DIRETIVA DO FSC. Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC FSC-DIR POR. Forest Stewardship Council

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETIVA DO FSC. Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC FSC-DIR-40-005 POR. Forest Stewardship Council"

Transcrição

1 Forest Stewardship Council DIRETIVA DO FSC Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC Última atualização: 15 de Dezembro de 2014 CADEIA DE CUSTÓDIA CADEIA DE CUSTÓDIA

2 Título: Código de referência do documento: Aprovado por: Contato: Diretiva do FSC sobre Madeira Controlada FSC FSC Board of Directors FSC International Center - Unidade de Normas e Políticas do FSC Charles-de-Gaulle Str Bonn, Germany +49-(0) Forest Stewardship Council, A.C. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste trabalho coberta pelos direitos autorais (copyright) do editor pode ser reproduzida ou copiada de qualquer modo ou por qualquer meio (gráfico, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia, gravação, gravação em fita ou sistemas de recuperação de informações) sem a permissão prévia por escrito do editor. Cópias impressas são somente para referência. Por favor, obtenha a cópia eletrônica no site do FSC (www.fsc.org) para garantir que está utilizando a última versão. Esta é uma tradução do IMAFLORA da versão oficial do documento em inglês. Em caso de dúvidas ou de que haja alguma diferença entre esta tradução e o documento original, o documento original deve sempre governar e ser considerado correto. O Forest Stewardship Council (FSC) é uma organização independente, sem fins lucrativos, não governamental criada para apoiar o manejo ambientalmente apropriado, socialmente benéfico e economicamente viável das florestas do mundo. A visão do FSC é apoiar as florestas no mundo que atendem aos critérios sociais, ecológicos e econômicos e as necessidades das gerações atuais sem comprometer as futures gerações. 2 de 26

3 Prefácio O FSC recebeu vários comentários de Organismos de Certificação e interessados solicitando uma redução no número de documentos normativos para fazer com que o sistema documentado de certificação fosse mais compreensível. Portanto, o FSC combinou todas as Notas Informativas relacionadas com uma norma em documentos únicos que são denominados diretivas. Uma diretiva inclui todos as notas emitidas em relação a uma única norma. A relação com uma norma é refletida no código do documento. Quando a nova interpretação for aprovada, essas serão adicionadas à diretiva e o documento revisado será reemitido. A finalidade deste documento é normatizar a compreensão e a implantação dos requisitos do FSC por organismos e portadores de certificados. Este documento será revisado conforme a necessidade. O conteúdo da diretiva será incorporado nas normas relacionadas em cada revisão principal conforme for viável. Mudanças e emendas na diretiva serão anunciadas para a Rede do FSC imediatamente. Observação sobre o uso desta diretiva Todos os aspectos desta diretiva são considerados como sendo normativos, incluindo o escopo, a data de vigência, referências, termos e definições e anexos, a não ser em caso de declaração em contrário. 3 de 26

4 ÍNDICE A Escopo B C D E Data de vigência Referências Documentos normativos do FSC substituídos por esta Diretiva Termos e definições Parte 1 Assuntos gerais Parte 2 Notas Informativas do FSC NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA NOTA O conceito de distrito em avaliações de risco Reclamações sobre atividades controversas em UMFs de fornecedores Um local de fabricação ou de comércio pode ser definido como um "distrito" para fins de conduzir uma avaliação de risco? Que tipo de documentação e controle é necessário para verificar o distrito geográfico de origem? Inclusão de locais de fabricação / comércio no programa de verificação de Madeira Controlada da empresa Disponibilidade pública de avaliações de risco Conteúdo mínimo e revisão de resultados de avaliações de riscos disponíveis ao público O que fazer em casos onde duas empresas alcançam resultados contraditórios nas suas avaliações de riscos de um distrito? Uso orientações e designações de riscos desenvolvidos pelas Iniciativas Nacionais do FSC homologadas Quando um código de Madeira Controlada FSC pode ser emitido pelo organismo de certificação? Outras partes da norma precisam ser implantadas ou avaliadas para as atividades de vendas de Madeira Controlada FSC? Uso do Índice de Percepção de Corrupção da Transparência Internacional (CPI) em avaliações de riscos Existe qualquer diferença na interpretação de Florestas com Altos Valores de Conservação (HCVF) entre a norma de Madeira Controlada FSC e os Princípios de Critérios do FSC? Como baixo risco pode ser confirmado para a Categoria C da Cláusula 1.1 da FSC-STD V2-1? Auditorias de verificação de campo, resultados, tomadas de decisões e ações necessárias Qual é a taxa de amostragem e grupo que organismos de certificação devem usar para avaliações de campo de suprimentos de fontes com risco não especificado? Documentação e os requisitos processuais para demonstrar o distrito de origem geográfica dos co-produtos Independência do programa de verificação da empresa Aplicabilidade de Legislações e Regulamentações Nacionais e Locais para Avaliação de Risco de Madeira Controlada de Empreendimentos Fornecimento de co-produtos sob as regras da EU Timber Regulation 4 de 26

5 A Escopo Este documento fornece a interpretação formal dos requisitos incluídos na FSC- STD B Data de vigência A data de vigência está especificada para cada nota informativa separadamente. C Referências Os documentos referenciados a seguir são indispensáveis para a aplicação deste documento. Para referências sem data, a última edição do documento referenciado (incluindo quaisquer emendas) se aplica. FSC FSC-STD Norma para a avaliação de empresas de Madeira Controlada D Documentos normativos do FSC substituídos por esta Diretiva: FSC-ADV V Implantação dos Requisitos da Madeira Controlada FSC em FSC-STD V2-1 e FSC-STD V1-1 E Termos e definições Os termos e definições são fornecidos no glossário de termos FSC-STD do FSC e na Norma para a Avaliação de Madeira Controlada FSC FSC-STD V2-1. Definições de orientações adicionais são fornecidas no contexto de cada nota informativa. 5 de 26

6 Parte 1 Assuntos gerais 1 A Diretiva do FSC está proporcionando aos organismos de certificação e outros interessados orientações claras sobre a implantação das políticas e normas internacionais do FSC. Uma diretiva foi projetada para fornecer uma nota informativa formal em relação a um único assunto ou questão específica levantada com o FSC International Center. Todas as notas informativas sobre uma série de assuntos relacionados com uma política ou norma internacional específica do FSC são coligidos em um documento para melhorar a acessibilidade das interpretações para os organismos de certificação, portadores de certificados e partes interessadas. 2 Se um organismo de certificação estiver em dúvida sobre a implantação correta de qualquer política ou norma do FSC, o organismo de certificação deve solicitar esclarecimentos da Unidade de Políticas e Normas do FSC. Se necessário, tais esclarecimentos serão fornecidos na forma de uma nova diretiva. 3 Antes da finalização de uma nota informativa, um organismo de certificação pode tomar a sua própria decisão em relação a uma questão para a qual um esclarecimento foi pedido. Em tal caso, a responsabilidade pelas consequências da decisão será exclusivamente do organismo de certificação pertinente. As notas informativas formais fornecidas subsequentemente pelo FSC International Center serão aplicáveis retrospectivamente. 4 As notas informativas fornecidas neste documento representam a posição formal do FSC International Center, a não ser até que sejam substituídas pela aprovação de uma política, norma ou nota mais recente. Em tais casos, os requisitos especificados no documento mais recente devem ter precedência. 5 Organismos de certificação devem cumprir com as notas informativas formais mais recentes, e a Unidade de Negócios de Homologação do FSC baseará as suas avaliações e emitirá ações corretivas neles. 6 As notas informativas finalizadas são aprovadas pelo Chefe da Unidade de Políticas e Normas ou pelo Diretor Geral do FSC. Se um organismo de certificação desejar contestar a nota proporcionada, ele poderá fazê-lo solicitando uma revisão e uma decisão formal pelo Comitê de Política e Normas do FSC. Até e a não ser que tal revisão e decisão tenham sido finalizadas, o organismo de certificação deve continuar a obedecer a posição do FSC International Center. 7 Diretivas estão sob contínua revisão e podem ser revisadas ou retiradas em resposta a novas informações, experiências ou circunstâncias em mudança, por exemplo, pelo desenvolvimento de novas políticas ou normas aprovadas pelo Conselho de Diretores do FSC. 6 de 26

7 Parte 2 Notas Informativas do FSC NOTA O conceito de distrito em avaliações de risco Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula 8.1 e Anexo 2 No contexto de avaliações de risco, o termo distrito se refere ao nome genérico para denominar a escala geográfica na qual a avaliação de risco é realizada. Portanto, um distrito pode ser definido por país, estado, ecorregião, região, condado, UMF etc. As avaliações de risco para qualquer categoria podem ser conduzidas em qualquer escala geográfica onde informações confiáveis e independentes seja disponíveis para a empresa e onde as condições em relação às categorias da Madeira Controlada FSC sejam suficientemente homogêneas para avaliar o risco Nota Informativa 1. Para as categorias de Madeira Controlada FSC A, B, D e E (ver Cláusula 1.1 da FSC-STD V2-1), a avaliação de risco pode começar no nível nacional como o nível mais amplo. Neste caso, distrito significa o país. 2. A FSC-STD V2-1 define a ecorregião como a unidade para avaliação da categoria C de Madeira Controlada FSC (ameaças a HCVF (FAVC - Florestas de altos valores de conservação)). Isso ocorre principalmente porque as informações que precisam ser verificadas de acordo com os indicadores do Anexo 2 estão disponíveis principalmente no nível da ecorregião. 3. Para os fins de avaliação de risco da HCVF, a avaliação deve ser realizada primeiramente em um nível de país para avaliar se o distrito de onde se origina a madeira está localizada em quaisquer das ecorregiões listadas como de altos valores de conservação (e.g. Biodiversity Hotspots, Global 200 Ecoregion, Frontier Forest, Intact forest landscapes). Se a madeira não se origina de um distrito que esteja dentro de uma das ecorregiões designadas, a empresa pode classificar o distrito como de baixo risco e a madeira como Madeira Controlada para a dada categoria. Entretanto, se a madeira for originária de um distrito dentro de uma das ecorregiões designadas, a empresa deve classificar o distrito como risco não especificado. Neste caso, a empresa pode decidir conduzir uma avaliação de risco em uma escala menor (província, município, UMF) para a uma designação de baixo risco, desde que haja informações independentes verificáveis disponíveis para apoiar essa conclusão. OBSERVAÇÃO: As avaliações de riscos podem ser confinadas a certo escopo claramente definido em um distrito, como um tipo de floresta (e.g. plantações) ou escala (e.g. SLIMFs). Neste caso, o escopo confinado deve ser claramente refletido nos resultados de avaliação de riscos. 7 de 26

8 NOTA Reclamações sobre atividades controversas em UMFs de fornecedores Referência normativa FSC-STD V2-1 Seção 14, Cláusulas 14.1, 14.2 e 14.3 ; revisada em 25 de julho de 2011 Tem havido alguns casos em que, em distintos de baixo risco, estavam ocorrendo atividade controversas por fornecedores no nível da UMF. Não é a intenção da Norma de Madeira Controlada permitir que madeira advinda de atividades controversas como conversão ou violação de direitos humanos, mesmo se essas atividades estiverem ocorrendo em distritos considerados como de baixo risco em uma escala mais ampla. Nota Informativa Em casos de reclamações relacionadas com atividades controversas nas UMFs de fornecedores relevantes a quaisquer das cinco categorias de Madeira Controlada FSC, a empresa deve realizar uma consulta com os interessados pertinente à categoria de Madeira Controlada controversa para o distrito onde o fornecedor está localizado para coletar informações adicionais. Se as informações não permitirem uma designação clara de baixo risco, a empresa deve conduzir uma auditoria de verificação de campo de acordo com o Anexo 3 da FSC-STD V2-1 para determinar se as UMFs dos fornecedores pode ser confirmadas como baixo risco NOTA Um local de fabricação ou de comércio pode ser definido como um "distrito" para fins de conduzir uma avaliação de risco? Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula 8.1 Algumas empresas têm usado o local de seu comerciante ou fabricante fornecedor para conduzir a avaliação de risco em casos onde a origem geográfica da matéria prima não era conhecida. Nota Informativa 1. A definição de distrito de origem do material fornecido é definida geograficamente para o país, região, ecorregião ou floresta onde as árvores foram colhidas originalmente. O conceito de distrito não pode ser aplicado a empresas ou organizações que fabricam e/ ou comercializam produtos florestais em qualquer local da cadeia de suprimento da cadeia de custódia. 2. Se o distrito geográfico de origem do material florestal adquirido não puder ser determinado, não pose ser realizada uma avaliação de risco e subsequentemente o material não pode ser usado como um insumo de material controlado FSC. NOTA Que tipo de documentação e controle é necessário para verificar o distrito geográfico de origem? Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula 8.1 revisado em 01 de julho de 2010 revisado em 08 de dezembro de 2010 Termos e definições Empresa: A entidade legal que deve cumprir a FSC STD V2-1, a qual 8 de 26

9 Nota Informativa As empresas são obrigadas a manter documentação que demonstre o distrito de origem. 1. Para demonstrar conformidade com o item 8.1, as empresas devem manter registros para demonstrar o distrito de origem no nível da floresta. Esses registros devem incluir, mas não estão restritos a, documentos de transporte legalmente obrigatórios e prova de compra da unidade de manejo florestal de origem. Documentos para demonstrar a origem devem estar disponíveis ao organismo de certificação durante auditorias e quando requisitados. Uma declaração do fornecedor somente pode ser usada como uma parte do conjunto de documentação para demonstrar o distrito de origem. Uma declaração de fornecedor isolada, mesmo se coberta por um acordo contratual, não é considerada prova suficiente da origem da madeira. 2. Além do item 1.1 (acima), para fornecedores localizados em países com uma CPI abaixo de 5, as empresas devem realizar um teste de plausibilidade das informações coletadas conforma o item 8.1. Este teste deve incluir critérios de plausibilidade definidos pela empresa, como a distância e os meios de transporte, espécies florestais, relacionamento com fornecedores etc. OBSERVAÇÃO 1: É d e responsabilidade da empresa avaliar os critérios de plausibilidade e chegar a um juízo justo e objetivo relacionado com a plausibilidade e a confiabilidade das informações fornecidas. O princípio de precaução deve ser aplicado. OBSERVAÇÃO 2: Se o resultado do teste de plausibilidade for negativo, o material não deve ser usado como um insumo de madeira controlada. Notas de implementação 3. Organismos de certificação devem confirmar se a documentação adequada é mantida e verificada em cada auditoria de monitoramento. 1. O termo distrito de origem no nível florestal é incluído para permitir que a documentação proveniente de um nível administrativo diferente do nível da UMF possa ser aceito para demonstrar o distrito de origem. Cada entidade precisaria faturar a madeira proveniente de um distrito de risco homogêneo. É essencial, que cada sistema de faturamento seja capaz de demonstrar um vínculo a um específico distrito de risco homogêneo. 2. Documentos de transporte legais exigidos e provas de compra do responsável pela Unidade de Manejo Florestal de quem a madeira foi originada são considerados suficientes para demonstrar o distrito de origem no nível florestal. No entanto, quando tal documentação não é comumente a regra, outras formas de evidência, que possuam pelo menos o mesmo grau de integridade, podem ser suficientes. Tais evidências podem incluir identificadores únicos, tais como marcadores não removíveis, que estejam diretamente ligados à UMF de origem. 3. Uma declaração do fornecedor por si só não é considerada evidencia suficiente para as regulamentações em vigor. Se tal declaração for feita, é necessário que ela seja embasada por outras documentações que formalmente demonstrem o distrito de origem ao nível da floresta (ver nota de implementação 02). 4. Onde tal documentação não está disponível, o fornecimento não pode ser aceito como Madeira Controlada. Em tais casos uma Cadeia de Custodia para Madeira Controlada devera ser requerida para relacionar o fornecimento com o distrito de origem no nível florestal, tanto para FSC-STD ou FSC-STD de 26

10 NOTA Inclusão de locais de fabricação / comércio no programa de verificação de Madeira Controlada da empresa Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula 8.1, 9.1 Uma empresa pode decidir incluir um estudo completo da cadeia de certo suprimento em seu programa de verificação de madeira controlada para rastrear o material de volta ao distrito de origem. Isso pode ser aplicado em situações onde a matéria prima não é adquirida diretamente da floresta. Nota Informativa 1. Para incluir uma cadeia de custódia no programa de verificação de madeira controlada todos os fornecedores (comerciantes e fabricantes) nesta cadeia de custódia específica devem ser incluídos. 2. A empresa deve demonstrar satisfatoriamente ao seu organismo de certificação que certo suprimento é identificável e rastreável até o distrito de origem por documentação ou registros verificáveis (faturas, notas fiscais etc.). 3. A empresa deve implantar um processo para verificar a autenticidade da documentação especificada para confirmar o país e o distrito de origem da madeira. 4. A empresa deve ser capaz de demonstrar que a madeira não foi misturada com madeira de fontes não controladas através da cadeia de suprimento. Isso pode ser demonstrado por auditorias no local da cadeia de suprimento conduzidas pela empresa. NOTA Disponibilidade pública de avaliações de risco Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula Nota Informativa 1. A empresa deve fornecer as avaliações de risco conforme exigidas pela FSC-STD V2-1 Anexo 2 para o seu organismo de certificação para a revisão da suficiência técnica e adequação das avaliações de risco. 2. O organismo de certificação deve publicar os resultados das avaliações de riscos no prazo de sete dias depois da revisão do registro da COC da empresa no banco de dados do FSC em 3. Para que uma empresa inclua um novo distrito em seu programa de verificação de madeira controlada, ela deve primeiramente submeter às respectivas avaliações de risco ao seu organismo de certificação e obter os resultados de sua revisão antes de usar materiais desses distritos em grupos de produtos do FSC. 4. Os resultados das avaliações de risco devem incluir as informações mínimas conforme especificado na NOTA de 26

11 NOTA Conteúdo mínimo e revisão de resultados de avaliações de riscos disponíveis ao público financeiro Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula 11.2 Os requisitos de conteúdo para as avaliações de riscos disponíveis ao público não são especificados na FSC-STD V2-1. Esta Nota Informativa define a interpretação do FSC do requisito de disponibilidade ao público, com base na necessidade de transparência da implantação da Norma de Madeira Controlada FSC, mas ao mesmo tempo, considerando a necessidade de confidencialidade da empresa. A Nota Informativa a seguir é relacionada com uma decisão dos membros da Assembléia Geral de 2008 por meio da Moção # 24. Nota Informativa 1. Os resultados de avaliações de riscos disponíveis ao público devem incluir no mínimo, as seguintes informações: a) Nome e endereço do organismo de certificador homologado pelo FSC aprovador b) Data da avaliação de risco c) Data da revisão pelo organismo de certificador homologado pelo FSC d) Nomes dos distritos para os quais a avaliação de risco foi conduzida e) Conclusão de risco para cada uma das cinco categorias de Madeira Controlada FSC (refere-se à FSC-STD V2-1 Anexo 2) para cada um dos distritos f) Uma breve justificativa para cada uma das categorias de madeira controlada consideradas de baixo risco g) Listagem das fontes de informações usadas para avaliar os indicadores 2. Espera-se que as empresas revisem suas avaliações de risco ao menos uma vez ao ano para verificar a correção contínua de suas designações de risco para cada indicador das cinco categorias de Madeira Controlada FSC. Isso deve ser conduzido antes da auditoria anual pelo organismo de certificação na qual o organismo de certificação deve fazer a verificação do processo de revisão. Quando mudanças significativas do perfil de risco se tornar evidentes (i.e. mudanças na lei, quebra do estado de direito devido a tumultos e distúrbios civis etc.), a empresa deve revisar sua avaliação de risco. NOTA O que fazer em casos onde duas empresas alcançam resultados contraditórios nas suas avaliações de riscos de um distrito? Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula 11.2 A Nota Informativa a seguir é relacionada com uma decisão dos membros da Assembléia Geral de 2008 por meio da Moção # de 26

12 Nota Informativa 1. Em casos onde um organismo de certificação estabelece que os resultados de uma avaliação de risco por um de seus clientes contradiz o resultado de uma avaliação de risco de outra empresa para o mesmo distrito de origem, aquele organismo de certificação deve obter esclarecimentos do Programa de Homologação do FSC. OBSERVAÇÃO: O FSC recomenda enfaticamente que organismos de certificação homologados consultem avaliações de risco publicadas previamente (banco de dados do FSC) para identificar potenciais conflitos relacionados com conclusões diferentes de riscos. 2. Em casos onde uma empresa recebe informações contraditórias sobre a avaliação de risco de qualquer das categorias de Madeira Controlada, o princípio de precaução deve se aplicar. 12 de 26

13 NOTA Uso orientações e designações de riscos desenvolvidos pelas Iniciativas Nacionais do FSC Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula 8.1 e Anexo 13.3 Desde que o conceito de avaliação de risco foi introduzido, surgiram perguntas sobre quais informações seriam evidência conclusiva para fundamentar conclusões de avaliação de riscos e como assegurar a credibilidade de avaliações de riscos conduzidas por empresas. Nota Informativa 1. Designações de risco para um país específico / região específica conduzida pelas Iniciativas Nacionais homologadas pelo FSC e aprovadas pelo FSC IC devem ser consideradas como conclusivas e serão usadas por qualquer empresa que adquira material originário de florestas não certificado sob um programa de verificação de madeira controlada daquele país específico / região específica. 2. As empresas terão um período de até doze meses depois da data de aprovação para alinhar seus programas de verificação de madeira controlada com a designação de risco aprovada por uma Iniciativa Nacional. Os organismos de certificação serão responsáveis por informar seus portadores de certificados sobre designações de risco aprovadas recentemente. 3. A FSC-STD V2-1 Cláusula 13.3 também requer que qualquer orientação formal (diferente das designações de risco) produzida por uma Iniciativa Nacional homologada pelo FSC deve ser usada pela empresa. A orientação pode incluir detalhes sobre interessados relevantes, áreas de elevados valores de conservação ou procedimentos de consultas. Ignorar a orientação é considerado uma não conformidade. OBSERVAÇÃO 1: Procedimentos do FSC para desenvolver designações de risco por Iniciativas Nacionais Homologadas pelo FSC estão incluídos na FSC-PRO V1-0 Designação de Risco de Madeira Controlada FSC desenvolvida por Iniciativas Nacionais do FSC. OBSERVAÇÃO 2: O FSC está trabalhando em uma solução técnica para estabelecer um local central na Internet para informações sobre riscos e avaliações de riscos realizadas Iniciativas Nacionais. Em um estágio mais avançado, o FSC está considerando que tal plataforma da Internet conterá informações conclusivas para países específicos. OBSERVAÇÃO 3: O FSC está planejando liderar o desenvolvimento de avaliações de riscos em áreas do mundo onde não há nenhuma Iniciativa Nacional do FSC. NOTA Quando um código de Madeira Controlada FSC deve ser emitido pelo organismo de certificação? Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula 15.1, 15.2 f; FSC-STD V2-0, Cláusula f. 13 de 26

14 O código de Madeira Controlada FSC geralmente representa que a empresa incluiu a venda de Madeira Controlada FSC para ao menos um grupo de produtos do FSC no escopo de seu certificado de Cadeia de Custódia do FSC. Nota Informativa 1.Um código de Madeira Controlada FSC deve ser emitido para todas as empresas que queiram fazer alegações do FSC relacionadas com Madeira Controlada FSC em documentações de vendas e de transporte. Para outras atividades sob a FSC- STD V2-1 relacionadas com o suprimento de materiais não certificados FSC (e.g. identificação de origem, avaliações de riscos, verificação de campo), nenhum código deste tipo precisa ser emitido. OBSERVAÇÃO: Os códigos de Madeira Controlada FSC que já foram emitidos serão mantidos. Novos códigos de Madeira Controlada FSC podem também ser emitidos para atividades sob a FSC-STD V2-1 relacionadas com o suprimento de materiais não certificados FSC. 2. O organismo de certificação não deve emitir o código de Madeira Controlada FSC se houver não conformidades maiores em aberto com os requisitos da FSC-STD V2-1. NOTA Outras partes da norma precisam ser implantadas ou avaliadas para as atividades de vendas de Madeira Controlada FSC? Referência normativa FSC-STD V2-1 Cláusula 10.1 e Anexo 4 Há situações onde a FSC-STD V2-1 é aplicada apenas para o propósito de compra e/ou venda de Madeira Controlada FSC. Isso se aplica a casos onde empresas adquirem Madeira Controlada FSC de fornecedores certificados FSC e gostariam de transferir o material com a alegação Madeira Controlada FSC ou usá-la juntamente com material certificado pelo FSC em grupos de produtos FSC Misto, resultando em uma proporção de material de saída FSC Misto e Madeira Controlada FSC. Considerando que as alegações de Madeira Controlada FSC somente podem ser feitas por empresas que portam um certificado válido de Cadeia de Custódia do FSC e que os requisitos de compra e de registros são em grande parte cobertos pela FSC-STD V2-0: Norma do FSC para a Certificação de Cadeia de Custódia, a seguinte Nota Informativa é fornecida: 14 de 26

15 Nota Informativa 1. Para a compra de Madeira Controlada FSC (i.e. material que já foi controlado por um fornecedor certificado pelo FSC e que desde então foi transferido com alegações do FSC por meio de uma cadeia de custódia certificada do FSC) somente a seção a seguir da FSC-STD V2-1 precisa ser implantada por empresas e avaliada por organismos de certificação: a) Parte 2, Cláusula 10.1 (conforme aplicável); 2. Para a venda de Madeira Controlada FSC somente as seções a seguir da FSC-STD V2-1 precisam ser implantadas por empresas e avaliadas por organismos de certificação: a) Parte 2, Cláusula 10.1 (conforme aplicável); OBSERVAÇÃO: Tanto importações quanto exportações de Madeira Controlada FSC de espécies listadas nos Anexos I, II ou III da Convention on International Trade in Endangered Species of Wild Fauna and Flora (Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção) (CITES), devem ser acompanhadas pelas licenças e/ou alvarás aplicáveis do país de origem. b) Parte 4: Venda de Madeira Controlada pelo FSC, e c) Anexo 4: Disposições para alegações relacionadas com a Madeira Controlada FSC NOTA Uso do Índice de Percepção de Corrupção (CPI) da Transparência Internacional em avaliações de riscos Referência normativa FSC-STD V2-1 Anexo 2 Seção B.1, Indicador 1.4 O Índice de Percepção de Corrupção (CPI) da Transparência Internacional publicado anualmente foi identificado pela PSU como uma fonte que deve ser usada pelas empresas ao avaliar a categoria 1 Madeira Controlada Extraída Ilegalmente em certo país. O índice classifica os países de acordo com a percepção de quão difundida é a corrupção entre funcionários públicos políticos. Embora este índice não se concentre na concessão de alvarás de extração e outras atividades relacionadas com a implantação de disposições legais relacionadas com a extração de toras, espera-se que a corrupção generalizada no setor público inclua o setor florestal em países onde as atividades de extração e de comércio de madeira são reguladas e controladas por autoridades governamentais. A FSC-STD V2-1 exige uma abordagem de precaução por empresas ao avaliarem riscos. Isso significa que se houver falta de informações sobre a corrupção no setor florestal, um país / distrito deve ser definido como de risco não especificado para o indicador referenciado e, portanto, para toda a categoria de Madeira Controlada. O CPI apresenta um sistema que classifica a corrupção com uma faixa numérica de 1 a 10, considerando 1 como a indicação mais elevada e 10 como o nível corrupção mais baixo. 15 de 26

16 Nota Informativa Considerando a faixa numérica do CPI, as empresas podem considerar um limiar de 5 para determinar risco não especificado/baixo. Países com um índice de menos de 5 devem ser considerados como de risco não especificado para o indicador 1.4 no Anexo 2 da Seção B da FSC-STD V2-1, a não ser que haja informações específicas independentes e de crédito em uma escala mais baixa (e.g. sistemas de rastreamento independente de toras implantados) que demonstrem o contrário. OBSERVAÇÃO:Como o CPI é atualizado todos os anos, as empresas devem também revisar suas avaliações de risco ao menos anualmente (ver também 6.2). NOTA Existe alguma diferença na interpretação de Florestas com Altos Valores de Conservação (HCVF) entre a norma de Madeira Controlada FSC e a norma Princípios e Critérios do FSC? Referência normativa FSC-STD V2-1 Anexo 2 Seção B O conceito de florestas de alto valor de conservação foi introduzido primeiramente pelos Princípios e Critérios do FSC. A Nota Informativa a seguir é relacionada com uma decisão dos membros da Assembléia Geral de 2008, por meio da Moção n de 26

17 Nota Informativa 1. Não há nenhuma diferença na definição de HCVF e suas diferentes categorias entre os Princípios e Critérios do FSC e as Normas de Madeira Controlada FSC. 2. A principal diferença está relacionada com os objetivos de ambas as normas. Enquanto os Princípios e Critérios do FSC requerem a manutenção e a melhoria de atributos de alto valor de conservação no nível da unidade de manejo florestal, a Norma de Madeira Controlada requer que a empresa evite madeira que seja originária de florestas onde valores altos de conservação estão sendo ameaçados no nível ecorregional. 3. A avaliação de risco (Anexo 2 da FSC-STD V2-1) Os principais aspectos em relação ao conceito de HCVF são: a) A norma FSC-STD V2-1 requer a identificação de altos valores de conservação que sejam ecorregionalmente significativos, o que em termos práticos implica que valores relevantes localmente não estão no foco desta etapa da avaliação de risco. b) A norma FSC-STD V2-1 requer a identificação de ameaças a HCVs causadas por atividades de manejo florestal. 4. Programa de verificação da empresa (Anexo 3 da FSC-STD V2-1) Se um distrito foi identificado como risco não especificado para HCVF na avaliação de risco de acordo com o Anexo 2, a empresa pode decidir conduzir uma auditoria de verificação de campo de acordo com o Anexo 3 da FSC-STD V2-1 para chegar a uma designação de risco baixo. Esta auditoria deve incluir: a) Avaliação para identificar a presença de altos valores de conservação, apropriados ao tamanho da UMF e à intensidade do manejo; b) Evidências de consultas com interessados relevantes na presença e ameaças de altos valores de conservação na UMF avaliada; (c) Uma lista dos de altos valores de conservação identificados juntamente com a evidência que eles não estejam ameaçados na UMF avaliada. OBSERVAÇÃO: O FSC está desenvolvendo um documento de orientação para apoiar a implantação do Anexo 2 e do Anexo 3 da FSC-STD V2-1 em relação a HCVFs. NOTA Como baixo risco pode ser confirmado para a Categoria C da Cláusula 1.1 da FSC-STD V2-1? Referência normativa FSC-STD V2-1 Anexo 2 Seção B.3-17 de 26

18 Nota Informativa 1. A conformidade com o Indicador 3.1 pode ser demonstrada como segue: a) O distrito de origem da madeira não está localizado em qualquer das áreas mapeadas de altos valores de conservação (como listado em 3.1) em certo país, ou b) Não há nenhum alto valor de conservação ecorregional significativo no distrito de origem de acordo com informações independentes verificáveis no nível do distrito/ UMF (relatórios de ONGs, avaliações de impactos ambientais etc.). 2. A conformidade com o Indicador 3.2 deve ser demonstrada como segue: a) Um forte sistema de proteção de altos valores de conservação está implantado. A definição de forte deve ser baseado na eficácia da vigência da lei no país. Isso pode ser demonstrado através de uma classificação elevada ( 75%) no índice do estado de direito do Banco Mundial (www.govindicators.org), e b) Apoio significativo Poe interessados relevantes nacionais / regionais do distrito avaliado, ou c) A empresa concordou com uma abordagem de proteção de HCVF no nível do manejo florestal com interessados ambientais nacionais / regionais do distrito avaliado. 3. A conformidade com o Indicador 3.2 não pode ser demonstrada se houver uma objeção substancial de interessados relevantes nacionais/ regionais contra uma designação de baixo risco para a categoria HCVF. NOTA Auditorias de verificação de campo, resultados, tomada de decisões e ações exigidas Referência normativa FSC-STD V2-1 Anexo 3 - Nota Informativa 1. Empresas que não são capazes de identificar e de fornecer documentos ou provas necessárias para demonstrar que um suprimento de madeira está em conformidade com os requisitos de Madeira Controlada FSC para cada uma das cinco categorias de Madeira Controlada FSC devem considerá-las como risco não especificado e implantar uma auditoria de verificação de campo no nível da unidade de manejo florestal (UMF) antes de aceitar material dessas unidades de manejo florestal como controlado. A verificação de campo somente precisa ser feita para as categorias CW previamente identificadas como risco não especificado. 18 de 26

19 2. As auditorias de campo do organismo de certificação para fornecedores de madeira de fontes de risco não especificado podem ser conduzidas em conjunto com a auditoria de verificação de campo pela empresa. 3. Se qualquer UMF no programa de verificação de campo não cumprir os requisitos como especificado no Anexo 3 da FSC-STD V2-1, a madeira daquela UMF não será aceita como controlada. Além disso, a empresa deve escolher aleatoriamente outra UMF no conjunto de UMFs similares para cada uma que for removida e conduzir uma auditoria adicional no mesmo ano que permitirá tomar uma decisão final sobre a qualidade de seu programa de verificação de Madeira Controlada. O último somente se aplica a UMFs que podem ser avaliadas com base na amostragem. NOTA Qual é a taxa de amostragem e grupo que organismos de certificação devem usar para avaliações de campo de suprimentos de fontes com risco não especificado? Referência normativa FSC-STD V2-1 Anexo 3 - Nota Informativa 1. A base para a fórmula de amostragem a ser conduzida pelos organismos de certificação deve ser a amostra utilizada pela empresa (i.e. x = 0.8* y, onde y representa a amostra usada pela empresa). 2. O grupo de amostragem anual para organismos de certificação devem ser as UMFs que a empresa visitou como parte do programa de verificação da empresa. 3. Se outro organismo de certificação homologado pelo FSC conduziu uma visita de campo a uma UMF como parte de programa de verificação da empresa, aquele local pode ser excluído da amostra. NOTA Documentação e os requisitos processuais para demonstrar o distrito de origem geográfica dos co-produtos Referência normativa FSC-STD V2-1 Clausula 8.1; ADVICE Data de vigência 01 de Abril de 2011 Termos e definições Empresa: A entidade legal que deve cumprir a FSC STD V2-1 deve ser a portadora do certificado ou uma candidata à certificação. Empresas são obrigadas a manter a documentação que demonstre o distrito de origem do material fornecido e deve implementar um processo de verificação da autenticidade da documentação. Este é um desafio específico para empresas que utilizam os co-produtos, como tal, materiais recuperados são comumente misturados nas fases iniciais da cadeia de abastecimento e são quase impossíveis de serem associados às faturas com base em transações comerciais. Assim, para co-produtos os requisitos de madeira controlada haviam sido dispensados por uma isenção especificada na norma FSC-STD (Versão 1) e posteriormente em FSC-ADV (versão 1 e 2). Esta 19 de 26

20 isenção irá permanecer até 31 de dezembro de 2012 para grupos de produtos registrados como sendo comercialmente produzidos antes de 01 de abril de Os grupos de produtos que não forem registrados terão de cumprir essa Nota Informativa a partir da data de vigência. Nota Informativa 1. Para entradas de co-produto, a empresa deve documentar o distrito geográfico de origem pelo comprovante de compra da unidade de manejo florestal de origem ou por um acordo legal que seja eficaz e exeqüível, feito com o fornecedor dos coprodutos, que inclui uma declaração sobre as fontes de origem. 2. Um acordo com o fornecedor deve ser feito por escrito e deve incluir: a) A informação sobre a origem geográfica (por exemplo países, regiões, unidades de manejo florestal) dos co-produtos fornecidos, que é a informação necessária para a análise de risco da empresa. O tipo de informação deve coincidir com a escala geográfica do distrito definido para a avaliação de risco da empresa. b) Um compromisso que, nos casos em que o material é considerado como proveniente de áreas de risco indeterminado, o fornecedor vai apoiar a empresa na coleta de informações para identificar a floresta de origem e toda a cadeia de abastecimento relativas a esse fornecimento. 3. No caso de um acordo com o fornecedor, a empresa procederá a uma verificação de plausibilidade para verificar as informações sobre a fonte de origem fornecidas. Estes controles devem incluir, no mínimo, os critérios de evidência a seguir: - A espécie de madeira fornecida é comercialmente colhida no distrito declarado (e tem um certificado CITES, se necessário)? - O tipo e a qualidade do material fornecido é disponível comercialmente a partir do distrito declarado? - A distância e os meios de transporte para a empresa (ou para o site do fornecedor no caso de o fornecedor ter entradas de coproduto) são compatíveis com a área declarada e economicamente viável? NOTA: É de responsabilidade da empresa avaliar os critérios acima e chegar a um julgamento justo e objetivo sobre a plausibilidade e confiabilidade das informações prestadas pelo fornecedor. O princípio de precaução deve ser aplicado. Se o resultado do teste de plausibilidade for negativo, o material não pode ser aceito como entrada de material controlado através de um acordo com o fornecedor. NOTA Independência do programa de verificação da empresa Referência normativa FSC-STD V2-1 Parte 3 Aprovação Aprovado pelo Diretor Executivo do FSC em 14 de Junho de Esta Instrução está baseada na recomendação desenvolvida pelo Comitê 20 de 26

FSC Forest Stewardship Council

FSC Forest Stewardship Council FSC Forest Stewardship Council Título: Código de referência do documento: FSC-POL-01-004 V2-0 EN Política de Associação de Empreendimentos com o FSC Escopo: Internacional Aprovação: Parte I: julho de 2009

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

NORMA INTERNACIONAL FSC

NORMA INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council NORMA INTERNACIONAL FSC Todos os direitos reservados Todos os direitos reservados FSC Internacional (FSC F000100) CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do Documento:

Leia mais

DIRETIVA FSC. Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia. Forest Stewardship Council FSC-DIR-40-004 POR

DIRETIVA FSC. Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia. Forest Stewardship Council FSC-DIR-40-004 POR Forest Stewardship Council DIRETIVA FSC Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia Última atualização: 15 de Agosto de 2014 CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Diretiva para Certificação FSC em Cadeia

Leia mais

NORMA FSC. Forest Stewardship Council PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS FSC

NORMA FSC. Forest Stewardship Council PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS FSC 2011 Forest Stewardship Council A.C. Todos os direitos reservados Forest Stewardship Council NORMA FSC PARA COMPRA DE MATERIAL RECUPERADO PARA USO EM GRUPOS DE PRODUTOS FSC OU CERTIFICAÇÃO DE PROJETOS

Leia mais

PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC. 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos reservados

PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC. 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos reservados FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER PADRÃO FSC PADRÃO FSC PARA AVALIAÇÃO, PELA EMPRESA, DE MADEIRA CONTROLADA FSC FSC-STD-40-005 (Versão 2-1) 2006 Forest Stewardship Council A.C. Todos direitos

Leia mais

DIRETIVA FSC. Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia. Forest Stewardship Council FSC-DIR-40-004 POR

DIRETIVA FSC. Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia. Forest Stewardship Council FSC-DIR-40-004 POR Forest Stewardship Council DIRETIVA FSC Diretiva para Certificação FSC em Cadeia de Custódia Última atualização: 01 de novembro de 2012 CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Diretiva para Certificação FSC em Cadeia

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC!

Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! Envolva-se! Venha ser um membro do FSC! O seu apoio é fundamental para continuarmos a trabalhar pelo futuro de nossas florestas, da fauna, da flora e dos povos que nela habitam. Um planeta com qualidade

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001:2008

ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema de

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL-20-005 V2-0 PT

POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL-20-005 V2-0 PT Forest Stewardship Council POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) FSC-POL-20-005 V2-0 PT 2013 Forest Stewardship Council, A.C. Todos os direitos reservados. Título: Código de referência do documento:

Leia mais

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification

GP01 FSC CoC eng v5.0 Bureau Veritas Certification GP01 Forest Stewardship Council Cadeia de certificação de custódia Descrição do processo de certificação Referência do Documento: [GP01 FSC CoC Eng v5.0] Bureau Veritas Certification France Wood & Forest

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1

ISO 14000. ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 MÓDULO C REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001 ISO 14000 Edição Junho / 2006 - Rev.0 C-1 REQUISITOS DA NORMA AMBIENTAL ISO 14001/04 Sumário A.) A Organização ISO...3 B.) Considerações sobre a elaboração

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Café de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 01.05.2011 Substitui a versão anterior de: 16.02.2009 Data esperada para a próxima revisão : 2013 Envie seus comentários

Leia mais

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br

Soluçoes ~ Gráficas. Digital. Off-Set. Compromisso com o CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. www.dizart.com.br Soluçoes ~ Gráficas Digital Off-Set CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL www.dizart.com.br SOBRE O FSC É amplamente aceito que os recursos florestais e as áreas por eles ocupadas devam ser manejados

Leia mais

VERSÃO FINAL PROJETO FINAL PARA VOTAÇÃO PELOS MEMBROS DO FSC INTERNACIONAL

VERSÃO FINAL PROJETO FINAL PARA VOTAÇÃO PELOS MEMBROS DO FSC INTERNACIONAL NORMA FSC FSC-STD-01-001 V5-0 D5-0 / PORTUGUÊS 1 Princípios e Critérios da FSC para Manejo Florestal PROJETO FINAL PARA VOTAÇÃO PELOS MEMBROS DO FSC INTERNACIONAL 1 Tradução feita pelo Conselho Brasileiro

Leia mais

Política de sourcing de papel e celulose Orientação de conformidade Versão 1, março de 2015

Política de sourcing de papel e celulose Orientação de conformidade Versão 1, março de 2015 Política de sourcing de papel e celulose Orientação de conformidade Versão 1, março de 2015 Nós da 3M já reconhecemos há muito tempo nossa responsabilidade de preservar os recursos naturais e apoiar o

Leia mais

Documento Explicativo 1

Documento Explicativo 1 FAIRTRADE LABELLING ORGANIZATIONS INTERNATIONAL CRITÉRIOS FAIRTRADE E FAIRMINED PARA OURO DE MINERAÇÃO ARTESANAL E EM PEQUENA ESCALA, INCLUINDO METAIS PRECIOSOS ASSOCIADOS Documento Explicativo 1 Versão

Leia mais

PADRÃO INTERNACIONAL FSC

PADRÃO INTERNACIONAL FSC Forest Stewardship Council PADRÃO INTERNACIONAL FSC Indicadores Genéricos Internacionais do FSC VERSÃO 1-0 PARA CONSULTA PÚBLICA FOREST MANAGEMENT MANEJO FLORESTAL Título: Código de referência do documento:

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2

Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit (SDK) do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 Contrato de Licença de Software da Novell para o Software Development Kit ("SDK") do SUSE Linux Enterprise 11 SP2 LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE

Leia mais

CROSSWALK DA REVISÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA FSC

CROSSWALK DA REVISÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA FSC CROSSWALK DA REVISÃO DA CADEIA DE CUSTÓDIA FSC Data: 01 de Setembro de 2015 Este Crosswalk foi criado para ajudar a facilitar a consulta pública sobre a revisão do padrão da Cadeia de Custódia (FSC-STD-40-004

Leia mais

Uso Exclusivo em Treinamento

Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br ABNT NBR ISO 9001:2008 Uso Exclusivo em Treinamento SUMÁRIO 0. Introdução 2 0.1 Generalidades 2 0.2 Abordagem de processo 3 0.3 Relação com a norma NBR ISO 9004 5 0.4

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Cacau de Organizações de Pequenos Produtores Também aplicado à Produção Contratada na Oceania Versão atual: 01.05.2011_v1.2 Data esperada para a próxima revisão : 2015 Envie

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL SISTEMA DE GESTÃO DA INTEGRIDADE OPERACIONAL IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS À IMPARCIALIDADE E MECANISMO PARA SALVAGUARDAR A IMPARCIALIDADE GLOBAL PROCEDIMENTO OI-L3-703-SAM-(BR)-IND-9264 Revisão: 00 Data de

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

Por que escolher a Formação de Gestor de Cadeia de Custódia do IMAFLORA? Programa de Formação de Gestor de Cadeia de Custódia FSC

Por que escolher a Formação de Gestor de Cadeia de Custódia do IMAFLORA? Programa de Formação de Gestor de Cadeia de Custódia FSC Programa de Formação de Gestor de Cadeia de Custódia FSC Por que escolher a Formação de Gestor de Cadeia de Custódia do IMAFLORA? A Formação de Gestor de Cadeia de Custódia FSC aborda os principais tópicos

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

Guia do Cúram Verification

Guia do Cúram Verification IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 Nota Antes de usar essas informações e o produto

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR

RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR RELATÓRIO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL - CADEIA DE CUSTÓDIA REQUISITOS PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790:2014 - CERFLOR EMPRESA AUDITADA: BIGNARDI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE PAPÉIS E ARTEFATOS LTDA.

Leia mais

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r)

Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) Designer 3.5 for Identity Manager Contrato de Licença de Software da Novell(r) LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR, FAZER DOWNLOAD OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE, VOCÊ ESTÁ CONCORDANDO

Leia mais

o selo FSC Conselho Brasileiro de Manejo Florestal - FSC Brasil

o selo FSC Conselho Brasileiro de Manejo Florestal - FSC Brasil O FSC O FSC, Forest Stewardship Council, é uma organização independente, não-governamental, sem fins lucrativos, criada para promover o manejo florestal responsável ao redor do mundo. Fundado em 1993 como

Leia mais

Indicadores Genéricos Internacionais do FSC

Indicadores Genéricos Internacionais do FSC Forest Stewardship Council PADRÃO INTERNACIONAL FSC Indicadores Genéricos Internacionais do FSC VERSÃO 2-0 PARA CONSULTA PÚBLICA FOREST MANAGEMENT MANEJO FLORESTAL Título: Código de referência do documento:

Leia mais

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento

Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento Web Site: www.simplessolucoes.com.br N786-1 ISO CD 9001 Tradução livre Uso Exclusivo em Treinamento N786-1 ISO CD 9001 para treinamento - Rev0 SUMÁRIO Página Introdução 4 0.1 Generalidades 4 0.2 Abordagem

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos

Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos DEZ 2000 NBR ISO 9001 Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 28º andar CEP 20003-900 Caixa Postal 1680 Rio

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais

GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais GOV25 Condições e Obrigações de Associação para Membros Comerciais 2011-12-31 União para o BioComércio Ético Em caso de diferencia com a versão original em Inglês, deve consultar esta ultima. GOV25 Condições

Leia mais

Forest Stewardship Council. Perguntas Frequentes sobre o uso das marcas registradas FSC por Portadores de Certificado

Forest Stewardship Council. Perguntas Frequentes sobre o uso das marcas registradas FSC por Portadores de Certificado Forest Stewardship Council Perguntas Frequentes sobre o uso das marcas registradas FSC por Portadores de Certificado Esperamos que o padrão sobre o uso das marcas registradas FSC-STD-50-001 (V1-2) esteja

Leia mais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais

Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Hilti do Brasil Comercial Ltda. Política de Privacidade e Proteção de Informações Pessoais Nós, Hilti (Brasil) Comercial Ltda. (coletivamente, referido como Hilti, "nós", "nosso" ou "a gente") nessa Política

Leia mais

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11.

ABNT NBR ISO 9001. Sistemas de gestão da qualidade Requisitos. Quality management systems Requirements ' NORMA BRASILEIRA. Segunda edição 28.11. ' NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO 9001 Segunda edição 28.11.2008 Válida a partir de 28.12.2008 Sistemas de gestão da qualidade Requisitos Quality management systems Requirements Palavras-chave: Sistemas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos

Sistema de Gestão da Qualidade -Requisitos MB Consultoria Av. Constantino Nery, Nº 2789, Edifício Empire Center, Sala 1005 a 1008 Manaus - Amazonas - Brasil CEP: 69050-002 Telefones: (92) 3656.2452 Fax: (92) 3656.1695 e-mail: mb@netmb.com.br Site:

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

erythropappus) no Brasil (versão 1.0)

erythropappus) no Brasil (versão 1.0) Tipo de documento: Padrão RA Escopo: Brasil Situação do documento: Aprovado Data desta versão: 17 de setembro de 2012 Número da versão: 1.0 Período de consulta: Responsável pela aprovação: Pessoa de contato:

Leia mais

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell

SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell SUSE LINUX Enterprise Server (SLES) 10 Contrato de Licença de Software da Novell LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO INSTALAR OU DE QUALQUER OUTRA FORMA UTILIZAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES),

Leia mais

Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo

Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo Bank on Human Rights Uma coalizão para proteção de direitos humanos em financiamento para o desenvolvimento desarrollo Revisão das Salvaguardas do Banco Mundial Uma Questão Crucial para a América Latina

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores

Critério do Comércio Justo para. Organizações de Pequenos Produtores Critério do Comércio Justo para Mel de Organizações de Pequenos Produtores Versão atual: 16.02.2009 Substitui a versão anterior de: 01.02.2005 Data esperada para a próxima revisão: 2014 Envie seus comentários

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

Mudanças Principais no Critério

Mudanças Principais no Critério Mudanças Principais no Critério Critério do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores O Critério revisado do Comércio Justo Fairtrade para Organizações de Pequenos Produtores (OPP)

Leia mais

PRINCÍPIOS E CRITÉRIOS SOCIOAMBIENTAIS DE REDD+ Para o desenvolvimento e implementação de programas e projetos na Amazônia Brasileira. Versão 1.

PRINCÍPIOS E CRITÉRIOS SOCIOAMBIENTAIS DE REDD+ Para o desenvolvimento e implementação de programas e projetos na Amazônia Brasileira. Versão 1. PRINCÍPIOS E CRITÉRIOS SOCIOAMBIENTAIS DE REDD+ Para o desenvolvimento e implementação de programas e projetos na Amazônia Brasileira Versão 1.0 Em consulta pública por um período de 120 dias (de 1º de

Leia mais

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009

NBC TA 501 - APROVAÇÃO. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 NBC TA 501 - APROVAÇÃO RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.218, de 03.12.2009 Aprova a NBC TA 501 Evidência de Auditoria Considerações Específicas para Itens Selecionados. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil

Forest Stewardship Council FSC Brasil Programa TSP Perguntas Frequentes 1. O que é o programa TSP? O programa TSP (do inglês Trademark Service Provider) foi criado no início de 2011 pelo FSC Internacional e diz respeito ao uso das marcas registradas

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO WEBSITE. Leia estes Termos e Condições com atenção antes de utilizar o Site.

TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO WEBSITE. Leia estes Termos e Condições com atenção antes de utilizar o Site. TERMOS E CONDIÇÕES DE USO DO WEBSITE Leia estes Termos e Condições com atenção antes de utilizar o Site. Este website (o "Site") é fornecido pela C.M.E. Blasting and Mining Equipment Ltd. ("Empresa"),

Leia mais

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br

Realização. Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil. www.fsc.org.br C e rtificação gr u p o em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal FSC Brasil www.fsc.org.br 28 01 C er t ifi ca çã o emgrupo em Realização Apoio Conselho Brasileiro de Manejo Florestal

Leia mais

ISO 9001:2008 Resumo das alterações

ISO 9001:2008 Resumo das alterações ISO 9001:2008 Resumo das alterações A revisão 2008 da ISO 9001 foi oficialmente lançada a 13 de Novembro de 2008. Este é um guia de orientação que realça o que foi adicionado, eliminado e clarificações.

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 503 Edição 3.0-2014-09 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre Equipamentos para utilização em Atmosferas Explosivas (Sistema IECEx) Esquema IECEx

Leia mais

POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS

POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS POLÍTICA DE SALVAGUARDAS AMBIENTAIS E SOCIAIS P-24/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Estabelecer salvaguardas ambientais e sociais para prevenir ou minimizar qualquer impacto ambiental

Leia mais

GUIA PARA A LEGALIDADE CONSULTORIA PRÁTICA PARA PRODUTORES, PROCESSADORES E EXPORTADORES DE MADEIRA

GUIA PARA A LEGALIDADE CONSULTORIA PRÁTICA PARA PRODUTORES, PROCESSADORES E EXPORTADORES DE MADEIRA INFORMAÇÕES ADICIONAIS: Email: info@tft-forests.org TELEFone: ESCRITÓRIO DO REINO UNIDO: +44 (0) 2380 111220 ESCRITÓRIO DO REINO UNIDO: Av. Engenheiro Carlos Stevenson 1076 Nova Campinas Campinas São Paulo

Leia mais

Anexo para Produtos e Serviços da IBM Internet Security Systems No

Anexo para Produtos e Serviços da IBM Internet Security Systems No IBM BRASIL - Indústria, Máquinas e Serviços Ltda. Av. Pasteur, 138/146 - Rio de Janeiro - RJ CEP 22296-900 Tel.: (21) 2132-5252 Internet: WWW.IBM.COM.BR CNPJ: 33.372.251/0001-56 Anexo para Produtos e Serviços

Leia mais

Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda.

Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda. Termos e Condições do Serviço de Cadastro e Certificação de Empresas Fornecedoras Sertras Consultoria e Gestão Ltda. Os seguintes termos e condições aplicam-se ao Serviço de Cadastro e Certificação de

Leia mais

Código de Conduta COERÊNCI. Transformando Visão em Valor.

Código de Conduta COERÊNCI. Transformando Visão em Valor. Código de Conduta COERÊNCI Transformando Visão em Valor. Índice Prefácio... 3 Ética empresarial da HOCHTIEF: Princípios... 5 Conflitos de interesse... 7 Confidencialidade... 8 Regras sobre controle de

Leia mais

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD

ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD ACORDO DE LICENÇA DE USUÁRIO FINAL ROSETTA STONE e ROSETTA WORLD 1. ACORDO ENTRE O USUÁRIO E A FAIRFIELD: O presente Acordo de Licença de Usuário Final (doravante denominado por "Acordo") é um contrato

Leia mais

Forest Stewardship Council. Norma FSC. Norma para Certificação de Cadeia de Custódia FSC FSC-STD-40-004 V2-1 POR CADEIA DE CUSTÓDIA

Forest Stewardship Council. Norma FSC. Norma para Certificação de Cadeia de Custódia FSC FSC-STD-40-004 V2-1 POR CADEIA DE CUSTÓDIA Forest Stewardship Council Norma FSC Norma para Certificação de Cadeia de Custódia FSC FSC-STD-40-004 V2-1 POR CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do documento: Escopo: Norma para Certificação

Leia mais

Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais. Exemplo 1

Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais. Exemplo 1 Exemplos de políticas de compra responsável para produtos florestais Exemplo 1 Política de compra responsável produtos florestais Esta organização tem compromisso com a compra responsável de produtos florestais.

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO.

SERVIÇOS DE INSCRIÇÃO. SUSE Linux Enterprise Software Development Kit 11 SP3 Contrato de Licença de Software do SUSE LEIA ESTE CONTRATO COM ATENÇÃO. AO COMPRAR, INSTALAR E/OU USAR O SOFTWARE (INCLUINDO SEUS COMPONENTES), VOCÊ

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS)

NORMAS INTERNACIONAIS PARA A PRÁTICA PROFISSIONAL DE AUDITORIA INTERNA (NORMAS) Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA

POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA POLÍTICA DE GARANTIA CHAVES DE PROTEÇÃO DE SOFTWARE PRONOVA IMPORTANTE-LEIA ESTA GARANTIA DO FABRICANTE COM ATENÇÃO PARA ENTENDER SEUS DIREITOS E OBRIGAÇÕES! O termo "Dispositivo de Hardware" significa

Leia mais

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado)

I. INFORMAÇÕES GERAIS DA EMPRESA. 1. Razão Social (como deve aparecer no certificado) 2200 Powell St. Suite 725 Emeryville CA 94608 USA Phone: +1.510.452.8000 Fax: +1.510.452.6882 Programa de Conservação Florestal da SCS Formulário para Certificação de Cadeia de Custódia do FSC. Favor digitar

Leia mais

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI

Notas de orientação 9: Sugestão de checklist para estabelecer o escopo do Relatório da EITI Notas de orientação 9 3 de julho de 2015 Estas notas de orientação foram produzidas pela Secretaria Internacional da EITI para ajudar os países implementadores a publicarem dados eletrônicos do Relatório

Leia mais

PADRÃO FSC. Avaliação de Plantações Florestais na República Federativa do Brasil: Padrão Harmonizado entre as Certificadoras VERSÃO 1-0

PADRÃO FSC. Avaliação de Plantações Florestais na República Federativa do Brasil: Padrão Harmonizado entre as Certificadoras VERSÃO 1-0 Forest Stewardship Council PADRÃO FSC Avaliação de Plantações Florestais na República Federativa do Brasil: Padrão Harmonizado entre as Certificadoras FSC-STD-BRA-01-2014 V1-0 PT VERSÃO 1-0 Abril de 2014

Leia mais

Introdução à ISO 9001 ano 2008

Introdução à ISO 9001 ano 2008 Introdução à ISO 9001 ano 2008 1. A FAMÍLIA DE NORMAS ISO 9000 1.1 Histórico A primeira Norma de Garantia da Qualidade foi publicada em 1979 pela British Standards Institution (BSI) em três partes como

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

NOSSAS PRÁTICAS DE COMPRAS. Copyright 2011 Boart Longyear. Todos os direitos reservados

NOSSAS PRÁTICAS DE COMPRAS. Copyright 2011 Boart Longyear. Todos os direitos reservados NOSSAS PRÁTICAS DE COMPRAS Copyright 2011 Boart Longyear. Todos os direitos reservados Copyright 2011 Boart Longyear. Todos os direitos reservados. SUMÁRIO Carta de Bob Barber, Vice-Presidente de Suprimento

Leia mais

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br

a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br a qualidade em suas mãos www.iso4all.com.br ISO/DIS 9001:2015 Tradução livre* Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos Sumário Prefácio... 5 Introdução... 6 0.1 Generalidades... 6 0.2 A Norma ISO para

Leia mais

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta Página 1 de 7 A LDR é uma empresa de equipamentos médicos comprometida com o desenvolvimento, marketing, distribuição e venda de implantes vertebrais para implantação em seres humanos no tratamento de

Leia mais

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc

cursos fsc brasil programa de introdução à certificação florestal fsc introdução à certificação florestal fsc normas, governança oportunidades prevenção, resoluçãoede conflitos e engajamento no manejo florestal responsável fsc novos princípios e critérios, indicadores genéricos

Leia mais

ADENDO DE ACESSO À DEMONSTRAÇÃO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE AO CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK

ADENDO DE ACESSO À DEMONSTRAÇÃO DE CLOUD SERVICES DA ORACLE AO CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK ROLE E LEIA ATENTAMENTE TODOS OS SEGUINTES TERMOS A SEGUIR ATÉ O FIM. ESTE DOCUMENTO É UM ADENDO AOS TERMOS DO CONTRATO DA ORACLE PARTNERNETWORK ENTRE VOCÊ E A ORACLE, E É UM CONTRATO LEGAL DEFININDO OS

Leia mais

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri

CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO. São Paulo/2013 Fernando Sandri CURSO EMBALAGENS DE PAPELCARTÃO, PAPEL E MICRO-ONDULADO São Paulo/2013 Fernando Sandri Fernando Sandri Graduado em Engenharia Química pela EM- Universidade Estadual de Maringá. Pós graduado em MBA Marketing

Leia mais

Forest Stewardship Council. Norma FSC. Norma para Certificação de Cadeia de Custódia FSC FSC-STD-40-004 V2-1 POR CADEIA DE CUSTÓDIA

Forest Stewardship Council. Norma FSC. Norma para Certificação de Cadeia de Custódia FSC FSC-STD-40-004 V2-1 POR CADEIA DE CUSTÓDIA Forest Stewardship Council Norma FSC Norma para Certificação de Cadeia de Custódia FSC FSC-STD-40-004 V2-1 POR CADEIA DE CUSTÓDIA Título: Código de Referência do documento: Escopo: Norma para Certificação

Leia mais

"Serviços de Suporte" significa services de suporte técnico para o Software.

Serviços de Suporte significa services de suporte técnico para o Software. Palisade Corporation Contrato de Licença de Usuário Final Favor lembrar de registrar seu software online no endereço http://www.palisade.com/support/register.asp. ESTE É UM CONTRATO. USANDO ESTE SOFTWARE,

Leia mais

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA

NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA NORMA DE CADEIA DE CUSTÓDIA Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. www.san.ag Este documento está disponível nos seguintes sites: www.san.ag www.rainforest-alliance.org

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL

CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL CERTIFICAÇÃO SOCIOAMBIENTAL Alexandre Sakavicius Borges Coordenador de certificação florestal alexandre@imaflora.org São Paulo 18/11/2009 www.imaflora.org MISSÃO O Imaflora incentiva e promove mudanças

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

PADRÃO FSC. Padrão de Certificação do FSC para o Manejo Florestal em Pequena Escala e de Baixa Intensidade (SLIMF) VERSÃO 3-1

PADRÃO FSC. Padrão de Certificação do FSC para o Manejo Florestal em Pequena Escala e de Baixa Intensidade (SLIMF) VERSÃO 3-1 Forest Stewardship Council PADRÃO FSC Padrão de Certificação do FSC para o Manejo Florestal em Pequena Escala e de FSC-STD-BRA-03-2013 V3-1 PT VERSÃO 3-1 Julho, 2013 Título: Código de referência do documento:

Leia mais

Princípios básicos nas relações com terceiros:

Princípios básicos nas relações com terceiros: Princípios básicos nas relações com terceiros: Checkup de reputação/responsabilidade quando utilizando terceiros em todo o mundo Marjorie W. Doyle, JD, CCEP-F com a contribuição de Diana Lutz 6500 Barrie

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais