IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001:2008 EM UM LABORATÓRIO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA FEDERAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001:2008 EM UM LABORATÓRIO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA FEDERAL"

Transcrição

1 IMPLEMENTAÇÃO DA ISO 9001:2008 EM UM LABORATÓRIO DE UMA INSTITUIÇÃO PÚBLICA FEDERAL Eduardo Gomes Salgado (UNIFAL-MG) Lucas de Abreu Silveira (UNIFAL-MG) Luciana Azevedo (UNIFAL-MG) Empresas visam à padronização de seus processos buscando melhorias como diminuição de custos de produção, aumento da produtividade e maior satisfação dos clientes para que assim possam entrar no mercado competitivo.o método de pesquisa utiilizado para este trabalho foi o método de pesquisa-ação, onde o pesquisador e os integrantes do laboratório estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo.a pesquisa tem como objetivo a implementação de um Sistema de Gestão de Qualidade pela norma ISO 9001:2008 em um laboratório de uma instituição pública. O laboratório selecionado para a pesquisa foi o Laboratório de Análise Nutricional e Toxicológica in Vivo (LANTin).O trabalho teve como resultado parcial a implantação de tópicos do sistema de gestão de qualidade, porém não foi realizada a implantação de todos os requisitos, uma vez que o projeto esta em fase final de execução. Palavras-chaves: ISO 9001:2008; Laboratório de Análise Nutricional e Toxicológica in Vivo.

2 1. Introdução Antigamente, com a pouca quantidade de empresas, o mercado consumidor era submisso aos produtos/serviços que as mesmas desenvolviam, ou seja, tudo que era produzido era consumido pela escassez de oferta. Contudo, o ambiente empresarial vem passando por intensas mudanças nas últimas décadas, reflexo dos avanços tecnológicos e das buscas de otimização dos recursos para o aumento da agregação de valor aos produtos, a fim de prosperar e sobreviver (MELLO, SALGADO, SILVA, 2005), ocasionando um aumento na oferta de produtos/serviços. Frente ao cenário competitivo, microempresas de serviços vêm adotando sistemas de gestão da qualidade (SGQ) para seu fortalecimento no mercado (LOPES, JUDICE, 2009). As empresas perceberam que a gestão de qualidade constitui um fator importante que afeta as suas vantagens competitivas e sua sustentabilidade no mercado. O fato de essas empresas parecerem mais conscientes do que nunca na forma de gerenciar a qualidade é um resultado esperado devido às mudanças nos mercados globais, o rigor da legislação introduzida em muitos países, o progresso da tecnologia, especialmente no setor das comunicações, os numerosos escândalos trouxe à luz vários produtos e serviços oferecidos, a poluição ambiental e a reação dos consumidores a todos estes. Os consumidores estão mais exigentes e querem consumir produtos que carregam características dentro dos limites aceitáveis em termos de segurança e qualidade (FOTOPOULOS, PSOMAS, 2009). Um SGQ tem como principal objetivo aumentar a produtividade, reduzir custos e conquistar mercados, sendo um dos modelos de SGQ utilizados a ISO Segundo Yahya e Goh (2001), evidência empírica indica que muitas empresas são dirigidas por forças externas, tais como pressões de clientes, e os fatores relacionados com o mercado para obter o registro ISO. Para conquistar mercado as empresas devem produzir de acordo com os interesses dos clientes, que exigem qualidade sempre maior de seus produtos/serviços. A ISO (Internacional Organization for Standartization) estabelece padrões para se desenvolver um SGQ adequado, visando fixar normas internacionais para proteção das empresas, produtos/serviços e clientes. A ISO 9001 prevê uma forma de estruturar e gerenciar processos, de modo a buscar a satisfação dos clientes e buscar uma melhoria contínua da organização. 2. Objetivo O trabalho tem por objetivo geral apresentar a implementação do sistema de gestão de qualidade baseado na NBR ISO 9001:2008 no Laboratório de Análise Nutricional e Toxicológica in Vivo (LANTin). Sendo o objetivo específico propor um modelo para implementar o SGQ em outro laboratórios de órgãos públicos. 3. Revisão da Literatura 3.1 Qualidade O conceito de qualidade tem evoluído com o passar dos tempos de forma construtivista, pois à proporção em que evolui, produz modificações na percepção dos usuários, gerando a necessidade de atualização. Nos dias de hoje muito se tem indagado sobre o que pode significar realmente o termo Qualidade. A busca em tentar responder esta questão tem sido constante, sendo que alguns autores chegam a afirmar que a definição adotada pode influenciar consideravelmente na implantação de um chamado Sistema de Qualidade. 2

3 Sendo assim, pode-se notar que a preocupação de encontrar um conceito adequado faz-se necessária. Algumas definições de Qualidade são mostradas a seguir no quadro 1. Autor Ano Definição de Qualidade Feigenbaum 1993 Maneira de se gerenciar os negócios da empresa. O aprimoramento da qualidade só pode ser alcançado em uma empresa com a participação de todos, com a perfeita satisfação do usuário (Controle Total da Qualidade). Crosby 1990 Conformidade com especificações, com os requisitos do cliente. Deming 1990 Melhoria continua como motor da qualidade. A qualidade deve ter como objetivo as necessidades do usuário, presentes e futuras. Juran 1992 Qualidade é adequação ao uso. É a satisfação das aspirações do usuário. Ishikawa 1997 Rápida percepção e satisfação das necessidades do mercado, adequação ao uso dos produtos e homogeneidade dos resultados do processo (baixa variabilidade). Taguchi 1990 Qualidade de conformação, partindo do pressuposto de que o planejamento da qualidade identifica com precisão as necessidades dos clientes, é necessário garantir que o produto concebido é produzido em perfeita conformidade com o projetado. Fonte: adaptado de Oakland (1994, p. 15) Quadro 1: Definições de Qualidade Outra relevante definição seria a de Indicadores da Qualidade, pois estes indicadores são uma ferramenta necessária para a gestão de qualquer Sistema de Qualidade, já que é através deles que se pode comprovar a eficácia e os resultados da Qualidade em diversas áreas das organizações, possibilitando ainda a busca de melhorias contínuas, motivação e conscientização dos envolvidos. Segundo Gil (1992), Indicador de Qualidade é o termômetro que permite à administração entender o diálogo ambiente externo/empresa, particularmente aquele exercido entre as linhas de negócios e seus clientes/consumidores. Desta forma, a tomada de decisão pelos executivos das entidades é exercida com mais consciência e objetividade, no sentido do binômio lucro/superávit - continuidade operacional. Entre as diversas funções que podem ser definidas a respeito dos indicadores, pode-se concluir que as mais relevantes são: Transmitir as necessidades dos clientes, dar suporte à análise crítica dos resultados do negócio, às tomadas de decisão e ao planejamento, viabilizar o desdobramento das metas do negócio e contribuir para a melhoria dos processos e produtos da organização (TAKASHIMA, 1996). Segundo Paladini (2006) a visão estratégica da qualidade nasce a partir da concorrência. Conforme as indústrias foram sendo criadas, a concorrência entre elas foram aumentando, e assim a qualidade começou como forma de garantir que os clientes permanecessem na mesma indústria. Depois, a qualidade migrou para as organizações de serviços e, mais tarde, descobriu-se que se adapta perfeitamente às pessoas. A componente operacional no conceito da qualidade centra-se no empenho pela melhoria do processo produtivo, apresentando as ações de controle, onde os bons resultados dependem da forma como se acompanha o processo destinado a obtê-los, ou seja, da forma como se trabalha. As ações de controle possuem tanto vantagens quanto desvantagens. A seguir algumas delas serão listadas: Vantagens: 3

4 - resultados rápidos (quando ocorrem anormalidades que precisam ser rapidamente corrigidos); - exigência da cultura local (pessoas acostumadas ao trabalho sob disciplina, como por exemplo, no exército). Desvantagens: - o controle não agrega valor ao processo produtivo (melhorias no processo de controle não implicam melhorias no processo produtivo ou no produto); - o uso de ações de controle costuma ser compulsório (fazer funcionar um processo produtivo de forma adequada). 3.2 Gestão de Qualidade Gestão da qualidade é conjunto de atividades coordenadas para dirigir e controlar uma organização no que diz respeito à qualidade (ABNT, 2000). Pode-se resumir gestão da qualidade, como a forma de gestão de uma organização, definida pela alta direção, tendo como base as necessidades dos seus clientes, baseada na identificação de requisitos de qualidade do produto ou serviço, no estabelecimento de um planejamento para que esse padrão seja atingido e na constante busca pela melhoria, visando à satisfação dos clientes e a eficácia da organização. Os princípios de gestão da qualidade podem ser utilizados pela alta direção para conduzir a organização à melhoria do seu desempenho. Segundo a ABNT (2000), esses princípios são: Foco no cliente: Organizações dependem de seus clientes, e, portanto, é recomendável que atendam às necessidades atuais e futuras do cliente, os seus requisitos e procurem exceder as suas expectativas. Liderança: Líderes estabelecem a unidade de propósito e o rumo da organização. Convém que eles criem e mantenham um ambiente interno, no qual as pessoas possam estar totalmente envolvidas no propósito de atingir os objetivos da organização. Envolvimento de pessoas: Pessoas de todos os níveis é a essência de uma organização, e seu total envolvimento possibilita que as suas habilidades sejam usadas para o benefício da organização. Abordagem de processo: Um resultado desejado é alcançado mais eficientemente quando as atividades e os recursos relacionados são gerenciados como um processo. Abordagem sistêmica para a gestão: Identificar, entender e gerenciar os processos interrelacionados como um sistema contribui para a eficácia e eficiência da organização no sentido de esta atingir os seus objetivos. Melhoria contínua: Convém que a melhoria contínua do desempenho global da organização seja seu objetivo permanente. Abordagem factual para tomada de decisão: Decisões eficazes são baseadas na análise de dados e informações. Benefícios mútuos nas relações com os fornecedores: Uma organização e seus fornecedores são interdependentes, e uma relação de benefícios mútuos aumenta a capacidade de ambos de agregar valor. Segundo Ferreira (2006), a família das Normas ISO 9000 são modelos para construir um Sistema de Gestão de Qualidade. Norma é um documento estabelecido por consenso e 4

5 aprovado por um organismo reconhecido, que fornece, para uso comum e repetitivo, regras, diretrizes ou características para atividades ou resultados, visando à obtenção de um grau ótimo de ordenação em um dado contexto, que possui como finalidades: - garantia da qualidade externa: garantia a ser fornecida aos clientes de que a empresa que tem o sistema implantado e operacional possui condições de fornecer os produtos e serviços solicitados na qualidade, na quantidade e nos prazos acordados; - garantia da qualidade interna: oferecer à alta administração do fornecedor a certeza de que as operações e os processos internos estão sendo realizados conforme o planejado e que o processo de melhoria contínua está em andamento. A ISO 9001:2008, que é a norma que apresenta os requisitos para se ter um sistema de gestão da qualidade certificado. 3.3 Benefícios, Vantagens, desvantagens e dificuldades A ISO 9000 tem assumido uma posição de destaque na preferência dos empresários como forma de evitar desperdícios, aumentar a produtividade e eficiência, maior satisfação aos clientes e maior nível de organização interna da empresa (CAMFIELD, GODOY, 2004). Para Staines (2000), a implementação do SGQ em um hospital possibilitou a redução de redundâncias em processos e otimização de fluxos, economizando recursos. Ele também oferece uma ferramenta para controle de segurança e qualidade em um período de tremendos cortes financeiros. Por último, contribui para a credibilidade do hospital e da consciência, em um período de reestruturação e aumento da concorrência. Esses benefícios podem ser replicados, com certa adequação, a laboratórios voltados para a área de saúde. Segundo Camfield e Godoy (2004), alguns motivos pela aquisição da ISO por parte das empresas são: a padronização de processos, que gera uma maior organização das empresas, minimizando os erros, reduzindo custos e aumentando a qualidade de seus produtos; vantagem competitiva; maior eficácia dos processos; dentre outros. Conforme Magd (2008) entende-se que os benefícios mais importantes percebidos com a implementação ISO 9001 nas organizações são: melhoria da documentação; melhoria a eficiência do sistema de qualidade; instrução clara de trabalho/procedimentos e responsabilidades de trabalho, ajuda na seleção de fornecedores, melhora a qualidade do produto; ajuda a desenvolver a gestão da qualidade, e uma ferramenta promocional. No estudo realizado por Magd e Curry (2003) concluíram que as razões mais importantes para a certificação, foram os seguintes: "melhorar a eficiência do sistema de qualidade", "as pressões dos concorrentes/parceiros estrangeiros", "para manter/aumentar a quota de mercado", "para atender às demandas do governo" e "respeitar as exigências dos clientes". Dessa forma, podemos constatar que independentemente do tipo de organização e do país na qual a indústria esta localizada a ISO 9001 traz uma melhoria para a empresa e uma vantagem competitiva. Embora certas empresas tenham conseguido a certificação, elas tiveram dificuldades em sua implantação, como a falta de pessoal qualificado, o baixo envolvimento do pessoal, as resistências à mudança por questões culturais, muita burocracia e custo elevado para manter o certificado. 3.4 Método de Pesquisa O método de pesquisa utilizado foi o método de pesquisa-ação. O termo pesquisa se refere à produção de conhecimento e o termo ação se refere a uma modificação intencional da realidade. 5

6 A pesquisa-ação é um tipo de pesquisa com base empírica que é concebida e realizada em estreita associação com uma ação ou uma resolução de um problema coletivo e no qual os pesquisadores e os participantes da situação ou do problema estão envolvidos de modo cooperativo ou participativo (THIOLLENT, 2007). Segundo Coughlan e Coughlan (2002), pesquisa-ação é um termo genérico, que cobre muitas formas de pesquisa orientada para a ação e indica uma diversidade na teoria e na prática entre os pesquisadores usuários desse método, fornecendo amplo leque de opções para os potenciais pesquisadores para o que pode ser apropriado para suas questões de pesquisa. 3.5 Atividades Realizadas O projeto foi iniciado com o estudo da gestão da qualidade. Pode-se entender a respeito da perspectiva estratégica da qualidade, dos modelos normalizados de sistemas de gestão (conceitos e certificação: ISO 9001) e gerenciamento por processos. Para a execução dessa pesquisa foi definido um cronograma de atividades à serem realizadas durante o projeto. Iniciou-se o estudo com a perspectiva estratégica da qualidade. Para se entender a perspectiva estratégica da qualidade é necessário saber sobre visão estratégica. A visão estratégica pode ser divida em duas: uma visão espacial e uma visão temporal. A visão espacial visa mostrar a organização como um todo, assim como o ambiente onde ela esta inserida; já a visão temporal visa analisar variáveis que vão se alterando ao longo do tempo, como o progresso tecnológico e o gosto ou desejo de um grupo consumidor. A perspectiva estratégica da qualidade consiste em colocar a qualidade em um contexto, em geral de longo prazo, em que a qualidade não é vista de forma isolada, mas inserida em um modelo em que se consideram os aspectos essenciais da sobrevivência da organização e de como a qualidade os afeta e é por eles influenciada. A correta definição de uma forma de relacionamento da organização com o mercado e, mais em geral, com a sociedade (qualidade), é um mecanismo que conduz a um dado resultado (fator), qual seja uma postura inovadora (liderança) que garantirá a sobrevivência da organização (ação estratégica), assim temos a qualidade como fator de liderança estratégica. Em seguida partiu-se para o estudo de modelos normalizados de sistema de gestão. Aqui começamos com o estudo de sistema, que é o conjunto de partes coordenadas para realizar um conjunto de finalidades, sendo que é definido quando são caracterizados os objetivos globais e seus indicadores de desempenho, o ambiente ou as restrições externas, os componentes ou os subsistemas, seus recursos e sua administração. Então se estudou o gerenciamento por processos. A Figura 1 apresenta os processos do LANTin. 6

7 Figura 1: Definição dos processos no Lantin A ISO 9000:2008 implica em organizar as atividades em processos (mapear os processos) e as interações entre estes de forma a construir um sistema de qualidade, com o objetivo de satisfazer as necessidades e expectativas das partes interessadas, em especial do cliente. O modo para se identificar os processos críticos pode ser separada em duas etapas, a primeira é a identificação, avaliação e seleção dos processos prioritários, a segunda é a gestão e o aperfeiçoamento dos processos selecionados. Na primeira etapa, primeiro foi realizada a seleção dos objetivos estratégicos de referência, onde se estabelece os resultados desejados para o negócio. Em seguida, a seleção dos fatoreschave, que são um conjunto de condicionantes /variáveis críticas de sucesso necessárias e suficientes que permitem à organização perseguir e realizar os objetivos estratégicos de referência. Então, a seleção dos processos relacionados aos fatores-chave, sendo estes um conjunto de processo suficiente para atingir os objetivos. Por fim, a seleção dos processos prioritários, havendo para cada processo duas avaliações: a) o seu impacto sobre os negócios e b) a qualidade de seu desempenho. Na segunda etapa foi realizada a atribuição da responsabilidade do processo, onde o coordenador do processo é o responsável pelo desempenho de todo o processo e deve coordenar todas as funções que intervem no próprio processo a fim de assegurar que os resultados sejam adequados. Em seguida, o enquadramento do processo: primeiro deve-se identificar a missão do processo (razão pela qual existem, atividades que marcam o início e o fim do processo), e depois, identificar os macros indicadores do desempenho do processo. Após o enquadramento do processo, devem-se identificar as necessidades dos clientes e definir os indicadores de desempenho (estabelecer as necessidades esperadas e valorizadas pelos clientes para os produtos e serviços, definir os indicadores de desempenho correlacionados às necessidades dos clientes). Enfim, o registro do fluxo do processo, que 7

8 permite que sejam conhecidas com detalhes e profundidades todas as operações que ocorrem durante a fabricação de um produto ou a produção de um serviço. Após a leitura iniciou-se a produção de procedimentos operacionais padrão (pops). O primeiro a ser produzido foi o POP.LAB.005 Elaboração e Controle de Documentos, onde se explica o procedimento de definir e padronizar a forma de elaboração, editoração e controle dos documentos do Sistema da Qualidade, visando facilitar e agilizar o desenvolvimento e divulgação dos mesmos. A partir da elaboração do POP.LAB.005, outros POPs foram elaborados. Como os pops de manuseio de equipamentos do laboratório, que tem por objetivo definir diretrizes para a padronização do uso do equipamento. Dentre estes POPs temos: o POP.LAB.006 Manuseio da Estufa; o POP.LAB.007 Manuseio do Colorímetro; o POP.LAB.008 Manuseio do Destilador de Nitrogênio; o POP.LAB.009 Manuseio do Homogeneizador de Sangue; o POP.LAB.010 Manuseio do Refratômetro; o POP.LAB.011 Manuseio do Vórtex e o POP.LAB.012 Manuseio da Mufla. Foram desenvolvidos outros pops, como: - POP.LAB.013 Determinação da Quantidade de Lipídeos, que tem por objetivo definir diretrizes para a determinação da quantidade de lipídeo pelo método de Bligh Dayer; - POP.LAB.014 Determinação da Vitamina C pelo Iodeto de Potássio, cujo objetivo é definir diretrizes para a determinação de vitamina C ou ácido L-ascórbico, em alimentos in natura ou enriquecidos, quando a quantidade da referida vitamina for maior que 5 mg; - POP.LAB.015 Determinação do ph e Acidez Total Titulável, sendo que o objetivo é de definir diretrizes para a determinação do ph/ Acidez Total da Titulável (ATT); - POP.LAB.016 Quantificação de Umidade em Estufa a 105º C, cujo objetivo é definir diretrizes para a quantificação de umidade de amostras em estufa a 105 C; - POP.LAB.017 Determinação da Fração Proteica, cujo objetivo é definir diretrizes para a determinação de nitrogênio pelo método Kjeldahl, para quantificação da fração protéica no alimento; - POP.LAB.019 Quantificação de Cinzas, cujo objetivo é definir diretrizes para a quantificação de cinzas; - POP.LAB.020 Determinação de Sólidos Solúveis, cujo objetivo é definir diretrizes para a determinação de sólidos solúveis em amostras por refratometria; - POP.LAB.021 Atividade de Água (Aw), cujo objetivo é definir diretrizes para a determinação do teor de água não-ligada ou disponível em um alimento; - POP.LAB.022 Protocolo para Análises Bioquímicas, cujo objetivo é definir diretrizes para a padronização de protocolos para análises bioquímicas; - POP.LAB.023 Procedimento para a Preparação dos Cólons dos Animais, cujo objetivo é definir diretrizes para a padronização da preparação dos cólons dos animais; - POP.LAB.024 Procedimento do Teste do Cometa, cujo objetivo é definir diretrizes para a padronização do Teste do Cometa. Assim que esses pops foram elaborados, houve então a necessidade de registrá-los em um documento, sendo este registro o REG.LAB.004 Controle de Documentos, onde todos os pops elaborados estão registrados. 8

9 Com os pops prontos e documentados, elaboraram-se alguns indicadores de qualidade. Estes indicadores foram ordenados em um pop, o POP.LAB.004 Planejamento Estratégico da Qualidade, sendo que em seguida gráfico no excel foram feitos para os mesmos. Os indicadores elaborados são: - Índice de experimentos não-conformes: medido em termos percentuais em relação ao número de experimentos não-conformes pelo número de experimentos realizados no mês; - Índice de retrabalho: medido em termos do número de retrabalho realizado no mês; - Índice de requisições atendidas versus requisições feitas: medido em termos percentuais em relação ao número de requisições atendidas pelo número de requisições feitas no mês; - Índice de acidentes de trabalho: medido em quantidade de acidentes de trabalho no mês; - Índice de disponibilidade de equipamentos: medido em quantidade de dias em que o equipamento esta disponível na semana; - Índice de mortalidade de ratos: medido em termos de quantidade em relação ao número de ratos mortos; - Índice de produtos com validade vencida: medido em termos percentuais em relação ao número de produtos com a validade vencida pelo número de produtos; - Índice de pesquisas realizadas: medido em termos de quantidade do número de pesquisas realizadas no ano; - Índice de artigos submetidos: medido em termos de quantidade do número de artigos submetidos no ano; - Índice de artigos publicados: medido em termos de quantidade do número de artigos publicado no ano. Como o projeto ainda não foi finalizado, ou seja, não foi totalmente implementado o sistema de gestão de qualidade no laboratório, ainda falta alguns requisitos da norma ISO 9001:2008 a serem implementados até o final da pesquisa, como por exemplo: o manual da qualidade, a política da qualidade, o planejamento da qualidade, a análise crítica pela direção, dentre outros. Porém, os resultados apontam melhorias no laboratório após a implantação do sistema de gestão da qualidade. 4. Conclusão O objetivo foi atingido parcialmente, pois até o momento não foi totalmente implementado o Sistema de Gestão de Qualidade. Como o objetivo inicial não buscava a certificação, esperase que ao final do projeto a implementação esteja concluída. A implementação da ISO em um laboratório traz como benefício a utilização adequada dos equipamentos e materiais, diminuindo a taxa de erros em experimentos, aumentando assim a produtividade no laboratório. A principal dificuldade encontrada foi a não familiaridade com o laboratório, sendo que esta dificuldade foi vencida com a colaboração dos integrantes do laboratório, não havendo resistência, por parte dos mesmos, com relação à implementação. Como sugestão para trabalhos futuros temos a implementação em outros laboratórios na universidade dessa seqüência e em outros laboratórios na área de biotecnologia. Agradecimentos 9

10 Agradeço aos alunos João Paulo Lopes da Silva, Luana de Souza Morelini, Matheus Freire Silva, por auxiliarem no desenvolvimento desse trabalho. Agradeço também a PROBIC/UNIFAL-MG por auxiliar a pesquisa e a FAPEMIG (CAG-APQ ). Referências ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Sistemas de gestão da qualidade fundamentos e vocabulário: NBR ISO Rio de Janeiro, CAMFIELD, C. E. R.; GODOY, L. P.. Análise do cenário das certificações da ISO 9000 no Brasil: um estudo de caso em empresas da construção civil em Santa Maria RS. Revista Produção. v. 4, fev., COUGHLAN, P.; COUGHLAN, D.. Action research for operations management. International Journal of Operations and Productions Management. v. 22, n. 2, p , CROSBY, P. B.. Qualidade, falando sério. São Paulo: McGraw-Hill, DEMING, W. E.. Qualidade: a revolução da administração. Rio de Janeiro: Marques-Saraiva, FEIGENBAUM, A. V.. Total quality control. 3. ed. Nova York: McGraw-Hill, FERREIRA, J. J. A.. Modelos Normalizados de Sistemas de Gestão. Conceitos e Certificação: ISO 9001, ISO e TS In. PALADINI, E. P.; BOUER, G.; FERREIRA, J. J. A.; CARVALHO, M. M.; MIGUEL, P. A. C.; SAMOHYL, R. W.; ROTONDARO, R. G.. Gestão de Qualidade Teoria e Casos. Elsevier, 2006, cap. 5, p FOTOPOULOS, C., PSOMAS, E.. The use of quality management tools and techniques in ISO 9001:2000 certified companies: the Greek case. International journal of Productivity and Performance Management. v. 58, n. 6, p GIL, A. L.. Qualidade Total nas Organizações. São Paulo: Atlas, ISHIKAWA, K.. Controle de qualidade total à maneira japonesa. 6. ed. Rio de Janeiro: Campus, JURAN, J. M. The new steps for planning quality into goods and services. 3. ed, LOPES, A. L. M.; JUDICE, V. M. M.. Modelo, contexto e estratégia da implantação de sistema de qualidade baseado na NORMA ISSO 9001:2000 em uma microempresa. XXIX Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Salvador, BA, MAGD, H. A. E.. ISO 9001:2000 in Egyptian Manufacturing Sector: perceptions and perspectives. International Journal of Quality & Reliability Management. v. 25 n. 2, p , MAGD, H. AND CURRY, A.. An empirical analysis of management attitudes towards ISO 9001:2000 in Egypt. The TQM Magazine. v. 15, n. 6, p MELLO, C. H. P.; SALGADO, E. G.; SILVA, C. E. S.. A contribuição do gerenciamento de processos na implantação de Sistema de Gestão de Qualidade. XII SIMPEP Bauru, São Paulo, Brasil, OAKLAND, John S. Gerenciamento da Qualidade Total (TQM). São Paulo: Nobel, PALADINI, E. P.. Perspectiva Estratégica da Qualidade In. PALADINI, E. P.; BOUER, G.; FERREIRA, J. J. A.; CARVALHO, M. M.; MIGUEL, P. A. C.; SAMOHYL, R. W.; ROTONDARO, R. G.. Gestão de Qualidade Teoria e Casos. Elsevier, 2006, cap. 2, p STAINES, A.. Benefits of an ISO 9001 certification - the case of a Swiss regional hospital. International Journal of Health Care Quality Assurance. v.13, n.1, p , TAGUCHI, G.; ELSAYED, E. A.; HSIANG, T. C.. Engenharia da qualidade em sistemas de Produção. São Paulo: McGraw-Hill, TAKASHIMA, N. T.. Indicadores da qualidade e do desempenho conceitos, definições e gestão de resultados. Revista Decidir. n. 23, jun., THIOLLENT, M.. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, YAHYA, S.; GOH, W.. The implementation of ISO 9000 quality system. International Journal so Quality & Reliability Management. v. 18, n. 9, p ,

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade

FTAD. Formação Técnica em Administração de Empresas. Gestão da Qualidade FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Gestão da Qualidade Aula 5 O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Objetivo: Compreender os requisitos para obtenção de Certificados no Sistema Brasileiro de Certificação

Leia mais

Normas Série ISO 9000

Normas Série ISO 9000 Normas Série ISO 9000 Ana Lucia S. Barbosa/UFRRJ Adaptado de Tony Tanaka Conteúdo Conceitos principais A série ISO9000:2000 ISO9000:2000 Sumário Princípios de Gestão da Qualidade ISO9001 - Requisitos Modelo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Uma Abordagem por Processos Qualider Consultoria e Treinamento Instrutor: José Roberto A Evolução Histórica da Qualidade A Evolução Histórica da Qualidade ARTESANATO Qualidade

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho DEZ 2000 NBR ISO 9004 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: RiodeJaneiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009.

INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. INTRODUÇÃO E CAPÍTULO 1 (parcial) CARPINETTI, L.C.R., MIGUEL, P.A.C., GEROLAMO, M.C., Gestão da Qualidade: ISO 9001:2000, São Paulo, Atlas, 2009. Introdução Segundo as informações disponíveis no site do

Leia mais

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação?

Qual a diferença entre certificação e acreditação? O que precisamos fazer para obter e manter a certificação ou acreditação? O que é a norma ISO? Em linhas gerais, a norma ISO é o conjunto de cinco normas internacionais que traz para a empresa orientação no desenvolvimento e implementação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha

Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Treinamento Gestão da Qualidade - Cartilha Apresentação A AGM está se estruturando nos princípios da Qualidade Total e nos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2000, implantando em nossas operações o SGQ Sistema

Leia mais

As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000

As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000 As Perspectivas dos Sistemas de Gestão da Qualidade Baseados na Norma NBR ISO 9001:2000 Leonardo Rospi (UNIP Universidade Paulista) lrospi@terra.com.br Oduvaldo Vendrametto (UNIP Universidade Paulista)

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira

NBR ISO 9001:2008. Prof. Marcos Moreira NBR ISO 9001:2008 Sistema de Gestão da Qualidade Prof. Marcos Moreira História International Organization for Standardization fundada em 1947, em Genebra, e hoje presente em cerca de 157 países. Início

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011

ISO NAS PRAÇAS. Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade. Julho/2011 Oficina ISO 9001-2008 Formulação da Política da Qualidade Julho/2011 GESPÚBLICA Perfil do Facilitador Servidor de carreira que tenha credibilidade Bom relacionamento interpessoal Acesso a alta administração

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Certificação ISO Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Avanços em Medicina Laboratorial UNICAMP 2012 Introdução à Qualidade Não existem laboratórios

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Unidade I Conceito de Qualidade Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com UNIDADE I : Conceito de Qualidade 1.1 Qualidade de processo de software 1.2 Qualidade de produto de software UNIDADE

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008

Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Curso e- Learning Sistema de Gestão da Qualidade NBR ISO 9001:2008 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Dairton Lopes Martins Filho 1

Dairton Lopes Martins Filho 1 UTILIZAÇÃO DOS CONCEITOS DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA MELHORIA DO PROCESSO DE SOLICITAÇÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS DOS INTEGRANTES DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE MINAS GERAIS Dairton Lopes Martins Filho 1 RESUMO:

Leia mais

ISO 9001:2008 Item 6 - Gestão de Recursos

ISO 9001:2008 Item 6 - Gestão de Recursos SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2008 Item 6 - Gestão de Recursos Conceitos da Qualidade Qualidade Grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos Requisitos Necessidade

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA OBTENÇÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Daniela GIBERTONI 1 RESUMO A inovação tecnológica continua a ser um desafio para as empresas e para o desenvolvimento do país. Este

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho

Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho OUT/2000 PROJETO NBR ISO 9004:2000 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sistemas de gestão da qualidade Diretrizes para melhorias de desempenho Sede: Rio de Janeir o Av. Treze de Maio, 13 28º

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA CERTIFICAÇÃO ISO9001:2000 NO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA CERTIFICAÇÃO ISO9001:2000 NO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO IMPACTO DA CERTIFICAÇÃO ISO9001:2000 NO DESEMPENHO ORGANIZACIONAL Patricia Agnes Pereira da Silva (UNIFEI) paty_agnes@yahoo.com.br Paulo Henrique Paulista (UNIFEI) paulohpeca@yahoo.com.br

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria

DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria PPGE3M/UFRGS DISCIPLINA: Controle de Qualidade na Indústria Profa. Dra. Rejane Tubino rejane.tubino@ufrgs.br SATC 2013 Fone: 3308-9966 Programa da Disciplina Apresentação da disciplina Conceitos preliminares.

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando?

ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? ISO 9001:2015 Nova versão porque e quando? A publicação prevista para Novembro de 2015 tem como propósito refletir as mudanças no ambiente em que a norma é usada e garantir que a mesma mantenha-se adequada

Leia mais

ISO - International Organization for Standardization

ISO - International Organization for Standardization ISO - International Organization for Standardization ISO - Organização Internacional para Normalização: Genebra Suíça em 1947 120 países = 95% PIB Mundial Comitês técnicos e Comitês político Aprovação

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003

Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 4: ISO 9001 e ISO 90003 Capítulo 1: Introdução Capítulo 2: Conceitos Básicos Capítulo 3: Qualidade de Produto (ISO9126) Capítulo 4: ISO9001 e ISO90003 Capítulo 5: CMMI Capítulo 6: PSP Capítulo

Leia mais

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa

Gestão da qualidade. Prof. André Jun Nishizawa Gestão da qualidade Prof. Conceitos O que é qualidade? Como seu conceito se alterou ao longo do tempo? O que é gestão da qualidade e como foi sua evolução? Quem foram os principais gurus da qualidade e

Leia mais

Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado

Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado Etapas Necessárias para Implantação de um Sistema de Gestão Integrado Jonathan Lucas Schwambach Fernandes (FAHOR) jf000554@fahor.com.br Fernando Busanello (FAHOR) fb000982@fahor.com.br Magnus Luis Beilke

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos

Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos Sistemas Integrados de Gestão e Gerenciamento de Processos Augusto Mainieri Irene Szyszka 14/09/2004 Lucem Sistemas Integrados de Gestão - Direitos Reservados 1 Sistemas Integrados de Gestão Irene Szyszka

Leia mais

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas

Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Gestão da qualidade em serviços: um estudo de caso em microempresas do ramo de oficinas mecânicas Eunice Zucchi (CESCAGE) eunicezucchi@gmail.com Balduir Carletto (CESCAGE) bcarletto@uol.com.br Camila Lopes

Leia mais

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005):

Surgimento da ISO 9000 Introdução ISO 9000 ISO 9001 serviços 1. ABNT NBR ISO 9000:2000 (já na versão 2005): Surgimento da ISO 9000 Com o final do conflito, em 1946 representantes de 25 países reuniram-se em Londres e decidiram criar uma nova organização internacional, com o objetivo de "facilitar a coordenação

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!!

CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Olá!! Fique informado, leia a Cartilha do SGQ!!!!!! Revisão 06 de 08/02/2011 CARTILHA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ A Cartilha do Sistema de Gestão da

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 -

- Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - Seu parceiro na certificação - Revisão das normas ISO 9000 para o ano 2000 - DQS do Brasil 2002/06/12 Razões para a revisão (1) Razões formais: Protocolo da ISO (análise critica a cada 5 anos) ISO TC 176:

Leia mais

Total Quality Management. Prof. André Jun Nishizawa Capítulo 3

Total Quality Management. Prof. André Jun Nishizawa Capítulo 3 Total Quality Management Prof. Capítulo 3 Sumário Gerenciamento por processo Padronização Gerenciamento da rotina Gerenciamento pelas diretrizes Sistemas de gestão normatizados Auditorias da qualidade

Leia mais

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss Lab Management : a tool for competitiveness Celso Romero Kloss METROLOGIA NO DIA A DIA A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS A aceleração da história é também medido pelo tempo entre a descoberta de um processo tecnológico

Leia mais

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade

Qualidade na empresa. Fundamentos de CEP. Gráfico por variáveis. Capacidade do processo. Gráficos por atributos. Inspeção de qualidade Roteiro da apresentação Controle de Qualidade 1 2 3 Lupércio França Bessegato UFMG Especialização em Estatística 4 5 Abril/2007 6 7 Conceito de Qualidade Não há uma única definição. Melhoria da Empresa

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA SISTEMA DE GESTÃO PELA QUALIDADE TOTAL E PADRONIZAÇÃO NA EMPRESA Andréia Pereira da Fonseca, Unisalesiano de Lins, e-mail: andreia.fonseca@bertin.com.br Ariane de Carvalho Naya, Unisalesiano de Lins, e-mail:

Leia mais

INTRODUÇÃO À NORMA ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade. Estratégica Consultoria Empresarial Multidisciplinar

INTRODUÇÃO À NORMA ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade. Estratégica Consultoria Empresarial Multidisciplinar INTRODUÇÃO À NORMA ISO 9001 Sistemas de Gestão da Qualidade Estratégica Consultoria Empresarial Multidisciplinar O que é a ISO? Organização Internacional para Padronização História e Filosofia da ISO A

Leia mais

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência

Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Gestão da Qualidade: TQM e Modelos de Excelência Curso de Especialização em Gestão da Produção Prof. Dr. Jorge Muniz Jr. Prof. MSc. Artur Henrique Moellmann UNESP Universidade Estadual Paulista FEG Faculdade

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.3, n.4, julho-dezembro/2013 QUALIDADE TOTAL QUALIDADE TOTAL Fabiana Neves Jussara Rodrigues Menezes Faculdade Paulo Setúbal Prof. Engo. Helder Boccaletti Faculdade Paulo Setúbal, Tatuí-SP/ Fatec Itapetininga Revista Perspectiva em Educação, Gestão

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE

QUALIDADE DE SOFTWARE QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.3 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Objetivos: Introduzir os três modelos para implementar

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

livros indicados e / ou recomendados

livros indicados e / ou recomendados Material complementar. Não substitui os livros indicados e / ou recomendados Prof. Jorge Luiz - 203 Pág. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE - SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SGQ é a estrutura a ser criada

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã

ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Implementaçã Implementaçã ção o de Sistemas de Qualidade no Sector da Cartografia com base nas Normas ISO 9000:2000 Carlos Antunes Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (http://correio.cc.fc.ul.pt pt/~ /~mcarlos)

Leia mais

Implantação de um sistema de gestão da qualidade em uma empresa júnior

Implantação de um sistema de gestão da qualidade em uma empresa júnior Implantação de um sistema de gestão da qualidade em uma empresa júnior Daniel Jaques de Oliveira Inácio (UFV) daniel.jaques@yahoo.com.br Meiriele Alvarenga (UFV) meirieleaa@gmail.com Marina Staino Magalhães

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Sistemas de Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Conteúdo Programático Introdução aos sistemas de garantia da qualidade. Normas de qualidade e certificação. Sistemas ISO 9000, ISO 14000, QS

Leia mais

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão

Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Proposta de integração de ferramentas em um sistema de gestão Breno Barros Telles do Carmo Marcos Ronaldo Albertin Francisco José do Rêgo Coelho

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Modelo da Série NBR ISO 9000

Modelo da Série NBR ISO 9000 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP CURSO DE ADMINISTAÇÃO Prof a : NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Origem da Norma para Sistemas da Qualidade ISO

Leia mais

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA

FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA FACULDADE BARÃO DE RIO BRANCO UNINORTE CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO DISCIPLINA - TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO 1 (AULA 04) O que é uma Norma Aquilo que se estabelece como base ou medida para a realização

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000

GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL. Modelo da Série NBR ISO 9000 GESTÃO DA QUALIDADE TOTAL Modelo da Série NBR ISO 9000 Modelo da Série NBR ISO 9000 A Garantia da Qualidade requer uma ação coordenada de todo sistema produtivo da empresa, do fornecedor de insumos de

Leia mais

A REESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO CDTN

A REESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO CDTN A REESTRUTURAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO CDTN Rosane Rodrigues Fraga 1, Antonio Mario P. Azevedo 2, Maria Judith A. Haucz 3 e Cezar A. Oliveira 4 Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear

Leia mais

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos

Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combinando a norma ISO 10006 e o guia PMBOK para garantir sucesso em projetos Combining the ISO 10006 and PMBOK to ensure successful projects 1 Por Michael Stanleigh Tradução e adaptação para fins didáticos

Leia mais

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO

PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO PREPARAÇÃO DO SETOR DE SUPORTE TÉCNICO PARA CERTIFICAÇÃO ISO 9001: O CASO DE UMA EMPRESA DE OUTSOURCING DE IMPRESSÃO Alisson Oliveira da Silva (FAHOR) as000699@fahor.com.br Matheus Weizenman (FAHOR) mw000944@fahor.com.br

Leia mais

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka

Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka Bases para um Sistema Integrado de Gestão voltado para o alto desempenho Irene Szyszka PGQP - Direitos Reservados 1 A Concorrência PGQP - Direitos Reservados 2 O negócio, o mercado e a sociedade Pressão

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa

Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Estudo de Caso da Implantação do Nível G do MPS.BR em Uma Empresa Dayana Henriques Fonseca 1, Frederico Miranda Coelho 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE.

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. Ivan Santos de Lima Engenheiro Naval pela Universidade Federal do Rio

Leia mais

1 Introdução. Janaína da Silva Machado 1 Mário de Souza Almeida 2

1 Introdução. Janaína da Silva Machado 1 Mário de Souza Almeida 2 Análise do Processo de Implantação do Sistema de Gestão da Qualidade em um Laboratório de Ensaios Conforme a NBR ISO/IEC 17025:2005 e sua Importância na Prestação de Serviços a Órgãos Públicos Janaína

Leia mais

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE

CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Maio de 2003 CICLO DE EVENTOS DA QUALIDADE Dia 12/05/2003 Certificação e homologação de produtos, serviços e empresas do setor aeroespacial,com enfoque na qualidade Dia 13/05/2003 ISO 9001:2000 Mapeamento

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

9001:2000 - EPS - UFSC)

9001:2000 - EPS - UFSC) Implantação de um sistema de gestão da qualidade conforme a norma ISO 9001:2000 numa pequena empresa de base tecnológica, estudo de caso: Solar Instrumentação, Monitoração e Controle Ltda. Gustavo Slongo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ENG-1530 Administração e Finanças para Engenharia Professor: Luis Guilherme Gestão de Qualidade Alunos: Bruna Bastos Bruno Avelar Giacomini

Leia mais

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios

Módulo 2. Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Módulo 2 Estrutura da norma ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos 0, 1, 2, 3 e 4/4, Exercícios Norma NBR ISO 9001:2008 - Índice 0 - Introdução 1 - Escopo 2 - Referência Normativa 3 -

Leia mais