ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012"

Transcrição

1 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002971/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/12/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053998/2011 NÚMERO DO PROCESSO: / DATA DO PROTOCOLO: 26/12/2011 SINDICATO DOS TRAB.NAS IND. CONST.PESADA DE OBRAS PUBLICAS, PRIVADAS E AFINS NO EST. DE SC, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). ARNALDO CAMARGO DE FREITAS; SINDICATO TRAB IND DA CONST E MOBILIARIO DE CANOINHAS, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). ALIPIO CASTANHA DE ARAUJO; E P S N MONTAGENS E MANUTENCAO INDUSTRIAL LTDA, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Diretor, Sr(a). JAIR JOSE DE SOUZA; IRMAOS PASSAURA S.A, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Gerente, Sr(a). SILVIONEI PASSAURA; MARZA ENGENHARIA ELETRICA LTDA, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Preposto, Sr(a). ALINE VIOLADA MATTOS; TRANENGE CONSTRUCOES LTDA, CNPJ n / , neste ato representado(a) por seu Preposto, Sr(a). SONIA MARIA SIMAO CARNEIRO; celebram o presente ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: CLÁUSULA PRIMEIRA - VIGÊNCIA E DATA-BASE As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período de 1º de junho de 2011 a 31 de maio de 2012 e a data-base da categoria em 1º de junho. CLÁUSULA SEGUNDA ABRANGÊNCIA O presente Acordo Coletivo de Trabalho, aplicável no âmbito da(s) empresa(s) acordante(s), abrangerá a(s) categoria(s) Trabalhadores nas Indústrias de Construção de Estradas, Pavimentação, Montagem, Obras de Terraplanagem em Geral, Obras Públicas e Privadas, (Pontes, Portos, Canais, Viadutos, Túneis, Saneamentos, Ferrovias, Barragens, Aeroportos, Hidrelétricas e Engenharia Consultiva e todos os Trabalhadores nos setores da Construção Civil Major Vieira, Três Barras e Canoinhas, com abrangência territorial em Três Barras/SC. CLÁUSULA TERCEIRA - PISOS SALARIAIS Salários, Reajustes e Pagamento Piso Salarial A partir de 1º de junho de 2011, os trabalhadores abrangidos pelo presente ACT, receberão salários não inferior ao valor classificados em níveis profissionai s conforme descrição abai xo: 1

2 FUNÇÃO CBO POR HORA Ajudante ,03 Meio Oficial ,15 Apontador ,62 Pintor ,21 Lixador ,27 Isolador ,44 Lubrificador ,45 Montador ,45 Almoxarife ,48 Operador de Guindalto ,77 Montador de Andaime ,84 Operador de Empilhadeira ,84 Pedreiro ,02 Carpinteiro ,02 Armador ,02 Eletricista ,02 Jatista ,02 Maçariqueiro ,02 Mecânico Montador ,02 Refratarista ,02 Rigger ,09 Caldeireiro ,56 Encanador ,56 Funilieiro ,56 Soldador Chaparia (2f/3f) ,56 Op. Guindaste 18 ton ,64 Técnico de Material ,82 Eletricista Man. e Força e Cont ,64 Mecânico Manutenção ,64 Instrumentista / Calibrador ,76 Soldador 6G/RX/Carvoeiro ,76 Op. Guindaste 25 ton ,10 Soldador Mig ,18 Encarregado Adm. de Obras ,28 Mecânico Ajustador ,88 Torneiro Mec. Manutenção ,88 Op. Guindaste de 26 ton a 50 ton ,89 Soldador Tig ,60 Mestre ,02 Supervisor Adm. de Obras ,02 Op. Guindaste de 50 ton a 100 ton ,18 Op. Guindaste acima de 100 ton ,21 Encarregado ,52 2

3 CLÁUSULA QUARTA - DIA DO PAGAMENTO Pagamento de Salário Formas e Prazos O pagamento dos salários será efetuado até o quinto dia útil. PARÁGRAFO ÚNICO - As EMPRESAS fornecerão aos seus trabalhadores comprovante de pagamento (envelope ou recibo), especificando o nome da empresa, o nome do trabalhador, a função, as parcelas pagas discriminadamente, e, de igual modo, os descontos efetuados inclusive o valor do recolhimento do FGTS. CLÁUSULA QUINTA - DIAS DE CHUVA E FORÇA MAIOR Fica garantido o pagamento do dia, como se trabalhado fosse, aos trabalhadores que tendo comparecido ao local de trabalho, fiquem impossibilitados de exercer a sua função por força maior ou em decorrência de chuvas. Outras normas referentes a salários, reajustes, pagamentos e critérios para cálculo CLÁUSULA SEXTA - MORA SALARIAL Ocorrendo o atraso no pagamento de quaisquer verbas de natureza salarial, as EMPRESAS ficarão responsáveis pelo pagamento da multa de 2% (dois por cento) do saldo da remuneração devida e não paga, no 1º dia útil de atraso, acrescida de 0,5% (meio por cento) por dia útil de atraso adicional até o efeti vo pagamento, salvo moti vo de força maior. PARÁGRAF O ÚNICO: O pagamento da mora a que se refere o caput será pago juntamente com a folha de pagamento do mês subseqüente ao do dia do atraso. CLÁUSULA SÉTIMA - DO PAGAMENTO DO PIS As EMPRESAS deverão promover o pagamento do P IS, aos seus trabalhadores, no próprio local de trabalho. PARÁGRAF O ÚNICO: Em caso contrário fica garantido ao trabalhador, como se trabalhando esti vesse, o período necessário para tal recebimento. CLÁUSULA OITAVA - CONVÊNIO MÉDICO Gratificações, Adicionais, Auxílios e Outros Auxílio Saúde As E MP RESAS se comprometem a fi rmar convênios de assi stência médica aos trabalhadores, em cli nicas da região. 3

4 CLÁUSULA NONA - AUXÍLIO FUNERAL Auxílio Morte/Funeral Ocorrendo falecimento do trabalhador, quando a serviço das EMP RESAS, será de competência da mesma pagar as despesas com o transporte do falecido para o sepultamento, nas mesmas condições contratuais estabelecidas na cláusula SEGURO DE V IDA/INDENIZAÇÃO da presente norma coleti va. Auxílio Creche CLÁUSULA DÉCIMA - GARANTIA DE CRECHE E PRÉ-ESCOLA Para cumprimento da presente obrigação é facultada a opção pelo reembolso creche previsto na Portaria nº 3.296, de do MTE. Seguro de Vida CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA - SEGURO DE VIDA/INDENIZAÇÃO As EMPRESAS garantirão aos seus trabalhadores, um seguro de vida e acidentes pessoais no valor mínimo de R$ ,00 (vinte e oito mil trezentos e noventa e dois reais). Aposentadoria CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA - ABONO APOSENTADORIA Os trabalhadores que contarem com mais de 5 (ci nco) anos ini nterruptos na mesma empresa, quando dela vierem a se desligar por moti vo de aposentadoria, farão jus a um abono equi valente a tri nta dias da maior remuneração recebida, o qual será pago juntamente com as verbas rescisórias. Contrato de Trabalho Admissão, Demissão, Modalidades Normas para Admissão/Contratação CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA - CONTRATO DE EXPERIÊNCIA O contrato de experiência será de 30 dias prorrogável por mais 30 dias, sendo vedada a prorrogação além do 60º dia. Havendo readmissão do trabalhador em igual função pela mesma empresa, não se fará necessário o contrato de experiência. 4

5 Desligamento/Demissão CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA - ANOTAÇÃO NA CTPS Quando as EMP RESAS, ao demi tir o trabalhador, dei xar de proceder à correspondente baixa na CTPS da relação de emprego e/ou devolvê-la, no prazo de 48 horas (quarenta e oito horas), a contar do desligamento, ficarão as EMPRESAS empregadoras, a partir do prazo acima mencionado, incursa na multa em valor equi valente a 1 (um) dia de salário do trabalhador por dia de atraso, importânci a que reverterá em favor do trabalhador demitido. PARÁGRAF O PRIME IRO - Quando da comunicação da dispensa as EMPRESAS esclarecerão, por escrito, o prazo para que o trabalhador entregue, mediante recibo, a sua CTPS para que seja dada a respecti va baixa. A falta de entrega da CTPS no prazo estabelecido pelas EMPRESAS ou a negligência do trabalhador isenta a penali zação estabelecida no caput da presente cláusula. PARÁGRAF O SEGUNDO - Nos casos em que as EMPRESAS deixem de proceder às anotações na CTPS do trabalhador, relativamente à admissão e outras anotações devidas na vigência do contrato, incidirá em penalidade de valor equivalente a 0,5% (meio por cento) do salário do trabalhador, contada a partir do 10º dia corrido da data da ocorrência do fato determinante da anotação. CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA - HOMOLOGAÇÕES DAS RESCISÕES DE CONTRATO DE TRABALHO As EMPRESAS deverão homologar perante os S IND ICA TOS os Termos de Rescisão de Contrato de Trabalho, para os trabalhadores que contarem com mai s de 90 (noventa) dias de trabalho. A validade do ato da homologação da rescisão contratual é restrita aos valores nela pagos. (INS TRUÇÃO NORMATIVA SRT Nº 15, DE 14/07/2010). CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA - AVISO PRÉVIO Sempre que no curso do aviso prévio, comprovar o trabalhador, obtenção de novo emprego, ficarão as empresas obrigadas a dar bai xa na CTPS naquela data. PARÁGRAF O PRIMEIRO: No curso do aviso prévio o trabalhador poderá ser realocado para outro local de trabalho para exercer sua função. PARÁGRAF O SEGUNDO: As EMPRESAS poderão dispensar o trabalhador do comparecimento ao serviço, no decorrer do A viso Prévio, caso ocorra paralisação total ou parcial da obra ou da ati vidade. Esta dispensa, contudo não enseja a conversão de "Aviso Prévio Cumprido" em "Aviso Prévio Indeni zado" uma vez que a ati vidade poderá ser retomada durante este período. Neste caso a rescisão contratual processar-se-á no primeiro dia úti l após o térmi no do A viso Prévio. 5

6 Outras normas referentes a admissão, demissão e modalidades de contratação CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA - CARTA DE APRESENTAÇÃO As EMPRESAS deverão fornecer carta de liberação e apresentação quando solicitada pelo trabalhador. CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA - FOLGA DE CAMPO DE VISITA À FAMILIA Os trabalhadores contratados com domicilio fora do local da obra, terá direito a passagem gratui ta de ida/volta a cada 90 (noventa) dias com dispensa remunerada que coincida com o final de semana sendo garantido: 2 (dois) dias útei s remunerados para os trabalhadores com domicilio de 200km a 500km; 3 (três) dias úteis remunerados para os trabalhadores com domicilio de 501km a 1.000km e acima de 2.000km, 5 (cinco) dias úteis remunerados. Relações de Trabalho Condições de Trabalho, Normas de Pessoal e Estabilidades Normas Disciplinares CLÁUSULA DÉCIMA NONA - DOS DIREITOS E DEVERES Todos os trabalhadores e EMPRESAS abrangidos por este Acordo Coletivo de Trabalho acatarão e aplicarão as normas nela contidas, na forma da legislação em vigor. Ferramentas e Equipamentos de Trabalho CLÁUSULA VIGÉSIMA - FERRAMENTAS E EQUIPAMENTOS DE TRABALHO As EMPRESAS fornecerão todos os equipamentos, ferramentas e materiais necessários à execução dos trabalhos, pelos trabalhadores, inclusi ve EP I, sem efetuar qualquer desconto. PARÁGRAF O ÚNICO - Os EP I s e outras ferramentas serão entregues mediante recibo, responsabili zando-se o trabalhador pelo extravio ou danificação do mesmo, pelo uso inadequado ou fora das ati vidades a que se destina. Estabilidade Aposentadoria CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA - TRABALHADOR EM VIAS DE APOSENTADORIA 6

7 Os trabalhadores em vias da obtenção do direito à aposentadoria farão jus a um período de estabilidade conforme abai xo especi ficado: a) Garantia de emprego durante 12 (doze) meses antecedentes a data da aquisição do direito à aposentadoria proporcional ou i ntegral, cabendo a opção por apenas uma das hipóteses, para trabalhadores que contenham mais de 5(ci nco) anos ini nterruptos de trabalho na mesma empresa. b) Garantia de emprego durante os 24 (vinte e quatro) meses que antecedem a data de aquisição do direito à aposentadoria proporcional ou i ntegral, cabendo a opção por apenas uma das hipóteses, para trabalhadores que contenham mais de 10 (dez) anos ini nterruptos de trabalho na mesma empresa. PARÁGRAF O PRIMEIR O Para assegurar a garantia de emprego de que trata esta cláusula, o trabalhador deverá comunicar a empresa por escrito acerca de sua condição, no 12º mês ou 24º mês anterior à aquisição da aposentadoria, conforme o caso. PARÁGRAF O SEGUNDO Adquirido o direito, extingue-se a garantia. PARÁGRAF O TERCEIRO Ficam asseguradas as rescisões contratuais, sem pagamento da respecti va indeni zação pela garantia de emprego, nos casos de falta grave e mútuo acordo entre trabalhador e empresa. Jornada de Trabalho Duração, Distribuição, Controle, Faltas Duração e Horário CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA - JORNADA DE TRABALHO Fica estabelecido que a jornada de trabalho para os trabalhadores, será de 220 horas por mês ou 44 horas semanais. PARÁGRAFO PRIMEIRO - A jornada diária será de 08h00min., podendo ser acrescidas horasextras até o limite de 02h00min., conforme o disposto no art. 59, da CLT., remuneradas com adicional de 50% (cinquenta por cento). PARÁGRAFO SEGUNDO - Os trabalhos poderão estender-se além de duas horas extras diárias, por limite de 12h00min, diárias. Neste caso, ocorrendo excesso de jornada, deverá haver a comunicação à Superintendência Regional do Trabalho e Emprego ou aos SINDICATOS, no prazo de 10 dias, conforme disposto no Art. 61, da CLT., sendo remuneradas na forma do parágrafo anterior. PARÁGRAFO TERCEIRO - Fica garantido o intervalo mínimo entre jornadas de 11h00min., bem como o descanso semanal remunerado de 24h00min. As horas extras trabalhadas nos feriados e repouso semanal serão remunerados com adicional de 100% (cem por cento). PARÁGRAFO QUARTO - Fica garantido o intervalo para repouso e alimentação conforme previsto no art. 71, da CLT. 7

8 Prorrogação/Redução de Jornada CLÁUSULA VIGÉSIMA TERCEIRA - TRABALHO EM JORNADA EXCEPCIONAL As EMPRESAS cuja as obras ati njam estágio i nadiável, por exigência técnica ou por dispositivos contratuais, poderão alterar a jornada de trabalho estipulada em contrato, desde que obedecido o período de descanso entre jornadas, previsto no art. 66, da CLT e, i ndependentemente de autorização do Ministério do Trabalho. Compensação de Jornada CLÁUSULA VIGÉSIMA QUARTA - COMPENSAÇÃO DAS HORAS DE TRABALHO NO SÁBADO É possível a extinção total do trabalho aos sábados, através de acordos indi viduai s entre empresa e trabalhador desde que respeitados os aspectos desta cláusula considerando-se cumpridas as formalidades legais. PARÁGRAF O PRIMEIRO: A jornada semanal de 44 horas poderá ser distribuída da segui nte forma: a) 8 horas em um dia da semana e 9 horas nos outros quatro dias, ficando a critério de cada empresa a fi xação do dia da semana de 8 horas; b) 8h48 minutos diários em 5 dias da semana. PARÁGRAF O SEGUNDO: Nenhum acréscimo salarial será devido sobre as horas compensadas, em decorrência da exti nção do expediente aos sábados. PARÁGRAF O TERCEIRO: A utili zação do regime de compensação de horas de trabalho, não impede a reali zação de horas extraordinárias, mesmo em sábados, sendo tais horas remuneradas como extras e mantida a validade e eficácia do acordo de compensação. PARÁGRAF O QUARTO: Quando as EMPRESAS concederem intervalo de lanche/café, esse período é facultado ao cômputo ou não da jornada diária dos trabalhadores. PARÁGRAF O QUINTO: Sempre que o sábado coincidir com o feriado, caso as EMPRESAS adotem o regime de compensação de horas, poderá obedecer aos seguintes critérios: a) pagamento das horas compensadas durante a semana com adicional de extras; ou b) dispensa, na semana, das horas destinadas à compensação. CLÁUSULA VIGÉSIMA QUINTA - COMPENSAÇÃO DA DISPENSA DO TRABALHO NO PERÍODO DE NATAL E ANO NOVO As EMPRESAS, em comum acordo com seus trabalhadores, poderão liberar o 8

9 trabalho no período de fi nal de ano, i nclui ndo os di as 24, 25 e 31 de dezembro, bem como o di a 1º de janei ro, como dias não compensáveis no período da dispensa de fi nal de ano. PAR ÁGR AF O PRIME IRO: A comuni cação da dispensa será feita aos S IND ICA TOS com antecedencia mi nima de 48 (quarenta e oito) horas, incluso relação dos trabalhadores beneficiados. PAR ÁGR AF O SE GUNDO: O trabalhador não dispensado, quando em servi ço nos dias 24, 25 e 31 de Dezembro e 1º de Janeiro as horas trabalhadas deverão ser pagas com adicional de 100%. Controle da Jornada CLÁUSULA VIGÉSIMA SEXTA - APONTAMENTO DE HORAS Será válida a anotação de jornada de trabalho normal e extraordinária feita por APONTADOR, desde que o livro ou cartão-ponto, ao final do mês, seja devidamente assinado pelo trabalhador. PARÁGRAF O PRIME IRO - Ocorrendo serviço externo excepcional que dificulte o retorno do trabalhador ao local designado pela empresa para o registro do ponto, as partes ajustam e reconhecem a possibilidade da adoção de controle externo, o qual será preenchido de próprio punho pelo trabalhador. PARÁGRAF O SEGUNDO - O controle externo de que trata o parágrafo anterior, se aplica ao cargo de motorista cuja ati vidade exija deslocamento excepcional no transporte de maqui nário ou pessoas. Faltas CLÁUSULA VIGÉSIMA SÉTIMA - ABONO DE FALTAS PARA O TRABALHADOR ESTUDANTE Será abonada a falta do trabalhador estudante no horário do exame escolar, inclusi ve exame vestibular ao curso superior, coincidente com a jornada normal de trabalho, desde que em estabelecimento oficial de ensi no. Para que se cumpra o objeto da presente cláusula o trabalhador deverá pré-avisar a empresa com 48 horas de antecedência e fazer posterior comprovação. CLÁUSULA VIGÉSIMA OITAVA - ABONO DE FALTAS PARA LEVAR FILHO AO MÉDICO Assegura-se o direito à ausência remunerada de um dia, por semestre, ao trabalhador, para levar fi lhos menores ou dependentes previdenciários de até sei s anos de idade ao médico, mediante comprovação no prazo de quarenta e oito (48) horas. 9

10 Outras disposições sobre jornada CLÁUSULA VIGÉSIMA NONA - HORÁRIO ESPECIAL DE REVEZAMENTO PARA OS VIGIAS Estabelece-se a possibilidade de ser fi xada para os vigias, jornada especial de revezamento, de 12 (doze) horas normais de trabalho por 36 (tri nta e seis) horas de descanso. CLÁUSULA TRIGÉSIMA - FÉRIAS Férias e Licenças Duração e Concessão de Férias O início das férias coleti vas ou indi viduais não poderá coi ncidir com sábados, domingos, feriados ou dias desti nados ao descanso: a)quando as férias coletivas a ser gozadas coi ncidirem com os dias 24, 25 e 31 de dezembro e primeiro de janeiro, não serão estes dias computados como período de férias; b) Quando ocorrer reajustes salariais durante o período de férias deverá ser complementado o pagamento da diferença no primeiro mês subseqüente ao mês de gozo das férias; c) Fica assegurado o direito a férias proporcionais a todos os trabalhadores que solicitem suas demissões, exceto período de experiência. Saúde e Segurança do Trabalhador Condições de Ambiente de Trabalho CLÁUSULA TRIGÉSIMA PRIMEIRA - REFEITÓRIOS As EMPRESAS deverão manter, nos termos das NRs 18 e 24, refeitório com o mínimo de conforto e higiene. PARÁGRAF O ÚNICO - Em tal refeitório não poderá haver discrimi nação no conforto ou na alimentação para os trabalhadores de di versas categorias. CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEGUNDA - ABRIGOS As EMPRESAS criarão abrigos provisórios para a proteção de seus trabalhadores contra i ntempéries e também para abrigá-los durante as refeições nos canteiros de 10

11 obras. CLÁUSULA TRIGÉSIMA TERCEIRA - CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO As instalações sanitárias dos alojamentos devem ser constituídas de lavatório, vaso sanitário, mictório, chuveiro e tanque para lavar roupas, na proporção de 01 (um) conjunto para cada 10 (dez) trabalhadores ou fração, e serem mantidas em perfeito estado de higiene. PARÁGRADO ÚNICO: Nas obras, as EMPRESAS providenciarão a instalação de banheiros provisórios (químicos ou de outro material, de forma que atenda as necessidades fisiológicas dos trabalhadores. CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUARTA - PROTEÇÃO, MEDICINA, SEGURANÇA E HIGIENE As EMPRESAS se comprometem quando em consórcio ou individualmente a: 1 A registrar e anotar os contratos de trabalho dos respectivos trabalhadores, na forma dos artigos 29 e 41 da CLT; 2 A quitar os salários, até o quinto dia útil subseqüente ao vencido, na forma do artigo 459, parágrafo único, da CLT; 3 A depositar, mês a mês, os valores devidos ao FUNDO DE GARANTIA DE TEMPO DE SERVIÇO FGTS, na forma do artigo 23, 1.º, da Lei n.º 8.036/90; 4 A elaborar, implantar e manter atualizado o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA (NR-09), explicitando os riscos advindos da atividade, bem como as formas de controle e/ou prevenção, assim como o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO; 5 A dispor, nas áreas de vivência: instalações sanitárias, vestiário, alojamento, local para refeições, cozinha, quando houver preparo de refeições (NR 18, item ); PARÁGRAFO ÚNICO: Aos trabalhadores que residam no local de trabalho deverão ser oferecidos alojamentos que apresentem adequadas condições de conforto, tais como: a) Ventilação e luz direta suficiente; b) Armários com repartições individuais para cada trabalhador; c) Dedetização a cada seis meses; d) Limpeza diária e proibição de aquecimento ou preparo de refeição no interior do alojamento. 6 Dotar as instalações sanitárias com lavatório, vaso sanitário e mictório, na proporção de 1 (um) conjunto para cada grupo de 10 (dez) trabalhadores ou fração, bem como de chuveiro, na proporção de 1 (uma) unidade para cada grupo de 10 (dez) trabalhadores ou fração. (NR ) e também mantidas em perfeito estado de conservação e higiene; 7 Dotar os veículos de transporte de trabalhadores de condições de conforto e segurança à saúde e integridade física do trabalhador, na forma da lei, NR 18, ítem (Transporte de trabalhadores em veículos automotores); 11

12 PARÁGRAFO ÚNICO: É remunerado o tempo despendido pelo trabalhador entre o escritório da obra até as frentes de trabalho e vice-versa, em veículo fornecido ou contratado pela empresa. O tempo gasto entre a residência do trabalhador e o local do escritório da obra não será remunerado como horas in itinere, salvo quando tratar-se de local de difícil acesso ou não servido por transporte público. 8 A tornar obrigatório o fornecimento de água potável, filtrada e fresca, para os trabalhadores por meio de bebedouros de jato inclinado ou equipamento similar que garanta as mesmas condições, na proporção de 1 (um) para cada grupo de 25 (vinte e cinco) trabalhadores ou fração, sendo proibido o uso de copos coletivos (NR 18, item ); 09 A fornecer aos trabalhadores, gratuitamente, EPI adequado ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento, consoante as disposições contidas na NR 6 Equipamento de Proteção Individual EPI (NR 18, item ); 10 A manter programa de treinamento admissional e periódico com ênfase em sinalização de obras, com a devida comprovação - Treinamento - (NR-18, item 18.28); 11 Observar as condições exigidas NR 18 e NBR 9061/85, para execução das escavações a céu aberto; 12 Deve sinalizar o canteiro de obras de acordo com os objetivos previstos na NR 18, item ; 13 Fornecer aos trabalhadores colete ou tiras refletivas na região do tórax e costas quando o trabalhador estiver a serviço em vias públicas, sinalizando acessos aos locais de obras e frentes de serviços Sinalização de Segurança, conforme determina a NR 18, item ; 14 A manter a sinalização de segurança em vias públicas, dirigida à alertar os motoristas, pedestres e em conformidade com as determinações do órgão competente Sinalização de segurança (NR 18, item ); CIPA composição, eleição, atribuições, garantias aos cipeiros CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUINTA - GARANTIA DE EMPREGO AOS MEMBROS DA CIPA Os membros titulares e suplentes da CIPA gozarão de estabilidade no emprego desde a data do registro de sua candidatura até um ano após o término do seu mandato. Se por qualquer motivo a eleição for adiada, as inscrições dos candidatos continuarão válidas até o resultado. CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEXTA - PROCESSO ELEITORAL DA CIPA As EMPRESAS convocarão eleições para as C IPA s com 60 (sessenta) dias de antecedência de sua realização, devendo esta ser reali zada até 45 (quarenta e cinco) dias antes do término do mandado anterior, dando publicidade do ato através de Edital. PARÁGRAF O PRIMEIRO: O Edital a que se refere o "caput" deverá constar o local e o prazo de i nscrição dos candidatos. 12

13 PARÁGRAF O SEGUNDO: Ao candidato inscrito será fornecido comprovante de sua i nscrição; PARÁGRAF O TERCEIRO: Após o encerramento das inscrições as EMPRESAS comunicarão aos trabalhadores, através de Edital, a relação dos candidatos i nscritos, devendo ainda as cópias dos Editais serem afi xadas nos diversos setores da empresa, em local de fácil acesso, permanecendo expostos até a data da reali zação das eleições; PARÁGRAF O QUARTO: O Presidente da CIPA ficará encarregado de remeter aos SIND ICATOS, no prazo de 10 (dez) dias da realização das eleições, comunicação por escrito do resultado indicando os membros eleitos, titulares e suplentes, bem como a cópia de toda a documentação referente ao Processo Eleitoral da C IPA; PARÁGRAF O QUINTO: Ocorrendo irregularidade no processo eleitoral e em sendo solicitado sua apuração, a CIPA vigente terá o seu mandato prorrogado até a solução fi nal das irregularidades. PARÁGRAF O SEXTO: As EMPRESAS responderão solidariamente pelas obrigações do Presidente da C IPA. CLÁUSULA TRIGÉSIMA SÉTIMA - REMESSAS DE ATAS DA CIPA O Presidente da C IPA deverá enviar aos S IND ICATOS, cópias das atas de suas reuniões, dentro do prazo de 10 (dez) dias de sua realização devendo a mesma ser afixada nos quadros de avisos das EMP RESAS. CLÁUSULA TRIGÉSIMA OITAVA - REGULAMENTAÇÃO LEGAL DA CIPA Na superveniência de norma legal que introduza qualquer modificação com relação à C IPA as cláusulas que tratam do assunto deste Acordo Coleti vo de Trabalho serão prejudicadas e as partes deverão retomar as negociações, caso conveniente. CLÁUSULA TRIGÉSIMA NONA - TREINAMENTO DA CIPA As EMPRESAS garantirão aos componentes da CIPA, em conjunto ou separadamente, uma hora por semana dentro do período de trabalho, para realização de inspeção de higiene e segurança no trabalho no âmbito das EMPRESAS, sendo que: a) O Presidente da CIPA deverá comunicar aos respectivos SINDICATOS, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias, quando da realização da semana de prevenção de acidentes; b) Da mesma forma e no prazo de 30 (trinta) dias, com a participação dos SINDICATOS quando da realização do treinamento dos componentes da CIPA. 13

14 Outras Normas de Proteção ao Acidentado ou Doente CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA - COMUNICAÇÃO DE ACIDENTE DO TRABALHO O Presidente da CIPA enviará aos SINDICATOS cópias das CAT - Comunicações de Acidentes de Trabalho enviados ao INSS, para fins estatísticos e de acompanhamento sindical. Relações Sindicais Acesso do Sindicato ao Local de Trabalho CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA PRIMEIRA - DIRETORES SINDICAIS As EMPRESAS permitirão o acesso de membros da diretoria dos S IND ICATOS às suas obras, no intuito de que possa acompanhar o cumprimento do presente Acordo Coletivo de Traba lho e dese nvolve r ação q ue aprimore a re lação trabalhado r- empresa. PARÁGRAF O ÚNICO: O acesso será previamente comunicado às EMP RESAS com a antecedência mínima de 48 (quarenta e oi to) horas. Acesso a Informações da Empresa CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SEGUNDA - RELAÇÃO DE EMPREGADOS CAGED As EMPRESAS remeterão aos S IND ICA TOS, mensalmente, cópia do cadastro geral dos trabalhadores admitidos e demitidos no mês. PARÁGRAF O ÚNICO: Quando da admissão do trabalhador, as EMPRESAS encami nharão aos S IND ICA TOS cópia da sua ficha de registro, que poderá ser por meio eletrônico, para o devido preenchimento da proposta de sócio. Contribuições Sindicais CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA TERCEIRA - CONTRIBUIÇÃO ASSISTENCIAL CONFORME ART. 513 "E" DA CLT As EMPRESAS descontaram, em folha de pagamento de seus trabalhadores, pertencentes à categoria profissional, nos termos do Art. 513, E da CLT, a contribuição assistencial no valor de 01,0% (um inteiro por cento) ao mês, incidindo sobre os salários-base, exceto no mês de março. 1º - Das importâncias arrecadadas devem ser recolhidas na proporção de 50% 14

15 (cinqüenta por cento) para cada entidade sindical convenente até o 10º (décimo) dia útil do mês subseqüente ao desconto através de guias próprias, que serão encaminhadas pelas entidades sindicais convenentes, juntamente com a relação dos empregados, contendo nome completo, função, data de admissão, remuneração completa e valor do desconto. 2º - As EMPRESAS servirão como mero agente repassador, não se responsabilizando pelos descontos efetuados, que deverão se no caso de oposição, ser resolvidos diretamente com as entidades sindicais. 3º - O trabalhador que não concordar com os descontos da Contribuição Assistencial, deverá apresentar oposição por escrito perante os SINDICATOS, no prazo de dez dias antes do primeiro desconto. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA QUARTA - MENSALIDADE DE ASSOCIADO De acordo com artigo 545 parágrafo único da CLT, as EMPRESAS serão obrigadas a descontar em folha de pagamento as mensalidades dos associados, mediante noti ficação dos respectivos S IND ICATOS, desde que por eles autori zados, recolhendo ao mesmo até o 10º (décimo) dia subseqüente ao mês que originou o desconto, mediante relação nomi nal. PARÁGRAF O PRIME IRO No mesmo prazo do recolhimento, as EMPRESAS deverão encami nhar aos S IND ICA TOS a relação dos trabalhadores que sofreram o desconto, indicando nome, função e salário. PARÁGRAFO SEGUNDO - Havendo atraso no recolhimento da mensalidade será aplicada multa de 10% (dez por cento) sobre o valor a ser recolhido nos 30 primeiros dias, com adicional de 2% (dois por cento) por mês subseqüente de atraso, além de juros de mora de 1% (hum por cento) ao mês e correção monetária, ficando nesse caso, o infrator isento de outra penalidade. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA QUINTA - RESPONSABILIDADE As contribuições feitas pelos trabalhadores em favor dos SINDICATOS, conforme cláusulas aqui convencionadas, são de inteira responsabilidade do mesmo, sendo as EMPRESAS meras repassadoras das importâncias descontadas. Outras disposições sobre relação entre sindicato e empresa CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SEXTA - ATA DE REUNIÃO Em toda e qualquer reunião feita entre os S IND ICATOS e EMPRESAS, deverá ser extraída ata correspondente, se uma das partes assim o quiser, a qual será assinada pelos presentes. CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA SÉTIMA - QUADRO DE AVISOS As EMPRESAS manterão o quadro de avisos em locais acessíveis aos trabalhadores, para a afi xação de materiais dos SIND ICATOS e de interesse da categoria, vedada a afi xação de material político partidário. 15

16 CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA OITAVA - ASSEMBLÉIA DE EMPREGADOS NO ÂMBITO DAS EMPRESAS Os S IND ICATOS poderão reali zar Assembléias nas dependências das EMP RESAS. A realização de Assembléias dentro das dependências das EMPRESAS deverão ser previamente acertadas entre as partes. PARÁGRAF O ÚNICO: Fica defi nido como local das assembléias dos trabalhadores no Gi násio de Esportes " Ione C yríaco de Souza" - A nexo à Escola Básica "Guita Federmann", Rua Dr. Oswaldo de Oli veira, s/n., Bairro Vila Nova - Três Barras SC. Disposições Gerais Mecanismos de Solução de Conflitos CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA NONA - PRÉVIO ENTENDIMENTO ENTRE AS PARTES Fica convencionado que na ocorrência de infrações relacionadas ao cumprimento de cláusulas do presente Acordo Coleti vo de Trabalho, as entidades convenentes deverão procurar entendimento para a solução, antes de buscá-lo na SRT (Superi ntendência Regional do Trabalho), ou posteriormente por via judicial, resguardando-se os preceitos do art. 617 da CLT. Aplicação do Instrumento Coletivo CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA - SUB-BEMPREITEIRAS Ao contratarem sub-empreiteiras, as EMP RESAS obrigam-se a orientá-ias ao cumprimento das normas deste Acordo Coletivo de Trabalho e do disposto no art. 455 e parágrafo único da CLT, especialmente no que se refere ao contrato de trabalho, equipamento de segurança, comunicando aos SINDICATOS, no prazo de 10 (dez) dias a contar da contratação, os nomes e endereços das firmas sub-empreiteiras com as quais foi celebrado o contrato. Para ajustarem os descontos e recolhimentos devidos aos SINDICATOS profissionais, devem as subempreiteiras procurar entendimento direto com os SINDICATOS. Parágrafo único - Na contratação de sub-empreiteira, e para prevenir a contratante de pleitos judiciais em que possa ser ré por responsabilidade solidária ou subsidiária, previsto em lei, recomenda-se à empresa contratante subordinar a liberação de parcelas à apresentação de comprovantes de quitação de verbas trabalhistas (salários e reflexos), FGTS e previdenciárias, bem como o pagamento de contribuições previstas em lei e neste Acordo Coletivo de Trabalho. CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA PRIMEIRA - VIGÊNCIA DAS CLAUSULAS SOCIAIS As partes fixam a vigência do presente Acordo Coletivo de Trabalho no período de 1º de junho de 2011 a 31 de maio de 2012, para as clausulas econômicas e para o período de 1º de junho de 2011 a 31 de maio de 2013, para as cláusulas sociais. 16

17 Descumprimento do Instrumento Coletivo CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA SEGUNDA - MULTA CONVENCIONAL Estipula-se a cláusula penal no valor de 5% (cinco por cento) do salário mensal, em favor do trabalhador, por cláusula descumprida deste Acordo Coletivo de Trabalho. Outras Disposições CLÁUSULA QUINQUAGÉSIMA TERCEIRA - INICIO DAS ATIVIDADES As EMPRESAS, antes de i niciarem suas atividades, deverão encami nhar aos SIND ICATOS cópia do exigido no artigo 160 da CLT, bem como da NR 2, da portaria 3214/78. ARNALDO CAMARGO DE FREITAS Presidente SINDICATO DOS TRAB.NAS IND. CONST.PESADA DE OBRAS PUBLICAS, PRIVADAS E AFINS NO EST. DE SC ALIPIO CASTANHA DE ARAUJO Presidente SINDICATO TRAB IND DA CONST E MOBILIARIO DE CANOINHAS JAIR JOSE DE SOUZA Diretor P S N MONTAGENS E MANUTENCAO INDUSTRIAL LTDA SILVIONEI PASSAURA Gerente IRMAOS PASSAURA S.A ALINE VIOLADA MATTOS Preposto MARZA ENGENHARIA ELETRICA LTDA SONIA MARIA SIMAO CARNEIRO Preposto TRANENGE CONSTRUCOES LTDA A autenticidade deste documento poderá ser confirmada na página do Ministério do Trabalho e Emprego na Internet, no endereço 17

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 5 05/11/2014 10:02 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002761/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/11/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066410/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.007110/2014-12

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002716/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/11/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR064091/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.006426/2015-78 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 6 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000390/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/10/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060523/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.008181/2013-19

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001621/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020706/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008089/2011-29 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001633/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/04/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017942/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001682/2013-16 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000236/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023908/2011 NÚMERO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000170/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000920/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.000168/2015-16

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG005003/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/12/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR079528/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.007490/2014-02 DATA

Leia mais

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao...

http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualizar?nrsolicitacao... Página 1 de 5 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000542/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024046/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46290.001101/2013-11 DATA DO PROTOCOLO: 23/05/2013 CONVENÇÃO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000145/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 31/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR080680/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.001357/2014-74 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 10 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001530/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR022315/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004377/2013-77 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002511/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053502/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005004/2012-32 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG004008/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR057851/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.008943/2011-67 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000787/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/05/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024630/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.008066/2015-98 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR002151/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026676/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.010071/2009-72 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000007/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/01/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR072509/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.000014/2014-10 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP006627/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR032153/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.003055/2013-24 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/resumo/resumovisualii.. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001782/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/09/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO:

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000247/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 01/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021198/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.001800/2010-02 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001254/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/04/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017099/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.006142/2011-57 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000953/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029282/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009097/2013-02 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000433/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/09/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR054260/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.010934/2010-24 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002285/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/10/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR055933/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001820/2011-96 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001710/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR042733/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.004077/2015-50 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000776/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015125/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000402/2014-94 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000214/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR027655/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46085.000793/2011-36 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003439/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/08/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046249/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.012779/2015 14 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000637/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR004928/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.001229/2011-48 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000433/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/10/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015947/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.032963/2008-13 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PB000202/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021878/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46224.002474/2009-17 DATA

Leia mais

Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2016

Convenção Coletiva de Trabalho 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000921/2016 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/05/2016 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023133/2016 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002652/2016-61 DATA DO PROTOCOLO: 24/05/2016 Convenção Coletiva

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000812/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/06/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017988/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002440/2009-54 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL 1 de 7 28/12/2015 17:24 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2016/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC003175/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/12/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR081080/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 47620.002006/2015-72

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000276/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 15/02/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005346/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.024928/2011-26

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2009/2010 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP008079/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/09/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044195/2009 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.004278/2009-22 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG002515/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038779/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.004745/2014-77 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR003924/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR053747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.011188/2014-31 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Mediador - Extrato Instrumento Coletivo CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000053/2009 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/02/2009 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001382/2009 NÚMERO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO/2006 SESCOOP SINDAF/DF ACORDO COLETIVO DE TRABALHO, que celebram de um lado, o Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo SESCOOP NACIONAL - CNPJ N.º 03.087.543/0001-86,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000415/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044279/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.014239/2014-03 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 Imprimir Salvar TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001556/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR076938/2014

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000422/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/06/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028733/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.005494/2011-54 DATA

Leia mais

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014

TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 TERMO ADITIVO A CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: DF000311/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020828/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46206.007783/2013-70

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2008/2009 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PI000036/2008 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/09/2008 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR015042/2008 NÚMERO DO PROCESSO: 46214.002894/2008-23 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000287/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR037320/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.002586/2015-19 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 8 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001959/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/09/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR046033/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.023134/2012-26

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 6 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001428/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021439/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.003413/2010-41 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001092/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 26/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR005184/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.004081/2014-14 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR034439/2012 SINDICATO DOS FARMACEUTICOS DO ESTADO DE M GROSSO DO SU, CNPJ n. 15.939.572/0001-08, neste ato representado(a) por seu Presidente,

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Página 1 de 5 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001421/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR029925/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46666.001925/2014-59

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 1 de 6 18/06/2014 08:16 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001241/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR025405/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.003285/2014-51

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL Page 1 of 8 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001175/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 11/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR033291/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001821/2014-83

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000742/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016555/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.008711/2013-20 DATA DO PROTOCOLO: 09/08/2013 CONVENÇÃO COLETIVA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000212/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 14/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR021394/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.003027/2013-64 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ002547/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/11/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR069674/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.031201/2012-86 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO PISO SALARIAL NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001498/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 02/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039452/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.012508/2013-39 DATA DO PROTOCOLO: 01/08/2013 ACORDO COLETIVO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. Convenção Coletiva De Trabalho 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000317/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 28/02/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR010344/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.000931/2014-28 DATA

Leia mais

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE

CLÁUSULA TERCEIRA VALE TRANSPORTE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2005/2006 PELO PRESENTE INSTRUMENTO DE CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO DE UM LADO O SINDICATO DOS TRABALHADORES EM EMPRESAS DE RÁDIODIFUSÃO DO ESTADO DO PARANÁ, A SEGUIR DENOMINADO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG000363/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/02/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002753/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46211.000337/2015-27 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000397/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 19/03/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR008248/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.008370/2012-12 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2007/2008 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000146/2007 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/10/2007 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001271/2007 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.005618/2007-28 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS001949/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 16/09/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR044190/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.015023/2013-05 DATA

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001762/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR023628/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.008636/2011-76 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 12 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001220/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR026338/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.004014/2013-31 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Page 1 of 8 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000792/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 25/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016119/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 47193.000049/2012-58

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000222/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/06/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028253/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.002753/2014-41 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA 2014

CONVENÇÃO COLETIVA 2014 CONVENÇÃO COLETIVA 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 17.437.757/0001-40, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DOS TECNICOS EM SEGURANCA TRABALHO DO ESTADO DE MINAS GERAIS, CNPJ n. 25.578.642/0001-01, neste ato representado por seu Presidente, Sr. CLÁUDIO FERREIRA SANTOS;

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP012425/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 08/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060338/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46263.004405/2014-31 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016. Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000601/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 07/04/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016325/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46305.000436/2015-60 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000124/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 04/05/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019010/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.001862/2011-06 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 9 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: ES000221/2010 DATA DE REGISTRO NO MTE: 30/07/2010 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR030450/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46207.004952/2010-67

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2010/2011 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MS000015/2011 DATA DE REGISTRO NO MTE: 18/01/2011 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR000163/2011 NÚMERO DO PROCESSO: 46312.000147/2011-48 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000718/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/08/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR041087/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.008416/2013 73 DATA

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SE000142/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/09/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR051379/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46221.006102/2012-87 DATA

Leia mais

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM

SINDICATO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM E EMPREGADOS EM CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO PARA VIGÊNCIA DE 1º DE FEVEREIRO DE 2.005 A 31 DE JANEIRO DE 2.006, CELEBRADA ENTRE O ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE DO ESTADO DO MARANHÃO-SINPEEES/MA E O SINDICATO DE HOSPITAIS,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002408/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 05/10/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR058446/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46301.001895/2015-09 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2010/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR061795/2010 NÚMERO DO PROCESSO: 46219.010162/2010-81 DATA DO PROTOCOLO: 27/10/2010 SINDICATO DOS EMPREGADOS EM CASAS DE DIVERSOES DE SAO

Leia mais

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS

GRATIFICAÇÕES, ADICIONAIS, AUXÍLIOS E OUTROS ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: MG001902/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 03/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR019390/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46236.000751/2012-13 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ000285/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 17/02/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR002993/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.003256/2014-68 DATA DO

Leia mais

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015 SINDICATO DO COMÉRCIO VAREJISTA DE AUTOMÓVEIS E ACESSÓRIOS DE BELO HORIZONTE, CNPJ n. 17.265.893/0001-08, neste ato representado por seu Presidente, Sr. HELTON ANDRADE;

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SP005920/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 09/06/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR024432/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46261.002845/2015-54 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2011/2012 POR ESTE INSTRUMENTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM, POR SEUS RESPECTIVOS REPRESENTANTES LEGAIS, DE UM LADO A ARCELORMITTAL CARIACICA, INSCRITA NO CNPJ/MF SOB O Nº 17.469.701/0053-06

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001711/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR016575/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005146/2014-61 DATA DO

Leia mais

Convenção Coletiva 2014

Convenção Coletiva 2014 Convenção Coletiva 2014 SINDICATO DOS MENSAGEIROS MOTOCICLISTAS E CICLISTAS, MOTO- FRETE, MOTOBOYS E MOTO-TAXISTAS DE CURVELO E REGIÃO, CNPJ n 12.512.993/0001-60, NESTE ATO REPRESENTADO POR SEU PRESIDENTE,

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC001615/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 06/07/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR039038/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.003927/2015-01 DATA

Leia mais

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes:

Celebram a presente CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO, estipulando as condições de trabalho previstas nas cláusulas seguintes: SINDICATO TRABALHADORES MOV MERC EM GERAL DE PASSOS, CNPJ n. 64.480.692/0001-03, neste ato representado(a) por seu Presidente, Sr(a). Manoel Messias dos Reis Silva; E FEDERACAO DO COMERCIO DE BENS, SERVICOS

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 10 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2012 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RN000052/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 27/02/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR001722/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46217.001204/2012-75

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001599/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/05/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017802/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.004343/2013-81 DATA DO

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2013/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RS000955/2013 DATA DE REGISTRO NO MTE: 10/06/2013 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR028972/2013 NÚMERO DO PROCESSO: 46218.009094/2013-61 DATA DO

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO Página 1 de 7 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2012/2013 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: PR001746/2012 DATA DE REGISTRO NO MTE: 21/05/2012 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR020832/2012 NÚMERO DO PROCESSO: 46212.005849/2012-27

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: GO000204/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 20/03/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR006500/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46208.002367/2015-27 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2015/2016 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC002320/2015 DATA DE REGISTRO NO MTE: 29/09/2015 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR060477/2015 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.005461/2015-70 DATA DO

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2014 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: SC000815/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 13/05/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR017004/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46220.002409/2014-81 DATA

Leia mais

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/.

Confira a autenticidade no endereço http://www3.mte.gov.br/sistemas/mediador/. CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: AM000540/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 22/10/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR066158/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46202.016710/2014-90 DATA

Leia mais

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS

SALÁRIOS, REAJUSTES E PAGAMENTO REAJUSTES/CORREÇÕES SALARIAIS 1 de 7 25/07/2014 09:03 CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2014/2015 NÚMERO DE REGISTRO NO MTE: RJ001369/2014 DATA DE REGISTRO NO MTE: 24/07/2014 NÚMERO DA SOLICITAÇÃO: MR038747/2014 NÚMERO DO PROCESSO: 46215.014791/2014-44

Leia mais