PREVALÊNCIA DE AFECÇÕES OCULARES NA POPULAÇÃO INFANTIL DE BALSA NOVA-PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREVALÊNCIA DE AFECÇÕES OCULARES NA POPULAÇÃO INFANTIL DE BALSA NOVA-PR"

Transcrição

1 PREVALÊNCIA DE AFECÇÕES OCULARES NA POPULAÇÃO INFANTIL DE BALSA NOVA-PR AUTORES: Alexandre Achille Grandinetti; Viviane Mayumi Sakata Acadêmicos do Curso de Medicina - UFPR Eduardo Shiokawa Chefe do Serviço de Oftalmologia do HC - UFPR Ana Tereza Ramos Moreira Preceptor da Residência Médica em Oftalmologia do HC UFPR. Kenji Sakata PALAVRAS-CHAVE Crianças, ametropias, ambliopia, estrabismo, screening. KEY WORDS Children, ametropias, amblyopia, strabismus, screening Trabalho realizado com patrocínio da Pró-reitoria de extensão da UFPR (PROEC), prefeitura do município de Balsa Nova e Laboratório Allergan. INTRODUÇÃO Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a cada minuto uma criança fica cega em algum lugar do mundo. Metade destes casos poderiam ser evitados. Isto significa que seria possível evitar o estabelecimento da cegueira em crianças no mundo. 1 Desde a década de 70, a OMS preconiza a implantação de Programas de prevenção a cegueira. 2 Em 1999, implantou o Programa VISION 2020: The right to sight, o qual tem como objetivo a eliminação dos casos de cegueira preveníveis no mundo até o ano de A resolução de maio de 2003 convoca todos os governos do mundo a avaliar e implantar o Plano Nacional de Prevenção à cegueira até o ano de

2 Os programas de screening de afecções oculares são rotina em países desenvolvidos, muito embora existam amplas discussões acerca de seu valor e custo-benefício. 4 Em países em desenvolvimento, no entanto, tais programas não ocorrem com a mesma freqüência provavelmente devido à escassez de recursos financeiros ou a inadequada importância dada à ações de saúde. 5 A perda da capacidade visual na infância acarreta não só detrimento à qualidade de vida, aprendizado escolar, restrições ocupacionais, econômicas, sociais e psicológicas bem como incapacidade de trabalho; representando encargo oneroso para o indivíduo e para a sociedade. 5 De grande importância é o diagnóstico precoce e o tratamento da ambliopia, uma vez que é potencialmente curável e a falta de tratamento determina um déficit permanente. Desta forma, ações preventivas ou de diagnóstico e recuperação precoces das afecções visuais na infância, representam grande impacto na área de saúde coletiva. 6,7 Para o planejamento e implementação de ações preventivas em oftalmologia, faz-se necessário unir os conhecimentos científicos disponíveis sobre problemas oftalmológicos ao conhecimento da realidade objeto dessas ações. 8 Tem sido amplamente enfatizada a necessidade de se conhecer a magnitude, distribuição geográfica e causas de cegueira como pré-requisito para programas de intervenção. 9 O objetivo deste estudo é estabelecer a prevalência de ambliopia, ametropias, anisometropia e estrabismo na população de Balsa Nova - Paraná em um projeto realizado durante o ano de 2003 em escolas públicas do município. Além disso, o presente trabalho objetiva comparar a confiabilidade da aferição da acuidade visual por auxiliares de enfermagem treinados e médicos residentes de oftalmologia. MATERIAIS E MÉTODOS A amostra populacional deste estudo foi obtida a partir dos atendimentos realizados no Município de Balsa Nova no período de março a dezembro de 2003 durante o Projeto Glaucoma. Este consiste num projeto da Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Universidade Federal do Paraná (UFPR) realizado pelo Departamento de Oftalmologia do Hospital de Clínicas da UFPR, visando o screening de afecções oculares infantis como ametropias, estrabismo, ambliopias, anisometropias e glaucoma. 1

3 O município de Balsa Nova situa-se no estado do Paraná e apresenta uma população total de habitantes, sendo 2214 crianças entre 6 e 16 anos (dados do censo IBGE). O Projeto Glaucoma objetivou o atendimento de crianças com idade entre 5 e 16 anos, de onze escolas municipais locais, num total de 1622 alunos atendidos. Foram excluídos da amostra 42 pacientes com idade superior a 16 anos, sendo então considerados 1580 pacientes. O projeto contou com a parceria da Prefeitura Municipal, que estabeleceu o contato com as escolas e responsabilizou-se pela organização dos atendimentos, disponibilização do local (ginásio de esportes) e transporte das crianças. A Secretaria de Saúde selecionou duas auxiliares de enfermagem as quais foram treinadas no Centro da Visão do HC-UFPR para realizar o preenchimento de dados pessoais, queixas oculares, doenças sistêmicas ou antecedentes oftalmológicos relevantes, além de aferição da acuidade visual nas escolas de Balsa Nova previamente ao atendimento médico. O atendimento contou com a participação de auxiliares de enfermagem, acadêmicos de medicina, médicos residentes em oftalmologia e médicos-orientadores e consistiu de cinco etapas. Inicialmente as crianças eram submetidas a anamnese dirigida e a nova aferição da acuidade visual monocular utilizando a tabela de optotipos E a distância de 6 metros, desta vez por médicos residentes em oftalmologia. A fundoscopia direta, a seguir, foi também realizada por residentes utilizando-se o oftalmoscópio de marca Heine. Os testes de Hirschberg e cover foram realizados para o diagnóstico de estrabismo. A aferição da pressão intraocular foi realizada com o tonômetro de Perkins após instilação de uma gota de colírio anestésico (cloridrato de proximetacaína 0,5%) e uma gota de fluoresceína em cada um dos olhos. Os pacientes que apresentavam acuidade visual (AV) de 0,7 ou menos, queixas de cefaléia ou astenopia acomodativa foram submetidos a refração sob ciclopegia (ciclopentolato 1%, a cada 5 minutos por 2 vezes). A retinoscopia foi realizada 40 minutos após a primeira instilação. Diante da suspeita de qualquer afecção ocular, as crianças eram encaminhadas ao Centro da Visão para exames subseqüentes, confirmações diagnóstica e tratamento adequado. Neste trabalho, as ametropias foram classificadas de acordo com os seguintes critérios: hipermetropia ( 3,00 dioptrias esféricas (DE)), astigmatismo hipermetrópico simples e composto ( +3,00DE e 0,75 dioptrias cilíndricas (DC)), 2

4 astigmatismo misto ( 0,75 DC), miopia leve (-0,25 a 1,00 DE), miopia moderada (- 1,25 a 4,00 DE), alta miopia (< -4,00 DE), astigmatismo miópico simples e composto (< -0,25 DE e 0,75 DC). Ambliopia foi considerada quando a acuidade visual foi menor ou igual a 0,7 com a melhor correção ou a diferença de duas ou mais linhas na tabela de optotipos E entre os dois olhos. Considerou-se como anisometropia a presença de diferença maior ou igual a 1 dioptrias esférica (DE) ou 2 dioptrias cilíndricas (DC) entre os dois olhos. Os casos de estrabismo foram divididos em estrabismos convergentes ou divergentes. Foram comparadas as medidas de acuidade visual aferidas pela enfermagem e pela equipe médica. Nas duas situações foi utilizada a tabela de optotipos E. A diferença entre as duas aferições foi classificada em três grupos: diferença de uma linha na tabela de optotipos, duas linhas e três ou mais linhas. RESULTADOS Das 1580 crianças avaliadas, 824 eram do sexo masculino e 756 eram do sexo feminino. A faixa etária variou dos 5 aos 16 anos de idade, sendo que a média de idade foi de 10,28 anos (DP 2,59). Em relação à acuidade visual (AV), 144 pacientes apresentaram AV igual ou menor do que 0,7. Do total de crianças examinadas, 153 (9,68%) foram selecionadas para realização de retinoscopia sob cicloplegia. Destas, 101 (66,01%) apresentaram erros refrativos significantes conforme critérios adotados pelo estudo. Os erros refrativos estão apresentados na tabela 1. Entre os erros refrativos, a prevalência de anisometropia foi de 22 (1,39%) pacientes. A prevalência de ambliopia na população estudada foi de 4,36%(69 crianças), sendo 65,21%(45 crianças) de causa desconhecida, 20,29%(14 crianças) por anisometropia, 10,14%(7 crianças) por estrabismo, e 4,35%(3 pacientes) por altas ametropias. Foram encontradas 10 crianças (0,63%) com estrabismo manifesto, sendo 9 estrabismos convergentes e 1 estrabismo divergente. Quanto ao exame de acuidade visual realizado pela equipe de enfermagem e pela equipe médica, encontrou-se discrepância nas aferições em 600 (37,97%) pacientes, sendo estas divididas em 3 grupos: 281 (46,83%) pacientes 3

5 apresentaram diferença de uma linha; 152 (25,33%) pacientes diferença de duas linhas e 167 (27,83%) pacientes diferença de três linhas. DISCUSSÃO A realização de programas efetivos de prevenção à cegueira em escolares e préescolares envolve a participação de diversos setores da comunidade, incluindo médicos, educadores, membros familiares e voluntários. 10,11,12 Além dos recursos humanos, a infra-estrutura básica necessária para o diagnóstico das doenças oculares mais freqüentes nesta faixa etária, envolve um investimento relativamente pequeno quando comparado ao beneficio trazido às crianças através da prevenção de doenças debilitantes. 13 Alguns autores no entanto, questionam o custo-benefício da realização de programas de screening visual em crianças, uma vez que a proporção de amblíopes diagnosticados e tratados com sucesso é relativamente pequena. 13 O estabelecimento do diagnóstico e instituição de terapia adequada mais precocemente poderia aumentar o índice de sucesso. Contudo, a realização de programas de screening em crianças pré-escolares é estruturalmente mais difícil, devido ao fato de que a porcentagem de crianças matriculadas em pré-escolas é geralmente abaixo do esperado. Segundo Sommer parece que o maior obstáculo não reside na falta de tecnologia adequada, porém na pouca habilidade em criar condições que motivem o indivíduo, de acesso aos serviços, de infra-estrutura e organização da assistência oftalmológica. 14 A prevalência de doenças oculares no Brasil até o presente momento não foi estudada. A maioria dos estudos realizados objetivou o estabelecimento de diagnóstico e análise de procedimentos terapêuticos. Este é um estudo do tipo transversal, sendo de interesse dos pesquisadores e de beneficio para a comunidade o acompanhamento seqüencial desta população para uma melhor abordagem das desordens oftalmológicas. Os erros refrativos foram as desordens mais comumente encontradas neste estudo (6,38%), sendo a sua correção de grande importância para permitir um bom rendimento escolar e desenvolvimento social. Astigmatismo hipermetrópico simples e composto foram os erros mais freqüentes (26,73%), seguido por astigmatismo miópico (19,80%), astigmatismo misto (15,84%), miopias (24,75%) e hipermetropia (12,87%). No entanto, como a retinoscopia sob cicloplegia não foi realizada em toda a nossa amostra, a prevalência de hipermetropia pode ter sido subestimada. 15 4

6 É bem estabelecido na literatura que crianças apresentam erros refrativos hipermetrópicos. 16 No entanto, a distribuição desses erros ainda não é bem clara. São necessários estudos para determinar os níveis de erros refrativos que devem ser considerados anormais ao interpretar resultados de programas de screening em crianças escolares. 17 Kara Jose e cols investigaram a prevalência de erros refrativos em 1634 crianças escolares com idade entre 7 e 13 anos e encontrou uma taxa de 14,7%. No entanto, os autores sugerem que 78,2% dos casos pudesse ser classificada como ametropias fisiológicas, pois a maioria dos erros refrativos eram pequenos. 18 Neste estudo, o astigmatismo a favor da regra foi o principal achado. Em relação à literatura, nossos achados são semelhantes, pois se sabe que há maior predominância do tipo a favor da regra após os 4 primeiros anos de vida e do tipo contra a regra nos primeiros anos de vida. 19 Vários estudos concordam que os astigmatismos oblíquos são mais raros. 20 Em seguida, a ambliopia foi encontrada em 4,36 % dos pacientes, sendo este dado semelhante ao encontrado na literatura mundial (2-4%). 21 Todavia, os dados da literatura mostram uma grande disparidade devido a diferenças nos critérios para definição de ambliopia e métodos de screening. Um dos maiores estudos realizados, envolvendo crianças escolares na cidade de Detroit, encontrou uma prevalência de 2,9% de ambliopia. 22 Scarpi e cols investigaram 1400 estudantes com idades variando de 6 a 14 anos na cidade de São Paulo e encontraram uma prevalência de 4,07%. 23 Outros estudos observaram taxas de prevalência variando de 2,8% a 4,6% em crianças pré-escolares e de 0,8% a 3,72% em crianças escolares. 13 Entre as crianças com ambliopia, 65,21% (45 crianças) foram de causa desconhecida, 10,14% (7 crianças) por estrabismo, 20,29% (14 crianças) por anisometropia e 4,35% (3 pacientes) por altas ametropias. Schimiti e cols, estudando 13,471 crianças da cidade de Ibiporã-PR, que as principais causas de ambliopia foram anisometropia (48,76), estrabismo manifesto (20,68%) e erros refrativos (20,60%). 13 Os dados apresentados neste estudo constituem os resultados de uma primeira fase de screening, sendo que os autores consideram necessária a continuidade do exame oftalmológico para avaliar as reais causas de baixa visão. 5

7 O presente estudo adotou como critérios para o diagnóstico de ambliopia acuidade visual menor ou igual do que 0,7, o que difere de muitos estudos na literatura que consideram uma acuidade visual menor ou igual do que 0,5. Este fator levou a uma diminuição da especificidade diagnóstica, uma vez que o objetivo era diminuir o número de falso-negativos e evitar que crianças com ambliopia leve não fossem diagnosticadas. A detecção precoce de ambliopia e outras alterações visuais em crianças até 4 anos de idade constituem uma medida preventiva valiosa. 24 Não existe dúvida de que os resultados do tratamento da ambliopia são superiores quando o problema é detectado e tratado precocemente. Quanto aos casos de estrabismo, houve uma prevalência do estrabismo convergente (90%) em relação ao estrabismo divergente (10%). Os dados encontrados na literatura, por sua vez, mostram que a esotropia é três vezes mais comum do que a exotropia. 19 A explicação possível para os nossos achados devese provavelmente ao fato de nossa amostra apresentar um n pequeno de casos de estrabismo (10 pacientes) ou mesmo ao acaso. A anisometropia foi encontrada em 1,39% dos pacientes avaliados pelo nosso estudo. Dados semelhantes foram encontrados por Preslan e Novak na cidade de Baltimore (2,6%) e por Beer e cols na cidade de São Caetano do Sul (2,85%). 19,24 No aspecto de saúde pública, a triagem é necessária porque um grande número de crianças chega à idade escolar sem nunca ter passado por um exame oftalmológico. Pesquisas de saúde ocular apontam que em torno de 15% das crianças de 1ª série possuem alguma alteração visual e apenas 20% destas crianças são acompanhadas por médicos. 19 Idealmente, todas as crianças deveriam ser submetidas a um exame oftalmológico antes de iniciarem a vida escolar. No entanto, em nosso país a dificuldade de acesso da população ao atendimento médico especializado leva a um grande número de crianças que entram na escola sem jamais terem sido avaliadas por um oftalmologista. Neste contexto, a organização de projetos de screening pelas universidades, associações filantrópicas, sociedade, governo, entre outros, contando com a ajuda de especialistas, profissionais da saúde e acadêmicos são de grande importância. O presente estudo apresenta dados acerca da prevalência de ambliopia, erros refrativos, estrabismo e anisometropia em crianças do município de Balsa Nova 6

8 Paraná, sendo estes de grande valia para o planejamento e organização de políticas de saúde pública. 7

9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS World Health Organization. WHO launches Project to prevent blindness in children. Geneva, 1999 The right to see. WHO Advisory Group urges massive support for prevention of blindness. Rev Int Trach Pathol Ocul Trop Subtrop 1978;55: World Health Organization. Up to 45 million blind people globally- and growing. But 80% of visual impairment can be avoided or cured. Geneva, 1999 Wedner SH, Ross DA, Balira R., Kaji L, Foster A. Prevalence of eye diseases in primary school children in rural area of Tanzania. Br J Ophthalmol 2000;84: Temporini ER, Kara-José N. Níveis de prevenção de problemas oftalmológicos: propostas de investigação. Arq Bras Oftalmol 1995;58: World Health Organization. Strategies for the prevention of blindness in national programmes. 2 nd ed. Geneva;1997. Sperandio AMG. Promoção da saúde ocular e prevenção precoce de problemas visuais nos serviços de saúde pública. Rev Saúde Publica 1999;33: KARA-JOSÉ N. et al. Screening and surgical interventions results from cataract-free zone projects in Cãs, Brazil and Chimbote, Peru. Int. Ophtal, 14:155-64,1990. Rodrigues MLV et al..-comments about blindness in Brazil. Anais. Seminário de pesquisa em Oftalmologia Preventiva. Ribeirão Preto, fevereiro de Temporini ER. Aspectos do Plano de Oftalmologia Sanitária Escolar do Estado de São Paulo. Rev Saúde Pública 1982;16: Kara-José N, Ferrarini ML, Temporini ER. Avaliação do Desenvolvimento do Plano de Oftalmologia Sanitária Escolar em três anos da sua aplicação no Estado de São Paulo. Arq Bras Oftalmol 1977;40:9-15. Brik D, Moreira JBC, Moreira Jr CA, Belfort Jr R. Retinoscopia a dois metros na detecção de fatores causadores de ambliopia em crianças de Curitiba. Arq Bras Oftalmol 1995; 58:5-9. Schimiti RB, Costa VP, Gregui MJF, Kara-José N,Temporini ER.Prevalence od refractive errors and ocular disorders in preschool and schoolchildren of Ibiporã-PR, BRAZIL(1989 A 1996). Arq Bras Oftalmol 2001;64: Sommer A. Organizing to prevent third world blindness. Am. J. Ophtalmol,107 (5):544-6,

10 Kara-José N, Temporini ER. Avaliação dos critérios de triagem visual de escolares de primeira série do primeiro grau. Rev Saúde Pública 1980;14: Vaughan D, Asbury T, Riordan-Eva P. General Ophthalmology. StamfordC: Apleton & Lange p 32 Kuo A, Sinatra R, Donahue SP. Distribuction of refractive error in healthy infants. J AAPOS 2003;7: Kara-José N, Holzchuh N, Temporini ER. Vícios de refração em escolares da cidade de São Paulo, Brasil. Bol Of Sanit Panam 1984;96: Beer SMC, Scarpi MJ, Minello AA. Achados oculares em crianças de zero a seis anos de idade, residentes na cidade de São Caetano do Sul, SP. Arq Brás Oftalmol 2003,66:839-45). Abrahamsson M, Fabian G, Anderson K,, Sostrand J. A longitudinal study of a population based sample of astigmatic children. I- Refraction and Amblyopia. Acta Ophthalmol 1990;68: Tasman W, Jaeger E. Duane s Clinical Ophthalmology CD-ROM. Philadelphia,1998 Hatfield EM. Progress in preschool vision screening. Sight Sav Rev 1967; 37: Scarpi MJ, Kara-José N, Taiar A. Incidência de ambliopia em escolares da cidade de São Paulo, em Arq Bras Oftalmol 1977;40:16-23 Preslam MW, Novak A. Baltimore Vision Screening Project. Ophthalmology 1996;103: Tabela 1- Prevalência dos Erros Refrativos Erros Refrativos F % N=1580 Hipermetropia ( +3,00DE) 13 0,82 Astigmatismo Hipermetrópico Simples e composto ( +3,00DE e 0,75 DC) 27 1,71 Astigmatismo Misto ( 0,75 DC) 16 1,01 Miopia leve (-0,25 a 1,00 DE) 10 0,63 Miopia Moderada (-1,25 a 4,00 DE) 13 0,82 Alta Miopia (< -4,00 DE) 2 0,13 Astigmatismo Miópico simples e composto (< -0,25 DE e 0,75 DC) 20 1,26 9

11 CONTATO Dr. Kenji Sakata - Rua Itupava, nº Curitiba-PR CEP

Alterações oculares em crianças pré-escolares e escolares no município de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brasil

Alterações oculares em crianças pré-escolares e escolares no município de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brasil ARTIGO ORIGINAL7 Alterações oculares em crianças pré-escolares e escolares no município de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brasil Eye diseases in preschool and school children in the city of Duque de

Leia mais

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE OCULAR DE CRIANÇAS ATENDIDAS NO CENTRO DE REFERÊNCIA EM OFTALMOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Luísa Salles de Moura Mendonça 1, Marcos Pereira de Ávila 2, Lais Leão

Leia mais

PERFIL DA CATARATA EM IDOSOS DA REGIÃO DA BORBOREMA

PERFIL DA CATARATA EM IDOSOS DA REGIÃO DA BORBOREMA PERFIL DA CATARATA EM IDOSOS DA REGIÃO DA BORBOREMA Yggo Ramos de Farias Aires Graduando do curso de Fisioterapia - UEPB (yggo.ramos@gmail.com) Camilla Ribeiro Lima de Farias - Mestranda em Saúde Pública

Leia mais

Reduced visual acuity prevalence in first grade school children of elementary state public and private schools of Londrina - PR, Brazil, in 2000

Reduced visual acuity prevalence in first grade school children of elementary state public and private schools of Londrina - PR, Brazil, in 2000 Prevalência de acuidade visual reduzida nos alunos da primeira série do ensino fundamental das redes pública Reduced visual acuity prevalence in first grade school children of elementary state public and

Leia mais

Prevalência das ametropias e oftalmopatias em crianças pré-escolares e escolares em favelas do Alto da Boa Vista, Rio de Janeiro, Brasil

Prevalência das ametropias e oftalmopatias em crianças pré-escolares e escolares em favelas do Alto da Boa Vista, Rio de Janeiro, Brasil 304 ARTIGO ORIGINAL Prevalência das ametropias e oftalmopatias em crianças pré-escolares e escolares em favelas do Alto da Boa Vista, Rio de Janeiro, Brasil Prevalence of the ametropias and eye diseases

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I 16 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL PELA ENFERMAGEM: UTILIZAÇÃO DA TABELA DE SNELLEN EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL I CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM

Leia mais

O TRABALHO DA ENFERMAGEM NA DETECÇÃO DE PROBLEMAS VISUAIS EM CRIAN- ÇAS/ADOLESCENTES

O TRABALHO DA ENFERMAGEM NA DETECÇÃO DE PROBLEMAS VISUAIS EM CRIAN- ÇAS/ADOLESCENTES 55 O TRABALHO DA ENFERMAGEM NA DETECÇÃO DE PROBLEMAS VISUAIS EM CRIAN- ÇAS/ADOLESCENTES DETENTION OF VISUAL PROBLEMS IN SCHOOL CHILDREN AND ADOLESCENTS EL TRABAJO DE ENFERMERÍA EN LA DETECCIÓN DE PROBLEMAS

Leia mais

AFECÇÕES OCULARES EM CRIANÇAS DE 2 A 8 ANOS DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE PIRACICABA SP

AFECÇÕES OCULARES EM CRIANÇAS DE 2 A 8 ANOS DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE PIRACICABA SP Medicina, Ribeirão Preto, 35: 487-491 out./dez. 2002 ARTIGO ORIGINAL AFECÇÕES OCULARES EM CRIANÇAS DE 2 A 8 ANOS DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE PIRACICABA SP OCULAR AFFECTIONS IN 2 TO 8 YEAR- OLD CHILDREN

Leia mais

PARECER TÉCNICO COREN-DF 04/2015. SOLICITANTE: Enfermeiro de um serviço privado de oftalmologia

PARECER TÉCNICO COREN-DF 04/2015. SOLICITANTE: Enfermeiro de um serviço privado de oftalmologia PARECER TÉCNICO COREN-DF 04/2015 SOLICITANTE: Enfermeiro de um serviço privado de oftalmologia ASSUNTO: Competência legal dos profissionais de enfermagem para realizar exame em oftalmologia. DO FATO: Profissional

Leia mais

MAURO CORRÊA DE ALBUQUERQUE 1,4 ; FRANASSIS BARBOSA DE OLIVEIRA 2,4 ; ALANA PARREIRA COSTA 3,4. GOIÂNIA, UEG.

MAURO CORRÊA DE ALBUQUERQUE 1,4 ; FRANASSIS BARBOSA DE OLIVEIRA 2,4 ; ALANA PARREIRA COSTA 3,4. GOIÂNIA, UEG. RESULTADOS INICIAIS DA IMPLANTAÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE MOBILIDADE OCULAR EXTRÍNSECA ORTÓPTICA PARA CAPACITAÇÃO E ATUAÇÃO NA ÁREA DE FISIOTERAPIA OCULAR NA CLÍNICA ESCOLA DA ESEFFEGO EM GOIÂNIA, GOIÁS,

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE TRIAGEM VISUAL DE ESCOLARES DE PRIMEIRA SÉRIE DO PRIMEIRO GRAU*

AVALIAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE TRIAGEM VISUAL DE ESCOLARES DE PRIMEIRA SÉRIE DO PRIMEIRO GRAU* AVALIAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE TRIAGEM VISUAL DE ESCOLARES DE PRIMEIRA SÉRIE DO PRIMEIRO GRAU* Newton Kara José ** Edméa Rita Temporini *** RSPUB9/501 JOSÉ, N. K. & TEMPORINI, E. R. Avaliação dos critérios

Leia mais

DETECÇÃO E TRATAMENTO DE PACIENTES AMBLÍOPES NA CIDADE DE SAO PAULO, SP (BRASIL)

DETECÇÃO E TRATAMENTO DE PACIENTES AMBLÍOPES NA CIDADE DE SAO PAULO, SP (BRASIL) DETECÇÃO E TRATAMENTO DE PACIENTES AMBLÍOPES NA CIDADE DE SAO PAULO, SP (BRASIL) Samir Jacob flechara* Newton KaraJosé** BECHARA S. J. & KARA-JOSÉ, N. Detecção e tratamento de pacientes amblíopes na cidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Acuidade visual. Crianças. Tabela de Snellen.

PALAVRAS-CHAVE Acuidade visual. Crianças. Tabela de Snellen. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade

De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade A importância da consulta oftalmológica De forma geral, a visão é o sentido mais valorizado pelas pessoas. Em uma sociedade cheia de apelos visuais, em que o contato com o mundo se faz inicialmente por

Leia mais

IV Seminário de Iniciação Científica

IV Seminário de Iniciação Científica PREVALÊNCIA DE ESTRABISMO NO LABORATÓRIO DE MOTILIDADE OCULAR EXTRÍNSECA ORTÓPTICA PARA CAPACITAÇÃO E ATUAÇÃO NA ÁREA DE FISIOTERAPIA OCULAR NA CLÍNICA ESCOLA DA ESEFFEGO EM GOIÂNIA, GOIÁS, BRASIL. MAURO

Leia mais

Campanhas de promoção de saúde ocular: experiência do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre

Campanhas de promoção de saúde ocular: experiência do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre ARTIGO ORIGINAL 231 Campanhas de promoção de saúde ocular: experiência do Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre Ocular health promotion: the Hospital Banco de Olhos de Porto Alegre experience Aline Lütz

Leia mais

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS

PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA EM INDIVÍDUOS OBESOS 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PERCEPÇÃO DE APOIO SOCIAL PARA A PRÁTICA DE ATIVIDADE

Leia mais

PROJETO VISÃO SAUDÁVEL É FUNDAMENTAL

PROJETO VISÃO SAUDÁVEL É FUNDAMENTAL PROJETO VISÃO SAUDÁVEL É FUNDAMENTAL Detecção de baixa acuidade visual e prevenção de problemas visuais em crianças matriculadas em Escolas do Ensino Fundamental no Município de Alagoinhas-Ba Alagoinhas,

Leia mais

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria

recomendações Atualização de Condutas em Pediatria Atualização de Condutas em Pediatria nº 49 Departamentos Científicos da SPSP, gestão 2007-2009. Departamento de Oftalmologia Causas de baixa visão e cegueira em crianças Departamento de Medicina do Sono

Leia mais

Impacto da Campanha Olho no Olho em escolas de ensino fundamental Percepção do pessoal de ensino

Impacto da Campanha Olho no Olho em escolas de ensino fundamental Percepção do pessoal de ensino Impacto da Campanha Olho no Olho em escolas de ensino fundamental Percepção do pessoal de ensino Effectiveness of visual screening in elementary schools Educators perception Heloisa Helena Abil Russ 1

Leia mais

Prevalência de ambliopia e capacidade preditiva da triagem ocular para o exame oftalmológico em pré-escolares

Prevalência de ambliopia e capacidade preditiva da triagem ocular para o exame oftalmológico em pré-escolares Prevalência de ambliopia e capacidade preditiva da triagem ocular para o exame oftalmológico em pré-escolares Ana Letícia de Souza Godoi; Bruna Suelen Raymundo Luz; Cristina Sousa Araújo; João Paulo Issamu

Leia mais

Perspectivas de Investimentos na Área Laboratorial Cesar Almeida Rodrigues Abril/2016

Perspectivas de Investimentos na Área Laboratorial Cesar Almeida Rodrigues Abril/2016 Perspectivas de Investimentos na Área Laboratorial Cesar Almeida Rodrigues Abril/2016 Declaração de Conflito de Interesses Eu, Cesar Almeida Rodrigues, autor da apresentação, declaro que possuo vínculo

Leia mais

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita

TEMA: Cirurgia de catarata em paciente de dois anos com catarata congênita NOTA TÉCNICA 148/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito - Comarca de Itamarandiba - MG. Processo número: 0325 14 001739-4 Data: 22/07/2014 Medicamento Material Procedimento x Cobertura

Leia mais

BAIXA VISÃO E REABILITAÇÃO: CONHECIMENTOS DE RESIDENTES DE OFTALMOLOGIA

BAIXA VISÃO E REABILITAÇÃO: CONHECIMENTOS DE RESIDENTES DE OFTALMOLOGIA Medicina, Ribeirão Preto, 39 (2): 253-259, abr./jun. 06 ARTIGO ORIGINAL BAIXA VISÃO E REABILITAÇÃO: CONHECIMENTOS DE RESIDENTES DE OFTALMOLOGIA LOW VISION AND REHABILITATION: KNOWLEDGE OF OPHTHALMOLOGY

Leia mais

Prevalência de baixa acuidade visual em alunos de uma really presented low visual acuidade, as well as this exactly percentile of children it made use

Prevalência de baixa acuidade visual em alunos de uma really presented low visual acuidade, as well as this exactly percentile of children it made use 76 Arquivos Catarinenses de Medicina Vol. 35, n o. 3, de 2006 1806-4280/06/35-03/76 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAIS Prevalência de baixa acuidade visual em alunos de uma Augusto Adam

Leia mais

Percepção de pais de escolares da 1ª série do ensino fundamental a respeito da campanha Olho no Olho 2000, na cidade de Maceió - Alagoas

Percepção de pais de escolares da 1ª série do ensino fundamental a respeito da campanha Olho no Olho 2000, na cidade de Maceió - Alagoas Percepção de pais de escolares da 1ª série do ensino fundamental a respeito da campanha Olho no Olho 2000, Perception by the parents of school children in the 1 st elementary series about the Olho no Olho

Leia mais

Análise da Prevalência e Epidemiologia da Catarata na População Atendida no Centro de Referência em Oftalmologia da Universidade Federal De Goiás

Análise da Prevalência e Epidemiologia da Catarata na População Atendida no Centro de Referência em Oftalmologia da Universidade Federal De Goiás Análise da Prevalência e Epidemiologia da Catarata na População Atendida no Centro de Referência em Oftalmologia da Universidade Federal De Goiás Lais Leão Oliveira 1, Marcos Pereira de Ávila 2, David

Leia mais

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E

Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Mini ebook CUIDADOS COM A VISÃO ALERTAS E Conheça lesões e doenças que podem comprometer o sistema visual. São informações rápidas para melhor entendimento do que pode ser feito para preservar a sua visão.

Leia mais

Prevalence of refractive errors and ocular disorders in preschool and schoolchildren of Ibiporã - PR, Brazil (1989 to 1996)

Prevalence of refractive errors and ocular disorders in preschool and schoolchildren of Ibiporã - PR, Brazil (1989 to 1996) Prevalence of refractive errors and ocular disorders in preschool and schoolchildren of Ibiporã - PR, Brazil (1989 to 1996) Prevalência de ametropias e afecções oculares em crianças pré-escolares e escolares

Leia mais

Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo de Catarata e Implantes Intraoculares

Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia. Currículo Mínimo de Catarata e Implantes Intraoculares Comissão de Ensino Conselho Brasileiro de Oftalmologia Currículo Mínimo de Catarata e Implantes Intraoculares Patrick Tzelikis 1, Fernando Trindade 1-2 e Leonardo Akaishi 3 1 Diretor de Cursos da Sociedade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ABELARDO DE SOUZA COUTO JUNIOR PREVALÊNCIA DE AMETROPIAS E OFTALMOPATIAS NO QUILOMBO SÃO JOSÉ DA SERRA VALENÇA -RJ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ABELARDO DE SOUZA COUTO JUNIOR PREVALÊNCIA DE AMETROPIAS E OFTALMOPATIAS NO QUILOMBO SÃO JOSÉ DA SERRA VALENÇA -RJ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ABELARDO DE SOUZA COUTO JUNIOR PREVALÊNCIA DE AMETROPIAS E OFTALMOPATIAS NO QUILOMBO SÃO JOSÉ DA SERRA VALENÇA -RJ RIO DE JANEIRO 2012 i ABELARDO DE SOUZA COUTO JUNIOR PREVALÊNCIA

Leia mais

A importância da visão

A importância da visão 1 A importância da visão A visão nos dá acesso à maioria das informações sobre o mundo a nossa volta. Por isso, preservar a saúde dos olhos é tão importante. Infelizmente, existem lesões e doenças que

Leia mais

IDOSOS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO E VIOLÊNCIA ATENDIDOS POR UM SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL

IDOSOS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO E VIOLÊNCIA ATENDIDOS POR UM SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL IDOSOS VÍTIMAS DE ACIDENTES DE TRÂNSITO E VIOLÊNCIA ATENDIDOS POR UM SERVIÇO PRÉ-HOSPITALAR MÓVEL Hilderjane Carla da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte / E-mail: hilderjanecarla@hotmail.com

Leia mais

Consciente de que para alcançar uma sociedade mais justa as empresas precisam contribuir socialmente, QUEM SOMOS O INSTITUTO DE OLHOS DR.

Consciente de que para alcançar uma sociedade mais justa as empresas precisam contribuir socialmente, QUEM SOMOS O INSTITUTO DE OLHOS DR. QUEM SOMOS A Clínica de Olhos Dr. João Eugenio é uma empresa tradicional em Brasília. Foi fundada em 1966 pelo renomado oftalmologista João Eugenio, especialista em Retina e Vítreo, Estrabismo e Neuro-oftamolmologia.

Leia mais

OCORRÊNCIA DE ANTECEDENTES FAMILIARES EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DO MOVIMENTO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS NO ESTADO DE GOIÁS

OCORRÊNCIA DE ANTECEDENTES FAMILIARES EM PACIENTES COM DISTÚRBIOS DO MOVIMENTO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS NO ESTADO DE GOIÁS Introdução: Os distúrbios do movimento (DM) englobam doenças agudas e crônicas caracterizadas por movimentos involuntários e/ou perda do controle ou eficiência em movimentos voluntários. DM são diversos

Leia mais

Prevalence of eye diseases and refractive errors in children seen at a referral center for ophthalmology in the central-west region, Brazil RESUMO

Prevalence of eye diseases and refractive errors in children seen at a referral center for ophthalmology in the central-west region, Brazil RESUMO ARTIGO ORIGINAL 225 Prevalência de doenças oculares e causas de comprometimento visual em crianças atendidas em um Centro de Referência em Oftalmologia do centro-oeste do Brasil Prevalence of eye diseases

Leia mais

Índice. 1. Definição de Deficiência Visual...3

Índice. 1. Definição de Deficiência Visual...3 GRUPO 5.2 MÓDULO 5 Índice 1. Definição de Deficiência Visual...3 1.1. Classificação... 3 1.2. Deficiências Totais... 3 1.3. Deficiências Parciais... 3 1.4. Distúrbios e Anomalias Visuais mais Comuns...

Leia mais

Prevalência de astigmatismo refracional e sua relação com a acuidade visual de resolução em crianças de 2 a 36 meses

Prevalência de astigmatismo refracional e sua relação com a acuidade visual de resolução em crianças de 2 a 36 meses Prevalência de astigmatismo refracional e sua relação com a acuidade visual de resolução em crianças de 2 a 36 meses Refractional astigmatism prevalence and its relationship with grating acuity in children

Leia mais

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ

A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ 1 A PREVALÊNCIA DE CÁRIE DENTÁRIA EM 1 MOLAR DE CRIANÇAS DE 6 A 12 ANOS: uma abordagem no Novo Jockey, Campos dos Goytacazes, RJ Luciano Bárbara dos Santos 1 1 Cirurgião-dentista, aluno do curso de pós-graduação

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa I Jornadas de Enfermagem e Ortóptica do Centro Hospitalar Lisboa Ocidental João Ferreira, Wilson Quintino, Carla Lança e Manuel Oliveira Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa É um problema de

Leia mais

PESQUISADORES RESPONSÁVEIS

PESQUISADORES RESPONSÁVEIS PESQUISADORES RESPONSÁVEIS Professora Doutora Regina Vieira Cavalcante da Silva - Professora Adjunto do Departamento de Pediatria - Hospital de Clínicas - Universidade Federal do Paraná (reginavcs@uol.com.br)

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

Revista de Saúde Pública

Revista de Saúde Pública Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública VOLUME 33 NÚMERO 5 OUTUBRO 1999 p. 513-520 Revista de Saúde Pública 33 Journal of Public Health precoce de problemas visuais nos serviços de saúde pública

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO DE CITALOPRAM NO MUNÍCIPIO DE CASTILHO/SP

AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO DE CITALOPRAM NO MUNÍCIPIO DE CASTILHO/SP AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO DE CITALOPRAM NO MUNÍCIPIO DE CASTILHO/SP Glaziely Jesus Freitas da Cruz Denise Cristina S. Takemoto Rodrigo Ferreira Corsato Graduando em Farmácia Juliana Gomes de Faria Silvana

Leia mais

Projeto Primeiros Olhares

Projeto Primeiros Olhares Projeto Primeiros Olhares Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Hoftalon- Centro de Estudo e Pesquisa da

Leia mais

Alterações Refractivas e Topográficas Após Cirurgia de Esotropia

Alterações Refractivas e Topográficas Após Cirurgia de Esotropia Oftalmologia - Vol. 36: pp.297-292 Artigo Original Alterações Refractivas e Topográficas Após Cirurgia de Esotropia Rita Rosa 1, Arnaldo Santos 1, Ana Paixão 2, Vítor Maduro 2, Alcina Toscano 3 1 Interno

Leia mais

SABER MAIS SOBRE HIPERMETROPIA

SABER MAIS SOBRE HIPERMETROPIA SABER MAIS SOBRE HIPERMETROPIA FICHA TÉCNICA EDIÇÃO Clínicas Leite, Lda Ver. 01 / Jan 2016 REDAÇÃO/DOCUMENTAÇÃO Mariana Coimbra (Marketing e Comunicação) 1 HIPERMETROPIA O que é a hipermetropia? É uma

Leia mais

Maurício Holanda Maia Consultor Legislativo da Área XV Educação Cultura e Desporto

Maurício Holanda Maia Consultor Legislativo da Área XV Educação Cultura e Desporto Maurício Holanda Maia Consultor Legislativo da Área XV Educação Cultura e Desporto Câmara dos Deputados Praça 3 Poderes Consultoria Legislativa Anexo III - Térreo Brasília - DF ! " # $ %&'(&& )%&* )+,-.&-!

Leia mais

Políticas públicas, Pobreza Urbana e Território

Políticas públicas, Pobreza Urbana e Território Políticas públicas, Pobreza Urbana e Território Eduardo Marques DCP/USP e CEM/CEBRAP www.centrodametropole.org.br Sumário da apresentação 1. Porque usar a dimensão territorial nas políticas sociais 2.

Leia mais

João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa

João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino. Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa João Ferreira, Carla Lança, Manuel Oliveira e Wilson Quintino Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa http://www.redorbit.com/news/health/1987876/recommendations_changed_for_vision_screening_of_children/

Leia mais

APAE ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS

APAE ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS RELATÓRIO MENSAL DAS ATIVIDADES 2012 MÊS DE FEVEREIRO ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS Técnicos Responsáveis: Diretora Administrativa: Marinalva de Souza Farias da Costa Secretaria: Terezinha

Leia mais

GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT

GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT 17 GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT 702 Capítulo 17 703 GENÉTICA E OFTALMOLOGIA JAIME ROIZENBLATT Nas últimas décadas tem havido uma grande mudança no padrão das doenças. Houve uma grande diminuição

Leia mais

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros

Título do Trabalho: Correlação entre dois instrumentos para avaliação do desenvolvimento motor de prematuros Introdução O acompanhamento do desenvolvimento infantil consiste em uma das mais importantes estratégias básicas de saúde, demonstrando significante eficácia (SILVA; MAIA; LOPES; CARDOSO, 2013). Nesse

Leia mais

O Médico Veterinário como Profissional de Atenção Básica em Saúde: situação e perspectivas. Organização:

O Médico Veterinário como Profissional de Atenção Básica em Saúde: situação e perspectivas. Organização: O Médico Veterinário como Profissional de Atenção Básica em Saúde: situação e perspectivas. Organização: 30 de Outubro de 2014. São Paulo S.P. A inclusão do Médico Veterinário no contexto institucional

Leia mais

Campanha de detecção do glaucoma na cidade de Santa Maria: resultados de 2009 e 2010

Campanha de detecção do glaucoma na cidade de Santa Maria: resultados de 2009 e 2010 Campanha de detecção do glaucoma na cidade de Santa Maria: resultados de 2009 e 2010 Álvaro Garcia Rossi*, Rafael Vielmo Correa**, Bruno Botton***, Eloísa Unfer Schmitt****, Anwar Abdel Hwas**** RESUMO:

Leia mais

PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA PRIMEIROS RESULTADOS DA ANÁLISE DA LINHA DE BASE DA PESQUISA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA Instituição Executora: Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional CEDEPLAR / UFMG Ministério

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL PARA A SAÚDE DA VISÃO REVISÃO E EXTENSÃO 2020

PROGRAMA NACIONAL PARA A SAÚDE DA VISÃO REVISÃO E EXTENSÃO 2020 PROGRAMA NACIONAL PARA A SAÚDE DA VISÃO REVISÃO E EXTENSÃO 2020 Atualizado a 31.05.2016 1 Ficha Técnica: Portugal. Direção-Geral da Saúde. Título Programa Nacional para a Saúde da Visão Editor Direção-Geral

Leia mais

PROGRAMA DE PERMANÊNCIA DA UNIR AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO PORTO VELHO EDITAL Nº 05 / 2012 / PROCEA

PROGRAMA DE PERMANÊNCIA DA UNIR AUXÍLIO ALIMENTAÇÃO PORTO VELHO EDITAL Nº 05 / 2012 / PROCEA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA - UNIR PRÓ-REITORIA DE CULTURA, EXTENSÃO E ASSUNTOS ESTUDANTIS PROCEA DIRETORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS - DAE Campus UNIR, BR-364, KM

Leia mais

Ambliopia por estrabismo: estudo retrospectivo de pacientes em hospital universitário

Ambliopia por estrabismo: estudo retrospectivo de pacientes em hospital universitário Ambliopia por estrabismo: estudo retrospectivo de pacientes em hospital universitário Strabismic amblyopia: a retrospective study on patients from a university hospital Deborah Salerno Costa 1 Rita de

Leia mais

Uma abordagem fuzzy para estimar o desenvolvimento de câncer de pele a partir de fatores de risco

Uma abordagem fuzzy para estimar o desenvolvimento de câncer de pele a partir de fatores de risco Biomatemática 23 (23), 55 62 ISSN 679-365X Uma Publicação do Grupo de Biomatemática IMECC UNICAMP Uma abordagem fuzzy para estimar o desenvolvimento de câncer de pele a partir de fatores de risco Beatriz

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL EM OSASCO: DAS CLASSES ESPECIAIS AO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO

EDUCAÇÃO ESPECIAL EM OSASCO: DAS CLASSES ESPECIAIS AO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO EDUCAÇÃO ESPECIAL EM OSASCO: DAS CLASSES ESPECIAIS AO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO Edivaldo Félix Gonçalves 1 As primeiras classes especiais para alunos com deficiência intelectual foram criadas

Leia mais

INICIATIVAS DE INTERAÇÃO DE CRIANÇAS CEGAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

INICIATIVAS DE INTERAÇÃO DE CRIANÇAS CEGAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL INICIATIVAS DE INTERAÇÃO DE CRIANÇAS CEGAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Luiza Pontes de França Universidade Federal de São Carlos mluizapf@yahoo.com.br Maria Stella Coutinho de Alcântara Gil Universidade

Leia mais

Imagem da Semana: Fotografia

Imagem da Semana: Fotografia Imagem da Semana: Fotografia Imagem: Conjuntiva bulbar do olho direito Paciente feminina, faioderma, 24 anos, residente em Belo Horizonte (MG), sem sintomas oculares prévios, queixa aparecimento de manchas

Leia mais

A ACUIDADE VISUAL DAS CRIANÇAS DE MACAU: DIAGNÓSTICO PRECOCE DE DISFUNÇÕES*

A ACUIDADE VISUAL DAS CRIANÇAS DE MACAU: DIAGNÓSTICO PRECOCE DE DISFUNÇÕES* saúde 341 342 Administração n.º 47, vol. XIII, 2000-1.º, 343-360 A ACUIDADE VISUAL DAS CRIANÇAS DE MACAU: DIAGNÓSTICO PRECOCE DE DISFUNÇÕES* Macedo de Almeida** Rui Manuel Calado*** ÍNDICE 1. Introdução

Leia mais

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA EM GOIÂNIA, GO, BRASIL.

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES COM ESCLEROSE MÚLTIPLA EM GOIÂNIA, GO, BRASIL. Introdução: A Esclerose Múltipla (EM) é uma doença desmielinizante, progressiva, crônica que atinge o sistema nervoso central. Essa desmielinização afeta as fibras nervosas do cérebro e da medula espinhal

Leia mais

Detecção e prevenção das deficiências visuais na infância e sua relação com a educação

Detecção e prevenção das deficiências visuais na infância e sua relação com a educação DETECÇÃO E PREVENÇÃO DAS DEFICIÊNCIAS VISUAIS NA INFÂNCIA... Degrazia et al. Detecção e prevenção das deficiências visuais na infância e sua relação com a educação Detection and prevention of visual deficiency

Leia mais

A AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL DO ESCOLAR NO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA: PROPOSTA DE VÍDEO PARA ORIENTAÇÃO DOCENTE

A AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL DO ESCOLAR NO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA: PROPOSTA DE VÍDEO PARA ORIENTAÇÃO DOCENTE A AVALIAÇÃO DA ACUIDADE VISUAL DO ESCOLAR NO PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA: PROPOSTA DE VÍDEO PARA ORIENTAÇÃO DOCENTE ASSESSMENT OF VISUAL ACUITY IN THE SCHOOL HEALTH PROGRAM: VIDEO FOR TEACHERS GUIDANCE Mariana

Leia mais

Projeto Olhar Brasil. Ministério da Saúde / Ministério da Educação

Projeto Olhar Brasil. Ministério da Saúde / Ministério da Educação Projeto Olhar Brasil Ministério da Saúde / Ministério da Educação Fevereiro 2007 Projeto Olhar Brasil Justificativa 30% das crianças em idade escolar e 100% dos adultos com mais de 40 anos apresentam problemas

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA VACINA CONTRA ROTAVÍRUS NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA

A IMPORTÂNCIA DA VACINA CONTRA ROTAVÍRUS NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA A IMPORTÂNCIA DA VACINA CONTRA ROTAVÍRUS NA POPULAÇÃO PEDIÁTRICA BARCELLOS, R. C. * PIRES, T. B. O. * PEREIRA, A. S. M. ** AGUIAR, M. B. ** NEVES, K. S. *** MOTTA, C. F. **** COUTINHO, J. S. **** RESUMO

Leia mais

Rogério Muniz de Andrade Gisele Mussi Ricardo Baccarelli Carvalho Lys Esther Rocha

Rogério Muniz de Andrade Gisele Mussi Ricardo Baccarelli Carvalho Lys Esther Rocha Rogério Muniz de Andrade Gisele Mussi Ricardo Baccarelli Carvalho Lys Esther Rocha SERVIÇO DE SAÚDE OCUPACIONAL Hospital das Clínicas da FMUSP Instituto Central, Prédio dos Ambulatórios, 4º. Andar, Bloco

Leia mais

Atenção à saúde ocular da pessoa idosa Attention to ocular health in the elderly

Atenção à saúde ocular da pessoa idosa Attention to ocular health in the elderly Atualização epidemiológica Atenção à saúde ocular da pessoa idosa Attention to ocular health in the elderly Norma Helen Medina; Emilio Haro Muñoz I Centro de Oftalmologia Sanitária. Centro de Vigilância

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS ENCAMINHAMENTOS DE PACIENTES TRAUMATO-ORTOPÉDICOS E REUMÁTICOS A CLINICA DE FISIOTERAPIA DO CESUMAR

CARACTERIZAÇÃO DOS ENCAMINHAMENTOS DE PACIENTES TRAUMATO-ORTOPÉDICOS E REUMÁTICOS A CLINICA DE FISIOTERAPIA DO CESUMAR CARACTERIZAÇÃO DOS ENCAMINHAMENTOS DE PACIENTES TRAUMATO-ORTOPÉDICOS E REUMÁTICOS A CLINICA DE FISIOTERAPIA DO CESUMAR Larissa Ferreira 1 ; Janaina de Fátima Poteriko¹, Ligia Maria Facci 2 RESUMO: O sistema

Leia mais

Estudo piloto para validação de um Protocolo de Rastreio Oftalmológico Infantil em Cuidados de Saúde Primários

Estudo piloto para validação de um Protocolo de Rastreio Oftalmológico Infantil em Cuidados de Saúde Primários 0873-9781/07/38-3/93 Acta Pediátrica Portuguesa Sociedade Portuguesa de Pediatria ARTIGO ORIGINAL Estudo piloto para validação de um Protocolo de Rastreio Oftalmológico Infantil em Cuidados de Saúde Primários

Leia mais

Erros de refração como causas de baixa visual em crianças da rede de escolas públicas da regional de Botucatu - SP

Erros de refração como causas de baixa visual em crianças da rede de escolas públicas da regional de Botucatu - SP Erros de refração como causas de baixa visual em crianças da rede de escolas públicas da regional de Botucatu - SP Refractive errors as causes of visual impairment in children from public schools of the

Leia mais

Dificuldade visual em escolares: conhecimentos e ações de professores do ensino fundamental que atuam com alunos que apresentam visão subnormal

Dificuldade visual em escolares: conhecimentos e ações de professores do ensino fundamental que atuam com alunos que apresentam visão subnormal Dificuldade visual em escolares: conhecimentos e ações de professores do ensino fundamental que atuam com alunos que apresentam visão subnormal Students visual difficulties: knowledge and actions of teachers

Leia mais

EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR EXCESSO DE PESO E OBESIDADE EM ESCOLARES DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DA CIDADE DE MARINGÁ-PR Camila Ferreira da Silva 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO: O objetivo do presente estudo foi avaliar a prevalência

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO VISUAL NA CRIANÇA

AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO VISUAL NA CRIANÇA AVALIAÇÃO DA FUNÇÃO VISUAL NA CRIANÇA António Filipe Macedo* *Professor Auxiliar do departamento de Fisica da Universidade do Minho https://sites.google.com/site/antoniofilipemacedo/home macedo@fisica.uminho.pt

Leia mais

COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL

COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL COMPORTAMENTOS NÃO SAUDÁVEIS ASSOCIADOS À INATIVIDADE FÍSICA NO LAZER EM TRABALHADORES DAS INDÚSTRIAS DO SUL DO BRASIL Autores: Rodrigo de Rosso Krug (1), Giovâni Firpo Del Duca (1), Kelly Samara da Silva

Leia mais

Primeira Infância Completa

Primeira Infância Completa Primeira Infância Completa Uma abordagem integrada do Desenvolvimento Infantil Seminário Itaú de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Printed Eduardo Pádua Outubro, 2011 Agenda 1. Educação Infantil

Leia mais

Problemática da correção óptica em escolares: acesso, comparecimento, necessidade e. uso de óculos

Problemática da correção óptica em escolares: acesso, comparecimento, necessidade e. uso de óculos REGINA KAZUMI NOMA Problemática da correção óptica em escolares: acesso, comparecimento, necessidade e uso de óculos Tese apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo para obtenção

Leia mais

Prevalência do astigmatismo e distribuição de seu eixo em pacientes de um serviço oftalmológico privado

Prevalência do astigmatismo e distribuição de seu eixo em pacientes de um serviço oftalmológico privado ARTIGO ORIGINAL 369 Prevalência do astigmatismo e distribuição de seu eixo em pacientes de um serviço oftalmológico privado Prevalence of astigmatism and its axis in an ophthalmology private clinic Tatiana

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: Detecção e Intervenção Precoce para a Prevenção de Deficiências Visuais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: Detecção e Intervenção Precoce para a Prevenção de Deficiências Visuais MINISTÉRIO DA SAÚDE Diretrizes de Atenção à Saúde Ocular na Infância: Detecção e Intervenção Precoce para a Prevenção de Deficiências Visuais Brasília DF 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção

Leia mais

436/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da DMRI

436/2014. Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da DMRI 28/07/2014 436/2014 Ranibizumabe (Lucentis ) para tratamento da DMRI SOLICITANTE : Dra Renata Abranches Perdigão. Juiza de Direito da Comarca de Campo Belo/MG NÚMERO DO PROCESSO: 112.14.005843-2 SOLICITAÇÃO/

Leia mais

Trata-se de consulta encaminhada pelo Ministério Público Federal questionando o uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recémnascidos.

Trata-se de consulta encaminhada pelo Ministério Público Federal questionando o uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recémnascidos. PROCESSO-CONSULTA CFM Nº 9/13 PARECER CFM Nº 7/13 INTERESSADO: Ministério Público Federal ASSUNTO: Uso de tropicamida nos testes do olhinho realizado em recém-nascidos RELATOR: Cons. José Fernando Maia

Leia mais

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação

Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Conceitos Básicos Planejamento Coleta de Dados Fluxo da Informação Registro Hospitalar de Câncer Este tipo de registro se caracteriza em um centro de coleta, armazenamento,

Leia mais

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013)

Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável. BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Centro de Promoção do Desenvolvimento Sustentável BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA (Atualizado em julho de 2013) Viçosa Minas Gerais Junho de 2013 1 DEMOGRAFIA BOLETIM ESTÁTISTICO DE VIÇOSA TABELA 1 Evolução

Leia mais

Monitora: Isabela Barbuzano Gouvêa Aluna PAE: Ana Beatriz Campeiz

Monitora: Isabela Barbuzano Gouvêa Aluna PAE: Ana Beatriz Campeiz Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto 2200018 Promoção da Saúde na Educação Básica Docentes: Marlene, Marta, Luciane, Simoni e Karina Monitora: Isabela Barbuzano Gouvêa Aluna

Leia mais

Triagem Neonatal para hipotireoidismo congênito: campanha para maior cobertura e detecção precoce de afetados

Triagem Neonatal para hipotireoidismo congênito: campanha para maior cobertura e detecção precoce de afetados Léa Maria Zanini Maciel Triagem Neonatal para hipotireoidismo congênito: campanha para maior cobertura e detecção precoce de afetados DIA 3 do Recém Nascido - Dia do Teste do Pezinho O Hipotireoidismo

Leia mais

PRINCIPAL ETIOLOGIA DE AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL EM PACIENTES ATENDIDOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FAG

PRINCIPAL ETIOLOGIA DE AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL EM PACIENTES ATENDIDOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FAG PRINCIPAL ETIOLOGIA DE AMPUTAÇÃO TRANSFEMORAL EM PACIENTES ATENDIDOS NO CENTRO DE REABILITAÇÃO FAG INTRODUÇÃO MUHLEN,CAMILA SCAPINI.¹ TAGLIETTI, MARCELO.² Faculdade Assis Gurgacz-FAG, Cascavel-PR, Brasil

Leia mais

Tempo Máximo de Fonação: influência do apoio visual em crianças de sete a nove anos

Tempo Máximo de Fonação: influência do apoio visual em crianças de sete a nove anos Tempo Máximo de Fonação: influência do apoio visual em crianças de sete a nove anos Autoras: Sabrina Mazzer Paes, Fernanda Carla Mendes Ross, Renata Rangel Azevedo Descritores: voz, disfonia, criança Introdução

Leia mais

Seminário Internacional do Itaú sobre Avaliação de Projetos Sociais

Seminário Internacional do Itaú sobre Avaliação de Projetos Sociais Seminário Internacional do Itaú sobre Avaliação de Projetos Sociais Miguel N. Foguel (Ipea) Outubro 2012 Comentários sobre: Visualizing Development: Eyeglasses and Academic Performance in Rural Primary

Leia mais

Perfil da demanda em um serviço de Oftalmologia de atenção primária

Perfil da demanda em um serviço de Oftalmologia de atenção primária ARTIGO ORIGINAL77 Perfil da demanda em um serviço de Oftalmologia de atenção primária Demand profile in an Ophthalmologic primary care service Márcia Abelin Vargas 1, Maria de Lourdes Veronese Rodrigues

Leia mais

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem ISSN: Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Escola Anna Nery Revista de Enfermagem ISSN: Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Escola Anna Nery Revista de Enfermagem ISSN: 1414-8145 annaneryrevista@gmail.com Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Rabello Laignier, Mariana; Almeida Castro, Marlúcia de; Santos Cabral de Sá,

Leia mais

1º Ten Al ADRIANO SEBASTIÃO MURUCCI DA FONSECA A IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE DEFICIÊNCIA VISUAL EM AMBIENTES DE ENSINO

1º Ten Al ADRIANO SEBASTIÃO MURUCCI DA FONSECA A IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE DEFICIÊNCIA VISUAL EM AMBIENTES DE ENSINO 1º Ten Al ADRIANO SEBASTIÃO MURUCCI DA FONSECA A IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO PRECOCE DE DEFICIÊNCIA VISUAL EM AMBIENTES DE ENSINO RIO DE JANEIRO 2008 F676i Fonseca, Adriano Sebastião Murucci. A importância

Leia mais

UNITERMOS : Oftalmologia sanitária. Acuidade visual, teste e medida. Saúde Escolar. INTRODUÇÃO

UNITERMOS : Oftalmologia sanitária. Acuidade visual, teste e medida. Saúde Escolar. INTRODUÇÃO VALIDADE DA AFERIÇÃO DA ACUIDADE VISUAL REALIZADA PELO PROFESSOR EM ESCOLARES DE 1 a À 4 a SÉRIE DE PRIMEIRO GRAU DE UMA ESCOLA PÚBLICA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, BRASIL * Edméa Rita Temporini** Newton

Leia mais

Motivo de Referenciação em Oftalmologia Pediátrica e sua Tradução Clínica num Centro Terciário

Motivo de Referenciação em Oftalmologia Pediátrica e sua Tradução Clínica num Centro Terciário Oftalmologia - Vol. 36: pp.279-285 Artigo Original Motivo de Referenciação em Oftalmologia Pediátrica e sua Tradução Clínica num Centro Terciário Teresa Varandas 1, Filipe Braz 1, Filipe Fraga 1, Maria

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A TEORIA COGNITIVA COMPORTAMENTAL NA INTERVENÇÃO TELEFÔNICA PARA CESSAÇÃO DO TABAGISMO Profa. Dra. Eliane Corrêa Chaves (EEUSP)

Leia mais

Segurança Pública 30 de março de 2011

Segurança Pública 30 de março de 2011 Segurança Pública 30 de março de 2011 1 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Wellington Moreira Franco Fundação pública vinculada à Secretaria de Assuntos

Leia mais

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE NA OCLUSÃO DE DE VEIA RETINIANA CENTRAL

TEMA: USO DO RANIBIZUMABE NA OCLUSÃO DE DE VEIA RETINIANA CENTRAL NOTA TÉCNICA 141/2014 Solicitante Emerson Chaves Motta Juíza de Direito - Comarca de Teófilo Otoni - MG. Processo número: 0686 14 010142-5 Data: 18/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura

Leia mais

Título do projeto Avaliação do estado de saúde de idosos cadastrados em uma estratégia de saúde da família no município de Anápolis - GO

Título do projeto Avaliação do estado de saúde de idosos cadastrados em uma estratégia de saúde da família no município de Anápolis - GO PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA. COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA OFÍCIO 169 2010 CEP Número de Protocolo: 2896/2010 Anápolis, 2 de setembro de 2010. Título do projeto Avaliação

Leia mais