Ref.: AP 065/ Procedimentos para anuência à transferência de controle societário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ref.: AP 065/2011 - Procedimentos para anuência à transferência de controle societário"

Transcrição

1 C. E. DER 155/2011 São Luís, 15 de dezembro de 2011 ILMO. SENHOR ALEX SANDRO FEIL SUPERINTENDENTE DE MEDIAÇÃO ADMINISTRATIVA SETORIAL SMA Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL SGAN 603, MÓDULO I, 3º ANDAR, CEP BRASÍLIA DF Ref.: AP 065/ Procedimentos para anuência à transferência de controle societário Prezado, A Companhia Energética do Maranhão CEMAR, com o intuito de colaborar através de sugestões para a emissão de ato normativo sobre os procedimentos a serem adotados pela ANEEL no âmbito dos pedidos de anuência para a transferência de controle societário de agentes setoriais, vem, por meio de seu representante legal, apresentar sua contribuição à Audiência Pública nº 065/2011. Finalizando, colocamo-nos à disposição de V.S.a para prestar esclarecimentos adicionais que se fizerem necessários. Atenciosamente, Tinn Freire Amado Diretor de Estratégia e Regulação

2 CONTRIBUIÇÃO REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 065/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: Companhia Energética do Maranhão CEMAR AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa nº ---, de ---- de2011 EMENTA:Estabelece os procedimentos a serem adotados pelasconcessionárias, permissionárias e autorizadas de serviços e instalações de energia elétrica para obtenção de anuência à transferência de controle societário, e dá outras providências. CONTRIBUIÇÕES RECEBIDAS TEXTO/ANEEL TEXTO/INSTITUIÇÃO JUSTIFICATIVA/INSTITUIÇÃO

3 Art. 3º... III controle societário intermediário o controle em que a(s) pessoa(s) que não detém poder de controle direto e nem indireto exerce(m) sobre as sociedades que estão abaixo do controlador indireto e acima do controlador direto da delegatária; Art.6º Fica previamente anuída a transferência de controle societário indireto e intermediário de autorizadas para geração de energia elétrica por fonte termelétrica, exceto nuclear, eólica e de outras fontes alternativas de energia, exceto hídrica, bem como a transferência de controle societário direto que atenderem ao disposto nos parágrafos deste artigo. Art. 13 Quando a pretensa controladora tratar-se de sociedade estrangeira ou fundo de investimento em participação constituído segundo a lei estrangeira, a exigência dos documentos dispostos no inciso VI do Art. 3º... Art.6º Fica previamente anuída a transferência de controle societário indireto de autorizadas para geração de energia elétrica por fonte termelétrica, eólica e de outras fontes alternativas de energia, bem como a transferência de controle societário direto que atenderem ao disposto nos parágrafos deste artigo. 1º O disposto no caput não se aplica às autorizadas para geração de energia elétrica por fonte nuclear ou hídrica. Art. 13 Quando a pretensa controladora tratar-se de sociedade estrangeira ou fundo de investimento em participação constituído segundo a lei estrangeira, a exigência dos documentos dispostos no inciso VI do art. 11 e do art. 12, deverá ser atendida mediante documentos equivalentes, declarados equivalentes e Entendemos não ser recomendável a criação de um novo conceito de controlador intermediário no âmbito das reestruturações societárias, pois essa expressão não encontra respaldo na legislação societária. Além disso, a criação de tal conceito é desnecessária na medida em que, ao anuir previamente à transferência de controle indireto, a Resolução já está se referindo a todas as transferências de controle que ocorram no nível acima do controlador direto. Em outras palavras, a expressão controle societário indireto abrangeria tanto o controle intermediário como o controle indireto final. Ressaltamos que nem todos os consulados emitem a declaração atestando a inexistência de documento na jurisdição correspondente. Desse modo, sugerimos a inclusão da opção de apresentar declaração de advogado

4 art. 11 e do art. 12, deverá ser atendida mediante documentos equivalentes, declarados equivalentes e autenticados pelo respectivo consulado e traduzidos por tradutor juramentado, devendo ter representação legal no Brasil com poderes expressos para receber citação e responder administrativa e judicialmente. Parágrafo único. No caso de inexistir documento equivalente, o agente setorial deverá apresentar a declaração da entidade consular que atesta tal condição. Art. 17 A motivação do ato administrativo visa assegurar, dentre outros, os seguintes requisitos: I que o pretenso controlador: a) detém idoneidade financeira e regularidade jurídica e fiscal; b) compromete-se a cumprir os termos da delegação, conforme o contrato ou autorização em vigor; c) detém regularidade setorial e está autenticados pelo respectivo consulado e traduzidos por tradutor juramentado, devendo ter representação legal no Brasil com poderes expressos para receber citação e responder administrativa e judicialmente. Parágrafo único. No caso de inexistir documento equivalente, o agente setorial deverá apresentar a declaração da entidade consular que atesta tal condição ou de advogado habilitado na jurisdição em questão, devidamente assinada e com firma reconhecida e consularizada. Art. 17 A motivação do ato administrativo visa assegurar, dentre outros, os seguintes requisitos: I que o pretenso controlador: a) detém idoneidade financeira e regularidade jurídica e fiscal; b) compromete-se a cumprir os termos da delegação, conforme o contrato ou autorização em vigor; c) detém regularidade setorial e está com o cronograma construtivo dos empreendimentos em dia, em caso de tratar-se também de delegatário, a devidamente habilitado com o fim de atestar a impossibilidade de apresentar eventual documento exigido. Primeiramente, consideramos legítima e razoável a exigência constante do artigo 17, I, c da minuta de Resolução, no sentido de que o pretenso adquirente deverá estar com o cronograma construtivo de seus empreendimentos em dia, afinal não seria recomendável transferir a autorização ou concessão para uma empresa que não se mostra capaz de implementar seus empreendimentos dentro do prazo.

5 com o cronograma construtivo dos empreendimentos em dia, em caso de tratar-se também de delegatário, a ser verificada de ofício pela ANEEL junto a seus Sistemas de Informação. III que o agente setorial detém regularidade setorial e está com o cronograma construtivo dos empreendimentos em dia, a ser verificada de ofício pela ANEEL junto a seus Sistemas de Informação; e Art. 21 No âmbito da reestruturação societária é vedada à delegatária a recepção de ativos e passivos superavaliados e subavaliados, bem como a assunção de dívidas e obrigações, inclusive contingências ser verificada de ofício pela ANEEL junto a seus Sistemas de Informação. III que o agente setorial detém regularidade setorial, a ser verificada de ofício pela ANEEL junto a seus Sistemas de Informação; e Art. 21 No âmbito da reestruturação societária é vedada à delegatária a recepção de ativos e passivos superavaliados e subavaliados, bem como a assunção de dívidas e obrigações, inclusive contingências decorrentes de operações préreestruturação não registradas e garantias Por outro lado, é importante manter a possibilidade da aquisição de empresas de geração por outras empresas justamente com o intuito de dar seguimento a obras que estavam atrasadas ou paralisadas devido a dificuldades encontradas pela detentora da autorização ou concessão. A exigência de que o agente setorial que irá transferir o controle esteja com o cronograma construtivo em dia pode configurar um entrave para a realização de investimentos em obras queestejam com cronograma em atraso o que, em última análise, prejudica o desenvolvimento do setor de energia elétrica. Portanto, entendemos que seria conveniente excluir do texto da Resolução em questão. Tendo em vista que nem todas as reestruturações societárias são precedidas de auditoria legal (DueDiligence), entendemos que não é cabível condicionar a análise do eventual pedido de anuência prévia à

6 decorrentes de operações préreestruturação não registradas e garantias constituídas, pela sucedida, estranhas ao objeto da concessão ou da permissão. Parágrafo único. A ANEEL se reserva o direito, nas hipóteses em que entender necessárias, requerer compromisso e aporte de recursos para neutralizar resultados negativos das operações para a concessão, bem como a apresentação das Demonstrações Contábeis auditadas e do Parecer elaborado por auditores independentes registrados na Comissão de Valores Mobiliários - CVM e de Relatório de DueDiligence da sociedade a ser sucedida pela delegatária. Art. 23 Caso a transferência de controle societário direto envolva reestruturação societária de concessionária e de permissionária, o agente setorial, antes da implementação da operação, deverá requerer prévia anuência da Superintendência de Fiscalização constituídas, pela sucedida, estranhas ao objeto da concessão ou da permissão. Parágrafo único. A ANEEL se reserva o direito, nas hipóteses em que entender necessárias, requerer compromisso e aporte de recursos para neutralizar resultados negativos das operações para a concessão, bem como a apresentação das Demonstrações Contábeis auditadas e do Parecer elaborado por auditores independentes registrados na Comissão de Valores Mobiliários - CVM. Art. 23 A manifestação da ANEEL, com subsídio nas demais informações e demonstrações apresentadas relativas às operações, assim como no laudo de avaliação, não implica reconhecimento definitivo dos valores alocados para fins tarifários e indenização por ocasião de eventual reversão dos bens. apresentação de documento que a empresa detentora da autorização ou concessão não seja legalmente obrigada a possuir. E mesmo no caos de realização de auditoria, o conteúdo da avaliação pode variar a critério exclusivo do comprador. A obrigação, constante do artigo 27 da Lei nº 8.987, de , e consequente competência da ANEEL, disposta no artigo 4º, XI do Anexo I do Decreto nº 2.335, de , abrange submissão e análise de pedido de anuência prévia para a transferência de

7 Econômica e Financeira - SFF/ANEEL quanto à suficiência dos critérios do laudo de avaliação definitivo a ser utilizado para a deliberação da reestruturação societária pelos órgãos da sociedade. 1º O prazo previsto no art. 22 fica suspenso a partir do protocolo na ANEEL do pleito disposto no caput, tendo sua contagem reiniciada com a publicação da deliberação da SFF/ANEEL. 2º A manifestação da ANEEL, com subsídio nas demais informações e demonstrações apresentadas relativas às operações, assim como no laudo de avaliação, não implica reconhecimentodefinitivo dos valores alocados para fins tarifários e indenização por ocasião de eventual reversão dos bens. concessão ou do controle societário da concessionária. Contudo, o artigo 21 sugerido cria uma nova modalidade de anuência prévia, qual seja, para o laudo de avaliação definitivo, que será analisado após a emissão da Resolução Autorizativa que anui a reestruturação societária pretendida pela autorizada ou concessionária. Note-se, por oportuno, que o laudo não será útil para a Agência, uma vez que o 2º já prevê que não será considerado para fins tarifários e indenização por ocasião de eventual reversão dos bens. Se o intuito é simplificar não deveria ser criada nova exigência que não seja estrita e necessariamente útil.

Assunto: Considerações da Petrobras para a Consulta Pública ANEEL 11/2014

Assunto: Considerações da Petrobras para a Consulta Pública ANEEL 11/2014 Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2015. Para: Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Mediação Administrativa, Ouvidoria Setorial e Participação Pública SMA Dr. MARCOS BRAGATTO Assunto:

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF. VOTO PROCESSO: 48500.003968/2015-78. INTERESSADOS: Pantanal Energética Ltda. Pantanal Energética RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil Contribuição à Audiência Pública ANEEL nº 63/2014: Revisão da Resolução 484, de 17 de abril de 2012, que estabelece os procedimentos a serem adotados pelas concessionárias, permissionárias

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA COMPANHIA PARANANENSE DE ENERGIA À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 060/2015

CONTRIBUIÇÕES DA COMPANHIA PARANANENSE DE ENERGIA À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 060/2015 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL CONTRIBUIÇÕES DA COMPANHIA PARANANENSE DE ENERGIA À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 060/2015 OBJETIVO: obter subsídios ao aprimoramento da Resolução Normativa nº 532/2013,

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Fincaneira - SFF.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Fincaneira - SFF. VOTO PROCESSO: 48500.003761/2012-51. INTERESSADO: Companhia Energética Itumirim. RELATOR: Diretor Edvaldo Alves de Santana. RESPONSÁVEL: Superintendência de Fiscalização Econômica e Fincaneira - SFF. ASSUNTO:

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o, DE DE DE 2014 Altera a Resolução Normativa nº 334, de 21 de outubro de 2008, em relação aos controles prévio e a posteriori dos atos

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA 060/2015

AUDIÊNCIA PÚBLICA 060/2015 AUDIÊNCIA PÚBLICA 060/2015 APRIMORAMENTO DA REN Nº 532, DE 14/01/2013, QUE DISCIPLINA A CONSTITUIÇÃO DE GARANTIAS PELAS CONCESSIONÁRIAS, PERMISSIONÁRIAS E AUTORIZADAS DE GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Workshop de Qualificação para a Décima Primeira Rodada de Licitações Manifestação de Interesse. Qualificação Jurídica

Workshop de Qualificação para a Décima Primeira Rodada de Licitações Manifestação de Interesse. Qualificação Jurídica Workshop de Qualificação para a Décima Primeira Rodada de Licitações Manifestação de Interesse Qualificação Jurídica Regularidade Fiscal e Trabalhista Mileno Feitosa Jr. Superintendência de Promoção de

Leia mais

III - apresentar, observado o disposto no art. 12, parágrafo único, do Regulamento anexo à Resolução 3.040, de 2002:

III - apresentar, observado o disposto no art. 12, parágrafo único, do Regulamento anexo à Resolução 3.040, de 2002: CIRCULAR N º 3.179/03 Dispõe sobre os procedimentos para a constituição, a autorização para funcionamento, a transferência de controle societário e a reorganização societária, bem como para o cancelamento

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 678, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 678, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 678, DE 1º DE SETEMBRO DE 2015. Estabelece os requisitos e os procedimentos atinentes à obtenção e à manutenção de autorização para comercializar

Leia mais

CTA/DR/ N 016/2014 Rio Branco - AC; 6 de fevereiro de 2014

CTA/DR/ N 016/2014 Rio Branco - AC; 6 de fevereiro de 2014 U i U U l l. i GB s D ii b.iii ç s d ) A c r e Diretoria de Assuntos Regulatórios e Projetos Especiais Rua Valério Magalhães, 226, Bosque 69909-710 - Rio Branco - AC Telefone: (68) 3212-5721 Fax: (68)

Leia mais

Cemig Geração e Transmissão S.A. CNPJ 06.981.176/0001-58 NIRE 31300020550

Cemig Geração e Transmissão S.A. CNPJ 06.981.176/0001-58 NIRE 31300020550 Cemig Geração e Transmissão S.A. CNPJ 06.981.176/0001-58 NIRE 31300020550 ASSEMBLEIA GERAL DE DEBENTURISTAS DA TERCEIRA EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES, NÃO CONVERSÍVEIS EM AÇÕES, DA ESPÉCIE QUIROGRAFÁRIA,

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL

ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL ORIENTAÇÕES AOS MUNICIPIOS TRANSFERÊNCIA DE ATIVOS DE I. P. APLICAÇÃO DA NOVA RESOLUÇÃO DA ANEEL 17/12/2013 É preciso se atentar que a nova resolução aprovada pela ANEEL não apenas prorrogou o prazo limite

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 051/2015

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 051/2015 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 051/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Eletrosul Centrais Elétricas S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Minuta de Edital do Leilão de

Leia mais

Companhia de Energia Elétrica do Estado de Tocantins - CELTINS

Companhia de Energia Elétrica do Estado de Tocantins - CELTINS ABCD Companhia de Energia Elétrica do Estado de Tocantins - CELTINS Relatório sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados conforme determinado no Manual de Orientação dos Trabalhos de Auditoria

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA

PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROGRAMA MINHA CASA, MINHA VIDA PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO URBANA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS RELACIONADOS COM A IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DAS REDES DE ENERGIA ELÉTRICA EMPREENDIMENTOS HABITACIONAIS

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente

Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Entidade Legislação aplicável Redação normativa quanto à obrigatoriedade de auditoria independente Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) Entidade Fechada de Previdência Complementar (EFPC)

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CHARTIS BRASIL SEGUROS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: LEILÃO Nº 06/2009,

Leia mais

Em de de 2008. Processo: 48500.007850/2008-90 Assunto: Cadastro de Inadimplentes Solicitação e emissão eletrônica do Certificado de Adimplemento.

Em de de 2008. Processo: 48500.007850/2008-90 Assunto: Cadastro de Inadimplentes Solicitação e emissão eletrônica do Certificado de Adimplemento. Nota Técnica nº /2008 SFF/ANEEL Em de de 2008. Processo: 48500.007850/2008-90 Assunto: Cadastro de Inadimplentes Solicitação e emissão eletrônica do Certificado de Adimplemento. I. DO OBJETIVO A presente

Leia mais

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo

Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Encontro Temático Estadual - CEPAM Regulação de Saneamento e Energia no Estado de São Paulo Paulo Fernando Cunha Albuquerque Superintendente de Assuntos Energéticos 16/04/2013 A ARSESP é uma Agência multi

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010

RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 RESOLUÇÃO NORMATIVA 414/2010 Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica Transferência dos Ativos de Iluminação Pública P aos Municípios Marcos Bragatto Superintendente de Regulação da Comercialização

Leia mais

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques

Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Agenda Regulatória ANEEL 2014/2015 - Destaques Carlos Alberto Mattar Superintendente - SRD 13 de março de 2014 Rio de Janeiro - RJ Sumário I. Balanço 2013 II. Pautas para GTDC - 2014 III. Principais audiências

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. RESOLUÇÃO Nº, DE DE DE 2015. Estabelece as informações contábeis e societárias a serem apresentadas pelas Concessionárias de Serviço Público de Infraestrutura Aeroportuária e pelos administradores dos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: MINUTA DO

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração SCG. 1. A UHE Cachoeira da Fumaça foi outorgada em 22/04/1975.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração SCG. 1. A UHE Cachoeira da Fumaça foi outorgada em 22/04/1975. VOTO PROCESSO: 00000.703597/1973-68. INTERESSADOS: Porto Seguro Negócios Imobiliários S.A.. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A.

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Relatório sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados para Atendimento ao Despacho ANEEL nº 4.991/11 e Ofício ANEEL nº 507/12 Relativo ao Manual

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 82, DE 13 DE SETEMBRO DE 2004 Estabelece as condições para atendimento com redes de energia elétrica nos lotes situados em loteamentos

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 052/2005

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 052/2005 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 052/2005 NOME DA INSTITUIÇÃO: NEOENERGIA S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: RESOLUÇÃO NORMATIVA EMENTA

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013

CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. 3ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CONTROLE SOCIETÁRIO

TRANSFERÊNCIA DE CONTROLE SOCIETÁRIO TRANSFERÊNCIA DE CONTROLE SOCIETÁRIO O art. 27 da Lei nº 8.987, de 13/02/1995, bem como os atos de outorga dos agentes, determinam a necessidade de prévia para as transferências de controle societário

Leia mais

LEVY & SALOMÃO A D V O G A D O S

LEVY & SALOMÃO A D V O G A D O S FERNANDO DE AZEVEDO PERAÇOLI (11) 3555-5127 fperacoli@levysalomao.com.br 0001/7047 São Paulo, 23 de fevereiro de 2012 AV. BRIG. FARIA LIMA, 2601 12º ANDAR 01452-924 SÃO PAULO SP BRASIL TEL(11)3555-5000

Leia mais

BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. VOTO PROCESSO: 48500.005606/2014-31. INTERESSADO: Floraplac MDF Ltda. - Floraplac RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. ASSUNTO:

Leia mais

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas,

Pelo presente instrumento particular e na melhor forma de direito, os administradores das companhias abaixo qualificadas, INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DO BANCO ABN AMRO REAL S.A. PELO BANCO SANTANDER (BRASIL) S.A. (NOVA DENOMINAÇÃO SOCIAL DO BANCO SANTANDER S.A., EM FASE DE HOMOLOGAÇÃO

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000

ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 ANEXO À RESOLUÇÃO N.º 247, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2000 REGULAMENTO PARA ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO DAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA O FUNDO DE UNIVERSALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEZEMBRO 2013 Exercícios findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Valores expressos em milhares de reais. SUMÁRIO Demonstrações Financeiras Regulatórias Balanços Patrimoniais

Leia mais

ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005

ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005 ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA N O 42 / 2005 Fixação de Encargos da Concessionária ou Permissionária e cálculo da Participação Financeira do Consumidor nas obras. Assunto: ORÇAMENTO 16/Fevereiro/2006 CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F

REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F Anexo 1 ao Ofício Circular 086/2005-DG REGULAMENTO DO WEBTRADING BM&F CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES Art. 1º Para os fins deste Regulamento define-se: 1. Arbitrador Cliente habilitado pela BM&F a atuar no WebTrading

Leia mais

Contribuição para o aprimoramento das Resoluções nº 393/98 e nº 398/01.

Contribuição para o aprimoramento das Resoluções nº 393/98 e nº 398/01. Contribuição para o aprimoramento das Resoluções nº 393/98 e nº 398/01. (Consulta Pública ANEEL 058/2009) Otávio Ferreira da Silveira São Paulo, 18 de novembro de 2009. À Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X NOME DA INSTITUIÇÃO: CELESC DISTRIBUIÇÃO S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 019/2014

Leia mais

Contribuição do SINERGIA-MS à Audiência Pública 72/2014

Contribuição do SINERGIA-MS à Audiência Pública 72/2014 Contribuição do SINERGIA-MS à Audiência Pública 72/2014 Apresentação O Sindicato dos Eletricitários de Mato Grosso do Sul (SINERGIA-MS), doravante denominado Sindicato é o representante legal da categoria

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO

Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Norma: DECRETO 44245 2006 Data: 22/02/2006 Origem: EXECUTIVO Ementa: REGULAMENTA O PROGRAMA HABITACIONAL LARES GERAES - SEGURANÇA PÚBLICA NO ÂMBITO DO FUNDO ESTADUAL DE HABITAÇÃO - FEH. Fonte: PUBLICAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 16 / 2008. Prazo: 4 de dezembro de 2008

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 16 / 2008. Prazo: 4 de dezembro de 2008 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 16 / 2008 Prazo: 4 de dezembro de 2008 A Comissão de Valores Mobiliários CVM submete, em conjunto com o Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), à Audiência Pública,

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: INEE Instituto Nacional de Eficiência Energética AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Portaria n o

Leia mais

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS.

VOTO. INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. VOTO PROCESSO: 48500.004324/2007-97 INTERESSADOS: Câmara de Comercialização de Energia Elétrica CCEE e Operador Nacional do Sistema Elétrico ONS. RELATOR: Diretor RESPONSÁVEL: Superintendência de Regulação

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS. Prazo: 15 de setembro de 2014 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SNC Nº 03/2014 ICPC 19 TRIBUTOS Prazo: 15 de setembro de 2014 O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e o Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 82 DE 31 /10 /1997 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL - SRF PUBLICADO NO DOU NA PAG. 24919 EM 04 /11 /1997

INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 82 DE 31 /10 /1997 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL - SRF PUBLICADO NO DOU NA PAG. 24919 EM 04 /11 /1997 Página 1 de 8 INSTRUÇÃO NORMATIVA No. 82 DE 31 /10 /1997 SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL - SRF PUBLICADO NO DOU NA PAG. 24919 EM 04 /11 /1997 Dispõe sobre os procedimentos relativos ao Cadastro Geral de

Leia mais

Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas. Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013

Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas. Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013 Documentação necessária para trabalhos de estrangeiros em parques de construção de usinas eólicas Autor JULIANO ALEXANDRE CHANDRETTI Data 02/09/2013 A CPFL Energias Renováveis S.A é a maior empresa de

Leia mais

Concessão de Linhas de Transmissão Leilão n o 001/2005-ANEEL Reunião de Esclarecimentos

Concessão de Linhas de Transmissão Leilão n o 001/2005-ANEEL Reunião de Esclarecimentos Concessão de Linhas de Transmissão Leilão n o 001/2005-ANEEL Reunião de Esclarecimentos 30/8/2005 Brasília - DF JANDIR AMORIM NASCIMENTO Superintendente de Concessões e Autorizações de Transmissão e Distribuição

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD.

VOTO. RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição SRD. VOTO PROCESSOS: 48500.000865/2014-75 INTERESSADOS: Mineração Caraíba S/A - MCSA. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEIS: Superintendência de Regulação de Mercado SRM e Superintendência de

Leia mais

RESOLUÇÃO 3.922 -------------------------

RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- RESOLUÇÃO 3.922 ------------------------- Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O Banco Central

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.212. II - de 2 (dois) a 4 (quatro) anos: PLE = 0,24(APR) + 0,015 (SW); IV - a partir de 6 (seis) anos: PLE = 0,08 (APR) + 0,015 (SW).

RESOLUÇÃO Nº 2.212. II - de 2 (dois) a 4 (quatro) anos: PLE = 0,24(APR) + 0,015 (SW); IV - a partir de 6 (seis) anos: PLE = 0,08 (APR) + 0,015 (SW). RESOLUÇÃO Nº 2.212 Altera dispositivos das Resoluções nºs 2.099, de 17.08.94, e 2.122, de 30.11.94. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente

Leia mais

ASSUNTO: EDITAL DO LEILÃO N o 002/2006-ANEEL ADENDO N o 01 - ESCLARECIMENTOS

ASSUNTO: EDITAL DO LEILÃO N o 002/2006-ANEEL ADENDO N o 01 - ESCLARECIMENTOS TEL: 55 (61) 2192-8743 Ouvidoria: 0800 61 2010 ASSUNTO: EDITAL DO LEILÃO N o 002/2006-ANEEL ADENDO N o 01 - ESCLARECIMENTOS A) ESCLARECIMENTOS: 1. O Anexo 8A é aplicável somente para empresas que optarem

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 057/2012 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 057/2012 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 057/2012 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL ENERGIAS RENOVÁVEIS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução Normativa ANEEL nº 279,

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA OHL BRASIL PARTICIPAÇÕES EM INFRA-ESTRUTURA LTDA. POR OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A. Por este instrumento, OBRASCON HUARTE LAIN BRASIL S.A., companhia aberta

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A.

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DE INCORPORAÇÃO, POR FIBRIA CELULOSE S.A., DE ARAPAR S.A. E DE SÃO TEÓFILO REPRESENTAÇÃO E PARTICIPAÇÕES S.A. FIBRIA CELULOSE S.A. (nova denominação social de Votorantim Celulose

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº xxxx, DE xx DE xxxxx DE 20xx

RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº xxxx, DE xx DE xxxxx DE 20xx AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL [l1] Comentário: Maiúsculas RESOLUÇÃO NORMATIVA ANEEL Nº xxxx, DE xx DE xxxxx DE 20xx Estabelece procedimentos relativos ao Cadastro de Inadimplentes com Obrigações

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003

INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 INSTRUÇÃO CVM Nº 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e de

Leia mais

Manual de Orientação dos Trabalhos de Auditoria de Relatório de Controle Patrimonial - RCP. Regulado pela Resolução ANEEL 367/2009

Manual de Orientação dos Trabalhos de Auditoria de Relatório de Controle Patrimonial - RCP. Regulado pela Resolução ANEEL 367/2009 Manual de Orientação dos Trabalhos de Auditoria de Relatório de Controle Patrimonial - RCP Regulado pela Resolução ANEEL 367/2009 Superintendência de Fiscalização Econômica e Financeira SFF Versão: 01/2010

Leia mais

Lei nº 12.431/11 Portarias Ministeriais - Requisitos. Última atualização: Inclusão da Portaria n 404, da Secretária dos Portos. 05/10/2015.

Lei nº 12.431/11 Portarias Ministeriais - Requisitos. Última atualização: Inclusão da Portaria n 404, da Secretária dos Portos. 05/10/2015. Lei nº 12.431/11 Portarias Ministeriais - Requisitos Última atualização: Inclusão da Portaria n 404, da Secretária dos Portos. 05/10/2015. Índice Debêntures Incentivadas Portarias Ministeriais - Requisitos

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 012/2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: CRELUZ COOPERATIVA DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL EMENTA: obter

Leia mais

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013

Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Light Serviços de Eletricidade S.A. Demonstrações contábeis regulatórias referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 Balanços Patrimoniais Regulatório e Societário Nota Societário Ajustes CPCs

Leia mais

Radar Stocche Forbes Março 2015

Radar Stocche Forbes Março 2015 Março 2015 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Ofício-Circular CVM-SEP 2015 Principais Novidades No dia 26 de fevereiro de 2015, a Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) emitiu o Ofício-Circular nº 02/2015

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS. Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE RECUPERAÇÃO JUDICIAL DAS EMPRESAS Francisco Guilherme Braga de Mesquita Advogado Neste estudo, procuraremos trazer algumas considerações

Leia mais

Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010

Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010 Audiência Pública sobre o artigo 218 da Resolução Normativa ANEEL 414/2010 (transferência de ativos de iluminação pública aos municípios) Associação Brasileira de Empresas de Serviços de Iluminação - Ramon

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 07/2006. Prazo: 8 de dezembro de 2006.

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 07/2006. Prazo: 8 de dezembro de 2006. Prazo: 8 de dezembro de 2006. A COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM submete a Audiência Pública, nos termos do art. 8º, 3º, inciso I, da Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, a anexa minuta de Instrução

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014

DELIBERAÇÃO CVM Nº 728, DE 27 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o Documento de Revisão de Pronunciamentos Técnicos nº 06 referente aos Pronunciamentos CPC 04, CPC 05, CPC 10, CPC 15, CPC 22, CPC 25, CPC 26, CPC 27, CPC 28, CPC 33, CPC 38, CPC 39 e CPC 46 emitidos

Leia mais

RESOLUÇÃO N 02/2014/CDP Florianópolis, 05 de agosto de 2014.

RESOLUÇÃO N 02/2014/CDP Florianópolis, 05 de agosto de 2014. RESOLUÇÃO N 02/2014/CDP Florianópolis, 05 de agosto de 2014. O Presidente do Colegiado de Desenvolvimento de Pessoas em exercício do Instituto Federal de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA

CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA CAPÍTULO V FUNDO DE GARANTIA Seção I Finalidades Art. 40. As bolsas de valores devem manter Fundo de Garantia, com finalidade exclusiva de assegurar aos clientes de sociedade membro, até o limite do Fundo,

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 443, DE 2008 NOTA DESCRITIVA NOVEMBRO/2008 Nota Descritiva 2 SUMÁRIO Constituição de subsidiárias integrais ou controladas para o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal...4 Aquisição

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009

INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009 INSTRUÇÃO CVM Nº. 476, OFERTAS PÚBLICAS DE VALORES MOBILIÁRIOS DISTRIBUÍDAS COM ESFORÇOS RESTRITOS 16 de Janeiro de 2009 Apresentamos a seguir um resumo dos principais pontos da Instrução da Comissão de

Leia mais

QUESTÃO 14: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta: QUESTÃO 15: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta:

QUESTÃO 14: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta: QUESTÃO 15: Pergunta 1: Resposta: Pergunta 2: Resposta: QUESTÃO 14: O Edital cita no subitem d.1, do item d, tópico 7.3.4 Qualificação Técnica : "No caso da Área de Especialização 2, o atestado, para fins desta habilitação, deverá se referir a uma experiência

Leia mais

QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 05/2007. Prazo: 04 de maio de 2007

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 05/2007. Prazo: 04 de maio de 2007 Prazo: 04 de maio de 2007 Objeto: Aperfeiçoamento da regulação da CVM sobre a aplicação de recursos no exterior por parte dos fundos de investimento. 1. Introdução A discussão sobre a possibilidade de

Leia mais

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente;

ÂMBITO E FINALIDADE DEFINIÇÕES. I Bolsa(s): bolsa(s) de valores e bolsa(s) de mercadorias e futuros, indistintamente; INSTRUÇÃO CVM N o 387, DE 28 DE ABRIL DE 2003 Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações realizadas com valores mobiliários, em pregão e em sistemas eletrônicos de negociação e

Leia mais

VOTO PROCESSO: 48500.004792/2015-71. INTERESSADO: Energisa Minas Gerais Distribuidora de Energia S.A. RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior.

VOTO PROCESSO: 48500.004792/2015-71. INTERESSADO: Energisa Minas Gerais Distribuidora de Energia S.A. RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior. VOTO PROCESSO: 48500.004792/2015-71. INTERESSADO: Energisa Minas Gerais Distribuidora de Energia S.A. RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões, Permissões e Autorizações

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES RESOLUÇÃO Nº 637, DE 24 DE JUNHO DE 2014 Aprova o Regulamento de Parcelamento de Créditos Não Tributários Administrados pela Agência Nacional de Telecomunicações Anatel

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 583, DE 22 DE OUTUBRO DE 2013 Estabelece os procedimentos e condições para obtenção e manutenção da situação operacional e definição de

Leia mais

BFB LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL

BFB LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL BFB LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL Simples INSTRUMENTO PARTICULAR DE ESCRITURA DA QUARTA EMISSÃO DE DEBÊNTURES SIMPLES DA BFB LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL Relatório do Agente Fiduciário PETRA

Leia mais

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008

Quadro comparativo do Projeto de Lei do Senado nº 494, de 2008 1 Disciplina a forma, os prazos e os meios de preservação e transferência de dados informáticos mantidos por fornecedores de serviço a autoridades públicas, para fins de investigação de crimes praticados

Leia mais

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT.

VOTO RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO SCT. VOTO PROCESSO: 48500.000514/2015-45. INTERESSADO: Pantanal Transmissora S.A. RELATOR: Diretor Reive Barros dos Santos RESPONSÁVEL: SUPERINTENDÊNCIA DE CONCESSÕES, PERMISSÕES E AUTORIZAÇÕES DE TRANSMISSÃO

Leia mais

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DOS AGENTES DA CCEE UMA AVALIAÇÃO DO APARATO REGULATÓRIO

IMPACTOS DA IMPLANTAÇÃO DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO PARA FATURAMENTO DOS AGENTES DA CCEE UMA AVALIAÇÃO DO APARATO REGULATÓRIO Puerto Iguazú Argentina XIII ERIAC DÉCIMO TERCER ENCUENTRO REGIONAL IBEROAMERICANO DE CIGRÉ 24 al 28 de mayo de 2009 Comité de Estudio C5 - Mercados de Electricidad y Regulación XIII/PI-C5-13 IMPACTOS

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 531, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Altera a metodologia de cálculo das garantias financeiras associadas ao mercado de curto prazo, estabelece

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011

CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 CONTRIBUIÇÃO DA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 014/2011 A ELETROSUL analisou a proposta da ANEEL para a regulamentação das instalações destinadas a interligações internacionais,

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 140/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 140/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 140/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. Ao Senhor Carlos Antonio Tilkian Diretor de Relações com Investidores da MANUFATURA DE BRINQUEDOS ESTRELA SA Rua Gomes de Carvalho,

Leia mais

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l

R e s o l u ç ã o. B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l R e s o l u ç ã o 3 7 9 0 B a n c o C e n t r a l d o B r a s i l S u m á r i o SEÇÃO I: DA ALOCAÇÃO DOS RECURSOS E DA POLÍTICA DE INVESTIMENTOS... 1 Subseção I: Da Alocação dos Recursos... 1 Subseção

Leia mais

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI

REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DOS SERVIDORES EFETIVOS DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS RPPSMDI FUNDO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE DOIS IRMÃOS - FPSMDI POLÍTICA DE INVESTIMENTOS 2014 Aprovada

Leia mais