Redes de Computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Redes de Computadores"

Transcrição

1 Redes de Computadores Integração de Serviços na Internet por Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação PUC-RS 1

2 Sumário Integração de Serviços Terminologia, Aplicações, Requisitos Abordagens para suporte a integração de serviços B-ISDN: ATM IETF: Integrated Services Architecture Arquitetura tradicional da Internet - Problemas Arquitetura expandida da Internet Iniciativas Protocolos de suporte a qualidade RTP/RTCP; RSVP Protocolos de suporte a sessões com dados contínuos SIP; RTSP Redes de Computadores 3 Integração de Serviços Terminologia serviço: serviço de comunicação - telefonia, tv, rádio, fax, dados ( , ftp, ) integração de serviços: utilização de mesma infra-estrutura para suportar vários tipos de serviços de comunicação multimídia: várias mídias e.g.: texto + figuras; figuras + áudio; áudio + vídeo; 2 vídeos;... Redes de Computadores 4 2

3 Integração de Serviços Terminologia mídia discreta: independente do tempo mídia contínua: tempo faz parte da semântica da sua apresentação e.g.: vídeo: seqüência de quadros com ordem e duração definida tempo real existem requisitos temporais quanto ao tráfego de dados. e.g.: vazão, atraso, variação do atraso sua não observação pode significar falha da aplicação Redes de Computadores 5 Integração de Serviços Terminologia tráfego tempo-real pode ou não ser multimídia, e.g.: controle de usina nuclear (sinais lidos de sensores) controle de produção - fábricas sistemas de controle de tráfego Redes de Computadores 6 3

4 Integração de Serviços Terminologia tráfego multimídia pode ou não ser tempo real, e.g.: páginas WWW (texto+figuras+áudio+animações+ ) - primeiro traz informação como dado qualquer, depois exibe download de filme, música Redes de Computadores 7 Integração de Serviços Terminologia tráfego multimídia e tempo real reprodução durante tráfego: requisitos temporais com relação ao tráfego comunicação unidirecional: transmissão de rádio comunicação interativa: conferência de áudio/vídeo também chamados serviços diferenciados Redes de Computadores 8 4

5 Integração de Serviços Aplicações básicas mídia sob demanda e.g.: servidores de áudio / vídeo dados volumosos, equipamento terminal simples, resposta rápida ao usuário (início da mídia) >> reprodução dos dados enquanto o tráfego dos dados acontece Servidor requisitos: de Mídia largura de banda e baixa variância de atraso atraso não é crítico Redes de Computadores 9 Integração de Serviços Aplicações básicas difusão de mídia e.g.: serviços análogos a TV e rádio requisitos semelhantes a mídia sob demanda emprego de transmissão multicast (Mbone - Multicast Backbone) 1 ---> muitos Fonte Geradora Redes de Computadores 10 5

6 Integração de Serviços Aplicações básicas interativas: conferências atraso deve ser baixo conferências de áudio / telefonia não exige muita largura de banda 56 a 64 Kbps sem compressão conferências de vídeo largura de banda considerável Redes de Computadores 11 Integração de Serviços Áreas de aplicação difusão: tv, rádio telefonia mail multimídia hipermídia trabalho cooperativo suportado por computador (CSCW) editoração conjunta de documentos; reuniões a distância; ensino a distância; etc. comércio eletrônico Redes de Computadores 12 6

7 Integração de Serviços Caracterização / requisitos Tráfego Vazão média dos dados Tolerância a Atraso máximo e Redes MPEG de Computadores - Motion Picture Experts Group 13 erros variação de atraso Texto Rajada Poucos bps até alguns Não tolerável Não constituem mbps problemas Imagem Rajada Pode chegar a dezenas de Compromete a Não constituem gráfica mbps imagem final problemas Áudio Vídeo Tráfego contínuo com taxa Depende da qualidade do Pode ser alta, Crítico em aplicações constante. Introduzindo sinal, da compactação ou não causando que exigem silêncio: tráfego em rajadas. Se compressão utilizada. problemas comunicação interativa utilizar técnicas de CD: samples/seg (taxa compactação e compressão: de amostragem), 16 bits cada tráfego com taxa variável. 705,6 Kbps mono Mbps stereo Compactado com MPEG 96 a 128 Kbps Tráfego contínuo com taxa Varia com a qualidade do Tolerável constante. Introduzido técnicas sinal e os algoritmos de de compactação e compressão compactação, codificação se caracteriza por um tráfego e compressão utilizados. com taxas variáveis XGA: 1024 x 768, 24 bits/pixel 25 frames/seg 472Mbps Compactado com MPEG 3 a 10 Mbps dependendo da qualidade escolhida Crítico em aplicações que exigem comunicação interativa Integração de Serviços Garantia de qualidade reserva de recursos no caminho dos dados Redes de Computadores 14 7

8 Integração de Serviços Abordagens para suporte Integrated Services Digital Networks Broadband-ISDN: ATM IETF (Internet Engineering Task Force) Integrated Services Architecture Redes de Computadores 15 ATM Nível de rede orientado a conexão: estabelece um caminho para os dados tráfego segue sempre mesmo caminho reserva de recursos pode acontecer junto com o estabelecimento do caminho >> protocolo de sinalização serve para abertura de conexão e reserva de recursos simultaneamente Redes de Computadores 16 8

9 ATM células do mesmo canal virtual são chaveadas conforme o caminho estabelecido e reservado para a conexão SWITCH SWITCH SWITCH SWITCH SWITCH SWITCH SWITCH EqTerm EqTerm Redes de Computadores 17 ATM Possibilita especificar níveis de largura de banda atraso variação do atraso Redes de Computadores 18 9

10 ATM ATM resolve? Todas redes teriam que ser ATM: EqTerm ATM ATM ATM ATM ATM EqTerm EqTerm Realidade Ethernet FDDI ATM Satelite Token-ring EqTerm Redes de Computadores 19 ATM ATM resolve? Aplicações tem que ser portadas para ATM Não é apropriada para aplicações 1 -> muitos, como difusão >> ATM é parte da solução Redes de Computadores 20 10

11 Internet Internet: inter-redes define arquitetura independente de tecnologia de transmissão protocolo de rede (IP) isola características das camadas inferiores Redes de Computadores 21 Internet ATM Redes de Computadores 22 11

12 Internet Protocolo IP: chave da interoperabilidade da Internet simples não orientado a conexão Redes de Computadores 23 Internet Protocolo IP: o roteamento de cada pacote é calculado independentemente pacotes pertencentes ao mesmo fluxo podem ser roteados por caminhos diferentes Redes de Computadores 24 12

13 Internet IPv4: Service Type ou TOS: Type of service Precedência (3 bits): 0 a 7 indica importância do datagrama informação de controle sobre dados (ex.: controle de congestionamento) bit D: indica baixo atraso bit T: alto throughput bit R: maior confiabilidade dicas para os algoritmos de roteamento escolha dos links físicos disponíveis a rede não garante o tipo de serviço pedido raramente suportado Redes de Computadores 25 Internet R R R R EqTerm R R EqTerm como reservar recursos para dar garantias de qualidade? R Redes de Computadores 26 13

14 Internet Razões do TCP: protocolo IP pacotes podem seguir por diferentes caminhos: não garante ordenação dos pacotes roteadores podem estar congestionados e descartar pacotes: não garante entrega dos pacotes Redes de Computadores 27 Internet Problemas de TCP garante chegada baseado em retransmissões - atraso aplicações tempo real normalmente toleram melhor a falta de dados do que seu atraso excessivo retransmissões perdem sentido introduzem overhead Redes de Computadores 28 14

15 Internet Problemas de TCP ordena os dados, mas não preserva a relação temporal entre fonte e destino aplicações tempo real normalmente podem lidar com dados desordenados ordenação dos dados perde sentido novos requisitos aos protocolos de transporte Redes de Computadores 29 Alguns Esforços na Internet IETF - Internet Engineering Task Force Grupo Int-serv: concepção da arquitetura Internet para suporte a integração de serviços Grupo RSVP: Resource Reservation concepção de um esquema para reserva de recursos na internet Grupo IETF MMUSIC: Multiparty Multimidia Session Control desenvolvimento do SIP - protocolo para controle de sessões multiponto (conferências) - serve para telefonia na internet Redes de Computadores 30 15

16 Arquitetura estendida da Internet Suporte a Integração de Serviços Redes de Computadores 31 Restante da Apresentação IPv6 - contribuição para qualidade Reserva de recursos: RSVP Protocolos de transporte para tempo real: RTP Protocolos voltados a aplicações: RTSP e SIP Redes de Computadores 32 16

17 IPv6 Redes de Computadores 33 IPv6 Resolver problemas existentes no IPv4 espaço de endereçamento tamanho das tabelas de roteamento segurança Adequar as novas tecnologia de redes Tratar voz e vídeo - maior importância ao tipo de serviço Redes de Computadores 34 17

18 IPv6 Qualidade: flow labels usado para distinguir pacotes que devem receber o mesmo tratamento todos pacotes tem mesmo destino e devem conter as mesmas opções para os roteadores no caminho cabeçalho hop-by-hop (até agora tamanho do pacote) cabeçalho de extensão de roteamento ao receber um pacote com flow especificado, roteador pode consultar tabela de flows e saber o caminho por onde enviar o pacote caching Redes de Computadores 35 Qualidade no IPv6 flow labels estabelecer o identificador do flow e determinar seu tempo de validade é responsabilidade de outros protocolos, e não do IPv6 ex.: Resource reservation Protocolo (RSVP) Redes de Computadores 36 18

19 RSVP - Resource reservation Protocol Redes de Computadores 37 RSVP Reserva de recursos - razões Serviço best-effort não garante entrega dos dados não garante ordenação dos dados não garante valores de vazão e latência aplicações com tráfego tempo real algumas podem usar este serviço reordenando dados (uso de RTP) aceitando algumas perdas outras aplicações precisam mais que isto Redes de Computadores 38 19

20 RSVP Reserva de recursos - razões outras aplicações precisam mais que serviço best-effort para atingir garantias >> necessário reservar recursos da rede para cada aplicação RSVP: suporta um serviço de reserva define como aplicações podem pedir e liberar reservas Redes de Computadores 39 RSVP EqTerm EqTerm Vídeo em tempo real a 12 Mbit/s Rede 20 Mbit/s Transferencia de arquivo Sem reserva: compartilhamento temporária de 13 igualitário Mbit/s EqTerm EqTerm alocação de 10 Mbit/s para vídeo 10 Mbit/s para a transferência de arquivo resultado: vídeo prejudicado, arquivo poderia ter pequeno atraso a mais Redes de Computadores 40 20

21 RSVP Roteadores poderiam fazer a reserva de recursos apropriada para o caso no entanto eles não sabem qual é a reserva necessária para cada fluxo Com RSVP Aplicações pré-informam suas necessidades Vídeo informa necessidade de 12 Mbit/s Roteadores limitam pico de tráfego de transferência de arquivo a 8 Mbit/s rede pode negar a reserva (recursos ñ disp) Redes de Computadores 41 RSVP Funcionamento do protocolo noções básicas: fluxos e reservas fluxo é uma conjunto de pacotes carregando dados contínuos de uma mesma mídia datagramas pertencentes a um mesmo fluxo devem ter o mesmo tipo de tratamento fluxos são identificados por combinações de endereços fonte e destino e do flow label de cabeçalho IPv6 Redes de Computadores 42 21

22 RSVP Funcionamento do protocolo noções básicas: fluxos e reservas reservas são feitas para fluxos RSVP identifica a qualidade de serviço que um fluxo necessita flowspec campo opaco - o protocolo RSVP não processa hosts e roteadores analisam o flowspec e verificam se podem suportar a reserva fluxos unicast e multicast são suportados mesmo serviço Redes de Computadores 43 RSVP Funcionamento do protocolo noções básicas: fluxos e reservas reservas são iniciadas pelos receptores ao contrário da maioria de protocolos de reserva melhor tratamento de fluxos multicast como o receptor sabe do fluxo para poder reservar? espera-se que seja resolvido pela aplicação: anúncio prévio de fluxo anúncio periódico durante o tempo de vida do fluxo ambos (anúncios não necessitam reserva de recursos) Redes de Computadores 44 22

23 RSVP Funcionamento do protocolo como saber o caminho descrito pelo fluxo? Cliente de difusão de vídeo sabe a fonte da difusão mas não sabe o caminho descrito pelo fluxo? caminho de ida pode ser diferente do caminho de volta caminho pode variar EqTerm Rede Rede Rede Rede EqTerm Redes de Computadores 45 RSVP Funcionamento do protocolo mensagens Path geradas pelo originador do fluxo para o mesmo endereço destino do fluxo trafegam na mesma direção do fluxo de dados e descrevem mesmo caminho EqTerm Rede Rede Rede Rede EqTerm Redes de Computadores 46 23

24 RSVP Funcionamento do protocolo mensagens Path ao passar pelos roteadores grava na mensagem os roteadores do caminho identifica o fluxo para o roteador avisa a possibilidade de reserva cada roteador olha na mensagem e guarda o roteador anterior para aquele fluxo: se roteador pedir reserva do fluxo, sabe o anterior do caminho para mandar a reserva adiante (em direção à fonte) Redes de Computadores 47 RSVP Funcionamento do protocolo mensagens Path função básica: gravar o caminho podem servir também para descrever o fluxo para seus receptores se descrição for complexa: realizar separado senão (apenas alguns bytes são suficientes): mensagens path podem ser usadas Redes de Computadores 48 24

25 RSVP Funcionamento do protocolo mensagens Reservation mandada no caminho obtido via mensagem path pede para reservar recursos para um fluxo Rede EqTerm Rede Rede EqTerm Rede PATH PATH PATH Fonte DATA DATA DATA Destino RESV Redes de Computadores 49 RESV RESV RSVP Redes dinâmicas falhas nos roteadores soft-state recursos são mantidos enquanto pedidos de reserva forem mandados regularmente fonte sempre manda path messages se rede mudar: e.g. link fica ativo / inativo mensagens path subsequentes atualizam caminho reservas passam a acontecer no caminho novo antigas reservas caem por não confirmação Redes de Computadores 50 25

26 RSVP Cenários multicast RSVP voltado a cenários com muitos destinatários serviços de difusão: rádio, tv conferências escalabilidade? Habilidade para suportar número grande de usuários Redes de Computadores 51 RSVP Cenários multicast baseia-se em suporte existente para formar grupos IGMP, MOSPF, Mrouters, etc. merge de reservas realizados pelos roteadores no caminho só precisa reservar o necessário para chegar à porção já reservada da multicast tree com aumento do número de participantes, diminui a possibilidade de que entrada de mais um afete o fonte Redes de Computadores 52 26

27 RSVP Cenários multicast merge de reservas Modificação eventual Ramo reservado Merge de reservas Ramo não reservado Redes de Computadores 53 RSVP Cenários multicast merge de reservas depende do roteador normalmente combina os melhores valores de vazão, atraso, e variância de atraso e pede reserva para o anterior Ramo reservado Merge de reservas Ramo não reservado Redes de Computadores 54 27

28 RSVP E conferências? Redes de Computadores 55 RSVP E conferências? Redes de Computadores 56 28

29 RSVP E conferências? Redes de Computadores 57 RSVP Estilos de Reservas Fixed Filter: para um fluxo particular Shared Explicit: reserva para vários fluxos especificados - os fluxos compartilham os recursos reservados Wildcard Filter: reserva recursos para um tipo de fluxo, todos fluxos deste tipo compartilham os recursos Redes de Computadores 58 29

30 RSVP Estilos de Reservas Exemplos: conferências de áudio: normalmente nem todos falam ao mesmo tempo - não há necessidade de reserva fixa para cada fluxo. Shared Explicit ou Wildcard Filter podem ser usadas Redes de Computadores 59 RSVP Impossibilidade de Reserva várias razões de erro: admission failure limite de atraso não pode ser garantido largura de banda requisitada não existe serviço conflitante (?) serviço não suportado (?) especificação de fluxo errada período máximo de refresh muito pequeno Redes de Computadores 60 30

31 RSVP Mensagens do protocolo trafegam sobre IP IP next header = 46 pode ser sobre UDP (mais usado se IPv4) Redes de Computadores 61 RSVP IP Header Version Flags RSVP type More Fragments Checksum Msg Length Reserved Message Identifier Reserved Fragment Offset Body of RSVP Message Redes de Computadores 62 31

32 RSVP Mensagens do protocolo versão = 2 flags - extensões tipo: 1 path, 2 reservation, 3 error para path message 4 error para reservation message 5 path teardown 6 reservation teardown Redes de Computadores 63 RSVP Mensagens do protocolo últimos 3 campos: para fragmentação da mensagem message identifier: = para cada fragmento da original restante do corpo da mensagem: conjunto de objetos cada objeto tem mesmo formato básico Redes de Computadores 64 32

33 RSVP Mensagens do protocolo objetos tem mesmo formato básico Object Length ClassNum Object Contents ClassType Redes de Computadores 65 RSVP Mensagens do protocolo objetos: 0 null 1 session 3 rsvp_hop 4 integrity 5 time_values 6 error_spec 7 scope 8 style Redes de Computadores 66 33

34 RSVP Mensagens do protocolo objetos: flowspec filter_spec sender_template sender_tspec adspec policy_data tag Redes de Computadores 67 RSVP Mensagens do protocolo Path messages: destination previous hop frequencia de refresh flow outros opcionais Redes de Computadores 68 34

35 RSVP Mensagens do protocolo Reservation requests podem ser complicados session: endereço destino rsvp_hop: último sistema a manipular o pedido de reserva time_values: frequencia de refresh style: tipo da reserva flowspec: especificação do fluxo Redes de Computadores 69 RSVP Mensagens do protocolo Erros Path error session sender_template error_spec Reservation error session style flowspec filter_spec error_spec Redes de Computadores 70 35

36 RSVP Redes de Computadores 71 Real Time Protocol (RTP) 36

37 RTP Lembrando... Protocolo TCP: entrega garantida com retransmissões perde o sentido entrega ordenada, porém sem preservar a relação temporal da fonte novos requisitos a protocolos de transporte para tráfego tempo real Redes de Computadores 73 RTP Aplication layer framing (ALF) D.D.Clark e D.L.Tennenhouse. Sigcomm, IEEE propõe a troca de protocolos como TCP por um framework que aplicações podem utilizar diretamente reduz overhead de processamento: camadas de protocolos normalmente utilizam comunicação entre processos (IPC) aplicações podem diretamente utilizar chamadas de bibliotecas (ALF) - melhor performance Redes de Computadores 74 37

38 RTP RTP uma parte do application layer framing (ALF) não especifica de fato um protocolo completo define regras básicas operações formato de mensagens aplicações específicas partem destas definições e adicionam, formando um protocolo Redes de Computadores 75 RTP Protocolos de controle: usina nuclear; produção - chão de fábrica; sistemas de tráfego;... Dados multimídia: Chamada a libs X RTP UDP IP REDE áudio; vídeo; combinações... IPC Redes de Computadores 76 38

39 RTP RTP exemplo formatos de codificação MPEG, JPEG, H.621 RTP é um framework viável a todos Chamada a libs MPEG JPEG RTP UDP IP REDE H.621 IPC Redes de Computadores 77 RTP Relação temporal das mensagens rede não preserva esta relação reconstrução: timestamps fonte marca mensagem com timestamp relativo receptor pode reproduzir dados no mesmo tempo relativo quase toda aplicação tempo real necessita timestamps - faz parte do RTP aplicações com requisitos mais sofisticados devem modelar isto como parte da sua comunicação Redes de Computadores 78 39

40 RTP Operação Multicast RTP é voltado a conferências muitos participantes - multicast participantes de uma conferência pertencem a um grupo multicast Redes de Computadores 79 RTP Translators e Mixers além de originadores e receptores: translators e mixers não são obrigatórios residem no caminho dos dados processam pacotes RTP Redes de Computadores 80 40

41 RTP Translators traduzem de um formato de dados para outro exemplo: transformar qualidade dos dados de forma a transmitir por canais de baixa largura de banda mais simples que mixers economia de recursos usuários com rede de acesso estreita podem se tornar participantes Redes de Computadores 81 RTP Mixers combinam múltiplos streams de dados em um, preservando a informação particularmente efetivo para áudio combinação dos dados enquanto tráfego na rede tem quase mesmo efeito para o ouvido humano que reprodução simultânea de várias fontes de áudio economia de recursos usuários com rede de acesso estreita podem se tornar participantes Redes de Computadores 82 41

42 RTP Tráfego RTP freqüentemente usado sobre UDP mas pode ser com outros protocolos de transporte tráfego RTP não tem porta específica - várias aplicações podem usar RTP porta 5004 é uma porta default reservada para RTP se a aplicação não tiver outra porta disponível sempre uso de porta par valor da porta + 1 = porta para tráfego RTCP associado Redes de Computadores 83 RTP Formato das mensagens mesmo formato para todas mensagens header compacto- baixo overhead aplicações tempo real (multimídia) tendem a ser volumosas acréscimo de cabeçalho pode ser significativo Redes de Computadores 84 42

43 RTP Formato das mensagens IP Header UDP Header Version Padding Extension Contributor Count Marker Payload type Sequence Number Timestamp Synchronization Source Identifier (first) Contributing Source Identifier... (last) Contributing Source Identifier Application Data Redes de Computadores 85 RTP Formato das mensagens versão: corrente é 2 padding: informa se houve enchimento - se ligado o último byte de dados informa quantos bytes de enchimento foram adicionados (completar múltiplos de 4 bytes) extension: ligado se existe um cabeçalho de extensão - ainda não foram definidos Redes de Computadores 86 43

44 RTP Formato das mensagens contributor count diz quantos identificadores de fonte a mensagem tem máximo de 15 fontes se mixer tem que combinar mais fontes, somente 15 serão identificadas marker disponível para aplicações sinalizarem o que desejar normalmente usado para identificar limites nos seus dados Redes de Computadores 87 RTP Formato das mensagens payload type 0 a 15: áudio O: PCMU 1: : G721 3: GSM 4: unassigned 5: DVI4 (8KHz) 6: DVI4 (16 KHz)... Redes de Computadores 88 44

45 RTP Formato das mensagens payload type 16 a 22: unassigned áudio; 23 a 33: vídeo a 71: unassigned vídeo 72 a 76: reservado 77 a 95: unassigned 96 a 127 dynamic Redes de Computadores 89 RTP Formato das mensagens Synchronization source identifier (SSRC) identifica o original enviador da mensagem i.e., o sistema que definiu o timestamp e número de seqüência dos dados tomado randomicamente pelos enviadores resolução de conflito de identificadores translators preservam esta informaçao mixers: coloca seu identificador como o SSRC fontes originais tornam-se Contributing source (CSRC) Redes de Computadores 90 45

46 RTP Controle necessidade de reports funções em um protocolo separado: Real Time Control Protocol (RTCP) RTP: só dados Redes de Computadores 91 RTCP Tipos de mensagens 200: Sender Report 201: Receiver Report 202: Source Description 203: Bye 204: Application Specific Redes de Computadores 92 46

47 RTCP Sender Report enviados periodicamente por fontes de dados outros participantes sabem o que deveriam ter recebido deste fonte versão: 2 padding número de blocos de receptores tamanho do pacote em bytes Redes de Computadores 93 RTCP Sender Report SSRC identifier do enviador NTP timestamp tempo absoluto segundo Network Time Protocol nro de segundos desde 1/1/1900 RTP timestamp: permite ordenação dos reports em relação aos pacotes de dados do RTP Redes de Computadores 94 47

48 RTCP Sender Report número de pacotes enviados por este originador número de bytes enviados por este originador próximos blocos: receiver blocks originador informa não só sobre dados transmitidos informa também sobre dados RTP que recebeu Redes de Computadores 95 RTCP receiver blocks um bloco para cada fonte remota fração de pacotes daquela fonte que foram perdidos - desde o último report número total de pacotes perdidos maior número de seqüência de pacote recebido da fonte interarrival jitter: estimativa da variação do atraso da chegada de pacotes. Jitter 0: chegada regular jitter alto: chegada muito irregular Redes de Computadores 96 48

49 RTCP receiver blocks dois últimos campos do bloco: referentes ao último sender report da fonte referente ao bloco 2 bytes do meio do NTP timestamp tempo decorrido desde aquele report e a geração deste pacote Redes de Computadores 97 RTCP Sender Report V RcvCnt Ptype 200 Length SSRC of Sender NTP Timestamp RTP Timestamp Senders Packet Count Senders Byte Count SSRC of first source % Lost Cumulative Packets Lost Extended Highest Sequence Number Received Interarrival Jitter Time of Last Sender Report Time since Last Sender Report... SSRC of last source % Lost Cumulative Packets Lost Extended Highest Sequence Number Received Interarrival Jitter Time of Last Sender Report Time since Last Sender Report Application Specific Information Redes de Computadores 98 49

50 RTCP Receiver Report quando entidade não é fonte, deve mandar reports sobre os dados recebidos receiver reports: um conjunto de receiver blocks Redes de Computadores 99 RTCP Receiver Report V RcvCnt Ptype 201 Length SSRC of Sender SSRC of first source % Lost Cumulative Packets Lost Extended Highest Sequence Number Received Interarrival Jitter Time of Last Sender Report Time since Last Sender Report... SSRC of last source % Lost Cumulative Packets Lost Extended Highest Sequence Number Received Interarrival Jitter Time of Last Sender Report Time since Last Sender Report Application Specific Information Redes de Computadores

51 RTCP Source Description Packet enviadores mandam informação sobre si mesmo conjunto de identificadores de fontes e itens descrevendo cada um cada item tem um código de tipo e tamanho associado Redes de Computadores 101 RTCP Source Description Packet tipos de itens CNAME: nome único, não ambiguo NAME: nome do usário PHONE LOC: localização geográfica TOOL: aplicação gerando os dados NOTE PRIV: extensões Redes de Computadores

52 RTCP source description packet V SrcCnt Ptype 202 Length SSRC or CSRC of first Source SDES Items SSRC or CSRC of second Source SDES Items SSRC or CSRC of last Source SDES Items Redes de Computadores 103 RTCP Bye Message anuncia a saída de uma fonte outros participantes poderiam notar a saída sem esta mensagem, mas com ela o processo torna-se mais rápido importante para mixers Redes de Computadores

53 RTCP bye message V SrcCnt R Length Ptype 203 Length SSRC of first Source SSRC of second Source SSRC of last Source Reason for leaving Redes de Computadores 105 RTCP Outros aspectos Mensagens específicas de aplicações: tipo 204 aplicações podem experimentar novas mensagens se uma mensagem vier a ser útil, pode ser incorporada ao RTCP como um tipo oficial mensagens RTCP podem ser combinadas em datagramas UDP - compound packet estatísticas devem ser tão frequentes quanto possível Redes de Computadores

54 RTCP Operação Multicast: reports reports para o grupo multicast todos participantes sabem a qualidade percebida pelos outros (problema é só comigo ou com todo mundo?) monitoração de qualidade pode ser feita facilmente - basta juntar-se ao grupo multicast e receber reports de todos participantes Redes de Computadores 107 RTCP Operação Multicast: reports sem cuidado: reports podem tomar faixa considerável da largura de banda disponível regras: manter limites de tráfego RTCP constante, independente do número de fontes envolvidos como pacotes são multicast, todos participantes sabem o número de outros participantes enviando reports se número de participantes aumenta, freqüência de reports baixa cooperação entre as entidades Redes de Computadores

55 RTCP Operação Multicast: reports regras: aleatoriedade na geração de reports com geração de reports em intervalos fixos (calculados segundo mesmos algoritmos), enviadores poderiam sincronizar poderia haver picos de carga na rede cada enviador randomiza o intervalo calculado (de 0.5 a 1.5 x o intervalo calculado) obtém distribuição no tempo dos reports Redes de Computadores 109 RTSP - Real Time Streaming Protocol Redes de Computadores

56 RTSP Suporte a gravação e recuperação de mídias contínuas HTTP GET Cliente Servidor Web s.d. PLAY -2 SETUP-1 OK PLAY -2 SETUP-1 OK Servidor Áudio Servidor Vídeo Redes de Computadores 111 RTSP Método Direção Objeto Requerimento DESCRIBE C S Apr, Str Recomendado ANNOUNCE C S, S C Apr, Str Opcional GET_PARAMETER C S, S C Apr, Str Opcional OPTIONS C S, S C Apr, Str Requerido PAUSE C S Apr, Str Recomendado PLAY C S Apr, Str Requerido RECORD C S Apr, Str Opcional REDIRECT S C Apr, Str Opcional SETUP C S Str Requerido SET_PARAMETER C S, S C Apr, Str Opcional TEARDOWN C S Apr, Str Requerido Redes de Computadores

57 SIP - Session Initiation Protocol Redes de Computadores 113 SIP Protocolo de sinalização para estabelecer, modificar, terminar chamadas anything.com ls INVITE From: To: Call-ID: 200 OK ACK B exemplo.br Servidor de nomes INVITE 200 OK ACK tune ks Redes de Computadores

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

A Família de Protocolos RTP

A Família de Protocolos RTP A Família de Protocolos RTP O que não é Não é um protocolo que trate de reserva de recursos ou de garantias de qualidade de serviço para serviços de tempo real. Não existem mecanismos que garantam a entrega

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com)

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) INF-207 Sistemas Computacionais para Processamento Multimídia Sistemas Multimídia Aula 04 Redes Multimídia 2 Q-20102010 Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) Prof. Marcelo Z. do Nascimento (marcelo.ufabc@gmail.com)

Leia mais

03.04 Streaming de Vídeo

03.04 Streaming de Vídeo 03.04 Streaming de Vídeo Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Streaming Dados multimédia que são consumidos à mesma velocidade que é enviado pela Internet ou outro tipo

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Streaming vídeo com RTSP e RTP

Streaming vídeo com RTSP e RTP Descrição da tarefa de programação a ser feita na disciplina de Redes de Alto Desempenho (RAD) SSC-144. Turmas A e B. A tarefa de programação é referente ao Capítulo 7 do Livro: Redes de Computadores e

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Redes de Computadores. Camada de Transporte

Redes de Computadores. Camada de Transporte Redes de Computadores Camada de Transporte Objetivo! Apresentar as características da camada de transporte da arquitetura TCP/IP! Apresentar os serviços fornecidos pela camada de transporte! Estudar os

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora

Vídeo Sob Demanda. Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Vídeo Sob Demanda Elaine Calvet Mestrado Redes Telecom, UFF Disciplina: Sistemas Multimídia Prof.ª Debora Agenda Introdução Definição do Serviço VoD Desafios do Serviço Tecnologia Necessária Estudo de

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Novas Propostas para Protocolos de Streaming. Cesar Henrique Pereira Ribeiro. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF)

Novas Propostas para Protocolos de Streaming. Cesar Henrique Pereira Ribeiro. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Novas Propostas para Protocolos de Streaming Cesar Henrique Pereira Ribeiro Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Passo da Pátria, 156 Niterói RJ Brazil cesarhpribeiro@yahoo.com.br

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP

Introdução ao Protocolo TCP/IP Introdução ao Protocolo TCP/IP Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento na Rede

Leia mais

IPv6 - Características do IP Next Generation

IPv6 - Características do IP Next Generation IPv6 - Características do IP Next Generation 1 - Introdução As três das principais motivações que conduziram à necessidade de superar as limitações de crescimento da versão atual do protocolo IP (Internet

Leia mais

04.03 Quality of Service (QoS)

04.03 Quality of Service (QoS) 04.03 Quality of Service (QoS) Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Necessidade de QoS Uma medida colectiva da qualidade de serviço Para uma aplicação Critérios: Disponibilidade

Leia mais

6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS

6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS 6 Redução do Overhead na Interface Aérea para os Pacotes de VoIP Transmitidos no Modo IMS Este Capítulo objetiva fornecer uma análise para a redução do número de bits a serem transmitidos na interface

Leia mais

PROTOCOLOS PARA APLICAÇÕES MULTIMÍDIA

PROTOCOLOS PARA APLICAÇÕES MULTIMÍDIA PROTOCOLOS PARA APLICAÇÕES MULTIMÍDIA ABSTRACT The last few years have witnessed an explosive growth in the development and deployment of networks applications that transmit and receive audio and video

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

Fluxos Multimédia Armazenados

Fluxos Multimédia Armazenados Fluxos Multimédia Armazenados Técnicas de transmissão de fluxos ao nível da camada de aplicação para obter os melhores resultados dos serviços melhor esforço: buffers no lado do cliente uso de UDP versus

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 6. Camada de Transporte DIN/CTC/UEM 2008 Principais Funções Oferece conexão lógica entre duas extremidades da rede Oferece controle fim-a-fim de fluxo e confiabilidade Independente da tecnologia utilizada

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

FURGTV: STREAMING VIDEO VIA MULTICAST

FURGTV: STREAMING VIDEO VIA MULTICAST FURGTV: STREAMING VIDEO VIA MULTICAST Rafael V. Coelho Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Rio Grande - RS rafaelvc2@gmail.com Resumo. Este trabalho apresenta a proposta do desenvolvimento

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Latência Tempo entre o início de um evento e o momento que ele se torna perceptível no destino Ex: filmar um relógio

Leia mais

Curso de especialização em Teleinformática Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Tacla

Curso de especialização em Teleinformática Disciplina Sistemas Distribuídos Prof. Tacla - 1 - - 2 - COMUNICAÇÃO INTER PROCESSOS DISTRIBUÍDOS. - 3 - - 4 - Os sockets UDP e TCP são a interface provida pelos respectivos protocolos. Pode-se dizer que estamos no middleware de sistemas distribuídos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores s de Computadores s de Computadores s de Computadores 2 1 Roteamento como visto cada gateway / host roteia mensagens não há coordenação com outras máquinas Funciona bem para sistemas estáveis e sem erros

Leia mais

TP 318 Introdução às Redes Multimídia

TP 318 Introdução às Redes Multimídia Especialização em Telecomunicações TP 318 Introdução às Redes Multimídia Prof. Antônio M. Alberti Prof. José Marcos C. Brito 1 Tópicos Introdução RTP RSTP RTCP Arquitetura SIP Arquitetura OPT Referências

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma rede experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

UDESC SISTEMAS MULTIMÍDIA. Capítulo 4 Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia. Prof. Claudinei Dias. Sistemas Multimídia 2011/2

UDESC SISTEMAS MULTIMÍDIA. Capítulo 4 Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia. Prof. Claudinei Dias. Sistemas Multimídia 2011/2 SISTEMAS MULTIMÍDIA Capítulo 4 Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia Prof. Claudinei Dias Ementa Cap. 4 4. Redes IP e o Transporte de Dados Multimídia A arquitetura Internet; Protocolo IP e a multimídia;

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores TCP/IP Fabricio Breve Fundamentos Atualmente é o protocolo mais usado em redes locais Principal responsável: Popularização da Internet Mesmo SOs que antigamente só suportavam seu

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Tipos de Comunicação entre Estações. Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Comunicação Multiponto em Redes Locais

Tipos de Comunicação entre Estações. Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Comunicação Multiponto em Redes Locais Tipos de Comunicação entre Estações Comunicação Multiponto ( de Grupo, Multicast, Multiway, Difusão seletiva) Unicast Broadcast Multicast Multicast: ação de enviar um datagrama para multiplos receptores

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com

IPv6. Clécio Oliveira Pinto. cleciooliveira at gmail com IPv6 Clécio Oliveira Pinto Segurança e Integração em Redes de Computadores para Ambientes Corporativos Faculdade de Tecnologia SENAC Goiás cleciooliveira at gmail com Abstract. The Internet Protocol version

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

Redes Multimídia. Professor: Renê Furtado Felix Email: rffelix70@yahoo.com.br. Redes II - UNIP 1

Redes Multimídia. Professor: Renê Furtado Felix Email: rffelix70@yahoo.com.br. Redes II - UNIP 1 Redes Multimídia Professor: Renê Furtado Felix Email: rffelix70@yahoo.com.br Redes II - UNIP 1 As exigências de funcionamento das aplicações multimídia divergem significamente daquelas tradicionais aplicações

Leia mais

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores.

robustez; confiabilidade; e comunicação de dados independente de fornecedores. HISTÓRICO! 1969, Defense Advanced Research Projects Agency (DARPA) cria um projeto de pesquisa para criar uma experimental de comutação de pacotes ARPANET que deveria prover: robustez; confiabilidade;

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP

Internet e TCP/IP. Camada de Rede: Objetivos. Encapsulamento. Redes de Computadores. Internet TCP/IP. Conceitos Básicos Endereçamento IP Camada de Rede Reinaldo Gomes reinaldo@cefet-al.br Redes de Computadores Conceitos Básicos Endereçamento IP Internet e TCP/IP Internet Conjunto de redes de escala mundial, ligadas pelo protocolo IP TCP/IP

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP TRABALHO

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - A CAMADA DE REDE (Parte 2) 1. Flooding (Inundação) Outro algoritmo estático é o algoritmo de inundação, no qual cada pacote de entrada é enviado para todas as linhas de saída, exceto para aquela

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes. Entenda o que são ICMP, ping e traceroute Autor: Hélder Garcia Email: hlbognfspam@sounerd.com Março de 2004

Redes. Entenda o que são ICMP, ping e traceroute Autor: Hélder Garcia Email: hlbognfspam@sounerd.com Março de 2004 Entenda o que são ICMP, ping e traceroute Autor: Hélder Garcia Email: hlbognfspam@sounerd.com Março de 2004 O ICMP - - é um protocolo que faz parte da pilha TCP/IP, enquadrando-se na camada de rede (nível

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

CAMADA DE REDES PARTE II. Fabrício Pinto

CAMADA DE REDES PARTE II. Fabrício Pinto CAMADA DE REDES PARTE II Fabrício Pinto Interligação de Redes 2 Supomos até agora uma única rede homogênea Máquinas usando o mesmo protocolo Suposição muito otimista Existe muitas redes diferentes LANs,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Transporte UDP Slide 1 Camada de Transporte Fornece uma comunicação lógica entre processos de aplicações em diferentes hosts através da camada de rede; São implementados

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Aula 3. Objetivos. A internet.

Aula 3. Objetivos. A internet. Aula 3 Objetivos A internet. Uma rede é... usando Um ambiente onde pessoas se comunicam e trocam idéias que requerem Um conjunto de aplicações e serviços distribuídos criando realizada através de Uma disciplina

Leia mais

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR

Instituto Superior Técnico. Projecto VoIP. Sistema IVVR Instituto Superior Técnico Projecto VoIP Sistema IVVR 68239 Rui Barradas 68477 Helton Miranda 68626 Ludijor Barros 72487 Bruna Gondin Introdução O objectivo deste projecto é desenvolver um sistema de Interactive

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais