Protocolo de Atenção à Hanseníase. em Curitiba

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Protocolo de Atenção à Hanseníase. em Curitiba"

Transcrição

1 Protocolo de Atenção à Hanseníase 1 em Curitiba

2 PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Prefeito CASSIO TANIGUCHI Secretário LUCIANO DUCCI Superintendente MICHELE CAPUTO NETO 2

3 Agradecimentos Agradecemos a todos os servidores da Prefeitura Municipal de Curitiba que participaram da elaboração deste protocolo, trabalhando com eficiência e dedicação para sua concretização. Especial agradecimento à Dra Ewalda Von R. Stahlke pela sua prestimosa colaboração. 3

4 4

5 HANSENÍASE Uma identidade perversa.* Trecho retirado de trabalho apresentado no Congresso Internacional de Hanseníase - Florida EUA Nós, pessoas humanas, somos, ao mesmo tempo, um ser físico, um ser social, um ser psicológico, um ser cultural. Cada uma dessas dimensões, é complementar da outra, e a vida de cada uma é alimentada pelas demais. O que atinge uma, afeta a todos. Podemos perder um dedo, um braço, uma mão, um pé, de várias formas: acidentes, guerras, brigas corporais, doenças, etc. Curioso é que essas causas de danos físicos podem ser mais ou menos danosas às outras partes. Perder um dedo da mão numa guerra, por exemplo, pode trazer orgulho; mas se for por causa da hanseníase, marginalização. Apertar a mão que perdeu o dedo numa guerra é uma coisa, apertar a mão que perdeu um dedo por causa de uma doença contagiosa é outra. A mão de um guerreiro é diferente da mão de uma pessoa com hanseníase (*) mesmo que o trauma físico seja igual. Ora, nós, como já enfatizam, somos infinitamente mais valiosos do que qualquer obra de arte; e muito mais complexos, como também já falamos. Por isso, achamos que, qualquer programa de combate à hanseníase que seja implantado que não busque a cura do doente como um todo, será apenas uma dedetização. O combate à hanseníase tem que ser acompanhado pela cura do doente, pela restauração completa da obra. Assim sendo, contrair hanseníase, por exemplo, não é apenas, mesmo que afirmemos o contrário, contrair uma doença que agride os nervos periféricos; mas, contraímos também uma nova identidade que, não raro, é muito pior do que a doença em si até porque, identidade não tem cura. 5

6 A HANSENÍASE TEM CURA!!!! Esta é uma das mais importantes e espetaculares manchetes do século XX. Ë uma pena que tão poucas pessoas saibam disso. Inclusive a grande maioria dos doentes, porque nem sabem que estão doentes. Eu sei que é muito difícil eliminar a hanseníase. Mas temos que sonhar (só os seres humanos sonham!). Até porque, se fosse fácil, outros já teriam conseguido. Temos, porém, que sonhar, que acreditar, porque tudo que existe de concreto feito pela humanidade, nasceu do sonho de alguém e, com certeza, esse sonho já foi sonhado por milhões de pessoas. Nós, da nossa geração, temos o dever de realizar esse sonho, porque temos a felicidade de contarmos com os meios necessários. Se a gente não fizer isso, tenho a impressão que seremos culpados diante da história. Nós não podemos deixar para gerações futuras, essa herança tão vergonhosa e tão cruel. A hanseníase tem cura, mas os medicamentos não curam sozinhos. Se não adicionarmos a cada comprimido uma dosezinha da nossa vontade, do nosso compromisso, do nosso amor, eles são inócuos ou até venenosos. Aliás, o amor ainda continua sendo o melhor remédio para todos os males do mundo, desde que seja traduzido em trabalho, em humildade, em ética, em compromisso, em justiça. A hanseníase também se cura com amor. Com muito, muito amor. Francisco Augusto Vieira Nunes (Bacurau) Rio Branco, Acre, 30 de abril de * A equipe responsável pela formatação deste protocolo substituiu termo indicativo da doença, utilizado pelo autor, pelo termo hanseníase, respeitando portaria ministerial com orientações neste sentido. 6

7 Índice ÍNDICE Introdução Seção I -Organização do Sistema Integrado de Atenção à Hanseníase Operacionalização Compete à US Básica Compete à Referência Distrital Compete à Referência Metropolitana Compete ao Laboratório Municipal Fluxograma Seção II - Protocolo Técnico para Atenção à Hanseníase A Doença Patogenia Diagnóstico Definição de Caso Suspeito Anamnese e História Epidemiológica Exame Clínico Definição de Caso Classificação Classificação Clínica Classificação Baseada na Baciloscopia Diagrama para Diagnóstico e Classificação Tratamento Poliquimioterapia Duração e Esquema de Tratamento Reações Adversas à Poliquimioterapia Esquemas Alternativos Tratamento em Situações Especiais Dispensação dos Medicamentos Avaliação e Prevenção das Incapacidades Físicas Avaliação das Incapacidades Físicas Prevenção das Incapacidades Físicas Conduta nos Casos de incapacidade Física Instalada Manejo das Complicações Reações Hansênicas Recidiva Quadro Comparativo para Auxiliar no Diagnóstico Diferencial entre Reação Reversa e Recidiva Vigilância Epidemiológica Notificação do Caso Vigilância dos Contatos Educação em Saúde Bibliografia Consultada

8 8

9 Introdução Em reunião promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), em Abdijan na Costa do Marfim, em 1999, o Brasil assumiu novo compromisso de eliminar a hanseníase até o final do ano de 2005, o que significa reduzir o coeficiente de prevalência da hanseníase para menos de um doente a cada 10 mil habitantes. O alcance desta meta demandará a superação de grandes obstáculos. A hanseníase continua sendo um importante problema de saúde pública no Brasil, registrando-se, a cada ano, em torno de 40 mil casos novos, com taxa de prevalência de 4,9 por 10 mil habitantes, em Apesar das maiores prevalências ocorrerem na região norte do país, em Curitiba, no ano 2000, o coeficiente de prevalência da hanseníase foi de 1,8 por 10 mil habitantes, ainda acima da meta preconizada pelo Ministério da Saúde e OMS. Os avanços no tratamento, com a garantia de cura, através do tratamento ambulatorial com poliquimioterapia, orientam o acesso ao diagnóstico precoce e tratamento desta patologia, disponibilizados cada vez mais próximos à residência do paciente, como estratégia fundamental para o controle da hanseníase. Esforços contínuos devem, também, ser feitos no sentido de superação dos preconceitos, reforçando a integração do paciente na sua comunidade. Assumindo o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública no município, a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba está implantando este protocolo que, além de subsidiar tecnicamente os profissionais no atendimento à hanseníase, define a organização da atenção nos diversos níveis de atuação, orientando a construção de um sistema de saúde integrado. 9 Luciano Ducci Secretário Municipal de Saúde

10 10

11 Organização do Sistema Integrado de Atenção à Hanseníase 11

12 12

13 Organização do Sistema Integrado de Atenção à Hanseníase A hanseníase é um problema de saúde pública e seu controle depende da participação de todas as instâncias do sistema municipal de saúde. A porta de entrada são as unidades de saúde. A existência de uma ampla rede de unidades distribuídas por toda a cidade caracteriza a unidade básica de saúde como espaço privilegiado para a sensibilização da comunidade sobre a doença e especialmente para a suspeita diagnóstica inicial. A proximidade da residência dos usuários, facilitando o acesso e a adesão do paciente e permitindo a monitorização contínua do tratamento e a vigilância dos contatos, reforça o papel primordial das unidades básicas nas ações de controle da hanseníase. A adoção da metodologia de gestão de caso, com a definição de um profissional da equipe de enfermagem ou de um agente comunitário de saúde para acompanhamento periódico do paciente, visa a garantir a adesão e manutenção do tratamento e a pronta orientação para dificuldades que possam ocorrer até o momento da alta. A execução dos exames complementares (baciloscopia), no Laboratório Municipal de Curitiba, respalda o atendimento da rede municipal. A necessidade de fácil acesso a referências para apoio às unidades básicas, auxiliando nas dúvidas quanto ao diagnóstico e tratamento, e no trabalho de prevenção de incapacidades, orientou a definição e capacitação de referências distritais. Complementa a formação de um sistema integrado de atenção à hanseníase, a reorganização do fluxo de encaminhamento, nos casos de maior complexidade, para referência metropolitana especializada. A definição de fluxo de referência e de contra-referência, entre as unidade básicas e as unidades de referência, tem por objetivo a otimização dos recursos conforme o potencial de cada serviço, no sentido de oferecer atenção no tempo, no lugar e com a qualidade certos. 13

14 14

15 1. OPERACIONALIZAÇÃO A definição das competências nos diversos pontos de atenção orienta o papel de cada serviço no funcionamento do sistema integrado: 1.1 COMPETE À US BÁSICA: Alertar a comunidade para a suspeita de hanseníase, informando eficácia do tratamento, importância do diagnóstico e tratamento precoce e trabalhando no sentido de superar preconceitos. Investigar, em todos os usuários atendidos na US, a presença de lesões suspeitas de hanseníase, encaminhando para consulta médica. Realizar, a partir da consulta médica, diagnóstico clínico de hanseníase, solicitando baciloscopia para orientar a classificação da forma de apresentação. Classificar quanto à forma de apresentação e prescrever o tratamento conforme protocolo, solicitando os medicamentos ao farmacêutico do Distrito Sanitário. Avaliar grau de incapacidade física e orientar sua prevenção, agendando atendimento com a equipe de enfermagem da referência distrital para orientação inicial especializada. Notificar o caso, preenchendo ficha de investigação específica. Agendar retorno mensal para acompanhamento e administração de medicação supervisionada. Definir um profissional da equipe de saúde (enfermeiro, auxiliar de enfermagem ou agente comunitário de saúde) para acompanhamento do caso (gestor de caso), garantindo contato quinzenal, através de telefone ou visita domiciliar, alternado com o comparecimento na US, visando acompanhar o tratamento, 15

16 evitando o abandono, identificando dificuldades e encaminhando sua resolução e auxiliando na vigilância dos contatos. Preencher a cada avaliação planilha/ficha de acompanhamento dos casos. Avaliar evolução clínica e das incapacidades físicas no 6 o e 12 o mês, conforme protocolo. Encaminhar para referência distrital, com ficha de referência/ contra-referência, todos os casos suspeitos ou confirmados quando, após a consulta médica, persistirem dúvidas no diagnóstico, tratamento ou manuseio de complicações (fazer contato telefônico prévio). Identificar e avaliar contatos domiciliares, conforme protocolo. 1.2 COMPETE À REFERÊNCIA DISTRITAL Realizar orientação para prevenção de incapacidades físicas para todos os pacientes encaminhados pelas US e pelo médico da referência. Atender usuários encaminhados das US básicas, preenchendo ficha de referência/contra-referência. Acompanhar tratamento nos casos necessários. Dar suporte, via telefone, aos profissionais das US Básicas, em dúvidas no diagnóstico, tratamento e acompanhamento. Encaminhar para referência municipal (CRE Metropolitano), via central de marcação de consultas especializadas, com ficha de referência/contra-referência, casos de maior complexidade, incluindo recidivas. 1.3 COMPETE À REFERÊNCIA METROPOLITANA Atender usuários encaminhados pelas referências distritais 16

17 preenchendo ficha de referência/contra-referência. Acompanhar tratamento nos casos necessários. Dar suporte, via telefone, aos profissionais das referências distritais, em dúvidas no diagnóstico, tratamento e acompanhamento. Encaminhar para as US Básicas, conforme proximidade de endereço de residência, pacientes do município que procuram diretamente a referência metropolitana, preenchendo ficha de referência/contra-referência. 1.4 COMPETE AO LABORATÓRIO MUNICIPAL Coletar e realizar baciloscopia de todos os pacientes encaminhados pela rede municipal de saúde. 17

18 2. FLUXOGRAMA * Contato telefônico prévio com a referência 18

19 Protocolo Técnico para Atenção à Hanseníase 19

20 20

21 Protocolo Técnico para Atenção à Hanseníase 1. A DOENÇA A Hanseníase é uma doença infecciosa causada pelo Mycobacterium leprae, um bacilo álcool-ácido resistente em forma de bastonete. A doença pode afetar a pele, os nervos periféricos, a mucosa do trato respiratório superior, os olhos e outras estruturas. Pode atingir pessoas de ambos os sexos e de qualquer idade. Tem um período de incubação muito longo, em média 5 anos, podendo ir de meses a mais de 10 anos. A transmissão é direta de pessoa a pessoa, através das vias aéreas superiores, no convívio intimo e prolongado da pessoa sadia com o doente, da forma multibacilar, não tratado. 1.1 PATOGENIA Em áreas endêmicas, a infectividade bacilar é alta, mas a sua patogenicidade é baixa. A penetração do bacilo ocorre através das mucosas do trato aéreo superior ou pele com solução de continuidade. Há estímulo de um gânglio sentinela com rápida bacteremia indo o bacilo alojar-se nos nervos, na mucosa, na pele e eventualmente órgãos internos. A resposta imunitária do hospedeiro varia conforme contato prévio. Se a pessoa possui imunidade competente (90 a 95% da população) poderá ou não desenvolver doença. Esta pessoa apresenta a intradermorreação de Mitsuda positiva e se desenvolver doença terá a forma Paucibacilar (Indeterminada ou Tuberculóide). 21

22 Se a pessoa não possui imunidade competente (5 a 10% da população) poderá ou não desenvolver doença. Esta pessoa possui a intradermorreação de Mitsuda negativa e se desenvolver doença terá a forma Multibacilar( Dimorfa ou Virchowiana). O bacilo de Hansen é neurotrópico e atinge o sistema nervoso periférico; a evolução das lesões nervosas é esquematizada no quadro a seguir: QUADRO DE LESÕES DOS NERVOS PERIFÉRICOS Evitar ou prevenir danos neurais Evitar ou prevenir complicações DEFORMIDADES 22

23 2. DIAGNÓSTICO O diagnóstico da hanseníase é essencialmente clinico e deve se feito a partir do caso suspeito. 2.1 DEFINIÇÃO DE CASO SUSPEITO Pessoa que apresenta um ou mais dos seguintes sinais ou sintomas: Lesão de pele hipopigmentada, avermelhada ou ferruginosa com perda de sensibilidade bem definida (diminuição da sensibilidade ou anestesia). Infiltração difusa, placas, manchas, tubérculos, nódulos (normalmente sem sintomas). Lesão de nervos periféricos demonstradas por perda de sensibilidade e força nos músculos das mãos, pés ou face. Queda de pêlos, localizada ou difusa, especialmente sobrancelhas e cílios. Anidrose ( falta de suor no local), pele seca. * Obs. Excluem-se desta definição os indivíduos que realizaram tratamento completo para hanseníase, visto que os sintomas podem persistir após a cura, não indicando atividade da doença. Todos os casos suspeitos devem ser encaminhados para consulta médica. 2.2 ANAMNESE E HISTÓRIA EPIDEMIOLÓGICA Pesquisar informações sobre: Início e evolução das lesões. As lesões da pele se desenvol- 23

24 vem, em geral, de forma muito lenta, durante vários meses, e sem causar nenhuma queixa. História de hanseníase na família, convivência com doentes. Tratamento eventualmente recebido no passado, no sentido de decidir se há necessidade de novo tratamento. História de doenças pregressas. Auxilia em relação a possíveis contra-indicações para poliquimioterapia, para a necessidade de tratamento de doenças associadas ou para a necessidade de encaminhamento do paciente para referência. 2.3 EXAME CLÍNICO (Exame dermatoneurológico) Preferentemente, o exame deve ser feito à luz natural. Toda a superfície do corpo deve ser examinada tomando-se cuidado com a privacidade do paciente. A localização das lesões de pele deve ser anotada num mapa corporal simples (constante na ficha de notificação epidemiológica). Uma ou mais lesões de pele devem ser examinadas quanto às perdas de sensibilidade (conforme teste de sensibilidade). Os principais troncos nervosos devem ser palpados, verificando se estão espessados ou dolorosos. (consultar figura dos principais troncos nervosos atingidos). 24

25 TESTE SIMPLES DE SENSIBILIDADE O paciente deve estar com os olhos fechados ou colocar um anteparo na frente. A perda da sensibilidade é gradativa por isso deve-se testar na seguinte seqüência: 1º- Sensibilidade térmica: tocar a lesão e a pele sadia com um tubo contendo água levemente aquecida e outro com água fria. 2º- Sensibilidade dolorosa: tocar o centro da lesão de pele com um alfinete aplicando uma leve pressão e perguntar ao paciente se sente dor. Testar a mesma área e também áreas de pele normal tanto com a ponta como com a cabeça do alfinete, de modo que se possa comparar. 3º- Sensibilidade tátil: tocar a lesão e áreas de pele normal com um algodão e questionar a sensibilidade, é a ultima sensibilidade a ser perdida. 25

26 MAPA CORPORAL PARA IDENTIFICAÇÃO DAS LESÕES DE PELE 26

27 ESQUEMA DOS PRINCIPAIS TRONCOS NERVOSOS 27

28 2.4 DEFINIÇÃO DE CASO Através da anamnese, da história epidemiológica e do exame dermatoneurológico pode-se estabelecer o diagnóstico de hanseníase. Conforme definição do Ministério da Saúde, um caso de hanseníase é uma pessoa que apresenta uma ou mais das seguintes características: Lesão (ões) de pele com alteração de sensibilidade Acometimento de nervo (s) com espessamento neural Baciloscopia positiva* *A baciloscopia deve ser utilizada como exame complementar para a classificação dos casos. 28

29 3. CLASSIFICAÇÃO A Hanseníase pode ser classificada tomando-se como base as manifestações clínicas e o resultado da baciloscopia. A histopatologia pode ser útil na complementação diagnóstica em alguns casos, sendo solicitada, quando necessário, pela referência metropolitana. 3.1 CLASSIFICAÇÃO CLÍNICA: a) Baseada no n.º de lesões de pele: Até 5 lesões de pele classificar como Paucibacilar (PB) Mais de 5 lesões de pele classificar como Multibacilar (MB) b) Baseada em nervos comprometidos: Apenas um tronco nervoso afetado classificar como Paucibacilar (PB) Vários troncos nervosos afetados classificar como Multibacilar (MB) 3.2 CLASSIFICAÇÃO BASEADA NA BACILOSCOPIA: Todos os pacientes com diagnóstico clínico de hanseníase devem ser encaminhados ao Laboratório Municipal para realização de baciloscopia. O exame consiste na retirada de linfa nos seguintes sítios de coleta: 29

30 esfregaço dos dois lóbulos auriculares (LOD, LOE) e esfregaço de cotovelo (dois lados) esfregaço de uma lesão ativa ou área com alteração de sensibilidade; O resultado da baciloscopia é dado em índice baciloscópico (IB), podendo variar de 0 à 6 cruzes. Utilizando-se a baciloscopia, classifica-se os casos em: pacientes que apresentam baciloscopia negativa ( IB=0) em todos os locais de coleta são classificados como Paucibacilares (PB); pacientes que apresentam baciloscopia positiva (IB=1 a 6) em qualquer local de coleta são classificadas como Multibacilares (MB) 30

31 3.3 DIAGRAMA PARA DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DA HANSENÍASE 31

32 32

33 4. TRATAMENTO 4.1 POLIQUIMIOTERAPIA: PQT Deve ser indicada desde que não haja contra-indicação formal. Vantagens: Altamente eficiente na cura da doença. Reduz o período de tratamento Boa aceitação. Fácil aplicação Previne o desenvolvimento de resistência medicamentosa. Interrompe a cadeia de transmissão da doença. Reduz risco de recidiva Previne aparecimento de deformidades. Contra-indicação formal (encaminhar para referência): Hepatopatia grave Alcoolismo crônico com lesão hepática Distúrbios hematológicos severos Nefropatia, principalmente de caráter auto-imune Doença mental prévia 4.2 DURAÇÃO E ESQUEMA DE TRATAMENTO RECOMENDADO PELA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 33

34 4.2.1 FORMA PAUCIBACILAR (PB) Duração: de 6 meses Medicamentos: Seguimento dos casos: Comparecimento mensal para a medicação supervisionada num total de 6 doses em até 9 meses; Contato quinzenal, por telefone ou visita domiciliar, alternado com o comparecimento na US, para acompanhamento do caso; Preencher, a cada avaliação, ficha/planilha de controle do paciente com hanseníase; Revisão dermatoneurológica na 6ª dose; Avaliação do grau de incapacidade na alta do tratamento. Critérios de alta por cura: Receberão alta por cura, os pacientes que completaram as 6 doses de PQT supervisionada, em até 9 meses, independentemente do número de faltas consecutivas. 34

35 Seguimento após a alta do tratamento Os doentes com alta por cura sairão do registro ativo (sistema de notificação de vigilância epidemiológica) devendo retornar anualmente, por 3 anos, quando serão liberados com orientação para retornar para sua unidade, caso desenvolvam sinais e sintomas sugestivos de atividade da doença FORMA MULTIBACILAR (MB) Duração: de 12 meses Medicamentos: Seguimento dos casos: Comparecimento mensal para a medicação supervisionada num total de 12 doses em até 18 meses; Contato quinzenal, por telefone ou visita domiciliar, alternado 35

36 com o comparecimento na US, para acompanhamento do caso; Preencher, a cada avaliação, ficha/planilha de controle do paciente com hanseníase; Revisão dermatoneurológica na 6ª dose e 12ª doses; Avaliação do grau de incapacidade na alta do tratamento. Critérios de alta por cura Receberão alta, por cura, os pacientes que completaram as 12 doses de PQT supervisionada, em até 18 meses, independentemente do número de faltas consecutivas Casos multibacilares que iniciam o tratamento com numerosas lesões ou extensas áreas de infiltração cutâneas, terão risco maior de desenvolver reações e dano neural após completarem 12 doses. Estes casos poderão apresentar regressão mais lenta das lesões de pele. A maioria destes doentes continuará a melhorar após a conclusão do tratamento com 12 doses. É possível, que alguns destes casos, não demonstrem qualquer melhora e devido a isso necessitarão de 12 doses adicionais de PQT-MB. Nestes casos encaminhar para avaliação e orientação na referência distrital. Seguimento após a alta do tratamento Os doentes com alta por cura sairão do registro ativo (sistema de notificação de vigilância epidemiológica) devendo retornar anualmente, por 3 anos, para acompanhamento. Após este período serão liberados com orientação para retornar à unidade de saúde, na presença de sinais e sintomas sugestivos da doença. 4.3 REAÇÕES ADVERSAS À PQT No quadro a seguir estão esquematizados as drogas usadas no tratamento da hanseníase e seus efeitos colaterais 36

37 PRINCIPAIS REAÇÕES ADVERSAS À PQT Item Medicamento Clofazimina Dapsona Rifampicina Ofloxacino Minociclina Prednisona Talidomida 37 Reações Adversas Pele Gastro-Intestinal Sangue Outros Coloração da pele em tom avermelha-do no início e depois tendendo ao marrom; as lesões da doença se tornam hiperpigmentadas, podendo chegar ao cinza escuro e preto; esta coloração poderá levar vários meses e até anos para desaparecer após a conclusão do tratamento Síndrome de Stevens-Jonhson; Dermatite esfoliativa ou eritrodermia Fotodermatite Prurido e erupção cutânea Rubor (face e pescoço) Acne Erupção cutânea, prurido, rubor; fotossensibilização Exantema esfoliativo; fotossensibilidade; pigmentação da pele e mucosa Rubor facial; aumento do crescimento dos pelos Lesões vesiculares Reações gastrointestinais como náuseas, vômito e diarréia, podem ocorrer com doses elevadas; em alguns casos pode haver quadro abdominal com dor sugerindo obstrução intestinal Anorexia, náuseas, Vômito e dor abdominal Mal estar abdominal; náuseas, vômitos e diarréia Náuseas, cefaléia e tontura. Dor abdominal dispepsia, flatulência e estomatite Distúrbios gastrointestinais Gastrite e úlcera péptica Obstipação intestinal; diarréia Anemia hemolítica mais grave nos deficientes de G-6 PD Metahemo globinemia, leucopenia, cianose, agranulocitose Trombocitopenia, anemia hemolítica, eosinofilia, leucopenia Eosinofilia, leucopenia e trombocitopenia Anemia hemolítica; trombocitopenia Linfopenia Diminuição do suor e da secreção lacrimal e fotossensibili-dade. A urina, suor e lágrimas podem adquirir coloração averme-lhadas Cefaléia, insônia, nervosismo, confusão mental, desorientação, alucinações. Hematúria, diarréia, vômito Icterícia assintomática; dor muscular e articular; coloração vermelho-alaranjada da urina, fezes, saliva, escarro, suor e lágrimas; Reação do tipo imunológico em pacientes com tratamento intermitente, com doses elevadas de até 1.200mg; nestes casos ocorrem dispnéia, púrpura e dores muscular e articulares. Síndrome pseudogripal Sonolência, insônia e inquietação; depressão crises convulsivas Tonturas e vertigens; pancreatite, descoloração dos dentes; hepatotoxicidade Depressão e psicose; osteoporose; agravamento da diabetes; aumento da pressão ocular; edema; aumento de peso; Síndrome de Cushing Teratogenicidade; tontura; cefaléia; amenorréia; sonolência; diminuição da libido

38 Resumo dos principais efeitos colaterais e manejo: Síndrome Pseudogripal suspender a rifampicina Dor abdominal importante, se perceber correlação suspender a clofazimina Quadro psicótico suspender a dapsona e prednisona Metahemoglobinemia, anemia hemolítica suspender a dapsona reavaliar hematológicamente aguardar melhora pode-se associar ácido fólico 2mg, não usar ferro via oral a não ser que hajam outras indicações tentar reintrodução com doses pequenas, aumentando pro gressivamente e monitorar dermatologicamente Não usar talidomida em gestantes e mulheres em idade fértil 4.4 ESQUEMAS ALTERNATIVOS Sempre definidos pela referência metropolitana ou distrital, podendoo acompanhamento ser realizado na unidade de saúde Esquema ROM O Ministério da Saúde recomenda a adoção do Esquema ROM (Rifampicina, Minociclina e Ofloxacina) para pacientes paucibacilares com lesão única de pele sem envolvimento de tronco nervoso. 38

39 Pacientes identificados com estas características devem ser encaminhados para avaliação da referência distrital e metropolitana, para avaliação e definição da opção de tratamento. O esquema ROM não é recomendado para gestantes e crianças menores de 5 anos de idade. Os pacientes que fizerem tratamento com esquema ROM receberão alta por cura após a tomada da dose Na impossibilidade absoluta de utilizar dapsona 39

40 4.4.3 Na impossibilidade absoluta de utilizar rifampicina e dapsona Na impossibilidade absoluta de utilizar clofazimina (multibacilares) Ofloxacina 400 mg diários, auto-administrados, ou Minociclina 100 mg diários, auto-administrados; Dapsona 100 mg diários, auto-administrados; Rifampicina 600 mg mensal, supervisionada. Tempo de duração: 12 meses Ou 40

41 Rifampicina 600 mg mensal, supervisionada; Ofloxacina 400 mg mensal, supervisionada; Minociclina- 100 mg mensal, supervisionada. Tempo de duração: 24 meses 4.5 TRATAMENTO EM SITUAÇÕES ESPECIAIS Gravidez: O tratamento é seguro para a mãe e o feto, não interromper durante gravidez. Somente está contra-indicado o uso da talidomida Associação com tuberculose: Usar o esquema de rifampicina preconizado no tratamento da tuberculose, o restante deverá ser mantido. Infecção pelo HIV: O tratamento é o mesmo de qualquer outro paciente. A rifampicina na dose de 600 mg /mês não interfere na ação dos anti-retrovirais. Tratamento da Recidiva: Todos os casos de recidiva devem ser encaminhados para referência para avaliação e confirmação da recidiva. Esquema terapêutico deverá ser definido na referência e mantido na U.S. 4.6 DISPENSAÇÃO DOS MEDICAMENTOS Rotina de Dispensação 41

42 4.6.2 Outras Informações Guardar os medicamentos em recipiente fechado, local arejado, temperatura entre 20 a 25 C, longe do calor, umidade e luz direta; Manter o medicamento fora do alcance das crianças; Tomar os medicamentos nas doses prescritas pelo médico; Consultar o médico antes de tomar qualquer outro medicamento; Comunicar à equipe de saúde sobre qualquer indisposição verificada durante o tratamento. DAPSONA Ingerir com alimentos para diminuir irritação no estômago RIFAMPICINA Ingerir preferencialmente com estômago vazio; 42

43 Evitar bebidas alcoólicas; Alertar sobre as alterações (vermelho-alaranjado ou vermelhoescuro) da urina, fezes, saliva, escarro, suor e lágrimas; Vigiar as funções hepáticas em pacientes idosos, alcoólatras ou com problemas hepáticos. CLOFAZIMINA Ingerir com leite ou com alimentos; Evitar exposição prolongada ao sol. Usar roupas e chapéu para proteger a pele; Pode ocorrer alterações do paladar e da saliva. OFLOXACINA Ingerir preferencialmente com água e estômago vazio. MINOCICLINA Não pode ser ingerida com leite, laticínios ou alimentos; Evitar exposição prolongada ao sol. PREDNISONA Ingerir durante ou logo após as refeições; Evitar bebida alcoólica durante o tratamento. 43

44 5. AVALIAÇÃO E PREVENÇÃO DAS INCAPACIDADES FÍSICAS 5.1 AVALIAÇÃO DAS INCAPACIDADES FÍSICAS É baseada na avaliação de mãos, pés e olhos segundo a pontuação a seguir, com base no sistema da OMS (0-2). Mãos e Pés Olhos GRAU 0 : sem anestesia, dano ou deformidade visível. GRAU 1 : anestesia presente, mas sem dano ou deformida de visível. GRAU 2 : deformidade visível ou dano presente. Cada mão e pé deverá ser aferidos separadamente GRAU 0 : sem problemas oculares devido à hanseníase; sem evidência de perda visual. GRAU 1 : presença de problema ocular devido à hanseníase, mas sem perda visual importante (Visão 6/60 ou melhor; consegue contar os dedos a uma distância de seis metros). GRAU 2 : perda visual importante (visão pior que 6/60; inca pacidade de contar os dedos a uma distância de 6 metros). Cada olho deverá ser examinado e classificado separadamente 44

45 5.2 PREVENÇÃO DAS INCAPACIDADES FÍSICAS A melhor maneira de prevenir incapacidades é: Diagnóstico precoce Tratamento com poliquimioterapia Identificar os sinais e sintomas de reação hansênica com comprometimento neural e iniciar imediatamente o tratamento Para que o paciente seja adequadamente capacitado para a prevenção de incapacidades físicas, o mesmo deve ser encaminhado para receber orientação detalhada da equipe de enfermagem da referência distrital. A cada retorno do paciente na Unidade de Saúde, deve ser avaliada a adesão às orientações e devem ser reforçados cuidados básicos para a prevenção de deformidades. CUIDADOS PESSOAIS PARA PREVENÇÃO DE DEFORMIDADES Como a Hanseníase atinge os nervos levando a anestesia e\ou atrofia é fundamental orientar o doente quanto aos cuidados pessoais. Com os olhos: observar: dificuldade para piscar ou sensação de areia nos olhos. orientar: lubrificar os olhos com colírio lubrificante e fazer exercício de abrir e fechar os olhos com força. Com o nariz: observar: feridas. orientar: fazer sempre higiene com soro ou água filtrada, evitando retirar casquinhas. 45

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.* HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por 10.000 habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades

Leia mais

Ações de Eliminação da Hanseníase

Ações de Eliminação da Hanseníase PROGRAMA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DE AGRAVOS TRANSMISSÍVEIS Protocolo da Equipe de Saúde das Unidades Básicas nas Ações de Eliminação da Hanseníase I. INTRODUÇÃO : A ELIMINAÇÃO DA HANSENÍASE... 15

Leia mais

Tuberculose, o que é?

Tuberculose, o que é? Tuberculose, o que é? P Á T R I A E D U C A D O R A O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio chamado bacilo de Koch. Uma doença causada

Leia mais

HANSENÍASE: CARACTERÍSTICAS GERAIS

HANSENÍASE: CARACTERÍSTICAS GERAIS HANSENÍASE: CARACTERÍSTICAS GERAIS Fernanda Marques Batista Vieira A Hanseníase com agente etiológico Mycobacterium leprae é uma doença infectocontagiosa, de evolução lenta, é transmitida de forma inter-humana,

Leia mais

HANSENÍASE PROCURAR PARA CURAR!

HANSENÍASE PROCURAR PARA CURAR! HANSENÍASE PROCURAR PARA CURAR! Guia para orientações ao paciente de hanseníase Programa Estadual de Controle da Hanseníase Gerência de Dermatologia Sanitária O QUE É HANSENÍASE? Doença causada por um

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

Eliminação da Lepra ComoProblema de Saúde Pública

Eliminação da Lepra ComoProblema de Saúde Pública A Lepra pode ser fàcilmente curada com MDT. Disponível e gratuita em todos os centros de saúde. Grupo de Eliminação da Lepra Organização Mundial da Saúde CH-1211 Geneva 27 Switzerland Internet: www.who.int

Leia mais

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO

HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO Luizinho e Chiquinho HANSENÍASE TEM CURA PATROCÍNIO SBD: DERMATOLOGISTA COM TÍTULO DE ESPECIALISTA CUIDANDO DE VOCÊ. Oi LuizinhO. nossa conversa sobre DST foi muito útil, mas agora, eu tenho uma dúvida

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

Informação. Para o Doente. A lepra pode ser fácilmente curada.

Informação. Para o Doente. A lepra pode ser fácilmente curada. Informação Para o Doente Sobre a lepra... Eles serão curados da lepra se tomarem os medicamentos da blister conforme a indicação. Eles devem completar o ciclo de tratamento: 6 blisters para doentes PB

Leia mais

José Carlos Junqueira de Araújo Prefeito Municipal. Valdecir Feltrin Secretário Municipal de Saúde

José Carlos Junqueira de Araújo Prefeito Municipal. Valdecir Feltrin Secretário Municipal de Saúde FICHA TÉCNICA: José Carlos Junqueira de Araújo Prefeito Municipal Valdecir Feltrin Secretário Municipal de Saúde Mariúva Valentin Chaves Departamento de Ações Programáticas Técnicos Responsáveis Alba Xavier

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA ISONIAZIDA + RIFAMPICINA D.C.B. 05126.01-0 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA é apresentado em: Cápsulas duras, para ADMINISTRAÇÃO ORAL,

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico:

M F. Nome da vacina Dosagem Instituição/Nome do médico/data da administração Nome da vacina. Instituição: Nome do médico: Questionário de avaliação para vacinação de [ Endereço Nome da criança Nome do pai/mãe/responsável M F ポルトガル 語 版 Formulário 2 ] (bebês/crianças em idade escolar) Temperatura corporal antes da entrevista

Leia mais

PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 Legislações - GM Sex, 15 de Outubro de 2010 00:00 PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção e Controle da Hanseníase.

Leia mais

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico Secretaria Municipal de Saúde de Janaúba - MG Edição Julho/ 2015 Volume 04 Sistema Único de Saúde TUBERCULOSE VIGILÂNCIA Notifica-se, apenas o caso confirmado de tuberculose (critério clinico-epidemiológico

Leia mais

Eliminação da Hanseníase

Eliminação da Hanseníase A hanseníase pode ser facilmente curada com PQT. A PQT está disponível gratuitamente em todos os postos, centros de saúde e unidades saúde da família. Leprosy Elimination Group World Health Organisation

Leia mais

Informaçãoes Para os Doentes

Informaçãoes Para os Doentes Informaçãoes Para os Doentes Sobre a hanseníase... Serão curados da hanseníase se tomarem a PQT, conforme a indicação. Devem completar o ciclo de tratamento: 6 cartelas para doentes PB ou 12 cartelas para

Leia mais

Respire aliviado! Tuberculose tem cura

Respire aliviado! Tuberculose tem cura Respire aliviado! Tuberculose tem cura O que é tuberculose? A tuberculose é uma doença infecciosa causada por um micróbio visível apenas ao microscópio, chamado Bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis).

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

CASOS CLÍNICOS. Referentes às mudanças no tratamento da tuberculose no Brasil. Programa Nacional de Controle da Tuberculose DEVEP/SVS/MS

CASOS CLÍNICOS. Referentes às mudanças no tratamento da tuberculose no Brasil. Programa Nacional de Controle da Tuberculose DEVEP/SVS/MS CASOS CLÍNICOS Referentes às mudanças no tratamento da tuberculose no Brasil Programa Nacional de Controle da Tuberculose DEVEP/SVS/MS Departamento de Vigilância Epidemiológica Caso 1 Caso novo de TB pulmonar

Leia mais

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos

Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Capacitação em Serviço: Dengue em 15 minutos Situação Epidemiológica O Brasil é responsável por 75% dos casos de dengue na América Latina A partir de 2002, houve grande aumento de casos de dengue e das

Leia mais

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza

Tuberculose. Profa. Rosângela Cipriano de Souza Tuberculose Profa. Rosângela Cipriano de Souza Risco para tuberculose Pessoas em contato com doentes bacilíferos, especialmente crianças Pessoas vivendo com HIV/AIDS Presidiários População vivendo nas

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da Hanseníase

MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Atenção Básica. Guia para o Controle da Hanseníase MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Políticas de Saúde Departamento de Atenção Básica Guia para o Controle da Hanseníase Brasília, DF 2002 Ministro da Saúde Barjas Negri Secretário de Políticas de Saúde

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Versão 1 atualização em 09 de outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO A detecção de casos em tempo hábil e a resposta

Leia mais

HANSENÍASE CID 10: A30

HANSENÍASE CID 10: A30 Hanseníase HANSENÍASE CID 10: A30 Características gerais Descrição Doença crônica granulomatosa, proveniente de infecção causada pelo Mycobacterium leprae. Esse bacilo tem a capacidade de infectar grande

Leia mais

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente

TB - TUBERCULOSE. Prof. Eduardo Vicente TB - TUBERCULOSE Prof. Eduardo Vicente A História do TB A tuberculose foi chamada antigamente de "peste cinzenta", e conhecida também em português como tísica pulmonar ou "doença do peito" - é uma das

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES

NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES S ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº. 01/2010/DIVE/SES Assunto:

Leia mais

Ano CXLVI N - 59 Brasília - DF, sexta-feira, 27 de março de 2009 PORTARIA Nº. 125/SVS-SAS, DE 26 DE MARÇO DE 2009.

Ano CXLVI N - 59 Brasília - DF, sexta-feira, 27 de março de 2009 PORTARIA Nº. 125/SVS-SAS, DE 26 DE MARÇO DE 2009. Ano CXLVI N - 59 Brasília - DF, sexta-feira, 27 de março de 2009 PORTARIA Nº. 125/SVS-SAS, DE 26 DE MARÇO DE 2009. Define ações de controle da hanseníase. O SECRETÁRIO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE e o SECRETÁRIO

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda.

Daiichi Sankyo Brasil Farmacêutica Ltda. IDENTIFICAÇÃO DO Loxonin loxoprofeno sódico MEDICAMENTO APRESENTAÇÕES LOXONIN é comercializado em caixas com 8, 15 ou 30 comprimidos de 60 mg. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido de LOXONIN

Leia mais

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010)

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Klomp MA, Striekwold MP, Teunissen H, Verdaasdonk AL traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 3.125, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010 Aprova as Diretrizes para Vigilância, Atenção

Leia mais

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005)

Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Síndrome radicular lombossacral Resumo de diretriz NHG M55 (primeira revisão, abril 2005) Mens JMA, Chavannes AW, Koes BW, Lubbers WJ, Ostelo RWJG, Spinnewijn WEM, Kolnaar BGM traduzido do original em

Leia mais

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol.

Naxogin nimorazol. Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. Cada comprimido de Naxogin contém 500 mg de nimorazol. Naxogin nimorazol PARTE I IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Nome: Naxogin Nome genérico: nimorazol Forma farmacêutica e apresentações: Naxogin 500 mg em embalagem contendo 8 comprimidos. USO ADULTO USO ORAL Composição:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Informe Técnico nº 1 MERCÚRIO METÁLICO Diante da exposição por Mercúrio metálico de moradores do Distrito de Primavera, Município de Rosana, SP, a DOMA/CVE presta o seguinte Informe Técnico. Breve histórico

Leia mais

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg

NAXOGIN COMPRIMIDOS. 500 mg NAXOGIN COMPRIMIDOS 500 mg Naxogin nimorazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Naxogin Nome genérico: nimorazol APRESENTAÇÕES Naxogin comprimidos de 500 mg em embalagens contendo 8 comprimidos.

Leia mais

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados.

MÉTODOS HORMONAIS. São comprimidos que contêm estrogênio e progestogênio associados. MÉTODOS HORMONAIS 1 - ANTICONCEPCIONAIS HORMONAIS ORAIS (PÍLULAS) É o método mais difundido e usado no mundo. As pílulas são consideradas um método reversível muito eficaz e o mais efetivo dos métodos

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

DRAMIN BULA DO PACIENTE

DRAMIN BULA DO PACIENTE DRAMIN BULA DO PACIENTE Takeda Pharma Ltda. Cápsula gelatinosa mole 50 mg/cápsula (dimenidrinato) BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa mole de 50 mg. Embalagem com 4, 10 ou 100

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

Clindoxyl Control peróxido de benzoíla

Clindoxyl Control peróxido de benzoíla Clindoxyl Control peróxido de benzoíla APRESENTAÇÕES Gel 50 mg/g (5%) ou 100 mg/g (10%) em bisnaga de 45g USO EXTERNO VIA TÓPICA USO ADULTO E PACIENTES ACIMA DE 12 ANOS COMPOSIÇÃO Clindoxyl Control 5%

Leia mais

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada.

Podem ser portadores e formar uma rede de transmissão. Não, porque contêm químicos e está clorada. Influenza A H1N1 /GRIPE SUÍNA PERGUNTAS E RESPOSTAS: PERGUNTA 1. Quanto tempo o vírus da gripe suína permanece vivo numa maçaneta ou superfície lisa? 2. O álcool em gel é útil para limpar as mãos? 3. Qual

Leia mais

CONHECENDO A TUBERCULOSE

CONHECENDO A TUBERCULOSE CONHECENDO A TUBERCULOSE Œ Tuberculose Œ Transmissão Œ Sintomas Iniciais Œ Diagnóstico Œ Contatos Œ Tratamento Œ Convívio Social Œ Vacinação Œ TB, AIDS Œ Alcoolismo Œ Prevenção Œ Cura O QUE É TUBERCULOSE?

Leia mais

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg

OMENAX. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg OMENAX Geolab Indústria Farmacêutica S/A Cápsula 20mg e 40mg tratar dispepsia, condição que causa acidez, azia, arrotos ou indigestão. Pode ser usado também para evitar sangramento do trato gastrintestinal

Leia mais

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida?

QUERO SABER... FIZ O TESTE E DEU ( POSITIVO ) Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Como é que uma pessoa se pode proteger do VIH/sida? Para NÃO APANHAR nas relações intimas e sexuais: 1. Não fazer sexo enquanto não se sentir preparado para usar o preservativo (pode experimentar primeiro

Leia mais

Informativo Empresarial Especial

Informativo Empresarial Especial Informativo Empresarial Especial Gripe Suína Plano de Contingência Empresarial A Gripe Influenza A H1N1 e o Transporte Rodoviário A gripe que ficou conhecida como gripe suína é causada por vírus que se

Leia mais

FAÇA A SUA PARTE. Um mosquito não é mais forte que um país inteiro!

FAÇA A SUA PARTE. Um mosquito não é mais forte que um país inteiro! FAÇA A SUA PARTE Um mosquito não é mais forte que um país inteiro! DENGUE O que é? A dengue é uma doença viral transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. No Brasil, foi identificada pela primeira vez em

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE. Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TUBERCULOSE Profª Ma. Júlia Arêas Garbois VITÓRIA 2015 TUBERCULOSE Doença infecciosa, atinge, principalmente, o pulmão. Éuma doença grave, transmitida

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA

ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA 1 ESTRATÉGIAS DE ENFRENTAMENTO DE PORTADORES DE HANSENÍASE DIANTE DA DOENÇA Rozane Pereira de Sousa. Estudante da Especialização em Direitos Humanos da Universidade Federal Campina Grande - UFCG, Cajazeiras

Leia mais

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS

CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS CARTILHA ELETRÔNICA INFLUENZA A (H1N1) INFORMAÇÃO E PREVENÇÃO PARA AS ESCOLAS ORIENTAÇÃO AOS PEDAGOGOS Todas as informações constantes nesta cartilha devem ser levadas ao conhecimento de todos os alunos,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GEFIS Nº 29 / 2010 Abordagem Sindrômica. Participação Legal do Enfermeiro. Programa de Controle das Doenças Sexualmente Transmissíveis. Programa de Atenção Integral em Doenças Prevalentes

Leia mais

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS

DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS DENGUE AVALIAÇÃO DA GRAVIDADE SINAIS/SINTOMAS SINAIS/SINTOMAS CLÁSSICOS CLÁSSICOS MANIFESTAÇÕES MANIFESTAÇÕES HEMORRÁGICAS HEMORRÁGICAS SINAIS SINAIS DE DE ALERTA ALERTA SINAIS SINAIS DE DE CHOQUE CHOQUE

Leia mais

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes

Profissional. de Saúde. Guia contendo. questões. frequentes Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Pede-se aos profi ssionais de saúde que notifi quem quaisquer suspeitas de reações adversas através do sistema nacional de notifi cação. concentrado

Leia mais

LACRIFILM (carmelose sódica)

LACRIFILM (carmelose sódica) LACRIFILM (carmelose sódica) União Química Farmacêutica Nacional S.A. solução oftálmica 5 mg/ml LACRIFILM carmelose sódica Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

Para que Serve? Tratamento

Para que Serve? Tratamento Quimioterapia O que é? É um tratamento que utiliza medicamentos quimioterápicos para eliminar células doentes. Cada agente quimioterápico tem diferentes tipos de ação sobre as células e, consequentemente,

Leia mais

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE

APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE TOPISON furoato de mometasona APRESENTAÇÕES Pomada: 1 mg/g de furoato de mometasona em embalagem com 20 g. USO DERMATOLÓGICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO ACIMA DE 02 ANOS DE IDADE COMPOSIÇÃO Cada g de Topison

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa

GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE. Maria Inês Pinheiro Costa GESTÃO DE RISCOS PARA CASOS DE DVE Maria Inês Pinheiro Costa O problema... O problema... Podemos afirmar? Não há nenhum caso suspeito ou confirmado da doença no país. Anvisa e Ministério recomendaram mais

Leia mais

Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina

Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina MODELO DE BULA DO PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Cobavital cobamamida cloridrato de ciproeptadina APRESENTAÇÕES Microcomprimidos COBAVITAL (1 mg cobamamida + 4 mg cloridrato de ciproeptadina):

Leia mais

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde

Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde. Tuberculose. Informações para Agentes Comunitários de Saúde Secretaria da Saúde do Estado da Bahia Ministério da Saúde Tuberculose Informações para Agentes Comunitários de Saúde 2011. Secretaria da Saúde do Estado da Bahia É permitida a reprodução parcial desta

Leia mais

Guia para o Controle da Hanseníase

Guia para o Controle da Hanseníase MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA Guia para o Controle da Hanseníase - Versão Preliminar - 1ª edição Série Cadernos de Atenção Básica; n. 10 Série A. Normas

Leia mais

APROVADO EM 26-06-2007 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO

APROVADO EM 26-06-2007 INFARMED FOLHETO INFORMATIVO FOLHETO INFORMATIVO Leia atentamente este folheto antes de tomar o medicamento. Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o reler. Caso tenha dúvidas, consulte o seu médico ou farmacêutico. Este medicamento

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única.

vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. 1 vacina tétano Forma farmacêutica e apresentação: Suspensão injetável. - Cartucho contendo uma seringa de dose única. A vacina tétano deve ser administrada por via intramuscular. Não utilize a vacina

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg

Capilarema. Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos. 75 mg Capilarema Laboratórios Baldacci Ltda. Comprimidos 75 mg CAPILAREMA aminaftona APRESENTAÇÕES Comprimidos simples de 75 mg cartucho contendo 30 ou 60 comprimidos. VIA ORAL - USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada comprimido

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

ENFERMEIRO DO PSF - 40H

ENFERMEIRO DO PSF - 40H QUESTÃO 01 A Constituição Federal de 1988 na seção II dispõe sobre a Saúde, que descreve em artigo sobre a saúde ser direito de todos. Para tanto, no art. 198 as ações e serviços públicos de saúde integram

Leia mais

Programa Estadual de Controle da Tuberculose

Programa Estadual de Controle da Tuberculose Programa Estadual de Controle da Tuberculose Programa Estadual de Apoio aos Consórcios Intermunicipais de Saúde COMSUS Curitiba, 10 e 11 de abril de 2014. Estimativa da incidência da tuberculose, 2012.

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

CARTILHA DA GRÁVIDA 1

CARTILHA DA GRÁVIDA 1 CARTILHA DA GRÁVIDA 1 2 SUMÁRIO SOBRE A FEBRASGO 4 PRIMEIROS SINTOMAS 5 ETAPAS DA GESTAÇÃO 6 IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL 8 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO À MÃE 9 OBJETIVOS DO PRÉ-NATAL JUNTO AO BEBÊ 10 OBJETIVOS

Leia mais

APRESENTAÇÕES Cada 1 g de pomada contém 0,30 mg ou 1,00 mg de tacrolimo em bisnagas com 10 g ou com 30 g.

APRESENTAÇÕES Cada 1 g de pomada contém 0,30 mg ou 1,00 mg de tacrolimo em bisnagas com 10 g ou com 30 g. TARFIC tacrolimo monoidratado Pomada dermatológica 0,03% ou 0,1% APRESENTAÇÕES Cada 1 g de pomada contém 0,30 mg ou 1,00 mg de tacrolimo em bisnagas com 10 g ou com 30 g. TARFIC 0,03% - USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno.

- Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. Características clínicas da influenza - Sazonalidade: A infecção por Influenza ocorre durante todo o ano, mas é mais frequente nos meses de outono e inverno. - Incubação: um a quatro dias. - Transmissibilidade:

Leia mais

maleato de trimebutina

maleato de trimebutina maleato de trimebutina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica Cápsulas Gelatinosas Mole 200 mg maleato de trimebutina Medicamento genérico Lei n o 9.787, de 1999. I IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO APRESENTAÇÃO:

Leia mais

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina

Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Termo de Esclarecimento e Responsabilidade Carbonato de Cálcio, Vitamina D com Bifosfonados ou Raloxifeno ou Calcitonina Eu, (nome do paciente(a) abaixo identificado(a) e firmado(a)), declaro ter sido

Leia mais

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea

Vírus HIV circulando na corrente sanguínea O que é AIDS? Sinônimos: hiv, síndrome da imunodeficiência adquirida, sida É uma doença que ataca o sistema imunológico devido à destruição dos glóbulos brancos (linfócitos T CD4+). A AIDS é considerada

Leia mais

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013)

Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Otite média aguda em crianças Resumo de diretriz NHG M09 (segunda revisão, fevereiro 2013) Damoiseaux RAMJ, Van Balen FAM, Leenheer WAM, Kolnaar BGM traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE

maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE maleato de timolol Solução oftálmica 0,5% Cristália Prod. Quím. Farm. Ltda. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE 1 IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO maleato de timolol 0,5% Medicamento genérico Lei nº 9.787 de 1999

Leia mais

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib)

Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Guia para o doente Informação de segurança sobre o seu tratamento com Xalkori (crizotinib) Este guia destina-se a doentes a quem tenha sido receitado

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS

GERENCIAMENTO DE PROCESSO. Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: POP 01. Técnico de. Organizar a Sala de Vacinas. Diariamente UAPS GERENCIAMENTO DE PROCESSO Pagina:01 Titulo: Imunização Revisão: 01 Data: O QUE Organizar a Sala de Vacinas RESULTADO DO PROCESSO Melhoria na qualidade de execução de Executar imunização Imunização na Diariamente

Leia mais

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel

DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO. Claudia de Lima Witzel DOENÇAS DO SISTEMA MUSCULAR ESQUELÉTICO Claudia de Lima Witzel SISTEMA MUSCULAR O tecido muscular é de origem mesodérmica (camada média, das três camadas germinativas primárias do embrião, da qual derivam

Leia mais

dicloridrato de betaistina

dicloridrato de betaistina dicloridrato de betaistina Althaia S.A. Indústria Farmacêutica. Comprimidos 16 mg dicloridrato de betaistina Medicamento Genérico, Lei n o 9.787, de 1999. APRESENTAÇÕES: Comprimidos simples: embalagem

Leia mais

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE

PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE PROGRAMA ESTADUAL DE CONTROLE DA TUBERCULOSE Área geográfica = 95,4 mil Km² equivalente a 1,12 do território rio nacional População = 6.049.234 habitantes Nº de municípios do Estado = 293 Nº de municípios

Leia mais

20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI)

20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI) 20 GERÊNCIA DE SAÚDE-20º SDR PROGRAMA NACIONAL DE IMUNIZAÇÃO(PNI) ENF Msc: JANETE ZANDOMENICO. PROGRAMA IMUNIZAÇÃO A vacinação representa um grande avanço da tecnologia médica sendo uma das medidas mais

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Viva intensamente. Cuide-se DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nossos órgãos internos HÁBITOS SAUDÁVEIS Para se ter qualidade com aumento da expectativa de vida,precisa-se manter hábitos saudáveis: Alimentação balanceada

Leia mais

CONSEP - Consultoria e Estudos Pedagógicos LTDA.

CONSEP - Consultoria e Estudos Pedagógicos LTDA. RESULTADO DOS RECURSOS CONTRA O GABARITO PRELIMINAR DO CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL DE ESPERANTINÓPOLIS-MA 1. Recurso Contra as Questões de PORTUGUÊS NIVEL FUNDAMENTAL INCOMPLETO para os cargos de: AUXILIAR

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Brochura com informação de segurança para o doente sobre KEYTRUDA. (pembrolizumab)

Brochura com informação de segurança para o doente sobre KEYTRUDA. (pembrolizumab) Brochura com informação de segurança para o doente sobre KEYTRUDA (pembrolizumab) Este medicamento está sujeito a monitorização adicional. Isto irá permitir a rápida identificação de nova informação de

Leia mais

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre.

Ebola. Vírus. Profissional da Saúde. O que saber. Notificação. sintomas. O que saber. Doença do Vírus Ebola Oeste Africano. Febre. EPI Fluxo 1 dias Profissionais da Saúde O que Saber sintomas Vírus Contatos GRAU Fluídos secreção Letalidade Febre Triagem Ebola O que saber Central/CIEVS/SP Emílio Ribas Profissional da Saúde Contato

Leia mais

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU)

Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Guia de orientação e aconselhamento para contracepção hormonal com Sistema Intrauterino (SIU) Material distribuído exclusivamente por profissionais de saúde às pacientes usuárias de SIU, a título de orientação.

Leia mais

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006.

NOTA TÉCNICA 2. Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados no município de São José do Rio Preto SP, agosto de 2006. SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Prof. Alexandre Vranjac NOTA TÉCNICA 2 Investigação de casos de Encefalite Viral de Saint Louis, notificados

Leia mais