PORTARIA Nº 524, DE 15 DE AGOSTO DE 2002

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTARIA Nº 524, DE 15 DE AGOSTO DE 2002"

Transcrição

1 PORTARIA Nº 524, DE 15 DE AGOSTO DE 2002 Dispõe sobre a regulamentação da Gratificação de Desempenho de Atividade do Ciclo de Gestão - GCG. O SECRETÁRIO EXECUTIVO DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO, tendo em vista o disposto no Decreto nº 3.762, de 5 de março de 2001, e considerando a competência que lhe foi subdelegada pela Portaria nº 124, de 15 de junho de 2000, resolve: I - DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º Aprovar, na forma disciplinada nesta Portaria, as normas regulamentadoras da Gratificação de Desempenho de Ati- vidade do Ciclo de Gestão - GCG, instituída pelo art. 8o da Medida Provisória nº , de 6 de setembro de 2001, para os ocupantes dos cargos efetivos a seguir indicados: I - Analista de Planejamento e Orçamento e Técnico de Planejamento e Orçamento da carreira de Planejamento e Orçamento, quando em exercício no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, nos órgãos e nas unidades do Sistema de Planejamento e de Orçamento e dos Sistemas de Administração Financeira Federal, de Contabilidade Federal e de Controle Interno do Poder Executivo Federal; II - Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, quando em exercício em órgãos ou entidades do Poder Executivo Federal nos quais haja previsão de lotação, em decorrência da distribuição do quantitativo global dos cargos de carreira por órgão ou entidade do Poder Executivo Federal, no desempenho de atividades inerentes às atribuições da carreira; III - Técnico de Planejamento P-1501 do Grupo P-1500, quando em exercício no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, nos órgãos e nas unidades do Sistema de Planejamento e de Orçamento e dos Sistemas de Administração Financeira Federal, de Contabilidade Federal e de Controle Interno do Poder Executivo Federal; IV - Técnico de Planejamento e Pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA, quando em exercício no Ministério da Fazenda, no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, no IPEA ou nos órgãos e nas unidades dos Sistemas de Planejamento e de Orçamento, de Administração Financeira Federal, de Contabilidade Federal ou de Controle Interno do Poder Executivo Federal;

2 V - Nível superior do IPEA, não referidos no inciso anterior, quando em exercício no Ministério da Fazenda, no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, no IPEA ou nos órgãos e nas unidades dos Sistemas de Planejamento e Orçamento, de Administração Financeira Federal, de Contabilidade Federal ou de Controle Interno do Poder Executivo Federal, no desempenho de atividades de elaboração de planos e orçamentos públicos e; VI - Nível intermediário do IPEA, quando em exercício no IPEA ou no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, no desempenho de atividades de apoio direto à elaboração de planos e orçamentos públicos, em quantitativo fixado no ato a que se refere o 3º do art. 2º da Lei nº 9.625, de 7 de abril de VII - Analista de Finanças e Controle e Técnico de Finanças e Controle, quando em exercício na Secretaria do Patrimônio da União - SPU. Art. 2º A GCG será calculada no percentual de até cinqüenta por cento sobre o vencimento básico do servidor integrante das carreiras e ocupantes dos cargos referidos nos incisos I a VII do artigo anterior, constantes das tabelas de vencimentos, conforme estabelecido no art. 4º da Lei nº , de 8 de dezembro de 2001, observando-se a seguinte distribuição: I - até vinte pontos percentuais sobre o vencimento básico do servidor, em função do alcance de metas de desempenho institucional, semestrais, fixadas anualmente pelo Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão. II - até trinta pontos percentuais sobre o vencimento básico do servidor, em função do seu efetivo desempenho. Art. 3º O ocupante de um dos cargos efetivos de que trata o art. 1º desta Portaria, quando investido em cargo em comissão de Natureza Especial, DAS ou equivalente, receberá a GCG calculada sobre o seu vencimento básico, em seus dois aspectos - individual e institucional - da seguinte forma: I - DAS 1 a 4, ou equivalentes, que se encontre nas situações referidas no art. 1º desta Portaria e em exercício nas unidades relacionadas no inciso I do art. 19, terá como avaliação individual, o resultado da avaliação institucional de seu órgão de exercício, acrescido da avaliação institucional do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; II - DAS 1 a 4, ou equivalentes, que se encontre nas situações referidas no art. 1º desta Portaria e em exercício nas unidades distintas das mencionadas no inciso anterior, terá como avaliação individual e institucional o percentual atribuído ao Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; III - DAS 1 a 3, ou equivalentes, quando cedido para órgãos ou entidades do Governo Federal, distintos dos indicados no art.1º desta Portaria não fará jus a GCG; IV - DAS 4, ou equivalente, quando cedido para órgãos ou entidades do Governo Federal, distintos dos indicados no art. 1º desta Portaria, perceberá a GCG em valor calculado com base em trinta e sete e meio pontos percentuais do respectivo vencimento básico e;

3 V - DAS 5 e 6, ou equivalentes e cargo de Natureza Especial, perceberá a GCG no percentual máximo calculado sobre o valor do vencimento básico do servidor. Parágrafo único. O servidor investido em um dos cargos referidos nos incisos anteriores não deve ser computado para cálculo de média e desvio-padrão mencionados na alínea "a" do art. 5º do Decreto nº 3.762, de Art. 4º O servidor ocupante de um dos cargos referidos no art. 1o desta Portaria, quando cedido para a Presidência ou Vice- Presidência da República, terá sua GCG calculada com base nas mesmas regras válidas como se estivesse em exercício no órgão ou entidade cedente. Art. 5º As avaliações de desempenho individual e institucional serão realizadas semestralmente, iniciando-se nos meses de março e setembro. Art. 6º O primeiro período de avaliação de desempenho, a contar da data de início do exercício do servidor ocupante dos cargos de que trata o art. 1º desta Portaria, de retorno de licença sem remuneração, cessão sem direito a GCG, ou situações não previstas nesta Portaria, não poderá ser inferior a quatro meses e se dará conjuntamente com a avaliação dos demais servidores. Parágrafo único. O servidor receberá, a partir do início do exercício e até que seja processada sua avaliação de desempenho individual, quinze pontos percentuais sobre o respectivo vencimento básico, a título da parcela individual da GCG, aplicando-se a avaliação institucional do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, relativa ao período. Art. 7º Por ocasião do primeiro período de avaliação individual do servidor após a exoneração de cargo em comissão de Natureza Especial, de Direção e Assessoramento Superior ou equivalente, será considerado o que dispõem os 1º e 2º deste artigo. 1o O resultado da avaliação individual do servidor, no período a que se refere este artigo, será considerado apenas se tiver sido aferido por, no mínimo, dois terços de um período completo de avaliação. 2o Na hipótese de o resultado da avaliação individual do servidor não ser considerado em decorrência do disposto no parágrafo anterior, para fins de pagamento da GCG, será utilizada a pontuação alcançada pela avaliação de desempenho institucional do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão no período. II - DAS AVALIAÇÕES INDIVIDUAIS Art. 8º A avaliação individual, destinada a aferir o desempenho do servidor no exercício das atribuições do cargo, deverá observar o seguinte: I - a avaliação de desempenho individual será aferida pela chefia imediata mediante Relatório de Desempenho Individual - RDI, Anexo I, dando-se ciência do resultado da avaliação ao servidor e à autoridade imediatamente superior ao avaliador.

4 1º Considera-se chefia imediata, para os efeitos desta Portaria, o ocupante de cargo em comissão responsável diretamente pela supervisão das atividades do avaliado, ou aquele a quem o mesmo delegar competência. 2º Em caso de exoneração da chefia imediata, o dirigente imediatamente superior procederá à avaliação de todos servidores que lhe foram subordinados no período a ser avaliado. II - o valor correspondente à parcela individual será obtido pela seguinte fórmula: Parcela Individual = escore individual final x 0,003 x vencimento básico do servidor III - no caso de movimentação do servidor, será considerado como avaliação de desempenho individual, aquela obtida no órgão, entidade ou unidade administrativa, que o mesmo permanecer por um maior tempo do período. IV - A média das avaliações de desempenho individual do conjunto de servidores de cada órgão, entidade ou unidade administrativa não poderá ser superior ao resultado da respectiva avaliação institucional. V - As avaliações de desempenho individual deverão ser feitas numa escala de zero a cem pontos, obedecendo ao seguinte: a) o desvio-padrão deverá ser maior ou igual a cinco e a média aritmética deverá ser menor ou igual a noventa e cinco pontos, considerado o conjunto de avaliações em cada unidade de avaliação; b) na hipótese de haver unidade de avaliação com apenas um integrante, sua avaliação de desempenho individual não poderá exceder a noventa e cinco pontos. Art 9º Na avaliação de desempenho individual, serão consideradas as atividades desempenhadas pelo servidor no período em que estiver sendo avaliado, observando-se os seguintes fatores de avaliação, conforme parâmetros constantes do Anexo II: I - qualidade e produtividade; II - tempestividade do trabalho; III - dedicação e compromisso para com a Instituição; IV - criatividade e iniciativa; V - relacionamento pessoal e comunicação; e VI - conhecimento do trabalho e autodesenvolvimento. Art 10. O processamento tempestivo das avaliações ficará condicionado à estreita observância dos procedimentos e prazos a seguir especificados, os quais deverão ser cumpridos, sob pena de responsabilidade, nos termos do art. 122 da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990:

5 I - até o último dia útil do mês que finaliza cada período de avaliação para a inserção e o envio dos dados cadastrais pelo servidor, por meio do sistema informatizado denominado Sistema GCG, disponível no endereço eletrônico ; II - até o quinto dia útil do mês subseqüente que finaliza o período de avaliação para que as Unidades de Avaliação ratifiquem os dados cadastrais informados pelo servidor, relativos ao período e enviem às chefias imediatas; III - até o sétimo dia útil do mês subseqüente que finaliza o período de avaliação para que as chefias imediatas ratifiquem, validem, procedam e enviem as avaliações para as Unidades de Avaliação; IV - até o décimo terceiro dia útil do mês subseqüente que finaliza o período de avaliação para que as Unidades de Avaliação preencham e encaminhem o Relatório de Consolidação de Desempenho Individual - RCDI à Coordenação Geral de Recursos Humanos do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - CGRH/MP; e V - até o último dia útil do mês subseqüente ao que finaliza o período de avaliação para processamento dos dados referentes às avaliações individual e institucional. Art. 11. A guarda dos registros referentes à avaliação de desempenho de cada carreira e cargo de que trata o art. 1º desta Portaria será de responsabilidade dos órgãos e das entidades mencionados a seguir, conforme discriminado, sendo facultativa a transferência desses registros às respectivas unidades setoriais ou seccionais do Sistema de Pessoal Civil: a) Secretaria de Orçamento Federal - SOF e Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos - SPI: Analista de Planejamento e Orçamento e Técnico de Planejamento e Orçamento da carreira de Planejamento e Orçamento, Técnico de Planejamento P do Grupo P-1500; b) Coordenação Geral de Recursos Humanos - CGRH do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão: Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental; e c) Fundação Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA: Técnico de Planejamento e Pesquisa do IPEA, nível superior do IPEA, nível intermediário do IPEA. Art. 12. À Coordenação Geral de Recursos Humanos/MP caberão os seguintes procedimentos: a) Enviar mensagem às unidades de avaliação solicitando o preenchimento do RDI; b) Zelar pelo cumprimento dos prazos estabelecidos nesta Portaria; c) Providenciar o pagamento da GCG;

6 d) Identificar os casos de necessidade de adequação funcional, treinamento ou movimentação, conforme dispõe o art. 18 desta Portaria; e e) Orientar, acompanhar e controlar a aplicação do estabelecido nesta Portaria e na legislação pertinente. Art. 13. Para fins de cumprimento dos critérios de que tratam as alíneas "a" e "b" do inciso V do art. 8º desta Portaria, são consideradas unidades de avaliação: I - Presidência da República; II -Vice-Presidência da República; III - Advocacia Geral da União; IV - Cada Ministério, incluídas aí suas entidades vinculadas, com exceção do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; V - Secretaria de Orçamento Federal - SOF, na qual serão computados os servidores da área de orçamento, em exercício na SOF e nos órgãos setoriais do Sistema de Planejamento e Orçamento Federal; VI - Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos - SPI, na qual serão computados os servidores da área de planejamento, em exercício na SPI e nos órgãos setoriais do Sistema de Planejamento e Orçamento Federal; VII - Secretaria de Assuntos Internacionais - SEAIN; VIII - Secretaria de Gestão - SEGES; IX - Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI; X - Secretaria de Patrimônio da União - SPU; XI - Departamento de Coordenação e Controle das Empresas Estatais - DEST; XII - Fundação Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA; e XIII - Coordenação Geral de Recursos Humanos/MP, na qual serão computados os servidores em exercício em órgãos e entidades da estrutura do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão distintos dos mencionados nos incisos V a XI deste artigo. 1º São considerados responsáveis pela observância dos critérios mencionados no caput deste artigo, nos termos do art. 5º do Decreto nº 3.762, de 2001: a) Os dirigentes de recursos humanos dos respectivos órgãos e entidades das unidades de avaliação referidas nos incisos I, II, III, IV, XII e XIII, sob a supervisão do Secretário-Executivo ou, na sua ausência, o Chefe de Gabinete do Ministro do respectivo Ministério;

7 e b) Os Chefes de Gabinete ou aquele a quem o dirigente máximo do órgão delegar, das unidades de avaliação referidas nos incisos V, VI, VII, VIII, IX; X, e XI. 2º Caso o conjunto das avaliações dos servidores de uma unidade de avaliação não atenda aos critérios estabelecidos no art. 5º do Decreto nº 3.762, de 2001, o responsável pela consolidação e cumprimento desses critérios proporá a autoridade responsável pela supervisão do processo, nos termos previstos no inciso V do art. 8º desta Portaria, que seja determinada a revisão das avaliações efetuadas. Art. 14. Caberá a CGRH/MP ajustar os escores individuais finais utilizando as fórmulas constantes do Anexo V desta Portaria: a) se a média das avaliações de desempenho individuais dos servidores superar a correspondente avaliação institucional, do órgão, da entidade ou da unidade administrativa que possuam metas de desempenho institucionais fixadas em portaria específica do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; e b) se a média das avaliações de desempenho individuais dos servidores, em exercício em órgãos, entidades e unidades administrativas, que não possuem metas de desempenho institucional, superar a avaliação institucional do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Art. 15. O servidor, nas hipóteses de férias, licenças e afastamentos legais por prazo inferior ao do período de avaliação e superior a dois terços desse período, terá como avaliação de desempenho: a) a pontuação obtida no período anterior de avaliação; e b) o percentual de vinte e dois e meio pontos percentuais do vencimento básico, no caso de não ter havido aferição no período referido na alínea anterior, aplicando-se o percentual da avaliação institucional do período em curso. Parágrafo único. Aplica-se o disposto nas alíneas "a" e "b" deste artigo às situações de gozo de licença à gestante, missão ou estudo no exterior, afastamento para tratamento da própria saúde e afastamentos previstos em lei específica sem prejuízo da remuneração. Art. 16. Ficam criados os Comitês de Avaliação de Desempenho - CAD, do MP e do IPEA, com a finalidade de julgar os recursos interpostos quanto à avaliação individual, dos servidores ocupantes dos cargos referidos no art. 1º desta Portaria. 1º Compete, ainda, aos Comitês de Avaliação de Desempenho: a) acompanhar o processo de avaliação de desempenho com o objetivo de identificar distorções visando o seu aprimoramento; e b) avocar os casos de avaliação em que o servidor receba pontuação que apresente desvio superior a quarenta por cento em relação à média das avaliações individuais.

8 2º Integrarão o CAD, no âmbito do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, um representante indicado pelo titular das Secretarias: a) de Orçamento Federal; b) de Planejamento e Investimentos Estratégicos; c) de Logística e Tecnologia da Informação; d) de Patrimônio da União; e) de Gestão; f) o Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração, que o presidirá; e g) um representante dos servidores, de cada uma das carreiras de que tratam os incisos I, II, III e VII do art. 1º desta Portaria, eleitos para esse fim. 3º Para cada membro nato dos Comitês de Avaliação de Desempenho deverá haver um substituto designado. 4º Os Presidentes do CAD do MP e do IPEA, baixarão regimento definindo o funcionamento dos respectivos Comitês. 5º Para fins de acompanhamento, a CGRH/MP e a CGRHU/IPEA encaminharão aos respectivos CAD, até o décimo quinto dia útil do segundo mês subseqüente ao encerramento de cada semestre considerado para avaliação, os resultados das avaliações individuais referentes àquele período, por unidade de avaliação, cabendo a cada Comitê estabelecer critérios para correção de desvios eventualmente identificados. Art. 17. O servidor poderá recorrer do conteúdo de sua avaliação individual no prazo de até sessenta dias úteis contados a partir do último dia do mês que finaliza o período de avaliação. Parágrafo único. O recurso deverá ser justificado e formulado, preferencialmente, no modelo constante do Anexo IV, devendo o avaliador encaminhá-lo, com justificativa, no prazo de até cinco dias úteis contados a partir da data de seu recebimento, ao respectivo Comitê de Avaliação de Desempenho, em primeira e única instância, devendo o Comitê manifestar-se no prazo de até vinte dias úteis após o recebimento do recurso, encaminhando a decisão final a CGRH/MP e CGRHU/IPEA. Art. 18. O servidor que na avaliação de desempenho individual obtiver, por duas vezes consecutivas, número de pontos inferior a sessenta por cento do total, será submetido à análise de adequação funcional, e, se for o caso, submetido a treinamento ou movimentado para outra unidade. III - DA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Art. 19. A avaliação de desempenho institucional visa aferir o desempenho coletivo dos servidores ocupantes dos cargos de que trata o art. 1º desta Portaria.

9 cem pontos; 1º O limite de pontos conferidos à avaliação de desempenho referida no caput será de 2º Para efeito de pagamento aos integrantes das carreiras e aos ocupantes dos cargos constantes dos incisos I a VII do art. 1º desta Portaria, a parcela da GCG referente à avaliação de desempenho institucional será calculada da seguinte forma: I - cinqüenta pontos percentuais de seu valor corresponderá aos resultados da avaliação institucional de cada um dos seguintes órgãos, entidades ou unidades administrativas: a) Secretaria de Orçamento Federal - SOF; b) Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos - SPI; c) Secretaria de Assuntos Internacionais - SEAIN; d) Secretaria de Gestão - SEGES; e) Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação - SLTI; f) Secretaria de Patrimônio da União - SPU; g) Departamento de Coordenação e Controle das Empresas Estatais - DEST; e h) Fundação Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA. II - os outros cinqüenta pontos percentuais, referentes à avaliação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão como um todo, corresponderá à média ponderada dos resultados referidos no inciso anterior, conforme disposto no Anexo VI desta Portaria. a) os servidores de que tratam o art. 1º desta Portaria, desde que não ocupantes de cargo em comissão, quando em exercício em uma das unidades referidas no inciso anterior, receberão o percentual a que se refere o inciso I deste artigo correspondente ao resultado auferido por sua unidade de exercício; b) os servidores de que tratam os incisos I, III, IV, V e VI do art. 1º desta Portaria, quando em exercício fora do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, mas que se encontrem em alguma das situações ali descritas, ou em seus órgãos, entidades ou unidades administrativas diversas das referidas nas alíneas "a" a "g" do inciso anterior, receberão o percentual a que se refere o inciso I deste artigo correspondente ao resultado auferido por sua unidade administrativa de lotação; e c) os servidores de que tratam o inciso II do art. 1º desta Portaria, quando em exercício fora do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão ou em seus órgãos, entidades ou unidades administrativas diversas das referidas nas alíneas "a" a "g" do inciso anterior, receberão o percentual resultante da média ponderada correspondente ao resultado auferido pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão como um todo, respeitado o que dispõe os arts. 3º e 4º desta Portaria.

10 3º As avaliações de desempenho institucional, calculada nos termos do parágrafo anterior, que alcançarem rendimento inferior a cinqüenta pontos, inclusive, corresponderão a zero por cento do vencimento básico do servidor, aquelas com rendimento superior a noventa e cinco pontos, inclusive, receberão o equivalente a cem por cento da parcela da GCG, e as que se encontrem no intervalo entre cinqüenta e noventa e cinco pontos serão calculadas de acordo com a seguinte expressão: GCG inst. = [(P- 50)/0,45] Onde: P é o total de pontos obtidos na avaliação de desempenho institucional do órgão, entidade ou da unidade administrativa, quando o resultado for um número maior que cinqüenta e inferior a noventa e cinco pontos. 4º O valor correspondente à parcela institucional será obtido mediante a aplicação da seguinte fórmula: Parcela Institucional = GCG inst. x 0,002 x Vencimento Básico do Servidor 5º O Ministro de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão, fixará as metas e parâmetros para a aferição do desempenho referido no caput e fará publicar os resultados até o décimo quinto dia útil do mês seguinte ao período avaliado. 6º As metas de desempenho institucional poderão ser revistas na superveniência de fatores que tenham influência signifi- cativa e direta na sua consecução, por proposta dos órgãos e entidade avaliados. IV - DAS DISPOSIÇÕES FINAIS Art. 20. O valor da GCG será o somatório dos valores correspondentes às parcelas individual e institucional. 1º O resultado das avaliações terá efeito financeiro mensal, a partir do mês subseqüente ao de processamento, por período igual ao de avaliação. 2º A percepção da GCG por seus beneficiários fica condicionada à correção e veracidade dos dados enviados e ao estrito cumprimento dos prazos estabelecidos nesta Portaria. Art. 21. A Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração deste Ministério, por meio da Coordenação Geral de Modernização e Informática e da Coordenação Geral de Recursos Humanos, fica responsável pela manutenção e acompanhamento do Sistema GCG, que servirá de ferramenta para processamento e pagamento da GCG. Parágrafo único. Situações relativas ao envio e produção das informações necessárias ao processamento adequado do Sistema, não previstas neste instrumento, deverão ser encaminhadas a CGRH/MP.

11 Art. 22. Os casos omissos e as peculiaridades serão resolvidos pelo Comitê de Avaliação de Desempenho. de Art. 23. Revogam-se as Portarias nºs 171, de 16 de março de 2001 e 193, de 2 de abril Art. 24. Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. SIMÃO CIRINEU DIAS

12

13

14

15

16 (Of. El. nº 453) D.O.U., 20/08/2002

Art. 1º A força de trabalho militar na Administração Central do Ministério da Defesa é composta de:

Art. 1º A força de trabalho militar na Administração Central do Ministério da Defesa é composta de: MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA NORMATIVA Nº 2.323/MD, DE 31 DE AGOSTO DE 2012 Disciplina a composição da força de trabalho militar na Administração Central do Ministério da Defesa e

Leia mais

Resumo da Portaria nº 399, de 9 de setembro de Avaliação de Desempenho Individual no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Resumo da Portaria nº 399, de 9 de setembro de Avaliação de Desempenho Individual no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Resumo da Portaria nº 399, de 9 de setembro de 2010 Avaliação de Desempenho Individual no Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Capítulo I Disposições Gerais 1. Aprova os critérios e procedimentos

Leia mais

Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas.

Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas. PORTARIA MF Nº 160, DE 6 DE MAIO DE 2016 DOU de 09.05.2016 Dispõe sobre autorização de afastamento do País de servidores e empregados do Ministério da Fazenda e suas entidades vinculadas. O MINISTRO DE

Leia mais

Minuta de Instrução Normativa

Minuta de Instrução Normativa Minuta de Instrução Normativa INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº [NÚMERO], DE Dispõe sobre o Plano Anual de Atividades de Auditoria Interna (Paint), os aspectos relativos aos trabalhos de auditoria e o Relatório Anual

Leia mais

LEI Nº 8.460, DE 17 DE SETEMBRO DE 1992. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei:

LEI Nº 8.460, DE 17 DE SETEMBRO DE 1992. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte lei: LEI Nº 8.460, DE 17 DE SETEMBRO DE 1992. Mensagem de veto Texto compilado Concede antecipação de reajuste de vencimentos e de soldos dos servidores civis e militares do Poder Executivo e dá outras providências.

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX Previdência Social Gratificação de Atividade Médico-Pericial Regulamento DECRETO Nº 5.275, DE 19 DE NOVEMBRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.380. Dispõe sobre o Adicional de Qualificação no âmbito da Justiça Eleitoral.

RESOLUÇÃO Nº 23.380. Dispõe sobre o Adicional de Qualificação no âmbito da Justiça Eleitoral. Publicada no DJE/TSE nº 142, de 27/7/2012, p. 9/11 RESOLUÇÃO Nº 23.380 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 19.823 (29839-23.2007.6.00.0000) CLASSE 19 BRASÍLIA DF Relatora: Ministra Cármen Lúcia Interessado: Tribunal

Leia mais

TEXTO DOCUMENTO PROJETO DE LEI TÍTULO I. Das Disposições Preliminares

TEXTO DOCUMENTO PROJETO DE LEI TÍTULO I. Das Disposições Preliminares Plano de Carreira TEXTO DOCUMENTO PROJETO DE LEI Consolida o Plano de Carreira e Cargo de Professor Federal e dispõe sobre a reestruturação e unificação das carreiras e cargos do magistério da União, incluídas

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça GABINETE DO MINISTRO PORTARIA No 4.040, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso das suas atribuições e tendo em vista o disposto no 5º, art. 7º-A da Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000

RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 RESOLUÇÃO n o 002, de 28 de fevereiro de 2000 Aprova Regimento da Assessoria Jurídica da FUNREI ASJUR O Presidente do Conselho Deliberativo Superior da Fundação de Ensino Superior de São João del-rei FUNREI,

Leia mais

DECRETO Nº 56.760, DE 8 DE JANEIRO DE 2016

DECRETO Nº 56.760, DE 8 DE JANEIRO DE 2016 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 56.760, DE 8 DE JANEIRO DE 2016 Regulamenta o Sistema de Estágios da Prefeitura do Município de

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998

Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Senado Federal Subsecretaria de Informações DECRETO Nº 2.794, DE 1º DE OUTUBRO DE 1998 Institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO N. 129, DE 22 DE MARÇO DE 1996 RESOLVE: CAPÍTLO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO N. 129, DE 22 DE MARÇO DE 1996 RESOLVE: CAPÍTLO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO N. 129, DE 22 DE MARÇO DE 1996 Dispõe sobre a realização de estágios nos níveis superior e profissionalizante de 2º grau regular e supletivo, no âmbito do Superior Tribunal

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 754, DE 3 DE OUTUBRO DE 2006 O MINISTRO DE ESTADO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da

Leia mais

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação

Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO Regimento da Comissão Interna de Supervisão do Plano de Carreira dos Cargos Técnico- Administrativos em Educação Aprovado pela Resolução

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICIPIO DE PORTO VELHO DECRETO Nº 11.887, DE 03 DE DEZEMBRO DE 2010. Dispõe sobre o Estágio Remunerado de estudantes matriculados em Instituições Públicas ou Privadas de Ensino Superior e Médio Profissionalizante e dá outras

Leia mais

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CONSELHO DELIBERATIVO. Deliberação CEETEPS nº 06, de

CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CONSELHO DELIBERATIVO. Deliberação CEETEPS nº 06, de 46 São Paulo, 121 (216) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I sexta-feira, 18 de novembro de 2011 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA CONSELHO DELIBERATIVO Deliberação CEETEPS nº 06,

Leia mais

LEI Nº 10.180, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2001

LEI Nº 10.180, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2001 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 10.180, DE 6 DE FEVEREIRO DE 2001 Organiza e disciplina os Sistemas de Planejamento e de Orçamento Federal, de Administração Financeira Federal,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 198, DE 20 DE JULHO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 198, DE 20 DE JULHO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 8, p. 17-22 em 7/8/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 198, DE 20 DE JULHO DE 2015 Regulamenta a licença para tratamento de saúde e a licença por motivo de doença em pessoa

Leia mais

Câmara Municipal de Castro

Câmara Municipal de Castro PROJETO DE LEI N 179/2013 (LEI Nº...) SUMULA: Altera a Lei nº 1.538/2006, que institui a Guarda Municipal e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO, LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.567, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 183, de 24 de setembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº. Art. 1º. A Lei nº 12.066, de 13 de janeiro de 1993, passa a vigorar com as seguintes alterações:

PROJETO DE LEI Nº. Art. 1º. A Lei nº 12.066, de 13 de janeiro de 1993, passa a vigorar com as seguintes alterações: PROJETO DE LEI Nº Altera, revoga e acrescenta dispositivos das Leis nº 12.066, de 13 de janeiro de 1993, que dispõe sobre a estrutura do Grupo Ocupacional do Magistério da Educação Básica MAG e instituiu

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 3.721, DE 24 DE AGOSTO DE 2015

CARTA CIRCULAR Nº 3.721, DE 24 DE AGOSTO DE 2015 CARTA CIRCULAR Nº 3.721, DE 24 DE AGOSTO DE 2015 Altera o Documento 24 do Manual de Crédito Rural (MCR). O Chefe do Departamento de Regulação, Supervisão e Controle das Operações do Crédito Rural e do

Leia mais

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / AV. CEL. MARTINIANO, CENTRO.

MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: / AV. CEL. MARTINIANO, CENTRO. MUNICÍPIO DE CAICÓ / RN CNPJ Nº: 08.096.570/0001-39 AV. CEL. MARTINIANO, 993 - CENTRO. DECRETO N.º 608 DE 06 DE FEVEREIRO DE 2018. Institui o Núcleo Coordenador da Cobrança da Dívida Ativa, no âmbito da

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 1/2008

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 1/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 61, de 2009

ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 61, de 2009 ATO DO 1º SECRETÁRIO Nº 61, de 2009 Dispõe sobre a regulamentação do processamento das consignações em folha de pagamento no Sistema Integrado de Gestão de Recursos Humanos e Elaboração de Folha de Pagamento

Leia mais

Regulamento Institucional

Regulamento Institucional FACULDADES INTEGRADAS DE CACOAL Regulamento Institucional COMITÊ EDITORIAL O Comitê Editorial da UNESC te como finalidade coordenar, orientar e avaliar a produção de artigos e similares para a publicação

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 30, DE 28 DE MARÇO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 30, DE 28 DE MARÇO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 30, DE 28 DE MARÇO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP,

Leia mais

MUNICÍPIO DE TOLEDO Estado do Paraná

MUNICÍPIO DE TOLEDO Estado do Paraná LEI Nº 1.963, de 13 de agosto de 2007 Altera a legislação que dispõe sobre o Plano de Cargos e Vencimentos para os servidores públicos municipais de Toledo. O POVO DO MUNICÍPIO DE TOLEDO, por seus representantes

Leia mais

Federal e dispositivos da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998, e dá outras providências.

Federal e dispositivos da Emenda Constitucional nº 20, de 15 de dezembro de 1998, e dá outras providências. 40862 Sexta-feira 12 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Dezembro de 2003 O SR. PRESIDENTE (José Sarney) Encerrada a votação: Votaram SIM 27 Srs. Senadores; e NÃO, 48. Não houve abstenção. Total: 75 votos. As emendas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, Faço saber que o Poder Legislativo Estadual decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ, Faço saber que o Poder Legislativo Estadual decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6.470, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos dos servidores efetivos do Departamento Estadual de Trânsito - DETRAN/PI. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PIAUÍ,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 2 DE 3 DE MARÇO DE 2016. Regulamenta o porte de arma de fogo para os servidores que exercem funções de segurança no Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 33/2010 Estabelece normas sobre jornada de trabalho e controle de freqüência dos servidores, no âmbito da UFPB.

Leia mais

Campus Recife e de Núcleos do Centro Acadêmico do Agreste, indicados no

Campus Recife e de Núcleos do Centro Acadêmico do Agreste, indicados no UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO SELEÇÃO PÚBLICA SIMPLIFICADA PARA PROFESSOR TEMPORÁRIO EDITAL nº9, de 09 de abril de 202, publicado no D.O.U. nº 69, de 0 de abril de 202, Seção 3, págs. 47-48. De acordo

Leia mais

o PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições,

o PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições, 1. PRESIDÊNCIA 1.1. Portaria PORTARIA DE 26 DE FEVEREIRO DE 1998 o PRESIDENTE DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL no uso das atribuições N" 28/98 - RESOLVE: Art. I Q A utilização dos serviços de Telefonia Celular

Leia mais

Fundação Banestes de Seguridade Social - BANESES. Estatuto

Fundação Banestes de Seguridade Social - BANESES. Estatuto Fundação Banestes de Seguridade Conteúdo I. Da Denominação, Sede e Foro...1 II. Dos Objetivos...2 III. Do Quadro Social...3 IV. Do Prazo de Duração...4 V. Do Patrimônio...5 VI. VII. VIII. Dos Órgãos de

Leia mais

Instrução Normativa INSS nº. 14 de 13/03/07 DOU 14/03/07

Instrução Normativa INSS nº. 14 de 13/03/07 DOU 14/03/07 Instrução Normativa INSS nº. 14 de 13/03/07 DOU 14/03/07 Dispõe sobre diretrizes e critérios de avaliação dos desempenhos individual e institucional, e de concessão da Gratificação de Desempenho de Atividade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 139/2009/CONEPE Aprova alteração nas Normas Específicas do Estágio

Leia mais

DELIBERAÇÃ0 CONSEP Nº 116/2007

DELIBERAÇÃ0 CONSEP Nº 116/2007 DELIBERAÇÃ0 CONSEP Nº 116/2007 (Republicação aprovada pela Del. CONSEP Nº 098/2008, de 14/8/2008) Regulamenta os Cursos de Pósgraduação lato sensu na Universidade de Taubaté. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA,

Leia mais

RESOLUÇÃO TSE /2008* 1

RESOLUÇÃO TSE /2008* 1 RESOLUÇÃO TSE 22.901/2008* 1 * 1 Resolução alterada pelas Resoluções TSE 23.386/2012, 23.477/2016 e 23.497/2016. PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 18.456 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro

Leia mais

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994

LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 LEI 8.849, DE 28 DE JANEIRO DE 1994 Altera a legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de qualquer natureza, e dá outras providências. Faço saber que o presidente da República adotou a Medida Provisória

Leia mais

Portaria RFB nº de 29/08/2011 (Federal)

Portaria RFB nº de 29/08/2011 (Federal) Portaria RFB nº 3.300 de 29/08/2011 (Federal) Data D.O.: 30/08/2011 Estabelece as regras gerais de remoção dos integrantes da Carreira de Auditoria da Secretaria da Receita Federal do Brasil. O Secretário

Leia mais

FAÇO SABER, que a CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO VELHO, aprovou e eu sanciono a seguinte:

FAÇO SABER, que a CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO VELHO, aprovou e eu sanciono a seguinte: LEI COMPLEMENTAR Nº 271, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2006. Altera a estrutura organizacional básica do Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Município de Porto Velho IPAM e dá outras providências.

Leia mais

DESIGNAÇÃO / NOMEAÇÃO PARA FUNÇÃO DE CHEFIA

DESIGNAÇÃO / NOMEAÇÃO PARA FUNÇÃO DE CHEFIA DESIGNAÇÃO / NOMEAÇÃO PARA FUNÇÃO DE CHEFIA Cód.: DFG Nº: 44 Versão: 10 Data: 12/07/2017 DEFINIÇÃO Ato de investidura do servidor no exercício de função de confiança integrante do quadro de chefias da

Leia mais

DECRETO RIO Nº 40285 DE 24 DE JUNHO DE 2015

DECRETO RIO Nº 40285 DE 24 DE JUNHO DE 2015 DECRETO RIO Nº 40285 DE 24 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre a consolidação da legislação que versa sobre o Sistema Municipal de Transportes Oficiais no âmbito do Poder executivo e dá outras providências.

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº. 119 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº. 119 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº. 119 DE 03 DE DEZEMBRO DE 2010. Estabelece e regulamenta a atribuição de adicionais e a concessão de gratificações gerais aos servidores públicos da Administração Direta, Autárquica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MAMBORÊ Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE MAMBORÊ Estado do Paraná PREFEITURA MUNICIPAL DE MAMBORÊ Estado do Paraná DECRETO MUNICIPAL Nº 29/2012 Dispõe sobre a regulamentação do processo de avaliação para fins de promoção na Carreira do Magistério Público Municipal e,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES CEP/HUOL REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA

Leia mais

BANCO CENTRAL DO BRASIL

BANCO CENTRAL DO BRASIL LEI Nº 8.911 DE 11 DE JULHO DE 1994 Dispõe sobre a remuneração dos cargos em comissão, define critérios de incorporação de vantagens de que trata a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, no âmbito do

Leia mais

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico

FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico FACITEC - Faculdade de Ciências Sociais e Tecnológicas IESST Instituto de Ensino Superior Social e Tecnológico Credenciada pela portaria: MEC 292, de 15.02.2001 DOU Nº 35-E, de 19.02.2001, Seção 1 RESOLUÇÃO

Leia mais

Art. 5º - A operação do SIDS será executada segundo as diretrizes enunciadas no art. 4º da Lei nº 13.968, de 2001.

Art. 5º - A operação do SIDS será executada segundo as diretrizes enunciadas no art. 4º da Lei nº 13.968, de 2001. Institui o Sistema Integrado de Defesa Social de que trata o inciso I do art. 2º, da Lei Delegada nº 56, de 29 de janeiro de 2003, no âmbito da Secretaria de Estado de Defesa Social. O Governador do Estado

Leia mais

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08)

Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Ato Normativo nº 556/2008-PGJ, de 15/10/2008 (Pt. n 125.501/08) Dispõe sobre a organização e as atribuições da Assessoria Policial Militar no Ministério Público do Estado de São Paulo O PROCURADOR-GERAL

Leia mais

LEI Nº 1.275/2013. CNPJ. nº / Praça Padre Francisco Pedro da Silva, nº 145- Centro CEP: OURICURI-PERNAMBUCO

LEI Nº 1.275/2013. CNPJ. nº / Praça Padre Francisco Pedro da Silva, nº 145- Centro CEP: OURICURI-PERNAMBUCO LEI Nº 1.275/2013 Ementa:Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreira e Vencimentos dos Servidores da Prefeitura Municipal de Ouricuri, Estado de Pernambuco e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 06/2015/CONSUP/IFAP, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015.

RESOLUÇÃO N 06/2015/CONSUP/IFAP, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015. RESOLUÇÃO N 06/2015/CONSUP/IFAP, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2015. Aprova o PROGRAMA DE BOLSA-AUXÍLIO À PÓS- GRADUAÇÃO AOS SERVIDORES do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amapá IFAP. O PRESIDENTE

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº. 01/2019-PROGESP

ORDEM DE SERVIÇO Nº. 01/2019-PROGESP ORDEM DE SERVIÇO Nº. 01/2019-PROGESP Instrui os procedimentos e prazos para o acompanhamento do estágio probatório do servidor docente na UFCSPA. A PRÓ-REITORA DE GESTÃO DE PESSOAS DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE

Leia mais

RESOLUÇÃO/CONSUNI Nº05/2012. Regulamenta os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. RESOLVE

RESOLUÇÃO/CONSUNI Nº05/2012. Regulamenta os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. RESOLVE RESOLUÇÃO/CONSUNI Nº05/2012 Regulamenta os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. O Presidente do Conselho Universitário do Centro Universitário para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí - UNIDAVI, no

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1571, DE 02 DE JULHO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 03/07/2015, seção 1, pág. 32) Dispõe sobre a obrigatoriedade de prestação

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 019/2011. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, e considerando:

ATO NORMATIVO Nº 019/2011. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, e considerando: ATO NORMATIVO Nº 019/2011 Disciplina o uso do correio eletrônico no Ministério Público do Estado da Bahia. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das suas atribuições legais, e considerando:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 5.637, DE DE OUTUBRO DE 05. (republicado no DOE n.º 05, de 7 de outubro de 05) (vide abaixo publicação

Leia mais

DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE GRADUAÇÃO E PÓS-GRADUAÇÃO PARA SERVIDORES TÉCNICO ADMINISTRATIVOS DA UFG PRO QUALIFICAR DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art.1º. O Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Vice-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1113/2014 - CONSU, de 06 de outubro de 2014.

RESOLUÇÃO Nº 1113/2014 - CONSU, de 06 de outubro de 2014. Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará - UECE Secretaria dos Órgãos de Deliberação Coletiva - SODC RESOLUÇÃO Nº 1113/2014 - CONSU,

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL 1 CÂMARA LEGSLATA DO DSTRTO FEDERAL Texto atualizado apenas para consulta. LE Nº 5.187, DE 25 DE SETEMBRO DE 2013 (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Reestrutura a tabela de vencimentos da carreira Atividades

Leia mais

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL 2.1. INSTRUÇÃO NORMATIVA 2. ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA DE 7 DE MARÇO DE 2010 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

LEGISLAÇÃO SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS - SCDP

LEGISLAÇÃO SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS - SCDP LEGISLAÇÃO SISTEMA DE CONCESSÃO DE DIÁRIAS E PASSAGENS - SCDP Art. 58ª LEI 8.112, 11 DEZEMBRO DE 1990 O Servidor que, a serviço, afastar-se da sede em caráter eventual ou transitório para outro ponto do

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO DE ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DAS ATIVIDADES DOCENTES NA UFRPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO DE ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DAS ATIVIDADES DOCENTES NA UFRPE 1 MINUTA DE RESOLUÇÃO DE ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DAS ATIVIDADES DOCENTES NA UFRPE CONSIDERANDO a necessidade de aperfeiçoar o acompamhamento e registro das atividades desenvolvidas pelo corpo docente

Leia mais

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA

SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA PARECER Nº, DE 2003 Redação, para o segundo turno, da Proposta de Emenda à Constituição nº 67, de 2003 (nº 40, de 2003, na Câmara dos Deputados).

Leia mais

PODER JUDICÍARIO JUSTIÇA FEDERAL

PODER JUDICÍARIO JUSTIÇA FEDERAL PODER JUDICÍARIO JUSTIÇA FEDERAL SEÇÃO JUDICÍARIA DO ESTADO DE GOIÁS PORTARIA Nº, de de de 2013 O Juiz Federal MARK YSHIDA BRANDÃO, DIRETOR DO FORO DA SEÇÃO JUDICÍARIA DO ESTADO DE GOIÁS, no uso das atribuições

Leia mais

Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza Conselho Deliberativo

Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza Conselho Deliberativo Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza Conselho Deliberativo DELIBERAÇÃO CEETEPS-34, DE 27-3-2017. Regulamenta a Evolução Funcional

Leia mais

RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013

RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013 RDC ANVISA Nº17, DE 28/03/2013 Estabelece os critérios relativos à Autorização de Funcionamento (AFE) e de Autorização Especial (AE) de farmácias e drogarias. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO ,.. ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Estabelecer as diretrizes para participação em Processo Seletivo de Financiamento pela Advocacia-Geral da União de Cursos de Pós-Graduação para os membros de suas carreiras

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO LEI COMPLEMENTAR Nº 49, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2007. DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA PARA ATENDER A EXCEPCIONAL INTERESSE PÚBLICO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O povo do Município de São Gotardo, por seus

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu oferecidos pela Universidade Vila Velha ES (UVV), em caráter de educação continuada,

Leia mais

I - criação, realocação interna e transformação de cargos e funções, ou de sua extinção, quando vagos;

I - criação, realocação interna e transformação de cargos e funções, ou de sua extinção, quando vagos; SECRETARIA DE GESTÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 3, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 Dispõe sobre o processamento de propostas de fortalecimento da capacidade institucional dos órgãos ou entidades da administração

Leia mais

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013

Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 Conselho Municipal de Meio Ambiente CONSEMAC Câmara Setorial Permanente de Educação Ambiental CSPEA Parecer 03/2013 Março 2013 I. OBJETO Regulamentação da Lei n o 4.791 de 02/04/2008, que dispõe sobre

Leia mais

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê

REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê REGIMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NA EXPERIMENTAÇÃO ANIMAL DA UNIVERSIDADE DE UBERABA (Aprovado pelo CEEA / UNIUBE em 28/03/2012) Capítulo I Do Comitê Art. 1º - O Comitê de Ética na Experimentação Animal (CEEA)

Leia mais

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 17, DE 2011.

ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 17, DE 2011. ATO DA COMISSÃO DIRETORA Nº 17, DE 2011. Dispõe sobre os procedimentos relativos à concessão das licenças para tratamento da própria saúde, por motivo de doença em pessoa da família, à gestante, e por

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. RESOLUÇÃO do CNE (ainda depende Homologação do Ministro da Educação)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. RESOLUÇÃO do CNE (ainda depende Homologação do Ministro da Educação) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO do CNE (ainda depende Homologação do Ministro da Educação) Regulamenta o art. 52, inciso I da Lei 9.394, de 1996, e dispõe sobre normas e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2012 AD REFERENDUM DO CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 039/2012 AD REFERENDUM DO CONEPE RESOLUÇÃO Nº 039/2012 AD REFERENDUM DO CONEPE Regulamenta o processo de criação dos cursos de pósgraduação Lato Sensu em nível de Especialização e dá outras providências. O Reitor da Universidade do Estado

Leia mais

PLANO DE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS RESULTADOS (PPR)

PLANO DE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS RESULTADOS (PPR) PLANO DE PARTICIPAÇÃO DOS EMPREGADOS NOS RESULTADOS (PPR) Por este instrumento particular e na melhor forma de direito o, inscrito no CNPJ. sob o no. 19.761.757/0001-26, estabelecido no Município de Santos,

Leia mais

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015. GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA- SEJUSP/MS AGÊNCIA ESTADUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA PENITENCIÁRIO-AGEPEN/MS PORTARIA AGEPEN Nº 4, DE 6 DE

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº. 2.505 DE 16 DE MAIO DE 2011.

LEI COMPLEMENTAR Nº. 2.505 DE 16 DE MAIO DE 2011. 1 LEI COMPLEMENTAR Nº. 2.505 DE 16 DE MAIO DE 2011. Altera a composição do Conselho Municipal de Direitos da Pessoa Idosa e Institui o Fundo Municipal de Direitos da Pessoa Idosa modificando dispositivos

Leia mais

A República Federativa do Brasil

A República Federativa do Brasil AJUSTE COMPLEMENTAR AO ACORDO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A ORGANIZACÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O FUNCIONAMENTO NO BRASIL DO ESCRITÓRIO DA COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 30/2014 Poder Executivo CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI Nº 30/2014 Poder Executivo CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 30/2014 Poder Executivo Institui o Plano de Empregos, Funções e Salários e cria os

Leia mais

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO

REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO REGULAMENTO DO FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS CNPJ Nº 03.916.755/0001-29 DO FUNDO Artigo 1º - O FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS UNIBANCO C - PETROBRÁS, doravante designado, abreviadamente,

Leia mais

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO

NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Texto Aprovado CONSU Nº 2009-14 - Data: 03/09/09 PRÓ-REITORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE MISSÕES E CRESCIMENTO DE IGREJA FACULDADE ADVENTISTA DE TEOLOGIA (FAT) UNASP REGULAMENTO Conforme Regimento do UNASP Artigo

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR. RESOLVE editar o Regulamento de promoções relativo às Carreiras da Advocacia- Geral da União, nos termos seguintes: CAPÍTULO I

CONSELHO SUPERIOR. RESOLVE editar o Regulamento de promoções relativo às Carreiras da Advocacia- Geral da União, nos termos seguintes: CAPÍTULO I CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N o 11, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008 Dispõe sobre o Regulamento de promoções relativas às Carreiras da Advocacia-Geral da União. O CONSELHO SUPERIOR DA ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO,

Leia mais

MUNICIPIO SANTA TEREZINHA

MUNICIPIO SANTA TEREZINHA ESTADO DA PARAÍBA MUNICIPIO SANTA TEREZINHA PREFEITURA MUNICIPAL Lei Municipal nº 362/2010 de 22 de março de 2010 INSTITUI O CONSELHO MUNICÍPAL DO IDOSO, REGULAMENTA O SEU FUNCIONAMENTO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL N 156, DE 03 DE MAIO DE 1995

PORTARIA INTERMINISTERIAL N 156, DE 03 DE MAIO DE 1995 PORTARIA INTERMINISTERIAL N 156, DE 03 DE MAIO DE 1995 Aprova, na forma disciplinada nesta Portaria, as normas regulamentadora da Gratificação de Desempenho e Produtividade - GDP das atividades de Finanças,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CONSELHO SUPERIOR

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO CONSUP nº XX, de ----- de agosto de 2016 Dispõe sobre a avaliação especial de desempenho em Estágio Probatório dos integrantes das carreiras do Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 003/2006, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2006.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS RESOLUÇÃO Nº. 003/2006, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2006. RESOLUÇÃO Nº. 003/2006, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2006. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal da Grande Dourados no uso de suas atribuições legais, considerando o previsto no 3º do artigo 22, da

Leia mais

CAPÍTULO II - DA REALIZAÇÃO

CAPÍTULO II - DA REALIZAÇÃO REGIMENTO 3ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres Regimento CAPÍTULO I - DO OBJETIVO Art. 1º - A 3ª Conferência Estadual de Políticas para as Mulheres, convocada pelo Decreto do Governo Estadual,

Leia mais

ANEXO I CARGOS DA ÁREA DE ATIVIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE

ANEXO I CARGOS DA ÁREA DE ATIVIDADES DE ASSISTÊNCIA SOCIAL DA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE LEI Nº xxxx DE 2016 Institui o Plano de Carreira dos Servidores da Área de Atividades de Assistência Social da Prefeitura de Belo Horizonte, estabelece a respectiva Tabela de Vencimentos e dá outras providências.

Leia mais

LEI Nº , DE 18 DE JUNHO DE 2004 (DOU DE )

LEI Nº , DE 18 DE JUNHO DE 2004 (DOU DE ) LEI Nº 10.887, DE 18 DE JUNHO DE 2004 (DOU DE 21.06.2004) Dispõe sobre a aplicação de disposições da Emenda Constitucional no 41, de 19 de dezembro de 2003, altera dispositivos das Leis nos 9.717, de 27

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS LEI COMPLEMENTAR Nº 117, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2007. Dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração da Prefeitura Municipal de Dourados - PCCR-DOURADOS, fixa vencimentos e dá outras providências.

Leia mais

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO

CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO SECRETARIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO PORTARIA N.º 11, DE 7 DE JULHO DE 2006 O SECRETÁRIO FEDERAL DE CONTROLE INTERNO, no uso da competência que lhe confere o Inciso XIII

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014

LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 LEI MUNICIPAL Nº 327/2014 DE 23 DE JUNHO DE 2014 Cria o Conselho de Desenvolvimento Rural Sustentável do Município de Lagoa do Tocantins e dá outras providências A Prefeita Municipal MINERVA DICLÉIA VIEIRA

Leia mais

Reforma da Previdência

Reforma da Previdência Reforma da Previdência LEI Nº 10.887, DE 18 DE JUNHO DE 2004 Dispõe sobre a aplicação de disposições da Emenda Constitucional no 41, de 19 de dezembro de 2003, altera dispositivos das Leis nos 9.717, de

Leia mais