Avaliação Regulatória Eólica Faísa LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação Regulatória Eólica Faísa LTDA"

Transcrição

1 Avaliação Regulatória Eólica Faísa LTDA

2 Avaliação Regulatória Eólica Faísa LTDA Elaborado para: Elaborado por: Abril.2012

3 Agenda 1. Objetivo 2. Aspectos Regulatórios 3. LER 2009 e cronogramas 4. Conexão 5. Perdas 6. Certificação 7. Financiamento 8. Premissas para Avaliação Econômico-Financeira 9. Próximos passos 3

4 Agenda 1. Objetivo 2. Aspectos Regulatórios 3. LER 2009 e cronogramas 4. Conexão 5. Perdas 6. Certificação 7. Financiamento 8. Premissas para Avaliação Econômico-Financeira 9. Próximos passos 4

5 Objetivos Equalizar todas as premissas para a modelagem final Discussão pré-finalização da due diligence 5

6 Agenda 1. Objetivo 2. Aspectos Regulatórios 3. LER 2009 e cronogramas 4. Conexão 5. Perdas 6. Certificação 7. Financiamento 8. Premissas para Avaliação Econômico-Financeira 9. Próximos passos 6

7 Os projetos Potência autorizada MW Energia Vendida MWm Preço de venda (data-base do leilão* Potencia Configuração final MW Faísa I Faísa II Faísa III Faísa IV Faísa V TOTAL 25,2 25,2 25,2 25,2 27,3 128,1 9,0 9,0 8,0 8,0 9,0 43,0 R$ 152,66 / MWh 152,65 152,69 152,67 152,68 152,67 29,4 27,3 25,2 25,2 29,4 136,5 7

8 A Eólica Faísa Ltda Em 2009, a Martifer Renováveis S.A., companhia portuguesa do segmento de desenvolvimento e operação de parques eólicos no Brasil, foi vencedora no Leilão de Energia de Reserva, firmando contratos para 9 projetos, os quais estão localizados nos estados do Rio Grande do Norte e Ceará; A Suzlon adquiriu da Martifer 5 dos projetos acima citados. Para controlar tais empreendimentos, foi criada a holding Eólica Faísa LTDA. Resolução Autorizativa Nº 3.152, de 11 de outubro de 2011, anui à transferência de controle societário indireto das empresas Eólica Faísa I Geração e Comercialização de Energia Ltda., Eólica Faísa II Geração e Comercialização de Energia Ltda., Eólica Faísa III Geração e Comercialização de Energia Ltda., Eólica Faísa IV Geração e Comercialização de Energia Ltda. e Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Ltda., detido pela Martifer Renováveis Geração de Energia e Participações S.A., para a Suzlon Energia Eólica do Brasil Ltda. Os 5 projetos eólicos (Eólicas Faísa I, Faísa II, Faísa III, Faísa IV e Faísa V) estão localizados no Estado do Ceará, no município de Trairí. Trairí, CE 8

9 Histórico Regulatório: EOL Faísa I PRT Nº 718, DE : Aprova o enquadramento da Central Geradora Eólica denominada EOL Faísa I, com 25,2 MW de potência instalada, de titularidade da empresa Eólica Faísa I - Geração e Comercialização de Energia Ltda., inscrita no CNPJ sob o no / , no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura REIDI; PRT Nº 758, DE : Autoriza a empresa Eólica Faísa I - Geração e Comercialização de Energia Ltda. a estabelecer-se como PIE, mediante a implantação e exploração da Central Geradora Eólica denominada EOL Faísa I, constituída de 12 unidades aerogeradoras totalizando kw de capacidade instalada e kw médios de garantia física de energia, localizada no Município de Trairi, Estado do Ceará, e dá outras providências. O sistema de transmissão de interesse restrito será constituído de uma Subestação Elevadora de 34,5/230 kv, junto à Usina, e uma Linha de Transmissão em 230 kv, com cerca de 60km, em circuito simples, interligando a Subestação Elevadora ao Barramento de 230 kv da futura Subestação Pecém II, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia S.A. TDG; Despacho N 4.891, de : altera o sistema de transmissão de interesse restrito da Central Geradora Eólio-elétrica Faísa I, que passa a ser constituída de uma subestação elevadora que interliga à Rede Básica, por meio da Linha de Transmissão compartilhada que passará a ser constituído de uma subestação elevadora de 230/34,5 kv que será interligada à Rede Básica através de uma LT 230 kv, com cerca de 60 km de extensão, em circuito simples, compartilhada pelas usinas EOL Faísa I, EOL Faísa II, EOL Faísa III, EOL Faísa IV, EOL Faísa V e EOL Embuaca, na futura SE Pecém II 500/230 kv, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia TDG O empreendedor é obrigado a manter a Garantia de Fiel Cumprimento no valor de R$ 6.899,75 mil até três meses da operação comercial. 9

10 Histórico Regulatório: EOL Faísa II PRT Nº 703, DE : Autoriza a empresa Eólica Faísa II - Geração e Comercialização de Energia Ltda. A estabelecer-se como PIE, mediante a implantação e exploração da Central Geradora Eólica denominada EOL Faísa II, constituída de doze Unidades Aerogeradoras totalizando kw de capacidade instalada e kw médios de garantia física de energia, localizada no Município de Trairi, Estado do Ceará, e dá outras providências. O sistema de transmissão de interesse restrito é constituído de uma Subestação Elevadora de 34,5/230 kv, junto à Usina, e uma Linha de Transmissão em 230 kv, com cerca de sessenta quilômetros de extensão, em circuito simples, interligando a Subestação Elevadora ao Barramento de 230 kv da futura Subestação Pecém II, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia S.A. TDG. PRT Nº 834, DE : Aprova o enquadramento da Central Geradora Eólica denominada EOL Faísa II, de titularidade da empresa Eólica Faísa II - Geração e Comercialização de Energia Ltda., com 25,2 MW de potência instalada, inscrita no CNPJ/MF sob o nº / , no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura REIDI. Despacho Nº 4890 de 20/12/2011: altera o sistema de transmissão de interesse restrito da Central Geradora Eólio-elétrica Faísa II, que passa a ser constituída de uma subestação elevadora que interliga à Rede Básica, por meio da Linha de Transmissão compartilhada, outorgada à Eólica Faísa II - Geração e Comercialização de Energia Ltdaque passará a ser constituído de uma subestação elevadora de 230/34,5 kv que será interligada à Rede Básica através de uma LT 230 kv, com cerca de 60 km de extensão, em circuito simples, compartilhada pelas usinas EOL Faísa I, EOL Faísa II, EOL Faísa III, EOL Faísa IV, EOL Faísa V e EOL Embuaca, na futura SE Pecém II 500/230 kv, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia TDG. O empreendedor deverá manter garantia no valor de R$ 6.889,75 mil. 10

11 Histórico Regulatório: EOL Faísa III PRT Nº 650, DE : Aprova o enquadramento da Central Geradora Eólica denominada EOL Faisa III, com 25,2 MW de potência instalada, de titularidade da empresa Eólica Faisa III Geração e Comercialização de Energia Ltda., inscrita no CNPJ/MF sob o nº / , no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura - REIDI, conforme descrito no Anexo I da presente Portaria; PRT Nº 704, DE : Autoriza a empresa Eólica Faísa III - Geração e Comercialização de Energia Ltda. a estabelecer-se como PIE, mediante a implantação e exploração da Central Geradora Eólica denominada EOL Faísa III, constituída de 12 Unidades Aerogeradoras totalizando kw de capacidade instalada e kw médios de garantia física de energia, localizada no Município de Trairi, Estado do Ceará, e dá outras providências. O Sistema de Transmissão de interesse restrito da EOL Faísa III, constituído de uma Subestação Elevadora de 34,5/230 kv, junto à Usina, e uma Linha de Transmissão em 230 kv, com cerca de 60km, em circuito simples, interligando a Subestação Elevadora ao Barramento de 230 kv da futura Subestação Pecém II, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia S.A. TDG. Despacho Nº 4889 de 20/12/2011: altera o sistema de transmissão de interesse restrito da Central Geradora Eólio-elétrica Faísa III, que passará a ser constituído de uma subestação elevadora de 230/34,5 kv que será interligada à Rede Básica através de uma LT 230 kv, com cerca de 60 km de extensão, em circuito simples, compartilhada pelas usinas EOL Faísa I, EOL Faísa II, EOL Faísa III, EOL Faísa IV, Faísa V e EOL Embuaca, na futura SE Pecém II 500/230 kv, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia TDG. A garantia de fiel cumprimento é do mesmo valor que os outros empreendimentos, de R$ 6.889,75 mil, e vigorará até 3 meses após da operação comercial da última unidade geradora. 11

12 Histórico Regulatório: EOL Faísa IV PRT Nº 701, DE : Autoriza a empresa Eólica Faísa IV - Geração e Comercialização de Energia Ltda. A estabelecer-se como PIE mediante a implantação e exploração da Central Geradora Eólica denominada EOL Faísa IV, constituída de doze Unidades Aerogeradoras totalizando kw de capacidade instalada e kw médios de garantia física de energia, localizada no Município de Trairi, Estado do Ceará, e dá outras providências. O Sistema de Transmissão de interesse restrito da EOL Faísa IV, constituído de uma Subestação Elevadora de 34,5/230 kv, junto à Usina, e uma Linha de Transmissão em 230 kv, com cerca de sessenta km de extensão, em circuito simples, interligando a Subestação Elevadora ao Barramento de 230 kv da futura Subestação Pecém II, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia S.A. - TDG, PRT Nº 936, DE : Aprova o enquadramento da Central Geradora Eólica denominada EOL Faísa IV, de titularidade da empresa Eólica Faisã IV - Geração e Comercialização de Energia Ltda., com 25,2 MW de potência instalada, inscrita no CNPJ/MF sob o nº / , no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura - REIDI, conforme descrito no Anexo I à presente Portaria. Despacho Nº 4888 de 20/12/2011: altera o sistema de transmissão de interesse restrito da Central Geradora Eólio-elétrica Faísa IV, que passará a ser constituído de uma subestação elevadora de 230/34,5 kv que será interligada à Rede Básica através de uma LT 230 kv, com cerca de 60 km de extensão, em circuito simples, compartilhada pelas usinas EOL Faísa I, EOL Faísa II, EOL Faísa III, EOL Faísa IV, Faísa V e EOL Embuaca, na futura SE Pecém II 500/230 kv, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia TDG. A garantia de fiel cumprimento também é do mesmo valor que as demais; 12

13 Histórico Regulatório: EOL Faísa V PRT Nº 642, DE : Aprova o enquadramento da Central Geradora Eólica denominada EOL Faísa V, de titularidade da empresa Eólica Faísa V - Geração e Comercialização de Energia Ltda., com 27,3 MW, no Regime Especial de Incentivos para o Desenvolvimento da Infraestrutura REIDI; PRT Nº 684, DE : Autoriza a empresa Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Ltda. a estabelecer-se como PIE, mediante a implantação e exploração da Central Geradora Eólica denominada EOL Faísa V, constituída de 13 Unidades Aerogeradoras totalizando kw de capacidade instalada e kw médios de garantia física de energia, localizada no Município de Trairi, Estado do Ceará, e dá outras providências. O Sistema de Transmissão de interesse restrito da EOL Faísa V, constituído de uma Subestação Elevadora de 34,5/230 kv, junto à Usina, e uma Linha de Transmissão em 230 kv, com cerca de 60 km de extensão, em circuito simples, interligando a Subestação Elevadora ao Barramento de 230 kv da futura Subestação Pecém II, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia S.A. TDG; Despacho Nº 4887 de 20/12/2011: altera o sistema de transmissão de interesse restrito da Central Geradora Eólio-elétrica Faísa V, que passará a ser constituído de uma subestação elevadora de 230/34,5 kv que será interligada à Rede Básica através de uma LT 230 kv, com cerca de 60 km de extensão, em circuito simples, compartilhada pelas usinas EOL Faísa I, EOL Faísa II, EOL Faísa III, EOL Faísa IV, EOL Faísa V e EOL Embuaca, na futura SE Pecém II 500/230 kv, de propriedade da Transmissora Delmiro Gouveia TDG. A empresa é obrigada a manter a Garantia de Fiel Cumprimento das Obrigações no valor de R$ 7.374,40 mil, que vigorará até três meses após o início da operação da última Unidade Aerogeradora. 13

14 Alteração de projeto Edital Leilão nº. 03/ : Alterações nas características técnicas de empreendimento habilitado pela EPE para o LEILÃO somente poderão ocorrer após a outorga da Autorização, por solicitação da Autorizada ou da Administração Pública As alterações técnicas, inclusive quanto ao número de unidades geradoras, deverão ser submetidas previamente à avaliação e anuência da ANEEL, que poderá atender ao pleito desde que satisfeitas às seguintes condições: Que não se altere a capacidade instalada mínima prevista na respectiva outorga de Autorização; Sejam recalculadas as GARANTIAS FÍSICAS parciais e a total do empreendimento; A alteração em questão não implique perda energética, devendo ser mantida, no mínimo, a GARANTIA FÍSICA e a potência associada do empreendimento habilitado Que esteja em conformidade com o licenciamento ambiental Nenhum dos projetos protocolou alteração na ANEEL As novas licenças ambientais deverão ser compatíveis às novas potências e número de aerogeradores. 14

15 Enquadramento no REIDI O REIDI é um regime de benefícios tributários instituído no âmbito do PAC pela Lei n , regulamentado pelo Decreto n , de 03/07/2007, e, para o setor de energia elétrica, especificamente pela Portaria MME n. 319/2008, que estabeleceu todos os procedimentos para aprovação dos projetos de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica ao REIDI. Decreto nº (26 de novembro de 2010), de 25/11/2010, altera o Decreto nº Nos termos da legislação citada, qualquer projeto somente será considerado enquadrado no REIDI após publicação de Portaria do Ministério responsável (no caso, o MME) E publicação de Ato Declaratório Executivo (ADE) da Secretaria da Receita Federal (RFB); Somente a partir da data de enquadramento (publicação do ADE pela Receita Federal) poderia o empreendedor celebrar contratos com seus fornecedores para fins de gozo do benefício do REIDI. Caso o(s) contrato(s) tenha(m) sido assinado(s) em momento anterior, os mesmos não podem gozar dos referidos benefícios tributários. Caso o benefício venha sendo auferido de forma irregular, a conduta ocasionaria possível cancelamento, quando da fiscalização da RFB que, também, deverá obrigar a pessoa jurídica beneficiária do REIDI a pagar as contribuições, os acréscimos legais e a penalidade nos termos da Instrução Normativa n. 758/2007, que trata especificamente do REIDI. Cabe ressaltar que, o contrato do EPC foi assinado em 30 de novembro de 2010, quando já valia esta nova regra (Decreto 7367). 15

16 Enquadramento no REIDI = Risco Suzlon pela proposta Faísas II, IV e V: ADE posterior ao contrato EPC Todas co-habilitações são posteriores ao EPC Data de assinatura do EPC: 30/11/ Empreendimento [Empresa co-habilitada: SUZLON Energia Eólica do Brasil] EOL Faísa I Portaria MME 718, de 11/08/2010, publicada em 13/08/2010 ADE Receita Federal [Empreendimento/SUZLON] 194, de 21/10/2010, publicado em 05/11/2010 EOL Faísa I: co-habilitação 24, publicado em 14/03/2011 EOL Faísa II MME 834, de 04/10/2010, publicada em 06/10/ , de 02/02/2011, publicado em 09/02/2011 EOL Faísa II: co-habilitação 64, publicado em de 26/07/2011 EOL Faísa III MME 650, de 19/07/2010, publicada em 20/07/ , 21/10/2010, publicado em 05/11/2010 EOL Faísa III: co-habilitação 25, publicado em 14/03/2011 EOL Faísa IV MME 936, de 19/11/2010, publicada em 23/11/ de 02/02/2011, publicado em 09/02/2011 EOL Faísa IV: co-habilitação 63, publicado em 18/07/2011 EOL Faísa V EOL Faísa V: co-habilitação MME 642, de 13/07/2010, publicada em 15/07/ de 02/02/2011, publicado em 09/02/2011 Ainda Não localizamos. 16

17 Agenda 1. Objetivo 2. Aspectos Regulatórios 3. LER 2009 e cronogramas 4. Conexão 5. Perdas 6. Certificação 7. Financiamento 8. Premissas para Avaliação Econômico-Financeira 9. Próximos passos 17

18 Habilitação no Leilão DSP Nº 1.267, DE 1º : I Registra os estudos de projetos para implantação e/ou ampliação das centrais geradoras relacionadas e qualificadas no ANEXO I deste Despacho, entre elas as Centrais Geradoras Eólicas Faísa I, Faísa II, Faísa III, Faísa IV e Faísa V; II Este despacho tem a finalidade de permitir às referidas empresas a habilitação técnica e o cadastramento junto a Empresa de Pesquisa Energética (EPE), conforme art. 1º da PRT MME nº 21/2008, bem como as providências junto aos órgãos ambientais e de recursos hídricos, conforme art. 2º da mesma PRT, não gerando quaisquer direitos ou obrigações com relação às fases subseqüentes dos processos de leilão de energia, devendo ser observado o disposto no respectivo edital Empreendimento Controladora Potência Instalada Município, UF EOL Faísa I Eólica Faísa LTDA 25,2 MW Trairí, CE EOL Faísa II Eólica Faísa LTDA 25,2 MW Trairí, CE EOL Faísa III Eólica Faísa LTDA 25,2 MW Trairí, CE EOL Faísa IV Eólica Faísa LTDA 25,2 MW Trairí, CE EOL Faísa V Eólica Faísa LTDA 27,3 MW Trairí, CE REH Nº 907, DE : Aprova o Edital do Leilão nº 03/2009-ANEEL e seus Anexos, referente à contratação de Energia de Reserva, específico para energia elétrica proveniente de fonte eólica, conforme Portarias MME nº. 147/2009 e nº. 211/2009. [ 2 ] O conjunto de TUST de que trata o caput aplica-se exclusivamente às centrais geradoras vencedoras do Leilão nº 03/2009-ANEEL. [Art. 3º] As TUST de que trata o Anexo I desta Resolução serão, a cada ciclo tarifário, monetariamente atualizadas, utilizando-se os índices empregados no reajuste ou revisão das Receitas Anuais Permitidas das concessionárias de transmissão. Tarifas R$/kW.mês De 1º de julho de 2012 a 30 de junho de 2013 De 1º de julho de 2013 a 30 de junho de 2014 De 1º de julho de 2014 a 30 de junho de 2015 De 1º de julho de 2015 a 30 de junho de 2016 De 1º de julho de 2016 a 30 de junho de 2017 De 1º de julho de 2017 a 30 de junho de 2018 De 1º de julho de 2018 a 30 de junho de 2019 De 1º de julho de 2019 a 30 de junho de 2020 De 1º de julho de 2020 a 30 de junho de 2021 Faísa I, II, III, IV e V 6,080 5,812 5,545 5,277 5,010 4,743 4,743 4,743 4,743 4,743 De 1º de julho de 2021 a 30 de junho de

19 Habilitação no Leilão DSP Nº 1.425, DE : Registra que os documentos de constituição das Sociedades de Propósito Específico qualificadas no ANEXO I deste Despacho, foram analisados e estão em conformidade com o Edital do Leilão n 03/2009. II Informar que o referido ANEXO estará disponível no endereço eletrônico Empreendimento SPE Potência Instalada Município, UF EOL Faísa I Eólica Faísa I Geração e Comercialização de Energia LTDA 25,2 MW Trairí, CE EOL Faísa II Eólica Faísa II Geração e Comercialização de Energia LTDA 25,2 MW Trairí, CE EOL Faísa III Eólica Faísa III Geração e Comercialização de Energia LTDA 25,2 MW Trairí, CE EOL Faísa IV Eólica Faísa IV Geração e Comercialização de Energia LTDA 25,2 MW Trairí, CE EOL Faísa V Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia LTDA 27,3 MW Trairí, CE 19

20 Venda de Energia [LER nº 03/2009] Todos os 5 empreendimentos analisados neste estudo foram vencedores do Leilão de Energia de Reserva* Fonte Eólica - nº 03/2009, ocorrido em 14 de dezembro de 2009; Como resultado do certame, foi firmado Contrato de Energia Reserva (CER) entre cada SPE e a CCEE, sendo que esta última possui a atribuição de celebrar os contratos associados à Energia de Reserva na qualidade de representante dos usuários; O CER diz que a contabilização dos montantes de energia gerada será feita com base em valores referenciados ao centro de gravidade do submercado onde estão localizadas das usinas no caso, submercado NE; Pela disponibilização da energia proveniente da usina, o vendedor fará jus ao recebimento da Receita de Venda para cada ano de suprimento; Os riscos financeiros associados à diferença entre a energia gerada e a energia contratada, quando da verificação de desvios negativos de geração, serão assumidos pelo vendedor. Esta diferença pode estar atrelada a: (i) ocorrência de ventos em intensidade inferior ao considerado em estudos realizados na fase de projeto; (ii) entrada em operação comercial em data posterior a e/ou (iii) indisponibilidade de aerogeradores em nível superior aos índices de desempenho de referência. *Os custos associados à contratação de Energia de Reserva são suportados pelos usuários mediante o pagamento de EER [encargo de energia de reserva]. 20

21 Contrato de Energia de Reserva 3.6.1/6.8: Caso a energia gerada seja maior que a contratada, está proibida outra destinação. Em se tratando de geração, se o valor produzido for superior à energia contratada, o vendedor ficará impedido de negociar o montante de energia associado a essa variação em qualquer ambiente de comercialização, devendo a CCEE contabilizar toda a energia gerada no âmbito do contrato; 5.6.2: O montante de energia não entregue não sujeitará o vendedor à exposição financeira no mercado de curto prazo 6.10: Em caso de decretação de racionamento, a quantidade de energia contratada não será reduzida. 5.12: O atraso das linhas de distribuição/ transmissão necessárias para escoamento da energia, desde que informado pela ANEEL, não impedirá o recebimento da receita fixa pelo vendedor, isentando-o de quaisquer rebatimentos previstos no contrato; Conforme destaca o CER, a geração de energia deve respeitar a uma faixa de tolerância sobre o saldo acumulado no período de 12 meses: 7.2 (II). O saldo acumulado da CONTA DE ENERGIA, anualmente apurado, observará uma margem inferior de 10% (dez por cento) abaixo do valor da ENERGIA CONTRATADA referente ao período considerado, e a uma margem superior de 30% (trinta por cento) acima do valor da ENERGIA CONTRATADA aplicável ao mesmo período. 21

22 Esclarecimento ao Edital [LER nº 03/2009] QUESTIONAMENTO 11: No edital não aparecem especificadas as penalidades no caso de atraso na entrada em operação. Favor esclarecer. ESCLARECIMENTO 11: O efetivo pagamento da RECEITA FIXA está condicionado à entrada em operação comercial da USINA. Ademais, ainda no âmbito do CER, o atraso na entrada em operação comercial pode levar à aplicação da Cláusula 11, que trata do ressarcimento por desvios negativos de geração. Caso a usina não entre em operação comercial até 30/06/2013, o CER poderá ser rescindido, aplicando-se a multa por rescisão estabelecida na Cláusula 14. No âmbito administrativo o atraso na entrada em operação comercial leva à aplicação das penalidades previstas na Resolução Normativa nº. 63/2004, podendo culminar inclusive com a revogação da concessão 22

23 Aspectos Regulatórios: Venda de Energia [LER nº 03/2009] Caso a geração anual for menor que 90% da energia contratada (extrapolação do limite inferior da faixa de tolerância, o vendedor é passível de penalidade mediante ressarcimento, a ser calculado conforme o volume de energia não entregue; Haverá dois processos de apuração do saldo acumulado da conta de energia, um ao final de cada ano contratual e outro ao final de cada quadriênio, sendo que no último ano de cada quadriênio, ambos os processos serão realizados. Se a geração quadrianual for inferior ao PPA, o vendedor também estará sujeito ao pagamento de ressarcimento à CCEE, conforme Cláusula 11ª. O preço de venda de energia será atualizado mediante variação do IPCA, calculado pelo IBGE. As atualizações ocorrerão nos meses de julho de cada ano, respeitando o prazo legal de 12 meses, contados a partir do mês subsequente à realização do leilão (janeiro de 2010). Ou seja:,onde: PV i = novo preço de venda corrigido, expresso em R$/MWh; PV 0 = preço de venda resultante do leilão, expresso em R$/MWh; I i = valor do número índice do IPCA do mês de junho; e I 0 = valor do número índice do IPCA do mês de realização do leilão. 23

24 Cronograma Ato Legal Segundo último relatório de acompanhamento dos projetos da Aneel, os projetos estão dentro do cronograma legal estabelecido na Resolução Autorizativa: CENTRAL GERADORA EÓLICA FAÍSA V [STATUS: NORMAL] Obtenção da Licença de Instalação Até Início da Montagem do Canteiro de Obras Até Início das Obras Civis das Estruturas Até Início da Concretagem das Bases das Unidades Aerogeradoras Até Início da Montagem Eletromecânica das Unidas Aerogeradoras Até Início das Obras da Subestação e do Sistema de Transmissão de associado Até Conclusão da Montagem Eletromecânica das Unidades Aerogeradoras Até Início da Operação em Teste da 1ª Unidade Aerogeradora Até Início da Operação em Teste da 13ª Unidade Aerogeradora Até Início da Operação Comercial da 1ª Unidade Aerogeradora à 13º Unidade Aerogeradora Até Na alteração dos projetos há a necessidade de enviar novo cronograma a Aneel. 24

25 Cronograma Ato Legal De acordo com informações do Cronograma ANEEL de janeiro de 2012, descrito na tabela abaixo, que fornece informações sobre o status atual das obras, tem-se: Usina UF Potênci a (MW) FAÍSA I CE 25,20 X LP LI LO Órgão Licenciado r SEMACE/ CE Validade 08/11/2011 Situação Cronograma Observação Obra não iniciada Atrasado Implantação de 12 unidades aerogeradoras totalizando 25,2 MW (9,37 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. FAÍSA II CE 25,20 X X SEMACE/ CE 08/10/2010 Obra não iniciada Atrasado Implantação de 12 unidades aerogeradoras totalizando 25,2 MW (9,54 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. FAÍSA III CE 25,20 X SEMACE/ CE 05/11/2011 Obra não iniciada Atrasado Implantação de 12 unidades aerogeradoras totalizando 25,2 MW (8,31 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. 25

26 Cronograma Ato Legal De acordo com informações do Cronograma ANEEL de janeiro de 2012, descrito na tabela abaixo, que fornece informações sobre o status atual das obras, tem-se: Usina UF Potênci a (MW) LP LI LO Órgão Licenciado r Validade Situação Cronograma Observação FAÍSA IV CE 25,20 X SEMACE/ CE 05/11/2011 Obra não iniciada Atrasado Implantação de 12 unidades aerogeradoras totalizando 25,2 MW (8,31 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. FAÍSA V CE 27,30 X SEMACE/ CE 19/04/2012 Obra não iniciada Atrasado Implantação de 12 unidades aerogeradoras totalizando 25,2 MW (8,55 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. 26

27 Cronograma Faísa I (Fonte: Aneel, abril/2012) FAÍSA I Eólica Faísa I - Geração e Comercialização de Energia Ltda Município: Trairí Ato Legal Portaria MME nº 758, de 26 de agosto de Autorizada 25,20 MW CE Potência autorizada pelo ato Ato Legal (entrada em operação comercial) Antecipação (entrada em operação comercial) Previsão (entrada em operação comercial) Situação Atual Cronograma Licenciamento Ambiental Contratos de Obra não iniciada Transmissão/Distribuição Sistema de Transmissão 4 Atrasado 4 Licença Prévia - LP Conexão em 230 kv à SE Pecém, através de uma LT (230 kv) em circuito simples. Validade:08/11/2011 Normal Licença de Instalação - LI CUST CCD Adiantado Licença de Operação - LO CUSD Observações Implantação de 12 unidades aerogeradoras totalizando 25,2 MW (9,37 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. Eventos já realizados Eventos previstos Previsão Marco não cumprido Previsão de antecipação Cronograma de Eventos 1 Obtenção da LI 2 Início da montagem do canteiro de obras 3 Início das Obras Civis das Estruturas 4 Início da Concretagem das Bases 5 Início da montagem das torres 6 Início da Obras do Sistema de Transmissão de Interesse Restrito 7 Início da Operação em Teste 8 Início da Operação Comercial J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D O número assinalado indica a data (dia) da entrada em operação comercial das unidades geradoras. 27

28 Cronograma Faísa II (Fonte: Aneel) Autorizada FAÍSA II 25,20 MW Eólica Faisa II - Geração e Comercialização de Energia Ltda Município: Trairí Ato Legal Portaria MME nº 703, de 06 de agosto de CE Potência autorizada pelo ato Ato Legal (entrada em operação comercial) Antecipação (entrada em operação comercial) Previsão (entrada em operação comercial) Situação Atual Cronograma Licenciamento Ambiental Contratos de Obra não iniciada Transmissão/Distribuição Sistema de Transmissão 4 Atrasado 4 Licença Prévia - LP Conexão em 230 kv à SE Pecém, através de uma LT (230 kv) em circuito simples. Validade:08/10/2010 Normal 4 Licença de Instalação - LI CUST CCD Validade:15/11/2013 Adiantado Licença de Operação - LO CUSD Observações Implantação de 12 unidades aerogeradoras totalizando 25,2 MW (9,54 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. Eventos já realizados Eventos previstos Previsão Marco não cumprido Previsão de antecipação Cronograma de Eventos 1 Obtenção da LI 2 Início da montagem do canteiro de obras 3 Início das Obras Civis das Estruturas 4 Início da Concretagem das Bases 5 Início da montagem das torres 6 Início da Obras do Sistema de Transmissão de Interesse Restrito 7 Início da Operação em Teste 8 Início da Operação Comercial J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D O número assinalado indica a data (dia) da entrada em operação comercial das unidades geradoras. 28

29 Cronograma Faísa III (Fonte: Aneel) Autorizada FAÍSA III 25,20 MW Eólica Faísa III - Geração e Comercialização de Energia Ltda Município: Trairí Ato Legal Portaria MME nº 704, de 06 de agosto de CE Potência autorizada pelo ato Ato Legal (entrada em operação comercial) Antecipação (entrada em operação comercial) Previsão (entrada em operação comercial) Situação Atual Cronograma Licenciamento Ambiental Contratos de Obra não iniciada Transmissão/Distribuição Sistema de Transmissão 4 Atrasado 4 Licença Prévia - LP Conexão em 230 kv à SE Pecém II, através de uma LT (230 kv) em circuito simples. Validade:02/10/2011 Normal Licença de Instalação - LI CUST CCD Adiantado Licença de Operação - LO CUSD Observações Implantação de 12 unidades aerogeradoras totalizando 25,2 MW (8,31 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. Eventos já realizados Eventos previstos Previsão Marco não cumprido Previsão de antecipação Cronograma de Eventos 1 Obtenção da LI 2 Início da montagem do canteiro de obras 3 Início das Obras Civis das Estruturas 4 Início da Concretagem das Bases 5 Início da montagem das torres 6 Início da Obras do Sistema de Transmissão de Interesse Restrito 7 Início da Operação em Teste 8 Início da Operação Comercial J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D O número assinalado indica a data (dia) da entrada em operação comercial das unidades geradoras. 29

30 Cronograma Faísa IV (Fonte: Aneel) Autorizada FAÍSA IV 25,20 MW Eólica Faísa IV - Geração e Comercialização de Energia Ltda Município: Trairí Ato Legal Portaria MME nº 701, de 06 de agosto de CE Potência autorizada pelo ato Ato Legal (entrada em operação comercial) Antecipação (entrada em operação comercial) Previsão (entrada em operação comercial) Situação Atual Cronograma Licenciamento Ambiental Contratos de Obra não iniciada Transmissão/Distribuição Sistema de Transmissão 4 Atrasado 4 Licença Prévia - LP Conexão em 230 kv à SE Pecém II, através de uma LT (230 kv) em circuito simples. Validade:05/11/2011 Normal Licença de Instalação - LI CUST CCD Adiantado Licença de Operação - LO CUSD Observações Implantação de 12 unidades aerogeradoras totalizando 25,2 MW (8,55 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. Eventos já realizados Eventos previstos Previsão Marco não cumprido Previsão de antecipação Cronograma de Eventos 1 Obtenção da LI 2 Início da montagem do canteiro de obras 3 Início das Obras Civis das Estruturas 4 Início da Concretagem das Bases 5 Início da montagem das torres 6 Início da Obras do Sistema de Transmissão de Interesse Restrito 7 Início da Operação em Teste 8 Início da Operação Comercial J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D O número assinalado indica a data (dia) da entrada em operação comercial das unidades geradoras. 30

31 Cronograma Faísa V (Fonte: Aneel) Autorizada FAÍSA V 27,30 MW Eólica Faísa V - Geração e Comercialização de Energia Ltda Município: Trairí Ato Legal Portaria MME nº 684, de 04 de agosto de CE Potência autorizada pelo ato Ato Legal (entrada em operação comercial) Antecipação (entrada em operação comercial) Previsão (entrada em operação comercial) Situação Atual Cronograma Licenciamento Ambiental Contratos de Obra não iniciada Transmissão/Distribuição Sistema de Transmissão 4 Atrasado 4 Licença Prévia - LP Conexão em 230 kv à SE Pecém II, através de uma LT (230 kv) em circuito simples. Validade: 19/04/2012 Normal Licença de Instalação - LI CUST CCD Adiantado Licença de Operação - LO CUSD Observações Implantação de 13 unidades aerogeradoras totalizando 27,3 MW (9,09 MW médios). Informa 100% dos equipamentos e serviços principais contratados. Finalizada a topografia do parque. Em andamento a sondagens dos aerogeradores e a topografia da LT. O agente informa que está em trâmite no órgão ambiental alteração da LI para adequação ao projeto. Está em andamento avaliação do agente para alteração do layout do parque e características técnicas dos aerogeradores. Eventos já realizados Eventos previstos Previsão Marco não cumprido Previsão de antecipação Cronograma de Eventos 1 Obtenção da LI 2 Início da montagem do canteiro de obras 3 Início das Obras Civis das Estruturas 4 Início da Concretagem das Bases 5 Início da montagem das torres 6 Início da Obras do Sistema de Transmissão de Interesse Restrito 7 Início da Operação em Teste 8 Início da Operação Comercial J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D J F MAMJ J A S O N D O número assinalado indica a data (dia) da entrada em operação comercial das unidades geradoras. 31

32 Cronograma Faísas (Fonte: Aneel) Em resumo: 32

33 Cronograma Solicitacao de alteração do CER 1. Alteração do cronograma estimado dos eventos do CER após a realização do leilão. A data prevista para a outorga passou de 06/04/2010 para 20/04/ dias. Na prática os atos foram publicados em: F1: 27/08/ dias atraso + 14 = = 93 F2, F3 e F4: 09/08/ dias atraso + 14 = = 75 F5: 05/08/ dias atraso + 14 = = 71 Em paralelo houve atraso de 41 dias para entrega de documentos das SPEs e outros 9 dias para endosso da garantia de fiel cumprimento. Atraso não imputável a administração pública: 50 dias. 2. Atraso na adesão a CCEE. Atraso imputado ao poder público: = Prazo decorrido pela CCE prazo previsto atraso da SPE na adequação a classe. F1 = = 156 dias F2 e F4 = = 110 dias F3 = = 115 dias F5 = = 214 dias 33

34 Cronograma Solicitacao de alteração do CER 3. Exclusão de dias coincidentes F1: 66 dias Atraso Poder Público = = 183 F2: 48 dias Atraso Poder Público = = 137 F3: 53 dias Atraso Poder Público = = 137 F4: 48 dias Atraso Poder Público = = 137 F5: 44 dias Atraso Poder Público = = Atraso não atribuído as empreendimentos devido ao atraso SE Pecém II, considerando-se necessidade de 34 dias para comissionamento e defasagem de uma semana entre os parques (neste argumento, teoricamente, se aceito pela Aneel, novos atrasos da SE Pecém seriam novamente compensados): F1: 0 ; F2: 33 dias ; F3: 19 dias ; F4: 26 dias ; F5: 0. Solicitação de Início CER (esses prazos dependeria da SE Pecém pronta em 30/10/2012) 34

35 Cronograma Comissionamentos previstos F1: 27/nov/ /dez/ /12/2012 (CoD) F2: 14/nov/ /dez/ /12/2012 (CoD) F3: 31/out/ /dez/ /12/2012 F4: 07/nov/ /nov/ /12/2012 F5: 24/jan/ /fev/ /fev/2013 Esse cronograma deverá sofrer atraso de 1 mês com novo escorregamento do cronograma da SE Pecém II: (4) F1: Comissionamento 21/dez/2012 Op. Com: 23/01/2013 (3) F2: Comissionamento 14/dez/2012 Op. Com: 18/01/2013 (1) F3: Comissionamento 31/nov/2012 Op. Com: 04/01/2013 (2) F4: Comissionamento 07/dez/2012 Op. Com: 11/01/2013 (5) F5: Comissionamento 24/jan/2013 Op. Com: 27/02/

36 Cronograma CER x Início Fornecimento Considerando-se que a Aneel não irá aceitar prorrogação pelo atraso da SE Pecém, já que o cronograma do parque esta mais atrasado do que da conexão. Parque CER Operação comercial Atraso (dias) Faísa 1 31/12/ /01/ Faísa 2 15/11/ /01/ Faísa 3 15/11/ /01/ Faísa 4 15/11/ /01/ Faísa 5 27/02/ /02/

37 Agenda 1. Objetivo 2. Aspectos Regulatórios 3. LER 2009 e cronogramas 4. Conexão 5. Perdas 6. Certificação 7. Financiamento 8. Premissas para Avaliação Econômico-Financeira 9. Próximos passos 37

38 Linha de transmissão de interesse restrito No contrato de consórcio, formada pelas empresas Eólica Faísas I ao V e Embuaca estabelecendo o Consórcio Transmissão de Energia Éolica Embuaca e Faísas, que tem por objeto a construção e operação compartilhada dos ativos comuns, visando a interligação dos projetos com a Rede Básica; O contrato estabelece que a construção dos ativos será feito por meio de contrato de empreiteira e contratos EPC. A operação e manutenção compartilhada da LT será contratado em conjunto, por todas as consorciadas. A Embuaca foi eleita como líder do consórcio. A empresa contratada para execução dos serviços foi a Alubar, em contrato assinado em O contrato, na modalidade turnkey lump sum. A Alubar possui 9 meses para execução do projeto, após a elaboração e aprovação deste, e emissão da ordem de serviço. A Alubar está sujeita a 0,5% do valor do contrato para cada dia de atraso, limitadas à 10% do preço. A empresa Inferencial Eng. foi a contratada em , para elaboração do laudo de avaliação da faixa de servidão, assim como as negociações com os proprietários para fins de indenização. 38

39 Ponto de Conexão SE Pecém II Os cinco projetos estarão conectados à SE Pécém II, em construção pela TDG Transmissora Delmigo Gouveia, objeto do Leilão de Transmissão de 2009, Lote C. A TDG também é responsável pela construção da LT de 20 km, que seccionará a LT Sobral III/Fortaleza II, bem como as entradas de linha correspondentes na SE Pecém II essas obras conectará a SE Pecém II ao SIN. Outro ponto importante é a assinatura do Contrato de Uso do Sistema de Transmissão. É importante lembrar que a CUST é que garante acesso ao ponto de conexão junto à transmissora. 39

40 Relatório Aneel de março de

41 Agenda 1. Objetivo 2. Aspectos Regulatórios 3. LER 2009 e cronogramas 4. Conexão 5. Perdas 6. Certificação 7. Financiamento 8. Premissas para Avaliação Econômico-Financeira 9. Próximos passos 41

42 perda de potência Interferência entre parques Foi realizada pesquisa técnica realizada em revistas científicas e livros especializados em geração de energia elétrica a partir da fonte eólica. 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% S/D Milborrow (1980) Elliot e Barnard (1990) Adaramola e Krogstad (2011) ADARAMOLA, M.S., KROGSTAD, P.-Å. Experimental investigation of wake effects on wind turbine performance. Renewable Energy.36 (2011) pp ELLIOTT, D. L.; BARNARD, J. C. Observations of wind turbine wakes and surface roughness effects on wind flow variability. Solar Energy, vol. 45, n. 5, pp , MILBORROW, D.J. The performance of arrays of wind turbines. Journal of Industrial Aerodynamics, 5 (1980), pp

43 Interferência entre parques São muitos os fatores que influenciam as propriedades da turbulência, como as condições do vento, as condições térmicas da atmosfera, o desenho das máquinas, a rugosidade do terreno e as condições de operação das usinas à montante. Nos estudos que foram objeto da pesquisa, a referência padrão de distância encontrada foi o diâmetro do rotor e não a altura máxima da pá (ANEEL tem usado como referência a altura máxima da pá) Não há um único método para ser calculada a área de sombreamento ou a região de turbulência, vez que o cálculo de perda de eficiência depende de vários parâmetros. O que pode e deve ser feito é a escolha racional de um método transparente e eficiente. Sendo assim, poderia ser proposta uma distância baseada no diâmetro do rotor considerando o percentual de perdas que os agentes estão dispostos a assumir de risco no futuro. 43

44 Interferência entre parques 44

45 Interferência entre parques Resolução 391/2009 DOCUMENTOS NECESSÁRIOS AO REQUERIMENTO DE OUTORGA: 2.6: Estudo comprovando a não interferência da usina eólica em outros parques eólicos já autorizados caso estes estejam dentro da região de turbulência (região que dista de 20 vezes a altura máxima da pá, considerando-se a direção predominante do vento) provocada pelos aerogeradores da nova usina; 45

46 Perdas na geração de energia Perdas com: SE unitárias cabo baixa tensão rede interna consumo interno Perdas na linha de transmissão de interesse restrito Perdas na SE de saída Rateio de perdas da Rede Básica Perdas GH MJ Martifer SE unitárias 0,00% 1,20% 1,28% cabo baixa tensão 0,00% 0,29% 0,00% perdas na rede interna 0,00% 0,60% 0,42% consumo interno parque 0,00% 0,08% perdas na SE de saída 0,00% 0,33% 0,80% perdas na rede de transmissão 0,00% 1,66% 0,15% eficiencia elétrica 3,00% 0,00% 3,00% 4,16% 2,65% 46

47 Rateio de Perdas na rede básica - Fator de perdas da geração (%): 2,23% - 3,0% 2,8% 2,6% 2,4% 2,2% 2,0% 1,8% 1,6% 1,4% 1,2% 1,0% perdas mensais perda média (2,23%) 47

48 Agenda 1. Objetivo 2. Aspectos Regulatórios 3. LER 2009 e cronogramas 4. Conexão 5. Perdas 6. Certificação 7. Financiamento 8. Premissas para Avaliação Econômico-Financeira 9. Próximos passos 48

49 Geração de Energia Relatório das certificadoras Considerando-se nos cálculos da GL as perdas da MJ, ou seja, ao invés de 3%, 4,16%, a energia final da GL seria de MWh. Essa é A geração de energia considerada na modelagem. 49

50 Agenda 1. Objetivo 2. Aspectos Regulatórios 3. LER 2009 e cronogramas 4. Conexão 5. Perdas 6. Certificação 7. Financiamento 8. Premissas para Avaliação Econômico-Financeira 9. Próximos passos 50

51 Financiamento: Bridge Loan O montante total aprovado para bridge é de R$ 91,5 milhões. Para modelagem individual dos empreendimentos, consideramos proporcionalmente à potência instalada. Bridge Loan Montante Financiado Juros Prazo Amortização Início Amortização Data da captação R$ 91,5 mm % CDI Bullet no desembolso BNDES/SUDENE (out/12) Na, vide acima Maio de 2012 (ainda depende da negociação de cronograma físico-financeiro) 51

52 Financiamento - condições BNDES SUDENE Montante Financiado Ate R$ mil Teste alavancagem: P90. Data CER vigente a época de aprovação Até R$ mil Teste de alavancagem: PPA Captação outubro.2012 (stress janeiro/2013) Desde que tenha sido aportado 100%Equity na frente outubro.2012 (stress janeiro/2013) Desde que tenha sido aportado 100%Equity na frente Amortização 16 anos [Tabela SAC, periodicidade mensal] 19 anos [Amortização customizada: de 30% a 70% da geracao de caixa (GC), considerando-se a amortizacao do BNDES. GC = Lucro Liquido contabil + D&A] Fluxos individuais por projeto Início Amortização Julho/2013 Julho /2013 Carência até 12 meses pós desembolso Conta Reserva 3 meses. Aceita uma CR única, desde que fique na holding = pode dificultar cisão. Mais provável individual por SPE 6 meses [Pari passo aos desembolsos do fundo, apresentando 6 meses do maior Serviço da Dívida projetado para todo o período do financiamento] 52

53 Financiamento opções de garantias Carta Fianca Op.1 BNDES 12 meses no período operacional (fechamento em junho ou dezembro) SUDENE 12 meses no período operacional [segue padrão BNDES] Juros TJLP + 0,9% + 1,9% a.a TJLP + 1,0% a.a ISCD Carta Fianca Op.2 Juros 1.3x com caixa acumulado (Não aceita aporte) Durante periodo de financiamento sobre Saldo Devedor, sendo renovada a cada 2 anos TJLP + 0,9% + 0,5% a.a Regra do 30%-70% da Amortização NA ISCD NA Faísa I Faísa II Faísa III Faísa IV Faísa V TOTAL Sudene* R$ 62,0 MM R$ 63,0 MM R$ 63,0 MM R$ 63,0 MM R$ 68,0 MM R$ 319,0 MM *Aprovação por meio de Resolução da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste de

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas

Submódulo 1.1 Adesão à CCEE. Módulo 6 Penalidades. Submódulo 6.1 Penalidades de medição e multas Submódulo 1.1 Adesão à CCEE Módulo 6 Penalidades Submódulo 6.1 Penalidades de medição Revisão 1.0 Vigência 16/10/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS 4. LISTA DE DOCUMENTOS 5. FLUXO DE

Leia mais

PROJETO EÓLICA FAISA S.A.

PROJETO EÓLICA FAISA S.A. PROJETO EÓLICA FAISA S.A. ESTRITAMENTE CONFIDENCIAL São Paulo, junho de 2013 Confidencial 1. Sumário Executivo 2. Estrutura Societária e da Operação 3. O Projeto 4. Premissa Financeira 5. Riscos e Mitigantes

Leia mais

ANEXO I. Check list UHE/PCH AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL DESPACHO Nº 2.117, DE 26 DE JUNHO DE 2012.

ANEXO I. Check list UHE/PCH AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL DESPACHO Nº 2.117, DE 26 DE JUNHO DE 2012. ANEEL DESPACHO Nº 2.117, DE 26 DE JUNHO DE 2012. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE ANEEL, no uso de suas atribuições regimentais, tendo em vista deliberação da Diretoria e o que consta no Processo

Leia mais

Central Geradora Eólica Colônia S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

Central Geradora Eólica Colônia S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Central Geradora Eólica Colônia S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Balanço patrimonial Em milhares de reais 31 de 31 de 1 o de 31 de 31 de

Leia mais

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013

Regras de Comercialização 2013. Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Regras de Comercialização 2013 Apresentação no InfoPLD 25.02.2013 Agenda Alterações aprovadas Contribuições acatadas 2 Alterações Aprovadas 1) Regime de Cotas de Garantia Física 2) Sazonalização de Garantia

Leia mais

VOTO. INTERESSADA: Centrais Elétricas Taboca Ltda. Centrais Elétricas Taboca

VOTO. INTERESSADA: Centrais Elétricas Taboca Ltda. Centrais Elétricas Taboca PROCESSO: 48500.000316/2012-39 VOTO INTERESSADA: Centrais Elétricas Taboca Ltda. Centrais Elétricas Taboca RELATOR: Diretor Julião Silveira Coelho RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações

Leia mais

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A.

Eólica Faísa V Geração e Comercialização de Energia Elétrica S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2012 2011 Passivo e patrimônio líquido 2012 2011 (Não auditado) (Não auditado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 4) 415 7 Fornecedores

Leia mais

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC FINALIDADE Reunir informações sintetizadas do Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Celesc com o objetivo de orientar os Acessantes, como proceder na condução do

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA N o 563, DE 17 DE OUTUBRO DE 2014. O MINISTRO DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, parágrafo único,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 051/2015

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 051/2015 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 051/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Eletrosul Centrais Elétricas S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Minuta de Edital do Leilão de

Leia mais

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS PREZADO ACESSANTE, A legislação vigente assegura a todos os Agentes do setor elétrico e consumidores livres o acesso aos sistemas de transmissão de concessionário público de energia elétrica. O Operador

Leia mais

Em 13 de janeiro de 2012.

Em 13 de janeiro de 2012. Nota Técnica nº 003/2012-SEM/ANEEL Em 13 de janeiro de 2012. Processo: 48500.005140/2011-21 Assunto: Instauração de Audiência Pública, na modalidade Intercâmbio Documental, para subsidiar o processo de

Leia mais

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico. Rio de Janeiro - RJ - Brasil XVIII SEPEF - Seminário de Planejamento Econômico-Financeiro do Setor Elétrico Rio de Janeiro - RJ - Brasil Comercialização de Energia, Aspectos Regulatórios, e/ou Viabilidade de Fontes Alternativas de

Leia mais

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida

Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Programa de Incentivos aos Leilões de Energia e à Geração Distribuída do Governo de Pernambuco João Bosco de Almeida Secretário de Infraestrutura Energia Renovável em Pernambuco Desenvolvimento Técnico,

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013.

O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs. Campinas, 30 de Outubro de 2013. O Apoio do BNDES ao Setor de PCHs Campinas, 30 de Outubro de 2013. Evolução dos Desembolsos Hidrelétricas Térmicas Nuclear Energias Alternativas Distribuidoras Transmissoras Ferrovias Rodovias Portos,

Leia mais

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006

Versão: 2 Início de Vigência: 27.11.2006 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 Procedimento de Comercialização Versão: 2 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 2.773, de 27 de novembro de 2006 ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES... 3 3. PROCESSO

Leia mais

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013.

Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL. Em 4 de outubro de 2013. Nota Técnica n o 136/2013-SEM/ANEEL Em 4 de outubro de 2013. Processo: 48500.004241/2013-46 Assunto: Instauração de Audiência Pública para colher subsídios para aprovação das minutas dos Contratos de Comercialização

Leia mais

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia

Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Transferência da UHE Estreito para a Tractebel Energia Conference Call 221 de dezembro de 2009 Aviso importante Este material pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15 EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_02-15 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS LTDA (VENDEDORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15

EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-15 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS LTDA (VENDEDORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de São

Leia mais

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference

Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear. Otavio Mielnik. INAC International Nuclear Atlantic Conference Modelo de Negócio para um Novo Programa Nuclear Otavio Mielnik Coordenador de Projetos São Paulo - 7 outubro 2015 INAC International Nuclear Atlantic Conference SUMÁRIO Modelos de Negócio em Programas

Leia mais

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG.

VOTO. RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. VOTO PROCESSO: 48500.005606/2014-31. INTERESSADO: Floraplac MDF Ltda. - Floraplac RELATOR: Diretor José Jurhosa Junior RESPONSÁVEL: Superintendência de Concessões e Autorizações de Geração - SCG. ASSUNTO:

Leia mais

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio

O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis. 05 de maio O Apoio do BNDES ao Setor de Energias Renováveis 05 de maio Agenda: A Área de Infraestrutura do BNDES Modalidades de Financiamento Linhas de financiamento a Projetos de Energia Elétrica Apoio ao setor

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Rio de Janeiro, 10 de maio de 2013. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2013 Desempenho Operacional LIGHT ENERGIA (GWh) 1T13 1T12 % Venda no Ambiente de Contratação Regulada 263,7 1.052,0-74,9% Venda no

Leia mais

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado:

2.1. O Estudo de Inventário da UHE Colíder foi aprovado conforme a seguir discriminado: ANEXO VIII AO EDITAL DE LEILÃO Nº. 03/2010-ANEEL ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE FERREIRA GOMES A exploração da UHE Ferreira Gomes, pela Concessionária,

Leia mais

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO

ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO ENTENDENDO A FATURA DE ENERGIA ENTENDA COMO É FORMADA A FATURA DE ENERGIA ELÉTRICA E DESCUBRA POR QUE VOCÊ PAGA TÃO CARO 1. APRESENTAÇÃO O Grupo Genergia, em total sinergia com o pensamento mundial, aliando

Leia mais

MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: CUST Modelo 25mai10.doc

MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO. Arquivo: CUST Modelo 25mai10.doc MODELO CONTRATO DE USO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO Arquivo: Motivo: Adequação à Resolução 399/10 - Contratação do Uso do Sistema de Transmissão Modelo aplicado a: Distribuidores conectados à Rede Básica;

Leia mais

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007

FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA. Guilherme Velho 14 / Março / 2007 FÓRUM ABRAGEF A Importância da Geração Flexível no Setor Elétrico Brasileiro GERAÇÃO DE RESERVA Guilherme Velho 14 / Março / 2007 Riscos do Setor Elétrico Risco de Déficit (tradicional); Importação de

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003

Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Nota Técnica nº 049/2003-SRD/ANEEL Em 04 de dezembro de 2003 Assunto: Reajuste das Tarifas de uso dos sistemas de distribuição da empresa Boa Vista Energia S/A - Boa Vista. I DO OBJETIVO Esta nota técnica

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de setembro de 2013

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de setembro de 2013 KPDS 72541 em 30 de setembro de 2013 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras intermediárias 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de resultados 6 Demonstrações

Leia mais

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41

Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL. Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Nota Técnica nº 47/2015-CEL/ANEEL Em 7 de dezembro de 2015. Processo nº: 48500.004029/2015-41 Assunto: Instauração de Audiência Pública, exclusivamente por intercâmbio documental, para subsidiar o processo

Leia mais

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres

Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres Perspectivas para o Mercado de Energia Elétrica Manoel Arlindo Zaroni Torres São Paulo, 10 de fevereiro de 2015 Conjuntura hidrológica bastante adversa 2014 foi 10º ano mais seco da história (84 anos)

Leia mais

Concessão de Linhas de Transmissão Leilão n o 001/2005-ANEEL Reunião de Esclarecimentos

Concessão de Linhas de Transmissão Leilão n o 001/2005-ANEEL Reunião de Esclarecimentos Concessão de Linhas de Transmissão Leilão n o 001/2005-ANEEL Reunião de Esclarecimentos 30/8/2005 Brasília - DF JANDIR AMORIM NASCIMENTO Superintendente de Concessões e Autorizações de Transmissão e Distribuição

Leia mais

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE

Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômico-Energéticos e Ambientais Empresa de Pesquisa Energética - EPE WORKSHOP Integração de mercados de energia elétrica e formação de preços PAINEL IV Harmonização dos mercados TEMA Impacto da ampliação das fontes renováveis na integração dos mercados Amilcar Guerreiro

Leia mais

Relatório do Administrador Fundo de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I II - III

Relatório do Administrador Fundo de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I II - III Relatório do Administrador Fundo de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I II - III (CNPJ no. 13.301.469/0001-02 - 13.301.359/0001-40 - 13.301.410/0001-14)

Leia mais

Leilão da UHE Três Irmãos 002/2014

Leilão da UHE Três Irmãos 002/2014 1 Leilão da UHE Três Irmãos 002/2014 Realização: 28/03/2014 Análise Pré-leilão Análise Pós-leilão (Esta análise foi distribuída às 17:00 do dia 27/03/2014) No dia 28 de março de 2014 será realizado o leilão

Leia mais

DECRETO Nº 29 993, de 09 de dezembro de 2009.

DECRETO Nº 29 993, de 09 de dezembro de 2009. DECRETO Nº 29 993, de 09 de dezembro de 2009. REGULAMENTA A LEI COMPLEMENTAR ESTADUAL Nº 81, DE 02 DE SETEMBRO DE 2009, QUE INSTITUI O FUNDO DE INCENTIVO À ENERGIA SOLAR DO ESTADO DO CEARÁ FIES, E DÁ OUTRAS

Leia mais

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência

Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo3.1 Contratos do ambiente livre Módulo 3 Contratação de Energia e Potência Submódulo 3.1 Contratos do Ambiente Livre Revisão 1.0 Vigência 12/11/2012 1 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO 3. PREMISSAS

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 7: Estrutura Tarifária das Concessionárias de Distribuição S u b m ó d u l o 7. 1 P R O C E D I M E N T O S G E R A I S Revisão 1.0

Leia mais

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética

VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH A importância da Geração Distribuída num momento de crise energética Copel Distribuição S.A Vlademir Daleffe 25/03/2015 1 VI ENCONTRO NACIONAL DA ABRAPCH 1. Composição tarifária

Leia mais

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES

ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES ANEXO VIII CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS E INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA A EXPLORAÇÃO DA UHE TELES PIRES A exploração da UHE Teles Pires, pela Concessionária, será realizada em conformidade com a legislação em vigor

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

Histórico Trade Energy

Histórico Trade Energy Consumidor Livre Histórico Trade Energy Fundação da empresa com sede em Brasília Sócios: INEPAR ENERGIA, DESENVIX, ENERGÉTICA-TECH Autorização da ANEEL segunda Comercializadora no país Adesão pioneira

Leia mais

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial

Simpósio Brasileiro sobre Pequenas e Médias Centrais Hidrelétrica. Comercialização 1/20. DCM Diretoria Comercial Legislação de Geração de Energia Elétrica Comercialização 1/20 AGENDA: 1. Geração de serviço público, produtores independentes e autoprodução de energia elétrica; 2. Incentivos para a autoprodução de energia

Leia mais

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO III. Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 21 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica nº 250/2007-SRE/ANEEL Brasília, 2 de agosto de 2007 METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO III Nota Técnica n o 250/2007 SRE/ANEEL Em 2 de agosto de 2007. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-14

EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-14 EDITAL DE LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA BRC_03-14 A BRASIL COMERCIALIZADORA DE ENERGIAS S/A (COMPRADORA), com sede na Rua Helena, 260, conjunto 72, CEP 04552-050, Bairro Vila Olímpia, Cidade de

Leia mais

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0

Preço de Liquidação de Diferenças. Versão 1.0 Preço de Liquidação de Diferenças ÍNDICE PREÇO DE LIQUIDAÇÃO DE DIFERENÇAS (PLD) 4 1. Introdução 4 1.1. Lista de Termos 6 1.2. Conceitos Básicos 7 2. Detalhamento das Etapas da Formação do PLD 10 2.1.

Leia mais

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014

LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Rio de Janeiro, 15 de maio de 2014. LIGHT ENERGIA S.A. 1º TRIMESTRE DE 2014 Desempenho Operacional O total de venda, líquida da compra de energia, no primeiro trimestre de 2014 foi equivalente a 1.264,1

Leia mais

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES

Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES EDITAL Nº: 25/2015_lp AGENTES Leilão de Venda de Energia Elétrica ANEXO III DAS DEFINIÇÕES Objetivando o perfeito entendimento e a precisão da terminologia técnica empregada no EDITAL 25/2015_LPe n o CONTRATO,

Leia mais

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN

SOL Maior fonte de energia da Terra. A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN termosolar fotovoltaica SOL Maior fonte de energia da Terra A Cadeia de Valor para a Geração Fotovoltaica no Brasil Newton Duarte Vice Presidente Executivo da COGEN 17/09/2014 Relatório GT COGEN SOLAR

Leia mais

CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO - CCEAR CCEAR Nº / 08 PRODUTO 2008/2012

CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO - CCEAR CCEAR Nº / 08 PRODUTO 2008/2012 CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO - CCEAR CCEAR Nº / 08 PRODUTO 2008/2012 CONTRATO DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE REGULADO CCEAR, NA MODALIDADE QUANTIDADE

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO 02/2014 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA

EDITAL DO LEILÃO 02/2014 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DO LEILÃO 02/2014 LEILÃO DE COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA O LEILÃO DE COMPRA e os procedimentos a ele relativos serão regidos pelas disposições deste EDITAL e seus Anexos. ÍNDICE Capítulo 1 Informações

Leia mais

EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A, agente gerador de energia elétrica, inscrita no CNPJ/MF sob o n 23.274.194/0001-19, com sede na Rua Real Grandeza 219, Botafogo, Rio de

Leia mais

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador

Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador XVIII ENCONSEL Aspectos Econômico- Financeiros do Setor Elétrico Visão do Regulador Canela-RS Novembro de 2002 José Mário Miranda Abdo Diretor-Geral Aspectos Econômico-financeiros do Setor Elétrico Visão

Leia mais

Edital 003/2014 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL

Edital 003/2014 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL Edital 003/2014 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE ACL A Eletrosul Centrais Elétricas S.A., em conformidade com seu Estatuto Social e com a legislação aplicável

Leia mais

EDP Energias do Brasil

EDP Energias do Brasil EDP Energias do Brasil III BTG Pactual Utilities Day outubro, 2014 0 Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um

PROVA OBJETIVA. 8 O sistema de transmissão destina-se ao transporte de blocos. 9 O arranjo do tipo barra em anel requer o uso de apenas um De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com o

Leia mais

3T15. Resultados do 3T15. Teleconferência 3T15 com Tradução Simultânea. Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 3T15 3T14 Var% 9M15 9M14 Var%

3T15. Resultados do 3T15. Teleconferência 3T15 com Tradução Simultânea. Destaques Operacionais e Financeiros (R$ mil) 3T15 3T14 Var% 9M15 9M14 Var% 3T15 São Paulo, 13 de novembro de 2015: CESP - Companhia Energética de São Paulo (BM&FBOVESPA: CESP3, CESP5 e CESP6) divulga o release de resultados referentes ao terceiro trimestre de 2015 (3T15). As

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO Nº 003/2015

EDITAL DE LEILÃO Nº 003/2015 EDITAL DE LEILÃO Nº 003/2015 LEILÃO PÚBLICO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Avenida Brigadeiro Faria Lima, n.º

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T14

Apresentação de Resultados 3T14 Apresentação de Resultados 3T14 Destaques do Período Início da operação comercial dos parques do LER 2009 Maior complexo de energia eólica da América Latina: 14 parques, 184 aerogeradores, 294,4 MW de

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: MINUTA DO

Leia mais

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCHs. Belo Horizonte, 23 de abril de 2008

Programa Minas PCH Viabilizando Investimentos em PCHs. Belo Horizonte, 23 de abril de 2008 Viabilizando Investimentos em PCHs Belo Horizonte, 23 de abril de 2008 Criação Instituído através do Decreto Estadual Nº 43.914 e lançado pela Cemig através de Chamada Pública. Objeto da Chamada: Convocação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA PARA COMPRA DE ENERGIA ELÉTRICA PROVENIENTE DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA Nº 001/2014 A LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S. A. concessionária de serviços públicos de distribuição de energia

Leia mais

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por:

Em resumo, tarifa de energia elétrica dos consumidores cativos é, de forma um pouco mais detalhada, constituída por: A Tarifa de Energia O que é a tarifa de energia? Simplificadamente, a tarifa de energia é o preço cobrado por unidade de energia (R$/kWh). Em essência, é de se esperar que o preço da energia elétrica seja

Leia mais

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II

HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Foram alterados os Modelos dos Contratos dos Anexos I e II Incorporação de Redes Particulares de Distribuição de Energia Elétrica Processo Planejar, Ampliar e Melhorar o Sistema Elétrico Atividade Planejar o Desenvolvimento da Rede Código Edição Data VR01.01-00.001

Leia mais

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015

Projeto UTE Rio Grande. Rio Grande do Sul Junho 2015 Projeto UTE Rio Grande Rio Grande do Sul Junho 2015 I. Grupo Bolognesi II. Visão Geral dos Projetos III. Mão de Obra IV. Ações Sócio-Ambientais V. Impactos Positivos e Benefícios Visão Geral do Grupo Bolognesi

Leia mais

Renova Energia São Paulo, 18 de novembro de 2011

Renova Energia São Paulo, 18 de novembro de 2011 Renova Energia São Paulo, 18 de novembro de 2011 A Renova Energia Histórico comprovado na prospecção, estruturação, execução e operação de projetos de geração de energia renovável. Fundação RENOVA Enerbras

Leia mais

Apresentação de Resultados 1T15

Apresentação de Resultados 1T15 Apresentação de Resultados 1T15 1 Destaques do Período Início da operação comercial de quatro parques do LEN A-3 2011 Início da operação comercial: 04 de março de 2015 Os outros 5 parques serão conectados

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 034/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 034/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 034/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA ABSOLAR AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO - CGTEE Nº 002/2014 OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO CGTEE Nº 002/2014 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica

Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Leilões de Energia Elétrica Mercado Regulado Brasileiro Visão Panorâmica Reunião Técnica da ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica 19 de novembrode 2013 Alexandre Viana Gerência

Leia mais

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS

COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS COGERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E REGULATÓRIOS Compreenda a regulamentação referente à cogeração de energia e discuta possíveis mudanças as no setor Gabriel Barja São Paulo, outubro de 2006 Viabilidade Viabilidade

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 at CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: CCEE AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Especificar Nome/Tipo, nº e data, caso existam) EMENTA

Leia mais

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA

TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA TREINAMENTO: TRIBUTAÇÃO SOBRE ENERGIA ELÉTRICA PROGRAMA Principais Fatos das Reformas Institucionais da Indústria de Energia Elétrica 1 Introdução 2 Histórico das Reformas do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas

Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Riscos e Garantias para a Comercialização de Energia de PCHs Encontro Nacional de Operadores e Investidores em Pequenas Centrais Hidrelétricas Luciano Macedo Freire Conselho de Administração 07 de abril

Leia mais

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:

Contrato nº XXX/2015 Chamada Pública nº XXX/2015 CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO: A CONTRATO DE ADESÃO DE GERAÇÃO PRÓPRIA N.º 000/2015 QUE ENTRE SI FAZEM A E, NA FORMA ABAIXO:, com sede na cidade de, Endereço, inscrita no CNPJ/MF sob o n., doravante denominada DISTRIBUIDORA, neste ato

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA - CP Produto 1

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA - CP Produto 1 CONTRATO DE COMPRA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA DE ENERGIA LTDA. E PROPONENTEVENDEDOR. Pelo presente Instrumento: De um lado, o BTG PACTUAL COMERCIALIZADORA

Leia mais

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8

A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A. Módulo 9: Concessionárias de Transmissão. S u b m ó d u l o 9. 8 A G Ê N C I A N A C I O N A L D E E N E R G I A E L É T R I C A Módulo 9: Concessionárias de Transmissão S u b m ó d u l o 9. 8 M e t o d o l o g i a d e c á l c u l o de p r e ç o t e t o d a R e c e

Leia mais

Participação da Cemig no Projeto Usina Hidrelétrica de Santo Antônio Localizada no Rio Madeira Estado de Rondônia

Participação da Cemig no Projeto Usina Hidrelétrica de Santo Antônio Localizada no Rio Madeira Estado de Rondônia Participação da Cemig no Projeto Usina Hidrelétrica de Santo Antônio Localizada no Rio Madeira Estado de Rondônia Leilão ANEEL 005/2007, realizado em 10 de Dezembro de 2007 Comunicamos que realizaremos

Leia mais

(CNPJ no. 13.301.469/0001-02 - 13.301.359/0001-40 - 13.301.410/0001-14) Ref.: Ano de 2013

(CNPJ no. 13.301.469/0001-02 - 13.301.359/0001-40 - 13.301.410/0001-14) Ref.: Ano de 2013 Relatório do Administrador Fundo de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I II - III (CNPJ no. 13.301.469/0001-02 - 13.301.359/0001-40 - 13.301.410/0001-14)

Leia mais

EDITAL DE LEILÃO COMPRA E VENDA DE ENERGIA CONVENCIONAL. Maio/2014

EDITAL DE LEILÃO COMPRA E VENDA DE ENERGIA CONVENCIONAL. Maio/2014 EDITAL DE LEILÃO COMPRA E VENDA DE ENERGIA CONVENCIONAL Maio/2014 A NC ENERGIA S.A., doravante denominado NC, em conformidade com a regulamentação em vigor no Sistema Elétrico Brasileiro e em consonância

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM E VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE ENERGIA S.A

CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM E VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE ENERGIA S.A CONTRATO DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA INCENTIVADA, QUE ENTRE SI CELEBRAM E VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE ENERGIA S.A Pelo presente Instrumento: De um lado, VENTOS POTIGUARES COMERCIALIZADORA DE

Leia mais

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final

Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final NOTA TÉCNICA Definição da Conta Gráfica e do Mecanismo de Recuperação das Variações dos Preços do Gás e do Transporte Versão Final Aplicação: Distribuidoras de Gás do Estado de São Paulo Fevereiro 2012

Leia mais

MERCADO LIVRE. FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor

MERCADO LIVRE. FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor MERCADO LIVRE FIEP, 10.set.2015 Luís Gameiro, diretor Consumidor Livre ACL Regulamentação Mínima G Competição Forte Regulamentação T D Monopólio Natural Regulamentação Mínima C Competição M Consumidor

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE,

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS, COM PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA DO CLIENTE, QUE ENTRE SI CELEBRAM, LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE S/A, DE UM LADO, E XXXXXXXXX, DE OUTRO LADO. LIGHT SERVIÇOS DE ELETRICIDADE

Leia mais

Rev. Data Resp. Téc/Proj. Resp. Téc/Concess. ANTT Verificado. - ANTT Aprovado - ANTT

Rev. Data Resp. Téc/Proj. Resp. Téc/Concess. ANTT Verificado. - ANTT Aprovado - ANTT Código RT-BR0000364-000-0.000-0-0P3-Y05-400 Rev. 00 Emissão: 14/04/2015 Folha 1 / 62 Resp. Técnico / Projetista: Resp. Técnico / Concessionária: Lote: Edital de Chamamento Público Nº 4/2014 Rodovia: BR-364

Leia mais

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL

ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL ANEXO IV MODELO DE PROPOSTA COMERCIAL 1. A PROPOSTA COMERCIAL será constituída de uma Carta Proposta, que trará o valor da CONTRAPRESTAÇÃO PECUNIÁRIA ofertada, através

Leia mais

Ricardo Lima Conselheiro de Administração

Ricardo Lima Conselheiro de Administração XVII Simpósio Jurídico ABCE Riscos e Tendências do Ambiente de Contratação Livre Ricardo Lima Conselheiro de Administração 19 de setembro de 2011 Estrutura Legal da Comercialização Visão Geral das Operações

Leia mais

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública

11 Contribuição para Custeio do Serviço de Iluminação Pública TREINAMENTO: ASPECTOS TRIBUTÁRIOS DOS CONTRATOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO REGULADA ACR E AMBIENTE DE CONTRATAÇÃO LIVRE - ACL PROGRAMA 1 Aspectos dos Contratos da

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Aspectos Tributários dos Contratos de Comercialização de Energia Elétrica no Ambiente de Contratação Regulada ACR e Ambiente de Contratação Livre - ACL CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Aspectos dos Contratos da

Leia mais

CONTRATO DE CONEXÃO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO

CONTRATO DE CONEXÃO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO CONTRATO DE CONEXÃO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO 1. T Í T U L O I ÍNDICE Das Definições e Premissas Aplicáveis ao Presente CONTRATO TÍ T U L O I I Do Objeto e Do Prazo de Vigência Capítulo I - Do Objeto Capítulo

Leia mais

02 de outubro 2014 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2014

02 de outubro 2014 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2014 02 de outubro 2014 LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA CONVENCIONAL EDITAL DE LEILÃO DE VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA Nº 01/2014 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS 1.1. O presente edital ( Edital ) estabelece as regras

Leia mais

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas

www.ccee.org.br Nº 011 Novembro/2014 0800 10 00 08 Nº de usinas Introdução O Boletim de Operação das Usinas é uma publicação mensal que apresenta os principais resultados consolidados de capacidade, garantia física e geração das usinas, tendo como referência a contabilização

Leia mais