DECLARAÇÃO DE ANTICORRUPÇÃO E ANTISSUBORNO SUMÁRIO DA POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO E ANTISSUBORNO DO JOHNSON MATTHEY GROUP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DECLARAÇÃO DE ANTICORRUPÇÃO E ANTISSUBORNO SUMÁRIO DA POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO E ANTISSUBORNO DO JOHNSON MATTHEY GROUP"

Transcrição

1 DECLARAÇÃO DE ANTICORRUPÇÃO E ANTISSUBORNO E SUMÁRIO DA POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO E ANTISSUBORNO DO JOHNSON MATTHEY GROUP A Johnson Matthey adotou certos compromissos de anticorrupção e antissuborno que estão expressos na Declaração de Anticorrupção e Antissuborno. A Declaração encontra-se na página 1 deste documento. A Johnson Matthey tem uma Política Global de Anticorrupção e Antissuborno que embasa seus compromissos anticorrupção e antissuborno. Um sumário da Política encontra-se nas páginas 2 a 7 deste documento. 0

2 DECLARAÇÃO DE ANTICORRUPÇÃO E ANTISSUBORNO DA JOHNSON MATTHEY Para todos os funcionários da Johnson Matthey e outros colaboradores do Grupo Johnson Matthey A Johnson Matthey opera em todo o mundo e nos orgulhamos de nossa reputação como empresa que age com integridade e honestidade em todos os lugares onde operamos. Esta reputação tem sido a pedra angular da prática comercial da Johnson Matthey desde sua fundação em 1817 e assim continua até hoje. Valorizamos nossa reputação e acreditamos que ela caracteriza uma de nossas vantagens competitivas. É essencial que funcionários da Johnson Matthey em todos os níveis e em todas as partes do mundo, bem como todos os colaboradores do Grupo Johnson Matthey protejam esta reputação. Corrupção e suborno Tendo em vista a natureza, escala e ampla distribuição geográfica de nossas atividades, é importante que abordemos os riscos ligados à corrupção e ao suborno com vistas a proteger nossa reputação. Corrupção e suborno são práticas que constituem um grande problema mundial, causando danos a sociedades e indivíduos em todo o mundo. Tais práticas prejudicam o estado democrático de direito, acarreta violações de direitos humanos, distorce mercados, mina a qualidade de vida e alimenta o crime organizado, terrorismo e outras ameaças à segurança humana. Corrupção e suborno são práticas que caracterizam crime. Se condenada, a Johnson Matthey receberá, enquanto pessoa jurídica, pena significativa de multa e sofrerá dano financeiro e em sua reputação. Nossos diretores e executivos poderão receber penas de multa ou mesmo de prisão. Individualmente, você poderá ser responsabilizado com pena de multa ou de prisão. De terceiros que fazem negócios conosco, esperamos o cumprimento das provisões contratuais relativas à prevenção de corrupção e suborno sob risco de rescisão e término do relacionamento comercial. Nossos compromissos anticorrupção e antissuborno Por meio de seu Conselho Diretor e de seu Comitê Executivo, a Johnson Matthey assume os seguintes compromissos: Teremos uma política de tolerância zero em relação à prática de atos de corrupção e suborno. Corrupção e suborno nunca serão aceitáveis quando praticados pela Johnson Matthey ou em nosso nome: não toleraremos tais práticas em nossa empresa ou com as empresas que tenhamos negócios. Estamos comprometidos a agir justa, correta e abertamente de maneira ética em todos os nossos negócios e relacionamentos comerciais. Estamos comprometidos com o cumprimento das leis nacionais e internacionais aplicáveis bem como os regulamentos relevantes para combate à corrupção e suborno em todos os locais onde operamos. Estamos comprometidos com a implementação e aplicação de sistemas dentro da Johnson Matthey objetivando enfrentar o risco de corrupção e suborno. 1

3 Política Anticorrupção e Antissuborno Global Nossa Política Anticorrupção e Antissuborno Global serve de base a nossos compromissos anticorrupção e antissuborno. Ela estabelece em termos concretos como você deverá se comportar e o que deverá fazer caso seja confrontado com atos de corrupção e ou suborno. Espera-se que todos cumpram com as normas da Política a todo o momento e em todos os aspectos de seus trabalhos. Apoio Em caso de dúvidas ou preocupações relacionadas à corrupção e suborno, consulte o texto da Política ou busque orientação junto ao Departamento Jurídico da Johnson Matthey. Você poderá denunciar, em boa fé, incidente ou suspeita de corrupção ou suborno ou mesmo outra transgressão com fulcro na Política de Denúncias da Johnson Matthey e elas serão tratadas confidencialmente. Alternativamente, você poderá relatar suas preocupações anônima e confidencialmente por meio de nossa Linha Ética da Johnson Matthey através de número telefônico gratuito ou pela internet. Contamos com sua cooperação para proteger a Johnson Matthey dos riscos de corrupção e suborno. Obrigado. [Assinatura] Neil Carson, Diretor Executivo, Johnson Matthey PLC Dezembro de

4 POLÍTICA GLOBAL DE ANTICORRUPÇÃO E ANTISSUBORNO DA JOHNSON MATTHEY - SUMÁRIO Segue abaixo um sumário da Política Global de Anticorrupção e Antissuborno da Johnson Matthey. Ela estabelece os princípios fundamentais contidos nesta Política e serve para que você se familiarize com os tópicos abordados mais importantes. Trata-se somente de um resumo. Consulte o texto completo da Política que está disponível na intranet corporativa da Johnson Matthey, com seu gerente de RH e Departamento Jurídico locais. Quaisquer dúvidas devem ser levadas ao Departamento Jurídico para esclarecimento. QUEM ESTÁ SUJEITO A ESTA POLÍTICA? A Política se aplica a Johnson Matthey PLC, todas as suas subsidiárias e empresas a ela associadas em todo o mundo, incluindo joint ventures nas quais a Johnson Matthey tenha interesses comerciais. Ela também se aplica a indivíduos que trabalham para ou com o Grupo, em todos os níveis, funções e localidades. A Política também se aplica a terceiros engajados com o Grupo, incluindo agentes, distribuidores, provedores de serviços e consultores. O QUE É CORRUPÇÃO E SUBORNO? Suborno consiste em dar ou receber dinheiro ou outro bem de valor com o objetivo de induzir ou recompensar a realização de ato impróprio. Considera-se um ato como impróprio se ele é praticado (ou deixa de sê-lo) por alguém de forma ilegal, antiética, de má fé, não imparcial ou em infringimento de posição de confiança. O recipiente pode ser tanto do setor privado (por exemplo, uma empresa) ou do setor público (por exemplo, administração pública ou uma empresa estatal). Atos de suborno também podem ocorrer quando a oferta ou o pagamento é feito indiretamente por meio de terceiro ou agente. Subornos podem ter diferentes formas tais como pagamentos em dinheiro, hospitalidade (por exemplo, refeições, estadias em hotéis, passagens, ingressos e ou convites para eventos esportivos e culturais), outras despesas promocionais (tais como despesas de viagens e de acomodação), contribuições políticas ou doações de caridade. RESTRIÇÕES GERAIS Esta Política estabelece certas restrições e vedações gerais que se destinam a prevenir riscos de corrupção e suborno. Fica vedado, quer direta ou indiretamente por meio de terceiro: oferecer dinheiro ou qualquer outro bem de valor a qualquer pessoa: (1) com a intenção de obter, reter ou premiar qualquer ato comercial impróprio ou outra vantagem, ou (2) induzir qualquer pessoa a agir inapropriadamente ou premiá-la por fazê-lo, ou (3) tendo ciência ou crendo que a mera aceitação de tal valor ou bem por parte de outrem seria imprópria; ou 3

5 receber dinheiro ou qualquer outro bem de valor quando tiver conhecimento ou suspeita de que: (1) este é oferecido ou entregue com a intenção de induzir alguém a dar vantagem comercial ou de qualquer natureza, para induzir o cometimento de ato impróprio ou mesmo para premiar qualquer ato impróprio, ou (2) se o pedido é de natureza imprópria. Dinheiro ou qualquer outro bem de valor incluem todos os presentes, hospitalidade e outras despesas promocionais ou toda vantagem quer financeira ou de outra natureza. Neste contexto, "oferecer" inclui oferecer, prometer e autorizar. Ainda, "receber" significa requerer, solicitar, dar anuência ao recebimento e aceitar. As presentes restrições gerais se apóiam sobre um conjunto especial de normas que se aplicam a: (1) presentes, hospitalidade e outras despesas promocionais, (2) situações onde servidores ou agentes públicos estejam envolvidos, (3) pagamentos para facilitação, (4) doações políticas, e (5) doações de caridade. Tais normas especiais estão resumidas neste documento. PRESENTES, HOSPITALIDADE E OUTRAS DESPESAS PROMOCIONAIS O oferecimento e recebimento de presentes, hospitalidade e outras despesas promocionais são comuns na prática empresarial e geralmente não configuram ilegalidade. Porém, tais práticas podem configurar suborno, ou aparentar suborno, quando elas são empregadas com a intenção de obter vantagem imprópria. Presentes e hospitalidade incluem: todos os presentes ou produtos, serviços, dinheiro ou equivalentes e todo e qualquer bem de valor refeições, bebidas, entretenimento, recreação (tais como ingressos ou convites para eventos esportivos ou culturais), viagens, acomodação e outras formas de hospitalidade outros gastos, tais como viagens ou despesas de acomodação que se relacionem com a promoção ou demonstração de produtos e serviços. Fica vedado, quer direta ou indiretamente por meio de terceiro: oferecer ou receber presentes ou hospitalidade que estejam: (1) na categoria listada de bens que são inaceitáveis (abaixo elencados), ou (2) em desacordo com certos Princípios para Presentes (também abaixo) pedir qualquer forma de presente ou hospitalidade de qualquer pessoa ou organização, ou evitar as restrições estabelecidas pela Política, pagando pessoalmente pelos presentes ou hospitalidade. Presentes, hospitalidade e outras despesas promocionais são SEMPRE INACEITÁVEIS quando: (1) oferecidos ou recebidos em razão de vantagem imprópria 4

6 (2) podem dar origem a conflito de interesses (ou seja, conflito entre interesses contrários que podem minar a capacidade de tomar decisões comerciais imparciais e objetivas) (3) são oferecidos ou recebidos com a intenção ou expectativa de reciprocidade (4) envolva participantes de processo licitatório ou competitivo de vendas no qual o Grupo esteja fazendo ou recebendo propostas (5) se sabido que eles são proibidos no âmbito da outra organização (6) consista em dinheiro ou equivalente (7) sejam inapropriados ou ofensivos (por exemplo, indecente ou de natureza sexual) (8) sejam ocultos (quer dizer, são oferecidos secretamente ao invés de abertamente) (9) sejam oferecidos em sua capacidade pessoal e não em nome do Grupo, ou (10) violem as leis e regulamentos aplicáveis. Princípios para Presentes - Presentes, Hospitalidade e outras Despesas Promocionais devem ser: (1) oferecidos de boa fé com a única intenção de criar ou manter relações comerciais legítimas ou de razoável cortesia (2) ou: (1) como lembrança e ou item de pequeno valor (tais como pequenos itens promocionais, agendas, calendários e similares que contenham a marca ou logotipo da empresa que o oferece, ou (2) sejam de valor modesto, não luxuoso ou extravagante (3) sejam razoáveis e apropriados em termos do tipo, valor, ocasião e frequência com que são oferecidos de acordo com as circunstâncias específicas, incluindo aí o contexto cultural local (4) sejam consistentes com as práticas comerciais normais, refletindo o contexto cultural local e (5) sejam permitidas pela lei e regulamentos aplicáveis, incluindo a lei local. Recusando presentes e hospitalidade Se um presente ou hospitalidade lhe for oferecido em contradição às regras estabelecidas por esta Política, ele deverá ser delicadamente recusado. Se, em circunstâncias excepcionais, não for possível recusá-lo (por exemplo, em situações onde a recusa causaria séria ofensa em razão da cultura do país em questão), o presente ou hospitalidade pode ser aceito, mas tal fato deverá ser comunicado o mais rapidamente possível para seu gerente imediato e registrado de acordo com os procedimentos de relatórios de seu Departamento. Seu gerente deverá consultar o Departamento Jurídico no tocante à maneira mais adequada de dispor do presente em questão (por exemplo, doando-o para caridade). Orientações e exemplos Na aplicação das regras acima descritas, os seguintes fatores podem ser relevantes e devem ser considerados: a intenção por trás do presente ou hospitalidade oferecidos a tempestividade- assim, cuidado especial deve ser tomado quando almejamos fechar um negócio ou estivermos prestes a assinar um contrato costumes locais - a prática de dar ou receber presentes e hospitalidade varia entre diferentes países e regiões. Aquilo que pode ser legal, normal e culturalmente aceitável em um local pode não sê-lo em outro. 5

7 Refeições, bebidas, comparecimento a eventos culturais e esportivos bem como presentes de pequeno valor são geralmente aceitáveis quando ocasionais. Em caso de dúvidas, procure imaginar se você ficaria embaraçado caso seu gerente, colegas ou outra pessoa de fora do Grupo viesse a saber do presente ou hospitalidade. Quando hospitalidade é oferecida ou desfrutada, digamos, na forma de refeições ou entretenimento (por exemplo, ingresso a evento cultural ou esportivo) o anfitrião deve estar presente. Isto é importante para ajudar a caracterizar o legítimo propósito comercial da hospitalidade. A seguir constam exemplos do que provavelmente seria aceitável, contato que as hipóteses não incorram, no caso prático, nas categorias de presentes inaceitáveis e que estejam em conformidade com os Princípios para Presentes: contribuir para as despesas legítimas de um cliente ou fornecedor (por exemplo, despesas de viagem) para que eles possam visitar uma de nossas instalações por motivos comercialmente legítimos levar um cliente ou fornecedor a um evento esportivo, como uma partida de futebol, ou a um evento cultural, como uma peça de teatro, como parte de um esforço de relações públicas destinado a criar ou manter uma relação comercial legítima com os mesmos sediar evento anual para clientes em hotel com o objetivo de criar ou manter relação comercial legítima com os mesmos dar presentes em festivais anuais e outras ocasiões especiais, tais como o Natal no Reino Unido e em outras partes do mundo dar presentes ou lembranças de pequeno valor, tal como pequenos itens promocionais, agendas, calendários e outros objetos que tragam a marca ou logotipo da Johnson Matthey. A Política oferece ainda outros exemplos. SERVIDORES E AGENTES PÚBLICOS Regras especiais se aplicam para Servidores e Agentes Públicos. Servidor ou Agente Público é alguém que ocupa posição ou função no Setor Público. Posições públicas incluem posições legislativas, administrativas, militares ou judiciais em toda a administração municipal, estadual e federal. O termo inclui também os agentes, funcionários ou representantes de toda empresa estatal ou controlada pelo Estado (como ocorre com petrolíferas controladas pelo Estado). A Política define "Servidor ou Agente Público" de maneira mais detalhada. Você não poderá oferecer dinheiro, presentes, hospitalidade ou qualquer outro bem de valor com o objetivo de influenciar Servidor ou Agente Público no desempenho de suas funções oficiais com o fim de obter ou manter um negócio ou vantagem comercial. Isto se aplica tanto se o presente ou hospitalidade é oferecido direta ou indiretamente, independentemente da localização do Servidor ou Agente Público e se o mesmo de fato vem a agir - ou não- de forma imprópria. 6

8 Você deverá agir de acordo com os procedimentos de pré-aprovação de seu Departamento antes que qualquer objeto ou valor seja oferecido, ou recebido, de um Servidor ou Agente Público. A préaprovação será negada caso o assunto em tela configure alguma das hipóteses que sejam inaceitáveis ou que não estejam de acordo com os Princípios para Presentes. A Política determina que pré-aprovação deve ser requerida juntamente a: (1) seu gerente imediato ou o Controlador Financeiro de sua Unidade de Negócios para valores até 250 (ou o equivalente em moeda local), ou (2) o Diretor Financeiro de sua Divisão ou o Diretor de Divisão se o valor é da ordem de 250 ou mais (ou o equivalente em moeda local). Estes limites referem-se aos valores de um ou mais presentes recebidos individualmente, o custo de hospitalidade ou outras despesas promocionais calculados per capita. Este procedimento sempre se aplicará, salvo novo procedimento de pré-aprovação seja adotado pela sua Divisão. Orientações e exemplos Os exemplos a seguir ilustram situações nas quais o oferecimento de algo a Servidor ou Agente Público será provavelmente considerado como aceitável (somente nos casos onde não houver intenção de influenciá-lo inapropriadamente e sempre após obtenção de pré-aprovação): hospitalidade razoável, proporcional e de boa fé e outras despesas de negócios que se destinem a criar ou manter relações legítimas acomodação e viagens comuns e razoáveis em suas características, por exemplo, para permitir que um Servidor ou Agente Público visite uma instalação para verificar os sistemas de segurança ou durante o processo de obtenção de licença ou alvará cortesia comercial de rotina, como oferecer transporte do aeroporto até o hotel para visita oficial A Política oferece ainda outros exemplos. PAGAMENTOS PARA FACILITAÇÃO Pagamentos para facilitação são pagamentos ou presentes de pequeno valor, geralmente em dinheiro, feitos de modo não oficial com o objetivo de garantir ou acelerar procedimento rotineiro que um Servidor ou Agente Público tem o dever legal de efetuar. Exemplos incluem ações relativas à obtenção de licenças ou alvarás, emissão de vistos, desembaraço de bens em alfândega, prestação de proteção policial, serviços de correio ou telefônicos ou acesso a energia elétrica e fornecimento de água. Pagamentos para facilitação também podem ser chamados de "facilitadores", "pagamento para acelerar" ou "propinas". Fique atento ao risco de que agentes ou fornecedores de serviços (tais como serviços de transportes) possam estar fazendo pagamentos para facilitação enquanto prestam serviços ao Grupo. Pagamentos para facilitação são subornos de acordo com a Política (independentemente da quantia ou dos padrões locais) e são, portanto, proibidos mesmo que eles sejam considerados prática comercial costumeira em determinados países. 7

9 Servidores ou Agentes Públicos que pedem pagamentos para facilitação podem colocar você e sua equipe em situação problemática. Se confrontado com uma situação na qual pagamento para facilitação seja exigido para evitar ameaça a sua saúde, segurança, liberdade ou à proteção de seus bens, você pode fazer o pagamento. Se assim o fizer, você deverá comunicar o fato de acordo com os procedimentos de relatórios de sua Divisão. TERCEIROS Há risco de suborno quando terceiros contratados para representar ou prestar serviços ao Grupo agem de maneira imprópria no curso de suas atividades. Neste contexto, terceiros relevantes a Política incluem (mas não se limitam a) agentes, distribuidores e transportadores. Você deverá avaliar e lidar com os riscos de corrupção e suborno apresentados pelos terceiros supramencionados. Os riscos variam em razão de fatores como a natureza do relacionamento existente (por exemplo, agentes), o país de operação e o tipo de negócio desenvolvido. Cuidados de due diligence devem ser tomados com respeito a terceiros e eles deverão ser documentados de acordo com os procedimentos vigentes em sua Divisão. Certas situações e fatores podem indicar existência de possível corrupção e suborno. Estes fatores são chamados Sinalizadores. Alguns destes sinais estão descritos no Anexo A da Política. Exemplos deles incluem: um terceiro que se recusa a fornecer informações em resposta a suas questões de due diligence dinheiro é entregue por um terceiro a um Servidor ou Agente Público terceiro requer que pagamentos sejam feitos em dinheiro vivo. Ao encontrar situações Sinalizadoras, você deverá comunicá-las a seu gerente imediato ou consultar o Departamento Jurídico o mais rápido possível. Situações Sinalizadoras devem ser resolvidas antes de iniciar ou continuar um relacionamento comercial. Resolver uma situação Sinalizadora pode exigir a tomada de medidas específicas de due diligence ( por exemplo, por meio de uma investigação de antecedentes) com a assessoria do Departamento Jurídico antes de dar continuidade aos negócios, recebendo parecer jurídico adicional ou oferecendo treinamento anticorrupção e antissuborno a parte envolvida. Todas as taxas, despesas e comissões a serem pagas a terceiros contratados para representar ou prestar serviços ao Grupo devem ser apropriadas, justificáveis e proporcionais. Elas devem ser comercialmente razoáveis para as circunstâncias e para os serviços legitimamente prestados. Elas deverão ser pagas a terceiros diretamente e nunca por meio de parte que não possua vínculo contratual com o Grupo. CONTRIBUIÇÕES POLÍTICAS 8

10 Contribuições políticas ou doações (a partidos políticos, organizações e candidatos) e outras despesas políticas podem configurar suborno se feitas com a intenção de influenciar os negócios ou influenciar decisões oficiais, ganhando vantagem comercial ou de outra natureza. A Política proíbe que contribuições políticas ou doações sejam feitas bem como que gastos políticos sejam autorizados em nome do Grupo ou usando os recursos financeiros do mesmo. DOAÇÕES DE CARIDADE Doações de caridade podem configurar suborno se feitas com más intenções. Toda doação de caridade feita em nome do Grupo ou usando os recursos financeiros deste devem ser totalmente legais no âmbito do direito local aplicável e não devem ter a intenção de influenciar decisões comerciais ou governamentais, ou mesmo garantir vantagem comercial ou de outra natureza. PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTAIS E MANUTENÇÃO DE REGISTROS Corrupção e suborno frequentemente envolvem má manutenção de registros. Devemos garantir que nós tenhamos registros, livros e relatórios financeiros apropriados e precisos em todo o âmbito do Grupo. Registros falsos, incorretos ou imprecisos podem causar sérios danos ao Grupo. A Política exige que cada Departamento estabeleça e mantenha registros e procedimentos para determinados assuntos: presentes, hospitalidade e outras despesas promocionais pré-aprovação de presentes, hospitalidade e outras despesas promocionais referentes a Servidores e Agentes Públicos pagamentos para facilitação resultados dos procedimentos de due diligence, e informações sobre relacionamentos comerciais com terceiros de alto risco Você deve obedecer aos procedimentos de seu Departamento com respeito a cada um destes tópicos. ADAPTAÇÃO REGIONA A Política será adaptada ou complementada para garantir sua efetiva aplicação em todas as partes do mundo onde o Grupo atue. Adaptações regionais podem ser mais rigorosas do que a Política. Orientações serão dadas pelo Departamento Jurídico. COMUNICAÇÃO E TREINAMENTO É importante que a Política e os relevantes procedimentos anticorrupção e antissuborno estejam integrados e sejam compreendidos por todos no Grupo e papel importante cabe a iniciativas internas e externas de comunicação e treinamento. Todos os funcionários receberão ou terão acesso a Política e aos relevantes procedimentos anticorrupção e antissuborno. Para todos os novos funcionários, treinamento adequado fará parte do processo de acolhimento oferecido àqueles que 9

11 venham trabalhar conosco. Treinamento adequado e frequente sobre a Política será oferecido a todos os funcionários. Como parte do treinamento, será exigido que os funcionários confirmem o recebimento da Política bem como a observância às regras por ela estabelecidas. VIOLAÇÃO DA POLÍTICA Exige-se que você obedeça todas as regras da Política. A Política poderá ser ocasionalmente revista e ela é parte integrante do contrato de trabalho de cada funcionário. A violação das regras pode resultar em ação disciplinar que pode culminar em demissão por justa causa ou ocasionar outro tipo de rescisão do contrato de trabalho. A Johnson Matthey se reserva o direito de rescindir relações contratuais de acordo com os termos do relevante contrato firmado com terceiros que trabalhem ou cooperem conosco na eventualidade de violação da Política ou de qualquer outra norma anticorrupçao e antissuborno. COMO MANIFESTAR SUAS DÚVIDAS OU SUSPEITAS Em caso de dúvidas sobre a Política ou sobre sua aplicação, procure o Departamento Jurídico para maiores orientações. Ao tomar conhecimento ou suspeitar a ocorrência de algum fato que viole a Política, comunique sua apreensão o mais rápido possível. Você pode fazê-lo confidencialmente com base na Política de Denúncias da Johnson Matthey ou por meio de nossa Linha Ética da Johnson Matthey (vide endereços de internet abaixo). Não permitiremos retaliações a ninguém que tenha se recusado a cometer ou tomar parte em atos de corrupção e suborno ou que tenham manifestado preocupação de boa fé relativa a um possível ato impróprio. Se você crê ter sofrido retaliação, informe seu gerente imediato, o Departamento Jurídico, Departamento de Recursos Humanos ou o gerente sênior imediatamente. Linha Ética da Johnson Matthey - endereço na web: https://secure.ethicspoint.com/domain/en/report_custom.asp?clientid=17417 Linha Ética da Johnson Matthey - telefone: https://secure.ethicspoint.com/domain/media/en/gui/17417/phone_en.pdf Política de Denúncias da Johnson Matthey: https://secure.ethicspoint.com/domain/media/en/gui/17417/g14whistleblowing.pdf Contatos do Departamento Jurídico - Entre em contato com o colega do Departamento Jurídico mais próximo de você ou, alternativamente: Diretor do Departamento Jurídico Simon Farrant Tel:

12 Chefe do Departamento Jurídico, PT, CCR, PMC David Aspinall Tel: Chefe do Departamento Jurídico, ECT, Centre, NBD Anne-Marie Garner Tel: Presidente Corporativo, Secretário e Conselheiro Geral, Johnson Matthey Inc. Chefe da Divisão Jurídica, Fine Chemicals Robert M. Talley Tel: 001 (610)

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO EVEN 1 Introdução A EVEN conduz seus negócios de acordo com os altos padrões éticos e morais estabelecidos em seu Código de Conduta, não tolerando qualquer forma de corrupção e suborno.

Leia mais

ICTSI CÓDIGO DE CONDUTA NOS NEGÓCIOS

ICTSI CÓDIGO DE CONDUTA NOS NEGÓCIOS ICTSI CÓDIGO DE CONDUTA NOS NEGÓCIOS MENSAGEM DO PRESIDENTE A ICTSI tem crescido de forma sólida ao longo dos anos, tornando-se uma empresa líder na gestão de portos, com um alcance global que se estende

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC.

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA ALCOA INC. a JUSTIFICATIVA: A Alcoa Inc. ( Alcoa ) e sua administração têm o compromisso de conduzir todas as suas operações em todo o mundo com ética e em conformidade com todas

Leia mais

Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função

Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função Título Política relativa a subornos, presentes e hospitalidade Data efetiva 2 de Março de 2011 Função Departamento Jurídico da Holding Documento BGHP_version1_03032011 1. Finalidade A finalidade desta

Leia mais

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO

RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO RGIS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO I. DECLARAÇÃO DA POLÍTICA A política da RGIS ( Companhia ) é conduzir as operações mundiais de forma ética e conforme as leis aplicáveis, não só nos EUA como em outros países.

Leia mais

POLÍTICA DE CONFORMIDADE ANTICORRUPÇÃO

POLÍTICA DE CONFORMIDADE ANTICORRUPÇÃO POLÍTICA DE CONFORMIDADE ANTICORRUPÇÃO Introdução A integridade é um dos valores mais importantes da American Sugar Holdings, Inc.. Esta política de conformidade anticorrupção descreve as normas de comportamento

Leia mais

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9

POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO. Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 POLÍTICA ANTI-CORRUPÇÃO Política Anti-corrupção Versão 02 1/9 RESUMO Resumo dos princípios fundamentais A Securitas acredita num mercado livre para a prestação dos seus serviços, e num ambiente competitivo

Leia mais

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1

Código de Conduta. Código de Conduta Schindler 1 Código de Conduta Código de Conduta Schindler 1 2 Código de Conduta Schindler Código de Conduta da Schindler Os colaboradores do Grupo Schindler no mundo inteiro devem manter o mais alto padrão de conduta

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER I. PROPÓSITO POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA CORPORAÇÃO DANAHER A corrupção é proibida pelas leis de quase todas as jurisdições do mundo. A Danaher Corporation ( Danaher ) está comprometida em obedecer as leis

Leia mais

MOTA-ENGIL AFRICA N.V. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO E SUBORNO

MOTA-ENGIL AFRICA N.V. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO E SUBORNO 2014 MOTA-ENGIL AFRICA N.V. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO E SUBORNO INTRODUÇÃO A Mota-Engil Africa N.V. ( Mota-Engil Africa ou a Empresa e juntamente com as suas subsidiárias, o Grupo ") compromete-se a conduzir

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Esta política é baseada na legislação vigente e nos valores da Global conforme definições apresentadas no Código de Ética e Conduta.

Esta política é baseada na legislação vigente e nos valores da Global conforme definições apresentadas no Código de Ética e Conduta. POLITICAS CORPORATIVAS Assunto: Programa Anticorrupção / Antissuborno Objetivo Visa descrever e explicar as proibições contra suborno e corrupção em todas as operações da Companhia, destacar os requisitos

Leia mais

Política Anti-Suborno:

Política Anti-Suborno: Política Anti-Suborno: Política Global Novartis 1º de março de 2012 Versão GIC 100.V1.PT 1. Introdução 1.1 Objetivos Nosso Código de Conduta afirma que não subornamos ninguém. Esta Política define os respectivos

Leia mais

Manual Anticorrupção

Manual Anticorrupção Manual Anticorrupção pág. 2 Estrutura do Manual Anticorrupção 1. Introdução pág. 04 2. Definições pág. 06 3. Regras e Procedimentos pág. 08 4. Violações e Sanções Aplicáveis pág. 16 pág. 3 1. Introdução

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS 1. Introdução A presente Política, aplicável à WEG S/A e todas as suas controladas, representa uma síntese das diretrizes existentes na

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO COM PARCEIRO DE NEGÓCIOS

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO COM PARCEIRO DE NEGÓCIOS POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO COM PARCEIRO DE NEGÓCIOS Um dos valores que mais importam ao ASR Group é a integridade. Em adjunto enviamos a Política Anticorrupção do ASR Group, que inclui tanto corrupção quanto

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA DUN & BRADSTREET

POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA DUN & BRADSTREET POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA DUN & BRADSTREET JUNHO DE 2015 OBJETIVO DA POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO A Dun & Bradstreet está comprometida com os mais elevados padrões éticos. Acreditamos em conduzir os negócios

Leia mais

Política Antissuborno e Anticorrupção

Política Antissuborno e Anticorrupção Política Antissuborno e Anticorrupção Agosto 2015 1 de 8 Sumário 1. Objetivo... 1 2. Âmbito de Aplicação... 1 3. Considerações Gerais... 1 4. Suborno e Pagamento de Propina... 1 5. Brindes, Presentes,

Leia mais

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL

POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO DA UL Setor jurídico N. do documento: 00-LE-P0030 Edição: 5.0 Data da publicação: 09/04/2010 Data da revisão: 16/09/2013 Data de entrada em vigor: 16/09/2013 Página 1 de 8 POLÍTICA ANTISSUBORNO E ANTICORRUPÇÃO

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft

Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft 1 Versão em português Bem-vindo Bem-vindo Bem-vindo ao Treinamento Anticorrupção para Parceiros da Microsoft. Este curso foi desenvolvido para ajudar

Leia mais

DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO

DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DIRETRIZ GLOBAL ANTICORRUPÇÃO I. Declaração da Diretriz. É a diretriz da Global Crossing Limited ( Global Crossing ou a Empresa ) conduzir todos os seus negócios de uma maneira honesta e ética. Ao fazer

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os

Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os Esta é a tradução de um texto em inglês, cuja finalidade é apenas facilitar a sua compreensão. O texto do original em inglês regerá, em todos os aspectos, os seus direitos e as suas obrigações. O original

Leia mais

Política de integridade Empresarial

Política de integridade Empresarial Política de integridade Empresarial Introdução Integridade e responsabilidade são valores fundamentais para a Anglo American. Ganhar a confiança e mantê-la é fundamental para o sucesso de nossos negócios.

Leia mais

Política Antissuborno e anticorrupção

Política Antissuborno e anticorrupção Política Antissuborno e anticorrupção Data de entrada em vigor: 1 de janeiro de 2016 Para uso interno e externo. Índice Introdução... 2 Qual é a finalidade da Política ABC da Pearson?... 2 A quem se aplica

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO

CÓDIGO DE ÉTICA G UPO CÓDIGO DE ÉTICA G UPO 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 2 1. APLICABILIDADE... 3 ESCLARECIMENTOS... 3 O COMITÊ DE ÉTICA... 3 ATRIBUIÇÕES DO COMITÊ... 3,4 2. ASSUNTOS INTERNOS... 4 OUVIDORIA... 4 PRECONCEITO...

Leia mais

Política Global Anticorrupção

Política Global Anticorrupção POLÍTICA A Política Global Anticorrupção da Savis (a Política ) obriga a Savis Tecnologia e Sistemas S.A. e suas subsidiárias e afiliadas (coletivamente, Savis ou a Empresa ), em todas as operações ao

Leia mais

Política Anticorrupção

Política Anticorrupção Soluções que impulsionam e valorizam sua empresa. Política Anticorrupção Ano fiscal 2016 Política Anticorrupção Objetivo Definir procedimentos para assegurar que todos os colaboradores, funcionários, sócios

Leia mais

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros

Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros Conduta nos Negócios Política de Transparência nas Relações com Terceiros* Objetivo Estabelecer as diretrizes básicas de conduta

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA EMBRAER

POLÍTICA GLOBAL ANTICORRUPÇÃO DA EMBRAER 1. POLÍTICA A Política Anticorrupção Global da Embraer (a Política ) obriga a Embraer S.A. e suas subsidiárias e afiliadas (coletivamente, Embraer ou a Empresa ), em todas as operações ao redor do mundo,

Leia mais

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6

1 Introdução... 2. 2 Definições... 3. 3 Compromisso e adesão... 5. 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 Manual Anticorrupção Versão 1 Abr/2015 SUMÁRIO 1 Introdução... 2 2 Definições... 3 3 Compromisso e adesão... 5 4 Indícios que podem caracterizar corrupção... 6 5 Violações e Sanções Aplicáveis... 6 6 Ações

Leia mais

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO)

Código de Conduta. Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global. Stephan Baars Diretor Financeiro (CFO) Código de Conduta Data [12-01-2014] Responsável pela política: Departamento de Auditoria Interna Global John Snyder Presidente e Diretor Executivo (CEO) Mike Janssen Diretor de Operações (COO) Stephan

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação

NORMAS DE CONDUTA. Apresentação NORMAS DE CONDUTA Apresentação Adequando-se às melhores práticas de Governança Corporativa, a TITO está definindo e formalizando as suas normas de conduta ( Normas ). Estas estabelecem as relações, comportamentos

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

As melhores empresas e os seus funcionários sabem comportar-se

As melhores empresas e os seus funcionários sabem comportar-se Código de conduta As melhores empresas e os seus funcionários sabem comportar-se A nossa visão consiste em ser a melhor empresa de embalagens global para o consumidor. Neste sentido, é importante que actuemos,

Leia mais

HILLENBRAND, INC. E SUBSIDIÁRIAS. Anticorrupção Global Declaração de Política e Manual de Conformidade

HILLENBRAND, INC. E SUBSIDIÁRIAS. Anticorrupção Global Declaração de Política e Manual de Conformidade HILLENBRAND, INC. E SUBSIDIÁRIAS Anticorrupção Global Declaração de Política e Manual de Conformidade A Hillenbrand, Inc., incluindo todas suas subsidiárias (referidas em conjunto como a Empresa ), mantém

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A.

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. 1 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. Este código de ética e conduta foi aprovado pelo Conselho de Administração da INTERNATIONAL MEAL COMPANY ALIMENTAÇÃO S.A. ( Companhia

Leia mais

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL

DEPUY SYNTHES CÓDIGO DE CONDUTA GLOBAL Uma Paixão pela Integridade Integridade em Acção - Conformidade nos Cuidados de Saúde A Conformidade nos Cuidados de Saúde é uma Responsabilidade de Todos A DePuy Synthes é reconhecida mundialmente pelas

Leia mais

Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos

Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos Princípios Gerais de Negócios da ARCADIS Logos Conteúdo 1 Página Capítulo 2 1. Introdução 3 2. Nossos Compromissos 3! Compromissos com a sociedade 3! Compromissos para com os clientes 4! Compromissos para

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS

NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS Página 1 de 9 UL NORMAS DE CONDUTA PARA FORNECEDORES GLOBAIS Página 2 de 9 ÍNDICE 1.0 OBJETIVO... 4 2.0 ESCOPO... 4 3.0 DEFINIÇÕES... 4 4.0 PRÁTICAS DE CONTRATAÇÃO... 5 4.1 TRABALHO FORÇADO... 5 4.2 TRABALHO

Leia mais

Introdução. Política Anticorrupção

Introdução. Política Anticorrupção Index Introdução 2 1. Pessoas cobertas pela política 4 2. Definição 5 3. Visão Geral das Leis Anticorrupção Aplicáveis 8 4. Exigências e Proibições Gerais 14 5. Diretrizes para a Interação com Oficiais

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor

Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor Desde a sua criação, o Grupo Tata simbolizou o espírito verdadeiro de Ética Empresarial em suas interações com todas as suas partes interessadas

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

Manual Anticorrupção GDC Alimentos S.A.

Manual Anticorrupção GDC Alimentos S.A. Manual Anticorrupção GDC ALIMENTOS S.A. SUMÁRIO MENSAGEM DO PRESIDENTE... 5 1. INTRODUÇÃO... 6 2. APLICAÇÃO... 6 3. DEFINIÇÕES... 6 4. O QUE ESTABELECE A LEI 12.846/13?... 8 4.1 Atos lesivos segundo a

Leia mais

Código de Conduta de Negócios & Ética. Efetivo a partir de 1º de abril de 2014

Código de Conduta de Negócios & Ética. Efetivo a partir de 1º de abril de 2014 Código de Conduta de Negócios & Ética Efetivo a partir de 1º de abril de 2014 Mensagem do Presidente & CEO A integridade pessoal, os valores compartilhados e a conduta ética dos negócios por todos os funcionários

Leia mais

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015

Norma Permanente Assunto: Política de Combate à Corrupção Código da Norma: NAD-41 Data da publicação: 01/09/2015 Página 1 de 7 Resumo: Estabelecer os princípios de combate à corrupção no relacionamento da Organização com os agentes da Administração Pública, seguindo as diretrizes estabelecidas na Lei nº 12.846/13

Leia mais

Política Anticorrupção

Política Anticorrupção Política Anticorrupção pág. 1 Política Anticorrupção Índice 1. Introdução pág. 03 2. Abrangência pág. 07 3. Definições pág. 09 4. Informações Preliminares pág. 13 5. pág. 17 6. Sinais de Alerta pág. 29

Leia mais

CONDUTA nos Negócios e Ética

CONDUTA nos Negócios e Ética Código de CONDUTA nos Negócios e Ética de 2014 Indice INTRODUÇÃO... 03 MISSÃO - VISÃO - PROPÓSITO... 04 1. VALORES E PRINCIPIOS ORIENTADORES... 04 2. COMPROMETENDO-SE COM O CÓDIGO... 05 3. CUMPRIMENTO

Leia mais

Introdução. estabelecer uma política clara anticorrupção para todo o Colaborador, terceiros e parceiros de negócios;

Introdução. estabelecer uma política clara anticorrupção para todo o Colaborador, terceiros e parceiros de negócios; Index Introdução 2 1. Pessoas cobertas pela política 4 2. Definição 5 3. Visão Geral das Leis Anticorrupção Aplicáveis 8 4. Exigências e Proibições Gerais 14 5. Diretrizes para a Interação com Oficiais

Leia mais

WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS

WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS 1. Code of Ethics WILLIAM E. CONNOR & ASSOCIATES LIMITED CÓDIGO DE ÉTICA PARA FUNCIONÁRIOS Honestidade, integridade e transparência são valores fundamentais da William E. Connor & Associates Limited (a

Leia mais

Política Antissuborno

Política Antissuborno Política Antissuborno 1 Introdução 1.1 Finalidade A finalidade desta política é assegurar que a Ebiquity e os seus colaboradores cumpram a legislação antissuborno e as melhores práticas de combate à corrupção

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA

CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA CÓDIGO DE CONDUTA DA SARAIVA 2010 Pág.: 2 de 9 A maioria das empresas exige dos seus fornecedores um excelente produto/serviço, a preço competitivo. Além disso, para nós da Saraiva, é muito importante

Leia mais

Flint Group Política Anti-suborno e Anticorrupção

Flint Group Política Anti-suborno e Anticorrupção Flint Group Política Anti-suborno e Anticorrupção I Introdução Um dos princípios orientadores do Flint Group é a integridade. É importante que todos os funcionários e empresas ligadas ao Flint Group entendam

Leia mais

NORMATIVOS INTERNOS DO GRUPO - NIG

NORMATIVOS INTERNOS DO GRUPO - NIG 1. OBJETIVO A presente política tem como principal objetivo assegurar que os Colaboradores do Rendimento (GRUPOBRSA) observem os requisitos da Lei nº 12.846, de 1º de agosto de 2013 conhecida como Lei

Leia mais

Diretrizes para a prevenção de conflitos de interesses e corrupção

Diretrizes para a prevenção de conflitos de interesses e corrupção 1. Princípios e validade Integridade e transparência são as chaves para atividades comerciais bem sucedidas e sustentáveis. Nossa imagem e reputação pública se baseiam em objetividade e honestidade. Imparcialidade

Leia mais

Programa de Conformidade Anticorrupção

Programa de Conformidade Anticorrupção Programa de "Integridade Premium" Programa de Conformidade Anticorrupção Data de publicação: Outubro de 2013 Índice 1 Abordagem da Pirelli de combate à corrupção... 4 2 O contexto regulatório... 6 3 Programa

Leia mais

Procedimento para Recebimento e Oferta de Presentes e Entretenimento

Procedimento para Recebimento e Oferta de Presentes e Entretenimento Procedimento para Recebimento e Oferta de Presentes e Entretenimento 1 A troca de presentes e entretenimento pode fortalecer relações comerciais, mas alguns presentes e entretenimento podem criar influências

Leia mais

O CÓDIGO KAEFER DE CONDUTA EMPRESARIAL. KAE010GI00 Code of Conduct 2013-01-01 PT Rev: 3

O CÓDIGO KAEFER DE CONDUTA EMPRESARIAL. KAE010GI00 Code of Conduct 2013-01-01 PT Rev: 3 O CÓDIGO KAEFER DE CONDUTA EMPRESARIAL KAE010GI00 Code of Conduct 2013-01-01 PT Rev: 3 MENSAGEM DO PRESIDENTE Um grupo um código Da mão de obra qualificada no canteiro de obras à gestão do projeto, e em

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

Política Mundial Anticorrupção

Política Mundial Anticorrupção Política Mundial Anticorrupção I. OBJETIVO A legislação da maioria dos países considera crime o pagamento, oferta de pagamento, ou mesmo o recebimento de suborno, propina, ou outro pagamento corrupto,

Leia mais

Manual Anticorrupção & FCPA

Manual Anticorrupção & FCPA Manual Anticorrupção & FCPA pág. 1 Manual Anticorrupção & FCPA Índice 01. Introdução pág. 03 02. Abrangência pág. 07 03. Definições pág. 09 04. FCPA Informações Preliminares pág. 13 pág. 17 06. Sinais

Leia mais

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta

POL 004 Rev. A POP, Código de Conduta Página 1 de 7 A LDR é uma empresa de equipamentos médicos comprometida com o desenvolvimento, marketing, distribuição e venda de implantes vertebrais para implantação em seres humanos no tratamento de

Leia mais

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores

Política de Combate a Suborno e Corrupção. Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores Revisão Data Itens Alterados Elaboradores Aprovadores 00 12/02/2015 Original Natalia Simões Araujo (Coordenadora Funções Corporativas e Compliance) Antonio Ferreira Martins (Vice- Presidente Jurídico e

Leia mais

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens.

Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios. www.siemens. Informações para Parceiros de Negócios Cumprimento das leis, regulamentos e convenções. Transparência nos negócios www.siemens.com/compliance "A cultura de uma empresa e seus valores fazem a diferença.

Leia mais

POLÍTICA DE DENÚNCIAS

POLÍTICA DE DENÚNCIAS (constituída nas Bermudas com responsabilidade limitada) (Código de negociação em bolsa: 1768) (a Sociedade ) POLÍTICA DE DENÚNCIAS 1. Objetivo Esta Política estabelece os meios que: a) os funcionários

Leia mais

Código de Conduta nos Negócios e Ética A MANEIRA WOODBRIDGE honestidade responsabilidade integridade respeito

Código de Conduta nos Negócios e Ética A MANEIRA WOODBRIDGE  honestidade responsabilidade integridade respeito Código de Conduta nos Negócios e Ética A MANEIRA WOODBRIDGE honestidade responsabilidade integridade respeito reeditado 12 junho de 2015 Page 1 of 7 Código de Conduta nos Negócios e Ética A MANEIRA WOODBRIDGE

Leia mais

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda.

Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Código de Conduta Ética da Hix Investimentos Ltda. Objetivo O presente Código de Conduta Ética tem por objetivo estabelecer os aspectos e postura exigidos de administradores, colaboradores e funcionários

Leia mais

FUCHS PETROLUB GROUP POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO LUBRICANTS TECHNOLOGY. PEOPLE.

FUCHS PETROLUB GROUP POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO LUBRICANTS TECHNOLOGY. PEOPLE. FUCHS PETROLUB GROUP POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO LUBRICANTS TECHNOLOGY. PEOPLE. SUMÁRIO Prefácio 4 1. Objetivos e abrangência desta política 5 2. O que é corrupção? 6 3. Consequências para os colaboradores

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DE CONDUTA - Illinois Tool Works Inc.

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DE CONDUTA - Illinois Tool Works Inc. DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DE CONDUTA - Illinois Tool Works Inc. Estes princípios de conduta aplicam-se a todos os funcionários, diretores, empresas e subsidiárias da ITW ao redor do mundo. Espera-se que

Leia mais

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1

REGAL-BELOIT CORPORATION PROGRAMA Corporativo Anticorrupção Política de Contratação de Terceiros Anexo 1 Instruções: O REPRESENTANTE DEVIDAMENTE AUTORIZADO DO TERCEIRO DEVE RESPONDER ÀS QUESTÕES DA VERIFICAÇÃO MINUCIOSA E PREENCHER O TERMO DE CERTIFICAÇÃO E ENVIAR TODAS AS INFORMAÇÕES PARA O FUNCIONÁRIO REGAL

Leia mais

.1 Comportamentos esperados

.1 Comportamentos esperados Normas de Conduta Normas de Conduta Este documento contém normas de conduta que devem ser respeitadas pelos diretores, auditores, líderes e todos os empregados do Grupo Pirelli, e também por todos que

Leia mais

MANUAL DE ÉTICA E COMPLIANCE

MANUAL DE ÉTICA E COMPLIANCE MANUAL DE ÉTICA E COMPLIANCE Rev. 01 - Set.14 1. INTRODUÇÃO A NÚCLEO ENGENHARIA CONSULTIVA S.A. e seus colaboradores, estão incondicionalmente comprometidos com a condução de seus negócios de acordo com

Leia mais

Corporate Practice. Política Global Anticorrupção

Corporate Practice. Política Global Anticorrupção Corporate Practice Política Global Anticorrupção Sumário Prefácio do Diretor Executivo 1 Objetivo da Glencore: uma Cultura de Compliance 2 1. Introdução 3 2. O que é suborno? 4 3. Aplicação da lei de suborno

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA INNOSPEC INC.

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA INNOSPEC INC. POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO DA INNOSPEC INC. I. RESUMO Como respaldo aos valores centrais da Innospec, o Código de Ética da Innospec define a expectativa de que diretores, executivos, empregados e contratados

Leia mais

Lei 12.846 Anticorrupção CMI- SINDUSCON RJ - 09/09/14

Lei 12.846 Anticorrupção CMI- SINDUSCON RJ - 09/09/14 Lei 12.846 Anticorrupção CMI- SINDUSCON RJ - 09/09/14 Aprovada em agosto de 2013 Lei de âmbito Federal, entrou em Vigor em janeiro de 2014, prevendo punições para as empresas que cometerem atos de Corrupção

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

XEROX GLOBAL ETHICS HELPLINE

XEROX GLOBAL ETHICS HELPLINE ALCANCE: Xerox Corporation e suas subsidiárias. OBJETIVO: Este documento descreve a conduta ética que deve ser adotada durante as negociações pelos empregagos da Xerox Corporation. Todos os empregados

Leia mais

Cenário Mundial - Corrupção

Cenário Mundial - Corrupção Cenário Mundial - Corrupção Pesquisa aponta 10 práticas de corrupção comuns no dia a dia do brasileiro 1. Não dar nota fiscal 2. Não declarar Imposto de Renda 3. Tentar subornar o guarda 4. Falsificar

Leia mais

Ecology and Environment, Inc. e Subsidiárias

Ecology and Environment, Inc. e Subsidiárias Ecology and Environment, Inc. e Subsidiárias Código de Conduta de Negócios e Ética ECOLOGY BRASIL 1. Princípios Gerais O propósito deste Código é descrever os nossos padrões de ética de conduta de negócios.

Leia mais

Experian plc. Código de Conduta Global. Versão 1.2. Fazendo negócios com integridade

Experian plc. Código de Conduta Global. Versão 1.2. Fazendo negócios com integridade Experian plc Código de Conduta Global Versão 1.2 Fazendo negócios com integridade Adotado em 13 de maio de 2010 Corrigido em 15 de maio de 2011 Código de Conduta Global v 1.2 15 de Maio 2011 Experian Restrito

Leia mais

Nosso. código de. ética

Nosso. código de. ética Nosso código de ética Nossos Valores Uma estrutura para nossos negócios Compartilhamos três valores essenciais - Espírito de Equipe, Confiança e Ação. Esses valores são a força motriz dos funcionários

Leia mais

Apresentação... Introdução... 2. Observância às leis e regulamentos... 4. Política Anticorrupção... 4. Relacionamentos com clientes...

Apresentação... Introdução... 2. Observância às leis e regulamentos... 4. Política Anticorrupção... 4. Relacionamentos com clientes... SUMÁRIO Apresentação... Introdução... 2 Observância às leis e regulamentos... 4 Política Anticorrupção... 4 Relacionamentos com clientes... 6 Ambiente de Trabalho... 7 E-mail e Internet... 8 Saúde e Segurança

Leia mais

Ética na Novozymes: Política de Linha-direta para denúncias. Como informar?

Ética na Novozymes: Política de Linha-direta para denúncias. Como informar? Ética na Novozymes: Política de Linha-direta para denúncias A Política de Linha-direta para denúncias foi criada para fundamentar e apoiar o compromisso da Novozymes em garantir um comportamento empresarial

Leia mais

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza)

Código de Conduta Empresarial da Nestlé. 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Código de Conduta Empresarial da Nestlé 2008, Nestec Ltd. Conceito e Design: Nestec Ltd., Identidade Corporativa e Design, Vevey (Suiza) Introdução Desde a sua fundação, as práticas comerciais da Nestlé

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta 2015 CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA DA ALIANSCE I. Abrangência A Aliansce, todas as sociedades, direta ou indiretamente por ela controladas ou sob mesmo controle, e os Shopping Centers

Leia mais

GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO

GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO GUIA DE RECEBIMENTO E OFERECIMENTO DE PRESENTES, BRINDES, HOSPITALIDADE E CONTRAPARTIDAS DE PATROCÍNIO (Síntese adaptada do normativo interno PG-0V1-00034-0 Guia de Recebimento e Oferecimento de Presentes,

Leia mais

Ética & Princípios de Conduta Empresarial

Ética & Princípios de Conduta Empresarial Nossa Cadeia de Fornecedores Ética & Princípios de Conduta Empresarial ao exercer atividades de negócios com a CH2M HILL Outubro 2011 Princípios baseados no livro The Little Yellow Book, escrito em 1978

Leia mais

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda.

Código de Ética. SPL Consultoria e Informática Ltda. Código de Ética SPL Consultoria e Informática Ltda. Introdução Segundo o dicionário Aurélio ética é o estudo dos juízos de apreciação que se referem à conduta humana suscetível de qualificação do ponto

Leia mais

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO

POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO POLÍTICA ANTICORRUPÇÃO ÍNDICE 1 - Política Anticorrupção da Lombardi & Advogados Associados 2 - Código de Conduta da Lombardi & Advogados Associados 3 - Cenário Jurídico 4 - O que é corrupção 5 - Quem

Leia mais

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta

IINSTRUÇÃO DO SISTEMA. Código de conduta 1 de 7 Revisão Data Assunto / revisão / modificação 00 16/04/15 Emissão Inicial. Nome Cargo Data Assinatura Consultor / Gerente EMITENTE Maciel Amaro Técnico / RD Valéria Ap. R. Amaro Diretora administrativa

Leia mais