Editorial EDITORIAL DO BOLETIM. Maria do Socorro Maciel Diretoria do Departamento de Mastologia do Hospital AC Camargo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial EDITORIAL DO BOLETIM. Maria do Socorro Maciel Diretoria do Departamento de Mastologia do Hospital AC Camargo"

Transcrição

1 B o l e t i m d a DR/SPM Soc. Bras. de Mastologia FECHAMENTO AUTORIZADO PODE SER ABERTO PELA ECT A N O X V - N º J A N E I R O Editorial EDITORIAL DO BOLETIM Maria do Socorro Maciel Diretoria do Departamento de Mastologia do Hospital AC Camargo JANEIRO 2012 O câncer de mama é uma doença heterogênea, esta diversidade é decorrente de múltiplas alterações genéticas e eventos moleculares. Os clássicos fatores prognósticos como tamanho do tumor, comprometimento linfonodal, tipo histológico, bem como as características demográficas (idade, menopausa) tentam avaliar o melhor tratamento para a paciente. Com o advento de tecnologias como DNA microarray, método que examina os níveis e padrões de até genes hu- manos no tecido tumoral ou normal, podemos melhor avaliar a complexa hetereogeneidade do câncer de mama. A análise genômica têm sido utilizada com sucesso para estratificação do câncer de mama em subtipos moleculares com relevantes implicações na evolução clínica bem como na avaliação deos fatores prognósticos e preditivos ao tratamento, levando a uma medicina individualizada. No próximos temas abordaremos aluns destes aspectos. Assinaturas genéticas SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL SÃO PAULO Presidente: César Cabello dos Santos Vice Presidente: Afonso Celso Pinto Nazário 1º Secretário: Vilmar Marques de Oliveira 2º Secretário: Sílvio Eduardo Bromberg 1º Tesoureiro: Felipe Eduardo Martins de Andrade 2º Tesoureiro: Gilberto Uemura Diretor Científico: José Roberto Filassi Editores: Sílvio Eduardo Bromberg, Gil Facina.

2 subtipos genéticos intrinsecos Classificação Molecular do Câncer de Mama Reuniao Anatomo-Clinica Hospital AC Camargo Departamento de Anatomia Patológica O câncer de mama é reconhecidamente um grupo heterogêneo de neoplasias, tanto na apresentação clínica, nos aspectos morfológicos e também na evolução clínica. Há décadas buscamos a melhor maneira de identificar as pacientes com menor e maior risco de evolução desfavorável. A idade ao diagnóstico, o estadiamento (incluindo o tamanho do tumor, o status dos linfonodos axilares e presença de metastases a distância), o grau histológico e a expressão de receptores hormonais/her2 são os fatores clássicos utilizados na decisão terapêutica. Tradicionalmente o cancer de mama é classificado pela sua morfologia em tipos especiais, representando cerca de 15-25% dos casos, ou em carcinoma ductal sem outras especificações (CDI-SOE). Os subtipos especiais são definidos por uma morfologia particular presente em mais de 90% da area tumoral. No passado, muitos trabalhos demonstraram comportamento biológico distinto dos CDI-SOE para os tipos especiais. (1) Estão incluídos nos tipos especiais os carcinomas lobular, tubular, mucinoso, medular, cribriforme, adenóide cístico, metaplásico, micropapilar, papilífero, apócrino, entre outros mais raros. Estes subtipos podem ainda ser agrupados em prognóstico bom, intermediário ou ruim. Os CDI-SOE representam cerca de 75% dos carcinomas mamarios e são assim chamados por não apresentarem Dr. Fernando A. Soares Diretor do Departamento de Anatomia patológica do Hospital AC Camargo Dr. Victor Piana de Andrade Patologista e pesquisador do Hospital AC Camargo Todos os textos apresentados nesse boletim são publicados - na íntegra - conforme enviados pelos respectivos autores. Toda informação e opinião pessoal exposta, é de responsabilidade exclusiva do Autor. Os editores do boletim são responsáveis somente pela organização e execução do mesmo. Gil Facina e Silvio E. Bromberg 2

3 subtipos genéticos intrinsecos morfologia característica de nenhum tipo especial. Eles exibem uma grande heterogeneidade morfológica, incluindo casos de que variam de grau histológico I a grau histológico III, de acordo com o esquema proposto por Elston & Ellis. Apesar de esta classificação morfológica fazer sentido e fornecer alguma informação prognóstica, o valor prognóstico dos subtipos histológicos sempre teve um papel secundário ao tamanho do tumor, comprometimento axilar e grau histológico. Além disto, os subtipos não tem valor preditivo, ou seja, não fornecem informações sobre a sensibilidade ou resistência a tratamentos específicos. Em 2000 foi publicado o primeiro trabalho com uma avaliação molecular mais ampla do câncer de mama (incluindo a análise de milhares de genes simultaneamente) que abriu novos horizontes na classificação do cancer de mama.(2) Estes autores MAMOGRAFIA BIÓPSIA PERCUTÂNEA BIÓPSIA CORE PESQUISA DE LINFONODO SENTINELA LOCALIZAÇÃO RADIOGUIADA ROLL AGULHAMENTO MAMÁRIO ULTRA-SONOGRAFIA DENSITOMETRIA ÓSSEA Central de agendamento: Horário de atendimento: segunda à sexta-feira, das 8h às 18h /sábado, das 8h às 12h Rua Itapeva, 366, cjto 83/ identificaram diferenças na expressão gênica (RNA mensageiro) de uma série de tumores de mama que permitia a separação dos casos em alguns subgrupos. Uma análise detalhada da lista de genes com alta e baixa expressão em cada grupo permitiu identificar os perfis de expressão gênica, ou assinaturas genéticas, característicos de cada grupo. Por fim, baseado na similaridade com algumas células do epitélio mamário os grupos foram denominados: 1) Luminal quando a assinatura genetica se assemelhava à célula luminal do ducto mamário, 2) Basal-símile quando se assemelhava à célula basal, 3) Her-2 quando os tumores apresentavam um perfil com hiperexpressão do gene Her2 ou moléculas por ele reguladas na sua via de sinalização celular e 4) Normal-símile, um grupo com poucas alterações e de difícil interpretação, porvavelmente tratando-se artefatos técnicos. Dentro do grupo Luminal foi ainda possivel ver subgrupos com diferenças no perfil de proliferação cellular, e pelo menos dois grupos Luminal A e Luminal B persistiram nas publicações posteriores. Estes dados foram submetidos a validações por grupos diferentes, usando diferentes plataformas e após pouco mais de uma década, e com algumas críticas, ainda resistem na comunidade científica mas a incorporação na rotina do tratamento do cancer de mama sofreu adaptações uma vez que o estudo da expressão do RNA mensageiro por microarrays não não é factível na rotina.(3, 4) Uma das adaptações disponíveis é uma versão simplificada para o estudo dos perfis de expressão gênica, baseado em 50 genes apenas e utilizando o método de RT-PCR para quantificar o mrna usando amostras fixadas em formol e embebidos em parafina.(5) Diante de um caso novo a ser classificado, o mrna é extraído por método 3

4 subtipos genéticos intrinsecos padronizado e o nível de expressão pós-transcricional que faz com que res de células basais como as citoce- gênica para os 50 genes do caso em o nível de expressão gênica possa ratinas de alto peso molecular (CK5, questão é comparado com aqueles ser distinto do nível de expressão CK14, CK17), o p63 e o EGFR para iden- dos subtipos de câncer mamário. O protéica. Mesmo com todas as limi- tificar os carcinomas basal-símile en- caso será classificado como o subtipo tações esta classificação molecular tre o heterogêneo grupo de tumores com o qual exibir maior similaridade. através da imunohistoquímica tem triplos negativos.(6) Outro refinamen- Uma outra versão usando imunohistoquímica vem sendo aplicada para traduzir o conhecimento adquirido ao nível do mrna para o nível protéico. Através da combinação da expressão protéica dos receptores de estrógenos (RE), receptores de progesterona (RP) e Her2, três marcadores já em uso há algum tempo na propedêutica do câncer de mama, é possível identificar o grupo luminal (ER+/PR+/Her2- ou ER+/PR-/ Her2-), HER2 (ER-/Her2+) e um grupo chamado triplo negativo (ER-/PR-/ Her2-). A sobreposição destes grupos com aqueles descritos originalmente não é perfeita já que a expressão gênica está sujeita a regulação ganhado popularidade porque os grupos estão associados com tratamentos específicos. O grupo luminal tem prognóstico melhor, boa resposta a hormonioterapia e pouca resposta à quimioterapia, o grupo Her2 com prognóstico pior, mas pela boa resposta ao Trastuzumab acaba por exibir sobrevida livre de evento similar aos tumores de melhor prognóstico, e o grupo triplo negativo (aproximadamente 80% de sobreposição com o grupo basal-símile) tem prognóstico pior e carece de tratamento específico.(4) Refinamentos desta classificação por imunohistoquímica têm sido propostos. Um deles é o uso de marcado- to é o uso do índice de proliferação cellular pela imunoexpressão da proteína Ki-67 para separar o subtipo luminal em Luminal A e Luminal B.(7) Em ambos os casos a imunohistoquímica parece ser menos reprodutível do que a expressão gênica e estas avaliações ainda não foram incorporadas na propedêutica do câncer de mama.(4) Para além de caracterizar o câncer de mama ao diagnóstico, as assinaturas genéticas tem sido usadas para calcular o risco de recidiva da doença. O teste conhecido como OncotypeDx foi aprovado pelo Federal Drug Administration (FDA) para ser utilizado em pacientes portadoras de tumores positivos para receptores de 4

5 subtipos genéticos intrinsecos estrógenos com linfonodos axilares livres de doença.(8) Neste subgrupo específico o teste seria capaz de identificar pacientes com baixo risco de recorrência, alto risco de recorrência e risco interemediário, baseado num score calculado pelo nível de expressão de 16 genes relacionados aos receptores hormonais, Her2, apoptose, proliferação celular, invasão celular e outras funções. (9) Nos Estados Unidos estes teste tem sido usado rotineiramente neste contexto e seu uso em outros cenários tem sido alvo de investigação. Em resumo, o conhecimento molecular tem redesenhado nossos conceitos a respeito do câncer de mama e gradualmente este conhecimento tem sido introduzido nas recomendações padrão do tratamento deste tumor. Na atualidade, o tratamento depende da avaliação clínico-morfológica criteriosa associado a imunohistoquímica para ER, PR e Her2 e caminhamos para uma abordagem cada vez mais personalizada num futuro próximo.(4) Câncer de Mama: O diagnóstico precoce faz toda a diferença O Femme Laboratório da Mulher conta com estrutura completa e tecnologia avançada para diagnosticar precocemente o câncer de mama, o maior causador de morte entre mulheres. 1. Page DL. Special types of invasive breast cancer, with clinical implications. Am J Surg Pathol 2003;27: Perou CM, Sorlie T, Eisen MB, et al. Molecular portraits of human breast tumours. Nature 2000;406: Weigelt B, Pusztai L, Ashworth A, Reis-Filho JS. Challenges translating breast cancer gene signatures into the clinic. Nat Rev Clin Oncol. 4. Goldhirsch A, Wood WC, Coates AS, Gelber RD, Thurlimann B, Senn HJ. Strategies for subtypes--dealing with the diversity of breast cancer: highlights of the St. Gallen International Expert Consensus on the Primary Therapy of Early Breast Cancer Ann Oncol;22: Ultrassonografia Mamografia Digital Agulhamento Mamário PAAF Core Biópsia 5. Parker JS, Mullins M, Cheang MC, et al. Supervised risk predictor of breast cancer based on intrinsic subtypes. J Clin Oncol 2009;27: Badve S, Dabbs DJ, Schnitt SJ, et al. Basal-like and triple-negative breast cancers: a critical review with an emphasis on the implications for pathologists and oncologists. Mod Pathol;24: Cheang MC, Chia SK, Voduc D, et al. Ki67 index, HER2 status, and prognosis of patients with luminal B breast cancer. J Natl Cancer Inst 2009;101: Paik S, Shak S, Tang G, et al. A multigene assay to predict recurrence of tamoxifen-treated, node-negative breast cancer. N Engl J Med 2004;351: Mamounas EP, Tang G, Fisher B, et al. Association between the 21- gene recurrence score assay and risk of locoregional recurrence in node-negative, estrogen receptorpositive breast cancer: results from NSABP B-14 and NSABP B-20. J Clin Oncol;28: Mamotomia Estereotaxia Digital Ressonância Magnética das Mamas com Biópsia Anatomia Patológica e Citopatologia Genética Responsável Técnico: Prof. Dr. Décio Roveda Jr CRM Rua Afonso de Freitas, 188 Paraíso, São Paulo - SP CEP Tel.:

6 cirurgia e subtipos moleculares CIRÚRGIA e SUBTIPOS MOLECULARES O tratamento cirúrgico do câncer de mama, na maioria das vezes se divide em Mastectomias ou no Tratamento Con- subtipos com o tratamentos cirúrgicos. A maioria dos estudos mostra esta relação usando receptor de estrógeno; progesterona e her2 como servador e o tratamento adjuvante é direcionado segundo as características histopatológicos do tumor. Assim o tratamento adjuvante assim como o prognóstico é baseado no tipo histopatológico; tamanho do tumor; com- marcadores. Alguns sugerem que alguns subtipos especialmente o triplo negativo que representa 10 % - 17% dos casos apresentam maior risco de recidiva prometimento linfonodal; na avalia- loco-regional em relação aos outros ção imunoistoquimica dos receptores subtipos. Contudo, existem relatos de estrógeno,progesterona e receptor para fator de crescimento epidérmico 2 (her2). Contudo recentemente com a descrição do perfil molecular e classificação dos subtipos moleculares que apresentam diferentes prognósticos e resposta ao tratamento trouxe novas perspectivas na condução do câncer de mama. Baseado nesta classificação o tumores podem ser classificados em Luminal A e B; her 2 super-expresso e triplo negativo (TN) e a relação dos subtipos com o controle loco-regional e pouco conhecido. Recentemente algumas publicações tem mostrado a relação dos que mostraram não ter relação com recidiva e relatos mostram que o subtipo luminal A apresentam menor risco de recidiva. O aumento de recidiva loco-regional ocorre tanto nos casos submetidos à mastectomia assim como o tratamento conservador. Estudo com 768 pacientes (T1-2;N0) todos triplo negativos com media de 7.2 anos de seguimento mostrou que o risco de recidiva locoregional livre em 5 anos foi de 94%; 85% e 87% no tratamento conservador; mastectomia radical modifica- HIROFUMI IYEYASU M;PhD. Departamento de Mastologia do Hospital AC Camargo do sem radioterapia e mastectomia radical modificado mais radioterapia, respectivamente. Este estudo mostra que alguns casos de mastectomia radical modificado sem radioterapia apresenta maior risco de recidiva loco-regional. Outro estudo em que foi avaliado pacientes com 279 pacientes com recidiva locoregional, os casos triplo negativos 6

7 cirurgia e subtipos moleculares apresentavam risco relativo(rr) de Quando se analisa pacientes sub- per-expresso respectivamente assim recidiva de 1.89 em relação ao subti- metidas apenas à tratamento conser- como o índice de recidiva na mama po luminal A;B. vador mais radioterapia um estudo tratada não foi diferente. Outro es- Analise de 582 pacientes (EC I-III) submetidos apenas a mastectomia mais radioterapia tratadas de mostrou que os risco de recidiva loco-regional em 5 anos foi de 11.8% para triplo negativos e 3.9% para os outros subtipos. Outro estudo que analisou 1000 casos, apenas pacientes submetidas à mas- que analisou 793 pacientes sendo que 18 casos de recidiva local, observamos que o risco de recidiva foi de 1.8; 0.8; 1,5 e 7.1 para os subtipos luminal A; B; her 2 superexpresso e basal, respectivamente. Assim o apesar de o índice de recidiva ter sido baixo em 5 anos, o índice foi variado conforme o subtipo. tudo na mesma linha de estudos (tratamento conservador mais radioterapia) com 482 pacientes não mostra diferença no risco de recidiva loco regional entre o subtipo triplo negativo e outros subtipos (83% x 83%). Analise com 1601 pacientes com media de seguimento de 8.1 anos. Destes 108 eram do subtipo triplo nega- tectomia com e sem radioterapia Contudo encontramos estudos que tivo. O índice de recidiva local foi de adjuvante,mostrou que no subtipo não mostram estes mesmos resultados. semelhante comparativamente aos triplo negativo apresentam maior risco de recidiva loco-regional. Num estudo com tempo de acompanhamento de 12 anos com 2895 pacientes sendo que 325 pacientes apresentaram recidiva local e 227 linfonodal. Os pacientes submetidos a tratamento conservador os subtipos her2 super-expresso e basal apresentaram maior risco de recidiva e nos pacientes submetidos a mastectomia os subtipos luminal B; her2 super-expresso e basal apresentaram maior risco de recidiva. Segundo este artigo o tipo subtipo luminal A apresenta o menor risco de recidiva loco-regional. Um estudo que analisou 498 pacientes submetidas à tratamento conservador mais radioterapia com 84 meses de seguimento mostrou 5 anos de indice livre de recorrência de 98,8%; 95,5%; 90% e 92,3% para os subtipos luminal A; B; basal e her2 su- outros subtipos (13% x 12% p- 0.77), contudo o tempo para recidiva foi menor nos triplos negativos. Assim, os subtipos moleculares talvez, necessitem ser discutidas nos novos protocolos de tratamento cirúrgico. 7

8 testes e individualização do tratamento TESTES E INDIVIDUALIZAÇÃO DO TRATAMENTO Para a definição da terapêutica sistêmica das mulheres com câncer de mama habitu- Recentemente (J Clin Oncol 2011, Novembro 10), o Dr. Jack Cusick e colaboradores publicaram dados em que in- almente consideramos característi- formações fornecidas pela imunoisto- cas clinico-patológicas como a idade, química poderiam ser suficientes para compromentimento de linfonodos, fornecer as mesmas informações da tamanho tumoral, grau histológico assinatura genética. Quatro marcado- e perfil de receptores hormonais e res identificados por imunoistoquímica HER2). Porém com o maior número de no material tumoral (receptor de estró- diagnósticos em fases precoces da do- geno, receptor de progesterona, Ki67 e ença, o tratamento em mulheres consideradas de bom prognóstico inclui a preocupação com o supertratamento a que podem ser expostas. Explica-se: mulheres com tumores em fases iniciais e com positividade de receptores de estrógeno poderiam em muitas vezes serem poupadas da quimioterapia, pois para estas, o benefício da hormonioterapia seria mais consistente, sem adição significativa de proteção com a quimioterapia. Neste sentido, sistemas que utilizam a expressão de determinadas proteínas tumorais, interpretadas em um escore de risco para recorrência candidataram-se a importantes ferramentas na decisão terapêutica. A assinatura genética determinada a partir destes testes poderia dividir as pacientes em alto, intermediário e baixo riscos Dra. Solange Moraes Sanches Médica Titular do Departamento de Oncologia Clínica do Hospital AC Camargo Mestre em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo terapia para as de alto risco, hormonioterapia exclusiva para as de baixo risco e um benefício intermediário e discutível da quimioterapia nas de risco intermediário. Alguns estudos analisaram retrospectivamente a validade destes testes e há em andamento estudos prospectivos com este propósito (como o MINDACT, ainda sem resultados conhecidos). Alguns fatores limitam o uso rotineiro deste teste de assinatura genética, desde o envio de material para fora do Brasil, o custo, e embora com dados consistentes retrospectivos, a falta de vali- EGFR) foram combinados em um escore específico, com diferentes pesos para cada informação, gerando um modelo prognóstico que integrado às variáveis clássicas clínicas e patológicas mostrou-se uma ferramenta interessante no manejo de pacientes pós menopausadas com câncer de mama com positividade de receptores de estrógeno. Assim, quatro ensaios de imunoistoquimica rotineiramente realizados com técnicas de alta qualidade podem prover informações que são superponíveis àquelas obtidas por técnicas mais sofisticadas e ainda pouco acessíveis em nosso meio. São necessários maiores estudos para definir a aplicabilidade desta técnica na prática clínica rotineira, mas sem dúvida o fato de podermos definir com ajuste fino a decisão terapêutica baseada em métodos de recidiva, com indicação da quimio- dação prospectiva. acessíveis deve ser o nosso objetivo. 8

9 radioterapia e subtipos moleculares RADIOTERAPIA NO CARCINOMA DA MAMA CDis deve-se sempre pensar na reparação - risco de recidiva local é dado por 3 imediata. fatores principais: 1- microcalcificação residual (100% re- Radioterapia corrência local - RL) 2- presença de comedonecrose moderada ou acentuada (20% RL em 8 a, mas não significativa aos 15 a) 3- história familiar (30-50% RL) 50,4 Gy na mama, nos casos de cirurgia conservadora. Nos casos de mastectomia não há indicação de radioterapia pós-operatória. Metanálise EBCTCG: RL> excisão local apenas que com mastectomia ou cirurgia conservadora (CC) + radioterapia (Rxt) - Mastectomia ou CC + Rxt recidiva local (RL) e sobrevida livre de doença (SLD) semelhantes - NSABP-B17 - Cirurgia conservadora +Rxt - RL 7,5%, sendo 2,9% como tumor invasivo; cirurgia sem Rxt - RL 10,4%, 10,5% como invasivo. Seguimento de 12 anos, RT reduziu risco de RL não invasiva de 15% para 8% e RL invasiva de 18% para 8% - EORTC seguimento de 10 anos, RT reduziu a taxa de pacientes livres de RL não invasiva de 86% para 93% e RL invasiva de 87% para 92% 5 - Cochrane metanalysis - 4 estudos randomizados cirurgia conservadora com ou sem RT todas as pacientes se beneficiaram do uso da Dra Maria Aparecida Conte Maia Diretora do Departamento de Radioterapia do Hospital ACCamargo RT no controle local, sem aumento de toxicidade 6 O tratamento de escolha é a CC seguida de Rxt. A mastectomia é tratamento de exceção, sendo indicada para os casos de tumores multicêntricos ou onde a cirurgia conservadora não é possível. Nestes casos CDI inicial Dados de uma metanálise EBTCG de 40 estudos randomizados avaliando resultados de 10 e 20 anos mostrou que o uso da radioterapia levou a uma redução de aproximadamente dois terços na recorrência local bem como no risco de morte por cancer de mama (p=0,0001). EC I (T1N0) Frequentemente curável com várias abordagens terapêuticas. Entretanto, seguimento de 10 a 20 anos de pacientes submetidos apenas à cirurgia mostra até 27% de recidiva local (Scottish Trial, 1996; Finnish Trial, 2009). A escolha do tratamento dependerá: - tamanho e localização do tumor - tamanho da mama 9

10 radioterapia e subtipos moleculares - aparência à mamografia - vontade da paciente Atualmente, o tratamento preconizado para os tumores de mama de EC I é a cirurgia conservadora, seguida de Rxt e Qt, quando indicada. Quando há indicação de antracíclicos, primeiro a Qt e,após, RT. RTOG (Radiation Therapy Oncology Group), baseado em um estudo fase II (RTOG9517) está desenvolvendo um fase III (RTOG0413) avaliando a possibilidade de se irradiar apenas parte da mama, com braquiterapia, mammosite e radioterapia conformada. Existe também o estudo do Instituto Europeo de Oncologia, de Milão, avaliando irradiação parcial da mama com radioterapia intra-operatória em dose única, sendo os resultados preliminares bastante animadores. No Hospital do A C Camargo o tratamento de escolha para tumores do estádio I é a cirurgia conservadora seguida de radioterapia e quimioterapia quando indicada. Entretanto, temos um estudo aberto, iniciado em 2004 para irradiação parcial da mama com braquiterapia e outro com radioterapia intra-operatória e estamos captando pacientes. Rxt Deve-se usar equipamentos de megavoltagem, com técnicas modernas e cuidados de localização e posicionamento para se obter um melhor resultado cosmético e funcional, minimizando-se os efeitos colaterais e sequelas aos órgãos vizinhos. A dose preconizada é de 45 Gy na mama e reforço de 10 Gy no leito operatório EC ii a - T0N1, T1N1, T2N0 b - T2 N1, T3N0 Resultados semelhantes quanto à sobrevida fazendo-se a mastectomia ou cirurgia conservadora e radioterapia. Caso seja feita a mastectomia pensar sempre na reconstrução da mama, imediata ou tardia; nesses casos a radioterapia da parede torácica está indicada excepcionalmente: presença de tumor residual, linfonodos axilares comprometidos e nos tumores maiores (T3N0) EC iii Casos passiveis de cirurgia ou submetidos á QT neoadjuvante e posterior cirurgia, serão submetidos á radioterapia de acordo com o estadiamento locorregional inicial. Não há ainda evidencia para se irradiar baseado no estadiamento pós QT EC III a ou b: - com intenção pré-operatória: Gy na mama e drenagem - com intenção pós-operatória: Gy na mama e drenagem Se após a cirurgia, as margens de ressecção forem exíguas ou comprometidas, está indicado um reforço de Gy na parede torácica. Se há comprometimento da pele também deve-se pensar num reforço de 10 Gy na cicatriz cirúrgica, bem como no uso de bólus durante a irradiação, a depender da curva de isodose escolhida e dose recebida pela pele. Nos casos onde é feita a quimioterapia neoadjuvante seguida de cirurgia, não há ainda consenso sobre o que deva ser irradiado, se a doença pré-quimioterapia ou pós- quimiote- 10

11 radioterapia e subtipos moleculares rapia. No Hospital A C Camargo: - Reforço no leito da lesão, que pode - Rt da FSC: caso haja menos de 4 - qqtn2 submetida à Qt neo, ainda que a axila venha livre ao exame anátomo-patológico, irradiamos a FSC e parede torácica - qqtn1 submetida à Qt neo: se ypn1 FSC e parede torácica se ypn0 só a parede torácica EC IV - na maioria dos casos o tratamento é paliativo. A irradiação de metástases pode ser feita com doses de 2 a 3 Gy por dia, a depender do volume a ser irradiado e condições clinicas do paciente. Rxt ser feito com megavoltagem, ortovoltagem, elétrons ou braquiterapia; a dose é de 10 Gy se as margens são livres e 15 Gy se são exíguas; se as margens são positivas discutir com a paciente a possibilidade de mastectomia ou usar dose maior de irradiação, o que levará a comprometimento do resultado cosmético da mama. Neste último caso a braquiterapia é uma boa opção pois consegue-se liberar uma maior dose de irradiação no leito da lesão com menor prejuízo para a pele. - Não há necessidade de irradiação da linfonodos axilares positivos, com dissecção adequada dos níveis I e II, não há ainda consenso quanto á indicação de RT ; mais de três linfonodos positivos ou dissecção inadequada, a RT melhora o controle local. Indicamos a radioterapia de fossa supraclavicular para pacientes com mais de 3 linfonodos axilares comprometidos.. No nosso serviço indicamos a irradiação de mamária interna nos casos onde a mesma encontra-se comprometida(por exame de imagem ou anátomo patológico). 45 a 50,4 Gy na parede torácica nos casos de mastectomia 45 Gy na mama e reforço no local da lesão primária, nas pacientes submetidas à cirurgia conservadora: axila se a mesma foi adequadamente esvaziada. Até o momento não há consenso quanto à necessidade de Rxt na axila caso haja rotura capsular ou invasão da gordura axilar. No momento, não existem dados suficientes para se utilizar as assinaturas genéticas na indicaçõa ou não da Radioterpai nos carcinomas da mama. 11

12 Realização

O estado da arte da radioterapia em pacientes idosas com tumores de mama iniciais

O estado da arte da radioterapia em pacientes idosas com tumores de mama iniciais XVII CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RADIOTERAPIA Encontro de Residentes em Radioterapia da SBRT O estado da arte da radioterapia em pacientes idosas com tumores de mama iniciais Arthur Bom Queiroz

Leia mais

Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir)

Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir) Tópicos atuais em câncer de mama Tratamento adjuvante sistêmico (como decidir) Dr. André Sasse Oncologista Clínico sasse@cevon.com.br Centro de Evidências em Oncologia HC UNICAMP Centro de Evidências em

Leia mais

CARCINOMA DUCTAL INVASOR INICIAL DA BIDIMENSIONAL VERSUS TRIDIMENSIONAL NÍVEIS I E II

CARCINOMA DUCTAL INVASOR INICIAL DA BIDIMENSIONAL VERSUS TRIDIMENSIONAL NÍVEIS I E II CARCINOMA DUCTAL INVASOR INICIAL DA MAMA D: A RADIOTERAPIA BIDIMENSIONAL VERSUS TRIDIMENSIONAL É INFERIOR NA ABRANGÊNCIA MAMÁRIA E NÍVEIS I E II Da Costa AB, Diaz OC, Carvalho MCR, Dias TM, Alves MS, Duarte

Leia mais

O Papel da Radioterapia no Contexto da Quimioterapia Neoadjuvante do Câncer de Mama. Osmar Barbosa Neto

O Papel da Radioterapia no Contexto da Quimioterapia Neoadjuvante do Câncer de Mama. Osmar Barbosa Neto O Papel da Radioterapia no Contexto da Quimioterapia Neoadjuvante do Câncer de Mama Osmar Barbosa Neto Objetivos do Tratamento Controle da Doença Locorregional + rradicação de Metástases Sistêmicas Oculta

Leia mais

ADENOMASTECTOMIA (mastectomia preservadora de pele e CAM) SEM RADIOTERAPIA adjuvante é de fato uma boa cirurgia oncológica?

ADENOMASTECTOMIA (mastectomia preservadora de pele e CAM) SEM RADIOTERAPIA adjuvante é de fato uma boa cirurgia oncológica? ADENOMASTECTOMIA (mastectomia preservadora de pele e CAM) SEM RADIOTERAPIA adjuvante é de fato uma boa cirurgia oncológica? Antonio Frasson São Paulo, 13 de julho de 2012. ESTUDOS RANDOMIZADOS Recidiva

Leia mais

Joint SFBO-SBR-ALATRO Consensus Meeting Controversies on Radiotherapy Treatment. Breast Cancer

Joint SFBO-SBR-ALATRO Consensus Meeting Controversies on Radiotherapy Treatment. Breast Cancer Joint SFBO-SBR-ALATRO Consensus Meeting Controversies on Radiotherapy Treatment Breast Cancer Dra. Ana Carolina de Rezende ana.rezende@einstein.br Internal Mammary Nodal Chain Irradiation Dra. Ana Carolina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONCURSO PÚBLICO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ALCIDES CARNEIRO DIA - 20/12/2009 CARGO: MASTOLOGISTA C O N C U R S O P Ú B L I C O - H U A C / 2 0 0 9 Comissão de Processos

Leia mais

Hipofracionamento em câncer de mama:

Hipofracionamento em câncer de mama: Hipofracionamento em câncer de mama: resultados de um estudo piloto BORGES, Allisson B. B. ANGOTTI, Clarissa C. R. ALMEIDA, Cristiane M AGUILAR, P. B. STUART, Silvia R. CARVALHO, Heloisa A. Instituto de

Leia mais

O estado da arte da braquiterapia de mama. Camila Zerbini Residente 3º ano

O estado da arte da braquiterapia de mama. Camila Zerbini Residente 3º ano O estado da arte da braquiterapia de mama Camila Zerbini Residente 3º ano Histórico Tumores iniciais de mama Cirurgia conservadora Irradiação de toda a mama (ITM) Early Breast Cancer Trialists Collaborative

Leia mais

Protocolo de Preservação de Orgão em Câncer de Cabeça e Pescoço

Protocolo de Preservação de Orgão em Câncer de Cabeça e Pescoço Protocolo de Preservação de Orgão em Câncer de Cabeça e Pescoço Residência de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Wendell Leite Tratamento utilizando radioterapia em fracionamentos não convencionais ou a

Leia mais

Podemos considerar RT hipofracionada da mama para todas as pacientes como padrão? SIM. Erlon Gil 21/06/13

Podemos considerar RT hipofracionada da mama para todas as pacientes como padrão? SIM. Erlon Gil 21/06/13 Podemos considerar RT hipofracionada da mama para todas as pacientes como padrão? SIM Erlon Gil 21/06/13 RT adjuvante EBCTCG Lancet 2005;366: 2087-2106 Contextualização 20-30% das mulheres não recebem

Leia mais

30/05/2016. Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante?

30/05/2016. Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante? Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante? Resposta parcial após neoadjuvância: há espaço para quimioterapia adjuvante? Estamos num momento de quebra de paradigmas? José

Leia mais

Radioterapia baseada em evidência no tratamento adjuvante do Câncer de Endométrio: RT externa e/ou braquiterapia de fundo vaginal

Radioterapia baseada em evidência no tratamento adjuvante do Câncer de Endométrio: RT externa e/ou braquiterapia de fundo vaginal Radioterapia baseada em evidência no tratamento adjuvante do Câncer de Endométrio: RT externa e/ou braquiterapia de fundo vaginal Paulo Eduardo Novaes, MD, PhD Departamento de Radioterapia Hospital AC

Leia mais

CÂNCER DE COLO DE ÚTERO OPERADO RADIOTERAPIA COMPLEMENTAR: INDICAÇÕES E RESULTADOS

CÂNCER DE COLO DE ÚTERO OPERADO RADIOTERAPIA COMPLEMENTAR: INDICAÇÕES E RESULTADOS CÂNCER DE COLO DE ÚTERO OPERADO RADIOTERAPIA COMPLEMENTAR: INDICAÇÕES E RESULTADOS Hospital Erasto Gaertner Serviço de Radioterapia Sílvia Pecoits Câncer de Colo Uterino 500.000 casos novos no mundo com

Leia mais

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA

QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA QUIMIOTERAPIA ADJUVANTE NO CÂNCER DE ENDOMÉTRIO. QUANDO HÁ EVIDÊNCIAS E QUANDO COMBINÁ-LA COM A RADIOTERAPIA Dr. Markus Gifoni Oncologista Clínico Instituto do Câncer do Ceará Fortaleza 01/06/2013 Informações

Leia mais

- Papel da Quimioterapia Neo e

- Papel da Quimioterapia Neo e Carcinoma Urotelial de Bexiga: Tratamento Sistêmico na Doença Músculo-Invasiva - Papel da Quimioterapia Neo e Adjuvante Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Prof. Medicina Interna Univ. Católica de Brasília

Leia mais

REVIEW ARTICLE - PERFIL IMUNOFENOTÍPICO, COM FATOR PROGNOSTICO NO CANCER DE MAMA

REVIEW ARTICLE - PERFIL IMUNOFENOTÍPICO, COM FATOR PROGNOSTICO NO CANCER DE MAMA REVIEW ARTICLE REVIEW ARTICLE - PERFIL IMUNOFENOTÍPICO, COM FATOR PROGNOSTICO NO CANCER DE MAMA Marcella de Oliveira Santiago ¹ e Virgílio R. Guedes² Maria Cristina da S. Pranchevicius 3 1. Graduando em

Leia mais

Declaro não haver nenhum conflito de interesse.

Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Declaro não haver nenhum conflito de interesse. Faculdade de Medicina do ABC Disciplina de Ginecologia Serviço do Prof. Dr. César Eduardo Fernandes Setor de Mastologia IVO CARELLI FILHO Maior dilema da

Leia mais

Hipofracionamento da mama, aplicar sempre? Ernane Bronzatt

Hipofracionamento da mama, aplicar sempre? Ernane Bronzatt Hipofracionamento da mama, aplicar sempre? Ernane Bronzatt Cenário Busca pela diminuição do tempo da Radioterapia adjuvante Aumento da conveniência do tratamento Sem comprometimento dos resultados clínicos

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE ASPECTOS MORFOLÓGICOS E MARCADORES TUMORAIS MOLECULARES EM 39 CASOS DE CARCINOMA DE MAMA.

CORRELAÇÃO ENTRE ASPECTOS MORFOLÓGICOS E MARCADORES TUMORAIS MOLECULARES EM 39 CASOS DE CARCINOMA DE MAMA. CORRELAÇÃO ENTRE ASPECTOS MORFOLÓGICOS E MARCADORES TUMORAIS MOLECULARES EM 39 CASOS DE CARCINOMA DE MAMA. RESUMO CORSO, Layla Comel 1 MORAIS, Carlos Floriano 2 Introdução: O câncer de mama representa

Leia mais

Qual a melhor combinação de quimioterapia quando associada à radioterapia para tumores localmente avançados (pulmão)?

Qual a melhor combinação de quimioterapia quando associada à radioterapia para tumores localmente avançados (pulmão)? Qual a melhor combinação de quimioterapia quando associada à radioterapia para tumores localmente avançados (pulmão)? Dr. Ormando Campos Jr. Oncologista Clínico Conflito de Interesses Quimioterapia + Radioterapia.

Leia mais

Quimioterapia Adjuvante. Fatores Atuais de Decisão

Quimioterapia Adjuvante. Fatores Atuais de Decisão Quimioterapia Adjuvante. Fatores Atuais de Decisão Dr Antonio C. Buzaid Chefe Geral Breast Cancer Subtypes ER-/PR-/HER2-: Largely overlaps with Basaloid Type ER+ and PR+/HER2-/low Ki67: Largely overlaps

Leia mais

T.M. Mabel Pinilla Fernández PhD (c) mabelpinilla@udec.cl

T.M. Mabel Pinilla Fernández PhD (c) mabelpinilla@udec.cl T.M. Mabel Pinilla Fernández PhD (c) mabelpinilla@udec.cl Epidemiologia En chile, 2 da causa de muerte en mujeres Clasificación Clínico- patológica y Sobrevida Tamanho Tumoral (T) T1: 2.0cm em sua maior

Leia mais

Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2

Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2 Recomendações para pacientes com câncer de mama com mutação dos genes BRCA 1 ou 2 Rafael Kaliks Oncologia Hospital Albert Einstein Diretor Científico Instituto Oncoguia rkaliks@gmail.com Risco hereditário:

Leia mais

Benefício da radioterapia neoadjuvante na sobrevida de pacientes com câncer de mama localmente avançado

Benefício da radioterapia neoadjuvante na sobrevida de pacientes com câncer de mama localmente avançado Benefício da radioterapia neoadjuvante na sobrevida de pacientes com câncer de mama localmente avançado Igor Martinez Bruna Villani Daniel Przybysz Marlison Caldas Celia Viegas Carlos Manoel Lilian Faroni

Leia mais

Radioterapia e SBRT para doença oligometastática. Rodrigo Hanriot Radio-oncologista Hospital Alemão Oswaldo Cruz

Radioterapia e SBRT para doença oligometastática. Rodrigo Hanriot Radio-oncologista Hospital Alemão Oswaldo Cruz Radioterapia e SBRT para doença oligometastática Rodrigo Hanriot Radio-oncologista Hospital Alemão Oswaldo Cruz Ca Cancer J Clin 2016;66(1)7 30 Incidência de câncer por sexo Ca Cancer J Clin 2016;66(1)7

Leia mais

Braquiterapia Ginecológica

Braquiterapia Ginecológica Braquiterapia Ginecológica Indicações e recomendações clínicas American Brachytherapy Society (ABS) European Society for Radiotherapy & Oncology (GEC-ESTRO) Rejane Carolina Franco Hospital Erasto Gaertner-

Leia mais

Alerson Molotievschi Residente 2º ano - Radioterapia

Alerson Molotievschi Residente 2º ano - Radioterapia Alerson Molotievschi Residente 2º ano - Radioterapia amolotievschi@hsl.org.br Tratamento Simultâneo de Linfonodos na Pelve com Diferentes Doses por Fração: Radioterapia Simultânea Modulada e Acelerada

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

SEXTA-FEIRA 04/03. 8h30 - RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA APÓS RECIDIVA LOCAL EM CIRURGIA CONSERVADORA. Fabrício Brenelli SP

SEXTA-FEIRA 04/03. 8h30 - RECONSTRUÇÃO MAMÁRIA APÓS RECIDIVA LOCAL EM CIRURGIA CONSERVADORA. Fabrício Brenelli SP SEXTA-FEIRA 04/03 ABERTURA Presidente do Congresso - Ércio Ferreira Gomes 08h30-9h30 SESSÃO COMO FAÇO ( DICAS DOS EXPERTS ) - VÍDEOS Presidente - Aline Carvalho Rocha - CE Debatedor - Ércio Ferreira Gomes

Leia mais

Qual o real benefício da radioterapia com intensidade modulada de feixe (IMRT) para o tratamento dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço?

Qual o real benefício da radioterapia com intensidade modulada de feixe (IMRT) para o tratamento dos pacientes com câncer de cabeça e pescoço? Instituto de Radiologia do Hospital das Clínicas Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Qual o real benefício da radioterapia com intensidade modulada

Leia mais

OS NOVOS SUBTIPOS MOLECULARES DO CÂNCER DE MAMA. Resumo: TRIPLE NEGATIVE BREAST CANCER SUBTYPE: CLINICAL IMPLICATIONS. - Speaker: Sunil Lakhani

OS NOVOS SUBTIPOS MOLECULARES DO CÂNCER DE MAMA. Resumo: TRIPLE NEGATIVE BREAST CANCER SUBTYPE: CLINICAL IMPLICATIONS. - Speaker: Sunil Lakhani OS NOVOS SUBTIPOS MOLECULARES DO CÂNCER DE MAMA Palestrante: Dr. Sunil Lakhani Resumo por: Paola Candido Rodrigues O câncer de mama é uma doença heterogênea, com muitas variações morfológicas. Quando atendemos

Leia mais

CONJUGAÇÃO DO EXAME DE PET/CT COM IMRT NO DELINEAMENTO E PLANEJAMENTO EM TUMORES DE CANAL ANAL. Lílian d Antonino Faroni Rio de Janeiro 2012

CONJUGAÇÃO DO EXAME DE PET/CT COM IMRT NO DELINEAMENTO E PLANEJAMENTO EM TUMORES DE CANAL ANAL. Lílian d Antonino Faroni Rio de Janeiro 2012 CONJUGAÇÃO DO EXAME DE PET/CT COM IMRT NO DELINEAMENTO E PLANEJAMENTO EM TUMORES DE CANAL ANAL Lílian d Antonino Faroni Rio de Janeiro 2012 Introdução 2 % dos tumores malignos do intestino grosso e 4%

Leia mais

FATORES PREDITIVOS PARA FALHA BIOQUÍMICA APÓS RADIOTERAPIA DE RESGATE EM CÂNCER DE PRÓSTATA, PÓS- PROSTATECTOMIA RADICAL

FATORES PREDITIVOS PARA FALHA BIOQUÍMICA APÓS RADIOTERAPIA DE RESGATE EM CÂNCER DE PRÓSTATA, PÓS- PROSTATECTOMIA RADICAL FATORES PREDITIVOS PARA FALHA BIOQUÍMICA APÓS RADIOTERAPIA DE RESGATE EM CÂNCER DE PRÓSTATA, PÓS- PROSTATECTOMIA RADICAL Marco Antonio Costa Campos de SANTANA 1,2 ; Carlos Bo ChurHONG 1,2 ; Mariana Vilela

Leia mais

Os cinco trabalhos mais relevantes dos anos de na área de câncer de pulmão:radioterapia

Os cinco trabalhos mais relevantes dos anos de na área de câncer de pulmão:radioterapia Os cinco trabalhos mais relevantes dos anos de 2009-2011 na área de câncer de pulmão:radioterapia Rodrigo de Morais Hanriot Radioterapeuta HIAE e HAOC Índice Carcinoma de pulmão não pequenas células Carcinoma

Leia mais

Doença Localizada. Radioterapia exclusiva em estádios iniciais: quando indicar? Robson Ferrigno

Doença Localizada. Radioterapia exclusiva em estádios iniciais: quando indicar? Robson Ferrigno Doença Localizada Radioterapia exclusiva em estádios iniciais: quando indicar? Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer conflito Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Câncer

Leia mais

câncer de esôfago e estômago Quais os melhores esquemas?

câncer de esôfago e estômago Quais os melhores esquemas? Tratamento combinado em câncer de esôfago e estômago Quais os melhores esquemas? Dr. André Sasse Oncologista Clínico sasse@cevon.com.br Centro de Evidências em Oncologia HC UNICAMP Centro de Evidências

Leia mais

Nova classificação dos carcinomas da mama: procurando o luminal A

Nova classificação dos carcinomas da mama: procurando o luminal A Katia Piton Serra 1 Susana Ramalho 2 Renato Torresan 1 Jose Vassallo 2 Luis Otávio Zanatta Sarian 1 Geisilene Russano de Paiva Silva 2 Sophie Derchain 1 Nova classificação dos carcinomas da mama: procurando

Leia mais

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse

Ygor Vieira de Oliveira. Declaração de conflito de interesse Ygor Vieira de Oliveira Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Programa de Aperfeiçoamento MASTOLOGIA. Comissão de Residência Médica COREME

Programa de Aperfeiçoamento MASTOLOGIA. Comissão de Residência Médica COREME Comissão de Residência Médica COREME A.C.CAMARGO CANCER CENTER O sonho do Prof. Dr. Antônio Prudente de oferecer assistência integrada a pacientes com câncer, formar profissionais especialistas e disseminar

Leia mais

Avaliação epidemiológica das pacientes com câncer de mama tratadas com trastuzumabe no Hospital de Base de Brasília

Avaliação epidemiológica das pacientes com câncer de mama tratadas com trastuzumabe no Hospital de Base de Brasília 55 55 Artigo Original Avaliação epidemiológica das pacientes com câncer de mama tratadas com trastuzumabe no Hospital de Base de Brasília Epidemiologic evaluation of patients with breast cancer treated

Leia mais

Radioterapia após cirurgia conservadora em pacientes idosas e CDIS: indicações e resultados. Renato Ruzza Doneda Filho

Radioterapia após cirurgia conservadora em pacientes idosas e CDIS: indicações e resultados. Renato Ruzza Doneda Filho Radioterapia após cirurgia conservadora em pacientes idosas e CDIS: indicações e resultados Renato Ruzza Doneda Filho Introdução A Radioterapia é um componente essencial no tratamentoconservadordamama,

Leia mais

Reunião GETH. Abril.2014

Reunião GETH. Abril.2014 Reunião GETH Abril.2014 Caso 1 Dr Sérgio Mancini Nicolau Caso I: Sexo feminino, 40 anos, casada, administradora História da Doença Atual: 2013 - Paciente sem queixas específicas, conta que irmã teve diagnóstico

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA

ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA ORIENTAÇÕES SOBRE CARCINOMA NÃO INVASIVO DA BEXIGA (Actualização limitada do texto em Março de 2009) M. Babjuk, W. Oosterlinck, R. Sylvester, E. Kaasinen, A. Böhle, J. Palou Introdução Eur Urol 2002;41(2):105-12

Leia mais

Sobrevida de mulheres com câncer de mama subtipo luminal assistidas em Juiz de Fora, MG

Sobrevida de mulheres com câncer de mama subtipo luminal assistidas em Juiz de Fora, MG DOI: 10.5327/Z201600030007RBM ARTIGO ORIGINAL Sobrevida de mulheres com câncer de mama subtipo luminal assistidas em Juiz de Fora, MG Survival of women with breast cancer luminal subtype, assisted in Juiz

Leia mais

Indicações e passo-a-passo para realização de SBRT

Indicações e passo-a-passo para realização de SBRT Indicações e passo-a-passo para realização de SBRT Heloisa de Andrade Carvalho heloisa.carvalho@hc.fm.usp.br heloisa.carvalho@hsl.org.br SBRT O que é? Porquê? Para quê? Passo-a-passo SBRT O que é? Stereotactic

Leia mais

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP Introdução EUA (2014): 6º mais comum 75.000 casos novos; 15.600 mortes. Brasil (2014): 9940 casos

Leia mais

Mastologia. caderno do Programa

Mastologia. caderno do Programa RESIDÊNCIA Médica Mastologia caderno do Programa RESIDÊNCIA RESIDÊNCIA Médica Mastologia caderno do programa Autores: Alfredo Carlos S. D. de Barros Felipe Eduardo Martins de Andrade Danubia A. Andrade

Leia mais

Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata

Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE DE CAMPINAS Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata JUMARA MARTINS R3 RADIOTERAPIA/ 2013 FCM- UNICAMP Anatomia Classificação

Leia mais

USO ADEQUADO DA CATEGORIA 3 EM MAMOGRAFIA, ULTRASSONOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EDWARD A. SICKLES

USO ADEQUADO DA CATEGORIA 3 EM MAMOGRAFIA, ULTRASSONOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EDWARD A. SICKLES USO ADEQUADO DA CATEGORIA 3 EM MAMOGRAFIA, ULTRASSONOGRAFIA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA EDWARD A. SICKLES A CATEGORIA 3 FOI CRIADA PARA SITUAÇÕES ESPECÍFICAS DE LESÕES QUE APRESENTAM MENOS QUE 2% DE CHANCE

Leia mais

Paciente de Alto Risco

Paciente de Alto Risco Paciente de Alto Risco Novas Fronteiras do Bloqueio Estrogênico na Prevenção do Câncer de Mama Não há conflitos de interesse. Nunca recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade

Leia mais

NOVIDADES PARA O TRATAMENTO ENDÓCRINO DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA RECEPTOR HORMONAL POSITIVO (DOENÇA INICIAL E AVANÇADA)

NOVIDADES PARA O TRATAMENTO ENDÓCRINO DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA RECEPTOR HORMONAL POSITIVO (DOENÇA INICIAL E AVANÇADA) NOVIDADES PARA O TRATAMENTO ENDÓCRINO DE PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA RECEPTOR HORMONAL POSITIVO (DOENÇA INICIAL E AVANÇADA) ANDERSON ARANTES SILVESTRINI Oncologista clínico - Diretor técnico Grupo Acreditar

Leia mais

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não?

Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Clínica de Risco Familiar Instituto Português de Oncologia de Lisboa Rastreio de cancro do pâncreas em famílias de cancro da mama hereditário: sim ou não? Hugo Nunes 1, Ana Clara 1,2, Ana Luis 1,2, Ana

Leia mais

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede

4ª Reunião do GT de Oncologia. Projeto OncoRede 4ª Reunião do GT de Oncologia Projeto OncoRede Clique para editar o nome do autor Clique para editar o cargo do autor Rio de Janeiro, 02 de Setembro de 2016 Clique para editar local e data Pauta da 4ª

Leia mais

LIGA NORTE-RIOGRANDENSE CONTRA O CÂNCER SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA

LIGA NORTE-RIOGRANDENSE CONTRA O CÂNCER SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA LIGA NORTE-RIOGRANDENSE CONTRA O CÂNCER SERVIÇO DE RADIOTERAPIA DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA Revisão da anatomia e definição dos volumes de tratamento: Câncer de reto e canal anal. Alfrêdo Walburgo

Leia mais

Qual o melhor tratamento para o Câncer de Próstata de risco baixo ou intermediário?

Qual o melhor tratamento para o Câncer de Próstata de risco baixo ou intermediário? Qual o melhor tratamento para o Câncer de Próstata de risco baixo ou intermediário? Radioterapia (externa/braquiterapia) Erlon Gil Radioterapia Hospital Beneficência Portuguesa de São Paulo Randomized

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE ANATOMIA PATOLÓGICA CITOPATOLOGIA IMUNOPATOLOGIA Anatomia patológica é uma especialidade da medicina que tem como objetivo fazer diagnóstico das doenças através

Leia mais

Avaliação de resposta patológica em câncer de mama após quimioterapia neoadjuvante: padronização de protocolo adaptado

Avaliação de resposta patológica em câncer de mama após quimioterapia neoadjuvante: padronização de protocolo adaptado J Bras Patol Med Lab v. 48 n. 6 p. 447-453 artigo de atualização Update paper Avaliação de resposta patológica em câncer de mama após quimioterapia neoadjuvante: padronização de protocolo adaptado Primeira

Leia mais

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 25- julho/2016 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RADIOTERAPIA INTRAOPERATÓRIA PARA O TRATAMENTO DE ESTÁDIOS INICIAIS

Leia mais

2 Revisão de Literatura

2 Revisão de Literatura Fatores prognósticos no câncer de mama Inês Stafin * Ludimilla Gracielly Ferreira Caponi * Thais Paiva Torres * Julliana Negreiros de Araujo * Virgílio Ribeiro Guedes * Resumo O câncer de mama apresenta

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PACIENTES PARA REIRRADIAÇÃO DE TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PACIENTES PARA REIRRADIAÇÃO DE TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PACIENTES PARA REIRRADIAÇÃO DE TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO Pollyanna d Ávila Leite Thiago Jardim Arruda Maria Carolina Silva Thaís Nogueira Souza Felipe Erlich Célia Pais Viegas

Leia mais

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA Bases da Radioterapia Tipos de Radioterapia Efeitos Colaterais Enf. Alexandre Barros Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein - SP Paciente :

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

RADIOTERAPIA EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO LOCALMENTE AVANÇADOS E IRRESSECÁVEIS (IVB): QUANDO EVITAR TRATAMENTOS RADICAIS?

RADIOTERAPIA EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO LOCALMENTE AVANÇADOS E IRRESSECÁVEIS (IVB): QUANDO EVITAR TRATAMENTOS RADICAIS? RADIOTERAPIA EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO LOCALMENTE AVANÇADOS E IRRESSECÁVEIS (IVB): QUANDO EVITAR TRATAMENTOS RADICAIS? HENRIQUE FARIA BRAGA 1,2 ; HELOISA DE ANDRADE CARVALHO 1 ; ANDRE TSIN CHIH CHEN

Leia mais

15º - AUDHOSP. Radioterapia: técnicas e conceitos. Prof. Dr. Harley Francisco de Oliveira

15º - AUDHOSP. Radioterapia: técnicas e conceitos. Prof. Dr. Harley Francisco de Oliveira 15º - AUDHOSP Radioterapia: técnicas e conceitos Prof. Dr. Harley Francisco de Oliveira ANO 2016 Estimativa de câncer no Brasil, 2016 Causa de Morte no Brasil, 2010 Melhor atendimento x Maior Cura Terapia

Leia mais

13th StGallenInternationalBreast CancerConference2013 Aspectos Clínicos. Marcelo R. S. Cruz Oncologista Clínico

13th StGallenInternationalBreast CancerConference2013 Aspectos Clínicos. Marcelo R. S. Cruz Oncologista Clínico 13th StGallenInternationalBreast CancerConference2013 Aspectos Clínicos Marcelo R. S. Cruz Oncologista Clínico Declaraçãode Conflitosde Interesse Não tenho conflitos para esta apresentação 13th Consenso

Leia mais

S. C. SILVA; ANTÔNIO A. G. JUNIOR; LUANE A. MARTINS; 01 DE MAIO DE 2014.

S. C. SILVA; ANTÔNIO A. G. JUNIOR; LUANE A. MARTINS; 01 DE MAIO DE 2014. 1 Braquiterapia de Alta Taxa de Dose em tumores de pele não melanoma: Experiência do setor de Radioterapia do Hospital de Clínicas da Universidade Federal de Uberlândia. ROSEANE E. M SILVA; EURÍPEDES.

Leia mais

RECORRÊNCIA LOCORREGIONAL E CIRURGIA DE SALVAMENTO

RECORRÊNCIA LOCORREGIONAL E CIRURGIA DE SALVAMENTO Colégio Brasileiro de Radiologia Critérios de Adequação do ACR RECORRÊNCIA LOCORREGIONAL E CIRURGIA DE SALVAMENTO Painel de Especialistas em Radioterapia Grupo de Trabalho de Mama: Beryl McCormick, Médico

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015

A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA. Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 A AMAMENTAÇÃO COMO FATOR DE PROTEÇÃO DO CÂNCER DE MAMA Evidências em Saúde Pública HSM 0122 Novembro/2015 INTRODUÇÃO Câncer de mama: resultante de proliferação incontrolável de células anormais. Origem:

Leia mais

O PAPEL DA RM PRÉ-TERAPÊUTICA NA PREDIÇÃO DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NEOADJUVANTE EM DOENTES COM CANCRO DE MAMA

O PAPEL DA RM PRÉ-TERAPÊUTICA NA PREDIÇÃO DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NEOADJUVANTE EM DOENTES COM CANCRO DE MAMA O PAPEL DA RM PRÉ-TERAPÊUTICA NA PREDIÇÃO DE RESPOSTA À TERAPÊUTICA NEOADJUVANTE EM DOENTES COM CANCRO DE MAMA Rita Lucas 2, Luis Duarte Silva 3, Mónica Coutinho 1, José Carlos Marques 1 1 Serviço de Radiologia

Leia mais

ROTINAS DE MASTOLOGIA

ROTINAS DE MASTOLOGIA ROTINAS DE MASTOLOGIA I. ATENDIMENTO AMBULATORIAL: 1) Anamnese 2) Exame físico das mamas: Descrição obrigatória dos tópicos constantes da ficha padronizada: - inspeção estática e dinâmica, palpação das

Leia mais

Francisco Alves Moraes Neto

Francisco Alves Moraes Neto UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE MEDICINA CÂMPUS DE BOTUCATU Francisco Alves Moraes Neto ANÁLISE DA RELEVÂNCIA CLÍNICA DA CLASSIFICAÇÃO HISTOLÓGICA DOS CARCINOMAS DA

Leia mais

QuímioRadioterapia nos tumores de cabeça e pescoço. Guy Pedro Vieira

QuímioRadioterapia nos tumores de cabeça e pescoço. Guy Pedro Vieira diagnóstico: lesões na maioria das vezes, são facilmente: observáveis. avaliadas. palpáveis. biópsiadas. história natural da doença: quase sempre seguem um padrão escalonado bem definido de crescimento:

Leia mais

Patrícia Savio de A. Souza

Patrícia Savio de A. Souza BIOMARCADORES EM PATOLOGIA CERVICAL Patrícia Savio de A. Souza Departamento de Imunobiologia/ UFF Programa de Biologia Celular/ INCA Câncer Colo Uterino (CCU) Consequência da evolução de lesões precursoras

Leia mais

Rio de Janeiro, Brasil

Rio de Janeiro, Brasil Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial ISSN: 1676-2444 jbpml@sbpc.org.br,adagmar.andriolo@g mail.com Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial Brasil Medeiros Souza

Leia mais

Apresentador JOSÉ EDUARDO CHICARELLI MARTIN

Apresentador JOSÉ EDUARDO CHICARELLI MARTIN Apresentador JOSÉ EDUARDO CHICARELLI MARTIN Acadêmico do 4º ano de Medicina Orientador Dr. Gustavo Viani Arruda Médico Radioncologista FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA/SP O presente trabalho foi submetido

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MASTOLOGIA UNIDADE DA MAMA DO HNSG

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MASTOLOGIA UNIDADE DA MAMA DO HNSG CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MASTOLOGIA- 2017 UNIDADE DA MAMA DO HNSG O Serviço de Mastologia do Hospital Nossa Senhora das Graças, vem por meio deste edital, tornar pública a abertura de processo seletivo

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

www.simposiocancerdemama.com.br

www.simposiocancerdemama.com.br Alfredo Carlos S.D. Barros Goiânia, 15/5/2014 SIMPÓSIO INTERNACIONAL 8 e 9 de agosto de 2014 Hotel Unique São Paulo, SP Michael D. Alvarado Cirurgião UCSF Breast Care Center San Francisco, EUA Eric P.

Leia mais

Luciano Moreira MR3 Radioterapia Liga Norte Riograndense Contra o Cancer, Natal-RN

Luciano Moreira MR3 Radioterapia Liga Norte Riograndense Contra o Cancer, Natal-RN Luciano Moreira MR3 Radioterapia Liga Norte Riograndense Contra o Cancer, Natal-RN Neoplasia Gástrica INCIDÊNCIA Brasil,2012 Homens 12.670 novos casos Mulheres 7.420 novos casos Neoplasia Gástrica TRATAMENTO

Leia mais

CÂNCER DE PULMÃO NÃO PEQUENAS CÉLULAS

CÂNCER DE PULMÃO NÃO PEQUENAS CÉLULAS II CURSO DE DE BIOLOGIA MOLECULAR 27 DE AGOSTO DE 2011 CÂNCER DE PULMÃO NÃO PEQUENAS CÉLULAS Clarissa Baldotto xxx O MARCO MOLECULAR xxx O QUE O CLÍNICO PRECISA SABER? IDENTIFICAR UM ALVO DE ONCOGÊNESE

Leia mais

ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO

ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO São Paulo, 27-29 Novembro 2008. IV JORNADA PAULISTA DE MASTOLOGIA ATUALIZAÇÃO NO TRATAMENTO DO CARCINOMA INFLAMATÓRIO EDUARDO MILLEN HSPE-SP- IAMSPE/ EPM UNIFESP HOSPITAL VITA VOLTA REDONDA- RJ ATUALIZAÇÃO

Leia mais

HOSPITAL HELIÓPOLIS SP. Serviço de Cabeça e Pescoço- Hospital Heliópolis [SCPH2]

HOSPITAL HELIÓPOLIS SP. Serviço de Cabeça e Pescoço- Hospital Heliópolis [SCPH2] HOSPITAL HELIÓPOLIS SP Estágio de 2 anos dedicados para Otorrinos na sub especialidade de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Serviço de Cabeça e Pescoço- Hospital Heliópolis [SCPH2] Prólogo Todos os candidatos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL

UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE INSTITUTO DE BIOTECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA EXPRESSÃO DE RECEPTOR DE ANDRÓGENO EM CARCINOMA MAMÁRIO TRIPLO

Leia mais

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina.

Key Words: câncer de mama, quimioterapia neoadjuvante, quimioterapia, resposta patológica, carbopaltina. Alta taxa de resposta completa patológica (prc) em câncer de mama triplo negativo após quimioterapia neoadjuvante sequencial Augusto Ribeiro GABRIEL, MD* Ruffo de FREITAS JÚNIOR, MD, PhD* * Programa de

Leia mais

Tumor neuroendócrino primário de mama: relato de três casos e revisão de literatura

Tumor neuroendócrino primário de mama: relato de três casos e revisão de literatura J Bras Patol Med Lab v. 48 n. 2 p. 139-144 abril 2012 relato de caso case report Tumor neuroendócrino primário de mama: relato de três casos e revisão de literatura Primeira submissão em 12/10/11 Última

Leia mais

Revista Portuguesa de

Revista Portuguesa de Revista Portuguesa de Cirurgia II Série N. 6 Setembro 2008 Revista Portuguesa de i r u r g i a II Série N. 6 Setembro 2008 ISSN 1646-6918 Órgão Oficial da Sociedade Portuguesa de Cirurgia ARTIGO ORIGINAL

Leia mais

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO DO SIGNIFICADO CLÍNICO DO SUBTIPO BASAL-LIKE DE CÂNCER DE MAMA IDENTIFICADO ATRAVÉS DE IMUNOHISTOQUÍMICA

DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO DO SIGNIFICADO CLÍNICO DO SUBTIPO BASAL-LIKE DE CÂNCER DE MAMA IDENTIFICADO ATRAVÉS DE IMUNOHISTOQUÍMICA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA E CIÊNCIAS DA SAÚDE ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: CLÍNICA MÉDICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO AVALIAÇÃO

Leia mais

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS

Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS Casa de Portugal e Beneficência Portuguesa de São Paulo: PARCEIROS HÁ MAIS DE 80 ANOS A Beneficência Portuguesa de São Paulo e a Casa de Portugal tem a mesma origem e cooperam entre si há mais de 80 anos.

Leia mais

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Bruno Pinto Ribeiro Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Introdução Mais de 99% câncer de tireóide tópico Locais ectópicos struma ovarii, pescoço Objetivo

Leia mais

Capítulo 8 Estudos sobre Decisão Terapêutica Experimento Clínico

Capítulo 8 Estudos sobre Decisão Terapêutica Experimento Clínico L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 113 Capítulo 8 Estudos sobre Decisão Terapêutica Experimento Clínico 8.1. Princípios gerais um ensaio clínico ou experimento clínico é

Leia mais

CÂNCER DE PRÓSTATA CASTRAÇÃO RESISTENTE: OPÇÕES DISPONÍVEIS E MELHOR SEQUENCIAMENTO DANIEL DE CASTRO MONTEIRO ONCOLOGISTA CLÍNICO

CÂNCER DE PRÓSTATA CASTRAÇÃO RESISTENTE: OPÇÕES DISPONÍVEIS E MELHOR SEQUENCIAMENTO DANIEL DE CASTRO MONTEIRO ONCOLOGISTA CLÍNICO CÂNCER DE PRÓSTATA CASTRAÇÃO RESISTENTE: OPÇÕES DISPONÍVEIS E MELHOR SEQUENCIAMENTO DANIEL DE CASTRO MONTEIRO ONCOLOGISTA CLÍNICO Declaração sobre conflito de interesses De acordo com a Resolução 1595/2000

Leia mais

Otto Feuerschuette. Declaração de conflito de interesse

Otto Feuerschuette. Declaração de conflito de interesse Otto Feuerschuette Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Capítulo 5 Artigos sobre Testes Diagnósticos

Capítulo 5 Artigos sobre Testes Diagnósticos Capítulo 5 Artigos sobre Testes Diagnósticos L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 83 Podemos definir os testes diagnósticos de acordo com a finalidade, em três tipos clínicos

Leia mais

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo

Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Estado da arte: QT adjuvante para tumor Her-2 negativo Ingrid A. Mayer, M.D., M.S.C.I. Professora Assistente Diretora, Pesquisa Clínica Programa de Câncer de Mama Vanderbilt-Ingram Cancer Center Nashville,

Leia mais

Radioterapia intraoperatória para o câncer de mama

Radioterapia intraoperatória para o câncer de mama Radioterapia intraoperatória para o câncer de mama Radioterapia Unidade Brasília Enfª Roberta Fiuza Nas últimas décadas têm ocorrido em todo o mundo aumento significativo da incidência do câncer de mama.

Leia mais

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016 A incidência de tumores neuroendócrinos (TNE) retais tem aumentado ao longo dos últimos 35 anos. A maioria dos TNEs retais são diagnosticados por acaso, provavelmente devido ao aumento do número de sigmoidoscopias

Leia mais

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno Situações especiais Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update 2014 Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Metástases Cerebrais

Leia mais

Casos Clínicos: câncer de mama

Casos Clínicos: câncer de mama Casos Clínicos: câncer de mama Coordenador: Eder Babygton Alves Clinirad Curitiba PR Comentários: Dr. Alvaro Martinez Oakland University William Beaumont School of Medicine Dr. Robert Kuske MD Scottsdale

Leia mais

Geth Reunião Científica. Dra Fabiana Baroni Makdissi Mastologista HSL Doutora em Oncologia pela FMUSP

Geth Reunião Científica. Dra Fabiana Baroni Makdissi Mastologista HSL Doutora em Oncologia pela FMUSP Geth Reunião Científica Dra Fabiana Baroni Makdissi Mastologista HSL Doutora em Oncologia pela FMUSP Objetivos Orientação da paciente da paciente com teste positivo Orientação da prole de pacientes com

Leia mais