAR... 03 5- EXEMPLO DE POSICIONAMENTO DO CONTROLE

Leia mais

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo:

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: UNIDADE 1: CONFIGURAÇÃO O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: Pc12.lnk, ao ser clicado, Para iniciar um projeto, utilize a barra de ferramentas abaixo: Clique

Leia mais

Manual de Instruções do Senha Light

Manual de Instruções do Senha Light Manual de Instruções do Senha Light 2 Sumário 1. Apresentação... 4 2. Especificações Técnicas... 4 3. Configuração do Sistema... 5 4. Esquema de Ligação... 5 4.1. Ligação da Fechadura Eletroímã... 6 4.1.1.

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

INFORMATIVO MONITUS REV. 1 20/01/03. 8 Setores Programáveis. Os setores podem ser: Entrada para receptores de RF ou chave com mola:

INFORMATIVO MONITUS REV. 1 20/01/03. 8 Setores Programáveis. Os setores podem ser: Entrada para receptores de RF ou chave com mola: INTRODUÇÃO A MONITUS 8 A Monitus 8 é um painel de alarme monitorado projetado para atender às necessidades de residências, comercio, indústria, etc. Pode ser programado localmente através de teclados,

Leia mais

Apresentação do sistema de alarme instale fácil Vetti... 01. Instalação e Funções Central VS-250... 02. Controle Remoto (VS-250)...

Apresentação do sistema de alarme instale fácil Vetti... 01. Instalação e Funções Central VS-250... 02. Controle Remoto (VS-250)... MANUAL VS-250 ÍNDICE Tecnologia e soluções para você Apresentação do sistema de alarme instale fácil Vetti... 01 CENTRAL VS-250 Instalação e Funções Central VS-250... 02 Controle Remoto (VS-250)... 02

Leia mais

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08

A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 As imagens deste manual são meramente ilustrativas. A empresa se reserva no direito de fazer alterações sem prévio aviso. Produto produzido por Eletroppar - CNPJ. 02.748.434/0001-08 P27130 - Rev. 1 1 Índice

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DSC - Manual Prático de Operação

CENTRAL DE ALARME DSC - Manual Prático de Operação MANUAL DO USUÁRIO INDICE 1.0 - Descrição Geral do Sistema............ 3 2.0 - Teclado............... 4 3.0 - Código Principal............... 4 4.0 - Ligando o Sistema............ 5 4.1 - LED Inibição............

Leia mais

Sumário. Aviso. Para evitar risco de incêndio ou choque elétrico, não exponha este PRODUTO à chuva ou à umidade.

Sumário. Aviso. Para evitar risco de incêndio ou choque elétrico, não exponha este PRODUTO à chuva ou à umidade. Sumário Este símbolo destina-se a alertar o usuário quanto à presença de tensão perigosa não isolada dentro do gabinete do produto, a qual pode ser de magnitude suficiente para constituir risco de choque

Leia mais

É um conjunto de medidas, capazes de gerar um estado, no qual os interesses vitais de uma empresa estejam livres de interferências e perturbações

É um conjunto de medidas, capazes de gerar um estado, no qual os interesses vitais de uma empresa estejam livres de interferências e perturbações PRINCÍPIOS BÁSICOS E FUNDAMENTAIS DE SEGURANÇA PATRIMONIAL Conceitos: Segurança: E uma sensação na qual a pessoa ou empresa emprega recursos humanos capacitados agregando a isso o uso de equipamentos específicos

Leia mais

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO Jessica Garcia Luz, Wyllian Fressatti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil jessica.garcia.luz@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

DISCADORA PHONE CELL

DISCADORA PHONE CELL DISCADORA PHONE CELL - Caro Usuário A interface celular Phone Cell foi desenvolvida com o objetivo de unir segurança e conectividade em um só aparelho. O produto realiza e recebe ligações telefônicas através

Leia mais

Connect-i Manual do Usuário - Português

Connect-i Manual do Usuário - Português Connect-i Manual do Usuário - Português Connect-i Manual do Usuário Contronics Automação Ltda. Rua Tenente Silveira, 225 Ed. Hércules - 10 andar Centro - Florianópolis - SC, 88010-300 Brasil Fone: (48)

Leia mais

DIGIPROX VERSÃO DO MANUAL

DIGIPROX VERSÃO DO MANUAL DIGIPROX VERSÃO DO MANUAL 1.1 de 22/02/2013 6282 2 Sumário 1. Apresentação... 5 2. Itens que Acompanham... 5 3. Especificações Técnicas... 5 4. Características Gerais... 6 5. Visão geral do Equipamento...

Leia mais

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade

Copyright. Isenção e limitação de responsabilidade Manual do SMS Copyright 1998-2002 Palm, Inc. Todos os direitos reservados. Graffiti, HotSync, o logotipo da Palm e Palm OS são marcas registradas da Palm, Inc. O logotipo de HotSync e Palm são marcas comerciais

Leia mais

SC-06 Controle de Acesso Stand-Alone Proximidade + Teclado. Manual de Instalação e Usuário

SC-06 Controle de Acesso Stand-Alone Proximidade + Teclado. Manual de Instalação e Usuário SC-06 Controle de Acesso Stand-Alone Proximidade + Teclado Manual de Instalação e Usuário 1. Introdução O SC-06 não é apenas um controlador comum integrando leitor de proximidade e teclado, mas sim um

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D

MANUAL DO USUÁRIO CENTRAL MC 4D 12 Manual do Usuário Intrusos podem entrar em zonas sem proteção, ou ter sofisticação para isolar um sensor ou desconectar dispositivos de aviso de alarme; Central, detectores, sensores só funcionam quando

Leia mais

Manual. Autonomus MANUAL DO INSTALADOR AUTONOMUS

Manual. Autonomus MANUAL DO INSTALADOR AUTONOMUS Manual Autonomus 1. Apresentação: A interface celular Pináculo AUTONOMUS dispõe de uma entrada para a conexão de linha telefônica convencional. Por utilizar um módulo celular GSM, ela dispensa o uso de

Leia mais