XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações"

Transcrição

1 Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Campo Grande, 376 Lisboa Organização

2

3 20 e 21 de Maio de 2011 ULHT, Lisboa Peter F. Wouters 1 ; Tiago M. Ramos 2 ; Joana Capote Soares 3 ; António Mendes 4 Calle Gran Via, 6 4º Madrid (Espanha) Director da ENVIRON Iberia S.L 2 Consultor ambiental da delegação da ENVIRON Iberia S.L. em Madrid 3 Consultora ambiental da delegação da ENVIRON Iberia S.L. em Barcelona 4 Estagiário da delegação de ENVIRON Iberia S.L., Madrid. 3 Artigo apresentado no XI CNEA Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente, subordinado ao tema Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações, que decorreu na Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologia (Lisboa), nos dias 20 e 21 de Maio de Citar como: Wouters, P.; Ramos, T.; Soares, J.; Mendes, A. (2011). ENVIRON Iberia. XI CNEA Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente. Lisboa.

4 Wouters et al. SUMÁRIO A empresa ENVIRON Iberia encontra-se presente em Madrid e em Barcelona e conta com 10 especialistas em diversas disciplinas relacionadas com o ambiente e a engenharia. Com especial foco no mercado Português e Espanhol, tem actuação por toda a Europa, América central, América do sul e norte de África. Desenvolve trabalhos especialmente nas áreas da Sustentabilidade, Eficiência energética, descontaminação de solos e Auditorias energéticas Due Diligence. PALAVRAS-CHAVE: Energia, Sustentabilidade, Alterações climáticas, Contaminação, Solos. 4

5 20 e 21 de Maio de 2011 ULHT, Lisboa A empresa ENVIRON Iberia foi fundada em Abril de Dispõe actualmente de escritórios em Madrid e Barcelona e conta com 10 especialistas em diversas disciplinas relacionadas ao ambiente e à engenharia. Com especial enfoque no mercado Português e Espanhol, tem representação em toda a Europa, América central, América do sul e norte de África. Na ENVIRON Iberia estamos empenhados em trazer para cada projecto a combinação ideal de rigor científico, ideias estratégicas, experiência e uma comunicação clara para ajudar os nossos clientes a alcançar as soluções mais eficientes e rentáveis para os seus problemas. Os nossos clientes incluem indústrias, escritórios de advocacia, empresas de capital de risco, bancos de investimento, mercado imobiliário e cadeias hoteleiras. A ENVIRON Iberia oferece apoio estratégico e técnico nas seguintes áreas: 1. Energia e Alterações Climáticas 2. Descontaminação de solos 3. Auditorias Ambientais Due Diligence. 5

6 Wouters et al. ENERGIA E ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS Os elevados preços da energia e os efeitos que o seu consumo provoca nas alterações climáticas, leva à redução e optimização do consumo de recursos naturais tornando-a numa necessidade urgente. A criação de estratégias de sustentabilidade permite a uma empresa reduzir custos, aumentar a reputação corporativa e apoiar o cumprimento de protocolos internacionais, como o Protocolo de Quioto. Promover a Sustentabilidade Uma sólida estratégia, que inclua a eficiência energética, gestão de carbono e optimização das operações irá proporcionar segurança na implementação de uma política empresarial sustentável de forma consistente e contínua, fornecendo informações sobre o desempenho ambiental e racionalizando os custos associados às operações ambientais. A gestão de energia é mais eficaz quando se implementa ou desenvolve uma estratégia sustentável. A experiência da ENVIRON Iberia A ENVIRON Iberia tem entre os seus clientes uma vasta gama de empresas industriais e comerciais, escritórios de advocacia, empresas de construção e investimento, associações comerciais, bancos, seguradoras e entidades do sector público, de origem nacional e internacional. Nos domínios da sustentabilidade, eficiência energética e meio ambiente têm aconselhado um grande número de organizações, incluindo entre outros, o European Bank for Reconstruction and Development - EBRD, HSBC, GE, Emerson, Hilton International, o Governo das Ilhas Canárias, Bouygues, Iberostar, a BAA, a Walt Disney Group e Alcan. 6 A ENVIRON Iberia dispõe de uma vasta experiência no campo da energia, sustentabilidade e alterações climáticas, com especial enfoque nas áreas: 1. Eficiência energética; 2. Benchmark energético; 3. Estudos estratégicos; 4. Certificação de edifícios de alta eficiência energética (certificação LEED).

7 20 e 21 de Maio de 2011 ULHT, Lisboa EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A implementação de medidas de gestão de energia e de eficiência energética são o primeiro passo crítico para reduzir as emissões de gases com efeito de estufa e demonstrar um forte compromisso em relação à gestão ambiental em muitas organizações. No âmbito legislativo, a eficiência energética é vista como um importante meio para reduzir as emissões de carbono e para a gestão do crescimento do uso de electricidade. Nos dias de hoje, muitos produtos são avaliados para eficiência energética e os novos edifícios têm critérios de consumo de energia mínimos. Brevemente, todos os edifícios nos EUA serão obrigados a ter um certificado do seu desempenho energético na hora de vender ou arrendar. Paralelamente, os governos estão a introduzir estudos obrigatórios de eficiência energética e objectivos de consumo para as organizações com uma produção intensiva. Existe a possibilidade de que estes objectivos sejam transferidos a escritórios comerciais em algumas partes do mundo num futuro próximo. Os governos de alguns países financiam as suas empresas para que estas comecem a melhorar o seu programa de eficiência energética. Da mesma maneira, esses programas estabelecerão os períodos de amortização do empréstimo de financiamento inicial para a sua melhora. AUDITORIAS ENERGÉTICAS Uma auditoria energética é o meio ideal para identificar caminhos existentes para reduzir o consumo de energia, garantindo que sejam utilizadas as fontes de energia mais eficazes, e promovendo eficiências que beneficiem toda a organização. 7 Dependendo das necessidades, e do facto de se ter realizado previamente alguma auditoria, uma auditoria energética poderá ser: Um estudo inicial de oportunidades, em que todos os custos e quantidades são determinados e que as tendências do uso energético são identificadas, anual e sazonalmente. Um estudo inicial, tendo em conta o maior uso de energia nas instalações e nos seus processos, identificando desperdícios de energia e ineficiências, deficiências de medição, registo do uso de energia, e áreas prioritárias para investigações mais detalhadas. Uma investigação e análise detalhada, em que, uma ou mais das instalações ou processos identificados pelo estudo inicial, são examinados em mais detalhe, sendo fornecidos conselhos sobre opções para atingir objectivos de eficiência através de melhorias técnicas ou operacionais. A ENVIRON tem uma ampla experiência em realizar auditorias energéticas em todos os sectores de negócios, incluindo portfolios industriais, edifícios comerciais, aeroportos, propriedades, instalações hoteleiras e sector público. Temos também experiência demonstrada noutros aspectos de gestão energética tais como:

8 Wouters et al. - Política energética a nível local; - Obtenção de energia; - Monitorização e estabelecimento de objectivos; - Referências de consumos de energia e água; - Conselho e suporte tecnológico específico: caldeiras, aquecimento, refrigeração, ar condicionado, ar comprimido, fornos, etc; - Implementação, especificação e gestão de projectos e de medidas de redução de energia; - Formação dos empregados e técnicos; - Gestão da cadeia de abastecimento; - Verificação e registo anual das Emissões de Carbono, incluindo a verificação EU ETS (Emissions Trading Scheme Esquema de intercâmbio de emissões ). Também dispomos de variados e completos Serviços de Gestão de Carbono e de Emissões de Carbono. 8

9 20 e 21 de Maio de 2011 ULHT, Lisboa BENCHMARK ENERGÉTICO Os elevados e crescentes preços da energia, e os efeitos que provoca o consumo energético nas alterações climáticas, forçam todos os sectores da sociedade a reflectir sobre a sua própria situação frente a estes problemas. A ENVIRON Iberia, em colaboração com o Instituto Tecnológico e Hoteleiro de Espanha (ITH) desenvolveu um sistema focado na melhoria da eficiência energética e respeito ao meio ambiente no sector hoteleiro. Este sistema é baseado numa ferramenta apelidada de BencHotelMark. O BencHotelMark funciona via Internet e pode ser usado pela Direcção dos hotéis ou por Organizações Corporativas de cadeias de hotéis, para avaliar o consumo de energia dos estabelecimentos participantes, comparando-os com informações gerais sobre a indústria hoteleira. Esta comparação permite que os gerentes do hotel conheçam a situação do consumo de energia nas suas próprias instalações e tirem conclusões a respeito da urgência e custo da implementação de medidas de poupança energética. Além disso, podem fazer um acompanhamento directo do resultado da aplicação destas medidas. O consumo de energia nos estabelecimentos hoteleiros representa a segunda maior despesa nos custos de operação, logo a seguir aos custos com pessoal. Em média, este valor varia entre os 3% e os 6% dos custos totais de operação dos estabelecimentos hoteleiros. A maior parte da energia consumida em hotéis provém da queima de carvão e de produtos derivados do petróleo. Portanto, reduzindo o consumo energético nos hotéis, contribui-se directamente para a diminuição das emissões de dióxido de carbono, para além de representar um claro benefício empresarial. 9 O intenso e contínuo debate acerca das alterações climáticas resulta de uma consciencialização crescente da população, aumentando a procura de serviços verdes, respeitosos com o meio ambiente e coniventes com princípios sustentáveis. O sector hoteleiro está mais uma vez incluído nesta procura. Relativamente ao uso de água, o aumento do seu consumo choca frontalmente com uma redução tendencial da disponibilidade deste recurso, motivo pelo qual se torna absolutamente necessário a implementação de medidas que promovam a diminuição dos consumos. Assim, a poupança de energia e água, além de apresentar um efeito directo na poupança económica da gestão hoteleira, apresenta ainda vantagens do ponto de vista da imagem dos estabelecimentos, colocandoos numa posição de vantagem em relação aos seus concorrentes, contribuindo directamente para a luta contra as alterações climáticas. Assumindo que, o desenvolvimento sustentável consiste em melhorar a qualidade de vida mediante a integração de 3 factores: desenvolvimento económico; responsabilidade social e protecção do meio ambiente. As 3 vantagens directas que se apresentaram anteriormente, para poupança de energia e água, assentam perfeitamente nestes 3 factores. Deste modo, conclui-se que a introdução destas medidas tem um efeito transversal na contribuição para o desenvolvimento sustentável.

10 Wouters et al. CERTIFICAÇÃO DE EDIFÍCIOS DE ALTA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (LEED) A ENVIRON Iberia possui um elevado grau de especialização em projectos de gestão de edifícios sustentáveis. No campo específico da energia, a equipa da ENVIRON Iberia está na vanguarda da tecnologia para reduzir emissões de carbono e eficiência energética. A ENVIRON Iberia tem conhecimentos específicos em: - Avaliação das questões energéticas e de sustentabilidade em edifícios públicos, escritórios e hotéis, incluindo o benchmarking e estudos comparativos de consumo de energia; - Avaliação dos selos ambientais internacionais; - Aspectos construtivos relacionados com a energia e sustentabilidade; - Experiência na certificação energética dos edifícios (incluindo consultores credenciados LEED.) 10

11 20 e 21 de Maio de 2011 ULHT, Lisboa ESTUDOS ESTRATÉGICOS A ENVIRON Iberia foi contratada pelo EBRD (European Bank for reconstruction and development) para a elaboração de um SER (Strategic Environmental report) de avaliação do desenvolvimento da energia eólica na Bulgária. O QUE É O SER? O 'Strategic Environmental Assessment' (SEA) é uma forma sistemática para analisar e sugerir formas de reduzir os prováveis efeitos de um plano ou programa em objectivos ambientais, sociais e económicos. Para facilitar este processo, a União Europeia introduziu a Directiva 2001/42/CE, conhecida como a "'Strategic Environmental Assessment'" ou a Directiva "SEA", que requer uma avaliação formal ambiental de determinados planos e programas que são susceptíveis a ter efeitos significativos sobre o meio ambiente. A directiva UE SEA é transposta para a legislação ambiental Búlgara com o regulamento sobre as condições, procedimentos e métodos para a avaliação ambiental de planos e programas, e pela Lei de Protecção Ambiental. No entanto, o processo de SEA foi desenhado para avaliar planos ou programas específicos. Dado que não existiam planos formais para o desenvolvimento de energia eólica na Bulgária, tal desenvolvimento não pode ser avaliados por um SEA formal, cumprindo todos os requisitos obrigatórios ao abrigo da Directiva SER ou ao abrigo da legislação Búlgara. Deste modo o consórcio do qual a ENVIRON Iberia fez parte neste projecto, com a aprovação do Ministério do Ambiente Búlgaro e do EBRD, decidiu realizar um Strategic Environmental Report (SER). 11 Ao ser aprovado, o SER realizou alterações importantes a nível de política e estratégia para a tomada de decisões no fornecimento, geração e implementação de energia eólica na Bulgária.

12 Wouters et al. DESCONTAMINAÇÃO DE SOLOS A ENVIRON Iberia dispõe de uma vasta experiência no diagnóstico do estado ambiental do solo em diferentes tipos de estabelecimentos, desenhando e executando projectos de descontaminação de uma grande variedade de compostos químicos. Apresentam-se alguns exemplos de projectos realizados pela ENVIRON Iberia neste campo: ESTUDOS DO SOLO NUMA INDÚSTRIA QUÍMICA Uma empresa multinacional, proprietária de uma antiga fábrica de produção de pesticidas, encarregou à ENVIRON Iberia a definição dos passivos ambientais associados ao subsolo da propriedade, bem como o desenvolvimento de um plano de gestão dos referidos passivos. Esta unidade industrial produziu, entre os anos 40 e 80 do século passado, uma ampla variedade de produtos agroquímicos e de outros produtos químicos para um alargado espectro de indústrias. Nos anos 90, aquando do término destas operações, a fábrica foi convertida numa instalação de armazenamento e distribuição. Anos mais tarde, eliminou-se a maioria dos arquivos documentais relacionados com os processos produtivos. Precedendo o início da investigação, a ENVIRON Iberia conferiu em detalhe os poucos documentos históricos que ainda se encontravam disponíveis, conseguindo reconstituir em boa parte a história do uso industrial desse estabelecimento. Os dados obtidos durante a investigação de campo incluíram a realização de escavações, sondagens superficiais e profundas, amostragens do solo e das águas superficiais, realizando assim o diagnóstico ambiental inicial da propriedade. 12 Identificaram-se várias zonas afectadas, principalmente associadas à gestão das águas residuais e dos resíduos. Uma balsa abandonada, utilizada no passado para a decantação de águas residuais, continha uma camada espessa de lamas contaminadas, constituindo um importante foco de poluição. Os compostos identificados incluíram pesticidas, metais pesados, hidrocarbonetos, PCBs e outros compostos clorados. A maioria destes compostos era pouco mobilizável e volátil, mas extremamente persistente no subsolo. Determinou-se que as condições da água subterrânea variavam consoante as estações do ano. Em épocas de precipitação, quando o nível freático se encontrava a pouca profundidade, as águas entravam em contacto com os solos contaminados (cuja base se situava a 4 m de profundidade), o que incrementava as concentrações de compostos dissolvidos na água: contudo, em tempos de pouca chuva o nível freático baixava melhorando assim a qualidade das águas. A ENVIRON Iberia inspeccionou também as condições do sistema de saneamento que se desenvolvia através de um conjunto de galerias subterrâneas sob as principais vias da fábrica. Detectou-se a presença de sedimentos e lamas com um elevado conteúdo em compostos químicos no fundo dessas galerias, indicando a existência de fugas de águas residuais. Este facto permitiu iniciar um programa de inspecção e melhoria do sistema de esgotos do estabelecimento. Face à evidência de fugas históricas de águas residuais para o rio

13 20 e 21 de Maio de 2011 ULHT, Lisboa que circunda a fábrica, iniciou-se uma investigação dessas águas e dos sedimentos do leito, utilizando para tal técnicas especiais de amostragem que permitiram a obtenção de amostras inalteradas. A partir dos dados obtidos, desenvolveu-se um modelo conceptual do estabelecimento, incluindo os focos de contaminação, os receptores sensíveis e as vias de migração dos contaminantes. O modelo serviu como base para a realização de uma análise quantitativa de riscos (AQR). O objectivo da AQR foi determinar os riscos associados às condições do solo para a saúde humana durante a actual actividade do estabelecimento, bem como no caso de uma modificação da mesma. Desta forma, modelou-se o fluxo de contaminantes dissolvidos nas águas subterrâneas em direcção ao rio, para assim determinar se o leito estaria afectado por níveis que requeressem uma intervenção. Concluiu-se que apesar de o rio não estar afectado de forma significativa, era necessário efectuar uma remediação em determinadas partes do solo da fábrica. A ENVIRON Iberia: Realizou uma selecção preliminar das possíveis técnicas de remediação; Seleccionou a empresa especializada em trabalhos de remedição, que ofereceu as melhores garantias de sucesso para o nosso cliente; Conduziu negociações com as autoridades ambientais para definir as pautas do projecto de remediação. Na actualidade, a ENVIRON Iberia supervisiona os estudos de viabilidade do sistema de remediação: 13 INVESTIGAÇÃO DO SOLO, ESTUDO ECOLÓGICO DA ZONA COSTEIRA, ANÁLISE DE RISCOS E REMEDIAÇÃO DE UMA UNIDADE METALÚRGICA A empresa proprietária de uma fábrica metalúrgica contratou a ENVIRON Iberia para estudar os passivos ambientais associados às condições do solo do estabelecimento, para o desenho e estudo da implementação de um plano de gestão desses passivos. Importantes quantidades de soda cáustica são utilizadas no processo produtivo. Derrames e perdas desta substância infiltraram-se ao longo de anos no solo, alcançando as águas subterrâneas e tendo sido detectada numa praia próxima do estabelecimento. Investigações realizadas anteriormente confirmaram a existência desta contaminação. Contudo, não foi elaborado nenhum modelo conceptual que incluí-se o marco ambiental da fábrica, os focos de contaminação, as vias de migração, os receptores sensíveis, nem realizada qualquer análise de riscos. Barreiras hidráulicas foram instaladas para interceptar os fluxos contaminantes. No entanto estas não funcionavam de forma eficaz, dado que a profundidade e localização não eram adequadas. Mantinham-se, portanto, os problemas de migração de águas alcalinas em direcção ao exterior dá fábrica, não estando ainda definidos objectivos claros para os trabalhos de remediação.

14 Wouters et al. A ENVIRON Iberia reviu a informação existente e desenvolveu o modelo conceptual detalhado da unidade. Identificou-se a provável existência de densas plumas de soda, que se movia através das fracturas das unidades rochosas subjacentes ao estabelecimento. Para determinar a localização das zonas preferentes de migração dos contaminantes, a ENVIRON Iberia realizou uma campanha geofísica, utilizando um sistema de tomografia eléctrica. Este sistema determina a resistividade aparente do material afectado, o qual, após uma detalhada análise e interpretação, permite identificar a estrutura do subsolo e desta forma, as zonas com elevada condutividade. Neste projecto, estas zonas correspondiam a áreas nas quais estavam acumuladas quantidades significativas de soda cáustica. Por outro lado, a ENVIRON Iberia realizou uma análise de riscos para a saúde humana e um estudo ecológico das zonas periféricas da unidade, procurando determinar a possível afectação dos ecossistemas. Entre outros aspectos, constatou-se que a presença de águas alcalinas implicava um risco moderado, ainda que a mobilização de determinados metais, especialmente o arsénio (causado por elevados valores de ph), poderia dar lugar a riscos significativos. Actualmente, a ENVIRON Iberia está a definir as medidas de remediação para o estabelecimento, as quais estarão focadas na combinação de actuações nas fontes de contaminação e nas zonas de acumulação de águas alcalinas. ANÁLISE DE DADOS DO SOLO NUMA FÁBRICA DE PRODUTOS AGROQUIMÍCOS 14 A unidade fabril dispõe de uma rede de piezómetros para o controlo da qualidade de águas subterrâneas, instalados durante uma primeira fase de investigação do solo. Os resultados obtidos indicaram que existia uma contaminação por produtos orgânicos. Após vários anos de amostragem e análises da água, a empresa possuía um elevado número de dados analíticos da profundidade da água e de vários parâmetros medidos in-situ, como a temperatura e condutividade. A ENVIRON Iberia foi contratada para realizar uma análise em profundidade da informação existente, com o intuito de detectar tendências na evolução das concentrações dos diferentes compostos, e estudar desta forma as possíveis influências sazonais na qualidade da água subterrânea. Este factor era importante ao considerar as flutuações significativas na profundidade do nível freático entre o Inverno e o Verão. Os dados foram introduzidos num sistema de informação geográfico (GIS), baseado na plataforma ArcGIS 9.3. Este sistema permite analisar múltiplas combinações de dados, o que facilitou a detecção de correspondências entre causas e efeitos nas variações das concentrações dos diferentes compostos nas águas subterrâneas da propriedade. Esta informação permitiu modificar e actualizar o modelo conceptual do solo da propriedade, entendendo com maior precisão os possíveis riscos associados às condições do solo. Desta forma estabeleceram-se as pautas para uma estratégia a curto, médio e largo prazo para a gestão dos passivos ambientais da fábrica. Além disso, a investigação permitiu racionalizar e reduzir o custo do programa de monitorização, diminuindo a frequência de amostragem e o número de parâmetros a analisar nos piezómetros.

15 20 e 21 de Maio de 2011 ULHT, Lisboa AUDITORIAS AMBIENTAIS DUE DILIGENCE As exigências relativas ao cumprimento legal dos requisitos de índole ambiental têm crescido de forma significativa nos últimos anos, incrementando as responsabilidades corporativas e jurídicas das empresas e a consciência a favor do meio ambiente. A ENVIRON Iberia oferece serviços dirigidos às empresas, avaliando o grau de cumprimento ambiental e gerindo os passivos ambientais associados a propriedades e indústrias. Neste contexto, as auditorias constituem um elemento fundamental, tendo como finalidade avaliar uma propriedade face ao cumprimento legal, a acções correctivas e à gestão interna das organizações. Desta forma, fica garantida a integridade do património, a veracidade da informação e a manutenção da eficácia dos sistemas de gestão. A ENVIRON Iberia assessora os seus clientes em diversas temáticas ambientais, em propriedades industriais, comerciais, residenciais, entre outras. Esta assistência inclui a realização de auditorias durante os processos de fusão e/ou aquisição de empresas. Numerosos trabalhos foram realizados sob pressão, por datas de entrega muito ajustadas ou restrições impostas pelo fecho das transacções. Para cada tipo de auditoria, define-se o objectivo e o alcance do trabalho. Geralmente, este pode incluir: A identificação e avaliação das condições ambientais históricas, actuais e potencialmente futuras da propriedade em questão e da envolvente; A identificação e avaliação do cumprimento ambiental, de segurança e saúde associado às actuais práticas ambientais; A estimativa dos custos para atingir o cumprimento legal e dos regulamentos ambientais, ou ainda para assessorar a potencial responsabilidade jurídica face a uma determinada condição ambiental. Os resultados dos nossos estudos podem transformar-se numa componente fundamental no momento de negociar determinada propriedade. Muitas vezes, os passivos ambientais identificados durante uma auditoria estão associados a um custo material durante as negociações. Consequentemente, realizou-se uma análise detalhada sobre o alcance e os objectivos do projecto. Por exemplo, frequentemente a ENVIRON baseia-se na metodologia da American Society for Testing and Materials (ASTM) adaptando-a à legislação nacional, noutros casos somente se realiza uma revisão da legislação nacional de forma virtual. Para a assessoria dos custos implicados, pode-se dar um vasto e variado contributo, fruto da experiência acumulada em todo o mundo e ao longo dos anos, desenhando sistemas de controlo da poluição e medidas correctivas para estabelecimentos contaminados. 15 A partir dos resultados das auditorias, a ENVIRON Iberia realizou numerosos estudos do subsolo do tipo Fase II, para determinar a existência e o alcance de contaminações do solo e das águas subterrâneas, os possíveis riscos para a saúde humana e para o ambiente, e ainda para avaliar a necessidade de empreender acções correctivas, estimando os custos associados a essas acções. As actividades de Fase II realizam-se numa modalidade ágil e rápida, satisfazendo os clientes e cumprindo com os prazos estabelecidos.

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar!

GRUPO ROLEAR. Porque há coisas que não podem parar! GRUPO ROLEAR Porque há coisas que não podem parar! INOVAÇÃO COMO CHAVE DO SUCESSO Desde 1979, com sede no Algarve, a Rolear resulta da oportunidade identificada pelo espírito empreendedor do nosso fundador

Leia mais

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA

SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA SISTEMA GESTÃO AMBIENTAL - SGA Ciclo de melhoria contínua conhecido como Ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) EMAS METODOLOGIA FASEADA DE IMPLEMENTAÇÃO FASEADA DO EMAS In, APA,

Leia mais

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL

ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL ESTUDO DA PEGADA CARBÓNICA NO SECTOR FINANCEIRO EM PORTUGAL Agosto de 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 ENQUADRAMENTO... 3 O IMPACTE DO SECTOR FINANCEIRO NAS ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS... 4 PEGADA CARBÓNICA DO SECTOR

Leia mais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais

Relatório de atribuição do Certificado off7. Observatório Português de Boas práticas Laborais Relatório de atribuição do Certificado off7 Observatório Português de Boas práticas Laborais Ano: 2011 1. Índice 1. ÍNDICE... 2 2. SUMÁRIO EXECUTIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 5 4. MEDIR... 8 4.1. METODOLOGIA

Leia mais

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO

RESUMO DA AVALIAÇÃO DE IMPACTO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 25.6.2009 SEC(2009) 815 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO que acompanha a COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO Demonstração

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code

Dream Energis. Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia. Dream Code Dream Energis Sistema de Eficiência Energética A forma inteligente de medir e controlar a sua energia Dream Code Como podemos ajudá-lo a poupar energia? Estimativa de18% de poupança de energia todos os

Leia mais

Compras Públicas Conjuntas. Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética

Compras Públicas Conjuntas. Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética Compras Públicas Conjuntas Recomendações para o desenvolvimento de Planos de acção Locais para a Eficiência Energética Compras energeticamente eficientes nas autoridades públicas Obstáculos e Oportunidades

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas

Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Introdução à Responsabilidade Social das Pequenas e Médias Empresas Este guia foi produzido como parte da Campanha de Consciencialização Pan-Europeia sobre RSE, uma iniciativa da Comissão Europeia, Directoria

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA)

Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) WORKSHOP Análise e Monitorização Química do Estado da Água Perspectivas para os Laboratórios Implementação da Directiva Quadro da Água (DQA) Directiva das Águas Subterrâneas Decreto Lei nº 208/2008 Implementação

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena

Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena E1819 V6 Reabilitação do Sistema de Abastecimento de Água de Luena REHABILITATION OF LUENA WATER SUPPLY SYSTEM PGA PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL (PGA) ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN (EMP) Adjudicante: Financial

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO

PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO 27.4.2001 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 118/41 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) PARLAMENTO EUROPEU E CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO PARLAMENTO EUROPEU E DO

Leia mais

Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental

Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Ricardo Lopes Ferro Outubro 2010 Planeamento e Gestão da Emergência Que Abordagens? Gestão da Emergência Ambiental Apresentação

Leia mais

Logística e Gestão da Distribuição

Logística e Gestão da Distribuição Logística e Gestão da Distribuição Depositos e política de localização (Porto, 1995) Luís Manuel Borges Gouveia 1 1 Depositos e politica de localização necessidade de considerar qual o papel dos depositos

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Banking. Estudos de Remuneração 2012

Banking. Estudos de Remuneração 2012 Estudos de 2012 Estudos de Banking 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Técnico de Tesouraria pág. 4 Banking Técnico de Controlo de Crédito pág. 5 Analista de Crédito Técnico de Back-Office Técnico de Derivados

Leia mais

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3

PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU CAPÍTULO 3 PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO EXISTENTE E SUA IMPLEMENTAÇÃO A NÍVEL EUROPEU 19 CAPÍTULO 3 ÍNDICE 3. PRINCIPAL REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Aplicação do Programa Europeu para as Alterações Climáticas

Aplicação do Programa Europeu para as Alterações Climáticas P5_TA(2002)0439 Aplicação do Programa Europeu para as Alterações Climáticas Resolução do Parlamento Europeu sobre a Comunicação da Comissão relativa à aplicação da primeira fase do Programa Europeu para

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE

Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Energia, tecnologia e política climática: perspectivas mundiais para 2030 MENSAGENS-CHAVE Cenário de referência O estudo WETO apresenta um cenário de referência que descreve a futura situação energética

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios

A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios A Importância das Inspecções Periódicas na Manutenção de Edifícios Luís Viegas Mendonça Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director Geral Miguel Martins do Amaral Engenheiro Civil Spybuilding Lda. - Director

Leia mais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais

Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais Certificação e Monitorização de Edifícios Públicos Municipais em Cascais TECNOFIL Workshop Municípios e Certificação Energética de Edifícios Lisboa, 18 Junho 2009 Objectivos A Agência Cascais Energia é

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros

Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Os riscos ambientais e o seu impacto para o sector empresarial: Soluções ao nível de seguros Famalicão 14 de Julho de 2010 Jorge Cardoso Agenda Introdução ao Meio Ambiente Definição de risco e responsabilidade

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções.

GE Power & Water Water & Process Technologies. Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. GE Power & Water Water & Process Technologies Recursos preciosos, desafios prementes, melhores soluções. Recursos preciosos Se o consumo de água continuar a aumentar à mesma taxa, as estatísticas deixam

Leia mais

Controlo interno das instituições de auditoria do governo

Controlo interno das instituições de auditoria do governo SEMINÁRIO SOBRE O DESENVOLVIMENTO DE TÉCNICAS DE AUDITORIA 26 27.02.2009 Controlo interno das instituições de auditoria do governo Autor: Lau Tak Kun (Terence) Comissariado da Auditoria de Macau Índice

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE?

O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? 1 O QUE É A CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE? A globalização dos mercados torna cada vez mais evidente as questões da qualidade. De facto a maioria dos nossos parceiros económicos não admite a não qualidade.

Leia mais

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA

MEDI T FINANCE CONTABILIDADE CONSULTORIA AMedi T Finance é a mais recente aposta do Grupo Medi T. É uma organização multidisciplinar que presta serviços profissionais nasáreas da Assessoria Financeira, Contabilidade, Auditoria e Consultoria.

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos,

A sustentabilidade da economia requer em grande medida, a criação duma. capacidade própria de produção e fornecimento de bens e equipamentos, REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE -------- MINISTÉRIO DA ENERGIA GABINETE DO MINISTRO INTERVENÇÃO DE S.EXA SALVADOR NAMBURETE, MINISTRO DA ENERGIA, POR OCASIÃO DA INAUGURAÇÃO DA FÁBRICA DE CONTADORES DA ELECTRO-SUL

Leia mais

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS

UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS UMA ASSOCIAÇÃO GLOBAL PARA ALIANÇAS ESTRATÉGICAS Presente em mais de 80 países e com mais de 280 escritórios em todos os Continentes, a MGI é uma das maiores

Leia mais

Fórum Eficiência Energética

Fórum Eficiência Energética Fórum Eficiência Energética A Visão do Auditor Aspectos a Considerar Luís Coelho Escola Superior de Tecnologia de Setúbal (ESTSetúbal) - IPS OBJECTIVOS: Apresentar os aspectos mais importantes da intervenção

Leia mais

a LRQA Desenvolvimento Sustentável

a LRQA Desenvolvimento Sustentável ISO 14001:2004 e Responsabilidade Ambiental Engº Vítor Gonçalves CONFERÊNCIA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Eficiência e Eficácia na redução de Riscos Ambientais Lisboa, 15 de Maio de 2007 ISO 14001:2004 e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS EMPRESAS DE BETÃO PRONTO CATÁLOGO DE SERVIÇOS... um parceiro fiável. INTRODUÇÃO 2 A APEB Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto, é uma associação empresarial sem fins

Leia mais

PORTARIA N.º 744-A/99

PORTARIA N.º 744-A/99 MINISTÉRIOS DA SAÚDE E DO AMBIENTE PORTARIA N.º 7-A/99 P DE DE AGOSTO Aprova os programas de acção específicos para evitar ou eliminar a poluição proveniente de fontes múltiplas de mercúrio. A Directiva

Leia mais

FACILITIES MANAGEMENT

FACILITIES MANAGEMENT MINI MBA Potencialize a sua qualificação profissional Incremente a eficácia e rentabilidade da sua unidade de trabalho Eficiência operacional e redução de custos em FACILITIES MANAGEMENT Mini MBA Mais

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

BFuture Soluções de Sustentabilidade

BFuture Soluções de Sustentabilidade BFuture Soluções de Sustentabilidade Porque existe um plano B! Hoje em dia é quase consensual que o estilo de vida que se segue nas sociedades ditas desenvolvidas, não é sustentável. Todos começam a ter

Leia mais

TIMBER ENGINEERING EUROPE

TIMBER ENGINEERING EUROPE TIMBER ENGINEERING EUROPE Tecnologia de construção no seu melhor Desenhado, fabricado e montado segundo as necessidades do cliente www.timberengineeringeurope.com Bem-vindos a Timber Engineering Europe

Leia mais

Memória descritiva. ecoinside_soluções em ecoeficiência e sustentabilidade lda rua de salazares, 842, 4149-002 porto

Memória descritiva. ecoinside_soluções em ecoeficiência e sustentabilidade lda rua de salazares, 842, 4149-002 porto Memória descritiva ecoinside ecoinside_soluções em ecoeficiência e sustentabilidade lda rua de salazares, 842, 4149-002 porto cont nº 507 580 745 telef/fax 22 617 33 43 geral@ecoinside.pt www.ecoinside.pt

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME

CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME CARACTERIZAÇÃO DO PROGRAMA FORMAÇÃO-ACÇÃO PME NATUREZA DO PROGRAMA O Programa Formação-Acção PME consiste num itinerário de Formação e Consultoria Especializada (Formação-Acção Individualizada), inteiramente

Leia mais

Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo

Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo Requalificação Urbana pela Iluminação Pública (Efficient Lighting) Nuno Canta Vice Presidente Município de Montijo Resumo Município de Montijo Desafios Globais Visão Acção Local Boas Práticas Conclusões

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about.

8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA. Novos Mercados Encontro de Sectores INSCREVA-SE JÁ. Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS. www.expoenergia2011.about. 8, 9 e 10 NOVEMBRO 2011 LISBOA Centro de Congressos Univ. Católica Novos Mercados Encontro de Sectores Especial: MERCADOS INTERNACIONAIS ORGANIZAÇÃO PARCEIRO PATROCÍNIO INSCREVA-SE JÁ www.expoenergia2011.about.pt

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

Cursos Sistemas Vapor 2015

Cursos Sistemas Vapor 2015 Cursos Sistemas Vapor 2015 Acção de formação para: Directores de produção Desenhadores de instalações Gerentes de fábrica Engenheiros de processo Engenheiros de projecto Instaladores Gestores de energia

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Articulação da AIA com outros regimes de licenciamento IMPACTES AMBIENTAIS 9 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas.

Assim, torna-se crucial a utilização de metodologias de avaliação do risco de crédito cada vez mais precisas. OBJECTIVO O risco de crédito está presente no quotidiano de qualquer empresa, sendo hoje reconhecido, por uma grande parte das organizações, como uma das suas principais preocupações. Também nas empresas

Leia mais

SUSTENTABILIDADE URBANA

SUSTENTABILIDADE URBANA 1ª FEIRA IBÉRICA SUSTENTABILIDADE URBANA ENERGIA, SUSTENTABILIDADE, CIDADANIA Joaquim Borges Gouveia bgouveia@ua.pt DEGEI UAVEIRO 8 de Junho de 2011 ENERGIA e SUSTENTABILIDADE Utilização Racional de Energia

Leia mais

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA

DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA COMISSÃO EUROPEIA DIRECÇÃO-GERAL DAS EMPRESAS E INDÚSTRIA Bens de consumo Produtos farmacêuticos Bruxelas, 14 de Fevereiro de 2008 EudraLex Normas que Regulam os Medicamentos na União Europeia Volume 4

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal.

O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. VISÃO & MISSÃO VISÃO O reconhecimento como uma referência na área de consultadoria em engenharia em Portugal. MISSÃO Actuar junto de empresas industriais, de serviços, estabelecimentos de ensino, empresas

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Estrutura da ERI. Administração. Direção Geral. Qualidade, Ambiente e Segurança. Comercial & Marketing. Departamento de Compras

Estrutura da ERI. Administração. Direção Geral. Qualidade, Ambiente e Segurança. Comercial & Marketing. Departamento de Compras At tud p rm t! ERI Engenharia SA A ERI Engenharia S.A. é uma empresa que está no mercado desde 1995. A nossa estratégia de actuação pauta-se pela flexibilidade e ajustamento face às necessidades e exigências

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião

Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Fase de construção do Prolongamento da Linha Vermelha, entre Alameda e São Sebastião Identificação dos factores ambientais verdadeiramente significativos Descrição do projecto Prolongamento da Linha Vermelha

Leia mais

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade

Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade COMO ORGANIZAR O SGQ SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de gestão para dirigir e controlar uma organização no que respeita à qualidade A Gestão da Qualidade foca o produto / a realização do serviço;

Leia mais

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água no Mundo Como pode a PPA contribuir para uma melhor consolidação.

Leia mais

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes

Iniciativa JESSICA. Perguntas Frequentes 1 - Como nasceu a iniciativa JESSICA? A iniciativa JESSICA (Joint European Support for Sustainable Investment in City Areas) é um instrumento financeiro promovido pela Comissão Europeia e desenvolvido

Leia mais

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas.

Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. GLOSSÁRIO Aproveitamento Solar Passivo - Aproveitamento da energia para aquecimento de edifícios ou prédios, através de concepções e estratégias construtivas. Ar Condicionado - Expressão utilizada largamente

Leia mais

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO

SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO SERVIÇOS BÁSICOS DE ABASTECIMENTO ASSUNTOS-CHAVE DE ÁGUA E SANEAMENTO Princípios Institucionais e de Gestão RESPOSTAS POSSIVEIS As alterações dos objectivos políticos e dos factores económicos ocorridos

Leia mais

Balanced Scorecard e a Gestão por Competências

Balanced Scorecard e a Gestão por Competências Balanced Scorecard e a Gestão por Competências ELEVUS O QUE FAZEMOS *Áreas de actuação: *Recrutamento e Selecção *Outplacement *Formação e Desenvolvimento Pessoal *Assessment Centre *Consultoria ELEVUS

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

Business Process Management

Business Process Management 1 Business Process Management O imperativo da eficiência operacional Na constante busca pelo aumento da eficiência operacional e diminuição dos custos, as organizações procuram optimizar os seus processos

Leia mais

Segurança. Eficácia. Conforto. Controls Services Contratos de assistência abrangentes para sistemas de controlo de edifícios

Segurança. Eficácia. Conforto. Controls Services Contratos de assistência abrangentes para sistemas de controlo de edifícios Segurança Controls Services Contratos de assistência abrangentes para sistemas de controlo de edifícios Trane Controls Services para ter paz de espírito Mantenha o seu sistema a 100% Quando o seu sistema

Leia mais

Controlo da Qualidade Aula 05

Controlo da Qualidade Aula 05 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da qualidade:. evolução do conceito. gestão pela qualidade total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9001:2000 Evolução do conceito 2 gestão pela qualidade

Leia mais

Grupo EGEO Responsabilidade Civil Ambiental. APLICAÇÃO DO REGIME DA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL AOS OPERADORES DE RESÍDUOS Case Study

Grupo EGEO Responsabilidade Civil Ambiental. APLICAÇÃO DO REGIME DA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL AOS OPERADORES DE RESÍDUOS Case Study Grupo EGEO Responsabilidade Civil Ambiental APLICAÇÃO DO REGIME DA RESPONSABILIDADE AMBIENTAL AOS OPERADORES DE RESÍDUOS Case Study 11 de Outubro de 2011 GRUPO EGEO Empresas EGEO Tecnologia e Ambiente

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

Higiene para a indústria alimentar e farmacêutica

Higiene para a indústria alimentar e farmacêutica Higiene para a indústria alimentar e farmacêutica HIGIENE PARA A INDÚSTRIA ALIMENTAR E FARMACÊUTICA INOVAÇÃO ESPECIALIDADES QUÍMICAS GESTÃO DA HIGIENE ITRAM CLEANING EQUIPMENTS UTENSÍLIOS VIKAN DETECÇÃO

Leia mais

Energia: Sustentabilidade e redução de custos.

Energia: Sustentabilidade e redução de custos. . dossier / Energia Pág: 36 Área: 15,00 x 20,27 cm² Corte: 1 de 6 Energia: Sustentabilidade e redução de custos. 2015 marca o ano Internacional da Luz. No que diz respeito ao consumo de energia, os hotéis

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-CCENT/33/2003- BAR-BAR-IDADE GLASS/FÁBRICA DE VIDROS BARBOSA E ALMEIDA A 29 de Julho de 2003 deu entrada na Autoridade da Concorrência, em

Leia mais

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental

Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental Melhoria do desempenho ambiental - implementação do Sistema de Gestão Ambiental 1 Melhoria do desempenho ambiental implementação do Sistema de Gestão Ambiental A Caixa Geral de Depósitos (CGD) tem implementado

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

PROJECTOS DE CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS 8º Ano 3º Período

PROJECTOS DE CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS 8º Ano 3º Período PROJECTOS DE CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS 8º Ano 3º Período Tema: Gestão Sustentável dos Recursos A Água > PROJECTOS DE CIÊNCIAS FÍSICAS E NATURAIS > ORIENTAÇÕES PARA OS PROJECTOS DE CFN > CRITÉRIOS DE

Leia mais

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008

Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I. Fev. 2008 Implementação e Certificação de um Sistema I+D+I Fev. 2008 Medeiros genda 1. Áreas de negócio Martifer; 2. Martifer Energia Equipamentos para energia S.A.; 3. Certificações Obtidas 4. Porquê IDI? 5. Objectivo

Leia mais

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001

ISO 14000. Estrutura da norma ISO 14001 ISO 14000 ISO 14000 é uma serie de normas desenvolvidas pela International Organization for Standardization (ISO) e que estabelecem directrizes sobre a área de gestão ambiental dentro de empresas. Histórico

Leia mais

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA)

Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades (PMPA) Definições O Plano Municipal de Promoção das Acessibilidades irá conter um programa das intenções necessárias para assegurar a acessibilidade física

Leia mais

VATWorld - Consultores Fiscais, S.A. Av. António Augusto de Aguiar, 130. 5º 1050-020 Lisboa. Portugal T. (+351) 213 104 040 F. (+351) 213 104 045 portugal@vatcompany.com vatcompany.com ESPECIALISTAS EM

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa CONSULTORIA E ESTUDOS TÉCNICOS DE AMBIENTE E SEGURANÇA, S.A. Apresentação Corporativa Dezembro 2011 Propriedade da Enviprime 12/2011. Proibida a Cópia Sem Autorização Prévia SOBRE A ENVIPRIME, S.A. é uma

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do I Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

Universidade Lusófona

Universidade Lusófona Universidade Lusófona Licenciatura (1º Ciclo) em Ciências da Engenharia - Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director: Prof. Doutor José d'assunção Teixeira Trigo Objectivos: Formação

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais