QUEM PRODUZ O QUE NO CAMPO: QUANTO E ONDE II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "QUEM PRODUZ O QUE NO CAMPO: QUANTO E ONDE II"

Transcrição

1 QUEM PRODUZ O QUE NO CAMPO: QUANTO E ONDE II CENSO AGROPECUÁRIO 2006 Resultados: Brasil e Regiões

2 Triênio Diretoria Executiva Senadora Kátia Regina de Abreu (TO) Presidente Ágide Meneguette (PR) 1º Vice-Presidente Pio Guerra Júnior (PE) Vice-Presidente de Secretaria Ademar Silva Júnior (MS) Vice-Presidente de Finanças Fábio de Salles Meirelles Filho (MG) Vice-Presidente Executivo Assuero Doca Veronez (AC) Vice-Presidente Diretor Carlos Rivaci Sperotto (RS) Vice-Presidente Diretor Homero Alves Pereira (MT) Vice-Presidente Diretor José Ramos Torres de Melo Filho (CE) Vice-Presidente Diretor Júlio da Silva Rocha Júnior (ES) Vice-Presidente Diretor Vice-presidentes Almir Moraes Sá (RR) Álvaro Arthur Lopes de Almeida (AL) Ângelo Crema Marzola Junior (TO) Assuero Doca Veronez (AC) Carlos Augusto Melo Carneiro da Cunha (PI) Carlos Fernandes Xavier (PA) Carlos Rivaci Sperotto (RS) Eduardo Silveira Sobral (SE) Eurípedes Ferreira Lins (AM) Fábio de Salles Meirelles (SP) Francisco Ferreira Cabral (RO) Homero Alves Pereira (MT) João Martins da Silva Júnior (BA) José Hilton Coelho de Sousa (MA) José Mário Schreiner (GO) José Ramos Torres de Melo Filho (CE) José Zeferino Pedrozo (SC) Júlio da Silva Rocha Júnior (ES) Leônidas Ferreira de Paula (RN) Luiz Iraçu Guimarães Colares (AP) Mário Antônio Pereira Borba (PB) Renato Simplício Lopes (DF) Roberto Simões (MG) Rodolfo Tavares (RJ) Quem produz o que no campo: quanto e onde II: censo agropecuário 2006: resultados: Brasil e regiões / Fundação Getúlio Vargas, Instituto Brasileiro de Economia. Brasília : Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, p. ISBN Agricultura - Brasil 2. Agricultura familiar Brasil. 3. Agropecuária Brasil. 4. Censo agropecuário Brasil. I. Fundação Getúlio Vargas. II. Instituto Brasileiro de Economia. II. CDU (81)

3 QUEM PRODUZ O QUE NO CAMPO: QUANTO E ONDE II CENSO AGROPECUÁRIO 2006

4 apresentação

5 Fomos buscar na academia brasileira uma resposta confiável para a pergunta sobre Quem produz o que no campo: quanto e onde. Realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), instituição de inquestionável credibilidade científica, este estudo, elaborado com base nos microdados do Censo Agropecuário 2006, atualiza e confirma os resultados obtidos na primeira versão, publicada em Com este estudo não se pretende dividir a agropecuária brasileira em pequenos, médios ou grandes produtores, nem subdimensionar a participação de nenhum destes segmentos no extraordinário crescimento do agronegócio na última década. Pelo contrário, diante da complexidade do setor e da existência de diversos critérios de tipificação e de enquadramento desses produtores rurais nas políticas públicas (Leis 8.629/1993-Lei Agrária, /2006- Lei da Agricultura Familiar e 4.504/1964-Estatuto da Terra, entre outras), adotou-se os critérios do Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) tamanho da área, mão-de-obra utilizada e faturamento bruto, segundo regulamentação do Bacen que, de fato, determinam as condições de acesso ao crédito rural. De acordo com o estudo, os produtores rurais não enquadados no Pronaf são responsáveis por 76,3% do Valor Bruto da Produção agropecuária nacional. Representam 30,7% das propriedades rurais brasileiras, mas respondem por 80,1% da produção agrícola/silvícola e por 65,8% da produção pecuária. Os resultados confirmam, também, que os chamados produtores enquadráveis no Pronaf continuam a representar 64,4% das propriedades rurais brasileiras, mas respondem por apenas 19,5% da produção agrícola/silvícola e por 33,3% da produção pecuária. A participação deste segmento no Valor Bruto da Produção agropecuária é de apenas 22,9%. A comparação dos resultados obtidos com a pesquisa realizada em 2004, pela CNA/FGV, com base nos dados do Censo Agropecuário 1995/96, ratifica o retrato sobre quem realmente responde pela produção agropecuária brasileira, o quanto vale e onde é produzida. Aprofundamos, com este estudo, o conhecimento de todos nós, brasileiros, sobre a grande diversidade da produção e das regiões produtoras, o que nos permite propor e acompanhar as políticas públicas adotadas para o setor rural. Com tais resultados, o Brasil poderá finalmente discutir, em bases científicas, a eficiência do modelo de sua política agrícola. SENADORA KÁTIA ABREU Presidente quem produz o que no campo: quanto e onde II I

6 resumo executivo

7 Não enquadráveis no Pronaf respondem pelo maior percentual da produção agropecuária Os resultados do estudo Quem produz o que no campo: quanto e onde II revelam um Brasil agrícola que muito pouco mudou desde 1996 quanto a participação dos não enquadrados no Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar) no Valor Bruto da Produção (VBP) agropecuária. Conforme os dados da pesquisa, estabelecimentos rurais pertencem ao grupo da agricultura familiar, enquadráveis no Pronaf, enquanto constituem o grupo de não enquadráveis. Percentualmente, os não enquadráveis representam 30,7% do total de estabelecimentos e os enquadráveis no Pronaf representam 64,4%. Os não enquadráveis no Pronaf respondem por 80,1% da produção agrícola e da silvicultura, enquanto os enquadráveis são responsáveis por 19,5% dessa produção. Na pecuária, os não enquadráveis respondem por 65,8% da produção e os enquadráveis, por 33,3%. O Valor Bruto da Produção apresenta forte participação dos não enquadráveis, que representam 76,3% da geração do produto bruto da agropecuária brasileira, enquanto a participação dos enquadráveis é de 22,9%. A análise desses resultados demonstra que a importância da agricultura familiar se sustenta no fato de representar um contingente muito numeroso, de estabelecimentos rurais, que desafia os formuladores de políticas públicas a encontrarem soluções eficazes, a um custo compatível, que alcancem contingente tão numeroso. 4 Mais de dois terços dos enquadráveis geram um Valor Bruto da Produção tão baixo que se questiona a possibilidade de algum instrumento voltado à produção vir a alterar significativamente o nível de renda deste segmento. O fato é que produzem praticamente para o autoconsumo e não geram receita nos estabelecimentos. Se sua sobrevivência vêm da receita de outras fontes, seria justificável inclusive caracterizá-los como residentes rurais e assisti-los com políticas sociais e de combate à pobreza, em geral mais baratas e eficazes. Os não enquadráveis formam um grupo bastante heterogêneo, revelando uma tendência à especialização: os pequenos estabelecimentos se dedicam predominantemente à atividade pecuária e os médios e grandes à atividade de lavoura. Esse estudo confirma os resultados da pesquisa anterior da CNA/FGV, mostrando que cada sistema produtivo tem sua própria escala. A pecuária, sobretudo de pequenos animais, é pouco exigente em área. Possui maior potencial de retorno, mesmo em unidades de até quatro módulos, além de ser uma atividade de risco relativamente mais baixo. As lavouras, em geral, estão sujeitas a maiores oscilações de preços e de margens. Tende a selecionar produtores melhor capitalizados e com maior acesso aos mecanismos de redução de riscos próprios da atividade. quem produz o que no campo: quanto e onde II III

8 5 Quem produz o que no campo: quanto e onde II oferece um quadro das combinações de cultivos praticadas por todos os subgrupos analisados, demonstrando as combinações relativamente mais rentáveis em cada região. Os resultados sinalizam clara associação entre o mix de produtos e a renda gerada, oferecendo valiosa contribuição para a formulação de políticas para assentados e outros grupos da agricultura familiar. Os resultados em algumas regiões foram muito afetados pelas mudanças introduzidas nos critérios de enquadramento com a finalidade de aumentar o número de agricultores com estabelecimentos de até quatro módulos em condições de se enquadrarem no Pronaf, o que segue, inclusive, recomendações da pesquisa realizada em Entretanto, será necessária alguma revisão nas normas em vigor, sobretudo quanto aos rebates, que chegam a atingir 90% da renda de algumas atividades, elevando a até R$ ,00 o limite da renda bruta do estabelecimento enquadrável, valor que excede por ampla margem o limite da microempresa urbana (R$ ,00). 7 do grupo, uma vez que os critérios de enquadramento do Pronaf sofreram modificações profundas no período entre os dois Censos. Os não enquadráveis passaram a responder majoritariamente, em todas as regiões, na geração do Valor Bruto da Produção, com participação comparativamente muito superior nos respectivos VBPs regionais, com percentuais de 91,1% no Centro-Oeste; 85,8% no Sudeste; 72,4% no Nordeste; 64,4% no Sul e 53% no Norte. A comparação entre regiões demonstra que a capacidade de gerar renda entre os pequenos não depende tanto do tamanho, pois estabelecimentos com até quatro módulos fiscais podem apresentar um Valor Bruto da Produção elevado em razão da combinação de cultivos. As mudanças importantes na participação dos dois grupos na geração do Valor Bruto da Produção de lavouras e pecuária é também resultado da forte mudança estrutural na composição da agricultura brasileira retratada pelo novo Censo. 6 O novo estudo indica que houve alterações marcantes na participação de enquadráveis e não enquadráveis no produto bruto da agricultura nas regiões Norte e Nordeste, entre os Censos 1995/96 e No Norte, a participação relativa da agricultura familiar (enquadráveis no Pronaf) do VBP regional recuou de 52,8% para 43,5%. No Nordeste, também os enquadráveis perderam posição relativa no VBP regional, de 34,2% para 25,6%. É preciso considerar, no entanto, que estas perdas de posição dos enquadráveis podem não ter sido causadas, necessariamente, por desempenho desfavorável Em 1995/96, o produto das lavouras e da silvicultura representava 45,4% do VBP total e o produto da pecuária 35,6% desse valor. O forte avanço das lavouras no período elevou para 75,1% a participação desse segmento na agropecuária brasileira, enquanto a pecuária recuou para 20% na composição do VBP, segundo o Censo O valor bruto das lavouras mais do que quadruplicou no período, enquanto o valor bruto da pecuária aumentou aproximadamente uma vez e meia. O avanço das lavouras levou a agropecuária brasileira a quase triplicar no período, em valores nominais. IV quem produz o que no campo: quanto e onde II

9 8 9 Os não enquadráveis tiveram participações relativas elevadas na produção nacional em praticamente todos os produtos da lavoura. Os percentuais foram de 99,5% no algodão, 95,4% na cana-de-açúcar, 92,0% na laranja, 84,4% na fruticultura, 80,1% na batata, 79,2% nos grãos e de 77,5% no café, em relação aos respectivos valores brutos da produção brasileira. Até na horticultura os não enquadráveis tiveram posição destacada de 61,9% do valor total Brasil. Quanto à produção de grãos, principais componentes da cesta básica, a contribuição dos não enquadráveis é decisiva, gerando a maior parcela da produção de sorgo (92,7%), soja (91,2%), trigo (87,7%), arroz (75%), milho (68,3%) e feijão de cor (63,4%). A contribuição da agricultura familiar é dominante em relação ao Valor Bruto da Produção nacional de feijão preto (55,8%). A contribuição dos enquadráveis é relativamente importante em poucos produtos da lavoura: fumo (74,0%), mandioca (48,7%), horticultura (36,1%). Nos demais produtos, é bem menos expressiva: café (22,5%), grãos (20,5%), batata (19,5%) e fruticultura (15,5%). Em praticamente todas essas atividades, a participação relativa sofreu queda em relação à pesquisa anterior, que utilizou os microdados do Censo 1995/ Um total de estabelecimentos não informou o valor da renda gerada na propriedade. Sabe-se que alguns não informaram renda por desenvolverem atividades que não geraram receita no ano de Não obstante, o dado sugere que muitos não possam ser considerados produtores, mas residentes no meio rural, que sobrevivem de outras fontes de receita. A exemplo de outros países, recomenda-se a busca de nova tipificação para o público alvo de programas de crédito agrícola, que tenha como pré-requisito a geração de renda no estabelecimento acima de determinado valor. Abaixo desse valor, tal público não se credenciaria a políticas direcionadas à produção, mas a políticas destinadas à erradicação da pobreza e à promoção do bem-estar social. A melhor compreensão desse público ajudaria a evitar o desenho de programas que acabam por reproduzir um modelo que propicia receitas muito baixas e multiplica a pobreza. O estudo Quem produz o que no campo: quanto e onde II foi realizado a partir da base de microdados do Censo Agropecuário 2006, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A metodologia de análise compreende a comparação entre os produtores rurais enquadrados nas normas atuais do Programa Nacional de Agricultura Familiar (Pronaf) e os não enquadrados, além de sua participação no Valor Bruto da Produção (VBP) agropecuária. Trata-se de uma atualização da primeira versão do estudo realizado em 2004, que utilizou a mesma metodologia, para análise dos microdados do Censo Agropecuário 1995/1996. quem produz o que no campo: quanto e onde II V

10 Brasil - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto das lavouras selecionadas, da pecuária e das demais atividades (em %) Grupos/Subgrupos Número de estabelecimentos Produtos das lavouras+silvicultura Produtos da pecuária** Outros produtos*** Produtos da agroindústria rural Valor bruto da produção agropecuária (com indústria rural) PRONAF A 7,4 1,2 2,2 1,9 2,5 1,4 PRONAF B 47,1 4,6 13,1 10,5 12,6 6,6 PRONAF AF 9,9 13,7 18,0 12,3 24,8 14,8 Total enquadráveis no PRONAF 64,4 19,5 33,3 24,6 39,9 22,9 Total não enquadráveis no PRONAF 30,7 80,1 65,8 63,9 57,0 76,3 0 a 2 módulos * 21,8 18,5 27,2 31,3 19,3 20,6 2 a 4 módulos 2,5 5,8 7,5 7,0 3,1 6,1 4 a 15 módulos 4,6 15,8 16,9 11,5 6,7 15,7 15 a 30 módulos 1,0 8,8 7,6 5,5 3,8 8,3 30 a 60 módulos 0,5 8,0 3,3 6,1 6,9 7,0 mais de 60 módulos 0,3 23,2 3,3 2,6 17,1 18,6 Subtotal 95,1 99,6 99,1 88,5 96,9 99,2 Não Informantes 4,9 0,4 0,9 11,5 3,1 0,8 Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 *Refere-se ao módulo fiscal, criado pela Lei 8629/93 para classificar o imóvel rural em pequeno (1 a 4 módulos), médio (4 a 15 módulos) e grande (mais de 15 módulos). O estabelecimento com menos de 1 módulo foi considerado pequeno. ** Bovinos/bubalinos, leite, suínos, aves e ovos. *** Eqüinos, asininos, muares, ovinos, caprinos, coelhos, apicultura, sericicultura, ranicultura, aqüicultura, floricultura e extração vegetal. VI quem produz o que no campo: quanto e onde II

11

12 sumário

13 apresentação I resumo executivo III introdução 18 objetivos 22 metodologia 24 limitações 30 brasil 32 região sul 52 Região sudeste 72 Região centro-oeste 92 Região nordeste 112 Região norte 138 comparação entre as regiões 164 referências bibliográficas 180 anexo 182 quem produz o que no campo: quanto e onde II 9

14 lista de tabelas e quadros

15 tabelas Brasil - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto das lavouras selecionadas, da pecuária e das demais atividades (em %) VI Tabela 1 - Número de estabelecimentos, Valor Bruto da Produção anual e área total (Regiões e Brasil) 19 Tabela 1a - Critérios de elegibilidade para o enquadramento dos estabelecimentos no Pronaf 26 Brasil - Valores totais, médios e medianos da área total, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis 33 Brasil - Valores brutos totais, médios e medianos anuais da produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis 34 Brasil - Número total e participação percentual de estabelecimentos 35 Brasil - Composição do valor bruto da produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis (em mil reais) 37 Brasil - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto das lavouras selecionadas, da pecuária e das demais atividades (em %) 38 Brasil - Valor da Produção das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 40 Brasil - Participação no valor das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 41 Brasil - Quantidade produzida das lavouras selecionadas, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (t) 43 Brasil - Valor da produção dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 44 Brasil - Participação no valor dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 45 Brasil - Quantidade produzida dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (t) 47 Brasil - Valor bruto da produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 48 Brasil - Participação no valor da produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 49 Região Sul - Valores totais, médios e medianos da área total, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis 53 Região Sul - Valores brutos totais, médios e medianos anuais da produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis 54 Região Sul - Número total e participação percentual de estabelecimentos enquadráveis e não-enquadráveis no Pronaf 55 Região Sul - Composição do Valor Bruto da Produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis (em mil reais) 57 Região Sul - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto das lavouras selecionadas, da pecuária e das demais atividades (em %) 58 quem produz o que no campo: quanto e onde II 11

16 Região Sul - Valor da Produção das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 60 Região Sul - Participação no valor das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 61 Região Sul - Valor da produção dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 63 Região Sul - Participação no valor dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 64 Região Sul - Valor bruto da produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 67 Região Sul - Participação no valor da produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 68 Região Sudeste - Valores totais, médios e medianos da área total, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis 73 Região Sudeste - Número total e participação percentual de estabelecimentos 75 Região Sudeste - Valores brutos totais, médios e medianos anuais da produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis 76 Região Sudeste - Composição do valor bruto da produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis (em mil reais) 78 Região Sudeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto das lavouras selecionadas, da pecuária e das demais atividades (em %) 79 Região Sudeste - Valor da produção das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 81 Região Sudeste - Participação no valor das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 82 Região Sudeste - Valor da produção dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 84 Região Sudeste - Participação no valor dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 85 Região Sudeste- Valor Bruto da Produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 87 Região Sudeste - Participação no valor da produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 88 Região Centro-Oeste - Número total e participação percentual de estabelecimentos 93 Região Centro-Oeste - Valores totais, médios e medianos da área total, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis 94 Região Centro-Oeste - Composição do valor bruto da produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis (em mil reais) 96 Região Centro-Oeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto das lavouras selecionadas, da pecuária e das demais atividades (em %) 97 Região Centro-Oeste - Valores brutos totais, médios e medianos anuais da produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis quem produz o que no campo: quanto e onde II

17 Região Centro-Oeste - Valor da produção das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 101 Região Centro-Oeste- Participação no valor das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 102 Região Centro-Oeste - Valor da produção dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 104 Região Centro-Oeste - Participação no valor dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 105 Região Centro-Oeste- Valor Bruto da Produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 107 Região Centro-Oeste - Participação no valor da produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 108 Região Nordeste - Número total e participação percentual de estabelecimentos 113 Região Nordeste - Valores totais, médios e medianos da área total, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis 114 Região Nordeste - Valores brutos totais, médios e medianos anuais da produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis 116 Região Nordeste - Composição do Valor Bruto da Produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis (em mil reais) 118 Região Nordeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto das lavouras selecionadas, da pecuária e das demais atividades (em %) 119 Região Nordeste - Valor da Produção das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 121 Região Nordeste - Participação no valor das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 122 Região Nordeste - Quantidade produzida das lavouras selecionadas, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (t) 124 Região Nordeste - Participação na quantidade produzida das lavouras selecionadas, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 125 Região Nordeste - Valor da produção dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 126 Região Nordeste - Participação no valor dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 127 Região Nordeste - Quantidade produzida dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (t) 129 Região Nordeste - Participação na quantidade produzida dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 130 Região Nordeste - Valor bruto da produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 131 Região Nordeste- Participação no valor da produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 132 Região Nordeste - Quantidade produzida/vendida dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis 134 quem produz o que no campo: quanto e onde II 13

18 Região Nordeste - Participação na quantidade produzida/vendida dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 135 Região Norte - Número total e participação percentual de estabelecimentos 139 Região Norte - Valores totais, médios e medianos da área total, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis 140 Região Norte - Valores brutos totais, médios e medianos anuais da produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis 142 Região Norte - Composição do Valor Bruto da Produção agropecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não-enquadráveis (em mil reais) 144 Região Norte - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto das lavouras selecionadas, da pecuária e das demais atividades (em %) 145 Região Norte - Valor da produção das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 147 Região Norte - Participação no valor das lavouras selecionadas e da silvicultura, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 148 Região Norte - Quantidade produzida das lavouras selecionadas, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (t) 150 Região Norte - Participação na quantidade produzida das lavouras selecionadas, segundo grupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 151 Região Norte - Valor da produção dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 152 Região Norte - Participação no valor dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 153 Região Norte - Quantidade produzida dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (t) 155 Região Norte - Participação na quantidade produzida dos grãos, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 156 Região Norte - Valor Bruto da Produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em mil reais) 157 Região Norte - Participação no valor da produção dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 158 Região Norte - Quantidade produzida/vendida dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis 160 Região Norte - Participação na quantidade produzida/vendida dos produtos da pecuária, segundo grupos e subgrupos de enquadráveis e não enquadráveis (em %) 161 Regiões e Brasil - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no Valor Bruto da Produção, com indústria rural (em %) 169 Regiões e Brasil - Valores medianos anuais da produção agropecuária, segundo grupos de enquadráveis e não enquadráveis (em R$) 170 Regiões e Brasil - Participação dos estabelecimentos enquadráveis em relação ao Valor Bruto da Produção regional de cada atividade (em %) (acima de 20%) 173 Regiões e Brasil - Participação os estabelecimentos não enquadráveis em relação ao Valor Bruto da Produção regional de cada atividade (em %) (acima de 20%) 174 Regiões e Brasil - Participação dos estabelecimentos enquadráveis em relação ao Valor Bruto da Produção do Brasil de cada atividade (em %) quem produz o que no campo: quanto e onde II

19 Regiões e Brasil - Participação dos estabelecimentos não enquadráveis em relação ao Valor Bruto da Produção do Brasil de cada atividade (em %) 176 Regiões e Brasil - Valores medianos anuais da área total, segundo grupos de enquadráveis e não enquadráveis (em ha) 178 anexo Tabela A.1 - Sul - Renda bruta anual dos estabelecimentos agropecuários, segundo classes de renda 183 Tabela A.2 - Sudeste - Renda bruta anual dos estabelecimentos agropecuários, segundo classes de renda 184 Tabela A.3 - Centro-Oeste - Renda bruta anual dos estabelecimentos agropecuários, segundo classes de renda 185 Tabela A.4 - Nordeste - Renda bruta anual dos estabelecimentos agropecuários, segundo classes de renda 186 Tabela A.5 - Norte - Renda bruta anual dos estabelecimentos agropecuários, segundo classes de renda 187 Tabela A.6 - Brasil - Renda bruta anual dos estabelecimentos agropecuários, segundo classes de renda 188 Tabela A.7 - Regiões e Brasil - Número de estabelecimentos enquadráveis e não enquadráveis que informaram área total 189 Tabela A.8 - Regiões e Brasil - Número de estabelecimentos enquadráveis e não enquadráveis que informaram renda 190 quadros Quadro 1 - Comportamento do IGP-DI 27 Quadro 2 - Limites de renda dos grupos do Pronaf (R$/dez/2006) 27 Quadro 3 - Áreas mínimas, máximas e modal dos módulos fiscais, por Estado 29 quem produz o que no campo: quanto e onde II 15

20 lista de figuras

21 fluxograma Fluxograma do Estudo 23 gráficos Brasil - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção das lavouras selecionadas e da silvicultura (em %) 42 Brasil - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto da produção desagregada de grãos (em %) 46 Brasil - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção da pecuária (em %) 50 Região Sul - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção das lavouras selecionadas e da silvicultura (em %) 62 Região Sul - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto da produção desagregada de grãos (em %) 65 Região Sul - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção da pecuária (em %) 69 Região Sudeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção das lavouras selecionadas e da silvicultura (em %) 83 Região Sudeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto da produção desagregada de grãos (em %) 86 Região Sudeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção da pecuária (em %) 89 Região Centro-Oeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção das lavouras selecionadas e da silvicultura (em %) 103 Região Centro-Oeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto da produção desagregada de grãos (em %) 106 Região Centro-Oeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção da pecuária (em %) 109 Região Nordeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção das lavouras selecionadas e da silvicultura (em %) 123 Região Nordeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor bruto da produção desagregada de grãos (em %) 128 Região Nordeste - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção da pecuária (em %) 133 Região Norte - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção das lavouras selecionadas e da silvicultura (em %) 149 Região Norte - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no Valor Bruto da Produção desagregada de grãos (em %) 154 Região Norte - Participação dos enquadráveis e não enquadráveis no valor da produção da pecuária (em %) 159 Regiões e Brasil - Participação dos enquadráveis e dos não enquadráveis no valor bruto da produção em cada região e no Brasil (em %) 166 Regiões e Brasil - Participação dos enquadráveis no número de estabelecimentos e no Valor Bruto da Produção em cada região e no Brasil (em %) 167 Regiões e Brasil - Participação dos não enquadráveis no número de estabelecimentos e no Valor Bruto da Produção em cada região e no Brasil (em %) 168 quem produz o que no campo: quanto e onde II 17

Projeto CNA/SENAR/IBRE-FGV 1

Projeto CNA/SENAR/IBRE-FGV 1 Projeto CNA/SENAR/IBRE-FGV 1 Apresentação do trabalho Fluxograma do Estudo Relatório do Estudo Base de Microdados do Censo Agropecuár io 2006 Enquadráveis nas normas do Pronaf (Bacen) Não Enquadráveis

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL

Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL Índice de Moradia Rural e Urbana - 2012 BRASIL confederação da agricultura E PEcuÁRia do BRaSil cna Diretoria Executiva Triênio 2011-2014 Presidente Senadora Kátia Abreu (TO) 1º VicePresidente João Martins

Leia mais

Mato Grosso. PRONAF e DAP: Orientações necessárias para atendimento ao produtor rural. Joaci Medeiros Assessor Técnico

Mato Grosso. PRONAF e DAP: Orientações necessárias para atendimento ao produtor rural. Joaci Medeiros Assessor Técnico Mato Grosso PRONAF e DAP: Orientações necessárias para atendimento ao produtor rural Joaci Medeiros Assessor Técnico JUL/2012 POLÍTICAS PÚBLICAS CRÉDITO RURAL / PRONAF PAA HABITAÇÃO RURAL (MINHA CASA,

Leia mais

O crédito rural do Pronaf e os recentes instrumentos de política agrícola para a agricultura familiar

O crédito rural do Pronaf e os recentes instrumentos de política agrícola para a agricultura familiar O crédito rural do Pronaf e os recentes instrumentos de política agrícola para a agricultura familiar Sidemar Presotto Nunes No início dos anos 90, que precedeu a criação do Pronaf, a agricultura brasileira

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015

Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Plano Safra da Agricultura Familiar 2014-2015 Histórico de contratação de financiamentos, no âmbito do PRONAF, para apicultura. Ano Agrícola Contratos Valor 2002/2003 152 811.931 2003/2004 1.088 4.758.640

Leia mais

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP

TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO. Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP TÍTULO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO DELEGACIA FEDERAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO EM MATO GROSSO Declaração de Aptidão ao Pronaf - DAP Legislação Os normativos do enquadramento dos agricultores

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: PROBLEMAS E PRIORIDADES DO BRASIL PARA 2014 FEVEREIRO/2014 16 Retratos da Sociedade Brasileira: Problemas e Prioridades do Brasil para 2014 CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

Análise Demográfica das Empresas da IBSS

Análise Demográfica das Empresas da IBSS CAPÍTULO 4 Análise Demográfica das Empresas da IBSS Apresentação A demografia de empresas investiga a estrutura do estoque de empresas em dado momento e a sua evolução, como os movimentos de crescimento,

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Exercício 2004 Sumário Executivo O presente documento procura sintetizar as ações desenvolvidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) através do Programa

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS

CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS CONTAS REGIONAIS DO AMAZONAS 2009 PRODUTO INTERNO BRUTO DO ESTADO DO AMAZONAS APRESENTAÇÃO A Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico SEPLAN em parceria com a SUFRAMA e sob a coordenação

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O...

AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... ÍNDICE AGRADECIMENTOS... 4 PREFÁCIO... 5 SUMÁRIO EXECUTIV O... 6 1 O ATUAL ESTÁGIO DE IMPLANTAÇÃO DA PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NO SETOR PÚBLICO... 7 2 VARIÁVEIS E DADOS UTILIZADOS... 8 VARIÁVEL I... 8 VARIÁVEL

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008

Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 Avaliação das Contas Regionais do Piauí 2008 A economia piauiense, em 2008, apresentou expansão em volume do Produto Interno Bruto (PIB) de 8,8% em relação ao ano anterior. Foi a maior taxa de crescimento

Leia mais

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos

2014 DEZEMBRO. Caderno de Informação da Saúde Suplementar. Beneficiários, Operadoras e Planos 2014 DEZEMBRO Caderno de Informação da Saúde Suplementar Beneficiários, Operadoras e Planos Elaboração, distribuição e informações: MINISTÉRIO DA SAÚDE Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Diretoria

Leia mais

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing

FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing FACULDADE BOA VIAGEM (FBV) Gestão de Marketing Edson José de Lemos Júnior Ermeson Gomes da Silva Jardson Prado Coriolano da Silva Marcos Antonio Santos Marinho Rosinaldo Ferreira da Cunha RELATÓRIO GERENCIAL

Leia mais

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX

LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX LEVANTAMENTO FISCAL SITE KADOX SUMÁRIO 1 ICMS 1.1 CONTRIBUINTE 1.2 FATO GERADOR DO IMPOSTO 1.3 BASE DE CÁLCULO DO IMPOSTO 1.4 REDUÇÃO DA BASE DE CÁLCULO 1.5 CARTA DE CORREÇÃO 1.6 CÓDIGO DA SITUAÇÃO TRIBUTÁRIA

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS

Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS Nota Técnica 7/13 (7 de Maio) Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Núcleo de Assuntos Econômico-Fiscais NOVO RATEIO DOS RECURSOS DO FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS ESTADOS IMPACTOS DA DIVISÃO DO

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO

AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO AJUSTE E FIXAÇÃO DE ÍNDICES DE RENDIMENTO QUE INFORMAM O CONCEITO DE PRODUTIVIDADE Março 2005 APLICAÇÃO DOS ÍNDICES Função Social da Propriedade exige níveis satisfatórios de produtividade Vistoria do

Leia mais

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Comentários. A estrutura produtiva da agricultura familiar

Comentários. A estrutura produtiva da agricultura familiar Comentários texto, a seguir, procura destacar os principais aspectos da agricultura familiar em 2006, e realiza algumas comparações com os estabelecimentos que não se enquadraram nos parâmetros da Lei

Leia mais

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social

Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social Fundação de Economia e Estatística Centro de Informações Estatísticas Núcleo de Contabilidade Social COMENTÁRIOS ACERCA DOS NÚMEROS FINAIS DO PIB DO RS E DAS DEMAIS UNIDADES DA FEDERAÇÃO EM 2010 Equipe

Leia mais

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES

PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES PESQUISA DE SATISFAÇÃO PARTICIPANTES Brasília, janeiro/2011 Objetivos específicos da pesquisa 2 Avaliar a quantidade e a qualidade da rede credenciada. Avaliar os serviços oferecidos: o Plano CASSI Família

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010

ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL 11/1/2010 ANÁLISE COMPARATIVA SALARIAL PROFESSORES DAS REDES ESTADUAIS NO BRASIL A PRESENTE PESQUISA ESTÁ ENQUADRADA NA ESTRATÉGIA DO SINDICATO APEOC DE CONSTRUIR A ADEQUAÇÃO DO PLANO DE CARREIRA DOS TRABALHADORES

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1

VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 VALOR DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA DO BRASIL EM 2003, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO 1 Alfredo Tsunechiro 2 Vagner Azarias Martins 3 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 Qual a verdadeira magnitude do valor da produção agropecuária

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012

CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 CARGA TRIBUTÁRIA SOBRE AS Micro e pequenas empresas RANKING DOS ESTADOS 2012 Tributos incluídos no Simples Nacional Brasília 19 de setembro de 2013 ROTEIRO 1 2 3 4 O PROJETO RESULTADOS DIFERENÇA NAS ALÍQUOTAS

Leia mais

PROGRAMAS HABITACIONAIS DESENVOLVIMENTO PARA OS MUNICIPIOS. Moradia para as famílias Renda para os trabalhadores Desenvolvimento para Alagoas

PROGRAMAS HABITACIONAIS DESENVOLVIMENTO PARA OS MUNICIPIOS. Moradia para as famílias Renda para os trabalhadores Desenvolvimento para Alagoas Superintendência Regional Alagoas PROGRAMAS HABITACIONAIS DESENVOLVIMENTO PARA OS MUNICIPIOS Moradia para as famílias Renda para os trabalhadores Desenvolvimento para Alagoas ALTERNATIVAS DE SOLUÇÕES PARA

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Política Econômica CMN 29.07.2009 Votos Agrícolas Brasília-DF, 29 de julho de 2009. RESUMO DOS VOTOS DA ÁREA AGRÍCOLA REUNIÃO DO CMN JULHO 2009 1 ESTABELECE NOVO PRAZO

Leia mais

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL

TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL TRANSPORTE ESCOLAR PROGRAMAS DE APOIO DO GOVERNO FEDERAL PAULO DE SENA MARTINS Consultor Legislativo da Área XV Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia MAIO/2008 Paulo de Sena Martins 2 2008

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO Nota Técnica elaborada em 01/2014 pela CGAN/DAB/SAS. MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO-GERAL DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NOTA TÉCNICA Nº15/2014-CGAN/DAB/SAS/MS

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade

Comentários sobre os Indicadores de Mortalidade C.1 Taxa de mortalidade infantil O indicador estima o risco de morte dos nascidos vivos durante o seu primeiro ano de vida e consiste em relacionar o número de óbitos de menores de um ano de idade, por

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2009/2010 MAISAGRICULTURA FAMILIAR PARA MAIS BRASILEIROS Fortalecimento e ampliação das políticas públicas O Plano Safra da Agricultura Familiar 2009/2010 fortalece

Leia mais

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE

Indicadores IBGE. Estatística da Produção Agrícola. Abril de 2012. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Indicadores IBGE Estatística da Produção Agrícola Abril de 2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA ( 44.ª EDIÇÃO ) AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL PANORAMA DOS SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA PRESIDENTE Ronaldo Mota Sardenberg CONSELHEIROS Emília

Leia mais

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009

Departamento de Pesquisas Judiciárias RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS. SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 RELATÓRIO DE DADOS ESTATÍSTICOS SEMANA PELA CONCILIAÇÃO META 2 Período: 14 a 18 de setembro de 2009 1. Introdução O presente relatório objetiva apresentar os resultados estatísticos obtidos durante o período

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

Inventar com a diferenca,

Inventar com a diferenca, Inventar com a diferenca, cinema e direitos humanos PATROCÍNIO APOIO REALIZAÇÃO Fundação Euclides da Cunha O que é Inventar com a diferença: cinema e direitos humanos O projeto visa oferecer formação e

Leia mais

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012

A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE 2009 A 2012 BRASIL Série Estudos e Pesquisas A EVOLUÇÃO DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE 2009 A 2012 Junho/2014 Estudos e Pesquisas

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento C o m p an h i a N ac io n a l d e Abastecimento D i r e t o r i a d e Opercações e A b a stecimento S u p erintedência de O p erações Comerciais G e r ên c i a d e Formação e Controle de Estoques P o

Leia mais

A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA A NECESSIDADE DE AUDITORES-FISCAIS DO TRABALHO NO BRASIL: UMA ANÁLISE CONTEMPLANDO O GRAU DE DESCUMPRIMENTO DA LEGISLAÇÃO TRABALHISTA RELATÓRIO FINAL ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA IPEA/SINAIT Nº 25/2010

Leia mais

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013

Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 1 Evolução Recente do Pronaf-Crédito 1999 a 2013 Fernando Gaiger Silveira Alexandre Arbex Valadares Resumo: O PRONAF está prestes a completar 20 anos, tendo seu carro chefe, o crédito, apresentado um desempenho,

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados

14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados 14ª Avaliação de Perdas no Varejo Brasileiro Supermercados Apresentação Este relatório apresenta os resultados da 14ª Avaliação de Perdas realizada com os principais supermercados do Brasil. As edições

Leia mais

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015

Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Hábitos de Consumo e Compras Fim de ano e Natal 2015 Novembro/2015 Copyright Boa Vista SCPC 1 Objetivo, metodologia e amostra o Objetivo: Pesquisa para mapear os hábitos de consumo e compras para época

Leia mais

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011

1 Lavouras. 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 2012, em relação à produção obtida em 2011 1 Lavouras 1.1 Produção de cereais, leguminosas e oleaginosas quinta estimativa da safra 212, em relação à produção obtida em 211 A quinta avaliação da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011 SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL COINT - Coordenação-Geral de Análise e Informações das Transferências Financeiras Intergovernamentais TRANSFERÊNCIAS VOLUNTÁRIAS A ESTADOS, DF E MUNICÍPIOS - DEZEMBRO/2011

Leia mais

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011

RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 RELATÓRIO DA GERÊNCIA DE MONITORAMENTO PANORAMA DO COOPERATIVISMO BRASILEIRO - ANO 2011 Março 2012 SUMÁRIO I - EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE COOPERATIVAS, COOPERADOS E EMPREGADOS, 3 II - ANÁLISE POR RAMO, 8 2.1

Leia mais

Resultados da atuação do Bradesco em APL s

Resultados da atuação do Bradesco em APL s Resultados da atuação do Bradesco em APL s Atuação do Bradesco em APL s Por Região NORDESTE 97 APL`S NORTE 48 APL`S CENTRO-OESTE 41 APL`S SUDESTE 102 APL`S SUL 40 APL`S Posição Setembro/2013 Atuação com

Leia mais

REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA

REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA REFORMULAÇÃO DAS PESQUISAS ESTATÍSTICAS DA PECUÁRIA PESQUISA TRIMESTRAL DO ABATE DE ANIMAIS AVALIAÇÃO DE CORTES NO UNIVERSO DA PESQUISA 2º versão Octávio Costa de Oliveira 1 AVALIAÇÃO DE CORTES NO UNIVERSO

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS

GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS GERAÇÃO DE EMPREGOS FORMAIS no Estado do Rio de Janeiro JULHO DE 2014 BRASIL O mês de julho de 2014 fechou com um saldo líquido positivo de 11.796 novos empregos em todo país, segundo dados do Cadastro

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012

Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Pesquisa de Informações Básicas Estaduais 2012 Informações Básicas Recursos Humanos Foram pesquisadas as pessoas que trabalhavam na administração direta e indireta por vínculo empregatício e escolaridade;

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos RORAIMA OUTUBRO DE 2015 DADOS GERAIS DO ESTADO DA RORAIMA Total Part % Brasil Part % Região Área Total - km² 224.118 2,64% 5,82% População - mil (1)

Leia mais

Brasil agrário retratado pelo Censo Agropecuário 2006

Brasil agrário retratado pelo Censo Agropecuário 2006 Comentários Brasil agrário retratado pelo Censo Agropecuário 2006 Notas de esclarecimento Os dados do Censo Agropecuário são obtidos através de entrevista direta com o produtor, ou seja: são registros

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva**

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva** DISPERSÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DE REGISTROS ADMINISTRATIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Ernesto Pereira Galindo*

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Relatório Gerencial TECNOVA

Relatório Gerencial TECNOVA Relatório Gerencial TECNOVA Departamento de Produtos Financeiros Descentralizados - DPDE Área de Apoio à Ciência, Inovação, Infraestrutura e Tecnologia - ACIT Fevereiro de 2015 Marcelo Nicolas Camargo

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015

Governança Pública. O Desafio do Brasil. Contra a corrupção e por mais desenvolvimento. Governança de Municípios. Março/2015 Governança Pública O Desafio do Brasil Contra a corrupção e por mais desenvolvimento Governança de Municípios Março/2015 João Augusto Ribeiro Nardes Ministro do TCU Sumário I. Introdução-OTCUeocombateàcorrupção

Leia mais

A a gricultura familiar faz bem ao Bra sil

A a gricultura familiar faz bem ao Bra sil A a gricultura familiar faz bem ao Bra sil Caio Galvão de França 1 Mauro Eduardo Del Grossi 2 Vicente P. M. de Azevedo Marques 3 Recentemente a Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária (CNA) - entidade

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE

Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Levantamento Nacional do Transporte Escolar Dados por Região: NORTE Um total de 131 municípios da região Norte participou do Levantamento Nacional do Transporte Escolar. No Acre, 36% dos municípios responderam

Leia mais

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde

INFORME SARGSUS. Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde INFORME SARGSUS Situação da Alimentação do Relatório de Gestão Ano 2013-2014 Informações sobre Plano e Programação Anual de Saúde 1 ESFERA MUNICIPAL 1.1 Relatório de Gestão Ano 2013 Até a presente data,

Leia mais

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015

ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/2015 ANÁLISE DO VOLUME DE VENDAS DO COMÉRCIO VAREJISTA FEV/015 O COMÉRCIO VAREJISTA NO BRASIL APRESENTA RETRAÇÃO NAS VENDAS EM FEVEREIRO A Pesquisa Mensal de Comércio (PMC) realizada pelo Instituto Brasileiro

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006

CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 CHAMADA PÚBLICA MCT/FINEP PAPPE SUBVENÇÃO 02/2006 SELEÇÃO E CREDENCIAMENTO DE PARCEIROS PARA OPERAÇÃO DESCENTRALIZADA DO PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA EM EMPRESAS NA MODALIDADE SUBVENÇÃO A MICRO E PEQUENAS

Leia mais

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO NÚCLEO DE ESTUDOS EM CONTROLADORIA E CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA ESTUDO SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DOS COMBUSTÍVEIS

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Índice da apresentação

Índice da apresentação Cenário da reparação de veículos 2013 Índice da apresentação 1. Indicadores 2. Ameaças e oportunidades 3. Cenário futuro Indicadores Total 5.565 Municípios NORTE 449 Amazonas 62 Pará 143 Rondônia 52 Acre

Leia mais

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento

O BB em Mato Grosso 1.968. Posição em Agosto/2011. Agências 571. Pontos de Atendimento. PABs + PAEs. Correspondentes. Terminais de Autoatendimento O BB em Mato Grosso Agências 571 Posição em Agosto/2011 Terminais de Autoatendimento Municípios com Presença do BB 267 Correspondentes 202 Número de Municípios com Presença do BB 897 126 102 PABs + PAEs

Leia mais

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS

SUFICIÊNCIA DE REDE: Ligia Bahia Ronir Raggio Luiz Maria Lucia Werneck Vianna. Edital 005/2014 ANS/OPAS SUFICIÊNCIA DE REDE: UM ESTUDO ECOLÓGICO SOBRE BENEFICIÁRIOS E REDES DE CUIDADOS À SAÚDE A PARTIR DE ANÁLISES EXPLORATÓRIAS DAS PROPORÇÕES DE PARTOS CESARIANOS E TAXAS DE MORTALIDADE POR CÂNCER DE MAMA

Leia mais

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt

Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt Ações de apoio à Produção Agrícola Gilson Bittencourt gilson.bittencourt@fazenda.gov.br 1 Ações de apoio à Produção Agrícola Safra 2008/2009 Lançamento do Plano de Safra da Agricultura Empresarial com

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006)

1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006) 1) A Agricultura Familiar em 2006 (segundo a Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006) 1.1) Considerações preliminares O Censo Agropecuário de 2006 veio possibilitar o preenchimento de uma importante lacuna

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais