Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA"

Transcrição

1

2 SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

3 O Que é Cogeração? SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA A cogeração a partir do gás natural é o processo que permite a produção de energia elétrica e térmica, de forma simultânea, a partir de uma única fonte de combustível. Ela possibilita melhor aproveitamento do gás, com mais eficiência, representando custo menor para o usuário. Pela geração de energia, a partir da cogeração, o usuário torna-se seu autoprodutor de energia, evitando o risco de oscilações de carga na rede, principalmente nos chamados horários de pico. O produtor pode inclusive vender a energia excedente às distribuidoras. Quando usado para refrigeração, a cogeração, além de mais econômica, preserva o meio ambiente, por não utilizar gases do tipo CFC (cloro-fluorcarbono), um dos gases mais danosos à camada de ozônio, responsável pela proteção do planeta contra os raios ultravioletas

4 Solução: Integrar as soluções adotadas separadamente com a visão de transformar rejeitos térmicos em calor útil ao processo. SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA INSUMO 1 GÁS NATURAL ÁGUA GELADA ÁGUA QUENTE CO2 VAPOR DE PROCESSO ENERGIA DE EMERGÊNCIA OPERAÇÃO DO CLIENTE

5 Turbinas a Gás

6 Perfil Energético Sistema de Cogeração Turbina CLIENTE Caldeira de Recuperação Turbina a Gás Natural Vapor de Processo ENERGIA ELÉTRICA Chiller de B ÁGUA GELADA GÁS NATURAL Absorção B Bombas de Água de Condensação Torres de Resfriamento

7 com Motor a Gas Cadeia Energética INSUMOS PRODUTOS GÁS NATURAL 100 % 40 % ENERGIA ELÉTRICA AR ATMOSFÉRICO 18 % GASES DE ESCAPE ÓLEO LUBRIFICANTE 28 % ÁGUA QUENTE ÁGUA DE CONDENSAÇÃO MOTOGERADOR ÁGUA GELADA / FRIO 14 % VAPOR / CALOR PERDAS Eficiência Global de ~ 86% CO2

8 Perfil Energético Sistema de Cogeração Motor de Combustão ENERGIA ELÉTRICA Gases de Escape Recuperador de Energia Lançado na Atmosfera CLIENTE ÁGUA GELADA Chiller de Absorção GÁS NATURAL Água Quente ÁGUA QUENTE PARA PROCESSO Bombas de Água de B Condensação

9 Principais Players de Sistemas de Cogeração MOTOR DE COMBUSTÃO TURBINA e CALDEIRA DE RECUPERAÇÃO CHILLERS DE ABSORÇÃO TORRES DE RESFRIAMENTO SISTEMA ELÉTRICO GE; WATSILA; CATERPILLAR; CUMMINS; CATERPILLAR SIMMENS; TURBOMECA; GE; AALBORG; DAN POWER. YORK; CARRIER; TRANE. ALPINA; VETOR. WEG; SCHNEIDER; ABB; SIMMENS

10 SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

11 Casos de Sucesso de Sistemas de Cogeração Sucesso em Cogeração?? É um sucesso??!! Por que?

12 Sistemas Convencionais Energia Elétrica Consumida Mês JANEIRO FEVEREIRO MARÇO ABRIL MAIO JUNHO JULHO AGOSTO SETEMBRO OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO Demanda Medida [kw] Fator de Carga 0,87 0,94 0,90 0,88 0,78 0,63 0,70 0,69 0,90 0,78 0,84 0,81 Demanda Máxima [kw] Demanda Média [kw] Demanda Contratada [kw] Visão do Sistema de Geração Fluxo de Energia Perdas Transformadores do site 2,5% Perdas Por Transmissão 6,0% Perdas Transformadores Usina 2,5% Consumo de Auxiliares da Usina 4,0% Eficiência de Geração 56,0% Nota: números médios Geração Por Cogeração Desonera a Sobrecarga em Função de Perdas, Além Consumir Insumo em Função do Efetivamente Requerido Consumo Site [kw] Delta Trafo Site [kw] Delta Transmissão [kw] Delta Trafo Usina [kw] Delta Consumo Usnina [kw] Eficiência Usina [kw]

13 Sistemas Convencionais Energia Consumida Geração de Frio Visão Interna Consumo Para Geração de Frio Capacidade de Frio [TR's] COP da Máquina de Geração de Frio 6,5 Consumo Específico do Equipamento [kw/tr] 0,54 Visão do Sistema de Geração Fluxo de Energia Perdas Transformadores do site 2,5% Perdas Por Transmissão 6,0% Perdas Transformadores Usina 2,5% Consumo de Auxiliares da Usina 4,0% Eficiência de Geração 56,0% Nota: números médios Consumo Específico do Equipamento Consumo Do Equipamento Consumo dos Auxiliares Consumo Específico da Central [kw/tr] Reflexo do COP no Sistema na Matriz Energética do Empreendimento = 0,54 kw/tr = 540 kw = 240 kw = 780 kw = 0,78 kw/tr Consumo Site [kw] Delta Trafo Site [kw] Delta Transmissão [kw] Delta Trafo Usina [kw] Delta Consumo Usnina [kw] Eficiência Usina [kw] Consumo Específico da Central [kw/tr] 1,41 Reflexo do COP no Sistema na Matriz Energética do País = 2,5 Consumo Para Geração de Frio No Sistema Energético Capacidade de Frio [TR's] COP da Máquina de Absorção 0,75 Consumo Específico do Equipamento [kw/tr] 0,016 = 4,5 Geração de Frio Por Cogeração

14 Sistemas Convencionais Consumo de Gás Natural 1. Base de Comparação: Energia eletrica = 1 MWe Vapor = 0,8 Ton Refrigeração = 160 TR (equivalente a 0,12 MWe deslocados) 2. Sistema Convencional: Vapor produzido por caldeiras = 77 m3/ton Energia elétrica nova da rede : -Eficiencia de 52% [líquida chegada ao ponto de consumo] = 194 m3/mwe -Eficiencia de 35% [líquida chegada ao ponto de consumo] = 289 m3/mwe

15 COGERAÇÃO Apropriação do consumo: m3/h Eficiência da Cogeração estimada 87% Energia Elétrica (39%) 107 Vapor(25%) 68 Agua gelada (23%) 63 Perdas (13%) 37 Consumo total de gás natural 275 CONVENCIONAL m3/h m3/h Eficiência da geração de energia NOVA estimada 52% 35% Apropriação do consumo: Energia Elétrica Vapor Agua gelada (equivalente elétrico) Consumo total Distribuição de Gás natural pelo Perfil Energético da Cogeração

16 COGERAÇÃO Cog. Conv. 1 Conv.2 Conclusão Eficiência estimada 87% 52% 35% Maior eficiência Cogeração Energia Elétrica Menor consumo de combustível/mwe Vapor Valores similares Agua gelada Menor consumo Perdas 37 Incl. Incl. Consumo total de gás natural A COGERAÇÃO não irá contribuir negativamente na Matriz Energética do Empreendimento A energia de fonte térmica do sistema nacional representa 50% aproximadamente da energia nova para 2012.

17 Casos de Sucesso de Sistemas de Cogeração Sucesso em Cogeração?? É um sucesso??!! Resposta: Possui Viabilidade, sendo possível se obter sucesso com a sua utilização

18 Casos de Sucesso de Sistemas de Cogeração Por Que? Autossuficiência em energia elétrica e térmica; Criação do agente de backup(concessionária de energia local); Centralização de utilidades, facilitando o acesso à manutenção e evitando-se trânsito de manutenção pelos empreendimentos; Redução dos custos operacionais; Redução das Demandas Elétricas Contratadas; Curto prazo de implantação aprox. 12 meses; Solução modular, ampliação de geração em função de aumento de demanda; Solução de longo período de utilização(aprox. 25 anos); IsençãodeCFCnoprocessodegeraçãodeáguagelada; Rápida dispersão do combustível em caso de vazamentos; Estabilidade de tensão e frequência na energia cogerada; Estabilidade de operação; Confiabilidade(disponibilidade de 98% das horas operacionais).

19 Casos de Sucesso de Sistemas de Cogeração Por Que? Garantia de fornecimento sem interrupção de Gás natural; Garantia de regras claras de reajustes tarifários; Uso racional dos recursos naturais; Contribuição na Certificação LEED; CONFIABILIDADE no fornecimento de energia elétrica e demais utilidades; ATENDIMENTO AO CRESCIMENTO DE DEMANDA DE ENERGIA exigido pelo crescimento do empreendimento, pois sem a COGERAÇÃO poderá enfrentar limitações de suprimento pela concessionária; REDUÇÃO DAS PERDAS de produção por falha de suprimento de energia;

20 Casos de Sucesso de Sistemas de Cogeração - Centro de Eventos e Feiras do Ceará.

21 RenewPower ESTUDO DA MATRIZ ENERGÉTICA DO CENTRO DE EVENTOS DO CEARÁ

22 RenewPower Característica do Empreendimento:

23 RenewPower COMPARATIVO SISTEMA CONVENCIONAL X COGERAÇÃO Centralde Água Gelada composta por Chillers Elétricos e Termoacumulaçãode Água Gelada Central de Emergência composta por grupo geradores para suprimento de energia no horáriode ponta e falha da concessionária Centralde Cogeraçãode Energia Térmica para suprimento de Água Gelada do Sistema de Ar Condicionado Geração de Continua de Energia Elétrica para consumo próprioe suprimento da demanda elétrica do empreendimento

24 RenewPower Chiller Elétrico CENTRA DE COGERAÇÃO - COMPOSIÇÃO 1 centrífuga (aproveitamento de um chiller elétrico) Bombas de Água Gelada Primária Bombas de Água Gelada Secundária Bombas de Água de Condensação Torres de Resfriamento Tanque de Água Gelada Civil da Casa de Máquinas Grupo Moto-geradores Recuperadorde Calor Painéis Elétricos Subestação Exportadora 69 kv 4 bombas (aproveitamento de 3 existentes) 8 bombas (aproveitamento das 8 bombas existentes) 4 bombas (aproveitamento de 3 existentes) 8 torres (aproveitamento das 8 torres existentes) 1 tanque (aproveitamento do tanque existente) Aproveitamento da existente 3 moto-geradores com potencia de 2 MWe 3 sistemas de recuperaçãode calor Sistemas de proteção e sincronismo Transformadores Elevadores e Proteções Sistema de Automação

25 RenewPower ENERGIA ELÉTRICA CEC Gases de Escape Recuperador de Energia Lançado na Atmosfera Chiller Elétrico CENTRO DE EVENTOS DO CEARÁ Chiller de Absorção B ÁGUA GELADA Tanque de Água Gelada GÁS NATURAL Água Quente ÁGUA QUENTE PARA PROCESSO B Bombas de Água de Torres de Resfriamento Condensação

26 RenewPower Projeto Convencional Cogeração Demanda Elétrica 10 MWe 6 MWe Carga Térmica TR TR Carga Térmica (TR) Data / Hora Pavilhão Leste Pavilhão Oeste Corrente I (A) Pot. Ativa Total (kw) Consumo Específico (kw/tr) 7 850,8 0,0 1531,0 972,7 1, ,4 1270,5 3056,0 1913,7 0, ,3 1077,8 2882,0 1805,9 0, ,4 1104,8 2694,0 1692,4 0, ,3 1229,8 2600,0 1631,2 0, ,3 1190,9 2650,0 1670,8 0, ,9 1126,6 2593,0 1625,7 0, ,6 1096,5 2558,0 1608,4 0, ,0 1010,4 2711,0 1699,4 0, ,5 993,4 2725,0 1729,9 0, ,0 0,0 0, ,0 595,2 352,0 231,6 0, ,2 946,2 2581,0 1615,8 0, ,5 868,1 2519,0 1585,3 0, ,9 943,0 2518,0 1578,4 0, ,4 958,0 2626,0 1614,2 0, ,9 1030,0 2588,0 1598,7 0,76 máximo 1106,4 1270, ,7 0,80 Consumo Médio da CAG

27 RenewPower

28 Jacques Haratz Tel: (021) Anibal Perez Tel: (021) Av. Luiz Carlos Prestes, n 350, sala 201, CEP: , Barra da Tijuca - Rio de Janeiro/RJ

CASE ROCHAVERÁ CORPORATE TOWER

CASE ROCHAVERÁ CORPORATE TOWER CASE ROCHAVERÁ CORPORATE TOWER ROCHAVERÁ CORPORATE TOWERS SP CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDIMENTO Solução desenvolvida na Fase de Projeto; Implantação em 2 fases, iniciando a 1ª fase em 2008 e a 2º fase em

Leia mais

Equipamentos Água Gelada Água Torre

Equipamentos Água Gelada Água Torre Água Gelada Água Torre Equipamentos Equipamentos Bombeamento Água Torre Bombeamento Água Gelada Torres de Resfriamento Fancoil de Alvenaria Equipamentos Vista Externa Fancoil de Alvenaria Equipamentos

Leia mais

UTE-IGUATEMI Central de Cogeração. Eng Fleury Ferreira Filho

UTE-IGUATEMI Central de Cogeração. Eng Fleury Ferreira Filho UTE-IGUATEMI Central de Cogeração Eng Fleury Ferreira Filho SHOPPING IGUATEMI Nossos Números Área total construída - 166.680 m² Área Bruta Locavel (ABL) 73.719 m² Fluxo médio de clientes 140.000 pessoas/dia

Leia mais

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos

Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Cogeração na indústria: os benefícios e os ganhos energéticos Grupo Light Distribuição Geração Serviços de Energia Restrita a parte do estado do RJ (incluindo a Grande Rio) Light Energia Itaocara Paracambi

Leia mais

Situação da Energia Elétrica no Brasil e a Solução para a Crise

Situação da Energia Elétrica no Brasil e a Solução para a Crise Março 2014 RenewPower Situação da Energia Elétrica no Brasil e a Solução para a Crise Breve Resumo Março -2014 Matriz Energética A matriz energética brasileira é baseada em hidroeletricidade e dependente

Leia mais

Alguns questionamentos

Alguns questionamentos Alguns questionamentos Quais são as principais preocupações das administradoras e operadores prediais em relação ao desempenho do sistema de Ar Condicionado? - Atender a carga térmica (subdimensionamento

Leia mais

Realização: Parceiro:

Realização: Parceiro: Realização: Parceiro: Tecnologia de sistemas prediais disponível no Brasil atendendo requisitos de sustentabilidade. Eduardo Yamada Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Gerente de Sistemas Prediais e Energia

Leia mais

Máquinas Térmicas: Cogeração

Máquinas Térmicas: Cogeração Máquinas Térmicas: Conceitos Básicos 1 Geração Distribuída Usina Usina Eólica MCI Área Rural Consumidores Célula Comb. Conservação de Energia Bateria Microturbina CF Geração Distribuída Geração distribuída

Leia mais

Cogen Gás Comércio & Serviços > eletricidade + vapor + água quente + água fria

Cogen Gás Comércio & Serviços > eletricidade + vapor + água quente + água fria Gás Natural > oferta crescente Bacias de Santos, Espírito Santo, Campos e importação Bolívia e GNL Cogen Gás Indústria > eletricidade + vapor + água quente + água fria + utilidades de processo turbina

Leia mais

Cogeração em ambiente urbano

Cogeração em ambiente urbano Cogeração em ambiente urbano MAIO 2010 Miguel Gil Mata 1 Índice Cogeração Conceito Energia térmica vs energia eléctrica Estratégia energética Regulamentação nacional Externalidades Cogeração em ambiente

Leia mais

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica

Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Energia Energia Renovável e Geração Descentralizada de Energia Elétrica Milton Flávio Marques Lautenschlager Subsecretário de Energias Renováveis 2013 Gás Natural

Leia mais

Ronaldo Andreos Geração Distribuída

Ronaldo Andreos Geração Distribuída Ronaldo Andreos Geração Distribuída randreos@comgas.com.br Geração Distribuída à Gas Natural Quem somos? Mais do que fornecer gás natural, queremos impulsionar pessoas e empresas com uma solução energética

Leia mais

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO

BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO BIOGÁS de ETE PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CASE da ETE RIBEIRÃO PRETO Atuação do Grupo no Brasil Ribeirão Preto 1995 População Atendida 680.000 Mogi Mirim 2008 População Atendida: 130.000 Tratamento

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. São Paulo - SP - Brasil XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre

Leia mais

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101

MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 HISTÓRICO: O desenvolvimento da tecnologia de cogeração

Leia mais

Idealizando Soluções Inteligentes!

Idealizando Soluções Inteligentes! Idealizando Soluções Inteligentes! Dominio Automação Industrial LTDA R: Salomão Elias Feder, 1197 Bairro: Uberaba Curitiba / Paraná Fone: (41)3026-0430 A EMPRESA: A DOMINIO é uma empresa de Engenharia

Leia mais

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015

Cogeração em Centros. A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Cogeração em Centros Hospitalares Projeto CHSJ A Eficiência de Recursos Energéticos na Saúde Desenvolvimentos e Oportunidades 18 setembro 2015 Caracterização infraestrutura Hospital 1100 camas Área de

Leia mais

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica

Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Perspectivas do Setor de Energia Elétrica Palestra Apimec RJ 19/set/2011 Leonardo Lima Gomes Agenda 1. Visão Geral do Setor 2. Mercado de Energia Elétrica 3. Perspectivas Desenvolvimento Mercado 4. Perspectivas

Leia mais

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG

Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Empresas e Consórcios do Grupo CEMIG Roteiro 1. A EMPRESA EFFICIENTIA 2. CAMPOS DE ATUAÇÃO 3. PROJETOS TÍPICOS E CASOS DE SUCESSO A Efficientia na Holding CEMIG Empresa especializada em eficiência e Soluções

Leia mais

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia

Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia Cooperação Brasil Alemanha Programa Energia MAPEAMENTO PARA PUBLIC-PRIVATE-PARTNERSHIPS NOS SETORES DE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENTRE O BRASIL E A ALEMANHA Raymundo Aragão Anima Projetos

Leia mais

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II

SEL-0437 Eficiência Energética. Sistemas de Refrigeração Parte II SEL-0437 Eficiência Energética Sistemas de Refrigeração Parte II 1 Tópicos da Aula de Hoje Sistemas de ar condicionado Redução do consumo de energia elétrica Termoacumulação Exercícios 2 Sistemas de Ar

Leia mais

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte

Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria. Carlos Duarte Eficiência Energética No Hospital de Santa Maria Carlos Duarte 8 Maio 2017 O Hospital de Santa Maria Inicialmente com o nome de Hospital Escolar de Lisboa, o Hospital de Santa Maria foi projetado em 1938

Leia mais

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal

Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Cogeração de energia na cadeia do carvão vegetal Dr. Electo Eduardo Silva Lora Eng. Mateus Henrique Rocha Fórum Nacional sobre Carvão Vegetal Belo Horizonte, 21 de outubro de 2008. Núcleo de Excelência

Leia mais

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra

Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Centrais de cogeração em edifícios: o caso da Sonae Sierra Miguel Gil Mata 29 Maio 2009 FEUP Semana da Energia e Ambiente 1 Centrais de Cogeração em edifícios o caso da Sonae Sierra 1. O conceito de Cogeração

Leia mais

Termelétrica de Ciclo Combinado

Termelétrica de Ciclo Combinado Termelétrica de Ciclo Combinado As usinas termelétricas são máquinas térmicas que têm como objetivo a conversão da energia de um combustível em energia elétrica. A eficiência térmica de conversão destas

Leia mais

Lages Garden Shopping Sistema de Climatização

Lages Garden Shopping Sistema de Climatização NOVEMBRO/2014 Lages Garden Shopping Sistema de Climatização Expediente Ao Leitor Desenvolvida pela Rede Nacional de Mídia, a Revista HVAC MERCOSUL é a primeira revista 100% digital dirigida ao setor da

Leia mais

MERCADO. Definição: UNIDADE I - INFRAESTRUTURA ELÉTRICA SIMPLIFICADA DOS AEROGERADORES E CONEXÃO COM A REDE ELÉTRICA

MERCADO. Definição: UNIDADE I - INFRAESTRUTURA ELÉTRICA SIMPLIFICADA DOS AEROGERADORES E CONEXÃO COM A REDE ELÉTRICA Definição: no e) Sistema de combate à incêndio; Definimos aqui os circuitos auxiliares como sendo todo o conjunto de equipamentos de manobra e/ou proteção incluindo também alguns componentes do sistema

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado em SP. Fábio Bertollo. Gerente Executivo de Suprimentos e Logística +55 (11)

Desenvolvimento de Mercado em SP. Fábio Bertollo. Gerente Executivo de Suprimentos e Logística +55 (11) Desenvolvimento de Mercado em SP Fábio Bertollo Gerente Executivo de Suprimentos e Logística fbertollo@comgas.com.br +55 (11) 3325-6008 Principais mensagens _mercado de GN é promissor no Brasil: muito

Leia mais

Medição da Eficiência

Medição da Eficiência Medição da Eficiência Indicadores kw/tr É a unidade mais utilizada na avaliação de Chillers a 100% ou em cargas parciais COP (Coeficiente de Performance) É utilizado na comparação de chillers quando estes

Leia mais

CIESP CAMPINAS. A Utilização do Gás Natural para Geração de Energia Elétrica e Térmica

CIESP CAMPINAS. A Utilização do Gás Natural para Geração de Energia Elétrica e Térmica CIESP CAMPINAS A Utilização do Gás Natural para Geração de Energia Elétrica e Térmica Momento Único A Comgás Planejando a Oferta & A Matriz da Oferta Tarifas de Distribuição da Comgás Consumo em Térmicas

Leia mais

Sistemas de fornecimento de energia

Sistemas de fornecimento de energia Sistemas de fornecimento de energia 1 COBERTURA ESTRATÉGICA Fundada em 28/12/1951 Matriz em Porto Alegre/RS e outras 52 operações distribuídas em 24 estados do país, com estrutura própria de atendimento

Leia mais

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha

em gás e 25 de clientes no na atualidade eletricidade 18 mil 15 GW GNL 30 BCMs da Espanha Quem somos 3ºoperador mundial de na Espanha Quem somos na atualidade Mais de 20 M 25 de clientes no países mundo Maior companhia integrada em gás e eletricidade 18 mil funcionários Capacidade instalada 3ºoperador mundial de GNL 30 BCMs O Grupo tem

Leia mais

R. PURPURINA 155 CONJ. 33 VILA MADALENA S.PAULO SP CEP.: TEL.:

R. PURPURINA 155 CONJ. 33 VILA MADALENA S.PAULO SP CEP.: TEL.: Histórico A WRS é uma empresa possuidora de mais de 30 anos de experiência na conceituação de projetos e supervisão de campo e sua execução para prédios altos, hotéis,shopping centers, espaços culturais,

Leia mais

COGERAÇÃO = CHP COMBINED HEAT AND POWER

COGERAÇÃO = CHP COMBINED HEAT AND POWER COGERAÇÃO = CHP COMBINED HEAT AND POWER DIREITO DA ENERGIA DOCENTE: SUZANA TAVARES DA SILVA REALIZADO POR: ANDREIA CATARINA ALMEIDA ANO 2015/2016 FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Evolução

Leia mais

estilo do título mestre Clique para editar o Clique para editar os estilos do Ecogen Segundo nível Atuação no Mercado e Cases de Cogeração

estilo do título mestre Clique para editar o Clique para editar os estilos do Ecogen Segundo nível Atuação no Mercado e Cases de Cogeração Atuação no Mercado e Cases de Cogeração 1 1 11/07/2012 11/07/2012 Ecogen Gustavo Marchezin A Ecogen 11/07/2012 2 11/07/2012 2 2 A ECOGEN Fundada em 2002 sob a marca Iqara Energy, controlada pelo BG Group

Leia mais

EnergyWorks Brasil. Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e Cogeração de Energia. São Paulo 11 de Novembro de 2004.

EnergyWorks Brasil. Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e Cogeração de Energia. São Paulo 11 de Novembro de 2004. EnergyWorks Brasil Congresso Brasileiro de Eficiência Energética e Cogeração de Energia São Paulo 11 de Novembro de 2004 EnergyWorks Uma empresa comprometida como outsourcing de utilidades 2 Uma das empresas

Leia mais

Cogeração A Gás Natural

Cogeração A Gás Natural Cogeração A Gás Natural 1- Definição A co-geração é definida como o processo de produção combinada de calor útil e energia mecânica, geralmente convertida total e parcialmente em energia elétrica, a partir

Leia mais

Climatização & Cogeração de Gás Natural na Bahia. Celestino Boente

Climatização & Cogeração de Gás Natural na Bahia. Celestino Boente Climatização & Cogeração de Gás Natural na Bahia Celestino Boente Composição acionária da Bahiagás Concessão Estado da Bahia Concessão: Estado da Bahia até 2041 Feira de Santana Sto. Antº de Jesus Veracel

Leia mais

...em permanente evolução!

...em permanente evolução! Maio de 2006 A AERMEC e a climatização......em permanente evolução! 1962 Surge a Aermec, sediada em Bevilacqua, Itália 1970 Início da produção de ventiloconvectores 1980 Início da produção de chillers

Leia mais

Energia Distribuída. Energia Distribuída.

Energia Distribuída. Energia Distribuída. Energia Distribuída www.siemens.com.br/energiadistribuida 1 2 Índice A evolução da rede cria novos desafios 4 Energia Distribuída: tendência e realidade 5 Geração e Cogeração 6 Soluções para plantas híbridas

Leia mais

Geração de Energia Elétrica

Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica Geração Termoelétrica Ciclo Joinville, 09 de Maio de 2012 Escopo dos Tópicos Abordados Conceitos básicos de termodinâmica; Centrais Térmicas Ciclo : Descrição de Componentes;

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Secundário da Madeira. Tipo de Curso d água Nome Bacia Hidrográfica

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Secundário da Madeira. Tipo de Curso d água Nome Bacia Hidrográfica 1. INFORMAÇÕES GERAIS PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Secundário da Madeira 1.1. Ocorrência Hídrica Tipo de Curso d água Nome Bacia Hidrográfica Distância do empreendimento (m) 1.2.

Leia mais

Capítulo 1 1. Figura Ciclo de absorção acionado pelo calor de rejeito do motor de combustão interna.

Capítulo 1 1. Figura Ciclo de absorção acionado pelo calor de rejeito do motor de combustão interna. Capítulo 1 1 1 Introdução Este estudo experimental descreve a adaptação e modificação de uma unidade de refrigeração por absorção, transformando-a num aparato para investigação e coleta de dados. Estuda-se

Leia mais

Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre Anchieta TV Cultura.

Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação Padre Anchieta TV Cultura. XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Implantação de Sistema de Ar Condicionado Central com Termoacumulação na Fundação

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: HOSPITAIS / CLÍNICAS SUMÁRIO

Leia mais

Workshop FIESP "Usos Múltiplos do Gás Natural. GD e Cogeração GN

Workshop FIESP Usos Múltiplos do Gás Natural. GD e Cogeração GN Workshop FIESP "Usos Múltiplos do Gás Natural GD e Cogeração GN 1 COGEN - Associação da Indústria de Cogeração de Energia www.cogen.com.br Fundada em 5 de Setembro de 2003 97 associados que atuam na cadeia

Leia mais

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil

VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil VI Conferência de PCHs Mercado & Meio-Ambiente Comercialização de Energia Elétrica Proveniente de PCHs no Brasil Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração Câmara de Comercialização

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Substituição do Sistema de Refrigeração na Prefeitura da Cidade do Recife Dorival

Leia mais

Infraestrutura de alto desempenho e confiabilidade para sistemas de missão critica. Eng. José Luiz De Martini Agosto 2012

Infraestrutura de alto desempenho e confiabilidade para sistemas de missão critica. Eng. José Luiz De Martini Agosto 2012 Infraestrutura de alto desempenho e confiabilidade para sistemas de missão critica Eng. José Luiz De Martini Agosto 2012 Quem já ouviu esta vinheta?... Estivemos fora do ar devido a falta de energia elétrica

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR 2 SIST. POTÊNCIA A VAPOR Diferente do ciclo de potência a gás, no ciclo de potência

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO

PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO PERSPECTIVAS PARA A OTIMIZAÇÃO QUANTO CUSTA UM BANHO? Área Total = 170 mil m² Área Construída = 105 mil m² FREQUENCIA MÉDIA DE ASSOCIADOS (2015) Média Diária = 6.708 entradas Média Mensal = 201.251 entradas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: HOTÉIS / MOTÉIS SUMÁRIO 1.

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS DE POTÊNCIA A VAPOR Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 O objetivo dessa aula é relembrar os conceitos termodinâmicos do ciclo Rankine e introduzir aos equipamentos que

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL

AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL AVALIAÇÃO DO MERCADO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DO BRASIL PESQUISA DE POSSE DE EQUIPAMENTOS E HÁBITOS DE USO - ANO BASE 2005 - CLASSE COMERCIAL ALTA TENSÃO RELATÓRIO SETORIAL: BANCOS SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS ENG. LUCIANO BELO COBEE/14 2 3 PRODUÇÃO DISTRIBUIÇÃO CONSUMO Produção Distribuição Consumo Produção Distribuição Consumo 4 3 2 1 Energia utilizada: Chiller

Leia mais

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA

SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA SISTEMAS TÉRMICOS DE POTÊNCIA PROF. RAMÓN SILVA Engenharia de Energia Dourados MS - 2013 TURBINAS A GÁS TURBINAS A GÁS Turbogeradores são sistemas de geração de energia onde o acionador primário é uma

Leia mais

Evoluções Tecnológicas dos Motores Eléctricos. Eficiência Energética de um Sistema. Soluções.

Evoluções Tecnológicas dos Motores Eléctricos. Eficiência Energética de um Sistema. Soluções. Faro, 09/10/2013 Jornadas Técnicas Projecto eléctrico + Carlos Costa carloscosta@weg.net Tel: (351) 966 825 735 Evoluções Tecnológicas dos Motores Eléctricos. Eficiência Energética de um Sistema. Soluções.

Leia mais

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO

SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO AMBIENTAL MARCELO DE ANDRADE ROMERO QUANDO PRECISAMOS DE AR CONDICIONADO? DIAGRAMA BIOCLIMATICO DE GIVONI 30 30 zon Estratégias mais eficientes a 1 Conforto higrotérmico 10

Leia mais

Energia Incentivada Geração Distribuída de Energia Mini e Micro Geração de Energia Conceitos Básicos

Energia Incentivada Geração Distribuída de Energia Mini e Micro Geração de Energia Conceitos Básicos Energia Incentivada Geração Distribuída de Energia Mini e Micro Geração de Energia Conceitos Básicos José Henrique Diniz Consultor ADENOR, SEBRAE e FUNDAÇÃO DOM CABRAL Sócio-Consultor: CONEXÃO Energia

Leia mais

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor

Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Termodinâmica. Ciclos motores a vapor Termodinâmica Ciclos motores a vapor 1 v. 1.1 Por que estudar ciclos? Pergunta: Quanto custa operar uma usina termelétrica de 1000 MW de potência elétrica, queimando combustível fóssil, operando segundo

Leia mais

And. Your. Facilities. Energy Partner

And. Your. Facilities. Energy Partner Your Facilities And Energy Partner Os Acionistas N 1 no mundo em serviços ambientais energia água resíduos transporte 28,6 Bilhões de euros de Faturamento 300 000 colaboradores 100 países 66% No Brasil:

Leia mais

Outorga da Termelétrica: proposta da CSA. Julho 2016 thyssenkrupp CSA / Steel

Outorga da Termelétrica: proposta da CSA. Julho 2016 thyssenkrupp CSA / Steel Outorga da Termelétrica: proposta da CSA Julho 2016 thyssenkrupp CSA / Steel O Complexo Siderúrgico Eficiência na utilização dos recursos Capacidade de produção de 5 milhões de ton/ano Autossuficiente

Leia mais

SANTOS DUMONT HOSPITAL

SANTOS DUMONT HOSPITAL UNIMED SÃO JOSÉ DOS CAMPOS SANTOS DUMONT HOSPITAL Responsável: Felix Aidar Quem é o SDH? a. Características funcionais i. Planejado/Executado entre 2007 e 2009 ii. 70 leitos de internação iii. 10 leitos

Leia mais

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto

Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto Universidade Federal do ABC BC1309 Termodinâmica Aplicada Profa.. Dra. Ana Maria Pereira Neto ana.neto@ufabc.edu.br Segunda ei da Termodinâmica 1 Segunda ei da Termodinâmica Comparação com a 1ª ei da Termodinâmica;

Leia mais

Eficiência Energética Cocelpa

Eficiência Energética Cocelpa Eficiência Energética Cocelpa 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Cocelpa Ramo de atividade: Papel e Celulose Localização: Araucária / PR Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda Contratada:

Leia mais

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco

Benefícios da Cogeração de Energia. João Antonio Moreira Patusco Benefícios da Cogeração de Energia João Antonio Moreira Patusco Balanço Energético Contabilidade de Energia de um País ou Região Oferta Interna de Energia = { Perdas na Transformação Perdas na Distribuição

Leia mais

Módulo I Ciclo Rankine Ideal

Módulo I Ciclo Rankine Ideal Módulo I Ciclo Rankine Ideal Sistema de Potência a Vapor As usinas de potência a vapor são responsáveis pela produção da maior parte da energia elétrica do mundo. Porém, para o estudo e desenvolvimento

Leia mais

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características:

O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: 6. SIMULAÇÃO 6.1. Pré-requisitos específicos 6.1.1. Programa de simulação O programa computacional de simulação termo-energética deve possuir, no mínimo, as seguintes características: ser um programa para

Leia mais

Europa 1998 Ludwigshafen

Europa 1998 Ludwigshafen América do Norte 2002 Florham Park, Wyandotte, Beachwood Europa 1998 Ludwigshafen América Latina 2005 São Paulo Ásia-Pacífico 2012 Hong Kong Emiliano Graziano emiliano.graziano@basf.com CRISE AMEAÇA

Leia mais

Modelo Energético da ArcelorMittal Tubarão. Gerência de Produção de Energia Tarley Rezende Secchin

Modelo Energético da ArcelorMittal Tubarão. Gerência de Produção de Energia Tarley Rezende Secchin Modelo Energético da ArcelorMittal Tubarão Gerência de Produção de Energia Tarley Rezende Secchin A empresa produtora de aço número um no mundo Líder nos principais mercados, entre eles o de automóveis,

Leia mais

CENTRAIS TEMELÉTRICAS E COGERAÇÃO

CENTRAIS TEMELÉTRICAS E COGERAÇÃO CENTRAIS TEMELÉTRICAS E COGERAÇÃO GRUPOS MOTOGERADORES Prof. Dr. Ramón Silva - 2015 O Grupo Motogerador consiste de um ou mais motores alternativos de combustão interna utilizados para converter energia

Leia mais

Determinação da eficiência elétrica das usinas brasileiras para produção exclusiva de açúcar e/ou etanol (Revisão 0 17/05/2010).

Determinação da eficiência elétrica das usinas brasileiras para produção exclusiva de açúcar e/ou etanol (Revisão 0 17/05/2010). Determinação da eficiência elétrica das usinas brasileiras para produção exclusiva de açúcar e/ou etanol (Revisão 0 17/05/2010). Resumo Executivo Com base nos dados disponíveis no CTC () foram realizados

Leia mais

Mini Chiller Linha Ice Control Mini Chiller compactos com condensação a AR

Mini Chiller Linha Ice Control Mini Chiller compactos com condensação a AR Mini Chiller Linha Ice Control Mini Chiller compactos com condensação a AR A linha de Unidades trocadora de CALOR (MGA ) Ice Control é uma solução econômica e compacta desenvolvida para atender diversas

Leia mais

Eficiência Energética e Hídrica das Edificações

Eficiência Energética e Hídrica das Edificações Eficiência Energética e Hídrica das Edificações Introdução Edifícios representam um dos maiores consumos de energia nas grandes cidades. Em 2010, edifícios foram responsáveis por 32% do consumo de energia

Leia mais

Alternativas para o setor Energético

Alternativas para o setor Energético Companhia Energética de Minas Gerais CEMIG Alternativas para o setor Energético Viçosa, 27 de agosto de 2009 IV SEMINÁRIO NACIONAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS I WORKSHOP INTERNACIONAL DE SUSTEMTABILIDADE ENERGÉTICA

Leia mais

WEG DAY. WEG Eólica. João Paulo Silva. Maio 2016

WEG DAY. WEG Eólica. João Paulo Silva. Maio 2016 WEG DAY WEG Eólica João Paulo Silva Maio 2016 1. Histórico da WEG no segmento eólico Fornecimento de subestações e transformadores para parques eólicos, com potência instalada total de 1.281,85 MW. Desenvolvimento

Leia mais

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL:

9.1 TARIFAÇÃO DA ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL: 103 9 RETROFIT EM AR CONDICIONADO Retrofit é uma modificação de um equipamento ou instalação existente, visando a melhoria de seu desempenho, de sua operação ou de ambos. Surgiu em meados da década de

Leia mais

Redução de custo energético. Eficiência técnica e econômica. Energia limpa e soluções customizadas

Redução de custo energético. Eficiência técnica e econômica. Energia limpa e soluções customizadas Redução de custo energético Eficiência técnica e econômica Energia limpa e soluções customizadas NOSSA EMPRESA A Trader Energia atua em todo o Brasil comercializando energia elétrica, desenvolvendo projetos

Leia mais

1.000 turbinas instaladas Fabricando a maior do setor

1.000 turbinas instaladas Fabricando a maior do setor Turbinas a Vapor 1.000 turbinas instaladas Fabricando a maior do setor Conteúdo o Portfolio Turbinas a Vapor - SIEMENS o Alternativas para uma solução otimizada o Acionamento direto vs. acionamento com

Leia mais

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial

Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Desafios para Projetos de Cogeração Industrial Fórum Cogen / Canal Energia Geração Distribuída e Cogeração de Energia - Novo Ciclo de Desenvolvimento Marco Antonio Donatelli 1/8/2013 Cogeração - uma resposta

Leia mais

Fórum Permanente do Gás LP 6º Encontro. Introdução ao Gás LP Eng. Fernando Cörner, D.Sc. Consultor de Desenvolvimento CIA. ULTRAGAZ S.A.

Fórum Permanente do Gás LP 6º Encontro. Introdução ao Gás LP Eng. Fernando Cörner, D.Sc. Consultor de Desenvolvimento CIA. ULTRAGAZ S.A. Fórum Permanente do Gás LP 6º Encontro Introdução ao Gás LP Eng. Fernando Cörner, D.Sc. Consultor de Desenvolvimento CIA. ULTRAGAZ S.A. Centro de Convenções Brasil 21 Brasília - DF, 24/03/2014 Gás Liquefeito

Leia mais

Proteu a pensar no seu conforto

Proteu a pensar no seu conforto Fotovoltaico Catálogo 1/2015 Proteu a pensar no seu conforto Autoconsumo Com a aprovação do diploma do auto consumo, que é um novo modelo de produção descentralizada de energia a partir de energias renováveis,

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal Departamento de Arquitetura

Leia mais

Equipamentos Industriais

Equipamentos Industriais Equipamentos Industriais CONDUÇÃO E CONTROLE DE FLUIDOS Empresa Certificada - ISO 9001 A BERMO iniciou suas atividades em 1973, em Blumenau- SC e, atualmente, através de suas filiais e representantes,

Leia mais

Capítulo 4: Análise de Sistemas - 1ª e 2ª Leis da Termodinâmica

Capítulo 4: Análise de Sistemas - 1ª e 2ª Leis da Termodinâmica Capítulo 4: Análise de Sistemas - 1ª e 2ª Leis da Termodinâmica A segunda lei da termodinâmica Máquinas térmicas e bombas de calor Ciclos reversíveis Ciclo de Carnot A segunda lei da termodinâmica O que

Leia mais

Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede

Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede Racionalizando Investimentos com Melhoria dos Índices de Confiabilidade da Rede Um enfoque estatístico através de uma metodologia inovadora e da alocação ótima de investimentos Eng. Alexandre Vasconcellos

Leia mais

Usos Múltiplos do Gás Natural WORKSHOP ENERGIA FIESP. 28.jul.2016 SERGIO LUIZ DA SILVA

Usos Múltiplos do Gás Natural WORKSHOP ENERGIA FIESP. 28.jul.2016 SERGIO LUIZ DA SILVA Usos Múltiplos do Gás Natural WORKSHOP ENERGIA FIESP 28.jul.2016 SERGIO LUIZ DA SILVA ENERGIA para nós é muito mais do que fornecer gás natural. É unir forças para IMPULSIONAR pessoas, empresas, um país

Leia mais

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT

CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM QUALIDADE E HARMONIA COM SEU AMBIENTE. AR CONDICIONADO. O novo grau de conforto. LINHA SPLIT TO EN M A Ç N LA CASSETE PISO TETO SOFISTICAÇÃO EM HARMONIA COM SEU AMBIENTE. QUALIDADE E AR CONDICIONADO LINHA SPLIT 00485mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:20:24 Cassete Apresentação

Leia mais

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA

SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO DE ENERGIA DE MISSÃO CRÍTICA 01/12/2016 Ildeu Marques Senior Engenharia Rodrigo Cenizio Unitec Semicondutores INTRODUÇÃO Esta palestra tem por objetivo apresentar um case da solução

Leia mais

Turbinas a gás industriais

Turbinas a gás industriais Industrial Power Turbinas a gás industriais A abrangente linha de produtos, de 5 a 50 megawatts Scan the QR code with the QR code reader in your mobile! siemens.com / energy / gasturbines Satisfazendo

Leia mais

Lista de Exercícios Solução em Sala

Lista de Exercícios Solução em Sala Lista de Exercícios Solução em Sala 1) Um conjunto pistão-cilindro área de seção transversal igual a 0,01 m². A massa do pistão é 101 kg e ele está apoiado nos batentes mostrado na figura. Se a pressão

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA J Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A EDP Espírito Santo Distribuição S.A, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DA WRS CONSULTORIA LTDA

APRESENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DA WRS CONSULTORIA LTDA APRESENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DA WRS CONSULTORIA LTDA IMPORTÂNCIA DO COMISSIONAMENTO COMISSIONAMENTO COMISSIONAMENTO COMISSIONAMENTO COMISSIONAMENTO OBJETIVO DO COMISSIONAMENTO Verificar o cumprimento dos

Leia mais

Msc. Eng. Fernando Pozza

Msc. Eng. Fernando Pozza Sistemas de Climatização por Condensação a Ar: Maximizando o Desempenho do Sistema em Cargas Parciais Através da Análise do Perfil de Temperaturas Externas Msc. Eng. Fernando Pozza Situação da Energia

Leia mais

IV Dia da Indústria Heliotérmica 2017

IV Dia da Indústria Heliotérmica 2017 IV Dia da Indústria Heliotérmica 2017 Panorama Brasileiro da Energia Solar Térmica Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira Minas Gerais Educação/UNA São Paulo, 16 de agosto de 2017 Mercado Brasileiro de

Leia mais

Título: Projeto Economia 10, Desperdiço 0 Redução de gastos dos sistemas utilitários do ICESP com garantia de qualidade e eficiência dos produtos.

Título: Projeto Economia 10, Desperdiço 0 Redução de gastos dos sistemas utilitários do ICESP com garantia de qualidade e eficiência dos produtos. Título: Projeto Economia 10, Desperdiço 0 Redução de gastos dos sistemas utilitários do ICESP com garantia de qualidade e eficiência dos produtos. Nome da Instituição envolvida: Instituto do Câncer do

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis

Fontes renováveis de energia - Hidrelétrica. Aula energias renováveis Aula energias renováveis Hidrelétrica - Desenvolvimento e uso - As usinas hidrelétricas - Turbinas - Sistemas de grande porte Driving the hydropower Hidrelétrica Vento Maré Queda na temperatura da água

Leia mais

Soluções Híbridas com Energia Solar e Indústria Nacional FV

Soluções Híbridas com Energia Solar e Indústria Nacional FV Soluções Híbridas com Energia Solar e Indústria Nacional FV Motores Tintas Automação Unidades de Negócio Energia Transmissão & Distribuição Energia Alternadores para Grupos Geradores De 10 a 25.000 kva

Leia mais