Certificada ISO 9001:2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Certificada ISO 9001:2008"

Transcrição

1 Certificada ISO 9001:2008 Rev 09 de 23/02/2010

2 Sumário do manual Capítulo 1 Introdução C Prefácio C Laboratórios e áreas diretamente envolvidas na realização do produto, linhas de pesquisa e serviços C Clientes e seus requisitos C Capítulo 2 Marcos de Referência C Responsabilidade da Chefia C Política da Qualidade C Norma de referência e escopo da certificação C Capítulo 3 Organização do Manual C Objetivo C Organograma Funcional C Organização do Sistema da Qualidade C Nomenclatura de Cargos / Funções C Capítulo 4 Sistema de Gestão da Qualidade C Requisitos gerais C Requisitos de documentação C Plano da Qualidade Principais processos e suas inter-relações C Documentos relacionados C Capítulo 5 Responsabilidade da Direção C Comprometimento da Chefia Geral C Foco no cliente C Política da Qualidade C Planejamento da Qualidade C Responsabilidade, autoridade e comunicação C Análise Crítica pela Direção C Documentos relacionados C Capítulo 6 Gestão de recursos C Provisão de recursos C Recursos humanos C Infra-estrutura e ambiente de trabalho C Código de ética C Documentos relacionados C Capítulo 7 Realização do produto C Planejamento da realização do produto C Processos relacionados aos clientes C Projeto e desenvolvimento C Aquisição C Produção e fornecimento de serviço C Controle de dispositivos de medição e monitoramento C Documentos relacionados C

3 Capítulo 8 Medição, análise e melhoria C Generalidades C Medição e monitoramento C Controle de produto não-conforme C Análise de dados C Melhorias C Documentos relacionados C Capítulo 9 Controle do Manual da Qualidade C Elaboração C Aprovação C Alterações na documentação da qualidade C Distribuição C Registro de Alterações C

4 Capítulo 1 Introdução. 1.1 Prefácio A Embrapa Meio Ambiente é uma Unidade descentralizada da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), uma empresa pública de direito privado vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. No âmbito da Embrapa é classificada como Centro de Pesquisa de Tema Básico com mandato nacional para realizar pesquisas em temas ambientais da agricultura. MISSÃO Viabilizar soluções de pesquisa, desenvolvimento e inovação para promover uma agricultura sustentável e melhorar a qualidade ambiental em benefício da sociedade brasileira. VISÃO Ser uma instituição de excelência na geração de conhecimento, tecnologia e inovação na interface agricultura e meio ambiente. VALORES Os Valores que balizam as práticas e os comportamentos da Embrapa Meio Ambiente e de seus integrantes, independentemente do cenário vigente, e representam as doutrinas essenciais e duradouras da empresa são: Excelência em pesquisa e gestão orientada para o atendimento das demandas dos nossos clientes, pautando as ações pelo método científico e pelo investimento no crescimento profissional, na criatividade e na inovação; Responsabilidade sócio-ambiental: Interagir permanentemente com a sociedade, na antecipação e avaliação das conseqüências sociais, econômicas, culturais e ambientais da ciência e da tecnologia, e contribuir com conhecimentos e tecnologias para a redução da pobreza e das desigualdades regionais; Ética: Conduta ética e transparente, valorizando o ser humano Respeito à diversidade e à pluralidade: Atuar dentro dos princípios do respeito à diversidade em todos os seus aspectos, encorajando e promovendo uma perspectiva global e interdisciplinar na busca de soluções inovadoras; Comprometimento: Valorizar o engajamento efetivo das pessoas e equipes no exercício da nossa Missão e na superação dos desafios científicos e tecnológicos para geração de resultados para os nossos públicos-alvos; Cooperação: Valorizar as atitudes cooperativas, a construção de alianças institucionais e a atuação em redes para compartilhar competências e ampliar a capacidade de inovação, mantendo fluxos de informação e canais de diálogo com os diversos segmentos da sociedade. C1-09-1

5 FOCO DE ATUAÇÃO A Unidade, na sua atuação, prima por uma visão integradora das várias dimensões da sustentabilidade da agricultura, a partir das atividades produtivas agrícolas, pecuárias, florestais e agroindustriais (de insumos e de processamento) e as necessidades de conservação dos recursos naturais mobilizados para a produção e as exigências de preservação dos ecossistemas e da qualidade ambiental. Mercado No mercado de conhecimento e de tecnologia, promovendo a sustentabilidade e a cooperação científico-tecnológica no espaço rural brasileiro, Produtos Desenvolver conhecimentos e tecnologias capazes de viabilizar soluções para o desenvolvimento do espaço rural brasileiro e a sua sustentabilidade. Público-alvo A Embrapa Meio Ambiente considera como seu público-alvo o indivíduo, grupo ou entidade, pública ou privada, cujas atividades dependam dos produtos e serviços de natureza econômica, social ou ambiental oferecidos pela Unidade. Parceiros A Embrapa Meio Ambiente considera como parceiro o indivíduo ou instituição, pública ou privada, que assumir e mantiver, de forma temporária ou permanente, uma relação de cooperação com a Unidade, compartilhando decisões, iniciativas, riscos, custos e benefícios, para Pesquisa & Desenvolvimento e Transferência de Tecnologia. C1-09-2

6 1.2 Laboratórios e áreas diretamente envolvidas na realização do produto, linhas de pesquisa e serviços. Por meio de seus laboratórios, do setor de campos experimentais e dos pesquisadores agrupados em três áreas técnicas, a Embrapa Meio Ambiente atua nas áreas de pesquisa, desenvolvimento e inovação, para difusão de tecnologia e prestação de serviços relacionados à sua missão institucional. Complexo Laboratorial LEB Laboratório de Ecotoxicologia e Biossegurança Tem como missão estudar os efeitos dos fatores causadores de estresse ambiental relacionados às atividades agrícolas, analisar a expressão de proteínas/toxinas e a biossegurança de organismos geneticamente modificados. LMA Laboratório de Microbiologia Ambiental Tem como missão estudar as interações ecológicas microrganismos-plantas-ambiente. LPB - Laboratório de Desenvolvimento de Produtos Biológicos Tem como missão desenvolver produtos biológicos de interesse agropecuário e prover as bases tecnológicas para a produção, formulação, validação e transferência ao setor produtivo agroindustrial. LQC Laboratório de Quarentena "Costa Lima" Tem como missão fomentar o controle biológico de pragas de importância agropecuária, pela prospecção, introdução, quarentena e liberação de inimigos naturais ou antagonistas exóticos, ou pela seleção de inimigos naturais ou antagonistas nativos. LEQ Laboratório de Ecologia Química Tem como missão analisar substâncias químicas envolvidas nas interações ecológicas de interesse agrícola. Apoiar estudos e análises para quantificação, mitigação e avaliação de vulnerabilidade ambiental das emissões de gases de efeito estufa. LPN Laboratório de Produtos Naturais Tem como missão analisar metabólitos secundários de plantas e microorganismos, contribuindo para o uso de substâncias bioativas no controle de pragas da agricultura e pecuária. Contribuir para o conhecimento da diversidade química de organismos. LRC Laboratório de Resíduos e Contaminantes Tem como missão desenvolver e validar métodos, e efetuar análises de resíduos e contaminantes em produtos agrícolas e amostras ambientais. LTA Laboratório de Tecnologia de Aplicação Tem como missão desenvolver projetos de máquinas utilizadas na pulverização de culturas, de métodos e ferramentas para a calibração dos equipamentos e avaliação de eficiência da aplicação. LEA Laboratório de Ecossistemas Aquáticos Tem como misssão desenvolver sistemas de avaliação da qualidade da água, por indicadores físicos, químicos e biológicos, que permitam interpretar a estrutura e dinâmica dos ecossistemas aquáticos. LGA Laboratório de Gestão Ambiental Tem como missão analisar e mapear indicadores de sustentabilidade para apoiar a gestão ambiental de territórios e unidades produtivas rurais. C1-09-3

7 LGT Laboratório de Geotecnologias e Métodos Quantitativos Tem como missão desenvolver e aplicar técnicas de Sensoriamento Remoto, Sistemas de Informações Geográficas e Métodos Quantitativos em estudos ambientais e agrícolas. LQS Laboratório de Qualidade do Solo Tem como missão realizar análises relacionadas aos atributos físicos, micromorfológicos e mineralógicos que caracterizam a qualidade do solo. LSA Laboratório de Química do Solo e Água Tem como missão realizar análises relacionadas aos atributos físicos e micromorfológicos que caracterizam a qualidade do solo. LBGT Laboratório de Biogeoquímica e Gases Traço Tem como missão realizar análises de gases de efeito estufa provenientes de atividades agropecuárias (CH4, N2O, e CO2), preparar materiais para coleta de amostras de gases, quantificar emissões de gases de efeito estufa, desenvolver estudos sobre o impacto do setor agropecuário na mudança do clima. SCE Setor de Campos Experimentais Tem como missão apoiar a experimentação em campo e casas de vegetação, realizando o planejamento, instalação, condução, avaliação, amostragem e processamento de materiais e informações. C1-09-4

8 1.3 Clientes e seus requisitos A Embrapa Meio Ambiente identifica e classifica seus clientes considerando sua missão institucional, seu planejamento em PD&I de curto e longo prazos, e suas ações de responsabilidade social. Esta estratégia de ação permite induzir e atender, com eficácia e eficiência, as necessidades de PD&I da Unidade, adequando as estratégias de atuação segundo as diferentes categorias de clientes, cada qual com suas demandas e particularidades. Classifica-se, portanto, os clientes da Unidade nas seguintes categorias: 1. Instituição Pública Na esfera Federal são enfocados os assuntos estratégicos e prioritários, para subsidiar a formulação de políticas públicas ou na tomada de decisões, na interface agricultura e meio ambiente, de interesse nacional e internacional pelos órgãos competentes. Estão nesse grupo: Ministérios do Governo Federal, seus órgãos e secretarias, agências de fomento à pesquisa no âmbito federal (FINEP, CNPq), empresas públicas federais, universidades federais, unidades centrais e descentralizadas da Embrapa, e os comitês gestores dos Macroprogramas que financiam os projetos do Sistema Embrapa de Gestão. No Âmbito dos Estados e Municípios, a Unidade atua em parceria por meio da complementação de recursos humanos e físicos, além de promover a articulação junto a outras Instituições do Governo Federal. Estão nesse grupo: Governos e Secretarias de Governos Estaduais, Prefeituras, órgãos e empresas públicas estaduais e municipais, agências de fomento à pesquisa estaduais (FAPESP), instituições de pesquisa estaduais, universidades públicas estaduais. 2. Sociedade Civil A Embrapa Meio Ambiente mantém contatos diretos junto a algumas ONGs organizações não governamentais, cooperativas, agricultores da região, corpo docente e discente do ensino público e privado, imprensa em geral, além dos cidadãos interessados nas atividades permeadas pela missão institucional da Unidade. 3. Empresas Privadas O envolvimento junto a este público ocorre em função de fatores ambientais e econômicos, os quais promovem a participação e custeio de Projetos de PD&I de interesse mútuo ou ainda, pela demanda e pagamento de análises, consultorias e outros serviços especializados executados pela Embrapa Meio Ambiente. Requisitos explícitos e implícitos Os clientes categorizados acima, explicitam seus requisitos conforme a peculiaridade de seu relacionamento com a Embrapa Meio Ambiente. Assim, os clientes do Instituição Pública encaminham suas demandas e requisitos via instrumentos deliberativos legais (legislação vigente, medidas provisórias, portarias, decretos) dos Governos Federal, Estadual e Municipal. No caso das agências de fomento federais e estaduais, e dos Macroprogramas de projetos da Embrapa, os requisitos estão em editais públicos ou não de concorrência por recursos para financiamento de projetos de PD&I e de transferência de tecnologias, eventos técnicocientíficos, consultorias, treinamento e capacitação e para investimentos em infra-estrutura. Há ainda, os requisitos que são estabelecidos por meio de propostas institucionais de parcerias na formulação de políticas-públicas, de realização de projetos de PD&I e de prestação de serviços. Finalmente, nesse grupo, requisitos institucionais são encaminhados via estrutura hierárquica formal da Embrapa, por meio de deliberações e resoluções normativas, portarias, ordens de serviço ou por correspondências enviadas às Chefias. Os clientes categorizados como Sociedade Civil e Empresas Privadas, declaram voluntariamente seus requisitos ou, quando estes não estão suficientemente claros, são estimulados a fazê-lo pelo responsável por seu atendimento na Unidade. Esses requisitos, na maior parte das vezes são relacionados à prestação de informações técnicas ou institucionais C1-09-5

9 sobre a Embrapa, inclusive pela imprensa, solicitações de auxílio em pesquisas, teses e trabalhos universitários, solicitação e compra de publicações, solicitação de prestação de serviços como análises laboratoriais, cooperação técnica, consultoria, assessoria, realização de projetos de P&D e de eventos técnico-científicos. Pedidos de estágios, inscrições em eventos técnico-cientificos, pedidos de visitas também são incluídos nesse grupo. Para que esse atendimento se dê de maneira adequada, os requisitos de ambas as partes são estabelecidos em contratos formais de prestação de serviços ou de cooperação técnica institucional, ou em programas institucionais já estabelecidos, e a venda de publicações. Quando o relacionamento for mais informal, os requisitos considerados são os que são declarados no momento do atendimento e aqueles implícitos. Os requisitos implícitos são aqueles vinculados à missão, à política da qualidade e aos valores institucionais da Embrapa Meio Ambiente, e se prestam a todas as categorias de clientes, bem como a todas as partes interessadas. C1-09-6

10 Capítulo 2 Marcos de Referência 2.1 Responsabilidade da Chefia Para atuar conforme a Política da Qualidade e atingir os objetivos e as metas da Embrapa Meio Ambiente, busca-se continuamente trabalhar em equipe com nossos parceiros. Esses objetivos serão cumpridos se mantivermos nossos colaboradores motivados e treinados, estimulando o espírito de trabalho em equipe. Isso exige um comprometimento que ultrapassa as fronteiras dos setores técnicos e administrativos da Unidade. Por isso, procura-se gerar condições técnicas, administrativas, comportamentais e disciplinares para assegurar o cumprimento integral da política estabelecida neste Manual. Cada colaborador é responsável pela conformidade do seu trabalho com a Norma proposta, e com a obrigação de encerrar qualquer atividade somente depois que a qualidade planejada tenha sido alcançada. Caso contrário, deve providenciar medidas imediatas para a melhoria dos resultados. A conscientização para a Qualidade de todos os colaboradores está em evitar erros e não em corrigi-los. A exigência quanto à conscientização para a Qualidade em todos os níveis é, portanto, uma contínua responsabilidade da Chefia da Unidade. O sistema da qualidade da Embrapa Meio Ambiente é avaliado periodicamente e adequado às exigências e aos novos conhecimentos advindos do processo de melhoria contínua. Os dirigentes da Unidade adotam e publicam a Política da Qualidade e, contando com o empenho de seus parceiros, se comprometem em viabilizar o sistema descrito neste Manual. Celso Vainer Manzatto Chefe Geral APROVAÇÃO Marcos Antônio Vieira Ligo Chefe Adjunto de Administração Heloisa Filizola Chefe Adjunto de Comunicação e Negócios Adriana Marlene Moreno Pires Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento Cesar Roberto de Rosso Representante da Direção ELABORAÇÃO C2-09-7

11 2.2 Política da Qualidade Visando assegurar que as atividades da Embrapa Meio Ambiente sejam conduzidas em conformidade com o sistema de gestão da qualidade, deve-se buscar: Promover a melhoria contínua dos processos internos; Elevar o nível de satisfação de nossos clientes externos, internos, colaboradores e parceiros; Desenvolver de forma ética e responsável o conhecimento científico e tecnológico em favor da sociedade; Capacitar continuamente os recursos humanos visando desenvolver competências individuais e valorizar o trabalho em equipe; Utilizar o Sistema da Qualidade como importante meio auxiliar para o cumprimento da missão institucional da Embrapa Meio Ambiente. Por estarmos de pleno acordo com a política adotada, assumimos o compromisso de gerar condições administrativas e técnicas para implementá-la e mantê-la em todos os níveis da Embrapa Meio Ambiente. Em vigor desde abril de 2003 Celso Vainer Manzatto Chefe Geral da Embrapa Meio Ambiente 2.3 Norma de referência e escopo da certificação O sistema de gestão da qualidade Embrapa Meio Ambiente está baseado na norma: com o seguinte escopo: NBR ISO 9001: 2008 Pesquisa, desenvolvimento e Inovação para transferência de tecnologias na interface agricultura e meio ambiente C2-09-8

12 Capítulo 3 - Organização do Manual 3.1 Objetivo O Manual da Qualidade descreve o sistema de gestão da qualidade implementado e documentado pela Embrapa Meio Ambiente. O sistema da qualidade adotado preenche os requisitos da norma ISO 9001:2008 de 28 dezembro de Com este Manual da Qualidade oferecemos aos nossos clientes e parceiros uma visão geral da nossa organização e, desta forma, buscamos fortalecer cada vez mais a confiabilidade entre as partes. A Embrapa Meio Ambiente mantém uma versão desse Manual em seu site na internet para divulgar a Unidade e seu sistema de gestão com base na qualidade. Essa versão é disponibilizada em pdf, com a especificação em todas as suas páginas de que é considerada uma versão de divulgação e é cópia não-controlada. Não são permitidas alterações neste Manual sem aprovação prévia do Representante da Direção. Alterações neste documento estão registradas no capítulo 9 deste manual. A cada nova versão desse Manual a versão para internet também é atualizada. C3-09-9

13 3.2 Organograma funcional Este organograma representa na prática a estrutura da Unidade. Figura 1. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA EXECUTIVA EMBRAPA CGE CAE SGQ CAA CCN CPD CLPI CTI CIBio CLP ACE ANT SGP SIN SLS SMI SPM SOF BIB SCE AT1 AT2 AT2 LABORATÓRIOS C

14 LEGENDA em ordem alfabética ACE Área de Comunicação Empresarial ANT Área de Negócios para Transferência de Tecnologia AT 1, 2 e 3 Área Técnica 1, 2 e 3 BIB Biblioteca CAA Chefia Adjunta de Administração CAE Comitê Assessor Externo CCN Chefia Adjunta de Comunicação e Negócios CGE Chefia Geral CIBio Comissão Interna de Biossegurança CLP Comitê Local de Publicações CPD Chefia Adjunta de Pesquisa e Desenvolvimento. CTI Comitê Técnico Interno SCE Setor de Campos Experimentais SGP Setor de Gestão de Pessoas SGQ Sistema de Gestão da Qualidade SIN Setor de Informática SLS Setor de Logística e Serviços SMI Setor de Manutenção e Infra-estrutura SPM Setor de Patrimônio e Material SOF Setor de Orçamento e Finanças CLPI Comitê Local de Propriedade Intelectual C

15 3.2.1 Organização do Sistema da Qualidade O sistema da qualidade da Embrapa Meio Ambiente está organizado conforme requisito da Norma NBR ISO 9001:2008 e com seu organograma funcional. O Chefe Geral designou um funcionário para, independente de outras responsabilidades, representar a alta direção da Unidade nas questões relacionadas ao atendimento aos requisitos da norma de referência de acordo com suas diretrizes, com o PDU e dentro dos limites estabelecidos pelo Plano de Carreiras da Embrapa. Denominado Representante da Direção (RD), este empregado tem autoridade e responsabilidade para assegurar que os processos necessários para o sistema de gestão da qualidade sejam estabelecidos, implementados e mantidos; relatar ao Chefe Geral o desempenho do Sistema de Gestão da Qualidade e qualquer necessidade de melhoria; e assegurar a promoção da conscientização sobre os requisitos do cliente em toda a Unidade. A responsabilidade de assegurar que as atividades dos setores e áreas técnicas sejam desenvolvidas em conformidade com os requisitos da Norma no sistema de qualidade é dos respectivos supervisores. O sistema da qualidade da Embrapa Meio Ambiente possui ainda, um grupo de auditores internos coordenados pelo RD. C

16 3.2.2 Nomenclatura de cargos / funções ORGANOGRAMA CARGO ou FUNÇÃO SIGLA Chefia Geral Chefe Geral CGE Chefias Adjuntas Chefes Adjuntos CAdj Sistema da Qualidade Administração Pesquisa e Desenvolvimento Comunicação e Negócios Laboratórios Representante da Direção Auditor Interno Líder Auditor Interno Adjunto Chefe Adjunto de Administração Supervisor de Setor Administrativo Analista Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento Coordenadores de Áreas Técnicas Pesquisadores Chefe Adjunto de Comunicação e Negócios Supervisor (ACE, ANT e responsável pela BIB) Analista Responsável Técnico Pesquisadores Analistas RD AL AA CAA SupAdm An CPD CAT PqC CCN SupCcn An RT PqC An C

17 Capítulo 4 - Sistema de Gestão da Qualidade Objetivo Define e descreve o sistema da qualidade da Embrapa Meio Ambiente. 4.1 Requisitos gerais A Figura 2 apresenta uma visão geral do sistema da qualidade da Embrapa Meio Ambiente, indicando as seqüências, as interações dos principais processos da Unidade e as aplicações dos procedimentos da qualidade relativos aos requisitos da Norma NBR ISO 9001:2008. Os processos de medição, análise e melhoria são aplicáveis a cada uma das etapas e ao sistema como um todo e a evolução é controlada por indicadores da qualidade. O sistema da qualidade, apresentado neste Manual da Qualidade, é composto pelo Representante da Direção e pelos ocupantes dos cargos de chefia e de supervisão da Unidade. 4.2 Requisitos de Documentação As atividades gerais do sistema da qualidade da Embrapa Meio Ambiente são descritas nos procedimentos internos denominados Procedimentos da Qualidade (PQ) e Instruções de Trabalho (IT). Esses documentos contêm a descrição das atividades e as responsabilidades pelas mesmas. Os procedimentos são preparados e aprovados pelos responsáveis pelas atividades e distribuídos aos diversos segmentos da Unidade envolvidos, para conhecimento de todos os colaboradores ligados às atividades descritas. Abaixo, encontram-se relacionados todos os documentos que compõem o SGQ da Embrapa Meio Ambiente, com uma breve descrição de seu conteúdo, de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. PQ Sistema de Gestão da Qualidade Trata da organização do sistema da qualidade, definindo o papel do RD e dos Supervisores. Trata da documentação da qualidade (Manual, PQs, ITs, NIs, POPs e formulários) e do controle de registros e documentos. IT Sumário do conteúdo da documentação da qualidade Apresenta, resumidamente, os tópicos principais que são abordados em cada documento da qualidade. PQ Controle de documentos Trata do controle de documentos recebidos de clientes, das normas públicas técnicas e administrativas, das responsabilidades e autoridades para aprovação e emissão de documentos, da forma de seu controle e distribuição, da manutenção de documentos em meio eletrônico, dos documentos obsoletos e das alterações em documentos. C

18 Medição, Análise e Melhoria Inter-relações ØŒ ØŒ ØŒ ØŒ ØŒ FASES Relacionamento com o cliente Análise crítica Realização do produto Entrega Avaliação PROCESSOS Realização Apoio Realização Realização Apoio Realização Apoio Realização Inter-relações ØŒ ØŒ ØŒ ØŒ ØŒ FI N AL ÍS TI C O S A P OI O Inter-relações Projetos de P&D e de Transferência de Tecnologias (Embrapa e fontes externas) Prestação de Serviços (Análises, ensaios, consultoria, assessoria, cursos, eventos) PqC, CGE, CTI, CAdj, An PqC, CGE, CAdj ANT, ACE ANT, ACE Gestão da Unidade CAE, CGE, CAdj CTI Processos de Apoio (ACE, ANT, SPM, SGP, SIN, SOF, SMI, SLS) ocumentos Aplicáveis ANT, ACE, SPM, SGP, SIN, SLS, SMI, SOF CAdj CGE, CTI, CLP, Cliente CGE, PqC, ATs, RD, ACE, Cliente CAE, Diretoria Executiva, CGE CAdj, SupAdm, SupCcn, RD Laboratórios, ATs, PqC, An, SCE Laboratórios, ATs, PqC, An, SCE CGE, CAdj, SupAdm, SupCcn, CAT, RD ANT, ACE, SPM, SGP, SIN, SLS, SMI, SOF ANT, ACE, SPM, SGP, SIN, SLS, SMI, SOF ANT, ACE, SPM, SGP, SIN, SLS, SMI, SOF PqC, An, CTI, CLP ANT, ACE, SIN Cliente externo PqC, An ANT,ACE Cliente externo CTI, SIN CGE, CAdj CTI, SIN CGE, CAdj RD, SupAdm, SupCcn CAdj Diretoria Executiva, CAE, Cliente interno e CGE, CAdj, Cliente interno e externo ØŒ ØŒ ØŒ ØŒ ØŒ Embrapa Meio Ambiente Cliente Embrapa Meio Ambiente Cliente Fornecedor Embrapa Meio Ambiente Cliente Fornecedor Embrapa Meio Ambiente Cliente Fornecedor Embrapa Meio Ambiente Cliente ØŒ ØŒ ØŒ ØŒ ØŒ PQ Sistema de Gestão da Qualidade PQ Controle de documentos PQ Controle de Registros PQ Responsabilidade da Direção PQ Gestão de Recursos PQ Competência, conscientização e treinamento PQ Realização do produto PQ Aquisição PQ Controle de EIMEs PQ Medição, Análise e Melhoria PQ Controle produto não conforme PQ Ação corretiva e ação preventiva IT Sumário de documentos - SGQ IT Elaboração de documentos IT Reunião de Análise Crítica do SGQ IT Organograma de Responsabilidades IT Objetivos da Qualidade e Indicadores Regimento Interno e Normas da Embrapa Medição, Análise e Melhoria IT Gestão de resíduos IT Matriz de Versatilidade IT Realização de eventos IT Aprovação de insumos IT Produção e controle de publicações IT Tratamento de reclamações IT Pesquisa de satisfação do cliente IT Plano de Auditoria IT Banco de dados e Indicadores C

19 IT Orientação para elaboração de documentos normativos do SGQ Trata da forma de elaboração de PQs, ITs, NIs, POPs e FQs, fixando e definindo cada tópico do documento, sua formatação segundo as normas da Embrapa e a autoridade para liberação de cópias dos documentos da qualidade. PQ Controle de registros Trata da identificação, controle, proteção e disposição dos registros da qualidade. PQ Responsabilidade da Direção Trata do comprometimento da direção com o sistema de gestão da qualidade (SGQ), do foco no cliente, da Política da Qualidade, do planejamento da qualidade (objetivos e metas), da comunicação interna e da análise crítica. IT Reunião de análise crítica Trata de detalhes da reunião de análise crítica, incluindo a periodicidade, os participantes, a pauta mínima e a forma de condução da reunião. IT Organograma linear de responsabilidades Trata das responsabilidades e autoridades nos processos de planejamento estratégico, programação institucional, estruturação organizacional, gestão de pessoas, gestão de finanças, contratação e desenvolvimento de projetos e gestão da infra-estrutura. IT Objetivos da qualidade e indicadores correlacionados Define os objetivos da qualidade, os seus indicadores e desdobramento pela Unidade. Trata da coleta de dados, da preparação e acompanhamento dos indicadores. PQ Gestão de recursos Trata da previsão de recursos para a gestão da Unidade, dos recursos humanos, da infraestrutura, do ambiente de trabalho e do código de ética. IT Gerenciamento de resíduos Trata da forma e das orientações para identificação, segregação, acondicionamento, armazenamento, transporte e destino final de resíduos sólidos, gasosos e líquidos gerados na Embrapa Meio Ambiente. PQ Competência, conscientização e treinamento Trata da capacitação dos funcionários, do levantamento anual de necessidades de treinamento, da avaliação da eficácia dos treinamentos. IT Matriz de versatilidade Trata da capacitação dos funcionários mostrada numa Matriz de Versatilidade. Trata também da situação dos estagiários. C

20 PQ Realização do produto Trata do planejamento e desenvolvimento dos processos de produção e dos objetivos da qualidade para os produtos. Orienta todas as etapas importantes na realização do produto: definição dos requisitos, análise crítica dos requisitos, comunicação com o cliente, planejamento da produção, controle dos processos de produção e fornecimento de serviço, controle das aquisições (fornecedores), identificação e rastreabilidade nas etapas da produção, cuidado com a propriedade do cliente, preservação e controle dos insumos utilizados, controle dos dispositivos de medição e monitoramento, e validação dos produtos fornecidos. Trata dos controles na execução de projetos de pesquisa, incluindo: plano detalhado do projeto e desenvolvimento, a identificação das interfaces técnicas com outras Unidades, as normas aplicáveis, a identificação dos dados de entrada, as análises críticas em estágios apropriados, o controle das alterações em relação ao plano original, a verificação nas várias etapas de desenvolvimento, a análise crítica na saída do relatório e a validação do produto pelo cliente. IT Planejamento e realização de eventos pela Embrapa Meio Ambiente Orienta o planejamento e a realização de eventos, incluindo a programação anual, os padrões de divulgação e de avaliação dos eventos e o controle dos certificados emitidos. IT Aprovação de insumos para processos e ensaios Trata dos critérios e responsabilidades para aprovação de reagentes, solventes e outros materiais utilizados em processos ou ensaios. Trata também da identificação desses insumos com a situação de inspeção e ensaio. IT Controle da produção de publicações técnico-científicas Trata da produção, controle, registro e comercialização de publicações técnico-científicas na Embrapa Meio Ambiente de acordo com as normas da Embrapa e aspectos legais de propriedade intelectual. PQ Aquisição Trata dos procedimentos de aquisição e contratação de itens e serviços, incluindo: o preenchimento do pedido de compra, a especificação do item ou serviço, os critérios de avaliação dos fornecedores, a classificação dos fornecedores, a comunicação aos fornecedores com problemas, as responsabilidades pelo preenchimento dos formulários de avaliação de fornecedores. PQ Controle de equipamentos de inspeção, medição e ensaios Trata do cadastramento e controle da calibração de EIMEs, incluindo: os intervalos de calibração, a identificação da situação da calibração, a responsabilidade pela escolha dos fornecedores de serviços de calibração, os critérios de aceites, o manuseio e preservação de EIMEs, a rastreabilidade de produtos obtidos com EIME não-conforme, as condições ambientais de medição, a proteção contra ajustes/desajustes nos instrumentos, a documentação dos EIMEs, a aprovação dos softwares dos EIMEs e a forma de expressão dos resultados de análises C

Embrapa Meio Ambiente

Embrapa Meio Ambiente Embrapa Meio Ambiente Certificada ISO 9001:2008 Escopo: Pesquisa, desenvolvimento e transferência de tecnologias na interface agricultura e meio ambiente. Revisão 13, de 15/03/2013 Pág. 2/20 Revisão nº

Leia mais

Embrapa Meio Ambiente

Embrapa Meio Ambiente Embrapa Meio Ambiente Certificada ISO 9001:2008 Escopo: Pesquisa, desenvolvimento e transferência de tecnologias na interface agricultura e meio ambiente. Revisão 14, de 18/03/2014 Pág. 2/20 Revisão nº

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

A experiência da Embrapa Meio Ambiente como um modelo de gestão da qualidade para empresa pública

A experiência da Embrapa Meio Ambiente como um modelo de gestão da qualidade para empresa pública A experiência da Embrapa Meio Ambiente como um modelo de gestão da qualidade para empresa pública Mendes 1, M.D.L.; Sitton 2, M.; Luchiari Junior 3, A.; Kitamura 4, P.C.; Spadotto 5, C.A. 1 Mendes, Mara

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 1 / 21 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1 REQUISITOS GERAIS... 4 4.2 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente

Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Videoconferência Difusão da Certificação ISO 9001 da Embrapa Meio Ambiente Data: 22 e 24 de março de 2011 Objetivo Difundir a experiência da Embrapa Meio Ambiente com o processo de obtenção da certificação

Leia mais

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO

INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO NBR ISO 9001:2008 INTERPRETAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO 8 Princípios para gestão da qualidade Foco no cliente Liderança Envolvimento das pessoas Abordagem de processos Abordagem sistêmica para a gestão Melhoria

Leia mais

Lista de Verificação / Checklist

Lista de Verificação / Checklist Lista de Verificação / Checklist Avaliação NC / PC / C Departamentos Padrões de Referência /// Referências do MQ //// Referências Subjetivas A B C D E Cláusula Padrão Conforme/ Não C. 4 Sistema de Gestão

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01

MANUAL DA QUALIDADE MQ-01 Sumário 1 Objetivo 2 Últimas Alterações 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão de qualidade 5 Responsabilidade da direção 6 Gestão de recursos 7 Realização do produto 8 Medição, análise e melhoria.

Leia mais

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD)

Manual de Gestão da Qualidade MGQ Elaborado por: Representante da Direção (RD) 1/22 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento baseado nos requisitos da ISO 9001:2008 Vendas Gestão de Contratos Service Demais envolvidos na análise e aprovação Área / Processo Responsável

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana.

Data Revisão Página Código. Referência TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE EMISSÃO. Márcio Oliveira. Cargo. Gestor do SGQ APROVAÇÃO. Egidio Fontana. Data Revisão Página Código 11/04/2014 03 1 / 22 MQ-01 Referência MANUAL DA QUALIDADE TÍTULO MANUAL DA QUALIDADE Escrital Contabilidade Rua Capitão Otávio Machado, 405 São Paulo/SP Tel: (11) 5186-5961 Site:

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

ISO 9000 ISO 9001:2008

ISO 9000 ISO 9001:2008 ISO 9001:2008 QUALIDADE II ISO 9000 A ISO 9000 - Qualidade é o nome genérico utilizado pela série de normas da família 9000 (ISO) que estabelece as diretrizes para implantação de Sistemas de Gestão da

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

---- --- --- Consultoria e Assessoria

---- --- --- Consultoria e Assessoria 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SGQ. 4.1. Requisitos Gerais. A Protec estabelece, documenta e implementa o SGQ de acordo com os requisitos da NBR ISO 9001:2008. Para implementar o SGQ foi realizado um

Leia mais

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO

TRANSELETRON SERVIÇOS TÉCNICOS ESPECIALIZADOS LTDA SUMÁRIO Página 2 de 26 SUMÁRIO 1. Objetivo 05 2. Definições e Termos 05 3. Apresentação da Organização 05 3.1.1 Identificação 06 3.1.2 Histórico 06 3.1.3 Principais Clientes 06 3.1.4 Principais Fornecedores 07

Leia mais

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 9001:2008 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PÁGINA: 1 de 20 CLAUSULA 4.0 DA NORMA ISO 91:28 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 4.1 Requisitos gerais. A TIVOLITUR estabelece, documenta, implementa e mantêm seu sistema de gestão da qualidade, visando

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP.

Cirius Quality. A Consultoria que mais cresce no Brasil. Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CQ Consultoria Cirius Quality e Treinamento 1º Edição Interpretação da NBR ISO 9001:2008 Cirius Quality Av. José Bonifácio Nº 1076 - Diadema-SP. CEP: 09980-150 i www.ciriusquality.com.br e contato@ciriusquality.com.br

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 001 / Outubro de 2009 CBC - Consultoria e Planejamento Ambiental Ltda. Rua Felicíssimo Antonio Pereira, 21-37, CEP 17045-015 Bauru SP Fone: (14) 3313 6332 www.cbcambiental.com.br

Leia mais

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação

Manual da Qualidade. Figura 1: Organograma da SInfo e Escopo de Certificação Criado por Aprovado por Analisado criticamente por Wilker Bueno de Freitas Rosa Luiz Mauro de Pádua Silveira Comitê da Qualidade 1 - SGQ- Sinfo A Superintendência de Informática Inserida dentro do quadro

Leia mais

M A N U A L D A Q U A L I D A D E

M A N U A L D A Q U A L I D A D E M A N U A L D A Q U A L I D A D E 14ª Versão Última atualização: MANUAL DA QUALIDADE - Rev. Data Elaborado por Descrição da alteração 01 10/06/2012 Hélio Lipiani Versão Inicial 02 20/07/2010 Hélio Lipiani

Leia mais

ESTRUTURA ISO 9.001:2008

ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Sistema de Gestão Qualidade (SGQ) ESTRUTURA ISO 9.001:2008 Objetivos: Melhoria da norma existente; Melhoria do entendimento e facilidade de uso; Compatibilidade com a ISO 14001:2004; Foco Melhorar o entendimento

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013

GESTÃO DA QUALIDADE MA-C-GQ-01 MANUAL DA QUALIDADE Cópia controlada Revisão 02 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 DATA Nº REVISÃO HISTÓRICO DAS REVISÕES 01/09/2009 15/03/2012 23/01/2013 00 01 02 Emissão inicial. Alteração do representante da direção Inclusão de informação no item 4.2.2.3 (passo 8) SMD 147. Elaborado:

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008

Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE. Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 1 de 20 Pitrez Informática MANUAL DA QUALIDADE Norma NBR ISO 9001:2008 Título Manual da Qualidade Folha: 2 de 20 Título Manual da Qualidade Folha: 3 de 20 Índice 1. Apresentação...

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE...

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 1 / 27 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 1. ESCOPO... 3 2. REFERÊNCIA NORMATIVA... 4 3. TERMOS E DEFINIÇÕES... 4 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1 REQUISITOS GERAIS... 4 4.2 REQUISITOS DE DOCUMENTAÇÃO...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA

MANUAL DA QUALIDADE DA CONSTRUTORA COPEMA 1/10 INFORMAÇÕES SOBRE A EMPRESA... 2 ABRANGÊNCIA DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 1. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE:... 4 - MANUAL DA QUALIDADE... 4 Escopo do SGQ e definição dos clientes... 4 Política

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

MBA em Administração e Qualidade

MBA em Administração e Qualidade MBA em Administração e Qualidade Sistemas ISO 9000 e Auditorias da Qualidade Aula 5 Prof. Wanderson Stael Paris Olá! Confira no vídeo a seguir alguns temas que serão abordados nesta aula. Bons estudos!

Leia mais

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE

14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE 14 ANEXO 02 - NORMA ISO 9001:2000 - INTERPRETAÇÃO LIVRE Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade da direção

Leia mais

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO:

Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Curso do Prêmio PBQP-H 2009/2010 APOIO: Objetivo do Prêmio PBQP-H 2009/2010 É um prêmio único no mundo. O objetivo geral é fazer a distinção das organizações da construção civil que elevam os patamares

Leia mais

MGQ.422-03. Manual da Qualidade. Diretoria de Gestão e Tecnologia da Informação

MGQ.422-03. Manual da Qualidade. Diretoria de Gestão e Tecnologia da Informação Diretoria de Gestão e Tecnologia da Informação MGQ.422-03 O presente manual tem por objetivo descrever o Sistema de Gestão da Qualidade, onde é definida sua organização, responsabilidades, relações entre

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade

Preparando a Implantação de um Sistema de Gestão da Qualidade Preparando a Implantação de um Projeto Pró-Inova - InovaGusa Ana Júlia Ramos Pesquisadora em Metrologia e Qualidade e Especialista em Sistemas de Gestão da Qualidade 1. Gestão Gestão Atividades coordenadas

Leia mais

ANEXO I Planejamento e Implantação do Sistema

ANEXO I Planejamento e Implantação do Sistema Anexos ANEXO I Planejamento e Implantação do Sistema 309 Diagnóstico da Empresa para a Qualidade Identificação PLAN. 01/01 Data do Diagnóstico: Folha Nº: O presente diagnóstico deve ser aplicado aos escopos

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NBR ISO 9001:2008 Índice Histórico de Revisões... 4 1. Introdução... 5 1.1. Política da Qualidade... 5 1.2. Escopo... 5 2. Histórico... 6 3. Gestão Estratégica...

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade.

ISO 9001 2008 FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT. Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA FACCAT Curso de Tecnólogo em Gestão da Qualidade. ISO 9001 2008 Carolina Rothe Luiz Gustavo W. Krumenauer Paulo Emílio Paulo Saldanha Relação das principais normas da Série

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil

Projeto Agricultura de Baixo Carbono e Desmatamento Evitado para a Redução da Pobreza no Brasil CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ELABORAÇÃO, E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO DE COMUNICAÇÃO PARA O PROJETO AGRICULTURA DE BAIXO CARBONO E DESMATAMENTO EVITADO PARA A REDUÇÃO DE POBREZA NO BRASIL. País - Brasil Projeto

Leia mais

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015

Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 2015 Matrizes de Correlaça o ISO 9001:2008 e ISO 9001:2015 Texto traduzido e adaptado por Fernando Fibe De Cicco, Coordenador de Novos Projetos do QSP. Outubro de 2015. Matrizes de correlação entre a ISO

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Data Rev: MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Manual da Qualidade do Sistema de Gestão da Qualidade da Construtora Tardock Ltda. Folha: 2 de 19 I - ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO DESTE MANUAL Nome Data Assinatura

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos INTERPRETAÇÃO ISO 9001:2008 GESTÃO DE QUALIDADE O que é ISO? ISO = palavra grega que significa Igualdade CAPÍTULO: Preâmbulo ISO 9001:2008 0.1 - Generalidades: foi esclarecido que a conformidade com requisitos

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Documentaçã. ção da Qualidade. Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NOS LABORATÓRIOS RIOS CLÍNICOS: Documentaçã ção da Qualidade Rosiane Nickel DVGQB LACEN/PR QUALIDADE QUALIDADE Grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz

Leia mais

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições,

O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL INPI, no exercício das suas atribuições, Resolução PR nº 03/2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL PRESIDÊNCIA 18/03/2013 R E S O L U Ç Ã O Nº 03/2013

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados.

Leia mais

1º passo 2º passo 3º passo

1º passo 2º passo 3º passo 1º passo 2º passo 3º passo Planejamento Estratégico: Missão e Visão Aplicação do Programa 5S Elaboração do Mapa de Processos 4º passo 5º passo Definição da Política da Qualidade e Escopo Grupos de Trabalho

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. ITAL Instituto de Tecnologia de Alimentos

MANUAL DA QUALIDADE. ITAL Instituto de Tecnologia de Alimentos Cópia controlada Cópia não-controlada N o Entregue para: Este Manual da Qualidade é propriedade do Instituto de Tecnologia de Alimentos e sua reprodução e ou distribuição é da exclusiva responsabilidade

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Sumário Prefácio 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência normativa 3 Termos e definições 4 Sistema de gestão da qualidade 5 Responsabilidade

Leia mais

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014

Estrutura da ISO DIS 9001/2015 ISO/TC 176/SC 2 Document N1224, July 2014 Prefácio Introdução 0.1 Generalidades 0.2 As normas ISO para gestão da qualidade 0.3 Abordagem de processo 0.4 Ciclo PDCA 0.5 Pensamento baseado em risco Estrutura da ISO DIS 9001/2015 0.6 Compatibilidade

Leia mais

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015

MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 MUDANÇAS NA ISO 9001: A VERSÃO 2015 Está em andamento o processo de revisão da Norma ISO 9001: 2015, que ao ser concluído resultará na mudança mais significativa já efetuada. A chamada família ISO 9000

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA...

APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... MANUAL DA QUALIDADE Pág.: 1 de 21 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESCOPO E EXCLUSÕES DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 4. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 4 4.1. Requisitos

Leia mais

SGQ Sistema de Gestão da Qualidade TIVOLITUR.

SGQ Sistema de Gestão da Qualidade TIVOLITUR. PÁGINA: 1 de 6 1.0 OBJETIVO: Controlar a documentação aplicável ao SGQ TIVOLITUR, a fim de garantir a padronização dos requisitos internos relacionados aos processos estratégicos, táticos e operacionais

Leia mais

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727)

Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Nome do questionário (ID): Levantamento de Governança de TI 2014 (566727) Pergunta: Sua resposta Data de envio: 08/08/2014 19:53:40 Endereço IP: 150.164.72.183 1. Liderança da alta administração 1.1. Com

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Página 1 de 21 SUMÁRIO. 1 - A Empresa 1.1 Dados e Informações 1.2- Histórico Empresarial

MANUAL DA QUALIDADE. Página 1 de 21 SUMÁRIO. 1 - A Empresa 1.1 Dados e Informações 1.2- Histórico Empresarial Página 1 de 21 SUMÁRIO 1 - A Empresa 1.1 Dados e Informações 1.2- Histórico Empresarial 2 Objetivos e Campo de Aplicação 2.1 Objetivo 2.2- Apresentação 2.3- Revisões e Controle 2.4- Campo de Aplicação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS À IMPARCIALIDADE E MECANISMO PARA SALVAGUARDAR A IMPARCIALIDADE GLOBAL PROCEDIMENTO OI-L3-703-SAM-(BR)-IND-9264 Revisão: 00 Data de

Leia mais

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho

Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho Integração de sistemas certificáveis de gestão da qualidade, meio ambiente e segurança do trabalho (ISO 9001, ISO 14001 e OHSAS 18001) Prof. Livre Docente Otávio J. Oliveira UNESP CONTEXTUALIZAÇÃO - Diluição

Leia mais

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 003 / Novembro de 2010

Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 003 / Novembro de 2010 Manual da Gestão Integrada - M.G.I Revisão 003 / Novembro de 2010 Analisado por: Aprovado por: Maxiliano Costa Xavier Representante da Direção Caio Cesar Passianoto Diretor Rua Felicíssimo Antônio Pereira,

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EPR 16 - SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001:2000 Prof. Dr. João Batista Turrioni Objetivo geral Introduzir e discutir a importância da adoção de um Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade

Norma ISO 9001:2008. Gestão da Qualidade Norma ISO 9001:2008 Gestão da Qualidade Sistemas da Qualidade e Qualidade Ambiental ISO 9000 e ISO 14000 Prof. M. Sc. Helcio Suguiyama 1- Foco no cliente 2- Liderança 3- Envolvimento das Pessoas 4- Abordagem

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO

PROCEDIMENTO SISTÊMICO DE GESTÃO INTEGRADO 1. OBJETIVO Estabelecer, documentar, implementar, aprimorar e manter um Sistema de Gestão da Qualidade e de Energia, que assegure a conformidade com os requisitos da norma de referência. Outrossim, a responsabilidade

Leia mais

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades:

As ações do Pacto serão delineadas de acordo com as seguintes prioridades: Finalidade A conservação da biodiversidade e de demais atributos da Mata Atlântica depende de um conjunto articulado de estratégias, incluindo a criação e a implantação de Unidades de Conservação, Mosaicos

Leia mais

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO

Norma Permanente 4.1. GOVERNANÇA E GESTÃO 4.2. PRINCÍPIOS 4.3. INVESTIMENTO SOCIAL PRIVADO E INCENTIVADO Resumo: Reafirma o comportamento socialmente responsável da Duratex. Índice 1. OBJETIVO 2. ABRANGÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 3.1. PARTE INTERESSADA 3.2. ENGAJAMENTO DE PARTES INTERESSADAS 3.3. IMPACTO 3.4. TEMAS

Leia mais

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000

NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 NBR ISO 9001/2000 NBR ISO 9004/2000 2 Prefácio 3 A ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas é o Fórum Nacional de Normatização. As Normas Brasileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade Revisão: 09 Folha: 1 de 20 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE... 3 2.1 PLANEJAMENTO E ESCOPO DO SISTEMA... 3 2.2 EXCLUSÕES... 5 2.3 CONSCIENTIZAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 5 2.3.1

Leia mais

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros

EJRos Brasil Workshop 2014 Todos os Direitos Reservados. Everton J. De Ros Everton J. De Ros A ISO 9001 Revisão 2015 Cronograma Publicação Prevista em setembro de 2015 Jun 2012 Nov 2012 Jun 2013 Jan 2014 Set 2014 Jan 2015 Set2015 Minuta Design Spec & WD Design Spec & WD1 aprovada

Leia mais

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO

PES. 01 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1 de 21 6 TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO MACROPROCESSO GESTÃO DE PESSOAS PROCESSO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO TREINAMENTO E INTEGRAÇÃO 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS

PROC. 02 CONTROLE DE DOCUMENTOS 1 de 15 msgq CONTROLE DE DOCUMENTOS MACROPROCESSO GESTÃO DE PROCESSOS PROCESSO CONTROLE DE DOCUMENTOS CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. OBJETIVO... 2 2. ABRANGÊNCIA... 2 3. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 2 4. PROCEDIMENTOS...

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais