Joint Venture Considerações gerais 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Joint Venture Considerações gerais 1"

Transcrição

1 Joint Venture Considerações gerais 1 Características Aliança estratégica entre duas ou mais empresas 2, de diferentes naturezas (públicas ou privadas), nacionalidades e finalidades, para realizar um projeto ou desenvolver uma atividade comum; As empresas mantêm a autonomia jurídica e econômica, porém o projeto ou as atividades relacionados com a Joint Venture passam a ser realizadas de forma coordenada; Objetivo determinado; Duração limitada ou ilimitada; Compartilhamento de riscos, lucros e prejuízos 3 ; Direito à gestão conjunta das participantes, chamados de co-ventures; Podem ser nacionais (todas as empresas com sede no Brasil) ou internacionais/transnacionais. Objetivos Associação de capital: interesse na obtenção de um volume de capital financeiro maior; Associação técnica: possui recursos financeiros apropriados, mas não detém a técnica adequada para empreendimento; Associação de capital e técnica: a busca é tanto pelo capital quanto pela técnica. Forma Jurídica Corporate Joint Venture (societária): Constituição de uma pessoa jurídica diversa das contratantes; Submete-se aos modelos jurídicos de sociedade previstos no ordenamento jurídico do país em que em que se constitui 4 ; As partes não perdem sua individualidade e podem desenvolver normalmente as suas atividades desde que não concorrentes com o projeto ou a atividade comum definida na Joint Venture. Non-Corporate Joint Venture (contratual): Não constitui nova pessoa jurídica; 1 Este documento traz uma abordagem geral sobre Joint Venture, não aprofundando na legislação específica de um país, nem nos regulamentos específicos de um setor. Tais normativos deverão ser analisados apropriadamente por um advogado de confiança das partes. 2 Não é usual, mas nada impede que pessoa física participe de tal tipo de empreendimento. 3 Os participantes podem determinar obrigações pelas quais só respondem as Joint Ventures. 4 No Brasil, os tipos societários mais utilizados para a constituição de uma Joint Venture são a sociedade anônima (S.A.) e a sociedade de responsabilidade limitada (Ltda.). Também existe a figura da Sociedade de Propósito Específico (SPE), mencionada no art. 981, do Código Civil Brasileiro de 2002, que pode ser considerada como uma forma de Corporate Joint Venture.

2 Podem ser contratos de colaboração, de fornecimento, de transferência de tecnologia, de assistência técnica, consórcio 5, entre outros; As partes não perdem sua individualidade e podem desenvolver normalmente as suas atividades desde que não concorrentes com o projeto ou a atividade comum definida na Joint Venture. Forma econômica Equity Joint Venture - Investimento direto de capitais. Non Equity Joint Venture - Não há investimento direto de capitais, mas de outras espécies de investimentos como disponibilização de marcas, know how, assistência técnica, etc. Responsabilidades Na falta de previsão legal específica, a Joint Venture não implica em solidariedade 6 dos participantes. Para que exista, a solidariedade deverá estar determinada no próprio contrato instituidor, seja na modalidade contratual, seja na modalidade societária; A cessão do contrato ou de obrigações dele derivadas e a sub-rogação pessoal não são disposições comuns à Joint Venture. As alterações subjetivas dependerão de consenso das partes. Vantagens Gestão de risco e de recursos: Limitação do investimento: o aporte de capital que será feito individualmente poderá ser dividido entre os demais co-ventures, reduzindo a soma aportada por cada um; Limitação dos riscos: dividem-se os riscos entre os co-ventures; Alcançar economias de escala, compartilhando recursos físicos e tecnológicos; Partilhar linhas de produtos, canais de distribuição, meios de abastecimento, corpo diretivo e pessoal especializado. Gestão de negócios: Criação e expansão de negócios; Ganho de posição no mercado e conquista de novos mercados; Diversificação de produtos; Transferência de tecnologia; Redução de competição de preços: empresas anteriormente concorrentes, passam a ter atuação conjunta; Unicidade de projetos, evitando esforços em duplicidade. 5 No Brasil, o consórcio é regulado pelos artigos 278 e 279 da Lei nº 6.404/76. Existe divergência se o Consórcio seria uma Corporate ou Non-Corporate Joint Venture, tendendo a maioria dos juristas defini-lo como uma Non- Corporate. 6 Para a participação em licitações públicas no Brasil, é exigida a previsão da responsabilidade solidária.

3 Desvantagens 7 Transferência de tecnologia para um terceiro que poderá vir a ser um competidor; Tempo investido com a negociação e a administração do processo; Conflitos de interesse em contratos de compra e venda, distribuição, serviços e licenças; Necessidade de ajustamento de culturas e de negócios entre as partes; Redução da flexibilidade na tomada de decisões. Constituição de uma Joint Venture Os objetivos devem estar claramente definidos desde o início para as partes e estar amplamente detalhados no instrumento contratual Contrato Base. O planejamento robusto, processos de gestão,acompanhamento e fiscalização a fim de reduzir os riscos operacionais para apoiar os objetivos da Joint Venture também são essenciais. 1. Fase Preliminar - Como diminuir os riscos do negócio Estabilidade do País Avalie a estabilidade política e economica do país 8. Em caso de instabilidade, seja mais conservador nos investimentos. Política Anti-corrupção Verifique o nível de corrupção no país. 9 Em caso de alto nível de corrupção, avalie as vantagens de estabelecer políticas internas para atuação e monitoramento de empregados. Moeda do país Observe se o sistema monetário é estável e se a legislação local possibilita o movimento de capitais. Caso não seja um ambiente favorável, conduzir a Joint Venture em moeda conversível e diminua os riscos com derivativos. Risco Negocial Mensure se os custos do negócio, incluindo os custos na área trabalhista, podem aumentar drasticamente, bem como se existem competidores locais com privilégios governamentais e se o comportamento de consumidores costumam mudar rapidamente no 7 Que podem ser minimizadas com uma boa política de gestão e assessoria jurídica qualificada. 8 Fonte para consulta: 9 Fonte par consulta:

4 país. Havendo risco, avalie a possibilidade de aquisição de uma apólice de seguro para risco país e busque trabalhar com líderes políticos e trabalhistas para obter suporte local. Força Contratual Observe se as cláusulas de escolha da legislação aplicável e do foro para solução de conflitos podem ser executadas no país, bem como se as cláusulas de penalidade previstas são válidas. Verifique ainda quanto tempo demora para obtenção de uma decisão judicial. Avalie a inclusão de uma cláusula de arbitragem para solução de conflitos envolvendo as partes; assim como a escolha a legislação e o foro de uma país mais desenvolvido e com o sistema legal mais flexível. Forma de constituição Verifique quais as possíveis formas de constituição no país, quais tributos incidentes e isenções, se as formas permitem flexibilidade administrativa, distribuição de capitais, e, principalmente, limitação de responsabilidade. Se não houver uma forma de constituição apropriada, as partes podem optar por uma Joint Venture Contratual. Propriedade Intelectual Analise como a propridade intelectual é tratada no país e se a transferência de propriedade/licença de uso deve passar pelo controle de alguma autoridade local. Atente-se a políticas internas de confidencialidade e opte por jurisdição em que a legislação de propriedade intelectual seja favorável. Investimento estrangeiro Avalie se os investimentos estrangeiros devem passar por aprovação de alguma autoridade local e se o estrangeiro pode possuir a maioria das ações de uma empresa. Ressalta-se que a parte estrangeira pode reduzir o investimento e obter o controle por meio de poder de voto ou outro acordo estabelecido em contrato. Práticas Culturais Observe como se comportam os locais, como são vistos os estrangeiros e se o país possui influências externas. Caso a cultura seja muito diferente, avalie as vantagens de um programa de treinamento para os empregados expatriados e para os empregados locais, além de realizar agumas reuniões fora do país para que todos possam conhecer e vivenciar a cultura um do outro. Objetivos Comuns Estude o potencial parceiro de forma a se certificar de que os objetivos são semelhante e que ele não pretende se tornar um concorrente a longo prazo. A Joint Venture não durará para sempre, por isso estabeleça em contrato como se dará o encerramento, bem como faça previsões contratuais não-concorrencial. Recursos Financeiros Verifique se as partes estão habilitadas para financiar a Joint Venture. Com base na informação levantada, é possível estabelecer algumas formas de protejer o capital em instrumento contratual. Legislação Local Conheça a legislação local trabalhista, tributária, comercial, ambiental, entre outras que possam impactar nos negócios da Joint Venture para não correr o risco de atuar ilegalmente. Contrate um serviço jurídico especializado nas leis do país em que a aliança ocorrerá.

5 2. Procedimentos Iniciais Due Diligence Antes de formalizar a Joint Venture, recomenda-se realizar o due diligence nas empresas envolvidas na operação. O processo envolve contadores, advogados, avaliadores, corretores de imóveis, entre outros profissionais e deve abranger os seguintes aspectos legais: Exame da organização jurídica da empresa (Contratos Sociais, Estatutos, Registros, existência de filiais no país ou no exterior); Avaliação de lista de acionistas e de quaisquer documentos que impliquem a possibilidade de terceiros terem direitos a subscrever quotas/ações; Conferência de validade e autenticidade de autorizações governamentais necessárias, incluindo referentes às questões ambientais; Exame da relação de empregados, contratos de trabalho e planos de benefícios; Análise de contratos e obrigações contraídas (empréstimos, contratos de manutenção, contratos com agentes, distribuidores, representantes comerciais, etc.), bem como de possíveis seguros contratados; Levantamento de todos os processos administrativos e judiciais envolvendo as partes, bem como dos processos arbitrais; Descrição de bens tangíveis e intangíveis (Propriedade Intelectual) das partes. 3. Elaboração de Contratos de Joint Venture Independente da espécie de Joint Venture escolhida (societária ou contratual), o acordo escrito (Contrato-Base) deve traçar o regime geral relativo à formação, administração e extinção, bem como mencionar os acordos pontuais que serão firmados no decorrer da parceria e os aspectos específicos que vão conferir operacionalidade à Joint Venture. Protocolo de Intenções Simultaneamente às negociações, sugere-se a elaboração de um acordo prévio (Letter of Intent) para definição dos elementos básicos da aliança:

6 Contrato Base da Joint Venture Objetivos e meios para alcançá-los; Forma de atuação e estrutura jurídica pretendida, quando for o caso; Participação e papel de cada integrante; Confidencialidade e sigilo da transação; 10 Partilha dos lucros e riscos. Os elementos essenciais 11 do contrato (Joint Venture Agreement) são: Qualificação das partes e endereço para envio de correspondência; Intenção da criação da Joint Venture; Definição do objeto e descrição do âmbito de atuação; Nome da Joint Venture; Definição, detalhes e localização do projeto; Exposição dos interesses das partes com relação ao empreendimento, deveres e direitos; Vigência da aliança; No caso de Joint Venture Societária, definição do modelo de sociedade adotado; Quanto à Joint Venture Contratual, a definição da empresa líder 12 ; Cláusula referente à imprevisão, caso fortuito ou força maior; Composição dos órgãos de administração da Joint Venture; Delegação de Poderes; Tecnologia empregada e vedação de transferência de tecnologia para terceiros 13 ; Aporte de capital inicial e sucessivos aportes, se houver; Definição de participação financeira de cada um e porcentagens sobre lucros e perdas; Se houver envolvimento de equipamentos, cláusula especificando direito de propriedade e restituição; Definição de conta bancária da Joint Venture e indicação de contador e advogado; Cláusula de Propriedade Intelectual; 10 Acordo de Confidencialidade (Confidentiality Agreement) também pode ser feito separadamente. 11 Destaca-se que cada Joint Venture deverá elaborar uma minuta contratual para atender as suas especificidades, de modo que a assessoria jurídica nesse processo é recomendável. 12 É a empresa líder que atuará perante terceiros, em nome da Joint Venture. Porém cada parte responde isoladamente perante terceiros (responsabilidade autônoma). 13 Sugere-se um contrato acessório para tratar das peculiaridades que possam envolver a transferência de tecnologia.

7 Informações complementares Mecanismos de fiscalização e de controle; Cláusula de modificação, rescisão unilateral e dissolução 14 ; Penalidades e indenização; Previsão para substituição, inclusão de novos participantes e direito de preferência; Especificação de seguros contratados (se houver) 15 e limites de responsabilidade de cada participante; Formas de notificação; Estabelecimento de agenda de reuniões periódicas; Idioma a ser usado nas comunicações; Idioma oficial que deve prevalecer em caso de interpretação do contrato e solução de controvérsias; Legislação aplicável, foro competente e cláusula de arbitragem, se assim definido; Data e local de assinatura do Contrato. Model Joint Venture Agreement - Checklist Pontos para considerar na negociação de uma Joint Venture Apontamentos sobre as Joint Ventures Societárias Constituídas Sob Regime Das Sociedades Limitadas Consolidação Proporcional das Demonstrações Contábeis de Empresas Controladas em Conjunto (Joint-Ventures) A Eficácia de suas Informações no Processo de Tomada de Decisões International Joint Ventures Handbook Consolida%E7%E3o%20-%20Anexo%20III%20- %20Artigo%20de%20Itamar%20Miranda%20Machado.pdf ur%20business/featured%20services/bk_internationaljointventures.pdf 14 É comum a assinatura de Acordos de Acionistas para tratar da retirada dos parceiros, com opções recíprocas. 15 Apesar do seguro de responsabilidade civil ser opcional no Brasil, a contratação de um seguro contra os riscos do negócio é altamente recomendável e, em alguns países, pode ser uma exigência.

8 Joint Venture Considerações gerais 1 Características Aliança estratégica entre duas ou mais empresas 2, de diferentes naturezas (públicas ou privadas), nacionalidades e finalidades, para realizar um projeto ou desenvolver uma atividade comum; As empresas mantêm a autonomia jurídica e econômica, porém o projeto ou as atividades relacionados com a Joint Venture passam a ser realizadas de forma coordenada; Objetivo determinado; Duração limitada ou ilimitada; Compartilhamento de riscos, lucros e prejuízos 3 ; Direito à gestão conjunta das participantes, chamados de co-ventures; Podem ser nacionais (todas as empresas com sede no Brasil) ou internacionais/transnacionais. Objetivos Associação de capital: interesse na obtenção de um volume de capital financeiro maior; Associação técnica: possui recursos financeiros apropriados, mas não detém a técnica adequada para empreendimento; Associação de capital e técnica: a busca é tanto pelo capital quanto pela técnica. Forma Jurídica Corporate Joint Venture (societária): Constituição de uma pessoa jurídica diversa das contratantes; Submete-se aos modelos jurídicos de sociedade previstos no ordenamento jurídico do país em que em que se constitui 4 ; As partes não perdem sua individualidade e podem desenvolver normalmente as suas atividades desde que não concorrentes com o projeto ou a atividade comum definida na Joint Venture. Non-Corporate Joint Venture (contratual): Não constitui nova pessoa jurídica; 1 Este documento traz uma abordagem geral sobre Joint Venture, não aprofundando na legislação específica de um país, nem nos regulamentos específicos de um setor. Tais normativos deverão ser analisados apropriadamente por um advogado de confiança das partes. 2 Não é usual, mas nada impede que pessoa física participe de tal tipo de empreendimento. 3 Os participantes podem determinar obrigações pelas quais só respondem as Joint Ventures. 4 No Brasil, os tipos societários mais utilizados para a constituição de uma Joint Venture são a sociedade anônima (S.A.) e a sociedade de responsabilidade limitada (Ltda.). Também existe a figura da Sociedade de Propósito Específico (SPE), mencionada no art. 981, do Código Civil Brasileiro de 2002, que pode ser considerada como uma forma de Corporate Joint Venture.

9 Podem ser contratos de colaboração, de fornecimento, de transferência de tecnologia, de assistência técnica, consórcio 5, entre outros; As partes não perdem sua individualidade e podem desenvolver normalmente as suas atividades desde que não concorrentes com o projeto ou a atividade comum definida na Joint Venture. Forma econômica Equity Joint Venture - Investimento direto de capitais. Non Equity Joint Venture - Não há investimento direto de capitais, mas de outras espécies de investimentos como disponibilização de marcas, know how, assistência técnica, etc. Responsabilidades Na falta de previsão legal específica, a Joint Venture não implica em solidariedade 6 dos participantes. Para que exista, a solidariedade deverá estar determinada no próprio contrato instituidor, seja na modalidade contratual, seja na modalidade societária; A cessão do contrato ou de obrigações dele derivadas e a sub-rogação pessoal não são disposições comuns à Joint Venture. As alterações subjetivas dependerão de consenso das partes. Vantagens Gestão de risco e de recursos: Limitação do investimento: o aporte de capital que será feito individualmente poderá ser dividido entre os demais co-ventures, reduzindo a soma aportada por cada um; Limitação dos riscos: dividem-se os riscos entre os co-ventures; Alcançar economias de escala, compartilhando recursos físicos e tecnológicos; Partilhar linhas de produtos, canais de distribuição, meios de abastecimento, corpo diretivo e pessoal especializado. Gestão de negócios: Criação e expansão de negócios; Ganho de posição no mercado e conquista de novos mercados; Diversificação de produtos; Transferência de tecnologia; Redução de competição de preços: empresas anteriormente concorrentes, passam a ter atuação conjunta; Unicidade de projetos, evitando esforços em duplicidade. 5 No Brasil, o consórcio é regulado pelos artigos 278 e 279 da Lei nº 6.404/76. Existe divergência se o Consórcio seria uma Corporate ou Non-Corporate Joint Venture, tendendo a maioria dos juristas defini-lo como uma Non- Corporate. 6 Para a participação em licitações públicas no Brasil, é exigida a previsão da responsabilidade solidária.

10 Desvantagens 7 Transferência de tecnologia para um terceiro que poderá vir a ser um competidor; Tempo investido com a negociação e a administração do processo; Conflitos de interesse em contratos de compra e venda, distribuição, serviços e licenças; Necessidade de ajustamento de culturas e de negócios entre as partes; Redução da flexibilidade na tomada de decisões. Constituição de uma Joint Venture Os objetivos devem estar claramente definidos desde o início para as partes e estar amplamente detalhados no instrumento contratual Contrato Base. O planejamento robusto, processos de gestão,acompanhamento e fiscalização a fim de reduzir os riscos operacionais para apoiar os objetivos da Joint Venture também são essenciais. 1. Fase Preliminar - Como diminuir os riscos do negócio Estabilidade do País Avalie a estabilidade política e economica do país 8. Em caso de instabilidade, seja mais conservador nos investimentos. Política Anti-corrupção Verifique o nível de corrupção no país. 9 Em caso de alto nível de corrupção, avalie as vantagens de estabelecer políticas internas para atuação e monitoramento de empregados. Moeda do país Observe se o sistema monetário é estável e se a legislação local possibilita o movimento de capitais. Caso não seja um ambiente favorável, conduzir a Joint Venture em moeda conversível e diminua os riscos com derivativos. Risco Negocial Mensure se os custos do negócio, incluindo os custos na área trabalhista, podem aumentar drasticamente, bem como se existem competidores locais com privilégios governamentais e se o comportamento de consumidores costumam mudar rapidamente no 7 Que podem ser minimizadas com uma boa política de gestão e assessoria jurídica qualificada. 8 Fonte para consulta: 9 Fonte par consulta:

11 país. Havendo risco, avalie a possibilidade de aquisição de uma apólice de seguro para risco país e busque trabalhar com líderes políticos e trabalhistas para obter suporte local. Força Contratual Observe se as cláusulas de escolha da legislação aplicável e do foro para solução de conflitos podem ser executadas no país, bem como se as cláusulas de penalidade previstas são válidas. Verifique ainda quanto tempo demora para obtenção de uma decisão judicial. Avalie a inclusão de uma cláusula de arbitragem para solução de conflitos envolvendo as partes; assim como a escolha a legislação e o foro de uma país mais desenvolvido e com o sistema legal mais flexível. Forma de constituição Verifique quais as possíveis formas de constituição no país, quais tributos incidentes e isenções, se as formas permitem flexibilidade administrativa, distribuição de capitais, e, principalmente, limitação de responsabilidade. Se não houver uma forma de constituição apropriada, as partes podem optar por uma Joint Venture Contratual. Propriedade Intelectual Analise como a propridade intelectual é tratada no país e se a transferência de propriedade/licença de uso deve passar pelo controle de alguma autoridade local. Atente-se a políticas internas de confidencialidade e opte por jurisdição em que a legislação de propriedade intelectual seja favorável. Investimento estrangeiro Avalie se os investimentos estrangeiros devem passar por aprovação de alguma autoridade local e se o estrangeiro pode possuir a maioria das ações de uma empresa. Ressalta-se que a parte estrangeira pode reduzir o investimento e obter o controle por meio de poder de voto ou outro acordo estabelecido em contrato. Práticas Culturais Observe como se comportam os locais, como são vistos os estrangeiros e se o país possui influências externas. Caso a cultura seja muito diferente, avalie as vantagens de um programa de treinamento para os empregados expatriados e para os empregados locais, além de realizar agumas reuniões fora do país para que todos possam conhecer e vivenciar a cultura um do outro. Objetivos Comuns Estude o potencial parceiro de forma a se certificar de que os objetivos são semelhante e que ele não pretende se tornar um concorrente a longo prazo. A Joint Venture não durará para sempre, por isso estabeleça em contrato como se dará o encerramento, bem como faça previsões contratuais não-concorrencial. Recursos Financeiros Verifique se as partes estão habilitadas para financiar a Joint Venture. Com base na informação levantada, é possível estabelecer algumas formas de protejer o capital em instrumento contratual. Legislação Local Conheça a legislação local trabalhista, tributária, comercial, ambiental, entre outras que possam impactar nos negócios da Joint Venture para não correr o risco de atuar ilegalmente. Contrate um serviço jurídico especializado nas leis do país em que a aliança ocorrerá.

12 2. Procedimentos Iniciais Due Diligence Antes de formalizar a Joint Venture, recomenda-se realizar o due diligence nas empresas envolvidas na operação. O processo envolve contadores, advogados, avaliadores, corretores de imóveis, entre outros profissionais e deve abranger os seguintes aspectos legais: Exame da organização jurídica da empresa (Contratos Sociais, Estatutos, Registros, existência de filiais no país ou no exterior); Avaliação de lista de acionistas e de quaisquer documentos que impliquem a possibilidade de terceiros terem direitos a subscrever quotas/ações; Conferência de validade e autenticidade de autorizações governamentais necessárias, incluindo referentes às questões ambientais; Exame da relação de empregados, contratos de trabalho e planos de benefícios; Análise de contratos e obrigações contraídas (empréstimos, contratos de manutenção, contratos com agentes, distribuidores, representantes comerciais, etc.), bem como de possíveis seguros contratados; Levantamento de todos os processos administrativos e judiciais envolvendo as partes, bem como dos processos arbitrais; Descrição de bens tangíveis e intangíveis (Propriedade Intelectual) das partes. 3. Elaboração de Contratos de Joint Venture Independente da espécie de Joint Venture escolhida (societária ou contratual), o acordo escrito (Contrato-Base) deve traçar o regime geral relativo à formação, administração e extinção, bem como mencionar os acordos pontuais que serão firmados no decorrer da parceria e os aspectos específicos que vão conferir operacionalidade à Joint Venture. Protocolo de Intenções Simultaneamente às negociações, sugere-se a elaboração de um acordo prévio (Letter of Intent) para definição dos elementos básicos da aliança:

13 Contrato Base da Joint Venture Objetivos e meios para alcançá-los; Forma de atuação e estrutura jurídica pretendida, quando for o caso; Participação e papel de cada integrante; Confidencialidade e sigilo da transação; 10 Partilha dos lucros e riscos. Os elementos essenciais 11 do contrato (Joint Venture Agreement) são: Qualificação das partes e endereço para envio de correspondência; Intenção da criação da Joint Venture; Definição do objeto e descrição do âmbito de atuação; Nome da Joint Venture; Definição, detalhes e localização do projeto; Exposição dos interesses das partes com relação ao empreendimento, deveres e direitos; Vigência da aliança; No caso de Joint Venture Societária, definição do modelo de sociedade adotado; Quanto à Joint Venture Contratual, a definição da empresa líder 12 ; Cláusula referente à imprevisão, caso fortuito ou força maior; Composição dos órgãos de administração da Joint Venture; Delegação de Poderes; Tecnologia empregada e vedação de transferência de tecnologia para terceiros 13 ; Aporte de capital inicial e sucessivos aportes, se houver; Definição de participação financeira de cada um e porcentagens sobre lucros e perdas; Se houver envolvimento de equipamentos, cláusula especificando direito de propriedade e restituição; Definição de conta bancária da Joint Venture e indicação de contador e advogado; Cláusula de Propriedade Intelectual; 10 Acordo de Confidencialidade (Confidentiality Agreement) também pode ser feito separadamente. 11 Destaca-se que cada Joint Venture deverá elaborar uma minuta contratual para atender as suas especificidades, de modo que a assessoria jurídica nesse processo é recomendável. 12 É a empresa líder que atuará perante terceiros, em nome da Joint Venture. Porém cada parte responde isoladamente perante terceiros (responsabilidade autônoma). 13 Sugere-se um contrato acessório para tratar das peculiaridades que possam envolver a transferência de tecnologia.

14 Informações complementares Mecanismos de fiscalização e de controle; Cláusula de modificação, rescisão unilateral e dissolução 14 ; Penalidades e indenização; Previsão para substituição, inclusão de novos participantes e direito de preferência; Especificação de seguros contratados (se houver) 15 e limites de responsabilidade de cada participante; Formas de notificação; Estabelecimento de agenda de reuniões periódicas; Idioma a ser usado nas comunicações; Idioma oficial que deve prevalecer em caso de interpretação do contrato e solução de controvérsias; Legislação aplicável, foro competente e cláusula de arbitragem, se assim definido; Data e local de assinatura do Contrato. Model Joint Venture Agreement - Checklist Pontos para considerar na negociação de uma Joint Venture Apontamentos sobre as Joint Ventures Societárias Constituídas Sob Regime Das Sociedades Limitadas Consolidação Proporcional das Demonstrações Contábeis de Empresas Controladas em Conjunto (Joint-Ventures) A Eficácia de suas Informações no Processo de Tomada de Decisões International Joint Ventures Handbook Consolida%E7%E3o%20-%20Anexo%20III%20- %20Artigo%20de%20Itamar%20Miranda%20Machado.pdf ur%20business/featured%20services/bk_internationaljointventures.pdf 14 É comum a assinatura de Acordos de Acionistas para tratar da retirada dos parceiros, com opções recíprocas. 15 Apesar do seguro de responsabilidade civil ser opcional no Brasil, a contratação de um seguro contra os riscos do negócio é altamente recomendável e, em alguns países, pode ser uma exigência.

15 Joint Venture Considerações gerais 1 Características Aliança estratégica entre duas ou mais empresas 2, de diferentes naturezas (públicas ou privadas), nacionalidades e finalidades, para realizar um projeto ou desenvolver uma atividade comum; As empresas mantêm a autonomia jurídica e econômica, porém o projeto ou as atividades relacionados com a Joint Venture passam a ser realizadas de forma coordenada; Objetivo determinado; Duração limitada ou ilimitada; Compartilhamento de riscos, lucros e prejuízos 3 ; Direito à gestão conjunta das participantes, chamados de co-ventures; Podem ser nacionais (todas as empresas com sede no Brasil) ou internacionais/transnacionais. Objetivos Associação de capital: interesse na obtenção de um volume de capital financeiro maior; Associação técnica: possui recursos financeiros apropriados, mas não detém a técnica adequada para empreendimento; Associação de capital e técnica: a busca é tanto pelo capital quanto pela técnica. Forma Jurídica Corporate Joint Venture (societária): Constituição de uma pessoa jurídica diversa das contratantes; Submete-se aos modelos jurídicos de sociedade previstos no ordenamento jurídico do país em que em que se constitui 4 ; As partes não perdem sua individualidade e podem desenvolver normalmente as suas atividades desde que não concorrentes com o projeto ou a atividade comum definida na Joint Venture. Non-Corporate Joint Venture (contratual): Não constitui nova pessoa jurídica; 1 Este documento traz uma abordagem geral sobre Joint Venture, não aprofundando na legislação específica de um país, nem nos regulamentos específicos de um setor. Tais normativos deverão ser analisados apropriadamente por um advogado de confiança das partes. 2 Não é usual, mas nada impede que pessoa física participe de tal tipo de empreendimento. 3 Os participantes podem determinar obrigações pelas quais só respondem as Joint Ventures. 4 No Brasil, os tipos societários mais utilizados para a constituição de uma Joint Venture são a sociedade anônima (S.A.) e a sociedade de responsabilidade limitada (Ltda.). Também existe a figura da Sociedade de Propósito Específico (SPE), mencionada no art. 981, do Código Civil Brasileiro de 2002, que pode ser considerada como uma forma de Corporate Joint Venture.

16 Podem ser contratos de colaboração, de fornecimento, de transferência de tecnologia, de assistência técnica, consórcio 5, entre outros; As partes não perdem sua individualidade e podem desenvolver normalmente as suas atividades desde que não concorrentes com o projeto ou a atividade comum definida na Joint Venture. Forma econômica Equity Joint Venture - Investimento direto de capitais. Non Equity Joint Venture - Não há investimento direto de capitais, mas de outras espécies de investimentos como disponibilização de marcas, know how, assistência técnica, etc. Responsabilidades Na falta de previsão legal específica, a Joint Venture não implica em solidariedade 6 dos participantes. Para que exista, a solidariedade deverá estar determinada no próprio contrato instituidor, seja na modalidade contratual, seja na modalidade societária; A cessão do contrato ou de obrigações dele derivadas e a sub-rogação pessoal não são disposições comuns à Joint Venture. As alterações subjetivas dependerão de consenso das partes. Vantagens Gestão de risco e de recursos: Limitação do investimento: o aporte de capital que será feito individualmente poderá ser dividido entre os demais co-ventures, reduzindo a soma aportada por cada um; Limitação dos riscos: dividem-se os riscos entre os co-ventures; Alcançar economias de escala, compartilhando recursos físicos e tecnológicos; Partilhar linhas de produtos, canais de distribuição, meios de abastecimento, corpo diretivo e pessoal especializado. Gestão de negócios: Criação e expansão de negócios; Ganho de posição no mercado e conquista de novos mercados; Diversificação de produtos; Transferência de tecnologia; Redução de competição de preços: empresas anteriormente concorrentes, passam a ter atuação conjunta; Unicidade de projetos, evitando esforços em duplicidade. 5 No Brasil, o consórcio é regulado pelos artigos 278 e 279 da Lei nº 6.404/76. Existe divergência se o Consórcio seria uma Corporate ou Non-Corporate Joint Venture, tendendo a maioria dos juristas defini-lo como uma Non- Corporate. 6 Para a participação em licitações públicas no Brasil, é exigida a previsão da responsabilidade solidária.

17 Desvantagens 7 Transferência de tecnologia para um terceiro que poderá vir a ser um competidor; Tempo investido com a negociação e a administração do processo; Conflitos de interesse em contratos de compra e venda, distribuição, serviços e licenças; Necessidade de ajustamento de culturas e de negócios entre as partes; Redução da flexibilidade na tomada de decisões. Constituição de uma Joint Venture Os objetivos devem estar claramente definidos desde o início para as partes e estar amplamente detalhados no instrumento contratual Contrato Base. O planejamento robusto, processos de gestão,acompanhamento e fiscalização a fim de reduzir os riscos operacionais para apoiar os objetivos da Joint Venture também são essenciais. 1. Fase Preliminar - Como diminuir os riscos do negócio Estabilidade do País Avalie a estabilidade política e economica do país 8. Em caso de instabilidade, seja mais conservador nos investimentos. Política Anti-corrupção Verifique o nível de corrupção no país. 9 Em caso de alto nível de corrupção, avalie as vantagens de estabelecer políticas internas para atuação e monitoramento de empregados. Moeda do país Observe se o sistema monetário é estável e se a legislação local possibilita o movimento de capitais. Caso não seja um ambiente favorável, conduzir a Joint Venture em moeda conversível e diminua os riscos com derivativos. Risco Negocial Mensure se os custos do negócio, incluindo os custos na área trabalhista, podem aumentar drasticamente, bem como se existem competidores locais com privilégios governamentais e se o comportamento de consumidores costumam mudar rapidamente no 7 Que podem ser minimizadas com uma boa política de gestão e assessoria jurídica qualificada. 8 Fonte para consulta: 9 Fonte par consulta:

18 país. Havendo risco, avalie a possibilidade de aquisição de uma apólice de seguro para risco país e busque trabalhar com líderes políticos e trabalhistas para obter suporte local. Força Contratual Observe se as cláusulas de escolha da legislação aplicável e do foro para solução de conflitos podem ser executadas no país, bem como se as cláusulas de penalidade previstas são válidas. Verifique ainda quanto tempo demora para obtenção de uma decisão judicial. Avalie a inclusão de uma cláusula de arbitragem para solução de conflitos envolvendo as partes; assim como a escolha a legislação e o foro de uma país mais desenvolvido e com o sistema legal mais flexível. Forma de constituição Verifique quais as possíveis formas de constituição no país, quais tributos incidentes e isenções, se as formas permitem flexibilidade administrativa, distribuição de capitais, e, principalmente, limitação de responsabilidade. Se não houver uma forma de constituição apropriada, as partes podem optar por uma Joint Venture Contratual. Propriedade Intelectual Analise como a propridade intelectual é tratada no país e se a transferência de propriedade/licença de uso deve passar pelo controle de alguma autoridade local. Atente-se a políticas internas de confidencialidade e opte por jurisdição em que a legislação de propriedade intelectual seja favorável. Investimento estrangeiro Avalie se os investimentos estrangeiros devem passar por aprovação de alguma autoridade local e se o estrangeiro pode possuir a maioria das ações de uma empresa. Ressalta-se que a parte estrangeira pode reduzir o investimento e obter o controle por meio de poder de voto ou outro acordo estabelecido em contrato. Práticas Culturais Observe como se comportam os locais, como são vistos os estrangeiros e se o país possui influências externas. Caso a cultura seja muito diferente, avalie as vantagens de um programa de treinamento para os empregados expatriados e para os empregados locais, além de realizar agumas reuniões fora do país para que todos possam conhecer e vivenciar a cultura um do outro. Objetivos Comuns Estude o potencial parceiro de forma a se certificar de que os objetivos são semelhante e que ele não pretende se tornar um concorrente a longo prazo. A Joint Venture não durará para sempre, por isso estabeleça em contrato como se dará o encerramento, bem como faça previsões contratuais não-concorrencial. Recursos Financeiros Verifique se as partes estão habilitadas para financiar a Joint Venture. Com base na informação levantada, é possível estabelecer algumas formas de protejer o capital em instrumento contratual. Legislação Local Conheça a legislação local trabalhista, tributária, comercial, ambiental, entre outras que possam impactar nos negócios da Joint Venture para não correr o risco de atuar ilegalmente. Contrate um serviço jurídico especializado nas leis do país em que a aliança ocorrerá.

19 2. Procedimentos Iniciais Due Diligence Antes de formalizar a Joint Venture, recomenda-se realizar o due diligence nas empresas envolvidas na operação. O processo envolve contadores, advogados, avaliadores, corretores de imóveis, entre outros profissionais e deve abranger os seguintes aspectos legais: Exame da organização jurídica da empresa (Contratos Sociais, Estatutos, Registros, existência de filiais no país ou no exterior); Avaliação de lista de acionistas e de quaisquer documentos que impliquem a possibilidade de terceiros terem direitos a subscrever quotas/ações; Conferência de validade e autenticidade de autorizações governamentais necessárias, incluindo referentes às questões ambientais; Exame da relação de empregados, contratos de trabalho e planos de benefícios; Análise de contratos e obrigações contraídas (empréstimos, contratos de manutenção, contratos com agentes, distribuidores, representantes comerciais, etc.), bem como de possíveis seguros contratados; Levantamento de todos os processos administrativos e judiciais envolvendo as partes, bem como dos processos arbitrais; Descrição de bens tangíveis e intangíveis (Propriedade Intelectual) das partes. 3. Elaboração de Contratos de Joint Venture Independente da espécie de Joint Venture escolhida (societária ou contratual), o acordo escrito (Contrato-Base) deve traçar o regime geral relativo à formação, administração e extinção, bem como mencionar os acordos pontuais que serão firmados no decorrer da parceria e os aspectos específicos que vão conferir operacionalidade à Joint Venture. Protocolo de Intenções Simultaneamente às negociações, sugere-se a elaboração de um acordo prévio (Letter of Intent) para definição dos elementos básicos da aliança:

20 Contrato Base da Joint Venture Objetivos e meios para alcançá-los; Forma de atuação e estrutura jurídica pretendida, quando for o caso; Participação e papel de cada integrante; Confidencialidade e sigilo da transação; 10 Partilha dos lucros e riscos. Os elementos essenciais 11 do contrato (Joint Venture Agreement) são: Qualificação das partes e endereço para envio de correspondência; Intenção da criação da Joint Venture; Definição do objeto e descrição do âmbito de atuação; Nome da Joint Venture; Definição, detalhes e localização do projeto; Exposição dos interesses das partes com relação ao empreendimento, deveres e direitos; Vigência da aliança; No caso de Joint Venture Societária, definição do modelo de sociedade adotado; Quanto à Joint Venture Contratual, a definição da empresa líder 12 ; Cláusula referente à imprevisão, caso fortuito ou força maior; Composição dos órgãos de administração da Joint Venture; Delegação de Poderes; Tecnologia empregada e vedação de transferência de tecnologia para terceiros 13 ; Aporte de capital inicial e sucessivos aportes, se houver; Definição de participação financeira de cada um e porcentagens sobre lucros e perdas; Se houver envolvimento de equipamentos, cláusula especificando direito de propriedade e restituição; Definição de conta bancária da Joint Venture e indicação de contador e advogado; Cláusula de Propriedade Intelectual; 10 Acordo de Confidencialidade (Confidentiality Agreement) também pode ser feito separadamente. 11 Destaca-se que cada Joint Venture deverá elaborar uma minuta contratual para atender as suas especificidades, de modo que a assessoria jurídica nesse processo é recomendável. 12 É a empresa líder que atuará perante terceiros, em nome da Joint Venture. Porém cada parte responde isoladamente perante terceiros (responsabilidade autônoma). 13 Sugere-se um contrato acessório para tratar das peculiaridades que possam envolver a transferência de tecnologia.

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

Apresentação institucional

Apresentação institucional Apresentação institucional 2010 Institucional Quem somos Nossos valores Áreas de atuação Equipe Parcerias Contato Quem somos Sociedade de advogados com foco de atendimento em direito empresarial, compreendendo

Leia mais

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER Breve Análise de cada Situação Por: Antonio Carlos Nasi Nardon, Nasi Auditores e Consultores 1. INCORPORAÇÃO A incorporação

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

Áreas de Atuação Societário

Áreas de Atuação Societário SC Advogados Apresentação A Salomão Cateb Advogados foi fundada em 1963 na cidade de Belo Horizonte por Salomão de Araújo Cateb. Os mais de 40 anos de atividade conferiram à empresa o reconhecimento e

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe

A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe voltadas para ter e exercer esses valores diariamente.

Leia mais

Consórcio e SPE. Henrique Rocha JUCERJA, 27/10/2009

Consórcio e SPE. Henrique Rocha JUCERJA, 27/10/2009 Consórcio e SPE Henrique Rocha JUCERJA, 27/10/2009 - Parte 1 - Consórcio Consórcio características básicas Consórcio tem como finalidade um empreendimento determinado (art. 278 LSA) Consórcio não tem personalidade

Leia mais

ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO

ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO ANEXO 5 TERMO DE CONSTITUIÇÃO DE CONSÓRCIO Termo de Constituição de Consórcio 1 As Partes: A empresa (Nome da Empresa)..., com sede na cidade de..., (Endereço)..., com CNPJ n o..., Inscrição Estadual...,

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações

Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Política de Estruturação de Negócios e Gestão de Participações Outubro de 2013 Conteúdo 1. Objetivo... 3 2. Princípios... 4 3. Diretrizes... 5 4. Responsabilidades... 6 5. Conceitos... 7 6. Disposições

Leia mais

SOCIEDADES COMERCIAIS

SOCIEDADES COMERCIAIS Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 11 SOCIEDADES COMERCIAIS Sociedade comercial é a pessoa jurídica de direito privado, nãoestatal, que tem por objeto social

Leia mais

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015

QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 QUAL É A ESTRUTURA SOCIETÁRIA IDEAL? Vanessa Inhasz Cardoso 17/03/2015 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Há vários tipos de estruturas societárias possíveis; Análise da realidade de cada empresa; Objetivos dos

Leia mais

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS

A ABERTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE RESSEGUROS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber e Adriana Maria Gödel Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é Advogado especializado em Direito Empresarial, Bancário e Mercado de Capitais e sócio-fundador

Leia mais

Regulamento do Programa de Mediação, Negociação e Arbitragem do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Regulamento do Programa de Mediação, Negociação e Arbitragem do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito Associação Catarinense de Ensino FACULDADE GUILHERME GUIMBALA - FGG Curso de Direito Autorização da Unificação de Mantidas - FGG: Portaria SESu Nº 56, de 18/01/2008 (DOU de 21/01/2008) Curso de Direito

Leia mais

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49

Nota do autor, xv. 6 Nome Empresarial, 48 6.1 Conceito e função do nome empresarial, 48 6.2 O nome do empresário individual, 49 Nota do autor, xv Parte I - Teoria Geral da Empresa, 1 1 Introdução ao Direito de Empresa, 3 1.1 Considerações gerais, 3 1.2 Escorço histórico: do direito comercial ao direito de empresa, 4 1.3 Fontes

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL www.idevanlopes.com.br

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL www.idevanlopes.com.br APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL www.idevanlopes.com.br INTRODUÇÃO Idevan Lopes Advocacia & Consultoria Empresarial é um escritório especializado em Direito Empresarial, integrado por profissionais com cursos

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PARCERIA COMERCIAL E OUTRAS AVENÇAS

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PARCERIA COMERCIAL E OUTRAS AVENÇAS INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PARCERIA COMERCIAL E OUTRAS AVENÇAS LIVRE TELECOM COM. E SERV. EM TELECOMUNICAÇÕES LTDA., sociedade regularmente constituída com sede na Av. Cásper Líbero, 383 8 andar

Leia mais

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO

CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO CONTRATO PARA REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES NOS MERCADOS ADMINISTRADOS POR BOLSA DE VALORES E/OU POR ENTIDADE DO MERCADO DE BALCÃO ORGANIZADO NOVA FUTURA DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA,

Leia mais

DIFERENCIAIS. da LCF ADVOGADOS

DIFERENCIAIS. da LCF ADVOGADOS UMA NOVA PROPOSTA NA ÁREA JURÍDICA Sócios Fundadores da LCF ADVOGADOS A LCF ADVOGADOS tem uma proposta de advocacia diferenciada mediante a prestação de consultoria e assessoria jurídica empresarial especializada

Leia mais

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m.

F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. F r e i t a s L e i t e S o l u ç õ e s t ã o e x c l u s i v a s q u a n t o s e u s d e s a f i o s w w w. f r e i t a s l e i t e. c o m. b r Fundado em 1997, FreitasLeite possui grande experiência

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012

CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 CHAMADA PÚBLICA CELG GT 001/2012 NOVAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PROCEDIMENTOS PARA SELEÇÃO DE EMPRESAS PRIVADAS, ESTATAIS, EMPREENDEDORES E INVESTIDORES PARA FORMAÇÃO DE PARCERIAS 1. OBJETO Constitui

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

M&A: Alguns Pontos relevantes para Contratos de Aquisição ou Venda de Negócios

M&A: Alguns Pontos relevantes para Contratos de Aquisição ou Venda de Negócios M&A: Alguns Pontos relevantes para Contratos de Aquisição ou Venda de Negócios Apresentação para a Comissão Jurídica da Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Alberto Mori Sócio do Grupo de

Leia mais

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014

ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 ESTATUTO DO COMITÊ DE AUDITORIA DO CONSELHO DIRETOR 23 DE OUTUBRO DE 2014 I. FINALIDADE A finalidade do Comitê de Auditoria da AGCO Corporation (a Empresa ) é auxiliar o Conselho Diretor (o Conselho )

Leia mais

Sumário APRESENTAÇÃO... 15

Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Sumário APRESENTAÇÃO... 15 Capítulo 1 DIREITO EMPRESARIAL... 17 1. Evolução histórica... 17 2. Evolução do Direito Comercial no Brasil... 18 3. Fontes... 21 4. Conceito e autonomia... 22 5. Questões...

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Quem Somos Somos uma sociedade de advogados dedicada à assistência e orientação jurídica as empresas nacionais e estrangeiras.

Leia mais

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS N. o 032/B/2009-DBS/AMCM Data: 14/8/2009 DIRECTIVA RELATIVA À SUBCONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS A Autoridade Monetária de Macau (AMCM), no exercício das competências que lhe foram atribuídas pelo Artigo 9. o

Leia mais

Investimento em. Controlado em Conjunto (Joint Venture) Contabilidade Avançada. Normas Contábeis: Fundamentação no Brasil:

Investimento em. Controlado em Conjunto (Joint Venture) Contabilidade Avançada. Normas Contábeis: Fundamentação no Brasil: Contabilidade Avançada Prof. Dr. Adriano Rodrigues Investimento em Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Normas Contábeis: No IASB: IAS 31 Interests in Joint Ventures No CPC: CPC 19 (R1)

Leia mais

CONTRATO DE REVENDA WINCONNECTION

CONTRATO DE REVENDA WINCONNECTION CONTRATO DE REVENDA WINCONNECTION Pelo presente instrumento particular, de um lado: Winco Sistemas Ltda., pessoa jurídica de direito privado, com sede estabelecida à Rua Amazonas, 669 sala 37, Centro da

Leia mais

Senise, Moraes & Maggi Sociedade de Advogados surgiu da união de advogados com diversos anos de experiência e sólida formação jurídica que perceberam

Senise, Moraes & Maggi Sociedade de Advogados surgiu da união de advogados com diversos anos de experiência e sólida formação jurídica que perceberam Senise, Moraes & Maggi Sociedade de Advogados surgiu da união de advogados com diversos anos de experiência e sólida formação jurídica que perceberam as necessidades dos clientes na realidade hipercomplexa

Leia mais

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR

ROBSON ZANETTI & ADVOGADOS ASSOCIADOS AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR AS HOLDINGS COMO ESTRATÉGIA DE NEGÓCIOS, PROTEÇÃO PATRIMONIAL E SUCESSÃO FAMILIAR Robson Zanetti Advogados 1 1. Origem legal da holding no Brasil Lei nº. 6.404 (Lei das S/A s). No Brasil as holdings surgiram

Leia mais

Aspectos contratuais a serem considerados na formação de sociedades e consórcios

Aspectos contratuais a serem considerados na formação de sociedades e consórcios 1. Consórcio é uma associação entre duas ou mais empresas com a finalidade de reunir esforços para a execução de um serviço de grande vulto ou de alta complexidade. a) Legislação: art. 33 da Lei Federal

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural REGULAMENTO DOS PROCEDIMENTOS PARA CELEBRAÇÃO DE TERMOS DE COOPERAÇÃO Estabelece diretrizes, normas e procedimentos para celebração, execução e prestação de contas

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 19 (R2) Negócios em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IFRS 11 (IASB - BV 2012) Índice Item OBJETIVO 1 2 ALCANCE

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA LE LIS BLANC DEUX COMÉRCIO E CONFECÇÕES DE ROUPAS S.A. I. PROPÓSITO Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados

Leia mais

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes

AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS. Professor Thiago Gomes AULA 10: CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Professor Thiago Gomes 1. NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... 2. CONTEXTUALIZAÇÃO O QUE VEM NA MENTE QUANDO OUVIMOS A PALAVRA CONTRATOS ADMINISTRATIVOS? 1. CONCEITO - CONTRATOS

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS DIREITO ADMINISTRATIVO CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Atualizado em 22/10/2015 CONTRATOS ADMINISTRATIVOS São contratos celebrados pela Administração Pública sob regime de direito público com particulares ou

Leia mais

PROTOCOLO DE INTENÇÕES

PROTOCOLO DE INTENÇÕES PROTOCOLO DE INTENÇÕES Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 62.225.933/0001-34, com sede nesta Capital, na Av. Paulista, 1313, 6º andar e Instituto Roberto Simonsen

Leia mais

Diretrizes para a prevenção de conflitos de interesses e corrupção

Diretrizes para a prevenção de conflitos de interesses e corrupção 1. Princípios e validade Integridade e transparência são as chaves para atividades comerciais bem sucedidas e sustentáveis. Nossa imagem e reputação pública se baseiam em objetividade e honestidade. Imparcialidade

Leia mais

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 1.1 - Aspectos Introdutórios 1.1.1 - Objetivos Básicos Tais operações tratam de modalidades de reorganização de sociedades, previstas em lei, que permitem às empresas,

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 BRIGANTI ADVOGADOS é um escritório brasileiro de advogados, de capacidade e experiência reconhecidas, que nasce com um propósito distinto. Nosso modelo de negócio

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da Estácio Participações S.A. 1. Propósito Este Manual visa a consolidar as regras e procedimentos que devem ser observados pelos (i) Administradores

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE

ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE TELEFONICA BRASIL S.A, com sede à Rua Martiniano de Carvalho, nº. 851, na cidade de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob nº. 02.558.157/0001-62, neste ato representada

Leia mais

CONTRATO DE LICENCIAMENTO DE CONTEÚDO

CONTRATO DE LICENCIAMENTO DE CONTEÚDO CONTRATO DE LICENCIAMENTO DE CONTEÚDO São partes ( Partes ), neste instrumento particular ( Contrato ):, inscrito no CNPJ/MF sob n.o, com sede na cidade de, estado de na, doravante denominado LICENCIADO,

Leia mais

Escola Nacional de Mediação e Conciliação faz treinamento virtual para capacitar órgãos públicos em resolução de conflitos

Escola Nacional de Mediação e Conciliação faz treinamento virtual para capacitar órgãos públicos em resolução de conflitos Escola Nacional de Mediação e Conciliação faz treinamento virtual para capacitar órgãos públicos em resolução de conflitos A Escola Nacional de Mediação e Conciliação (ENAM), da Secretaria de Reforma do

Leia mais

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração;

a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; ALTERAÇÃO DE SOCIEDADE EMPRESÁRIA: *ELEMENTOS DA ALTERAÇÃO CONTRATUAL a) Título (Alteração contratual), recomendando-se indicar o nº de seqüência da alteração; b) Preâmbulo; c) Corpo da alteração: Nova

Leia mais

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES

DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES DIREITO DE EMPRESA SOCIEDADES Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br CONCEITO GERAL Sociedade, de acordo com CC em seu art. 981, é o contrato em que pessoas reciprocamente se obrigam a contribuir com bens

Leia mais

Gestão de Contratos. Noções

Gestão de Contratos. Noções Gestão de Contratos Noções Contrato - Conceito Contrato é todo acordo de vontades, celebrado para criar, modificar ou extinguir direitos e obrigações de índole patrimonial entre as partes (Direito Civil).

Leia mais

SCATOLINI ADVOGADOS. SCATOLINI Advogados

SCATOLINI ADVOGADOS. SCATOLINI Advogados ADVOGADOS Um escritório dinâmico, focado nas necessidades e anseios de seus clientes e que reúne profissionais especializados em ampla gama de assuntos jurídicos. Proporcionamos aos nossos clientes atendimento

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS [PREENCHER], empresa estabelecida em [preencher cidade, estado, logradouro], inscrita no CNPJ sob o número [preencher], neste ato representada na forma de seu contrato

Leia mais

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59

BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE PROPRIEDADES AGRÍCOLAS CNPJ/MF n.º 07.628.528/0001-59 PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES APROVADO PELA ASSEMBLÉIA GERAL ORDINÁRIA DA BRASILAGRO COMPANHIA BRASILEIRA DE

Leia mais

NORMATIVO SARB 002/2008

NORMATIVO SARB 002/2008 O Conselho de Auto-Regulação Bancária, com base no art. 1 (b), do Código de Auto-Regulação Bancária, sanciona as regras abaixo dispostas, formalizando preceitos comuns a todas as signatárias da auto-regulação

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ-SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em Técnico

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 105/PGM/2011 - PROCESSO Nº 06.3467-00/2011

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO PROCURADORIA GERAL CONVÊNIO Nº 105/PGM/2011 - PROCESSO Nº 06.3467-00/2011 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O MUNICÍPIO DE PORTO VELHO, POR INTERMÉDIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA - SEMFAZ, DE UM LADO, E DO OUTRO O BANCO DO BRASIL S.A., PARA OS FINS QUE ESPECIFICAM. Aos vinte

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994).

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994). 1 RESOLUÇÃO Nº 1.120 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista as disposições

Leia mais

M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011

M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011 M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO Abril 2011 1 M&A PRINCIPAIS ETAPAS DE OPERAÇÃO DE M&A Etapa 1 Acordos Preliminares Elaboração, revisão e negociação

Leia mais

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI

PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI GUIA PARA MELHORAR O SEU Principais Práticas para a Proteção de PI PROGRAMA DE PROTEÇÃO DE PI 2013 Centro para Empreendimento e Comércio Responsáveis TABELA DE CONTEÚDO CAPÍTULO 1: Introdução à Proteção

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO

ACORDO DE COOPERAÇÃO ACORDO DE COOPERAÇÃO DEFINE O ACORDO DE COOPERAÇÃO QUE ENTRE SI CELEBRAM A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E O CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DO ESPIRITO SANTO - CREA/ES, PARA CONCESSÃO

Leia mais

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social:

R E S O L V E U: Art. 2. A sociedade corretora tem por objeto social: RESOLUCAO 1.655 --------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do artigo 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada em 25.10.89, tendo em

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA.

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA DE PRODUTOS PELA KSR AUTOMOTIVE INDÚSTRIA DO BRASIL LTDA. 1 ÍNDICE GERAL 1 OBJETO 3 2 SOLICITAÇÃO DE COTAÇÃO E PROPOSTA COMERCIAL 3 3 PEDIDO DE COMPRA E AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77

Nota do autor, xix. 5 Dissolução e liquidação, 77 1 Resolução da sociedade em relação a um sócio, 77 Nota do autor, xix 1 Empresa, 1 1 Empreender, 1 2 Noções históricas, 2 3 Teoria da empresa, 3 4 Registro, 8 4.1 Redesim, 10 4.2 Usos e práticas mercantis, 14 4.3 Empresário rural, 15 5 Firma individual,

Leia mais

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES SUMÁRIO I - MODELO DE SOLICITAÇÃO DE ESCLARECIMENTOS... 3 II - TERMOS E CONDIÇÕES MÍNIMOS DO SEGURO-GARANTIA PARA GARANTIA DE PROPOSTA... 4 III - MODELO DE FIANÇA-BANCÁRIA

Leia mais

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto

Caderno de encargos. Parte I Do contrato. Artigo 1.º Objecto Caderno de encargos Parte I Do contrato Artigo 1.º Objecto O presente caderno de encargos tem por objecto a aquisição, ao abrigo do Acordo Quadro Nº 10 para serviços de comunicações de voz e dados em local

Leia mais

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública.

A Lei Federal n. 11.079/04, institui normas gerais para licitação e contratação de parceria púbico-privada no âmbito da administração pública. Pág.1 de 11 1. O QUE SÃ O PPPs? São modalidades especiais de concessão por meio da qual a Administração Pública delega a um particular a prestação de um serviço público, com ou sem construção de obra,

Leia mais

APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA

APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA APÓLICE/ENDOSSO DE SEGURO GARANTIA Apólice: 024612013000107750002827 Processo SUSEP : 15414.004045/2010-49 Endosso: 0000000 Número de Controle Interno: 7202Ě CONDIÇÕES PARTICULARES A Austral Seguradora

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08

CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03. Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 CONDIÇÕES GERAIS SEGURO GARANTIA CIRCULAR SUSEP 232/03 Processo SUSEP nº 10.003.017/01-08 Cláusula 1ª - OBJETO Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo Tomador no contrato principal,

Leia mais

Para utilizar o MULTI, é indispensável a aceitação dos termos descritos a seguir.

Para utilizar o MULTI, é indispensável a aceitação dos termos descritos a seguir. Termos de Uso Para utilizar o MULTI, é indispensável a aceitação dos termos descritos a seguir. Este Contrato de Licença de Usuário Final ("EULA") é um acordo legal entre licenciado (pessoa Física ou Jurídica)

Leia mais

Negócio Internacional. Capítulo 8 Estratégias Colaborativas

Negócio Internacional. Capítulo 8 Estratégias Colaborativas Negócio Internacional Capítulo 8 Estratégias Colaborativas Objectivos Explicar principais motivações que guiam os gestores aquando da escolha das medidas colaborativas para o negócio internacional Definir

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL D E C R E T O Nº 9.782/2014 Regulamenta o Programa Incubadora do Empreendedor e dá outras providências. atribuições; e O PREFEITO MUNICIPAL DE JARAGUÁ DO SUL, no uso de suas CONSIDERANDO os termos da Lei

Leia mais

CONTRATO DE REVENDA DO ANTIVÍRUS AVG

CONTRATO DE REVENDA DO ANTIVÍRUS AVG CONTRATO DE REVENDA DO ANTIVÍRUS AVG Pelo presente instrumento particular, de um lado: Winco Sistemas Ltda., pessoa jurídica de direito privado, com sede estabelecida à Rua Amazonas, 669 sala 37, Centro

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS.

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458/2009 DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA- ESTRUTURA DE TRANSPORTES DNIT/RS. PREGÃO ELETRÔNICO Nº 458 / 2009 PROCESSO : 50610.000792/2009-59 PORTO

Leia mais

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS POLÍTICA DE PREVENÇÃO E COMBATE À CORRUPÇÃO E OUTROS ATOS LESIVOS 1. Introdução A presente Política, aplicável à WEG S/A e todas as suas controladas, representa uma síntese das diretrizes existentes na

Leia mais

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA

GR SOLUÇÕES EMPRESARIAIS IMPULSIONANDO A COMPETITIVIDADE DE SUA EMPRESA Quem Somos: A GR Soluções Empresarias é uma empresa provedora de soluções corporativas e serviços personalizados em Advocacia, Contabilidade e Tecnologia da Informação, orientada pelos interesses das empresas

Leia mais

::PORTFOLIO PORTFOLIO

::PORTFOLIO PORTFOLIO PORTFOLIO ::PORTFOLIO :: A EMPRESA Cesar e Cesar Sociedade de Advogados, é um escritório de advocacia e de assessoria jurídica formado por uma equipe de profissionais com experiência nas áreas relacionadas

Leia mais

Disclaimer. Advertências

Disclaimer. Advertências Disclaimer Advertências O investimento em ativos financeiros envolve riscos sobre os quais o investidor deve buscar informar-se lendo a documentação obrigatória referente a cada ativo. Fundos de investimento

Leia mais

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS

RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS RESSEGURO: OS NOVOS RESSEGURADORES LEGAIS Elaborado em 11.2007. João Marcos Brito Martins Bacharel em Administração de Empresas e em Ciências Jurídicas, pós-graduado em Seguros pelo Instituto de Administração

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo)

MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) CÂMARA DOS DEPUTADOS MENSAGEM N.º 671, DE 2009 (Do Poder Executivo) Aviso nº 603/2009 C. Civil Submete à deliberação do Congresso Nacional o Texto do Acordo Geral de Cooperação entre o Governo da República

Leia mais

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS

POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS 1 INDICE POLÍTICA DE CONTRATAÇÃO DE TERCEIROS... 1 INDICE... 2 1. Responsabilidade Legal e Social... 3 2. Processo de Contratação de Terceiros... 4 3. Categorias de

Leia mais

ANEXO 10-A MINUTA DE TERMO DE DAÇÃO EM PAGAMENTO DO IMÓVEL

ANEXO 10-A MINUTA DE TERMO DE DAÇÃO EM PAGAMENTO DO IMÓVEL ANEXO 10-A MINUTA DE TERMO DE DAÇÃO EM PAGAMENTO DO IMÓVEL Pelo presente instrumento, o ESTADO DO CEARÁ, representado pela SECRETARIA DE INFRAESTRUTURA DO ESTADO DO CEARÁ SEINFRA, pessoa jurídica de Direito

Leia mais

LLM em Direito Empresarial

LLM em Direito Empresarial CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO LLM em Direito Empresarial Coordenação Acadêmica - Escola de Direito FGV DIREITO RIO Programa de LLM em Direito Empresarial Escola de Direito FGV DIREITO

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

A D V O G A D O S. Apresentação

A D V O G A D O S. Apresentação Apresentação O Escritório de Advocacia Gomes e Mello Frota Advogados destaca-se no meio jurídico como uma forte referência em função da equipe que o compõe, e da respeitabilidade que a mesma possui. Este

Leia mais

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos

Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Lei nº11.107 Consórcios públicos e gestão associada de serviços públicos Seminário de Licenciamento Ambiental de Destinação Final de Resíduos Sólidos Brasília, DF - Novembro de 2005 Coleta de resíduos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Resseguro: os novos resseguradores legais João Marcos Brito Martins* A Lei Complementar 126/07 dispõe sobre a política de resseguro, retrocessão e sua intermediação, as operações

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas.

LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. LEI Nº 14.868, de 16 de dezembro de 2003 Dispõe sobre o Programa Estadual de Parcerias Público-Privadas. O Povo de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte

Leia mais