VALUATION OF BRANDS: PROPOSTA PARA MENSURAÇÃO DE MARCAS VAREJISTAS E NOMES DE COMÉRCIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VALUATION OF BRANDS: PROPOSTA PARA MENSURAÇÃO DE MARCAS VAREJISTAS E NOMES DE COMÉRCIO"

Transcrição

1 VALUATION OF BRANDS: PROPOSTA PARA MENSURAÇÃO DE MARCAS VAREJISTAS E NOMES DE COMÉRCIO Leão, Luciano de Castro Garcia * Riccio, Edson Luiz ** * Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. ** Universidade de São Paulo. Resumo Para efeito do presente trabalho, os intangíveis são considerados elementos patrimoniais sem custo de aquisição ou reposição plenamente identificável no presente, e que influenciam positiva ou negativamente o resultado das operações normais da empresa. Isto ultrapassa o próprio sentido etimológico, que os caracteriza em termos da falta de tangibilidade ou da ausência de custo de aquisição ou reposição, ou pela difícil mensuração. Tais atributos estendem-se à uma parte dos intangíveis empresariais, mais especificamente, às marcas ou nomes de comércio que, apesar da sua natureza, não devem ser desconsideradas para efeito de avaliação patrimonial. Portanto, o presente artigo busca desenvolver uma proposta para mensuração das marcas varejistas e nomes de comércio que considere a possibilidade de geração de futuros resultados econômicos positivos ou negativos para a empresa. Palavras-chave: Valuation, brands, avaliação, marcas, nomes de comércio, fluxos de caixa

2 1. INTRODUÇÃO Inovações tecnológicas. Gerenciamento das informações. Fronteiras virtuais. O mundo corporativo parece envolto em um acelerado processo de acirramento da concorrência, por motivos introduzidos, em caráter macro, pela competição globalizada. Tais transformações no macro-ambiente têm criado, paradoxalmente, oportunidades e ameaças aos empreendedores para se valerem de sua iniciativa. Um dos resultados marcantes destas tendências é a intensificação dos investimentos e a participação em capitais ordinários de empresas, sejam domésticas (locais) ou internacionais, fenômeno ainda mais sensíveis nos países em desenvolvimento. Tais investimentos societários geralmente prevêem a avaliação dos livros, registros e demonstrações das empresas em negociação as chamadas due diligences, ou seja, as necessárias diligências ou verificações, que levam em conta os controles internos, elaborados sob a responsabilidade de suas administrações, como também outros documentos ou elementos necessários para apurar a veracidade e coerência do patrimônio líquido presente no balanço de avaliação, às vezes denominado balanço de determinação, para a data-base das negociações. Enfim, considerando o acesso aos livros, arquivos e instalações da empresa, como também as informações prestadas por seu pessoal, a due diligence busca avaliar a real condição financeira e operacional da entidade, promovendo, quando necessário, ajustes aos valores consignados pela administração (por exemplo, pela constatação da situação da referida empresa nos aspectos trabalhista e fiscal, ou por indícios de contingências), de acordo com as práticas no ramo de atividade em questão e os princípios contábeis geralmente aceitos. Agora observe o seguinte parecer: como resultado da Due Diligence, o Balanço Especial de avaliação da empresa CIA. PACIOLI, levantado em 04 de julho de 2001 representa a valores correntes, em todos os aspectos relevantes e materiais, elementos identificáveis e itens individualizáveis, a posição patrimonial tangível da empresa na referida data. Quantas vezes os empreendedores já se depararam com esta situação? Pela leitura do exposto, a parte tangível do patrimônio, para efeitos do balanço de determinação, está considerada a valores correntes. Em particular, os elementos do ativo tangível, definido como conjunto de recursos voltados para a futura geração de resultados e com custo de aquisição ou reposição identificável no presente, estão considerados por um valor que representa, de modo relevante e material, o custo para se adquirir ou fabricar os respectivos elementos no estado em que se encontram; do mesmo modo, os passivos identificáveis estão contabilizados, em última instância, a valor correspondente ao valor dos ativos a serem sacrificados no futuro, quando da sua liquidação. - 2 / 15 -

3 Entretanto, é inegável a importância dada pela comunidade empresarial exatamente à parte intangível das empresas em negociação, geralmente subavaliada, quando não ignorada, exatamente pela falta de tangibilidade ou da ausência de custo de aquisição ou reposição, ou pela difícil mensuração. Tais atributos estendem-se a uma pequena parte do parecer, um patrimônio específico, objeto deste paper, muitas vezes constituído após longos anos de mercado, como resultado do esforço da empresa, de natureza contínua: o simples. Mais especificamente, assentado nestas considerações iniciais, é opinião dos autores que as brands - marcas varejistas ou nomes de comércio, apesar da sua natureza, não devem ser desconsideradas para efeito prático de avaliação patrimonial. Portanto, o presente artigo, como parte de um projeto de doutoramento, busca desenvolver uma proposta conceitual para sua mensuração que leve em conta a possibilidade de geração de futuros resultados econômicos para a empresa, enquanto elemento patrimonial que influencia o resultado das operações normais do negócio. 2. O CONCEITO DE INTANGÍVEL Para MARTINS (1972), no sentido etimológico, facilmente se coloca (mas pouco esclarece) o que os elementos intangíveis representam, ou seja, suas características (em termos da falta de tangibilidade ou da ausência de custo de aquisição ou reposição, ou pela difícil mensuração) se confundem com o próprio objeto. Entretanto, pela possibilidade de geração de futuros resultados econômicos positivos ou negativos para a empresa, acreditase que os ativos e passivos intangíveis, apesar da sua natureza, não devem ser desconsiderados para efeito de avaliação patrimonial, mesmo que eventualmente não ocorra, por parte da empresa, qualquer custo para a sua obtenção. Para efeitos do presente artigo, os intangíveis são considerados elementos patrimoniais sem custo de aquisição ou reposição plenamente identificável no presente, e que influenciam positiva ou negativamente o resultado das operações normais da entidade. Algumas classificações têm sido propostas por diversos contadores, administradores e economistas para uma sistematização do estudo do intangível. Sua apresentação e adaptação neste trabalho, sumarizando as opiniões compartilhada nas obras de PATON & PATON Jr. (1952), CATLETT & OLSON (1968), MARTINS (1972), ROSS, WESTERFIELD & JAFFE (1993), COPELAND, KOLLER & MURRIN (1995) e DAMODARAN (1996), entre outras, fundamenta os nossos procedimentos e, posteriormente, orienta a proposta de mensuração. - 3 / 15 -

4 2.1. INTANGÍVEIS COMERCIAIS Os chamados intangíveis comerciais aparecem em função dos seguintes fatores: a) serviços colaterais (como atuação positiva ou negativa dos setores comercial, de financiamento, de manutenção, etc., em relação à clientela); b) responsabilidades advindas de condições fiscais e tributárias e de legislação operacional favoráveis ou desfavoráveis; c) qualidade do produto em relação ao preço, e em alguns casos, relacionamento da empresa com outras empresas no mercado (imagem que fornecedores, competidores e clientes criam, quer com seu esforço único, quer em cooperação ou represália); d) atitude e hábito do cliente ou consumidor como fruto do nome comercial ou marca consolidados e tornados proeminentes ou decadentes, em função tanto de desgaste na comunidade quanto de destaque por meio de propaganda eficaz e/ou persistente, que estimulem ou dificultem os negócios; e) atitude e hábito do cliente ou consumidor como resultado de localização estratégica da empresa que dificulte ou facilite o comércio INTANGÍVEIS OPERACIONAIS Os intangíveis operacionais são condições de produção em geral que contribuem tanto para a imagem positiva ou negativa da empresa, quanto para o acesso a oportunidades operacionais, como também para o aumento ou redução do custo unitário de produção, manufatura ou construção (devido à eficiência dos recursos principalmente recursos humanos operando nestas condições). Surgem em função de: a) administração superior ou inferior à concorrência, ou seu reflexo, supremacia ou fraqueza na administração dos competidores; b) organização de trabalho proeminente ou decadente, e padrão de salários; c) descoberta de talentos, treinamento eficiente ou deficiente e turnover de empregados; d) cartas de recomendação, atestados de responsabilidade técnica e assemelhados; e) dificuldades ou facilidades em termos logísticos, e (in)existência de SIG; f) desenvolvimento (des)favorável de relações de exclusividade com fornecedores; g) descoberta e preservação de recursos e/ou processos secretos de produção. - 4 / 15 -

5 2.3. INTANGÍVEIS FINANCEIROS Os intangíveis financeiros derivam de uma reputação comercial e creditícia cultivada pela empresa no cumprimento suas obrigações, avais, fianças ou eventuais penhoras, influenciando a atitude de investidores, fontes de financiamento e fontes de crédito (para capital em dinheiro, bens ou serviços). Um bom nome, ou mesmo a presença em um mercado conhecido e frequente, é determinante para que a entidade obtenha recursos financeiros ou crédito de fornecedores de recursos (matéria-prima, mercadorias, etc.) em melhores termos e preços; do mesmo modo, a abertura de um mercado de crédito, ou combate a uma reputação negativa, reservam para a empresa, em muitos casos, preços mais altos (que projetam o risco de recebimento), prazos menos elásticos e/ou a exigência de garantias reais (ou exagero no seu requerimento) INTANGÍVEIS POLÍTICOS Os intangíveis políticos são obtidos em função de um padrão hostil ou amistoso de relações com órgãos governamentais, órgãos reguladores ou entidades de classe (câmaras de comércio, indústria, empresariado, sindicatos, mídia, etc.), que impacta as condições de operação da empresa no mercado. Essa posição perante a comunidade é construída, em muitas situações, por meio da vinculação do nome da empresa ou de seus representantes à ações filantrópicas, patrocínios e participação em atividades cívicas, ou desgastada pelo envolvimento da empresa, seus proprietários, representantes ou empregados, em atos ou fatos interpretados como pouco éticos ou ilegais. 3. O REFERENCIAL METODOLÓGICO PARA A MENSURAÇÃO DO INTANGÍVEL Numa lógica neoclássica, o que faz voltar os olhos do empreendedor para a existência dos intangíveis e, consequentemente, de seu staff, na forma de contadores, advogados, engenheiros, auditores, administradores e economistas, é a eventual presença de resultados anormais. Esta é a tônica da obra de MARTINS (1972). Segundo o referido autor, dentro de uma atividade econômica qualquer, onde diversas empresas operam, e uma ou várias delas se destacam positiva ou negativamente sobre as demais por auferirem, respectivamente, maior ou menor resultado sobre o investimento, diz-se que estão auferido um resultado anormal. E a ocorrência deste, que corresponde à parte do retorno sobre o investimento que difere significativamente da média obtida pelas outras empresas, identifica a existência de algum elemento intangível. - 5 / 15 -

6 Deve ser observado que a presença de várias entidades em uma mesma indústria não é uma condição necessária. Pode haver o caso de uma empresa em situação monopolística que, por esse motivo, não possua condições de comparação com outras similares. Mas, mesmo neste caso, se o prejuízo verificado ou se o lucro conseguido for superior à média de outras indústrias ou atividades dentro da região ou país, também admite-se a existência do resultado anormal. Deste modo, considerando-se o patrimônio líquido colocado na atividade, ou seja, a riqueza líquida investida para o cálculo da taxa de retorno sobre o investimento e sua comparação com o normal para determinada indústria ou setor de atividade, uma possível desigualdade entre a soma dos valores dos retornos esperados e a soma dos valores dos retornos normais para empresas similares passa a representar a mensuração dos intangíveis, que podem ser subtrativos ou aditivos, conforme as circunstâncias comerciais, operacionais, financeiras e políticas. É importante esclarecer que tais resultados (esperados e normais), segundo MARTINS (1972), ROSS, WESTERFIELD & JAFFE (1993) e DAMODARAN (1996), não são verificados em um único e determinado momento, ainda que isto possa acontecer em alguns casos. Espraiam-se por um período cuja extensão varia de situação para situação, podendo ser bastante longo; consequentemente, a empresa não pode admitir, para avaliação, o simples somatório dos seus resultados futuros. Para contornar o problema, se faz uso do conceito de valor atual. Este nada mais faz do que calcular qual seria a importância que, considerada hoje, provocaria para a empresa a mesma utilidade que uma outra a ser verificada em uma determinada data futura. Assim, a diferença entre o somatório de resultados futuros e o valor atual representa o custo de oportunidade, ou seja, o desconto exigido pela alternativa presente, considerando o valor do dinheiro do tempo e a exposição à mudanças no poder aquisitivo da moeda, para se esperar pelo recebimento ou desembolso integral no futuro, com igual risco. A mensuração dos intangíveis, portanto, está diretamente relacionada com a sua própria definição. No caso de resultados anormais, a atual concepção é a da medida do seu valor atual do resultado que espera obter que esteja aquém ou além daquele que seria considerado normal. O sentido dado para a mensuração dos intangíveis, dentro desta concepção como valor atual dos resultados anormais, é o de que se existe um resultado obtido pela empresa diferente do normal, ceteris paribus, este é provocado por algum fator comercial, operacional, financeiro ou político não contemplado no patrimônio tangível. Dentro da classificação proposta no tópico 2, e considerando-se a mensuração do valor no presnete tópico, é importante que se observe e compreenda que tais intangíveis, quando ausentes dos balanços de avaliação ou determinação, correspondem a: - 6 / 15 -

7 3.1. INTANGÍVEIS EMPRESARIAIS Criados independentemente das pessoas dos proprietários ou administradores, ou seja, gerados única e exclusivamente pelo desempenho da empresa. Abrangeria parte dos quatro grupos já citados no tópico 2, englobando de cada um deles o que não recebeu influência pessoal dos proprietários ou gerentes; 3.2. INTANGÍVEIS EVANESCENTES Como o próprio nome indica, tem vida muito limitada, pois as circunstâncias que os suportam são de curta duração; é o caso característico de certos processos secretos e benchmarks (de produção, construção e comercialização) ou produtos que a moda cria (freguesia de lugares públicos, procura por regiões geográficas, jogos, vestuário). Note-se que a intenção aqui é separar o intangível empresarial do evanescente, em função da duração dos resultados; 3.3. INTANGÍVEIS PESSOAIS Correspondem ao complemento dos intangíveis empresariais (e evanescentes, quando relevantes), ou seja, surgem exatamente em função de uma ou várias pessoas que integram a empresa, sendo ela(s) proprietária(s) ou funcionária(s), e seus resultados positivos ou negativos estão totalmente vinculados a estas pessoas; 3.4. INTANGÍVEIS DE NOME OU MARCA COMERCIAL Aqueles que independem do produto vendido ou do serviço prestado, ainda que concorrentes o fabriquem, construam ou beneficiem com as mesmas características, ou prestem serviços com a mesma especificação. Em determinadas situações, a imagem do nome da empresa ou a marca sob a qual esta negocia sobrepujam completamente a existência de substitutos. Tendo em vista o propósito do presente artigo, é inegável que parcela dos resultados anormais deve ser segregada como resultado da utilização dos intangíveis vinculados ao nome ou marca comercial, destacados no tópico 3.4 acima. - 7 / 15 -

8 4. O CONCEITO E AVALIAÇÃO DA MARCA OU NOME COMERCIAL Facilmente se distingue o termo marca como uma imagem, um símbolo ou um sinal (característico). Como conceito decorrente de nosso trabalho e vivência, a marca é uma característica que distingue completamente de substitutos o produto vendido ou o serviço prestado pela empresa. Deste modo, os intangíveis vinculados ao nome ou marca comercial, discutidos no tópico 3.4 acima, decorrem do uso de marcas registradas em Juntas Comerciais, Cartórios de registro de Pessoas Jurídicas, órgãos competentes de propriedade industrial, registro de domínio na Internet, entre outros, e independem do produto vendido ou do serviço prestado, ainda que concorrentes o fabriquem, construam ou beneficiem com as mesmas características, ou prestem serviços com a mesma especificação. Calcados na obra de IUDÍCIBUS (1994), pode-se afirmar que tal ativo não apresenta dificuldade de conceituação dentro da Teoria da Contabilidade, visto que: a) apresenta inquestionável potencialidade de prestação de serviços presentes e futuros à entidade, na forma de fluxos líquidos positivos de caixa, conjuntamente com outros ativos ou fatores de produção; b) constitui-se em direito de uso exclusivo da entidade. No que se refere à sua avaliação, é pacífico na teoria econômica, desde HICKS (1946) até MODIGLIANI e FABOZZI (1992), na teoria contábil, como expõem CORDONIZ (1988), HENDRIKSEN e VAN BREDA (1992) e IUDÍCIBUS (1994), e na teoria financeira, como expõem COPELAND e WESTON (1992), CHEW Jr. (1993), COPELAND, KOLLER e MURRIN (1995) e DAMODARAN (1996) que os ativos valem sua expectativa de geração de lucros. O termo valor, portanto, necessariamente nos remete aos resultados esperados do ativo (ou negócio), que devem, todavia, ser trazidos do futuro para o momento presente (ou seja, descontados a valor presente). - 8 / 15 -

9 Assim, é opinião dos autores que a forma que mais se aproxima da natureza da marca enquanto ativo é sua mensuração a valores atuais descontados de fluxos futuros de caixa, considerando a entidade em marcha e admitindo-se que o ativo em questão seja utilizado na geração de serviços, dentro do objeto da empresa. A adoção desta proposta insere algumas dificuldades de ordem prática: - pelo fato de ser um ativo alocado à finalidade do negócio, dentro de um período (não específico) de tempo, e constituindo um potencial de serviços disponíveis ou benéficos para as operações, seu significado somente pode ser relacionado aos objetivos da entidade e dependerá da continuidade desta; - a medida do seu valor será a soma dos preços futuros de mercado dos fluxos líquidos de serviços a serem obtidos, o que envolve uma estimativa de valores previstos. Acredita-se que uma avaliação contábil deve ter como referência as informações extraídas da escrituração regular da empresa, desde que tomadas como corretas, inclusive com parecer de auditores independentes sem ressalvas ou ênfases de qualquer natureza; - conforme dito no tópico 3, tais fluxos não são verificados em um único e determinado momento. O desconto ao valor atual, portanto, envolve o estabelecimento de uma taxa adequada de juros. 5. PROPOSTA PARA A MENSURAÇÃO DE MARCAS VAREJISTAS Partindo do conjunto de dados fornecidos ou diligenciados junta à empresa, propõe-se a seleção das informações contábeis necessárias à avaliação do desempenho possível de uma marca em relação ao mercado. Mais especificamente, sugere-se a seleção das seguintes séries históricas: - a série histórica de despesas com vendas, que elucida os dispêndios com vendas e expressa a utilização, o sacrifício e o desgaste de ativos para a sua viabilização; - a série histórica do Faturamento Bruto, que elucida o desempenho das vendas no período considerado e expressa o quotidiano das atividades comerciais com a utilização da marca em avaliação. - 9 / 15 -

10 Com estas duas séries, pode-se estabelecer as três hipóteses de trabalho que procuraram estabelecer o significado das marcas em relação aos objetivos da entidade: - Hipótese 1 (primitiva): os dispêndios com vendas visam criar, sustentar ou alavancar o faturamento do negócio; - Hipótese 2 (quantitativa): a conquista de reputação e uma marca conhecida determina ganhos de escala no dispêndio temporal com vendas sobre o faturamento; - Hipótese 3 (fundamental): os ganhos de escala futuros são efeito do custo de oportunidade da marca. A compreensão destas três hipóteses é simples, porque não dizer, lógica e intuitiva. O esforço e o talento empresarial na obtenção de melhores resultados operacionais determinam o sacrifício de recursos para a geração de vendas (hipótese primitiva). Com o passar do tempo, todavia, seu negócio, seu nome e sua marca vão ficando conhecidos no mercado (hipótese quantitativa), de modo que: - para conseguir o mesmo Faturamento bruto do ano X no ano X+1, são necessárias menos despesas com vendas no ano X+1 do que no ano X; ou, - com a mesma despesa com vendas no ano X e no ano X+1, o Faturamento bruto no ano X+1 é maior que no ano X. Assim sendo, a hipótese quantitativa enquadra a marca, apesar de intangível, dentro do patrimônio, com base em sua capacidade de contribuição para os resultados da empresa; por consequência, avaliar apenas a marca deve necessariamente levar em conta a contribuição futura esperada que seria abandonada pela sua alienação, opinião fundada em obras clássicas como as de DOPUCH, BIRNBERG & DEMSKI (1974), ANDERSON & RAIBORN (1977), ANTHONY & WELSCH (1981), MORSE & ROTH (1986), GLAUTIER & UNDERDOWN (1986) e HORNGREN & FOSTER (1991), entre outras / 15 -

11 A decisão de manutenção da marca está associada à oportunidade de fruição de benefícios futuros, e o valor desta oportunidade pode ser estimado a partir do valor do benefício a ser usufruído quando despesas adicionais forem evitadas pela sua utilização (hipótese fundamental). Em outras palavras, e adaptando-se a posição de FRIEDMAN & NEUMANN (1980), o valor da marca reflete a oportunidade prevista para evitar uma saída de caixa. Este raciocínio reflete que as vendas de um período são o resultado do esforço comercial do próprio período, além de usufruírem dos gastos já efetuados nos períodos anteriores, e que continuam a ter efeito sobre o mercado fornecedor, financiador e consumidor, consubstanciados numa marca que ficou conhecida. Portanto, a geração e análise econômico-contábil dos cálculos de expectativa de serviços da marca refere-se à evidenciação de saldos de caixa gerados na utilização dos seus serviços, por meio da mensuração do fluxo descontado de poupança de recursos em despesas com vendas. Este procedimento é coerente com os anteriores, e será aqui denominado efeito do custo de oportunidade sobre a marca, conjugado, passo a passo, às seguintes considerações: 5.1. A COMPARABILIDADE DE VALORES NA SÉRIE HISTÓRICA Pode se observar, em séries históricas, alguns reflexos decorrentes de processos inflacionários ou deflacionários. Sugere-se, portanto, a adoção de demonstrativos em moedas de poder aquisitivo constante, visto que tal procedimento é adequado aos objetivos da mensuração, simplificando o entendimento e possibilitando uma maior comparabilidade entre os períodos subsequentes; 5.2. O PERCENTUAL DE DESPESAS COM VENDAS A média percentual de despesas com vendas sobre o faturamento bruto deve ser calculada para o conjunto de pares ordenados disponíveis, levando-se em conta o exposto no tópico 5.1. Para refletir, adequadamente, a taxa percentual ao longo dos anos considerados, devemos buscar a equação da reta que reflete tal tendência. A formulação canônica da reta será y = ax + b Onde a é o coeficiente angular ou coeficiente de variação; b é o coeficiente linear / 15 -

12 Considerando as despesas com vendas e o faturamento bruto, levantados em moeda constante, a média percentual deve ser determinada, segundo RENDER e STAIR (1997) e STEVENSON (1981) via análise de regressão, ou seja, pela equação da reta que torna mínimo o quadrado das distâncias entre as taxas efetivas e as taxas estimadas pela mesma reta. Enfim, caso testada como significativa, do ponto de vista contabilométrico, a média percentual de despesas com vendas sobre o faturamento bruto será o coeficiente angular a da reta de regressão que liga os pares ordenados A TAXA ATUAL DE POUPANÇA ANUAL DA MARCA Considerando a média obtida (tópico 5.2), caso significativa, deve-se calcular a taxa atual de poupança anual da marca, pela diferença entre a taxa de despesas com vendas média e a taxa de despesas com vendas do último ano A POUPANÇA ANUAL DA MARCA Considerando a taxa obtida (tópico 5.3), a poupança anual da marca em despesas com vendas será, então, calculada pela multiplicação da taxa atual de poupança anual da marca pelo faturamento bruto do último ano. A prática e a convenção do conservadorismo sugerem que é salutar desconsiderar, mesmo que explícita e consistente, qualquer tendência crescente do Faturamento, e considerar qualquer tendência decrescente do mesmo O FLUXO DE POUPANÇA ANUAL DA MARCA O horizonte operacional da empresa deve ser segmentado em dois fluxos descontados: o horizonte explícito (ou de curto e médio prazos) e o horizonte remoto (de longo prazo). Este último utiliza-se do princípio da perpetuidade, de acordo com COPELAND e WESTON (1992) e DAMODARAN (1996), e busca estimar o fluxo descontado da empresa a longo prazo, lançando mão da teoria de limites (CHIANG, 1982), ou seja, implica os resultados tenderem para 0 (zero) quando o tempo tende para o infinito. Considerando a poupança anual obtida (tópico 5.4), o fluxo de poupança em despesas com vendas será, por fim, calculado pela consideração de que as vendas manterse-ão constantes no horizonte temporal explícito (de 5 a 7 anos, em média). Estas parcelas, além da perpetuidade (a partir do 7º ano), devem ser trazidas a valor presente de acordo com os mesmos critérios discutidos nos tópicos 3 e 4, ou seja, à taxa de oportunidade dos proprietários ou detentores da marca (taxa de aplicação dos recursos obtidos numa eventual alienação da marca) / 15 -

13 A proposta do presente artigo, denominada efeito do custo de oportunidade sobre a marca e discutida conceitualmente nos 5 passos anteriores, reflete a mensuração do valor da marca, para os propósitos discutidos na introdução deste trabalho. Outras motivações para a avaliação (por exemplo, cisões ou intervenções judiciais) podem interferir no modelo proposto, levando a ajustes que, acreditamos, não alteram a essência do raciocínio aqui defendido. 6. CONCLUSÃO Pela discussão constante, não apenas nos meios acadêmicos, mas também na mídia em geral, parece inegável a importância dada pela comunidade às marcas ou nomes de comércio. Tais ativos são geralmente subavaliados, muitas vezes ignorados, exatamente pela falta de tangibilidade ou da ausência de custo de aquisição ou reposição, ou por sua difícil mensuração, aspecto que nosso trabalho buscava exatamente desenvolver, oferecendo uma proposta pragmática. A proposta do presente artigo, denominada efeito do custo de oportunidade sobre a marca e discutida, analiticamente, nos tópicos 4 e 5, leva em conta a possibilidade de geração de futuros resultados econômicos para a empresa, enquanto elemento patrimonial que influencia o resultado das operações normais do negócio. Reflete, portanto, a mensuração do valor da marca. Além de fomentar a pesquisa acadêmica sobre as brands - marcas varejistas ou nomes de comércio, este trabalho, que ora se encerra, espera ter contribuído para o pragmatismo na mensuração, sedimentando o percurso que busca relacionar as teorias gerenciais e as necessidades dos agentes / 15 -

14 7. BIBLIOGRAFIA ANDERSON, H. R; RAIBORN, M. M. Basic cost accounting concepts. Boston: Houghton, ANTHONY, R. N.; WELSCH, G. A. Fundamentals of management accounting. 3. ed. Homewood: Irwin, CATLETT, G. R.; OLSON, N. O. Accounting Research Study nº 10: Accounting for Goodwill. New York: AICPA, CHEW Jr., D. The New Corporate Finance: where Theory meets pratice. New York: McGraw-Hill, 1993 CHIANG, A. Matemática para Economistas. São Paulo: McGraw-Hill, COPELAND, T.; WESTON, F. Financial theory and corporate policy. 3. ed. Reading: Adison-Wesley, 1992 COPELAND, T.; KOLLER, T.; MURRIN, J. Valuation: measuring and managing the value of companies. 2. ed. New York: Wiley, CORDONIZ, L. M. Avaliação de empresas em contexto inflacionário com base no fluxo de caixa descontado. Dissertação de Mestrado. São Paulo: FGV-SP, DAMODARAN, A. Investment Valuation: tools and techniques for determining the value of any asset. New York: Wiley, DOPUCH, N.; BIRNBERG, J. G.; DEMSKI, J. Cost accounting: accounting data managements for decisions. 2. ed. New York: Harcourt, FRIEDMAN, L.; NEUMANN, B. R. The effects of opportunity costs on project investiment decisions: a replication and extension. Journal of Accounting Research, nº 18 (2), 1980, p GLAUTIER, M. W. E.; UNDERDOWN, B. Accounting: theory and pratice. 3. ed. London: Pitman Publishing Limited, HENDRIKSEN, E.; VAN BREDA, M. Accounting Theory. 5 ed. Homewood: Irwin, HICKS, J. R. Value and capital. 2. ed. London: Oxford University Press, HORNGREN, C. T.; FOSTER, G. Cost accounting: a managerial emphasis. 7. ed. Englewood Cliffs: Prentice Hall, / 15 -

15 IUDÍCIBUS, S. Teoria da Contabilidade. 4. ed. São Paulo: Atlas, MARTINS, E. Contribuição à avaliação do intangível. São Paulo: USP, MODIGLIANI, F.; FABOZZI, F. Capital markets: instituitions and instruments. Englewood Cliffs: Prentice Hall, MORSE, W. J.; ROTH, H. P. Cost accounting: processing, evaluation and usin cost data. 3. ed. Reading: Addison-Wesley Publishing, PATON, W. A.; PATON Jr., W. A. Asset Accounting. New York: The Macmillan Co., RENDER, B.; STAIR, R. Quantitative analysis for management. 6. ed. Upper Saddle River, New Jersey: Prentice-Hall Inc., ROSS, S. A.; WESTERFIELD, R. W.; JAFFE, J. F. Corporate Finance. 3. ed. Chicago: Irwin, STEVENSON, W. J. Estatística aplicada à administração. São Paulo: Harper & Row do Brasil, / 15 -

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

FUNDO DE COMÉRCIO ("GOODWILL") Algumas Considerações

FUNDO DE COMÉRCIO (GOODWILL) Algumas Considerações FUNDO DE COMÉRCIO ("GOODWILL") Algumas Considerações Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Natureza Jurídica 3. Como Avaliar o Fundo de Comércio 3.1 - Cálculo do Valor Atual de Negociação do Patrimônio

Leia mais

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08

Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 Comentários às Mudanças Contábeis na Lei nº 6.404/76 MP nº 449/08 No dia 3 de dezembro de 2008, foi editada a Medida Provisória nº 449,

Leia mais

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20

Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Luciano Silva Rosa Contabilidade 20 Tratamento contábil do ágio e do deságio O tratamento contábil do ágio e do deságio na aquisição de investimentos avaliados pelo método da equivalência patrimonial (MEP)

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO

ATIVO CLASSIFICAÇÃO 1.1. FUNDAMENTO LEGAL: ATIVO 1. ATIVO E SUA MENSURAÇÃO De acordo com Iudícibus e Marion (1999), as empresas fazem uso de seus ativos para manutenção de suas operações, visando a geração de receitas capazes de superar o valor dos ativos

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 2 Outras metodologias aplicadas 2.1 Metodologia do valor patrimonial de mercado Nesta metodologia, o enfoque é a determinação do valor da empresa a partir de seu valor patrimonial de mercado.

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010

TEORIA DA CONTABILIDADE 2010 1. PATRIMONIO LIQUIDO 1.1. INTRODUÇÃO Estaticamente considerado, o patrimônio liquido pode ser simplesmente definido como a diferença, em determinado momento, entre o valor do ativo e do passivo, atribuindo-se

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade II ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade II DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA (DFC) 3 INTRODUÇÃO 1 2 A demonstração dos fluxos de caixa (DFC), a partir de 01/01/08, passou a ser uma demonstração obrigatória, conforme estabeleceu a lei

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva

Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA. Profa. Divane Silva Unidade IV CONTABILIDADE SOCIETÁRIA Profa. Divane Silva A disciplina está dividida em 04 Unidades: Unidade I 1. Avaliação de Investimentos Permanentes Unidade II 2. A Técnica da Equivalência Patrimonial

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz

CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27. Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz CPC 27 - IMOBILIZADO CPC - 27 Prof. Ms. Maurício F. Pocopetz OBJETIVO É estabelecer o tratamento contábil para ativos imobilizados, de forma que os usuários possam discernir a informação sobre o investimento

Leia mais

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris

Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Tema Fundamentação Conceitual de Custos Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Custos Industriais Fundamentação Conceitual de Custos Luizete Aparecida Fabbris Introdução

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Resumo Demonstrações contábeis são informações e dados que as empresas oferecem ao fim de cada exercício, com a finalidade de mostrar aos acionistas, ao governo e todos os interessados,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes

DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes DEMONSTRAÇÃO FINANCEIRA: BALANÇO PATRIMONIAL Blume Pfleger Valmira Trapp Fernandes RESUMO: Dentro do plano de contas de uma empresa, o Balanço Patrimonial, deve ser produzido de maneira minuciosa e exata,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO SUPERIOR DE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2014 Atualizado em 6 de junho de 2014 pela Assessoria de

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Contabilidade e Sistemas de Custos CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 5º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. 01 Introdução

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ementário e Bibliografia do curso de. Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16(R1) Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por:

SEÇÃO 27 REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVOS. Dezembro 2011. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Telefones: 11 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento); fax 11 3824-5487 E-mail: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS Mostra o fluxo de eventos ocorridos em um determinado período de tempo. Quanto a empresa lucrou no ano passado? BALANÇO PATRIMONIAL Fotografia

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26

2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26 Sumário 1 Introdução... 1 2 Definição do grupo patrimonial... 1 2.1 Estrutura Conceitual e Pronunciamento Técnico CPC n 26... 1 2.2 Lei das S/A... 4 3 Plano de Contas Proposto contas patrimoniais para

Leia mais

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações

Para poder concluir que chegamos a: a) registrar os eventos; b) controlar o patrimônio; e c) gerar demonstrações Contabilidade: é objetivamente um sistema de informação e avaliação, destinado a prover seus usuários com demonstrações e análise de natureza econômica financeira. tratar as informações de natureza repetitiva

Leia mais

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1

LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 LUCRO RELACIONADO AO CONCEITO DE PRESERVAÇAO DA RIQUEZA1 Joseellen Maciel Sousa2 Introdução O ambiente mundial esta passando por um profundo processo de transformação decorrente do alto grau de competitividade

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios

CIÊNCIAS CONTÁBEIS. A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios CIÊNCIAS CONTÁBEIS A importância da profissão contábil para o mundo dos negócios A Contabilidade é a linguagem internacional dos negócios. A Contabilidade é, também, a Ciência que registra a riqueza das

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16. Estoques. Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 16 Estoques Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 2 (IASB) Índice Item OBJETIVO 1 ALCANCE 2 5 DEFINIÇÕES 6 8 MENSURAÇÃO

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil. CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1. PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil CVM - Deliberação nº. 645/10; CFC - NBC TG 06 - Resolução nº. 1.304/10; 1 OBJETIVO O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07. Subvenção e Assistência Governamentais COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 07 Subvenção e Assistência Governamentais Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 20 (IASB) Índice Item OBJETIVO E ALCANCE

Leia mais

Curso Extensivo de Contabilidade Geral

Curso Extensivo de Contabilidade Geral Curso Extensivo de Contabilidade Geral Adelino Correia 4ª Edição Enfoque claro, didático e objetivo Atualizado de acordo com a Lei 11638/07 Inúmeros exercícios de concursos anteriores com gabarito Inclui

Leia mais

UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN

UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN UMA PESQUISA SOBRE A MENSURAÇÃO DOS ATIVOS INTANGÍVEIS ELENCADOS NO CPC 04 COM DISCENTES DA UFRN Danilo Bezerra Araújo 1 UFRN José Leão Lopes de Macedo Ferreira 2 UFRN Megaron Montanaro Batista de Macedo

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER

INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER INCORPORAÇÃO, FUSÃO, CISÃO, JOINT- VENTURE O QUE É, QUANDO FAZER, QUANDO NÃO FAZER Breve Análise de cada Situação Por: Antonio Carlos Nasi Nardon, Nasi Auditores e Consultores 1. INCORPORAÇÃO A incorporação

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Credenciais da 2Finance -Rápida análise da situação da empresa, elaborando relatórios que permitam ao empreendedor e seus dirigentes compreenderem a real situação da empresa

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638

BRITCHAM RIO AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 BRITCHAM RIO 2009 AGIO NA AQUISICAO DE INVESTIMENTOS LEI 11638 JUSTIFICATIVAS DO TEMA Permanente movimento de concentração Aumento da Relevância dos Intangíveis Convergência/Harmonização/Unificação de

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa

Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Um Estudo dos Relatórios da Administração de Empresas com Níveis Diferenciados de Governança Corporativa Elizabeth Krauter ekrauter@usp.br Universidade de São Paulo (USP), FEA São Paulo, SP, Brasil RESUMO

Leia mais

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO

ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO ENTENDENDO O PATRIMÔNIO LÍQUIDO A interpretação introdutória ao estudo da riqueza patrimonial Anderson Souza 1 Na última quarta-feira (dia 14/03/2013), ao ministrar o conteúdo programático relativo ao

Leia mais

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26

6 Balanço Patrimonial - Passivo - Classificações das Contas, 25 Exercícios, 26 Prefácio 1 Exercício Social, 1 Exercícios, 2 2 Disposições Gerais, 3 2.1 Demonstrações financeiras exigidas, 3 2.2 Demonstrações financeiras comparativas, 4 2.3 Contas semelhantes e contas de pequenos,

Leia mais

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis www.pwc.com.br Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis Novembro de 2013 Agenda 2013 Normas novas e revisadas IAS 1 Apresentação das demonstrações financeiras

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37

FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 FAS 109, FIN 48, FAS 5, CPC 25 e IAS 37 Thais R. Bandeira de Mello Rodrigues Associada 55 21 2127-4236 trodrigues@mayerbrown.com Março, 2015 Tauil & Chequer Advogados is associated with Mayer Brown LLP,

Leia mais

Ativo Intangível: um fator competitivo entre as empresas (junto com Andréa Alves Silveira Monteiro)

Ativo Intangível: um fator competitivo entre as empresas (junto com Andréa Alves Silveira Monteiro) Ativo Intangível: um fator competitivo entre as empresas (junto com Andréa Alves Silveira Monteiro) Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis v.4 n 1 1999 1 - INTRODUÇÃO A cada semana

Leia mais

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis

Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis Revista UNIFESO Humanas e Sociais Vol. 1, n. 1, 2014, pp. 35-44. Proposta de apresentação das Demonstrações Contábeis pelos critérios de avaliação econômica e a preços de mercado Clóvis Luís Padoveze 1

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas O Valor Patrimonial das Empresas Em situações específicas: Utilização Determinar o valor de liquidação de uma empresa em condição de concordata ou falência; Avaliação de ativos não

Leia mais

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12

NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 NBC T 19.17 - AJUSTE A VALOR PRESENTE CPC 12 FEVEREIRO DE 2008 1 AJUSTE A VALOR PRESENTE - AVP O AVP tem como objetivo o ajuste para demonstrar o valor presente de um fluxo de caixa futuro. Que pode estar

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a

Con o s n e s l e h l o h o p a p r a a a v o v c o ê c ê s e s r e um u m p r p ofi o s fi s s i s o i n o a n l a Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido Conselho para você ser um profissional Contábil bem-sucedido 1) Valorize a profissão: é a única com desemprego zero; tem 23 áreas de especialização

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS INTERPRETAÇÃO TÉCNICA ICPC 09 (R1) Demonstrações Contábeis Individuais, Demonstrações Separadas, Demonstrações Consolidadas e Aplicação do Método de Equivalência Patrimonial

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

Uberlândia / MG, maio de 2010.

Uberlândia / MG, maio de 2010. FUPAC FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTONIO CARLOS 1 TEORIA DA CONTABILIDADE ATIVO INTANGIVEL Uberlândia / MG, maio de 2010. Paulo Cesar da Silva ATIVO INTANGIVEL: FUNDAMENTO LEGAL 2 De acordo com o art. 179, inciso

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE

A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE 546 A CONTABILIDADE COMO INSTRUMENTO DE AUXÍLIO NO CONTROLE DO MEIO AMBIENTE Irene Caires da Silva 1, Ana Carlina Toni Pereira 2, Carlile Serafim Pestana 2, Fernando Henrique Grigoletto dos Santos 2, Henrique

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA Sumário 1. Considerações Iniciais 2. Estrutura da Demonstração do Valor Adicionado 2.1 - Grupo de Receita Bruta - Outras Receitas 2.2 - Grupo de Insumos Adquiridos

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE

UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE UNISALESIANO- LINS CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICO SALESIANO AUXILIUM CONTABILIDADE AVANÇADA II CONTABILIDADE EM MOEDA FORTE PROF. M.Sc. RICARDO GONÇALVES DOS SANTOS LINS-SP/2012 1 TEORIA CONTÁBIL DO LUCRO

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL

PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL PRINCIPAIS DIFERENÇAS ENTRE A CONTABILIDADE PÚBLICA E A CONTABILIDADE GERAL Aspectos Contabilidade Pública Contabilidade Geral Legislação Lei nº 4.320/64 Lei nº 6.404/76 Princípios PFC e Princípios PFC

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO

O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES 14/08/2015 O PATRIMÔNIO O PATRIMÔNIO: CONCEITOS E INTERPRETAÇÕES Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é Patrimônio? O PATRIMÔNIO Patrimônio é o conjunto de posses, a riqueza de uma pessoa, quer seja ela física ou jurídica,

Leia mais

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento

Unidade II Orçamento Empresarial. Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Unidade II Orçamento Empresarial Profª Msc Mary Wanyza Disciplina : Orçamento Referências Bibliográficas Fundamentos de Orçamento Empresarial Coleção resumos de contabilidade Vol. 24 Ed. 2008 Autores:

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais

Um Modelo de Sistema de Informação Contábil para Mensuração do Desempenho Econômico das Atividades Empresariais 1 UM MODELO DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL PARA MENSURAÇÃO DO DESEMPENHO ECONOMICO DAS ATIVIDADES EMPRESARIAIS Autor: Reinaldo Guerreiro Professor Assistente Doutor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais