Transmissão multimídia em redes de computadores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Transmissão multimídia em redes de computadores"

Transcrição

1 Transmissão multimídia em redes de computadores Autor: Universidade: UNISINOS Data: Julho de 2001

2 Multimídia em redes de computadores pg. 2 SUMÁRIO 1 Transmissão multimídia em redes Latência Jitter Skew Tabela comparativa Protocolos de tempo real para transmissões multimídia RTP Entidades RTP Cabeçalho RTP Exemplo: conferência de áudio Exemplo: videoconferência RTCP SR (Sender Report) RR (Receiver Report) SDES (Source Description) BYE APP Restrições de tempo nos pacotes RTCP Padrões de multimídia em redes de computadores H Terminais Gatekeepers Gateways MCUs Sinalização no H Exemplo de conferência H Exemplos de Terminais H Exemplos de Gatekeepers Exemplos de Gateways Exemplos de MCUs SIP Comparação entre SIP e H Atraso de conexão Escalabilidade Tamanho da conferência Uso de novos CODECS Formato de endereço Complexidade Compressão de áudio e vídeo Padrões de áudio e vídeo Codificação de áudio Testes de áudio com Netmeeting Testes de áudio com o RAT (Robust Audio Tool) Teste de tamanho de arquivo de áudio com o Goldwave Codificação de vídeo Codificação de vídeo no M-JPEG Codificação de vídeo no MPEG Resumo de padrões para codificação de vídeo Estudo de caso 1: Transmissão multicast ao vivo durante a VI Semana da Qualidade na Unisinos...31

3 Multimídia em redes de computadores pg. 3 7 Estudo de caso2: Videoconferência multicast no Metropoa Bibliografia Transmissão multimídia em redes As etapas de uma transmissão multimídia são mostradas na figura a seguir: Sinal de entrada Digitalização Compressão Transmissão Perda / atraso Sinal de saída Recuperação Descompressão Reordenação O sinal gerado é inicialmente digitalizado, para então passar por um processo de compressão, que diminui seu tamanho, tornando-o viável para ser transmitido na rede. A rede insere alguns atrasos no sistema. No receptor, os pacotes são reordenados, descomprimidos e reconvertidos ao estado original, normalmente com perdas inseridas no processo de compressão. Esses aspectos serão analisados no decorrer desta apostila. As aplicações que necessitam transmissão multimídia em redes de computadores se encontram subdivididas em duas partes, como a figura a seguir ilustra: teleconferência (que requer interatividade) e transmissão unidirecional (que envolve apenas um lado transmitindo e vários clientes recebendo). Na figura, pode-se ver uma divisão dos dados em áudio, vídeo e texto. Aplicações multimídia Conferências (interatividade) Transmissão Unidirecional Áudio Texto Vídeo Apesar das aplicações possuírem necessidades diferentes, existe uma tendência atualmente para sua convergência em um único meio físico. Assim, se unificaria o meio físico, que compartilharia a transmissão de voz, vídeo, dados, imagens, músicas, e tudo que possa ser transformado em bits. Entretanto, as aplicações têm características e requisitos bem diferentes umas das outras. Aplicações de teleconferência possuem necessidades mais rígidas em relação à latência e jitter do que aplicações de transmissão unidirecional. Da mesma forma, transmissões de vídeo necessitam uma largura de banda muito maior que transmissões de áudio ou texto. A seguir serão definidos três conceitos fundamentais para o entendimento da transmissão multimídia nas redes de computadores: latência, jitter e skew. Em seguida esses conceitos serão comparados entre si dentro das necessidades das aplicações.

4 Multimídia em redes de computadores pg Latência Latência é o tempo que um pacote leva da origem ao destino. Caso esse atraso seja muito grande, prejudica uma conversação através da rede, tornando difícil o diálogo e a interatividade necessária para certas aplicações. Segundo [PAS 97a] e [PAU 98, pg 9], um atraso confortável para o ser humano fica na ordem de 100ms. Suponha duas pessoas conversando através da Internet. À medida que o atraso aumenta, as conversas tendem a se entrelaçar, ou seja, uma pessoa não sabe se o outro a ouviu e continua falando. Após alguns milisegundos, vem a resposta do interlocutor sobre a primeira pergunta efetuada, misturando as vozes. Num atraso muito grande, as pessoas devem começar a conversar utilizando códigos, tipo câmbio, quando terminam de falar e passam a palavra ao outro. Os principais responsáveis pela latência são o atraso de transmissão, de codificação e de empacotamento, que podem ser definidos da seguinte forma: Atraso de transmissão: tempo que leva para o pacote sair da placa de rede do computador origem e chegar na placa de rede do computador destino. Esse tempo envolve uma série de fatores, como por exemplo: 1. Atraso no meio físico: é o atraso de propagação da mensagem no meio de transmissão, e varia bastante. Por exemplo, num enlace de satélite o tempo típico é de 250ms, e numa fibra ótica ou UTP o atraso é na ordem de 5µs/Km [TAN 97, pg 107] e [SPU 00, pg /**/]. 2. Atrasos de processamento nos equipamentos intermediários, como roteadores e switches; 3. Atraso devido ao tempo de espera nas filas de transmissão dos equipamentos intermediários: esse valor depende do congestionamento da rede no momento, e varia bastante, dependendo do tamanho da fila. Quanto menor a fila, menor o atraso, mas aumenta a probabilidade de descarte do pacote no caso de congestionamento; Atraso de codificação e decodificação: tempo de processamento na máquina origem na máquina destino para codificação e decodificação de sinais, respectivamente. Voz e vídeo normalmente são codificados em um padrão, tal como PCM (G.711 a 64Kbps) para voz, ou H.261 para vídeo. O atraso varia com o padrão adotado; por exemplo, o G.711 ocupa menos de 1ms de codificação ([PAS 97a]), porém requer 64Kbps de banda. Um protocolo de voz como o G.729 requer 25ms de codificação, mas ocupa apenas 8Kbps de banda ([PAS 97a]); Atraso de empacotamento e desempacotamento: depois de codificado, o dado deve ser empacotado através dos níveis na pilha de protocolos a fim de ser transmitido na rede. Por exemplo, numa transmissão de voz a 64Kbps, ou 8000 bytes por segundo, o preenchimento de um pacote de dados com apenas 100 bytes toma 12,5ms. Mais 12,5ms serão necessários no destino a fim de desempacotar os dados. Além disso, dependendo do jitter da transmissão, a aplicação de tempo real deverá criar um buffer para homogeneizar a entrega de pacotes ao usuário, criando um novo atraso no sistema. 1.2 Jitter Apenas latência não é suficiente para definir a qualidade de uma transmissão, pois as redes não conseguem garantir uma entrega constante de pacotes ao destino. O jitter é a variação estatística do retardo, que altera o fluxo de chegada dos pacotes. O conceito de jitter e latência é ilustrado na figura a seguir.

5 Multimídia em redes de computadores pg. 5 N. de Pacotes latência jitter A conseqüência do jitter é que a aplicação no destino deve criar um buffer cujo tamanho vai depender do jitter, gerando mais atraso na conversação (aplicação de voz, por exemplo). Esse buffer vai servir como uma reserva para manter a taxa de entrega constante no interlocutor. Daí a importância de latência e jitter baixos em determinadas aplicações sensíveis a esses fatores, como teleconferência. 1.3 Skew O skew é um parâmetro utilizado para medir a diferença entre os tempos de chegada de diferentes mídias que deveriam estar sincronizadas, como mostra a figura a seguir. Em diversas aplicações existe uma dependência entre duas mídias, como áudio e vídeo, ou vídeo e dados. Assim, numa transmissão de vídeo, o áudio deve estar sincronizado com o movimento dos lábios (ou levemente atrasado, visto que a luz viaja mais rápido que o som, e o ser humano percebe o som levemente atrasado em relação à visão). Outro exemplo em que sincronização é necessária é na transmissão de áudio (manual explicativo, por exemplo) acompanhada de uma seta percorrendo a imagem associada. t N. de Pacotes chegando skew vídeo áudio 1.4 Tabela comparativa A tabela a seguir apresenta algumas aplicações típicas de multimídia em rede, bem como seus fatores críticos. Aplicações de telefonia (voz) são sensíveis à latência e ao jitter. Em termos de velocidade, sua necessidade é baixa, variando de 5 Kbps (compressão no padrão G.723) a 64Kbps (padrão G.711, o mais comum em telefonia atualmente). Telefone TV Videoconferência latência sensível insensível sensível jitter sensível sensível sensível skew - sensível sensível velocidade (largura de banda) baixa alta alta t

6 Multimídia em redes de computadores pg. 6 Já em transmissões unilaterais de áudio e vídeo (por exemplo, TV), há uma flexibilidade maior quanto à latência. Isso se deve ao fato que, na maioria dos casos, para o usuário não seria relevante a inclusão de um pequeno atraso entre o momento em que um evento se dá e sua exibição. Entretanto, esse atraso deve se manter fixo até o final e com sincronismo entre áudio e vídeo, daí a necessidade de jitter e skew baixos. Aplicações de videoconferência são muito parecidas com aplicações de telefonia em termos de latência e jitter, entretanto, possuem alta largura de banda e devem manter um baixo skew, pois necessitam sincronização entre áudio e vídeo. 2 Protocolos de tempo real para transmissões multimídia Para transportar dados em tempo real, são necessários protocolos que levem consigo informações de sincronismo e de tempo, como o RTP (Real-time Transport Protocol). Para fornecer feedbacks aos participantes da transmissão efetuada pelo RTP, existe o protocolo RTCP (RTP Control Protocol). Ambos são analisados a seguir. 2.1 RTP O protocolo RTP (Real-time Transport Protocol), descrito na RFC 1889, especifica um formato para transmissão de dados em tempo real, tais como áudio, vídeo ou dados de simulação. Alguns benefícios obtidos por esse protocolo (que serão detalhados no decorrer deste item) são [PAU 98, pg 197]: Detecção de perda de pacotes: observando o número de seqüência é possível saber se houve perda de pacotes ou não. Isso é útil para estimar a qualidade da recepção, adaptação da aplicação às características da rede, recuperação de dados, e assim por diante; Sincronização intra-mídia: o campo de timestamp do cabeçalho informa ao receptor o momento exato de passar os dados ao usuário. Essa informação é usada pelo receptor absorver o jitter da rede através de um buffer auxiliar; Sincronização inter-mídia: o campo de timestamp do cabeçalho de diferentes sessões RTP (como áudio e vídeo) pode ser usado em conjunto com o protocolo NTP (Network Time Protocol) a fim de sincronizar as diferentes mídias, permitindo ao receptor a adaptação ao skew. Um exemplo típico é o sincronismo voz-lábio. Outro é o sincronismo de uma seta na tela apontando objetos de acordo com um texto falado. A garantia de entrega do pacote ou a qualidade de serviço da rede não são especificadas no RTP, e devem ser obtidas através de outro mecanismo de entrega, como o RSVP, Diffserv ou outro. O RTP é utilizado para transportar dados em tempo real, e utiliza o RTCP para monitorar a qualidade de serviço (da sessão e não da rede) e levar informações sobre os participantes de uma sessão em andamento, como, por exemplo, uma conferência de áudio entre diversos participantes. Em termos do modelo OSI, o RTP se situa acima do nível 4, no subnível inferior do nível de aplicação, como mostra a figura a seguir [PAU 98, pg 194]. O IP pode ser tanto unicast como multicast, e o protocolo de nível 2 (Ethernet) é apenas um exemplo.

7 Multimídia em redes de computadores pg. 7 Aplicação Encapsulamento de mídia RTP RTCP dados controle UDP IPv4 / IPv6 Unicast ou multicast Ethernet Entidades RTP Às vezes surgem necessidades na transmissão de sinais em tempo real, como, por exemplo, várias pessoas participando duma conferência de áudio, sendo que algumas estão em enlaces congestionados ou com máquinas lentas. Para evitar que todos participantes utilizem um algoritmo de compactação de áudio de baixa qualidade, pode-se utilizar um tradutor (translator). Outras vezes, pode ser necessário combinar múltiplos fluxos em um só, a fim de distribuir a um conjunto de receptores, e aí se utiliza o multiplexador (mixer). Essas duas entidades são importantes para entender o RTP, e são mostradas na figura [PAU 98, pg 195]. Sistema origem / destino IP= SSRC = 87 PCM Troca de codificação Múltiplos fluxos Fluxo único Sistema origem / destino IP= SSRC = 35 Tradutor ADPCM IP MP3 MP3 Multiplexador IP SSRC = 46 SSRC = 46 CSRC = 87, 35 O tradutor é um sistema intermediário que encaminha os pacotes RTP com o SSRC e timestamp intactos, porém, modifica serviços de tradução, como, por exemplo, a conversão do formato de codificação (ADPCM para MP3), ou converter um pacote multicast em vários pacotes unicast, ou efetuar uma conexão segura com máquinas atrás de firewalls. O multiplexador é um sistema intermediário que recebe pacotes RTP de uma ou mais origens, gerando uma única saída com a combinação das diversas origens (e também a tradução de formato de codificação, se necessário). Como o timestamp das diversas origens pode ser diferente, o multiplexador efetua os ajustes de tempo (buffers) e gera sua própria seqüência de tempo para o fluxo concatenado. Assim, todas os pacotes de dados originados no multiplexador terão o multiplexador como sua origem de sincronização (SSRC).

8 Multimídia em redes de computadores pg Cabeçalho RTP O cabeçalho do RTP é visto na figura a seguir V=2 P X CC M PT Número de seqüência Timestamp Synchronization Source (SSRC) identifier Contributing Source (CSRC) identifiers Os primeiros doze bytes existem em todo pacote RTP, enquanto que a lista dos identificadores CSRC está presente somente quando inserido por um multiplexador. Os campos têm o seguinte significado [RFC 1889, pg 10]: Versão (V): 2 bits: identifica a versão do protocolo RTP; Padding (P): 1 bit: se esse bit estiver ligado, o pacote contém um ou mais bytes de enchimento no final que não fazem parte dos dados úteis, devendo ser ignorados. Esses bytes podem ser necessários por alguns algoritmos de criptografia com tamanhos fixos de blocos, ou para enviar muitos pacotes RTP em um protocolo de nível inferior; Extensão (X): 1 bit: se esse bit estiver ligado, o cabeçalho terá uma extensão com o mesmo número de bytes, em formato definido na RFC 1889; Contador de CSRC (CC): 4 bits: número de identificadores CSRC que seguem o tamanho fixo do cabeçalho; Marcador (M): 1 bit: tem o objetivo de permitir eventos significativos, tal como limites de quadro, serem marcados no fluxo de pacotes; Payload Type (PT): 7 bits: identifica o formato da carga útil do pacote, de forma que possa ser interpretado pela aplicação. Um exemplo é áudio codificado em PCM ou ADPCM, ou vídeo codificado em MPEG ou H.263, e assim por diante; Número de seqüência: 16 bits: incrementa de um a cada pacote RTP transmitido, e pode ser usado pelo receptor para detectar perda de pacotes, bem como para restaurar a seqüência correta do fluxo; Timestamp: 32 bits: reflete o instante de amostragem do primeiro byte no pacote de dados do RTP. O instante de amostragem deve derivar de um relógio que incrementa linearmente no tempo a fim de permitir sincronização e cálculo de jitter. A resolução do relógio deve ser suficiente para a precisão de sincronização desejada e medição de jitter; SSRC: 32 bits: identifica a origem da sincronização. Esse número é escolhido randomicamente, procurando fazer com que todas as fontes de sincronização tenham identificadores diferentes. Caso haja colisões, o SSRC é modificado de acordo com um algoritmo determinado na RFC 1889; CSRC: 32 bits cada identificador: máximo de 15 itens : identifica as fontes que contribuíram para a carga de dados existente no pacote RTP. Esses campos são inseridos por multiplexadores, usando os SSRCs das fontes contribuintes. Assim, por exemplo, para pacotes de áudio de várias fontes que foram multiplexados em pacotes únicos RTP, o receptor utiliza esse campo para colocar de forma correta quem falou o quê Exemplo: conferência de áudio Um exemplo de uso do RTP é visto na RFC 1889 (pg 5), onde ele é utilizado para efetivação de uma conferência de áudio em multicast. No início são alocados duas portas UDP (uma para dados RTP e outra para controle RTCP) e um endereço IP multicast. Essa informação é transmitida para todos os participantes. A aplicação utilizada pelos participantes envia áudio

9 Multimídia em redes de computadores pg. 9 em pequenos pedaços de 20ms de duração, cada um deles com um cabeçalho RTP, que é transmitido via UDP na porta especificada anteriormente. O cabeçalho RTP indica o tipo de codificação de áudio (PCM, ADPCM, MP3) que está contida no pacote, a fim de que os participantes possam trocar a codificação para permitir a entrada de um novo participante que está conectado através de uma linha lenta. Para pacotes que chegam em ordem trocada, o número de seqüência ajuda na reorganização da informação. Já para atrasos variáveis na rede, a informação de timestamp vai ajudar o receptor a dimensionar o buffer de recepção, a fim de evitar truncamentos na conversa. Além disso, o receptor sabe que cada número de seqüência corresponde a 20ms nesse exemplo, permitindo a ele reconstruir o tempo produzido pela fonte. Para saber quem está participando da conferência e quão bem está recebendo áudio, a aplicação de cada pessoa envia uma mensagem multicast periodicamente para a porta RTCP do grupo, indicando seu nome e a qualidade com que está recebendo a informação. Para deixar a conferência, a aplicação envia um pacote RTCP BYE, indicando que está saindo. /**/ sniffar uma conferência de áudio com RTP e colocar figura aqui Exemplo: videoconferência Numa videoconferência, os pacotes de áudio e vídeo são transmitidos em sessões RTP separadas, portanto, existem dois pares diferentes de portas UDP e números IP (unicast ou multicast). A identificação do acoplamento entre as mídias no receptor é obtida através do nome canônico utilizado pelo protocolo RTCP. Uma das motivações para esta separação é permitir a alguns participantes na conferência receber somente um meio (áudio ou vídeo). A sincronização entre áudio e vídeo pode ser obtida através do timestamp de ambas sessões, juntamente com a utilização do protocolo NTP (Network Time Protocol), enviado pelo RTCP (pacote SR Sender Report). O NTP utiliza um valor de tempo absoluto, que é o número de segundos relativo à 0h de 1 o de janeiro de /**/ /* sniffar videoconferência identificar pacotes RTCP e forma de sincronização intermídia. */ 2.2 RTCP O protocolo RTCP (RTP Control Protocol) tem por objetivo fornecer feedback sobre a qualidade de serviço obtida na distribuição de dados RTP, e consegue isso através de transmissões periódicas de pacotes de controle a todos participantes da sessão RTP, utilizando o mesmo mecanismo de distribuição do RTP (unicast ou multicast), e possuindo uma porta específica de controle na sessão, conforme descrito anteriormente. Suas funções são [RFC 1889, pg 15]: Fornecer feedback sobre a qualidade de serviço obtida na distribuição de dados RTP. Exemplos de utilização são: controle de codificadores adaptativos (muda algoritmo de compactação dependendo da qualidade), diagnóstico de problemas na rede, e outros; Enviar o nome canônico (CNAME) do transmissor dos dados, utilizado para que todos saibam quem originou a transmissão. O uso do SSRC para identificar a origem não é eficaz, visto que pode haver mudança nesse número em caso de conflitos. Além disso, um transmissor com múltiplas sessões RTP (áudio e vídeo) utiliza um SSRC para cada sessão, e o receptor precisa um nome canônico para identificar a origem e poder sincronizar as sessões;

10 Multimídia em redes de computadores pg. 10 Controle da periodicidade de envio dos pacotes RTCP, a fim de permitir a escalabilidade do sistema; Função opcional para permitir o transporte de informações mínimas de controle, permitindo, por exemplo, que a identificação de cada participante seja apresentada na interface com o usuário. Os principais tipos de pacotes utilizados pelo RTCP são o SR (Sender Report), o RR (Receiver Report), o SDES (Source Description), o BYE e o APP (funções específicas da aplicação). Os itens a seguir analisam cada um deles com mais detalhes SR (Sender Report) Os pacotes SR (Sender Report) são enviados pelos transmissores, e contém informações de timestamp NTP, timestamp RTP, número de pacotes enviados, número de bytes enviados, bem como informações da qualidade dos outros transmissores que chegam a eles. Com os timestamps (NTP e RTP), o receptor consegue sincronizar mais de uma sessão relacionada (como áudio e vídeo). A figura a seguir ilustra o formato do pacote SR [RFC 1889, pg 23] V=2 P RC PT=SR=200 length header SSRC of sender +=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+ NTP timestamp, most significant word sender info NTP timestamp, least significant word RTP timestamp sender's packet count sender's octet count +=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+ SSRC_1 (SSRC of first source) report block fraction lost cumulative number of packets lost extended highest sequence number received interarrival jitter last SR (LSR) delay since last SR (DLSR) +=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+ SSRC_2 (SSRC of second source) report block :... : 2 +=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+=+ profile-specific extensions Os pacotes SR consistem de 3 seções: um cabeçalho de 8 bytes, uma seção de informações do transmissor, e uma seção de informações de outros transmissores. No final, é possível ainda a existência de uma quarta seção contendo extensões específicas de perfil. Esta seção não será explicada neste documento. Os principais campos são explicados a seguir. Para maiores informações, uma referência é a RFC Versão (V): 2 bits: Identifica a versão do RTP, que é a mesma do RTCP, que é 2; Padding (P): 1 bit: ver RFC 1889; Reception Report Count (RC): 5 bits: número de blocos de informações de outros transmissores;

11 Multimídia em redes de computadores pg. 11 Packet Type (PT): 8 bits: valor 200, identifica pacote RTCP SR; Length: 16 bits: tamanho deste pacote em palavras de 32 bits menos uma. Este tamanho inclui o cabeçalho; SSRC: 32 bits: identificador SSRC do transmissor deste pacote; NTP timestamp: 64 bits: indica o tempo NTP do momento que este pacote foi enviado; RTP timestamp: 32 bits: corresponde ao mesmo momento do campo NTP, mas nas mesmas unidades e offset dos pacotes de dados RTP. Com a correspondência do tempo entre NTP e RTP, é possível efetuar sincronização intermídia; Sender s packet count: 32 bits: o número total de pacotes de dados transmitidos desde o início da transmissão; Sender s octet count: 32 bits: número total de bytes de dados úteis (i.e., sem incluir cabeçalho) transmitidos desde o início da transmissão. Este campo pode ser usado para estimar a taxa de transmissão média dos dados úteis; SSRC_n (source identifier): 32 bits: indica o SSRC do transmissor para o qual este report está sendo gerado. O transmissor envia um bloco com estatísticas de cada transmissor que ele ouviu desde o último report. Fraction lost: 8 bits: fração de pacotes de dados perdidos desde o último report. Esta fração é igual a número de pacotes perdidos dividido pelo número de pacotes esperado ; Cumulative number of packets lost: 24 bits: o número total de pacotes de dados RTP perdidos desde o início da recepção; Extended highest sequence number received: 32 bits: ver RFC 1889; Interarrival jitter: 32 bits: estimativa da variação do tempo de chegada dos pacotes RTP, medido em unidades do timestamp e expresso em um valor inteiro. Last SR timestamp (LSR) e outros campos: ver RFC /**/ sniffar a rede e capturar pacotes RTCP de uma videoconferência, identificando os campos */ RR (Receiver Report) Os pacotes RR (Receiver Report) são enviados pelos receptores das sessões RTP existentes. O formato do pacote RR é o mesmo do SR, exceto que o tipo de pacote é 201 em vez de 200 e a seção sender info é eliminada (cinco palavras contendo os timestamps NTP e RTP, bem como a contagem de pacotes e bytes enviados pelo transmissor) SDES (Source Description) Pacotes SDES (Source Description) contêm informações específicas do transmissor, identificadas por seu tipo. Estão definidos os seguintes tipos [RFC 1889, pg 34]: Tipo = 1: CNAME: nome canônico, que identifica univocamente o transmissor, como, por exemplo, Tipo = 2: NAME: nome do transmissor, por exemplo João da Silva, empresa X ; Tipo = 3: do transmissor, por exemplo Tipo = 4: PHONE: telefone do transmissor, identificado com o sinal de + para o código internacional. Por exemplo ; Tipo = 5: LOC: localização geográfica, por exemplo Porto Alegre, RS ; Tipo = 6: TOOL: nome e versão da ferramenta utilizada para transmitir, por exemplo videotool ;

12 Multimídia em redes de computadores pg. 12 Tipo = 7: NOTE: informação a ser transmitida no momento, como por exemplo, para enviar o título da palestra sendo efetuada. Essa informação é dependente de perfil, e pode ser mudada dependendo da aplicação; Tipo = 8: PRIV: extensões privativas para testes BYE O pacote de BYE indica que um transmissor está deixando a sessão. Existe um campo opcional de comprimento variável para indicar o motivo da saída APP Pacote destinado a uso experimental à medida que novas aplicações surgem, possuindo um tipo= 204 e um subtipo descrevendo o tipo de aplicação experimental Restrições de tempo nos pacotes RTCP O protocolo RTCP gera pacotes de controle, e, caso não houvesse restrições, poderia sobrecarregar a rede numa sessão com um grande número de participantes. Procurando se adaptar a isso, o tráfego de controle RTCP deve se manter em torno de 5% do tráfego total de determinada sessão RTP. 25% deste tráfego (1,25% do total) é destinado aos transmissores (pacotes SR+RR+SDES) e os 75% restantes (3,75% do total) aos receptores (pacotes RR). Como o tráfego de controle é uma fração constante do tráfego total, à medida que o número de receptores aumenta, o número de pacotes RTCP por participante diminui [PAU 98, pg 200]. O intervalo mínimo sugerido entre pacotes RTCP é de 5 segundos (para evitar excesso de pacotes RTCP), mas numa sessão, o intervalo pode ir de 2 a 5 minutos. Um receptor deve desconsiderar um participante da estatística caso ele não se manifeste em 30 minutos. Um pacote RTCP é transmitido após o tempo calculado vezes um tempo randômico entre 0,5s e 1,5s. Isso é para evitar sincronização de pacotes entre várias entidades (transmissores e receptores), o que ocasionaria uma rajada de tráfego RTCP naquele momento. 3 Padrões de multimídia em redes de computadores Existem muitos padrões atualmente para multimídia em redes de computadores, e os mais enfatizados neste documento são os do ITU-T e do IETF. Os padrões de multimídia do ITU-T são os da série H ( Sistemas audiovisuais e de multimídia ) e estão citados na tabela a seguir. Cada um deles tem uma finalidade específica, como o H.323, por exemplo, que trata somente da comunicação multimídia em redes de pacotes.

13 Multimídia em redes de computadores pg. 13 Padrão Data Descrição H Broadband audiovisual communication systems and terminals: videoconferência MPEG-2 sobre ATM com alta qualidade H Narrow-band visual telephone systems and terminal equipment: videoconferência sobre RDSI H Adaptation of H.320 visual telephone terminals to B-ISDN environments: videoconferência sobre ATM com boa qualidade H Visual telephone systems and terminal equipment for local area networks which provide a guaranteed quality of service: /**/ H Packet based multimedia communications systems: videoconferência sobre redes de pacotes, como IP e Ethernet H Terminal for low bit rate multimedia communication: videoconferência sobre sistema telefônico Cada um dos protocolos da série H especifica um conjunto de outros protocolos para resolver funções específicas na rede, como, por exemplo, sinalização, codificação de áudio, codificação de vídeo, e assim por diante. É como se fosse um guarda-chuva, ou seja, um protocolo que aponta para diversos outros. Quando o H.323 for analisado isso vai ficar mais claro. Os padrões multimídia do IETF são definidos nas RFCs. A arquitetura global de multimídia do IETF atualmente possui protocolos como os seguintes [RFC 2543, pg 8]: SIP (Session Initiation Protocol RFC 2543): estabelece, mantém e encerra chamadas ou sessões multimídia; RSVP (Resource Reservation Protocol RFC 2205): reserva recursos da rede; RTP (Real-time Transport Protocol RFC 1889): transporta dados em tempo real, proporcionando feedback de QoS através do RTCP (RTP Control Protocol), conforme descrito anteriormente; RTSP (Real Time Streaming Protocol RFC 2326): controla entrega de mídia através de streaming; SDP (Session Description Protocol RFC 2327): descreve sessões multimídia. Os padrões do ITU-T e do IETF conseguem conversar entre si através de gateways. A seguir será analisado com maiores detalhes o protocolo do ITU para comunicação multimídia sobre redes de pacotes (o H.323). No item seguinte, o SIP será analisado, e depois será feita uma comparação entre SIP e H.323 em relação a sinalização e controle, pois ambos são equivalentes nesse assunto. 3.1 H.323 A recomendação H.323 especifica um conjunto de protocolos de áudio, vídeo e dados a serem utilizados sobre redes baseadas em pacotes, sejam elas LANs, MANs ou WANs. Exemplos podem ser redes TCP/IP, tipo a Internet, ATM, ou redes locais Ethernet, Fast-Ethernet e Token Ring. Essas redes não precisam necessariamente prover garantia de qualidade de serviço (QoS) [ITU 98]. Essa recomendação teve sua segunda versão aprovada em fevereiro de 1998, pelo grupo de estudos 16 do ITU-T. As principais características do H.323 são as seguintes [PRI 99]: Interoperabilidade: definindo normas de CODECs de áudio e vídeo, é possível integrar sistemas de diferentes fabricantes sem problemas; Gerência de banda: é possível limitar o número de conexões H.323 simultâneas, bem como a largura de banda utilizada pelas aplicações;

14 Multimídia em redes de computadores pg. 14 Suporte a multiponto: embora H.323 possa suportar conferências com três ou mais pontos, é especificado um componente chamado MCU (Multipoint Control Unit) a fim de tornar mais poderosas e flexíveis tais conferências; Suporte a multicast: extremamente importante para economizar banda em conferências e transmissões multiponto; Flexibilidade: Uma conferência H.323 pode incluir equipamentos e redes com diferentes características. Por exemplo, um participante pode entrar na conferência somente com áudio, e outro somente com dados, via um terminal que fale a recomendação T.120 do ITU-T (Data protocols for multimedia conferencing). A figura a seguir mostra uma visão geral da arquitetura H.323, sua interoperabilidade com outros terminais e seus principais componentes, que são os Terminais, Gateways, Gatekeepers e MCUs (Multipoint Control Units) [PRI 99]. O conjunto de terminais H.323, gateways e MCUs controlados por um Gatekeeper é conhecido como zona H.323, e é mostrado na figura. O Gateway serve para tradução de padrões, ligando a zona H.323 com outros serviços, tais como o GSTN (General Switched Telephone Network), o RDSI (Rede Digital de Serviços Integrados faixa estreita ou faixa larga), e redes locais com QoS (Quality of Service). A seguir cada um desses componentes será explicado com maiores detalhes. Terminal H.323 MCU H.323 HUB Rede baseada em pacotes Gatekeeper H.323 Gateway H.323 Terminal H.323 Terminal H.323 GSTN LAN com QoS RDSI-FE RDSI-FL Terminal H.310 operando no modo H.321 Terminal V.70 Terminal H.324 Terminal de voz Terminal H.322 Terminal de voz Terminal H.320 Terminal H.321 Terminal H Terminais Terminais são os componentes responsáveis pela comunicação bidirecional em tempo real com outro terminal, gateway ou MCU. Um terminal pode oferecer somente voz, voz e vídeo, voz e dados ou voz, dados e vídeo. A norma definiu que voz é obrigatório, mas dados e vídeo são opcionais. A figura a seguir mostra a recomendação H.323 para terminais [ITU 98, pg 13].

15 Multimídia em redes de computadores pg. 15 Escopo da norma H.323 Eqto de entrada de áudio (microfone, vídeo cassete) Eqto de entrada de vídeo Câmera de vídeo, vídeo cassete) CODEC de áudio G.711, G.722, G.723, G.728, G.729 CODEC de vídeo H.261, H.263 Receive Path Delay Aplicações de dados (T.120, etc) Controle do sistema Controle do sistema Controle H.245 Controle de chamada H Controle RAS H Sinalização Q.931 Camada H Interface LAN Todos terminais H.323 devem ter uma camada H.225.0, uma unidade de controle do sistema (H245, RAS), uma interface LAN e CODEC de áudio. O CODEC de vídeo e as aplicações de dados são opcionais [ITU 98, pg 13]. O canal de controle H.245, os canais de dados e o canal de sinalização da chamada precisam obrigatoriamente de um protocolo confiável (por exemplo, TCP ou SPX). Já os protocolos de áudio, vídeo e RAS (Registration, Admission and Status) precisam de um protocolo não confiável (por exemplo, UDP ou IPX). A seguir uma definição dos elementos da figura anterior (posteriormente os principais protocolos serão detalhados): CODEC de vídeo (H.261, H.263): codifica o vídeo vindo da fonte (por exemplo, placa de captura de vídeo) para transmissão. O receptor joga o sinal decodificado para a tela de vídeo do usuário. A transmissão de vídeo e, conseqüentemente, esse CODEC, é opcional, mas caso exista, o terminal deve prover, no mínimo, H.261 QCIF (Quarter Common Intermediate Format); CODEC de áudio (G.711, G.722, G.723, G.728, G.729): codifica o áudio vindo da fonte (por exemplo, microfone) para transmissão. No receptor joga o sinal decodificado para o alto-falante do sistema. Todo terminal H.323 deve ter, no mínimo, o CODEC para a recomendação G.711, entretanto, em linhas de baixa velocidade (<56Kbps), o G.711 não funciona, portanto, tais terminais devem suportar ou o G.723 ou o G.729 [ITU 98, pg 16]; Canal de dados: suporta aplicações tipo whiteboard, transferência de imagens estáticas, transferência de arquivos, acesso a banco de dados, e outros; Unidade de controle do sistema (H.245, H.225.0): fornece sinalização para operação do terminal H.323. Fornece controle de chamada, sinalização de comandos e indicações, e assim por diante. Através da negociação do protocolo H.245, é possível usar outros CODECs de vídeo e outros formatos de imagem. Além disso, mais de um canal de vídeo pode ser transmitido ou recebido (para enviar o palestrante e a platéia simultaneamente, ou para receber todos os participantes de uma conferência). Durante o estabelecimento da

16 Multimídia em redes de computadores pg. 16 conexão, são trocadas mensagens de sinalização H.245 capability exchange, para descobrir a capacidade dos terminais, o que permite a escolha da taxa de transmissão em bits/s, o formato da imagem, algoritmo de compactação, e assim por diante [ITU 98, pg 15]; Controle de RAS (Registration, Admission and Status): utiliza mensagens H para fazer funções de registro, admissão, mudança de largura de banda, status e desligamento entre Gatekeepers e terminais. Em ambientes que não tem Gatekeeper, o RAS não é utilizado; Camada H.225.0: formata as informações (vídeo, áudio, dados) a serem transmitidas ou recebidas da interface de rede. Além disso, faz controle de erros e numeração de seqüência, dependendo do meio. A norma H [ITU 98a] utiliza os protocolos RTP e RTCP [RFC 1889] para sincronização e montagem dos pacotes; Receive Path Delay: é um atraso incluído no fluxo de entrada de dados a fim de manter a sincronização e controlar o jitter, conseguindo assim, por exemplo, sincronização labial Gatekeepers O gatekeeper é opcional em um sistema H.323, provendo, quando utilizado, os seguintes serviços de controle de chamada para componentes H.323: Tradução de endereço: é necessário traduzir o endereço LAN dos terminais e gateways (aliases mais fáceis de decorar) para endereços IP ou IPX, conforme a especificação do RAS; Controle de admissão: Autorização de acesso à LAN usando mensagens de admission request, confirm e reject (ARQ, ARC, ARJ); Gerência de zona: o gatekeeper provê as funções acima para sua zona. O conjunto de todos terminais, gateways e MCUs controlados por um gatekeeper é conhecido como zona H.323, como mostra a figura a seguir [PRI 99]. Controle e Gerência de banda: se um gerente especificou um número máximo de conferências na rede, o gatekeeper pode deixar de aceitar conexões após esse máximo ter sido atingido, limitando a largura de banda utilizada pelo H.323 como um todo; Zona H.323 Terminal Gatekeeper Gateway Terminal Terminal HUB HUB Terminal Terminal Roteador Roteador MCU Gateways O Gateway também é opcional em um sistema H.323, sendo utilizado quando é necessário efetuar conversão entre formatos para permitir a comunicação entre terminais H.323 e outros tipos. Essa função inclui conversão de formatos de transmissão (por exemplo, H.225 para/de H.221), e formatos de comunicação (por exemplo, H.245 para/de H.242). A figura a seguir mostra um exemplo de uso do gateway interligando um terminal H.323 e a telefonia pública.

17 Multimídia em redes de computadores pg. 17 As principais aplicações do gateway são as seguintes [PRI 99]: Estabelecer links com terminais analógicos da telefonia pública; Estabelecer links através de redes RDSI com terminais compatíveis H.320; Estabelecer links através de redes públicas de telefonia com terminais compatíveis H MCUs O Multipoint Control Unit também é um elemento opcional, seu objetivo é permitir conferências entre três ou mais usuários. No H.323, um MCU consiste de um Multipoint Controller (MC) e zero ou mais Multipoint Processors (MPs). Isso é importante principalmente para conferências multicast, que são controladas por ele. O fluxo de áudio e vídeo é processado pelo MP. MC e MP podem existir como componentes separados ou serem implementados junto com outros componentes H.323. Pode haver conferências de dois tipos: centralizada e descentralizada [ITU 98, pg 5]. Uma conferência multiponto descentralizada utiliza multicast para enviar dados entre os participantes, não necessitando MP para isso, entretanto, a parte de controle é feita utilizando o protocolo H.245 para um MC, que gerencia a conferência. Uma conferência multiponto centralizada é aquela onde cada um dos terminais participantes envia sinalização de controle, áudio, vídeo e dados para o MCU. O MC do MCU gerencia a conferência, e o MP processa o áudio, vídeo e dados, retornando os fluxos processados a cada terminal. Na figura a seguir tem uma ilustração de conferência centralizada e descentralizada. Áudio e Vídeo multicast Descentralizado Áudio e Vídeo unicast Centralizado

18 Multimídia em redes de computadores pg Sinalização no H.323 O H.323 utiliza uma série de protocolos de sinalização, conforme mostrado na figura a seguir. A explicação a seguir assume a existência do gatekeeper, mas caso ele não exista, as mensagens de sinalização são trocadas diretamente entre origem e destino [SCH 99], [ITU 98]. Inicialmente, são trocadas mensagens H.225 ARQ (Admission Request) e ACF (Admission Confirm) para registro no gatekeeper (mensagens utilizando o canal RAS - Registration, Admission and Status - do gatekeeper). Na figura não mostra, mas o destino também deve se registrar no seu gatekeeper (visto na tabela após a figura). Logo em seguida, deve ser estabelecido o canal confiável (TCP) de sinalização (call signalling channel) para trocar mensagens de controle H (que, por sua vez, utiliza mensagens Q.931 para sinalização). Da mesma forma que foi estabelecido um canal confiável de sinalização H (via Q.931), deve ser estabelecido um canal confiável (TCP) de controle para o H.245. A sinalização do H.245 efetua a troca de capacidades entre origem e destino, determinando mestre e escravo (para controle MCU), formato do fluxo de áudio, formato do fluxo de vídeo, e assim por diante. A tabela a seguir mostra com maiores detalhes o fluxo de mensagens para efetuar uma conferência de áudio no H.323 [SCH 99]. T1=Terminal1, T2=Terminal2, G=gatekeeper, RTT=Round Trip Time.

19 Multimídia em redes de computadores pg. 19 RTT Origem Destino Descrição 1 T1 G H.225 RAS: Admission Request (ARQ) para T1 G T1 H.225 RAS: Admission Confirm (ACF) para T1 T1 T2 TCP SYN para abertura de canal de sinalização Q.931 T2 G H.225 RAS: Admission Request (ARQ) para T2 2 G T2 H.225 RAS: Admission Confirm (ACF) para T2 T2 T1 TCP SYN ACK para confirmação canal Q.931 T1 T2 TCP ACK estabelece conexão 3 T1 T2 H.225: Q.931: setup T2 T1 H.225: Q.931: connect T1 T2 TCP SYN para abertura de canal de controle H T2 T1 TCP SYN+ACK para confirmação do canal H.245 T1 T2 TCP ACK estabelece conexão H T1 T2 Capabilities Exchange Mestre/Escravo T2 T1 Capabilities Exchange Mestre/Escravo 6 T1 T2 H.245: abre canal de áudio (open) T2 T1 H.245: abre canal de áudio (ack+open) 7 T1 T2 H.245: abre canal de áudio (ack) Exemplo de conferência H Exemplos de Terminais H.323 /**/ /* falar do Netmeeting, VIC??, CU-Seeme */ Exemplos de Gatekeepers /**/ /* procurar gatekeepers H.323 comerciais */ Exemplos de Gateways /**/ /* procurar gateways H.323 comerciais */ Exemplos de MCUs /**/ /* procurar MCUs H.323 comerciais */ 3.2 SIP O protocolo SIP (Session Initiation Protocol), definido na RFC 2543, é um protocolo da camada de aplicação que tem por objetivo prover a sinalização necessária para estabelecer, modificar e terminar chamadas ou sessões multimídia. Tais sessões multimídia incluem conferências, ensino a distância, voz sobre IP, distribuição de vídeo e outras aplicações similares. Os participantes podem se comunicar via multicast, unicast ou de ambas formas, e também via TCP ou UDP. No protocolo, são definidas cinco funções para iniciar e terminar comunicações multimídia: Localização de usuário: determinação do endereço a ser usado para comunicação. O endereço SIP é da forma A parte User é um nome de usuário ou número de telefone, e a parte host é um nome de domínio ou número de rede. Em redes heterogêneas, SIP pode ser usado para determinar que o interlocutor pode ser encontrado via H.323, obter o endereço do usuário e endereço do gateway via H.245 e usar o H para estabelecer a chamada; Capacidades do usuário: determinação da mídia e seus parâmetros;

20 Multimídia em redes de computadores pg. 20 Disponibilidade do usuário: determinação da vontade do interlocutor de entrar na comunicação; Estabelecimento da chamada (call setup): estabelecimento dos parâmetros de chamada entre participantes. Utiliza para isso os métodos INVITE e ACK. O método INVITE contém, normalmente, uma descrição da sessão, sendo utilizado um formato específico, como o SDP, descrito na RFC 2327; Tratamento da chamada (call handling): inclui transferência e término de chamadas. O término de chamadas é com o método BYE. 3.3 Comparação entre SIP e H.323 O H.323 está sendo padronizado pelo ITU-T, e o SIP faz parte da trilha do IETF. Em termos de sinalização de dados, é possível fazer uma comparação entre ambos, como pode ser visto em [SCH 99] e [SCH 99a]. H.323 compreende uma série de protocolos, como RTP para transporte de dados, H (com sinalização RAS e Q.931) para configuração, H.245 para negociação de formato, H.450 para serviços suplementares e H.332 para conferências tipo painel [SCH 99]. O SIP oferece uma funcionalidade similar ao H.225.0, Q.931, RAS, H.245 e H Atraso de conexão Dependendo do uso ou não de um gatekeeper, o estabelecimento de conexão no H.323 pode levar de 6 a 7 RTTs (Round Trip Times), que significa todas as vezes que o origem tem que ficar esperando pelo interlocutor para continuar o estabelecimento de conexão (isso foi visto anteriormente). No H.323 v2 com fast connect, o atraso é reduzido para 2,5 RTTs. A adição do anexo E (UDP-based signalling), pode reduzir para 1,5 RTTs [SCH 99]. O estabelecimento de conexão com o SIP via UDP necessita de 1,5 RTTs. Um pacote INVITE do terminal origem, seguido de um 200 OK do destino e um CONNECTED do origem, como mostra a figura a seguir. INVITE CONNECTED 200 OK Escalabilidade O H.323 necessita de um nível de transporte confiável para o H.245 e Q.931, levando a problemas de escalabilidade. O SIP pode usar tanto UDP como TCP. Se desejado, pode também utilizar ATM AAL5, IPX ou X.25, sem mudanças no protocolo Tamanho da conferência O H.323 permite conferências através do MCU (Multipoint Control Unit), até mesmo para conferências pequenas. Caso o usuário de uma pequena conferência esteja sendo o MC (Multipoint Controller), e desligue sua máquina, a conferência inteira termina. O uso obrigatório de MCs provoca problemas de escalabilidade.

A Família de Protocolos RTP

A Família de Protocolos RTP A Família de Protocolos RTP O que não é Não é um protocolo que trate de reserva de recursos ou de garantias de qualidade de serviço para serviços de tempo real. Não existem mecanismos que garantam a entrega

Leia mais

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H.

Aplicações Multimídia Distribuídas. Aplicações Multimídia Distribuídas. Introdução. Introdução. Videoconferência. deborams@telecom.uff.br H. Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Aplicações Multimídia Distribuídas Aplicações Multimídia Distribuídas Videoconferência Padrão H.323 - ITU Padrão - IETF Profa. Débora Christina Muchaluat

Leia mais

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11

11. VOZ SOBRE IP. VoIP. 25 Capitulo 11 11. VOZ SOBRE IP 11.1 INTRODUÇÃO Voz com qualidade de operador (carrier-grade voice) significa o seguinte: - Elevada disponibilidade. Um operador tem a rede disponível 99.999% do tempo (down-time< 5min.

Leia mais

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

VoIP. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha As principais tecnologias de Voz sobre Rede de dados: Voz sobre Frame Relay Voz sobre ATM Voz sobre IP VoIP sobre MPLS VoIP consiste no uso das redes de dados

Leia mais

Arquitecturas Multimédia

Arquitecturas Multimédia Arquitecturas Multimédia FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Arquitecturas para Comunicações Multimédia Arquitectura Multimédia IETF» Session Initiation Protocol (SIP)» Session Announcement Protocol (SAP)»

Leia mais

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed

H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ H.323: Visual telephone systems and equipment for local area networks which provide a nonguaranteed quality of service Resumo para a disciplina de Processamento Digital de

Leia mais

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP)

Capítulo 9. Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) Capítulo 9 Telefonia por Rede de Pacotes (Voz Sobre IP) 9.1 Introdução A rede de computadores foi utilizada nos seus primórdios do seu funcionamento, principalmente, para transmitir e receber mensagens

Leia mais

Protocolos Sinalização

Protocolos Sinalização Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com São protocolos utilizados para estabelecer chamadas e conferências através de redes via IP; Os

Leia mais

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR

SIP. Fabrício Tamusiunas. Comitê Gestor Internet BR SIP Fabrício Tamusiunas Comitê Gestor Internet BR SIP RFC 3261 (antiga RFC 2543) Protocolo de controle que trabalha na camada de aplicação Permite que EndPoints encontrem outros EndPoints Gerencia sessões

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano

Protocolos Multimídia. Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Alunos: Roberto Schemid Rafael Mansano Exemplos de Aplicações Multimídia Mídia Armazenada: conteúdo gravado e armazenado play/pause/rewind/forward Streaming : vê o conteúdo enquanto baixa o arquivo evita

Leia mais

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323

QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 QOS SOBRE REDES DE PACOTES UTILIZANDO H.323 Aluno: Ricardo dos Santos Alves de Souza Professor: Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Abril de 2004 DEL 1 ÍNDICE Resumo... 3 1 Introdução... 4 1.1 Redes de Pacotes...

Leia mais

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

O protocolo H.323 UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Este protocolo foi projetado com o intuito de servir redes multimídia locais com suporte a voz, vídeo e dados em redes de comutação em pacotes sem garantias de Qualidade de

Leia mais

Introdução ao VoIP Codecs

Introdução ao VoIP Codecs Introdução ao VoIP Codecs Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução ao VoIP Relembrando Telefonia analógica usa frequências captadas como voz humana na faixa de 0 a 4000Khz Para digitalizar a voz é necessário

Leia mais

Contribuição acadêmica

Contribuição acadêmica Contribuição acadêmica Origem deste trabalho em cadeiras do curso de mestrado na COPPE/UFRJ; Continuidade da contribuição acadêmica através do laboratório RAVEL: desenvolvimento de sw para apoio; intercâmbio

Leia mais

Introdução ao protocolo SIP*

Introdução ao protocolo SIP* Introdução ao protocolo SIP* 1. SIP (Session Initiation Protocol) Pode se dizer que SIP trata se de um protocolo de controle referente à camada de aplicações do Modelo de Referência OSI (Open System Interconnection),

Leia mais

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Prof. Dr. Valter Roesler: roesler@inf.ufrgs.br Universidade Federal do Rio Grande do Sul Latência Tempo entre o início de um evento e o momento que ele se torna perceptível no destino Ex: filmar um relógio

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são?

Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Multimédia, Qualidade de Serviço (QoS): O que são? Aplicações Multimédia: áudio e vídeo pela rede ( meios contínuos ) QoS a rede oferece às aplicações o nível de desempenho necessário para funcionarem.

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução

F n u d n a d ment n os o Vo V I o P Introdução Tecnologia em Redes de Computadores Fundamentos de VoIP Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Introdução VoIP (Voice over Internet Protocol) A tecnologia VoIP vem sendo largamente utilizada

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos

A recomendação H.323 define um arcabouço (guarda-chuva) para a estruturação dos diversos Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br

Codificadores de voz do MPEG-4. Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Codificadores de voz do MPEG-4 Eriko Porto eriko_porto@uol.com.br Roteiro Introdução Waveform Codecs Source Codecs Hybrid Codecs Áudio no MPEG-4 Comparação entre alguns codecs Codificadores de Voz Introdução

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia

Redes Mul)mídia. Tópicos. Streaming de Áudio e Vídeo. Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Redes Mul)mídia Streaming de Áudio e Vídeo Mário Meireles Teixeira Departamento de Informá:ca UFMA 2012 Tópicos Aplicações de Rede Mul:mídia Introdução Classes de Aplicações Mul:mídia Áudio e Vídeo de

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 19/05/2003). Huber Bernal Filho

Leia mais

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA

COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA COMPRESSÃO DE DADOS MULTIMÍDIA Por que Compressão? Apesar da expansão das capacidade de comunicação e computação, a demanda das novas aplicações multimídia cresce rapidamente Custo de transmissão e armazenagem

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Seção: Tutoriais Banda larga e VOIP Telefonia IP Este tutorial apresenta os conceitos básicos da Telefonia IP, suas características e aplicações. Autor: Huber Bernal Filho Engenheiro de Teleco (MAUÁ 79),

Leia mais

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real

Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Luis Eduardo Pereira Bueno Codificação de áudio para transmissão de voz em tempo real Trabalho elaborado como parte da avaliação da disciplina Processamento Digital de Sinais, ministrada pelo prof. Marcelo

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Aplicações e redes multimédia

Aplicações e redes multimédia Aplicações e redes multimédia Aplicações multimédia Streaming de áudio e vídeo RTSP, RTP Telefonia pela Internet RTCP, RTP, SIP Disciplinas de serviço e policiamento de tráfego Serviços integrados RSVP

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006)

Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Exercícios Rede de Computadores I (27/05/2006) Marcelo Santos Daibert Juiz de Fora Minas Gerais Brasil

Leia mais

Videoconferência: H.323 versus SIP

Videoconferência: H.323 versus SIP Videoconferência: H.323 versus SIP Este tutorial apresenta uma avaliação técnica e as tendências que envolvem os serviços providos pela pilha de protocolos do padrão H.323, especificados pelo ITU-T, e

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Surgiu final década de 1980 Tecnologia de comutação em infraestrutura redes RDSI-FL(B-ISDN) Recomendação I.121 da ITU-T(1988)

Leia mais

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM

REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM REDES CONVERGENTES PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Introdução a Redes Convergentes. Camadas de uma rede convergente. Desafios na implementação de redes convergentes. Introdução a Redes Convergentes.

Leia mais

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com)

2 Q-20102010. Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) INF-207 Sistemas Computacionais para Processamento Multimídia Sistemas Multimídia Aula 04 Redes Multimídia 2 Q-20102010 Prof. Roberto Jacobe (roberto.jacobe@gmail.com) Prof. Marcelo Z. do Nascimento (marcelo.ufabc@gmail.com)

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares

4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares 4 Transmissão de Voz em Pacotes nas Redes Celulares Nos últimos anos, aplicações baseadas em voz sobre IP (VoIP) têm sido cada vez mais difundidas. O VoIP tradicional é uma aplicação de tempo real em modo

Leia mais

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO O crescimento vertiginoso que a Internet experimentou nos últimos anos colocou o protocolo IP em uma posição

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

Streaming vídeo com RTSP e RTP

Streaming vídeo com RTSP e RTP Descrição da tarefa de programação a ser feita na disciplina de Redes de Alto Desempenho (RAD) SSC-144. Turmas A e B. A tarefa de programação é referente ao Capítulo 7 do Livro: Redes de Computadores e

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Um Pouco de História

Um Pouco de História Telefonia IP Um Pouco de História Uma Breve Introdução às Telecomunicações Telefonia Tradicional Conversão analógica-digital nas centrais (PCM G.711) Voz trafega em um circuito digital dedicado de 64 kbps

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP)

Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Transmissão de Voz em Redes de Dados (VoIP) Telefonia Tradicional PBX Telefonia Pública PBX Rede telefônica tradicional usa canais TDM (Time Division Multiplexing) para transporte da voz Uma conexão de

Leia mais

PROTOCOLOS PARA APLICAÇÕES MULTIMÍDIA

PROTOCOLOS PARA APLICAÇÕES MULTIMÍDIA PROTOCOLOS PARA APLICAÇÕES MULTIMÍDIA ABSTRACT The last few years have witnessed an explosive growth in the development and deployment of networks applications that transmit and receive audio and video

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

SIP Session Initiation Protocol

SIP Session Initiation Protocol SIP Session Initiation Protocol Pedro Silveira Pisa Redes de Computadores II 2008.2 Professores: Luís Henrique Maciel Kosmalski Costa Otto Carlos Muniz Bandeira Duarte Outubro de 2008 Índice Introdução

Leia mais

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064

VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 VOZ SOBRE IP TECNOLOGIAS E APLICAÇÕES JOSÉ MARCOS CÂMARA BRITO RA: 961064 CAPÍTULO 01 I TRODUÇÃO O crescimento vertiginoso que a Internet experimentou nos últimos anos colocou o protocolo IP em uma posição

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE

Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE Capítulo 7 CAMADA DE TRANSPORTE SERVIÇO SEM CONEXÃO E SERVIÇO ORIENTADO À CONEXÃO Serviço sem conexão Os pacotes são enviados de uma parte para outra sem necessidade de estabelecimento de conexão Os pacotes

Leia mais

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia

Prof. Daniel Hasse. Multimídia e Hipermídia Prof. Daniel Hasse Multimídia e Hipermídia AULA 02 Agenda: Algoritmos de Codificação/Decodificação; Codec de Áudio. Atividade complementar. Algoritmos de Codificação/Decodificação - Comunicação tempo real,

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Integração de Serviços na Internet fldotti@inf.pucrs.br por www.inf.pucrs.br/~fldotti Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação PUC-RS 1 Sumário Integração de Serviços Terminologia,

Leia mais

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF)

Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago. Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Voz sobre IP (VoIP) Marcel Barbosa de Oliveira, Marco Aurelio Goecking Santiago Ciência da Computação Universidade Federal Fluminense (UFF) Abstract. This paper describes a little bit of the VoIP tecnologie.

Leia mais

FURGTV: STREAMING VIDEO VIA MULTICAST

FURGTV: STREAMING VIDEO VIA MULTICAST FURGTV: STREAMING VIDEO VIA MULTICAST Rafael V. Coelho Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG) Rio Grande - RS rafaelvc2@gmail.com Resumo. Este trabalho apresenta a proposta do desenvolvimento

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Redes Multimídia. Professor: Renê Furtado Felix Email: rffelix70@yahoo.com.br. Redes II - UNIP 1

Redes Multimídia. Professor: Renê Furtado Felix Email: rffelix70@yahoo.com.br. Redes II - UNIP 1 Redes Multimídia Professor: Renê Furtado Felix Email: rffelix70@yahoo.com.br Redes II - UNIP 1 As exigências de funcionamento das aplicações multimídia divergem significamente daquelas tradicionais aplicações

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

TP 318 Introdução às Redes Multimídia

TP 318 Introdução às Redes Multimídia Especialização em Telecomunicações TP 318 Introdução às Redes Multimídia Prof. Antônio M. Alberti Prof. José Marcos C. Brito 1 Tópicos Introdução RTP RSTP RTCP Arquitetura SIP Arquitetura OPT Referências

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

Novas Propostas para Protocolos de Streaming. Cesar Henrique Pereira Ribeiro. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF)

Novas Propostas para Protocolos de Streaming. Cesar Henrique Pereira Ribeiro. Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Novas Propostas para Protocolos de Streaming Cesar Henrique Pereira Ribeiro Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense (UFF) Rua Passo da Pátria, 156 Niterói RJ Brazil cesarhpribeiro@yahoo.com.br

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo

IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP. Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo IFB INSTITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA TECNOLOGIA VOIP Nome: Nilson Barros Oliveira Sergio Lopes Turma: Técnico de informática 3 Módulo Brasília, 09 de Maio de 2012 Tecnologia Voip VoIP (Voice over Internet

Leia mais

Tecnologias Atuais de Redes

Tecnologias Atuais de Redes Tecnologias Atuais de Redes Aula 5 VoIP Tecnologias Atuais de Redes - VoIP 1 Conteúdo Conceitos e Terminologias Estrutura Softswitch Funcionamento Cenários Simplificados de Comunicação em VoIP Telefonia

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Introdução à voz sobre IP e Asterisk

Introdução à voz sobre IP e Asterisk Introdução à voz sobre IP e Asterisk José Alexandre Ferreira jaf@saude.al.gov.br Coordenador Setorial de Gestão da Informática CSGI Secretaria do Estado da Saúde SES/AL (82) 3315.1101 / 1128 / 4122 Sumário

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

Ferramentas de Monitoração Ativa e Passiva para Avaliação da Qualidade de Redes VoIP

Ferramentas de Monitoração Ativa e Passiva para Avaliação da Qualidade de Redes VoIP Fabio David Ferramentas de Monitoração Ativa e Passiva para Avaliação da Qualidade de Redes VoIP Orientador: Prof. Paulo Henrique de Aguiar Rodrigues, Ph.D. Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Leia mais

Protocolos Multimídia na Internet

Protocolos Multimídia na Internet Parte 2 Transporte de Mídia Tópicos em Sistemas de Computação Prof. Dr. Adriano Mauro Cansian adriano@acmesecurity.org Protocolos para transportar mídia Protocolos de aplicação Prof. Dr. Adriano Mauro

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

VIDEOCONFERENCING AND INTERNET

VIDEOCONFERENCING AND INTERNET VIDEOCONFERÊCIA E INTERNET Jonas Barros Maiara Matsuoka Wilson Carlos e-mail: maiara_sayuri@hotmail.com Redes Remotas de Computadores Prof. Tito Barbosa Redes Convergentes Prof. Esp. Marcelo Guido de Oliveira

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE.

1. INTRODUÇÃO AO ATM. O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. 1. INTRODUÇÃO AO ATM O nome ATM vem de ASYNCHRONOUS TRANSFER MODE. O Protocolo ATM vem se tornando a cada dia que passa o mas importante no meio das Telecomunicações Mundiais. Tudo leva a crer que desempenhará

Leia mais

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion

Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Streaming na pratica Shoutcast Flumotion Felipe Santos dos Santos 1 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas(FATEC) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro CEP: 96.015-560 Pelotas RS Brasil Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO PRÁTICA DE SISTEMAS DE VÍDEOCONFERÊNCIA

OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO PRÁTICA DE SISTEMAS DE VÍDEOCONFERÊNCIA OPERAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO PRÁTICA DE SISTEMAS DE VÍDEO-CONFERÊNCIA Daniel André Fehrmann fehrmann@celepar.pr.gov.br Luciano Lopes Martins lucianolm@celepar.pr.gov.br PROGRAMA 1. Conceitos e elementos básicos

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução

VoIP - Voz sobre IP. 1 - Introdução Parte 3 1 2 1 - Introdução VoIP - Voz sobre IP Uma revolução está para acontecer no ambiente de telecomunicação. Há décadas, desde a invenção do telefone, que a exigência básica para uma comunicação telefônica

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

O nível Transporte nas redes ATM

O nível Transporte nas redes ATM O nível Transporte nas redes TM Introdução Estrutura da camada de adaptação TM (L) L 1 L 2 L 3/4 L 5 Comparação entre protocolos L COP Introdução camada L (TM daptation Layer) da rede TM corresponde a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO SOLUÇÕES DE VIDEOCONFERÊNCIA H.323 E SIP por CLEBER MACHADO ORTIZ TI CPGCC - UFRGS Trabalho Individual

Leia mais

Recomendação H.261 para serviços audiovisuais a taxas de transmissão p*64 kbit/s

Recomendação H.261 para serviços audiovisuais a taxas de transmissão p*64 kbit/s 1. Introdução A compressão digital de imagem tem vindo a ganhar uma importância crescente, em especial nos sistemas de transmissão, uma vez que a capacidade dos canais é normalmente limitada e muito inferior

Leia mais

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 Tipos de Comunicação - Difusão: Rádio e TV - Pessoa-a-Pessoa: Telefonia - Máquina-a-Máquina: Computadores Difusão: Rádio e TV Receptor Receptor Receptor Transmissor

Leia mais

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com

VOIP H323 e SIP. Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com VOIP H323 e SIP Alessandro Coneglian Bianchini alessanc@gmail.com Apresentação Alessandro Coneglian Bianchini exerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP

PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE UM REGISTRAR PARA UM SISTEMA DE TELEFONIA IP BASEADO NO PADRÃO SIP TRABALHO

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP

1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1. PRINCIPAIS PROTOCOLOS TCP/IP 1.1 IP - Internet Protocol RFC 791 Esse protocolo foi introduzido na ARPANET no início dos anos 80, e tem sido utilizado juntamente com o TCP desde então. A principal característica

Leia mais