Gun Jumping. Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo. 30 de outubro de Conselheiro do CADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gun Jumping. Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo. 30 de outubro de 2014. Conselheiro do CADE"

Transcrição

1 Gun Jumping Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo Conselheiro do CADE 30 de outubro de 2014

2 Sumário 1. Período de Mudança: alterações na legislação e no sistema de análise de atos de concentração 2. Mercados Específicos: dificuldades encontradas em mercados regulados 3. Descuido: casos em que não havia dúvidas acerca da necessidade de notificação 4. Manifestações do CADE: o que é e o que não considerado gun jumping 5. Regulamentação: consulta pública com regulamentação do procedimento

3 Alterações na legislação: 1. Período de Mudança Art. 54, 4º, Lei nº 8.884/94: ACs devem ser apresentados no prazo de até 15 dias úteis contados de sua realização. Art. 98, Resolução CADE nº 45/2007: o momento da realização do AC é a data de celebração do primeiro documento vinculativo. Art. 88, 2º e 3º, Lei nº /11: o controle dos ACs é prévio. X Art. 108, 1º, RI/CADE: a notificação dos ACs deve ser após a assinatura do instrumento formal, mas antes de consumado qualquer ato. Sistema de análise prévia: negócio jurídico se submete a uma cláusula suspensiva : não se consuma até decisão do CADE. A modificação do sistema de notificação está em consonância com as melhores práticas internacionais (EUA e CE).

4 1. Período de Mudança Regime Anterior Controle Posterior de Estruturas Art. 54, 4º, Lei nº 8.884/94: AC deve ser apresentado no prazo de até 15 dias úteis contados de sua consumação. Art. 98, Resolução CADE nº 45/2007: o momento da realização do AC é a data de celebração do primeiro documento vinculativo. Possibilidade de agentes econômicos (concorrentes) trocarem informações indevidamente e exercerem influência uns sobre outros. Só Egito e Índia utilizam o sistema posterior de notificação. Regime Atual Controle Prévio de Estruturas Art. 88, 2º e 3º, Lei nº /11: o controle do AC é prévio. Art. 108, 1º, RI/CADE: notificação do AC deve ocorrer após assinatura do instrumento formal, mas antes de consumado ato relativo à operação. Partes devem manter inalteradas as estruturas físicas e as condições competitivas até decisão do CADE. O sistema de análise prévia está em consonância com as melhores práticas internacionais (EUA e CE).

5 2. Mercados Específicos Desconhecimento de regras antitruste. Ex.: necessidade de notificar contratos intermediários à operação principal? AC nº / : Petrobras adquiriu 95% da TermoRio, que pertencia à Reduc, criada especificamente pela LG&E e Sideco para participar do capital social da TermoRio. Constituição da Reduc não foi notificada. AC nº / : VBC, por meio da subsidiária Serra da Mesa, adquiriu 67% da Enercan, criada especificamente para exploração da Usina Campos Novos. Constituição da Enercan não foi notificada. Dúvidas decorrentes da mudança de lei. Ex.: cessão de direitos e obrigações referentes à concessão para exploração e produção de petróleo e gás natural = contrato associativo destinado a licitação da Administração Pública? ACs nºs / (OGX/Petrobras), / (Aurizônia/UTC) e / (Petrobras/Total): alteração na titularidade dos contratos de concessão. Consulta nº / : decidiu-se pela obrigatoriedade de notificação das operações.

6 3. Descuido Processo T-332/09: Electrabel já dispunha de 17% das ações da CNR e adquiriu mais 30% sem a aprovação da Comissão Europeia. Antes da notificação, a Electrabel já exercia o controle da CNR da seguinte forma: Direito de voto nas assembleias gerais. Direito preferencial de subscrição das outras ações da CNR. Maioria absoluta na comissão executiva da CNR. Único acionista industrial da CNR com papel central na gestão operacional da empresa. CNR já era considerada como pertencente ao grupo econômico da Electrabel. AC nº / : Fiat já dispunha 59% das ações da Chrysler e adquiriu mais 41% sem notificar ao CADE. As partes argumentaram que se tratava de mera consolidação do controle. Jurisprudência do CADE é pacífica quanto à necessidade de notificação de operação de consolidação de controle.

7 4. Manifestações do CADE Quais atos negociais não são considerados gun jumping? Situações jurídicas rotineiras na vida empresarial: atos como o pagamento a certos tipos de fornecedores (ex. contas de luz e água), a aquisição de equipamentos de uso corriqueiro (ex. materiais de escritório) e a contratação de serviços sem qualquer relevância concorrencial (ex. manutenção predial). (AC nº / OGX/Petrobras) A simples assinatura do instrumento vinculativo entre as partes ou mesmo a realização de atos voltados ao fechamento do negócio, como operações de due diligence, não tem o condão de configurar a prática de gun jumping. (AC nº / Potióleo/UTC) Quais atos negociais são considerados gun jumping? Qualquer ato jurídico capaz de alterar, ainda que apenas potencialmente, as relações concorrenciais no mercado. (AC nº / OGX/Petrobras) É suficiente o adiantamento de parcelas do pagamento para caracterizar gun jumping, sendo desnecessário haver (i) risco de acesso à informação; (ii) qualquer alteração na estrutura física e (iii) qualquer alteração nas relações comerciais. (AC nº / Potióleo/UTC)

8 5. Regulamentação Consulta Pública nº X/2014: proposta de regulamentação do procedimento para analisar o gun jumping. SG ou membro do Tribunal pode determinar a instauração de APAC Instrução da APAC será feita pela SG, inclusive em relação à consumação antecipada da operação Se SG determinar arquivamento, membro do Tribunal pode avocar em até 15 dias Se SG determinar notificação da operação, APAC é remetida para Tribunal Em até 2 sessões, Conselheiro- Relator levará APAC em mesa de julgamento Tribunal pode determinar arquivamento da APAC Tribunal pode determinar notificação da operação, definindo, como sanção pela consumação prematura da operação, nulidades, multa e abertura de PA Decisão do mérito da operação fica suspensa até deliberação sobre gun jumping.

9 Obrigado! Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araujo

Confidencialidade e CADE. Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo Conselheiro do CADE

Confidencialidade e CADE. Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo Conselheiro do CADE Confidencialidade e CADE Gilvandro Vasconcelos Coelho de Araújo Conselheiro do CADE Sumário 1. Noções Gerais 2. Procedimentos Específicos 3. Judiciário e Confidencialidade 4. Observações Estrangeiras 5.

Leia mais

Painel 3 O Regime Suspensivo: até onde ir antes da aprovação do ato?

Painel 3 O Regime Suspensivo: até onde ir antes da aprovação do ato? 5 SEMINÁRIO DE DIREITO ECONÔMICO DE BELO HORIZONTE IBRAC & Faculdade de Direito da UFMG Painel 3 O Regime Suspensivo: até onde ir antes da aprovação do ato? Ricardo Machado Ruiz Conselheiro do CADE Belo

Leia mais

Fundos de Investimento na nova lei de defesa da concorrência. 19 de outubro de 2012

Fundos de Investimento na nova lei de defesa da concorrência. 19 de outubro de 2012 Fundos de Investimento na nova lei de defesa da concorrência 19 de outubro de 2012 Preocupações concorrenciais como em qualquer AC Concentração horizontal Relações verticais Troca de informações F F Q1

Leia mais

PARTICIPAÇÃO % NO CAPITAL TOTAL: 6,09

PARTICIPAÇÃO % NO CAPITAL TOTAL: 6,09 PARTICIPAÇÃO EM ASSEMBLÉIAS DE ACIONISTAS 4º TRIMESTRE 2011 Setor de Governança em Participações EMPRESA: INEPAR ENERGIA DATA DA REALIZAÇÃO: 03/11/2011 TIPO DE ASSEMBLÉIA: AGE REPRESENTANTE: CRISTIANO

Leia mais

GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA. José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br

GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA. José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br GRUPOS ECONÔMICOS E A ANÁLISE DA CONCENTRAÇÃO ECONÔMICA José Marcelo Martins Proença marcelo.proenca@usp.br Apresentação - objetivo Verificação legislações (societária e concorrencial) Comparação das legislações

Leia mais

M&A: Alguns Pontos relevantes para Contratos de Aquisição ou Venda de Negócios

M&A: Alguns Pontos relevantes para Contratos de Aquisição ou Venda de Negócios M&A: Alguns Pontos relevantes para Contratos de Aquisição ou Venda de Negócios Apresentação para a Comissão Jurídica da Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Alberto Mori Sócio do Grupo de

Leia mais

ACORDO DE PRESERVAÇÃO DE REVERSIBILIDADE DA OPERAÇÃO

ACORDO DE PRESERVAÇÃO DE REVERSIBILIDADE DA OPERAÇÃO ACORDO DE PRESERVAÇÃO DE REVERSIBILIDADE DA OPERAÇÃO Pelo presente instrumento, entre partes, de um lado: CONSELHO ADMINISTRATIVO DE DEFESA ECONÔMICA ( CADE ), com sede no Setor Comercial Norte, Quadra

Leia mais

ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS

ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS ANEXO 1 CLÀUSULAS NEGOCIADAS CLÁUSULA OITAVA - SIGILO E CONFIDENCIALIDADE 8.1 - Cada Partícipe se compromete em manter sigilo sobre as informações trocadas e geradas durante a execução das atividades do

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06037/2007/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 22 de janeiro de 2007. Referência: Ofício nº 193/2006/SDE/GAB, de 11 de janeiro

Leia mais

JULGAMENTO DE RECURSO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL

JULGAMENTO DE RECURSO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO MARANHÃO REITORIA PROCESSO: 23249.023345/2011-95. REFERENTE: CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 01/2011 IMPUGNANTE: LTM CONSTRUÇÕES LTDA JULGAMENTO DE RECURSO

Leia mais

POLÍTICA ANTITRUSTE DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política Antitruste das Empresas Eletrobras

POLÍTICA ANTITRUSTE DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política Antitruste das Empresas Eletrobras Política Antitruste das Empresas Eletrobras Versão 1.0 19/05/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Referências... 3 4. Princípios... 4 5. Diretrizes... 4 5.1. Corrupção, Suborno & Tráfico

Leia mais

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se:

CAPÍTULO I DEFINIÇÕES. Art. 2º Para os fins desta portaria, considera-se: Estabelece regras e procedimentos para a transferência de controle societário ou de titularidade e para a alteração do nome empresarial de contrato de concessão de porto organizado ou de arrendamento de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06227/2005/RJ COGPI/SEAE/MF 30 de maio de 2005 Referência: Ofício nº 2419/2005/SDE/GAB, de 23 de maio de 2005 Assunto: ATO

Leia mais

Lei n.º 24/95, de 18 de agosto

Lei n.º 24/95, de 18 de agosto Lei n.º 24/95, de 18 de agosto A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), e 169.º, n.º 3, da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º O artigo 21.º da Lei n.º 7/93, de 1 de

Leia mais

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União

LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal. Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União LEI Nº 12.846/2013 Aspectos da Regulamentação Federal Valdir Moysés Simão Ministro Chefe da Controladoria-Geral da União São Paulo, 07 de maio de 2015 LEI Nº 12.846/2013 Esta Lei dispõe sobre a responsabilização

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO PRIMEIRA CÂMARA SESSÃO DE 11/03/2014 ITEM 57

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO PRIMEIRA CÂMARA SESSÃO DE 11/03/2014 ITEM 57 PRIMEIRA CÂMARA SESSÃO DE 11/03/2014 ITEM 57 TC-039329/026/12 Contratante: Empresa de Transporte Coletivo de Diadema ETCD. Contratada: Ipiranga Produtos de Petróleo S/A. Autoridade Responsável pela Abertura

Leia mais

SECRETARIA DO PLENO. data de armação em( ssinatura/matricula. Questão de Ordem n 01/2009 - RELT 3.

SECRETARIA DO PLENO. data de armação em( ssinatura/matricula. Questão de Ordem n 01/2009 - RELT 3. SECRETARIA DO PLENO «- data de armação em( TRIBUNAL DE CONTAS RESOLUÇÃO N ssinatura/matricula /2009 - TCE - PLENO 1. Processo n 2. Classe de Assunto: 6. Representante do MP: 7. Advogado: 8. Competência

Leia mais

Curso de Defesa da Concorrência para a Imprensa Aspectos Processuais. Dra. Patrícia Agra de Araujo, assessora da presidência do Cade

Curso de Defesa da Concorrência para a Imprensa Aspectos Processuais. Dra. Patrícia Agra de Araujo, assessora da presidência do Cade Curso de Defesa da Concorrência para a Imprensa Aspectos Processuais Dra. Patrícia Agra de Araujo, assessora da presidência do Cade 1 O Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência - SBDC Conselho Administrativo

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE RELATÓRIO

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE RELATÓRIO Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO nº 08012.000098/2006-71 Requerentes: Gedas Aktiengesellschaft e T-Systems International GmbH Advogados: Carlos

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

Áreas de Atuação Societário

Áreas de Atuação Societário SC Advogados Apresentação A Salomão Cateb Advogados foi fundada em 1963 na cidade de Belo Horizonte por Salomão de Araújo Cateb. Os mais de 40 anos de atividade conferiram à empresa o reconhecimento e

Leia mais

Entidade: Unidade: Coordenação de Serviços Gerais da Secretaria de Administração-Geral do Ministério da Educação e do Desporto

Entidade: Unidade: Coordenação de Serviços Gerais da Secretaria de Administração-Geral do Ministério da Educação e do Desporto Tribunal de Contas da União Número do documento: AC-0237-21/99-1 Identidade do documento: Acórdão 237/1999 - Primeira Câmara Ementa: Tomada de Contas. Coordenação de Serviços Gerais da Secretaria de Administração-Geral

Leia mais

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA

PARECER/CONSULTA TC-001/2006 PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3050/2005 INTERESSADO - BANESTES SEGUROS S/A ASSUNTO - CONSULTA DISPENSA DE LICITAÇÃO ARTIGO 24, INCISO VIII, DA LEI Nº 8.666/93 NÃO INCIDÊNCIA EM RELAÇÃO A ÓRGÃO OU ENTIDADE INTEGRANTE DA

Leia mais

FATO RELEVANTE Aquisição Uniseb Aprovação do CADE

FATO RELEVANTE Aquisição Uniseb Aprovação do CADE ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 08.807.432/0001-10 NIRE 33.3.0028205-0 FATO RELEVANTE Aquisição Uniseb Aprovação do CADE A Estácio Participações S.A. ("Estácio" ou "Companhia" - Bovespa:

Leia mais

Entidade: Órgão de Origem: Secretaria do Estado da Justiça e Cidadania de Santa Catarina

Entidade: Órgão de Origem: Secretaria do Estado da Justiça e Cidadania de Santa Catarina Tribunal de Contas da União Número do documento: DC-0776-48/99-P Identidade do documento: Decisão 776/1999 - Plenário Ementa: Inspeção. Secretaria de Justiça de Santa Catarina. Pedido de reexame de decisão

Leia mais

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012

EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012 EMPRESA MUNICIPAL DE INFORMÁTICA S/A IPLANRIO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO ESCLARECIMENTO PROCESSO 01.300.180/2012 PE 0266/2012 Trata-se de impugnações interpostas pelas licitantes abaixo relacionadas,

Leia mais

Operacionalização e gerenciamento da folha de pagamento de servidores públicos municipais

Operacionalização e gerenciamento da folha de pagamento de servidores públicos municipais RELATOR: CONSELHEIRO SEBASTIÃO HELVECIO Operacionalização e gerenciamento da folha de pagamento de servidores públicos municipais EMENTA: CONSULTA MUNICÍPIO CONTRATAÇÃO DE INSTITUIÇÃO FINANCEIRA GERENCIAMENTO

Leia mais

Ofertas Públicas de Ações, Operações em Bolsa e Valores Mobiliários Conversíveis. Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno x Público 1

Ofertas Públicas de Ações, Operações em Bolsa e Valores Mobiliários Conversíveis. Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno x Público 1 Ofertas Públicas de Ações, Operações em Bolsa e Valores Mobiliários Conversíveis Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno x Público 1 Ofertas Públicas de Ações Operações em Bolsa Panorama da estrutura

Leia mais

MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70

MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70 MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. NIRE 35.300.414.284 CNPJ/MF nº 08.795.211/0001-70 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO E FATO RELEVANTE DA MAESTRO LOCADORA DE VEÍCULOS S.A. A presente Política de Divulgação

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

Os dados apresentados na exposição de motivos demonstravam que:

Os dados apresentados na exposição de motivos demonstravam que: Alterações promovidas pela Lei nº12.431/11 na Lei das Sociedades por Ações Luiz Rafael de Vargas Maluf Ruberval de Vasconcelos Júnior 08 de setembro de 2011 Reunião do Comitê Societário do CESA Histórico

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06343/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 22 de agosto de 2006 Referência: Ofício nº 3971/2006/SDE/GAB, de 11 de agosto

Leia mais

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC)

LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) 14 DE MARÇO DE 2014 LEI 12.846/2013 (Lei Anticorrupção LAC) FABIO VALGAS Chefe Regional Controladoria Regional da União no Estado do Rio de Janeiro Lei 12.846/2013 Lei Anticorrupção - LAC A Lei n.º 12.846/13

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06018/2006/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06018/2006/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06018/2006/RJ COGAM/SEAE/MF Rio de Janeiro, 11 de janeiro de 2006 Referência: Ofício SDE/GAB nº 6112, de 26 de dezembro

Leia mais

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores

Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores RELATORA: CONSELHEIRA ADRIENE ANDRADE Legalidade do custeio de cartões de visita e de fornecimento e manutenção de notebooks para vereadores EMENTA: CONSULTA LEGISLATIVO MUNICIPAL I. CUSTEIO DE CARTÕES

Leia mais

Os Contratos no Mercado de Empresa: fusão, cisão, aquisição e DueDiligence. Grupo de Estudos de Direito Empresarial

Os Contratos no Mercado de Empresa: fusão, cisão, aquisição e DueDiligence. Grupo de Estudos de Direito Empresarial Os Contratos no Mercado de Empresa: fusão, cisão, aquisição e DueDiligence DueDiligence MARCO A MILITELLI Engenheiro Agrônomo Administração de empresas especializada em Administração Financeira Master

Leia mais

Nº 70033432600 COMARCA DE PORTO ALEGRE

Nº 70033432600 COMARCA DE PORTO ALEGRE APELAÇÃO CÍVEL. LICITAÇÃO E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. CGTEE. CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS JURÍDICOS ESPECIALIZADOS NAS ÁREAS TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA. TÉRMINO DO PRAZO DE VIGÊNCIA DO CONTRATO. AUSÊNCIA

Leia mais

ANEXOS_DECRETO Nº 17.095 DE 10 DE DEZEMBRO DE 1999 ÓRGÃO/ENTIDADE: EXERCÍCIO:

ANEXOS_DECRETO Nº 17.095 DE 10 DE DEZEMBRO DE 1999 ÓRGÃO/ENTIDADE: EXERCÍCIO: ANEXOS_DECRETO Nº 17.095 DE 10 DE DEZEMBRO DE 1999 ANEXO A1 INVENTÁRIO DE BENS IMÓVEIS* ÓRGÃO/ENTIDADE: EXERCÍCIO: * Relacionar inclusive os investimentos realizados com recursos de Fundo Especial gerido

Leia mais

Experiências e Perspectivas. 8 de dezembro de 2014 TelComp São Paulo

Experiências e Perspectivas. 8 de dezembro de 2014 TelComp São Paulo Experiências e Perspectivas 8 de dezembro de 2014 TelComp São Paulo 1 Principaissetoresde infraestrutura Aviação civil Portos Ferrovias/rodovias Telecomunicações Energia elétrica Petróleo, gás natural

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06549/2008/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de Janeiro, 15 de setembro de 2008 Referência: Ofício nº 5784/2008/SDE/GAB de 02 de setembro

Leia mais

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário

Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012. Sumário POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES Aprovada na Reunião do Conselho de Administração de 10.05.2012 Sumário I. Finalidade... 3 II. Abrangência... 3 III. Divulgação de Informação

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DA REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES TRABALHOS DA COMISSÃO TRABALHOS DA COMISSÃO A Subcomissão da Comissão Permanente de Economia reuniu no dia 06 de Janeiro de 2014, na Delegação da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, na cidade de Ponta Delgada,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO TOCANTINS RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara RESOLUÇÃO N.º 702/2008 - TCE 1ª Câmara 1. Processo n.º: TC 05821/2008 2. Classe de Assunto: 09 Processo Licitatório / 04 Inexigibilidade 3. Responsável: Sandra Cristina Gondim Secretária da Administração

Leia mais

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA

MINUTA. Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA MINUTA Ccent. n.º [identificação da operação de concentração] DOCUMENTO DE COMPROMISSOS ASSUMIDOS PERANTE A AUTORIDADE DA CONCORRÊNCIA 1. Nos termos do n.º 3 do artigo 35.º da Lei n.º 18/2003, de 11 de

Leia mais

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO

FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO 1 FUNDOS IMOBILIARIOS O GUIA DEFINITIVO Autor: Jonatam César Gebing Abril de 2015 2 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O GUIA DEFINITIVO MODULO 01 FUNDOS IMOBILIÁRIOS: O QUE SÃO Fundos Imobiliários, o Guia Definitivo.

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE USO E ADMINISTRAÇÃO AUGI 60 - LAGOA DE ALBUFEIRA I ACORDO DE USO

REGULAMENTO INTERNO DE USO E ADMINISTRAÇÃO AUGI 60 - LAGOA DE ALBUFEIRA I ACORDO DE USO AUGI 60 - LAGOA DE ALBUFEIRA I ACORDO DE USO ARTIGO 1º 1. Os comproprietários dos prédios descritos na Conservatória do Registo Predial de Sesimbra sob os números 1527 e 2378, ambos da freguesia de Sesimbra

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06074/2005/RJ

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Técnico n.º 06074/2005/RJ MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06074/2005/RJ COGPI/SEAE/MF Rio de Janeiro, 10 de fevereiro de 2005 Referência: Ofício SDE/GAB nº 459, de 31 de janeiro

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

CONTROLE EXTERNO DO SISTEMA SEBRAE

CONTROLE EXTERNO DO SISTEMA SEBRAE CONTROLE EXTERNO DO SISTEMA SEBRAE Palestrante: Ricardo de Mello Araújo APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Objetivos Oferecer visão geral do sistema de controle brasileiro e da atuação do TCU A p r e s e n t a

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2689 Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONSTITUIÇÃO DA SOCIEDADE LIMITADA EMPRESA 1 Pelo presente instrumento particular, atendendo as formalidades legais, SÓCIA 2; SÓCIO 2, resolvem constituir uma sociedade limitada,

Leia mais

Consulta Prévia ao Mercado 03/2012

Consulta Prévia ao Mercado 03/2012 Consulta Prévia ao Mercado 03/2012 CADERNO DE ENCARGOS Aquisição de Kits de Formação Projecto 074015/2012/23 Formações Modulares Certificadas Página 1 de 13 CADERNO DE ENCARGOS PARTE I CLÁUSULAS JURÍDICAS

Leia mais

Senise, Moraes & Maggi Sociedade de Advogados surgiu da união de advogados com diversos anos de experiência e sólida formação jurídica que perceberam

Senise, Moraes & Maggi Sociedade de Advogados surgiu da união de advogados com diversos anos de experiência e sólida formação jurídica que perceberam Senise, Moraes & Maggi Sociedade de Advogados surgiu da união de advogados com diversos anos de experiência e sólida formação jurídica que perceberam as necessidades dos clientes na realidade hipercomplexa

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVI EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Edir, pessoa idosa que vive com a ajuda de parentes e amigos, é portadora de grave doença degenerativa, cujo tratamento consta de protocolo clínico e da diretriz

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 359 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000557534 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1043649-38.2013.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AMIL SAÚDE S/A, é apelado FELLIPE

Leia mais

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A.

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. (POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE APROVADA NA RCA DE 2002) FINALIDADE A política de divulgação de Ato ou Fato Relevante da Unipar observará

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 260/2008 TCE 2ª CÂMARA

RESOLUÇÃO Nº. 260/2008 TCE 2ª CÂMARA RESOLUÇÃO Nº. 260/2008 TCE 2ª CÂMARA 1. Processo Nº: 00709/2007 2. Classe de Assunto: IV Aposentadoria 3. Interessado: Tercina Dias de Carvalho Secretaria da Educação e Cultura 4. Entidade: Instituto de

Leia mais

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado.

Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. 1 Só um ou, quando muito, dois membros do órgão de gestão ou administração da empresa local pode ser remunerado. Artigo 25.º, n.ºs 3 e 4 da Lei n.º 50/2012, de 31 de agosto O valor da remuneração do(s)

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SÃO PAULO RELATOR - CONSELHEIRO ANTONIO ROQUE CITADINI 12ª SESSÃO ORDINÁRIA DA SEGUNDA CÂMARA, DIA 06/05/2014 ITENS: 35 e 36 Processo: TC-006335/026/10 Representante(s): Albatroz Segurança e Vigilância Ltda., por

Leia mais

Fortalecimento do mercado interno. Isonomia tratar iguais como iguais e

Fortalecimento do mercado interno. Isonomia tratar iguais como iguais e COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO POLÍTICA INDUTORA DO DESENVOLVIMENTO LOCAL José Lusmá (Poty) jsantos@tce.pb.gov.br br Fortalecimento do mercado interno (competição); Isonomia tratar iguais como iguais e diferentes

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. CNPJ 02.328.280/0001-97 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF nº 02.238.280/0001-97 Rua Ary Antenor de Souza, nº 321,

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 1.529, DE 2015 Dispõe sobre a renovação das frotas das empresas prestadoras de serviço de locação de veículos. Autor: Deputado

Leia mais

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras

A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais. Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras A gestão das empresas estatais: contribuições para agências governamentais Augusto José Mendes Riccio Gerente de Práticas de Gestão Petrobras Visão e Missão da Petrobras Visão 2020 Ser uma das cinco maiores

Leia mais

DESTAQUE. I Introdução

DESTAQUE. I Introdução DESTAQUE Abril de 2011 BREVES NOTAS SOBRE AS PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO REGIME DOS DIREITOS REAIS DE HABITAÇÃO PERIÓDICA I Introdução O regime dos Direitos Reais de Habitação Periódica ( DRHP ), regulado

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 3295/2009/SDE/GAB, de 18 de maio de 2009.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 3295/2009/SDE/GAB, de 18 de maio de 2009. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06305/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 3295/2009/SDE/GAB, de 18 de maio de 2009. Em 27 de maio de 2009. Assunto: ATO

Leia mais

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2003

REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2003 REQUERIMENTO DE INFORMAÇÃO Nº, DE 2003 (Da Sra. Edna Macedo) Solicita ao Sr. Ministro de Estado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, no âmbito do Banco Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Advocacia Geral da União Procuradoria Geral Federal Procuradoria Federal CADE

Advocacia Geral da União Procuradoria Geral Federal Procuradoria Federal CADE Advocacia Geral da União Procuradoria Geral Federal Procuradoria Federal CADE Parecer ProCADE nº:196/2007 (versão pública) Ato de Concentração: AC 08012.001509/2007-27 Requerente: Pai Partners S.A.S. Relator:

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

O Papel do Conselho de Administração em Fusões e Aquisições

O Papel do Conselho de Administração em Fusões e Aquisições O Papel do Conselho de Administração em Fusões e Aquisições Richard Blanchet Fone: (11) 9 8426-1866 rblanchet@uol.com.br São Paulo, 11 de novembro de 2013 São Paulo, 06 de outubro de 2011 Material elaborado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO RETIFICAÇÃO DO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Pereira Barreto, empresário individual, falido desde 2011, teve encerrada a liquidação de todo o seu ativo abrangido pela falência. No relatório final

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010

ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 ANEXO I à Ata da Assembléia Geral Extraordinária da RENOVA ENERGIA S.A., de 18 de janeiro de 2010 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES DA RENOVA ENERGIA S.A. 1. Objetivo da Outorga de Opções 1.1. Este Plano

Leia mais

Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL -

Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL - BOLETIM NR #28 Novas Súmulas do Superior Tribunal de Justiça - DIREITO PROCESSUAL CIVIL - O Superior Tribunal de Justiça editou quatro novas súmulas (nº 406 a 409), que trazem um teor bastante relevante

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06567/2008/RJ COGCE/SEAE/MF Referência: Ofício nº 5572/2008/SDE/GAB, de 25 de Agosto de 2008. Em 25 de setembro de 2008. Assunto:

Leia mais

Aspectos contratuais a serem considerados na formação de sociedades e consórcios

Aspectos contratuais a serem considerados na formação de sociedades e consórcios 1. Consórcio é uma associação entre duas ou mais empresas com a finalidade de reunir esforços para a execução de um serviço de grande vulto ou de alta complexidade. a) Legislação: art. 33 da Lei Federal

Leia mais

O art. 90, IV, da Lei 12.529: Contratos Associativos e Joint Ventures SAUDADES DO ART. 54? IBRAC 18º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência

O art. 90, IV, da Lei 12.529: Contratos Associativos e Joint Ventures SAUDADES DO ART. 54? IBRAC 18º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência IBRAC 18º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência O art. 90, IV, da Lei 12.529: Contratos Associativos e Joint Ventures SAUDADES DO ART. 54? José Carlos da Matta Berardo 10 de novembro de 2012.

Leia mais

ACÓRDÃO Nº 13 /08 30. SET. 1ª S/SS RECURSO ORDINÁRIO Nº 01/2008 REMOL. (Procs. nºs 568/2008 e 569/2008

ACÓRDÃO Nº 13 /08 30. SET. 1ª S/SS RECURSO ORDINÁRIO Nº 01/2008 REMOL. (Procs. nºs 568/2008 e 569/2008 ACÓRDÃO Nº 13 /08 30. SET. 1ª S/SS RECURSO ORDINÁRIO Nº 01/2008 REMOL (Procs. nºs 568/2008 e 569/2008 Acordam os Juízes da 1ª Secção do, em Subsecção: I RELATÓRIO 1. A empresa Octapharma, Produtos Farmacêuticos,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A alteração do controle prévio dos procedimentos licitatórios pelo Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. Análise do acórdão do Recurso Extraordinário nº 547.063-6/RJ e

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO n.º 08012.003542/2005-20 Requerentes: Solar Capital e SunGard Data Systems Inc. Advogados: Marcus Vinicius Vita

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO/PROBLEMATIZAÇÃO UNIDADE I - DE

CONTEXTUALIZAÇÃO/PROBLEMATIZAÇÃO UNIDADE I - DE CONTEXTUALIZAÇÃO/PROBLEMATIZAÇÃO UNIDADE I - DE Tema: Importância do Direito Econômico Prezados(as) Alunos(as), Vocês devem estudar a fundo o conteúdo da Unidade I para que possam compreender o universo

Leia mais

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL

JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL PREGÃO PRESENCIAL: 063/2015 JULGAMENTO DE IMPUGNAÇÃO DE EDITAL OBJETO: Aquisição de equipamentos, sistemas, serviços e outros itens necessários à implantação do gerenciamento eletrônico da freqüência dos

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO... 15

Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Capítulo 1 DIREITO EMPRESARIAL... 17 1. Evolução histórica... 17 2. Evolução do Direito Comercial no Brasil... 18 3. Fontes... 21 4. Conceito e autonomia... 22 5. Questões...

Leia mais

TARPON INVESTIMENTOS S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

TARPON INVESTIMENTOS S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES TARPON INVESTIMENTOS S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES Este Plano de Opção de Compra de Ações da Tarpon Investimentos S.A. ( Companhia ), aprovado originalmente pela Assembléia Geral Extraordinária

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 7981/2008/SDE/GAB de 08 de Dezembro de 2008.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Referência: Ofício nº 7981/2008/SDE/GAB de 08 de Dezembro de 2008. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer n o 06043/2009/RJ COGCE/SEAE/MF Rio de janeiro, 12 de fevereiro de 2009. Referência: Ofício nº 7981/2008/SDE/GAB de 08 de Dezembro de

Leia mais

MARCO ANTÔNIO TEOBALDI, ex-prefeito MUNICIPAL DE JOINVILLE ASSUNTO

MARCO ANTÔNIO TEOBALDI, ex-prefeito MUNICIPAL DE JOINVILLE ASSUNTO Fls. 353 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE CONTROLE DE LICITAÇÕES E CONTRATAÇÕES INSPETORA 2 DIVISÃO 6 PROCESSO Nº REP 09/00054654 UNIDADE GESTORA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOINVILLE

Leia mais

PROCESSO - TC-3526/2007 INTERESSADO - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DA SERRA ASSUNTO - CONSULTA

PROCESSO - TC-3526/2007 INTERESSADO - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DA SERRA ASSUNTO - CONSULTA PROCESSO - TC-3526/2007 INTERESSADO - INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DA SERRA ASSUNTO - CONSULTA RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS - DISPONIBILIDADES DE CAIXA - OBRIGATORIEDADE DE APLICAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06194/2006/RJ COGAM/SEAE/MF 23 de maio de 2006 Referência: Ofício nº 2077/2006/SDE/GAB, de 8 de maio de 2006. Assunto: ATO

Leia mais

POLÍTICA. COLABORADORES Referem-se a todos os empregados da empresa, independentemente do nível hierárquico.

POLÍTICA. COLABORADORES Referem-se a todos os empregados da empresa, independentemente do nível hierárquico. Página: 1 de 7 TÍTULO: ANTICORRUPÇÃO DOCUMENTOS REFERENCIADOS: Termo de Adesão à Política Anticorrupção Empresarial (GRC.COR.FOR.001), Formulário de Relacionamento com Agentes Públicos (GRC.COR.FOR.002)

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 08/13 Prazo: 25 de setembro de 2013

EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 08/13 Prazo: 25 de setembro de 2013 EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 08/13 Prazo: 25 de setembro de 2013 Assunto: Alteração da Instrução CVM nº 358, de 3 de janeiro de 2002, e da Instrução CVM nº 480, de 7 de dezembro de 2009 Divulgação

Leia mais

Sanesalto Saneamento S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.724.983/0001-34

Sanesalto Saneamento S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 02.724.983/0001-34 ATA DA TERCEIRA ASSEMBLÉIA GERAL DE DEBENTURISTAS DA 2ª EMISSÃO DE DEBÊNTURES DE SANESALTO SANEAMENTO S.A., REALIZADA NO DIA 28 DE MAIO DE 2008 2ª Sessão. DATA, HORA E LOCAL: Realizada aos vinte e oito

Leia mais

Radar Stocche Forbes Março 2015

Radar Stocche Forbes Março 2015 Março 2015 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Ofício-Circular CVM-SEP 2015 Principais Novidades No dia 26 de fevereiro de 2015, a Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) emitiu o Ofício-Circular nº 02/2015

Leia mais