PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE LOCAÇÃO DE BRINQUEDOS NA CIDADE DE NAVEGANTES/SC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE LOCAÇÃO DE BRINQUEDOS NA CIDADE DE NAVEGANTES/SC"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ Centro de Ciências Sociais Aplicadas CECIESA Gestão Curso de Administração Estágio Supervisionado Ana Carolina Souza Santos TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE LOCAÇÃO DE BRINQUEDOS NA CIDADE DE NAVEGANTES/SC Administração Geral ITAJAÍ-SC-2011

2 2 ANA CAROLINA SOUZA SANTOS Trabalho de Conclusão de Estágio PLANO DE NEGÓCIOS PARA UMA EMPRESA DE LOCAÇÃO DE BRINQUEDOS NA CIDADE DE NAVEGANTES/SC Trabalho de Estágio desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas - Gestão da Universidade do Vale do Itajaí. ITAJAÍ - SC, 2011

3 3 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por estar sempre iluminando meus passos, agradeço aos meus pais Sueli e Realcí por me proporcionarem os estudos, aos meus irmãos Ricardo e Pedro por estarem sempre ao meu lado dispostos a ajudar, ao meu namorado Juliano pelo incentivo e apoio diário. Muito obrigada, eu os amo muito. Ao meu orientador Professor Luiz Carlos da Silva Flores pela colaboração na elaboração do trabalho e a Uni Junior, pelo espaço e matérias disponíveis para o auxilio no trabalho. Agradeço também aos meus amigos e familiares que juntamente com todos os outros fizeram parte desta difícil, mas gratificante caminhada.

4 4 AGRADECIMENTOS Só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e o outro se chama amanhã, portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver. Dalai Lama.

5 5 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário Ana Carolina Souza Santos b) Área de estágio Administração Geral c) Supervisor de campo Germano José de Souza d) Orientador de estágio Prof. Luiz Carlos da Silva Flores, Dr.Eng.Produção e) Responsável pelo Estágio Supervisionado em Administração Prof. Eduardo Krieger da Silva, Msc

6 6 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão Social Uni Junior - UNIVALI b) Endereço Rua Uruguai, 584. Centro Itajaí SC c) Setor de desenvolvimento do estágio Gestão de Projetos d) Duração do estágio 240 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Germano José de Souza f) Carimbo e visto da empresa

7 7 AUTORIZAÇÃO DA EMPRESA Itajaí, 06 de junho de A Empresa Uni Júnior Orientação Empresarial, pelo presente instrumento, autoriza a Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI, a publicar, em sua biblioteca, o Trabalho de Conclusão de Estágio executado durante o Estágio Supervisionado, pela acadêmica Ana Carolina Souza Santos. Caio Cesar Ferrari Santangelo

8 8 RESUMO O início de uma empresa na área de locação de brinquedos é mais fácil devido à possibilidade de trabalho informal, por não haver necessidade de outros tipos de compromissos financeiros, como por exemplo, aluguel, reformas, construções e contratação de funcionários. Logo esse trabalho tratou-se de um estudo para a elaboração de um plano de negócios que visou a implantação de um empresa de locação de brinquedos para festas infantis na cidade de Navegantes-SC. A pesquisa do estudo teve como objetivo principal verificar as variáveis que influenciam na tomada de decisão na abertura de uma empresa de locação de brinquedos e como objetivos específicos: definir o escopo do negócio elaborar: missão, visão, objetivos e estrutura do negócio, desenvolver planejamento mercadológico e determinar a viabilidade financeira. O método utilizado para a aplicação da pesquisa foi a proposição de planos, onde foram levantados os dados quantitativos como a definição dos principais clientes, e dados qualitativos que foram obtidos por entrevistas com os concorrentes e com a empreendera. Tento o auxílio do software para elaboração de plano de negócio do SEBRAE-MG. Os resultados apresentados atenderam a expectativa da acadêmica, pois se obteve uma resposta clara da viabilidade do negócio, tanto no aspecto financeiro bem como o curto tempo para o retorno dos investimentos aumentando assim as possibilidades de sucesso do empreendimento. Deste modo, o sucesso da empresa depende tanto das ações futuras que deverão ser executadas pela empreendedora, quanto da dedicação e empenho do negócio. Palavras-chave: Empreendedorismo; Plano de Negócio; Novos negócios.

9 9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Gráfico 1: Fluxograma das etapas do plano de negócios Figura 1: Triângulo dos serviços Figura 2: Ciclo do Serviço Quadro 1: Esquema de classificação de serviço Quadro 2: Estrutura do Plano de Negócios Figura 3: Variáveis que influenciam o ambiente organizacional Figura 4: Componentes do microambiente Quadro 3: Software Plano de Negócios SEBRAE-MG Figura 5: Organograma Uni Júnior Quadro 4: Portfólio de Serviços Uni Júnior Orientação Empresarial Figura 6: Como elaborar um plano de negócios Gráfico 2: Qual a faixa etária dos questionados Gráfico 3:Qual estado civil dos questionados Gráfico 4: Profissão dos respondentes Gráfico 5: Qual a renda familiar dos questionados Gráfico 6: Onde os questionados residem Gráfico 7: Já utilizaram o serviço de locação de brinquedos Gráfico 8: Quantas vezes por ano os questionados costumam utilizar o serviço Gráfico 9: De quem compraram o serviço Gráfico 10: Como ficaram sabendo sobre a locação de brinquedos Gráfico 11: Quais fatores influenciam na compra do serviço Gráfico 12: Quanto pagaria para locar 01 cama elástica Gráfico 13: Quais brinquedos gostariam de locar Gráfico 14: Qual motivo de não utilizar esse serviço Gráfico 15: Qual evento utilizaria esse tipo de serviço Gráfico 16: Quanto pagaria para locar 01 cama elástica Gráfico 17: Quais fatores influenciam ao contratar esse tipo de serviço Gráfico 18: Quais brinquedos gostariam de locar Gráfico 19: Qual a percepção sobre o serviço da SB Brinquedos... 70

10 10 Gráfico 20: Qual a opinião das pessoas que já contrataram ou participaram de um evento com a SB Brinquedos Quadro 5: Estudo dos concorrentes Quadro 6: Estudo dos fornecedores Quadro 7: Serviços oferecidos pela empresa Figura 7: Modelo de plotagem do veículo Figura 8: Panfleto SB Brinquedos (Frente) Figura 9: Panfleto SB Brinquedos (Verso) Gráfico 21: Fluxograma de agenda do serviço Gráfico 22: Fluxograma da execução Gráfico 23: Estimativa de faturamento Quadro 8: Matriz F.O.F.A

11 11 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Partilha do Simples Nacional serviços e locação de bens (Anexo III) Tabela 2: Qual o gênero dos questionados Tabela 3: Possuem filhos e/ou crianças na família Tabela 4: Indicaria a locação de brinquedos Tabela 5: Conhece ou já ouviu falar da SB Brinquedos Tabela 6: Como os questionados ficaram sabendo da SB Brinquedos Tabela 7: Indicaria os serviços da SB Brinquedos Tabela 8: Investimentos fixos Tabela 9: Investimentos Pré-Operacionais Tabela 10: Estimativa faturamento mensal Tabela 11: Custos mensais diretos Tabela 12: Custo com depreciação Tabela 13: Custos fixos operacionais mensais Tabela 14: Demonstrativo dos resultados Tabela 15: Indicadores de viabilidade... 86

12 12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Problema de pesquisa Objetivos geral e específicos Aspectos metodológicos Caracterização do trabalho de estágio Contexto e participantes da pesquisa Instrumentos e procedimentos para a coleta de dados Tratamento e análise dos dados FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração: conceitos gerais Áreas de suporte da gestão de empresas Serviços Empreendedorismo Características e perfil do empreendedor Plano de Negócios Estrutura do Plano de Negócios Sumário Executivo Análise de Mercado Plano Operacional Plano Financeiro Softwares Plano de Negócios Sebrae-MG DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA DE CAMPO Características da Organização Uni Júnior Portfólio de Serviços Plano de Negócio Sumário Executivo Análise de Mercado Estudo dos Clientes Estudo dos Concorrentes Estudo dos Fornecedores Plano de Marketing Plano Operacional Plano Financeiro Avaliação Estratégica... 86

13 13 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 90

14 14 1 INTRODUÇÃO O Brasil é um dos países que detém os maiores índices de carga tributária e encargos sociais, mesmo assim tem sido palco de atuação de muitos empreendedores. O número crescente de empresas que vem surgindo no mercado, são Microempresas (ME) e Empresas de Pequeno Porte (EPP), que juntas constituem a principal fonte de emprego e renda, contribuindo para a formação da riqueza do país. Porém, a decisão de abrir uma empresa deve levar em consideração diversos aspectos do macro e micro ambiente. No macro ambiente fatores como economia, a inflação, taxas de juros, desemprego e padrão de vida entre outros, e no micro ambiente, potenciais clientes, a concorrência no mercado, fornecedores, facilidade de entrada de novos players, exigem que o empreendedor faça estudos mais aprofundados para auxiliar na tomada de decisão do escopo do negócio. O plano de negócios oferece um estudo prévio que avalia as vantagens e desvantagens de abrir um negócio e sua viabilidade. Além disso, serve para antecipar dificuldades que só seriam vistas na prática, minimizando os riscos e maximizando as possibilidades de sucesso. Na elaboração do plano de negócio o empreendedor é forçado a descrever o negócio, reunir e ordenar as idéias, delinear as ações e ainda realizar simulações financeiras, tornando assim, um instrumento de importância significativa para quem deseja abrir um negócio. Diante disso é necessário saber em qual mercado apostar fazer uma pesquisa para saber quais serão as chances do negócio dar certo. Uma boa idéia de negócios é investir no lazer e entretenimento das crianças e pré-adolescentes, o sonho de todo empreendedor pode ser encontrado nesse segmento, ou seja, baixo investimento e lucro alto de curto a médico prazo (COSTA, 2010). O inicia da atividade de locação de brinquedos é mais fácil devido à possibilidade de trabalho informal e por não haver necessidade de outros tipos de compromissos financeiros, como por exemplo, aluguel, reformas e construções e contratação de funcionários. Em muitos casos o trabalho de monitoria é feito por jovens da família ou mesmo pelos donos dos brinquedos. Sendo assim surge a

15 15 oportunidade da elaboração do plano de negócios para a abertura de uma empresa de locação de brinquedos para festas infantis na cidade de Navegantes/SC. 1.1 Problema de pesquisa O problema de pesquisa permite estabelecer o foco do estudo e apresentar os motivos da sua realização, como enfatiza Gil (1999, p. 24), um problema é de natureza científica quando envolve variáveis que podem ser tidas como testáveis. Quais as variáveis que influenciam na tomada de decisões da abertura de uma empresa de locação de brinquedos para festas infantis na cidade de Navegantes? A mortalidade de micro e pequenas empresas no Brasil tem sido alvo de discussões no meio acadêmico e empresarial. Diante dessas discussões, percebese a necessidade de um plano de negócios para iniciar um empreendimento. O plano de negócios é o mapa da implantação do empreendimento para que o empreendedor possa acompanhar o crescimento e desenvolvimento do seu negócio. A acadêmica julgou necessária a elaboração de um plano de negócios para descrever os objetivos e os respectivos passos para a formalização da empresa, justificando desta forma, a viabilidade do negócio escolhido. Além da importância para a acadêmica vivenciar na prática os conhecimentos desenvolvidos durante o curso de Administração, é importante a viabilidade do negócio para que a empreendedora possa formalizar a empresa, com isso contribuindo para a sociedade, na oferta de empregos e também na arrecadação de impostos, bem como este trabalho contribuirá para o conhecimento dos futuros empreendedores da universidade. Este trabalho de estágio tem sua originalidade reconhecida no tema do projeto do plano de negócios de locação de brinquedos para festas infantis. Não foi encontrado trabalhos de estágio com este objetivo. Quanto a viabilidade do trabalho, foi possível porque a empresária já dispõem de alguns brinquedos para locação, está em atividade de forma informal, atendendo

16 16 clientes na cidade de Navegantes e cidades circunvizinhas. O tempo para a elaboração e desenvolvimento do plano de negócios é suficiente, atendendo as políticas do Estágio do Curso de Administração, bem como a acadêmica teve acesso às informações necessárias para realizar do plano estabelecido. 1.2 Objetivos geral e específicos O objetivo do trabalho indica a intenção da pesquisa, o que pretende desenvolver e quais os resultados que se procura alcançar. De acordo com Roesch (2005), objetivo geral define o propósito do trabalho e os objetivos específicos apontam o modo como será atingido o objetivo geral. O presente trabalho de conclusão de estágio tem como objetivo geral elaborar um plano de negócio para abertura de uma empresa de locação de brinquedos para festas infantis na cidade de Navegantes. Para atender o objetivo geral, define-se os objetivos específicos abaixo: Definir o escopo do negócio, incluindo missão, visão, objetivos e estrutura de recursos; Desenvolver um planejamento mercadológico; Determinar a viabilidade econômico-financeira; 1.3 Aspectos metodológicos Aborda a metodologia referente ao estudo, caracterização do trabalho de estágio, descrição do contexto e participantes da pesquisa, procedimentos e instrumentos de coleta de dados e seu tratamento e análise.

17 Caracterização do trabalho de estágio A tipologia que utilizada no presente trabalho é a proposição de planos. Foi elaborado um plano de negócios para realizar um diagnóstico do ambiente e mercado para a implantação de uma empresa de locação de brinquedos infantis na cidade de Navegantes definindo assim seu público alvo. Roesch (2005) comenta que a proposição de plano é uma consultoria em serviços especializados que tem como enfoque a solução de problemas que são previamente identificados, com uma apresentação de proposta de planos ou sistema. O desenvolvimento desse Trabalho de Estágio foi construído predominantemente com os métodos qualitativo com aporte quantitativo na pesquisa com potenciais clientes e nas análises financeiras. Malhotra (2001, p.155) define pesquisa qualitativa como metodologia de pesquisa não-estruturada, exploratória, baseada em pequenas amostras, que proporciona insights e compreensão do contexto do problema. Conforme complementa o mesmo autor a pesquisa qualitativa visa alcançar uma compreensão das razões e motivações subjacentes que envolvem um número mínimo de casos, a coleta de dados não estruturada e a análise dos dados é realizada por meio da avaliação de conteúdo. O enfoque qualitativo foi observado no processo de elaboração do plano de negócios e na interpretação de dados informais e documentais. Utiliza-se a abordagem quantitativa para análise dos clientes, fornecedores e pesquisa de mercado sendo dados de natureza descritiva. Conforme aborda Malhotra (2001), procura quantificar os dados e generalizar os resultados da amostra proposta para a população alvo, que são representativos, pois envolvem um grande número de casos que na sua maioria são representativos. Em resumo, o estudo é uma pesquisa qualitativa com contribuição quantitativa, que se concretizou por meio de uma proposição de plano para uma empresa de locação de brinquedos para festas infantis na cidade de Navegantes- SC.

18 Contexto e participantes da pesquisa Este item requer a definição dos informantes da pesquisa e o contexto que foi realizado o trabalho inclui o empreendedor, potenciais clientes, fornecedores e outros elementos influenciadores, o que caracterizará a população e amostra. Para Malhotra (2001), a população é conhecida como a soma de todos os elementos que compartilham alguma característica em comum, em que os parâmetros populacionais são tipicamente numerados, confrontando assim o universo com o propósito do problema da pesquisa. De acordo com Barbetta (1994, p. 57), o tamanho da amostra extraído da população a ser pesquisada, pode ser calculado de duas formas: quando se conhece o tamanho da população ou quando não se conhece o tamanho da população. Para o mesmo autor o tamanho mínimo da amostra aleatória simples pode ser determinado através de uma primeira aproximação amostral (no). A definição da amostra para este estudo, por não se conhecer a população, foi utilizado o cálculo da aproximação da amostra, com um erro amostral de 8%, é demonstrada abaixo, segundo Barbetta (1994, p. 23): no = 1 = 1 = 156,25 Eo 0,08² Onde: no: aproximação do tamanho da amostra Eo: erro amostral tolerável Na pesquisa são considerados os clientes potenciais, ou seja, qualquer pessoa que esteja interessada em locar brinquedos para festa infantis, num total de 157 informantes, pessoas com crianças e escolas de educação infantil e fundamental. Atualmente a empresa mesmo informalmente tem aproximadamente 16 clientes fixos.

19 Instrumentos e procedimentos para a coleta de dados No decorrer deste projeto foram coletados dados primários e dados secundários. Roesch (2005) ressalta que a coleta de dados primários se adquire através de entrevistas, questionários, observações ou até mesmo testes. Já os dados secundários a mesma autora comenta que não são dados criados pelo pesquisador e sim informações retiradas de banco de dados, índices e relatórios. De acordo com Gil (1999) questionário é o método de investigação composto por um número elevado de questões dadas por escrito às pessoas, e é como uma técnica em que o investigador se apresenta frente ao investigado e formula perguntas com objetivo de obtenção dos dados que interessam a investigação. É uma fórmula de diálogo assimétrico em que uma das partes busca coletar dados. Para Mattar (1999) análise documental se dá por meio de dados que já foram coletados, tabulados, ordenados e às vezes até analisados os quais já estão catalogados à disposição dos que demonstrem interesse. Para o propósito do trabalho, foram utilizados como dados primários questionários com os potenciais clientes e entrevista com a empresária. Como fonte secundária foi utilizada a analise de documentos como as informações de sites e revistas do ramo da locação de brinquedos de festas infantis Tratamento e análise dos dados Esta etapa explica de qual forma ocorrerá à análise dos dados coletados durante a pesquisa; de acordo com Vergara (2003) tratamento dos dados refere-se àquela subdivisão nas quais pretende tratar os dados a serem coletados, justificando por que tal tratamento é certo ao alvo do projeto. De acordo com Gil (1999), pesquisa quantitativa é tudo que pode ser quantificável, o que significa demonstrar em números opiniões e informações para classificá-los e analisá-los. Os dados quantitativos foram jugulados por análise

20 20 estatística, utilizando-se de planilhas para a codificação dos dados, e assim gerados gráficos que catalogam as respostas obtidas nas perguntas, levando em consideração que os tipos de pergunta utilizadas foram fechadas. Em relação à análise estatística, significa a extração de informações a partir de dados coletados e reunidos em tabelas e gráficos, esta pode ser usada para resolução de problemas específicos, geralmente baseados em hipóteses (BARBETTA, 1994). Dados qualitativos passaram por um processo minucioso de interpretação e coerência das informações obtidas em entrevistas, com perguntas abertas. A análise de conteúdo busca classificar frases ou palavras em um texto e codificá-las de modo que se possam interpretar os dados, este método é utilizado em questões abertas de questionários ou em entrevistas em profundidade (ROESCH, 2005). O Gráfico 1 representa a estrutura do desenvolvimento do trabalho de campo: Gráfico 1: Fluxograma das etapas do plano de negócios Fonte: Elaboração própria O Gráfico 1 representa a parte do objetivo, a etapas necessárias, contemplado pelos aspectos metodológicos e as referências bibliográficas, sendo assim para

21 21 desenvolvimento do plano de negócios caracterizando o negócio, o mercado e para completar, foi feita toda a projeção financeira para o empreendimento; com toda a estrutura formada foi possível ter um bom resultado final.

22 22 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A abordagem deste capítulo apresenta uma revisão da literatura sobre temas para o desenvolvimento do estudo destacando as bases históricas da Administração, ressaltando o Empreendedorismo. 2.1 Administração: conceitos gerais A Administração sempre esteve presente no cotidiano humano, frente a diversas divergências, complexidades e deficiências que o sistema vem sofrendo, a sua função está cada vez mais importante para a resolução dos problemas encontrados. De acordo com Certo (2005, p.5) administração é o processo que permite alcançar as metas de uma empresa, fazendo uso do trabalho com e por meio de pessoas e outros recursos da empresa. Sendo assim, ao administrador, atribui-se a elaboração de planos, relatórios, projetos etc, que exige a aplicação de conhecimentos de acordo com as técnicas de administração, e a empresa tem a responsabilidade de oferecer os recursos necessários para a realização do mesmo. Segundo Stoner e Freeman (1999, p.5) administração é o processo de planejar, organizar, liderar e controlar os esforços realizados pelos membros da organização e o uso de todos os outros recursos organizacionais para alcançar os objetivos. Contudo administrar é o processo de dirigir ações que utilizam recursos para atingir objetivos. Para Megginson (1998, p.18) a administração pode ser definida como trabalho com recursos humanos, financeiros e materiais, para atingir os objetivos organizacionais através do desempenho das funções de planejar, organizar, liderar e controlar.

23 23 Administração, para Chiavenato (2000), é decifrar os objetivos propostos pela empresa e transformá-los em ação empresarial por meio de proposição de planos, organização, direção e controle dos esforços realizados em todas as áreas e níveis da empresa, a fim de atingir tais objetivos. Sendo assim, a Administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso dos recursos organizacionais para alcançar determinados objetivos. Na organização existem vários aspectos comuns, mais é essencial que em toda e qualquer organização seja formada de pessoas que administram. Para Stoner e Freeman (1999, p.5) a administração já foi chamada como arte de fazer coisas através de pessoas e, Chiavenato (2008, p.6) ressalta que a administração não é uma ciência exata. Ela não pode se basear em leis rígidas, em resumo, constata-se que a administração depende das pessoas para a eficiência na execução dos processos. Enfim, a administração é o processo ou atividade dinâmica, que consiste em tomar decisões sobre objetivos e recursos. O processo administrativo é inerente a qualquer situação em que haja pessoas utilizando recursos para atingir algum tipo de objetivo. O processo de administração adequadamente executado envolve ampla variedade de atividades que incluem planejar, organizar, dirigir e controlar. A seguir cada um dos seus conceitos. Alguns autores definem como sendo cinco as funções do administrador, outros afirmam ser quatro funções básicas. Contudo administração é um processo ou atividade dinâmica, que consiste em tomar decisões sobre objetivos ou recursos. As primeiras funções do administrador foram indicadas através de estudos realizados por Fayol (1950); prever, organizar, comandar e controlar. De acordo com Stoner e Freeman (1999), o planejar significa pensar antes de agir, ou seja prever seus objetivos e ações, e que seus atos devem ser baseados em algum método para alcançar melhores objetivos para si e para organização. Já para os autores Koontz e O Donnell (1989, p. 57), planejar é decidir antecipadamente o que fazer, de que maneira fazer, quando fazer e quem deve fazer. Organizar é a função administrativa definida como o modo de estruturar e coordenar as equipes para atingir os objetivos. Conforme Chiavenato (1994), a

24 24 organização consiste em um agrupamento de atividades necessárias para a realização dos objetivos e planos, a pertinência dessas atividades a departamentos adequados e os passos imprescindíveis para a incumbência e coordenação de autoridade. Dirigir ou direção é como alguns autores chamam Liderança: é o gerenciar, e estar unido às pessoas que estão inseridas na organização, dando a eles um caminho a ser seguido, estimulando e direcionando as atividades para chegar aos objetivos. Já para Chiavenato (1994, p. 147), dirigir significa interpretar os planos para os outros e dar instruções sobre como executá-los em direção aos objetivos a atingir. Controlar é aconselhar as atividades da organização, buscando a ajustar e identificar variáveis que interfiram no alcance dos objetivos. Para Chiavenato (1994, p. 262), a finalidade do controle é assegurar que os resultados daquilo que foi planejado, organizado e dirigido se ajustem tanto quanto possível aos objetivos previamente estabelecidos, Para Dornelas (2001, p. 29), a função controlar assegura que os objetivos sejam atingidos. Ela pergunta e responde a questão: Nossos resultados estão consistentes com nossos objetivos? E faz ajustes quando são necessários Áreas de suporte da gestão de empresas Na gestão de empresas de qualquer porte, publica ou privada, são necessárias atividades de: Recursos humanos; Financeira; Marketing; Produção; Organização de Sistemas e Métodos, Logística descritas a seguir. A administração de recursos humanos tem como foco os trabalhadores da empresa a qual deve conciliar seus interesses e necessidades com os dos seus funcionários, para que seu crescimento reflita positivamente na sociedade. Conforme Maximiano (2005), a função da área de gestão de pessoas envolve também o planejamento de mão-de-obra; recrutamento e seleção; treinamento e

25 25 desenvolvimento; avaliação de desempenho; remuneração ou compensação; higiene, saúde e segurança; administração de pessoal e funções pós-emprego. A área financeira compreende o projeto financeiro, estimativa da entrada e saída de caixa, levantamento dos fundos e distribuição dos mesmos e o controle financeiro. Na visão de Jordan; Ross; Westerfield (1998) a Administração financeira é o estudo de maneiras pelas quais três perguntas devem ser respondidas: (a) Que investimentos em longo prazo deveriam ser feitos? (b) Onde seria obtido o financiamento de longo prazo para custear tais investimentos? (3) Como gerir as atividades do dia-a-dia? O marketing pode ser definido de várias maneiras, a maioria das definições remete o marketing a sistemas de troca, processos sociais e gerenciais. Para Dolabela (1999, p.147) marketing é um processo de planejamento de uma organização que busca realizar trocas com o cliente, cada um com interesses específicos: o cliente quer satisfazer suas necessidades; uma empresa quer gerar receita. Administração da produção ou de operações é a função administrativa responsável pela produção de bens e serviços. Segundo Slack; Chambers; Johnston (2002) todas as funções de produção nas organizações representa a reunião de recursos destinados à produção de seus bens e serviços. Qualquer organização possui uma função de produção porque produz algum tipo de bem e/ou serviço e que são os gerentes de produção que exercem responsabilidades em administrar os recursos envolvidos pela função da produção denominando-se esta atividade administração de produção. A organização de sistemas e métodos (OSM) é um conjunto de técnicas administrativas que tem como objetivo principal aperfeiçoar o funcionamento das organizações. Para Oliveira (2005), o encargo básico de Sistemas, Organização e Métodos é a de efetuar as atividades de levantamento, análise, elaboração e implementação de sistemas administrativos na empresa. Dessa forma OSM tem como objetivo harmonizar os recursos, processo e pessoas, considerando as mudanças no funcionamento da organização.

26 26 A logística diz respeito a organização dos processos dentro da empresa de acordo com Ballou (2001) o objetivo da logística é distribuir o serviço certo, no lugar certo no tempo certo e nas condições desejadas pelo consumidor. Por se tratar da elaboração de um plano de negócios o presente trabalho apóia-se em todas as áreas da administração; conforme os objetivos deve ser dado maior enfoque na área de OSM onde foi definido o escopo do negócio, e marketing, pois foi elaborado um planejamento mercadológico e determinado a viabilidade financeira do negócio. 2.2 Serviços O setor de serviços apresenta algumas características típicas que conferem a ele aspectos concorrenciais diferentes de empresas de produtos. Serviço pode ser definido como sendo uma transação realizada por empresas ou empresários cujo objetivo não esteja associado à transferência de um bem (LAS CASAS, 1991, p.15). De acordo com Cobra (1992, p.403): Serviço uma é mercadoria comercializável isoladamente, ou seja, um produto intangível que não se pega, não se cheira, não se apalpa, geralmente não se experimenta antes da compra, mas permite satisfações que compensam o dinheiro gasto na realização de desejos e necessidades dos clientes. Os serviços têm sido conceituados como produtos que satisfazem as necessidades e desejos das pessoas (Kotler, 1998). Portanto, serviços, assim como seus bens, são formas de satisfazer as necessidades das pessoas sejam essas necessidades por entretenimento, locomoção, informação ou mesmo segurança. Entretanto, e como uma das suas características, os serviços são intangíveis conforme Fitzsimmons e Fitzsimmons, (2004). Ou seja, eles não são materializados, muitas vezes existindo apenas os seus benefícios. Por exemplo, um corte de cabelo que não existe senão na cabeça do próprio cliente depois de executado. Berry e Parasuraman (1995, p. 113) colocam que os clientes não podem ver um serviço, mas podem ver diversos tangíveis associados ao serviço, entre eles as

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques

Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Plano de Marketing e Vendas e a Análise Estratégica do Negócio Fabiano Marques Nada é mais perigoso do que uma idéia, quando ela é a única que temos. (Alain Emile Chartier) Neste módulo, faremos, a partir

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC. Graduação em Administração Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Graduação em Administração Educação Presencial 2011 1 Trabalho de Conclusão de Curso - TCC O curso de Administração visa formar profissionais capacitados tanto para

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral

Empreendedorismo. Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Empreendedorismo Tópico 4 Plano de Negócios: Visão Geral Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. Planejar. Por quê?... 3 4. O Plano é produto do empreendedor... 4 5. Estrutura do Plano

Leia mais

MODELO PLANO DE NEGÓCIO

MODELO PLANO DE NEGÓCIO MODELO PLANO DE NEGÓCIO Resumo dos Tópicos 1 EMPREENDEDOR... 3 1.1. O EMPREENDIMENTO... 3 1.2. OS EMPREENDEDORES... 3 2 GESTÃO... 4 2.1. DESCRIÇÃO DO NEGÓCIO... 4 2.3. PLANO DE OPERAÇÕES... 4 2.4. NECESSIDADE

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com.

Análise de Mercado. Análise da Indústria/Setor. Descrição do Segmento de Mercado. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado. josedornelas.com. Artigos de PN Como fazer Análise de Mercado Análise de Mercado A análise de mercado é um dos componentes do plano de negócios que está relacionado ao marketing da organização. Ela apresenta o entendimento

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio

Plano de Negócios. Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa. Modelo de Planejamento prévio Plano de Negócios Passo a passo sobre como iniciar um Plano de Negócios para sua empresa Modelo de Planejamento prévio Fraiburgo, 2015 Plano de Negócios Um plano de negócios é uma descrição do negócio

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA

COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA COLETA DE INFORMAÇÕES E PREVISÃO DE DEMANDA 1) Quais são os componentes de um moderno sistema de informações de marketing? 2) Como as empresas podem coletar informações de marketing? 3) O que constitui

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR. Suzano CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA PROJETO INTEGRADOR Suzano PROJETO INTEGRADOR 1. Introdução O mercado atual de trabalho exige dos profissionais a capacidade de aplicar os conhecimentos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO

CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO Contexto e objetivos CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA COMÉRCIO ELETRÔNICO PROF. CÉLIO CONRADO O desenvolvimento do plano de negócios, como sistematização das idéias

Leia mais

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro:

Teoria e Prática. Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009. Rosaldo de Jesus Nocêra, PMP, PMI-SP, MCTS. do PMBOK do PMI. Acompanha o livro: Gerenciamento de Projetos Teoria e Prática Totalmente de acordo com a 4 a Edição/2009 do PMBOK do PMI Acompanha o livro: l CD com mais de 70 formulários exemplos indicados pelo PMI e outros desenvolvidos

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas

ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas ANEXO 1: Formato Recomendado de Planos de Negócios - Deve ter entre 30 e 50 páginas 1) Resumo Executivo Descrição dos negócios e da empresa Qual é a ideia de negócio e como a empresa se chamará? Segmento

Leia mais

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano Financeiro no Plano de Negócios Fabiano Marques Seguindo a estrutura proposta em Dornelas (2005), apresentada a seguir, podemos montar um plano de negócios de forma eficaz. É importante frisar

Leia mais

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER?

EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? EMPREENDEDORISMO: POR QUE DEVERIA APRENDER? Anderson Katsumi Miyatake Emerson Oliveira de Almeida Rafaela Schauble Escobar Tellis Bruno Tardin Camila Braga INTRODUÇÃO O empreendedorismo é um tema bastante

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Análise do Ambiente estudo aprofundado

Análise do Ambiente estudo aprofundado Etapa 1 Etapa 2 Etapa 3 Etapa 4 Etapa 5 Disciplina Gestão Estratégica e Serviços 7º Período Administração 2013/2 Análise do Ambiente estudo aprofundado Agenda: ANÁLISE DO AMBIENTE Fundamentos Ambientes

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso:

PLANO DE NEGÓCIOS. Causas de Fracasso: PLANO DE NEGÓCIOS Causas de Fracasso: Falta de experiência profissional Falta de competência gerencial Desconhecimento do mercado Falta de qualidade dos produtos/serviços Localização errada Dificuldades

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade?

1 - Por que a empresa precisa organizar e manter sua contabilidade? Nas atividades empresariais, a área financeira assume, a cada dia, funções mais amplas de coordenação entre o operacional e as expectativas dos acionistas na busca de resultados com os menores riscos.

Leia mais

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE

INTRODUÇÃO A ÃO O EMPREENDE INTRODUÇÃO AO EMPREENDEDORISMO Prof. Marcos Moreira Conceito O empreendedorismo se constitui em um conjunto de comportamentos e de hábitos que podem ser adquiridos, praticados e reforçados nos indivíduos,

Leia mais

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios

UNIMEP MBA em Gestão e Negócios UNIMEP MBA em Gestão e Negócios Módulo: Sistemas de Informações Gerenciais Aula 4 TI com foco nos Negócios: Áreas envolvidas (Parte II) Flávio I. Callegari www.flaviocallegari.pro.br O perfil do profissional

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM MARKETING TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO É o processo gerencial de desenvolver e manter um ajuste viável entre os objetivos, experiências e recursos da organização e suas oportunidades de mercado. Moldando e remoldando

Leia mais

O Plano de Negócios Fabiano Marques

O Plano de Negócios Fabiano Marques O Plano de Negócios Fabiano Marques Um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições. (Dornelas, 2005) O termo empreendedorismo está naturalmente

Leia mais

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios.

Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios. Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. Empreenda! 9ª Edição Roteiro de Apoio ao Plano de Negócios Caro (a) aluno (a), Preparamos este roteiro para ajudá-lo (a) a desenvolver o seu Plano de Negócios. O Plano de Negócios deverá ter no máximo

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO

CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO CAPACITAÇÃO EM SERVIÇO TEMA: ELABORAÇÃO DE PROJETOS COM FOCO NA FAMÍLIA Março/2010 ELABORAÇÃO DE PROJETOS ELABOR-AÇÃO: palavra-latim-elabore preparar, formar,ordenar AÇÃO: atuação, ato PRO-JETOS: palavra-latim-projetus

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO

FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 1. CAPA 2. SUMÁRIO 3. INTRODUÇÃO FAZER ESTES ITENS NO FINAL, QUANDO O TRABALHO ESTIVER PRONTO 4. DESCRIÇÃO DA EMPRESA E DO SERVIÇO 4.1 Descrever sua Visão, VISÃO DA EMPRESA COMO VOCÊS IMAGINAM A EMPRESA

Leia mais

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO

COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO COMPONENTES DA ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIO No Modelo de Plano de Negócio, disponível no seu ambiente do Concurso você terá um passo a passo para elaborar o seu Plano, bem como todo o conteúdo necessário

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA

FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA FUNDAMENTOS PARA A ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA Abordagem da estratégia Análise de áreas mais específicas da administração estratégica e examina três das principais áreas funcionais das organizações: marketing,

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS - FAN CEUNSP SALTO /SP CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL TRABALHO INTERDISCIPLINAR APRESENTAÇÃO DO TI O Trabalho Interdisciplinar é um projeto desenvolvido ao longo dos dois primeiros bimestres do curso. Os alunos tem a oportunidade de visualizar a unidade da estrutura curricular do

Leia mais

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS

Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS Programa de Capacitação em Gestão da Responsabilidade Social Empresarial e Desenvolvimento PETROBRÁS OFICINA 2 Professora: Izabel Portela izabel@institutoiris.org.br Novembro - 2007 1 M A R K E T I N G

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 REGULAMENTO Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2013 é uma competição interna da Laureate International

Leia mais

Conhecimentos em Comércio Eletrônico Capítulo 4 CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO

Conhecimentos em Comércio Eletrônico Capítulo 4 CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO CAPÍTULO 4 VISÃO GERAL DO COMÉRCIO PLANEJAMENTO E MODELOS DE E-COMMERCE Uma das principais características do CE é permitir a criação de novos modelos de negócio. Um modelo de negócio é um método que permite

Leia mais

Plano de Negócios. Nívea Cordeiro 2011

Plano de Negócios. Nívea Cordeiro 2011 Plano de Negócios Nívea Cordeiro 2011 www.cordeiroeaureliano.com.br nivea@cordeiroeaureliano.com.br 2011 2 O Doidinho da Aldéia Vamos exercitar nossas habilidades empreendedoras; O que significou: O vendedor

Leia mais

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ

ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ ESTUDO DA IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PARA O COMÉRCIO VAREJISTA LUCIMEIRI CEZAR ANDRÉ Acadêmica de Administração Geral na Faculdade Metropolitana de Maringá /PR - 2005 RESUMO: A atividade comercial

Leia mais

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo

PN PLANO DE NEGÓCIOS. Gestão e Empreendedorismo PN PLANO DE NEGÓCIOS Conceito PLANO DE NEGÓCIO É um documento que contempla a descrição do empreendimento e o modelo de gestão que sustentará a empresa É O CARTÃO DE VISITA DA EMPRESA Plano de Negócio

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo

5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo 5 Conclusões 5.1. Síntese do estudo Este estudo teve como objetivo contribuir para a compreensão do uso das mídias sociais, como principal ferramenta de marketing da Casar é Fácil, desde o momento da sua

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo de Planejamento Prof.º Fábio Diniz COMPETÊNCIAS A SEREM DESENVOLVIDAS CONHECER A ELABORAÇÃO, CARACTERÍSTICAS E FUNCIONALIDADES UM PLANO DE NEGÓCIOS.

Leia mais

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor

Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com. Manual do Professor Prof. Dr. José Dornelas www.josedornelas.com Manual do Professor Manual do professor Este manual deve ser usado em conjunto com o vídeo do autor disponível no site da editora: www.campus.com.br Maiores

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Verificando a viabilidade do negócio

Verificando a viabilidade do negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Verificando a viabilidade do negócio Manual Etapa 2/Parte 1 Bem-vindo! Olá, caro empreendedor! É um prazer ter você na Etapa 2 do Programa de Auto-Atendimento

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS!

QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! QUER TER SUCESSO NOS NEGÓCIOS? CONFIRA NOSSAS DICAS! 4 Introdução 5 Conheça seu público 5 Crie uma identidade para sua empresa 6 Construa um site responsivo 6 Seja direto, mas personalize o máximo possível

Leia mais

PARTE VI O Plano de Negócios

PARTE VI O Plano de Negócios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Empreendedorismo: Uma Introdução Prof. Fabio Costa Ferrer,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO Marketing

EMPREENDEDORISMO Marketing Gerenciando o Marketing EMPREENDEDORISMO Marketing De nada adianta fabricar um bom produto ou prestar um bom serviço. É preciso saber colocálo no mercado e conseguir convencer as pessoas a comprá-lo. O

Leia mais

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio.

Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Com bom planejamento, empresário começa negócio sem dinheiro próprio. Plano de negócios estruturado ajuda na hora de conseguir financiamento. Veja dicas de especialistas e saiba itens que precisam constar

Leia mais

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000)

(WRIGHT; KROLL; PARNELL, 2000) de Marketing e Estratégias de Marketing Parte 01 OPORTUNIDADES E AMEAÇAS DO AMBIENTE EXTERNO Marcoambiente Ambiente setorial Estratégia Administração Estratégica Estratégico Organização / Direção Estratégia

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL

INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL INSTRUMENTO DE APOIO GERENCIAL 0405 05 IDENTIFICAÇÃO: Título: ORÇAMENTO EMPRESARIAL Atributo: ADMINISTRAÇÃO EFICIENTE Processo: PLANEJAMENTO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO O QUE É : É um instrumento de planejamento

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO.

SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Workshop para empreendedores e empresários do Paranoá DF. SUPERE A CRISE E FORTALEÇA SEU NEGÓCIO. Dias 06 e 13 de Dezembro Hotel Bela Vista Paranoá Das 08:00 às 18:00 horas Finanças: Aprenda a controlar

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO

EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO EMPREENDEDORISMO PASSOS PARA ABRIR UM NEGÓCIO Odilio Sepulcri odilio@emater.pr.gov.br www.odiliosepulcri.com.br www.emater.pr.gov.br Telefone: (41) 3250-2252 ROTEIRO DA APRESENTAÇÃO 1. Perfil para empreender

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão de Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

6. Planejamento do Negócio

6. Planejamento do Negócio 6. Planejamento do Negócio Conteúdo 1. O que é um Plano de Negócios 2. Elaboração de um Plano de Negócios 3. Sessões Propostas para um Plano de Negócios 4. Idéias para um Plano de Negócios 5. Sites para

Leia mais

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO -

PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - PROJETO MULTIDISCIPLINAR DE COMUNICAÇÃO INSTITUCIONAL - 2013 - PLANO DE COMUNICAÇÃO - A estrutura a seguir foi desenvolvida com base no escopo da disciplina de Planejamento Estratégico de Comunicação,

Leia mais

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING

CONSULTOR CARLOS MARTINS AÇAO EM MARKETING CONSULTOR CARLOS MARTINS CRIA - AÇAO EM MARKETING SUA EMPRESA Copyright Consultor Carlos Martins - Todos os direitos reservados wwwcarlosmartinscombr - consultor@carlosmartinscombr Como conquistar Clientes

Leia mais