UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JOSÉ PAULO PEREIRA SILVA IMPLANTAÇÃO DA ISO 9001 EM INDÚSTRIAS DE EMBALAGENS PLÁSTICAS FLEXÍVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JOSÉ PAULO PEREIRA SILVA IMPLANTAÇÃO DA ISO 9001 EM INDÚSTRIAS DE EMBALAGENS PLÁSTICAS FLEXÍVEIS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI JOSÉ PAULO PEREIRA SILVA IMPLANTAÇÃO DA ISO 9001 EM INDÚSTRIAS DE EMBALAGENS PLÁSTICAS FLEXÍVEIS SÃO PAULO 2009

2 ii JOSÉ PAULO PEREIRA SILVA IMPLANTAÇÃO DA ISO 9001 EM INDÚSTRIAS DE EMBALAGENS PLÁSTICAS FLEXÍVEIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi Orientador: Prof. MSc. Eng. Francisco Carlos Damante SÃO PAULO 2009

3 iii JOSÉ PAULO PEREIRA SILVA IMPLANTAÇÃO DA ISO 9001 EM INDÚSTRIAS DE EMBALAGENS PLÁSTICAS FLEXÍVEIS Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial para a obtenção do título de Graduação do Curso de Engenharia de Produção da Universidade Anhembi Morumbi Trabalho realizado em 10 de outubro de 2009 Prof. MSc. Eng. Francisco Carlos Damante Nome do Orientador Nome do professor da banca Comentários: SÃO PAULO 2009

4 iv Dedico este trabalho: À DEUS pela saúde, vida e companhia em todos os momentos. Aos meus pais José Pereira Silva e Cleusa Maria Zanete Pereira pela educação, formação e exemplo. Aos meus avós Lázara Aparecida Zanete e Júlio Pereira da Silva, exemplos de honestidade e amor. À Roseli Martins, minha companheira e à Anne Caroline minha filha, pela compreensão e por compartilharmos sonhos e realizações. À todos aqueles que transformam suas idéias e sonhos em projetos reais, ajudando a construir uma sociedade melhor.

5 v AGRADECIMENTOS Aos professores, colegas e amigos que fiz ao longo dessa jornada. Aos profissionais do segmento de embalagens que tanto contribuíram com idéias e sugestões. À amiga Bruna Mariana Cruz da Silva pelo incansável apoio e revisão dos originais. Ao Prof. MSc.Francisco Carlos Damante, pela oportunidade, orientação e incentivo no desenvolvimento deste trabalho e também, por ser inovador e por incentivar e valorizar o potencial criativo de todas as pessoas que o rodeiam.

6 vi RESUMO O presente trabalho aborda o processo de implantação de um sistema de gestão da qualidade, baseado na norma NBR ISO 9001:2000, em organizações de embalagens plásticas flexíveis. Com a competição cada vez mais acirrada, as empresas desse segmento têm visto a necessidade de mudar para se manter no mercado. O objetivo do projeto é orientar empresas de embalagens flexíveis na implantação de sistemas de gestão da qualidade, potencializando-as em seus cenários. Palavras Chave: qualidade, gestão, ISO 9000, plástico, embalagens flexíveis.

7 vii ABSTRACT This objective of this work is to discusses the implementation process of the quality management system aspects based on ISO 9001:2000 in flexible plastic packaging segment. With competition increasingly fierce, companies in this segment strongly recognizes the need to change in order to maintain a good market position. The project goal is to guide companies in implementing flexible packaging systems for quality management, empowering them in their scenarios. Keywords: quality management, ISO 9000, plastic and flexible packaging.

8 viii LISTA DE FIGURAS Figura Definição de um processo...14 Figura Esquema antes e depois da implantação...21 Figura Painel de Soluções...28 Figura Etiquetas do Painel de Soluções...29 Figura Semáforo da Qualidade...30 Figura Gráfico de Reprovações Internas...36 Figura Gráfico Mensal de Devoluções...37 Figura Gráfico de Ordens de Produção Inferiores a 1000 Kgs...38 Figura Gráfico de Produtividade Toneladas/Homem...39 Figura Gráfico de Aparas...40

9 ix LISTA DE TABELAS Tabela Etapas de implementação e delineamento...16 Tabela Orientação à estrutura dos documentos...17

10 x LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABNT CCQ DTD ISO IT MSQ PQ RQ TQM Associação Brasileira de Normas Técnicas Círculos de Controle da Qualidade Documentos Técnicos Diversos International Organization for Standardization (Organização Internacional de normatização) Instrução de Trabalho Manual da Qualidade Procedimentos da Qualidade Registros da Qualidade Total Quality Management (Gestão da Qualidade Total)

11 xi SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivo Específico MÉTODO DE TRABALHO JUSTIFICATIVA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Gestão da Qualidade As Normas ISO Ações iniciais para implantação do sistema de gestão da qualidade Estrutura do Sistema de Gestão da Qualidade O processo de implementação do Sistema de Gestão da Qualidade Definição das unidades de negócio Definição da Política da Qualidade e Objetivos da Qualidade Política da Qualidade Objetivos da Qualidade Mapeamento dos Processos Planejamento do Mapeamento de Processos Classificação da Importância das Atividades dos Processos Execução do Mapeamento dos Processos Delineamento do Sistema de Gestão da Qualidade Alguns programas de apoio para implantação... 18

12 xii S Círculos de Controle da Qualidade - CCQ Benefícios da implantação da ISO 9001: ESTUDO DE CASO Introdução A empresa A decisão de implantar a ISO Características do processo produtivo Ações iniciais para implantação do sistema da qualidade Círculos de Controle da Qualidade - C.C.Q Círculos de Controle de Qualidade - Fundamentação Teórica Documentação do Sistema da Qualidade Documentos da qualidade Manual do Sistema da Qualidade - MSQ Procedimentos da Gestão da Qualidade - PGQ Instruções de Trabalho IT Registros da Qualidade Documentos Técnicos Diversos Elaboração e Controle de Documentos Escopo do Sistema da Qualidade Controle dos Processos... 34

13 xiii 6.9. Política e Objetivos da Qualidade Situação da Empresa no Final do Trabalho Obtenção do Certificado ISO Dificuldades Encontradas Cultura da Empresa Cultura do Processo Cultura do Mercado Expectativa por Resultados Imediatos Pseudo Compromisso da Alta Administração com Programas de Qualidade CONCLUSÕES RECOMENDAÇÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS... 49

14 1. INTRODUÇÃO Em nosso país, apesar dos esforços com programas da qualidade, ainda é forte e muitas vezes decisivo o fator preço em detrimento da qualidade. O segmento de embalagens, em especial o de plásticos flexíveis, segmento marginalizado, é bastante marcado por essa busca incessante de preço ao invés de qualidade. Felizmente o setor começa a dar sinais de avanço, introduzindo, em algumas plantas do país, técnicas modernas de gestão da qualidade e meio ambiente, provavelmente motivadas por clientes mais exigentes e outros agentes externos. A nova economia e a globalização, extremamente exigentes, requerem uma nova postura de eficiência de todas as empresas que almejam permanecer no mercado. As leis de defesa do consumidor transformam os produtos prováveis em produtos garantidos, ou seja, a qualidade é fator fundamental nas transações comerciais. Neste contexto, este trabalho demonstra a implantação de um sistema de gestão da qualidade, com base nas normas ISO 9000, numa empresa de embalagens flexíveis. Segundo PALADINI (2000), de todos os componentes operacionais das organizações que sofreram alterações por força da adoção do conceito da Qualidade Total, o que registrou o impacto mais visível foi a Gestão da Qualidade no processo. Este trabalho vem demonstrar os benefícios que este impacto pode trazer para as organizações, especificamente as de embalagens flexíveis. Com a implantação de um sistema de gestão da qualidade baseado na norma NBR ISO 9001:2000.

15 2 2. OBJETIVOS Abaixo se descreve o objetivo geral e o objetivo específico deste trabalho a fim de demonstrar o tema abordado e seus resultados. 2.1 Objetivo Geral Discutir a importância da implantação da norma ISO 9001:2000 em uma empresa de embalagens plásticas flexíveis. 2.2 Objetivo Específico Traçar objetivos concretos para a certificação ISO 9001 ou pelo menos possibilitar que o sistema apresente condições de ser auditado por órgão certificador. Identificar as necessidades de aprimoramento de empresas de embalagens plásticas flexíveis e como enquadrar nos benefícios trazidos pela ISO Contribuir para o aperfeiçoamento dos processos organizacionais através da implantação de um sistema de gestão da qualidade. Impulsionar mudanças na cultura da empresa. Descrever e analisar as metas alcançadas em 2008 para cinco indicadores: reprovações internas, devoluções, ordens de produção inferiores a 1000 quilos, produtividade ton/homem e produção de aparas.

16 3 3. MÉTODO DE TRABALHO Este trabalho aborda no a importância da implantação da norma ISO 9001:2008 em empresas de embalagens flexíveis e na busca constante da melhoria ao encontro da qualidade total. Nessa etapa, elaborou-se uma pesquisa bibliográfica sobre o assunto para posterior estudo de caso.

17 4 4. JUSTIFICATIVA Cada vez mais se verifica o aumento da competitividade mundial e o esforço que as empresas do setor de embalagens plásticas têm realizado para acompanhar este nível de competitividade. A certificação ISO 9001 vem sendo uma necessidade de mercado, que deve ser almejada por todas as empresas que querem se manter competitivas. Não há mais espaço para a ociosidade e o desperdício. É necessária a quebra de velhos paradigmas e a incorporação de novas práticas. A realização deste trabalho possibilita o conhecimento prático e reflexivo a cerca dos programas da qualidade e principalmente, do processo que envolve a certificação da ISO 9001.

18 5 5. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 5.1 Gestão da Qualidade Para CARVALHO (2005), gestão da qualidade são atividades coordenadas para dirigir e controlar uma organização com relação à qualidade. Para as organizações que desejam um sistema de gestão da qualidade há necessidade de se manter atividades bem gerenciadas através da utilização de metas e indicadores. Uma forma da norma ISO 9001 realizar esta gestão se deu mediante abordagem por processos. CARVALHO (2005, p. 213), define processos como: Uma atividade repetitiva ou uma série de atividades que transformam um conjunto definido de entradas em saídas mensuráveis, o qual a empresa tem a necessidade de gerenciar e medir sua execução. Uma organização é melhor gerenciada se estiver sendo vista por uma abordagem de processos, facilitando-se a visão dos gestores onde as entradas e saídas podem ser verificadas de forma mais eficaz, possibilitando o monitoramento desses processos que devem ser definidos de acordo com cada organização. Olhando a empresa dessa forma fica mais fácil conhecer as atividades com maior profundidade e fica mais evidente a oportunidade de melhoria. Segundo MARANHÃO (1999), Uma empresa e/ou qualquer outra organização social podem ser perfeitamente comparadas com um ser vivo. Elas também precisam ter seus sistemas de funcionamento. Da mesma forma que um ser vivo precisa ter seus sistemas funcionando bem, a empresa também precisa de um bom sistema, para coordenar todos os seus setores e atividades. Eficiência, para o ser vivo, faz com que ele cumpra o seu objetivo: preservação da vida. Eficiência, para a empresa, faz com ela seja saudável, isto é, tenha lucros para sobreviver, manter-se e crescer.

19 6 Como visto na definição de MARANHÃO, um organismo é eficiente, quando cada uma das partes funciona bem e de maneira harmônica, em benefício do conjunto, da mesma maneira se comportam os processos dentro de uma organização, quanto melhor a interação entre eles melhor ficará o gerenciamento e por conseqüência seus resultados. Um bom sistema de gestão da qualidade fixará o mínimo de regras para que todo colaborador (ou setor da empresa) conheça o que deve ser realizado e efetivamente o faça certo desde a primeira vez. 5.2 As Normas ISO 9000 A sigla ISO denominada International Organization for Standardization, ou seja, Organização Internacional de Padronização, é uma organização não governamental que está presente hoje em cerca de 120 países. Fundada em 1947 em Genebra, para promoção da normatização de produtos e serviços, utilizando determinadas normas, para que a qualidade dos produtos seja sempre melhorada. No Brasil, o órgão regulamentador da ISO chama-se ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). A ISO cria normas nos mais diferentes segmentos, variando de normas e especificações de produtos, matérias-primas, em todas as áreas (existem normas, por exemplo, para classificação de hotéis, café, usinas nucleares). A ISO ficou popularizada pelas normas que tratam de Sistemas para Gestão da Qualidade nas empresas. Nos últimos 15 anos, muito se tem falado, sobre as normas ISO 9000, existindo opiniões conflitantes sobre elas, podendo-se identificar tanto ferrenhos defensores como também críticos contundentes. Devido a esta importância que esta especificação tem alcançado a nível mundial, é necessária uma visão clara sobre de que ela trata suas características, o porquê do registro, como se torna uma empresa certificada, quais os benefícios e vantagens que a certificação ISO 9001 traz às empresas e como utilizá-la. A norma ISO 9000 proporciona algumas definições e conceitos básicos de qualidade, além de sumarizar como proceder na seleção e uso de outras normas da série.

20 7 Tornou-se necessária a implantação da ISO 9001 em empresas de embalagens flexíveis para se obter um elevado nível de qualidade com clientes satisfeitos, mais vendas, maior lucro, crescimento sustentado e motivação entre os funcionários. Estando em conformidade com a norma, duas vantagens já são obtidas: uma estrutura coerente de suporte para a introdução dos princípios do Total Quality Management nas empresas, e a possibilidade de demonstrar para seus clientes que sua empresa é um fornecedor de nível mundial. TQM é uma abordagem para melhorar a competitividade, a eficácia e a flexibilidade de toda uma organização. É essencialmente uma maneira de planejar, organizar e compreender cada atividade, e depende de cada indivíduo em cada nível. É um método que visa libertar os funcionários da execução de esforços inúteis, envolvendo cada um deles nos processos de melhoria, de tal modo que os resultados sejam obtidos em menos tempo (OAKLAND 1994). Um sistema de qualidade deve atuar de forma a prevenir defeitos. Sua definição é de que qualidade é fazer bem desde a primeira vez e isto significa manter um compromisso real com aquilo que está sendo realizado (CROSBY 1990). A globalização do mercado demanda o uso na norma ISO 9001, não por modismo e sim por necessidade. Portanto, faz sentido buscar a certificação. As empresas devem desenvolver Sistemas da Qualidade Total, de tal forma que o processo de gerenciamento da qualidade esteja conforme a norma ISO 9000 selecionada. Após esta etapa, a empresa deverá contratar um organismo externo reconhecido para conduzir uma auditoria de Sistema de Qualidade em suas operações, a fim de certificar que a companhia atinge os requisitos da norma ISO 9000 em questão. Só então a companhia é elegível a receber o registro de certificação. A ISO 9001 até sua revisão em 2000 era muito forte em garantia da qualidade, após esta data ela tornou-se uma norma de gestão de processos. A versão 2000, simplificou a documentação passando de vinte para apenas seis os procedimentos mandatários, flexibilizando a implantação e diminuindo drasticamente a quantidade de documentos, facilitando a implantação em organizações de pequeno e médio

21 8 porte. Também combinou as normas 9001, 9002 e 9003 em uma única, doravante denominada simplesmente ISO 9001:2000. Passou a exigir o envolvimento da gestão para promover a integração da qualidade dentro da organização, definindo um responsável pelas ações da qualidade. Adicionalmente foi melhorado o gerenciamento dos processos por meio de aferições de desempenho e pela implementação de indicadores para medir a efetividade das ações e atividades envolvidas. 5.3 Ações iniciais para implantação do sistema de gestão da qualidade São necessárias algumas ações iniciais para implantação de um sistema de gestão da qualidade Estrutura do Sistema de Gestão da Qualidade Envolvimento entre as pessoas Os colaboradores devem ter: Boa comunicação com os demais colaboradores da Organização; Nível de instrução suficiente para assimilar a importância e estrutura de documentos; Habilidade e criatividade para entrevistar todos os níveis de colaboradores; Responsabilidade para executar as tarefas planejadas; Conhecimento sobre os processos da Organização. Treinamentos Específicos (auditores internos): Os colaboradores devem ter treinamento sobre os requisitos da Norma NBR ISO 9001: Sistema de Gestão da Qualidade. Para os colaboradores que não possuam conhecimento sobre os requisitos Norma NBR ISO 9001:2000 deve ser planejado cronograma de treinamento; Os colaboradores do time de auditores internos devem ter treinamento sobre NBR ISO Diretrizes para Auditoria Interna;

22 9 NBR ISO Incertezas de medição para equipamentos de medição e monitoramento (este treinamento também se aplica aos colaboradores ligados diretamente as atividades de medição e monitoramento do processo). Treinamento Sobre Ferramentas da Qualidade (para melhorias do Processo produtivo e do Sistema de Gestão da Qualidade). A implementação do Sistema requer o estabelecimento de uma estratégia que define todas as atividades que devem ser desenvolvidas. Nela deve ficar definido com clareza: O que deve ser feito; Como deve ser feito; Quem deve fazer; Até quando deve ser feito; Porque deve ser feito; Em que áreas deve ser feito; Como avaliar os resultados dos esforços de implementação e; Como tomar ações corretivas para viabilizar a construção do Sistema. 5.4 O processo de implementação do Sistema de Gestão da Qualidade O processo de implementação do sistema de gestão da qualidade pelas normas ISO 9001:2000 é baseado em princípios de abordagem de processo, portanto primeiramente deverá ser realizado o estudo dos processos produtivos e de apoio à produção, para definir as unidades de negócio, A implementação pode ser dividida em cinco fases: 1º Fase - é coletado todos os dados do processo de manufatura definindo as unidades de negócio e unidade organizacional, com a definição das autoridades sobre os processos afins e responsabilidade sobre os resultados organizacionais o que constitui a missão da empresa; 2º Fase - é definida a Política e Objetivos da Qualidade;

23 10 3º Fase - ocorre o mapeamento dos processos; 4º Fase - é realizada a padronização dos processos produtivos; 5º Fase do processo de implementação do SGQ (ISO 9001:2008) realiza-se o delineamento do sistema, no qual são estruturados e elaborados todos os níveis de documentação que visam suprir os requisitos aplicáveis da norma (requisitos 4, 5, 6, 7 e 8) Definição das unidades de negócio "Unidades Estratégicas de Negócio (UEN), que teriam como principal responsabilidade desenvolver, produzir e comercializar seu(s) próprio(s) produto(s) THOMPSON (1993). Nesta primeira fase pode-se definir: Coleta de dados dos colaboradores que realizam as tarefas de produção e apoio ao processo produtivo. Definir as responsabilidades e autoridades para cada unidade de negócio (organograma). Definir os fornecedores e insumos: Quais os fornecedores qualificados; Definir quais os insumos que afetam a qualidade do produto Definir o Macro processo: Quais os fornecedores das entradas; Quais as entradas; Descrever a interação Cliente - Organização - Cliente; Descrever as interações das unidades de negócio; Descrever a abrangência do Sistema de Gestão da Qualidade; Descrever os processos de apoio a produção.

24 11 Recomenda-se que a descrição do macro processo seja representada por fluxograma e não escrita, pois facilita o entendimento e visualização Definição da Política da Qualidade e Objetivos da Qualidade Nesta segunda fase pode-se definir: Política da Qualidade Pode-se definir Política da Qualidade como a Tradução das linhas gerais de conduta da organização as quais refletem suas intenções e diretrizes globais relativas à Qualidade, expressas pela Alta Direção (ISO 9001:2008). O processo de Formulação da Política da Qualidade deve levar em consideração a Visão e a Missão da Organização, bem como o estudo de sua situação estratégica em relação a seus Concorrentes e Clientes diretos e indiretos. A Política da Qualidade pode ser formulada com base nos Princípios da Qualidade da Norma NBR ISO 9001: Objetivos da Qualidade Podem-se definir Objetivos da Qualidade como a meta que a organização pretende atingir, auxiliando a tomada de ações, pois são importantes instrumentos para a gestão estratégica o que implica em elevar o planejamento e não tomar ações em crises. Os Objetivos da Qualidade devem ser: mensuráveis, compreensíveis, abrangentes, aplicáveis, atingíveis, mantidos com facilidade e econômicos. Para a sua formulação deve-se: Analisar os dados históricos da empresa (refugo, retrabalho, produção, reclamações de clientes, entre outros); Ser formulados juntamente com os gestores de cada processo; Ser desenvolvido por meio de treinamentos e acompanhamento de todos os colaboradores da organização.

25 Mapeamento dos Processos Segundo a Norma NBR ISO 9001:2008, processos podem ser definidos como atividades ou conjunto de atividades inter-relacionadas ou interativas que transformam entradas em saídas. O objetivo da implementação das diretrizes e requisitos da Norma NBR ISO 9001:2008, é delinear uma estrutura que vise melhorar a interação de processos e minimizando as alterações, realizando mudanças dos mesmos apenas quando tais mudanças agreguem valor a organização ou produto. Existem três tipos de Processos: Processos Primários: São processos que tocam o cliente. Qualquer falha o cliente logo identifica. Processos de Apoio: são os que colaboram com os processos primários na obtenção do sucesso junto a clientes. Processos Gerenciais: São os que existem para coordenar as atividades dos processos de apoio e dos processos primários. Para JURAN, 1992, 247. p os processos excessivamente variáveis são incapazes de satisfazer as metas de qualidade dos produtos. Esses processos geram desperdício, na forma de trabalho refeito, material descartado e assim por diante. Nesta terceira fase pode-se definir: Planejamento do Mapeamento de Processos Para o planejamento dos processos deve-se identificar a importância de cada Processo dentro da organização, analisar a hierarquia de cada um deles, definir a classificação do Processo (macro processo, processo, atividades, tarefas ou operação).

26 Classificação da Importância das Atividades dos Processos As atividades podem ser rotineiras ou não e são compostas por instruções, as quais descrevem detalhadamente como executar o trabalho. Análise da críticidade das atividades: Atividades críticas: Tempo de inicio ou execução das tarefas, Importância e controle de matérias Primas, Importância do equipamento; Atividades não críticas: são atividades cuja execução pode ser realizada com parâmetros e condições mais flexíveis; Atividades secundárias: São atividades que providenciam todas as condições de operacionalidade para as atividades principais; Atividades transversais: São conjuntos de várias especialidades, executadas em uma única operação com a finalidade de resolver problemas, devendo as mesmas ser temporárias ou provisórias. Instruções de trabalho devem ser elaboradas para atividades que agreguem valor ao produto ou ao processo produtivo. Devem ser levantados dados de execução das atividades com base em: Relatos de colaboradores que executam as mesmas; Manuais de operação de máquinas, equipamentos de medição e monitoramento. Estudos de práticas de execução. As instruções serão realizadas de forma a facilitar o entendimento das mesmas: Utilização de desenhos para instruir os colaboradores de forma visual; Utilização de tabelas simples e números inteiros sempre que possível. As instruções de trabalho serão implementadas no Sistema de Gestão da Qualidade na área de utilização. Deve-se ministrar treinamento sobre a utilização das Instruções de trabalho para todos os envolvidos Execução do Mapeamento dos Processos Para SCHERKENBACH, 1993, 7. p, em sua forma mais simples, um processo é a transformação de insumos em produtos finais. Figura 5.1 abaixo os cinco recursos, que são insumos e produtos finais.

27 14 Insumos Produtos finais Pessoas Métodos Material Equipamento Ambiente Transformação Pessoas Métodos Material Equipamento Ambiente Figura Definição de um processo (SCHERKENBACH, 1993) O mapeamento dos processos deve ser feito a partir das entradas, realização das atividades, e saídas, relacionando os dados obtidos com os objetivos da Qualidade, documentos internos existentes, documentos externos de clientes, normas específicas e registros. Levantamento das entradas do processo: Matérias primas qualificadas; Requisitos de clientes; Desenhos e especificações de produtos; Dados de programação; Dados de atividades de apoio; Objetivos da qualidade; Informações de outros processos; Levantamento das atividades de realização: Instruções de trabalho; Métodos de controle;

28 15 Planos de controle do processo; Planejamento das execuções; Atividades de medição e monitoramento; Fluxogramas das atividades; Levantamento das saídas dos processos: Relatórios de acompanhamento da produção; Produtos ou serviços realizados; Documentos melhorados. Implementação de indicadores do processo: Formulação de indicadores do processo que possam ser mensurados; Comparação de dados da saída do processo com os objetivos previamente estipulados; Treinamento e melhorias dos indicadores do processo. Relação de equipamentos utilizados durante a realização das atividades Levantamento dos equipamentos utilizados durante a realização das atividades; Levantamento dos equipamentos de medição e monitoramento. Levantamento das responsabilidades e autoridades do processo: Definição das autoridades e responsabilidades pelo processo; Definição das responsabilidades na realização do produto. Relacionamento do processo com os requisitos aplicáveis da Norma ISO 9001:2008: Levantamento dos requisitos que abrangem o processo de realização ou apoio; Levantamento de requisitos auditáveis para o processo. Nesta quarta fase deve ser definido como os setores devem interagir entre si, quais os padrões de trabalho, de medição e monitoramento, como também, serão postos em prática os resultados de indicadores e começarão a ser planejadas ações para evitar desvios de processo, utilizando de técnicas de melhoria.

29 16 Com base nos processos e suas interações deve ser planejado e desenvolvido o macro processo o qual demonstrará todas as interações do processo, entradas e saídas, e canais de comunicação entre a empresa e seus clientes Delineamento do Sistema de Gestão da Qualidade Finalmente depois de mapeados e padronizados os processos, pode-se iniciar a descrição e padronização dos processos exigidos pela Norma NBR ISO 9001:2008, anteriormente se padroniza os processos do dia-dia da empresa, os quais devem ser por meio de fluxogramas, procedimentos, instruções de trabalho, registros, entre outros. O processo de implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade utiliza os conceitos de engenharia simultânea, e pode acontecer das etapas de padronização e delineamento se misturarem em alguns momentos. Abaixo tabela 5.1 demonstra um exemplo das etapas de implementação e delineamento. Tabela Etapas de implementação e delineamento Etapa de Padronização Etapa de Delineamento Controle de documentos Controle de registros Projeto e desenvolvimento de produtos Elaboração de manual da qualidade Controle de processos produtivos Definição de autoridades e Aquisição responsabilidades (descrição de Planejamento da produção cargos) Vendas e serviços associados Análise crítica do sistema da qualidade Admissão e demissão de pela alta direção colaboradores Planejamento da qualidade Contas a pagar e a receber Controle de dispositivos de medição e Treinamento monitoramento Custos industriais Rastreabilidade de produtos Recebimentos de materiais Propriedade do cliente Inspeção de produtos Preservação do produto Definição do organograma industrial Análise de dados e técnicas estatísticas Identificação de produtos Auditoria interna da qualidade Medição da satisfação do cliente Controle de produtos não conformes Ação preventiva e ação corretiva Melhoria contínua Fonte: Elaborado pelo Autor do TCC, 2009

30 17 Tabela Orientação à estrutura dos documentos Requisitos da Norma NBR ISO 9001:2008 Definidos em procedimentos Documentados Definidos em Manual da Qualidade Controle de documentos 4.1 Requisitos gerais Controle de registros Generalidades (requisitos de documentação) 6.2 Competência, conscientização e Manual da qualidade treinamento 7.1 Planejamento da realização do produto 5.1 Comprometimento da direção 7.2 Processos relacionados a clientes 5.2 Foco no cliente 7.3 Projeto e desenvolvimento 5.3 Política da qualidade 7.4 Aquisição Objetivos da qualidade Controle de produção e fornecimento de serviço Planejamento do sistema de gestão da qualidade Validação dos processos de produção e Responsabilidade e Autoridade fornecimento de serviço Identificação e rastreabilidade Representante da direção Propriedade do cliente Comunicação interna Preservação do produto 5.6 Análise crítica pela direção 7.6 Controle de dispositivos de medição e 6.1 Provisão de recursos monitoramento Satisfação de clientes 6.3 Infra-estrutura Auditoria interna 6.4 Ambiente de trabalho Medição e monitoramento de processos 8.1 Generalidades (medição análise e melhoria) Medição e monitoramento do produto Medição e monitoramento de processos 8.3 Controle de produto não conforme Medição e monitoramento do produto 8.4 Análise de dados Melhoria contínua Ação corretiva Ação corretiva - - Fonte: Elaborado pelo Autor do TCC, 2009 Os requisitos descritos na tabela 5.2 acima descritos, podem ser formulados e implementados de acordo com o resultado de informações levantadas em análise da empresa, documentos existentes, documentos formulados antes e durante o mapeamento do processo e sua interação, instruções de trabalho, planos de

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA

CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA CADERNO DE DESCRIÇÕES DE CARGOS FÁBRICA REVISÃO DOS DADOS 04 RELAÇÃO DE CARGOS Auxiliar de Montagem Montador Supervisor de Produção Técnico de Programação da Produção Coordenador de Produção IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme Gestão de Qualidade Alunos: Bruna Bastos Bruno Avelar Giacomini

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços

Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Curso ISO 9001:2008 Qualidade em Serviços Guia Fundamental para Gestão de Qualidade em Serviços Objetivo Capacitar os participantes a interpretarem os requisitos da Norma ISO 9001:2008, relacionados aos

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias

CONSULTORIA. Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias CONSULTORIA Sistema de Gestão ISO 9001 - Lean Esquadrias PADRÃO DE QUALIDADE DESCRIÇÃO ISO 9001 Esse Modelo de Produto de Consultoria tem por objetivo definir e melhorar todos os processos da empresa,

Leia mais

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000

Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 Palestra Informativa Sistema da Qualidade NBR ISO 9001:2000 ISO 9001:2000 Esta norma considera de forma inovadora: problemas de compatibilidade com outras normas dificuldades de pequenas organizações tendências

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Francislaine Pereira de Souza, Unisalesiano de Lins, e-mail: francislaine_ps@hotmail.com Janaina Fanali Daniel, Unisalesiano de Lins,

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA.

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. Elton Dias Paz Aluno de administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. Elton.paz@fibria.com.br

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade

ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Consultoria ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Demonstre o seu compromisso com a qualidade e a satisfação dos seus clientes O Sistema de Gestão da Qualidade tem a função de suportar o alinhamento

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE RESUMO Bruna Cássia Mendes de AZEVEDO¹ Kelly Ariane Dutra do PRADO¹ Osmar de Campos FONSECA¹ Patrícia dos Santos ALVES¹ Renato F. Saldanha

Leia mais

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004

XXIV Encontro Nac. de Eng. de Produção - Florianópolis, SC, Brasil, 03 a 05 de nov de 2004 Implantação e certificação do sistema de gestão da qualidade do Programa Especial de Treinamento da Engenharia de Produção da UFSC conforme a norma ISO 9001:2000 Victor Monte Mascaro Vietti (PET Produção

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000

Correspondência entre OHSAS 18001, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Anexo A (informativo) Correspondência entre, ISO 14001:1996, ISO 9001:1994 e ISO 9001:2000 Tabela A.1 - Correspondência entre, ISO 14001:1996 e ISO 9001:1994 Seção Seção ISO 14001:1996 Seção ISO 9001:1994

Leia mais

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DOCUMENTOS E REGISTROS DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 2011 WANDERSON S. PARIS INTRODUÇÃO Não se pretende aqui, reproduzir os conteúdos das normas ou esgotar o tema versado por elas. A ideia é apenas

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade Desenvolvido no Japão, pós Segunda Guerra Mundial, o Programa 5S (conhecido também como Housekeeping) era um método utilizado pelos pais para ensinar a seus filhos os

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é

Segundo Maluche [1], a melhoria contínua é Identificação de problemas em seu sistema da gestão A melhoria contínua deve ser vista como uma atividade constante que tem como objetivos aumentar o envolvimento de todos da equipe, o aperfeiçoamento

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

ISO 9000-3 3 e ISO 9001

ISO 9000-3 3 e ISO 9001 QUALIDADE DO PROCESSO ISO 9000-3 3 e ISO 9001 Baseado no material do prof. Mario Lúcio Cortes http://www.ic.unicamp.br/~cortes/mc726/ 1 Normas da Série ISO 9000 Introdução ISO 9000 (NBR ISO 9000, versão

Leia mais

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições,

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições, Resolução PR nº 03/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 18/03/2013 R E S O L U Ç Ã O Nº 03/2013

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ/01

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ/01 MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ/01 ZANDEI INDÚSTRIA DE PLÁSTICOS LTDA 1/24 MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE CÓD: MQ/01 REV: 02 PÁG: 2 / 26 REGISTRO DE REVISÕES N Data Item Súmula Revisão

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA

COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA COMO APURAR OS CUSTOS DA QUALIDADE DE FORMA A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE DA EMPRESA Prof. Ms. Sidney E. Santana 1. Identificando os custos da qualidade Controlar a origem das receitas, produto da venda de

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação

Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação QP Informe Reservado Nº 70 Maio/2007 Abordagem de Processo: conceitos e diretrizes para sua implementação Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QP. Este guindance paper

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Elaborado por: GT Especial do ABNT/CB-25 Grupo de Aperfeiçoamento do

Leia mais

GERENCIAMENTO DA GARANTIA DA QUALIDADE UTILIZAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

GERENCIAMENTO DA GARANTIA DA QUALIDADE UTILIZAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA GERENCIAMENTO DA GARANTIA DA QUALIDADE UTILIZAÇÃO PRÁTICA NA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA Antecedentes que geraram a origem do conceito da Qualidade 1957 Alemanha - Deformação em bebês cujas mães tomaram o medicamento

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula

Plano de Aula - Sistema de Gestão da Qualidade - cód. 5325. 56 Horas/Aula Plano de Aula - Sistema de Gestão da - cód. 5325 Aula 1 Capítulo 1 - Conceitos e Fundamentos da Aula 2 1 - Aula 3 1 - Aula 4 1 - Aula 5 Capítulo 2 - Ferramentas da Aula 6 2 - Ferramentas da Aula 7 2 -

Leia mais