M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO. Abril 2011"

Transcrição

1 M&A NO BRASIL NAS EMPRESAS DE ENERGIA, PETRÓLEO, GÁS, TRANSPORTE, SANEAMENTO E CONSTRUÇÃO Abril

2 M&A PRINCIPAIS ETAPAS DE OPERAÇÃO DE M&A Etapa 1 Acordos Preliminares Elaboração, revisão e negociação de Propostas de Aquisição, Acordos de Confidencialidade, Cartas de Intenções e Memorandos de Entendimentos. Etapa 2 Due Diligence A) Processo de Due Diligence Finalidade: verificação e dimensionamento das contingências, materializadas e não materializadas, da sociedade para determinação de preço e assunção de contingências pelos sócios após a operação. Data Room: a análise dos documentos da sociedade podem se dar: (a) em data room físico na própria sede da sociedade, em hotéis ou escritório de advocacia, (b) em data room virtual com o fornecimento de senha de acesso ao documentos via internet; ou (c) com a entrega dos documentos e posterior devolução à sociedade. 2

3 M&A Documentação: normalmente são solicitados os documentos dos últimos 5 anos ou desde a constituição da sociedade, se tiver houver ocorrido há menos de 5 anos. Áreas e Escopo: (a) (b) (c) (d) Tributário e Previdenciário: análise de processos administrativos e judiciais (autos de infração, relatórios de advogados, peças processuais e certidões) para determinação dos valores das contingências tributárias e previdenciárias (passivas e ativas) e de prognóstico de perda (remoto, possível ou provável) em tais processos, bem análise dos procedimentos que a sociedade vem adotando e, se tais procedimentos, podem representar eventual contingência. Trabalhista: análise de processos administrativos e judiciais (autos de infração, relatórios de advogados, peças processuais e certidões) para determinação dos valores das contingências trabalhistas e de prognóstico de perda em tais processos, bem análise dos procedimentos que a sociedade vem adotando e, se tais procedimentos, podem representar eventual contingência. Cível: análise de processos judiciais (relatórios de advogados, peças processuais e certidões) para determinação dos valores das contingências cíveis (passivas e ativas) e de prognóstico de perda em tais processos. Societário: análise dos atos societários da sociedade para exposição do histórico societário da sociedade e verificação de potenciais riscos decorrentes de operações societárias. 3

4 M&A (e) Contratos: análise de todos os contratos da sociedade, de qualquer natureza (prestação de serviços, financeiros, fornecimento, etc.), para exposição dos termos e condições dos contratos da sociedade, principalmente relacionados à sua atividade fim, e determinação de eventual impacto da operação aos contratos e do endividamento da sociedade. (f) (g) Imobiliário: análise de certidões de matrículas de imóveis próprios, contratos de locação e licenças da sociedade para verificação da propriedade dos imóveis da sociedade, falta de licenças e eventuais riscos decorrentes das locações. Ambiental: análise de autos de infração, processos, licenças ambientais para verificação de contingências de tal natureza e prognóstico de perda em tais processos. Em operações de maior complexidade na área ambiental, normalmente uma empresa especializada é contratada para a condução de due diligence técnica. Solicitação de Documentos e Informações Adicionais e Questionamentos Opinião sobre Potenciais Riscos: Com relação às contingências mais relevantes, é comum a emissão de opinião sobre o impacto para a sociedade, caso os potenciais riscos identificados pelos auditores, relativos aos procedimentos tributários, previdenciários e trabalhistas da sociedade, se materializem (inclusive prognóstico de perda). 4

5 M&A Etapa 3 Definição da Estrutura de Aquisição Análise, revisão e recomendação da estrutura de aquisição mais adequada no âmbito societário e tributário. Elaboração, revisão e negociação de Contratos de Compra e Venda de Ações/Quotas, Acordos de Acionistas e demais contratos relacionados. 5

6 INFRAESTRUTURA Energia Direito Minerário Transporte Project Finance Óleo e Gás Portos Saneamento Básico Direito Aeronáutico

7 FINANCIAMENTO Necessidade de investimentos significativos antes do início das operações e do fluxo de caixa. Portanto, é comum que as sociedades recorram a linhas de crédito do BNDES, BNB, BID, IFC, além de outros organismos multilaterais. Uma vez considerado este cenário, é importante destacar que qualquer alteração no controle destas sociedades, seja ela por meio de fusão, aquisição ou outras operações societárias, muito provavelmente estará sujeita à anuência destas instituições, cujo processo de aprovação envolve critérios geralmente mais rigorosos do que os utilizados por bancos comerciais. 7

8 CONTROLE DAS AUTORIDADES/AGÊNCIAS GOVERNAMENTAIS Outra característica comum às sociedades que atuam no setor de infraestrutura é que a grande maioria delas atua em um ambiente regulado pelo poder público (ente regulador). As consequências mais importantes de atuarem em um setor regulado, em uma operação de fusão ou aquisição, são (i) necessidade de aprovação prévia do ente regulador; e (ii) cumprimento de determinadas obrigações e padrões mínimos exigidos especificamente para sociedades que atuam neste ambiente. 8

9 CONCESSÕES As sociedades que possuem concessões para prestação de serviços considerados públicos normalmente são vencedoras de processos licitatórios, os quais prevêem, em seus editais, diversas exigências a serem observadas pela sociedade (ou consórcio) vencedor. As mais relevantes, neste caso, são: (i) proibição de alteração de controle da concessionária por determinado período; (ii) necessidade de aprovação do poder concedente para qualquer alteração de controle (ou controle compartilhado resultante de acordo de acionistas); e (iii) em caso de mudança de controle, a obrigação do novo controlador de observar os critérios e índices mínimos exigidos no edital, bem como cumprir todas as obrigações nele previstas. 9

10 REGULAMENTAÇÃO As sociedades estão sujeitas a certos dispositivos legais que devem ser observados em casos de fusão ou aquisição, como por exemplo (i) a limitação ao desenvolvimento da atividade a sócios de capital nacional; e (ii) a restrição da propriedade de imóveis rurais por pessoas jurídicas e físicas controladas por capital estrangeiro. 10

11 LICENÇAS O funcionamento das sociedades deste setor estão sujeitas à obtenção e manutenção de diversas autorizações, permissões e licenças diretamente relacionadas à atividade que desenvolve, principalmente de natureza ambiental. 11

12 Mariana Aranha 12

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Somos um escritório jurídico que reúne especialistas nos mais diversos ramos do direito empresarial. Priorizamos a ética nas relações com os clientes e nos dedicamos muito ao

Leia mais

M&A: Alguns Pontos relevantes para Contratos de Aquisição ou Venda de Negócios

M&A: Alguns Pontos relevantes para Contratos de Aquisição ou Venda de Negócios M&A: Alguns Pontos relevantes para Contratos de Aquisição ou Venda de Negócios Apresentação para a Comissão Jurídica da Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil Alberto Mori Sócio do Grupo de

Leia mais

DE LÉO, PAULINO E MACHADO ADVOGADOS

DE LÉO, PAULINO E MACHADO ADVOGADOS 01 02 Apresentação DE LÉO, PAULINO E MACHADO ADVOGADOS é um escritório que foi constituído para atuar nas mais diversas áreas do Direito Empresarial, tendo como principal objetivo a prestação de serviços

Leia mais

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM

Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários. RB Capital DTVM Procedimentos e Controles Internos - Distribuição de Fundos de Investimento Imobiliários RB Capital DTVM Junho 2011 Objetivo Este instrumento normativo contém os procedimentos e controles internos da RB

Leia mais

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO FISCAL, CONTABIL E DEPARTAMENTO PESSOAL.

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO FISCAL, CONTABIL E DEPARTAMENTO PESSOAL. PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ASSESSORAMENTO FISCAL, CONTABIL E DEPARTAMENTO PESSOAL. OBJETIVO DOS TRABALHOS a) Revisão e diagnóstico sobre os procedimentos legais aplicáveis as operações financeiras e fiscais

Leia mais

Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados

Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados Reis & Schuch Advogados A Empresa Atuando em diversas áreas do direito empresarial e civil, Reis & Schuch Advogados desenvolve soluções eficazes e inovadoras a fim de proporcionar melhores resultados a seus clientes. Sendo composto

Leia mais

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL.

Dar exclusividade de parceria a FURNAS, por si e suas afiliadas, no caso de participação nos Leilões promovidos pela ANEEL. 1 OBJETO Constitui objeto desta Chamada Pública a seleção de potenciais parceiros privados detentores de capital, direitos, projetos e/ou oportunidades de negócio na área de energia, que considerem como

Leia mais

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável

Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Assistência Jurídica para a Construção de um Mundo dos Negócios Novo e Sustentável Quem Somos Somos uma sociedade de advogados dedicada à assistência e orientação jurídica as empresas nacionais e estrangeiras.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições

RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições RESOLUÇÃO Nº 4.263, DE 05 DE SETEMBRO DE 2013 Dispõe sobre as condições de emissão de Certificado de Operações Estruturadas (COE) pelas instituições financeiras que especifica. O Banco Central do Brasil,

Leia mais

Apresentação institucional

Apresentação institucional Apresentação institucional 2010 Institucional Quem somos Nossos valores Áreas de atuação Equipe Parcerias Contato Quem somos Sociedade de advogados com foco de atendimento em direito empresarial, compreendendo

Leia mais

377/14 São Paulo, 14 de fevereiro de 2014. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami

377/14 São Paulo, 14 de fevereiro de 2014. Ao Instituto Brasileiro de Governança Corporativa - IBGC At.: Sr. Alexandre Tanaami Tel.: +55 11 3848 588o Rua Major Quedinho 90 Fax: + 55 11 3045 7363 Consolação São Paulo, SP - Brasil www.bdobrazil.com.br 01050-030 377/14 São Paulo, 14 de fevereiro de 2014. Ao Instituto Brasileiro de

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 608-A, DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 14 DE 2013 Dispõe sobre crédito presumido apurado com base em créditos decorrentes de diferenças temporárias oriundos de

Leia mais

Assunto: Considerações da Petrobras para a Consulta Pública ANEEL 11/2014

Assunto: Considerações da Petrobras para a Consulta Pública ANEEL 11/2014 Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2015. Para: Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Mediação Administrativa, Ouvidoria Setorial e Participação Pública SMA Dr. MARCOS BRAGATTO Assunto:

Leia mais

Aspectos Legais sobre Investimentos no Brasil

Aspectos Legais sobre Investimentos no Brasil Aspectos Legais sobre Investimentos no Brasil Carlos Alberto Rossi Cenário Atual: Eliminação da discriminação entre de empresa brasileira com capital nacional e empresa estrangeira, pela Emenda Constitucional

Leia mais

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários

MERCADO DE CAPITAIS. de administração de carteiras de valores mobiliários MERCADO DE CAPITAIS 01/04/2015 CVM edita a Instrução nº 558/15, que regula a atividade de administração de carteiras de valores mobiliários A Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) divulgou, em 26 de

Leia mais

Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital.

Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital. RESOLUCAO 3.988 Dispõe sobre a implementação de estrutura de gerenciamento de capital. O Banco Central do Brasil, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31 de dezembro de 1964, torna público que o Conselho

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES

CONTRATAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES MERCOSUL/GMC/RES. Nº 26/06 CONTRATAÇÃO DE TERCEIRIZAÇÃO PARA PRODUTOS DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICOS E PERFUMES TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 20/02 do Conselho

Leia mais

A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe

A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe A vocação da Pires Terra Pinto é criar parcerias duradouras e sólidas fundadas em um novo conceito de prestação de serviços, com estrutura e equipe voltadas para ter e exercer esses valores diariamente.

Leia mais

75 ANOS DE TRADIÇÃO JURÍDICA.

75 ANOS DE TRADIÇÃO JURÍDICA. ANOS 75 ANOS DE TRADIÇÃO JURÍDICA. Fundado em 1937, URBANO VITALINO ADVOGADOS é um escritório com larga experiência e tradição jurídica, que prima pela excelência na prestação de seus serviços e atua em

Leia mais

::PORTFOLIO PORTFOLIO

::PORTFOLIO PORTFOLIO PORTFOLIO ::PORTFOLIO :: A EMPRESA Cesar e Cesar Sociedade de Advogados, é um escritório de advocacia e de assessoria jurídica formado por uma equipe de profissionais com experiência nas áreas relacionadas

Leia mais

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios

Capital/Bolsa Capital/ Balcão. Mesmas informações para os 2 últimos exercícios Identificação das pessoas responsáveis pelo formulário Capital/Bolsa Capital/ Balcão Declaração do Presidente e do Diretor de Relação com Investidores Dívida / Investimento Coletivo IAN Apenas informações

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE APRECIAÇÃO E CONTROLO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E PREVENÇÃO DE SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSES

REGULAMENTO SOBRE APRECIAÇÃO E CONTROLO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E PREVENÇÃO DE SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSES REGULAMENTO SOBRE APRECIAÇÃO E CONTROLO DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS E PREVENÇÃO DE SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSES DOS CTT - CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. I. ENQUADRAMENTO A criação do presente

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

RAFAEL GUEDES DE ALMEIDA

RAFAEL GUEDES DE ALMEIDA RAFAEL GUEDES DE ALMEIDA 1. DADOS PESSOAIS Nome: Rafael Guedes de Almeida Residência: Rua José Getúlio, 310, Apto. 92, Aclimação São Paulo (SP) Telefones de contato: (11) 98648.6302 (TIM) Endereço eletrônico:

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Criando o Termo de Abertura III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Termo de Abertura do Projeto. Identificando as Partes Interessadas

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 APRESENTAÇÃO CORPORATIVA SÃO PAULO, 2014 BRIGANTI ADVOGADOS é um escritório brasileiro de advogados, de capacidade e experiência reconhecidas, que nasce com um propósito distinto. Nosso modelo de negócio

Leia mais

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos.

Estatuto é utilizado em casos de sociedades por ações ou entidades sem fins lucrativos. Documento 1 Estatuto ou Contrato Social consolidado com todas as alterações realizadas, devidamente arquivado no registro de comércio da sede da sociedade participante. É o documento pelo qual uma empresa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.212. II - de 2 (dois) a 4 (quatro) anos: PLE = 0,24(APR) + 0,015 (SW); IV - a partir de 6 (seis) anos: PLE = 0,08 (APR) + 0,015 (SW).

RESOLUÇÃO Nº 2.212. II - de 2 (dois) a 4 (quatro) anos: PLE = 0,24(APR) + 0,015 (SW); IV - a partir de 6 (seis) anos: PLE = 0,08 (APR) + 0,015 (SW). RESOLUÇÃO Nº 2.212 Altera dispositivos das Resoluções nºs 2.099, de 17.08.94, e 2.122, de 30.11.94. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o Presidente

Leia mais

ANÁLISE DO EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 15/2011 BM&FBOVESPA

ANÁLISE DO EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 15/2011 BM&FBOVESPA ANÁLISE DO EDITAL DE AUDIÊNCIA PÚBLICA SDM Nº 15/2011 MINUTA PROPOSTA CVM Art. 1º As pessoas habilitadas a atuar como integrantes do sistema de distribuição, os analistas, os consultores e os administradores

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Elaboração: Estruturação Código: CPP-010 Aprovação: Diretoria Vigente Desde: 06/2008 Versão: 03 Última Versão: 08/2011 Classificação do Documento:

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015

INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 INSTRUÇÃO CVM Nº 565, DE 15 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre operações de fusão, cisão, incorporação e incorporação de ações envolvendo emissores de valores mobiliários registrados na categoria A. O PRESIDENTE

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

www.santanabertolami.com.br

www.santanabertolami.com.br www.santanabertolami.com.br Apresentação O Escritório tem como objetivo prestar serviços jurídicos de alto nível a clientes nacionais e estrangeiros. Fundado em 2005, o Escritório busca a combinação equilibrada

Leia mais

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR

Norma de Referência Selo de Conformidade ANFIR Histórico das alterações: Nº Revisão Data de alteração 00 20.01.204 Emissão inicial do documento. Sumário das Alterações Pág. 1 1. Resumo Esta norma estabelece requisitos técnicos para a concessão do Selo

Leia mais

A sua referência em compromisso, ética e eficiência em todas as áreas do direito.

A sua referência em compromisso, ética e eficiência em todas as áreas do direito. A sua referência em compromisso, ética e eficiência em todas as áreas do direito. INTRODUÇÃO Acreditamos no aperfeiçoamento da sociedade pelo Direito e na Advocacia compromissada com a ética, responsabilidade,

Leia mais

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 9 LISTA DE BENS REVERSÍVEIS

ANEXO DO CONTRATO. Anexo 9 LISTA DE BENS REVERSÍVEIS ANEXO DO CONTRATO Anexo 9 LISTA DE BENS REVERSÍVEIS Dezembro - 2013 Anexo 9: Lista de Bens Reversíveis Índice 1. Introdução... 3 2. Reversão dos bens... 3 2 1. Introdução BENS REVERSÍVEIS são todos os

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994).

RESOLUÇÃO Nº 1.120. II - (Revogado pela Resolução 2927, de 17/01/2002). III - (Revogado pela Resolução 2099, de 17/08/1994). 1 RESOLUÇÃO Nº 1.120 O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista as disposições

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 : Contribuições de 12/03/2009

Leia mais

Os Contratos no Mercado de Empresa: fusão, cisão, aquisição e DueDiligence. Grupo de Estudos de Direito Empresarial

Os Contratos no Mercado de Empresa: fusão, cisão, aquisição e DueDiligence. Grupo de Estudos de Direito Empresarial Os Contratos no Mercado de Empresa: fusão, cisão, aquisição e DueDiligence DueDiligence MARCO A MILITELLI Engenheiro Agrônomo Administração de empresas especializada em Administração Financeira Master

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado;

RESOLVEU: I - probidade na condução das atividades no melhor interesse de seus clientes e na integridade do mercado; Estabelece normas e procedimentos a serem observados nas operações em bolsas de valores e dá outras providências. O PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS torna público que o Colegiado, em sessão

Leia mais

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 -

Parceria P ú blico-privada PPP. Novembro/2003 - Parceria P ú blico-privada PPP Novembro/2003 - Definição de Contrato de PPP Execução Clique de para obras, editar serviços os estilos e do atividades texto de mestre interesse Segundo público, cuja nível

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 539, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO CVM Nº 539, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO CVM Nº 539, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre o dever de verificação da adequação dos produtos, serviços e operações ao perfil do cliente. O PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DA COMISSÃO DE VALORES

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

Click to edit Master title style

Click to edit Master title style 26/05/2014 1 NOSSO ESCRITÓRIO Criado em 2008 em Recife, Pernambuco, Vasconcelos, Coutinho, Almeida & Gesteira Costa Advogados tem por objetivo a prestação de serviços de advocacia com excelência, agilidade

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R1) Demonstrações Separadas

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R1) Demonstrações Separadas COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 35 (R1) Demonstrações Separadas Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 27 (IASB BV 2011) Índice Item ALCANCE 1 3 DEFINIÇÕES

Leia mais

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910

VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 VULCABRAS AZALEIA S.A. Companhia Aberta CNPJ 50.926.955/0001-42 NIRE 35.300.014.910 MANUAL DA ADMINISTRAÇÃO PARA A ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA VULCABRAS AZALEIA S. A. DE 31 DE JANEIRO DE 2011. O

Leia mais

ANEXO IV MODELOS DE TERMOS, DECLARAÇÕES E PROCURAÇÕES. ANEXO IV - Item 4.1 e 4.3.11 do Edital Conjunto 1 MODELO nº 1

ANEXO IV MODELOS DE TERMOS, DECLARAÇÕES E PROCURAÇÕES. ANEXO IV - Item 4.1 e 4.3.11 do Edital Conjunto 1 MODELO nº 1 ANEXO IV MODELOS DE TERMOS, DECLARAÇÕES E PROCURAÇÕES ANEXO IV - Item 4.1 e 4.3.11 do Edital Conjunto 1 MODELO nº 1 0XX/200X/SPV - ANATEL, promovida pela Agência Nacional de Telecomunicações, na forma

Leia mais

Quem somos. ANA LUIZA CRUZ VIZACO alc@kvcvlaw.com.br Skype: ana.luiza.cruz.vizaco. BASHIR KARIM VAKIL bkv@kvcvlaw.com.br Skype: bashir.karim.

Quem somos. ANA LUIZA CRUZ VIZACO alc@kvcvlaw.com.br Skype: ana.luiza.cruz.vizaco. BASHIR KARIM VAKIL bkv@kvcvlaw.com.br Skype: bashir.karim. O nosso objetivo Fundado em 2011, por dois ex-sócios de um escritório renomado do Rio de Janeiro, Karim Vakil & Cruz Vizaco Advogados é um escritório boutique que visa estabelecer-se como uma alternativa

Leia mais

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015

Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Credit Suisse (Brasil) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA) Julho de 2015 Sumário 1. Aplicação... 02 2. Definições... 02 2.1 Risco socioambiental... 02 2.2 Partes relacionadas... 02 2.3 Termos...

Leia mais

COSIF PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL. Cláudio Filgueiras Pacheco Moreira Brasília 25 de setembro de 2015

COSIF PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL. Cláudio Filgueiras Pacheco Moreira Brasília 25 de setembro de 2015 COSIF PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL Cláudio Filgueiras Pacheco Moreira Brasília 25 de setembro de 2015 AGENDA Resumo Contabilidade das Instituições Financeiras e o COSIF

Leia mais

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SELEÇÃO PÚBLICA MCT/FINEP/FNDCT Subvenção Econômica à Inovação 01/2009 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES É obrigatório oferecer contrapartida? Em caso afirmativo, quanto devo oferecer de contrapartida? Sim. O

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais 1. Objeto 1.1. Esta Política tem por objetivo estabelecer os princípios gerais, em matérias relevantes obrigatórias, os critérios e os procedimentos

Leia mais

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale

Regra de Governança Corporativa da NYSE para Emissoras Norte-Americanas. Abordagem da Vale Comparação das práticas de governança corporativa adotadas pela VALE com aquelas adotadas pelas companhias norte-americanas em cumprimento às exigências da Bolsa de Valores de Nova Iorque De acordo com

Leia mais

POLÍTICA DO EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS

POLÍTICA DO EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS POLÍTICA DO EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS I. DISPOSIÇÕES GERAIS 1. A PLANNER CORRETORA DE VALORES S.A., na qualidade de administradora e/ou gestora de fundos de investimento, adota, como

Leia mais

Áreas de Atuação Societário

Áreas de Atuação Societário SC Advogados Apresentação A Salomão Cateb Advogados foi fundada em 1963 na cidade de Belo Horizonte por Salomão de Araújo Cateb. Os mais de 40 anos de atividade conferiram à empresa o reconhecimento e

Leia mais

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1

a) Prova da inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica; b) Certidão negativa de débitos junto à Seguridade social; 1 Regulamento para Cadastramento de Instituições Financeiras e similares, sociedade corretoras e Distribuidoras, Gestoras e Administradoras de Títulos e Valores Mobiliários junto à ORGANIZAÇÃO MUNICIPAL

Leia mais

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP

www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP www.pwc.com.br Gerenciamento de capital e ICAAP Como desenvolver uma abordagem eficaz de gerenciamento de capital e um processo interno de avaliação da adequação de capital (ICAAP) A crise financeira de

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS

PLANOS DE CONTINGÊNCIAS PLANOS DE CONTINGÊNCIAS ARAÚJO GOMES Capitão SC PMSC ARAÚJO GOMES defesacivilgomes@yahoo.com.br PLANO DE CONTINGÊNCIA O planejamento para emergências é complexo por suas características intrínsecas. Como

Leia mais

NORTEV TRANSPORTE DE VEÍCULOS LTDA. LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO

NORTEV TRANSPORTE DE VEÍCULOS LTDA. LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO NORTEV TRANSPORTE DE VEÍCULOS LTDA. LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO NORTEV TRANSPORTE DE VEÍCULOS LTDA. ELABORADO EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 BAKER TILLY BRASIL

Leia mais

GETRI PARECER Nº. 565/2014/GETRI/CRE/SEFIN

GETRI PARECER Nº. 565/2014/GETRI/CRE/SEFIN EMENTA: OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS NA INCORPORAÇÃO DE EMPRESAS INCORPORADORA ASSUME TODAS AS OBRIGAÇÕES DA INCORPORADA. I. RELATÓRIO: O contribuinte, acima qualificado, nos termos do Capítulo VII do Título

Leia mais

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA - CONCEITO Debêntures: título de crédito, representativo de dívida da companhia emissora (art.

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15.

INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. INSTRUÇÃO CVM Nº 554, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA INSTRUÇÃO CVM Nº 564/15. Inclui, revoga e altera dispositivos na Instrução CVM nº 155, de 7 de agosto de 1991, na Instrução

Leia mais

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020

PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 PUBLICADO EM 01/08/2015 VÁLIDO ATÉ 31/07/2020 INDICE POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1. Objetivo...2 2. Aplicação...2 3. implementação...2 4. Referência...2 5. Conceitos...2 6. Políticas...3

Leia mais

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1

PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 PROCESSOS DE REORGANIZAÇÃO SOCIETÁRIA 1 1.1 - Aspectos Introdutórios 1.1.1 - Objetivos Básicos Tais operações tratam de modalidades de reorganização de sociedades, previstas em lei, que permitem às empresas,

Leia mais

Senise, Moraes & Maggi Sociedade de Advogados surgiu da união de advogados com diversos anos de experiência e sólida formação jurídica que perceberam

Senise, Moraes & Maggi Sociedade de Advogados surgiu da união de advogados com diversos anos de experiência e sólida formação jurídica que perceberam Senise, Moraes & Maggi Sociedade de Advogados surgiu da união de advogados com diversos anos de experiência e sólida formação jurídica que perceberam as necessidades dos clientes na realidade hipercomplexa

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O D I G I T A L

A P R E S E N T A Ç Ã O D I G I T A L APRESENTAÇÃO DIGITAL APRESENTAÇÃO Investimento contínuo em qualificação. Adequação às necessidades do cliente. Ética e Gestão Profissional. Esses são os principais pilares que nortearam a fundação do Escritório

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO Nº 581, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos aplicáveis ao cumprimento do disposto no "caput" do art. 5º do Regulamento Conjunto

Leia mais

EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES

EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES Mude-se para os EUA Hoje! PORT EB-5 GREEN CARD PARA INVESTIDORES Todas as pessoas conhecem clientes, amigos ou parentes que possuem o desejo de se mudar para os Estados Unidos, especialmente para a Flórida.

Leia mais

Workshop de Qualificação para a Décima Primeira Rodada de Licitações Manifestação de Interesse. Qualificação Jurídica

Workshop de Qualificação para a Décima Primeira Rodada de Licitações Manifestação de Interesse. Qualificação Jurídica Workshop de Qualificação para a Décima Primeira Rodada de Licitações Manifestação de Interesse Qualificação Jurídica Regularidade Fiscal e Trabalhista Mileno Feitosa Jr. Superintendência de Promoção de

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

Edital Porto de Imbituba S.A.

Edital Porto de Imbituba S.A. Edital Porto de Imbituba S.A. Análise do Anexo I Termo de Referência Itens: 2.3.1.2 - Identificar as parametrizações necessárias para atender as especificidades da CONTRATANTE, observado o escopo da contratação;

Leia mais

A ÁREA DE PRÁTICA DE COMERCIAL E SOCIETÁRIO

A ÁREA DE PRÁTICA DE COMERCIAL E SOCIETÁRIO A ÁREA DE PRÁTICA DE COMERCIAL E SOCIETÁRIO ABBC A ABBC é uma sociedade de advogados full service com origem em Lisboa, em 1982. Actualmente, conta com uma equipa de 56 advogados. Os advogados da Sociedade

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA A IMPLANTAÇÃO DE CONSELHO CONSULTIVO EM SOCIEDADES LIMITADAS COMO FORMA DE GOVERNANÇA CORPORATIVA Ana Carolina Rovida de Oliveira Especialista em Direito da Economia e Empresarial I INTRODUÇÃO A estabilização

Leia mais

Apresentação. Temos como objetivo prestar serviços jurídicos de alto nível a clientes nacionais e estrangeiros.

Apresentação. Temos como objetivo prestar serviços jurídicos de alto nível a clientes nacionais e estrangeiros. www.zbslaw.com.br Apresentação ZOGBI, BERTOLAMI & SANT ANA ADVOGADOS ( ZBS ) tem como objetivo prestar serviços jurídicos de alto nível a clientes nacionais e estrangeiros. Fundado em 2005, o ZBS busca

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Versão 1 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO...3 2. EXCLUSÕES... 3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. POTENCIAIS SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSE...3 5. DA POLÍTICA DE

Leia mais

PORTARIA Nº PGE - 089/2012

PORTARIA Nº PGE - 089/2012 PORTARIA Nº PGE - 089/2012 O PROCURADOR GERAL DO ESTADO, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 32 da Lei Complementar nº 34, de 06 de fevereiro de 2009, considerando a necessidade de

Leia mais

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos

Formação em Parcerias Público Privadas. Desenvolvimento de uma carteira de projetos Formação em Parcerias Público Privadas Desenvolvimento de uma carteira de projetos Novembro de 2013 1. Contexto Atual 2. Análise das Demandas do Setor Público 3. Como Estruturar um Procedimento 4. Como

Leia mais

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET

POLÍTICA GLOBAL DE PRIVACIDADE NA INTERNET POLÍTICA GLOBAL DE NA INTERNET A política da PayU Latam é cumprir com todas as leis aplicáveis referentes à proteção de dados e privacidade. Este compromisso reflete o valor que conferimos à conquista

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 1/9 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Princípios... 4 4. Diretrizes... 4 4.1. Estrutura de Governança... 4 4.2. Relação com as partes interessadas...

Leia mais

ADVOGADOS E CONSULTORES

ADVOGADOS E CONSULTORES ADVOGADOS E CONSULTORES QUEM SOMOS Com mais de 25 anos de experiência nas áreas jurídica e ambiental, o escritório DIAS LOPES ADVOGADOS E CONSULTORES está focado em atender as necessidades do mercado em

Leia mais

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE)

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) APROVADO Alterações aprovadas na 27ª reunião do Conselho Superior realizada em 18/12/2013. REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) DA ESTRUTURA Art. 1º - A

Leia mais

ANEXO 10 TDR AUDITORES

ANEXO 10 TDR AUDITORES ANEXO 10 TDR AUDITORES PROJETO DE SUSTENTABILIDADE HÍDRICA DE PERNAMBUCO PSHPE (N. DO EMPRÉSTIMO) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA AUDITORIA DO XX ANO DO PROJETO DE

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A.

REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. REGULAMENTO DA COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REDITUS - SOCIEDADE GESTORA DE PARTICIPAÇÕES SOCIAIS, S.A. ARTIGO 1.º (Âmbito e Aplicabilidade) 1. O presente regulamento estabelece as regras

Leia mais

PORTARIA MPS N 170/2012 DE 25 DE ABRIL DE 2012 IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊ DE INVESTIMENTOS E OUTROS CONTROLES

PORTARIA MPS N 170/2012 DE 25 DE ABRIL DE 2012 IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊ DE INVESTIMENTOS E OUTROS CONTROLES NOTA TÉCNICA N.º 008/2012 PORTARIA MPS N 170/2012 DE 25 DE ABRIL DE 2012 IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊ DE INVESTIMENTOS E OUTROS CONTROLES O assunto tratado na presente Nota Jurídica é de fundamental importância

Leia mais

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA MOENA PARTICIPAÇÕES S.A. PELA ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. Que entre si celebram

PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA MOENA PARTICIPAÇÕES S.A. PELA ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. Que entre si celebram PROTOCOLO E JUSTIFICAÇÃO DA OPERAÇÃO DE INCORPORAÇÃO DA MOENA PARTICIPAÇÕES S.A. PELA ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A. Que entre si celebram ESTÁCIO PARTICIPAÇÕES S.A., sociedade anônima com sede na Cidade do

Leia mais

Desde 1993 a confiança e credibilidade conquistada é resultado do trabalho constante em comunicação objetiva e atendimento especializado.

Desde 1993 a confiança e credibilidade conquistada é resultado do trabalho constante em comunicação objetiva e atendimento especializado. ESCRITÓRIO DE ADVOCACIA COM SÓLIDA EXPERIÊNCIA E CONHECIMENTO EM NEGÓCIOS, QUE PELO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO, CLARO E ÁGIL, TORNOU-SE UMA MARCA DE EXCELÊNCIA. MSCB Advogados possui uma visão moderna de

Leia mais

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5

ORIGEM DATA DE EMISSÃO ENTRADA EM VIGOR PÁGINA DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 DIRETORIA EXECUTIVA 31/07/2015 31/07/2015 1 / 5 Assunto: ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DIVERSOS RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Estabelece diretrizes socioambientais relativas ao processo de crédito do Banco

Leia mais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica Apresentação de Serviços Profissionais SOBRE A Hafra Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica tem atuação no mercado empresarial do Rio de Janeiro e

Leia mais

SCATOLINI ADVOGADOS. SCATOLINI Advogados

SCATOLINI ADVOGADOS. SCATOLINI Advogados ADVOGADOS Um escritório dinâmico, focado nas necessidades e anseios de seus clientes e que reúne profissionais especializados em ampla gama de assuntos jurídicos. Proporcionamos aos nossos clientes atendimento

Leia mais

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

A NOVA REGULAMENTAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Walter Douglas Stuber WALTER DOUGLAS STUBER é sócio do escritório Stuber Advogados Associados, especializado em Direito Bancário, Mercado de Capitais e Negociações

Leia mais

Briefing da entrevista

Briefing da entrevista Briefing da entrevista Membros, as questões a seguir têm o objetivo de orientar a entrevista de obtenção de dados e informações para uso no relatório no plano de convênio de crédito consignado para empresas

Leia mais

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.)

Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Salus Infraestrutura Portuária S.A. (anteriormente denominada RB Commercial Properties 42 Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2013 e Relatório dos Auditores

Leia mais

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS O RELATÓRIO DE GESTÃO E OS REQUISITOS DO CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS (Esta informação contém apenas informação geral, não se destina a prestar qualquer serviço de auditoria, consultadoria de gestão,

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

DIFERENCIAIS. da LCF ADVOGADOS

DIFERENCIAIS. da LCF ADVOGADOS UMA NOVA PROPOSTA NA ÁREA JURÍDICA Sócios Fundadores da LCF ADVOGADOS A LCF ADVOGADOS tem uma proposta de advocacia diferenciada mediante a prestação de consultoria e assessoria jurídica empresarial especializada

Leia mais

ANEXO VIII. Referente ao Edital de Pregão nº. 009/2015 TERMO DE REFERÊNCIA. ANEXO VIII Termo de Referência Pregão Presencial nº 009/2015 Página 1 de 7

ANEXO VIII. Referente ao Edital de Pregão nº. 009/2015 TERMO DE REFERÊNCIA. ANEXO VIII Termo de Referência Pregão Presencial nº 009/2015 Página 1 de 7 ANEXO VIII Referente ao Edital de Pregão nº. 009/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Página 1 de 7 1. DO OBJETO 1.1. A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa especializada para prestação de serviço

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Julho/2010 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA...3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. MATÉRIAS RELEVANTES OBRIGATÓRIAS...3 5. DOS CASOS FACULTATIVOS...4

Leia mais