SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE COM CERTIFICAÇÃO ABNT NBR ISO 9001:2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE COM CERTIFICAÇÃO ABNT NBR ISO 9001:2008"

Transcrição

1 Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios TJDFT Secretaria Geral SEG para contato: Projeto: Sistema de Gestão da Qualidade com Certificação PGQ. Tema: Gestão do Processo Judicial Equipe responsável: Núcleo da Qualidade da Secretaria Geral. Delimitação da ação: O projeto tinha como objetivo a implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade em relação a duas rotinas específicas da 2ª. Instância (Recurso e Feito Originário) para atender as exigências de conformidade com os requisitos da Norma, para dotar a Secretária Judiciária de mecanismos eficientes e eficazes na implantação e manutenção da gestão da qualidade. Em decorrência dos benefícios obtidos no âmbito daquela Secretaria, o sistema evoluiu para a implantação da Gestão da Qualidade no ambiente da Ouvidoria Geral, objetivando consolidar o processo de melhoria contínua deste TJDFT. Objetivos e Metas: Foram definidos os Objetivos da Qualidade coerentes com a Política da Qualidade, os quais possuem metas e são monitorados por meio de indicadores de desempenho, sendo assim previamente definidos: Assegurar a satisfação dos usuários externos; Garantir a celeridade e a eficácia dos serviços prestados; Melhorar a satisfação dos servidores com o ambiente de trabalho; Promover a qualificação dos servidores; e Assegurar a melhoria contínua do Sistema de Gestão da Qualidade do TJDFT. Aumentar o índice de satisfação dos usuários externos para 60% em 01 ano; Reduzir o tempo médio de autuação, cadastro e distribuição processual do HBC, do MSG, da Apelação Criminal e da Apelação Cível em 10%, no 1º Semestre de 2011; Manter a média semestral do índice de conformidade processual em 99%, em 2011; Reduzir a média mensal do Índice de Redistribuição total para 5%, no 1º Semestre de 2011; Elevar para 4 (quatro) pontos o grau de satisfação dos servidores no ambiente de trabalho, na média das dimensões em 2011, na escala de 1 a 5; Elevar a média semestral do percentual de eventos de capacitação para 40 horas semanais; Elevar a média mensal de ações de melhorias implantadas para 5 (cinco). REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 1 de 13

2 Desenvolvimento O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, com sede na Capital Federal, compõe-se de trinta e cinco desembargadores e exerce sua jurisdição no Distrito Federal e nos Territórios Federais. O Projeto de Sistema de Gestão da Qualidade com Certificação ABNT NBR ISO 9001:2008 PGQ consiste em ação Institucional que incorporou o Plano de Gestão do Biênio - PLABI 2008/2010, cuja elaboração foi orientada pelo Plano Estratégico do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, instituído por meio da Portaria Conjunta nº 14/2007 e aprovado pela Administração Superior deste Tribunal. Pretendeu-se, notadamente, cumprir as exigências de conformidade com os requisitos da Norma anteriormente citada, tendo como norte a missão do Tribunal de Justiça e do Distrito Federal de Proporcionar à sociedade do Distrito Federal e dos Territórios o acesso à Justiça e a resolução dos conflitos, por meio de um atendimento de qualidade, promovendo a paz social, bem como a Visão estabelecida de até 2016 apresentar resultados que reflitam o aumento da produção, eficiência e qualidade em nossa atuação. Desta forma, esse projeto almeja dar continuidade ao padrão de excelência na Prestação Jurisdicional do TJDFT, demonstrando o compromisso público em atender as necessidades e expectativas da sociedade do Distrito Federal. Os clientes externos das atividades abrangidas pelos escopos são os advogados, partes e a comunidade em geral, enquanto os clientes internos são os Gabinetes dos Desembargadores para os escopos da Secretaria Judiciária e as unidades organizacionais do TJDFT para o escopo da Ouvidoria Geral. Os escopos do Sistema de Gestão da Qualidade do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios TJDFT abrangem: - NA SECRETARIA JUDICIÁRIA: Autuação e Distribuição de Processos da Primeira Instância em Grau de Recurso, nas Classes Apelação Cível e Apelação Criminal; Autuação e Distribuição de Petições de Processamento Originário, nas Classes Mandado de Segurança e Habeas Corpus. - NA OUVIDORIA GERAL: Acolhimento, Sistematização e Tratamento das Percepções dos Usuários quanto aos Serviços Prestados pelo TJDFT. REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 2 de 13

3 ORGANOGRAMA DAS UNIDADES ABRANGIDAS PELOS ESCOPOS: JUSTIFICATIVA A implementação de Sistema de Gestão da Qualidade neste Tribunal estará em consonância com a contínua modernização e fortalecimento institucional, gerando maior eficiência e eficácia das ações de controle dos trabalhos desenvolvidos nas rotinas de 2ª Instância objeto da certificação ora proposta, com vistas a contribuir para a efetiva, regular e transparente gestão dos recursos processuais em benefício da sociedade. Estima-se pela manutenção e evolução dos objetivos de celeridade dos serviços, satisfação dos usuários, eliminação de desperdícios, racionalização de procedimentos, desenvolvimento de trabalhos em equipe, valorização dos servidores, melhoria das condições de trabalho e do investimento dos recursos públicos, bem como pelo aumento da credibilidade institucional por meio do reconhecimento em âmbito nacional de suas atribuições. A execução desse projeto reflete a busca constante pelo aperfeiçoamento do controle de processos, progressão na padronização interna dos trabalhos, melhoria da organização interna, aumento da confiança dos jurisdicionados, capacitação dos servidores, aprimorando a prestação de serviços por esta Casa de Justiça. Preliminarmente, o Projeto de Sistema de Gestão da Qualidade com Certificação PGQ constituiu-se de duas etapas voltadas à Secretaria Judiciária: Implementação e Certificação. Implementação Nesta etapa foi realizado diagnóstico por meio de consultoria especializada para auxiliar na identificação do escopo da certificação que, por sua vez, deve estar vinculado e em harmonia com objetivos estratégicos do Tribunal; execução das atividades e tarefas necessárias para adequação das rotinas judiciárias de 2ª Instância aos requisitos da Norma ; bem como ao nivelamento de conhecimentos a respeito do processo e importância REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 3 de 13

4 de um Sistema de Gestão da Qualidade. Esta etapa constitui-se de 05 (cinco) fases, a saber: Diagnóstico, Estruturação, Implantação, Auditoria Interna e Preparação para as auditorias externas. Certificação Nesta etapa foram realizadas a avaliação e certificação de conformidade do Sistema de Gestão da Qualidade implantado, por entidade certificadora devidamente credenciada, conforme os requisitos da citada norma. PRODUTOS, RESULTADOS E MELHORIAS OBTIDAS Cabe ressaltar ainda que a Administração desta Casa deliberou pela aquisição de máquinas numeradoras automáticas que promovessem a numeração automática das folhas integrantes dos Processos Judiciais. Com isso conquistou-se ganho de tempo bastante significativo na preparação das atividades, o que gerou a autuação de um número maior de Processos no mesmo período, além da redução de desgaste físico e emocional dos servidores envolvidos na realização dessas atividades. Ainda em decorrência da mencionada aquisição, foi realizada alteração do fluxo das rotinas o que imprimiu maior celeridade na prestação dos serviços. Além disso, produziu-se a documentação do Sistema de Gestão da Qualidade e foram realizados eventos de capacitação necessários à execução do Projeto. A documentação do Sistema de Gestão da Qualidade foi validada pelo Comitê da Qualidade em 1º de dezembro de 2009 e encontra-se disponível para acesso a todos os servidores por meio da Intranet deste Tribunal, no link Gestão da Qualidade, localizado no menu Institucional. Os Procedimentos Documentados fornecem informações sobre como realizar as atividades relacionadas aos processos do Sistema de Gestão da Qualidade. As Instruções de Trabalho descrevem as rotinas de trabalho de cada Setor e fornecem informações sobre como realizar atividades operacionais no âmbito das Unidades Organizacionais abrangidas pelo escopo. Os Formulários subsidiam a operacionalização dos processos do Sistema de Gestão da Qualidade. O Manual da Qualidade fornece as informações sobre a estruturação do Sistema de Gestão da Qualidade da Secretaria Judiciária e sobre o atendimento aos requisitos da Norma. Com o intuito de capacitar os servidores do Núcleo da Qualidade, bem como aqueles que estão ligados às áreas do escopo, foram realizados vários eventos, dentre os quais se pode elencar: Seminário sobre o Sistema de Gestão da Qualidade, em 28 de maio de 2009; REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 4 de 13

5 Curso de Interpretação, Implementação e Certificação da Norma ABNT NBR ISO 9001:2008, nos dias 06 e 07 de julho de 2009; Curso de formação de auditores internos, nos dias 20 e 21 de outubro de 2009; Seminário de capacitação dos colaboradores em cumprimento aos requisitos da Norma, ocorrido nos dias 14 e 15 de dezembro de Seminário de preparação dos colaboradores para as auditorias externas, ocorrido nos dias 24 e 25 de fevereiro de Tais capacitações abrangeram 131 (cento e trinta e um) servidores que compõem a área do escopo dentre os quais: 9 (nove) pertencem o Núcleo da Qualidade e 6 (seis) o Comitê da Qualidade, Representante da Direção e Gestores das Áreas e colaboradores. DA CERTIFICAÇÃO A fim de obter a Certificação ao final do processo de implantação do Sistema de Gestão da Qualidade, fez-se necessário que um Organismo Certificador devidamente credenciado junto ao INMETRO fosse contratado para executar auditorias com o objetivo de verificar se este E. Tribunal atendeu aos requisitos da norma, assim como proceder aos serviços de Auditoria de Manutenção anual dos certificados obtidos. O Instituto Falcão Bauer da Qualidade foi responsável por realizar procedimentos de certificação do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, e sua posterior aprovação, em conformidade com a Norma. Para isso, foram executados os seguintes passos: - Auditoria de Pré-Certificação, ocorrida nos dias 03 e 04 de Março de 2010; - Auditoria de Certificação, ocorrida em duas fases: Fases 01: 15 de Março de 2010 Fase 02: 23 a 26 de Março de 2010 Após a conclusão satisfatória da Auditoria de Certificação, foram emitidos pelo Organismo Certificador Credenciado, Certificados de Conformidade atestando que o Sistema de Gerenciamento do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios está de acordo com os padrões nos quais foi baseada tal auditoria. A Solenidade de entrega do Certificado ISO 9001:2008 aconteceu em 16 de abril de 2010, no Salão Nobre do TJDFT. DA AMPLIAÇÃO DO SISTEMA Em Abril de 2010 a Presidência desta Casa autorizou que fosse iniciado projeto de implantação do Sistema de Gestão da Qualidade no ambiente da Ouvidoria, REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 5 de 13

6 objetivando ampliar e consolidar o processo de melhoria contínua deste TJDFT, tendo em vista a Certificação ISO 9001:2008, obtida no âmbito da Secretaria Judiciária. Diante dessa decisão, foram adotadas as providências necessárias visando à implementação requerida. Assim, iniciaram-se os trabalhos relativos à implementação e posterior certificação do Sistema de Gestão da Qualidade na Ouvidoria Geral deste Tribunal. Foram realizados alguns eventos de capacitação para os servidores e gestores da Ouvidoria, dentre os quais se pode destacar o Seminário de Sensibilização dos servidores da Ouvidoria Geral do TJDFT; Capacitação em requisitos da ABNT NBR ISO 9001:2008 para servidores da Ouvidoria Geral e do Núcleo da Qualidade da Secretaria Geral; Análise de indicadores, tratamento de não-conformidades e melhoria contínua; Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade: requisitos. Também foram elaboradas 8 (oito) Instruções de Trabalho relativas aos processos de trabalho da Ouvidoria, bem como alteração da documentação para contemplar a ampliação do escopo. IMPLANTAÇÃO DE INDICADORES DE MEDIÇÃO E MONITORAMENTO Foram previstos e implantados os indicadores e metas listados abaixo para o escopo da SEJU e em relação à ampliação do sistema no escopo da Ouvidoria- Geral. A primeira medição ocorreu em fevereiro de Os dados abaixo refletem índices aferidos até Julho de 2011, correspondentes à terceira medição. Índice de Satisfação dos Usuários Externos Este índice monitora o número de reclamações de usuários referente aos processos judiciais do escopo em relação ao número total de manifestações relativas à Secretaria Judiciária SEJU. As categorias de manifestações recebidas são: Reclamações, Dúvidas, Sugestões, Denúncias, Elogios e Outros. Método de Cálculo: [1 (Total de Reclamações/Total de Manifestações)] x 100. Periodicidade é semestral. Linha de Base: 06 (seis) reclamações ao total de treze manifestações correspondendo a 54% de satisfação. Meta: Aumentar o índice de satisfação para 60% em 01 ano. RESULTADO: 01 (uma) reclamação no total de 04 (quatro) manifestações correspondendo a 75% de satisfação. Tempo Médio de Autuação e Distribuição Processual Tempo médio entre o procedimento de autuação e de distribuição de acordo com a espécie de processos judiciais. REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 6 de 13

7 Método de Cálculo: Média ponderada do tempo entre autuação e distribuição, estratificada por espécies de processos judiciais. Periodicidade é mensal. Linha de Base: 48 horas. Meta: Reduzir o tempo médio de autuação, cadastro e distribuição processual do HBC, do MSG, da Apelação Criminal e da Apelação Cível em 10%, no 1º Semestre de RESULTADO: a medição desse indicador considerou dois grupos de comparação: 01) comparou-se o período da primeira medição, e da terceira medição Sem Crítica, média da primeira aferição foi de 61,7h (com desvio padrão de 70,3h). A média da terceira medição é de 20,9h (com desvio padrão de 68h). 02) comparou-se o período da segunda medição com a terceira medição Com Crítica. A média da segunda medição foi de 2,4h (com desvio padrão de 2,5h) e da terceira foi de 6,9h (com desvio padrão de 2,8h). Os resultados referem-se à primeira, segunda e terceira medições. Para a primeira medição considerou-se o período seguido de 24h, sem exceções dos finais de semana, feriados e recessos. No sentido de aperfeiçoar essa medida, na segunda medição considerou-se o período de expediente forense no intervalo das 12h00 às 19h00. Para a terceira medição considerou-se o intervalo das 8h às 19h, em dias de expediente, excetuando-se os finais de semana, feriados e recesso no período. Índice de Conformidade Processual Refere-se ao percentual de processos distribuídos com acertos e não excluídos por mês. Método de Cálculo: Número de Processos Excluídos/Número Total de Processos Distribuídos. A Periodicidade é Mensal. Linha de Base: 99,67%. Meta: Manter a média semestral em 99%, em 2011 RESULTADO: 99,79% (março de 2010 a junho de 2011) ou 99,80% (janeiro de 2011 a junho de 2011). Os dados coletados compreendem o período entre os meses de Março de 2010 e Junho de 2011, dentre todos os processos distribuídos que fazem parte do escopo do SGQ (Apelação Cível, Apelação Criminal, Habeas Corpus e Mandado de Segurança). Observa-se que a média do Índice de Conformidade total foi de 99,79%,com desvio padrão de 0,63%. Para as Classes, observa-se que a maior média está entre as Apelações Cíveis (99,79%) e as Apelações Criminais (99,79%). O grau de conformidade referente a Habeas Corpus (HBC) apresentou uma média de 99,73% e o de Mandado de Segurança MSG, a média de 100%. REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 7 de 13

8 Os resultados mostram que há uma maior regularidade na Conformidade entre os APC s (DP=0,42%). A maior variabilidade está entre os Mandados de Segurança (DP=1,47%). Índice de Redistribuição Relação entre o número total de processos redistribuídos e o total de Processos Distribuídos por mês. Método de Cálculo: Total de Processos Redistribuídos/Processos Distribuídos. A Periodicidade é Mensal. Linha de Base: 5,43% de média mensal das quatro classes processuais do escopo Meta: Reduzir a média mensal do Índice de Redistribuição total para 5%, no 1º Semestre de RESULTADO: 6,24% (janeiro de 2011 a junho de 2011). Os dados mostram que os processos de Apelação Cível (APC) apresentam o menor índice de redistribuição (0,94%), seguidos dos processos de Apelação Criminal (APR), em torno de 1,12%. Para os processos das classes Mandado de Segurança (MSG) e Habeas Corpus (HBC), a média sobe para 4,06% e 11,73% respectivamente. Grau de Satisfação dos Servidores no Ambiente de Trabalho Refere-se a percepção dos servidores da Secretaria Judiciária relativa a cinco dimensões: comprometimento com o trabalho, prática e valores das equipes, práticas gerenciais, suporte e políticas organizacionais. Método de Cálculo: Média simples do grau de concordância apontado pelos servidores/magistrados em cada uma das questões associadas às respectivas dimensões. A Periodicidade é Anual. Linha de Base: 3,86 de média das dimensões Meta: Elevar para 4 pontos o grau de concordância na média das dimensões em 2011, na escala de 1 a 5. RESULTADO: Nas três primeiras dimensões - comprometimento com o trabalho, equipe de trabalho, práticas gerenciais, o grau de concordância está entre 88,4% e 76,3%, evidencia-se os maiores índices de concordância. Observa-se que nas duas últimas dimensões Suporte Organizacional e Políticas Organizacionais encontramse os menores índices de concordância, 58,8% e 33%. Quantidade de Horas de Capacitação de Servidores Refere-se ao número de horas de capacitação em serviço realizadas pelos servidores. REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 8 de 13

9 Método de Cálculo: Total de horas de treinamento em serviço dividido pelo total de horas trabalhadas. A periodicidade é Mensal. Linha de Base: 31,3 hs, desvio padrão foi de 39,3 horas. Meta: Elevar a média semestral do percentual de eventos de capacitação para 40 horas semanais RESULTADO: 21%. Para a obtenção desses valores foram considerados apenas os dias úteis, e o período de horas trabalhadas foi de 40 horas semanais. As listas de presenças dos eventos de capacitação serviram de base para a coleta de dados. Quantidade de Ações de Melhorias implantadas Quantidade de Ações de Melhoria Implantadas nas diversas áreas do escopo. Método de Cálculo: Número de ações de melhoria implantadas. A periodicidade é trimestral. Linha de Base: 26 melhorias implantadas em 08 meses. Equivale a uma média mensal de 3,25. Meta: Elevar a média mensal para 5 (cinco) melhorias. RESULTADO: 63 melhorias implantadas em 18 meses. Equivale a uma média mensal de 3,5. A fonte de dados foram os Registros de Ação de Melhorias. O critério para indicar a implantação foi a data da verificação da implantação da ação. O universo dos dados são as áreas do escopo. Os dados compilados compreendem o período entre os meses de Fevereiro de 2010 a Julho de Os tipos de melhorias se referem à Documentação do SGQ, ao Sistema de Informática, a Medição e Monitoramento do SGQ e a melhoria no procedimento de trabalho. Tempo Médio para o Primeiro Atendimento da Ouvidoria Geral Refere-se à média de dias decorridos para o primeiro retorno da Ouvidoria à demanda do usuário. Método de Cálculo: Média aritmética do número de dias úteis transcorridos entre a entrada da ocorrência e o primeiro contato realizado com o usuário, excluídas as ocorrências encerradas sem retorno. A periodicidade é mensal. Linha de Base: 5 dias (Resolução nº 25, de 13/12/2010). Meta: 3 dias úteis. RESULTADO: 2,19 dias. Os dados compilados compreendem o período entre os meses de Agosto de 2010 a Junho de 2011, resultando em 2,19 dias úteis, com desvio padrão de 0,40. REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 9 de 13

10 Índice de Satisfação dos Usuários Externos (Ouvidoria Geral) É a proporção de usuários externos satisfeitos, neutros e insatisfeitos acerca da satisfação global, pelos séricos prestados pela Ouvidoria Geral. Método de Cálculo: Entrevista, semanal, por telefone, com a amostra selecionada aleatoriamente pelo Sistema - SISOUV utilizando-se questionário com perguntas fechadas e respostas de satisfação dimensionadas em escala de 1 a 5. A periodicidade é mensal. Meta: 66%. RESULTADO: os números obtidos de janeiro a março revelam uma oscilação entre os índices de 72 e 90 por cento de satisfação em relação aos serviços prestados pela Ouvidoria. Em abril e maio, o índice de respondentes que atribuíram conceitos 4 e 5 ficou na casa dos 70%. Em junho, percebe-se elevação do índice que atingiu 79%. Esse dado evidencia manutenção de um bom nível de satisfação quanto aos serviços prestados pela Ouvidoria (média de 77% no semestre). CUSTOS DO PROJETO Prestação de Serviços de Consultoria Técnica: Realização de Diagnóstico, Desenvolvimento e Implementação do Sistema de Gestão da Qualidade, com base nos requisitos da Norma ABNT NBR ISSO 9001:2008. Atual Consultoria Organizacional e Soluções Inovadoras Ltda Nos escopos da Secretaria Judiciária: Fases de Diagnóstico, Estruturação, Implantação, Auditoria Interna e Preparação para Auditorias Externas no valor de R$58.400,00 (cinqüenta e oito e quatrocentos reais). Na manutenção dos Escopos da SEJU e incorporação do Escopo da Ouvidoria- Geral: R$14.300,00 (quatorze mil e trezentos reais). Contratação de Organismo de Certificação de Sistemas Instituição acreditada pelo INMETRO, com o objetivo de Certificar o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) implantado no TJDFT, com base na Norma, assim como realizar os serviços de Auditoria de Manutenção anual dos certificados obtidos. Instituto Falcão Bauer da Qualidade IFBQ: Escopos da SEJU no valor de R$14.000,00 (quatorze mil reais). Acréscimo da Ouvidoria-Geral no valor de R$3.150,00 (três mil, cento e cinqüenta reais). REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 10 de 13

11 ANEXO I - Cópia do Certificado de Conformidade REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 11 de 13

12 CONCLUSÃO A ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que determinam um modelo de gestão para as organizações em geral. Essas normas estabelecem requisitos que auxiliam na melhoria de processos internos, na maior capacitação dos colaboradores, no monitoramento do ambiente de trabalho, na verificação da satisfação dos jurisdicionados, colaboradores e fornecedores, em um processo contínuo de melhoria de um sistema de gestão da qualidade. O projeto iniciado em 2008 tinha como objetivo dotar a Secretaria Judiciária de mecanismos eficientes e eficazes na implantação e manutenção da Gestão da Qualidade, a fim de atender aos requisitos da Norma. No decorrer da execução do projeto foi desenvolvida, avaliada e mantida a Política da Qualidade, qual seja: Nosso compromisso é com a melhoria contínua e a eficácia dos processos, bem como o atendimento aos requisitos regulamentares e legais aplicáveis, objetivando aprimorar a qualidade da prestação jurisdicional de 2º grau e a satisfação das partes interessadas. A Presidência instituiu, por meio de atos normativos, a composição e as atribuições do Comitê de Gestão da Qualidade e do Núcleo da Qualidade da Secretaria Geral. O Núcleo da Qualidade da Secretaria Geral, em conjunto com as áreas do escopo, elaborou a documentação do sistema, e mediante validação pelo Comitê de Gestão, possibilitou seu acesso a todos os servidores por meio da Intranet deste Tribunal. Foram elaborados e revisados, o Manual da Qualidade, o Manual de Cargos e Funções, 21 (vinte e uma) Instruções de Trabalho referentes às áreas do escopo, 05 (cinco) Procedimentos Documentados, 31 (trinta e um) Formulários, além dos registros de comprovação das atividades executadas. Uma das principais práticas do Sistema de Gestão consiste no preenchimento de registro de ocorrência quando da identificação da oportunidade de melhoria ou de situações indesejáveis, para a adoção de medidas de correção. Posteriormente é investigada a causa do problema, sendo elaborado um plano de ação com a definição de atividades, seus responsáveis e os prazos de implantação. Até o momento foram abertos, pelas áreas integrantes do sistema, 647 (seiscentos e quarenta e sete) Registros de Ocorrência, 124 (cento e vinte e quatro) Registros de Não-Conformidade, 95 (noventa e cinco) Oportunidades de Melhoria, 21 (vinte e um) Registros de Ação Preventiva, e 28 (vinte e oito) Registros de Ação Corretiva, sendo que 96% (noventa e seis por cento) dos planos de ação implantados foram eficazes. REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 12 de 13

13 Dentre os indicadores desenvolvidos no projeto, vale à pena registrar o Índice de Conformidade Processual de 99,67% para os escopos da SEJU, e o Indicador de Prazo Médio para o Primeiro Atendimento da Ouvidoria Geral, em 2,19 dias úteis. Mensalmente as áreas do escopo avaliam as situações que geraram retrabalho, analisam dados e encaminham propostas. O desempenho do Sistema de Gestão da Qualidade é analisado criticamente pelo Comitê de Gestão para que seja assegurada sua contínua pertinência, adequação e eficácia. Para a obtenção da Certificação foi contratado por este Tribunal um organismo certificador credenciado junto ao INMETRO, para a realização de auditorias de certificação e de duas auditorias anuais de manutenção. E em março de 2010, foi alcançada com louvor a certificação ISO 9001:2008 e em abril do mesmo ano, a Presidência deliberou pela ampliação do projeto para o ambiente da Ouvidoria Geral. Em março do corrente ano, a auditoria externa do IFBQ atestou a conclusão do primeiro ciclo de manutenção da certificação para os escopos da Secretaria Judiciária e a certificação para o escopo da Ouvidoria Geral, culminando na emissão de Certificados de Conformidade em 07 de Abril e solenidade de entrega em 11 de maio de Para conquistar esta certificação foi necessário executar ações que atendessem os requisitos da norma ISO 9001: padronização de todos os processos chaves do negócio, processos que afetam o produto e consequentemente o cliente, no nosso caso o advogado e a parte; monitoramento e medição dos processos de execução para assegurar a qualidade do produto/serviço, através de indicadores de performance e desvios; implementação e manutenção dos registros adequados e necessários para garantir a rastreabilidade do processo; inspeção de qualidade e meios apropriados de ações corretivas quando necessário; e revisão sistemática dos processos e do sistema da qualidade para garantir sua eficiência e eficácia. Consignamos que atualmente o Sistema de Gestão da Qualidade encontra-se em seu segundo Ciclo de Manutenção nos escopos da Secretaria Judiciária, bem como no escopo da Ouvidoria Geral. A Segunda Auditoria de Manutenção está prevista para ocorrer em Março e Abril de 2012, de maneira a assegurar que o Sistema de Gestão da Qualidade do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios permaneça de acordo com os padrões dentro dos quais foi certificado. O prazo de validade da Certificação é de 03 (três) anos, com vigência até a data de 29 de Março de Brasília, 12 de Agosto de REL MQ 001 Revisão 01 Vigência 12/08/2011 Página 13 de 13

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk

Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk Identificação do Órgão/Unidade:Tribunal Superior Eleitoral/STI/COINF/SEPD Service Desk E-mail para contato: supervisao@tse.gov.br Nome trabalho/projeto: Suporte em TI baseado em sistema de gestão da qualidade

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DA QUALIDADE 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTRO 2. CONTROLE DE DOCUMENTOS

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação Criado por Aprovado por Analisado criticamente por Wilker Bueno de Freitas Rosa Luiz Mauro de Pádua Silveira Comitê da Qualidade 1 - SGQ- Sinfo A Superintendência de Informática Inserida dentro do quadro

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!!

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! Revisão 06 de 08/02/2011 CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ A Cartilha do Sistema de Gestão da

Leia mais

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, Dispõe sobre a Política de Segurança da Informação no âmbito do Tribunal Regional do Trabalho da 11ª. Região. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 11ª. REGIÃO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Assessoria de Planejamento de Modernização do Poder - APMP Divisão de Estatística do Tribunal de Justiça - DETJ Assessoria de Planejamento

Leia mais

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça.

Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Diretoria Geral de Planejamento, Coordenação e Finanças (DGPCF) 0301- Tribunal de Justiça. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA - PROPOSTA 2016 UNIDADE - UO 0301 PROGRAMA PROGRAMA Garantir o pagamento pelo efetivo serviço exercido por magistrados e servidores, bem como as obrigações de responsabilidade do

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 1 / 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1 REQUISITOS GERAIS... 4 4.2 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 59, DE 14 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre alterações no Manual de Atribuições da Seção Judiciária do Paraná e estabelece outras providências. O VICE-PRESIDENTE, NO EXERCÍCIO DA PRESIDÊNCIA DO

Leia mais

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana.

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana. Data Revisão Página Código 11/04/2014 03 1 / 22 MQ-01 Referência MANUAL DA QUALIDADE TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE Escrital Contabilidade Rua Capitão Otávio Machado, 405 São Paulo/SP Tel: (11) 5186-5961 Site:

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

1º passo 2º passo 3º passo

1º passo 2º passo 3º passo 1º passo 2º passo 3º passo Planejamento Estratégico: Missão e Visão Aplicação do Programa 5S Elaboração do Mapa de Processos 4º passo 5º passo Definição da Política da Qualidade e Escopo Grupos de Trabalho

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

Indicadores - Perspectiva Sociedade

Indicadores - Perspectiva Sociedade Indicadores - Perspectiva Sociedade Fortalecer a imagem institucional da Justiça do Trabalho IMAGEM ORGANIZACIONAL GRAU DE CONFIANÇA NA JUSTIÇA DO TRABALHO Mede o grau de confiança dos advogados e partes

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA

A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA A EXPERIÊNCIA DO TRT DA 10ª REGIÃO NA IMPLANTAÇÃO DA GESTÃO ESTRATÉGICA Fabiana Alves de Souza dos Santos Diretora de Gestão Estratégica do TRT 10 1/29 O TRT da 10ª Região Criado em 1982 32 Varas do Trabalho

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001:2008 ERRATA 1 Publicada em 11.09.2009 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos ERRATA 1 Esta Errata 1 da ABNT NBR ISO 9001:2008 foi elaborada no Comitê Brasileiro da

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Manual da Qualidade. 1. Introdução

Manual da Qualidade. 1. Introdução Criado por Aprovado por Analisado criticamente por Wilker Bueno de Freitas Rosa Luiz Mauro de Pádua Silveira Comitê da Qualidade 1. Introdução 1.1 Histórico A origem da instituição Ministério Público é,

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 2015 Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 Texto traduzido e adaptado por Fernando Fibe De Cicco, Coordenador de Novos Projetos do QSP. Outubro de 2015. Matrizes de correlação entre a ISO

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

MGQ.422-03. Manual da Qualidade. Diretoria de Gestão e Tecnologia da Informação

MGQ.422-03. Manual da Qualidade. Diretoria de Gestão e Tecnologia da Informação Diretoria de Gestão e Tecnologia da Informação MGQ.422-03 O presente manual tem por objetivo descrever o Sistema de Gestão da Qualidade, onde é definida sua organização, responsabilidades, relações entre

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC

Planejamento Estratégico de TIC Planejamento Estratégico de TIC Tribunal de Justiça do Estado de Sergipe 2010 a 2014 Versão 1.1 Sumário 2 Mapa Estratégico O mapa estratégico tem como premissa de mostrar a representação visual o Plano

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02

Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 1 de 30 16/11/2015 15:16 Diagnóstico da Governança - Práticas de Gestão Recomendadas v02 Prezado(a) Como o OBJETIVO de apurar o nível de maturidade em governança da Justiça Federal, foi desenvolvido instrumento

Leia mais

ASSUNTOS PARA OS ENCONTROS ADMINISTRATIVOS

ASSUNTOS PARA OS ENCONTROS ADMINISTRATIVOS ASSUNTOS PARA OS ENCONTROS ADMINISTRATIVOS SEPAD Secretaria de Padronização e Acompanhamento da Gestão Judiciária Estrutura antiga do TJ: Secretária Valéria Valle Vianna A área judiciária era orientada

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

IMPLEMENTAR O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (SIGA) EM UNIDADES PRESTADORAS DE JURISDIÇÃO PLANO DO PROJETO

IMPLEMENTAR O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (SIGA) EM UNIDADES PRESTADORAS DE JURISDIÇÃO PLANO DO PROJETO PLANEJADO BÁSICO IMPLEMENTAR O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO (SIGA) 1. Escopo ou finalidade do projeto O objetivo do projeto é criar um processo simplificado de implementação gradual dos elementos de gestão

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 1 / 27 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1 REQUISITOS GERAIS... 4 4.2 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 293/GP, DE 23 DE ABRIL DE 2013. (*) Regulamenta a gestão do conteúdo do Portal do Tribunal Superior do Trabalho, institui o seu Comitê Gestor e dá outras

Leia mais

ISO 9000 para produção de SOFTWARE

ISO 9000 para produção de SOFTWARE ISO 9000 para produção de SOFTWARE A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de gestão da qualidade para organizações em geral, qualquer que seja o seu tipo ou

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1.

INDICADORES E METAS DO TRT7 OBJETIVO ESTRATÉGICO TRT 7ª REGIÃO Nº.1. 34 Os indicadores são índices utilizados para aferir resultados. O TRT da 7ª Região adotou indicadores aferidos pelo CNJ e criou outros considerados relevantes para o processo decisório da gestão institucional,

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 035/2015

R E S O L U Ç Ã O Nº 035/2015 R E S O L U Ç Ã O Nº 035/2015 Aprova o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação do Poder Judiciário do Estado de Sergipe para o período de 2015 a 2020. O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob)

Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) 1/7 Relatório da estrutura de gerenciamento de riscos do Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (Sicoob) Módulo I Apresentação 1. Com a finalidade de promover a harmonização, a integração e a racionalização

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação

Anexo III. Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 1 de 14 Anexo III Nível de Qualidade dos Serviços Metodologia de Avaliação 2 de 14 ÍNDICE 1 OBJETIVO DO DOCUMENTO... 3 2 REFERENCIAL TEÓRICO PARA DEFINIÇÃO DAS MÉTRICAS... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

Plano Estratégico do TJDFT 2010-2016

Plano Estratégico do TJDFT 2010-2016 Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Secretaria de Planejamento e Gestão Estratégica Plano Estratégico do TJDFT 2010-2016 Atualizado pela Portaria GPR 209

Leia mais

ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 16ª REGIÃO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO QUALIFICAR

ESCOLA JUDICIAL DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 16ª REGIÃO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO QUALIFICAR PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO QUALIFICAR CALENDÁRIO DE CURSOS EXERCÍCIO 2011 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2011-2015 PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO QUALIFICAR Escopo Capacitar magistrados e servidores em gestão

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MENONITA FACULDADE FIDELIS BACHARELADO EM TEOLOGIA

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MENONITA FACULDADE FIDELIS BACHARELADO EM TEOLOGIA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL MENONITA FACULDADE FIDELIS BACHARELADO EM TEOLOGIA OUVIDORIA REGULAMENTO CURITIBA 2012 Regulamento Ouvidoria Art. 1º Projeto de implantação da Ouvidoria nesta Faculdade apresentado

Leia mais

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16

1 APRESENTAÇÃO. Página 3 de 16 Sumário 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 4 3 PÚBLICO-ALVO DA GESTÃO ESTRATÉGICA... 4 4 INFORMAÇÕES SOBRE O MODELO DE GESTÃO ESTRATÉGICA DO TCE/RN... 5 4.1 DIRECIONADORES ESTRATÉGICOS... 5 4.2 OBJETIVOS

Leia mais

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22

ÍNDICE. Introdução 2. Missão 4. Visão de Futuro 5. Objetivos Estratégicos 6. Mapa Estratégico 7. Metas, Indicadores e Ações 8. Considerações Finais 22 ÍNDICE Introdução 2 Missão 4 Visão de Futuro 5 Objetivos Estratégicos 6 Mapa Estratégico 7 Metas, Indicadores e Ações 8 Considerações Finais 22 1 INTRODUÇÃO O Plano Estratégico do Supremo Tribunal de Federal,

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

Estabelecer critérios e procedimentos para a realização da gestão do Cartório de Juizado Especial Cível (JEC).

Estabelecer critérios e procedimentos para a realização da gestão do Cartório de Juizado Especial Cível (JEC). Proposto por: Equipe do Juizado Especial Cível Analisado por: Representante da Administração Superior (RAS coordenador) Aprovado por: Juiz de Direito Coordenador do SIGA/JEC 1 OBJETIVO Estabelecer critérios

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO)

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO) Página: 1 de 5 NOME DO PROCESSO: COMUNICAÇÃO COM O CLIENTE. SUBPROCESSO: Ouvidoria/sic, Serviço de Protocolo administrativo e Protocolo legislativo. 1. Objetivos do Processo. Razão da existência do processo;

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

MANUAL QUALIDADE. Este documento, quando impresso, será considerado cópia não controlada na ausência do carimbo Cópia Controlada.

MANUAL QUALIDADE. Este documento, quando impresso, será considerado cópia não controlada na ausência do carimbo Cópia Controlada. MANUAL DA QUALIDADE ÍNDICE 2 1. INTRODUÇÃO... 4 2. A INSTITUIÇÃO... 5 2.1. FUNDAMENTOS LEGAIS... 6 2.2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL... 7 Organograma da Câmara de Vereadores de Joinville... 8 3. ASPECTOS GERAIS

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 00 01 02 Emissão inicial. Alteração do representante da direção Inclusão de informação no item 4.2.2.3 (passo 8) SMD 147. Elaborado:

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA RELATÓRIO SINTÉTICO - CLIMA ORGANIZACIONAL 2014 Natal, outubro de 2014 DESEMBARGADOR PRESIDENTE ADERSON SILVINO JUÍZES RESPONSÁVEIS

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Ouvidoria-Geral do TJDFT Relatório Mensal Janeiro/2015

Ouvidoria-Geral do TJDFT Relatório Mensal Janeiro/2015 A Ouvidoria oferece dois produtos importantes no atendimento direto aos jurisdicionados: o fornecimento de informações e o tratamento de manifestações. Ouvidoria-Geral do TJDFT Relatório Mensal Janeiro/2015

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França

PALESTRA CONFEA. Ricardo Garcia França PALESTRA CONFEA Ricardo Garcia França OGU HOJE Ciclo que se encerra 40 Ouvidorias em 2002 para 165 em 2011; Investimento em criação de ouvidorias e capacitação PRIORIDADES Fortalecer sistema de Ouvidorias

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional.

Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Tema 1: Eficiência Operacional Buscar a excelência na gestão de custos operacionais. Garantir a economicidade dos recursos e a melhor alocação dos recursos necessários à prestação jurisdicional. Agilizar

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MOIRA CAROLINE COSTA ROSA COMPARATIVO ENTRE OS REQUISITOS DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO E AS NORMAS ISO :2008 E ISO :2004, APLICADO À INDÚSTRIA DE PRODUTOS PARA A SAÚDE

Leia mais