REUNIÃO CLÍNICA REUMAT REUMA OLOGIA T MARIANA B ITTA BITT R AR LOPES LOPES R3 REUMATOLOGIA PUCC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REUNIÃO CLÍNICA REUMAT REUMA OLOGIA T MARIANA B ITTA BITT R AR LOPES LOPES R3 REUMATOLOGIA PUCC"

Transcrição

1 REUNIÃO CLÍNICA REUMATOLOGIA MARIANA BITTAR LOPES MARIANA BITTAR LOPES R3 REUMATOLOGIA PUCC

2 CASO CLÍNICO EMS, feminino, 53 anos. Natural de Palmares, Pernambuco e procedente de Capivari há 28 anos. Trabalhou na lavoura de cana, do lar há 23 anos, primeiro grau incompleto. Casada, católica.

3 PUCC 11/03/1998: ambulatório de pneumologia QD: tosse produtiva com expectorado amarelado e febre há 30 dias sem melhora com medicação. AP: HAS (6 meses) uso de aldactone e furosemida AF: filho com HAS, mãe com HAS e reumatismo HD: TB? Sinusopatia?

4 EXAMES: Hb: 11.6 leuco: 4.6 neutrófilos 71% Ht: 34.2 linfócitos 14.3% Plaquetas: 99 mil monócitos 9.7% eosinófilos 3.5% basófilos 07% 0.7% VHS: 50 Rx tórax normal BK no escarro negativo CD: encaminhamento para hematologia

5 30/09/1998: ambulatório de hematologia Hb: 12.7 leucócitos: VCM: 74 plaquetas: 84 Cr: 2.6 U: 206 K: 5.9 HD: nefropatia CD: solicitados exames

6 04/11/1998: FAN: 1/200 homogênio C3 consumido anti cardiolipina positivo Hepatite B / C negativo Anti SM / RNP negativos crioglobulinas negativo HD: LES? CD: encaminhamento para nefrologia e reumatologia

7 24/08/1998: ambulatório de nefrologia Urina: Ph 5 U:119 Cr:1.8 / 2.2 D 1015 K:5.6 prot 25 mg/dl ácido urico:12.3 hem 7500 leuco 4500 prot 24 h: 410 mg ClCr: 21 HD: nefropatia CD: suspenso aldactone

8 28/01/1999: ambulatório de reumatologia HPMA: dores difusas pelo corpo, poliartralgia Inflamatória, queda de cabelo e emagrecimento não quantificado. EF: normal Linfócitos: 600 Cr: 3.3 U: 295 ClCr: 23 prot 24 h: 190 C3: 116 (120) Anti DNA negativo CD: predinisona 60 mg/dia por 30 dias

9 Retorno reumatologia: Hb:9.7 leuco 1800 segmentados 83 % Ht : 29 linfocitos 10 % plaq:? VHS: 75 C3: 76 (101) C4: 26 (16) EFP: normal Cr: 1.4 U: 73 prot 24 h: 210 mg FAN: 1/3200 anti DNA negativo anti-sm/ ENAnegativos FR neg WR: 18 HD: LES alterações hematológicas FAN + anti-cardiolipina + nefropatia???

10 07/06/99: ambulatório de nefrologia Urina normal Cr: 2 U: 230 ClCr: 11 Ac urico: 8.3 Em uso de furosemida 40 mg dia predinisoma 60 mg /dia HD: nefrite lúpica Obs: optado por não realizar Bx renal

11 CRITÉRIOS PARA LES FAN anti-dna / anti-cardiolipina rash malar fotosensibilidade úlceras orais alterações hematológicas alteração renal artrite

12 PERFIL HEMATOLÓGICO Data 11/03/ /03/ /06/ /08/ /10/ /12/ /02/ /03/ /05/2000 Hb Ht , leuco linfócitos 14.3% 10% 9% 13,20% 14% 5,40% 9% 300 plaquetas medicação pred 60 pred 60 mg pulso pred 60 mg susp susp pulso pred 60 mg mg cliclo fosfamida 1g alupurinol alupurinol Data 29/05/ /08/ /08/ /09/ /10/ /09/ /01/ /07/ /12/2010 Hb Ht leuco linfócitos ,80% plaquetas medicação reduzido pred 60 mg susp pred 60 mg pred 60 mg pred 20 mg pred 10 mg pred 5 pred 20 pred 40 mg azatioprina azatioprina 50mg 12/12h aumento para pred 20 mg aumento para pred 60 mg Coombs: negativo

13 PERFIL RENAL Data 28/09/ /11/ /04/ /08/ /06/ /10/ /03/ /05/200 1 ureia creatinina 1,8 1,5 1,4 2 1,9 2 ClCr (ml/min) ,4 (?) urina prot 25 mg/dl raros normal hemacias cilindros granulosos prot 24 h (mg/24h) ac urico (mg/dl) 12,3 10, ,77 ac urico urinário 75 24h (mg/dia) medicaçao pulso alopurinol 300 mg alupurinol 8/8h colchicina 0,5 g 12/2h furosemida 8/8h Data 09/09/ /01/ /07/ /12/ /08/ /01/ /04/ /07/2010 ureia 30/09/ creatinina 1,3 1,5 2 3,5 3,5 2,7 ClCr (ml/min) urina normal normal normal cilindros normal normal leucócitos raros hialinos prot 24 h (mg/24h) não calculado ac urico (mg/dl) 13 12,3 11,3 14,44 12,11 ac urico urinário 98 24h (mg/dia) medicaçao pred 60 mg FAV

14 Queixas articulares inicialmente: dor difusa, em todo o corpo com alteração do sono e tristeza Maio/99: artrite migratória em joelhos tornozelos, MCF, IFP EF sem artite Junho/99: artralgia inflamatória em punhos, IF, tornozelos. Rigidez matinal 15 minutos EF sem artrite

15 Março/00: dor e edema MTF EF: artrite 1 e 2 MTF e IFP bilateral CD: cloroquina 250 mg / dia Maio/00: poliartralgia inflamatótia de pequenas e grandes articulações EF: artrite 2 e 3 MCF bilateral 2 e 3 IFP bilateral 1 MCF bilateral tornozelo D Outubro/200: artrite MCF / IFP HD: Gota CD: colchicina 0.5 mg /d

16 Maio/01: queixa de visão turva EF: artrite MCF, IFP, IFD, punhos bilateral, joelho e cotovelo direitoit CD: suspendo cloroquina

17 Maio/02: Paciente mantinha o quadro de artrite. Rigidez matinal acima de 1 hora EF: quadratura de punhos discreta atrofia de musculatuar interóssea desvio ulnar dos dedos da mão D sub- luxação de MC Multiplos nódulos em superfície extensora do cotovelo D HD: Sobreposição LES e AR? Gota

18 CRITÉRIOS PARA AR Rigidez matinal acima de 1 hora Artrite MCF, IFP, IFD, punhos Acometimento t de mais de 3 articulações FR negativo / WR positivo RX de mãos com alterações compatíveis

19 CD: MTX 12,5 mg/ semana Bx nódulo do cotovelo Agosto/02: EF sem artrite TGO 67 CD: MTX quinzenal Março/ 03: EF sem artrite TGO 66 TGP 65 CD: suspenso MTX

20 2004: US mão esquerda (radiologista) Imagens hiperecoicas nodulares com sombra acústica por possíveis tofos calcificados com PD negativo. HD: Gota tofácea forma poliarticular 2009: US (reumatologista) Tendinopatia dos extensotes e atividade PD peritofos nos punhos HD: Gota tofácea forma poliarticular em atividade. OBS: Retirada HD de AR

21

22

23

24

25 5

26 2 MTCF direito

27 CASO CLÍNICO M.I.M.M., feminino, 63 anos. Procedente de Santo André, casada, doméstica. - 22/11/94 : Queixa: poliartralgia, alopecia e fotossensibilidade AP: LES há 10 anos Em uso de: deflazacort 90mg/dia hidroclorotiazida i 50 mg/dia furosemida 60mg/dia ranitidina 150mg/dia

28 EF: PA: 160/100 anasarca ausência de artrite EXAMES: VHS:130 Hb: 8,9 FAN+ 1/640 homogêneo U: 83 ClCr: 40 Prot. 24h: 16,4 g CH50:104( )

29 HD: LES com nefrite IRC CD: pulsoterapia com ciclofosfamida 1g/mês predinisona 40 mg/dia furosemida 40mg 3X/dia captopril 25mg 2X/dia ranitidina 150mg 2X/dia

30 - 04/01/95: Paciente sentindo-se um pouco melhor EF: PA: 200/100 melhora do quadro de anasarca ausência de artrite EXAMES: VHS: 70 Hb: 7,5 linfocitos:23% it U: 136 Cr: 3 prot. 24h: 4,8g UrinaI: leuc: 33000, hem: , cilindros: 2 750/ml CD: mantida

31 - 14/03/95: Paciente sentindo-se bem EF: PA: 140/80 ausência da anasarca EXAMES: VHS: 40 CH50: 230( ) Hb: 10,8 U: 107 Cr: 2,22 ClCr: 38 prot.24hs: 5,6 UrinaI: leuc:176000, hem: urocultura CD: mantida

32 - 30/05/95: seis pulsos com ciclofosfamida quadro sugestivo de cistite EF: alopécia EXAMES: VHS:15 CH50:220 Hb:12,3 Leuc: U: 63 Cr: 1,6 UrinaI: leuc: , hem: Urocultura CD: suspensa ciclofosfamida prednisona 20mg/dia furosemida 40mg captopril 25mg 2X/dia ranitidina 150mg 2X/dia difosfato de cloroquina 250mg/dia.

33 - 19/03/96: VHS: 6 CH50: 260 HMG normal U:68 Cr:1,3 Prot.24h:1,59 g UrinaI: leuc:79000, hem: 9500 CD: mantida

34 - 05/06/96: Assintomática EF: sem alteração EXAMES: VHS:15 CH50:70 HMG:normal U:79 Cr:1,6 Prot. 24hs: 2,3g UrinaI: leuc:196000, hem: CD: mantida a prescrição solicitados novos exames para possível reintrodução da ciclofosfamida.

35 - 06/12/96: Paciente não atendendo as datas de retornos solicitadas. Assintomática EF:normal EXAMES: VHS:6mm CH50: 150 HMG: normal U:81 Cr:1,8 Prot.24hs: 0,72g Urina I: leuc: 21000, hem: 8250 Conduta: prednisona 10mg/dia Conduta: prednisona 10mg/dia cálcio 1gr e vit. D 800UI/dia.

36 - - 02/05/97: VHS: 10 CH50: 150 HMG: normal U: 106 Cr: 2,1 Prot. 24hs: 0,45g UrinaI: leuc: , hem: urocultura 01/10/98: EF: rash malar e eritema em antebraços CD:mantida - 03/11/98: interrompeu a cloroquina devido a diminuição da visão. Exame oftalmológico normal VHS:12mm CH50: 200 HMG: normal U:90 Cr: 2,1mg% Prot.24h:0,62g UrinaI: normal CD:mantida

37 - 15/03/99: Queixa: poliartralgia de mãos e joelhos EF:normal HMG:normal EFP: normal UrinaI:normal U:74 Cr:1,7 Prot.24h:3,1g 14/12/99: Assintomática Prot. 24hs:1,79g

38 - 20/11/03: Paciente não seguindo a prescrição e não retornado as consultas agendadas Assintomática EF:normal HMG:normal U:127 Cr:2,7

39 - 10/08/06: Queixa: dor mecânica no quadril esquerdo EF: normal HMG:normal CH50:normal VHS:21 Urina I: normal Prot.24hs: 0,65g Densitometria: colo ( -2,12), fêmur: ( -3,15) Conduta: azatioprina 50mg 2X/dia alendronato 70mg/semana cálcio e vitd mantidos captoril 50mg 2X/dia.

40 - 03/05/07: Queixa: farmacodermia Em uso de: alopurinol ( suspenso) sinvastatina - 04/06/07: Piora progressiva dos níveis de acido úrico Contra-indicação: alopurinol (alergia) narcaricina (IRC)

41 - 10/11/08 até 3/03/11: Depósito progressivo de acido úrico na pele Poliartralgia (mãos, cotovelos, joelhos e pés) HD: Gota CD: colchicina

42 Em uso de : prednisona 5mg/dia captopril 50mg 2X/dia furosemida 40mg/dia complexo B 1x/dia ac. fólico 1X/dia fibrato colchicina paracetamol 750mg se dor ultracet se dor forte

43

44

45

46

47

CASO CASO--CL CLÍNICO

CASO CASO--CL CLÍNICO CASO-CLÍNICOCLÍNICO Thiago da Silva R4 Reumatologia HSPE-FMO Identificação LLA, 51 anos, feminino, policial, natural e procedente de São Paulo, católica. Queixa e Duração Dor no joelho esquerdo há 2 anos.

Leia mais

REUNIÃO CLÍNICA. Médica residente: Mirla de Sá 05 de Maio de 2015

REUNIÃO CLÍNICA. Médica residente: Mirla de Sá 05 de Maio de 2015 REUNIÃO CLÍNICA Médica residente: Mirla de Sá 05 de Maio de 2015 ANAMNESE IDENTIFICAÇÃO A. H. V. B, 63 anos, casado, branco, procedente de Recife/PE, natural de Fortaleza/CE, empresário-agrônomo. ANAMNESE

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina É uma região anatômica que estabelece a contigüidade entre ossos ou cartilagens, permitindo que o movimento seja direcionado neste sentido. Cápsula sinovial

Leia mais

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011

Residente de Reumatologia da UNIFESP. São Paulo 03/08/2011 Dra. Bruna Castro Residente de Reumatologia da UNIFESP São Paulo 03/08/2011 S EVOLUÇÃO DISCUSSÃO IDENTIFICAÇÃO HDA AMP VAB, 33 anos, feminina, i branca, solteira, auxiliar de enfermagem, natural de Monte

Leia mais

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre.

Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. 15 minutos de... D. Kawasaki Criança de 3 anos, previamente saudável, frequentadora de creche, é trazida ao consultório do seu pediatra com história de quase 3 dias de febre. A febre tem sido diária, com

Leia mais

S.K., feminino, 15 anos, solteira, estudante, natural e procedente de Fortaleza.

S.K., feminino, 15 anos, solteira, estudante, natural e procedente de Fortaleza. S.K., feminino, 15 anos, solteira, estudante, natural e procedente de Fortaleza. QP- Manchas na pele HDA- Paciente relata aparecimento de equimose em MIE e petéquias disseminadas em membros, tórax e abdome.

Leia mais

Caso Clínico 29/09/11 - "Dor em joelho esquerdo" Qua, 05 de Outubro de :10 - Última atualização Qui, 29 de Março de :28

Caso Clínico 29/09/11 - Dor em joelho esquerdo Qua, 05 de Outubro de :10 - Última atualização Qui, 29 de Março de :28 Id. FFSM, 30 anos, solteiro, natural e procedente de Icó, trabalhador da construção civil (servente), católico. QP. Dor em joelho esquerdo HDA. Paciente relata que há 3 meses, quando residia no RJ, iniciou

Leia mais

CASO CLÍNICO 1. Lina Oliveira de Carvalho Residente de Reumatologia - Hospital Heliópolis

CASO CLÍNICO 1. Lina Oliveira de Carvalho Residente de Reumatologia - Hospital Heliópolis CASO CLÍNICO 1 Lina Oliveira de Carvalho Residente de Reumatologia - Hospital Heliópolis ANAMNESE IDENTIFICAÇÃO: M.C.S, feminino, 36 anos, natural de Alagoas, Procedente de São Paulo QPD: dor na barriga

Leia mais

DOR ARTICULAR DIFUSA

DOR ARTICULAR DIFUSA QUAL O DIAGNÓSTICO? / WHAT S THE DIAGNOSIS? DOR ARTICULAR DIFUSA 1 2 2 Michel A.Yazbek, Juliana C. Tangerino, Paula F. S. Pallone, 3 4 4 Orlando F. Rodrigues Jr., Marta E.Kalil, Gilberto S. Novaes E.V.R.,

Leia mais

Prof. Ms. Alex Miranda Rodrigues

Prof. Ms. Alex Miranda Rodrigues Prof. Ms. Alex Miranda Rodrigues Avaliação do paciente com queixa osteoarticular. Objetivos. Diagnóstico preciso. Terapêutica adequada e sem demora. Não realização de exames desnecessários. Abordagem.

Leia mais

Atualização do tratamento das vasculites ANCA associadas

Atualização do tratamento das vasculites ANCA associadas CNAP 2011 -Sábado -14h30-14h50 Atualização do tratamento das vasculites ANCA associadas Dr Alfredo N. C. Santana Doutor em Pneumologia USP Supervisor da Residência Médica, HRAN, SES, DF INTRODUÇÃO Definição

Leia mais

Clique para editar o título mestre

Clique para editar o título mestre Clique para editar o título mestre As criaturas abaixo foram tema de filmes dirigidos por Steven Spielberg, exceto: 1 2 v 3 4 Questão 1 Qual processo patológico acomete este enxerto renal? 1) Rejeição

Leia mais

Identificação:SBR, 48 anos, feminino, parda, casada, funcionária administrativa, natural de Campos dos Goytacazes.

Identificação:SBR, 48 anos, feminino, parda, casada, funcionária administrativa, natural de Campos dos Goytacazes. Serviço e Disciplina de Clínica Médica Sessão Clínica- 10/08/2015 Auditório Honor de Lemos Sobral- Hospital Escola Álvaro Alvim Orientador: Marcelo M. Lemos Relatora: Thallyene de Oliveira Pessanha R2

Leia mais

Documentação necessária para abertura de processos para medicamentos do Componente Especializado Lupus Eritematoso

Documentação necessária para abertura de processos para medicamentos do Componente Especializado Lupus Eritematoso Documentação necessária para abertura de processos para medicamentos do Componente Especializado Lupus Eritematoso cópia da carteira de identidade ou certidão de nascimento cópia do CPF (facultativo) cópia

Leia mais

PRÉ-REQUISITO R3 TRANSPLANTE RENAL / NEFRO (309)

PRÉ-REQUISITO R3 TRANSPLANTE RENAL / NEFRO (309) PRÉ-REQUISITO R TRANSPLANTE RENAL / NEFRO (09) RESIDÊNCIA MÉDICA (UERJ-FCM) 06 PRÉ-REQUISITO (R) / 09 PROVA ESCRITA NEFROLOGIA ) Uma senhora de 80 anos chega ao serviço de pronto-atendimento com queixa

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Resultados Anteriores: Data: 17/08/ /02/ /03/ /04/ /01/ /04/2013 Valor:

Resultados Anteriores: Data: 17/08/ /02/ /03/ /04/ /01/ /04/2013 Valor: GLICOSE...: 169 mg/dl V.R. 70 a 99 mg/dl : Normal 100 a 120 mg/dl : Intolerancia a glicose (investigar) > de 126 mg/dl : Sugere Diabetes (investigar) NOTA: Valores obtidos com base na Sociedade Brasileira

Leia mais

Métodos de avaliação da função renal

Métodos de avaliação da função renal Métodos de avaliação da função renal Fernando Domingos Instituto de Fisiologia Faculdade de Medicina de Lisboa 2014 1 Avaliação clínica Medição da pressão arterial (pode estar elevada na doença renal)

Leia mais

LABORATÓRIO BOM JESUS

LABORATÓRIO BOM JESUS GLICEMIA...: 74 Metodo: Colorimetrico Valor de Referencia: 70 a 110,0 mg/dl UREIA...: 32 Metodo : Urease/GluDH Valor de Referencia: 15 a 38 mg/dl CREATININA...: 0,65 Metodo : Picrato Alcalino Homens :

Leia mais

Caso Clínico 24/08/11 - "Fraqueza e dor nas pernas" Sex, 02 de Setembro de :26 - Última atualização Qui, 29 de Março de :37

Caso Clínico 24/08/11 - Fraqueza e dor nas pernas Sex, 02 de Setembro de :26 - Última atualização Qui, 29 de Março de :37 # Data : 23/08/11 # Identificação: R.M.L, 66 anos, feminino, casada (união estável), aposentada, natural e procedente de Itapipoca CE. # Data da admissão: 19/08/11 #QP: Fraqueza e dor nas pernas # HDA:

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,38 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ

RESIDENCIA MÉDICA UFRJ 1. Homem 54 anos, em uso regular de diclofenaco sódico por dor lombar. Há 24h com náuseas, vômitos e soluços. Normocorado, hálito urêmico, pressão arterial (PA) = 140x72mmHg, frequência cardíaca (FC)=

Leia mais

HEMOGRAMA TATIANA MATIAS MAFRA EDUARDO MIGUEL SCHMIDT

HEMOGRAMA TATIANA MATIAS MAFRA EDUARDO MIGUEL SCHMIDT HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 4,48 3,90 a 5,40 Hemoglobina g/dl...: 12,70 11,00 a 16,10 Hematócrito %...: 38,00 35,00 a 47,00 Vol. Glob. Média em fl...: 84,82 80,00 a 98,00 Hem. Glob.

Leia mais

Hemograma, plaquetas, creatinina, uréia. creatinina, uréia. Lúpus induzido por drogas, gestantes, lactantes e crianças devem ser tratados por médicos

Hemograma, plaquetas, creatinina, uréia. creatinina, uréia. Lúpus induzido por drogas, gestantes, lactantes e crianças devem ser tratados por médicos LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO Portaria SAS/MS n 100-7/02/2013 Medicamento AZATIOPRINA HIDROXICLOROQUINA METOTREXATO CID 10 L93.0, L93.1, M32.1, M32.8 Apresentação 50mg (comprimido) 400mg (comprimido) 2,5mg

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Faculdade de Medicina Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia TelessaúdeRS/UFRGS Rua Dona Laura, 320 11º andar Bairro Rio Branco CEP: 90430 090 Porto Alegre/RS

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 6,31 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

Caso clínico Constipação intestinal Sânzio S. Amaral

Caso clínico Constipação intestinal Sânzio S. Amaral Caso clínico Constipação intestinal Sânzio S. Amaral Serviço de Cirurgia do Cólon, Reto e Ânus HC-FMUSP Presidente Soc.Brasileira de Motilidade Digestiva História clínica MOP, feminina, 28 anos, branca,

Leia mais

HEMOGRAMA HERMES ARTUR KLANN PAULO ROBERTO WEBSTER

HEMOGRAMA HERMES ARTUR KLANN PAULO ROBERTO WEBSTER HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 5,49 3,90 a 5,40 Hemoglobina g/dl...: 15,20 11,00 a 16,10 Hematócrito %...: 44,50 35,00 a 47,00 Vol. Glob. Média em fl...: 81,06 80,00 a 98,00 Hem. Glob.

Leia mais

Artrite Idiopática Juvenil

Artrite Idiopática Juvenil www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite Idiopática Juvenil Versão de 2016 2. DIFERENTES TIPOS DE AIJ 2.1 Existem tipos diferentes da doença? Existem várias formas de AIJ. Distinguem-se principalmente

Leia mais

CASO CLÍNICO HC 1037110-8. Anderson Napp Rocha R4 REUMATOLOGIA

CASO CLÍNICO HC 1037110-8. Anderson Napp Rocha R4 REUMATOLOGIA CASO CLÍNICO HC 1037110-8 Anderson Napp Rocha R4 REUMATOLOGIA CASO NOVO PNEUMOLOGIA 17/04/2009 ID: BKRPL, 25 anos, feminino, branca, solteira, do lar, natural de Bragança Paulista- SP, residente em Atibaia-SP.

Leia mais

Caso Clínico. Sarah Pontes de Barros Leal

Caso Clínico. Sarah Pontes de Barros Leal Caso Clínico Sarah Pontes de Barros Leal Paciente de 22 anos Admitido no hospital por febre, dor abdominal, diarréia e poliartralgia HDA Até dois anos antes da admissão o paciente estava bem, quando desenvolveu

Leia mais

HBS-Ag - Antígeno Austrália Material: Soro VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente TRANSAMINASE OXALACETICA (TGO)

HBS-Ag - Antígeno Austrália Material: Soro VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente TRANSAMINASE OXALACETICA (TGO) HBS-Ag - Antígeno Austrália VALOR DE REFERÊNCIA RESULTADO: SORO NÃO REAGENTE Soro Não Reagente Página: 1 de 6 Nota: Este é um teste de triagem, cujo resultado, em caso de positividade não pode ser considerado

Leia mais

Aprendizado baseado na prática clínica... Caso Clínico

Aprendizado baseado na prática clínica... Caso Clínico Aprendizado baseado na prática clínica... Caso Clínico Cortesia Dr. Gustavo Gil Gomes Dr Andrés Ricardo Pérez Riera ANAMNESE Identificação: A.C.G.M., masculino, 60 anos, casado, branco, viajante, natural

Leia mais

LABORATÓRIO. HEMOGRAMA MATERIAL: SANGUE MÉTODO: AUTOMATIZADO Valores de referência:

LABORATÓRIO. HEMOGRAMA MATERIAL: SANGUE MÉTODO: AUTOMATIZADO Valores de referência: HEMOGRAMA MÉTODO: AUTOMATIZADO Valores de referência: HEMÁCIAS : 5.030.000 /mm³ 4.500.000-5.900.000/mm³ HEMOGLOBINA: 14.9 g/dl 13.5-17.5 d/dl HEMATÓCRITO: 43.5 % 41.0-53.0 % VCM : 86.5 fl 78.0-100.0 fl

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL AVALIAÇÃO LABORATORIAL DA FUNÇÃO RENAL 1. EXAME DE URINA Cor Aspecto Densidade urinária ph Glicosúria Proteinúria Pigmentos e Sais biliares Hemoglobinúria e Mioglobinúria

Leia mais

Manejo da Coinfecção TB-HIV

Manejo da Coinfecção TB-HIV Transcrição da Videoaula Curso: Manejo da coinfecção TB-HIV Unidade: 2 - Manejo Clínico da Coinfecção TB-HIV Atividade: 2.3 - Diagnóstico da tuberculose extrapulmonar em PVHA Docente: Denise Arakaki-Sanchez

Leia mais

Caso Clínico 2. AP Teve dermatite atópica até os 4 anos de idade. CONDIÇÕES AMBIENTAIS Mora em apartamento, tem cachorro.

Caso Clínico 2. AP Teve dermatite atópica até os 4 anos de idade. CONDIÇÕES AMBIENTAIS Mora em apartamento, tem cachorro. Caso Clínico 1. KMA, feminina, 32 anos, casada, natural e procedente de Uberaba, MG, psicóloga. QD Lesões cutâneas e prurido há oito meses HMA Pápulas eritematosas disseminadas, de aparecimento diário,

Leia mais

Gota e pseudo-gota: Ricardo Fuller HCFMUSP H C F MUS P

Gota e pseudo-gota: Ricardo Fuller HCFMUSP H C F MUS P Gota e pseudo-gota: Conduta nos quadros agudos H C UMATOLOG REU OGI A F MUS P Ricardo Fuller HCFMUSP Artropatias microcristalinas Gota Pirofosfato de Cálcio Pseudo gota Fosfato básico de Cálcio - Hidroxiapatita

Leia mais

TEMA INTEGRADO (TI) / TEMA TRANSVERSAL (TT) 4ª. SÉRIE MÉDICA

TEMA INTEGRADO (TI) / TEMA TRANSVERSAL (TT) 4ª. SÉRIE MÉDICA FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO DIRETORIA ADJUNTA DE ENSINO MEDICINA (DAEM) COORDENAÇÃO GERAL DO CURSO DE MEDICINA (CGCM) NÚCLEO PEDAGÓGICO EDUCACIONAL (NuPE) TEMA INTEGRADO (TI) / TEMA

Leia mais

#Id: R.S.S, feminino, 84 anos, natural e procedente de Fortaleza, viúva, ex-costureira, católica. #Fonte da história: Filha. #Q.P.

#Id: R.S.S, feminino, 84 anos, natural e procedente de Fortaleza, viúva, ex-costureira, católica. #Fonte da história: Filha. #Q.P. CASO CLÍNICO 5 #Id: R.S.S, feminino, 84 anos, natural e procedente de Fortaleza, viúva, ex-costureira, católica. #Fonte da história: Filha #Q.P.: Agitação #H.D.A.: Filha relata que paciente, acamada há

Leia mais

Consensus Statement on Management of Steroid Sensitive Nephrotic Syndrome

Consensus Statement on Management of Steroid Sensitive Nephrotic Syndrome Consensus Statement on Management of Steroid Sensitive Nephrotic Syndrome Grupo Indiano de Nefrologia Pediátrica, Academia Indiana de Pediatria o Indian Pediatrics 2001; 38: 975-986 986 http://www.indianpediatrics.net/sept2001/sept-975

Leia mais

Hematuria. Margarida Abranches

Hematuria. Margarida Abranches Curso inverno 2012 Hematuria Margarida Abranches Introdução Definição Presença de >5 GV por campo em 3 de 3 amostras consecutivas de urina centrifugada, com intervalo de uma semana Classificação Macroscópica

Leia mais

Caso Clínico - Sociedade Paulista Reumatologia. Frederico Pinheiro Residente de Reumatologia - UNIFESP/EPM

Caso Clínico - Sociedade Paulista Reumatologia. Frederico Pinheiro Residente de Reumatologia - UNIFESP/EPM Caso Clínico - Sociedade Paulista Reumatologia Frederico Pinheiro Residente de Reumatologia - UNIFESP/EPM Anamnese Id.: A.R.L, masculino, 48 anos, branco, divorciado, protético dentário, natural e procedente

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA

DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA DEPARTAMENTO DE CLÍNICA MÉDICA CURSO DE HEMATOLOGIA Nº 1 Sexo feminino, 40 anos GV (3.9-5.0 x 10 6 /µl ) 4.75 GB (3500-10500) - 5.200 Hb (12.0-15.5 d/dl) 14.3 Blastos - Ht (35-45%) 43 Promielócitos - VCM

Leia mais

CASO CLÍNICO. Medicina-UFC. Everton Rodrigues

CASO CLÍNICO. Medicina-UFC. Everton Rodrigues CASO CLÍNICO Medicina-UFC Everton Rodrigues 22.10.2008 Identificação MCS, 19 anos, sexo feminino, leucoderma, solteira, brasileira, natural e procedente de São Paulo SP, desempregada, alfabetizada e católica.

Leia mais

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco - HEMOPE PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA Versão 00/2015 ELABORAÇÃO Dra. Renata Lygia Vieira Vasconcelos

Leia mais

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado

Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado HEMOGRAMA COMPLETO Material: Sangue c/edta Método..: Citometria/Automatizado e estudo morfológico em esfregaço corado ERITROGRAMA V.R: Homens Mulheres Hemacias em milhoes/mm3...: 5,07 4,5 a 5,9 4,0 a 5,4

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R1) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA

RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 2015 PRÉ-REQUISITO (R1) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 0 PRÉ-REQUISITO (R) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA RESIDÊNCIA MÉDICA SUPLEMENTAR 0 PRÉ-REQUISITO (R) / CLÍNICA MÉDICA PROVA DISCURSIVA ) Idosa de 8 anos, ex-tabagista (carga

Leia mais

VENZER HCT. Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos 8 mg + 12,5 mg 16 mg + 12,5 mg

VENZER HCT. Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos 8 mg + 12,5 mg 16 mg + 12,5 mg VENZER HCT Libbs Farmacêutica Ltda. Comprimidos 8 mg + 12,5 mg 16 mg + 12,5 mg VENZER HCT candesartana cilexetila + hidroclorotiazida MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA APRESENTAÇÕES

Leia mais

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL

PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO LIVRE. PSA - ANTIGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/ :05 PROSTÁTICO TOTAL AUTENTICIDADE: 31BA47 Set.Tecnico Imunoensaio PSA - ANTÍGENO ESPECÍFICO Coleta: 20/11/2004 07:05 PROSTÁTICO LIVRE Resultado 0.15 ng/ml Metodo: Eletroquimioluminescência (ECLIA) Referencial: Até 0.72 ng/ml

Leia mais

Cansarcor HCT. Candesartana cilexetila + hidroclorotiazida. Legrand Pharma Industria Farmacêutica Ltda. comprimido. 8mg/12,5mg.

Cansarcor HCT. Candesartana cilexetila + hidroclorotiazida. Legrand Pharma Industria Farmacêutica Ltda. comprimido. 8mg/12,5mg. Cansarcor HCT Candesartana cilexetila + hidroclorotiazida Legrand Pharma Industria Farmacêutica Ltda comprimido 8mg/12,5mg 16mg/12,5mg Modelo de Bula I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO CANSARCOR HCT candesartana

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial. Daniel Machado do Amaral Outubro 2012

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial. Daniel Machado do Amaral Outubro 2012 Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial Daniel Machado do Amaral Outubro 2012 ID: A.A.N., masculino, 29 anos, solteiro, natural de Santana do Acaraú, procedente

Leia mais

Urinálise Sedimentoscopia Identificação

Urinálise Sedimentoscopia Identificação Caso Clínico Item EAS04 Paciente masculino, 60 anos, transplantado renal em acompanhamento no ambulatório de pacientes transplantados. Foram solicitados o Exame físico-químico da urina e análise do sedimento

Leia mais

A. Ossos B. Articulações. 2 Letícia C. L. Moura

A. Ossos B. Articulações. 2 Letícia C. L. Moura Ossos e Articulações Profa. Letícia Coutinho Lopes Moura Tópicos da aula A. Ossos B. Articulações 2 B. Articulações Artrites 3 Osteoartrite Doença articular degenerativa mais comum Degeneração cartilagem

Leia mais

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014

Caso Clínico. Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 Caso Clínico Emanuela Bezerra - S5 28/04/2014 IDENTIFICAÇÃO: M.P.B.S, sexo feminino, 27 anos, solteira, procedente de Nova Olinda-CE, Q.P.: " pele amarelada e com manchas vermelhas" HDA: Paciente relata

Leia mais

07/12/2015. Letícia Coutinho Lopes 1. Ossos e Articulações

07/12/2015. Letícia Coutinho Lopes 1. Ossos e Articulações Ossos e Articulações Profa. Letícia Coutinho Lopes Moura Tópicos da Aula A. Ossos B. Articulações 2 A. Ossos Modelagem, Remodelagem Óssea Microscopia da Modelagem Óssea Anormalidades de Desenvolvimento

Leia mais

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC-

Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC. Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Capacitação sobre as LG de HAS, DM e DRC Capacitação sobre as Linhas Guia de HAS e DM -DRC- Modelo conceitual para DRC Antecedentes potenciais da DRC Estágios da DRC Consequências da DRC Complicações Normal

Leia mais

Data de liberação: 20/01/ :31

Data de liberação: 20/01/ :31 SOROLOGIA PARA CITOMEGALOVIRUS Anticorpos de Classe IgG: Superior a 250.0 UA/mL Anticorpos de Classe IgM: Não Reagente Método: Imunoensaio por Quimioluminescência Valores de Referência IgG: Não reagente:

Leia mais

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE

NOME GÊNERO IDADE ENDEREÇO TELEFONE HISTÓRIA CLÍNICA PARA INVESTIGAÇÃO DE URTICÁRIA DATA / / NOME GÊNERO IDADE ESTADO CIVIL RAÇA ENDEREÇO TELEFONE PROFISSÃO 1. ANTECEDENTES A) história familiar: Urticária angioedema Doenças da tireóide Asma,

Leia mais

Raniê Ralph Nefro. 02 de Setembro de Professor Calipson. Doenças sistêmicas e rim

Raniê Ralph Nefro. 02 de Setembro de Professor Calipson. Doenças sistêmicas e rim 02 de Setembro de 2008. Professor Calipson. Doenças sistêmicas e rim Qualquer doença é capaz de acometer o rim por dois motivos: Muito vascularizado. Os capilares glomerulares são feitos mais para passar

Leia mais

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS.

Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. Caso clínico 6 Identificação J.J.S., masculino, 48 anos, caminhoneiro, negro, residente em Campo Grande, MS. História da doença atual Em 5/2/2005 procurou a UBS com quadro de febre não aferida, cefaléia,

Leia mais

densidade óptica está ilustrada na Figura 1. O grupo anti-lpl positivo (anti- LPL+) foi detectado em 25 dos sessenta e seis pacientes com LES (37,8 %)

densidade óptica está ilustrada na Figura 1. O grupo anti-lpl positivo (anti- LPL+) foi detectado em 25 dos sessenta e seis pacientes com LES (37,8 %) A distribuição dos anticorpos anti-ll do subtipo IgG de acordo com a densidade óptica está ilustrada na Figura 1. O grupo anti-ll positivo (anti- LL+) foi detectado em 25 dos sessenta e seis pacientes

Leia mais

Artropatias inflamatórias crônicas

Artropatias inflamatórias crônicas Disciplina de Traumato-Ortopedia e Reumatologia Artropatias inflamatórias crônicas Prof. Marcelo Bragança dos Reis Introdução Principais manisfestações músculo-esqueléticas das doenças reumatológicas -

Leia mais

Cópia dos exames: VHS, PCR, hemograma, plaquetas, ALT, AST e creatinina. Cópia do exame de imagem das áreas afetadas pela doença.

Cópia dos exames: VHS, PCR, hemograma, plaquetas, ALT, AST e creatinina. Cópia do exame de imagem das áreas afetadas pela doença. ARTRITE REUMATOIDE Portaria SAS/MS n 710 27/06/2013 Medicamento NAPROXENO SULFASSALAZINA CID 10 M05.0, M05.3, M05.8, M06.0, M06.8, M08.0 Apresentação 500mg (comprimido) 500mg (comprimido) Presc. Máxima

Leia mais

CRS, 54 anos, mototaxista, natural de Jequié-BA, procedente de SP há 2 meses

CRS, 54 anos, mototaxista, natural de Jequié-BA, procedente de SP há 2 meses Caso Clínico Olívia Meira Dias Grupo de Doenças Intersticiais Pulmonares Divisão de Pneumologia - InCor Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo CRS, 54 anos, mototaxista, natural de Jequié-BA,

Leia mais

SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 2015 PRÉ-REQUISITO / CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA PROVA DISCURSIVA

SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 2015 PRÉ-REQUISITO / CANCEROLOGIA PEDIÁTRICA PROVA DISCURSIVA SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 05 SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 05 Com base no caso clínico abaixo, responda às questões de números e. Paciente do sexo feminino, dez anos, natural e residente

Leia mais

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA.

Caso Clínico ANAMNESE. IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. Caso Clínico ANAMNESE IDENTIFICAÇÃO: RSC, 2 anos, sexo feminino, natural e procedente de Nazaré BA. QUEIXA PRINCIPAL: Febre alta e adinamia há 15 dias. Caso Clínico ANAMNESE HMA: Há 15 dias paciente iniciou

Leia mais

Caso Clínico 1. HD: Síndrome Retroviral Recente

Caso Clínico 1. HD: Síndrome Retroviral Recente Caso Clínico 1 Mulher, 36 anos. Final Nov 2015- febre, adenomegalia cervical, cefaleia, náuseas. Relação sexual desprotegida nos últimos 30 dias. Anti HIV+ CD4+ 1.830 cel/mm³ (47%); CD8+ 904 cel/mm³ (23.2%);

Leia mais

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE)

HIPÓTESES: PERITONITE BACTERIANA ESPONTÂNEA EM CIRRÓTICO DESCOMPENSADO ENTEROINFECÇÃO (GASTROENTEROCOLITE) Caso Clínico 1 (2,0 pontos) Um homem de 50 anos, funcionário público, casado, etanolista diário, deu entrada na emergência, referindo dor abdominal, febre 38 C e evacuações diarreicas aquosas há 24 horas.

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E EDEMA AGUDO DE PULMÃO. Prof. Dr. José Carlos Jucá Pompeu Filho Cardiologista- Ecocardiografista

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E EDEMA AGUDO DE PULMÃO. Prof. Dr. José Carlos Jucá Pompeu Filho Cardiologista- Ecocardiografista INSUFICIÊNCIA CARDÍACA E EDEMA AGUDO DE PULMÃO Prof. Dr. José Carlos Jucá Pompeu Filho Cardiologista- Ecocardiografista CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA I CURSO DE CONDUTAS MÉDICAS NAS INTERCORRÊNCIAS EM

Leia mais

PATOLOGIA CLÍNICA I - 5º Período 09/08/2016

PATOLOGIA CLÍNICA I - 5º Período 09/08/2016 PATOLOGIA CLÍNICA I - 5º Período 09/08/2016 CASO I Paciente do sexo masculino, peso = 70 kg, com hemorragia traumática. Hemograma realizado imediatamente após o sangramento mostrou: Hemácias = 5.000.000/mm

Leia mais

CASO CLÍNICO. Viviane Teixeira

CASO CLÍNICO. Viviane Teixeira CASO CLÍNICO Viviane Teixeira 2010.1 A.C.M.S., 21 anos, branca, brasileira, solteira, estudante, natural do Rio de Janeiro, reside atualmente em Santa Cruz (RJ). QP : "Cansaço e dor nas juntas" H.D.A A

Leia mais

Padrão de Respostas da Prova Discursiva - REVALIDA 2015 - PÓS RECURSOS

Padrão de Respostas da Prova Discursiva - REVALIDA 2015 - PÓS RECURSOS Padrão de Respostas da Prova Discursiva - REVALIDA 2015 - PÓS RECURSOS PADRÃO DE RESPOSTA a) Lupus Eritematoso Sistêmico, Lupus Eritematoso Sistêmico grave, LES, LES grave b) História Clínica (mulher jovem

Leia mais

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial.

SÍNDROME DE LADY WINDERMERE. Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. SÍNDROME DE LADY WINDERMERE Identificação: 45 anos, feminina, branca, natural e procedente de São Paulo, representante comercial. Novembro de 2012: Tosse persistente, dispnéia e cefaléia, quando suspeitaram

Leia mais

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Insulinoterapia no pré per e pós operatório. Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Insulinoterapia no pré per e pós operatório Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Mais de 50% dos pacientes diabéticos têm chance de serem submetidos a alguma cirurgia pelo menos uma vez na vida. O diagnóstico

Leia mais

Urinálise Sedimentoscopia Identificação

Urinálise Sedimentoscopia Identificação Caso Clínico Item EAS04 Paciente masculino, 58 anos, procurou o serviço de emergência do hospital com queixa de dor na altura dos rins. Foram solicitados exames de rotina para avaliação do quadro do paciente,

Leia mais

Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA

Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA HEMOGRAMA COMPLETO Método: RESISTIVIDADE - IMPEDÂNCIA - MICROSCOPIA ERITOGRAMA: Referências Hemácias...: 4,45 milhões/mm³ 3,9 a 5,3 milhões/mm³ Hemoglobina...: 12,2 g/dl 12,0 a 16,0 g/dl Hematócrito...:

Leia mais

para o Tratamento de Doenças

para o Tratamento de Doenças ARTRITE PSORÍACA Portaria SAS/MS n 6 17/07/2017 Medicamento SULFASSALAZINA METOTREXATO NAPROXENO CID 10 M07.0, M07.3 Apresentação 500mg (comprimido) 2,5mg (comprimido) e 500mg (comprimido) 25mg/mL injetável

Leia mais

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI

HEMOGRAMA LUCAS WILBERT MARILIA DE N. C. BERGAMASCHI HEMOGRAMA ERITROGRAMA Hemácias milhões/mm3...: 4,67 4,00 a 5,10 Hemoglobina g/dl...: 13,00 11,20 a 15,10 Hematócrito %...: 37,80 34,00 a 43,00 Vol. Glob. Média em fl...: 80,94 78,00 a 92,00 Hem. Glob.

Leia mais

Questionário. 1. Sentiu na semana anterior ao AVC algum/alguns dos seguintes sintomas?

Questionário. 1. Sentiu na semana anterior ao AVC algum/alguns dos seguintes sintomas? Questionário Este questionário consta de um conjunto de perguntas que servirão de base à elaboração de um estudo prospectivo sobre a incidência de infecção sistémica que precede um AVC, tipos de infecção

Leia mais

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM

DROGA DIALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS AMICACINA AMOXICILINA AMPICILINA AMPICILINA+ SULBACTAM AZTREONAM ROGA IALISÁVEL OBSERVAÇÕES 1. ANTIBIÓTICOS Administrar a dose pós-diálise ou administrar 2 / 3 da dose normal como dose suplementar pós-diálise; acompanhar os níveis. AMICACINA P: dosar assim como o Cl

Leia mais

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta

Método : HPLC (Cromatografia Líquida de Alta Performance) por troca Iônica. Material: Sangue Edta ÁCIDO ÚRICO Resultado: 6,1 mg/dl Homens : 3,4 a 7,0 mg/dl Mulheres: 2,4 a 5,7 mg/dl GLICOSE Resultado: 89 mg/dl 70 a 99 mg/dl Resultado(s) Anterior(es) Em 12/08/11: 89 Em 24/01/11: 82 Em 01/10/10: 78 HEMOGLOBINA

Leia mais

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho M. V. do Serviço de Clínica Médica de Pequenos Animais HOVET FMVZ USP Residência em Clínica e Cirurgia de Pequenos animais HOVET FMVZ USP Especialização em Clínica Médica FMVZ

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

Caso Clínico 16/11/11 - dor na perna esquerda Seg, 05 de Dezembro de :59 - Última atualização Qui, 29 de Março de :24

Caso Clínico 16/11/11 - dor na perna esquerda Seg, 05 de Dezembro de :59 - Última atualização Qui, 29 de Março de :24 # Fonte: paciente e esposa # ID: AFJ, 59a, natural e procedente de Itapajé, católico, agricultor, casado. # QP: dor na perna esquerda # HDA: Paciente era previamente hígido até que há cerca de 2 meses

Leia mais

Orientador: Prof. Dr. Israel Ribas Relator: Dr Eduardo Abi-Kair Miguel Netto Debatedor: Drª. Luana Toledo Manhães

Orientador: Prof. Dr. Israel Ribas Relator: Dr Eduardo Abi-Kair Miguel Netto Debatedor: Drª. Luana Toledo Manhães Serviço e Disciplina de Clínica Médica Sessão Clínica- 06/04/2015 Auditório Honor de Lemos Sobral- Hospital Escola Álvaro Alvim Orientador: Prof. Dr. Israel Ribas Relator: Dr Eduardo Abi-Kair Miguel Netto

Leia mais

Lúpus Eritematoso Sistêmico - sinais e sintomas

Lúpus Eritematoso Sistêmico - sinais e sintomas Lúpus Eritematoso Sistêmico - sinais e sintomas Lúpus Eritematoso Sistêmico - sinais e sintomas Lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença autoimune de causa ainda desconhecida que pode afetar a pele,

Leia mais

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO

INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INFECÇÃO URINÁRIA NO ADULTO INTRODUÇÃO ITU invasão por microorganismos que desencadeiam resposta inflamatória. Bactérias que atingem via ascendente, hematogência ou linfática Cistite : mucosa vesical -

Leia mais

INTEGRANDO CONCEITOS À PRÁTICA DIÁRIA NA CONDUTA AO PACIENTE COM DENGUE

INTEGRANDO CONCEITOS À PRÁTICA DIÁRIA NA CONDUTA AO PACIENTE COM DENGUE REVISTA AMF EDIÇÃO 23 PAG. 15-16-17 casos clínicos INTEGRANDO CONCEITOS À PRÁTICA DIÁRIA NA CONDUTA AO PACIENTE COM DENGUE Sônia Maris Oliveira Zagne* / Maria das Graças Muniz** RESUMO Este relato busca

Leia mais

aprendendo por imagem

aprendendo por imagem aprendendo por imagem Convivendo com a Incontinência Urinária Dr. Juliano Moro, Dr. Osamu Ikari Disciplina de Urologia, FCM UNICAMP Paciente de 56 anos, do sexo feminina com incontinência urinária desde

Leia mais