RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A."

Transcrição

1 RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. LAUDO DE AVALIAÇÃO DO PREÇO DA OFERTA PÚBLICA DE AQUISIÇÃO DE AÇÕES ORDINÁRIAS E PREFERENCIAS DE EMISSÃO DA RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. PARA CANCELAMENTO DO REGISTRO DE COMPANHIA ABERTA JULHO DE 2012

2 IGAF Worldwide Brasil Rua México, nº 11 13º andar Rio de Janeiro RJ Brasil Telefone: Fax: H. Page: Rio de Janeiro, 31 de julho de 2012 À COMPANHIA BRASILEIRA DE LATAS Av. Dr. Cardoso de Mello, nº º andar - Vila Olímpia São Paulo SP Atenção do Senhor JAIRO CARLOS DOS SANTOS Prezados Senhores, De acordo com os termos de nossa carta proposta, datada de 28 de julho de 2011, procedemos a serviços de consultoria e assessoria para a emissão de Laudo de Avaliação objetivando suportar requisitos para a realização de Oferta Pública de Aquisição de Ações (OPA) visando o cancelamento do registro de companhia aberta da Empresa RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. RIMET permitindo nortear a definição de um valor básico para a negociação de ações da Companhia. Apresentamos a seguir nosso relatório, dividido nas seguintes partes: INDÍCE Páginas Parte I - Sumário Executivo 3 a 7 Parte II Informação sobre o Avaliador 8 a 18 Parte III - Informação sobre a Companhia Avaliada 19 a 25 Parte IV - Valor apurado pelos diferentes critérios 26 Parte V - Da Avaliação Econômico-Financeira da Companhia 27 a 30 Parte VI - Avaliação da Companhia - Média Ponderada das Cotações na Bolsa de Valores 31 a 33 Parte VII - Avaliação da Companhia Valor Econômico por Fluxo de Caixa Descontado 34 a 64 Parte VIII - Avaliação da Companhia Valor do Patrimônio Líquido por 65 Ação. Parte IX - Informações Complementares 66 a 68 Parte X - Conclusão 69 Anexo 1 - Glossário 70

3 Acreditamos que este relatório contém todos os dados necessários para seu adequado entendimento. Permanecemos, entretanto, ao inteiro dispor de V. Sas. para prestar quaisquer esclarecimentos adicionais sobre os serviços executados, que venham a ser julgados necessários. Aproveitamos a oportunidade para agradecer a cortesia e atenção que nos foram dispensadas por todos os executivos e funcionários da RIMET, com os quais mantivemos contatos durante a execução de nossos trabalhos. Atenciosamente, IGAF WORLDWIDE BRASIL AUDITORES E CONSULTORES Antônio Timótheo de Lima Filho Consultor CRA-RJ Carlos Alberto Magalhães Sócio CRA-RJ

4 PARTE I SUMÁRIO EXECUTIVO Este Laudo de Avaliação (LAUDO) foi elaborado por IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESAS S/C LTDA., por solicitação do acionista controlador a COMPANHIA BRASILEIRIA DE LATAS, doravante denominado CONTROLADOR OU OFERTANTE, objetivando a realização de Oferta Pública de Aquisição de Ações - OPA, visando o cancelamento do registro de companhia aberta da Empresa RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. A confecção do LAUDO atendeu às normas fixadas pela Instrução CVM nº 436, de 5 de junho de 2006, que acrescentou o Anexo III à Instrução CVM nº 361, de 05 de março de 2002, bem como as alterações trazidas pela Instrução CVM 487 de 25 de novembro de O Sumário Executivo, abaixo apresentado, bem como os demais dados apresentados nas Partes II a X deste relatório contemplam as informações listadas no referido Anexo III. 1.1 PRINCIPAIS INFORMAÇÕES E CONCLUSÃO DO LAUDO DE AVALIAÇÃO a) Empresa avaliada Rimet Empreendimentos Indústrias e Comerciais S.A Empresa de Capital Aberto CNPJ : / Código CVM: NIRE: Endereço: Rod. Presidente Dutra KM 298 S/N Resende Rio de Janeiro CEP: Telefone (24) b) Diretor de Relações com o Investidor DRI Eduardo Mastandrea Junior Endereço: Avenida Dr. Cardoso de Mello, º andar Vila Olímpia São Paulo SP CEP Telefone (11) Fax (11)

5 c) Auditor Independente IGAF LM Auditores Independentes Responsável técnico: Luiz Fernando Lyra Magalhães Endereço: Rua México, 11 13º andar Centro Rio de Janeiro RJ CEP Telefone (21) Fax (21) Código CVM: 2704 d) Situação operacional da Companhia A RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. ( Companhia ) é uma sociedade anônima de capital aberto, com sede na cidade de Resende, Estado do Rio de Janeiro, tendo suas ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. A Companhia tem por objeto a fabricação e comercialização de embalagens metálicas (aço) para diversos fins, sendo essas atividades distribuídas em unidades industriais nas cidades de Resende (RJ); Lins (SP); Luziânia (GO) e Pelotas (RS). O capital social da Companhia é composto por ações, sendo ações ordinárias e ações preferências. Estão em circulação no mercado ações ordinárias e ações preferências. e) Conclusão do Laudo de Avaliação Considerando os objetivos do presente estudo, o conjunto de premissas estabelecidas por nossos consultores elaboradas com base em informações e cenários traçados em conjunto por nossos consultores e por executivos da RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A., o valor presente justo de mercado, aproximado, que pode servir de base à negociação de ações da Companhia, de acordo com o Valor do Preço Médio verificado nos últimos doze meses de operações realizadas em Bolsa de Valores com as Ações da Companhia, é de R$ 4,43 (quatro reais e quarenta e três centavos) por lote de mil ações emitidas até 31 de dezembro de

6 1.2 CRITÉRIOS ADOTADOS E AS PRINCIPAIS PREMISSAS O Cenário de operações futuras e estratégicas da RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. foi preparado por seus principais executivos e apresentado aos Consultores do IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESAS S/C LTDA., que as consideraram consistentes. Foi escolhido para a execução de projeções um Cenário de operações futuras apontado como o mais realista. Os trabalhos de avaliação foram elaborados considerando três alternativas de metodologia para avaliação, uma vez que o propósito do LAUDO é o de subsidiar o registro de oferta pública de aquisição de ações com a finalidade de para cancelamento de registro de companhia aberta. As alternativas metodológicas foram as seguintes: o Valor apurado através do Método de Fluxo de Caixa Descontado; o Valor do Patrimônio Líquido da Companhia; e o Valor do Preço Médio verificado nos últimos doze meses de operações com as Ações da Companhia. 1.3 Método de avaliação escolhido A avaliação do valor presente do Fluxo de Caixa Descontado das operações da Companhia revelou uma projeção de caixa negativa, no montante de R$ mil, correspondendo a um valor negativo de R$ 5,65 por lote de mil ações, na data de 31 de dezembro de 2011 apresentada ao final desse relatório. Embora o Método de Fluxo de Caixa Descontado seja considerado o mais adequado para a determinação do valor de um negócio em operação, descartamos sua adoção em decorrência de haver sido encontrado um valor negativo, ao final do horizonte de projeções. É necessário destacar que uma avaliação com base em Fluxo de Caixa Descontado que apresente um valor final negativo, ao final do horizonte de projeções, não é usualmente utilizada como base para a tomada de decisões empresariais. Por outro lado, com a estrita finalidade de subsidiar o registro de oferta pública de aquisição de ações para cancelamento de 5

7 registro de companhia aberta, julgamos oportuno apresentar o resultado obtido nas projeções efetuadas, como forma de apresentar aos acionistas da empresa a efetiva situação encontrada, considerando-se as premissas adotadas neste estudo. Da mesma forma, também foi descartada a opção de utilizar o Valor do Patrimônio Líquido da Companhia como base para a valorização da oferta pública a ser efetuada, em decorrência da atual situação patrimonial da Companhia: Patrimônio Líquido Negativo (Passivo a Descoberto) equivalente a R$ mil correspondendo a um valor negativo de R$ 54,82 por lote de mil ações, na mesma data de 31 de dezembro de Em decorrência de verificação de valores negativos nas duas alternativas anteriormente apresentadas, restou, como única alternativa viável, a consideração do Valor do Preço Médio verificado nos últimos doze meses de operações realizadas em Bolsa de Valores com as Ações da Companhia. A média ponderada encontrada nas negociações no período de fevereiro de 2011 a janeiro de 2012 foi de R$ 4,43 por lote de mil ações preferências. Destacamos, mais uma vez, que o propósito do presente LAUDO é o de subsidiar o registro de oferta pública de aquisição de ações para cancelamento de registro de companhia aberta. No entanto, este LAUDO não representa proposta, solicitação, aconselhamento ou recomendação, por parte do IGAF LM, do valor da Oferta. Esta responsabilidade é única e exclusiva dos acionistas do OFERTANTE. O IGAF LM recomenda aos acionistas procurarem consultores jurídicos, tributários e financeiros, com a finalidade de estabelecerem suas próprias opiniões sobre a Oferta. 6

8 1.4 Taxa de desconto utilizada A Taxa de Desconto utilizada na avaliação da RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. foi determinada através da apuração do CAPM - Capital Asset Pricing Model com base em informações disponíveis no mercado no final do exercício de 2010, base para base para a definição do cenário de operações futuras, sendo fixada em 12,92% ao ano. Como citado no item 1.5 seguinte, esta avaliação foi descartada ao final dos trabalhos, uma vez que revelou uma projeção de caixa negativa. Veja o detalhamento das principais premissas adotadas na Parte V deste Relatório. 1.5 Quadro comparativo dos valores apurados Apresentamos, a seguir, um Quadro Comparativo dos valores apurados segundo cada metodologia utilizada: Valor em Reais por lote de mil ações emitidas até 31 de Metodologia de Avaliação Utilizada dezembro de 2011 Preço médio ponderado de negociação das ações preferenciais da Rimet no período de 12 meses, de fevereiro de 2011 a janeiro de 2012, por lote de mil ações. 4,43 Valor econômico das ações com base no valor presente do Fluxo de Caixa Descontado das operações da Companhia, por lote de mil ações. (5,65) Valor do Patrimônio Líquido apurado com base nas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2012, por lote de mil ações. (54,82) 7

9 PARTE II INFORMAÇÃO SOBRE O AVALIADOR 2.1 A Empresa: Fundado em 1985, o IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESAS S/C LTDA. tem ampla experiência e atuação profissional em processos de: Fusões, aquisições e associações; Reestruturações financeiras e corporativas; Privatizações. Apresentamos, a seguir, uma relação parcial de serviços de assessoria e avaliação de empresas, executados em processos de reestruturação societária: Avaliações e suporte para privatização de empresas estatais, contratadas pelo BNDES / Programa Nacional de Desestatização, executadas há mais de três anos: AÇOS FINOS PIRATINI Siderurgia Serviço "B" - Avaliação Econômico- Financeira com a finalidade de determinação do Preço Mínimo para a desestatização. Cia. Eletromecânica CELMA Indústria de manutenção e projetos para turbinas de aviação Serviço "A" - Modelagem da alienação, conduzida até a venda da empresa em Bolsa de Valores, incluindo análise de riscos através de Due Diligence e a avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de determinação do preço mínimo para a desestatização. 8

10 Suporte e Assessoria à Negociação, Due Diligence e Avaliações Econômico- Financeiras, para diversos fins, executadas há mais de três anos, entre 1994 e 2008: GEOTÉCNICA S.A. Due Diligence e Avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de suportar a decisão de negociação de aquisição do controle societário da ELEBRA S.A. Eletrônica Brasileira Empresa Aberta. ELEBRA S.A. Eletrônica Brasileira Empresa Aberta Due Diligence preventiva e assessoria na negociação com a finalidade de suportar a negociação de venda do controle societário da ELEBRA Informática para a UNISYS Brasil. APOLO Produtos de Aço S.A. Grupo Peixoto de Castro Definição de cenários e elaboração de projeções e simulações com a finalidade de comprovar a viabilidade econômico-financeira em um cenário de renovação do parque fabril através de financiamento a ser obtido do IFC. SUPPORT Produtos Nutricionais Ltda. Due Diligence preventiva e Avaliação Econômico-Financeira, com a finalidade de suportar a negociação de venda do controle societário para a NUTRICIA (Multinacional Holandesa, uma das líderes mundiais no segmento). ADVANCED Nutrition Ltda. Definição de cenários e elaboração de projeções e simulações com a finalidade de comprovar a viabilidade Econômico-Financeira, além de execução de Due Diligence relacionada com uma linha de produtos a ser adquirida da SARGEL Ltda. 9

11 ADVANCED Nutrition Ltda. Definição de cenários e elaboração de projeções e simulações com a finalidade de comprovar a viabilidade Econômico-Financeira, além de execução de Due Diligence relacionada com uma linha de produtos a ser adquirida da Barrene Indústria Farmacêutica. MOLSON Inc. Empresa aberta Canadense - Avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de suportar a decisão de aquisição do controle da cervejaria BAVARIA S.A. DARROW Laboratórios S.A. Due Diligence e Avaliação Econômico-Financeira, com a finalidade de suportar a decisão de aquisição de parte do controle societário da indústria farmacêutica QUIRAL Química do Brasil. RESGATE PLUS Ltda. - Avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de suportar a negociação do controle societário com uma empresa multinacional do segmento de saúde. Empresa de Águas KAIARY Ltda. Due Diligence e Avaliação Econômico- Financeira com a finalidade de suportar a negociação do controle societário. Saúde ABC Planos de Saúde Due Diligence e Avaliação Econômico-Financeira, com a finalidade de suportar a aquisição do controle societário de quatro diferentes Clínicas de Diagnóstico. REPSOL YPF do Brasil S.A. - Avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de suportar a negociação do controle societário da Gama Comércio de Petróleo S.A. 10

12 REPSOL YPF do Brasil S.A. - Avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de suportar a negociação do controle societário da Rede Bomm de Postos de Serviços. IIMAK Brasil Ltda. - Avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de suportar a negociação do controle societário da Seal Eletrônica da Amazônia Ltda. INFRANAV Indústria e Comércio Ltda. Due Diligence e Avaliação Econômico- Financeira com a finalidade de suportar a alienação de parte do controle societário da empresa. IPA Comércio de Alimentos Ltda. Due Diligence e Avaliação Econômico- Financeira com a finalidade de suportar a alienação do controle societário da empresa. MULTIREDE Informática Ltda. Due Diligence preventiva e Avaliação Econômico-Financeira, com a finalidade de suportar a alienação de parte do controle societário da empresa. INTERSAÚDE Planos de Saúde Assessoria com a finalidade de suportar a alienação da carteira de clientes para a AVMED. LUXOR HOTÉIS Due Diligence preventiva e acompanhamento da Due Diligence efetuada por outros consultores, com a finalidade de suportar a negociação de venda do controle societário para a LA Hotels (GP Investments). Construtora OAS Due Diligence com a finalidade de suportar a aquisição de Empresa de Engenharia. 11

13 FRESENIUS MEDICAL CARE Due Diligence com a finalidade de suportar a aquisição de Clínicas de Hemodiálise. Avaliações Econômico-Financeiras realizadas nos últimos três anos, para diversos fins: TERMELÉTRICA MONTE PASCOAL S.A. Avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de determinar o valor do Fluxo de Caixa Livre decorrente da Receita Fixa a ser auferida com a Outorga para exploração da Usina Termoelétrica Monte Pascoal Setembro de NEW SYSTEMS LTDA. Avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de suportar a alienação de parte do controle societário da empresa Junho de COMPANHIA BRASILEIRA DE LATAS Avaliação Econômico-Financeira com a finalidade de determinar a capacidade de geração de caixa de suas operações, permitindo nortear a definição de um valor básico para a integralização de capital através da incorporação de débitos da Companhia Julho de HIPERFLEX INDÚSTRIA DE TINTAS E REVESTIMENTOS LTDA. Avaliação econômica financeira para a determinação de Projeções de Fluxos de Caixa futuros que possibilitem visualizar a capacidade de liquidação de financiamento Setembro de AGACE SUCROQUÍMICA LTDA. - Avaliação econômica financeira para a determinação de Projeções de Fluxos de Caixa futuros que possibilitem visualizar a capacidade de liquidação de financiamento Setembro de

14 ISOCAMP INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Avaliação econômica financeira para a determinação de Projeções de Fluxos de Caixa futuros que possibilitem visualizar a capacidade de liquidação de financiamento Setembro de Embora o IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESAS S/C LTDA. tenha ampla experiência e atuação profissional em processos de Fusões e Aquisições, em Reestruturações financeiras e corporativas e em Privatizações e Avaliações Econômico-Financeiras realizadas ao longo de mais de trinta anos, para diversas empresas fechadas, não foram realizados serviços para companhias do mesmo setor da companhia objeto e nem para outras companhias abertas. A experiência do IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESAS S/C LTDA. acima descrita pode ser assim resumida: Experiência em serviços executados para: Quantidade de Serviços executados há mais de três anos Quantidade de Serviços executados há menos que três anos Companhias Abertas - - Companhia do Setor da Companhia objeto - - Companhias Fechadas diversas 23 6 TERMELÉTRICA MONTE PASCOAL S.A. NEW SYSTEMS LTDA. COMPANHIA BRASILEIRA DE LATAS HIPERFLEX INDÚSTRIA DE TINTAS E REVESTIMENTOS LTDA. AGACE SUCROQUÍMICA LTDA. ISOCAMP INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA. Setembro de 2008 Junho de 2010 Julho de 2011 Setembro de 2011 Setembro de 2011 Setembro de

15 2.2 Descrição sucinta pormenorizada do processo interno de aprovação do Laudo de avaliação: O processo interno de aprovação de laudos de avaliação emitidos pelo IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESA S/C LTDA. envolve as seguintes etapas: Discussão sobre a metodologia e as premissas a serem adotadas no laudo de avaliação com a equipe envolvida na sua preparação. Preparação e revisão do laudo pela equipe envolvida no projeto. Submissão do laudo para análise do Comitê de Sócios do IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESA S/C LTDA. e implementação de eventuais solicitações do Comitê de Sócios. 2.3 Identificação e qualificação dos profissionais responsáveis pelo laudo de avaliação: - Carlos Alberto Magalhães: Resumo das qualificações profissionais: Atua nas áreas de Consultoria Empresarial e de Auditoria Operacional e de Riscos do IGAF LM Consultores de Empresas S/C Ltda.. Responsável por diversos projetos de avaliação econômico-financeira destinados a determinar o valor básico para negociação do controle de empresas, incluindo a condução de serviços de avaliação contratados pelo BNDES. Especialista em auditoria operacional, de gestão e de riscos, diagnóstico de situação, redesenho de processos, sistemas de informações e projetos de investimentos. Especialista em projetos de gestão de riscos e controles internos. 14

16 Responsável por projetos de desenvolvimento e implantação de Departamentos de Auditoria Interna, em várias organizações e por dirigir diversos projetos de Terceirização de Auditoria Interna e de redesenho e implementação de processos de controle, em empresas dos mais diversos ramos de atividades industriais, comerciais e de serviços. Foi professor da Fundação Getúlio Vargas, tendo sido responsável pela coordenação no Brasil de todos os cursos de Auditoria para o IRH Instituto de Recursos Humanos, incluindo cursos abertos e fechados para empresas privadas, órgãos de governo e tribunais de contas estaduais. Foi conselheiro fiscal do Grupo BANERJ. Membro do IBEF Instituto Brasileiro de Executivos em Finanças, da OLA - Organização Latino-Americana de Administração e da Câmara Americana de Comércio. Experiências Profissionais: IGAF LM Consultores de Empresas S/C Ltda. Sócio-Diretor e Associação Brasileira de Auditores e Consultores ABAC Diretor Executivo. Bolsa de Valores do Rio de Janeiro Gerente da Auditoria Interna. Swedish Match AD (Cia. Fiat Lux de Fósforos de Segurança) Gerente da Auditoria Interna e Sistemas. PricewaterhouseCoopers Consultores de Empresas Gerente Sênior. PricewaterhouseCoopers Auditores Independentes Auditor Sênior. Educação: Administrador de Empresas Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós-graduado em Gestão de Negócios. 15

17 - Antônio Timótheo de Lima Filho Resumo das qualificações profissionais: Consultor do IGAF LM Consultores de Empresas S/C Ltda., atuando na área de Consultoria Empresarial Especialista em modelos de planejamento e orçamento, planejamento estratégico, custos, sistemas de informações gerenciais e desenvolvimento de sistemas corporativos. Coordenou e participou de diversos projetos de avaliação econômico-financeira para empresas dos mais diversos segmentos. Foi responsável pelo desenvolvimento e implantação de sistemas de planejamento e orçamento em várias empresas, dentre as quais podem ser destacadas: - Companhia Siderúrgica Nacional CSN - Ficap S.A. - Grupo Lorentzen - Chase Manhatam Bank - Apolo Produtos de Aço Experiências Profissionais: IGAF LM Consultores de Empresas S/C Ltda. Consultor. Companhia Siderúrgica Nacional Supervisor de Orçamento. Grupo Lorentzen Gerente de Planejamento Econômico e Financeiro. Chase Manhatam Bank Gerente de Planejamento Econômico e Financeiro. Educação: Administração de Empresas Faculdades de Ciências Contábeis e Administrativas Moraes Júnior. 16

18 2.4 Declarações do Avaliador O IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESA S/C LTDA. declara, para fins de suporte à Avaliação procedida, que: a) Não é ele próprio, ou seu controlador, ou pessoa a este vinculada, titular de valores mobiliários de emissão da RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A., ou de qualquer derivativo a eles relacionados, tampouco administra discricionariamente quaisquer desses valores mobiliários. b) Não há qualquer informação comercial ou creditícia, de qualquer natureza, que possa impactar o LAUDO. c) Não existe qualquer conflito de interesse que diminua a independência do IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESA S/C LTDA., de seus sócios e consultores, na elaboração do presente LAUDO. d) Pelos serviços referente à preparação do LAUDO, independente do sucesso ou insucesso da OPA, o IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESA S/C LTDA. receberá R$ ,00 (trinta mil e quinhentos reais) a título de honorários fixos pela elaboração do presente LAUDO, pagos pela COMPANHIA BRASILEIRA DE LATAS. e) Em 2011 manteve relacionamento comercial com a COMPANHIA BRASILEIRA DE LATAS, na prestação de serviços profissionais para elaboração de Laudo de Avaliação Econômica Financeira, com a finalidade de determinar a capacidade de geração de caixa de suas operações, permitindo nortear a definição de um valor básico para a integralização 17

19 de capital através da incorporação de débitos da Companhia, onde recebeu, R$ ,00 (sessenta e um mil e quinhentos reais) a título de honorários. f) O IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESA S/C LTDA. mantém vínculos profissionais com a empresa IGAF LM Auditores Independentes, que foi responsável pela condução da Auditoria Independente da RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. no exercício de Os honorários profissionais relativos à auditoria do exercício de 2011 para a Controladora COMPANHIA BRASILEIRA DE LATAS e a controlada RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A., recebidos pela IGAF LM Auditores Independentes, foram equivalentes a R$ ,00 (oitenta e oito mil e duzentos reais). Nenhum dos sócios da empresa avaliadora faz parte da sociedade da empresa de auditoria. g) O IGAF LM CONSULTORES DE EMPRESA S/C LTDA. declara que, entre os critérios de avaliação apresentados neste documento, o Valor do Preço Médio verificado nos últimos doze meses de operações realizadas em Bolsa de Valores com as ações da Companhia é, em sua opinião, o mais apropriado para determinar o preço justo das ações de emissão da RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. Nossa opinião pela utilização do valor do preço médio das ações, dos últimos doze meses, considerou a situação do Patrimônio Líquido (Passivo a descoberto) da Companhia, que, em 31 de dezembro de 2011, era negativo em R$ mil, e o resultado das projeções de geração de caixa futuras que apresentaram valor presente negativo. Dessa forma, o método adotado para valorização das ações da Companhia foi o da Média das Cotações que as ações da RIMET alcançaram em operações efetivamente realizadas na Bovespa dos últimos doze meses, de Fevereiro de 2011 a Janeiro de

20 PARTE III INFORMAÇÕES SOBRE A COMPANHIA AVALIADA 3.1 A COMPANHIA A RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A é uma sociedade anônima de capital aberto, com sede na cidade de Resende, estado do Rio de Janeiro, tendo suas ações negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. O capital social da Companhia é composto por ações, sendo ações ordinárias e ações preferências. Em 31 de dezembro de 2011 os principais acionistas da RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. são: Participação Acionistas Ações Classe % Companhia Brasileira de Latas - CBL Ordinárias A e B 98,16% Acionistas Minoritários Ordinárias - 0,02% Acionistas Minoritários Preferenciais - 1,82% Membros do Conselho de Administração Ordinárias - 0,00% Ações atual - Quantidade A Companhia atua no mercado de fabricação de embalagens metálicas (aço) para diversos fins, sendo essas atividades distribuídas em unidades industriais estabelecidas nas cidades de Resende (RJ); Lins (SP); Luziânia (GO) e Pelotas (RS). Fundada em 1946, com o nome de RHEEM METALÚRGICA S/A, iniciou suas atividades na produção de tambores de aço com capacidade de 100 a 200 litros, posteriormente, ampliou sua produção de baldes de outras dimensões e partir de 1972, iniciou a participação no mercado de embalagens para alimentos e tintas. 19

21 Em 1985 foi constituída a RHEEM EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. que assumiu o controle total do capital da Rheem Metalúrgica S/A. Em 1986 a RHEEM EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A., obteve o registro de Companhia Aberta, passando suas ações a serem negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo e Rio de Janeiro. Em 1999, com o fim da licença de uso da marca Rheem, o nome da sociedade foi alterado para RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. Em 2000 a COMPANHIA BRASILEIRA DE LATAS adquiriu 100% das ações ordinárias da Companhia e passou a ser o principal acionista Controlador. A capacidade de produção anual instalada da RIMET EMPREENDIMENTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS S.A. é de 36 mil toneladas de aço por ano, com investimentos em manutenção e desenvolvimento previstos na ordem de R$ 3,2 milhões em No ano de 2011 a RIMET processou 30,3 mil toneladas de aço, que representou a utilização de 84,2 % da capacidade atual. O mercado de embalagens foi afetado ao longo dos anos pela concorrência de produtos sucedâneos, em especial, de embalagens flexíveis, que aumentaram gradativamente sua participação no mercado de alimentos em substituição à embalagem de aço, alavancadas, inclusive, nos últimos anos, pela apreciação do real frente às moedas estrangeiras. No exercício encerrado em 31 de dezembro de 2011, a receita líquida da Companhia foi de R$ 155,4 milhões (R$ 162,1 milhões em 2010), sendo que o resultado operacional foi de 20

22 R$ milhões negativo (R$ milhões negativo em 2010). A Companhia vem operando com déficit operacional de caixa nos últimos anos, fazendo com que seus passivos financeiros aumentassem, impactando o patrimônio líquido, que em 31 de dezembro de 2011 era negativo em R$ 337,0 milhões (R$ 257,7 milhões em 2010). 3.2 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DO MERCADO DE ATUAÇÃO As informações disponíveis não permitem identificar histórico de crescimento deste mercado. Não há informações disponíveis e confiáveis sobre o mercado brasileiro de embalagens metálicas, que permitam identificar a participação da RIMET neste mercado Principais Produtos A Companhia produz embalagens de aço, fabricadas a partir de folha-de-flandres com revestimento de estanho ou cromo, para o acondicionamento e venda de produtos alimentícios, tintas e químicos, bebidas e ração animal, entre outros. As embalagens fabricadas pela Companhia passam por processo de Impressão através de litografia, utilizando um moderno sistema de confecção de fotolitos. O desenvolvimento dos fotolitos é feito internamente a partir da arte entregue pelo cliente. Equipamentos de alta tecnologia possibilitam o tratamento de imagens, alterações de texto ou layout e preparação de provas com flexibilidade e agilidade. 21

23 Suas linhas de produtos estão assim divididas: Alimentos: Embalagens para armazenamento de milho, ervilha, seleta de legumes, sopas, extrato de tomate, molho de tomate, palmito, frutas em calda e doce de fruta em massa. Tintas e Químicos: São produzidos baldes e galões de até 24 Litros de capacidade total para armazenamento de tintas, vernizes, adesivos, graxas, defensivos agrícolas, solventes, resinas, óleos lubrificantes e produtos químicos em geral. Ração animal: Embalagem para armazenamento de ração para cães e gatos. Óleos comestíveis: Embalagem para armazenamento de óleos comestíveis que impedem que a luz deteriore o produto, vantagem competitiva frente aos concorrentes que armazenam em embalagens translucidas de plástico. Lácteos: Embalagem para creme de leite, leite condensado, doces em pasta, achocolatado e leite em pó. Cafés: Embalagens que atendem aos padrões nacionais e internacionais de armazenamento, empilhamento e distribuição. Carnes: Embalagens que atendem produtos como carnes processadas, salsichas, almôndegas, carnes vegetais, feijoadas e patês. A qualidade das embalagens metálicas produzidas pela RIMET é reconhecida por seus clientes, sendo um diferencial de competitividade neste segmento de embalagem. 22

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES

2. DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E INFORMAÇÕES 1. INTRODUÇÃO Referente à elaboração e divulgação de informações pelas instituições administradoras dos Fundos de Investimento Imobiliário, para o mercado de valores mobiliários e encaminhamento à Comissão

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações

Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações Banrisul Governança Corporativa Fundo de Investimento em Ações CNPJ 10.199.937/0001-91 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96) Demonstrações Financeiras

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES. Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL Auditores Independentes S/S PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Sócios, Conselheiros e Diretores da INSTITUIÇÃO COMUNITÁRIA DE CRÉDITO BLUMENAU-SOLIDARIEDADE ICC BLUSOL 1. Examinamos os balanços patrimoniais

Leia mais

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação.

BTG Fundo de Fundos. 5ª Emissão. Janeiro, 2013. Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. 5ª Emissão Janeiro, 2013 Para informações adicionais, leia atentamente os Avisos Adicionais no final da apresentação. SEÇÃO 1 Características Características Fundo Carteira Remuneração FUNDO FII fechado

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores

Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores Associação Brasileira de Tecnologia de Luz Síncrotron - ABTLuS Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2001 e de 2000 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes 18

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS BICBANCO STOCK INDEX AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 30 DE SETEMBRO

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA

Leia mais

PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A.

PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. PROPOSTA DA DIRETORIA PARA AUMENTO DO CAPITAL SOCIAL DA FERROVIA CENTRO-ATLÂNTICA S.A. Senhores Conselheiros, Esta Diretoria, visando a restabelecer a estrutura de capital da Ferrovia Centro-Atlântica

Leia mais

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO

INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO INVESTCO S.A. PROPOSTA DA ADMINISTRAÇÃO Aos Srs. Acionistas Investco S.A. Anexo I - Comentários dos Diretores da Companhia Contas dos Administradores referentes ao exercício social encerrado em 31.12.2012.

Leia mais

INEPAR S.A. INDÚSTRIA E CONSTRUÇÕES LAUDO DE AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL

INEPAR S.A. INDÚSTRIA E CONSTRUÇÕES LAUDO DE AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL INEPAR S.A. INDÚSTRIA E CONSTRUÇÕES LAUDO DE AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL Data base 30/06/2011 Resumo Joinville (SC), 05 de setembro de 2011. Aos Diretores e Acionistas INEPAR S.A. INDÚSTRIA

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Maio de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliários FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008

Conciliação do BR GAAP com o IFRS Resultado e Patrimônio Líquido em 31 de dezembro de 2008 Bovespa: TPIS3 www.tpisa.com.br Departamento de RI Diretoria Ana Cristina Carvalho ana.carvalho@tpisa.com.br Gerência Mariana Quintana mariana.quintana@tpisa.com.br Rua Olimpíadas, 205-14º andar Fone +55

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01176-2 VULCABRAS SA 50.926.955/0001-42 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/1999 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 02091-5 MRV ENGENHARIA E PARTICIPAÇÕES S.A. 08.343.492/0001-20 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 31/3/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96)

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.

RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII. CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing. RB CAPITAL ANHANGUERA FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO- FII CNPJ nº 13.568.181/0001-07 (Administrado por INTRADER DTVM Asset servicing.) 1 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Seção I Objeto do Fundo 2 Seção I

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM

Bovespa Supervisão de Mercados - BSM 1. C ontexto operacional A Bovespa Supervisão de Mercados BSM (BSM) criada em 16 de agosto de 2007 como uma associação civil sem finalidade lucrativa, em cumprimento ao disposto na regulamentação pertinente

Leia mais

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A. INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO SIDERÚRGICA J. L. ALIPERTI S/A INSTRUÇÃO CVM Nº 481 Anexo 9-1-II DESTINAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO 1 Informar o lucro líquido do exercício - O montante do lucro líquido do exercício é de R$ 8.511.185,59 (oito

Leia mais

LOJAS AMERICANAS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF. 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817.0

LOJAS AMERICANAS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF. 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817.0 LOJAS AMERICANAS S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF. 33.014.556/0001-96 NIRE 3330002817.0 ATA DA REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DE LOJAS AMERICANAS S.A. REALIZADA EM 11 DE MARÇO DE 2014, ÀS 10:00 H. I.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Relatório do Administrador Anual Fundo de Investimento Imobiliário Polo Shopping Indaiatuba (CNPJ no. 14.721.889/0001-00)

Relatório do Administrador Anual Fundo de Investimento Imobiliário Polo Shopping Indaiatuba (CNPJ no. 14.721.889/0001-00) Relatório do Administrador Anual Fundo de Investimento Imobiliário Polo Shopping Indaiatuba (CNPJ no. 14.721.889/0001-00) Ref.: Exercício de 2013 Em conformidade com o Artigo n. 39 da Instrução CVM n.

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DEFINITIVOS DE INCORPORAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DEFINITIVOS DE INCORPORAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DEFINITIVOS DE INCORPORAÇÃO DE FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO Pelo presente instrumento e na melhor forma de direito: BANCO J. SAFRA S.A., instituição financeira, inscrita

Leia mais

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS

Ilmos. Senhores - Diretores e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS A-PDF MERGER DEMO PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES São Paulo,04 de agosto de 2006. Ilmos. Senhores - es e Acionistas da LINK S/A CORRETORA DE CÂMBIO, TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS 1. Examinamos os balanços

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. Ao Senhor Fernando Martins Vaz Chabert Diretor de Relações com Investidores da Hotéis Othon S/A Rua Teófilo Otoni, 15, sala 1201, Centro

Leia mais

Embratel Participações S.A.

Embratel Participações S.A. Embratel Participações S.A. Laudo de avaliação de acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis para efeito de cisão Em 30 de setembro de 2014 Índice

Leia mais

TC BTOWERS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CNPJ: 20.132.453/0001-89 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR

TC BTOWERS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CNPJ: 20.132.453/0001-89 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR TC BTOWERS FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO CNPJ: 20.132.453/0001-89 Ref.: Semestre Junho a Dezembro/2014 RELATÓRIO DO ADMINISTRADOR Em conformidade com o Art. 39 da Instrução CVM 472, de 31 de maio de

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Banrisul Automático Fundo de Investimento Curto Prazo e 2013 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as demonstrações financeiras Demonstrações financeiras e 2013 Índice

Leia mais

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36

Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo CNPJ: 16.844.894/0001-36 Demonstrações Financeiras Banrisul Foco IMA Geral Fundo de Investimento Renda Fixa Longo Prazo (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ: 92.702.067/0001-96) e 2014 com Relatório

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011

ATIVO Explicativa 2012 2011 PASSIVO Explicativa 2012 2011 ASSOCIAÇÃO DIREITOS HUMANOS EM REDE QUADRO I - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO (Em reais) Nota Nota ATIVO Explicativa PASSIVO Explicativa CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 4 3.363.799

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão

Kinea Rendimentos Imobiliários - FII. Relatório de Gestão Kinea Rendimentos Imobiliários - FII Relatório de Gestão Janeiro de 2013 Palavra do Gestor Prezado investidor, O Kinea Rendimentos Imobiliário FII ( Fundo ) é dedicado ao investimento em Ativos de renda

Leia mais

Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes

Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes Empreendimentos Florestais Santa Cruz Ltda. Demonstrações financeiras em 30 de setembro de 2009 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Aos Administradores e Quotistas

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009.

FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009. FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS SIMULADO MULTIDISCIPLINAR - SiM 6 Período - 2º SEMESTRE 2009 Aluno(a): Turma: Data: 14/12/2009 Avaliação Contabilidade Avançada II 1ª Questão

Leia mais

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor

Reestruturação Societária Grupo Telesp. Criando Valor Reestruturação Societária Grupo Criando Valor Novembro, 1999 Índice 8 Visão Geral da Reestruturação 2 8 Passos da Reestruturação 3 8 Benefícios da Reestruturação 4 8 Bases da Reestruturação 5 8 As Relações

Leia mais

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero).

e) 50.000.000,00. a) 66.000.000,00. c) 0,00 (zero). 1. (SEFAZ-PI-2015) Uma empresa, sociedade de capital aberto, apurou lucro líquido de R$ 80.000.000,00 referente ao ano de 2013 e a seguinte distribuição foi realizada no final daquele ano: valor correspondente

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

Prezado(a) Concurseiro(a),

Prezado(a) Concurseiro(a), Prezado(a) Concurseiro(a), A prova do TCM/RJ foi realizada no último final de semana e vou aproveitar para resolver as questões de Contabilidade Geral de forma simplificada e objetiva (nos cursos online,

Leia mais

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores.

CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014. Prezados Senhores. À CVM COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS e BM&F BOVESPA BOLSA DE VALORES, MERCADORIAS E FUTUROS 28/03/2014 Prezados Senhores. Em atendimento ao art.21 inciso VIII da Instrução CVM 480/09, segue abaixo as

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2003 e de 2002 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Fundo de Aposentadoria Programada Individual Banrisul Conservador CNPJ 04.785.314/0001-06 (Administrado pelo Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A. - CNPJ 92.702.067/0001-96)

Leia mais

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins

GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins GMR Florestal S.A.- Reflorestamento e Energia do Tocantins Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2009 e ao Período de 13 de Maio a 31 de Dezembro de 2008 e Parecer

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas)

TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) TELEFÔNICA DATA BRASIL HOLDING S.A. Resultado Consolidado para o Terceiro Trimestre de 2005 Publicação, 08 de novembro de 2005 (07 páginas) Para maiores informações, contatar: Daniel de Andrade Gomes TELEFÔNICA

Leia mais

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes

GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2006 e de 2005 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes Aos Administradores

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.

BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A. BICBANCO Stock Index Ações Fundo de Investimento em Títulos e Valores Mobiliários (Administrado pelo Banco Industrial e Comercial S.A.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 30 de

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures

OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures OI S.A. (Atual denominação de Brasil Telecom S.A.) 8ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 Oi S.A. (atual denominação de BRASIL TELECOM S.A.) 8ª Emissão

Leia mais

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CURSO DE DIREITO Disciplina: Direito Empresarial II JUR 1022 Turma: C02 Prof.: Luiz Fernando Capítulo VI SOCIEDADES ANÔNIMAS 1. Evolução Legal: a) Decreto n. 575/49;

Leia mais

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007.

Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. ITAUVEST PERSONNALITÉ CURTO PRAZO FUNDO DE INVESTIMENTO EM Demonstração da Composição e Diversificação das Aplicações em 31 de maio de 2007. Mercado / % sobre Aplicações/Especificação Quantidade Realização

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais